10 GESTÃO DO CRÉDITO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "10 GESTÃO DO CRÉDITO"

Transcrição

1 SP RSP ertificação/15.º ertame plicação: GSTÃO O RÉITO Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para a correção das suas respostas. QUSTÃO 1 O anco definiu políticas de identificação de clientes a fim de reforçar a importância e a qualidade do cadastro, atender recomendações de órgãos reguladores e orientar o comportamento, ao envolver toda a organização. QUSTÃO 2 No anco do rasil, as metodologias de análise de crédito são diferenciadas por natureza e porte dos clientes e têm por objetivo uniformizar procedimentos a partir de critérios semelhantes em cada segmento analisado. Universidade orporativa anco do rasil. adastro (com adaptações). e acordo com o contexto e conforme as orientações do anco quanto ao cadastro, identifica-se a organização e o registro das informações em diversas bases. inexistência de diferenciação dos critérios de cadastramento. realização de operações de crédito com clientes com cadastros desatualizados. atualização e revisão dos dados cadastrais independentemente do tipo de relacionamento. adoção de mecanismos que garantam a confiabilidade e a aplicação dos princípios de segurança da informação. QUSTÃO 3 eterminada empresa apresentou os seguintes dados em seu último balanço patrimonial: Universidade orporativa anco do rasil. Risco de lientes, aderno 1 e 2. Unidade III (com adaptações). onsiderando as metodologias para análise de risco e limite de crédito para micro e pequenas empresas, identifica-se que são utilizadas para análise de empresas de factoring. efetuadas de forma personalizada pela iretoria de rédito. efetuadas no sistema do anco por intermédio do N micro empresas. efetuadas por intermédio do N micro empresas para entidades sem fins lucrativos. operacionalizadas em qualquer agência do anco, independentemente de ser a de relacionamento do cliente. TIVO R$ mil PSSIVO R$ mil aixa e ancos uplic. escontadas lientes Fornecedores Prov. ev. uvidosos!1.500 Salários a pagar stoques mpréstimos de urto Prazo Imóveis mpréstimos de Longo Prazo Máquinas apital social Móveis Reservas Veículos Prejuízos cumulados!4.000 Total Total s aplicações no circulante financeiro dessa empresa são R$ R$ R$ R$ R$ QUSTÃO 4 Universidade orporativa anco do rasil. nálise conômico-financeira de empresas. Um empresário, cliente stilo do anco do rasil, com o objetivo de efetuar um empréstimo, e sabedor de inclusão do seu PF no adin, procurou sua agência munido de documentação, comprovando sua regularização. Universidade orporativa anco do rasil. adastro (com adaptações). om base no texto e considerando as instruções do anco quanto a anotações cadastrais, o gerente deveria informar que se trata de anotação restritiva impeditiva, passível de flexibilização e, no prazo de 05 dias úteis, seria baixada. informar que se trata de anotação do tipo restritiva absoluta e que ele deveria voltar ao órgão responsável pela inclusão a fim de registrarem a baixa. informar que se trata de anotação do tipo restritiva impeditiva, digitalizar os documentos e enviar para a Superintendência a fim de providenciar a baixa da anotação. atualizar a consulta no sistema do banco, confirmando a restrição impeditiva, preencher súmula eletrônica e encaminhar o pedido de flexibilização para deferimento pela iretoria de rédito - icre. atualizar a consulta no sistema do banco, confirmando a restrição impeditiva absoluta, orientar o cliente a procurar o órgão responsável pela inclusão, munido da documentação que comprova a regularização. 1

2 SP RSP ertificação/15.º ertame plicação: 2014 QUSTÃO 5 Uma empresa procurou o anco para obter empréstimo para capital de giro e a partir de suas demonstrações contábeis foram apurados os seguintes valores (considerando que o ano 1 é o mais antigo): no 1 no 2 no 3 no 4 no 5 NG G G/NG 0,80 0,50 0,33 0,17 0,10 Universidade orporativa anco do rasil. nálise econômico-financeira de empresas. O comitê de crédito da agência indeferiu o pedido do cliente por constatar declínio do capital de giro. ocorrência de efeito tesoura. variação positiva do saldo em tesouraria. aumento da necessidade de capital de giro. descapitalização evidenciada na relação entre G e NG. QUSTÃO 6 O modelo de tratamento de créditos utilizado no anco do rasil contempla as fases de condução, cobrança e recuperação de créditos. ada uma dessas fases apresenta ações e objetivos específicos. Universidade orporativa anco do rasil. Introdução ao Processo de cobrança e Recuperação de créditos. om base nesse modelo, na fase recuperação de créditos, identificase o início da cobrança ativa do cliente. a prevenção da inadimplência dos ativos. a possibilidade da cessão de créditos para terceiros. a determinação em se manter o relacionamento com o cliente. os esforços no sentido de evitar o aumento de exposição com clientes que apresentem problemas potenciais. QUSTÃO 7 Garantias Reais são bens ou direitos de recebimento dados em garantia de obrigações relativas a operações de crédito. Ocorrem quando, além da promessa de pagamento, o devedor confere ao credor o direito especial de garantia sobre uma coisa ou uma universalidade de coisas, móveis ou imóveis. Universidade orporativa anco do rasil. Risco de operações. aderno 1. O direito real através do qual o devedor repassa ao credor a posse de um imóvel, permitindo que o crédito seja satisfeito através das rendas e benefícios gerados pelo imóvel, é denominado de QUSTÃO 8 Para gerenciar o risco de crédito, o banco utiliza vários instrumentos, como as políticas de crédito e de risco de crédito. Universidade orporativa anco do rasil. Introdução à gestão de riscos. definição das políticas de crédito está associada a uma necessidade mercadológica. operacional. estratégica. tática. legal. QUSTÃO 9 No anco do rasil, a gestão de riscos envolve estruturas de comitês e subcomitês. gestão estratégica ocorre no omitê de Risco Global (RG), cujo objetivo é decidir sobre políticas e diretrizes de risco. Os subcomitês monitoram os diversos tipos de risco e propõem medidas para mantê-los dentro dos limites de tolerância e apetite de risco definidos pela alta administração do anco. Universidade orporativa anco do rasil. Introdução a Gestão de Riscos, apítulo I. Importância do Gerenciamento de Riscos. om o objetivo de conferir agilidade ao processo de gestão, foram criados três subcomitês, dentre esses, identifica-se o subcomitê de risco fiança. penhor. hipoteca. anticrese. alienação fiduciária. de crédito e de conjuntura. de mercado e de liquidez. operacional e legal. legal e de imagem. de imagem. 2

3 SP RSP ertificação/15.º ertame plicação: 2014 QUSTÃO 10 Uma das principais atividades dos bancos é o crédito e não se pode conceber crédito sem pensar em risco, uma vez que o risco é inerente ao crédito. No entanto, é preciso considerar que os conceitos de crédito, risco e incerteza são diferentes. Universidade orporativa anco do rasil. Risco de lientes, aderno 1 (com adaptações). Nesse caso, identifica-se que incerteza é quando a decisão é pautada com base em informações e dados históricos do cliente. risco é quando a decisão é pautada com base em informações e dados históricos fundamentados. risco é quando se toma uma decisão pautada no poder de observação do deferidor. risco é quando a decisão é pautada com base na sensibilidade do analista. incerteza é quando se toma uma decisão embasada em dados estatísticos. QUSTÃO 11 O processo de operação de crédito no banco envolve as fases de proposta, estudo, formalização e condução. Universidade orporativa anco do rasil. Risco de Operações, aderno 2. Sobre a fase da proposta, identifica-se que, na ocasião do acolhimento, é dispensada a verificação quanto ao porte da empresa. no momento do recebimento da proposta do cliente, o banco comunica o seu aceite. na formulação da proposta, é materializada a pretensão do cliente, manifestada durante o acolhimento. nas operações de crédito rural, geral e internacional, a manifestação do cliente deve ser formal, por escrito e assinada. na entrevista, conhecidas as pretensões do cliente e após a formalização da proposta, deve-se verificar o cadastro, as restrições e o limite de crédito. QUSTÃO 12 base teórica para análise de clientes está contida no que se convencionou chamar Os s do crédito, há algum tempo utilizados pelos bancos em geral para a análise de crédito. os quatro elementos iniciais (caráter, capacidade, condições e capital), os estudiosos vêm acrescentando outros, conforme sejam seus enfoques. O anco do rasil trabalha com mais dois (conglomerado e colateral), somando, assim, seis elementos para análise. Universidade orporativa anco do rasil. Risco de lientes. aderno 1. om relação a um cliente pessoa física, o do crédito mais dotado de subjetividade é QUSTÃO 13 Os instrumentos de crédito dividem-se em contratos e títulos de crédito e a escolha adequada desses instrumentos é fundamental para resguardar os direitos do anco. Universidade orporativa anco do rasil. Risco de Operações, aderno 1. Sobre contratos e títulos de crédito, compreende-se que o contrato é um ato jurídico unilateral, regido pelo ódigo ivil e admite a fiança. o critério básico para a emissão de título de crédito rural é a atividade do emitente. a lei exige a utilização de contrato nas operações de crédito rural garantidas por alienação fiduciária. a cédula de crédito bancário () pode ser emitida para pessoa física ou jurídica, vinculada a garantia real. o direito confere aos títulos de crédito o atributo da incorporação pelo qual o direito do credor não está incorporado ao título. QUSTÃO 14 s estratégias de cobrança e recuperação de créditos utilizadas no anco do rasil são compostas por ações e canais definidos pela iretoria de Reestruturação de tivos Operacionais (irao), em parceria com a iretoria de rédito (icre) e as Unidades stratégicas gestoras de produtos/modalidades, canais e segmentos de mercado. Universidade orporativa anco do rasil. Introdução ao Processo de cobrança e Recuperação de créditos. No que se refere a canais, na fase de cobrança, os contatos iniciais com os clientes são efetuados por jornal. all enter. empresas terceirizadas de cobrança judicial. empresas terceirizadas de cobrança extrajudicial. Gerência de obrança e Recuperação de réditos Gecor. QUSTÃO 15 m um processo de falência, uma empresa deve ao anco do rasil 50 mil reais, garantidos pela hipoteca de um imóvel avaliado em 80 mil reais. empresa possui, ainda, débitos tributários no valor de 45 mil reais, débitos junto a outros bancos sem garantia real, no valor de 35 mil reais, e débitos trabalhistas no valor de 10 mil reais. Não há outras dívidas. O imóvel é o único patrimônio da empresa e foi incorporado ao capital social por um dos sócios, que não possui outros bens. Universidade orporativa anco do rasil. Risco de operações. Sendo os valores descritos líquidos, certos e realizáveis, o anco do rasil receberá o crédito remanescente depois de satisfeitos os débitos conglomerado. capacidade. condições. colateral. capital. tributários e com outros bancos. tributários e trabalhistas. com outros bancos. trabalhistas. tributários. 3

4 SP RSP ertificação/15.º ertame plicação: 2014 QUSTÃO 16 Para gerenciar o risco de crédito, o anco do rasil utiliza vários instrumentos, como as políticas de crédito e de risco de crédito, indicadores de desempenho, indicadores para o processo de orçamento de risco de crédito, análise de risco e retorno da carteira de crédito, relatórios gerenciais e sinopses. finalidade do índice de provisão Iprov é Universidade orporativa anco do rasil. Introdução à gestão de risco. mensurar o peso da provisão em relação à carteira de crédito total. controlar e acompanhar a qualidade do crédito. avaliar o comportamento da inadimplência. analisar a relação risco/retorno do crédito. avaliar a qualidade da carteira de crédito. QUSTÃO 17 divisão do cadastro em módulos e campos confere organização e padronização ao processo de cadastro. No cadastro do anco do rasil, cada informação tem um campo e um módulo específico para registro. Universidade orporativa anco do rasil. adastro. natureza jurídica de uma empresa é informação que compõe o módulo características especiais. dados complementares. atividades econômicas. razão social/npj. dados básicos. QUSTÃO 18 Na elaboração do fluxo de caixa projetado, é necessário considerar a série histórica das despesas. ssim, dados sobre despesas administrativas, gerais e de vendas devem ser confrontados com os de períodos anteriores, para que, no caso de variações significativas, possam ser buscadas as justificativas cabíveis. Universidade orporativa anco do rasil. Risco de Operações. aderno 2. e acordo com o texto, a comprovação das despesas mencionadas, em uma microempresa que optou pelo Simples, pode ser feita através da declaração de imposto de renda do último ano. do livro de entradas e saídas. dos livros diário e razão. da escrituração fiscal. do balanço social. QUSTÃO 19 s informações registradas no cadastro representam um determinado momento do cliente. Ocorrida alguma alteração, os registros atuais passam a não mais espelhar a situação do cliente. ssa situação de constante mudança torna necessário o estreito acompanhamento do cadastrado, como na seguinte situação hipotética: Um jovem universitário abriu uma conta no anco do rasil com o PF de seu pai, pois não possuía PF próprio, não tendo efetuado qualquer outra operação. pós alguns anos, já graduado, abriu conta cheque ouro e contratou outras operações em outra agência, mas já com PF próprio, gerando dois códigos MI. Universidade orporativa anco do rasil. adastro. iante dessa situação, o funcionário responsável pelo setor de cadastro na nova agência deve solicitar à agência anterior a transferência de cadastro. extinguir os dois MI e iniciar um novo. solicitar a baixa do cadastro antigo. realizar a unificação de cadastros. baixar o cadastro antigo. QUSTÃO 20 s operações de crédito são formalizadas por instrumentos de crédito, onde é consignado tudo o que foi acordado entre o cliente e o banco, em rigorosa conformidade com as exigências legais. Universidade orporativa anco do rasil. Risco de Operações. aderno 1. Sobre instrumentos de crédito, compreende-se que as operações de desconto dependem de instrumento formal. a operação de abertura de crédito independe de instrumento formal. os instrumentos de crédito dividem-se em contratos, títulos de crédito e títulos públicos. a correta utilização dos instrumentos de crédito é desnecessária para resguardar os direitos do anco. o instrumento de crédito é uma escritura revestida de forma padronizada e pode ser pública ou particular. QUSTÃO 21 O anco do rasil contrata empresas de cobrança, sociedades de advogados e empresas especializadas para prestarem serviços de cobrança extrajudicial e judicial a fim de proporcionar retorno dos ativos inadimplidos para o patrimônio da empresa. Universidade orporativa anco do rasil. Introdução ao Processo de obrança e Recuperação de créditos. cerca do processo de terceirização da cobrança extrajudicial, compreende-se que o processo é composto por três fases. o devedor formaliza o compromisso de pagamento na agência de relacionamento. a exclusão do cliente do Serasa/SP ocorre quando da quitação do compromisso de pagamento. a cobrança das dívidas dos clientes é feita pelas condições contratuais ou por parâmetros definidos pelo anco. a quebra do compromisso de pagamento ocorre no prazo máximo de 30 dias corridos após o vencimento. 4

5 SP RSP ertificação/15.º ertame plicação: 2014 QUSTÃO 22 O anco do rasil tem por norma não assumir risco de crédito com clientes que exerçam atividade que apresente restrições legais, com má reputação ou falta de integridade. restrição mencionada integra Universidade orporativa anco do rasil. Introdução à gestão de riscos. o ambiente legal. as políticas de crédito. a cultura organizacional. o ambiente mercadológico. as políticas de combate à lavagem de dinheiro. QUSTÃO 23 tivos S. é uma Sociedade de Propósito specífico (SP) onde o anco do rasil possui participação por meio do - anco de Investimento S. e do M razilian merican Merchat ank. Universidade orporativa anco do rasil. Introdução ao Processo de obrança e Recuperação de réditos (com adaptações). cerca da cessão de créditos para a tivos S., identifica-se que o anco do rasil continua a exercer o poder de cobrança sobre os créditos cedidos. o anco do rasil pode adotar a prerrogativa de cessão de créditos desde que autorizado pelo devedor. a baixa das anotações cadastrais é passível de análise pelas dependências somente nos casos de fraude comprovada. os clientes com dívidas cedidas pela tivos S.. ao mercado, após sua liquidação, podem voltar a operar com o anco do rasil. as anotações 320 (devedor principal) e 321 (coobrigados) constam no cadastro dos clientes com operações cedidas pela tivos S.. ao mercado. QUSTÃO 24 O anco entral, por intermédio do Plano ontábil de Instituições do Sistema Financeiro Nacional (osif), classifica as operações de crédito em empréstimos, financiamentos e títulos descontados. Universidade orporativa anco do rasil. Risco de Operações, aderno 1 (com adaptações). om base nos tipos de operações acima e nos aspectos relacionados ao negócio, entende-se que os financiamentos podem ser contratados na modalidade crédito fixo ou rotativo. títulos descontados são operações de crédito que antecipam os valores que o cliente tem a pagar. empréstimos são operações realizadas com destinação específica e financiam ativos circulantes e despesas gerais do cliente. financiamentos são operações com destinação específica, exige comprovação da aplicação do recurso e destina-se a financiar ativos permanentes. empréstimos, na modalidade de abertura de crédito fixo, e os valores podem ser liberados de uma única vez ou em parcelas, permitindo sua reutilização. QUSTÃO 25 onsidere o exemplo de um balanço cujos dados são exibidos no quadro a seguir. tivo R$ Passivo R$ aixa e bancos uplicatas descontadas uplicatas a receber mpréstimos a pagar Produtos acabados Fornecedores espesas antecipadas Provisão de 13 º salário Veículos apital Social TOTL TOTL Universidade orporativa anco do rasil. nálise econômico-financeira de empresas. e acordo com esses dados, o saldo em tesouraria é desfavorável, mas ele pode ser melhorado se a empresa aumentar sua capacidade produtiva com novas imobilizações. aumentar o uso da linha de crédito de desconto de duplicatas. reduzir o prazo médio de vendas, mantido o volume vendido. contrair empréstimos de curto prazo com boas taxas de juros. reduzir o volume de compras a prazo dos seus fornecedores. 5

6 SP RSP ertificação/15.º ertame plicação: 2014 QUSTÃO 26 m uma situação hipotética, uma determinada empresa, cliente do anco do rasil, possui um limite de crédito total de 6 milhões de reais, sendo 1 milhão de reais para investimento, 3 milhões de reais para capital de giro e 2 milhões de reais para desconto de títulos. O cliente ainda não utilizou seus limites de crédito. ssim, ele decide solicitar um crédito de 1 milhão e 300 mil reais, sendo 0,9 milhão de reais para aquisição de um novo equipamento e 0,4 milhão de reais para gastos com a venda dos produtos gerados pelo novo equipamento. Universidade orporativa do anco do rasil. Risco de Operações. aderno 2. e acordo com o texto, o cliente poderá ser atendido, visto que seu limite de crédito total é suficiente. apesar do pedido superar o limite para investimentos. desde que os sublimites aprovados sejam revistos e aumentados. visto que seu limite de crédito para capital de giro é de 3 milhões de reais. pois há margem suficiente tanto para investimento quanto para capital de giro. QUSTÃO 27 política específica de crédito do anco do rasil reflete orientações estratégicas, de modo a conduzir e uniformizar as decisões de crédito e também define critérios para aceitação do risco de clientes, estabelecimento prévio de limite de crédito, escolha de garantias e administração da carteira de ativos. Universidade orporativa anco do rasil. Risco de lientes, aderno 1. Nesse contexto, as orientações quanto ao nível de P (Probabilidade de esempenho) do cliente/grupo de produtos, a capacidade do cliente em gerar caixa e o plano de negócios caracterizam os critérios para deferimento de operações de crédito. estabelecimento do limite de crédito. administração da carteira de ativos. aceitação do risco do cliente. aceitação de garantias. QUSTÃO 28 O anco do rasil, com o objetivo de agilizar a contratação de operações de investimento e de leasing doméstico, definiu uma série de medidas para simplificar o acolhimento de propostas, análises e decisão do crédito. Universidade orporativa anco do rasil. Risco de Operações, aderno 2. Universidade orporativa anco do rasil. Operações de Investimento prospecção, originação, avaliação e acompanhamento. om base no contexto, identifica-se que o teto pré-avaliado tem como beneficiários produtores rurais, pessoas jurídicas e cooperativas com risco, ou. o acolhimento da proposta com dispensa da análise do projeto e o cálculo da capacidade de pagamento é aplicado a clientes e operações de risco. será exigido o cálculo formal da capacidade de pagamento do cliente e dispensada a apresentação de projeto de investimento com o teto pré-avaliado. o cálculo formal da capacidade de pagamento pode ser realizado pelos centros de serviços, pela iretoria de rédito (icre) ou pelas agências quando se tratar de operações de agronegócios. não será exigido o cálculo formal da capacidade de pagamento ou a análise do projeto de investimento com o estabelecimento da disponibilidade de caixa mensal (M) e sendo a margem disponível menor ou igual ao valor da prestação proposta. QUSTÃO 29 Por ser feita na iretoria de rédito-ir, em ambiente distinto daquele onde o cliente é atendido, a análise de crédito de médias e grandes empresas depende essencialmente da qualidade dos dados contidos no dossiê preparado pelas dependências. Universidade orporativa anco do rasil. Risco de lientes. aderno 2. om respeito ao dossiê descrito, a indicação e a justificação do portfólio de negócios propostos para o cliente é essencial. assessória. inadequada. dispensável. complementar. QUSTÃO 30 O cordo de asileia de 1988 definiu três conceitos: 1) Patrimônio de Referência (PR), subdividido em dois níveis de capital; 2) xposições Ponderadas pelo Risco (PR); 3) Índice de asileia. Universidade orporativa anco do rasil. Introdução à gestão de riscos. ntendendo alavancagem como a decisão de financiar negócios com recursos de terceiros passivos, e não com recursos próprios, o ferramental criado pelo cordo de asileia para tentar conter a alavancagem bancária é exposições ponderadas pelo risco (RP). patrimônio de referência (PR). índice de asileia. capital nível II. capital nível I. 6

10 GESTÃO DO CRÉDITO

10 GESTÃO DO CRÉDITO SPUn RSP ertificação/14.º ertame plicação: 2014 10 GSTÃO O RÉITO Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use

Leia mais

10 GESTÃO DE CRÉDITO

10 GESTÃO DE CRÉDITO SP RSP ertificação/16.º ertame plicação: 2015 10 GSTÃO RÉITO QUSTÃO 1 esde a criação do omitê de asileia, em 1974, a regulamentação bancária vem apresentando avanços significativos. Nesse omitê, são discutidas

Leia mais

POLÍTICA DE CRÉDITO E COBRANÇA: nº 03/2012 de 01/06/2012

POLÍTICA DE CRÉDITO E COBRANÇA: nº 03/2012 de 01/06/2012 POLÍTICA DE CRÉDITO E COBRANÇA: nº 03/2012 de 01/06/2012 1 APRESENTAÇÃO Art. 1º - A política de crédito da Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Servidores da Unesp - COOPUNESP é o meio pelo qual

Leia mais

Lançamentos Típicos de entidades do setor público

Lançamentos Típicos de entidades do setor público Lançamentos Típicos de entidades do setor público Efetue os lançamentos típicos a partir das informações captadas em cada caso típico do município de Transparência de Pombal. etermine inicialmente a Natureza

Leia mais

Lançamentos Típicos de entidades do setor público

Lançamentos Típicos de entidades do setor público Lançamentos Típicos de entidades do setor público Efetue os lançamentos típicos a partir das informações captadas em cada caso típico do município de Sinopolandia do Norte. etermine inicialmente a Natureza

Leia mais

REGULAMENTO DE OPERAÇÕES

REGULAMENTO DE OPERAÇÕES 1 GENERALIDADES As operações de crédito da Cooperativa serão realizadas dentro das normas fixadas pelo Estatuto Social, pelas normas legais, as do Banco Central do Brasil e por este Regulamento. 2 OBJETIVO

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO FINANCEIRA VICE-DIRETORIA ADMINISTRATIVA

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO FINANCEIRA VICE-DIRETORIA ADMINISTRATIVA POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO FINANCEIRA VICE-DIRETORIA ADMINISTRATIVA ABRIL 2011 1 1. APRESENTAÇÃO A expansão das atividades de ensino e melhoramento da infraestrutura física ofertada tem exigido da Faculdade

Leia mais

Securitização De Créditos Imobiliários

Securitização De Créditos Imobiliários Securitização De Créditos Imobiliários Operações Imobiliárias A 1. O que é securitização de créditos imobiliários? Securitização é um processo estruturado, coordenado por uma instituição especializada

Leia mais

4 - POLÍTICAS DE RISCO DE CRÉDITO

4 - POLÍTICAS DE RISCO DE CRÉDITO 1. INTRODUÇÃO Este documento objetiva esclarecer as normas, políticas e procedimentos de controle utilizados pelo Banco Tricury S/A no processo de gestão de Risco de Crédito das operações, consoante a

Leia mais

POLÍTICA DE CRÉDITO DA COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO DOS SERVIDORES DA SEGURANÇA PÚBLICA DE SÃO PAULO - CREDIAFAM

POLÍTICA DE CRÉDITO DA COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO DOS SERVIDORES DA SEGURANÇA PÚBLICA DE SÃO PAULO - CREDIAFAM POLÍTICA DE CRÉDITO DA COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO DOS SERVIDORES DA SEGURANÇA DAS DEFINIÇÕES 1. A política de crédito da Cooperativa de Crédito Mútuo dos Servidores da Segurança Pública de São Paulo

Leia mais

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações Contabilidade: é objetivamente um sistema de informação e avaliação, destinado a prover seus usuários com demonstrações e análise de natureza econômica financeira. tratar as informações de natureza repetitiva

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

Linhas de Crédito. Capital de Giro

Linhas de Crédito. Capital de Giro Linhas de Crédito Capital de Giro Apresentação FIESP Jul/2015 Operações mais utilizadas NOME CONTA GARANTIDA CAIXA CH.EMPRESA CAIXA CREDITO ESPECIAL EMPRESA - PRE/PRICE - GARANTIA FGO GIROCAIXA RECURSOS

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

Parabéns! Agora que a sua cota já está contemplada e você já recebeu sua CARTA DE CRÉDITO, você poderá concretizar o seu projeto.

Parabéns! Agora que a sua cota já está contemplada e você já recebeu sua CARTA DE CRÉDITO, você poderá concretizar o seu projeto. Orientações para aquisição de Bens Móveis Parabéns! Agora que a sua cota já está contemplada e você já recebeu sua CARTA DE CRÉDITO, você poderá concretizar o seu projeto. Lembrando que a análise do seu

Leia mais

Cédula de Crédito Imobiliário - CCI

Cédula de Crédito Imobiliário - CCI Títulos Imobiliários Renda Fixa Cédula de Crédito Imobiliário - CCI Títulos Imobiliários Cédula de Crédito Imobiliário Instrumento que facilita a negociabilidade e a portabilidade do crédito imobiliário

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV.

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV. REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV. Sumário Capítulo I Da finalidade...1 Capítulo II - Dos contratantes...1 Capítulo III - Dos limites individuais...2 Capítulo IV -

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 531, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2013

INSTRUÇÃO CVM Nº 531, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2013 Altera dispositivos da Instrução CVM nº 356, de 17 de dezembro de 2001 e da Instrução CVM nº 400, de 29 de dezembro de 2003. O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM torna público que o Colegiado,

Leia mais

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Fonte: Apresentação da Coordenação Geral de Contabilidade STN/CCONT do Tesouro Nacional Última Atualização: 14/09/2009 1 Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas;

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas; CIRCULAR Nº 3.477 Dispõe sobre a divulgação de informações referentes à gestão de riscos, ao Patrimônio de Referência Exigido (PRE), de que trata a Resolução nº 3.490, de 29 de agosto de 2007, e à adequação

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

Estrutura da Gestão de Risco de Crédito

Estrutura da Gestão de Risco de Crédito Estrutura A estrutura de Gestão do está sob a responsabilidade do Conselho de Administração. Tais estruturas compreendem as atividades descritas nos quadros abaixo: Análise e Aprovação de Crédito Comitê

Leia mais

Consignação Manual do Correspondente Consignação

Consignação Manual do Correspondente Consignação Manual do Correspondente Consignação Banestes S.A. - Banco do Estado do Espírito Santo GCONS - Gerência de Consignação SUMÁRIO 1. Conceito...3 2. Apresentação...3 3. Informações Gerais...3 3.1. Condições

Leia mais

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR DIRETORIA DE ESTUDOS E PESQUISAS

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR DIRETORIA DE ESTUDOS E PESQUISAS Resultados dos estudos sobre a redução de taxas de juros praticadas por bancos públicos e privados. Orientações aos consumidores. Face aos diversos anúncios de redução de juros veiculados na mídia a partir

Leia mais

PROGRAMA APLICAÇÃO DE RECURSOS FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITOS. Página 1 de 9

PROGRAMA APLICAÇÃO DE RECURSOS FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITOS. Página 1 de 9 PROGRAMA APLICAÇÃO DE RECURSOS FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITOS Responsável Versão Última Atualização 15/07/2015 Página 1 de 9 PROGRAMA PARA APLICAÇÃO DE RECURSOS Exclusivo para Instituições Financeiras Associadas

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado

Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado 2. Risco de Mercado A divulgação da Resolução 3.464 do CMN pelo BACEN em 26 de junho de 2007 foi o primeiro passo no processo de implementação de uma estrutura

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO REMUNERADO EM CIÊNCIAS

Leia mais

GPME Prof. Marcelo Cruz

GPME Prof. Marcelo Cruz GPME Prof. Marcelo Cruz Política de Crédito e Empréstimos Objetivos Compreender os tópicos básicos da administração financeira. Compreender a relação da contabilidade com as decisões financeiras. Compreender

Leia mais

Como aplicar o conceito de risco na análise de crédito? Parte I

Como aplicar o conceito de risco na análise de crédito? Parte I Como aplicar o conceito de risco na análise de crédito? Parte I! Como o risco influi na análise de crédito?! O risco e o Cs do crédito! O modelo matricial de crédito! A importância da elaboração dos cenários

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Belo Horizonte

Leia mais

POLÍTICA GERAL PARA CONCESSÃO DE CRÉDITO

POLÍTICA GERAL PARA CONCESSÃO DE CRÉDITO POLÍTICA GERAL PARA CONCESSÃO DE CRÉDITO Sumário Introdução... 2 Condições Gerais... 2 Definições... 2 Análise de crédito: principais critérios... 3 Contratos... 4 Acompanhamento de liquidez... 4 Principais

Leia mais

Cidadão Perguntas e Respostas

Cidadão Perguntas e Respostas Cidadão Perguntas e Respostas 1. INFORMAÇÕES GERAIS... 2 1.1 O QUE É O SCR?... 2 1.2 QUEM PODE CONSULTAR AS INFORMAÇÕES ARMAZENADAS?... 2 1.3 PARA QUE SERVEM OS DADOS?... 2 1.4 OUTROS PAÍSES TÊM SISTEMAS

Leia mais

Anexo à Política de Investimentos 2010 a 2014

Anexo à Política de Investimentos 2010 a 2014 Anexo à Política de Investimentos 2010 a 2014 Diretrizes para Investimentos em Imóveis (aprovadas pelo CDE em sua 18ª reunião realizada nos dias 14 a 16 de dezembro de 2009 Índice Anexo à Política de Investimentos...1

Leia mais

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul Relatório de Gestão de Riscos Conglomerado Cruzeiro do Sul Data-Base 31/12/2010 Superintendência de Riscos Índice 1. Introdução 3 2. Perímetro 3 3. Estrutura de Gestão de Riscos 3 3.1 Risco de Crédito

Leia mais

Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil

Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil Objeto Estabelecer uma política adequada de gerenciamento de riscos financeiros, de modo a resguardar as empresas do grupo Endesa Brasil de

Leia mais

REGULAMENTO DO SETOR FINANCEIRO

REGULAMENTO DO SETOR FINANCEIRO 1 REGULAMENTO DO SETOR FINANCEIRO O Professor Dr. Marcus Vinícius Crepaldi, Diretor Geral da Faculdade de Tecnologia do Ipê FAIPE no uso das atribuições que lhe confere o Regimento Interno e, considerando

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO 1 - INTRODUÇÃO As exposições sujeitas ao risco de crédito são grande parte dos ativos da COGEM. Por isso, o gerenciamento do risco dessas exposições é fundamental para que os objetivos da Cooperativa sejam

Leia mais

Contabilidade Financeira

Contabilidade Financeira Contabilidade Prof. Dr. Alvaro Ricardino Módulo: Contabilidade Básica aula 04 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas II Aula 4 Ao final desta aula você : - Conhecerá os grupos de contas do Ativo e Passivo.

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS 9 - Regulamentos Política de Empréstimos 9.1 Condições para associação O Funcionário, na sua admissão na empresa, assina a Proposta de Admissão e Depósito na Cooperativa, se for de seu interesse, sendo

Leia mais

INSTITUIÇÃO FINANCEIRA CREDIALIANÇA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL Av. Castro Alves, 1579 - Rolândia - PR CNPJ: 78.157.146/0001-32

INSTITUIÇÃO FINANCEIRA CREDIALIANÇA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL Av. Castro Alves, 1579 - Rolândia - PR CNPJ: 78.157.146/0001-32 INSTITUIÇÃO FINANCEIRA CREDIALIANÇA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL Av. Castro Alves, 1579 - Rolândia - PR CNPJ: 78.157.146/0001-32 BALANCETE PATRIMONIAL EM 30 DE NOVEMBRO DE 2015 (valores expressos em milhares

Leia mais

10 GESTÃO DO CRÉDITO

10 GESTÃO DO CRÉDITO Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para a correção das

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES QUESTÕES 01) Fazem parte do grupo de contas do : A) Duplicatas a Receber Caixa Duplicatas a Pagar. B) Terrenos Banco Conta Movimento Credores Diversos. C) Duplicatas a Pagar Caixa Adiantamentos de Clientes.

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.137/08 Aprova a NBC T 16.10 Avaliação e Mensuração de Ativos e Passivos em Entidades do Setor Público. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e

Leia mais

ROTEIRO OPERACIONAL EMPRÉSTIMO CONSIGNADO SETOR PÚBLICO PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO LUÍS MA

ROTEIRO OPERACIONAL EMPRÉSTIMO CONSIGNADO SETOR PÚBLICO PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO LUÍS MA E-MAILS DE CONTATO BANCO DAYCOVAL Negócio Roteiro Operacional Promotora MESA DE ANALISE PORTABILIDADE portabilidadeconsignado@bancodaycoval.com.br Empréstimo Cartão Débito C/C MESA DE ANALISE MARGEM margemconsignado@bancodaycoval.com.br

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Março de 2011 Gerência de Risco de Crédito Diretoria de Economia e Riscos Diretoria Executiva de Administração e Finanças Banco Cooperativo Sicredi 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL SIMPLIFICADA PARA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL SIMPLIFICADA PARA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL SIMPLIFICADA PARA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE ORIENTAÇÕES RECEBIDAS DO FÓRUM PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 752, DE 26 DE AGOSTO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 752, DE 26 DE AGOSTO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 752, DE 26 DE AGOSTO DE 2015 Regulamenta as linhas de crédito dos Programas de Geração de Emprego e Renda na área Urbana - PROGER Urbano Investimento. O Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo

Leia mais

www.panamericano.com.br

www.panamericano.com.br www.panamericano.com.br Agenda Principais dados do Banco Histórico Divulgação das Demonstrações Financeiras Resultado e Balanço Providências e Perspectivas 2 Agenda Principais dados do Banco 3 Composição

Leia mais

2. Acerca do conteúdo das Demonstrações Contábeis, julgue os itens abaixo e, em seguida, assinale a opção CORRETA.

2. Acerca do conteúdo das Demonstrações Contábeis, julgue os itens abaixo e, em seguida, assinale a opção CORRETA. 1. Considerando os conceitos de passivos e provisões, julgue os itens abaixo como Verdadeiros (V) ou Falsos (F) e, em seguida, assinale a opção CORRETA. I. Provisões são passivos com prazo ou valor incertos.

Leia mais

AULA 08. Produtos e Serviços Financeiros II

AULA 08. Produtos e Serviços Financeiros II AULA 08 Produtos e Serviços Financeiros II Operações Ativas As operações ativas são aquelas em que o banco, além dos investimentos destinados à formação do seu ativo permanente e disponibilidades, atua

Leia mais

Introdução. Capitais Internacionais

Introdução. Capitais Internacionais Capitais Internacionais e Mercado de Câmbio no Brasil Atualizado em fevereiro de 2009 1 Introdução O tratamento aplicável aos fluxos de capitais e às operações de câmbio acompanhou as conjunturas econômicas

Leia mais

PORTABILIDADE DE CRÉDITO RESOLUÇÃO BACEN 4292/2013

PORTABILIDADE DE CRÉDITO RESOLUÇÃO BACEN 4292/2013 1. OBJETIVO ESTE ROTEIRO OPERACIONAL TEM COMO OBJETIVO DISCIPLINAR E PADRONIZAR OS PROCEDIMENTOS ESTABELECIDOS PELO DAYCOVAL CONFORME REGRAS DA RESOLUÇÃO 4292/2013 E CARTA CIRCULAR 3650/2014 DO BACEN.

Leia mais

ROTEIRO OPERACIONAL EMPRÉSTIMO CONSIGNADO SETOR PÚBLICO AUTARQUIA HOSPITALAR MUNICIPAL SP

ROTEIRO OPERACIONAL EMPRÉSTIMO CONSIGNADO SETOR PÚBLICO AUTARQUIA HOSPITALAR MUNICIPAL SP E-MAILS DE CONTATO BANCO DAYCOVAL Negócio Roteiro Operacional Promotora MESA DE ANALISE PORTABILIDADE portabilidadeconsignado@bancodaycoval.com.br Empréstimo Cartão Débito C/C MESA DE ANALISE MARGEM margemconsignado@bancodaycoval.com.br

Leia mais

10 GESTÃO DE CRÉDITO

10 GESTÃO DE CRÉDITO Un/SP _ertificação Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

Caderno Eletrônico de Exercícios Títulos de Crédito

Caderno Eletrônico de Exercícios Títulos de Crédito 1) São exemplos de títulos de crédito, exceto: a) Cheque b) Testamento c) Duplicata d) Nota promissória 2) São características de títulos de crédito, exceto: a) Documentalidade b) Força executiva c) Autonomia

Leia mais

MANUAL DE GARANTIAS 1

MANUAL DE GARANTIAS 1 MANUAL DE GARANTIAS 1 Para a obtenção do financiamento junto à FINEP deverão ser apresentadas Garantias Reais e Pessoais cumulativamente, exceto em caso de garantia por fiança bancária e demais casos de

Leia mais

A Gestão dos Riscos de Crédito no apoio à internacionalização das empresas. 3 de Abril de 2013 São Paulo

A Gestão dos Riscos de Crédito no apoio à internacionalização das empresas. 3 de Abril de 2013 São Paulo A Gestão dos Riscos de Crédito no apoio à internacionalização das empresas 3 de Abril de 2013 São Paulo CESCE Presença Internacional A Gestão dos Riscos de Crédito no apoio à internacionalização das empresas

Leia mais

Risco de Crédito. Risco de Crédito. 1. Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito

Risco de Crédito. Risco de Crédito. 1. Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito 1. Estrutura de Gerenciamento de Em observância à resolução 3.721/2009 do Banco Central do Brasil, o Banco GMAC S.A, doravante denominado Chevrolet Serviços Financeiros, instituiu sua estrutura de gerenciamento

Leia mais

O mecanismo de débito x crédito.

O mecanismo de débito x crédito. O mecanismo de débito x crédito. Represente os fatos abaixo, utilizando os balanços sucessivos. 1- Os sócios integralizaram capital social, no valor de R$ 1.000.000, em dinheiro. 2- Compra de veículos,

Leia mais

3LEI Nº 438 DE 09 DE SETEMBRO DE 2014

3LEI Nº 438 DE 09 DE SETEMBRO DE 2014 3LEI Nº 438 DE 09 DE SETEMBRO DE 2014 Dispõe sobre a consignação em folha de pagamento de agente político e servidor da administração municipal do executivo e do legislativo e dá outras providências. O

Leia mais

Crédito. Adm. Geral. Para que Estudar Análise de Investimento e Financiamento? Título da aula: Decisões de Investimento e Financiamento I

Crédito. Adm. Geral. Para que Estudar Análise de Investimento e Financiamento? Título da aula: Decisões de Investimento e Financiamento I Adm. Geral Prof. Marcelo dos Santos Título da aula: Decisões de Investimento e Financiamento I Para que Estudar Análise de Investimento e Financiamento? Garantir melhores decisões financeiras na empresa;

Leia mais

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA ANÁLISE FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA NAS EMPRESAS INTEGRAÇÃO DOS CONCEITOS CONTÁBEIS COM OS CONCEITOS FINANCEIROS FLUXO DE OPERAÇÕES E DE FUNDOS VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA Possibilita um diagnóstico

Leia mais

Anexo à Política de Investimentos 2009 a 2013

Anexo à Política de Investimentos 2009 a 2013 Anexo à Política de Investimentos 2009 a 2013 Diretrizes para Investimentos em Imóveis Índice 1. Contratação de Corretores, Avaliadores e Consultores Imobiliários... 3 2. Critérios para Aquisições e Alienações...

Leia mais

2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E INFORMAÇÕES

2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E INFORMAÇÕES 1. INTRODUÇÃO Referente à elaboração e divulgação de informações pelas instituições administradoras dos Fundos de Investimento Imobiliário, para o mercado de valores mobiliários e encaminhamento à Comissão

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral 1. Em relação ao princípio contábil da Competência, é correto afirmar que (A) o reconhecimento de despesas deve ser efetuado quando houver o efetivo desembolso financeiro

Leia mais

Programa BNDES de Apoio à Aquisição de Veículos Utilitários BNDES Pro- Utilitário

Programa BNDES de Apoio à Aquisição de Veículos Utilitários BNDES Pro- Utilitário Grau: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR SUP/AOI Nº 39/2015-BNDES Rio de Janeiro, 21 de setembro de 2015. Ref.: Ass.: Produto BNDES Automático Programa BNDES de Apoio à Aquisição de Veículos

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA www.editoraferreira.com.br CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Professor Humberto Fernandes de Lucena 6.1. Balanço Patrimonial Desde o início de nosso curso, vimos tratando sobre Balanço Patrimonial apenas

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA DP N.º 002/2013

INSTRUÇÃO NORMATIVA DP N.º 002/2013 INSTRUÇÃO NORMATIVA DP N.º 002/2013 Estabelece normas para o pagamento de semestralidade, mensalidades, taxas e outros emolumentos estabelecidos em portaria pelos serviços prestados pela FACCREI/FACED.

Leia mais

LEI Nº 13.979, DE 25 DE SETEMBRO DE 2007

LEI Nº 13.979, DE 25 DE SETEMBRO DE 2007 ESTADO DO CEARÁ LEI Nº 13.979, DE 25 DE SETEMBRO DE 2007 DISPÕE SOBRE A RENEGOCIAÇÃO DAS DÍVIDAS DECORRENTES DE EMPRÉSTIMOS CONCEDIDOS PELO EXTINTO BANCO DO ESTADO DO CEARÁ S/A BEC, POR PARTE DO ESTADO

Leia mais

Governo do Estado do Amazonas. Banco Interamericano de Desenvolvimento BID Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus PROSAMIM III 2676/OC-BR

Governo do Estado do Amazonas. Banco Interamericano de Desenvolvimento BID Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus PROSAMIM III 2676/OC-BR Governo do Estado do Amazonas Banco Interamericano de Desenvolvimento BID Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus PROSAMIM III 2676/OC-BR Plano de Contas Manaus Amazonas 2012 0 Índice 1. Introdução

Leia mais

NORMA DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS AOS PARTICIPANTES

NORMA DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS AOS PARTICIPANTES 1. OBJETIVO Esta norma tem por objetivo estabelecer os critérios e procedimentos a serem adotados para concessão e liberação de empréstimos aos participantes. 2. CAMPO DE APLICAÇÃO As operações de empréstimos

Leia mais

O que é desconto? O que é factoring? Cessão de crédito Quando um banco precisa transferir créditos e débitos? Quando um banco cede créditos? Empréstimos sindicalizados Securitizações Quando clientes cedem

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS O ICBC do Brasil Banco Múltiplo S/A considera de suma importância o processo de gerenciamento de riscos, pois utiliza-o para agregar valor aos seus negócios, proporcionar

Leia mais

CONTABILIDADE E CUSTOS Atualizado em 14 de abril de 2009

CONTABILIDADE E CUSTOS Atualizado em 14 de abril de 2009 Conceito de Contabilidade CONTABILIDADE E CUSTOS Atualizado em 14 de abril de 2009 Processo de identificar, mensurar e comunicar informações econômicas para permitir julgamentos e decisões fundamentais

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Conhecimentos Bancários. Mercado Financeiro. Mercado Financeiro

Conhecimentos Bancários. Conhecimentos Bancários. Mercado Financeiro. Mercado Financeiro Conhecimentos Bancários Mercado Financeiro Órgãos normativo/fiscalizador Conselho Monetário Nacional Banco Central do Brasil Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional Conhecimentos Bancários

Leia mais

Letras Financeiras - LF

Letras Financeiras - LF Renda Fixa Privada Letras Financeiras - LF Letra Financeira Captação de recursos de longo prazo com melhor rentabilidade O produto A Letra Financeira (LF) é um título de renda fixa emitido por instituições

Leia mais

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66 Apresentação Parte I - CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE CONTABILIDADE, 1 1 Introdução ao Estudo da Ciência Contábil, 3 1 Conceito, 3 2 Objeto, 3 3 Finalidade, 4 4 Técnicas contábeis, 4 5 Campo de aplicação, 5

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR Página 1 de 12

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR Página 1 de 12 AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR Página 1 de 12 Do Plano de Recuperação ANEXO I 1 A Operadora deverá mencionar em seu Plano de Recuperação, o(s) motivo(s) e problema(s) exposto(s) pela ANS, indicando

Leia mais

MANUAL GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

MANUAL GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1 - INTRODUÇÃO Define-se como risco de mercado a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes da flutuação nos valores de mercado de posições detidas pela Cooperativa, o que inclui os riscos das operações

Leia mais

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE COMPENSAÇÃO DE VARIAÇÕES SALARIAIS

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE COMPENSAÇÃO DE VARIAÇÕES SALARIAIS CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE COMPENSAÇÃO DE VARIAÇÕES SALARIAIS RESOLUÇÃO No- 260, DE 7 DE JANEIRO DE 2010 O Presidente do CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE COMPENSAÇÃO DE VARIAÇÕES SALARIAIS - CCFCVS, com

Leia mais

Unidade I CONTABILIDADE EMPRESARIAL. Prof. Amaury Aranha

Unidade I CONTABILIDADE EMPRESARIAL. Prof. Amaury Aranha Unidade I CONTABILIDADE EMPRESARIAL Prof. Amaury Aranha Sumário Unidade I Unidade I Provisão para devedores duvidosos Operações financeiras (duplicatas) Unidade II Empréstimos (pré e pós) Aplicações financeiras

Leia mais

POLÍTICA DE CRÉDITO E DE EMPRÉSTIMO OUTUBRO D E

POLÍTICA DE CRÉDITO E DE EMPRÉSTIMO OUTUBRO D E POLÍÍTIICA DE CRÉDIITO E DE EMPRÉSTIIMO OUTUBRO D E 2 0 0 9 COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS FUNCIONÁRIOS DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS - COOPERFEB POLÍTICA DE CRÉDITO E DE EMPRÉSTIMO

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ Introdução O Gerenciamento do Risco de Liquidez no Grupo Didier Levy, considerando as empresas BEXS Banco de Câmbio S/A e BEXS Corretora de Câmbio S/A está

Leia mais

Contabilidade Básica Prof. Jackson Luis Oshiro joshiro@ibest.com.br Conceito Conta Nome dado aos componentes patrimoniais (bens, direitos, obrigações e Patrimônio Líquido) e aos elementos de resultado

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.177, DE 7 DE JANEIRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 4.177, DE 7 DE JANEIRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 4.177, DE 7 DE JANEIRO DE 2013 Altera as normas para contratação das operações de crédito fundiário ao amparo do Fundo de Terras e da Reforma Agrária, de que trata a Seção 1 do Capítulo 12

Leia mais

8) Qual o papel da administradora?

8) Qual o papel da administradora? 1) Como funciona o consórcio? R= Consórcio é um sistema que reúne em grupo pessoas físicas e/ou jurídicas com interesse comum para compra de bens ou serviços, por meio de autofinanciamento, onde o valor

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR MINISTÉRIO DA SAÚDE 1 AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR RESOLUÇÃO - RDC Nº 22, DE 30 DE MAIO DE 2000 (*) Cria instrumento para acompanhamento econômico-financeiro das Operadoras A Diretoria Colegiada

Leia mais

S E M I N Á R I O NOVOS INSTRUMENTOS PRIVADOS PARA FINANCIAMENTO DO AGRONEGÓCIO

S E M I N Á R I O NOVOS INSTRUMENTOS PRIVADOS PARA FINANCIAMENTO DO AGRONEGÓCIO S E M I N Á R I O NOVOS INSTRUMENTOS PRIVADOS PARA FINANCIAMENTO DO AGRONEGÓCIO OS NOVOS INSTRUMENTOS C D C A L C A C R A MOTIVOS DA CRIAÇÃO Essencialmente 3: 1º Falta de recursos 2º Insuficiência de credibilidade

Leia mais

Cooperativismo. Cooperativa de Crédito Mútuo dos Empregados da INFRAERO

Cooperativismo. Cooperativa de Crédito Mútuo dos Empregados da INFRAERO Cooperativismo Cooperativa de Crédito Mútuo dos Empregados da INFRAERO GESTÃO: Samuel José dos Santos Diretor Presidente Marco Antonio da C.Guimarães - Diretor Operacional João Gonçalves dos Santos Diretor

Leia mais

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos Transparência para a sociedade istema de Informações de Crédito

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO FINANCEIRA

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO FINANCEIRA POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO FINANCEIRA Diretoria Acadêmica e de Administração fev-2010 Anexo I - PORTARIA Nº 08/2010-DIR Considerando que o melhoramento constante da infra-estrutura física ofertada e a busca

Leia mais

Etapas para a elaboração do Balanço Patrimonial e consequentemente, das Demonstrações Financeiras.

Etapas para a elaboração do Balanço Patrimonial e consequentemente, das Demonstrações Financeiras. Etapas para a elaboração do Balanço Patrimonial e consequentemente, das Demonstrações Financeiras. Prof. MSc. Wilson Alberto Zappa Hoog Resumo: Apresenta-se uma breve análise sobre as vinte etapas para

Leia mais

UNIDADE VI Tributação sobre a transmissão de bens e direitos e operações financeiras. 1.1.1. Constituição (art. 156, inciso II e parágrafo segundo)

UNIDADE VI Tributação sobre a transmissão de bens e direitos e operações financeiras. 1.1.1. Constituição (art. 156, inciso II e parágrafo segundo) UNIDADE VI Tributação sobre a transmissão de bens e direitos e operações financeiras 1. Imposto sobre a transmissão de bens imóveis 1.1. Legislação 1.1.1. Constituição (art. 156, inciso II e parágrafo

Leia mais

A PRIMEIRA PLATAFORMA INTELIGENTE DE SISTEMAS E SERVIÇOS

A PRIMEIRA PLATAFORMA INTELIGENTE DE SISTEMAS E SERVIÇOS A PRIMEIRA PLATAFORMA INTELIGENTE DE SISTEMAS E SERVIÇOS INTEGRADOS PARA ASSEGURAR O CONTROLE COMPLETO DO PROCESSO DE VENDAS, COM ACESSO COMPARTILHADO POR TODAS AS PARTES ENVOLVIDAS. NOSSA PLATAFORMA WEB

Leia mais

Factoring - Fomento Mercantil

Factoring - Fomento Mercantil 1.Considerações Iniciais Factoring - Fomento Mercantil A expressão factoring é de origem anglo-latina, cujo radical latino factor significa fomento mercantil e tem por finalidade expandir a capacidade

Leia mais

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011 ASSOCIAÇÃO DIREITOS HUMANOS EM REDE QUADRO I - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO (Em reais) Nota Nota ATIVO Explicativa PASSIVO Explicativa CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes de caixa 4 3.363.799

Leia mais