Mantida pela União de Ensino Superior do Vale do Ivaí Ltda - UNESVI Credenciada pela Portaria nº de 11 de julho de 2005

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mantida pela União de Ensino Superior do Vale do Ivaí Ltda - UNESVI Credenciada pela Portaria nº 2.420 de 11 de julho de 2005"

Transcrição

1 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DA INSTITUIÇÃO 1.1 DADOS DA MANTENEDORA RAZÃO SOCIAL: UNESVI - União de Ensino Superior do Vale do Ivaí Ltda. CNPJ: / CATEGORIA ADMINISTRATIVA: Pessoa Jurídica de Direito Privado - com fins lucrativos - Sociedade Civil CÓDIGO DA MANTENEDORA: 2097 ENDEREÇO: Avenida Brasil, Ivaiporã / Paraná TELEFONE / FAX: (43) REPRESENTANTE LEGAL: Mara Cristina Garcia Duarte da Costa CPF: TELEFONE / FAX: (43) BASE LEGAL DA MANTENEDORA Documento Data Registro Ato Constitutivo da UNESVI 06/12/2002 Primeira Alteração Contratual 21/02/2003 Estatuto 27/12/2006 Segunda Alteração Contratual 1.3 DADOS DA MANTIDA 21/11/2013 Cartório de Títulos e Documentos de Colombo Paraná n o 736, livro 02 em 12/12/2002. Cartório de Títulos e Documentos de Colombo Paraná n o 750, livro 02 em 24/02/2003. Cartório de Títulos e Documentos de Colombo Paraná n o 1.092, livro A-03 em 09/01/2007. Cartório de Títulos e Documentos e Pessoas Jurídicas de Ivaiporã Paraná n o 1.099, livro A-16 em 11/12/2013. NOME: Faculdade de Tecnologia do Vale do Ivaí SIGLA: FATEC-IVAÍ CATEGORIA ADMINISTRATIVA: Privada com fins lucrativos CÓDIGO DA MANTIDA: 4496 ORGANIZAÇÃO ACADÊMICA: Faculdade DISPONIBILIDADE DO IMÓVEL: Alugado ENDEREÇO: Avenida Brasil, Ivaiporã / Paraná TELEFONE / FAX: (43)

2 SITE: 1.4 BASE LEGAL DA MANTIDA Documento Data Diário Oficial da União Objeto Portaria n o /07/2005 Portaria n o /07/2005 Portaria n o /07/2005 Portaria n o /07/2005 Portaria n o /10/2006 Portaria n o /02/2011 Portaria n o /10/2011 Portaria n o /10/2011 N o Seção 1 - p /07/2005 N o Seção 1 - p /07/2005 N o Seção 1 - p /07/2005 N o Seção 1 - p /07/2005 N o Seção 1 - p. 31 e 32 27/10/2006 N o 40 - Seção 1 - p /02/2011 N o Seção 1 - p /10/2011 N o Seção 1 - p. 21 e 22 24/10/2011 Credenciamento da Faculdade de Tecnologia do Vale do Ivaí. Autorização do Curso de Agronegócio. Autorização do Curso de Gestão Financeira. Autorização do Curso de Gestão Mercadológica. Alteração da denominação do Curso de Gestão Mercadológica. Reconhecimento do Curso de Marketing. Reconhecimento do Curso de Gestão Financeira. Reconhecimento do Curso de Agronegócio. 1.5 MISSÃO A Faculdade de Tecnologia do Vale do Ivaí FATEC-IVAÍ, mantida pela UNESVI, tem como missão atuar no ensino superior mediante articulação permanente entre a realidade local e o desenvolvimento educacional tendo em vista um processo de educação crítica, propositiva e transformadora. 1.6 VISÃO Ser uma Instituição em Excelência Educacional, oferecendo um ensino de alta qualidade, tornando-se um centro de referência em Educação. 1.7 PRINCÍPIOS E VALORES - seriedade, transparência e ética em todas as suas ações; - compromisso com a qualidade de ensino; - crescimento profissional (empregabilidade) e intelectual dos alunos;

3 - responsabilidade administrativa. 1.8 OBJETIVOS E METAS DA INSTITUIÇÃO Objetivo Geral Ser uma estrutura educacional de renovação constante, sólida e integrada com a região norte do Estado do Paraná Objetivos Específicos I. Estimular a criação cultural e o desenvolvimento do espírito científico e do pensamento reflexivo; II. III. IV. Formar recursos humanos nas diferentes áreas do conhecimento, aptos à inserção em setores profissionais multidisciplinares em condições de participação do desenvolvimento da sociedade brasileira; Disponibilizar ao mercado, profissionais que tenham uma visão abrangente das mais modernas técnicas, aliando a teoria à prática; Incentivar o trabalho de pesquisa e investigação científica, visando o desenvolvimento da ciência e da tecnologia e difusão da cultura e, desse modo, promover a compreensão do homem em relação ao meio em que vive; V. Promover a divulgação de conhecimentos culturais, científicos e técnicos que constituem patrimônio da humanidade e comunicar o saber através do ensino, de publicações ou de outras formas de comunicação; VI. VII. VIII. IX. Suscitar o desejo permanente de aperfeiçoamento cultural e profissional e possibilitar a sua correspondente concretização, absorvendo, integrando e gerando conhecimentos a serem difundidos a outras gerações; Estimular o conhecimento dos problemas do mundo presente, em particular os nacionais e regionais, prestar serviços especializados à comunidade e estabelecer com esta uma relação de reciprocidade; Promover a extensão, aberta à participação da população, visando à difusão das conquistas e benefícios resultantes da criação cultural e da pesquisa científica e tecnológica geradas historicamente e na instituição; Despertar a comunidade para a dimensão social e para o exercício compromissado e responsável da cidadania, assim como para a produção de bens que estejam à disposição de todos os cidadãos;

4 X. Desenvolver um processo educacional voltado à transformação do homem e da natureza, em benefício coletivo e em prol da preservação da vida na terra em todas as formas de sua manifestação; XI. XII. XIII. Ministrar ensino superior de graduação e de pós-graduação lato sensu e stricto sensu, visando à formação e aperfeiçoamento de profissionais na área tecnológica; Ofertar educação continuada, por diferentes mecanismos, visando à atualização, o aperfeiçoamento e à especialização de profissionais na área tecnológica; Promover cursos de formação de professores, bem como programas especiais de formação pedagógica, para as unidades curriculares de educação científica e tecnológica Metas anos: A Faculdade de Tecnologia do Vale do Ivaí possui as seguintes metas para os próximos I. Melhorar a qualidade e as condições de oferta dos cursos de graduação oferecidos pela IES; II. III. IV. Ampliar a oferta de cursos de pós-graduação lato sensu com vistas a atender as demandas dos alunos egressos, quanto à perspectiva de formação continuada, bem como as demandas da região na qual a Faculdade está inserida; Ampliar o relacionamento da Instituição com a comunidade, por meio do oferecimento de cursos e programas de extensão universitária e da articulação e desenvolvimento de parcerias na comunidade, com a finalidade de propiciar aos discentes acessos a implementação de projetos comunitários voltados para a prática acadêmica, facilitando a inserção dos seus egressos no mercado de trabalho e desenvolvendo o seu papel de instituição cidadã; Promover melhorias gradativas e constantes nas instalações físicas e tecnológicas da Instituição, em especial, na Biblioteca e no Laboratório de Informática; V. Elaborar e implementar um Plano de Ações para superar as fragilidades enumeradas nos relatórios de autoavaliação institucional; VI. VII. VIII. IX. Transformar, gradativamente e por meio da capacitação docente, a concepção de ensino e aprendizagem, elaborando e implementando uma sistemática de ensino que aumente a motivação do aluno ao longo do curso em que se inscrever; Estreitar o relacionamento com os alunos egressos; Elaborar e implementar projetos de maneira a diminuir a evasão de alunos nos cursos de graduação; Incrementar a utilização da tecnologia da informação (TI) na Instituição;

5 X. Implementar novas ferramentas que possibilitem uma melhoria na comunicação interna da Instituição; XI. XII. Introduzir o conceito de excelência nas suas unidades de apoio acadêmico, como: biblioteca, laboratórios, com o envolvimento do corpo discente; Preparar a instituição para, a partir do ano de 2014, solicitar a autorização para os cursos de graduação em Enfermagem, Psicologia, Gestão de Recursos Humanos e Secretariado, 1.9 ÁREAS DE ATUAÇÃO ACADÊMICA A Faculdade de Tecnologia do Vale do Ivaí está legalmente habilitada pelo Ministério da Educação para oferecer cursos presenciais de nível superior (graduação, pós-graduação e extensão). Atualmente a linha dominante de atuação acadêmica da IES é o ensino de graduação com os cursos presenciais de tecnologia em Agronegócio, Gestão Financeira e Marketing. Todos os cursos estão reconhecidos pelo MEC e encontram-se plenamente adequados às Diretrizes Curriculares Nacionais para Organização e Funcionamento dos Cursos Superiores de Tecnologia. RELAÇÃO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO Curso Código Grau Modalidade Turno Periodicidade Carga Horária Agronegócio Tecnológico Presencial Noturno Semestral horas Gestão Financeira Tecnológico Presencial Noturno Semestral horas Marketing Tecnológico Presencial Noturno Semestral horas As atividades de pós-graduação, na modalidade lato sensu, desenvolvem-se como segundo eixo dentro do qual a instituição busca firmar-se em qualidade de ensino e compromisso científico e social, especialmente com a formação continuada. Na Faculdade de Tecnologia do Vale do Ivaí, a pós-graduação, em nível de Especialização, é regulamentada de acordo com a Resolução CES/CNE No 01/2007. Os cursos e programas de extensão atuam como terceiro eixo de ação da Faculdade. São cursos que têm como objetivo estreitar a relação da Instituição com a comunidade e, ao mesmo tempo, ampliar o leque de conhecimentos extracurriculares de seus estudantes. Estes são os eixos em torno dos quais a Faculdade de Tecnologia do Vale do Ivaí atuará academicamente nos próximos anos, tendo como foco, portanto, o Ensino, a Pesquisa e a Extensão.

6 1.10 HISTÓRICO DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO O Vale do Ivaí tem como atividade econômica predominante a agropecuária, com intensa agregação de tecnologias modernas, constituindo-se não apenas em propriedades rurais, mas também em empresas rurais. Na região há investimentos voltados à verticalização da produção agrícola, intensificando-se o processo de agroindustrialização. Este novo cenário, promissor e acelerado, exige uma qualificação da força de trabalho local, de forma rápida e focada em suas demandas, a fim de garantir capacidade operacional imediata aos egressos dos cursos. Certos dessa demanda, professores e empresários locais reuniram-se no intuito de implantar o Ensino Superior no Vale do Ivaí, a partir da União de Ensino Superior do Vale do Ivaí, iniciando suas atividades por meio da Faculdade de Tecnologia do Vale do Ivaí, com compromisso de compreender e contribuir com a aceleração e o rumo do processo de desenvolvimento local e regional. A IES foi implantada tendo como propósito atuar na área da Educação Superior e como compromisso a definição de sua expansão, considerando as necessidades presentes e futuras do meio em que se insere, com a consciência de que a educação superior é essencial não somente para que o Município ou a Região alcance o nível necessário de desenvolvimento econômico e social sustentável, mas, também, que valorize a criatividade, os direitos humanos, a democracia e o respeito ao ser humano. A Faculdade de Tecnologia do Vale do Ivaí foi constituída como um estabelecimento isolado de ensino superior, de caráter técnico, educativo e cultural. A IES foi credenciada ao Sistema Federal de Ensino pela Portaria MEC nº de 11 de julho de 2005, publicada no D.O.U. n o 132 de 12 de julho de A partir desta data, seguiram-se a implantação dos cursos de Tecnologia em Gestão Financeira, autorizado através da Portaria n o de 11 de julho de 2005, publicada no D.O.U. n o 132 de 12 de julho de 2005 e reconhecido pela Portaria n o 430 de 21 de outubro de 2011, publicada no D.O.U. n o 204 de 24 de outubro de 2011; Tecnologia em Gestão Mercadológica, autorizado através da Portaria n o de 11 de julho de 2005, publicada no D.O.U. n o 132 de 12 de julho de 2005, cuja denominação foi alterada para Tecnologia em Marketing conforme Portaria n o 119 de 26 de outubro de 2006, publicada no D.O.U. n o 207 de 27 de outubro de 2006, reconhecido pela Portaria n o 159 de 23 de fevereiro de 2011, publicada no D.O.U. n o 40 de 25 de fevereiro de 2011; e Tecnologia em Gestão de Agronegócios, autorizado através da Portaria n o de 11 de julho de 2005, publicada no D.O.U. n o 132 de 12 de julho de 2005 e reconhecido pela Portaria n o 432 de 21 de outubro de 2011, publicada no D.O.U. n o 204 de 24 de outubro de A Faculdade de Tecnologia do Vale do Ivaí usufrui, face à mantenedora, de autonomia didático-científica e administrativa, sendo mantida pela União de Ensino Superior do Vale do Ivaí UNESVI, que tem natureza jurídica de Instituição Privada, devidamente registrada no Cartório de

7 registro de Pessoas Jurídicas, sob nº. 736, livro 02, em 12 de dezembro de 2002 com suas alterações averbadas posteriormente. O limite territorial de atuação da mantenedora está circunscrito ao município de Ivaiporã, Paraná. Até final de 2007, a IES localizava-se à Avenida Tancredo Neves, Em 10 de outubro de 2007, a então Associação de Ensino Superior de Pitanga ASSESPI, mantenedora da Faculdade de Ensino Superior do Centro do Paraná, adquiriu a integralidade das cotas da UNESVI, mantenedora da FATEC - Ivaí. Em razão da mudança de mantença, em janeiro de 2008 a FATEC - Ivaí mudou de endereço. Atualmente, encontra-se instalada na Av. Brasil nº 45, centro, Ivaiporã, Paraná. Cumpre ressaltar que o imóvel no qual se encontra hoje instalada é mais adequado às atividades educacionais, haja vista que, entre outros aspectos possui aproximadamente m2 de área construída, além de espaço para expansão da edificação. Em setembro de 2009, a ASSESPI foi transformada em Sociedade Ltda e, em janeiro de 2010, convertida em Sociedade Anônima, passando a ser denominada UB-UCP Educacional S.A. Em dezembro de 2013 assumiu a instituição os novos mantenedores, com o objetivo de trazer mudanças na forma de uma nova política pedagógica, que está alicerçada nas atividades de pesquisa e extensão e na motivação da comunidade acadêmica à integração social, vinculando a formação profissional efetivamente ao desenvolvimento local. As ações da nova administração estão direcionadas à reavaliação do PDI e à implementação de uma nova proposta educacional que visa atualizar, atender e modernizar efetivamente as propostas do MEC para o ensino superior, e assim, resgatar o lugar da Faculdade em Ivaiporã e região oferecendo um ensino de alta qualidade e tornando-se um centro de referência em Educação. Os novos gestores consideram que os cursos oferecidos pela instituição vêm atendendo a demanda por profissionais especializados para Ivaiporã e região, e suas ações estão centradas em fortalecer e dinamizar estes cursos e a instituição como um todo. No âmbito social, a nova administração está empenhada em desenvolver estratégias que facilitem o acesso e a permanência dos alunos nos cursos de graduação. Logo, os novos mantenedores consideram que o objetivo principal da Faculdade de Tecnologia do Vale do Ivaí é se constituir como uma estrutura educacional de renovação constante, sólida e integrada com a região norte do Estado do Paraná, e assim, colaborar na formação integral de seus alunos, a fim de alcançar uma educação de mais qualidade, se tornando também uma Instituição em Excelência Educacional, um Centro de Referência em Educação em Ivaiporã e no Paraná, com projetos de cursos voltados para a realidade local, com propostas de trabalho diferenciadas para Ivaiporã e região. A IES ainda visa colaborar no desenvolvimento da economia, da cultura, da política, das relações sociais, enfim, da melhoria da qualidade de vida da população local, respondendo também aos imensos desafios da Educação Superior como compromisso de transformação social.

8 Portanto, a Faculdade de Tecnologia do Vale do Ivaí entende que a educação deve: I. Provocar mudanças para atender às necessidades sociais e promover a solidariedade e a igualdade; II. III. IV. Preservar e exercer o rigor científico e a originalidade com imparcialidade e como condição prévia básica, para atingir e manter um nível indispensável de qualidade; Colocar os alunos no centro de suas preocupações dentro de uma perspectiva continuada, permitindo sua integração na sociedade do conhecimento global do novo século; Atuar no ensino formando profissionais de nível superior, para inserção no mundo do trabalho na cidade e região, e, também, buscar alternativas de articular o ensino com as atividades de pesquisa e de extensão, através de convênios com outras instituições de natureza diversa visando à qualidade de formação necessária no mundo contemporâneo e o fomento de novas iniciativas econômicas na região que agreguem trabalho e renda. Para isso, os novos administradores pretendem desenvolver uma série ações para viabilizar a implantação de sua nova filosofia de ensino e as novas diretrizes pedagógicas para a IES. Dentre elas, destacam-se a reorganização administrativa, a implantação de um novo projeto de Autoavaliação Institucional, o desenvolvimento de novas políticas de capacitação e aperfeiçoamento docente, de concessão de bolsas de estudo e de apoio ao alunado.

9 2. CONTEXTUALIZAÇÃO DO CURSO 2.1 NOME DO CURSO Curso Superior de Tecnologia em Gestão Financeira. 2.2 NOME DA MANTIDA Faculdade de Tecnologia do Vale do Ivaí. 2.3 ENDEREÇO DE FUNCIONAMENTO DO CURSO Avenida Brasil, n o 45 CEP: Ivaiporã / Paraná. 2.4 ATOS LEGAIS DO CURSO O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Financeira foi autorizado através da Portaria n o de 11 de julho de 2005, publicada no D.O.U. n o 132 de 12 de julho de Em 25 de maio de 2007 a IES cadastrou, junto ao Ministério da Educação, o pedido de reconhecimento do curso sob o protocolo de número No período de 10 a 13 de abril de 2011 foi realizada a avaliação do curso mediante visita in loco de dois avaliadores que atribuíram conceito final 4 (quatro) ao curso. O reconhecimento do curso foi oficializado através da Portaria n o 430 de 21 de outubro de 2011, publicada no D.O.U. n o 204 de 24 de outubro de Como em 2012 o curso não obteve seu Conceito Preliminar de Curso (CPC) por não haver estudantes concluintes habilitados para o ENADE, a IES requereu avaliação in loco atendendo ao disposto no Despacho SERES nº 205/2013, D.O.U. de 6 de dezembro de 2012, e na Nota Técnica nº 786/2013. Em 22 de agosto de 2014 a IES protocolou, através do processo de número o aditamento para mudança de endereço do curso. 2.5 NÚMERO DE VAGAS O curso foi autorizado com 100 (cem) vagas, mas a IES entendeu por bem reduzir o número de vagas para 50 (cinquenta) considerando o histórico dos últimos processos seletivos bem como da demanda local e regional, sendo que esta alteração foi realizada no sistema e-mec em 07 de agosto de CONCEITOS DO CURSO O curso está sem Conceito Preliminar de Curso (CPC) por, em 2012, não haver estudantes concluintes habilitados para o ENADE. O Conceito de Curso (CC) é 4 (quatro) atribuído em 2011.

10 2.7 TURNO DE FUNCIONAMENTO DO CURSO O turno de funcionamento do curso é Noturno. 2.8 CARGA HORÁRIA TOTAL DO CURSO O curso possui carga horária total de horas relógio. 2.9 TEMPO PARA INTEGRALIZAÇÃO O período mínimo de integralização é de 2 anos e o máximo 4 anos CARGA HORÁRIA TOTAL DO CURSO O curso possui carga horária total de horas relógio COORDENADOR DO CURSO Nome Formação Acadêmica/Titulação Graduação em Ciências Contábeis pela Faculdade de Filosofia, Ciência e Letras de Mandaguari. Graduação em Pedagogia pela Universidade Estadual de Maringá. Márcia Valéria Cruz Especialização em Psicopedagogia Clínica e Institucional pelo Centro Universitário de Maringá. Especialização em Educação Especial pela Faculdades Maringá. Especialização em Educação Infantil e Anos Iniciais do Ensino Fundamental pela Faculdade de Ensino Superior do Centro do Paraná. Mestrado em Educação pela Universidade Estadual de Maringá.

11 3. ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA DO CURSO 3.1 CONTEXTO EDUCACIONAL A Faculdade de Tecnologia do Vale do Ivaí está instalada no município de Ivaiporã, localizado na região norte central do Estado do Paraná. A região de Ivaiporã iniciou seu ciclo colonizador por volta da década de 40, quando as terras, consideradas as mais férteis do País, passaram a atrair a atenção de desbravadores que vieram de todas as regiões brasileiras. O município antes da denominação atual teve outras referências como Queimada, Cruzeiro, Sapecado, Ivainópolis e, finalmente, Ivaiporã em agosto de 1955, como distrito de Manoel Ribas. Criado através da Lei Estadual nº 4245, de 25 de julho de 1960, e instalado em 19 de novembro do mesmo ano, foi desmembrado de Manoel Ribas. Até por ser cortada pelo chamado Caminho do Peabiru, os primeiros registros históricos desta região do Vale do Ivaí, já remontam ao século XVI. Tais registros mostram que a região era ocupada por índios guaranis antropófagos, como escreveu o padre jesuíta Ruiz Montoya, que chegou às terras do cacique Yataobá em 1611 e empreendeu a instalação de Reduções como as de San Pablo e Los Angeles. Destaca-se nesta região a instalação também de Villa Rica Del Espiritu Santu, na foz do rio Corumbataí, atual município de Fênix. Os espanhóis instalaram esta vila em 1592, escolhendo esta região pelo imenso número de índios, que poderiam ser convertidos nas reduções e explorados nas encomiendas. Vila Rica durou pouco tempo. Em 1628 os bandeirantes paulistas, sob a liderança de Manoel Preto e Raposo Tavares e dois mil índios tupis, desceram a serra do Apucarana e destruíram as reduções jesuíticas, Villa Rica, colocaram os espanhóis batendo em retirada Ivaí abaixo e, índios aprisionados em fila indiana rumo à São Paulo. Em meados do século XIX, Jean Maurice Faivre, francês de invejável biografia, médio do Imperador Pedro II e da Imperatriz Tereza Cristina, cria um vilarejo para funcionar dentro de preceitos de sociabilidade ideais. Nos moldes daquilo que proliferava na Europa e que passara a ser chamado de sociedades utópicas. A sociedade de Tereza Cristina, hoje distrito do município de Cândido de Abreu é um dos marcos da ocupação da região central do Paraná, mais precisamente do Vale do Ivaí. Ivaiporã passou pelos ciclos dos safristas de porcos, da madeira e desenvolveu uma agropecuária das mais prósperas do país. No mapa político, Ivaiporã emancipou-se do município de Manoel Ribas, que se emancipou de Pitanga, que se emancipou de Guarapuava. Do sul vieram colonos, muitos deles de Santa Catarina, descendentes de italianos, alemães, ucranianos, poloneses. Por outro lado, do norte vieram paulistas, mineiros, baianos na abertura da fronteira do café. Ivaiporã é um ponto de encontro de culturas de sulistas e nortistas, onde se encontra o vanerão e o forró. Com um plano de colonização moderno, adotado pela Colonizadora Ubá, com

12 uma estrutura agrária estruturada em minifúndios, Ivaiporã foi um dos últimos eldorados do Paraná. Na década de 1970, chegou a ser referência como maior produtora nacional feijão, algodão, etc. Chegou mesmo a ser chamada de capital mundial do milho. Com a inserção de grandes cooperativas a região hoje tem níveis invejáveis de produção e produtividade agrícola. A pecuária, especialmente a bovinocultura de leite tem papel importante na economia rural da região. Ivaiporã hoje é polo regional, pela dinamicidade de seu comércio e do setor de serviços, sendo que muitos órgãos da administração estadual e federal têm escritórios em Ivaiporã. De acordo com o último Censo realizado em 2010, o município possui mais de habitantes, conforme tabela a seguir: PERFIL DO MUNICÍPIO DE IVAIPORÃ TERRITÓRIO INFORMAÇÃO Altitude Desmembrado 692 metros Manoel Ribas Instalação 19/11/1961 Área Territorial (ITCG) 434,662 km 2 Distância à Capital (SETR) 384,07 km ÁREA POLÍTICO-ADMINISTRATIVA INFORMAÇÃO FONTE DATA ESTATÍSTICA Número de Eleitores TSE pessoas Prefeito(a) TRE 2013 Luiz Carlos Gil ÁREA SOCIAL INFORMAÇÃO FONTE DATA ESTATÍSTICA População Censitária - Total IBGE habitantes População - Contagem (1) IBGE habitantes População Estimada IBGE habitantes Número de Domicílios - Total IBGE Matrículas na Creche SEED alunos Matrículas na Pré-escola SEED alunos Matrículas no Ensino Fundamental SEED alunos

13 Matrículas no Ensino Médio SEED alunos Matrículas na Educação Profissional SEED alunos Matrículas no Ensino Superior MEC/INEP alunos Fonte: IPARDES (www.ipardes.gov.br) O município de Ivaiporã está inserido na região administrativa de Ivaiporã, que é composta ainda pelos municípios de Arapuã, Ariranha do Ivaí, Cândido de Abreu, Godoy Moreira, Grandes Rios, Jardim Alegre, Lidianópolis, Lunardelli, Manoel Ribas, Nova Tebas, Rio Branco do Ivaí, Rosário do Ivaí, São João do Ivaí e São Pedro do Ivaí. A referida região conta com cerca de 130 mil habitantes, conforme se vê a partir das tabelas que seguem:

14

15 Fonte: IPARDES (www.ipardes.gov.br) Ainda, de acordo com o IPARDES, o município de Ivaiporã apresenta as seguintes características econômicas e de infraestrutura: ECONOMIA INFORMAÇÃO FONTE DATA ESTATÍSTICA População Economicamente Ativa (PEA) IBGE pessoas População Ocupada (PO) IBGE pessoas

16 Número de Estabelecimentos - RAIS MTE Número de Empregos RAIS MTE Produção de Soja IBGE toneladas Produção de Trigo IBGE toneladas Produção de Feijão IBGE toneladas Bovinos IBGE cabeças Equinos IBGE cabeças Galináceos IBGE cabeças Ovinos IBGE cabeças Suínos IBGE cabeças Valor Adicionado Bruto(VAB) a Preços Básicos - Total IBGE/Ipardes R$ 1.000,00 VAB a Preços Básicos - Agropecuária IBGE/Ipardes R$ 1.000,00 VAB a Preços Básicos - Indústria IBGE/Ipardes R$ 1.000,00 VAB a Preços Básicos - Serviços IBGE/Ipardes R$ 1.000,00 Valor Adicionado Fiscal (VAF) - Total SEFA R$ 1,00 (P) VAF - Produção Primária SEFA R$ 1,00 (P) VAF - Indústria - Total SEFA R$ 1,00 (P) VAF - Comércio/Serviços - Total SEFA R$ 1,00 (P) VAF - Recursos/Autos SEFA R$ 1,00 (P) Receitas Municipais Prefeitura ,26 R$ 1,00 Despesas Municipais Prefeitura ,70 R$ 1,00 ICMS por Muncípio de Origem do Contribuinte Fundo de Participação dos Municípios (FPM) INFRA-ESTRUTURA SEFA ,18 R$ 1,00 MF/STN ,75 R$ 1,00 INFORMAÇÃO FONTE DATA ESTATÍSTICA Abastecimento de Água Sanepar unid. atend. (2)

17 Atendimento de Esgoto Sanepar unid. atend. (2) Consumo de Energia Elétrica - Total COPEL mwh Consumidores de Energia Elétrica - Total INDICADORES COPEL INFORMAÇÃO FONTE DATA ESTATÍSTICA Densidade Demográfica Ipardes ,23 hab/km 2 Grau de Urbanização IBGE ,24 % Taxa de Crescimento Geométrico IBGE ,14 % Índice de Desenvolvimento Humano - IDH-M Índice Ipardes de Desempenho Municipal IPDM PNUD/IPEA/FJP ,730 Ipardes ,7282 PIB Per Capita IBGE/Ipardes R$ 1,00 Índice de Gini da Renda Domiciliar Per Capita IBGE ,4882 Índice de Idosos IBGE/Ipardes ,04 % Razão de Dependência IBGE/Ipardes ,68 % Razão de Sexo IBGE/Ipardes ,05 % Taxa de Mortalidade Infantil (coeficiente) Taxa de Mortalidade Materna (Coeficiente) Taxa de Analfabetismo de 15 anos ou mais Valor Bruto Nominal da Produção Agropecuária Fonte: IPARDES (www.ipardes.gov.br) Datasus/SESA- PR Datasus/SESA- PR ,47 mil n.v. (P) IBGE ,57 % 100 mil n.v. (P) DERAL ,73 R$ 1,00 Em relação aos aspectos regionais, Ivaiporã está inserida em uma região que apresenta as seguintes características econômicas e de infraestrutura:

18 PERFIL DA REGIÃO GEOGRÁFICA DO NORTE CENTRAL PARANAENSE TERRITÓRIO INFORMAÇÃO Altitude... Desmembrado... Instalação... Área Territorial (ITCG) ,976 km 2 Distância à Capital (SETR)... ÁREA POLÍTICO-ADMINISTRATIVA INFORMAÇÃO FONTE DATA ESTATÍSTICA Número de Eleitores TSE pessoas ÁREA SOCIAL INFORMAÇÃO FONTE DATA ESTATÍSTICA População Censitária - Total IBGE habitantes População - Contagem (1) IBGE habitantes População - Estimada IBGE habitantes Número de Domicílios - Total IBGE Matrículas na Creche SEED alunos Matrículas na Pré-escola SEED alunos Matrículas no Ensino Fundamental SEED alunos Matrículas no Ensino Médio SEED alunos Matrículas na Educação Profissional SEED alunos Matrículas no Ensino Superior MEC/INEP alunos ECONOMIA INFORMAÇÃO FONTE DATA ESTATÍSTICA População Economicamente Ativa (PEA) IBGE pessoas População Ocupada (PO) IBGE pessoas Número de Estabelecimentos - RAIS MTE

19 Número de Empregos - RAIS MTE Produção de Soja IBGE toneladas Produção de Milho IBGE toneladas Produção de Cana-de-açúcar IBGE toneladas Bovinos IBGE cabeças Equinos IBGE cabeças Galináceos IBGE cabeças Ovinos IBGE cabeças Suínos IBGE cabeças Valor Adicionado Bruto(VAB) a Preços Básicos - Total IBGE/Ipardes VAB a Preços Básicos - Agropecuária IBGE/Ipardes VAB a Preços Básicos - Indústria IBGE/Ipardes VAB a Preços Básicos - Serviços IBGE/Ipardes R$ 1.000,00 R$ 1.000,00 R$ 1.000,00 R$ 1.000,00 Valor Adicionado Fiscal (VAF) - Total SEFA R$ 1,00 (P) VAF - Produção Primária SEFA R$ 1,00 (P) VAF - Indústria - Total SEFA R$ 1,00 (P) VAF - Comércio/Serviços - Total SEFA R$ 1,00 (P) VAF - Recursos/Autos SEFA R$ 1,00 (P) Receitas Municipais Prefeitura ,67 R$ 1,00 Despesas Municipais Prefeitura ,04 R$ 1,00 ICMS por Muncípio de Origem do Contribuinte Fundo de Participação dos Municípios (FPM) INFRA-ESTRUTURA SEFA ,59 R$ 1,00 MF/STN ,80 R$ 1,00 INFORMAÇÃO FONTE DATA ESTATÍSTICA Abastecimento de Água Sanepar unid. atend. (2)

20 Atendimento de Esgoto Sanepar unid. atend. (2) Consumo de Energia Elétrica - Total COPEL mwh Consumidores de Energia Elétrica - Total INDICADORES COPEL INFORMAÇÃO FONTE DATA ESTATÍSTICA Densidade Demográfica Ipardes ,74 hab/km 2 Grau de Urbanização IBGE ,63 % Taxa de Crescimento Geométrico IBGE ,08 % Índice de Desenvolvimento Humano - IDH-M Índice Ipardes de Desempenho Municipal - IPDM PNUD/IPEA/FJP Ipardes PIB Per Capita IBGE/Ipardes R$ 1,00 Índice de Gini da Renda Domiciliar Per Capita IBGE Índice de Idosos IBGE/Ipardes ,39 % Razão de Dependência IBGE/Ipardes ,04 % Razão de Sexo IBGE/Ipardes ,35 % Taxa de Mortalidade Infantil (coeficiente) Datasus/SESA- PR ,49 mil (P) n.v. Taxa de Mortalidade Materna (Coeficiente) Datasus/SESA- PR , mil n.v. (P) Taxa de Analfabetismo de 15 anos ou mais Valor Bruto Nominal da Produção Agropecuária IBGE % DERAL ,34 R$ 1,00 É neste contexto que a Faculdade de Tecnologia do Vale do Ivaí insere-se e participa como centro de pensamento, discussão e difusão de conhecimento e de cultura, para contribuir com a retomada do desenvolvimento local e regional, tendo em vista que as atividades primárias, intensivas de capital, têm provocado perda de população dos municípios vizinhos que têm em Ivaiporã uma referencia regional.

21 Esta IES pretende compreender a realidade local, mediante atividades permanentes de extensão e pesquisa, corroborando e reforçando o desenvolvimento. A oferta de serviços educacionais e a difusão de cultura focada na vocação e nas potencialidades locais são, sem dúvida, uma tendência salutar da educação transformadora que instrumentaliza o desenvolvimento econômico, humano e social. Neste sentido o processo de ensino superior e educacional a ser moldado deve indicar caminhos conseqüentes para o corpo discente e para a comunidade local e regional, mediante atividades de ensino, extensão, iniciação científica e articulação com outras instituições de referência nas diversas áreas do conhecimento e do desenvolvimento. 3.2 POLÍTICAS INSTITUCIONAIS NO ÂMBITO DO CURSO Políticas de Ensino No âmbito do ensino de graduação, a Faculdade de Tecnologia do Vale do Ivaí tem como principais políticas: I. Oferecimento de cursos voltados para o atendimento dos anseios da comunidade na qual a Instituição está inserida, dando preferência ao período noturno para atividades de ensino; II. III. IV. Busca constante do nível máximo de qualidade possível para seus cursos, medido por meio de indicadores do MEC como o ENADE e as avaliações in loco de comissões de especialistas e por meio de indicadores obtidos através da autoavaliação que atestem a influência e a qualidade dos serviços educacionais prestados pela Faculdade de Tecnologia do Vale do Ivaí; Revisão periódica dos projetos pedagógicos dos cursos existentes, de maneira que eles possam manter-se atualizados e de acordo com as Diretrizes Curriculares Nacionais, buscando a melhoria constante na qualidade da formação dos estudantes e das condições de oferta dos cursos; Gestão baseada na valorização, na qualificação e na avaliação constante do corpo docente, enquanto fator que influencia diretamente na qualidade de suas atividades-fim; V. Oferecimento e manutenção da infraestrutura necessária ao bom funcionamento dos cursos, conforme estabelecido no projeto pedagógico de cada um deles; VI. VII. Prioridade para todas as medidas tendentes ao ajustamento ou melhoria dos níveis de qualidade do ensino e da aprendizagem; Valorização das relações interinstitucionais, especialmente com outros centros de ensino e pesquisa, empresas, organizações escolares e organismos governamentais, visando ao ajustamento constante dos conteúdos curriculares dos cursos e a programação de atividades de ensino pós-universitário;

22 VIII. IX. Avaliação permanente, por meio da Auto Avaliação Institucional, dos projetos pedagógicos dos cursos, dos processos de ensino e extensão, da gestão dos recursos patrimoniais, técnicos e acadêmicos e da infraestrutura física e tecnológica existentes; Atualização constante do acervo da Biblioteca de acordo com as necessidades dos cursos; X. Atualização constante dos recursos, instrumentos e metodologias empregadas nos cursos, dentro de suas características próprias Políticas de Extensão Não estaria completo o ciclo contextual da Instituição se houvesse apenas a disciplina, ou o conjunto delas, consignada num currículo admitido como contextualizado. Deve haver também uma prática de interferência real de alunos e professores no contexto social onde se insere a Instituição. Na definição da concepção metodológica de um curso há de se ter presente a necessidade de aproximação dos objetivos e dos conteúdos com o contexto de inserção social, regional e nacional, como uma das formas de assegurar a relação do curso com a comunidade, entendida como eixo transversal que permeia todos os seus elementos constitutivos. Deve haver, portanto, uma política permanente de relações da IES com a comunidade, com vistas a oportunizar o desenvolvimento do aluno nas práticas de inserção social, a familiarizálo com a realidade circundante, a sensibilizá-lo para as práticas coletivas. Na Faculdade de Tecnologia do Vale do Ivaí, a Extensão é entendida como um conjunto de ações processuais contínuas que estabelecem relação dialógica (caminho de mão dupla) com a sociedade civil, de caráter educativo, social, cultural, científico e tecnológico, que visem a alcançar determinados objetivos num período de tempo pré-estabelecido. Neste caso, o relacionamento da Instituição com a comunidade na qual ela está inserida se dá por meio de uma política de promoção de eventos, cursos e programas nos quais podem participar tanto a comunidade interna (alunos, professores, coordenadores e funcionários técnico-administrativos) quanto a comunidade externa à Instituição. Nesse sentido, a Faculdade de Tecnologia do Vale do Ivaí tem como meta firmar relacionamento com a comunidade nos próximos anos, por meio da implantação de políticas de extensão, tais como: I. Realização do Congresso de Iniciação Científica; II. III. IV. Implantação de cursos de extensão nas áreas de atuação da Faculdade, oferecidos nas dependências da Faculdade de Tecnologia do Vale do Ivaí, a partir de uma proposta básica inicial, conforme as necessidades de escolas ou empresas interessadas; Publicação da Revista Eletrônica da Faculdade de Tecnologia do Vale do Ivaí; Organização de ciclo de palestras com foco em problemas sociais contemporâneos;

23 V. Organização de Reuniões, Fóruns e Debates, utilizando recursos tecnológicos, com empresários e educadores que possuem alunos da Faculdade de Tecnologia do Vale do Ivaí em seus quadros de funcionários. A Faculdade de Tecnologia do Vale do Ivaí desenvolve projetos que estimulam principalmente as discussões sociais e ambientais, devido à necessidade crescente do desenvolvimento da Responsabilidade Sócio-Ambiental tanto para os acadêmicos quanto para a sociedade. Nesse sentido, o curso de Gestão Financeira, além de integrar as discussões sobre educação ambiental às disciplinas do curso, também participa dos projetos de educação ambiental desenvolvidos pela IES, em especial nos aspectos que dizem respeito ao desenvolvimento sustentável, trabalhando em parceria com organizações púbicas e privadas e a sociedade civil. O curso de Gestão Financeira também está inserido nas atividades e projetos que fomentam a discussão das relações étnico-raciais desenvolvidos pela Faculdade de Tecnologia do Vale do Ivaí, ampliando, dessa forma, a temática da história e cultura afro-brasileira e indígena para além das disciplinas já previstas no curso Políticas de Pesquisa No âmbito da pesquisa, a Faculdade de Tecnologia do Vale do Ivaí desenvolve, na graduação, a Iniciação Científica, por meio do desenvolvimento do Programa de Iniciação Científica devidamente regulamentado e na pós-graduação a elaboração de artigos na qualidade de Trabalho de Conclusão de Curso. Não há como negar a importância do conhecimento acadêmico e científico para a formação do estudante da graduação. Um dos maiores desafios das faculdades isoladas, talvez, seja encontrar o equilíbrio entre a formação acadêmica e a formação profissional, esta última, tão mais próxima de seus estudantes considerando-se o perfil sócio-econômico-cultural da maioria deles. Nesse sentido, a Instituição promoverá anualmente eventos de fundo acadêmico que envolvem o debate de ideias como uma forma de vincular seus alunos ao conhecimento acadêmico e científico. Esses eventos, promovidos e realizados na própria Instituição, servem ainda de estímulo para que os estudantes da graduação e da pós-graduação possam apresentar publicamente os resultados obtidos em seus trabalhos de iniciação científica e artigos, debatendo suas ideias com estudantes de outras instituições de ensino Programas Institucionais de Financiamento de Estudos A Faculdade de Tecnologia do Vale do Ivaí providenciou o seu cadastro no Programa de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior - FIES, permitindo que os seus alunos possam ser beneficiados com o financiamento concedido. O Programa de Financiamento ao Estudante do

24 Ensino Superior é um programa do Ministério da Educação destinado a financiar a graduação no ensino superior de estudantes que não têm condições de arcar integralmente com os custos de sua formação. A Faculdade de Tecnologia do Vale do Ivaí também providenciou a sua adesão ao Programa Universidade para Todos - PROUNI, viabilizando mais um mecanismo de inserção e manutenção de alunos de baixa renda sem diploma de nível superior. O Programa Universidade para Todos foi criado pela MP nº 213/2004 e institucionalizado pela Lei nº , de 13 de janeiro de O Programa tem como finalidade a concessão de bolsas de estudos integrais ou parciais aos estudantes de baixa renda, em cursos de graduação e sequenciais de formação específica, em instituições privadas de educação superior, oferecendo, em contrapartida, isenção de alguns tributos àquelas que aderirem ao programa. Além disso a IES possui um programa de distribuição de bolsas, devidamente regulamentado, observando critérios de rendimento escolar e necessidade financeira dos acadêmicos que se habilitam, sempre na dependência da situação financeira da instituição. 3.3 CONCEPÇÃO DO CURSO Justificativa do Curso A criação do curso de Gestão Financeira fundamentou-se na intenção de complementar a disponibilidade de cursos em nível superior na Região Central do Paraná e Vale do Ivaí, visto que as necessidades sociais e do próprio mercado têm exigido um número crescente de profissionais qualificados de nível superior e com conhecimentos específicos voltados para o desenvolvimento empresarial. Acredita-se que ao estimular-se a pauta de negociações empresariais, qualificando profissionais, possibilitando a inclusão da micro e pequena empresa no quadro das empresas competitivas, disseminando conhecimento sobre a administração financeira profissional e as inúmeras oportunidades existentes no mercado (nacional e internacional), podem-se viabilizar grandes transformações na realidade local, estadual e, num futuro próximo, nacional. Diante da realidade empresarial observada em nível regional, não há mais espaço para empresas pequenas, médias ou grandes que não realizam um planejamento financeiro eficiente. Diante desse contexto, observa-se que muitas empresas da região têm incentivado seus gerentes, responsáveis pelo departamento financeiro e outros funcionários a ingressar no curso de Gestão Financeira da FATEC. A procura pelo curso de Gestão Financeira se estende, também, ao publico concluinte do ensino médio, o que reflete a grande demanda do profissional no mercado de trabalho.

25 3.3.2 Objetivos do Curso Objetivo Geral O curso tem como objetivo geral contribuir para o desenvolvimento regional, criando e difundindo estratégias voltadas para a sustentabilidade financeira de empresas de pequeno, médio e grande porte, contribuindo, assim, para a redução da mortalidade empresarial e para a criação de novos negócios Objetivos Específicos Oportunizar à região central do Paraná e Vale do Ivã melhorias das condições de desenvolvimento socioeconômico, ambiental e empresarial por meio da atuação de profissionais capacitados e com visão holística e empreendedora; Contribuir, por meio de parcerias com instituições públicas e privadas, para a promoção do desenvolvimento sócio-econômico-financeiro dos empreendimentos da região; Suprir o mercado local e regional com profissionais aptos a atuarem em organizações de pequeno, médio e grande porte, públicas ou privadas, com ou sem fins lucrativos; Formar egressos e empreendedores com capacidade para buscar as melhores oportunidades de negócio e programar novas e criativas idéias, com espírito prático e com uma visão objetiva da gestão financeira; Buscar uma integração do curso com a comunidade (integração teoria-prática) por meio da realização de atividades em empresas de diferentes segmentos de mercado. 3.4 PERFIL PROFISSINAL DO EGRESSO A Faculdade de Tecnologia do Vale do Ivaí, quando do desenvolvimento dos diferentes projetos pedagógicos de cada um de seus cursos, procura analisar e agregar conteúdos que possibilitem ao egresso desenvolver um conjunto de habilidades e competências que possam lhe garantir uma visão técnica, científica, estratégica, social, cultural, ética, política e econômica, que são dimensões já previstas na própria missão da instituição, com base nas Diretrizes Curriculares Nacionais e legislação pertinente. Nesse sentido, a IES tem como proposta formar um profissional que: I. Seja reconhecido como egresso de programas de cursos de elevada qualidade e desenvolvidos em sintonia com as necessidades do mercado de trabalho e com as diretrizes curriculares estabelecidas pelo Conselho Nacional de Educação; II. Venha a desenvolver uma atuação plena na modalidade escolhida, atendendo ao perfil de sua formação, individualizadas em cada programa de curso ofertado pela IES;

26 III. IV. Seja respeitado como profissional qualificado e capacitado a inserir-se no mercado de trabalho, mais especificamente no mundo produtivo, desenvolvendo sua atuação de forma responsável e ética; Esteja preparado para desenvolver a gestão de processos e produção de bens e serviços, a produção e inovação científico-tecnológica no mundo do trabalho, o desenvolvimento de competências profissionais, incluindo os fundamentos científicos e humanísticos, necessários ao desempenho profissional além de elevada capacidade empreendedora. Além destas características gerais, cada curso possui seu escopo particular visando formar as competências e habilidades necessárias a cada área específica, sendo que o perfil do egresso do Curso de Tecnologia em Gestão Financeira da Faculdade de Tecnologia do Vale do Ivaí é o de um profissional capaz de: I. Exercer cargos de direção, gerência, chefia em empreendimentos de diferentes segmentos, com perfil voltado para a gerência moderna, dinâmica e flexível; II. III. IV. Analisar, sugerir, elaborar e acompanhar projetos voltados ao desenvolvimento empresarial; Entender os fenômenos da microeconomia e da macroeconomia e suas implicações na tomada de decisões financeiras em nível de empresa; Identificar a necessidade de investimentos de curto, médio e longo prazo na empresa e dominar métodos, técnicas e conceitos relacionados à captação e aplicação de recursos; V. Compreender o processo de gestão financeira e os contornos envolvendo custos alternativos, custos de oportunidade, custo-benefício bem como a inter-relação com outros segmentos empresariais; VI. Utilizar eficientemente as ferramentas de gerenciamento de informações atuais para elaboração de tabelas, planilhas e outros documentos utilizados para a gestão financeira em empresas; VII. VIII. IX. Analisar na composição financeira os efeitos de diferentes fatores, tais como: preço, rotação de estoque, taxa de lucratividade, estratégias de venda e de tributação; Organizar e analisar dados relevantes para as atividades de finanças, associados à sazonalidade de comercialização, de matemática financeira (juros, descontos, prestações, etc.) utilizando-se de calculadoras, tabelas e planilhas de cálculo; Trabalhar de forma integrada compartilhando conhecimento e experiências com os demais funcionários da empresa, como, Contadores, Gerentes e Diretores; X. Propor e participar de ações voltadas não somente para o desenvolvimento empresarial, mas para o desenvolvimento sustentável da região.

27 3.5 FORMAS DE ACESSO AO CURSO meio de: O aluno pode ter acesso aos cursos da Faculdade de Tecnologia do Vale do Ivaí por I. Processos seletivos, que ocorrem segundo normas específicas estabelecidas pela legislação vigente e pelo CONSUP. Na graduação, podem participar estudantes que tenham concluído o ensino médio ou equivalente. O processo de seleção é definido anualmente pela Comissão do Processo Seletivo e se dá normalmente por exame vestibular, levando em consideração as especificidades das organizações curriculares dos cursos; II. III. Transferência externa (voluntária ou ex-officio), na qual podem candidatar-se estudantes regularmente matriculados em cursos de graduação ou pós-graduação de outras Instituições de Ensino Superior. No caso da transferência voluntária, o pedido fica condicionado à existência de vaga no curso pretendido. A transferência ex-officio, por sua vez, é obrigatória, independente da existência de vaga, e aplicável a servidores públicos federais removidos ou a seus dependentes; Portador de diploma de curso superior, sendo que o mesmo poderá solicitar ingresso na Faculdade de Tecnologia do Vale do Ivaí para obtenção de novo título de graduação, ficando o ingresso na dependência da existência de vaga. 3.6 ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO A proposta de organização curricular está estruturada em conformidade com os princípios da educação profissional. A conclusão de cada módulo corresponde a uma terminalidade ocupacional, a ser comprovada por certificado de qualificação profissional, o que contribuirá para a vida profissional do aluno, no setor correspondente. Assim, quanto mais módulos concluir tanto mais completa a sua informação, formação e, portanto, a sua certificação em educação profissional. A conclusão de todos os módulos permite e faculta as certificações correspondentes e dá acesso a terminalidade ampla de graduação, que, além de ensejar o grau de tecnólogo, poderá ser aproveitada em outros cursos de graduação. A matriz curricular do curso, contempla a disciplina Projeto Integrado Multidisciplinar ao longo dos quatro semestres do curso. Essa disciplina possui caráter interdisciplinar e multitemática, e tem como objetivo identificar as diferentes perspectivas que moldam a formação de uma empresa desenvolvendo pesquisas que resultem em possíveis orientações para uma pedagogia de projeto que promova uma efetiva articulação entre as disciplinas do curso de Gestão Financeira e as diferentes áreas do conhecimento, contribuindo para uma educação que possa ir além das fronteiras disciplinares e que possibilite a compreensão do mundo real e a internalização de uma ética planetária.

28 Nesse sentido, a referida disciplina se desenvolve a partir de eixos temáticos, de forma que os mesmos propiciem aos alunos o acesso a conhecimentos que vão além da especificidade de conhecimentos que o curso solicita, ampliando, dessa forma a visão de homem e de mundo dos acadêmicos. Para tanto, a disciplina contempla conteúdos que abordam temas como educação ambiental e sustentabilidade, inclusão social, etnias, em especial a temática da História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena, entre outros. A referida disciplina ainda tem como objetivos: Identificar entre os alunos da FATEC, as concepções que permeiam a práticas baseadas na pedagogia de projetos; Desenvolver, com os professores, estratégias que promovam a adoção de uma nova postura pedagógica capaz de consolidar a aplicação da metodologia de pedagogia de projeto numa visão interdisciplinar e transdisciplinar relacionando estes conceitos com as disciplinas do curso de Gestão Financeira; Elaborar através das leituras bibliográficas e dos diálogos travados com os professores e alunos, os pressupostos que orientem a metodologia de pedagogia de projeto; Evidenciar como a pedagogia de projeto, numa visão interdisciplinar, pode contribuir para o desenvolvimento das competências exigidas pelo mundo moderno e globalizado nos alunos da FATEC. Os conteúdos curriculares previstos em cada disciplina do curso encontram-se em anexo a este projeto Matriz Curricular do Curso de Gestão Financeira 1º PERÍODO BASES CONCEITUAIS Administração Geral e Processos de Gestão 60 Contabilidade Gerencial 60 Economia Básica 60 Matemática Básica e Estatística 60 Metodologia Científica 60 C. H. Projeto Integrador Multidisciplinar I 100 TOTAL 400 2º PERÍODO EMPREENDEDORISMO E ANÁLISE DE CUSTOS Comunicação Empresarial 60 C. H.

Mantida pela União de Ensino Superior do Vale do Ivaí Ltda - UNESVI Credenciada pela Portaria nº 2.420 de 11 de julho de 2005

Mantida pela União de Ensino Superior do Vale do Ivaí Ltda - UNESVI Credenciada pela Portaria nº 2.420 de 11 de julho de 2005 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DA INSTITUIÇÃO 1.1 DADOS DA MANTENEDORA RAZÃO SOCIAL: UNESVI - União de Ensino Superior do Vale do Ivaí Ltda. CNPJ: 05.440.305/0001-38 CATEGORIA ADMINISTRATIVA: Pessoa Jurídica de Direito

Leia mais

ELEITORES E ZONAS ELEITORAIS FONTE DATA REGIÃO

ELEITORES E ZONAS ELEITORAIS FONTE DATA REGIÃO TERRITÓRIO E GOVERNADOR Desmembrado de Estado de São Paulo Data de Instalação 19/12/1853 Data de Comemoração (Aniversário) 19 de Dezembro Governador(a) (TRE-PR) Carlos Alberto Richa ELEITORES E ZONAS ELEITORAIS

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ME FACULDADE INTEGRADA DE SANTA MARIA PRELIMINARES POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA Santa Maria, RS Junho - 2010 1 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO... 1 2. POLÍTICAS DE ENSINO

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

Coordenação de Pós-Graduação e Extensão. Legislação sobre cursos de Pós-graduação Lato Sensu e Credenciamento da FACEC

Coordenação de Pós-Graduação e Extensão. Legislação sobre cursos de Pós-graduação Lato Sensu e Credenciamento da FACEC Coordenação de Pós-Graduação e Extensão Legislação sobre cursos de Pós-graduação Lato Sensu e Credenciamento da FACEC Os cursos de especialização em nível de pós-graduação lato sensu presenciais (nos quais

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. (Resumido)

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. (Resumido) FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRATIVAS DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM ES Curso de Administração reconhecido pelo Decreto Federal nº 78.951, publicado no D.O.U. de 16-12-1976 Curso de Ciências Contábeis

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE S (ÁREA: GESTÃO) TECNÓLOGO SERIADO ANUAL - NOTURNO 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização:A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

Regulação, supervisão e avaliação do Ensino Superior: Perguntas Frequentes. 1

Regulação, supervisão e avaliação do Ensino Superior: Perguntas Frequentes. 1 Regulação, supervisão e avaliação do Ensino Superior: Perguntas Frequentes. 1 1. Quais são os tipos de instituições de ensino superior? De acordo com sua organização acadêmica, as instituições de ensino

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*)

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Ciências Contábeis, bacharelado, e dá outras providências. O Presidente da Câmara de Educação

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 1º Fica aprovado, conforme anexo, o Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná.

RESOLUÇÃO. Artigo 1º Fica aprovado, conforme anexo, o Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná. RESOLUÇÃO CONSEPE 14/2006 Referenda a aprovação do Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO - BACHARELADO MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento

Leia mais

Rodovia Washigton Luis km 173,3, s/n, Chácara Lusa Centro CEP: 13501600 - Rio Claro SP Inscr. Estadual: Isento CNPJ nº 05.143.

Rodovia Washigton Luis km 173,3, s/n, Chácara Lusa Centro CEP: 13501600 - Rio Claro SP Inscr. Estadual: Isento CNPJ nº 05.143. SUMÁRIO CAPÍTULO I - DISPOSIÇÃO INICIAL... 1 CAPÍTULO II DA NATUREZA E FINALIDADES DO PROGRAMA DE MONITORIA... 2 CAPÍTULO III DOS OBJETIVOS... 2 CAPÍTULO IV DOS REQUISITOS... 3 CAPÍTULO V DO REGULAMENTO...

Leia mais

2 Oferta de cursos técnicos e superiores por eixo tecnológico, por Campus. Taxa de ingresso nos cursos técnicos na forma de oferta, por Campus

2 Oferta de cursos técnicos e superiores por eixo tecnológico, por Campus. Taxa de ingresso nos cursos técnicos na forma de oferta, por Campus PERSPECTIVA OBJETIVO INDICADOR META RESULTADOS INSTITUCIONAIS 1 Nº de cursos técnicos e superiores, articulados com os arranjos produtivos locais por Campus; 2 Oferta de cursos técnicos e superiores por

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação?

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? O mercado do trabalho está cada vez mais exigente. Hoje em dia, um certificado de pós-graduação é imprescindível para garantia

Leia mais

Informativo Comissão Própria de Avaliação URI Erechim

Informativo Comissão Própria de Avaliação URI Erechim Informativo Comissão Própria de Avaliação URI Erechim 7ª edição março 2015 Avaliação Institucional: um ato de consolidação para as universidades! Segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração Cursos de Administração: qualidade necessária XIV Fórum Internacional de Administração Rio de Janeiro, 18 de maio de 2015 ENSINAR, APRENDER, AVALIAR... TRAJETÓRIA DA AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO SUPERIOR CAPES avaliação

Leia mais

Formulário de inscrição para Unidades Escolares:

Formulário de inscrição para Unidades Escolares: Presidência da República Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Secretaria de Políticas de Ações Afirmativas 1. Contextualização: Formulário de inscrição para Unidades Escolares: a) Descreva

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica

PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica Pró-Reitoria de Ensino do IFG Gilda Guimarães Dulcinéia de Castro Santana Goiânia_ 2012/1 1- PARÂMETROS LEGAIS LEI Nº 11.892, DE 29 DE

Leia mais

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Apresentação: O presente plano de trabalho incorpora, na totalidade, o debate e indicativo do coletivo docente e discente do Centro de Educação e

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ELEMENTOS PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ELEMENTOS PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ELEMENTOS PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO BÁSICA: EDUCAÇÃO BÁSICA: 1. Definir os padrões mínimos de qualidade estabelecidos pela LDB, considerando as especificidades

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1.1 Denominação Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 1.2 Total de Vagas Anuais 80 vagas anuais 1.3 Regime Acadêmico de Oferta Seriado

Leia mais

DECRETO Nº. III - criação de estrutura de financiamento pública e transparente para a extensão universitária;

DECRETO Nº. III - criação de estrutura de financiamento pública e transparente para a extensão universitária; DECRETO Nº. Institui o Plano Nacional de Extensão Universitária PNExt Art. 1º Fica instituído o Plano Nacional de Extensão Universitária PNExt constante deste Decreto, com o objetivo de promover a política

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REDAÇÃO DO PROJETO DE LEI Aprova o Plano Municipal de Educação - PME e dá outras providências. O Prefeito do Município de vereadores decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Faço

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

Plano Estratégico do Programa de Mestrado em Direito da UniBrasil PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015

Plano Estratégico do Programa de Mestrado em Direito da UniBrasil PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015 PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015 MAPA ESTRATÉGICO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO DA UNIBRASIL MISSÃO Promover, desenvolver e publicar pesquisas de qualidade, com sólida base jurídica e contextualização

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: CENECT Centro Integrado de Educação, Ciência e UF: PR Tecnologia S/C Ltda. ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS Art. 1. A Política de Assistência Estudantil da Pós-Graduação da UFGD é um arcabouço de princípios e diretrizes

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

META NACIONAL 12: elevar a taxa bruta de matrícula na educação superior para 50% (cinquenta por cento) e a taxa líquida para 33% (trinta e três por

META NACIONAL 12: elevar a taxa bruta de matrícula na educação superior para 50% (cinquenta por cento) e a taxa líquida para 33% (trinta e três por META NACIONAL 12: elevar a taxa bruta de matrícula na educação superior para 50% (cinquenta por cento) e a taxa líquida para 33% (trinta e três por cento) da população de 18 (dezoito) a 24 (vinte e quatro)

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

PARECER. Justificativa

PARECER. Justificativa Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás IFG - Campus Anápolis Departamento das Áreas Acadêmicas Parecer: Do:

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR

SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR Metas PNE - Meta 12 Elevar a taxa bruta de matrícula na Educação Superior para 50% (cinquenta por cento) e a taxa líquida para 33% (trinta e três por cento) da população

Leia mais

Edital 1/2014. Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica

Edital 1/2014. Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica Edital 1/2014 Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica A (PoloSul.org) torna pública a presente chamada e convida os interessados para apresentar propostas de incubação

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS EIXO III - CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO

CONSELHO UNIVERSITÁRIO P R O P O S T A D E P A R E C E R CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROCESS0 Nº: 007/2014 ASSUNTO: Proposta de texto Construção de Políticas e Práticas de Educação a Distância a ser incluído no Plano de Desenvolvimento

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: TURISMO ( bacharelado) Missão Formar profissionais humanistas, críticos, reflexivos, capacitados para planejar, empreender e gerir empresas turísticas, adaptando-se ao

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE INDAIATUBA Rua Claudio Dal Canton, 89 - Cidade Nova II - Indaiatuba -SP - CEP 13334-390 (19) 3885-6700 www.portalpos.com.

FACULDADE ANHANGUERA DE INDAIATUBA Rua Claudio Dal Canton, 89 - Cidade Nova II - Indaiatuba -SP - CEP 13334-390 (19) 3885-6700 www.portalpos.com. A pós-graduação é fundamental para manter-se bem colocado no mercado de trabalho e para aperfeiçoar competências profissionais. Além de enriquecer o currículo, este tipo de especialização ajuda a melhorar

Leia mais

O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica

O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica Francisco Aparecido Cordão Conselheiro da Câmara de Educação Básica do CNE facordao@uol.com.br 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CAMPUS DE FOZ DO IGUAÇU CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS PLANO DE TRABALHO 2012-2015

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CAMPUS DE FOZ DO IGUAÇU CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS PLANO DE TRABALHO 2012-2015 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CAMPUS DE FOZ DO IGUAÇU CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS PLANO DE TRABALHO 2012-2015 CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DO CAMPUS DE FOZ DO IGUAÇU PROF.

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL I - Fundamentos legais A Constituição de 1988, inciso IV do artigo 208, afirma: O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM

EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1.2. Universalização do ensino fundamental de nove anos

Leia mais

Al. dos Pamaris, 308 Moema São Paulo / SP - CEP: 04086-020 Fone: 11 5535-1397 Fax: 11 5531-5988 www.humus.com.br

Al. dos Pamaris, 308 Moema São Paulo / SP - CEP: 04086-020 Fone: 11 5535-1397 Fax: 11 5531-5988 www.humus.com.br PALESTRAS E CURSOS IN COMPANY PARA O ENSINO SUPERIOR ACADÊMICOS A Coordenação de Curso e sua Relevância no Processo de Competitividade e Excelência da IES Acessibilidade: requisito legal no processo de

Leia mais

A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos.

A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos. Q A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos. É uma alusão à essência e ao compromisso da Secretaria

Leia mais

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 METAS AÇÕES PRAZOS Expansão do número de vagas do curso de Engenharia de Produção. SITUAÇÃO MARÇO DE 2015 AVALIAÇÃO PROCEDIDA EM 12.03.2015 CPA E DIRETORIA

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO Projeto do Curso de Extensão ORGANIZAÇÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO

Leia mais

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são:

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são: 1) Formas de participação do Corpo Discente: O Colegiado do Curso é um órgão consultivo, deliberativo e normativo, onde é possível a participação do corpo discente nas decisões que competem a exposição

Leia mais

SIC 56/07. Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007.

SIC 56/07. Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007. SIC 56/07 Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007. 1. DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO, PELO INEP, DOS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO PARA O CREDENCIAMENTO DE INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR E SEUS PÓLOS DE APOIO

Leia mais

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO:

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1. Profissionais da educação: formação inicial e continuada 1.1. Implantar

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018 (Síntese da Matriz estratégica) Texto aprovado na 19ª Reunião Extraordinária do CONSUNI, em 04 de novembro de 2013. MISSÃO Ser uma Universidade que valoriza

Leia mais

Sistema de Educación Superior en Brasil: Panorama, perspectivas y desafíos.

Sistema de Educación Superior en Brasil: Panorama, perspectivas y desafíos. Sistema de Educación Superior en Brasil: Panorama, perspectivas y desafíos. CLAUDIA MAFFINI GRIBOSKI Directora de Evaluación del INEP Instituto Nacional de Estudos e Pesquizas Educacionais Ainísio Teixeria

Leia mais

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Abril de 2012 Página 1 de 11 Sumário Introdução 3 Justificativa 5 Objetivos 6 Metodologia 7 Dimensões de

Leia mais

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico Secretaria de Educação a Distância Departamento de Planejamento em EAD Coordenação Geral de Planejamento de EAD Programa TV Escola Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola Projeto Básico

Leia mais

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ AREA TEMÁTICA: TRABALHO LAIS SILVA SANTOS 1 CARLOS VINICIUS RODRIGUES 2 MARCELO FARID PEREIRA 3 NEUZA CORTE DE OLIVEIRA

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento

LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento PNE PME LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento locais e nacionais (prova Brasil e IDEB) 10% do

Leia mais

Curso de Especialização em GESTÃO E LOGÍSTICA HOSPITALAR

Curso de Especialização em GESTÃO E LOGÍSTICA HOSPITALAR Curso de Especialização em GESTÃO E LOGÍSTICA HOSPITALAR ÁREA DO CONHECIMENTO: Administração e Saúde. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Gestão e Logística Hospitalar.

Leia mais

NORMAS PARA PROGRAMAS DE CONCESSÃO DE BOLSAS DE FORMAÇÃO, DE PESQUISA E TECNOLÓGICA - FAPEG-I

NORMAS PARA PROGRAMAS DE CONCESSÃO DE BOLSAS DE FORMAÇÃO, DE PESQUISA E TECNOLÓGICA - FAPEG-I RESOLUÇÃO N. 001/2007 ANEXO NORMAS PARA PROGRAMAS DE CONCESSÃO DE BOLSAS DE FORMAÇÃO, DE PESQUISA E TECNOLÓGICA - FAPEG-I 1. Conceituação As normas relativas à concessão de Bolsas de Formação, de Pesquisa

Leia mais

Perguntas Frequentes. Quem é o aluno da UFPI?

Perguntas Frequentes. Quem é o aluno da UFPI? Perguntas Frequentes Quem é o aluno da UFPI? É o indivíduo que está regularmente matriculado em uma disciplina ou curso ou, ainda, que já ingressou na UFPI, embora não esteja cursando nenhuma disciplina

Leia mais

PROJETO TUTOR UNIVERSITÁRIO:

PROJETO TUTOR UNIVERSITÁRIO: PROJETO TUTOR UNIVERSITÁRIO: ESTUDO DE CASO DE UMA EXPERIÊNCIA BEM-SUCEDIDA PROJETO IMPLATADO PELA ANHANGUERA EDUCACIONAL Palestrante: Ana Maria Costa de Sousa Debatedor: Gabriel Mário Rodrigues Tutoria

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM GESTÃO FINANCEIRA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM GESTÃO FINANCEIRA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM GESTÃO FINANCEIRA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais) Fone: 55

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006.

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. Aprova, em extrato, o Instrumento de Avaliação Externa de Instituições de Educação Superior do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES O MINISTRO

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais