PRODUÇÃO DE PIMENTA EM ASSENTAMENTO RURAIS NO MUNICÍPIO DE CAMPO FLORIDO-MG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRODUÇÃO DE PIMENTA EM ASSENTAMENTO RURAIS NO MUNICÍPIO DE CAMPO FLORIDO-MG"

Transcrição

1 PRODUÇÃO DE PIMENTA EM ASSENTAMENTO RURAIS NO MUNICÍPIO DE CAMPO FLORIDO-MG Eugênia Mara Dias Gonçalves Socióloga UFV/ABEAS 1 ÍNDICE 1 Breve Histórico sobre à Pimenta APRESENTAÇÃO Mais Tempero Para A Economia Local A Nova Estrutura Do Projeto Cultura Da Pimenta Ações relacionadas ao Produto Pimenta: Ações para verticalização da produção SISTEMA DE PRODUÇÃO Preparo do solo Calagem Sulcamento Espaçamentos: Época de plantio: Equipe Técnica do Projeto Eugênia Mara Dias Gonçalves, Socióloga Edson de Oliveira, Eng. Agrônomo Valdir Vicente Dos Santos, Coordenador Técnico em Horticultura/Fruticultura 1

2 5.6 Plantio Preparo da Cova e Adubação Capinas: Colheita / Rendimento / ha Controle Integrados de Pragas e Doenças Escolha de Plantas Matrizes para Retirada de Sementes...13 B - Produção de Mudas em Bandejas e Protegidas por Telados: C - Rotação de Culturas: D - Uso racional de agrotóxicos; CUSTO DE PRODUÇÃO / ÁREA DE 1,0 ha Breve Histórico sobre à Pimenta A história da humanidade é marcada pela busca por alimentos e nem sempre este processo ocorreu de forma pacífica, a luta por campos férteis é um traço da nossa história. No entanto é inegável que esta busca foi e é um dos impulsores para o desenvolvimento da humanidade. Os alimentos, nos escritos sacros ou profanos, sempre foram vistos como dádiva de Deus, do Criador.É importante componente da história cultural os povos Respeitando as diferenças culturais e a variedade dos alimentos temos todos um tempero comum!!! As especiarias. O interesse econômico pelas especiarias foi um dos fatores que impulsionaram as grandes navegações européia a partir do século XVI. As especiarias fizeram com que portugueses e espanhóis buscassem o caminho para as Índias. Nesta busca pelas Índias, aportam na América Tropical pensando aqui encontrar 2

3 Pimenta do Reino (Piper nigrum). Aqui encontram as pimentas do gênero Capsicum mais ardidas. Talvez por esta razão foram mais rapidamente aceitas na Europa. Há relatos que já em 1542, de acordo com especialistas, eram cultivadas pimentas do gênero Capsicum. Ainda hoje a busca do melhor sabor, do melhor aroma nos alimentos preparados, mobiliza milhões de dólares em pesquisa. O Ardume tão importante economicamente e taxonomicamente neste gênero, é resultante da ação da substância Capsaicina (derivado vanil amidico do ácido isodecilanico) que somente a placenta dos frutos contém. 2 A Pimenta Cumari, ocorre na forma selvagem em quase todo o Estado de Minas. No entanto é no Triângulo Mineiro que se concentra às áreas de cultivo comercial. As principais cidades produtoras são: CAMPO FLORIDO, CAMPINA VERDE, UBERLÂNDIA E ESTRELA DO SUL. Quando do início do projeto da Cultura da Pimenta em Campo Florido em 1999, deparamos com a escassa literatura específica sobre Pimenta ( encontrávamos mais a Pimenta associada ao Pimentão) nesta busca de informações e tecnologia tivemos apoio da EMBRAPA Hortaliças, junta a pesquisadora Cláudia Silva da Costa Ribeiro que dentre os apoios nos enviou sementes de variedades que plantadas este ano(2004) no assentamento Nova Santo Inácio Ranchinho será posteriormente avaliada a qualidade do fruto para o processamento, da UFV/MG, com a Professora /pesquisadora Cleide Maria Ferreira que nos orientou em algumas leituras e também nos enviou sementes de variedades. Hoje existe no Escritório Local da EMATER-MG de Campo Florido através dos seus técnicos locais e apoio do departamento técnico da EMATER-MG e os produtores rurais familiares do Assentamento Nova Santo Inácio Ranchinho e Assentamento Tavares a preocupação, nos últimos 04 anos, em observar os sucessos e dificuldades da cultura, 2 Informe Agropecuário Ano 10/maio84. 3

4 estudando e experimentado tecnologias que vão desde o preparo da semente ao processamento Artesanal da horelícula nas suas diversas formas..a contribuição de todos os envolvidos foi fundamental e não temos a pretensão de estar escrevendo nada definitivo. 2. APRESENTAÇÃO A EMATER-MG atuando ha 56 anos em Minas Gerais e a 25 anos no Município de Campo Florido, Triângulo Mineiro no Baixo Rio Grande,é uma região é importante produtora de soja, milho,cana de açúcar e fruticultura. A partir de 2003 a EMATER-MG consolida sua atuação como Empresa de Desenvolvimento Sustentável e tem como foco de sua ação a família rural, o Agricultor Rural Familiar, como base o Planejamento Participativo e a gestão social,na qual os agricultores rurais familiares e suas organizações representativas passam a ser a base para a formação dos Conselhos Municipais de Desenvolvimento Rural Sustentável. Neste processo os técnicos em suas diversas áreas de formação/ atuação convergem esforços para este Planejamento Participativo. Tendo como norte da nossa intervenção o Planejamento Participativo o projeto da cultura da Pimenta nasce da busca de oportunidades de negócios para os produtores rurais familiares do Assentamento Nova Santo Inácio Ranchinho. Através de atividades com a comunidade e suas lideranças definimos estratégias de atuação para reordenar, se necessário, as ações dos grupos de produtores. Nesta busca fizemos pesquisa de mercado junto ao comercio local e regional buscando produtos com potencial para o plantio local,verticalização da produção e agregação de valor à produção agrícola. Neste momento buscamos produtos com sabor regional. Esta escolha foi racional. Devido as dificuldades com, produção em escala,processamento, transporte, acesso ao mercado consumidor cada etapa teria que ser avaliada e reavaliada passo a passo. No entanto a variável que a todo momento nos norteava era a definição em conjunto com produtor rural familiar de um produto que fosse adequado ao seu perfil e da sua família, que a tecnologia empregada fosse conhecida e/ou 4

5 de fácil compreensão por todos os parceiros. Assim ao mesmo tempo em que avaliávamos o mercado fazíamos levantamento de produto e produção internas ao Projeto de Assentamento. No momento da nossa pesquisa o Assentamento Ranchinho tinha como principais produtos Cultura Mandioca em 90% das propriedades; Cultura do Arroz (subsistência),(30% das Propriedades) Bovinocultura leiteira. 100% das propriedades. De forma incipiente observamos na propriedade de Sr. Sinvaldo a produção de Pimenta Cumari para venda. Com estes dados em mãos intensificamos nossa pesquisa no mercado local e regional. Sendo assim começamos avaliando os produtos mais procurados e suas potencialidades de compra pela rede de varejo do município e região. Aos poucos verificamos a carência por parte da industria de alimentos do produto Pimenta. A demanda é grande porem o produto é escasso. Observamos também que no mercado o produto de qualidade tinha pouco tempo de prateleira e que o consumo de pimenta na região é importante. A pimenta mais procurada pelos compradores e pela industria era a CUMARI. Centro de origem é a América do Sul e no caso da Cumari tem ocorrência mais freqüente se nos Estados de Goiás e Minas Gerais.A Cumari, é uma cultura que não requer grandes áreas para seu plantio com fins comercial.a Pimenta Cumari foi a escolhida para ser o carro chefe do projeto por ter preço mais atraente para o produtor (estamos em 1999) o litro da pimenta era comercializado entre C$4,00 á C$4,50 o litro. No início do projeto o plantio comercial da pimenta Cumari foi recebida com discrição pela comunidade,afinal era uma mudança total.grande parte dos Assentados,produtores rurais familiares, eram trabalhadores rurais que lidavam com os produtos tradicionais da nossa região. No entanto este primeiro plantio foi um sucesso. Tudo que se plantou vendeu. Atravessadores cortavam o assentamento em busca do produto tão escasso.neste primeiro 5

6 momento 06 produtores plantaram em uma área de 1 hectare 7000 pés.cada pé da Pimenta Cumari da em média 1 litro por safra Como os pássaros se alimentam de pimenta (por isso é também conhecida como Pimenta de passarinho, Erva de passarinho), foi necessário contratar pessoas do assentamento para ajudar na colheita do fruto. A cada litro colhido,pagava-se C$1,00, com uma média colhida de 5000 litros,em salário,circulou neste 1ª ano C$5.000,00. Comercializando a média de C$4,50 0 litro neste primeiro plantio circulou no assentamento com a venda do fruto C$22.500,00 (vinte dois mil e quinhentos reais) Ao final um grande número de produtores queriam plantar. Não obstante a este sucesso, verificou-se que devido falta de conhecimento sobre a cultura da pimenta, processamento artesanal, comercialização(atravessadores),preço, poderia comprometer o projeto. Considerando a importância do projeto sua alta capacidade empregadora e distribuidora de renda no local o programa foi reavaliado com a participação da comunidade,grupo de produtores,equipe local da EMATER-MG. A nova proposta define como prioritário conhecer melhor o produto e suas potencialidades de agregação de valor, melhorias fito sanitárias para combater as pragas e doenças (busca de produção orgânica) e treinamento dos produtores desde o plantio ao processamento 3. Mais Tempero Para A Economia Local Na busca de dar maior credibilidade e profissionalismo ao Projeto em 2003 foi aprovado pelo CONSEA,(Conselho de Segurança Alimentar) projeto para a construção do viveiro para produção de mudas de legumes e pimenta, tendo por objetivo produção de mudas sadias, livres de doenças, buscando melhorar a qualidade do fruto para envasamento. Na busca de tecnologia para o processamento a conquista se deve ao apoio de todos os parceiros. Hoje, o projeto da Pimenta Cumari em Campo Florido já fornece tecnologia, sementes e mudas para outros assentamentos do Estado e é visitado, com regularidade, por produtores e técnicos de Minas Gerais, Goiás, São Paulo e Paraná. Somos consultados por produtores de todo o País e consideramos importante ver que os produtores que acreditaram no projeto estejam realizando seus objetivos. O projeto tem despertado interesse de editoriais de TV, 6

7 revistas especializadas e jornais. Foi tema do Globo Rural por duas vezes. O produto Geleia de Pimenta foi apresentado no Programa Ana Maria Braga com grande repercussão em todo território Nacional. Temos hoje uma produção regular do produto com mais de 30 famílias plantando Pimenta ; o carro chefe continua sendo a Pimenta Cumari.No entanto para atrair novos compradores e manter os tradicionais, hoje no Assentamento planta-se comercialmente Pimenta do Pará(Cumari Amarela), Biquinho (grande sucesso devido ao fato de não arder) Malagueta. Com produção por safra das variedades Cumari, Biquinho, Malagueta de aproximadamente de 30 mil litros de pimenta esta tem mercado garantido. Os compradores são do Estado Minas Gerais, do interior de São Paulo e até do Paraná. Distante de Uberaba 68 Km, o município é cortado pela rodovia federal BR 262, o que facilita o escoamento da produção e acessos a centros de consumo como São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília. Outro papel importante desta cultura é a geração de emprego e renda. Como não tem maquinário próprio para este tipo de colheita a pimenta é colhida uma a uma no pé. Isso possibilita a geração de, aproximadamente, 70 a 80 empregos diretos no período da safra. Com mão-de-obra do próprio assentamento e da família do produtor, recebendo R$2,00(safra 2003/2004) por quilo apanhado. Na safra 2002/2003, cada família recebeu bruto uma média de R$ 5 mil a R$ 12 mil. Neste período, circulou no assentamento uma média de aproximadamente CR$ ,00 o que incrementou a economia local. Desde 2001 os produtores vêm recebendo treinamento para desenvolver o novo cultivo. Os extensionista da EMATER-MG promoveram cursos de Associativismo, de Processamento Artesanal de Pimenta,comercialização e de cultivo da pimenta.. A partir da safra 2003/2004 os produtores receberem cursos de preparação de molho e a grande novidade. Outro papel importante desta cultura é a geração de emprego e renda. Como não tem maquinário próprio para este tipo de colheita a pimenta é colhida uma a uma no pé. Isso possibilita a geração de, aproximadamente, 70 a 80 empregos diretos no período da safra. Com mão-de-obra do próprio assentamento e da família do produtor, recebendo R$2,00 por quilo apanhado. Na safra 2002/2003, cada família recebeu bruto uma média de R$ 5 mil a R$ 12 mil. Neste 7

8 período, circulou no assentamento uma média de aproximadamente CR$ ,00 o que incrementou a economia local. 4 - A Nova Estrutura Do Projeto Cultura Da Pimenta A procura por frutos de qualidade era grande mas era preciso trabalhar junto aos produtores a idéia da produção em escala, com semente de qualidade, para ter produto de qualidade e regularidade nos prazos de entrega.com isto delineamos ações a serem desenvolvidas pela Associação Nova Santo Inácio Ranchinho, EMATER-MG, Grupo de Produtores: Intensificar a procura de conhecimento sobre a cultura da Pimenta,buscando informações com outros parceiros e instituições EMBRAPA,UFV,EPAMIG,IMA, SENAR,Vigilância Sanitária, Estimular a parceria com a Prefeitura Municipal, Câmara Municipal, Usina Coruripe, CONSEA. Realizar pesquisa para implantação de novas variedades; Estimular a participação dos produtores e suas organizações em todos as atividades proposta; Divulgar a cultura por meio da mídia para aumentar o conhecimento sobre a produto e a existência de produção em escala no assentamento ; 4.1- Ações relacionadas ao Produto Pimenta: Desenvolver produtos em função das oportunidades apontadas pelos clientes (mercado); Melhorar ia dos locais de processamento; Capacitar os técnicos em todas as etapas da cultura da Pimenta; Capacitar produtores no manejo da cultura da pimenta Capacitar os produtores em processamento de Pimenta em todas as suas etapas 8

9 Capacitar produtores em gerência de negócios (parceria SENAR) Habilitar todos os produtores e seus familiares na melhor forma de colher o fruto sem perdas e sem machucar a mão com a colheita; Buscar cooperação com outros produtores de outros assentamentos (Assentamento Tavares) para trocas de conhecimento. 4.2 Ações para verticalização da produção Estimular ações para Biquinho, Malagueta; aumento do plantio das variedade Cumari,Cumari Amarela, Implementar ações visando a agregação de valor buscando a identidade local, Utilização de normas ambientais ; Caracterização como produto artesanal sem aditivo químico; Articular formas de viabilizar a comercialização dos produtos processados ou in n atura buscando acesso direto produtor/ rede de atacado/consumidor final; Promover o dia da Pimenta com produtos processados artesanalmente e seus produtos; Acompanhamento e avaliação das ações acordadas com os parceiros,em todos o processo e se fizer necessário redefinição de procedimento. 4.3Acesso ao Crédito Buscar/articular parcerias com Banco do Brasil para crédito do plantio da cultura da Pimenta a construção de unidade de Processamento na área do Projeto de Assentamento Nova Santo Inácio Ranchinho(PRONAF). 9

10 5- SISTEMA DE PRODUÇÃO DE PIMENTA CUMARI e BIQUINHO RECOMENDADO NOS ASSENTAMENTOS/AGRICULTORES FAMILIARES DA REGIÃO DE CAMPO FLORIDO-MG Preparo do solo. O solo deve ser preparado com aração e gradagem procurando obter um bom destorroamento do mesmo, proporcionando bom desenvolvimento das raízes numa profundidade de 20cm Calagem Deve-se fazer a calagem do solo, conforme as recomendações da analise do solo, procurando pelo método de saturação das bases, elevar o V a 70 %. Dando preferencia para uso de calcário dolomitico. Incorporando-o a uma profundidade de 20 cm Sulcamento 15 dias antes do plantio, fazer o sulcos de plantio, com profundidade de 15 a 20cm, espaçados de acordo com a variedade. Sempre em nível Espaçamentos: O espaçamento mais utilizado é o de 0,80 ou 1,00 metro entre covas e até 2 m entre linhas. Obs.: No caso de não fazer sulcos, deve-se fazer as covas de 20cm x 20 cm x 20 cm, espaçadas de 0,80 m a 1,00 m entre covas e até 2,0 m entre ruas. Espaçamentos menores contribuem para o aparecimento de doenças. 5.5 Época de plantio: O plantio nos meses de Outubro e Novembro tem sido o preferido, por diminuir os custos com irrigação. Para isso o semeio tem de ser feito em Agosto ou Setembro. 10

11 5.6 Plantio O transplante da muda para o local definitivo é feito quando as mudas apresentarem seis folhas definitivas, ocorrendo normalmente aos 50 a 60 dias após a semeadura. Ao transplantar as mudas, fazer sempre á tardinha ou em dias nublados. Deve-se tomar o cuidado para não colocar terra acima do nível da terra do saquinho, para não ocorrer o afogamento do caule Preparo da Cova e Adubação Adubação Orgânica Incorporar o adubo ao solo 15 dias antes do plantio. Recomenda-se o uso de esterco de curral, bem curtido, na quantidade de 2Kg por covas. Deve ser bem misturado na terra da cova no sulco. As covas devem ter tamanhos aproximados de 20cm x 20cm x 20cm. Adubação Química do Plantio: Junto com o esterco, aplica-se ainda 150 gramas do adubo, mais 2 gramas de Borax por covas. Os adubos deverão ficar bem misturados com a terra dentro das covas. Adubação de Cobertura: Recomenda-se para adubação em cobertura a formulação de adubo, Devera ser aplicado 80 gramas por pé; dividindo em 4vezes. A primeira 25 dias após o plantio e os demais, a cada 25 dias. Aplicar o adubo em circulo a 10cm do pé da planta e se possível cobrindo com terra. Poderá ser feita uma a duas aplicações de adubação foliar, com micro elementos, uma aos 40 dias e outra antes da floração. 11

12 5.8 Capinas: As capinas devem ser feitas, tantas quanto necessário, mantendo a cultura sempre no limpo, Tomar cuidado para não ferir com a enxada o caule ou as raízes das plantas, pois serão portas abertas para entradas de doenças. 5.8-Colheita / Rendimento / ha A colheita deve ser feita quando os frutos estiverem bem maduros. O processo é feito catando os frutos na planta, um a um. Para aproveitar e evitar que os frutos que caem no chão sujem de terra, recomenda-se colocar uma peneira ou mesmo um pano em baixo dos galhos a colher. Normalmente quando a lavoura está bem carregada uma pessoa colhe de 6 a 8 litros de pimenta Cumari por dia. O rendimento em uma lavoura média é de 6250 litros por ha (1 litros por pé ) para pimenta Cumari e litros para pimenta Biquinho. Um litro da pimenta Cumari pesa em média 640 gramas (4.000 Kg por ha) e da Biquinho pesa 600 gramas. 5.9 Controle Integrados de Pragas e Doenças O controle integrado de pragas e doenças envolve a aplicação de praticas que visa evitar seu aparecimento ou diminuir ao máximo os danos causados a cultura. E bastante abrangente, iniciando pela escolha das plantas matrizes para retirada das sementes, a produção de mudas em saquinhos ou de preferencia em bandejas de isopor, em ambiente protegido por telas ou similares, contra insetos sugadores. Os cuidados na escolha e preparo do solo, a rotação de culturas, os métodos alternativos de controle, o uso de leguminosas enriquecedouras do solo, e a utilização racional de agrotóxicos, com o objetivo de diminuir danos ao produtor, ao consumidor e ao meio ambiente. 12

13 Escolha de Plantas Matrizes para Retirada de Sementes A falta de empresas especializadas na produção de sementes obriga o produtor a preparar suas próprias sementes, tomando para isto os seguintes cuidados: Selecionar as plantas mais desenvolvidas e produtivas, livres de pragas, doenças e com os frutos dentro do padrão de qualidade comercial. Colher frutos bem maduros fazendo uma seleção entre os danificados e defeituosos. Colocar os frutos em uma peneira de crivo fino e debaixo de torneira jorrando água, auxiliando com uma colher ou garfo, masserar os frutos lavando cuidadosamente as sementes deixando-as bem limpas. Após a lavagem das sementes coloca-las para secar, utilizando para isto, panos limpos, e protegidos do sol para evitar desidratação rápida. Após secagem fazer tratamento das sementes usando o produto CAPTAN a 0,2% ou seja 0,2 gramas para cada 100gramas de semente. Guardar as sementes tratadas em locais com temperatura em torno de 10ºC. ate a semeadura. B - Produção de Mudas em Bandejas e Protegidas por Telados: Esta procedência visa produzir mudas isentas de viroses. Na produção de mudas em bandejas usa-se normalmente bandejas de 200 células. Para enchimento das bandejas para semeadura pode se usar substrato adquirido de firmas especializadas ou pode se também produzi-lo na própria fazenda, usando para isto os seguintes ingredientes: 1 parte de terra comum; 1 parte de casca de arroz carbonizado; 1 parte de terra de húmus; ( terra de mato ); 800 gramas de adubo para 100 L da mistura. 13

14 A semeadura deve ser feita 60 dias antes do plantio definitivo. Colocar normalmente 3 sementes por saquinho ou bandejas. Fazer os desbastes deixando uma planta por célula. As bandejas devem ser colocadas em estufas protegidos lateralmente por telas afidicas ou similar para evitar a entrada de insetos sugadores. C - Rotação de Culturas: Para evitar o aumento do potencial de doenças recomenda-se fazer rotação de culturas, utilizando-se para isto culturas de gramíneas (milho, arroz, etc...) ou de preferencia com plantas leguminosas ( feijão guandu, crotalaria, mucuna, etc...) que além de enriquecerem o solo com matéria orgânica, reduzem população de fungos e nematoides patogênicos. D - Uso racional de agrotóxicos; A utilização racional de agrotóxicos é indispensável para o controle das pragas e doenças. Os agroquímicos são utilizados para seguintes casos. Tratamento de sementes contra antraquinose : Captan 0,2 % Inseticida Sistêmico Granulado na cova de plantio, protege por 40 dias. Furadan 50 G ( granulado ). Protege contra insetos minadores, pulgões, etc... Pulverizações de insetos sugadores ; Folisuper 600 BR na dosagem de 20 ml por 20 litros de água, ou outro inseticida registrado para a cultura da pimenta. Iniciar a aplicação quando aparecerem os insetos na cultura e repetir a cada 7 dias se necessário for. 4- Murcha ou Podridão da raiz : Aplicar Ridomil granulado na cova, na dosagem de 3 gramas por cova. Aplicar Ridomil Mancozeb BR, na dosagem de 0,4 % em pulverizações dirigida para o colo da planta, a cada 10 a15 dias. Ou Dacostar 750 ( Clorothalonil ); 200 gr por 100 L de água. Pulverizando o colo das plantas. E - Métodos Alternativos de Controle 14

15 Urina de vaca é um produto alternativo de controle de muitas doenças. Deve ser usado preventivamente, ou seja antes das doenças aparecerem.alem de controlar doenças, funciona também como adubação nitrogenada. Tecnologia: A urina deve ser coletada e colocada para fermentar, ( normalmente em garrafas de refrigerantes de 2 litros Pet. ), por 1 semana ou mais. Após a fermentação pulverizar as plantas com a urina diluída em água na proporção de 2,5 a 4,0 % ( por cento ). Esta operação pode e deve ser realizada a cada 12 dias. 15

16 6- CUSTO DE PRODUÇÃO / ÁREA DE 1,0 ha ATIVIDADES UNIDADE QUANT VALOR EM REAIS % 1 - INSUMOS Sementes g/ha 50 50,00 0,44 Corretivos t/ha 2 60,00 0,53 Fertilizantes t/ha 0,6 540,00 4,73 Agrotóxicos l/ha 2 250,00 2,19 SUB-TOTAL 900,00 7, SERVIÇOS 0,00 Preparo e Conservação de Solo HT/ha 8 400,00 3,50 Plantio DH/ha ,00 1,31 Tratos Culturais DH/ha ,00 5,25 Colheita e Acondicion. Pimenta Cumari DH/ha ,00 82,06 SUB-TOTAL ,00 92,12 TOTAL GERAL ,00 100,00 OBS.: Pimenta Biquinho DH/ha ,00 7 -RENDIMENTOS ESPERADOS ITENS UNIDADE QUANT VALOR DA PRODUÇÃO. Pimenta Cumari Kg/ha ,00. Pimenta Biquinho Kg/ha ,00 16

17 17

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 7 10/16/aaaa 11:19 Culturas A Cultura do Nome Cultura do Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do feijão José Salvador

Leia mais

PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS!

PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS! PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS! UMA OPORTUNIDADE DE PRODUZIR ALIMENTOS SAUDÁVEIS PARA CONSUMO E VENDA! ELABORAÇÃO: ENG. AGRÔNOMO MAURO LÚCIO FERREIRA Msc. CULTIVO DE HORTALIÇAS Agosto- 2006 ÍNDICE POR

Leia mais

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:24 Culturas A Cultura do Milho Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do milho

Leia mais

Fatores de cultivo CLIMA:

Fatores de cultivo CLIMA: Fatores de cultivo CLIMA: Os fatores climáticos influenciam de forma acentuada o desenvolvimento dos PMAC, bem como a produção dos princípios ativos. Estes fatores podem influenciar isoladamente ou em

Leia mais

Fruticultura. A Cultura do Maracujá. Nome Produto. Data. Fruticultura A Cultura do Maracujá

Fruticultura. A Cultura do Maracujá. Nome Produto. Data. Fruticultura A Cultura do Maracujá 1 de 7 10/16/aaaa 11:36 Fruticultura A Cultura do Maracujá Nome Produto Data Cultura do Maracujá Informação Tecnológica Julho-2001 Preço - Linha Fruticultura Informações resumidas Resenha sobre a Cultura

Leia mais

RESPOSTA TÉCNICA. Urucum, plantio, colheita, manejo, adubação, pragas, produção, mudas, Minas Gerais.

RESPOSTA TÉCNICA. Urucum, plantio, colheita, manejo, adubação, pragas, produção, mudas, Minas Gerais. RESPOSTA TÉCNICA CR 858 Título Manejo de urucum (Bixa orellana L.) no estado de Minas Gerais. Palavras-chave Urucum, plantio, colheita, manejo, adubação, pragas, produção, mudas, Minas Gerais. Atividade

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA

INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA Informações sobre o plantio do eucalipto no Sistema de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta COLETA DE SOLO NA

Leia mais

Fruticultura. A Cultura do Abacaxi. Nome Cultura do Abacaxi Produto Informação Tecnológica Data Setembro - 2000 Preço - Linha Fruticultura Resenha

Fruticultura. A Cultura do Abacaxi. Nome Cultura do Abacaxi Produto Informação Tecnológica Data Setembro - 2000 Preço - Linha Fruticultura Resenha 1 7 10/16/aaaa 11:31 Fruticultura A Cultura do Abacaxi Nome Cultura do Abacaxi Produto Informação Tecnológica Data Setembro - 2000 Preço - Linha Fruticultura Resenha Informações resumidas sobre a Cultura

Leia mais

Cultura Da Mandioca (Manihot esculenta subsp esculenta)

Cultura Da Mandioca (Manihot esculenta subsp esculenta) Cultura Da Mandioca (Manihot esculenta subsp esculenta) CULTURA DA MANDIOCA (Manihot esculenta subsp esculenta) 1 - Características É um arbusto perene, pertencente à família botânica Euphorbiaceae, planta

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/ervilha.htm

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/ervilha.htm Página 1 de 5 Olericultura A Cultura da Ervilha Nome Cultura da Ervilha Produto Informação Tecnológica Data Abril - 1999 Preço - Linha Olericultura Informações gerais sobre a Resenha Cultura da Ervilha

Leia mais

CNPq Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico. Sol e Frutas: Desidratação e Produção Agroecológica Familiar

CNPq Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico. Sol e Frutas: Desidratação e Produção Agroecológica Familiar CNPq Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico Sol e Frutas: Desidratação e Produção Agroecológica Familiar CONSERVAÇÃO DE FRUTAS E HORTALIÇAS PELO CONTROLE DE UMIDADE VANTAGENS ECONÔMICAS: Menor

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/pepino.htm

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/pepino.htm Página 1 de 5 Olericultura A Cultura do Pepino Nome Cultura do Pepino Produto Informação Tecnológica Data Abril - 1999 Preço - Linha Olericultura Informações gerais sobre a Resenha Cultura do Pepino Luiz

Leia mais

Curso de Produção de Mudas Nativas. 9:30 a 11:00

Curso de Produção de Mudas Nativas. 9:30 a 11:00 Curso de Produção de Mudas Nativas 9:30 a 11:00 Solano Martins Aquino Diretor Presidente e fundador do Instituto Brasileiro de Florestas, biólogo, pesquisador e produtor de mudas florestais. Desenvolve

Leia mais

Olericultura. A Cultura do Morango. Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha

Olericultura. A Cultura do Morango. Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha 1 de 6 10/16/aaaa 11:54 Olericultura A Cultura do Morango Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha Informações gerais sobre a Cultura

Leia mais

AGRICULTURA ORGÂNICA

AGRICULTURA ORGÂNICA Conceitos básicos Oficina do Grupo Meio Ambiente, Mudanças Climáticas e Pobreza Setembro 2009 O que é De modo geral, a agricultura orgânica é uma forma de produção agrícola que não utiliza agrotóxicos,

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1293

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1293 Página 1293 CULTIVAR BRS NORDESTINA EM SISTEMA DE POLICULTIVO NA AGRICULTURA FAMILIAR DO MUNICÍPIO DE ESPERANÇA-PB - SAFRA 2009 1Waltemilton Vieira Cartaxo- Analista Embrapa Algodão, 2. José Aderaldo Trajano

Leia mais

AVALIAÇÃO DA PRODUÇÃO DE HORTALIÇAS ORGÂNICAS NO MUNICÍPIO DE CORRENTE RESUMO

AVALIAÇÃO DA PRODUÇÃO DE HORTALIÇAS ORGÂNICAS NO MUNICÍPIO DE CORRENTE RESUMO AVALIAÇÃO DA PRODUÇÃO DE HORTALIÇAS ORGÂNICAS NO MUNICÍPIO DE CORRENTE Suse Alves Ribeiro¹, Jildemar Oliveira dos Santos Júnior¹, Adriano da Silva Almeida² ¹ Alunos do Curso de Agronomia da UESPI de Corrente.

Leia mais

Capítulo XV Custos e Rentabilidade

Capítulo XV Custos e Rentabilidade Capítulo XV Custos e Rentabilidade Marcelo do Amaral Santana Clóvis Oliveira de Almeida José da Silva Souza As estimativas de custos de produção e de rentabilidade para uma cultura podem proporcionar informações

Leia mais

Estratégias de ação vinculadas ao manejo da agrobiodiversidade com enfoque agroecológico visando a sustentabilidade de comunidades rurais

Estratégias de ação vinculadas ao manejo da agrobiodiversidade com enfoque agroecológico visando a sustentabilidade de comunidades rurais Estratégias de ação vinculadas ao manejo da agrobiodiversidade com enfoque agroecológico visando a sustentabilidade de comunidades rurais O desenvolvimento das ações em diferentes projetos poderão identificar

Leia mais

ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA

ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA NESTA AULA SERÁ ABORDADO Importância de conservar o solo e sua influência sobre as plantas As formas e métodos de conservação do terreno Como combater

Leia mais

Uso de húmus sólido e diferentes concentrações de húmus líquido em características agronômicas da alface

Uso de húmus sólido e diferentes concentrações de húmus líquido em características agronômicas da alface Uso de húmus sólido e diferentes concentrações de húmus líquido em características agronômicas da alface Everto Geraldo de MORAIS 1 ; Chrystiano Pinto de RESENDE 2 ; Marco Antônio Pereira RESUMO LOPES

Leia mais

Fruticultura. A Cultura da Bananeira

Fruticultura. A Cultura da Bananeira 1 de 7 10/16/aaaa 11:38 Fruticultura A Cultura da Bananeira Nome Cultura da Bananeira Produto Informação Tecnológica Data Novembro 2000 Preço - Linha Fruticultura Informações resumidas Resenha sobre a

Leia mais

MANDIOCA: da plantação a colheita

MANDIOCA: da plantação a colheita 1º CICLO DE PALESTRAS SODEPAC MANDIOCA: da plantação a colheita PhD. Eng. Agrônomo Pascoal Muondo Técnico de Sistemas de Produção de Mandioca IIA Estação Experimental Agrícola de Malanje Índice 1. Origem

Leia mais

SILVICULTURA E MANEJO FLORESTAL

SILVICULTURA E MANEJO FLORESTAL SILVICULTURA E MANEJO FLORESTAL Fase 1: Produção de Mudas e Recomendações de Adubação no Viveiro 1. Sistemas de Produção de Mudas de eucalipto e pinus Mudas em saquinhos Atualmente, os recipientes mais

Leia mais

Vitor Pinheiro Mercado Florestal. Apresentação Institucional

Vitor Pinheiro Mercado Florestal. Apresentação Institucional Vitor Pinheiro Mercado Florestal Apresentação Institucional Croqui do Viveiro Principal do IBF Casa de Sombra Galpão de Semeio Casa Irrigação Casa de Germinação Alojamento Escritório e área de expedição

Leia mais

GUIA PRACTICA PARA CULTIVO DE ANANÁS

GUIA PRACTICA PARA CULTIVO DE ANANÁS GUIA PRACTICA PARA CULTIVO DE ANANÁS SEÇÃO 1: Preparação do solo para plantio de ananás 1. Identificação da área para o plantio de ananas 1.A área seleccionada deve ter via de acesso 1. Se não tiver via

Leia mais

Culturas. A Cultura do Urucum

Culturas. A Cultura do Urucum 1 de 7 10/16/aaaa 11:25 Culturas A Cultura do Urucum Nome Cultura do Urucum Produto Informação Tecnológica Data Junho -2000 Preço - Linha Culturas Informações resumidas Resenha sobre a a produção do palmito

Leia mais

1. PROPAGAÇÃO SEXUADA ASSEXUADA VEGETATIVA MICRIPROPAGAÇÃO MACROPROPAGAÇÃO ENXERTIA BORBULHIA MERGULHIA AMONTOA ALPORQUIA ESTAQUIA

1. PROPAGAÇÃO SEXUADA ASSEXUADA VEGETATIVA MICRIPROPAGAÇÃO MACROPROPAGAÇÃO ENXERTIA BORBULHIA MERGULHIA AMONTOA ALPORQUIA ESTAQUIA 1. PROPAGAÇÃO SEXUADA ASSEXUADA VEGETATIVA MICRIPROPAGAÇÃO MACROPROPAGAÇÃO ENXERTIA BORBULHIA MERGULHIA AMONTOA ALPORQUIA ESTAQUIA 1. PROPAGAÇÃO MICROPROPAGAÇÃO 1. PROPAGAÇÃO 1. PROPAGAÇÃO ENXERTIA 1.

Leia mais

PROJETO LAVOURA COMUNITÁRIA

PROJETO LAVOURA COMUNITÁRIA Agência Goiânia de Assistência Técnica, Extensão Rural e Pesquisa Agropecuária-Emater Vinculada à Secretaria de Agricultura, Pecuária e Irrigação MINUTA PROJETO LAVOURA COMUNITÁRIA Safra 20XX /20XX Município:

Leia mais

RELATORIO QUANTITATIVO

RELATORIO QUANTITATIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE TEIXEIRA DE FREITAS SECRETARIA MUNICIPAL DE AGRICULTURA RELATORIO QUANTITATIVO PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS PAA O Programa de Aquisição de Alimentos - PAA, tem como finalidades

Leia mais

Pimenta Capsicum sp. Uma das especiarias mais consumidas no mundo.

Pimenta Capsicum sp. Uma das especiarias mais consumidas no mundo. Pimenta Capsicum sp Uma das especiarias mais consumidas no mundo. Eloisa Casadei Fernanda Ascencio Pace Centro de Qualidade em Horticultura da CEAGESP 2005 Família: Solanaceae Introdução Uso: tempero dos

Leia mais

Adubação Orgânica Adubação Orgânica e Adubação Verde. Informações sobre Adubação orgânica e Adubação Verde

Adubação Orgânica Adubação Orgânica e Adubação Verde. Informações sobre Adubação orgânica e Adubação Verde 1 de 5 10/16/aaaa 10:13 Adubação Orgânica Adubação Orgânica e Adubação Verde Nome Adubação Orgânica e Adubação Verde Produto Informação Tecnológica Data Abril - 2000 Preço - Linha Adubação Orgânica Resenha

Leia mais

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP Autores: Eng.º Agr.º José Alberto Ávila Pires Eng.º Agr.º Wilson José Rosa Departamento Técnico da EMATER-MG Trabalho baseado em: Técnicas

Leia mais

Implantação de unidades de observação para avaliação técnica de culturas de clima temperado e tropical no estado do Ceará Resumo

Implantação de unidades de observação para avaliação técnica de culturas de clima temperado e tropical no estado do Ceará Resumo Implantação de unidades de observação para avaliação técnica de culturas de clima temperado e tropical no estado do Ceará Resumo Os polos irrigados do Estado do Ceará são seis, conforme relacionados: Baixo

Leia mais

1,20 Fungicidas Transporte Interno 0,80 Colheita Mecanizada 1,20 Subtotal Mão de Obra Limpeza de máq. e

1,20 Fungicidas Transporte Interno 0,80 Colheita Mecanizada 1,20 Subtotal Mão de Obra Limpeza de máq. e CUSTOS DE PRODUÇÃO O objetivo é dar suporte para o uso dos coeficientes técnicos e outros subsídios necessários para o cálculo do custo e para a análise financeira da produção de sementes. Os custos podem

Leia mais

Adm., M.Sc., Embrapa Agropecuária Oeste, Caixa Postal 661, 79804-970 Dourados, MS. E-mail: richetti@cpao.embrapa.br 2

Adm., M.Sc., Embrapa Agropecuária Oeste, Caixa Postal 661, 79804-970 Dourados, MS. E-mail: richetti@cpao.embrapa.br 2 157 ISSN 1679-0472 Fevereiro, 2010 Dourados, MS Foto: Nilton Pires de Araújo Estimativa do Custo de Produção do Milho Safrinha 2010, em Cultivo Solteiro e Consorciado com Brachiaria ruziziensis, na Região

Leia mais

Palavras-chave: Agricultura Familiar, Fruticultura, Assistência Técnica, Metodologia Participativa, Agroecologia.

Palavras-chave: Agricultura Familiar, Fruticultura, Assistência Técnica, Metodologia Participativa, Agroecologia. Experiências de Assessoramento a Fruticultores da Região de Itaberaí GO, realizado pelo Grupo de Ensino, pesquisa e Assistência à Agricultores Familiares. RIBEIRO, Gessyane Guimarães¹; HAROLD, Carlos Alexandre

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

O MOVIMENTO GAIA BROCHURA NO 8 COMO: CULTIVAR SEU PRÓPRIO FERTILIZANTE E TAMBÉM ADQUIRIR FORRAGEM PARA ANIMAIS E LENHA. www.gaia-movement.

O MOVIMENTO GAIA BROCHURA NO 8 COMO: CULTIVAR SEU PRÓPRIO FERTILIZANTE E TAMBÉM ADQUIRIR FORRAGEM PARA ANIMAIS E LENHA. www.gaia-movement. O MOVIMENTO GAIA BROCHURA NO 8 Depois da colheita os galhos cortados são usados para cobrir a terra. Isto protege contra erosão, guarda a humidade e melhora a terra com matéria orgânica, assim que segura

Leia mais

SISTEMAS DE CULTIVO. Eliminação de plantas não desejáveis, diminuindo a concorrência com a cultura implantada.

SISTEMAS DE CULTIVO. Eliminação de plantas não desejáveis, diminuindo a concorrência com a cultura implantada. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPT. FITOTECNIA E FITOSSANITARISMO DISCIPLINA AGRICULTURA GERAL (AF001) PROFS. OSWALDO TERUYO IDO E RICARDO AUGUSTO DE OLIVEIRA MONITORA ANA SELENA

Leia mais

Etapas para a Certificação do Café: Produção Integrada Agropecuária (PI Brasil) Norma Técnica Específica da Produção Integrada do Café

Etapas para a Certificação do Café: Produção Integrada Agropecuária (PI Brasil) Norma Técnica Específica da Produção Integrada do Café Etapas para a Certificação do Café: Produção Integrada Agropecuária (PI Brasil) Norma Técnica Específica da Produção Integrada do Café Marcus Vinícius Martins M.Sc. em Agronomia Fiscal Federal Agropecuária

Leia mais

Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas

Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas De origem européia, a oliveira foi trazida ao Brasil por imigrantes há quase dois séculos, mas somente na década de 50 foi introduzida no Sul de Minas Gerais.

Leia mais

Silvia Antoniali 1 Eng. Agr., Dr., PqC da UPD de Araçatuba do Polo Regional Extremo Oeste/APTA santoniali@apta.sp.gov.br

Silvia Antoniali 1 Eng. Agr., Dr., PqC da UPD de Araçatuba do Polo Regional Extremo Oeste/APTA santoniali@apta.sp.gov.br MILHO VERDE ORGÂNICO: PRODUÇÃO E PÓS-COLHEITA Silvia Antoniali 1 Eng. Agr., Dr., PqC da UPD de Araçatuba do Polo Regional Extremo Oeste/APTA santoniali@apta.sp.gov.br Neli Cristina B. Santos Eng. Agr.,

Leia mais

MUDAS SEM DOENÇAS: PREVENÇÃO E PROTEÇÃO. Evelyn Araujo Conqualy Consultoria Florianópolis - SC Out/2015

MUDAS SEM DOENÇAS: PREVENÇÃO E PROTEÇÃO. Evelyn Araujo Conqualy Consultoria Florianópolis - SC Out/2015 MUDAS SEM DOENÇAS: PREVENÇÃO E PROTEÇÃO Evelyn Araujo Conqualy Consultoria Florianópolis - SC Out/2015 Muda : papel fundamental na obtenção de uma planta bem formada e SADIA Qualidade sanitária das mudas:

Leia mais

PÓL Ó O L O DE E UVA V DE E ME M S E A E E VI V N I HO NO O ES E T S A T DO DO ES E P S ÍR Í IT I O O SAN A TO T

PÓL Ó O L O DE E UVA V DE E ME M S E A E E VI V N I HO NO O ES E T S A T DO DO ES E P S ÍR Í IT I O O SAN A TO T PÓLO DE UVA DE MESA E VINHO NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Pólo de Uva de Mesa e Vinho no Estado do Espírito Santo IMPORTÂNCIA ECONÔMICA E SOCIAL IMPORTÂNCIA ECONÔMICA SOCIAL Transformar o Estado do Espírito

Leia mais

Índice de Confiança do Agronegócio. Realização Parceiros Pesquisa

Índice de Confiança do Agronegócio. Realização Parceiros Pesquisa Índice de Confiança do Agronegócio Realização Parceiros Pesquisa Motivações Motivações Medir, trimestralmente, as expectativas dos diferentes agentes do agronegócio, como indústria de insumos, cooperativas,

Leia mais

D O S S I Ê T É C N I C O CULTIVO DO MAMÃO. Ivo Pessoa Neves. Rede de Tecnologia da Bahia RETEC/BA

D O S S I Ê T É C N I C O CULTIVO DO MAMÃO. Ivo Pessoa Neves. Rede de Tecnologia da Bahia RETEC/BA D O S S I Ê T É C N I C O CULTIVO DO MAMÃO Ivo Pessoa Neves Rede de Tecnologia da Bahia RETEC/BA ABRIL/2007 DOSSIÊ TÉCNICO Sumário INTRODUÇÃO... 2 ESCOLHA E TÉCNICA DE IMPLANTAÇÃO DA ÁREA CULTIVÁVEIS EM

Leia mais

- Visa otimizar e diversificar a produção;

- Visa otimizar e diversificar a produção; Sistemas Agroflorestais (SAF) - Combinação de espécies arbóreas com cultivos agrícolas (fruticultura, plantas anuais, etc) ou criação de animais; - Visa otimizar e diversificar a produção; Sistemas Agroflorestais

Leia mais

PRODUÇÃO DA AÇÚCAR ORGÂNICO

PRODUÇÃO DA AÇÚCAR ORGÂNICO PRODUÇÃO DA AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A Idealizadores: Elias Alves de Souza Neusa Esperândio Santos Suporte e material: Lucas Marllon R. da Silva O CULTIVO ORGÂNICO Vamos conhecer e compreender

Leia mais

Banana. Cultivares e Práticas de Cultivo

Banana. Cultivares e Práticas de Cultivo Banana Cultivares e Práticas de Cultivo Comercialização de Banana CEASA Minas Contagem 2011 (toneladas) 70.000,00 63.600,00 60.000,00 55.630,00 50.000,00 40.000,00 30.000,00 20.000,00 10.000,00 0,00

Leia mais

Construindo uma boa planta de feijão

Construindo uma boa planta de feijão Construindo uma boa planta de feijão Arroz e Feijão Construindo uma boa planta de feijão 2ª edição revisada e ampliada José Geraldo Di Stefano Raimundo Ricardo Rabelo Geovando Vieira Pereira Embrapa Arroz

Leia mais

SISTEMA DE PLANTIO DIRETO EM AGRICULTURA ORGÂNICA. Pesquisador Instituto Agronômico do Paraná (IAPAR) Curitiba,PR darolt@iapar.

SISTEMA DE PLANTIO DIRETO EM AGRICULTURA ORGÂNICA. Pesquisador Instituto Agronômico do Paraná (IAPAR) Curitiba,PR darolt@iapar. SISTEMA DE PLANTIO DIRETO EM AGRICULTURA ORGÂNICA Moacir Roberto Darolt 1 e Francisco Skora Neto 2 1 Pesquisador Instituto Agronômico do Paraná (IAPAR) Curitiba,PR darolt@iapar.br 2 Pesquisador IAPAR Ponta

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA PRODUÇÃO DE MAMONA EM UMA AMOSTRA DE PRODUTORES FAMILIARES DO NORDESTE

LEVANTAMENTO DOS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA PRODUÇÃO DE MAMONA EM UMA AMOSTRA DE PRODUTORES FAMILIARES DO NORDESTE LEVANTAMENTO DOS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA PRODUÇÃO DE MAMONA EM UMA AMOSTRA DE PRODUTORES FAMILIARES DO NORDESTE Vicente de Paula Queiroga 1, Robério Ferreira dos Santos 2 1Embrapa Algodão, queiroga@cnpa.embrapa.br,

Leia mais

AFRUTOP Produtor: Responsável Técnico: Município: Setor: População Total: População Biolchim:

AFRUTOP Produtor: Responsável Técnico: Município: Setor: População Total: População Biolchim: Produtor: Ailton Porto Viana Responsável Técnico: Sr. Marcondes Município: Dom Basílio Setor: 19 População Total: 1.066 Plantas População Biolchim: 410 Plantas Produtor: Ailton Porto Viana Posicionamento:

Leia mais

9 PRÁTICAS CULTURAIS

9 PRÁTICAS CULTURAIS 9 PRÁTICAS CULTURAIS 9.1 PREPARO DO SOLO Preparo do Solo Quando realizado de maneira incorreta, leva rapidamente àdegradação das características do solo, culminando com o declínio paulatino do seu potencial

Leia mais

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local;

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; A Vida no Solo A Vida no Solo A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; O solo é constituído por alguns componentes: os minerais, o húmus, o ar, a água e os seres

Leia mais

Para produzir milho, soja, trigo e feijão, ele conta com 26 empregados fixos,

Para produzir milho, soja, trigo e feijão, ele conta com 26 empregados fixos, colônias de café nas regiões de Araraquara e Ribeirão Preto, SP, enquanto outros se deslocaram para a capital paulista, onde viraram operários na construção civil. Anos depois, João e os filhos mudaramse

Leia mais

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela 199 Trigo não é somente para alimentar o homem Renato Serena Fontaneli Leo de J.A. Del Duca Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela posição ocupada como uma das culturas mais importantes para alimentar

Leia mais

Doses de adubo para produção de mudas de tomate (Solanum lycopersicum)

Doses de adubo para produção de mudas de tomate (Solanum lycopersicum) Doses de adubo para produção de mudas de tomate (Solanum lycopersicum) Dinael Henrique Rocha 1 ; Vinicius Samuel Martins 1 ; Rafael Antônio Cavalcante Carvalho 1 ; Jakeline Aparecida Greiver Ribeiro Ferreira

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS

DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS Vinicius Calefi Dias 1 ; Jefferson

Leia mais

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now. PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO MUNICIPAL INTEGRADO PDMI Instrumentos de Gestão Ambiental Anexo 12 - Arborização Urbana e Passeio Público (GAPP) A arborização deve ser sempre realizada respeitando os preceitos

Leia mais

FOTO1-Preparo do solo inadequado na recuperação de pastagem, ocasionando erosão em sulcos.

FOTO1-Preparo do solo inadequado na recuperação de pastagem, ocasionando erosão em sulcos. IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA, PECUÁRIA E FLORESTA EM PROPRIEDADES DA AGRICULTURA FAMILIAR DA ZONA DA MATA DE MINAS. 1 Ricardo Tadeu Galvão Pereira- Eng o Agrônomo, Dsc, Coordenador Regional

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/hortalicas...

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/hortalicas... Página 1 de 6 Olericultura Produção Orgânica de Hortaliças Nome Hortaliças : Produção Orgânica Produto Informação Tecnológica Data Abril - 2000 Preço - Linha Olericultura Resenha Informações gerais sobre

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008

SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008 SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008 19 ANOS DE FUNDAÇÃO MARÇO 1989 PODEMOS ESCOLHER O QUE SEMEAR, MAS SOMOS OBRIGADOS A COLHER

Leia mais

Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas

Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas O que é o Gás LP? - O Gás LP é composto da mistura de dois gases, sendo 30% de butano e 70% de propano. - Por ser um produto

Leia mais

Passo a Passo Para Pequenos Produtores Produzirem Mudas Com Qualidade

Passo a Passo Para Pequenos Produtores Produzirem Mudas Com Qualidade PRODUÇÃO E PLANTIO DE MUDAS NATIVAS DA CAATINGA (através de sementes) ELABORAÇÃO MAGNUM DE SOUSA PEREIRA Engº Agrônomo Coordenador de Projetos da Associação Caatinga FUAD PEREIRA NOGUEIRA FILHO Graduando

Leia mais

Goiaba. Para a Indústria no Espírito Santo. Pólo de

Goiaba. Para a Indústria no Espírito Santo. Pólo de Goiaba Para a Indústria no Espírito Santo Pólo de Pólo de Goiaba para a Indústria no Espírito Santo A Secretaria de Estado da Agricultura, Abastecimento, Aqüicultura e Pesca (Seag), preocupada em alavancar,

Leia mais

ANEXO MODELO DE PROPOSTA COMERCIALCOM VALORES

ANEXO MODELO DE PROPOSTA COMERCIALCOM VALORES ANEXO MODELO DE PROPOSTA COMERCIALCOM VALORES Itens Unid. QTD. Especificação detalhada dos Gêneros Alimentícios VALOR VALOR UNIT TOTAL ABACATE: Procedente de planta sadia, destinado ao consumo 4,18 6.311,80

Leia mais

de Experiência Milho crioulo: tecnologia viável e sustentável 1. Introdução elato

de Experiência Milho crioulo: tecnologia viável e sustentável 1. Introdução elato R elato de Milho crioulo: tecnologia viável e sustentável Meneguetti, Gilmar Antônio* Girardi, Jordano Luís** Reginatto, João Carlos*** 1. Introdução Afirmar que o uso de variedades crioulas ou melhoradas

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO COMPOSTOS E SUBSTRATOS

MANUAL DE UTILIZAÇÃO COMPOSTOS E SUBSTRATOS MANUAL DE UTILIZAÇÃO COMPOSTOS E SUBSTRATOS 12 anos Terraviva Indústria e Comércio de Insumos Orgânicos Ltda Estrada do Embu, 3.500-06713-100 - Cotia - SP - 4702 2137 DIRETORIA COMERCIAL Carlos Torres

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DO MS BALANÇO GERAL SAFRA 2012/2013 RELATÓRIO SEMANAL DE 23 A 30 DE SETEMBRO DE 2013.

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DO MS BALANÇO GERAL SAFRA 2012/2013 RELATÓRIO SEMANAL DE 23 A 30 DE SETEMBRO DE 2013. ANO II / Nº56 PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DO MS BALANÇO GERAL SAFRA 2012/2013 RELATÓRIO SEMANAL DE 23 A 30 DE SETEMBRO DE 2013. Uma safra inteira se passou desde o início dos trabalhos do Programa Fitossanitário

Leia mais

SUGESTÃO DE ADUBAÇÃO E CALAGEM PARA CULTURAS DE INTERESSE ECONÔMICO NO ESTADO DO PARANÁ

SUGESTÃO DE ADUBAÇÃO E CALAGEM PARA CULTURAS DE INTERESSE ECONÔMICO NO ESTADO DO PARANÁ CIRCULAR N. 128 ISSN 0100-3356 AGOSTO/2003 SUGESTÃO DE ADUBAÇÃO E CALAGEM PARA CULTURAS DE INTERESSE ECONÔMICO NO ESTADO DO PARANÁ Coordenação: Edson Lima de Oliveira INSTITUTO AGRONÔMICO DO PARANÁ - LONDRINA

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 486

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 486 Página 486 COMPONENTES DE PRODUÇÃO DA BRS NORDESTINA CULTIVADA EM DIFERENTES FONTES DE ADUBAÇÃO 1 Josely Dantas Fernandes 1, Lucia Helena Garófalo Chaves 2, José Pires Dantas 3, José Rodrigues Pacífico

Leia mais

Roteiro de aulas práticas Disciplina de Fruticultura Tropical 2014 Prof. Wilson Itamar Maruyama

Roteiro de aulas práticas Disciplina de Fruticultura Tropical 2014 Prof. Wilson Itamar Maruyama Roteiro de aulas práticas Disciplina de Fruticultura Tropical 2014 Prof. Wilson Itamar Maruyama Aula 1- Organização e limpeza das casas de vegetação - divisão dos grupos. ATENÇÃO: OS ALUNOS DEVERÃO ESTAR

Leia mais

Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural

Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural Imbatíveis em seu crescimento rápido, os eucaliptos são fonte de matériaprima para uma série de produtos de primeira necessidade, presentes em todas as

Leia mais

V Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí V Jornada Científica 19 a 24 de novembro de 2012

V Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí V Jornada Científica 19 a 24 de novembro de 2012 BIOFERTILIZANTE ORGÂNICO NO CONTROLE DE PRAGAS EM BRÁSSICAS Vinícius Dias de OLIVEIRA 1 ; Luciano Donizete GONÇALVES 2 1 Estudante de Agronomia-Bolsista de Iniciação Científica (PIBIC) FAPEMIG. Instituto

Leia mais

FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO. Produção Integrada de Arroz Irrigado

FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO. Produção Integrada de Arroz Irrigado FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO Produção Integrada de Arroz Irrigado O que é a Produção Integrada de Arroz Irrigado? A Produção Integrada é definida como um sistema de produção agrícola de

Leia mais

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente:

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente: REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Requer o envio de Indicação ao Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento, no sentido de implantar um Programa de Redução de Perdas de Produtos Agrícolas. Senhor

Leia mais

Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho

Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho Engº Agrº Robson F. de Paula Coordenador Técnico Regional Robson.depaula@pioneer.com Silagem de qualidade começa no campo! E no momento

Leia mais

Adubação verde. tecnologia simples e sustentável. Sanidade vegetal Manejo adequado da Lagarta-do-Cartucho nas plantações de milho

Adubação verde. tecnologia simples e sustentável. Sanidade vegetal Manejo adequado da Lagarta-do-Cartucho nas plantações de milho CONFIRA OS ATRATIVOS DA VERSÃO SPORT DA FORD RANGER PAG. 16 Sanidade vegetal Manejo adequado da Lagarta-do-Cartucho nas plantações de milho 00102 810001 771806 9 Revista Produz - Ano XI Nº 102 2015 R$

Leia mais

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Hoje, um grande desafio para a agropecuária, principalmente em relação à inovação tecnológica, é a harmonização do setor produtivo com os princípios da

Leia mais

PLANTIO DIRETO NA REGIÃO CENTRO SUL DO PARANÁ: SITUAÇÃO ATUAL, PROBLEMAS E PERSPECTIVAS

PLANTIO DIRETO NA REGIÃO CENTRO SUL DO PARANÁ: SITUAÇÃO ATUAL, PROBLEMAS E PERSPECTIVAS PLANTIO DIRETO NA REGIÃO CENTRO SUL DO PARANÁ: SITUAÇÃO ATUAL, PROBLEMAS E PERSPECTIVAS Lutécia Beatriz Canalli Eng. Agr., MSc Solos, Dra em Agronomia - Produção Vegetal Sistemas de produção sustentáveis

Leia mais

Taurino Alexandrino Loiola

Taurino Alexandrino Loiola PRINCIPAIS PROBLEMAS DA CULTURA DO FEIJÃO SOB A ÓTICA DO AGRÔNOMO DE CAMPO Taurino Alexandrino Loiola Brasília / DF, 03/12/2010 Culturas na safra Panorama das safras: 08/09 09/10 Soja 8.195 ha (+38%) Feijão

Leia mais

Comissão Nacional de Silvicultura e Agrossilvicultura

Comissão Nacional de Silvicultura e Agrossilvicultura CONFEDERAÇÃO DA AGRICULTURA E PECUÁRIA DO BRASIL Comissão Nacional de Silvicultura e Agrossilvicultura Camila Soares Braga Assessora Técnica Bem estar humano F ood F resh water F uel F iber A gente não

Leia mais

SEGURO DA AGRICULTURA FAMILIAR - SEAF

SEGURO DA AGRICULTURA FAMILIAR - SEAF SEGURO DA AGRICULTURA FAMILIAR - SEAF PRODUZINDO COM SEGURANÇA O Seguro da Agricultura Familiar - SEAF foi criado pelo Governo Federal para que o produtor possa desenvolver sua lavoura com segurança, atendendo

Leia mais

f a z e r e revolucionar sua alimentação

f a z e r e revolucionar sua alimentação C o m o f a z e r sua horta em casa e revolucionar sua alimentação MANUAL PRÁTICO POR QUE TER UMA HORTA EM CASA? Sabe-se que a alimentação funciona como um combustível, e o organismo responde de acordo

Leia mais

Problemas e desafios Soluções e ações propostas

Problemas e desafios Soluções e ações propostas FÓRUM DAS OFICINAS DO GRUPO DE TRABALHO DE AGRICULTURA ORGÂNICA E AGROECOLOGIA I - Introdução/Apresentações II - Comercialização III - Produção/Pesquisa/Assistência Técnica IV - Produção Animal V - Impactos

Leia mais

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 11 Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 Dirceu Luiz Broch Roney Simões Pedroso 1 2 11.1. Introdução Os sistemas de produção da atividade agropecuária cada vez mais requerem um grau de conhecimento

Leia mais

Mudanças do clima, mudanças no campo

Mudanças do clima, mudanças no campo Mudanças do clima, mudanças no campo Sumário executivo do relatório escrito por Jessica Bellarby, Bente Foereid, Astley Hastings e Pete Smith, da Escola de Ciências Biológicas da Universidade de Aberdeen

Leia mais

Influência do Espaçamento de Plantio de Milho na Produtividade de Silagem.

Influência do Espaçamento de Plantio de Milho na Produtividade de Silagem. Influência do Espaçamento de Plantio de Milho na Produtividade de Silagem. DAMASCENO, T. M. 1, WINDER, A. R. da S. 2, NOGUEIRA, J. C. M. 3, DAMASCENO, M. M. 2, MENDES, J. C. da F. 2, e DALLAPORTA, L. N.

Leia mais

PLANTIO DIRETO. Definição JFMELO / AGRUFBA 1

PLANTIO DIRETO. Definição JFMELO / AGRUFBA 1 Definição JFMELO / AGRUFBA 1 INFLUÊNCIAS NO SOLO Matéria orgânica Estabilidade dos agregados e infiltração JFMELO / AGRUFBA 2 INFLUÊNCIAS NO SOLO Temperatura do solo JFMELO / AGRUFBA 3 INFLUÊNCIAS NO SOLO

Leia mais

Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas. Governo do Estado

Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas. Governo do Estado NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DA CULTURA DA CEBOLA Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas Governo do Estado AMOSTRAGEM DO SOLO Solo da camada 0-20cm 1ha = 2000

Leia mais

VAMOS APRENDER PLANTANDO: HORTA ESCOLAR COMO RECURSO DIDÁTICO

VAMOS APRENDER PLANTANDO: HORTA ESCOLAR COMO RECURSO DIDÁTICO VAMOS APRENDER PLANTANDO: HORTA ESCOLAR COMO RECURSO DIDÁTICO Lisângela Costa dos Santos¹ Jaílson Severino dos Santos ² Valdilene Maria da Silva ² 1-Supervisora PIBIB Ciências-CAV 2- Bolsistas PIBID Ciências-CAV

Leia mais

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E RESPOSTA DE MILHO SAFRINHA CONSORCIADO COM Brachiaria ruziziensis À CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E 2012) Carlos Hissao Kurihara, Bruno Patrício Tsujigushi (2), João Vitor de Souza

Leia mais

AVALIAÇÃO ECONÔMICA DO CONTROLE PREVENTIVO DAS PRAGAS INICIAIS DO FUMO RESUMO

AVALIAÇÃO ECONÔMICA DO CONTROLE PREVENTIVO DAS PRAGAS INICIAIS DO FUMO RESUMO AVALIAÇÃO ECONÔMICA DO CONTROLE PREVENTIVO DAS PRAGAS INICIAIS DO FUMO Dionisio Link 1 Rodolpho Saenger Leal 2 RESUMO A avaliação econômica do controle preventivo das pragas iniciais da cultura do fumo

Leia mais

Tecnologia da produção de fumo

Tecnologia da produção de fumo Tecnologia da produção de fumo ESALQ - USP Produção Vegetal Prof. Dr. José Laércio Favarin Sistemática e origem L 40º N N Equador CH 3 Alcalóide: nicotina L - 40º S Planta de fumo pertence a família Solanaceae,

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE INDICADORES DE RESULTADOS - ORIENTAÇÕES PARA PEQUENOS AGRICULTORES

RELATÓRIO SOBRE INDICADORES DE RESULTADOS - ORIENTAÇÕES PARA PEQUENOS AGRICULTORES RELATÓRIO SOBRE INDICADORES DE RESULTADOS - ORIENTAÇÕES PARA PEQUENOS AGRICULTORES APLICÁVEL A PARTIR DA COLHEITA DE 2014 Visão Geral Este documento explica como usar os modelos fornecidos pela BCI, para

Leia mais

Currículo de Sustentabilidade do Café (CSC)

Currículo de Sustentabilidade do Café (CSC) Currículo de Sustentabilidade do Café (CSC) ÍNDICE 1. Gestão da Propriedade...03 2. Gestão Ambiental...04 3. Material Propagativo (Sementes, mudas e estacas)...05 4. Localização e Implantação de Cafezais...06

Leia mais

Controle Plantas Infestantes

Controle Plantas Infestantes Controle de Plantas Infestantes ',' Domingo Haroldo R. C. Reinhardt Francisco Alissonda Silva Xavier Aristóteles Pires de Matos Getúlio Augusto Pinto da Cunha 118 Quais são os problemas provocados pelas

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL DO PIAUÍ

PLANO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL DO PIAUÍ PLANO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL DO PIAUÍ Carteira de Agronegócios Projetos Propostos Teresina, PI novembro 2013 SUMÁRIO Características atuais dos principais setores de agronegócio piauiense

Leia mais