Ordem de Serviço Nº 14/2012

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ordem de Serviço Nº 14/2012"

Transcrição

1 Assunto: Política de Direitos Humanos dos Colaboradores SCC Para: Divulgação Geral Data : Introdução Num mundo em globalização, o papel na sociedade dos grandes Grupos internacionais como a Heineken do qual faz parte o Grupo Sociedade Central de Cervejas e Bebidas, S.A. (Grupo SCC), é de uma crescente importância. Para assegurar que o Grupo SCC assume as suas responsabilidades é necessário, entre outros, criar e garantir um ambiente de trabalho seguro e responsável para os Colaboradores. Para este efeito, o Grupo SCC desenvolveu uma política direccionada aos direitos básicos dos Colaboradores e direitos humanos, que respeita e visa salvaguardar. O respeito pelos indivíduos e o bem-estar dos Colaboradores integram os Valores, Princípios e Políticas do Grupo SCC. A Política de Direitos dos Humanos dos Colaboradores do Grupo SCC representa uma continuidade e articulação desses compromissos. O Grupo SCC subscreve os princípios consagrados no âmbito da Declaração Universal dos Direitos Humanos e das Convenções Fundamentais da Organização Internacional do Trabalho baseados no respeito pela dignidade dos indivíduos e na não discriminação de qualquer natureza. O Grupo SCC apoia estes direitos humanos, bem como os direitos dos Colaboradores em conformidade com o legítimo papel da Empresa. Em caso de violações externas aos direitos humanos dos seus Colaboradores, o Grupo SCC prestará a máxima assistência dentro das suas capacidades. As disposições desta política são explicadas e acompanhadas por orientações adicionais, destinadas a especificar os seus detalhes e consequências. Por isso, a explicação e as orientações adicionais servem como base de esclarecimento desta política. Quaisquer questões ou dúvidas sobre Colaboradores subcontratados, pessoal de agências de trabalho temporário ou contratantes, devem ser vistas no âmbito do Código de Conduta dos Fornecedores (Heineken Suppliers Code) ou outra qualquer política aplicável e que regule a relação entre o Grupo SCC e os seus fornecedores ou contratantes nos casos específicos. Esta política entra imediatamente em vigor e revoga a OS. 05/2012. Refª /2005 V 5 GSC Pág. 1/5

2 Gestão dos Direitos Humanos dos Colaboradores A. Implementação Para além da formulação de onze princípios claros sobre os Direitos Humanos dos Colaboradores, é também importante integrar e implementar esta Política, e que a SCC faz através das seguintes medidas: Educação e formação, com o objectivo da sensibilização para esta política com vista a garantir o respeito pelos direitos de Colaboradores. Monitorização do desempenho tendo em conta os standards pretendidos. Utilização de ferramentas de autoavaliação adicionais e desenvolvimento de planos de acção. Facilitação do diálogo com as partes envolvidas (como Colaboradores e seus orgãos representativos), através de informações claras sobre a gestão dos Direitos Humanos dos Colaboradores do Grupo SCC. B. Procedimento de denúncia O Grupo SCC tem definido um procedimento de denúncia e estimula os Colaboradores a utilizar de forma correcta este procedimento, garantindo a discrição e protecção dos Colaboradores que os utilizem. Conforme definido no Procedimento de Whistle Blowing, quando ocorre uma situação, em primeiro lugar, esta deve ser comunicada ao manager (N1) responsável pela área na qual a mesma ocorreu, o qual envidará todos os esforços para resolver, no seio da respectiva área, o problema em causa, sem que sejam accionadas as regras do Procedimento de Whistle Blowing. Noutras situações, deverá endereçar a situação ao Provedor da SCC ou, endereçar a situação de uma forma anónima, através da utilização de um contacto telefónico externo ou do prenchimento de um relatório standard (ver anexo I do Procedimento de Whistle Blowing) que a remeterá ao Provedor da SCC C. Questões de Contexto Esta política deve ser vista como um padrão mínimo, ou seja, quando a legislação nacional for mais além do conteúdo desta política, o Grupo SCC cumprirá as obrigações legais. Refª /2005 V 5 GSC Pág. 2/5

3 Os Princípios dos Direitos Humanos dos Colaboradores 1. Não-discriminação O Grupo SCC respeita o direito da não-discriminação. As pessoas são recrutadas com base no princípio da igualdade de oportunidades, sem discriminação de raça, cor, religião, afiliações ou origens. Relativamente à nomeação ou perspectivas de evolução dos Colaboradores, o Grupo SCC terá apenas em conta as competências do candidato (educação, personalidade, aptidões, experiência profissional e outros atributos relevantes permitidos pela lei) e as suas (dele/dela) expectativas legítimas. O Grupo SCC fundamenta as suas decisões relativamente aos Colaboradores, actuais ou futuros, em critérios objectivos. O Grupo SCC respeita a diversidade cultural e pessoal e promove a inclusão. Tem em consideração as crenças, opiniões e convicções pessoais dos (actuais e futuros) Colaboradores. 2. Liberdade Sindical/Representação dos Colaboradores O Grupo SCC respeita o direito dos Colaboradores a serem representados a fim de promover os seus legítimos interesses. Este direito concede aos representantes dos Colaboradores internos/externos, o direito a serem reconhecidos como parceiros em negociações e consultas. O Grupo SCC considera a representação sindical de um Colaborador um direito, não uma obrigação (o direito de optar por não ser representado por um sindicato). 3. Trabalho Forçado O Grupo SCC não se envolverá ou apoiará o uso de trabalho forçado ou compulsório, tal como trabalho prisional, servidão por dívida ou escravidão. O Grupo SCC recusará trabalhar com fornecedores ou agências de recrutamento que são conhecidas por utilizar trabalho forçado ou compulsório nos seus negócios. 4. Trabalho Infantil O Grupo SCC respeita os direitos da criança, incluindo o direito à educação, ao descanso e ao divertimento, bem como o direito de acesso às necessidades básicas das crianças. Assim, o Grupo SCC não se envolverá ou apoiará a utilização de trabalho infantil. Isto significa que o Grupo SCC não permitirá o trabalho infantil dentro das suas instalações e que se recusará trabalhar com fornecedores ou agências de recrutamento que são conhecidas por utilizar trabalho infantil nos seus negócios O Grupo SCC segue a definição da Organização Internacional do Trabalho em relação à idade mínima para admissão ao trabalho. Esta idade não deve ser inferior à idade do cumprimento da escolaridade obrigatória e, em caso algum inferior aos 16 anos. Refª /2005 V 5 GSC Pág. 3/5

4 5. Horário de trabalho O Grupo SCC reconhece o direito ao descanso e lazer e, consequentemente, obedece às leis, regulamentações e/ou costumes locais relativamente ao horário de trabalho. Além disso, em consonância com a Organização Internacional do Trabalho - relatórios do comité de especialistas na aplicação das convenções e recomendações no que concerne ao horário de trabalho (Geneva, 2005) -, o Grupo SCC respeita integralmente a Lei em vigor em matéria de duração e de horário de trabalho, descanso e feriados. Desta forma, o Grupo SCC aspira promover um balanço harmonioso entre o trabalho e a vida pessoal dos Colaboradores. 6. Remuneração O Grupo SCC compromete-se a ter como referência pelo menos o salário minímo estabelecido pelo Governo. O Grupo SCC compensa os Colaboradores com uma remuneração que assegure um adequado padrão de vida. O Grupo SCC mantém uma política retributiva que enfatiza a equidade interna e comparatibilidade externa, com o mercado de referência. Os elementos chave desta política retributiva são: Remuneração por responsabilidade / função Remuneração por desempenho 7. Saúde e Segurança O Grupo SCC proporciona aos seus Colaboradores um ambiente de trabalho seguro com condições de higiene. O Grupo SCC tomará as medidas adequadas para melhorar continuamente os aspectos relacionados com a segurança e a saúde, dentro das suas instalações, incluindo o fornecimento de equipamento de protecção individual (EPI), quando e onde necessário. As condições de trabalho devem permitir práticas seguras de trabalho e promover a saúde ocupacional. O Grupo SCC mantém uma política que visa a melhoria contínua do seu desempenho em termos de segurança. 8. Assédio O Grupo SCC considera a protecção da dignidade e saúde no local de trabalho. uma das suas principais responsabilidades, como bom empregador, Para a salvaguarda da integridade de cada um dos Colaboradores, é fundamental para o Grupo SCC assegurar que o assédio de qualquer natureza não ocorra ou, na eventualidade de ocorrer, assegurar que os procedimentos adequados são prontamente disponibilizados para garantir a gestão do problema e prevenir reincidências. Refª /2005 V 5 GSC Pág. 4/5

5 9. Formação e Desenvolvimento Pessoal O Grupo SCC reconhece a importância da formação e desenvolvimento pessoal dos seus Colaboradores.. Formação: em geral, o Grupo SCC prevê e suporta os custos de formação regular em temas que considera relevantes para o negócio e/ou para a função do Colaborador. Oportunidades de formação e desenvolvimento para os Colaboradores serão identificados numa base regular e, quando considerado relevante, será organizada formação para o Colaborador. Desenvolvimento Pessoal: o desenvolvimento pessoal (empregabilidade) é considerado uma responsabilidade partilhada entre o Grupo SCC e os seus Colaboradores. Esta responsabilidade partilhada deve ser reflectida na contribuição que ambas as partes estão preparadas para dar em termos financeiros e/ou em termos do tempo investido em ensino e formação. O Grupo SCC incentiva os seus Colaboradores a frequentarem cursos adicionais de formação quando considerados necessários. O Grupo SCC promove políticas direccionadas ao desenvolvimento das competências relevantes para os seus negócios e em consonância com as aptidões dos seus Colaboradores. 10. Segurança O Grupo SCC evitará qualquer ilegalidade que infrinja os direitos dos Colaboradores ou de terceiros que estejam dentro das instalações, através de empresas de segurança contratadas. Quando necessário, os colaboradores dessas empresas serão treinados relativamente a como actuar em situações difíceis e quando e como devem intervir em situações de quebra de segurança. 11. Não-cumplicidade nas violações dos Direitos Humanos O Grupo SCC reconhece a possibilidade da ocorrência de dilemas éticos nos países politicamente instáveis ou, nos quais os direitos humanos possam estar comprometidos. O Grupo SCC irá agir de modo a que, conscientemente, não contribua para a violação dos direitos humanos de outros. Refª /2005 V 5 GSC Pág. 5/5

POLÍTICA DE DIREITOS HUMANOS

POLÍTICA DE DIREITOS HUMANOS POLÍTICA DE DIREITOS HUMANOS Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos. São dotados de razão e consciência e devem agir uns para com os outros com espírito de fraternidade.

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DE FORNECEDORES

CÓDIGO DE CONDUTA DE FORNECEDORES CÓDIGO DE CONDUTA DE FORNECEDORES SIGILO DAS INFORMAÇÕES respeitar a propriedade intelectual, segredos comerciais e outras informações confi denciais, exclusivas ou reservadas, e não devem fazer uso ou

Leia mais

Política de Compras da Altranportugal

Política de Compras da Altranportugal Política de Compras da Altranportugal Índice 1. POLÍTICA DE COMPRAS..3 1.1 Expetativas da Altran perante os fornecedores... 3 1.1.1 No âmbito da Segurança e Saúde no Trabalho (SST).... 3 1.1.2 No âmbito

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta INTRODUÇÃO O Código de Ética e conduta da Damasco Penna é dirigido à todos os colaboradores, estagiários e membros da administração para servir de referência da atuação pessoal

Leia mais

DR. AUGUSTO POMBAL CENTRO POLIVALENTE DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO MAPTSS 26 DE JUNHO DE 2015

DR. AUGUSTO POMBAL CENTRO POLIVALENTE DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO MAPTSS 26 DE JUNHO DE 2015 O REGIME DOS TRABALHADORES DOMÉSTICOS NO ÂMBITO DA CONVENÇÃO E DA RECOMENDAÇÃO SOBRE O TRABALHO DECENTE PARA OS TRBALHADORAS E OS TRABALHADORES DOMÉSTICOS DR. AUGUSTO POMBAL CENTRO POLIVALENTE DE FORMAÇÃO

Leia mais

Santa Casa da Misericórdia de Pombal

Santa Casa da Misericórdia de Pombal Manual de Políticas Santa Casa da Misericórdia de Pombal Índice 1. Política da Qualidade 2. Politica de Apoio Social 3. Politica de Recursos Humanos 4. Politica de Ética 5. Politica de Envolvimento Ativo

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS DE ASSESSORAMENTO

REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS DE ASSESSORAMENTO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS DE ASSESSORAMENTO O Conselho de Administração da BM&FBOVESPA (respectivamente o Conselho e a Companhia ) será assessorado por quatro comitês permanentes: Auditoria; Governança

Leia mais

CERTIFICAÇÃO. Sistema de Gestão

CERTIFICAÇÃO. Sistema de Gestão CERTIFICAÇÃO Sistema de Gestão A Sociedade Central de Cervejas e Bebidas (SCC) tem implementados e certificados os Sistemas de Gestão da Qualidade, Segurança Alimentar e Ambiente, em alinhamento com as

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO MSG. 0.0 Pág.: 1/11 1. VISÃO Juntos, fazemos as marcas líderes que as pessoas adoram beber.. MISSÃO Sermos a melhor empresa portuguesa de bebidas com um crescimento sustentado e com uma contínua melhoria

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DO GRUPO EDF

CÓDIGO DE ÉTICA DO GRUPO EDF CÓDIGO DE ÉTICA DO GRUPO EDF A energia elétrica não é uma mercadoria como outra qualquer. É por isso que sua geração, transmissão, distribuição e comercialização são assuntos do interesse de todos. Desde

Leia mais

Código de Conduta da SKF. para fornecedores e subcontratantes

Código de Conduta da SKF. para fornecedores e subcontratantes Código de Conduta da SKF para fornecedores e subcontratantes Código de Conduta da SKF para fornecedores e subcontratantes Os fornecedores e subcontratantes da SKF desempenham um papel importante em nossa

Leia mais

ZVEI - Code of conduct sobre a responsabilidade social

ZVEI - Code of conduct sobre a responsabilidade social ZVEI - Code of conduct sobre a responsabilidade social Preâmbulo A Associação Central das Indústrias Electrónicas e Electrotécnicas, associação registada, (ZVEI) e as suas empresas afiliadas reconhecem

Leia mais

1. CARTA DA DIRETORIA

1. CARTA DA DIRETORIA 1. CARTA DA DIRETORIA A ADVANCE EMBALAGENS adota o presente Código de Conduta Empresarial com o objetivo de conduzir seus negócios embasando-se na obediência a princípios éticos e legais no relacionamento

Leia mais

COMPROMISSO DOS ASSOCIADOS DA APESPE RH AO CÓDIGO DE CONDUTA DA EUROCIETT PARA O BOM FUNCIONAMENTO DO MERCADO LABORAL EUROPEU

COMPROMISSO DOS ASSOCIADOS DA APESPE RH AO CÓDIGO DE CONDUTA DA EUROCIETT PARA O BOM FUNCIONAMENTO DO MERCADO LABORAL EUROPEU COMPROMISSO DOS ASSOCIADOS DA APESPE RH AO CÓDIGO DE CONDUTA DA EUROCIETT PARA O BOM FUNCIONAMENTO DO MERCADO LABORAL EUROPEU Introdução Os serviços prestados pelas Agências Privadas de Emprego são uma

Leia mais

O Sistema de Gestão de Responsabilidade Social

O Sistema de Gestão de Responsabilidade Social Securitas Portugal O Sistema de Gestão de Responsabilidade Social Agosto de 2016 1 O Sistema de Gestão da Responsabilidade Social A SECURITAS desenvolveu e implementou um Sistema de Gestão de aspetos de

Leia mais

Código de Conduta e Ética Empresarial. Grupo Visium Build

Código de Conduta e Ética Empresarial. Grupo Visium Build Código de Conduta e Ética Empresarial Grupo Visium Build 1 Índice 2 Âmbito 3 Missão e Visão 4 Valores 4 Compromisso com as partes interessadas 5 Cumprimento deste Código 9 2 ÂMBITO Este Código de Conduta

Leia mais

Workshop sub-regional sobre a Recomendação 204 da OIT e a transição para a economia formal em Moçambique, São Tomé e Cabo Verde

Workshop sub-regional sobre a Recomendação 204 da OIT e a transição para a economia formal em Moçambique, São Tomé e Cabo Verde Workshop sub-regional sobre a Recomendação 204 da OIT e a transição para a economia formal em Moçambique, São Tomé e Cabo Verde 21 24 de março de 2016 Maputo, Moçambique Um quadro legislativo favorável

Leia mais

Quadro geral relativo à informação e à consulta dos funcionários e empregados públicos da administração central do Estado. Acordo (Tradução) Preâmbulo

Quadro geral relativo à informação e à consulta dos funcionários e empregados públicos da administração central do Estado. Acordo (Tradução) Preâmbulo TUNED Trade Union s National and European Delegation EUPAE European Public Administration Employers Quadro geral relativo à informação e à consulta dos funcionários e empregados públicos da administração

Leia mais

Sistema de Gestão da Prevenção em

Sistema de Gestão da Prevenção em Sistema de Gestão da Prevenção em SST Trabalho realizado por: André Andrade nº18990 Curso: Engenharia do Ambiente Data: 29/10/2008 Disciplina: PARP Índice Introdução... 3 Sistema de gestão da prevenção

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA Sumário Introdução Regras de Conduta da MIP Gestão do Código de Ética e Conduta da MIP Glossário Termo de Compromisso 03 05 10 12 15 2 Introdução A missão da MIP Engenharia S.A.

Leia mais

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ)

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ) Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ) 1 Índice I Disposições Legais... 3 Artigo 1º - Objecto e âmbito de aplicação... 3 II Modelo Organizacional... 3 Artigo 2º - Definição

Leia mais

Conferência Internacional do Trabalho

Conferência Internacional do Trabalho Conferência Internacional do Trabalho PROTOCOLO À CONVENÇÃO 29 PROTOCOLO À CONVENÇÃO SOBRE TRABALHO FORÇADO, 1930, ADOTADA PELA CONFERÊNCIA EM SUA CENTÉSIMA TERCEIRA SESSÃO, GENEBRA, 11 DE JUNHO DE 2014

Leia mais

Código de Conduta Ética

Código de Conduta Ética Código de Conduta Ética Dezembro 2015 2015 Delta Economics & Finance Índice 1 Introdução 1 2 Visão, Missão e Valores 1 3 Conduta Esperada dos Funcionários 2 4 Conflito de Interesse 2 5 Informações Sigilosas

Leia mais

Roteiro para divulgação de Beneficiários Reais

Roteiro para divulgação de Beneficiários Reais Comité Nacional de EITI Roteiro para divulgação de Beneficiários Reais -2020 OBJETIVO GERAL De acordo com as Normas de EITI de 2016, requisito 2.5 referente a "Beneficial Ownership" (Beneficiários Reais),

Leia mais

1 Código de Conduta do Fornecedor

1 Código de Conduta do Fornecedor 1 Código de Conduta do Fornecedor 2 Código de Conduta do Fornecedor Índice 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS...03 2. DIRETRIZES...03 2.1. QUANTO À INTEGRIDADE NOS NEGÓCIOS...03 2.2. QUANTO À CORRUPÇÃO... 04 2.3.

Leia mais

Código de Ética e Padrões de Conduta Profissional

Código de Ética e Padrões de Conduta Profissional Código de Ética e Padrões de Conduta Profissional Samba Investimentos Página1 Este manual de operações estabelece princípios e regras de conduta aplicáveis a todos colaboradores da Samba Investimentos

Leia mais

POLÍTICA DE TRATAMENTO DE CLIENTES E TERCEIROS

POLÍTICA DE TRATAMENTO DE CLIENTES E TERCEIROS 1/5 POLÍTICA DE TRATAMENTO DE CLIENTES E TERCEIROS ÍNDICE 1. OBJETIVO... 1 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 1 3. DEFINIÇÕES... 1 4. PRINCÍPIOS DE ATUAÇÃO... 2 4.1. PRINCÍPIO DA NÃO DISCRIMINAÇÃO... 2 4.2. CONFLITO

Leia mais

Política de segurança da informação Normas

Política de segurança da informação Normas Política de Segurança das Informações Prof. Luiz A. Nascimento Auditoria e Segurança de Sistemas Anhanguera Taboão da Serra Normas 2 BS 7799 (elaborada pela British Standards Institution). ABNT NBR ISO/IEC

Leia mais

ACORDO-QUADRO SOBRE STRESS NO TRABALHO

ACORDO-QUADRO SOBRE STRESS NO TRABALHO ACORDO-QUADRO SOBRE STRESS NO TRABALHO (Acordo assinado em 8 de Outubro de 2004, em Bruxelas, entre a Confederação Europeia de Sindicatos (CES) e as Associações Patronais Europeias) 1. Introdução O stress

Leia mais

1. DECLARAÇÃO DE SUPORTE CONTÍNUO DO DIRETOR EXECUTIVO (PROPRIETÁRIO OU PRESIDENTE NO CASO DE PEQUENAS EMPRESAS)

1. DECLARAÇÃO DE SUPORTE CONTÍNUO DO DIRETOR EXECUTIVO (PROPRIETÁRIO OU PRESIDENTE NO CASO DE PEQUENAS EMPRESAS) H.E. BanKi-moon Secretário Geral Nações Unidas Nova York, NY10017 EUA Referência: COMUNICAÇÃO DO PROGRESSO (COP - Communication on Progress) Período: 07/2015 à 06/2016 1. DECLARAÇÃO DE SUPORTE CONTÍNUO

Leia mais

Código de Ética e de Conduta

Código de Ética e de Conduta Código de Ética e de Conduta Edição: 1 Maio - 2015 CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Art. 1º Finalidade O estabelecimento de princípios e regras gerais de ética e conduta que assegurem o cumprimento dos valores estabelecidos

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA AGÊNCIA PARA O INVESTIMENTO E COMÉRCIO EXTERNO DE PORTUGAL, E.P.E. (AICEP) CAPÍTULO I - Âmbito e Objectivo. Artigo 1º (Âmbito)

CÓDIGO DE CONDUTA DA AGÊNCIA PARA O INVESTIMENTO E COMÉRCIO EXTERNO DE PORTUGAL, E.P.E. (AICEP) CAPÍTULO I - Âmbito e Objectivo. Artigo 1º (Âmbito) CÓDIGO DE CONDUTA DA AGÊNCIA PARA O INVESTIMENTO E COMÉRCIO EXTERNO DE PORTUGAL, E.P.E. (AICEP) CAPÍTULO I - Âmbito e Objectivo Artigo 1º (Âmbito) 1. O presente Código de Conduta integra o conjunto das

Leia mais

Código de Conduta da ERICSSON

Código de Conduta da ERICSSON Código de Conduta da ERICSSON Objetivo Este Código de Conduta foi desenvolvido com o objetivo de proteger os direitos humanos, de promover as condições de emprego justas, as condições de trabalho seguras,

Leia mais

COP COMUNICCATION ON PROGRESS PRINCÍPIOS DE DIREITOS HUMANOS

COP COMUNICCATION ON PROGRESS PRINCÍPIOS DE DIREITOS HUMANOS COP COMUNICCATION ON PROGRESS PRINCÍPIOS DE DIREITOS HUMANOS O Capital Humano é o principal ativo da Porto Brasil. A ÉTICA e o RESPEITO ÀS PESSOAS são nossos valores principais. Procuramos orientar e apoiar

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DE FORNECEDORES

CÓDIGO DE ÉTICA DE FORNECEDORES CÓDIGO DE ÉTICA DE FORNECEDORES A Malwee está comprometida com a atuação ética. Por essa razão, necessita garantir que, todos com quem realiza negócios, incluindo fornecedores, indústrias, prestadores

Leia mais

POLÍTICA DE VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE E NÃO DISCRIMINAÇÃO

POLÍTICA DE VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE E NÃO DISCRIMINAÇÃO POLÍTICA DE VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE E NÃO DISCRIMINAÇÃO A Petrol Industrial S/A está entre aquelas empresas que estão preocupadas com as questões trabalhistas, procurando adotar os Princípios de Direito

Leia mais

Gestor Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle (DPOC)

Gestor Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle (DPOC) Título Norma de Responsabilidade Socioambiental Gestor Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle (DPOC) Abrangência Agências, Departamentos, Empresas Ligadas e Unidades no Exterior Sinopse Diretrizes

Leia mais

Grupo NSG Código de Conduta do Fornecedor

Grupo NSG Código de Conduta do Fornecedor Introdução Grupo NSG Código de Conduta do Fornecedor A intenção do Grupo NSG é desfrutar da mais elevada reputação em todo o mundo, pela maneira profissional, legal e ética de conduzir suas atividades,

Leia mais

Código de Conduta do Fornecedor

Código de Conduta do Fornecedor Código de Conduta do Fornecedor Índice 1. Apresentação... 03 2. Abrangência... 04 3. Diretrizes de Conduta... 05 3.1. Quanto à Integridade nos Negócios... 05 3.2. Quanto à corrupção... 06 3.3. Quanto

Leia mais

Código de Ética Elaborado em Janeiro de 2016 Atualizado em Junho de 2016 1. INTRODUÇÃO Este Código de Ética estabelece as regras e princípios que nortearão os padrões éticos e de conduta profissional,

Leia mais

Os direitos da criança - No contexto internacional. Director do ILPI Njal Hostmaelingen MJDH, workshop interno, Luanda, 27 de Junho 2016

Os direitos da criança - No contexto internacional. Director do ILPI Njal Hostmaelingen MJDH, workshop interno, Luanda, 27 de Junho 2016 Os direitos da criança - No contexto internacional Director do ILPI Njal Hostmaelingen MJDH, workshop interno, Luanda, 27 de Junho 2016 Programa História e enquadramento legal Desenvolvimentos internacionais

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA 1. MENSAGEM DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

CÓDIGO DE ÉTICA 1. MENSAGEM DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CÓDIGO DE ÉTICA 1. MENSAGEM DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO O ISQ sendo hoje uma grande organização, com larga implantação nacional e uma presença estabelecida internacionalmente, é fundamental que caracterizemos

Leia mais

código de conduta para fornecedores da Quintiles

código de conduta para fornecedores da Quintiles código de conduta para fornecedores da Quintiles 2 A Quintiles está comprometida em executar práticas de negócios sustentáveis. Com base em padrões reconhecidos internacionalmente, este Código de conduta

Leia mais

Política Comercial e de Direitos Humanos. 1 Introdução 2 Comprometimento 3 Entrega 4 Controle

Política Comercial e de Direitos Humanos. 1 Introdução 2 Comprometimento 3 Entrega 4 Controle Política Comercial e de Direitos Humanos 1 Introdução 2 Comprometimento 3 Entrega 4 Controle BP 2013 Política Comercial e de Direitos Humanos 1. Introdução Disponibilizamos energia para o mundo. Encontramos,

Leia mais

Código de Ética Empresarial da Metro do Porto

Código de Ética Empresarial da Metro do Porto Código de Ética Empresarial da Metro do Porto MP-848057/09 V1.0 Índice A. A EMPRESA Enquadramento Missão Visão Valores B. CÓDIGO Âmbito de Aplicação Acompanhamento C. PRINCÍPIOS ORIENTADORES DO RELACIONAMENTO

Leia mais

Código de Conduta do Grupo Cindapa

Código de Conduta do Grupo Cindapa Código de Conduta do Grupo Cindapa A MARCA DA SEGURANÇA 1 NOSSAS DIRETRIZES Nossa Missão Fornecer soluções em segurança patrimonial privada, mitigando os riscos e evitando perdas, por meio de uma Gestão

Leia mais

PARPÚBLICA. Política de Gestão de Risco de Fraude. Março de 2010

PARPÚBLICA. Política de Gestão de Risco de Fraude. Março de 2010 PARPÚBLICA Política de Gestão de Risco de Fraude Março de 2010 Índice Pág. 1 Política de Gestão de Risco de Fraude da Parpública 3 1.1 Introdução 3 1.1.1 Declaração 3 1.1.2 Definição 3 2 Detalhe da Politica

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPÍTULO I

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPÍTULO I CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Âmbito de aplicação O Centro de Convívio, é uma das Respostas Sociais da Santa Casa da Misericórdia de Ferreira do Zêzere, Instituição Privada de Direito Canónico com sede

Leia mais

FUNDAÇÃO AGA KHAN PORTUGAL CÓDIGO DE CONDUTA

FUNDAÇÃO AGA KHAN PORTUGAL CÓDIGO DE CONDUTA FUNDAÇÃO AGA KHAN PORTUGAL CÓDIGO DE CONDUTA ÍNDICE 1. Introdução... 3 2. Missão... 3 3. Principais objetivos... 3 4. Legalidade... 4 5. Governação... 4 6. Principais regras de conduta... 4 7. Transparência...

Leia mais

Desenvolvimento, Trabalho Decente e Igualdade Racial

Desenvolvimento, Trabalho Decente e Igualdade Racial Desenvolvimento, Trabalho Decente e Igualdade Racial Lais Abramo Diretora do Escritório da OIT no Brasil Brasília, julho de 2012 Esquema da Apresentação 1. Trabalho decente e estratégia de desenvolvimento

Leia mais

Mod PG Página 1 de 5

Mod PG Página 1 de 5 1. OBJETIVO Este procedimento estabelece a metodologia de definição, implementação e controlo de ações a desenvolver no caso de ser detetada a utilização de trabalho de menores, de forma a assegurar que:

Leia mais

CARTA DO CLIENTE A NOSSA MISSÃO

CARTA DO CLIENTE A NOSSA MISSÃO CARTA DO CLIENTE A NOSSA MISSÃO Disponibilizamos recrutamento, selecção e recursos humanos relacionados da mais alta qualidade que apoiarão o crescimento de uma função pública de classe mundial. OS NOSSOS

Leia mais

Informações Gerais. Para fornecer materiais ou serviços ao Grupo NSG, exige-se que os fornecedores cumpram este Código de Conduta.

Informações Gerais. Para fornecer materiais ou serviços ao Grupo NSG, exige-se que os fornecedores cumpram este Código de Conduta. Informações Gerais Título da Política Código de Conduta do Grupo NSG (Grupo de Fornecedores) Aprovado Por Comitê Diretor da Política de Aquisição (compras) Data Aprovada 17.06.2009 Âmbito Esta política

Leia mais

Código de Ética. Neste sentido, por colaboradores deve entender-se todos os membros dos órgãos sociais, dirigentes e colaboradores do Grupo EDP.

Código de Ética. Neste sentido, por colaboradores deve entender-se todos os membros dos órgãos sociais, dirigentes e colaboradores do Grupo EDP. Código de Ética Âmbito de aplicação O Código de Ética agora publicado aplica-se a todos os colaboradores do Grupo EDP Energias de Portugal, adiante também referenciado como EDP, incluindo a Fundação EDP

Leia mais

Unidade de Recursos Humanos

Unidade de Recursos Humanos 2016 1 CODIGO DE ÉTICA E CONDUTA 2016 INTRODUÇÃO O presente tem como objectivo, não só estar em consonância com a alínea a) do ponto 3 da Recomendação do Conselho de Prevenção da Corrupção de 7 de Novembro

Leia mais

Sonae Sierra Brasil Código de Conduta

Sonae Sierra Brasil Código de Conduta Sonae Sierra Brasil Código de Conduta INTRODUÇÃO O Que é Nosso Código de Conduta? Nosso Código de Conduta estabelece e promove os aspectos fundamentais de comportamento ético que, na opinião da nossa Companhia,

Leia mais

PROGRAMA DA FORMAÇÃO - PRODUÇÃO E MARKETING DE EVENTOS

PROGRAMA DA FORMAÇÃO - PRODUÇÃO E MARKETING DE EVENTOS DESIGNAÇÃO Nome: Produção e Marketing de Eventos Carga horária total: 250 horas Acreditação profissional: n/a Forma de organização da formação: Presencial Público-alvo: Estudantes ou profissionais com

Leia mais

Relatório de boas práticas de governo societário - ano de 2014

Relatório de boas práticas de governo societário - ano de 2014 Relatório de boas práticas de governo societário - ano de 2014 Exmos Senhores, A Lei nº 50/2012 de 31 de agosto aprovou o regime jurídico da atividade empresarial local e das participações locais. A EPRM

Leia mais

Construction and Civil Work Management

Construction and Civil Work Management STANDARD LME-12:001901 Upt Rev A Índice 1 Introdução... 3 2 Definições... 3 3 Requisitos... 4 3.1 Gerais... 4 3.2 Responsabilidades... 4 3.3 Plano de Segurança de OHS... 5 3.4 Início da Fase de Construção...

Leia mais

ABNT NBR SGS MANUAL DO SGS

ABNT NBR SGS MANUAL DO SGS OBJETIVO DO SGS Para aumentar a segurança dos clientes e seus colaboradores, a Alaya Expedições montou um sistema de gestão baseado no principio da melhoria contínua e na conformidade com a norma ABNT

Leia mais

Política de Gestão do Risco de Compliance

Política de Gestão do Risco de Compliance Política de Gestão do Risco de Compliance Classificação: Público Última Atualização: 23 de dezembro de 2016 ÍNDICE 1. ÂMBITO... 3 2. SISTEMA DE CONTROLO INTERNO... 3 3. RISCO DE COMPLIANCE E FUNÇÃO DE

Leia mais

A visão da OIT sobre o Trabalho Decente

A visão da OIT sobre o Trabalho Decente Boletim Econômico Edição nº 61 maio de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico A visão da OIT sobre o Trabalho Decente 1 1. CONCEITO DE TRABALHO DECENTE O conceito de Trabalho

Leia mais

Acta de Reunião Revisão SA Data: 26/ Novembro / Acções / Responsáveis / Prazos. Auditorias

Acta de Reunião Revisão SA Data: 26/ Novembro / Acções / Responsáveis / Prazos. Auditorias Data: 26/ Novembro / 2009 Auditorias Acções / Responsáveis / Prazos Em relação às não-conformidades registadas na Auditoria Interna, foram apresentadas e analisadas, tendo sido decididas as acções a implementar.

Leia mais

Mecanismo de monitorização. Convenção do Conselho da Europa relativa à Luta contra o Tráfico de Seres Humanos

Mecanismo de monitorização. Convenção do Conselho da Europa relativa à Luta contra o Tráfico de Seres Humanos Mecanismo de monitorização Convenção do Conselho da Europa relativa à Luta contra o Tráfico de Seres Humanos Quais são os objetivos da convenção? A Convenção do Conselho da Europa relativa à Luta contra

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DO PARCEIRO DA MICROSOFT

CÓDIGO DE CONDUTA DO PARCEIRO DA MICROSOFT CÓDIGO DE CONDUTA DO PARCEIRO DA MICROSOFT 1 Sumário Valores e Expectativas da Microsoft... 4 Práticas Comerciais, Ética e Conformidade... 5 Direitos Humanos e Práticas Laborais Justas... 7 Proteções e

Leia mais

CÓDIGO de CONDUTA. Operador da Rede Nacional de Transporte de Energia Eléctrica. Edição: 1 Data:

CÓDIGO de CONDUTA. Operador da Rede Nacional de Transporte de Energia Eléctrica. Edição: 1 Data: CÓDIGO de CONDUTA do Operador da Rede Nacional de Transporte de Energia Eléctrica O Operador da Rede Nacional de Transporte de Energia Eléctrica é a entidade concessionária da Rede Nacional de Transporte

Leia mais

Código de conduta de fornecedores

Código de conduta de fornecedores Código de conduta de fornecedores Código de Conduta de Fornecedores 1 Caro fornecedor: A Cargill atua no mercado de maneira ética e responsável. Ser confiável implica ter integridade em todas as relações

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA 1/7

CÓDIGO DE CONDUTA 1/7 CÓDIGO DE CONDUTA 1/7 ÍNDICE Página A Missão da Fundação AEP 3 Visão 3 Valores 3 Objetivos 3 Objeto, Âmbito e Aplicação 4 Transparência na Atuação e Publicitação das Contas 4 Impedimentos ou Incompatibilidades

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR

CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR Código de Conduta do Fornecedor Introdução: Na qualidade de retalhista de vestuário internacional, líder e em expansão, a Primark encontra-se empenhada em adquirir produtos

Leia mais

Política Interna dos Canais de Comunicação

Política Interna dos Canais de Comunicação Interna dos Canais de Comunicação 1/6 Data Descrição Sumária 14/03/2016 Interna dos Canais de Comunicação, versão inicial. Interna dos Canais de Comunicação 2/6 ÍNDICE 1. Introdução... 3 2. Conceito...

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DO GRUPO COMPASS

CÓDIGO DE ÉTICA DO GRUPO COMPASS CÓDIGO DE ÉTICA DO GRUPO COMPASS Versão nº 0 Página 1 de 7 Data: 14/12/2009 Código de Ética do Grupo Compass & Global Compact das Nações Unidas Como líder mundial na nossa actividade devemos estabelecer

Leia mais

ABNT NBR ISO Sistemas de Gestão da Segurança Manual do SGS

ABNT NBR ISO Sistemas de Gestão da Segurança Manual do SGS OBJETIVO DO SGS Para aumentar a segurança dos clientes e seus colaboradores, a Alaya Expedições montou um sistema de gestão baseado no princípio da melhoria contínua e na conformidade com a norma ABNT

Leia mais

Norma Permanente Assunto: Política de Proteção da Livre Concorrência Código da Norma: NAD-40 Data da publicação: 01/09/2015

Norma Permanente Assunto: Política de Proteção da Livre Concorrência Código da Norma: NAD-40 Data da publicação: 01/09/2015 Página 1 de 5 Resumo: Estabelece as diretrizes e regras gerais para garantir a proteção da livre concorrência nas atividades da Duratex S.A. e suas subsidiárias (Organização). Índice 1. OBJETIVO 2. ABRANGÊNCIA

Leia mais

PLANO ANUAL 2016 RECURSOS HUMANOS

PLANO ANUAL 2016 RECURSOS HUMANOS PLANO ANUAL 2016 A APPACDM da Figueira da Foz define, implementa e controla o seu compromisso com a satisfação das necessidades e expetativas legítimas dos clientes e de outras entidades interessadas.

Leia mais

INDICE POLÍTICA DA QUALIDADE 2 POLÍTICA DE ÉTICA 3 POLÍTICA DE ENVOLVIMENTO E PARTICIPAÇÃO 4 POLÍTICA DE CONFIDENCIALIDADE 5

INDICE POLÍTICA DA QUALIDADE 2 POLÍTICA DE ÉTICA 3 POLÍTICA DE ENVOLVIMENTO E PARTICIPAÇÃO 4 POLÍTICA DE CONFIDENCIALIDADE 5 INDICE POLÍTICA DA QUALIDADE 2 POLÍTICA DE ÉTICA 3 POLÍTICA DE ENVOLVIMENTO E PARTICIPAÇÃO 4 POLÍTICA DE CONFIDENCIALIDADE 5 POLÍTICA DE PREVENÇÃO DE ABUSO FÍSICO, MENTAL E FINANCEIRO 6 POLÍTICA DE RECRUTAMENTO

Leia mais

2015 P. 1 de 6. Procedimento para a Comunicação de Irregularidades Linha de ética

2015 P. 1 de 6. Procedimento para a Comunicação de Irregularidades Linha de ética P. 1 de 6 Procedimento para a Aprovado em reunião do Conselho Fiscal de 3.12. P. 2 de 6 1. INTRODUÇÃO A Galp Energia, SGPS, S.A. (doravante Galp ) baseia o exercício da sua atividade em princípios de lealdade,

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental Página 1 de 7 SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 2.1 BASE LEGAL... 3 2.2 DEFINIÇÕES... 3 2.3 ESCOPO DE AVALIAÇÃO... 4 2.4 GOVERNANÇA... 4 2.5 GERENCIAMENTO

Leia mais

DISCRIMINAÇÃO EM MATÉRIA DE EMPREGO E PROFISSÃO CONVENÇÃO 111

DISCRIMINAÇÃO EM MATÉRIA DE EMPREGO E PROFISSÃO CONVENÇÃO 111 DISCRIMINAÇÃO EM MATÉRIA DE EMPREGO E PROFISSÃO DECRETO N o 62.150, DE 19 DE JANEIRO DE 1968. Promulga a Convenção nº 111 da OIT sobre discriminação em matéria de emprego e profissão. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

Carta de Direitos e Deveres do Cliente

Carta de Direitos e Deveres do Cliente Carta de Direitos e Deveres do Cliente CONTROLO DAS REVISÕES DO DOCUMENTO Versão Data Descrição Página(s) Próxima revisão 01 15.12.2009 Elaboração da 1ª versão do documento ----- Dezembro 2011 02 12.04.2010

Leia mais

PL 055 POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL. Publicado em: 13/05/2016

PL 055 POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL. Publicado em: 13/05/2016 1. OBJETIVOS Estabelecer os princípios e diretrizes que norteiam as ações de práticas socioambientais da Getnet nos negócios e na relação com todas as partes interessadas, incluindo as diretrizes para

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO QUE INSTITUI O CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA DA FPAS PREÂMBULO

REGULAMENTO INTERNO QUE INSTITUI O CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA DA FPAS PREÂMBULO REGULAMENTO INTERNO QUE INSTITUI O CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA DA FPAS PREÂMBULO As obrigações de transparência, de responsabilidade, de solidariedade e cooperação que recaem sobre a Federação Portuguesa

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA. O presente Código tem por finalidade orientar a empresa como um todo sobre questões éticas e de conduta.

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA. O presente Código tem por finalidade orientar a empresa como um todo sobre questões éticas e de conduta. CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA O presente Código tem por finalidade orientar a empresa como um todo sobre questões éticas e de conduta. 1. Introdução O presente Código de Ética e Conduta tem por objetivo oferecer

Leia mais

Código de Conduta dos Fornecedores da TCS. Julho 2016

Código de Conduta dos Fornecedores da TCS. Julho 2016 Código de Conduta dos Fornecedores da TCS Julho 2016 Código de Conduta dos Fornecedores da TCS O Grupo Tata tem sido sempre um exemplo perfeito do verdadeiro espírito ético nos negócios em suas interações

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Senac-RS

CÓDIGO DE ÉTICA. Senac-RS CÓDIGO DE ÉTICA Senac-RS APRESENTAÇÃO Reconhecida como uma das maiores instituições de ensino profissionalizante do país, o Senac-RS adota uma postura clara e transparente no que diz respeito aos objetivos

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA. Somos movidos por inovação, sustentabilidade e por você

CÓDIGO DE CONDUTA. Somos movidos por inovação, sustentabilidade e por você CÓDIGO DE CONDUTA Somos movidos por inovação, sustentabilidade e por você SUMÁRIO Mensagem do Presidente Sumário Missão, Visão e Valores 1. Sobre o Código 2. Relações com Clientes 3. Responsabilidades

Leia mais

Convenção de Istambul

Convenção de Istambul CONVENÇÃO DO CONSELHO DA EUROPA PARA A PREVENÇÃO E O COMBATE À VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES E A VIOLÊNCIA DOMÉSTICA Convenção de Istambul LIVRE DO MEDO LIVRE DA VIOLÊNCIA QUAL É O OBJETIVO DA CONVENÇÃO?

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MERCUR

GUIA DE RELACIONAMENTO MERCUR A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se preocupa em conduzir as suas relações de acordo com padrões éticos e comerciais, através do cumprimento da legislação e das referências deste Guia. Seu

Leia mais

Programa da Qualidade Política Geral

Programa da Qualidade Política Geral O Hospital Pulido Valente definiu como MISSÂO: Programa da Qualidade Política Geral 1. O Hospital é o estabelecimento de referência para a população envolvente, para as especialidades de que dispõe, desenvolvendo

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO. Centro de Convívio de Portimão

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO. Centro de Convívio de Portimão REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO Centro de Convívio de Portimão Capítulo I Disposições Gerais Norma I Âmbito da Aplicação O Centro de Convívio Sénior, estrutura da Câmara Municipal de Portimão, sediada

Leia mais

Código de conduta do fornecedor

Código de conduta do fornecedor Código de conduta do fornecedor The Hershey Company tem um longo histórico na operação com altos padrões éticos e com integridade. Alcançamos isso conciliando nosso forte desejo por um crescimento lucrativo

Leia mais

NORMAS ORIENTADORAS DA SUBCOMISSÃO DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS (SECSH)

NORMAS ORIENTADORAS DA SUBCOMISSÃO DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS (SECSH) CEUM/SECSH NORMAS ORIENTADORAS DA SUBCOMISSÃO DE ÉTICA (SECSH) (Aprovadas pelo Despacho RT-07/2015, de 26 de janeiro) Capítulo I Definição, missão e atribuições Artigo 1º Objeto Artigo 2º Definição e missão

Leia mais

Segurança e Auditoria de Sistemas

Segurança e Auditoria de Sistemas Segurança e Auditoria de Sistemas ABNT NBR ISO/IEC 27002 0. Introdução 1 Roteiro Definição Justificativa Fontes de Requisitos Análise/Avaliação de Riscos Seleção de Controles Ponto de Partida Fatores Críticos

Leia mais

MANUAL DE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PILARESO GESTORA DE RECURSOS LTDA. 02 DE MARÇO DE 2016

MANUAL DE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PILARESO GESTORA DE RECURSOS LTDA. 02 DE MARÇO DE 2016 MANUAL DE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DA PILARESO GESTORA DE RECURSOS LTDA. 02 DE MARÇO DE 2016 ÍNDICE GERAL 1. INTRODUÇÃO... 2 2. APLICAÇÃO... 2 3. DISPOSIÇÕES GERAIS... 2 3.1 DISPOSIÇÕES INICIAIS...

Leia mais

Normas de Prevenção e Controlo do Consumo Excessivo de Álcool

Normas de Prevenção e Controlo do Consumo Excessivo de Álcool Normas de Prevenção e Controlo do Consumo Excessivo de Álcool Aprovado pela Câmara Municipal, na reunião de 15 de Maio de 2006 MUNICÍPIO DE CORUCHE CÂMARA MUNICIPAL NORMAS DE PREVENÇÃO E CONTROLO DO CONSUMO

Leia mais

O acesso à água e saneamento como direito humano. O papel das entidades gestoras

O acesso à água e saneamento como direito humano. O papel das entidades gestoras O acesso à água e saneamento como direito humano O papel das entidades gestoras Álvaro Carvalho, David Alves Departamento de Estudos e Projetos da ERSAR ENEG 2013 Coimbra, 4 de dezembro de 2013 O acesso

Leia mais

CARTA DE COMPORTAMENTOS

CARTA DE COMPORTAMENTOS STOP BULLYING! Uma abordagem baseada nos direitos humanos para combater o bullying e a discriminação CARTA DE COMPORTAMENTOS Projeto Co- Projeto Stop Bullying: Uma abordagem baseada nos direitos humanos

Leia mais

(FESTAS DO POVO) Artigo 1º. (Organização e Coordenação)

(FESTAS DO POVO) Artigo 1º. (Organização e Coordenação) PROJETO DE REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO, COORDENAÇÃO E REALIZAÇÃO DAS FESTAS DO POVO DE CAMPO MAIOR (FESTAS DO POVO) Artigo 1º (Organização e Coordenação) 1.- A organização e coordenação das Festas do Povo

Leia mais

Guia Metodológico do Utilizador dos

Guia Metodológico do Utilizador dos Guia Metodológico do Utilizador dos Produtos @Risco Projecto desenvolvido por: Co-financiado por: O Projecto @Risco é co financiado pela Agência Europeia para a Segurança e Saúde no Trabalho e é desenvolvido

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DOS TRABALHADORES DA CMVM. Capítulo I Disposições gerais

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DOS TRABALHADORES DA CMVM. Capítulo I Disposições gerais CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DOS TRABALHADORES DA CMVM Capítulo I Disposições gerais Artigo 1.º Objecto No exercício das suas funções, em particular nas relações com os restantes trabalhadores e com a CMVM,

Leia mais

Política de Rateio e Divisão de Ordens entre Carteiras de Valores Mobiliários

Política de Rateio e Divisão de Ordens entre Carteiras de Valores Mobiliários CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Apresentação 1.1. A ABM Gestora de Recursos Ltda. ( ABM Capital ) é uma sociedade limitada dedicada à prestação de serviços de administração de carteiras de valores mobiliários, notadamente

Leia mais