MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO"

Transcrição

1 MSG. 0.0 Pág.: 1/11 1. VISÃO Juntos, fazemos as marcas líderes que as pessoas adoram beber.. MISSÃO Sermos a melhor empresa portuguesa de bebidas com um crescimento sustentado e com uma contínua melhoria da Quota em valor do mercado de bebidas.

2 MSG. 0.0 Pág.: /11 3. POLÍTICA INTEGRADA DA QUALIDADE, AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA 3.1. POLÍTICA DA QUALIDADE, AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA (SCC *) A SCC - Sociedade Central de Cervejas e Bebidas, SA é uma Empresa à qual estão associados produtos de elevado prestígio nacional e internacional, alta tecnologia, Know-how na produção e comercialização de bebidas e uma dinâmica empresarial de desenvolvimento e permanente satisfação de todas as partes interessadas. Com uma visão estratégica integrada e consciente das suas responsabilidades em matéria da Qualidade, Ambiente, Saúde e Segurança, a SCC está empenhada numa abordagem pró-activa e responsável, centrando-se em onze compromissos essenciais, que são neste documento formalmente assumidos pela Gestão de Topo: Ultrapassar as expectativas do cliente/consumidor, quanto à qualidade dos produtos e dos serviços associados, em parceria com fornecedores e distribuidores e estabelecer diálogo activo com os nossos colaboradores, clientes, sociedade envolvente e restantes partes interessadas; Promover programas de formação e treino para os colaboradores e prestadores de serviços, como meio de conhecimento das suas responsabilidades individuais no compromisso de evitar que as nossas actividades causem dano às pessoas e/ou ao ambiente e assegurar que os sistemas de gestão respectivos, promovam e garantam a prevenção de riscos para a saúde, segurança e ambiente; Promover o desenvolvimento dos processos, exigindo cada vez maior produtividade e rentabilidade de forma a alcançar a maximização dos resultados da Empresa; Cumprir os requisitos legais aplicáveis e outros requisitos que possa subscrever, incluindo os relativos ao cliente e à higiene e segurança alimentar; Minimizar os impactes ambientais que resultem, directa ou indirectamente, das suas actividades, produtos e serviços, privilegiando medidas de prevenção da poluição e da ocorrência de incidentes e acidentes graves; Assegurar a utilização eficiente dos recursos energéticos, da água e restantes matérias-primas, minimizando os desperdícios e a produção de resíduos e garantindo a sua correcta eliminação, incorporando sempre que possível tecnologias de produção mais limpas; Assegurar a minimização do volume e carga do efluente líquido, e a descarga controlada das águas residuais provenientes das várias áreas operacionais; Melhorar continuamente o desempenho do sistema, através de revisões periódicas, comunicar os progressos e informar os resultados, consultar pessoas interna ou externamente para melhorar o nosso conhecimento, definir e controlar objectivos e metas, utilizar as melhores tecnologias disponíveis economicamente viáveis e adequadas práticas de gestão; Assegurar que os princípios de base patentes nesta política sejam do conhecimento de todas as pessoas, que trabalham para a Empresa ou em seu nome, e estejam subjacentes nas suas tarefas diárias; Garantir que a política seja facultada sempre que solicitada, ao exterior, às partes interessadas, entidades oficiais, clientes, fornecedores, organismos não-governamentais e público em geral; Garantir que através da consulta interna e envolvimento dos colaboradores e seus representantes, todos se empenham nesta política, no entendimento das suas responsabilidades. Os nossos directores, gestores, restantes colaboradores e prestadores de serviços têm a responsabilidade de trabalhar com qualidade e garantir que quaisquer riscos resultantes das nossas actividades, ou presentes no nosso ambiente de trabalho, sejam eliminados ou eficazmente controlados, reconhecendo que nenhuma actividade é tão importante que não possa ser feita com segurança. * Corresponde ao texto aprovado em agosto de 009.

3 MSG. 0.0 Pág.: 3/ POLÍTICA INTEGRADA DA QUALIDADE, AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA (SAL) * A Sociedade da Água de Luso é uma Empresa à qual estão associados produtos de elevado prestígio nacional e internacional, alta tecnologia, Know-how na produção de Refrigerantes e enchimento de Água Mineral Natural e Água de Nascente, e uma dinâmica empresarial de desenvolvimento e permanente satisfação de todas as partes interessadas. Com uma visão estratégica integrada e consciente das suas responsabilidades em matéria da Qualidade, Ambiente, Saúde e Segurança, a SAL está empenhada numa abordagem pró-activa e responsável, centrando-se em onze compromissos essenciais, que são neste documento formalmente assumidos pela Gestão de Topo: Ultrapassar as expectativas do cliente/consumidor, quanto à qualidade dos produtos e dos serviços associados, em parceria com fornecedores e distribuidores e estabelecer diálogo activo com os nossos colaboradores, clientes, sociedade envolvente e restantes partes interessadas; Promover programas de formação e treino para os colaboradores e prestadores de serviços, como meio de conhecimento das suas responsabilidades individuais no compromisso de evitar que as nossas actividades causem dano às pessoas e/ou ao ambiente e assegurar que os sistemas de gestão respectivos, promovam e garantam a prevenção de riscos para a saúde, segurança e ambiente; Promover o desenvolvimento dos processos, exigindo cada vez maior produtividade e rentabilidade de forma a alcançar a maximização dos resultados da Empresa; Cumprir os requisitos legais aplicáveis e outros requisitos que possa subscrever, incluindo os relativos ao cliente e à higiene e segurança alimentar; Minimizar os impactes ambientais que resultem, directa ou indirectamente, das suas actividades, produtos e serviços, privilegiando medidas de prevenção da poluição e da ocorrência de incidentes e acidentes graves; Assegurar a utilização eficiente dos recursos energéticos, da água e restantes matérias-primas, minimizando os desperdícios e a produção de resíduos e garantindo a sua correcta eliminação, incorporando sempre que possível tecnologias de produção mais limpas; Assegurar a minimização do volume e carga do efluente líquido, e a descarga controlada das águas residuais provenientes das várias áreas operacionais; Melhorar continuamente o desempenho do sistema, através de revisões periódicas, comunicar os progressos e informar os resultados, consultar pessoas interna ou externamente para melhorar o nosso conhecimento, definir e controlar objectivos e metas, utilizar as melhores tecnologias disponíveis economicamente viáveis e adequadas práticas de gestão; Assegurar que os princípios de base patentes nesta política sejam do conhecimento de todas as pessoas, que trabalham para a Empresa ou em seu nome, e estejam subjacentes nas suas tarefas diárias; Garantir que a política seja facultada sempre que solicitada, ao exterior, às partes interessadas, entidades oficiais, clientes, fornecedores, organismos não-governamentais e público em geral; Garantir que através da consulta interna e envolvimento dos colaboradores e seus representantes, todos se empenham nesta política, no entendimento das suas responsabilidades. Os nossos directores, gestores, restantes colaboradores e prestadores de serviços têm a responsabilidade de trabalhar com qualidade e garantir que quaisquer riscos resultantes das nossas actividades, ou presentes no nosso ambiente de trabalho, sejam eliminados ou eficazmente controlados, reconhecendo que nenhuma actividade é tão importante que não possa ser feita com segurança. * Corresponde ao texto aprovado em agosto de 009.

4 MSG. 0.0 Pág.: /11. POLÍTICAS ESPECÍFICAS DETALHADAS DO GRUPO SCC.1 POLÍTICA DE SEGURANÇA ALIMENTAR* A Sociedade Central de Cervejas e Bebidas (SCC) e Sociedade da Água de Luso (SAL), no sentido de darem resposta, quer às crescentes preocupações dos consumidores em matéria de segurança alimentar, quer aos requisitos legais aplicáveis, estabelecem e controlam um programa de pré-requisitos adequado à indústria alimentar, como orientação para a observância dos requisitos de higiene. Com o objetivo de prevenir e/ou minimizar os riscos alimentares, a empresa segue a metodologia HACCP, documentada e integrada nos Sistemas de Gestão da Qualidade implementados. O Sistema de Segurança Alimentar está implementado na SCC no âmbito da Produção e Comercialização de Cervejas, Maltes e Subprodutos da Indústria Cervejeira e Comercialização de Bebidas, e na SAL no âmbito da Captação e Enchimento de Água Mineral Natural, Água de Nascente, Água destinada ao consumo humano e na Fabricação e Enchimento de Refrigerantes, sendo assumido o compromisso de recolha de produto do mercado, sempre que o mesmo constitua risco para a saúde dos consumidores. Neste processo: Foram analisados os potenciais riscos alimentares e identificadas as fases das operações em que podem verificar-se esses riscos; Foram determinados os pré-requisitos operacionais e os pontos críticos e definido o controlo a exercer em cada ponto; Estão definidas as medidas preventivas adequadas a cada perigo identificado, e as ações corretivas a efetuar no caso de ser atingido o limite crítico respetivo; Foi identificado um Comité de Crise e estão definidos procedimentos adequados a cada situação de emergência; Estão identificados os meios e canais de comunicação com os colaboradores, clientes, fornecedores e contratados. É também política da empresa a não utilização de ingredientes geneticamente modificados (OGM) nas marcas próprias, sendo transmitida aos fornecedores de ingredientes derivados de substâncias suscetíveis de conter OGM, a responsabilidade de assegurar fornecimentos isentos demonstrando-o mediante certificados adequados. Em produtos cuja produção parcial ou integral é subcontratada, a responsabilidade pelo cumprimento dos requisitos HACCP é transmitida às empresas subcontratadas e seguida através dos resultados de auditorias, e outras formas de controlo acordadas. * corresponde ao texto aprovado em março de 011

5 MSG. 0.0 Pág.: 5/11. POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO* Os maiores ativos do Grupo Sociedade Central de Cervejas e Bebidas, S.A. (Grupo SCC) são as pessoas. Não há outro ativo do Grupo que seja tão importante quanto as pessoas que contribuem com seu trabalho para os resultados de negócio. Assim, o Grupo SCC compromete-se a proporcionar um ambiente de trabalho saudável e seguro para todos os Colaboradores e prestadores de serviço que prestem trabalho nas suas instalações ou que desempenham a sua função ao longo da cadeia de abastecimento. O Grupo SCC tem incorporado na sua cultura, a saúde e a segurança dos Colaboradores. Desta forma e como suplemento à Política Integrada da Qualidade, Ambiente, Saúde e Segurança definida no Sistema de Gestão do Grupo SCC, é agora divulgada para a vertente de Segurança e Saúde do Trabalho, os princípios pela qual esta nova Política se rege: 1. O Grupo SCC assume o compromisso de melhorar continuamente a segurança e a saúde do trabalho dos seus Colaboradores.. O Grupo SCC compromete-se a cumprir as leis e os regulamentos aplicáveis em matéria de segurança e saúde do trabalho. 3. O Grupo SCC usa as normas e recomendações da Organização Internacional do Trabalho (OIT) como guia para definir as suas normas e procedimentos internos.. O Grupo SCC reconhece a importância da prevenção de doenças profissionais e apoia programas de promoção da saúde para os seus Colaboradores. 5. O Grupo SCC está comprometido com a eliminação dos acidentes nas suas instalações, sejam de Colaboradores, prestadores de serviço ou daqueles que trabalhem sob sua supervisão fora das instalações. 6. A segurança e a saúde do trabalho são consideradas uma responsabilidade partilhada entre o Grupo SCC e os seus Colaboradores. O Grupo SCC garante recursos adequados e suficientes para formação, proteção e supervisão nestas matérias. Os Colaboradores e prestadores de serviços são responsáveis por terem comportamentos saudáveis e seguros. 7. A implementação da Política de Segurança e Saúde do Trabalho é assegurada através da atribuição de responsabilidades a cada um dos níveis de gestão e da execução de auditorias apropriadas e procedimentos de reporte. 8. O Grupo SCC, no seu Relatório de Sustentabilidade anual, divulga os indicadores de desempenho relativos à saúde e segurança. *Corresponde ao texto aprovado em julho de 01

6 MSG. 0.0 Pág.: 6/11.3. POLÍTICA DE DIREITOS HUMANOS DOS COLABORADORES SCC* Introdução Num mundo em globalização, o papel na sociedade dos grandes Grupos internacionais como a Heineken do qual faz parte o Grupo Sociedade Central de Cervejas e Bebidas, S.A. (Grupo SCC), é de uma crescente importância. Para assegurar que o Grupo SCC assume as suas responsabilidades é necessário, entre outros, criar e garantir um ambiente de trabalho seguro e responsável para os Colaboradores. Para este efeito, o Grupo SCC desenvolveu uma política direcionada aos direitos básicos dos Colaboradores e direitos humanos, que respeita e visa salvaguardar. O respeito pelos indivíduos e o bem-estar dos Colaboradores integram os Valores, Princípios e Políticas do Grupo SCC. A Política de Direitos Humanos dos Colaboradores do Grupo SCC representa uma continuidade e articulação desses compromissos. O Grupo SCC subscreve os princípios consagrados no âmbito da Declaração Universal dos Direitos Humanos e das Convenções Fundamentais da Organização Internacional do Trabalho baseados no respeito pela dignidade dos indivíduos e na não discriminação de qualquer natureza. O Grupo SCC apoia estes direitos humanos, bem como os direitos dos Colaboradores em conformidade com o legítimo papel da Empresa. Em caso de violações externas aos direitos humanos dos seus Colaboradores, o Grupo SCC prestará a máxima assistência dentro das suas capacidades. As disposições desta política são explicadas e acompanhadas por orientações adicionais, destinadas a especificar os seus detalhes e consequências. Por isso, a explicação e as orientações adicionais servem como base de esclarecimento desta política. Quaisquer questões ou dúvidas sobre Colaboradores subcontratados, pessoal de agências de trabalho temporário ou contratantes, devem ser vistas no âmbito do Código de Conduta dos Fornecedores (Heineken Suppliers Code) ou outra qualquer política aplicável e que regule a relação entre o Grupo SCC e os seus fornecedores ou contratantes nos casos específicos. Gestão dos Direitos Humanos dos Colaboradores A. Implementação Para além da formulação de onze princípios claros sobre os Direitos Humanos dos Colaboradores, é também importante integrar e implementar esta Política, e que a SCC faz através das seguintes medidas: Educação e formação, com o objetivo da sensibilização para esta política com vista a garantir o respeito pelos direitos de Colaboradores. Monitorização do desempenho tendo em conta os standards pretendidos. Utilização de ferramentas de autoavaliação adicionais e desenvolvimento de planos de acção. Facilitação do diálogo com as partes envolvidas (como Colaboradores e seus orgãos representativos), através de informações claras sobre a gestão dos Direitos Humanos dos Colaboradores do Grupo SCC. B. Procedimento de denúncia O Grupo SCC tem definido um procedimento de denúncia e estimula os Colaboradores a utilizar de forma correta este procedimento, garantindo a discrição e proteção dos Colaboradores que os utilizem. Conforme definido no Procedimento de Whistle Blowing, quando ocorre uma situação, em primeiro lugar, esta deve ser comunicada ao manager (N1) responsável pela área na qual a mesma ocorreu, o qual envidará todos os esforços para resolver, no seio da respetiva área, o problema em causa, sem que sejam acionadas as regras do Procedimento de Whistle Blowing. Noutras situações, deverá endereçar a situação ao Provedor da SCC ou, endereçar a situação de uma forma anónima, através da utilização de um contacto telefónico externo ou do preenchimento de um relatório standard (ver anexo I do Procedimento de Whistle Blowing) que a remeterá ao Provedor da SCC

7 MSG. 0.0 Pág.: 7/11 C. Questões de Contexto Esta política deve ser vista como um padrão mínimo, ou seja, quando a legislação nacional for mais além do conteúdo desta política, o Grupo SCC cumprirá as obrigações legais. Os Princípios dos Direitos Humanos dos Colaboradores 1. Não-discriminação O Grupo SCC respeita o direito da não-discriminação. As pessoas são recrutadas com base no princípio da igualdade de oportunidades, sem discriminação de raça, cor, religião, afiliações ou origens. Relativamente à nomeação ou perspetivas de evolução dos Colaboradores, o Grupo SCC terá apenas em conta as competências do candidato (educação, personalidade, aptidões, experiência profissional e outros atributos relevantes permitidos pela lei) e as suas (dele/dela) expectativas legítimas. O Grupo SCC fundamenta as suas decisões relativamente aos Colaboradores, atuais ou futuros, em critérios objetivos. O Grupo SCC respeita a diversidade cultural e pessoal e promove a inclusão. Tem em consideração as crenças, opiniões e convicções pessoais dos (atuais e futuros) Colaboradores.. Liberdade Sindical/Representação dos Colaboradores O Grupo SCC respeita o direito dos Colaboradores a serem representados a fim de promover os seus legítimos interesses. Este direito concede aos representantes dos Colaboradores internos/externos, o direito a serem reconhecidos como parceiros em negociações e consultas. O Grupo SCC considera a representação sindical de um Colaborador um direito, não uma obrigação (o direito de optar por não ser representado por um sindicato). 3. Trabalho Forçado O Grupo SCC não se envolverá ou apoiará o uso de trabalho forçado ou compulsório, tal como trabalho prisional, servidão por dívida ou escravidão. O Grupo SCC recusará trabalhar com fornecedores ou agências de recrutamento que são conhecidas por utilizar trabalho forçado ou compulsório nos seus negócios.. Trabalho Infantil O Grupo SCC respeita os direitos da criança, incluindo o direito à educação, ao descanso e ao divertimento, bem como o direito de acesso às necessidades básicas das crianças. Assim, o Grupo SCC não se envolverá ou apoiará a utilização de trabalho infantil. Isto significa que o Grupo SCC não permitirá o trabalho infantil dentro das suas instalações e que se recusará trabalhar com fornecedores ou agências de recrutamento que são conhecidas por utilizar trabalho infantil nos seus negócios O Grupo SCC segue a definição da Organização Internacional do Trabalho em relação à idade mínima para admissão ao trabalho. Esta idade não deve ser inferior à idade do cumprimento da escolaridade obrigatória e, em caso algum inferior aos 16 anos. 5. Horário de trabalho O Grupo SCC reconhece o direito ao descanso e lazer e, consequentemente, obedece às leis, regulamentações e/ou costumes locais relativamente ao horário de trabalho. Além disso, em consonância com a Organização Internacional do Trabalho - relatórios do comité de especialistas na aplicação das convenções e recomendações no que concerne ao horário de trabalho (Geneva, 005) -, o Grupo SCC respeita integralmente a Lei em vigor em matéria de duração e de horário de trabalho, descanso e feriados.

8 MSG. 0.0 Pág.: 8/11 Desta forma, o Grupo SCC aspira promover um balanço harmonioso entre o trabalho e a vida pessoal dos Colaboradores. 6. Remuneração O Grupo SCC compromete-se a ter como referência pelo menos o salário mínimo estabelecido pelo Governo. O Grupo SCC compensa os Colaboradores com uma remuneração que assegure um adequado padrão de vida. O Grupo SCC mantém uma política retributiva que enfatiza a equidade interna e comparatibilidade externa, com o mercado de referência. Os elementos chave desta política retributiva são: Remuneração por responsabilidade / função Remuneração por desempenho 7. Saúde e Segurança O Grupo SCC proporciona aos seus Colaboradores um ambiente de trabalho seguro com condições de higiene. O Grupo SCC tomará as medidas adequadas para melhorar continuamente os aspetos relacionados com a segurança e a saúde, dentro das suas instalações, incluindo o fornecimento de equipamento de proteção individual (EPI), quando e onde necessário. As condições de trabalho devem permitir práticas seguras de trabalho e promover a saúde ocupacional. O Grupo SCC mantém uma política que visa a melhoria contínua do seu desempenho em termos de segurança. 8. Assédio O Grupo SCC considera a proteção da dignidade e saúde no local de trabalho, uma das suas principais responsabilidades, como bom empregador, Para a salvaguarda da integridade de cada um dos Colaboradores, é fundamental para o Grupo SCC assegurar que o assédio de qualquer natureza não ocorra ou, na eventualidade de ocorrer, assegurar que os procedimentos adequados são prontamente disponibilizados para garantir a gestão do problema e prevenir reincidências. 9. Formação e Desenvolvimento Pessoal O Grupo SCC reconhece a importância da formação e desenvolvimento pessoal dos seus Colaboradores. Formação: em geral, o Grupo SCC prevê e suporta os custos de formação regular em temas que considera relevantes para o negócio e/ou para a função do Colaborador. Oportunidades de formação e desenvolvimento para os Colaboradores serão identificados numa base regular e, quando considerado relevante, será organizada formação para o Colaborador. Desenvolvimento Pessoal: o desenvolvimento pessoal (empregabilidade) é considerado uma responsabilidade partilhada entre o Grupo SCC e os seus Colaboradores. Esta responsabilidade partilhada deve ser refletida na contribuição que ambas as partes estão preparadas para dar em termos financeiros e/ou em termos do tempo investido em ensino e formação. O Grupo SCC incentiva os seus Colaboradores a frequentarem cursos adicionais de formação quando considerados necessários. O Grupo SCC promove políticas direcionadas ao desenvolvimento das competências relevantes para os seus negócios e em consonância com as aptidões dos seus Colaboradores. 10. Segurança O Grupo SCC evitará qualquer ilegalidade que infrinja os direitos dos Colaboradores ou de terceiros que estejam dentro das instalações, através de empresas de segurança contratadas. Quando necessário, os colaboradores dessas empresas serão treinados relativamente a como atuar em situações difíceis e quando e como devem intervir em situações de quebra de segurança.

9 MSG. 0.0 Pág.: 9/ Não-cumplicidade nas violações dos Direitos Humanos O Grupo SCC reconhece a possibilidade da ocorrência de dilemas éticos nos países politicamente instáveis ou, nos quais os direitos humanos possam estar comprometidos. O Grupo SCC irá agir de modo a que, conscientemente, não contribua para a violação dos direitos humanos de outros. *Corresponde ao texto aprovado em junho de RESPONSABILIDADES PELA OPERACIONALIZAÇÃO DOS COMPROMISSOS ASSUMIDOS NAS POLÍTICAS Presidente da Comissão Executiva O presidente da comissão executiva tem a responsabilidade global de assegurar a operacionalização dos compromissos assumidos nas Políticas do Grupo SCC. Como suporte a esta responsabilidade, o PCE: Designa o Director Geral de Operações, como responsável por garantir que os assuntos relevantes relacionados com Qualidade, Segurança Alimentar, Ambiente e Segurança, sejam identificados e do conhecimento dos diretores gerais; Designa o Director Geral de Recursos Humanos e Comunicação Interna, como responsável por garantir que os assuntos relacionados com a Saúde e com os Direitos Humanos, sejam identificados e do conhecimento dos diretores gerais; Assegura que as políticas e procedimentos estabelecidos garantem uma gestão efetiva da Qualidade, Segurança Alimentar, Ambiente, Segurança e Saúde do Trabalho. Esta garantia é conseguida pela atividade dos directores gerais e através de auditorias anuais; Recebe relatórios regulares sobre a performance do sistema, e informação relativa a acidentes graves; Dá suporte aos diretores gerais nas suas responsabilidades, para assegurarem a implementação dos standards e políticas do grupo. Diretores Gerais Lideram e demonstram compromisso com as operações do grupo; Delegam e garantem que os compromissos assumidos nas políticas, incluindo os princípios dos direitos humanos, sejam implementados transversalmente em toda a organização; Monitorizam a performance geral e garantem que ações corporativas sejam implementadas onde necessário; Individualmente, asseguram a disponibilidade dos recursos necessários, para permitir o cumprimento das obrigações legais, das políticas e standards do grupo, e demonstrar governação corporativa eficaz;

10 MSG. 0.0 Pág.: 10/11 Individualmente, alocam responsabilidades específicas para a Qualidade, Segurança Alimentar, Ambiente, Segurança e Saúde, aos seus colaboradores diretos, em cada área do negócio; Individualmente, estabelecem metas e monitorizam os progressos, dos negócios pelos quais são responsáveis; Director Geral de Operações e Diretor Geral de Recursos Humanos e Comunicação Interna, No âmbito das respetivas actividades: Asseguram que as Políticas da Qualidade, Segurança Alimentar, Ambiente, Segurança e Saúde do trabalho e dos Direitos Humanos dos colaboradores, estão escritas e publicadas de acordo com os standards do grupo; Identificam e alocam responsabilidades específicas para a Qualidade, Segurança Alimentar, Ambiente, Segurança e Saúde do Trabalho aos managers de cada área. (Estas responsabilidades devem ser definidas e consensualizadas individualmente); Asseguram que estão disponíveis os recursos suficientes, que permitam aos managers o cumprimento das suas obrigações nas vertentes Qualidade, Segurança Alimentar, Ambiente, Segurança e Saúde do Trabalho, e a implementação dos princípios dos Direitos Humanos dos colaboradores; Asseguram, quando aplicável, que os managers deleguem de forma satisfatória, as suas responsabilidades nas vertentes QSAASST; Monitorizam e avaliam a eficácia das políticas da empresa e dos sistemas de gestão associados; Managers Implementam e mantêm sistemas de gestão adequados que assegurem conformidade local com as políticas e procedimentos da empresa e com os standars do grupo, para a gestão dos sistemas (QSAASST); Asseguram que sejam utilizadas, adequadas medidas de controlo, para eliminar ou reduzir os riscos no âmbito da QSAASST, para um nível aceitável; Asseguram que os seus colaboradores compreendem e aderem aos standards, políticas e procedimentos; Identificam necessidades de formação para a sua equipa e garantem que tal é providenciado; Dão o exemplo pessoal, demonstrando interesse e empenho pelos assuntos da Qualidade, Segurança Alimentar, Ambiente, Segurança e Saúde do Trabalho; Providenciam comunicação entre os vários níveis e funções da organização e com os contratados, visitantes, vizinhos, serviços de emergência, seguradoras e entidades oficiais de inspeção, quando aplicável, através de fluxos de informação ascendente, descendente e lateral, sobre questões relevantes no âmbito da Qualidade, Segurança Alimentar, Ambiente, Segurança e Saúde do Trabalho; Preparam e acompanham programas de melhoria que incluam requisitos da Qualidade, Segurança Alimentar, Ambiente, Segurança e Saúde do Trabalho;

11 MSG. 0.0 Pág.: 11/11 Implementam programas de auditorias/visitas periódicas e inspeções, para monitorizar a performance; Outros Colaboradores Têm os cuidados de Segurança e Saúde necessários, consigo próprio e com os outros e com a Qualidade, Segurança Alimentar e Ambiente; Zelam pela sua Segurança e Saúde, bem como das outras pessoas, que possam ser afetadas pelas suas ações ou omissões; Cumprem as normas da Qualidade, Segurança Alimentar, Ambiente, Segurança e Saúde estabelecidas e as instruções determinadas com esse fim pela entidade patronal; Cooperam com a chefia e apoioam-na nas suas responsabilidades da Qualidade, Segurança Alimentar, Ambiente, Segurança e Saúde, de forma a alcançarem em equipa progressos e melhorias, nas várias vertentes; Seguem adequadamente os procedimentos operacionais e asseguram a correta utilização de equipamentos e instalações; Reportam à chefia qualquer acidente, quase acidente ou condições inseguras de trabalho; Sugerem formas de eliminar perigos ou melhorar métodos de trabalho, para reduzir riscos.

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

Ética A GUARDIAN disponibiliza o presente Código de Conduta a todos os colaboradores, Clientes, Fornecedores e Parceiros.

Ética A GUARDIAN disponibiliza o presente Código de Conduta a todos os colaboradores, Clientes, Fornecedores e Parceiros. Âmbito de aplicação O presente Código de Conduta aplica-se a toda a estrutura GUARDIAN Sociedade de Mediação de Seguros, Lda., seguidamente designada por GUARDIAN, sem prejuízo das disposições legais ou

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014

CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014 CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014 Índice INTRODUÇÃO INTEGRIDADE NOS NEGÓCIOS DIREITOS HUMANOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO Eliminação de todas as formas de trabalho forçado ou compulsório

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

Requisitos do Grupo Volkswagen relativos à sustentabilidade nas relações com os seus parceiros comerciais (Code of Conduct para parceiros comerciais)

Requisitos do Grupo Volkswagen relativos à sustentabilidade nas relações com os seus parceiros comerciais (Code of Conduct para parceiros comerciais) Requisitos do Grupo Volkswagen relativos à sustentabilidade nas relações com os seus parceiros comerciais (Code of Conduct para parceiros comerciais) I. Preâmbulo Os requisitos que se seguem especificam

Leia mais

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 CNPJ: 61.460.077/0001-39 / INSCR: 105.657.106.110 Gestão

Leia mais

Política de Responsabilidade Social

Política de Responsabilidade Social Política de Responsabilidade Social e Programa 2015 I. ENQUADRAMENTO A criação da Fábrica do Chocolate materializa por si só o sentido de responsabilidade social da empresa e das pessoas envolvidas na

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Disclaimer Linguagem Inclusiva. Declaração de Compromisso da Gestão de Topo. Missão. Visão. Valores. Partes Interessadas

CÓDIGO DE ÉTICA. Disclaimer Linguagem Inclusiva. Declaração de Compromisso da Gestão de Topo. Missão. Visão. Valores. Partes Interessadas CÓDIGO DE ÉTICA Disclaimer Linguagem Inclusiva Optámos por prescindir das referências de desagregação por género, ignorando aquela que é considerada uma boa prática, a utilização da linguagem inclusiva,

Leia mais

NORMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL FIRMENICH

NORMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL FIRMENICH NORMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL FIRMENICH Norma de Responsabilidade Social Firmenich Atualizado em Março de 2013 Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Como parte do nosso compromisso contínuo com um negócio ético

Leia mais

Ordem de Serviço Nº 14/2012

Ordem de Serviço Nº 14/2012 Assunto: Política de Direitos Humanos dos Colaboradores SCC Para: Divulgação Geral Data : 11.06.2012 Introdução Num mundo em globalização, o papel na sociedade dos grandes Grupos internacionais como a

Leia mais

CERTIFICAÇÃO. Sistema de Gestão

CERTIFICAÇÃO. Sistema de Gestão CERTIFICAÇÃO Sistema de Gestão A Sociedade Central de Cervejas e Bebidas (SCC) tem implementados e certificados os Sistemas de Gestão da Qualidade, Segurança Alimentar e Ambiente, em alinhamento com as

Leia mais

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO 1.1 POLíTICA AMBIENTAL 1.1 - Política Ambiental - Como está estabelecida e documentada a política e os objetivos e metas ambientais dentro da organização? - A política é apropriada à natureza e impactos

Leia mais

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA DE ÉTICA A Política de Ética do CPCBeja está reflectida no Código de Conduta e Ética e integra os seguintes Princípios e Orientações: - Direitos e Dignidade

Leia mais

Princípios de Empoderamento das Mulheres

Princípios de Empoderamento das Mulheres Princípios de Empoderamento das Mulheres Igualdade Significa Negócios Princípios de Empoderamento das Mulheres 1. Estabelecer liderança corporativa sensível à igualdade de Gênero, no mais alto nível. 2.

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Declaração de Apoio Contínuo Amostra

Declaração de Apoio Contínuo Amostra Geral Período coberto pela sua Comunicação de Progresso (COP) De: A: Declaração de apoio continuado pelo Diretor Executivo (CEO) Forneça uma declaração do diretor executivo da sua empresa expressando apoio

Leia mais

EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética

EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética 1. Objecto e Âmbito do Regulamento O presente regulamento foi adoptado pelo Conselho Geral e de Supervisão (CGS) e pelo Conselho de Administração Executivo

Leia mais

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas GUIA DO VOLUNTÁRIO Sociedade Central de Cervejas ÍNDICE 1. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA SCC: O NOSSO COMPROMISSO... 3 2. O NOSSO COMPROMISSO COM O VOLUNTARIADO... 4 2.1 A ESTRUTURAÇÃO DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL...

Leia mais

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA HOMOLOGAÇÃO: José Eduardo Carvalho 14-03- Pág. 2 de 5 A Tagusgás subscreve a Política AQS da Galp Energia. A Política AQS da Tagusgás foi definida tendo em consideração os Objectivos Estratégicos do Grupo

Leia mais

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados;

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados; VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos e electrónicos, oferecendo

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Síntese O Compromisso ALIANSCE para a Sustentabilidade demonstra o nosso pacto com a ética nos negócios, o desenvolvimento das comunidades do entorno de nossos empreendimentos,

Leia mais

GRUPO SOLVAY CÓDIGO DE CONDUTA DE FORNECEDORES

GRUPO SOLVAY CÓDIGO DE CONDUTA DE FORNECEDORES GRUPO SOLVAY CÓDIGO DE CONDUTA DE FORNECEDORES 0 GRUPO SOLVAY CÓDIGO DE CONDUTA DE FORNECEDORES Indice Introdução 2 Conformidade Legal para Integridade Comercial 2 Respeito pelos direitos humanos 2 Proteção

Leia mais

DIRECIONADORES DA AÇÃO EMPRESARIAL

DIRECIONADORES DA AÇÃO EMPRESARIAL DIRECIONADORES DA AÇÃO EMPRESARIAL Na ASBRASIL, já foram estabelecidas as direções básicas da ação empresarial, conforme estabelecido em nosso plano de negócios que deseja se consolidar em uma cultura

Leia mais

Código de Conduta de Fornecedor

Código de Conduta de Fornecedor Código de Conduta de Fornecedor www.odfjelldrilling.com A Odfjell Drilling e suas entidades afiliadas mundialmente estão comprometidas em manter os mais altos padrões éticos ao conduzir negócios. Como

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

Política da Nestlé sobre Saúde e Segurança no Trabalho

Política da Nestlé sobre Saúde e Segurança no Trabalho Política da Nestlé sobre Saúde e Segurança no Trabalho A Segurança não é negociável Na Nestlé, acreditamos que o sucesso sustentável apenas poderá ser alcançado através dos seus Colaboradores. Nenhum

Leia mais

Política Obrigatória Fevereiro 2013. A Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental

Política Obrigatória Fevereiro 2013. A Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política Obrigatória Fevereiro 2013 A Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política Obrigatória Fevereiro 2013 Autor/ Departamento Segurança, Saúde e Sustentabilidade Ambiental Público-alvo

Leia mais

Índice Descrição Valor

Índice Descrição Valor 504448064 Índice Descrição Valor 1 Missão, Objectivos e Princípios Gerais de Actuação 11 Cumprir a missão e os objectivos que lhes tenham sido determinados de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

EQUIPOMAN. Sistema de Gestão Integrada. Código de Ética

EQUIPOMAN. Sistema de Gestão Integrada. Código de Ética Sistema de Gestão Integrada Código de Ética CE-01/2012 Rev: 01 Data: 11/12/2012 1 Mensagem da Diretoria Prezados (as) Colaboradores (as), É com imensa satisfação que apresentamos o Código de Ética da EQUIPOMAN

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Valores Pessoas; Trabalho em Equipe; Conduta Ética; Orientação ao Cliente; Orientação a Resultados; Inovação; e Comunidade e Meio Ambiente.

Valores Pessoas; Trabalho em Equipe; Conduta Ética; Orientação ao Cliente; Orientação a Resultados; Inovação; e Comunidade e Meio Ambiente. CÓDIGO DE ÉTICA EMPRESARIAL 1 INTRODUÇÃO O Código de Ética Empresarial da COELCE, apresenta os princípios direcionadores das políticas adotadas pela empresa e que norteiam as ações e relações com suas

Leia mais

AMMPL (BME) Código de Conduta

AMMPL (BME) Código de Conduta AMMPL (BME) Código de Conduta 1 Código de Conduta da AMMPL (BME) I Introdução A Association Materials Management, Purchasing and Logistics (Associação de Gestão de Materiais, Compras e Logística, AMMPL

Leia mais

POLÍTICA CORPORATIVA Código PC.00.001. PRESIDÊNCIA Revisão 00

POLÍTICA CORPORATIVA Código PC.00.001. PRESIDÊNCIA Revisão 00 Páginas 1/8 1. OBJETIVO O Código de Ética é um conjunto de diretrizes e regras de atuação, que define como os empregados e contratados da AQCES devem agir em diferentes situações no que diz respeito à

Leia mais

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena E1819 V6 Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena REHABILITATION OF LUENA WATER SUPPLY SYSTEM PGA PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL (PGA) ENVIRONMENTAL MANAGEMENT PLAN (EMP) Adjudicante: Financial

Leia mais

COMUNICATION ON PROGRESS 2013-2014

COMUNICATION ON PROGRESS 2013-2014 DECLARAÇÃO DE APOIO CONTÍNUO PELO CHEFE EXECUTIVO A RRV Engenharia confirma o apoio contínuo aos Dez Princípios do Pacto Global, relacionados aos Direitos Humanos, Direitos do Trabalho, Proteção do Meio

Leia mais

Índice. Missão, Visão, Valores e Princípios Objetivo Aplicabilidade Organização Interna Relacionamento Externo

Índice. Missão, Visão, Valores e Princípios Objetivo Aplicabilidade Organização Interna Relacionamento Externo Código de Conduta Índice Missão, Visão, Valores e Princípios Objetivo Aplicabilidade Organização Interna Relacionamento Externo 3 4 5 6 9 Missão, Visão, Valores e Princípios Missão Visão Princípios Valores

Leia mais

Código. de Conduta do Fornecedor

Código. de Conduta do Fornecedor Código de Conduta do Fornecedor 03/2014 Índice 1. Considerações... 03 2. Decisões... 04 3. Diretrizes... 05 3.1. Quanto à Integridade nos Negócios... 05 3.2. Quanto aos Direitos Humanos Universais... 06

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA GALP ENERGIA

CÓDIGO DE ÉTICA GALP ENERGIA CÓDIGO DE ÉTICA GALP ENERGIA 1. Introdução A materialização da Missão, Visão e Valores de uma Empresa traduz-se na actuação quotidiana dos seus colaboradores, de acordo com práticas éticas consensuais

Leia mais

I. CÓDIGO DE ÉTICA. 1. Âmbito de Aplicação

I. CÓDIGO DE ÉTICA. 1. Âmbito de Aplicação I. CÓDIGO DE ÉTICA 1. Âmbito de Aplicação O presente Código de Ética define os princípios e as regras a observar pela N Seguros, S.A. sem prejuízo de outras disposições legais ou regulamentares aplicáveis

Leia mais

sustainable Código de Conduta da Industria Têxtil e da Moda Alemã

sustainable Código de Conduta da Industria Têxtil e da Moda Alemã sustainable Código de Conduta da Industria Têxtil e da Moda Alemã Introdução As empresas da Industria Têxtil e da Moda Alemã reconhecem as suas obrigações a nível de responsabilidade social, independentemente

Leia mais

Padrões Nidera para Parceiros de Negócio

Padrões Nidera para Parceiros de Negócio Padrões Nidera para Parceiros de Negócio Caro Parceiro de Negócio, A história da nossa empresa inclui um compromisso de longa data em estar de acordo com as leis onde quer que atuemos e realizar nossos

Leia mais

Política de investimento na Comunidade

Política de investimento na Comunidade Política de investimento na Comunidade Galp Energia in NR-006/2014 1. ENQUADRAMENTO Na sua Política de Responsabilidade Corporativa, aprovada em 2012, a GALP ENERGIA estabeleceu o compromisso de promover

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA 23 de julho de 2015 ÍNDICE Pág. Introdução... 3 Objetivos... 3 Princípios gerais de atuação... 4 Princípios específicos de atuação... 7 Mecanismos de desenvolvimento,

Leia mais

Gestão Ambiental. Aula 5 Prof. Pablo Bosco

Gestão Ambiental. Aula 5 Prof. Pablo Bosco Gestão Ambiental Aula 5 Prof. Pablo Bosco Proposito da aula ISO 14001 2 ISO 14001 O que é a ISO 14001? A ISO 14001 é uma Norma pertencente a família das ISO 14000 que trata de Sistema de Gestão Ambiental

Leia mais

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO EPSU, UNI Europa, ETUCE, HOSPEEM, CEMR, EFEE, EuroCommerce,

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA ELETROBRAS ELETRONORTE

POLÍTICA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA ELETROBRAS ELETRONORTE POLÍTICA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA ELETROBRAS ELETRONORTE 1 OBJETIVO... 1 2 CONCEITOS... 3 3 DIRETRIZES... 3 4 RESPOSABILIDADES... 5 5 DISPOSIÇÕES GERAIS... 5 2 1 OBJETIVO

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

1. Âmbito de Aplicação 2. Valores Gerais

1. Âmbito de Aplicação 2. Valores Gerais CÓDIGO DE ÉTICA 1. Âmbito de Aplicação 1.1. O presente Código de Ética aplica-se a todos os colaboradores da COMPANHIA DAS LEZÍRIAS, S.A., adiante designada como CL, qualquer que seja o seu vínculo laboral

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE IRREGULARIDADES

POLÍTICA DE GESTÃO DE IRREGULARIDADES POLÍTICA DE GESTÃO DE IRREGULARIDADES GEWISS Departamento de Auditoria Interna Corporate 8 de Maio de 2014 ÍNDICE 1. OBJECTIVO E ÂMBITO... 3 2. REGRAS DE REFERÊNCIA... 3 3. DEFINIÇÕES... 3 4. PRINCÍPIOS

Leia mais

www.imcdgroup.com CÓDIGO DE CONDUTA. IMCD

www.imcdgroup.com CÓDIGO DE CONDUTA. IMCD www.imcdgroup.com CÓDIGO DE CONDUTA. IMCD O SUCESSO DA IMCD É BASEADO NO ESTABELECIMENTO DE UM AMBIENTE QUE PROMOVE A RESPONSABILIDADE, CONFIANÇA E O RESPEITO. IMCD Código de Conduta 3 1. Introdução O

Leia mais

A presente é uma tradução de um documento em língua inglesa, exclusivamente para sua comodidade. O texto do original em inglês regerá, em todos os

A presente é uma tradução de um documento em língua inglesa, exclusivamente para sua comodidade. O texto do original em inglês regerá, em todos os A presente é uma tradução de um documento em língua inglesa, exclusivamente para sua comodidade. O texto do original em inglês regerá, em todos os aspectos, os seus direitos e as suas obrigações. O original

Leia mais

POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO

POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO Política da QUALIDADE A satisfação do cliente está na base das operações do Grupo Volvo. A Qualidade é um pré

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Auditoria: Desafio e Confiança. 13 de setembro de 2013

Auditoria: Desafio e Confiança. 13 de setembro de 2013 XI Congresso da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas Auditoria: Desafio e Confiança 13 de setembro de 2013 Senhor Bastonário da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas, Dr. José Azevedo Rodrigues, Senhoras

Leia mais

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 INDICE POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 1. Objetivo...2 2. Aplicação...2 3. implementação...2 4. Referência...2 5. Conceitos...2 6. Políticas...3

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 AUDIÊNCIA 3 IMPORTÂNCIA DA INFORMAÇÃO E DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 3 POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 5 RESPONSABILIDADES NA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 6 MANUTENÇÃO E COMUNICAÇÃO DAS

Leia mais

Identificação da empresa

Identificação da empresa Identificação da empresa ANA Aeroportos de Portugal, S.A. Missão, Visão e Valores Missão da ANA A ANA - Aeroportos de Portugal, SA tem como missão gerir de forma eficiente as infraestruturas aeroportuárias

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Novartis Código para Fornecedores

Novartis Código para Fornecedores Novartis Código para Fornecedores Version 1.0 01-04-2013 Introdução Finalidade Considerações éticas permeiam todas as dimensões de nossos negócios nossos processos de pesquisa, desenvolvimento, produção,

Leia mais

ISO 22000 SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR

ISO 22000 SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR ISO 22000 SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR INTRODUÇÃO Os sistemas de segurança alimentar devem ser desenhados de forma a controlar o processo de produção e basearem-se em princípios e conceitos

Leia mais

Código de Ética e de Conduta

Código de Ética e de Conduta visa dar a conhecer de forma inequívoca aos colaboradores, clientes, entidades públicas, fornecedores e, de uma forma geral, a toda a comunidade os valores preconizados, vividos e exigidos pela empresa,

Leia mais

1. INTRODUÇÃO. Mensagem do Presidente

1. INTRODUÇÃO. Mensagem do Presidente Data de início de vigência: 1 de setembro de 2013 1. INTRODUÇÃO Mensagem do Presidente O Mundo de hoje obriga-nos a uma presença em inúmeros quadrantes e a uma enorme capacidade para que possamos adaptar-nos

Leia mais

Indicadores Gestão da Ética

Indicadores Gestão da Ética Indicadores Gestão da Ética Identificação Segmento: Diversos Resultados Sua Pontuação: 0 Sua Avaliação: INICIANTE Descrição: A empresa utiliza muito pouco ou praticamente nenhuma ferramenta de gestão de

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA GEBALIS

CÓDIGO DE ÉTICA DA GEBALIS CÓDIGO DE ÉTICA DA GEBALIS DEZEMBRO DE 2008 PREÂMBULO O presente Código visa clarificar as normas de conduta que devem orientar os comportamentos e as atitudes de todos os Colaboradores da GEBALIS, independentemente

Leia mais

Esta é a tradução de um texto em inglês, cuja finalidade é apenas facilitar a sua compreensão. O texto do original em inglês regerá, em todos os

Esta é a tradução de um texto em inglês, cuja finalidade é apenas facilitar a sua compreensão. O texto do original em inglês regerá, em todos os Esta é a tradução de um texto em inglês, cuja finalidade é apenas facilitar a sua compreensão. O texto do original em inglês regerá, em todos os aspectos, os seus direitos e as suas obrigações. O original

Leia mais

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE COMITÊ ORGANIZADOR DOS JOGOS OLÍMPICOS RIO 206 RIO 206 POLÍTICA DE 25/02/205 / 2 Sumário. OBJETIVO... 2 2. DEFINIÇÕES... 2 3. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 5 4. DIRETRIZES... 7 4. Programa Geral de...

Leia mais

Relatório de Comunicação e Engajamento COE Instituto Venturi Para Estudos Ambientais

Relatório de Comunicação e Engajamento COE Instituto Venturi Para Estudos Ambientais Relatório de Comunicação e Engajamento COE Instituto Venturi Para Estudos Ambientais Declaração de Apoio Continuo da Presidente 23/10/2015 Para as partes interessadas: É com satisfação que comunicamos

Leia mais

Fundação Professor Francisco Pulido Valente CÓDIGO DE CONDUTA

Fundação Professor Francisco Pulido Valente CÓDIGO DE CONDUTA Fundação Professor Francisco Pulido Valente CÓDIGO DE CONDUTA Dezembro de 2012 INTRODUÇÃO As fundações são instituições privadas sem fins lucrativos que visam contribuir para o bem comum, para o desenvolvimento

Leia mais

CÓDIGO DE FORNECEDORES DA GALDERMA

CÓDIGO DE FORNECEDORES DA GALDERMA CÓDIGO DE FORNECEDORES DA Código de fornecedores da Galderma Preâmbulo A Galderma tem como missão ser reconhecida como a empresa de inovação mais competente e bemsucedida, centrada exclusivamente em corresponder

Leia mais

FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL

FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL 1 MODELOS DE GESTÃO MODELO Busca representar a realidade GESTÃO ACT CHECK PLAN DO PDCA 2 MODELOS DE GESTÃO

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA MULTIPLAN EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A.

CÓDIGO DE CONDUTA DA MULTIPLAN EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A. CÓDIGO DE CONDUTA DA MULTIPLAN EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A. O presente Código de Conduta da Multiplan Empreendimentos Imobiliários S.A. (a Companhia ), visa cumprir com as disposições do Regulamento

Leia mais

Princípios de Emponderamento da Mulheres. Princípios de Empoderamento das Mulheres. Igualdade significa Negócios. Igualdade significa negócios

Princípios de Emponderamento da Mulheres. Princípios de Empoderamento das Mulheres. Igualdade significa Negócios. Igualdade significa negócios Princípios de Emponderamento da Mulheres Princípios de Empoderamento das Mulheres Igualdade significa negócios Igualdade significa Negócios Igualdade significa Negócios da Mulheres Princípios de Emponderamento

Leia mais

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE XXVIII Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE 1. Sistema de gestão de qualidade... 2 1.1 Objectivos do sistema... 2 1.2 Estrutura organizativa... 4 1.2.1 Organização interna... 4 1.2.2 Estrutura

Leia mais

Câmara Municipal de Barueri. Conheça a Norma SA8000. Você faz parte!

Câmara Municipal de Barueri. Conheça a Norma SA8000. Você faz parte! Câmara Municipal de Barueri Conheça a Norma SA8000 Você faz parte! O que é a Norma SA 8000? A SA 8000 é uma norma internacional que visa aprimorar as condições do ambiente de trabalho e das relações da

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO. Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09. Sistema de Gestão da Qualidade

IDENTIFICAÇÃO. Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09. Sistema de Gestão da Qualidade IDENTIFICAÇÃO Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09 Código: CMSeixalSGQ_2600204_ManualGestaoV09 Destinatários: Trabalhadores, Munícipes e Utentes da CMSeixal Campo de aplicação:

Leia mais

O que é a Responsabilidade Social Empresarial?

O que é a Responsabilidade Social Empresarial? O que é a Responsabilidade Social Empresarial? 1.5. Campos de acção da RSE Resumo O mundo dos negócios é extremamente heterogéneo. Assim as diferentes abordagens e estratégias sobre responsabilidade compromisso

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA 2 INFORMAÇÕES GERAIS O QUE É O CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA O Código de Ética e de Conduta (Código) é o instrumento no qual se inscrevem os valores que pautam a actuação do

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA Na defesa dos valores de integridade, da transparência, da auto-regulação e da prestação de contas, entre outros, a Fundação Casa da Música,

Leia mais

Certificação de qualidade e sustentabilidade da Indústria têxtil e da moda. Guia para iniciar a certificação

Certificação de qualidade e sustentabilidade da Indústria têxtil e da moda. Guia para iniciar a certificação Certificação de qualidade e sustentabilidade da Indústria têxtil e da moda Guia para iniciar a certificação EDITORIAL Os desafios do desenvolvimento sustentável ampliam a importância das iniciativas da

Leia mais

Raul Anselmo Randon Presidente do Conselho de Administração das Empresas Randon

Raul Anselmo Randon Presidente do Conselho de Administração das Empresas Randon Palavra do Presidente É com satisfação que editamos o Guia de Conduta Ética das Empresas Randon, um instrumento de comunicação que traduz os nossos valores e dá as diretrizes para as nossas ações profissionais,

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO invepar índice Apresentação Visão, Missão, Valores Objetivos Princípios Básicos Pág. 4 Pág. 6 Pág. 7 Pág. 8 Abrangência / Funcionários Empresas do Grupo Sociedade / Comunidade

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação NORMAS DE CONDUTA Apresentação Adequando-se às melhores práticas de Governança Corporativa, a TITO está definindo e formalizando as suas normas de conduta ( Normas ). Estas estabelecem as relações, comportamentos

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA SARAIVA

CÓDIGO DE CONDUTA DA SARAIVA CÓDIGO DE CONDUTA DA SARAIVA 2010 Pág.: 2 de 9 A maioria das empresas exige dos seus fornecedores um excelente produto/serviço, a preço competitivo. Além disso, para nós da Saraiva, é muito importante

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR

CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR Este Código padrões mínimos que devem ser ultrapassados, sempre que possível. Ao aplicá-los, os fornecedores devem obedecer às leis nacionais e outras leis vigentes e, nos pontos em que a lei e este Código

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

Normas de Ética e Conduta Empresarial para Terceiros

Normas de Ética e Conduta Empresarial para Terceiros Todas as actividades empresariais na Bristol-Myers Squibb (BMS) apoiam-se no alicerce do nosso compromisso com a integridade e a conformidade com todas as leis, regulamentos, directivas e códigos industriais

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

Política de Saúde, Segurança e Meio Ambiente

Política de Saúde, Segurança e Meio Ambiente Política de Saúde, Segurança e Meio Ambiente Política Global Novartis 1 de março de 2014 Versão HSE 001.V1.PT 1. Introdução Na Novartis, nossa meta é ser líder em Saúde, Segurança e Meio Ambiente (HSE).

Leia mais

a. Missão... 4 b. Visão... 4 c. Estratégia... 4 a. Governo Societário... 9 b. Transparência e Prevenção da Corrupção... 9

a. Missão... 4 b. Visão... 4 c. Estratégia... 4 a. Governo Societário... 9 b. Transparência e Prevenção da Corrupção... 9 Índice 1. MENSAGEM DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO... 3 2. ENQUADRAMENTO... 4 a. Missão... 4 b. Visão... 4 c. Estratégia... 4 3. VALORES CARRIS... 5 4. PRINCÍPIOS CARRIS... 7 5. GOVERNAÇÃO CORPORATIVA...

Leia mais

DECLARAÇÃO DE POLÍTICA DE DIREITOS HUMANOS DA UNILEVER

DECLARAÇÃO DE POLÍTICA DE DIREITOS HUMANOS DA UNILEVER DECLARAÇÃO DE POLÍTICA DE DIREITOS HUMANOS DA UNILEVER Acreditamos que as empresas só podem florescer em sociedades nas quais os direitos humanos sejam protegidos e respeitados. Reconhecemos que as empresas

Leia mais

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN Resumo das diretrizes e critérios da COSERN/ Grupo Neoenergia para patrocínios a projetos socioculturais e ambientais. Guia Básico do Proponente 1 Índice Introdução 2 1.

Leia mais