Cargo: Instruções. 1. Escreva seu nome e número de inscrição, de forma legível, nos locais indicados. N. de Inscrição:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cargo: Instruções. 1. Escreva seu nome e número de inscrição, de forma legível, nos locais indicados. N. de Inscrição:"

Transcrição

1 Escola de Administração Fazendária Missão: Desenvolver pessoas para o aperfeiçoamento da gestão das fi nanças públicas e a promoção da cidadania. Prova 2 Conhecimentos Específicos Cargo: Arquiteto MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA CONCURSO PÚBLICO (Edital ESAF n. 47, de 06/06/2013) Instruções 1. Escreva seu nome e número de inscrição, de forma legível, nos locais indicados. Nome: N. de Inscrição: 2. O CARTÃO DE RESPOSTAS tem, obrigatoriamente, de ser assinado. Esse CARTÃO DE RESPOSTAS não poderá ser substituído, portanto, não o rasure nem o amasse. 3. Transcreva a frase abaixo para o local indicado no seu CARTÃO DE RESPOSTAS em letra legível, para posterior exame grafológico: Não bastam os esforços e a coragem, senão se tem um propósito e uma direção. 4. DURAÇÃO DA PROVA: 3 horas, incluído o tempo para o preenchimento do CARTÃO DE RESPOSTAS. 5. Na prova há 50 questões de múltipla escolha, com cinco opções: a, b, c, d e e. 6. No CARTÃO DE RESPOSTAS, as questões estão representadas pelos seus respectivos números. Preencha, FORTEMENTE, com caneta esferográfica (tinta azul ou preta) fabricada em material transparente, toda a área correspondente à opção de sua escolha, sem ultrapassar as bordas. 7. Será anulada a questão cuja resposta contiver emenda ou rasura, ou para a qual for assinalada mais de uma opção. Evite deixar questão sem resposta. 8. Ao receber a ordem do Fiscal de Sala, confi ra este CADERNO com muita atenção, pois nenhuma reclamação sobre o total de questões e/ou falhas na impressão será aceita depois de iniciada a prova. 9. Durante a prova, não será admitida qualquer espécie de consulta ou comunicação entre os candidatos, tampouco será permitido o uso de qualquer tipo de equipamento (calculadora, tel. celular etc.). 10. Por motivo de segurança, somente durante os 30 (trinta) minutos que antecederem o término da prova, poderão ser copiados os seus assinalamentos feitos no CARTÃO DE RESPOSTAS, conforme subitem 8.34, do edital regulador do concurso. 11. A saída da sala só poderá ocorrer depois de decorrida 1 (uma) hora do início da prova. A não-observância dessa exigência acarretará a sua exclusão do concurso público. 12. Ao sair da sala, entregue este CADERNO DE PROVA, juntamente com o CARTÃO DE RESPOSTAS, ao Fiscal de Sala. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. É vedada a reprodução total ou parcial desta prova, por qualquer meio ou processo. A violação de direitos autorais é punível como crime, com pena de prisão e multa (art. 184 e parágrafos do Código Penal), conjuntamente com busca e apreensão e indenizações diversas (arts. 101 a 110 da Lei nº 9.610, de 19/02/98 Lei dos Direitos Autorais).

2 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Existem vários motivos para a decadência da arquitetura e, consequentemente, do papel dos arquitetos na sociedade nos tempos atuais. Um deles tem a ver com o fato de que o mundo atual parece ser regido pelos valores do mercado e da sociedade de consumo que o define, o que atinge, embora de modo parcial, inclusive os redutos mais resistentes da cultura. Entre esses valores estão o lucro imediato como objetivo primordial, a obsolescência planejada, a exacerbação da personalidade individual e o uso das situações de impacto como recurso promocional. Ao abraçar esses valores, a arquitetura passa a ter um papel instrumental e subalterno na sociedade. Prova disso é o fato de que a maior parte das decisões sobre o meio ambiente construído ou os objetos de uso já não passam pelas mãos de arquitetos, estando agora dominadas pelos aspectos prospectivos do marketing. Nesse cenário há pouco espaço para conceitos como o bem comum, a preservação ambiental e cultural, e a busca de soluções arquitetônico-urbanísticas adequadas e permanentes, as quais têm retorno em longo prazo. (MAHFUZ, Edson da Cunha. Arquitetos e sua participação no debate público. Vitruvius ano 11, ago 2010) Fonte: 1 - Com base no texto acima, que trata da relação da arquitetura com a sociedade e a cultura, assinale a opção incorreta. a) Muitas decisões relativas à produção da arquitetura extrapolam a atuação dos arquitetos. b) Atualmente os edifícios não são pensados simplesmente para abrigar as atividades humanas e sim para causar impacto. c) A qualidade da arquitetura cede espaço à especulação imobiliária, que tem o lucro como principal alvo. d) A obsolescência planejada faz diminuir o interesse pela busca de soluções arquitetônicas permanentes. e) A exacerbação da personalidade individual do arquiteto faz com que a sociedade contemporânea prescinda do seu trabalho. 2 - Há um século e meio, o historiador da arquitetura francês Auguste Choisy definiu a arquitetura como a arte de construir. A arquitetura é, portanto, construção isto é, técnica mas, também, arte. E, sendo arte, se constitui em uma manifestação cultural, portanto vinculada a uma determinada cultura e variando no tempo e no espaço. A arquitetura, porém, possui uma especificidade frente às demais produções artísticas: ela é o que podemos chamar de arte compulsória. Como observou um dos mais importantes arquitetos contemporâneos, o italiano Renzo Piano co-autor do projeto do Centro Pompidou, em Paris, uma música ruim pode não ser escutada, e é possível não olhar para um quadro feio, mas um prédio feio está ali, diante de nós, e nós o vemos, necessariamente. E essa é uma responsabilidade pesada, até para as gerações futuras, pois permanece fisicamente. Dessa forma, o interesse pela produção de uma arquitetura de qualidade extrapola o círculo restrito dos arquitetos e estudantes de arquitetura e diz respeito diretamente a toda a sociedade. Arquitetura como segmento da cultura. (ANDRADE, Nivaldo. Arquitetura como segmento da cultura, 2013) Fonte: iab-ba.org.br/arquitetura-como-segmento-da-cultura/). Com base no texto anterior, que trata da relação da arquitetura com a cultura, marque V para Verdadeiro e F para Falso. ( ) Como produto da cultura, a arquitetura diferencia-se das demais manifestações artísticas por ser uma arte compulsória. ( ) A parte física da arquitetura, a construção, constitui uma responsabilidade pesada até para as gerações futuras. ( ) A arquitetura é compulsória porque todas as pessoas precisam de um abrigo. ( ) Diferentemente das outras artes, a arquitetura se transforma no tempo e no espaço. Assinale a opção em que a sequência está correta. a) F, V, F, F b) V, F, F, F c) F, V, F, V d) V, F, V, V e) F, V, V, V Fases Pré-concepção Concepção/ Criação Pós-concepção/ Etapas específicas Planejamento/ Estudo de caso Terreno Levantamento, fotos, mapas Estudos Preliminares Graficação/ Comunicação Análise da forma: massa; unidade e conjunto; o repetido e o singular; simetria e equilíbrio; retícula e geometria; hierarquia. Fluxos e circulações. Relação com o entorno. Materiais e soluções técnicas: estrutura; tecnologias. Aspectos físicos; insolação; ventos; topografi a; vegetação. Legislação. Estudo de manchas setorização. Fluxograma ligação entre os ambientes. Pré-dimensionamento. Maquete de estudos. Maquete de apresentação. Layout de pranchas. Memorial descritivo; justifi cativa. (Extraído de: SPADOTTO, A., DALLA VECCHIA, L. R. F., WERGENES, T. N. de. Método projetual para o ensino de projeto arquitetônico. Unoesc & Ciência - ACET, V. 2, N.1, jan/ jun Com base no estudo mostrado acima, referente a um método de projeto de arquitetura, assinale a afi rmativa incorreta. a) O estudo de caso permite conhecer projetos similares de outros arquitetos, e a forma como estes equacionam questões, tais como: fl uxos, formas, sistemas construtivos e especifi cações de materiais. b) Topografia, insolação, visuais do terreno, assim como os índices urbanísticos e as necessidades dos usuários são condicionantes do projeto. c) O programa de necessidades é a base tanto para o pré-dimensionamento quanto para o fl uxograma. Cargo: Arquiteto / Prova 2

3 d) Pranchas claras, com layout de bom gosto, um memorial bem fundamentado, perspectivas e uma maquete física confeccionada com cuidado fazem com que as intenções do projeto possam ser entendidas corretamente pelo cliente. e) A maquete de estudos deve poder substituir os desenhos 3D renderizados feitos no computador. 4 - Quanto aos métodos e técnicas de projeto, avalie as afi rmativas abaixo. I. O uso do desenho no processo de criação diferencia o projeto arquitetônico da criação artesanal e também da construção vernacular. II. A maquete em escala reduzida, do objeto sendo projetado, é uma representação menos fi el do objeto em relação aos desenhos 3D, já que nesses a terceira dimensão é real. III. Usadas nos desenhos com papel e lápis, as habilidades da mão e do olho, que deram a gerações de arquitetos um prazer especial no exercício da profi ssão, foram substituídas com vantagem pelo uso do CAD. IV. O objeto de projeto seja ele uma edifi cação, uma cadeira ou um parque é elaborado por meio da evolução do processo de projeto. A descrição parcial do objeto, no programa de necessidades, é transformada em desenhos. V. O uso generalizado dos computadores ampliou as condições de produção de projetos de arquitetura, contribuindo para que as questões de arquitetura sejam pensadas de outra forma. Assinale o grupo em que todas as afi rmativas estão corretas. a) I, II, III b) I, III, IV c) III, IV, V d) I, III, V e) I, IV, V 5 - Com relação às NBRs /1995 e /1995, que tratam, entre outros assuntos, das etapas do projeto de arquitetura, avalie os conteúdos das etapas de projeto mencionadas a seguir e assinale a opção correta. a) O programa de necessidades constitui a etapa destinada à elaboração de análise e avaliações para seleção e recomendação de alternativas para a concepção da edifi cação e de seus elementos, instalações e componentes. b) O projeto básico constitui uma etapa obrigatória destinada à concepção e à representação das informações técnicas da edifi cação e de seus elementos, instalações e componentes, ainda não completas ou definitivas. c) O anteprojeto de arquitetura utiliza-se do programa de necessidades e do levantamento topográfi co para produzir informações técnicas voltadas à caracterização da concepção adotada, incluindo indicações de funções, usos, formas, dimensões e localização dos ambientes da edificação. d) O estudo preliminar corresponde à etapa destinada à concepção e à representação do conjunto de informações técnicas iniciais e aproximadas, necessários à compreensão da confi guração da edifi cação. e) O projeto executivo corresponde à etapa destinada à concepção e à representação fi nal das informações técnicas da edifi cação e de seus elementos, instalações e componentes, completas, defi nitivas, necessárias e sufi cientes aos procedimentos de análise e aprovação do projeto pelos órgãos competentes. 6 - A NBR /2010, que trata da coordenação modular das edificações, tem como objetivo, exceto: a) aumentar a produtividade da construção civil. b) reduzir os problemas de interface entre componentes da construção. c) padronizar as habitações sociais em todo o país. d) contribuir para o controle da produção, reduzindo o desperdício de materiais. e) reduzir os erros no canteiro de obras. 7 - Quanto à coordenação modular e dimensional, considerando o texto da questão anterior, analise as afirmativas a seguir e assinale a opção correta. I. A coordenação modular permite uma maior integração entre as exigências de projeto dos arquitetos e o procedimento industrial, resultando em vantagens econômicas. II. A coordenação dimensional não deve ser entendida como um mero instrumento geométrico, mas também físico e econômico. Ou seja, não está apenas vinculada à composição arquitetônica, mas também à produção. III. A modulação é um fator econômico muito importante no projeto e construção de pré-fabricados, tanto para o trabalho estrutural como para o acabamento. IV. A NBR /2010 especifi ca como padrão para módulos básicos a medida de 100 mm. V. Para atender à Norma /2010, a malha de vedação deve ser uma quadrícula de 10 cm x 10 cm, ou múltiplo. a) I, II, III, V b) I, II, IV, V c) I, III, IV, V d) II, III, IV, V e) I, II, III, IV Cargo: Arquiteto / Prova 2

4 8 - Na racionalização da construção, a defi nição de um módulo pressupõe que todos os componentes, ou parte signifi cativa deles, tenham suas dimensões estabelecidas pela multiplicação ou fração de uma mesma unidade. O módulo de vedação, um submúltiplo do módulo estrutural, compõe uma malha quadrada que, por exemplo, disciplina o ritmo dos montantes da esquadria. O módulo estrutural, quadrado ou retangular, gera, por sua vez, uma malha, que organiza as medidas em eixo-a-eixo dos pilares da estrutura. No Brasil, a coordenação modular para edifi cações é regida pela NBR /2010. Quanto à coordenação modular e dimensional, considere um módulo estrutural retangular de 4,00 m x 8,00 m, em que as vigas principais, com 8,00 m, são apoiadas em pilares de 20 cm x 20 cm, e as lajes são reforçadas com nervuras transversais. Com base nesses dados, avalie as afi rmativas abaixo e assinale a opção correta. a) Considerando o módulo estrutural acima, a planta de uma edifi cação pode medir 18,00 m x 24,00 m. b) A malha de 1,25 m x 1,25 m é compatível com o módulo estrutural acima, assim como a de 1,00 m x 1,00 m. c) O ritmo dos montantes do pano de uma esquadria, contida no vão de 4,00 m organizado pela malha, pode ser composto pela seguinte sequência de medidas: 0,90 1,00 1,00 0,90 m. d) As nervuras transversais, a cada 62,5 cm, adéquamse ao ritmo da malha. e) Uma planta de 18,00 m x 24,00 m é compatível para a malha estrutural de 4,00 m x 8,00 m. Área (m 2 ) Setores Espaços Parcial Total Comercial Âncoras Lojas de Departamentos, Cinemas, Supermercado Praça de Alimentação = lojas + área de mesas = Satélites Serviços 250 Apoio Administração Gerência; Secretaria; Departamentos 150 Financeiro, de Pessoal e de Marketing; Central de Lógica; Arquivo Morto e Copiadora; Copa Acessos Sanitários Públicos 200 Segurança 50 Manutenção e 450 Depósitos Hall e Circulações Estacionamento externo Garagem coberta Docas(*) (*) Deve ser evitado o contato visual do público com as docas, garantindo-se a integração com a paisagem natural. Programa de Necessidades de um concurso público para o Shopping Center Usininos, promovido pelo IAB-RS 9 - Com base no quadro dado, resumo de um programa de necessidades, avalie as afi rmativas abaixo. I. Os satélites, que são lojas menores como butiques etc., ocupam metade da área das âncoras; e os serviços, tais como chaveiro, engraxate etc., representam uma área equivalente a 5% dos satélites. II. Sem contar a área das docas, o empreendimento totaliza m² de área construída. III. A praça de alimentação subdivide-se em um setor de lojas propriamente dito e um espaço para mesas e circulações, que representa 16% de sua área total. IV. Entre as diversas atividades que desempenha, a administração tem na sala de reuniões o local onde deverão ser tomadas as grandes decisões. V. Uma das funções das docas é garantir a integração do público com a paisagem natural. Assinale a opção em que todos os itens estão corretos. a) I, III, V b) I, II, IV c) I, II, III d) II, III, IV e) III, IV, V 10- A respeito do estudo de viabilidade técnico-econômica, avalie os comentários abaixo e assinale a opção correta. a) O estudo de viabilidade é uma etapa anterior ao programa de necessidades. b) O estudo de viabilidade compreende o levantamento de um conjunto de informações técnicas, físicas, jurídicas e legais, assim como dados analíticos e gráfi cos, objetivando determinar as restrições e possibilidades que regem e limitam o produto imobiliário pretendido. c) As limitações legais do estudo de viabilidade compreendem os coefi cientes de aproveitamento, o potencial construtivo, os afastamentos, as limitações de gabarito, as restrições de usos etc. d) Um estudo mais preciso sobre a viabilidade de uma obra deve se basear no método da quantifi cação, ou seja, nas composições de custo. e) Entre as informações técnicas do estudo de viabilidade, estão o levantamento planialtimétrico do terreno, o levantamento "as built", a localização das redes de concessionárias, o escoamento e a rede de águas pluviais. Cargo: Arquiteto / Prova 2

5 11- A implantação de um objeto arquitetônico pressupõe a observância de uma série de condicionantes que interferem diretamente na qualidade do edifício, tais como clima, topografi a, condições do solo, nível de ruído local. Além desses, o arquiteto deve levar em conta os parâmetros defi nidos para a localidade, quais sejam: recuo, afastamento, altura, taxa de ocupação, coefi ciente de aproveitamento, taxa de permeabilidade, cota de soleira etc. Sobre esse assunto, assinale a opção incorreta. a) Cota de soleira dimensão vertical medida desde a soleira da edifi cação até o ponto mais alto do edifício, incluindo a cobertura. b) Coefi ciente de aproveitamento relação percentual entre a área total edifi cável e a área total do terreno. c) Taxa de ocupação relação percentual entre a projeção horizontal da edifi cação e a área total do terreno. d) Taxa de permeabilidade relação percentual entre a área non edifi candi e a área total do terreno. e) Gabarito altura máxima medida a partir da cota de piso até o ponto máximo da edifi cação. 12- Com a fi nalidade de garantir a função social da propriedade, o Plano Diretor deve estabelecer o coefi ciente de aproveitamento básico e, no caso da outorga onerosa do direito de construir, os limites máximos a serem atingidos pelo coefi ciente de aproveitamento. Considerando esses parâmetros, assinale a opção incorreta. a) Com base no coeficiente de aproveitamento básico, é possível determinar se a propriedade está subutilizada. b) Solo criado corresponde a toda área edifi cável além do coefi ciente básico de aproveitamento, legalmente fi xado para o terreno pelo poder municipal. c) Considerando um coefi ciente de aproveitamento de 0,20, um terreno de m² que tem apenas 250 m² de área construída é subutilizado. d) Em um terreno de m² com um coeficiente de aproveitamento máximo igual a 2,4, a área máxima a ser construída, somando a área de todos os pavimentos, é igual a m². e) Os limites máximos a serem atingidos pelo coefi ciente de aproveitamento baseiam-se na proporcionalidade entre a infraestrutura existente e o aumento de densidade esperado para a área. 13- Com base nos dados mostrados acima, assinale a opção correta. a) Podem ser ocupados no máximo 200 m² do lote. b) Considerando o coefi ciente de aproveitamento dado, a área de construção permitida é de m². c) Cada pavimento pode ter no máximo 3 metros de altura. d) Considerando a taxa de ocupação dada, o número máximo de pavimentos é 8. e) Descontada a projeção da edifi cação, o restante da área deve ter cobertura permeável (grama, seixo rolado etc.). 14- Em um projeto de arquitetura, o zoneamento das atividades é feito com base nos seguintes parâmetros: Assinale a opção correta. a) Flexibilidade interna. b) Densidade de ocupação. c) Funcionalidade. d) Semelhança formal. e) Hierarquia de uso. Parâmetros edilícios do lote: Coeficiente de aproveitamento = 4 Taxa de ocupação máxima = 50 % Gabarito máximo = 10 Taxa de permeabilidade = 60% Altura máxima = 32 m Pé direito = 3 m 15- O zoneamento urbano é, certamente, o mais difundido instrumento urbanístico [...] Sua forma mais tradicional é o zoneamento de uso e ocupação do solo, que prevê uma segregação de usos industrial, comercial e residencial com maior ou menor grau de fl exibilidade. Em termos de sua implementação, o zoneamento usualmente é defi nido em duas escalas: a primeira, denominada macrozoneamento; e a segunda, zoneamento propriamente dito. (Texto extraído de CARVALHO, Pompeu F. de; BRAGA, Roberto, orgs, Perspectivas de Gestão Ambiental em Cidades Médias, p. 95 a 109). I. O macrozoneamento delimita as zonas de expansão urbana. II. O zoneamento propriamente dito estabelece as normas de uso e ocupação para cada macrozona. III. O subdimensionamento da zona de expansão urbana, pela diminuição da oferta de solo urbanizável, pode levar ao aumento de preço da terra, favorecendo a especulação imobiliária. IV. O superdimensionamento da zona de expansão urbana pode produzir uma urbanização com uma densidade urbana muito baixa, provocando o aumento dos custos de infraestrutura urbana. V. O superdimensionamento favorece a especulação imobiliária já que, ao facilitar a implantação de loteamentos de forma descontínua, cria vazios urbanos e força a expansão da rede de infraestrutura. Cargo: Arquiteto / Prova 2

6 Com base nas informações dadas anteriormente, assinale a opção correta. a) Todas as afi rmativas estão incorretas. b) Todas as afi rmativas estão corretas. c) Apenas I, II, III e IV estão corretas. d) Somente I, III, IV, e V estão corretas. e) Apenas I, III, IV e V estão corretas. Arquitetura = utilitas (utilidade/funcionalidade) + venustas (beleza) + fi rmitas (solidez), Vitruvius, século I a.c. A forma segue a função., Louis Sullivan, 1910 Quando a forma cria beleza, tem na beleza sua própria função.", Oscar Niemeyer, 1960 Menos é mais. (Less is more), Mies van de Rohe, 1930 Menos é chato. (Less is bore), Robert Venturi, Avalie as célebres citações mostradas acima com respeito à funcionalidade dos edifícios e assinale a opção incorreta. a) Mies van de Rohe descarta o excesso de funcionalidade, priorizando as formas rigorosamente ortogonais com uso sistemático da modulação e conseguindo mais espaço com menos desperdício. b) Um lema que guiou os arquitetos modernos da primeira geração diz respeito ao fato de que a confi guração do edifício deve se adequar às necessidades de seus usuários, sem concessões a formas inúteis. c) Oscar Niemeyer, considerado um expoente da arquitetura moderna, incorpora a beleza às demais funções, resolvendo o impasse do purismo excessivo de arquitetos como Walter Gropius. d) O chamado triângulo de Vitruvius, inventado há dois mil anos, dá igualdade de peso às três vertentes: funcionalidade, forma e construção. e) Roberto Venturi distorce a máxima de Mies van de Rohe, criticando a arquitetura moderna como sendo chata ou monótona (bore). (Figura 1. Esqueleto estrutural da Casa Domino, Le Corbusier, A estrutura independente das paredes (vedações) resulta em uma planta livre, o que torna possível planejar ambientes diferentes para um mesmo local, ou seja, diferentes formas de compartimentação). 17- Existem várias maneiras de assegurar a fl exibilidade no ambiente construído e aumentar a efi ciência da utilização de espaços, entre essas, estão: I. sistema estrutural com grandes vãos que permita alterações sem afetar a integridade estrutural; II. sistema de vedação interna leve, independente da estrutura; III. espaços coordenados modularmente; IV. espaços multifuncionais, repartições desmontáveis e reutilizáveis; V. espaços internos e pé-direito elevado, para permitir a instalação de forro e facilidade em adaptações de instalações. Avalie a pertinência dos comentários a seguir, a respeito de aspectos referentes à fl exibilidade, e assinale a opção correta. a) Se a locação dos pilares for ordenada racionalmente, os espaços podem ser alterados facilmente, sem a necessidade dos grandes vãos (item I). b) Além de divisórias removíveis, podem ser aplicados materiais leves (item II) como, por exemplo, o gesso acartonado, que permite adaptações, limpas e de baixo custo, a novas exigências funcionais. c) A coordenação modular (item III) gera espaços fl exíveis, que implicam custos iniciais baixos e reformas mais onerosas. d) As divisórias e demais elementos desmontáveis e reutilizáveis (item IV) não se adéquam a plantas não moduladas. e) A fl exibilidade deve decorrer também da existência de instalações visitáveis, tanto horizontalmente como nas instalações verticais, existentes entre forro e laje (item V). 18- Ainda quanto aos conceitos de fl exibilidade, cabe destacar: I. demanda energética: uma sobra no dimensionamento de eletrodutos, condutores etc. permite a entrada de novos equipamentos; II. existência de shafts para tubulações; III. sistemas elétricos aparentes por meio de canaletas, que facilita a manutenção e a adaptação ao uso; IV. quadros elétricos com possibilidade (espacial e energética) para inclusão de novos circuitos; V. instalações elétricas, rede e comunicação não embutidas, desvinculadas da obra bruta. Avalie a pertinência dos comentários abaixo, a respeito de aspectos referentes à fl exibilidade, e assinale a opção incorreta. a) Em hospitais, por exemplo, podem surgir novas tecnologias que demandam equipamentos de nova geração como na atualização de uma instalação de raio X. As sobras no dimensionamento das instalações elétricas facilitam sobremaneira estas inovações. b) Da mesma forma que a fl exibilidade pressupõe o dimensionamento das instalações elétricas com sobra, os espaços nos quadros de luz devem poder permitir ampliações. c) As instalações em canaletas visitáveis permitem, por exemplo, a constante atualização das instalações em caso de mudança de uso. d) O shaft é um espaço conectado a passagens na laje, e acessível por painéis removíveis, que permite o encaminhamento horizontal das instalações de uma edifi cação. e) A opção pelo uso de instalações elétricas em canaletas e shafts para tubulações caracterizam uma preocupação de não embutir as instalações. Cargo: Arquiteto / Prova 2

7 19- Quanto às estruturas e seus materiais, avalie as afirmativas a seguir e assinale a opção incorreta. a) Materiais como madeira e concreto são tão adequados para treliças como o aço. b) As fundações, que só trabalham à compressão, sempre são feitas com concreto. c) A madeira, que se confunde com a origem dos sistemas construtivos, é usada atualmente em todo tipo de estrutura, inclusive nos grandes vãos. d) O alumínio, largamente empregado na confecção de esquadrias, é também um material usado para estruturas. e) O PVC, largamente empregado para acabamentos, também é utilizado em alguns sistemas estruturais. 20- Com base nas imagens, avalie as afi rmativas abaixo e assinale a opção correta. a) A viga de cobertura, do nível 17,70, sustenta as vigas de concreto armado que, por sua vez, recebem o peso da laje-calha, assinalada com a letra B. b) O elemento estrutural assinalado com a letra A, denominado Gerber, recebe a viga principal de 3,50m de altura, permitindo um apoio rotulado. c) A laje assinalada com a letra C está apoiada a cada 3,50m. d) Para permitir maior resistência do solo para receber as cargas dos pilares, foi feito um aterro estrutural. e) A estrutura principal do MASP é constituída de um pórtico estrutural com 70,00 m de vão livre, cujos pilares têm 4,00 m de largura e a viga 3,50 m de altura. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. É vedada a reprodução total ou parcial desta prova, por qualquer meio ou processo. A violação de direitos autorais é punível como crime, com pena de prisão e multa (art. 184 e parágrafos do Código Penal), conjuntamente com busca e apreensão e indenizações diversas (arts. 101 a 110 da Lei nº 9.610, de 19/02/98 Lei dos Direitos Autorais). Cargo: Arquiteto / Prova 2

8 (Fonte: REBELLO, Yopanan. A concepção estrutural e a arquitetura. São Paulo: Zigurate, 2000). 21- Nos ábacos mostrados acima, a leitura horizontal fornece o vão (L), e a vertical a altura estática (H) estimada. No caso do arco, uma terceira leitura, na parte superior, fornece a espessura estimada (D). A altura estática do arco está na mesma coluna vertical à esquerda. A faixa central dos ábacos, hachurada em cinza, fornece o parâmetro econômico a ser adotado no pré-dimensionamento. Com base nessas leituras, assinale a opção correta. a) Em uma treliça que vence um vão de 50,00 m, a altura estática mais econômica situa-se entre 2,50 m e 3,50 m. b) Um galpão coberto por arcos treliçados é, no meio do vão, 6,00 m mais alto que nas fachadas. Um vão de 40,00 m é adequado para este arco. c) Um vão de 21,00 m pode ser vencido por um arco treliçado de aproximadamente 50 cm de espessura. d) Uma treliça com 2,10 m de altura atende satisfatoriamente à distância entre apoios de uma passarela de pedestres projetada com 55,00 m. e) Todas as diagonais da treliça representada no ábaco à esquerda absorvem a mesma força de compressão até o meio do vão. (Instalação de esgoto de um sanitário. CREDER, Hélio. Instalações Hidráulicas e Sanitárias). 22- Avalie a correção da legenda dos números acima especifi cados e assinale a opção correta. a) 1 Ventilação principal b) 2 Ventilação secundária c) 3 Coluna de esgoto d) 4 Ramal de descarga e) 5 Esgoto secundário Cargo: Arquiteto / Prova 2

9 23- Quanto às instalações de esgotos, avalie a correção das defi nições dos diversos tipos de caixas discriminadas abaixo e assinale a opção correta. a) Caixa de gordura: caixa de alvenaria, concreto ou ferro fundido, que separa a gordura e da qual saem os efl uentes para a caixa de inspeção. b) Caixa de inspeção: caixa dotada de fecho hídrico, destinada a receber águas de lavagem de piso. c) Caixa sifonada: caixa destinada a permitir inspeção, limpeza e desobstrução das tubulações. d) Caixa de passagem: caixa dotada de grelha ou tampa cega, destinada a receber água de lavagem de pisos e afl uentes de tubulação secundária de uma mesma unidade autônoma. e) Ralo: caixa dotada de grelha na parte superior, destinada a receber efl uentes da instalação secundária de esgotos. 24- Avalie a correção do símbolo gráfi co e do respectivo signifi cado correspondente às instalações elétricas prediais (NBR 5.444/1989) e assnale a opção correta. Símbolo Signifi cado a) Eletroduto embutido na parede b) Eletroduto embutido no piso c) Condutor fase no interior do eletroduto d) Caixa de passagem de piso e) Circuito que sobe 25- Ainda com relação às instalações técnicas, avalie a correção do símbolo gráfi co e do signifi cado correspondente (NBR 5.444/1989) e assinale a opção correta. a) b) c) d) Símbolo e) Fusível Signifi cado Tomada de luz na parede alta (2000 mm do piso) Ponto de luz incandescente no teto Caixa de telefones Quadro terminal de luz e força embutido 26- Qual a área mínima do quarto mostrado abaixo, supondo-se que seja reservado 10% para circulação? a) 6,50 b) 6,90 c) 7,00 d) 7,20 e) 7, Considera-se a iluminação zenital como a luz natural que entra através dos fechamentos superiores (coberturas) dos espaços internos de uma edifi cação. De acordo com as diferentes tipologias das aberturas zenitais, numere a Coluna 2 de acordo com a Coluna 1. Coluna 1 Coluna 2 1. Lanternins ( ) Aberturas zenitais geralmente cobertas por caixilho ou cúpula transparente ou translúcida. 2. Sheds ( ) Aberturas zenitais também chamadas dentes de serra, muito usadas em arquitetura industrial. 3. Domos ( ) Aberturas zenitais dispostas ao longo e acima da cumeeira, que se caracterizam por faces iluminantes opostas. 4. Clarabóias ( ) Espaços centrais de uma edifi cação, abertos na cobertura, muito utilizados como estratégia de iluminação zenital, sobretudo em edifícios com mais de um andar. 5. Átrios ( ) Coberturas de forma geralmente hemisférica e com base poligonal, podendo ser translúcidas ou dotadas de abertura no ápice para permitir a iluminação zenital. Assinale a opção em que a sequência está correta. a) b) c) d) e) Cargo: Arquiteto / Prova 2

10 28- A distribuição da luz no interior de um ambiente dependerá da forma, distribuição, dimensão e orientação dos elementos zenitais, e também do pé-direito do local a ser iluminado. Assinale a opção incorreta. a) A iluminação zenital oferece maior uniformidade e maior nível de iluminância média sobre a área de trabalho do que uma superfície iluminante lateral. b) Uma área iluminante zenital superior a 10% da área do piso pode implicar problemas térmicos. c) Além do custo inicial alto, a substituição das aberturas laterais pelas zenitais prejudica a ventilação do ambiente, em função da redução da área de janelas. d) No caso do Brasil, do ponto de vista da luminotécnica, a melhor orientação para o lanternim é Norte-Sul. e) Os sheds apresentam melhor desempenho quando orientados para Sul nas latitudes compreendidas entre 24º e 32º S. 29- Com base nas fi guras acima, assinale a opção incorreta. a) Na fi gura 1, a iluminação zenital provoca ofuscamento junto ao plano de trabalho. b) Na fi gura 2, a parede funciona como elemento refl etor, promovendo maior distribuição da luz natural. c) Na fi gura 3, o elemento indicado pela letra A serve para capturar e redirecionar a luz natural. d) Na fi gura 4, o elemento A bloqueia a luz natural pela manhã, enquanto o B bloqueia à tarde, demonstrando a efi ciência total do dispositivo de iluminação zenital. e) Na fi gura 5, o ambiente interno não recebe luz natural em nenhuma hora do dia, o que garante a efi ciência total do dispositivo de iluminação zenital. 30- Em relação à função da ventilação natural em um local com temperatura média de 28 0 C e umidade média de 60%, assinale a opção incorreta. a) Manter a qualidade do ar no interior dos ambientes. b) Remover a carga térmica adquirida pela edifi cação. c) Promover o resfriamento fi siológico dos usuários. d) Manter constante a temperatura no interior dos edifícios. e) Manter o nível de oxigênio em patamares apropriados. 31. A ventilação natural é o deslocamento de ar no interior do edifício por meio de suas aberturas, sendo que umas funcionam como entrada e outras como saída. Com base nas imagens acima, assinale a opção incorreta. a) Entradas de ar maiores que as saídas aumentam o fl uxo de ar. b) Entradas de ar maiores que as saídas produzem uma distribuição mais uniforme da velocidade do ar dentro do ambiente. c) Quando a temperatura externa é mais alta que a interna, o uso de ventilação deve ser controlado. d) A ventilação cruzada é a estratégia mais comumente causadora das trocas por convecção. e) A ventilação cruzada permite equilibrar a temperatura externa com a temperatura no interior do ambiente. Cargo: Arquiteto / Prova 2

11 32- No Brasil, para tornar efetivas as ações de controle solar e reduzir a carga térmica sobre o edifício, o arquiteto pode recorrer a algumas estratégias de projeto. Assinale a opção incorreta. a) Para melhor orientação das fachadas, o edifício deverá ser implantado sobre o eixo norte-sul. b) A dimensão das áreas envidraçadas deverá ser reduzida. c) Proteções solares internas, tais como persianas, cortinas etc., deverão ser de cor clara. d) Os vidros especiais, tipo fumê ou espelhado, serão mais indicados. e) Deverão ser adotadas proteções solares externas (brises-soleil). 33- Com base nas três fotos acima, relativas a ícones da arquitetura moderna brasileira, assinale a opção correta. a) A máscara 2 e o corte correspondem ao Edifício Copan, projetado por Oscar Niemeyer (1951) e localizado em São Paulo. b) A máscara 3 corresponde ao Edifício Gustavo Capanema, antiga sede do Ministério da Educação, Rio de Janeiro. c) A máscara 1 e a planta correspondem ao Edifício Sede da ABI (1943), projetado pelos Irmãos Roberto (1943), localizado no Rio de Janeiro. d) O corte e a planta correspondem ao Edifício Gustavo Capanema ( ). e) Para qualquer orientação solar, o brise projetado a partir da máscara 1 é mais efi ciente se comparado com um projetado a partir da máscara A implementação de um sistema de climatização não é uma coisa assim tão simples. Afi nal, para resfriar um edifício, é preciso levar em consideração o número de andares, a área dos ambientes a serem climatizados, as atividades a serem desenvolvidas, a orientação solar etc. Alguns prédios exigem sistemas integrados, com controles de climatização por andar e soluções de automação. Por mais que todos os aparelhos possuam a mesma fi nalidade, há diferenças entre eles no momento de distribuir o ar. Com base nesse assunto, assinale a opção incorreta. a) Embora a longo prazo seja efi ciente em relação ao consumo de energia, o sistema de ar condicionado central não é indicado para pequenos projetos devido ao alto custo inicial. b) O VAV (Volume de Ar Variável) é um mecanismo composto por válvulas de vazão que, quando ligadas a um computador central, permitem monitorar a temperatura de cada ambiente. c) O sistema self-contained, ou simplesmente self, que reúne condensadora e evaporadora em um mesmo gabinete, é mais efi caz do que o sistema split tradicional. d) Os condicionadores de ar tipo fan-coil, que utilizam água gelada, são recomendados para empreendimentos que possuem grandes cargas térmicas de dissipação, tais como: shoppings, cinemas, prédios corporativos, bancos, teatros, centros de eventos etc. e) Embora apresentem um consumo menor de energia e melhor rendimento em relação ao tipo compacto, os aparelhos de ar-condicionado tipo split são bem menos silenciosos. Cargo: Arquiteto / Prova 2

12 35- O objetivo da NBR /2013 é estabelecer uma sistemática de avaliação de tecnologias e sistemas construtivos de habitações, com base em requisitos e critérios de desempenho expressos em normas técnicas brasileiras. Além de segurança e durabilidade, o sistema construtivo deve ser analisado quanto ao seu compromisso com a sustentabilidade do produto e do processo de produção. Assinale o par de diretrizes que se refere exclusivamente à sustentabilidade do produto habitação. a) Efi ciência energética e gestão de resíduos sólidos. b) Redução de emissão de gases e economia de materiais. c) Ventilação natural e controle da insolação. d) Utilização de materiais locais e minimização de resíduos. e) Uso racional da água e combate ao desperdício. 36- São vários os processos e sistemas inovadores, propostos pelo Programa Minha Casa, Minha Vida, para atender à meta de um milhão de unidades entregues: paredes maciças moldadas in loco com vários tipos de concreto e formas (alumínio, aço e plástico); painéis pré-moldados de concreto ou cerâmica em usina ou canteiros; sistemas em alvenaria estrutural com um alto grau de racionalização, integração e facilidade de montagem; e painéis em steel frame. A principal característica do sistema steel frame (quadros de aço) é o uso de um esqueleto de perfis leves de aço, contraventado com placas estruturais OSB que, unidas, funcionam em conjunto, proporcionando rigidez, forma e sustentação à edificação. Estas estruturas permitem a construção de edificações leves, tão resistentes quanto as de concreto. O sistema, extremamente flexível, permite a utilização de qualquer tipo de acabamento exterior e interior. Quanto aos sistemas inovadores de construção e à flexibilidade dos edifícios, examine a imagem, leia o texto e avalie as afirmativas abaixo, assinalando a opção correta. 37- Entre as exigências do usuário a respeito do desempenho de edifícios habitacionais, constam estanqueidade, conforto térmico, conforto acústico, conforto lumínico, saúde, higiene e qualidade do ar, acessibilidade, conforto tátil e antropodinâmico. A NBR /2013 refere-se ao desempenho de edifícios habitacionais de até cinco pavimentos. Além do item I, sobre assuntos gerais, a norma estabelece requisitos específi cos para os seguintes sistemas: II. estruturais; III. de pisos; IV. de vedações verticais externas e internas; V. de coberturas; VI. hidrossanitários. Avalie os comentários abaixo e assinale a opção correta. a) De acordo com o item II, deve-se evitar a ocorrência de algum estado limite e a consequente ruína do sistema estrutural, pois isso determina a interdição do edifício, impossibilitando a acessibilidade do usuário. b) Atendendo às exigências de conforto lumínico, o item III refere-se a partes dos pisos que podem gerar ruídos em edifícios multipavimentos. c) O item IV estabelece de que forma as janelas, por exemplo, devem atender às exigências de conforto lumínico e antropodinâmico. d) O item V é relativo a exigências de estanqueidade e conforto térmico. e) O item VI estabelece os critérios de desempenho dos sistemas hidrossanitários de edifícios habitacionais para atender, entre outros, às exigências de higiene e qualidade do ar. 38- A disseminação do gerenciamento do projeto é sempre crescente nas empresas, visto o impacto positivo que pode trazer em relação à redução de prazos, ao aumento de qualidade e lucratividade. A base do gerenciamento relaciona-se aos instrumentos de comunicação do projeto e às ferramentas de tecnologia da informação. Como gerente dos projetos, o arquiteto tem como objetivo o produto, realizado, segundo as especifi cações técnicas, no prazo previsto e dentro dos custos orçados. O arquiteto gerente dos projetos deve produzir um plano de ação detalhado e, mesmo assumindo suas responsabilidades, delegar tarefas em concordância com a equipe. (Adaptado de BEBER, Michelle. Gerenciamento do projeto na ótica do gerenciamento da comunicação: manual para escritórios de arquitetura. Dissertação de Mestrado, Curitiba: UFP, 2008). Com base no texto, analise os comentários a seguir e assinale a opção incorreta. Sistema Steel frame a) Diferentemente dos painéis moldados em usina, as paredes moldadas in loco são painéis oriundos de prémoldagem no canteiro. b) Entre os vários tipos de concreto para fabricação das paredes, tem-se o concreto celular. c) O sistema steel frame, com seu esqueleto estrutural de perfi s leves, proporciona a organização espacial da edifi cação dentro dos princípios da fl exibilidade. d) A alvenaria estrutural, diferentemente de painéis de alvenaria armada, reduz os prazos de montagem por possuir um alto grau de racionalização. e) Das fôrmas do sistema steel frame citadas no texto (alumínio, aço ou plástico), as mais recomendadas são as de aço. a) Como em qualquer outro empreendimento, o gerenciamento do projeto de arquitetura, em que a comunicação se dá por meio do desenho, equivale ao gerenciamento da comunicação. b) Enquanto design, o projeto de arquitetura baseia-se na representação, ou seja, na comunicação. Embora ainda hoje seja valorizada a perspectiva à mão, as informações objetivas, portanto técnicas, não podem mais prescindir da informática. c) Todos os profi ssionais envolvidos no processo de projeto, engenheiros, técnicos e especialistas terão um rendimento melhor se as informações da arquitetura estiverem claras e objetivas, permitindo, assim, que todos possam terminar suas tarefas dentro dos prazos estabelecidos. Cargo: Arquiteto / Prova 2

13 d) Em se tratando de projeto de arquitetura de um grande empreendimento, cabe, em um plano de ação, a elaboração de um cronograma de barras, por exemplo. Os meses, na leitura vertical, e as diversas etapas, registradas nas barras horizontais, são de fácil interpretação para a equipe. e) Ao assumir o papel de gerente, o arquiteto deve tomar as decisões democraticamente, em concordância com a equipe. 39- Leia o texto abaixo e assinale a opção incorreta. O termo especifi cação é utilizado pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) em referência aos documentos destinados à caracterização dos materiais, equipamentos e serviços que compõem uma obra. Assim, especifi cação é a descrição rigorosa e minuciosa das características que um material, um equipamento, um serviço, um produto ou componente deverá apresentar. Como parte integrante do projeto, seja de arquitetura, de instalações etc., as especifi cações técnicas a) complementam as informações contidas nos desenhos. b) defi nem o padrão de acabamento do empreendimento. c) subsidiam a elaboração de orçamentos corretos. d) fornecem dados sufi cientes para a aquisição de materiais, equipamentos etc. e) explicitam as técnicas e os métodos construtivos para a execução dos serviços, substituindo o caderno de encargos. 40- A elaboração do orçamento de referência de projetos, obras e serviços, contratados e executados pela União, exige parâmetros para o controle da aplicação dos recursos. Assinale V para a afi rmativa Verdadeira e F para a Falsa. ( ) Composição de custo unitário refere-se à descrição, quantidades, produtividades e custos unitários dos materiais, mão de obra e equipamentos necessários à execução de uma unidade de medida. ( ) Empreitada refere-se à contratação de um empreendimento em sua integralidade, compreendendo todas as etapas das obras, serviços e instalações. ( ) Tarefa ajuste de mão de obra para pequenos trabalhos por preço certo, com ou sem fornecimento de materiais. 41- Ainda com relação aos conhecimentos necessários à elaboração de orçamentos, assinale a opção incorreta. a) O custo da obra pode ser estimado a partir do produto da área a ser construída pelo Custo Unitário Básico (CUB), calculado para a localidade e em função do padrão da construção. b) O cálculo do CUB/m², divulgado pelo boletim mensal do Sindicato das Indústrias da Construção Civil (Sinduscon) e por revistas especializadas, inclui os custos dos projetos (arquitetônico, estrutural, de instalações e especiais) e do terreno, mas não leva em conta os encargos sociais referentes à mão de obra. c) O BDI (Benefícios e Despesas Indiretas) é o elemento orçamentário destinado a cobrir as despesas indiretas, incluindo-se os tributos. d) Os custos e índices da construção civil são divulgados mensalmente pelo Sistema Nacional de Pesquisa de Custo e Índices da Construção Civil (Sinapi). e) De acordo com a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), os custos do Índice Nacional da Construção Civil devem ser usados como referência para os preços de obras públicas executadas com recursos federais. 42- De acordo com a norma brasileira, a metodologia de cálculo do CUB/m² baseia-se nos projetos-padrão, que correspondem àqueles projetos selecionados para representar os diferentes tipos de edifi cações, usualmente objeto de incorporação para construção em condomínio e conjunto de edifi cações. A seleção destes projetos leva em conta as seguintes características: I. número de pavimentos. II. número de dependências por unidade. III. áreas equivalentes à área de custo padrão privativa das unidades autônomas. IV. padrão de acabamento da construção. V. número total de unidades. Estão corretos apenas os itens: a) I, II e IV. b) II, III e IV. c) I, IV e V. d) Todos os itens estão incorretos. e) Todos os itens estão corretos. Assinale a opção em que a sequência está correta. a) V, F, V b) F, F, V c) F, V, V d) V, V, F e) F, V, F Cargo: Arquiteto / Prova 2

14 43- Conforme o nível de precisão, o orçamento de obras e serviços pode ser sumário, sintético ou analítico. Sobre esse assunto, assinale a opção correta. a) O orçamento sumário, que se baseia na multiplicação da área construída (m²) pelo Custo Unitário Básico da construção civil (CUB/m²) ou na comparação com projetos similares, serve para avaliar a viabilidade econômica da obra. b) O orçamento analítico baseia-se nos índices gerais de construção. c) O orçamento sintético, que tem como fi nalidade a obtenção do preço real da obra, é feito a partir de especifi cações detalhadas e composições de custo específi cas. d) A margem de erro do orçamento sintético é inferior à do orçamento sumário. e) O orçamento analítico é elaborado a partir do projeto básico. 44- O Manual da Fiscalização de Obras, do Departamento de Engenharia e Construção do Exército, traz uma detalhada sequência de recomendações referentes à atuação do fi scal em diferentes itens da obra. Com base nessa informação, assinale a opção incorreta. a) Esgotos e águas pluviais verifi car os espaços sufi cientes para instalação de vasos sanitários e lavatórios, bem como sua interferência na abertura de portas. Nas calhas, observar a colocação de ralo hemisférico, além da drenagem e lançamento das águas pluviais no terreno. b) Paredes de alvenaria verifi car o sentido de abertura de porta (boneca para alisar); e a composição e o traço da argamassa de assentamento. c) Estrutura de concreto confrontar a planta de fôrma com o projeto de arquitetura e os projetos técnicos; verifi car o prumo, o esquadro e o alinhamento das fôrmas dos pilares; conferir a bitola, a utilização de espaçadores e o recobrimento, em conformidade com o projeto de arquitetura. d) Alvenaria estrutural destacar das especifi cações a resistência à compressão; conferir a armação vertical ao longo de furos dos blocos e a concretagem com concreto apropriado ( grout ). e) Estrutura de aço para cobertura verifi car o tratamento anti-ferruginoso; e o alinhamento e a fi xação das cumeeiras e terças. 45- Em sentido amplo, o Orçamento Público é um documento legal, que contém a previsão de receitas e a estimativa de despesas a serem realizadas pelo governo em um determinado exercício. Para que seja elaborado corretamente, ele precisa ser baseado em estudos e documentos que irão compor todo o processo de elaboração orçamentária do governo. Existem princípios básicos que devem ser seguidos para elaboração e controle dos Orçamentos Públicos. Sobre esse tema, assinale a opção incorreta. a) O Orçamento Geral da União (OGU), que contém a estimativa de arrecadação das receitas federais para o ano seguinte e a autorização para a realização de despesas do governo, inicia-se com um texto elaborado pelo Poder Executivo e encaminhado, para discussão e aprovação, ao Poder Legislativo. b) Lei Orçamentária Anual (LOA) é um instrumento de gestão, com ênfase nos aspectos fi nanceiros e físicos, que estima a receita e fi xa a despesa para o período de um ano, visando atingir os objetivos da política governamental. c) Se durante o exercício fi nanceiro houver necessidade de realização de despesas acima do limite previsto em lei, o Poder Executivo submete ao Congresso Nacional um novo projeto de lei solicitando crédito adicional. d) A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) busca o equilíbrio entre os gastos com ações governamentais e os recursos que a sociedade coloca à disposição dos governos, na forma de pagamento de tributos. e) Com o veto do artigo da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) referente à regulamentação do Plano Plurianual (PPA), a elaboração deste instrumento deixou de ser obrigatória, liberando assim o governo de planejar suas ações em médio prazo. 46- Avalie as afi rmativas abaixo, a respeito da informática aplicada à arquitetura, e assinale a opção correta. a) O Autodesk Revit possibilita teste de desempenho acústico e de energia, detecção automática de conflitos entre os componentes do projeto e a produção de cronogramas físico-financeiros com a visão evolutiva. b) O AutoCAD é um software do tipo Computer Aided Design (CAD), utilizado principalmente para a elaboração de peças de desenho técnico em duas dimensões (2D), sendo inadequado para a criação de maquetes eletrônicas. c) Os aplicativos BIM utilizam componentes digitais, como linhas, pontos e outras entidades geométricas no lugar de paredes, portas, janelas, vigas e pilares, de tal maneira que estes componentes podem ser entendidos como tais pelos sistemas. d) O software 3D Max, integrante do sistema BIM, é um programa de modelagem tridimensional que permite renderização de imagens, sendo usado na produção de filmes de animação, criação de personagens em 3D, maquetes eletrônicas etc. e) O Autodesk Revit é um software independente da Modelagem de Informações de Construção (BIM) e, como este, permite a modelagem digital dos projetos e a extração de informações como tabelas quantitativas, etc. Cargo: Arquiteto / Prova 2

15 47- Observando o disposto na Lei n , de 31 de dezembro de 2010, que criou o Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU), assinale as assertivas com V para as Verdadeiras e com F para as Falsas. ( ) Em caso de falecimento ou de incapacidade civil do autor do projeto original, as alterações ou modifi cações só poderão ser feitas pelo coautor ou por profi ssional que tenha acompanhado o desenvolvimento do trabalho. ( ) Constitui infração disciplinar registrar projeto no CAU, para fi ns de comprovação de direitos autorais, que não tenha sido efetivamente concebido, desenvolvido ou elaborado por quem requerer o registro. ( ) Os portadores de diploma de arquiteto ou arquiteto e urbanista, obtido em instituição estrangeira de ensino superior, só poderão obter registro no CAU após a permanência de pelo menos 5 (cinco) anos no Brasil. Assinale a opção correta. a) F, F, V b) F, V, F c) V, V, F d) V, F, V e) V, F, F 48- Faça a correlação entre os instrumentos de gestão urbana, estabelecidos pelo Estatuto da Cidade, e seu signifi cado ou aplicação. 1. Usucapião especial ( ) Direito de construir acima do coefi ciente de aproveitamento básico adotado. 2. Direito de superfície ( ) Preferência do poder municipal para aquisição de imóvel urbano objeto de alienação onerosa entre particulares. 3. Direito de preempção ( ) Concessão a outrem, pelo proprietário urbano, o direito de superfície do seu terreno. 4. IPTU progressivo no tempo ( ) Domínio de área ou edifi cação urbana de até 250 m², mantida por cinco anos ininterruptos para moradia de seu ocupante ou de sua família, desde que não seja proprietário de outro imóvel. 5. Outorga onerosa ( ) Aplicável, por lei municipal, ao solo urbano não edifi cado, subutilizado ou não utilizado. Assinale a opção em que a sequência está correta. a) b) c) d) e) O Programa de Gestão do Patrimônio Imobiliário da União (PNGPU) está voltado ao apoio dos projetos de: inclusão territorial; garantia de direitos fundamentais de populações tradicionais; inclusão social; preservação da biodiversidade e do meio ambiente; apoio ao desenvolvimento local dos municípios e comunidades e redução dos gastos públicos, dando-se prioridade às atividades relacionadas ao Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). (http://www.planejamento.gov.br/secretarias/upload/arquivos/publicacao/ relatorio/090616_principais_programas_mp_07.pdf). Com relação ao signifi cado dos projetos mencionados acima, assinale a opção incorreta. a) Garantia de direitos fundamentais de populações tradicionais reconhecimento de territórios indígenas e quilombolas. b) Inclusão social refere-se a imóveis destinados para a produção de habitação e serviços sociais. c) Preservação da biodiversidade e do meio ambiente refere-se à destinação para unidades de conservação. d) Desenvolvimento local dos municípios e comunidades refere-se à destinação de imóveis para atividades produtivas. e) Inclusão territorial refere-se à inclusão compulsória e imediata de imóveis urbanos particulares não edifi cados ao patrimônio fundiário da União, conforme previsto no Estatuto da Cidade. 50- Em razão da destinação que lhes pode ser dada, os imóveis públicos federais são classifi cados em três tipos de bens. Assinale as assertivas com V para as Verdadeiras e com F para as Falsas e, a seguir, indique a opção correta. ( ) Bens de uso comum do povo são aqueles tidos como necessários à coletividade, tais como rios, praças, ruas, praias etc. ( ) Bens de uso especial são afetos ao interesse do serviço público, como os prédios das repartições públicas, os fortes etc. ( ) Bens dominiais são aqueles que não têm destinação defi nida, e cuja propriedade vem sendo objeto de disputa judicial. a) V, F, V b) F, V, F c) V, V, F d) F, F, V e) F, V, V Cargo: Arquiteto / Prova 2

16 Escola de Administração Fazendária

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR 1 ESTUDO PRELIMINAR OBJETIVOS Analise e avaliação de todas as informações recebidas para seleção e recomendação do partido arquitetônico, podendo eventualmente, apresentar soluções alternativas. Tem como

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME

PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME ANITA OLIVEIRA LACERDA - anitalic@terra.com.br PEDRO AUGUSTO CESAR DE OLIVEIRA SÁ - pedrosa@npd.ufes.br 1. INTRODUÇÃO O Light Steel Frame (LSF) é um sistema

Leia mais

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura.

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura. ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 4 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 2 de abril, 2003. CONCEPÇÃO ESTRUTURAL A concepção estrutural, ou simplesmente estruturação, também chamada

Leia mais

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO INTRODUÇÃO As estruturas mistas podem ser constituídas, de um modo geral, de concreto-madeira, concretoaço ou aço-madeira. Um sistema de ligação entre os dois materiais

Leia mais

TIPOS DE ESTRUTURAS. Prof. Marco Pádua

TIPOS DE ESTRUTURAS. Prof. Marco Pádua TIPOS DE ESTRUTURAS Prof. Marco Pádua A função da estrutura é transmitir para o solo a carga da edificação. Esta carga compõe-se de: peso próprio da estrutura, cobertura, paredes, esquadrias, revestimentos,

Leia mais

ESTRUTURAS. Prof. Eliseu Figueiredo Neto

ESTRUTURAS. Prof. Eliseu Figueiredo Neto ESTRUTURAS Prof. Eliseu Figueiredo Neto PAREDES DE TIJOLO Assentamento dos tijolos: Quanto a colocação (ou dimensão das paredes) dos tijolos, podemos classificar as paredes em: cutelo, de meio tijolo,

Leia mais

Profª. Angela A. de Souza DESENHO DE ESTRUTURAS

Profª. Angela A. de Souza DESENHO DE ESTRUTURAS DESENHO DE ESTRUTURAS INTRODUÇÃO A estrutura de concreto armado é resultado da combinação entre o concreto e o aço. Porém, para a sua execução, não é suficiente apenas a presença desses dois materiais;

Leia mais

MEMO Nº 022/ENG/IFC/2010 Blumenau, 15 de julho de 2010. Do: Departamento de Engenharia do Instituto Federal Catarinense

MEMO Nº 022/ENG/IFC/2010 Blumenau, 15 de julho de 2010. Do: Departamento de Engenharia do Instituto Federal Catarinense MEMO Nº 022/ENG/IFC/2010 Blumenau, 15 de julho de 2010. Ao: Pró Reitor de Desenvolvimento Institucional ANTÔNIO A. RAITANI JÚNIOR Do: Departamento de Engenharia do Instituto Federal Catarinense Assunto:

Leia mais

Dados do Produto. Ar Condicionado: ponto dreno + carga elétrica (sala e dormitório)

Dados do Produto. Ar Condicionado: ponto dreno + carga elétrica (sala e dormitório) FICHA TÉCNICA Projeto Arquitetônico: Gkalili Arquitetura Design de Fachada: Triptyque Arquitetura Projeto Paisagístico: EKF Arquitetura paisagística Projeto Decoração: Triptyque Arquitetura Dados do Produto

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA CASA VIZINHA

Leia mais

PROJETOS EM ALVENARIA ESTRUTURAL: MODULAÇÃO E COMPATIBILIZAÇÃO

PROJETOS EM ALVENARIA ESTRUTURAL: MODULAÇÃO E COMPATIBILIZAÇÃO PROJETOS EM ALVENARIA ESTRUTURAL: MODULAÇÃO E COMPATIBILIZAÇÃO PRINCIPÍOS BÁSICOS PARA PROJETOS/ MODULAÇÃO E COMPATIBILIZAÇÃO EM ALVENARIA ESTRUTURAL EM BLOCOS DE CONCRETO ARQUITETA NANCI CRUZ MODULAÇÃO

Leia mais

Como as Novas Tecnologias "Inteligentes" de Controle de Temperatura Reduzem o Consumo de Energia nas Residências

Como as Novas Tecnologias Inteligentes de Controle de Temperatura Reduzem o Consumo de Energia nas Residências Como as Novas Tecnologias "Inteligentes" de Controle de Temperatura Reduzem o Consumo de Energia nas Residências por Eszter Körtvélyesi Sumário executivo Dependendo da localização física de uma residência,

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA A CASA HUBBE, PROJETADA POR MIES VAN DER ROHE, POSSUI

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA A CASA HUBBE, PROJETADA POR MIES VAN DER ROHE, POSSUI FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA ESQUADRIAS/PANOS

Leia mais

INSTITUTO ALGE DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JANILSON CASSIANO

INSTITUTO ALGE DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JANILSON CASSIANO CONSTRUINDO NO SISTEMA (CES) LIGHT STEEL FRAMING O sistema Light Steel Frame é caracterizado por um esqueleto estrutural leve composto por perfis de aço galvanizado que trabalham em conjunto para sustentação

Leia mais

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases:

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases: ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto de Passarela para Pedestres em Projetos de Engenharia Ferroviária. 2. FASES DO PROJETO O

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS - SANITÁRIA - Arquivo 828-M-SAN.DOC Página 1 1. SERVIÇOS COMPLEMENTARES Serão executados

Leia mais

ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE PRUDENTE

ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE PRUDENTE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 221 ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO Julho / 2015. Escola Básica Municipal Encano Central Reforma da Cobertura Indaial / SC

MEMORIAL DESCRITIVO Julho / 2015. Escola Básica Municipal Encano Central Reforma da Cobertura Indaial / SC MEMORIAL DESCRITIVO Julho / 2015 Escola Básica Municipal Encano Central Reforma da Cobertura Indaial / SC 1. INFORMAÇÕES PRELIMINARES 1.1. RESPONSÁVEL TÉCNICO PELO PROJETO Carlos Henrique Nagel Engenheiro

Leia mais

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME Sistema de ds A SOLUÇÃO INTELIGENTE PARA A SUA OBRA SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME www.placlux.com.br VOCÊ CONHECE O SISTEMA CONSTRUTIVO LIGHT STEEL FRAME? VANTAGENS LIGHT STEEL FRAME MENOR CARGA

Leia mais

Residencial Recanto do Horizonte

Residencial Recanto do Horizonte MEMORIAL DESCRITIVO Residencial Recanto do Horizonte FUNDAÇÃO E ESTRUTURA As Fundações serão executadas de acordo com o projeto estrutural, elaborado de acordo com as normas técnicas pertinentes e baseadas

Leia mais

Disciplina: Construção Civil I Procedimentos para Início da Obra

Disciplina: Construção Civil I Procedimentos para Início da Obra UniSALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Disciplina: Construção Civil I Procedimentos para Início da Obra André Luís Gamino Professor Área de Construção Civil

Leia mais

Concurso Público: Prêmio Caneleiro de Arquitetura Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA

Concurso Público: Prêmio Caneleiro de Arquitetura Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA Concurso Público: Prêmio Caneleiro de Arquitetura Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA Junho 2014 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO Pg. 03 2. OBJETO Pg. 03 3. ESCOPO DOS PRODUTOS E SERVIÇOS Pg. 03 4. DIRETRIZES PARA

Leia mais

elipsoide de revolução

elipsoide de revolução 19.(TRT-8/CESPE/2013) Para a obtenção de mapas, é necessário que haja a projeção da superfície real ou física em formas geométricas, sendo que alguns ajustes prévios são necessários para que se possa fazer

Leia mais

TOMADA DE PREÇOS 01/2015 QUESTIONAMENTOS E RESPOSTAS

TOMADA DE PREÇOS 01/2015 QUESTIONAMENTOS E RESPOSTAS TOMADA DE PREÇOS 01/2015 Contratação de empresa especializada em engenharia ou arquitetura para elaboração de projetos básicos e executivos de arquitetura e complementares, destinados à construção do edifício-sede

Leia mais

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT - IBR 001/2006 PROJETO BÁSICO Primeira edição: válida a partir de 07/11/2006 Palavras Chave: Projeto Básico,

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO Ministério Público do Trabalho Procuradoria Regional da 23 ª Região Anteprojeto do novo Edifício-Sede Cuiabá MT Memorial Descritivo Terreno localizado no CPA (Centro Político-Administrativo) da cidade

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais

Instalações Elétricas Prediais Abril de 2010 Sumário Tópicos Sumário 1 As tubulações às quais se referem estas instruções devem ser destinadas exclusivamente ao uso da Concessionária que, ao seu critério, nelas poderá os servições de

Leia mais

FUNCIONAL TOPOGRAFIA SOLAR/ PRIMEIRA METADE DO TERRENO E O INFERIOR LOCADO MAIS A

FUNCIONAL TOPOGRAFIA SOLAR/ PRIMEIRA METADE DO TERRENO E O INFERIOR LOCADO MAIS A FUNCIONAL IMPLANTAÇÃO IDENTIFICAR COMO SE DÁ A OCUPAÇÃO DA PARCELA DO LOTE, A DISPOSIÇÃO DO(S) ACESSO(S) AO LOTE; COMO SE ORGANIZA O AGENCIAMENTO, UMA LEITURA DA RUA PARA O LOTE ACESSO SOCIAL ACESSO ÍNTIMO

Leia mais

SEBRAE Memorial Descritivo. 1. Diretrizes

SEBRAE Memorial Descritivo. 1. Diretrizes SEBRAE Memorial Descritivo 1. Diretrizes A identidade do edifício institucional deve se dar pelo caráter da obra singular ou por um conjunto edificado que reconstitua o lugar como uma referência para a

Leia mais

CUB e Preço de Venda

CUB e Preço de Venda CUB e Preço de Venda Histórico do CUB: O CUB Custo Unitário Básico tem amparo na Lei 4.591 de 16 de dezembro de 1964, que dispõe sobre as incorporações imobiliárias. Com amparo nesta Lei, surgiu em 1965

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.0 - Calçadas Externas/rampa/escada:

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.0 - Calçadas Externas/rampa/escada: PROJETO Nº 051/2013 Solicitação: Memorial Descritivo Tipo da Obra: Reforma, ampliação e adequação acesso Posto de Saúde Santa Rita Área existente: 146,95 m² Área ampliar: 7,00 m² Área calçadas e passeio:

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo de Área

Leia mais

concreto É unir economia e sustentabilidade.

concreto É unir economia e sustentabilidade. concreto É unir economia e sustentabilidade. A INTERBLOCK Blocos e pisos de concreto: Garantia e confiabilidade na hora de construir. Indústria de artefatos de cimento, que já chega ao mercado trazendo

Leia mais

REVIT ARQUITECTURE 2013

REVIT ARQUITECTURE 2013 REVIT ARQUITECTURE 2013 O Revit 2013 é um software de Tecnologia BIM, que em português significa Modelagem de Informação da Construção. Com ele, os dados inseridos em projeto alimentam também um banco

Leia mais

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS COMPLEMENTARES

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS COMPLEMENTARES LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE 01 NOSSOS SERVIÇOS Após 35 anos de experiência na área de edificações para o mercado imobiliário gaúcho, a BENCKEARQUITETURA, juntamente com a BENCKECONSTRUÇÕES,

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA MURO CERCA

Leia mais

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO Curso Técnico de Edificações Profª Engª Civil Alexandra Müller Barbosa EMENTA Estudos de procedimentos executivos: Estruturas portantes, Elementos vedantes, Coberturas, Impermeabilização,

Leia mais

PLANTA BAIXA AULA 09. O que é um Projeto Arquitetônico?

PLANTA BAIXA AULA 09. O que é um Projeto Arquitetônico? PLANTA BAIXA AULA 09 Projetos de Arquitetura: Conceitos e Representações 1 O que é um Projeto Arquitetônico? conjunto de passos normativos, voltados para o planejamento formal de um edifício qualquer,

Leia mais

Prefeitura Municipal de Piratini

Prefeitura Municipal de Piratini MEMORIAL DESCRITIVO O presente Memorial Descritivo visa estabelecer as condições de materiais e execução referentes à construção de um Vestiário Esportivo, localizado na Av. 6 de julho s/n, em Piratini/RS,

Leia mais

MUNICÍPIO DE ILHA COMPRIDA

MUNICÍPIO DE ILHA COMPRIDA MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: REFORMA, ADEQUAÇÃO E AMPLIAÇÃO DA CRECHE CRIANÇA FELIZ LOCAL: BALNEÁRIO ICARAÍ DE IGUAPE 1. Descrição As adequações e ampliações da Creche Criança feliz visam melhorar o atendimento

Leia mais

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO PARA LOTEAMENTOS URBANOS 1 DO OBJETIVO A presente Norma estabelece os requisitos mínimos a serem obedecidos

Leia mais

REF: Layout Elevadores e Torre Metálica Elaboração de Anteprojeto de torre metálica para instalação de 02(dois) elevadores panorâmicos

REF: Layout Elevadores e Torre Metálica Elaboração de Anteprojeto de torre metálica para instalação de 02(dois) elevadores panorâmicos Porto Alegre, 18 de junho de 2012. A Assembleia Legislativa do RS Porto Alegre, RS REF: Layout Elevadores e Torre Metálica Elaboração de Anteprojeto de torre metálica para instalação de 02(dois) elevadores

Leia mais

Empresa jovem e 100 % nacional, a Bazze está sediada em PORTÃO RS e é referência na extrusão de perfis em PVC.

Empresa jovem e 100 % nacional, a Bazze está sediada em PORTÃO RS e é referência na extrusão de perfis em PVC. Empresa jovem e 100 % nacional, a Bazze está sediada em PORTÃO RS e é referência na extrusão de perfis em PVC. Comprometida com a qualidade e o desenvolvimento dos nossos produtos investimos continuamente

Leia mais

PANTHEON - ROMA. Construído em 118 128 d.c. (1887 anos atrás) Cúpula de 5.000 toneladas Altura e o diâmetro do interior do Óculo é de 43,3 metros.

PANTHEON - ROMA. Construído em 118 128 d.c. (1887 anos atrás) Cúpula de 5.000 toneladas Altura e o diâmetro do interior do Óculo é de 43,3 metros. EMPREENDIMENTOS PANTHEON - ROMA Construído em 118 128 d.c. (1887 anos atrás) Cúpula de 5.000 toneladas Altura e o diâmetro do interior do Óculo é de 43,3 metros. CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB Agência SHS Novas Instalações Código do Projeto: 1641-11 Pág. 2 Índice 1. Memorial Descritivo da Obra...3

Leia mais

TRABALHO PRÁTICO. Objetivo: acompanhamento da execução de uma obra de um edifício.

TRABALHO PRÁTICO. Objetivo: acompanhamento da execução de uma obra de um edifício. TRABALHO PRÁTICO Objetivo: acompanhamento da execução de uma obra de um edifício. Grupos: grupos de TRÊS ou QUATRO participantes, necessariamente todos da mesma turma (Turma AC - manhã e Turma BD - tarde

Leia mais

A importância dos projetos no processo (executivo de paredes de concreto)

A importância dos projetos no processo (executivo de paredes de concreto) A importância dos projetos no processo (executivo de paredes de concreto) - Fatores Críticos de Sucesso Francisco Paulo Graziano Características necessárias das estruturas dos em parede estrutural Facilidade

Leia mais

Elementos Estruturais de Concreto Armado

Elementos Estruturais de Concreto Armado UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Técnicas Construtivas Elementos Estruturais de Concreto Armado Prof. Guilherme Brigolini Elementos Estruturais de Concreto Armado Produção de

Leia mais

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS CAPÍTULO 4: CAIXAS DE SAÍDA CONDIÇÕES As caixas de saída devem ser projetadas nas tubulações secundárias nas seguintes condições: a) Nas entradas e saídas de fios telefônicos nos eletrodutos; b) Para diminuir

Leia mais

ORIENTAÇÕES INICIAIS PARA PROPRIETÁRIOS E ARQUITETOS

ORIENTAÇÕES INICIAIS PARA PROPRIETÁRIOS E ARQUITETOS 1. ROTEIRO PARA APROVAÇÃO E LIBERAÇÃO DE PROJETOS E OBRAS: PROJETOS A. Aprovação do Projetos pelo Depto. Técnico da Associação B. Aprovação do Projeto e Solicitação de Alvará de Construção na Prefeitura

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS Este informativo foi elaborado visando a padronização para a Apresentação de Projetos junto ao da Associação, para que a análise e a aprovação de projetos transcorram de forma mais rápida e eficiente.

Leia mais

CASA CIRURGIÕES Local Botucatu Ano 2011-2014 Escritório FGMF Autoras: Jéssica Lucena e Tamires Cabral

CASA CIRURGIÕES Local Botucatu Ano 2011-2014 Escritório FGMF Autoras: Jéssica Lucena e Tamires Cabral CASA CIRURGIÕES Local Botucatu Ano 2011-2014 Escritório FGMF Autoras: Jéssica Lucena e Tamires Cabral Implantação e partido formal A casa Cirurgiões é uma residência unifamiliar de uso regular projetada

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO, BACHARELADO CURRÍCULO 1620 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM

PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM Com mais de 20 anos de experiência na fabricação de pré-moldados em concreto, a PRÉ-MOLD RM oferece uma completa linha de produtos para a dinamização de sua obra. Laje Treliçada Bidirecional; Laje Treliçada

Leia mais

PROC-IBR-EDIF 046/2015 Análise de Projeto de Estrutura Metálica

PROC-IBR-EDIF 046/2015 Análise de Projeto de Estrutura Metálica INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC-IBR-EDIF 046/2015 Análise de Projeto de Estrutura Metálica Primeira edição válida a partir

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES PROJETO ARQUITETÔNICO ADEQUAÇÕES NA USINA DE TRIAGEM DE LIXO LINHA ESTRELA MEMORIAL DESCRITIVO 1 MEMORIAL DESCRITIVO 1. OBJETIVO: USINA DE TRIAGEM DE LIXO A presente especificação tem por objetivo estabelecer

Leia mais

SELO CASA AZUL CAIXA. Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010

SELO CASA AZUL CAIXA. Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010 Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010 SELO CASA AZUL CAIXA Sandra Cristina Bertoni Serna Quinto Arquiteta Gerência Nacional de Meio Ambiente SELO CASA AZUL CAIXA CATEGORIAS E CRITÉRIOS SELO

Leia mais

Técnicas da Construção Civil. Aula 02

Técnicas da Construção Civil. Aula 02 Técnicas da Construção Civil Aula 02 Necessidades do cliente e tipos de Estruturas Taciana Nunes Arquiteta e Urbanista Necessidades do Cliente Função ou tipo de edificação? Como e quanto o cliente quer

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA ANEXO II DO DECRETO N 80/2011 DE 02/05/2011 PARTE 01: OBRA NOVA OU AMPLIAÇÃO 1. Planta de situação

Leia mais

SISTEMA DA QUALIDADE Procedimento

SISTEMA DA QUALIDADE Procedimento SISTEMA DA QUALIDADE Procedimento CONTROLE DE PROJETO PR.00 00 1 / 5 1. OBJETIVO Estabelecer as condições, características e responsabilidades para o desenvolvimento de projetos. 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA

Leia mais

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço 1 Av. Brigadeiro Faria Lima, 1685, 2º andar, conj. 2d - 01451-908 - São Paulo Fone: (11) 3097-8591 - Fax: (11) 3813-5719 - Site: www.abece.com.br E-mail: abece@abece.com.br Av. Rio Branco, 181 28º Andar

Leia mais

PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO IN LOCO COMO SOLUÇÃO PARA EDIFÍCIOS VERTICAIS

PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO IN LOCO COMO SOLUÇÃO PARA EDIFÍCIOS VERTICAIS I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO

Leia mais

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural.

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural. Alvenaria Estrutural Introdução CONCEITO ESTRUTURAL BÁSICO Tensões de compressão Alternativas para execução de vãos Peças em madeira ou pedra Arcos Arco simples Arco contraventado ASPECTOS HISTÓRICOS Sistema

Leia mais

DEPARTAMENTO DE PROJETO DE ARQUITETURA

DEPARTAMENTO DE PROJETO DE ARQUITETURA Disciplina: PROJETO DE ARQUITETURA III FAP 355 Professores: MÓDULO 3 1 o. Período Letivo 2009 Cristiane Rose Duarte, Joacir Esteves, Luciana Andrade, Maria Ligia Sanches, Paulo Afonso Rheingantz e Vera

Leia mais

Rua Dante Francisco Zattera, Quadra 4907, lote 14, Loteamento Cidade Nova II. Bairro Distrito Industrial Caxias do Sul RS

Rua Dante Francisco Zattera, Quadra 4907, lote 14, Loteamento Cidade Nova II. Bairro Distrito Industrial Caxias do Sul RS MEMORIAL DESCRITIVO: APRESENTAÇÃO DO EMPREENDIMENTO: LOCALIZAÇÃO: Rua Dante Francisco Zattera, Quadra 4907, lote 14, Loteamento Cidade Nova II. Bairro Distrito Industrial Caxias do Sul RS DESCRIÇÃO: Edifício

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO O

MEMORIAL DESCRITIVO O MEMORIAL DESCRITIVO O presente memorial tem por objetivo estabelecer requisitos técnicos, definir materiais e padronizar os projetos e execuções da obra localizada na Rua Jorge Marcelino Coelho, s/n, Bairro

Leia mais

PAULUZZI BLOCOS CERÂMICOS

PAULUZZI BLOCOS CERÂMICOS Conheça a PAULUZZI BLOCOS CERÂMICOS Mais de 80 anos de experiência O imigrante italiano Giovanni Pauluzzi e seus filhos Theo e Ferrucio construíram a primeira unidade da empresa em 1928, especializada

Leia mais

SISTEMA DE MEDIÇÃO E LEITURA CENTRALIZADA SMLC

SISTEMA DE MEDIÇÃO E LEITURA CENTRALIZADA SMLC SISTEMA DE MEDIÇÃO E LEITURA CENTRALIZADA SMLC Especificação para implantação de infra-estrutura Diretoria de Redes Gerência de Engenharia da Distribuição Coordenação de Engenharia SISTEMA DE MEDIÇÃO E

Leia mais

CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO:

CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO: EMPREENDIMENTOS CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO: Localizado em Novo Hamburgo RS; 18000 m² de área construída; 72 Unidades 3 e 2 dormitórios; 26 Pavimentos; Tratamento e reutilização

Leia mais

ECO SHOPPING LAGOA DO PERI

ECO SHOPPING LAGOA DO PERI Boletim do Investimento Urbano Sustentável ECO SHOPPING LAGOA DO PERI A agenda estratégica de desenvolvimento sustentável Floripa 2030, constitui um marco para a mudança das formas de uso e ocupação do

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS LEI COMPLEMENTAR Nº 292, DE 3 DE FEVEREIRO DE 2014. Dispõe sobre a criação da Zona Especial de Interesse Social ZEIS Palmas Sul, estabelece normas para a implantação de Empreendimento Habitacional de Interesse

Leia mais

Aula 7 : Desenho de Ventilação

Aula 7 : Desenho de Ventilação Aula 7 : Desenho de Ventilação Definições: NBR 10821:2001, Caixilho para edificação: Janela Caixilho, geralmente envidraçado, destinado a preencher um vão, em fachadas ou não. Entre outras, sua finalidade

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA SOLICITAÇÃO DE MODIFICAÇÕES EM APARTAMENTOS

PROCEDIMENTOS PARA SOLICITAÇÃO DE MODIFICAÇÕES EM APARTAMENTOS PROCEDIMENTOS PARA SOLICITAÇÃO DE MODIFICAÇÕES EM APARTAMENTOS Para solicitar modificações nos apartamentos, o cliente deverá vir até a empresa em horário comercial no setor de Projetos com sua carta de

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO ORIENTATIVO PARA REVITALIZAÇÃO DOS CENTOS DE SAÚDE. Julho 2011 Revisão 02

RELATÓRIO TÉCNICO ORIENTATIVO PARA REVITALIZAÇÃO DOS CENTOS DE SAÚDE. Julho 2011 Revisão 02 RELATÓRIO TÉCNICO ORIENTATIVO PARA REVITALIZAÇÃO DOS CENTOS DE SAÚDE Julho 2011 Revisão 02 2 INTRODUÇÃO Os Centros de Saúde incluídos nesta categoria são unidades que foram construídas recentemente e que

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA COORDENADORIA DE MANUTENÇÃO LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA COORDENADORIA DE MANUTENÇÃO LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS LOCAL: SETOR/ENDEREÇO: PERÍODO: RESPONSÁVEL PELAS INFORMAÇÕES: LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS SISTEMAS HIDROSSANITÁRIOS PERÍODICIDADE SERVIÇOS PREVENTIVOS STATUS SEMANA 01 DIÁRIO Verificação

Leia mais

ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL SISTEMA DE VEDAÇÃO Um subsistema

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB Águas Lindas GO Novas Instalações Código do Projeto: 3947-11 SIA Sul Quadra 4C Bloco D Loja 37 Brasília-DF

Leia mais

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE Pág.: 1 de 6 1. OBJETIVO Realizar o gerenciamento dos projetos desde o seu planejamento, desenvolvimento, recebimento, análise crítica, controle e distribuição nas obras. 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA Manual

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA -2

TERMO DE REFERÊNCIA -2 TERMO DE REFERÊNCIA -2 1. O PROJETO Título do Projeto: Reforma e Ampliação das Promotorias de Justiça de Direitos Constitucionais e Patrimônio Público e Promotorias de Justiça de Ações Constitucionais

Leia mais

Ecologicamente correto. Economicamente viável. Socialmente justo. Culturalmente aceito.

Ecologicamente correto. Economicamente viável. Socialmente justo. Culturalmente aceito. Ecologicamente correto Economicamente viável Socialmente justo Culturalmente aceito. ENERGIA SEGURANÇA ETE FIBRA-ÓTICA DADOS TELEFONIA PAVIMENTAÇÃO VIAS PROJETADAS GÁS ETA SINALIZAÇÃO EQUIP. URBANOS ACESSIBILIDADE

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Municipio de Venâncio Aires

Estado do Rio Grande do Sul Municipio de Venâncio Aires MEMORIAL DESCRITIVO Obra: OBRAS CIVIS, REFORMA E INSTALAÇÕES - PMAT PAVIMENTO TÉRREO E SUPERIOR DA PREFEITURA MUNICIPAL Local: Rua Osvaldo Aranha-nº 634 Venâncio Aires EXECUÇÃO E SERVIÇOS A execução dos

Leia mais

Visita de Analistas Janeiro, 2010

Visita de Analistas Janeiro, 2010 Visita de Analistas Janeiro, 2010 Aviso Nenhuma declaração ou garantia é feita com relação a correição, completude ou suficiência das informações apresentadas. A Direcional Engenharia não assume qualquer

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 12/03/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Informações ENE065 http://www.ufjf.br/ivo_junior/ ENE065_NOTURNO Generalidades Sistema Elétrico de Potência

Leia mais

Construção Civil Linha PVC

Construção Civil Linha PVC Construção Civil Linha PVC Correr Abertura de 2 a 6 folhas que se movimentam mediante deslizamento horizontal. De fácil manuseio, podendo ser utilizada com persiana e tela mosquiteira. Permite ventilação

Leia mais

A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES

A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES 1 OBJETIVOS DO PROJETO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO A proteção da vida humana A proteção do patrimônio A continuidade do processo produtivo 2 O CÍRCULO DE PROTEÇÃO

Leia mais

FS-06. Fossa séptica. Componentes. Código de listagem. Atenção. FS-06-01 (L=3,00m) FS-06-02 (L=3,80m) FS-06-03 (L=5,40m) 01 27/12/10

FS-06. Fossa séptica. Componentes. Código de listagem. Atenção. FS-06-01 (L=3,00m) FS-06-02 (L=3,80m) FS-06-03 (L=5,40m) 01 27/12/10 - -03 1/5 - -03 2/5 - -03 3/5 - -03 4/5 DESCRIÇÃO Constituintes Lastro de concreto magro, traço 1:4:8, cimento, areia e brita. Fundo e vigas de concreto armado, moldados in loco: - Fôrmas de tábuas de

Leia mais

construímos a inovação POR

construímos a inovação POR construímos a inovação POR construímos a inovação 2 3 Compact Habit, uma iniciativa da empresa de Manresa, Constructora d Aro S.A., foi criada em 2004 para atender à necessidade de inovação na construção.

Leia mais

Cristiane Vieira Responsável pela Aprovação de Projetos. Operações Centrais de Rede. Apresentação Técnica sobre Instalações Prediais de Gás Natural

Cristiane Vieira Responsável pela Aprovação de Projetos. Operações Centrais de Rede. Apresentação Técnica sobre Instalações Prediais de Gás Natural Cristiane Vieira Responsável pela Aprovação de Projetos Operações Centrais de Rede Apresentação Técnica sobre Instalações Prediais de Gás Natural 2 Índice 1. Objetivo 2. Documentos Necessários p/ a Apresentação

Leia mais

EDITAL 144/2014 CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS

EDITAL 144/2014 CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA MINAS GERAIS CAMPUS SANTA LUZIA EDITAL 144/2014 CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E

Leia mais

DINOP / CENOP LOGÍSTICA CURITIBA (PR) ESCLARECIMENTO N.º 03

DINOP / CENOP LOGÍSTICA CURITIBA (PR) ESCLARECIMENTO N.º 03 Curitiba, 12 de Dezembro de 2014. DINOP / CENOP LOGÍSTICA CURITIBA (PR) ESCLARECIMENTO N.º 03 TOMADA DE PREÇOS 2014/15001(7419) - Contratação de reforma, sem ampliação, incluindo pavimentação, alvenaria,

Leia mais

CASA EN TERRAVILLE. Implantação e Partido Formal. Local: Porto Alegre Ano: 2010 Escritório MAPA Autoras : Ana Elísia da Costa e Thaís Gerhardt

CASA EN TERRAVILLE. Implantação e Partido Formal. Local: Porto Alegre Ano: 2010 Escritório MAPA Autoras : Ana Elísia da Costa e Thaís Gerhardt CASA EN TERRAVILLE Local: Porto Alegre Ano: 2010 Escritório MAPA Autoras : Ana Elísia da Costa e Thaís Gerhardt Implantação e Partido Formal A Casa em Terraville é uma residência unifamiliar de uso regular

Leia mais

Descritivo Modelo de Infraestrutura para CDC DMIC

Descritivo Modelo de Infraestrutura para CDC DMIC Descritivo Modelo de Infraestrutura para CDC DMIC CONTATO E-MAIL: implantacao@redecidadania.ba.gob.br VERSÃO 9.0 MAIO / 2015 ESPECIFICAÇÕES DO ESPAÇO DO CDC Para a implantação do CDC é necessário encontrar

Leia mais

PROJETO DE AMPLIAÇÃO DO CENPES Centro de Pesquisa da Petrobras. Autor: Siegbert Zanettini Co-autor: José Wagner Garcia

PROJETO DE AMPLIAÇÃO DO CENPES Centro de Pesquisa da Petrobras. Autor: Siegbert Zanettini Co-autor: José Wagner Garcia PROJETO DE AMPLIAÇÃO DO CENPES Centro de Pesquisa da Petrobras Autor: Siegbert Zanettini Co-autor: José Wagner Garcia PARTIDO ARQUITETÔNICO DIRETRIZES GERAIS O edital do concurso aliado ao interesse por

Leia mais

Estes adendos e notas explicativas tem a finalidade de facilitar o entendimento e aperfeiçoar os critérios a seguir.

Estes adendos e notas explicativas tem a finalidade de facilitar o entendimento e aperfeiçoar os critérios a seguir. Estes adendos e notas explicativas tem a finalidade de facilitar o entendimento e aperfeiçoar os critérios a seguir. Adendos e notas 1/11 Adendo I de 24/0713 ao Referencial técnico de certificação Edifícios

Leia mais

COBERTURAS. Treliças Estruturas: Metálica Telha Auto Portante Espacial. Concreto

COBERTURAS. Treliças Estruturas: Metálica Telha Auto Portante Espacial. Concreto COBERTURAS Madeira Tirantes Treliças Estruturas: Metálica Telha Auto Portante Espacial Concreto Em telhas de barro/metálicas/fibrocimento Proteções: Em lajes Concreto Tijolos Domos, etc. Shed Terça Pestana

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7 AULA 7 CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES Disciplina: Projeto de Estruturas CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS 1 CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS ALOJAMENTO DAS ARMADURAS Armadura longitudinal (normal/flexão/torção) Armadura

Leia mais

INFRAERO VT.06/506.92/04740/00 2 / 5

INFRAERO VT.06/506.92/04740/00 2 / 5 REV MODIFICAÇÃO DATA PROJETISTA DESENHISTA APROVO Coordenador Contrato: Autor do Projeto Resp. Técnico: Co-Autor: MARGARET SIEGLE 4522D/ES ELISSA M. M. FRINHANI 5548/D-ES NUMERO: 200_PB.HS.AF.ET-300000

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO OPERACIONAL PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO

PROGRAMA DE APOIO OPERACIONAL PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO Superintendência de Urbanismo e Produção Habitacional Coordenação de Projetos PROGRAMA DE APOIO OPERACIONAL PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA,

Leia mais