Large Hadron Collider

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Large Hadron Collider"

Transcrição

1 Rede Nacional de Física de Altas Energias Setembro 2008 Large Hadron Collider Participação Brasileira nos Experimentos do CERN

2 Sumário I. CERN: BREVE HISTÓRICO...3 II. PARTICIPAÇÃO BRASILEIRA NO LHC...5 Alice...5 Introdução...5 Constituição do Grupo...5 Projetos em Andamento...5 Formalização da Participação Brasileira...5 Previsão Orçamentária para Manutenção e Operação (M&O)...6 Projetos Futuros...6 Atlas...7 Introdução...7 Constituição do Grupo...7 Projetos em Andamento...7 Formalização da Participação Brasileira...8 Previsão Orçamentária para Manutenção e Operação (M&O)...8 Projetos Futuros...9 CMS...10 Introdução...10 Constituição do Grupo...10 Projetos em Andamento...11 Formalização da Participação Brasileira...11 Previsão Orçamentária para Manutenção e Operação (M&O)...11 Projetos Futuros...12 LHCb...13 Introdução...13 Constituição do Grupo...13 Projetos em Andamento...13 Formalização da Participação Brasileira...14 Previsão Orçamentária para Manutenção e Operação (M&O)...15 Projetos Futuros...15 III. RESUMO FINANCEIRO...16 Gastos com M&O...16 Gastos com Custeio: Diárias e Passagens...16 Estimativa de Gastos de Capital

3 I. CERN: Breve Histórico A Organização Européia para a Pesquisa Nuclear (Conseil Européen pour la Recherche Nucléaire CERN) foi fundada em 1954 em Genebra, na fronteira francosuíça, com o intuito de unificar a ciência européia no pós-guerra e, ao mesmo tempo, compartilhar os custos sempre crescentes da pesquisa nuclear. A criação do CERN foi uma iniciativa de vários cientistas europeus Raoul Dautry, Pierre Auger, Lew Kowarski, Edoardo Amaldi e Niels Bohr, entre outros. Hoje o CERN é operado por um consórcio de 20 países-membros: Alemanha, Áustria, Bélgica, Bulgária, Dinamarca, Espanha, Finlândia, França, Grécia, Holanda, Hungria, Itália, Noruega, Polônia, Portugal, Reino Unido, República Checa, República Eslovaca, Suécia e Suíça. Seu primeiro acelerador, um Synchrocyclotron (SC) de 600 MeV dedicado à pesquisa nuclear, foi seguido pelo Proton Synchrotron (PS) que, durante seus 33 anos de existência, deu importantes contribuições à ciência, indo da pesquisa nuclear à astrofísica e física médica. No início da década de 70 começou a operar o Intersecting Storage Rings (ISR), o primeiro anel de colisão próton-próton, com 300 metros de diâmetro. Em 1976 começou a operar o Super Proton Synchrotron (SPS), com 7 km de circunferência, cujo túnel cruzava pela primeira vez a fronteira franco-suíça. O SPS, em 1979, foi transformado em um anel de colisão próton-antipróton com o emprego do resfriamento estocástico do feixe de antiprótons. A década de 90 contou com Large Electron-Positron (LEP), o qual desempenhou papel central na medição dos parâmetros do Modelo Padrão das interações fundamentais. Com 27 km de circunferência e quatro detectores Aleph, Delphi, L3 e Opal, o LEP produziu mais de 17 milhões de bósons Z 0 e, posteriormente, pares de W s. Em 2000 o acelerador foi desmontado para a construção do Large Hadron Collider (LHC), que utiliza o mesmo túnel do LEP para acelerar e colidir dois feixes de prótons. O CERN foi cenário de descobertas fundamentais para o avanço da Física das Partículas Elementares. Dentre elas podemos citar a evidência da existência das correntes fracas neutras na câmara de bolhas Gargamelle no início dos anos 70, a descoberta dos bósons vetoriais Z 0 e W s no SPS em 1983 e o estabelecimento da existência de três e apenas três gerações de quarks e léptons, completando assim o quadro das partículas do Modelo Padrão. Em 1995 os primeiros átomos de antimatéria foram criados com a produção de átomos de anti-hidrogênio no Low Energy Antiproton Ring (LEAR) do CERN. Vários pesquisadores do CERN foram agraciados com o prêmio Nobel por pesquisas realizadas no laboratório. Entre eles Georges Charpak, pela invenção da Multiwire Proportional Chamber (MWPC), e Carlo Rubbia e Simon Van der Meer, pela descoberta dos bósons vetoriais massivos. O laboratório também contou com os laureados Felix Bloch como diretor, Sam Ting como spokesman do experimento L3, e Jack Steinberger, do experimento Aleph. Entre os vários benefícios secundários das pesquisas realizadas no CERN, o que teve alcance mais profundo foi o desenvolvimento da World Wide Web (WWW). Inventada no início da década de 90 por Tim Berners-Lee para atender as necessidades dos físicos de altas energias que trabalhavam em grandes colaborações internacionais e necessitavam compartilhar informação com instituições e universidades espalhadas ao redor do mundo. Hoje em dia, o conceito de processamento de alto desempenho em grid, em desenvolvimento no CERN, vem se disseminando internacionalmente e se tornando a ferramenta de escolha para várias áreas da ciência. A arquitetura grid obteve enorme impulso graças ao esforço dos físicos de altas energias, que terão que armazenar e processar a enorme quantidade de dados que será produzida pelo LHC. 3

4 O CERN hoje emprega cerca de pessoas e conta com mais de pesquisadores visitantes pertencentes a 580 institutos e universidades de 85 países. O físico brasileiro Roberto Salmeron foi um dos dez primeiros físicos experimentais a serem contratados pelo CERN, logo após ter finalizado o seu doutorado na Universidade de Manchester. Após 8 anos ocupando essa posição, vitalícia, o Prof. Salmeron se afastou para participar da fundação da Universidade de Brasília. Deixou a UnB para voltar ao CERN, antes de ir para Paris, devido à intervenção que houve naquela universidade. O primeiro grupo brasileiro a trabalhar no CERN veio do sob a liderança da Profa. Ana Maria Endler. Essa interação vem se intensificando com o passar dos anos e hoje em dia todos os experimentos do LHC contam com a participação de pesquisadores brasileiros. Do ponto de vista institucional, o primeiro acordo de cooperação entre o CERN e o Brasil foi assinado quando Carlo Rubbia era Diretor-Geral do CERN e Crodovaldo Pavan era Presidente do CNPq. Também se deve assinalar a importante contribuição do CERN para a construção do Laboratório Nacional de Luz Síncrotron (LNLS). Além dos grupos experimentais, durante muitos anos, os teóricos brasileiros têm se beneficiado do acordo com o CERN para estágios de pesquisa. Neste momento, uma nova era se inicia para o CERN e para a Física de Altas Energias com a entrada em operação do Large Hadron Collider (LHC). Ele colidirá prótons contra prótons à energia de 14 TeV e nele serão realizados quatro experimentos, cada um com seu detector por eles projetado e construído. Desses quatro experimentos, dois deles têm propósito geral e capacidade de investigar todo e qualquer aspecto da Física envolvida nessas reações: o Atlas (A Toroidal LHC ApparatuS) e o CMS (Compact Muon Solenoid). Os demais experimentos têm um foco de investigação específico: o LHCb (LHC beauty) visa estudar a física do quark bottom (ou beauty), com o intuito de fazer medidas precisas da violação de CP e estudar decaimentos raros, enquanto o Alice (A Large Ion Collider Experiment) tem o objetivo de analisar colisões envolvendo íons pesados, visando o estudo do plasma de quarks e glúons. 4

5 II. Participação Brasileira no LHC Alice Introdução Desde 1995, um grupo da Universidade de São Paulo participa da colaboração Star, um dos experimentos do acelerador RHIC. Este experimento é formado por mais de 500 colaboradores de 50 instituições em 10 países. e A principal contribuição do grupo da USP neste projeto foi prover recursos humanos, com um considerável investimento das agências financiadoras brasileiras em bolsas de estudo. Este grupo deu origem ao grupo, que agora faz parte do experimento ALICE, no LHC. Constituição do Grupo Pesquisadores Alejandro Szanto de Toledo Marcelo Gameiro Munhoz Alexandre Alarcon do Passo Suaide Jun Takahashi Pós-doutorandos Alberto Lozea Feijó Soares Mauro Cosentino Gopika Sood Bernardo Mattos Tavares Gustavo Valdiviesso Estudantes de Doutorado Marcel Araujo Silva Figueredo Gabriel Oliveira Valeriano de Barros David Dobrigkeit Chinellato USP USP USP Unicamp USP USP USP Unicamp Unicamp USP USP Unicamp Projetos em Andamento Este grupo de pesquisa tem ampla experiência em projetos de montagem e operação de calorímetros em experimentos de íons pesados relativísticos, adquirida na experiência E864 do AGS e no experimento Star do RHIC. O projeto do EMCal do Alice é liderado pelo Prof. Thomas Cormier, da Wayne State University, EUA, colaborador do grupo há muitos anos. A construção desse detector já está em avançado estágio de implantação e, portanto, a contribuição brasileira será no desenvolvimento de softwares de serviço, necessários para o controle, monitoramento e calibração do detector. O grupo deverá providenciar a criação de um centro de processamento do Alice na Universidade de São Paulo utilizando a arquitetura Grid. Com recursos concedidos pela Fapesp, um cluster de computadores já foi adquirido e conta com 104 processadores com 1 Gb de memória RAM por processador e 30 TB de espaço de armazenamento. Formalização da Participação Brasileira A assinatura do Memorandum of Understanding é obrigatória para a oficialização do grupo no experimento. 5

6 Previsão Orçamentária para Manutenção e Operação (M&O) Os custos cotidianos de um experimento em Física de Altas Energias são cobertos pela dotação orçamentária conhecida como Maintenance & Operations (M&O). Nela estão incluídos os custos de manutenção e operações do experimento que envolvem os gastos com os detectores (magnetos, criogenia, hidráulica, vácuo, controle), comunicações (telefonia, videoconferência), computação (processamento online, software, suporte ao usuário, armazenamento de dados), testes e calibração do feixe, serviços gerais (secretaria, engenharia, transporte pesado, survey), eletricidade etc. Esses custos são compartilhados entre todos os países que compõem a colaboração e são divididos proporcionalmente aos pesquisadores doutores ativos. Não são incluídos nessa partilha estudantes, técnicos ou engenheiros Número previsto de pesquisadores: 6 Estimativa do M&O / pesquisador: CHF ,00 Total R$ Número previsto de pesquisadores: 9 Estimativa do M&O / pesquisador: CHF ,00 Total R$ Projetos Futuros Para efetivamente contribuir com processamento de dados do experimento Alice, é necessária a expansão da infra-estrutura computacional do grupo, aumentando a capacidade de processamento do cluster, que conta, atualmente, com 104 processadores. A duplicação da capacidade de processamento do cluster seria um grande passo em direção a uma participação efetiva em termos computacionais no experimento Alice. Para isso, seria necessária a compra de 26 nós de processamento, incluindo no-breaks, racks, switches de rede, cabos etc. Estima-se um valor de US$ ,00 para os nós de processamento e respectivos acessórios. 6

7 Atlas Introdução A colaboração científica entre a equipe da e o CERN é realizada desde 1988, portanto há mais de 20 anos. Neste projeto são realizadas atividades nas áreas de Física, Engenharia Eletrônica e Informática, envolvendo professores, pesquisadores e alunos, além de contar com a participação da indústria nacional e de outras instituições de pesquisa do país. Nossas atividades envolvem especificamente o Instituto de Física, a COPPE e a Escola Politécnica da. Ao longo desses 20 anos de colaboração com o CERN, a equipe conquistou um espaço significativo nas áreas de Física, Eletrônica e Computação, e tem, hoje, no Atlas responsabilidade por um conjunto significativo de atividades. Ex-alunos, formados pelo projeto, estão hoje em diversas Instituições (Universidades Federais, Cefet s, Faetec s, Embraer, Petrobrás, CNEN,, pós-doutorado no exterior etc.) Constituição do Grupo Pesquisadores Fernando Marroquim Leão de Almeida Junior José Manoel Seixas Carmen Lodi Maidantchik Maria Aline Barros do Vale Luiz Pereira Caloba Augusto Santiago Cerqueira Pós-doutorandos Andre Asevedo Nepomuceno Bernhard Meirose Paulo Vitor Magacho da Silva Estudantes de Doutorado Danilo Lima de Souza Eduardo Furtado de Simas Filho Luciano Manhães de Andrade Filho Marcelo Perantoni Rodrigo Coura Torres Estudantes de Mestrado Fernando Xavier Thiago Ciodaro Xavier Engenheiros e Técnicos Elis Cesar Rodrigues Chagas Jorge Luiz Carvalho Magalhaes Waldyr da Silva Leite UFSJ UFJF UFJF UFJF Projetos em Andamento Os projetos em andamento tem contribuições ligadas à Física propriamente dita e contribuições em eletrônica e software, como a avaliação da capacidade do detector Atlas de reconhecer as possíveis novas partículas previstas por várias extensões estudadas do Modelo Padrão, através de simulações completas do detector e reconstrução dos eventos. O detector do Atlas é bastante adequado para estudar determinados aspectos da formação do Quark-Glúon Plasma (QGP) pela detecção de múons e jatos de hádrons devido a sua calorimetria hadrônica, segmentada 7

8 longitudinalmente. São procuradas assinaturas que possam ressaltar a formação do QGP. O grupo tem se dedicado a dar suporte nas atividades do Tilecal (Tile Calorimeter Detector Unit) na sua integração com o trigger, na detecção de raios cósmicos e nos subsistemas de controle e calibração. Desenvolveram estimadores neurais para a medição de energia, incluindo a informação combinada eletromagnética e hadrônica. O grupo tem também trabalhado no sistema de acionamento (trigger) do Atlas, tendo desenvolvido o sistema neuralringer do segundo nível e do trigger do sinal de múons fornecido pelo circuito somador do Tilecal. A participação em software envolve a manutenção e extensão do sistema Glance para recuperação de dados e modelagem dos repositórios onde os registros se encontram. Esse sistema é utilizado em diversas aplicações, tais como: sistemas de controle do detector, de segurança, de rastreamento de equipamentos e de monitoramento. Trabalharam também com aplicações computacionais para o Tilecal, através dos sistemas de apoio aos testes do Tile e de análise e monitoração dos dados não-físicos. O sistema somador ativo que forma o sinal de torre de trigger do Tilecal foi confeccionado e testado por indústria brasileira, a partir do projeto desenvolvido pela. Adicionalmente, os sistemas remotos de armazenamento, análise e recuperação da informação do Tilecal vêm tendo participação da indústria de cabos de sinais, com a qual fazem a transferência de tecnologia. Membros da equipe têm desenvolvido aplicações em medicina combinando técnicas de pré-processamento inteligente desenvolvidas originariamente para os sistemas de trigger do Atlas. Também foram desenvolvidas aplicações em Engenharia, com resultados bem-sucedidos em processamento de sinais de sonar passivo, qualidade de energia elétrica, processamento de sinais de descargas parciais em sistemas de potência, qualidade de dados e engenharia nuclear. Uma decorrência da participação do grupo no CERN é a implementação do projeto Dracon (Detecção de Raios Cósmicos usando Técnicas de Radar), que visa a implementação de estações de aquisição em diversas escolas de ensino médio no Rio de Janeiro e que conta com o apoio da Faperj. Formalização da Participação Brasileira É urgente a regularização do grupo no ATLAS, através da assinatura do MOU específico. O Brasil encontra-se atrasado mesmo quando comparado com países com ingresso posterior na colaboração, como Argentina, Chile e Colômbia. Previsão Orçamentária para Manutenção e Operação (M&O) 2009 Número previsto de pesquisadores: 10 Estimativa do M&O / pesquisador: CHF 7.000,00 Total R$ , Número previsto de pesquisadores: 12 Estimativa do M&O / pesquisador: CHF 8.000,00 Total R$ ,00 8

9 Projetos Futuros O grupo dará continuidade aos projetos em andamento na colaboração Atlas. Em Física, fará a simulação de eventos, calibração de Monte Carlo e análise de dados de íons pesados. Continuará a trabalhar na eletrônica de diversos sistemas relacionados ao detector Tilecal. Em termos de software, manterá a participação no sistema Glance, contribuindo para sua integração, manutenção e aprimoramento. Dará também continuidade ao desenvolvimento do sistema Atlas Operation Pages, que oferece, através da Web, uma visão geral do estado da operação do Atlas, incluindo informações sobre sua infra-estrutura e serviços (cryogenics, gas, cooling etc). Para o desenvolvimento e confecção de protótipos para upgrade do Tilecal e sistema de trigger do Atlas será necessária uma verba de aproximadamente R$ ,00. A indústria nacional participará na confecção de protótipos e na produção, montagem e testes do circuito receptor do sinal de múons para o sistema de trigger do Atlas e das atividades de upgrade, além de participar das atividades de desenvolvimento de engenharia de software do projeto. Para a compra de componentes, confecção de placas de circuito impresso, montagem e testes de protótipos e início de produção do circuito receptor do sinal de múons para o trigger de primeiro nível deverão contar com aproximadamente R$ ,00. 9

10 CMS Introdução O grupo do CMS participou, anteriormente, de experimentos de alvo fixo estudando a foto-produção do quark charm. Em seguida, colaboraram no desenvolvimento do software e hardware do projeto de um supercomputador paralelo (ACP). Em 1989, engajou-se no experimento DØ atuando no desenho, construção, implementação e manutenção da eletrônica dos detectores de múons, nos detectores de pixels para o registro dos traços das partículas, na eletrônica de várias partes do detector, no desenvolvimento do software e na medição da seção de choque de produção do quark bottom. A partir de 1999 o primeiro grupo paulista passou a participar deste experimento, com a entrada da Unesp na colaboração. Iniciou-se então o projeto do Forward Particle Detector (FPD), cujos Roman Pots foram quase que inteiramente construídos no Brasil, em uma colaboração estreita com o LNLS. Constituição do Grupo Pesquisadores Alberto Santoro Andre Sznajder Vitor Oguri Carley de Oliveira Martins Wagner Carvalho Andre Massafferri Luiz Mundim Moacyr Souza Gilvan Alves Maria Elena Pol Sérgio F. Novaes Eduardo de M. Gregores Pós-doutorandos Marco André F. Dias Sérgio M. Lietti Pedro G. Mercadante Estudantes de Doutorado Dílson de Jesus Damião Sandro Fonseca de Souza Sheila Mara Silva do Amaral Marco Pacheco Thiago Tomei Estudantes de Mestrado Eliza da Costa Felipe Torres da Silva de Araujo Diego Figueiredo Luana Soares Jorge Jordan Martins Engenheiros e Técnicos Eduardo Revoredo Patrícia Sampaio Bittencourt José Afonso Lajas Sanches João Gonçalves de A. Rodrigues Samir Cury Alessandro Zachi Jesse Werner Costa UNESP UFABC UNESP UNESP UNESP UNESP CEFET CEFET 10

11 Andre Breitinger Fabiana Rodrigues Fortes Rogério Luiz Iope CEFET CEFET UNESP Projetos em Andamento Atualmente o grupo possui dois grandes projetos em andamento. Um deles envolve o processamento, armazenamento e análise de dados do LHC através da participação no LHC Computing Grid, com duas unidades em funcionamento, uma no Rio de Janeiro () e outra em São Paulo (SPRACE). Este é um projeto que vem dando ótimos resultados, com as Tier-2 (centros de armazenamento e processamento de nível 2) brasileiras operando em conjunto com a estrutura americana. Vale ressaltar que o projeto depende do financiamento continuado para implantar os sucessivos upgrades da infra-estrutura de processamento e armazenamento requeridos pela colaboração. O segundo projeto envolve a chamada Forward Physics, uma colaboração paralela dentro do CMS com os grupos da Itália, da Finlândia e da Bélgica. O projeto ainda está em fase de análise e tem por finalidade participar na construção do detector Castor para a observação de Física de baixos ângulos. Atualmente prepara-se a discussão para o upgrade do CMS, onde há potencial para envolver a indústria brasileira. O financiamento estável, e compatível com nossas possibilidades, irá viabilizar este projeto. Em termos de análise física, o grupo tem trabalhado em dois temas principais: física difrativa, associada ao detector de Forward Physics, e física além do Modelo Padrão, onde tem se examinado a produção múltipla de bósons vetoriais e investigado a possível existência de dimensões extras. Formalização da Participação Brasileira Até o começo desta década, o grupo brasileiro que vem participando do CMS estava totalmente comprometido com o Experimento DØ do Fermilab. Por essa razão, somente a partir de 2001 esse grupo passou a fazer parte efetiva da colaboração do CERN. A principal contribuição financeira brasileira para o experimento CMS tem sido no provimento de capacidade de processamento e armazenamento de dados através da implantação e operação de duas Tiers-2, centros de computação associados à estrutura global de processamento em grid do Large Hadron Collider. Essas estruturas computacionais HEPGrid () e SPRACE (UNESP) puderam ser implantadas graças aos financiamentos obtidos na Finep, FAPERJ, CNPq e FAPESP e ao grande esforço dos grupos brasileiros. Há um passo importante para que o HEPGrid e o SPRACE sejam considerados formalmente como parte do WLCG, que é a assinatura do Memorando de Entendimento (Memorandum of Understanding MoU) referente ao Worldwide LHC Computing Grid (WLCG) pela agência de fomento brasileira (CNPq) e o CERN. Esse MoU fazia parte do apêndice do Acordo de Cooperação que foi recentemente assinado entre o CNPq e o CERN. No entanto, esse apêndice foi excluído na versão final do Acordo. A assinatura deste Acordo dará visibilidade ao grande investimento, em termos de recursos humanos e equipamentos, já realizado pelo Brasil (ver a carta anexa, com a recomendação do CTC da RENAFAE, neste sentido). Previsão Orçamentária para Manutenção e Operação (M&O) O grupo brasileiro participa atualmente com 9 pesquisadores pagando M&O, assim divididos: 4 pesquisadores da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 3 pesquisadores do Centro Brasileiro de Pesquisas Fisicas e 2 pesquisadores do São Paulo 11

12 Regional Analysis Center (SPRACE UNESP e UFABC), cabendo ao Brasil 0,7% do orçamento da colaboração. A estimativa de gastos do M&O do grupo do CMS para os próximos 2 anos é: 2009 Número previsto de pesquisadores: : 7 + UNESP: 4 + : Número previsto de pesquisadores: : 10 + UNESP: 5 + : 3 Estimativa do M&O / pesquisador: CHF ,00 Total R$ Estimativa do M&O / pesquisador: CHF ,00 Total R$ Além dos gastos relativos ao pagamento do M&O, o Brasil ainda deve a contribuição quotizada correspondente ao ajuste dos gastos com a finalização da construção, instalação e testes do CMS 1. Esse dispêndio engloba nossa parcela dos gastos com o sistema de aquisição de dados (CHF ,00), que deve ser paga ainda no ano de 2008, e com a finalização do detector (CHF ,00), que deverá ser pago em 2009, perfazendo um total de CHF ,00 (R$ ,00). Essa contribuição representa 0,7% do custo total dessas despesas da colaboração, avaliada em CHF ,00 (aproximadamente R$ ,00). Projetos Futuros Para o ano de 2009 o grupo propõe participar da construção dos detectores de Forward Physics, e vem estudando a possibilidade de participar do upgrade, gerando uma nova oportunidade para projetos ligados à indústria, conforme mencionado acima. Além disso, com a produção dos primeiros dados, o grupo deverá dedicar-se à análise física associada à física difrativa e à física além do Modelo Padrão. 1 Status of CMS: Progress Summary Report for April 2008, CERN-RRB

13 LHCb Introdução A participação brasileira no LHCb envolve pesquisadores de três instituições do Rio de Janeiro,, PUC-Rio e, que procuram atuar de forma coordenada, desenvolvendo projetos de interesse comum. O grupo do Laboratório de Física de Partículas Elementares da (LAPE) atua em colaborações internacionais no CERN desde 1993, quando ingressou na colaboração Delphi. Em 1998 o grupo ingressou na colaboração LHCb, após convite feito pela coordenação do projeto e da realização de um workshop na Academia Brasileira de Ciências. O Grupo de Sabores Pesados do participa em colaborações internacionais de Física de Altas Energias desde Inicialmente atuou no Fermilab, nas colaborações E791 e Focus, e em 2001 ingressou na colaboração LHCb. O grupo também tem atividades na área de Fenomenologia de Partículas. A PUC-Rio participa na colaboração LHCb desde Os pesquisadores que compõem o grupo brasileiro que atualmente participam no LHCb já orientaram 16 teses de doutorado e 13 de mestrado. Constituição do Grupo Pesquisadores Alberto Reis Arthur Maciel Carla Gobel B. de Mello Érica R Polycarpo Ignácio Bediaga Javier Magnin José Helder Lopes Jussara M. de Miranda Leandro S. de Paula Miriam M Gandelman Sandra F Amato Pós-doutorandos Bruno S de Paula Edgar Rodan Juan M Otalora Goicochea Estudantes de Doutorado Álvaro G. dos Santos Neto Antonio A. Alves Junior Fernando L. F. Rodrigues Gabriel Gerrer Estudantes de Mestrado Alexandre Toledo Christian F Mejia Guaman Engenheiros e Técnicos Renato Santana PUC-Rio PUC-Rio Projetos em Andamento O grupo brasileiro participou ativamente em projetos de desenvolvimento de hardware, de software e de estudos para determinar a sensibilidade do LHCb, entre eles: estação de testes para câmaras de múons do LHCb; desenho do chip CARIOCA, usado na sua eletrônica de front-end; estabelecimento de procedimento para realizar o controle de qualidade desses componentes; desenvolvimento de ferramentas de 13

14 análise; estudos de viabilidade de medidas a serem realizados pelo detector, que foram de grande importância para a aprovação dos Technical Design Reports do experimento. Quase todos os projetos do grupo têm um ponto em comum: a detecção de múons no LHCb. Ao ingressar na colaboração em 1998, o grupo optou por atuar no sistema de múons do experimento pela sua experiência com esse tipo de detector e por ser um tipo de atividade que era compatível com as condições materiais do grupo. Posteriormente procuraram desenvolver atividades que tivessem alguma ligação com o projeto inicial, criando competências específicas e tendo visibilidade no seio da colaboração. Há vários projetos em andamento no LHCb que envolvem pesquisadores brasileiros, como, por exemplo, o desenvolvimento e implantacão de um sistema de monitoração da temperatura das câmaras multifilares que fazem parte do Sistema de Múons do LHCb. É um projeto de inteira responsabilidade do grupo brasileiro e que inclui a responsabilidade por sua operação durante a tomada de dados. Trabalharam também no software do sistema online, desenvolvendo ferramentas para a monitoração do trigger e instalando o software do trigger no cluster de computadores que fará a tomada de dados (online). Participaram também da elaboração do software de otimização do trigger; implantação e manutenção do algoritmo do trigger de múons e trigger hadrônico. Desde 2000 são responsáveis pelo desenvolvimento, implementação, teste e aprimoramento dos algoritmos de identificação de múons no LHCb. Usando computadores da, contribuíram para o desenvolvimento de um sistema da computação distribuída que está sendo usado na geração de eventos simulados para a colaboração. Recentemente um cluster de computadores do passou a operar no sistema LHC Computing Grid (LCG). Esse cluster possui 170 processadores e deverá ter sua capacidade dobrada até o final do ano, fazendo com que o grupo brasileiro contribua de forma significativa para a geração de eventos simulados do LHCb. O grupo contribuirá para a tomada de dados do LHCb com a realização de plantões na sala de controle do experimento, atuando como shift leader ou no controle de qualidade dos dados; controle das medidas de temperatura das câmaras de múons e realização de plantões como especialistas do trigger. O grupo brasileiro participou de muitos estudos de viabilidade de análise dos dados que foram realizados com o intuito de demonstrar a capacidade desse detector. A investigação da violação de CP foi a principal motivação para construção do LHCb. Atuarão na obtenção de parâmetros que descrevem a violação de CP, como previsto pelo Modelo Padrão. Além disso, estudarão a sensibilidade do LHCb para alguns fenômenos raros, ainda não observados, tais como o decaimento muônico do méson Bs ou o decaimento do b em dois léptons e estranheza. Também pretendem investigar modelo proposto por fenomenólogos brasileiros, que prevê a produção de uma partícula supersimétrica. Finalmente, pretendem investigar as oscilações de mésons charmosos no LHCb. Formalização da Participação Brasileira A participação de uma instituição na colaboração LHCb é formalizada pela assinatura de Memorandos de Entendimentos (MoU Memorandum of Understanding), onde cada grupo define qual será sua contribuição para a colaboração. Há vários MoU previstos, um para cada fase da colaboração. Assim como houve um relativo à construção do detector, em breve haverá um sobre o seu aperfeiçoamento (upgrade). 14

15 Como os órgãos de financiamento brasileiros têm arcado com custos de viagens dos pesquisadores, assim como as taxas de manutenção e operação, a assinatura desse documento é o único ponto pendente para que a participação de pesquisadores brasileiros esteja formalizada. Previsão Orçamentária para Manutenção e Operação (M&O) A previsão orçamentária para 2009 está sendo feita e será apresentada formalmente às agências de fomento dos países envolvidos na colaboração LHCb na próxima reunião do Resource Review Board (RRB) em novembro. Abaixo é apresentada uma previsão ainda não consolidada Número previsto de pesquisadores: 13 Estimativa do M&O / pesquisador: CHF 8.500,00 Total R$ , Número previsto de pesquisadores: 15 Estimativa do M&O / pesquisador: CHF 8.500,00 Total R$ ,00 Projetos Futuros Com o início de operação do acelerador, as atividades de desenvolvimento de hardware e software descritos anteriormente deverão se tornar gradualmente menos intensas. Aumentarão as atividades ligadas à tomada e às análises de dados. O esforço de geração de eventos simulados será enorme, pois sem ele não será possível levar a cabo os estudos propostos. Um grande investimento deverá ser feito nessa direção para aumentar a capacidade de cálculo dos computadores ligados ao grid. O orçamento estimado para isso é de R$ ,00. A partir de 2012 ou 2013, o LHC deverá aumentar a sua luminosidade. Isso causará problemas para alguns detectores e componentes eletrônicos, que deverão ser substituídos. Nesse sentido já estão sendo discutidos projetos de upgrade do LHCb e o grupo deverá participar desse esforço, contribuindo para a nova eletrônica, que deverá requerer um orçamento de aproximadamente R$ ,00. 15

16 III. Resumo Financeiro Gastos com M&O Resumimos abaixo os gastos com M&O dos quatro experimentos para os anos de 2009 e 2010: 2009 Alice R$ ,00 Atlas R$ ,00 CMS R$ ,00 LHCb R$ , Total R$ Alice R$ ,00 Atlas R$ ,00 CMS R$ ,00 LHCb R$ ,00 Total R$ Gastos com Custeio: Diárias e Passagens A presença constante on site é de importância fundamental para a efetiva participação dos grupos brasileiros nos experimentos do CERN. Estima-se a necessidade de verba de custeio para cobrir as viagens ao CERN: 2009 Alice 12 R$ ,00 Atlas 20 R$ ,00 CMS 28 R$ ,00 LHCb 26 R$ ,00 Total R$ Alice 18 R$ ,00 Atlas 24 R$ ,00 CMS 36 R$ ,00 LHCb 30 R$ ,00 Total R$

17 Estimativa de Gastos de Capital Segue abaixo uma estimativa dos gastos com equipamentos para os próximos dois anos: 2009 e 2010 Alice Nós de processamento para grid R$ ,00 Atlas Equipamentos R$ ,00 CMS Manutenção das duas Tier-2 R$ ,00 LHCb Nós de processamento para grid R$ ,00 Total R$ ,00 17

Aumento da Capacidade de Armazenamento do SPRACE

Aumento da Capacidade de Armazenamento do SPRACE Julho 2010 Aumento da Capacidade de Armazenamento do SPRACE São Paulo Regional Analysis Center Sergio Ferraz Novaes Sumário I. IDENTIFICAÇÃO DA PROPOSTA... 3 II. QUALIFICAÇÃO DO PROBLEMA... 3 III. OBJETIVOS

Leia mais

Lista de Atividades Realizadas dos Autores do ATLAS (Dezembro/2011 a Novembro/2012)

Lista de Atividades Realizadas dos Autores do ATLAS (Dezembro/2011 a Novembro/2012) Lista de Atividades Realizadas dos Autores do ATLAS (Dezembro/2011 a Novembro/2012) 1. Andre Asevedo Nepomuceno (UFF) Membro do grupo de física exótica do ATLAS, em particular na busca de novas ressonâncias

Leia mais

Lista de Atividades dos Autores do ATLAS

Lista de Atividades dos Autores do ATLAS Lista de Atividades dos Autores do ATLAS 1. Andre Asevedo Nepomuceno (UFF) Membro do grupo de física exótica do ATLAS, em particular na busca de novas ressonâncias que decaem em um par de elétrons ou muons.

Leia mais

VISITA DE ESTUDO AO CERN (Centro Europeu de Pesquisa Nuclear)

VISITA DE ESTUDO AO CERN (Centro Europeu de Pesquisa Nuclear) 402874 ESCOLA S/3 S. PEDRO VILA REAL VISITA DE ESTUDO AO CERN (Centro Europeu de Pesquisa Nuclear) 22 DE NOVEMBRO A 25 DE NOVEMBRO DE 2014 OBJETIVOS GERAIS DA VISITA O QUE É O CERN? POR QUE PRECISAMOS

Leia mais

Operações do SPRACE: DØD

Operações do SPRACE: DØD Operações do SPRACE: DØD Sergio M. Lietti I Workshop do SPRACE Sumário O Experimento DØ O Cluster SPRACE suas três fases Operações para o DØ durante a primeira fase Simulação de MC (mcfarm) Operações para

Leia mais

Programas de Professores no CERN inspiram a próxima geração de cientistas

Programas de Professores no CERN inspiram a próxima geração de cientistas Programas de Professores no CERN inspiram a próxima geração de cientistas Profª. Mainara Biazati Gouveia SEDUC/ MT Profº. Wanderson Breder CEFET/ NF/RJ Centro Europeu de Investigação Nuclear Seleção Objetivo

Leia mais

aceleradores e detectores na física de partículas elementares

aceleradores e detectores na física de partículas elementares aceleradores e detectores na física de partículas elementares joão carvalho LIP e departamento de física da universidade de coimbra S. Tomé 05 de setembro de 2009 1 estudar as partículas produzir feixes

Leia mais

ATA DO WORKSHOP E REUNIÃO DO CTC. 07 e 08 de Dezembro de 2011. RENAFAE Rede Nacional de Física de Altas Energias

ATA DO WORKSHOP E REUNIÃO DO CTC. 07 e 08 de Dezembro de 2011. RENAFAE Rede Nacional de Física de Altas Energias ATA DO WORKSHOP E REUNIÃO DO CTC 07 e 08 de Dezembro de 2011 RENAFAE Rede Nacional de Física de Altas Energias O Presidente da RENAFAE, Prof. Ricardo Galvão convocou o Workshop para todos os membros da

Leia mais

Uma Breve Introdução à Física de Partículas O DEE-UFBA na Colaboração do Detector ATLAS do LHC

Uma Breve Introdução à Física de Partículas O DEE-UFBA na Colaboração do Detector ATLAS do LHC no do do no Uma Breve à Física de Partículas O na Colaboração do Detector do LHC Prof. (eduardo.simas@ufba.br) Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Universidade Federal da Bahia Colaboração

Leia mais

Aceleradores e Detectores

Aceleradores e Detectores Aceleradores e Detectores São Paulo Regional Analysis Center Como explorar o mundo sub-atômico? 1910 Rutherford α... 1995 Tevatron, Fermilab 2008 LHC, CERN 2012 ILC,?... 2 Por que altas energias? de Broglie:

Leia mais

Estudo do grande colisor de hádrons

Estudo do grande colisor de hádrons Estudo do grande colisor de hádrons Felipe BERNARDO MARTINS 1 ; Mayler MARTINS 2 1 Estudante do Curso Técnico em Manutenção Automotiva. Instituto Federal Minas Gerais (IFMG) campus Bambuí. Rod. Bambuí/Medeiros

Leia mais

em grid como ferramenta essencial na investigação da estrutura do universo

em grid como ferramenta essencial na investigação da estrutura do universo Computação em grid como ferramenta essencial na investigação da estrutura do universo Alexandre Suaide Marcelo Gameiro Munhoz 19 dossiê Computação em nuvem RESUMO Movidos pela curiosidade e a necessidade

Leia mais

23-27 novembro de 2009 Alberto Santoro 1

23-27 novembro de 2009 Alberto Santoro 1 23-27 novembro de 2009 Alberto Santoro 1 Feira Internacional da Amazonia Manaus Amazonas 23 27 de novembro de 2009 Roteiro Alberto Santoro UERJ 23-27 novembro de 2009 Alberto Santoro 2 A Energia é por

Leia mais

Participação Brasileira no Experimento ALICE do LHC USP-UNICAMP

Participação Brasileira no Experimento ALICE do LHC USP-UNICAMP Participação Brasileira no Experimento ALICE do LHC USP-UNICAMP O Experimento ALICE do LHC Experimento do LHC dedicado ao estudo de colisões entre íons pesados relativísticos Detector: Total weight: 10,000

Leia mais

A Antimateria e outros Misterios Estudados no Experimento ATLAS

A Antimateria e outros Misterios Estudados no Experimento ATLAS A Antimateria e outros Misterios Estudados no Experimento ATLAS Antimatéria e outros mistérios : da fantasia à realidade... O Experimento ATLAS no Grande Colisor de Hádrons (Large Hadron Collider LHC)

Leia mais

Uma discussão presente de modo

Uma discussão presente de modo Uma discussão presente de modo bastante atual na área de ensino de física está relacionada à importância da inserção de temas mais atuais de física nas aulas dessa disciplina no Ensino Médio [1,2]. Nesse

Leia mais

O Experimento CMS Parte 2/2

O Experimento CMS Parte 2/2 O Experimento CMS Parte 2/2 Thiago Tomei 29/03/2007 7/5/2007 Thiago Tomei 1 Sumário Parte 1: O Experimento CMS Large Hadron Collider LHC Compact Muon Solenoid CMS Estrutura de Hardware do CMS: Detector

Leia mais

CMS RENAFAE 21/6/2010!

CMS RENAFAE 21/6/2010! CMS RENAFAE 21/6/2010! 2010! 8 com M&O! Alberto Santoro! André Sznajder! Carley Martins! Helio Nogima! Luiz Mundim! Vitor Oguri! Wanda Prado! Wagner Carvalho! 16 sem M&O! Eduardo Revoredo! José Afonso!

Leia mais

A Teoria de Cordas e a Unificação das Forças da Natureza p. 1/29

A Teoria de Cordas e a Unificação das Forças da Natureza p. 1/29 A Teoria de Cordas e a Unificação das Forças da Natureza Victor O. Rivelles Instituto de Física Universidade de São Paulo rivelles@fma.if.usp.br http://www.fma.if.usp.br/ rivelles/ Simpósio Nacional de

Leia mais

Ponto de encontro. Quase 10 mil pesquisadores, entre eles 68 brasileiros, fazem os ajustes finais no maior acelerador de partículas do mundo

Ponto de encontro. Quase 10 mil pesquisadores, entre eles 68 brasileiros, fazem os ajustes finais no maior acelerador de partículas do mundo http://www.revistapesquisa.fapesp.br/?art=3513&bd=1&pg=1&lg= Página 1 de 3 Ponto de encontro Quase 10 mil pesquisadores, entre eles 68 brasileiros, fazem os ajustes finais no maior acelerador de partículas

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS MARIA THEREZA E PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRA GRADUAÇÃO SANDUÍCHE

FACULDADES INTEGRADAS MARIA THEREZA E PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRA GRADUAÇÃO SANDUÍCHE FACULDADES INTEGRADAS MARIA THEREZA E PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRA GRADUAÇÃO SANDUÍCHE O PROGRAMA: Ciência sem Fronteiras é um programa que busca promover a consolidação, expansão e internacionalização

Leia mais

Alberto Santoro. LNCC - 13 de Setembro de 2000. Alberto Santoro. Lafex/CBPF 2000

Alberto Santoro. LNCC - 13 de Setembro de 2000. Alberto Santoro. Lafex/CBPF 2000 Lafex/CBPF 2000 LNCC - 13 de Setembro de 2000 1 Ciência & Tecnologia Roteiro: I II - INTRODUÇÃO Modelos - Visão Global - CIÊNCIA E TECNOLOGIA Um Casamento Estratégico III - EXEMPLOS DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Leia mais

Almir G. Santos. Sandro S. Fernandes

Almir G. Santos. Sandro S. Fernandes Almir G. Santos Sandro S. Fernandes 1 Escola de Física do CERN 2012: seleção e experiências Almir e Sandro no túnel do LHC do Microcosm do CERN Apoio 2 ÍNDICE PROCESSO SELETIVO PROFESSORES SELECIONADOS

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE PESQUISAS FÍSICAS Missão, Relevância Científica e Tecnológica

CENTRO BRASILEIRO DE PESQUISAS FÍSICAS Missão, Relevância Científica e Tecnológica CENTRO BRASILEIRO DE PESQUISAS FÍSICAS Missão, Relevância Científica e Tecnológica Missão Institucional: O CBPF tem como missão institucional realizar pesquisas científicas em Física e suas aplicações,

Leia mais

CENAPAD-SP 15 ANOS APOIANDO A PESQUISA NACIONAL

CENAPAD-SP 15 ANOS APOIANDO A PESQUISA NACIONAL CENAPAD-SP 15 ANOS APOIANDO A PESQUISA NACIONAL Edison Z. da Silva Centro Nacional de Processamento de Alto Desempenho em São Paulo CENAPAD-SP, UNICAMP Computação de alto desempenho, a missão do CENAPAD-SP,

Leia mais

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO Ambiente de Inovação em Saúde EVENTO BRITCHAM LUIZ ARNALDO SZUTAN Diretor do Curso de Medicina Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo SOCIEDADES CONHECIMENTO

Leia mais

Automação de Bancada Pneumática

Automação de Bancada Pneumática Instituto Federal Sul-rio-grandense Campus Pelotas - Curso de Engenharia Elétrica Automação de Bancada Pneumática Disciplina: Projeto Integrador III Professor: Renato Allemand Equipe: Vinicius Obadowski,

Leia mais

Computação no Alice e grid. Alexandre Suaide IF-USP

Computação no Alice e grid. Alexandre Suaide IF-USP Computação no Alice e grid Alexandre Suaide IF-USP 1 Resumo Alguns números importantes Requerimentos (dados e simulações) Processamente Armazenamento Estrutura computacional GRID Nossas necessidades 2

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC.

RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC. RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC.) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO Chamada Pública Universal

Leia mais

um experimento dedicado a estudar a composição de partículas primárias de raios cósmicos e interações hadrônicas de altas energias.

um experimento dedicado a estudar a composição de partículas primárias de raios cósmicos e interações hadrônicas de altas energias. Uma análise sobre diferentes parametrizações da atmosfera em simulações de chuveiros atmosféricos extensos de raios cósmicos Stefano Castro TOGNINI; Ricardo Avelino GOMES Instituto de Física Universidade

Leia mais

Planejamento para Implantação do GridUnesp. II Workshop GridUnesp Outubro de 2006

Planejamento para Implantação do GridUnesp. II Workshop GridUnesp Outubro de 2006 Planejamento para Implantação do GridUnesp II Workshop GridUnesp Outubro de 2006 2 Roteiro O que é Grid Porque Grid? Conceitos gerais. Componentes de um Grid. Exemplo: o SPRACE (São Paulo Regional Analysis

Leia mais

O Large Hadron Collider e a Física de Partículas Elementares. Rogério Rosenfeld Instituto de Física Teórica UNESP

O Large Hadron Collider e a Física de Partículas Elementares. Rogério Rosenfeld Instituto de Física Teórica UNESP O Large Hadron Collider e a Física de Partículas Elementares Rogério Rosenfeld Instituto de Física Teórica UNESP www.ift.unesp.br Escola Móbile - 13/05/2010 Tópicos da palestra: O que é o LHC? Como funciona

Leia mais

Ricardo Avelino Gomes 1

Ricardo Avelino Gomes 1 artigos Olhando o céu do fundo de um poço Ricardo Avelino Gomes 1 No início havia um múon que atravessou toda a atmosfera e chegou na superfície da Terra. Na viagem, desafiou e desdenhou a mecânica de

Leia mais

O LIP faz 25 anos! Sofia Andringa e Catarina Espírito Santo

O LIP faz 25 anos! Sofia Andringa e Catarina Espírito Santo artigo geral O LIP faz 25 anos! Sofia Andringa e Catarina Espírito Santo Resumo No ano em que o Laboratório de Instrumentação e Física Experimental de Partículas celebra 25 anos de existência, pretende-se

Leia mais

Detectores de Partículas: Tiago dos Anjos

Detectores de Partículas: Tiago dos Anjos Detectores de Partículas: Uma Introdução ao CMS Tiago dos Anjos Sumário Aceleradores Circulares LHC O Detector CMS - Sistema de Trajetórias - Sistema de Múons - Calorímetro Eletromagnético - Calorímetro

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG)

PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG) PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG) MONTES CLAROS FEVEREIRO/2014 COORDENAÇÃO DE PESQUISA PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DISPOSITIVOS MÓVEIS INTELIGENTES ORIENTADOR:

Leia mais

Laboratório de Instrumentação e Física Experimental de Partículas

Laboratório de Instrumentação e Física Experimental de Partículas Laboratório de Instrumentação e Física Experimental de Partículas grid: uma visão Jorge Gomes 2º Encontro Ciência em Portugal Ciência 2008 1 Computação grid Integração transparente de recursos computacionais

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

Detectores de Partículas: Tiago dos Anjos

Detectores de Partículas: Tiago dos Anjos Detectores de Partículas: Uma Introdução ao CMS Tiago dos Anjos Sumário Aceleradores Circulares LHC O Detector CMS - Sistema de Trajetórias - Detector de múons - Calorímetro Eletromagnético - Calorímetro

Leia mais

Grid Computing: Processamento de Alto Desempenho em Rede

Grid Computing: Processamento de Alto Desempenho em Rede Grid Computing: Processamento de Alto Desempenho em Rede José Roberto B. Gimenez Coordenador de TI do GridUNESP jr@unesp.br Estrutura da apresentação Motivação para uso de Grid Discussão sobre problemas

Leia mais

Política de C & T > Indicadores O retorno do investimento Avaliação revela alto grau de eficiência em quatro programas da FAPESP Fabrício Marques

Política de C & T > Indicadores O retorno do investimento Avaliação revela alto grau de eficiência em quatro programas da FAPESP Fabrício Marques Pesquisa FAPESP - Maio 2008 - Edição 147 Política de C & T > Indicadores O retorno do investimento Avaliação revela alto grau de eficiência em quatro programas da FAPESP Fabrício Marques Quatro grandes

Leia mais

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO

Leia mais

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Profa. Dra. Lillian Maria Araújo de Rezende Alvares Coordenadora-Geral de Pesquisa e Manutenção de Produtos

Leia mais

MODELO. Plano de Trabalho. Estudo de Propulsores Iônicos e suas Aplicações para Propulsão de Satélites

MODELO. Plano de Trabalho. Estudo de Propulsores Iônicos e suas Aplicações para Propulsão de Satélites MODELO Plano de Trabalho Estudo de Propulsores Iônicos e suas Aplicações para Propulsão de Satélites Cooperação técnico-científica entre o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais INPE - Brasil e a Universidade

Leia mais

Status da T2-UERJ. Equipe técnica: Douglas Milanez Eduardo Revoredo José Afonso Sanches. Estagiários Luiz Gustavo Dornellas Renata Salles

Status da T2-UERJ. Equipe técnica: Douglas Milanez Eduardo Revoredo José Afonso Sanches. Estagiários Luiz Gustavo Dornellas Renata Salles Status da T2-UERJ Equipe técnica: Douglas Milanez Eduardo Revoredo José Afonso Sanches Estagiários Luiz Gustavo Dornellas Renata Salles Colaboração CERN: Alan Malta e Ana Franco Cluster Infraestrutura

Leia mais

II INTERNATIONAL MASTERCLASSES UFABC - HANDS ON IN PARTICLE PHYSICS

II INTERNATIONAL MASTERCLASSES UFABC - HANDS ON IN PARTICLE PHYSICS Conselho de Centro do CCNH Proposta de ação extensionista II INTERNATIONAL MASTERCLASSES UFABC - HANDS ON IN PARTICLE PHYSICS Giselle Watanabe Caramello (coordenador) Pedro Galli Mercadante (vice-coordenador)

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Redes de Computadores 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Redes de Computadores 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Redes de Computadores 2011-2 EXPANSÃO E MELHORIA NA REDE DE COMPUTADORES DO INSTITUTO FEDERAL

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina X-015 - MONITORAMENTO VIA INTERNET DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO TIPO

Leia mais

PLC 116/10. Eduardo Levy

PLC 116/10. Eduardo Levy PLC 116/10 Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania Comissão de Assuntos Econômicos Comissão de Educação, Cultura

Leia mais

WCF 14 X WORKSHOP DE COMPUTAÇÃO DA FACCAMP ANAIS

WCF 14 X WORKSHOP DE COMPUTAÇÃO DA FACCAMP ANAIS WCF 14 X WORKSHOP DE COMPUTAÇÃO DA FACCAMP ANAIS CAMPO LIMPO PAULISTA 2014 Apresentação A comunidade de computação da Faculdade de Campo Limpo Paulista reúne-se uma vez mais para participar do X Workshop

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Sistemas e Automação Departamento de Engenharia - Universidade Federal de Lavras

Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Sistemas e Automação Departamento de Engenharia - Universidade Federal de Lavras Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Sistemas e Automação Histórico Início 2007 com foco em modelagem biológica (Engenharias IV Capes) e característica multidisciplinar com professores da área de

Leia mais

SUMÁRIO. Sistemas a serem considerados na construção de data centers. A gestão do projeto e a integração dos fornecedores

SUMÁRIO. Sistemas a serem considerados na construção de data centers. A gestão do projeto e a integração dos fornecedores REPORT 04 e fevereiro de 2013 INFRAESTRUTURA FÍSICA E DATA CENTERS SUMÁRIO Introdução O que são data centers Padrões construtivos para data centers Sistemas a serem considerados na construção de data centers

Leia mais

Colaboração na experiência ATLAS (LHC)

Colaboração na experiência ATLAS (LHC) Colaboração na experiência ATLAS (LHC) em parceria com FCTUC CFNUL/FCUL e ainda UNL IDMEC/IST UCatFF UM Colaboração internacional ANL (Chicago) Barcelona Clermont-Ferrand Michigan St. Univ. Pisa Praga

Leia mais

um olhar para o futuro lhc o gigante criador de matéria

um olhar para o futuro lhc o gigante criador de matéria 172 um olhar para o futuro lhc o gigante criador de matéria 173 depois de mais de dez anos de construção, entrou em funcionamento em 2008 no cern, laboratório europeu em genebra (suíça), uma verdadeira

Leia mais

EXPERIMENTOS DE FÍSICA DE ALTAS ENERGIAS COMO FOMENTO PARA ATRAÇÃO E PERMANÊNCIA DE ALUNOS EM CURSOS DE ENGENHARIA

EXPERIMENTOS DE FÍSICA DE ALTAS ENERGIAS COMO FOMENTO PARA ATRAÇÃO E PERMANÊNCIA DE ALUNOS EM CURSOS DE ENGENHARIA EXPERIMENTOS DE FÍSICA DE ALTAS ENERGIAS COMO FOMENTO PARA ATRAÇÃO E PERMANÊNCIA DE ALUNOS EM CURSOS DE ENGENHARIA Eduardo F. Simas Filho eduardo.simas@ufba.br Mariana Reis marianareis24@yahoo.com.br Universidade

Leia mais

Secretaria de Estado da Administração e Previdência

Secretaria de Estado da Administração e Previdência ADRIANA MARIA FOCAS MEIRELLES - CPF.79161618691-582371 27/08/2013 SEEC / CCTG / CENTRO CULTURAL TEATRO GUAIRA Nacional da Comunidade 467,94 Total de Viagens de ADRIANA MARIA FOCAS MEIRELLES: 1, Valor Total

Leia mais

O LHC e o futuro da física de partículas

O LHC e o futuro da física de partículas http://public.web.cern.ch/public/en/lhc/facts-en.html http://lhc-milestones.web.cern.ch/lhc-milestones/ O LHC e o futuro da física de partículas José Guilherme Milhano CENTRA/IST 4ª Escola de Astrofísica

Leia mais

CT-ENERG/Empresas: FINEP 02/2002 CARTA CONVITE ÀS EMPRESAS DA CADEIA PRODUTIVA VINCULADA AO SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA

CT-ENERG/Empresas: FINEP 02/2002 CARTA CONVITE ÀS EMPRESAS DA CADEIA PRODUTIVA VINCULADA AO SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA CT-ENERG/Empresas: FINEP 02/2002 CARTA CONVITE ÀS EMPRESAS DA CADEIA PRODUTIVA VINCULADA AO SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA O MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA - MCT, em cumprimento à recomendação do Comitê

Leia mais

1º EXAMINADOR 2º EXAMINADOR 3º EXAMINADOR MÉDIA ESC. X3 MED PON DID. X4 TIT. X2 P.A. X1. - - - - - - - - - - - - - - - - Desclassificado

1º EXAMINADOR 2º EXAMINADOR 3º EXAMINADOR MÉDIA ESC. X3 MED PON DID. X4 TIT. X2 P.A. X1. - - - - - - - - - - - - - - - - Desclassificado PLANILHA DE 01 02 03 04 05 06 07 08 Adeilton Correia de Barros Júnior Aline Lopes Timóteo Ana Paula Carvalho Cavalcanti Furtado Alysson Barros de Morais André Felipe Lemos Audrey Bezerra Vasconcelos Boaz

Leia mais

Proposta de trabalho para produção do website do Programa Café Colombo. Walmar Andrade atendimento@fatorw.com (81) 9922-7168

Proposta de trabalho para produção do website do Programa Café Colombo. Walmar Andrade atendimento@fatorw.com (81) 9922-7168 Proposta de trabalho para produção do website do Programa Café Colombo Walmar Andrade atendimento@fatorw.com (81) 9922-7168 01. Apresentação Fator W é a marca fantasia através da qual o desenvolvedor web

Leia mais

I - CURSOS DO CENTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA (CCT/UENF)

I - CURSOS DO CENTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA (CCT/UENF) I - CURSOS DO CENTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA (CCT/UENF) 0730087434 JEAN TAVARES PINTO 0730117621 SÉRGIO HERMAN BASTOS LIMA 0730324673 LARISSA DILLEM VIEIRA 0730364301 LUIZA ARTILLES DE ABREU ÁVILA 0730064510

Leia mais

Seminário gratuito do PROFUTURO aborda estratégias para o crescimento dos negócios

Seminário gratuito do PROFUTURO aborda estratégias para o crescimento dos negócios Seminário gratuito do PROFUTURO aborda estratégias para o crescimento dos negócios O Programa de Estudos do Futuro da FIA (Fundação Instituto de Administração) realizará no dia 24 de agosto, a partir das

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. A Tecnologia da Informação no contexto Organizacional. Tecnologia. Tecnologia. Tecnologia 29/07/2009

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. A Tecnologia da Informação no contexto Organizacional. Tecnologia. Tecnologia. Tecnologia 29/07/2009 Núcleo de Pós Graduação Pitágoras A Tecnologia da Informação no contexto Organizacional MBA Gestão em TI Disciplina: Administração de Suporte e Automação Professor: Fernando Zaidan Agosto - 2009 Tecnologia

Leia mais

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Objetivos Avanço da ciência brasileira em tecnologia, inovação e competitividade, através da expansão da mobilidade internacional:

Leia mais

PDI GERAL DO CEFET/RJ

PDI GERAL DO CEFET/RJ PDI GERAL DO CEFET/RJ Princípios que devem nortear o estabelecimento de políticas e ações no CEFET/RJ e que devem constar do PDI: Institucionalidade/identidade de UT (estabelecimento de um modelo diferenciado

Leia mais

Portfolio. Conheça um pouco mais sobre a Estatcamp. Estatcamp - Consultoria Estatística em Qualidade

Portfolio. Conheça um pouco mais sobre a Estatcamp. Estatcamp - Consultoria Estatística em Qualidade Estatcamp - Consultoria Estatística em Qualidade Adolfo Catani, 682 CEP: 13560-470 Jardim Macarengo, São Carlos - SP Telefone: (16) 3376-2047 E-mail: estatistica@estatcamp.com.br Portfolio Conheça um pouco

Leia mais

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância A Escola A ENAP pode contribuir bastante para enfrentar a agenda de desafios brasileiros, em que se destacam a questão da inclusão e a da consolidação da democracia. Profissionalizando servidores públicos

Leia mais

APURAÇÃO DE RESULTADO ENTREVISTA. 15 - ÁREA: DIRETORIA DE EXTENSÃO Secretaria e Coordenação de Estágio. Nível Superior

APURAÇÃO DE RESULTADO ENTREVISTA. 15 - ÁREA: DIRETORIA DE EXTENSÃO Secretaria e Coordenação de Estágio. Nível Superior 15 - ÁREA: DIRETORIA DE EXTENSÃO Secretaria e Coordenação de Estágio. Nível Superior 46 Samuel Souza Evangelista 130 104 Jussara Cândida Soares Desclassificada 45 Bruno José Rupino 130 61 Fabiana Grigógio

Leia mais

www.fisicanaveia.com.br dulcidio@fisicamoderna.com.br www.twitter.com/dulcidio www.facebook.com/dulcidiobrazjr www.cern.ch [A] Lugar mais frio da galáxia (- 71 o C) [B] Um dos lugares mais quentes no Universo

Leia mais

Automação, Controle e Otimização em Sistemas de Produção de Petróleo

Automação, Controle e Otimização em Sistemas de Produção de Petróleo Automação, Controle e Otimização em Sistemas de Produção de Petróleo Departamento de Automação e Sistemas Universidade Federal de Santa Catarina Apresentação da Rede Temática GeDIg, Março de 2008 Sumário

Leia mais

Fonte de Consulta: Sistemas de Informação e as Decisões Gerenciais na Era da Internet James A. O Brien NOTAS DE AULA

Fonte de Consulta: Sistemas de Informação e as Decisões Gerenciais na Era da Internet James A. O Brien NOTAS DE AULA NOTAS DE AULA 1. TENDÊNCIAS EM SISTEMAS DE MICROCOMPUTADORES Existem várias categorias principais de sistemas de computadores com uma diversidade de características e capacidades. Consequentemente, os

Leia mais

Avaliação de Políticas Públicas (Resolução nº 44, de 2013)

Avaliação de Políticas Públicas (Resolução nº 44, de 2013) Avaliação de Políticas Públicas (Resolução nº 44, de 2013) Presidente: SENADOR CRISTOVAM BUARQUE Vice-Presidente: SENADOR HÉLIO JOSÉ Relator: SENADOR OMAR AZIZ Proposta de Plano de Trabalho Avaliação de

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

TURMA 10 H. CURSO PROFISSIONAL DE: Técnico de Multimédia RELAÇÃO DE ALUNOS

TURMA 10 H. CURSO PROFISSIONAL DE: Técnico de Multimédia RELAÇÃO DE ALUNOS Técnico de Multimédia 10 H 7536 Alberto Filipe Cardoso Pinto 7566 Ana Isabel Lomar Antunes 7567 Andreia Carine Ferreira Quintela 7537 Bruno Manuel Martins Castro 7538 Bruno Miguel Ferreira Bogas 5859 Bruno

Leia mais

Experiência da UFSC com Projetos Apoiados pela Lei 8248

Experiência da UFSC com Projetos Apoiados pela Lei 8248 Experiência da UFSC com Projetos Apoiados pela Lei 8248 Prof. Raul Sidnei Wazlawick Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Uso Institucional de Recursos da Lei 8248 Cooperação

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa, o beneficiam

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Universidade Federal de Pernambuco Ciência da Computação Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Professora: Carla Taciana Lima Lourenço Silva Schuenemann Estudo de Viabilidade Clínica médica

Leia mais

Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero

Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Empresas Participantes do CRI Multinacionais Instituições

Leia mais

GRUPOS DE DISCUSSÃO RELATÓRIO FINAL

GRUPOS DE DISCUSSÃO RELATÓRIO FINAL GRUPOS DE DISCUSSÃO RELATÓRIO FINAL Título do Grupo de Discussão: Business Intelligence Coordenador: Silvio Henrique Torro Martins (UNICAMP) Objetivo: Apresentar as soluções desenvolvidas pelas Unidades

Leia mais

Cláudia Araújo Coordenadora Diego Macêdo Programador Marcelo Rodrigues Suporte

Cláudia Araújo Coordenadora Diego Macêdo Programador Marcelo Rodrigues Suporte BCON Sistema de Controle de Vendas e Estoque Declaração de escopo Versão 1.0 Histórico de Revisão Elaborado por: Filipe de Almeida do Amaral Versão 1.0 Aprovado por: Marcelo Persegona 22/03/2011 Time da

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DO PROEX (2015)

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DO PROEX (2015) UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Instituto de Medicina Social Rua São Francisco Xavier, 524 / 7º andar / Bloco D - Maracanã CEP: 20550-013 - Rio de Janeiro - BRASIL TEL: 55-021- 2334-0235 FAX:

Leia mais

Agências de Fomento a Pesquisa no Pais. Disciplina: Metodologia do Ensino Superior em Ciências Exatas

Agências de Fomento a Pesquisa no Pais. Disciplina: Metodologia do Ensino Superior em Ciências Exatas Agências de Fomento a Pesquisa no Pais. Disciplina: Metodologia do Ensino Superior em Ciências Exatas Prof. Dr. Sergio Pilling 31/ago/2011 Agências de Fomento. As agências de fomento são instituições financeiras

Leia mais

PROCESSO Nº 1863/12 PROTOCOLO Nº 11.579.438-8 PARECER CEE/CES Nº 74/12 APROVADO EM 03/12/12

PROCESSO Nº 1863/12 PROTOCOLO Nº 11.579.438-8 PARECER CEE/CES Nº 74/12 APROVADO EM 03/12/12 PROTOCOLO Nº 11.579.438-8 PARECER CEE/CES Nº 74/12 APROVADO EM 03/12/12 CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR INTERESSADA: FACULDADE ESTADUAL DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DE APUCARANA - FECEA MUNICÍPIO: APUCARANA ASSUNTO:

Leia mais

Escola de Professores no CERN em Língua Portuguesa - 2010

Escola de Professores no CERN em Língua Portuguesa - 2010 Escola de Professores no CERN em Língua Portuguesa - 2010 Projeto SBF - CBPF Abril/2010 Escola de Professores no CERN em Língua Portuguesa Introdução A Escola de Professores no CERN (Centro Europeu de

Leia mais

BOLSA PRIMITIVO DE VEGA DE ATENDIMENTO A PESSOAS IDOSAS

BOLSA PRIMITIVO DE VEGA DE ATENDIMENTO A PESSOAS IDOSAS BOLSA PRIMITIVO DE VEGA DE ATENDIMENTO A PESSOAS IDOSAS Convocatória 2015 Índice Apresentação 3 Bases da convocatória 4 Questionários: - Solicitação do Diretor do Projeto - Solicitação da equipe de pesquisa

Leia mais

Supercomputação em Portugal: realidade e perspectivas Pedro Alberto Centro de Física Computacional Laboratório de Computação Avançada Universidade de Coimbra Ciência 2008 3 Julho 2008 1 O que é supercomputação?

Leia mais

Cornell usa computação de alto desempenho para acelerar a pesquisa e ampliar o acesso a softwares

Cornell usa computação de alto desempenho para acelerar a pesquisa e ampliar o acesso a softwares Portfólio de produtos Microsoft para servidores Estudo de caso de solução do cliente Cornell usa computação de alto desempenho para acelerar a pesquisa e ampliar o acesso a softwares Visão geral País ou

Leia mais

LISTA DE PRÉ-SELECIONADOS 1ª CHAMADA - UNIDADE SEDE 2º SEMESTRE DE 2015

LISTA DE PRÉ-SELECIONADOS 1ª CHAMADA - UNIDADE SEDE 2º SEMESTRE DE 2015 Ministério da Educação Programa Universidade para Todos - ProUni LISTA DE PRÉ-SELECIONADOS 1ª CHAMADA - UNIDADE SEDE 2º SEMESTRE DE 2015 IRLA SHIRLEY SOUSA COUTINHO JAKELYNE DE SOUSA FRANCO LIONEIDE DA

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSU 018/2014

RESOLUÇÃO CONSU 018/2014 RESOLUÇÃO CONSU 018/2014 Estabelece as diretrizes da Política Institucional de Propriedade Intelectual, Transferência de Tecnologia e Inovação da UEFS e dá outras providências. O Reitor da Universidade

Leia mais

PALESTRA 1 DINÂMICA E ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA DE DOCUMENTAÇÃO E DAS BIBLIOTECAS DO CPII. VAGAS: 60

PALESTRA 1 DINÂMICA E ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA DE DOCUMENTAÇÃO E DAS BIBLIOTECAS DO CPII. VAGAS: 60 PALESTRA 1 DINÂMICA E ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA DE DOCUMENTAÇÃO E DAS BIBLIOTECAS DO CPII. VAGAS: 60 Professor Responsável: MARTA REGINA DE JESUS Dias / Hora / Local: 6a. Feira - 09/08 das 9:00 às 12:00h

Leia mais

Bibliotecas Universitárias Brasileiras: um olhar para o futuro

Bibliotecas Universitárias Brasileiras: um olhar para o futuro 1 ciclo de Palestras sobre Biblioteca, Biblioteconomia e Informação Bibliotecas Universitárias Brasileiras: um olhar para o futuro Luiz Atilio Vicentini vicentin@unicamp.br Abril 2014 Acesso ao Conhecimento

Leia mais

FILTRAGEM ONLINE DE EVENTOS RAROS E/OU EXÓTICOS BASEADA EM DADOS DE CALORIMETRIA DE ALTA ENERGIA EM UM DETECTOR FINAMENTE SEGMENTADO

FILTRAGEM ONLINE DE EVENTOS RAROS E/OU EXÓTICOS BASEADA EM DADOS DE CALORIMETRIA DE ALTA ENERGIA EM UM DETECTOR FINAMENTE SEGMENTADO FILTRAGEM ONLINE DE EVENTOS RAROS E/OU EXÓTICOS BASEADA EM DADOS DE CALORIMETRIA DE ALTA ENERGIA EM UM DETECTOR FINAMENTE SEGMENTADO Danilo Lima de Souza Tese de Doutorado apresentada ao Programa de Pós-graduação

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Cluster, Grid e computação em nuvem Slide 8 Nielsen C. Damasceno Introdução Inicialmente, os ambientes distribuídos eram formados através de um cluster. Com o avanço das tecnologias

Leia mais

de monitoramento das 5 Metas do Todos Pela Educação

de monitoramento das 5 Metas do Todos Pela Educação De Olho nas Metas 2011Quarto relatório de monitoramento das 5 Metas do Todos Pela Educação Investimentos em Educação: comparação internacional Brasil investiu US$ 2.416 por aluno/ ano em 2008. Média dos

Leia mais

Ata da Reunião nº 4 do Comitê Gestor

Ata da Reunião nº 4 do Comitê Gestor SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FUNDAP SEADE CEPAM CONVÊNIO SPDR USP FUNDAP SEADE CEPAM Ata da Reunião nº 4 do Comitê Gestor Pauta: 2. Andamento do Plano

Leia mais

Projeto Parcelas Permanentes USP/ESALQ-FAPESP

Projeto Parcelas Permanentes USP/ESALQ-FAPESP BOLETIM DE ATIVIDADES DO PROJETO PARCELAS PERMANENTES - 02 Período: janeiro e fevereiro/2002. Principais temas discutidos na reunião de 06/02/2002 : 1) Seleção de Técnico de Nível Superior No dia 06/02/2002

Leia mais

II Seminário Resultados da Lei da Informática

II Seminário Resultados da Lei da Informática II Seminário Resultados da Lei da Informática Rodrigo Pinto Diretor de P&D 29 de março de 2006 Agenda A Solectron Estratégia Organização Realizações Resultados entre 1998 2003 Resultados entre 2004-2005

Leia mais

I SELETIVA ANO - 2015 Local: SECRETARIA DE ESPORTES Data: 28/03/2015 à 29/03/2015 50 METROS COSTAS FEMININO MIRIM

I SELETIVA ANO - 2015 Local: SECRETARIA DE ESPORTES Data: 28/03/2015 à 29/03/2015 50 METROS COSTAS FEMININO MIRIM Prova N 1 Etapa: 1 (28/3/2016) 50 METROS COSTAS FEMININO MIRIM 4 MARIA PAULA GOMIDE MOREIRA 284220 2005 ASBAC/AQUANAII 00:54.48 5 FERNANDA RESENDE ROCHA 296569 2006 ASBAC/AQUANAII 99:99.99 26/03/2015 18:36:48

Leia mais