ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EXPORTAÇÃO i DE ARTESANATO. Perfil França. Prospecção de oportunidades comerciais Novembro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EXPORTAÇÃO i DE ARTESANATO. Perfil França. Prospecção de oportunidades comerciais. 2013 Novembro"

Transcrição

1 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EXPORTAÇÃO i DE ARTESANATO Perfil França Prospecção de oportunidades comerciais 2013 Novembro

2 Associação Brasileira de Exportação de Artesanato (Abexa) ii Tiago Dalvi Diretor Geral Tânia Machado Diretora Administrativa e Financeira Rozana Trilha Diretora de Projetos e Comunicação Social Pedro Gabrich Gerente Executivo Lorena Matos Assessora de Inteligência Comercial Responsável pelo estudo Atenção Este estudo tem o propósito de fornecer subsídios aos parceiros da Abexa na tomada de decisões de ingresso ou expansão em mercados internacionais. A equipe responsável pelo estudo, não se responsabiliza pelas ações tomadas com base nas informações fornecidas por este trabalho. Novembro 2013

3 iii Índice 1 Sumário Executivo Dados Básicos Dados Geográficos e População Dados econômicos Panorama da Organização Política e da administração da França Política Comercial da França Acesso ao mercado Documentos de desembaraço aduaneiro Registro de Operador Econômico e Identificação (EORI), Declaração sumária de entrada Declaração Aduaneira - Documento Administrativo Único (SAD sigla em inglês) Fatura Comercial (Invoice) Declaração de valor aduaneiro Documentos de Frete Seguro de Carga Romaneiro (Packing List - PL) Documentos associados com o SAD Restrições de importação Informações adicionais para entrada no mercado Intercâmbio comercial da França Intercâmbio comercial Brasil e França Oportunidades de negócios na França Infraestrutura e Logística Sistema de transporte rodoviário Sistema de transporte ferroviário Sistema de transporte marítimo Sistema de transporte aéreo Acesso a Internet...36

4 iv 7.5 Performance logística Análise do setor de artesanato Panorama do setor artesanal francês Principais tendências do mercado de artesanato na França Perfil do Consumidor Francês Análise do mercado francês de móveis e decoração Móveis de madeira para cozinha Móveis de sala de estar e jantar Distribuição de móveis na França Análise do mercado francês de objetos de decoração Velas Produtos de cerâmica e acessórios Produtos de utilidade doméstica de cerâmica Decorações de metais Produtos de tecido para decoração Cortinas Roupa de mesa Análise do mercado francês de jóias e bijouterias Importantes canais de comercialização de jóias e bijouterias na França Análise do Mercado Francês de Acessórios de Vestuário Análise da concorrência por segmentos Brinquedos Cartonagem Produtos de decoração Velas e aromáticos Cestaria Flores Iluminação Ornamentação Têxtil...62

5 v 9.4 Moda Vestuário Bolsas Calçados Acessórios Joalheria Móveis Móveis de vime, ratã ou bambu Móveis de madeira Outros móveis Utensílios domésticos Produtos para cama Produtos para mesa Produtos de utilidade doméstica diversas Bibliografia Anexos Principais feiras comerciais Principais revistas do setor de decoração Principais contatos na França Principais contatos no Brasil Feriados Nacionais da França...78

6 1 1 Sumário Executivo A França está situada no continente Europeu e é considerada um dos principais países da região em questão cultural, geográfica e econômica. A localização da França oferece possibilidade de oferecer produtos aos mercados europeus, levando em conta que também possui uma das melhores infra-estruturas do mundo. O país tem uma extensão territorial de 643 mil quilômetros quadrados e possui uma população de 65,9 milhões de habitantes. O principal centro urbano do país é Paris, que está situado no departamento de Île-de-France. Atualmente, cerca de 85,8% da população do país vive em áreas urbanas. A França é considerada um país de renda alta, que possui um PIB per capita de US$ 41,2 mil e o PIB nacional é de US$ 2,608 trilhões. A economia da França é composta por 2% pelo setor da agricultura, 18% pelo setor industrial e 79,2% pelo setor de serviços. O mercado francês é muito famoso no setor de luxo e de turismo, sendo um dos principais países do mundo em acolhimento turístico. Anualmente, o país recebe cerca de 80 milhões de turistas e possui a terceira maior renda do mundo com o setor de turismo. A França está num momento econômico-financeiro difícil, em decorrência da situação da zona do Euro e também pela crise financeira mundial. Tal situação contribuiu para que houvesse contração nas atividades econômicas o que tem gerado altas taxas de desemprego no país. A expectativa governamental é que o PIB nacional cresça cerca de 0,8%, até O governo está empreendendo esforços para retomar a situação macroeconômica e financeira do país, através de diminuição de despesas públicas, aumentando a concorrência do mercado, reformando a estrutura tributária do país, do mercado de trabalho e da educação. A política comercial da França é semelhante aos dos países da União Européia (UE), e também é um importante ator dentro da política UE, esse sendo um instrumento estratégico da política comercial externa e econômica da UE. Para exportar para França é necessário seguir as leis aduaneiras da UE. O Brasil como os demais membros da OMC beneficiam-se na UE da pauta convencional. Em 2012, a França foi o décimo primeiro parceiro comercial do Brasil, tendo a participação de 2,15% do fluxo do comércio exterior brasileiro. Durante o período de 2005 a 2012, as exportações brasileiras para França tiveram um crescimento de 63,75%. Em relação à mensuração do ambiente de negócios na França, o país foi considerado o trigésimo quarto melhor país para fazer negócios, entre 182 países, em Essa mensuração é feita através da análise de dez áreas do ciclo de vida de negócios, dentre elas duas muito importantes são: comércio exterior e cumprimento contratual. No quesito de

7 2 comércio exterior, a França foi o oitavo melhor país da Europa e no quesito cumprimento contratual foi terceiro melhor. O setor artesanal da França ocupa um lugar privilegiado na economia do país, pois desempenha mais de 500 atividades diferentes. As empresas artesanais francesas empregam, geralmente, menos de dez funcionários. Os artesãos qualificados nos seus ofícios, chamados de mestres, são detentores de know how, que é transmitido para seus aprendizes. A cada ano na França, cerca de 200 mil aprendizes são treinados por essas empresas e oito em cada dez têm um emprego que provém da sua formação. No país, existem aproximadamente 1 milhão de empresas artesanais, sendo que 40% delas estão inseridas no setor de construção, 32% no setor de serviços, 17% no setor de produção e 11% no setor de alimentação. Estima-se que no país o mercado de artesanato e artigos de decoração movimente cerca de 200 milhões de euros. Esse mercado é formado basicamente por dois tipos de clientela: turistas e clientes locais. Devido à diminuição do poder aquisitivo dos franceses, em decorrência da crise enfrentada pelo país, gerou um impacto negativo nas compras de bens não essenciais. Embora a preocupação com preços dos bens, a qualidade ainda continua ser um fator importante na decisão de compra para os franceses. Este estudo fragmentou a análise por segmentos que o artesanato pode está atrelado, sendo eles: móveis, produtos de decoração, moda, brinquedos, produtos de cartonagem e utilidades domésticas. Além disso, estão listados os principais varejistas do mercado francês e instituições importantes para cada segmento citado.

8 3 2 Dados Básicos Nome Oficial: República da França Presidente da República: Francois Hollande (desde 2012) Primeiro Ministro: Jean-Marc Ayrault Capital: Paris (capital administrativa) Governo: Republicano Língua oficial: Francês Moeda: Euro Clima: Invernos frios e verões amenos, ao longo do Mediterrâneo ocorrem invernos mais amenos e verões mais quentes. Extensão territorial total: km² Extensão territorial no território europeu: km² População: 65,9 milhões (CIA, 2013) Fuso horário: + 5 horas (Horário de Brasília e Paris) PIB: 2,609 trilhões de dólares

9 4 3 Dados Geográficos e População A França está localizada na Europa Ocidental, faz fronteira com Espanha, Bélgica, Luxemburgo, Alemanha, Suíça e Itália. Além disto, o país é banhado, no norte, pelo Canal Inglês, no oeste, pelo Golfo da Biscaia e, no sul, pelo Mar Mediterrâneo, conforme o mapa seguinte. Ilustração 1: Mapa da França Fonte: CIA, A França possui 22 divisões administrativas metropolitanas (departamentos), sendo eles: Alsace (1), Aquitaine (2), Auvergne (3), Basse-Normandies (4), Bourgogne (5), Bretagne (6), Centre (7), Champagne-Ardenne (8), Corse (9), Franche-Comte (10), Haute-Normandie (11), Ile-de-France (12), Languedoc-Roussilion (13), Limousin (14), Lorraine (15), Midi- Pyreness (16), Nord-Pas-de-Calais (17), Pays de la Loire (18), Picardie (19), Poitou- Charentes (20), Provence-Alpes-Cote d Azur (21), Rhone-Alpes (22), que estão localizados conforme no mapa a seguir.

10 5 Ilustração 2: Mapa da divisão administrativa da França Fonte: Wikipédia, 2013 Além dos departamentos franceses que estão localizados no continente europeu, a França também possui 5 regiões ultramarinas, que são: Guiana Francesa (América do Sul), Guadaloupe (América Central), Martinica (América Central), Mayotte (África) e Reunion (África). As principais cidades do país são as seguintes: Paris, Bordeaux, Lille, Lyon, Marseille, Nice, Nantes, Estrasburgo, Toulon e Tolouse. Dentre essas cidades, as que têm mais de 750 mil habitantes, são as seguintes: Tabela 1: Cidades na França, com mais de 750 mil habitantes Cidade * Paris Marseille Lyon Lille Nice-Cannes Toulouse Bordeaux Fonte: Elaborado pela Abexa, baseado em dados na UN Population Division, *Estimativa A Central Intelligence Agency (CIA) estima que no ano de 2013, a França tenha uma população, aproximada, de habitantes, e a nível mundial esteja no vigésimo primeiro (21) lugar de país mais populoso. Segundo a UN Population Division, estima-se que para os anos de 2020 e de 2030, a população do país chegue a 66,5 milhões e 69,3 milhões de habitantes, respectivamente. No gráfico seguinte, tem-se a prospecção de crescimento populacional da França.

11 6 Equação 1: Prospecção de crescimento da população na França (Milhões) 56,8 58,0 59,2 61,4 63,2 65,0 66,6 68,0 69,3 70,5 71,5 72, Fonte: Elaborado pela Abexa, baseado em dados na UN Population Division, Na França, a população está concentrada nas grandes metrópoles do país. Observa-se que, apenas, no departamento de Île-de-France, onde fica Paris, está concentrado mais de 18% da população. No mapa e na tabela seguintes, está exposto o panorama da densidade demográfica da França. Ilustração 3: Densidade demográfica da França (2006)

12 7 Fonte: Statistiques Mondiales, Ilustração 4: População por Departamento da França (2011) Departamento População % da população total Île-de-France ,79% Rhône-Alpes ,98% Provence-Alpes-Côte d'azur ,78% Nord-Pas-de-Calais ,40% Pays de la Loire ,72% Aquitaine ,17% Bretagne ,12% Midi-Pyrénées ,61% Languedoc-Roussillon ,23% Centre ,05% Lorraine ,72% Picardie ,04% Alsace ,93% Haute-Normandie ,92% Poitou-Charentes ,82% Bourgogne ,60% Basse-Normandie ,34% Auvergne ,14% Champagne-Ardenne ,11% Franche-Comté ,86% Limousin ,18% Corse ,50% Total ,00% Fonte: INSEE, Segundo dados da UN Population Division, em 2011, cerca de 85,8% da população francesa vivem em áreas urbanas. A estimativa que essa taxa, em 2030, seja de 91,42%, conforme o gráfico a seguir. Equação 2: População urbana e rural da França (%) ( ) 74,06% 85,82% 91,42% 25,94% 14,18% 8,58% Fonte: Elaborado pela Abexa, baseado em dados na UN Population Division, Sobre a estrutura da população francesa por idade e sexo, observa-se que mais de 57% da população está entre a faixa etária de 20 a 64 anos, seguida pelas faixas etárias de pessoas

13 8 com menos de 20 anos e de pessoas com mais de 65 anos de idade, que correspondem a cerca de 24,6% e 17,53% da população francesa, respectivamente. Em relação à estrutura por sexo, as mulheres são a maioria no país, que representam mais de 51% da população. Na tabela seguinte, está exposto esse panorama. Tabela 2: Estrutura da população francesa por idade e sexo (2013) Dados Homens Mulheres Juntos % de homens por idade da população total % de mulheres por idade da população total % de ambos os sexos por idade da população total Menos de 20 anos ,61% 12,06% 24,66% De 20 a 64 anos ,46% 29,35% 57,81% Mais de 65 anos ,37% 10,15% 17,53% Total ,44% 51,56% 100,00% Fonte: INSEE, 2013 A média da expectativa de vida da população francesa é de 81,56 anos (CIA, 2013). Em comparação a outros países, o França está na 15ª posição no ranking de 221 países, com melhor expectativa de vida. Sobre o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) 1, a França está classificada como país de alto desenvolvimento humano, com uma nota de 0,893, que varia entre 0 a 1, sendo que quanto maior a nota, melhor o índice. A França está na vigésima (20ª) posição de melhor IDH do mundo, em comparação a 187 países. Entre o período de 1980 a 2012, o IDH da França aumentou de 0,728 para 0,893, que representou um aumento de 23% e um aumento médio anual de, aproximadamente, de 0,6%. Equação 3: Comparação do IDH da França com o mundo Fonte: Pnud, O IDH é mensurado através de três variáveis expectativa: de vida, educação e renda per capita.

14 9 4 Dados econômicos A França é considerada um país de renda alta (high income) 2, segundo o Banco Mundial, essa classificação é baseada nos dados do produto interno bruto (PIB) per capita, do país. Segundo estatísticas do Fundo Monetário Internacional (FMI), o PIB per capita da França, nos anos de 2011 e 2012, foi de e dólares, respectivamente. Segundo o FMI, o PIB da França em valores correntes em moeda internacional, dólares americanos, em 2011 e 2012, computou os valores de US$ 2,778 e US$ 2,608 trilhões, respectivamente. A estimativa do PIB do país, em 2013, é de US$ 2,789 trilhões. A taxa de crescimento médio anual do PIB do país, durante o período de 2007 a 2012, foi de 0,17%. Entre o ano de 2011 e 2012, houve uma queda de -6,10% do crescimento do PIB nacional da França. Em relação ao PIB baseado na paridade do poder de compra (PPC), que é o índice mais indicado para analisar o padrão de vida das populações, no ano de 2012 foi computado o valor de US$ 2,254 trilhões, colocando a França no décimo (10) lugar no ranking mundial. Tabela 3: Dados econômicos da França ( ) (US$) Dados * Cresc. Médio anual ( ) Crescimento anual ( ) PIB nacional 2.140, , , , , , , , ,27 0,17% -6,10% (US$ bilhões) PIB per capita , , , , , , , , ,97-0,34% -6,57% PIB PPC 1.862, , , , , , , , ,62 1,68% 1,82% (US$ bilhões) PIB PPC per capita , , , , , , , , ,52 1,16% 1,31% Fonte: Elaborado pela Abexa, baseado em dados do FMI, A economia da França é composta por 2% pelo setor da agricultura, 18,8% pelo setor industrial e 79,2% pelo setor de serviços (CIA, 2012), observa-se que a economia da França está direcionada para o setor de serviços. O setor agrícola da França é dinâmico e o país é o maior produtor agrícola entre os países da União Européia. A viticultura ocupa um lugar muito importante nesse setor, que coloca a França como um grande produtor mundial de vinhos. Em relação ao setor industrial, o país também apresenta uma grande diversidade, e está envolvido em várias áreas, como: agroalimentar, automobilística, construção e obras 2 O Banco Mundial classifica as economias dos países membros do Banco e também dos países com população superior a 30 milhões de habitantes. Para termos analíticos, as economias são divididas em grupos, de acordo com o PIB per capita de Os grupos são: baixa renda (low income) de dólares ou menos; renda média baixa (lower middle income), de a dólares; renda média alta (upper middle income), de a dólares; e renda alta (high income), de dólares ou mais.

15 10 públicas, indústria química, ferroviária, aeronáutica e aeroespacial, energia, indústria farmacêutica e cosmética. Além disto, a França é um país muito famoso no setor de luxo e de turismo, que é um dos principais países do mundo em acolhimento turístico. Anualmente, o país atrai mais de 80 milhões de turistas estrangeiros e possui a terceira maior renda do mundo com esse setor. A força de trabalho francesa empregada por setor é a seguinte: agricultura, 3,8%; industria, 24,3%, e serviços, 71,8%. O número de população ativa da França correspondeu a 29,78 milhões de pessoas, em A taxa de desemprego no país foi de 10,3%, no mesmo ano. Com relação ao fluxo de investimento estrangeiro direto (IED) para a França, observa-se que o pico da entrada de IED no país ocorreu, em 2007, que contabilizou a entrada de mais de US$ 96,2 bilhões. Mas, em decorrência da crise econômica/financeira houve uma forte queda no fluxo de IED para o país, em 2009, foi registrado a entrada de US$ 24,2 bilhões, que representaram uma queda de -74,83%, em relação ao ano de Em 2010, foi retomado um crescimento, porém brando, no fluxo de IED, para a França. Contudo, em 2012, novamente houve uma queda no fluxo de IED para o país. Durante o período de 2007 a 2012, o crescimento médio anual do fluxo de IED foi de -23,57%. No gráfico seguinte, tem-se esse panorama. Dentre os principais destinos do fluxo de IED para a França estão: países da União Européia (Países Baixos, 32,6%; Alemanha, 10,7%; Bélgica 16,6%; e Espanha 0,6%), Suíça (17,6%), Estados Unidos (1,9%), Japão (1,7%), China (0,3%) e o Brasil (0,1%). Equação 4: Fluxo de IED para a França ( ) (US$ bilhões) 96,2 85,0 71,8 64,2 15,6 15,2 17,9 16,4 15,6 23,7 22,0 23,2 31,0 46,5 43,3 50,5 49,0 42,5 32,6 24,2 33,6 38,5 25,

16 11 Fonte: Elaborado pela Abexa, baseado em dados da UnctadStat, A França como parte da Zona do Euro 3, participa de um ambiente econômico e financeiro muito difícil, essa crise se transformou em uma crise da dívida soberana dos países. Essa situação mostrou que é necessário garantir a solidez das finanças públicas para proporcionar uma estabilidade macroeconômica e financeira. Em decorrência da crise foram afetados todos os componentes das despesas dos Estados da União Européia, ocasionando lentidão nos investimentos e as exportações tiveram impactos negativos. Tais fatores contribuíram para que houvesse uma contração nas atividades econômicas e que têm gerado um forte impacto no mercado de trabalho, que significa altas taxas de desemprego. A expectativa do governo francês é que a economia cresça cerca de 0,8%, até Como tentativa de melhorar a situação macroeconômica e financeira do país, o governo está empreendendo esforços para a consolidação orçamental, com a diminuição das despesas públicas, aumentando a concorrência no mercado, reformando a estrutura tributária do país, do mercado de trabalho e da educação. Em relação à taxa inflação na França, durante o período de 2007 a 2012, ocorreu uma variação média anual de 6,58%. No ano de 2012, a taxa de inflação média no país foi de 2,2%. A taxa de inflação na França é ligeiramente, menor do que a média dos países da União Européia, conforme o gráfico a seguir. Equação 5: Taxa média anual de inflação (%) ( ) 4 3,5 3 2,5 2 1,5 1 0, União Europeia França Fonte: Elaborado pela Abexa, baseado em dados do EuroStat, Zona do euro inclui os países da União Europeia que adotaram o Euro como moeda única, que são dezessete países: Alemanha, Áustria, Bélgica, Chipre, Espanha, Estónia, Finlândia, França, Grécia, Irlanda, Itália, Luxemburgo, Malta, Países Baixos, Portugal, Eslováquia e Eslovênia.

17 Panorama da Organização Política e da administração da França Segundo a constituição da V República Francesa, promulgada em 4 de outubro de 1958, estipula que a França é uma República indivisível, laica, democrática e social. Atualmente, o sistema de governo francês é semipresidencialista, o presidente detém muitos poderes, segundo a constituição, ele preside o conselho de ministros, promulga as leis e é o chefe das forças armadas. O Presidente é eleito por um mandato de cinco anos, pelo sufrágio universal direto. Os poderes do presidente são regulados pelo primeiroministro e pelo parlamento. O Primeiro-ministro é nomeado pelo Presidente, e é responsável por liderar as ações do governo, perante as duas câmaras do Parlamento que são: Assembleia Nacional e o Senado. A Assembleia Nacional é composta por 577 deputados que são eleitos pro sufrágio universal direto, com um mandato de cinco anos. Já o Senado, é composto por 348 senadores eleitos por sufrágio universal indireto e têm o mandato de 6 anos. O Parlamento francês controla o governo, elabora e vota as leis do país. Em caso de desacordo, é a Assembleia Nacional que estatui de forma definitiva. Em maio de 2012, ocorreu a última eleição presidencialista na França, que foi estabelecida em dois turnos. O Presidente eleito foi François Hollande, que nomeou como seu Primeiro- Ministro Jean-Marc Ayrault. Em 2017, estão previstas a próxima eleição presidencialista. O resultado da última eleição presidencial do país foi a seguinte: Primeiro turno: François Hollande, 28,6%; Nicolas Sarkozy 27,2%; Marine Le Pen 17,9%; Jean-Luc Melenchon 11,1%; Francis Bayrou 9,1%, e outros 6,1%. Segundo turno: François Hollande, 51,6%; e Nicolas Sarkozy, 48,4%. A última eleição do Senado ocorreu, em setembro de 2011, e a próxima eleição será, setembro de Na Assembleia Nacional, a última eleição foi em junho de 2012, e a próxima ocorrerá, em junho de Sobre a organização territorial da França é composta por organismos territoriais, cujos membros são eleitos pelo sufrágio universal direto. Atualmente, a França possui 22 departamentos e mais 5 territórios ultramarinos.

18 Política Comercial da França A política comercial da França é semelhante aos dos outros membros da União Européia (UE). A política comercial da EU é definida pelo artigo 207 do Tratado de Roma, de 1958, que diz a respeito da celebração de acordos pautais e comerciais, à uniformização das medidas de liberalização, políticas e medidas de proteção do comércio. O Tratado de Lisboa ampliou a execução da política comercial também na esfera de investimento. Além disso, o Tratado deu ao Parlamento Europeu o processo de co-decisão. A política comercial da UE é baseada em três pilares: multilateral, bilateral e regional. O multilateralismo compreende a ação da UE na OMC (Organização Mundial do Comércio), nas negociações comerciais, no sistema multilateral de comércio e nas mudanças das regulamentações do comércio mundial. O nível bilateral e regional concerne nas relações comerciais mantida pela UE com terceiros países, que são empregadas relações de preferenciais incorporadas por acordos de livre comércio, ou não preferenciais, que inclui acordos de cooperação técnica e facilitação do comércio. A UE também estrutura suas relações com seus parceiros estratégicos, que estão no quadro de parcerias estratégicas junto com a criação do Tratado de Lisboa de Serviço Europeu de Ação Externa. O surgimento de uma política externa da UE é parte de abordagem multidisciplinar para promover os interesses europeus de autonomia e de defesa comercial. A autonomia, diz respeito dos instrumentos que UE utiliza para ajustar suas relações com terceiros países, e o sistema geral de preferências, que oferece uma série de benefícios comerciais para os países menos desenvolvidos e em desenvolvimento. Os instrumentos de defesa comercial (anti-dumping, anti-subsídios, salvaguardas, regulamentação de barreiras comerciais), a UE os utiliza para proteger seus interesses contra práticas desleais no comércio internacional. A França é um importante ator dentro da política comercial da UE, juntamente com outros Estados-membros, que para os quais a política comercial é um instrumento estratégico da política econômica e externa.

19 Acesso ao mercado As leis nacionais aduaneiras dos países da UE foram substituídas por um único conjunto de regras européias. Dessa forma, para exportar para a França é necessário seguir as regras da UE. A classificação dos produtos na UE é baseada no Sistema Harmonizado ou SH6 4 e na Nomenclatura Combinada (NC), é acrescentado mais 2 dígitos na nomenclatura do SH6, assim totalizando um código de 8 dígitos. Existe também na UE, a Pauta Integrada (TARIC), que fornece as informações sobre toda política comercial e as medidas aplicadas às mercadorias (suspensão temporária de direitos, direitos antidumping, etc). Esse código compreende os 8 dígitos da NC e agrega mais 2 dígitos, ou seja, contém no total 10 dígitos. O Código Aduaneiro da UE é o conjunto de todas as regras relativas à matéria de comercio, com os outros países que não pertencem a UE. 5 O Brasil com os demais países membros da Organização Mundial do Comércio (OMC), beneficia-se, na UE, da pauta convencional. A tarifa comum da UE, de 2008, contém linhas no nível de oito dígitos. A UE continua a aplicar diversos tipos de tarifas: ad valorem, que são mais utilizadas em 89,9%, dos casos; em específicas (6,5%); compostas (2,9%); encargos alternativos (combinado) com um mínimo e um máximo (0,8%); e tarifas por variação, que podem ser modificadas de acordo com as variações do preço da entrada da mercadoria (0,6%). Além disso, outras tarifas são aplicadas a certos produtos, principalmente, os produtos agrícolas. Por vezes, os produtos agrícolas estão sujeitos quotas tarifárias 6. Em relação à regulamentação de importação, a UE adota a regra de livre importação, no seu regime comum de importação. Essa regra fomenta políticas comerciais liberais para facilitar a circulação das mercadorias e serviços pelas fronteiras, aplicando os princípios da consolidação dos direitos aduaneiros e da não discriminação entre parceiros comerciais 7. Existem algumas exceções à regra geral, em que a UE aplica instrumentos de defesa comerciais concebidos em conformidade com alguns acordos da OMC, que reconhecem que os membros têm o direito de lutar contra as práticas comerciais desleais. Os instrumentos definidos pela UE são os seguintes: medidas de vigilância; limites 4 O SH é uma nomenclatura desenvolvida pela Organização Mundial das Alfândegas (OMA), que compreende a quase grupos de produtos, organizados em uma estrutura hierárquica. 5 O Código Aduaneiro da UE pode ser consultado no seguinte link: 6 Fonte utilizada: Como Exportar União Européia, Ministério das Relações Exteriores, Idem nota 6.

20 15 quantitativos à importação; medidas de salvaguarda; medidas antidumping; medidas compensatórias; barreiras ao comércio; e imposto sobre consumo. 4.4 Documentos de desembaraço aduaneiro Registro de Operador Econômico e Identificação (EORI), O Registro de Operador Econômico e Identificação (EORI) 8, é o número identificador único que é atribuído por uma autoridade aduaneira, em um dos países da UE, a todos os operadores econômicos (empresas ou particulares) e pessoas envolvidas em atividades abrangidas pela legislação aduaneira da UE. Aos importadores que estão estabelecidos fora da UE, que serão atribuídos o EORI pela primeira vez, devem apresentar: - Uma declaração aduaneira; - Uma declaração sumária de entrada (ENS); e - Uma declaração sumária de saída (EXS) Os operadores usam o número do EORI em todas as comunicações com as autoridades aduaneiras da UE, onde é necessário um identificador da UE, por exemplo: declarações aduaneiras Declaração sumária de entrada A declaração sumária de entrada (ENS) 9, contém informações sobre as remessas que entram na UE. Deve ser apresentada na primeira instância nas aduanas de entrada da UE, pelo transportador da mercadoria (em alguns casos podem ser feito pelo importadorconsignado ou importador), mesmo que as mercadorias não sejam importadas pela UE. O prazo para apresentação da ENS depende do modo de transporte dos bens: - Container de carga marítima: pelo menos 24 horas antes do carregamento começar no porto estrangeiro; - Cargas a granel por via marítima: pelo menos 4 horas antes da chegada; - Transporte marítimo de curta distância: pelo menos 2 horas antes da chegada; 8 Para mais informações sobre o EORI, acesse o link: 9 Para mais informações sobre a ENS, acesso o link:

21 16 - Vôos de curta distância (menos de 4 horas): pelo menos por o tempo real da decolagem da aeronave; - Vôos de longo curso (4 horas ou mais): pelo menos quatro horas antes da chegada ao primeiro aeroporto no território aduaneiro da UE; - Tráfego rodoviário: pelo menos 1 hora antes da chegada; Na chegada das mercadorias, nas alfândegas da EU, são armazenadas temporariamente (não mais que 45 dias, no caso de bens transportados via marítima, ou até 20 dias para outros casos) e supervisionadas Declaração Aduaneira - Documento Administrativo Único (SAD sigla em inglês) As mercadorias são sujeitas a um tratamento aduaneiro e para isso é utilizado o documento administrativo único (SAD) 10. O SAD pode ser apresentado às autoridades aduaneiras pelo importador ou por um representante, que pode ser entregue por via eletrônica ou diretamente nas instalações da aduana. A SAD abrange a colocação de qualquer bem sob qualquer regime aduaneiro (exportação, importação, trânsito, etc), e qualquer o modo de transporte utilizado. O objetivo do SAD é a assegurar a abertura de requisitos administrativos nacionais, racionar e reduzir a documentação administrativa, reduzir a quantidade de informações solicitadas e padronizar e harmonizar os dados Fatura Comercial (Invoice) A fatura comercial é um registro ou evidência quando existe uma transação entre um exportador e importador. A fatura comercial contém as informações básicas da transação e sempre é necessária para o desembaraço aduaneiro. Para algumas remessas específicas de exportação e importação são adicionadas algumas informações, que são similares com a nota fiscal de venda normal. Os dados mínimos, geralmente, são os seguintes: - Informação sobre o exportador e importador (nome e endereço); - Data da emissão; 10 Para mais informações sobre o SAD, acesso o seguinte link: nguageid=en

22 17 - Número da fatura; - Descrição dos bens (nome, qualidade etc); - Unidades de medida; - Quantidade de bens; - Valor unitário; - Valor total do item; - Valor total na fatura e moeda de pagamento. O valor deve ser indicado em moeda conversível em Euro; - Condições de pagamento (modo, data do pagamento, descontos etc) - Condições de entrega, de acordo com o incoterm apropriado; - Meios de transporte Declaração de valor aduaneiro A declaração de valor aduaneiro deve ser apresentada às autoridades aduaneiras quando o valor dos bens importados é superior a Euros. A declaração de valor aduaneiro deve ser elaborada conforme o formulário DV1 11. Esse formulário deve ser apresentado junto ao Documento Administrativo Único (SAD). O principal objetivo dessa exigência é para avaliar o valor da transação, para fixar o valor aduaneiro (valor tributável) e aplicar os direitos aduaneiros. O valor aduaneiro é correspondente ao valor das mercadorias, incluindo todos os custos incorridos (preço comercial, transporte, seguro) até o primeiro ponto de entrada na UE Documentos de Frete Dependendo do meio de transporte utilizado, os documentos listados a seguir devem ser preenchidos e apresentados às autoridades aduaneiras do país importador da União Européia. Conhecimento de Embarque (meio marítimo) Conhecimento de Embarque FIATA ( transporte multimodal) Guia de transporte terrestre (transporte terrestre internacional) Guia de transporte aéreo 11 O DV1 pode ser acessado no seguinte link:

23 18 Guia de transporte ferroviário Carnê ATA (admissão temporária) Carnê TIR (transito aduaneiro) Seguro de Carga O seguro cobre qualquer risco durante o transporte da carga. O documento do seguro é necessário para o desembaraço aduaneiro, somente, quando os dados que sejam relevantes não estejam na fatura comercial Romaneiro (Packing List - PL) O PL é um inventário da carga de entrada que é requerida para o desembaraço aduaneiro e acompanha a fatura comercial e os documentos de transporte. Esse documento inclui as seguintes informações: - Dados do exportador, importador e da empresa de transporte; - Data da emissão; - Número da fatura do frete; - Tipo de embalagem; - Número de pacotes; - Conteúdo de cada pacote (descrição das mercadorias e quantidade de itens); - Peso líquido, peso bruto e medida dos pacotes; e - Marcas e números Documentos associados com o SAD De acordo com a prática de importação na União Européia, os documentos adicionais devem ser declarados com o SAD e apresentados juntamente com ele. Dentre esse documentos, os principais são: - Certificado de origem; - Certificado comprovativo da natureza especial do produto ; - Documento de transporte; - Fatura comercial; - Declaração de valor aduaneiro;

24 19 - Certificados de inspeção (sanitário e fitossanitário); - Licença de importação; - Documento comunitário de fiscalização; - Documento para reivindicar uma quota tarifária; - Documentos necessários para impostos especiais de consumo; etc. 4.5 Restrições de importação Na UE existem algumas restrições de importação para alguns produtos: agrícolas, têxteis e produtos de ferro e aço 12. Importação de alguns produtos agrícolas necessita de licença de importação. Essa licença permite que as autoridades responsáveis controle fluxo comercial e gerir as quotas tarifárias e medidas de salvaguarda. Para obter essa licença, os importadores devem solicitar ás autoridades competentes do país de importação da UE e pagar um deposito (reembolsável por dar prova de importação). A importação de tecidos na UE está liberada, exceto para alguns produtos da Bielorrússia, que são sujeitos a inspeção ou vigilância. As importações de produtos de aço e ferro podem ser sujeitas a duplo controle (licença de importação e exportação) e quotas. 4.6 Informações adicionais para entrada no mercado No sítio eletrônico seguinte, é possível pesquisar o produto que será exportado e obter informações sobre os requisitos de importação, as tarifas aplicadas ao produto, para qualquer país da UE. < doctype=main&languageid=en>. 12 Para aprofundar conhecimento sobre restrição de importação, acesse o sítio eletrônico seguintes: uageid=en

25 20 5 Intercâmbio comercial da França Em 2012, o intercâmbio comercial da Fraca foi de US$ 1,22 trilhão, que foi representado por 45,66% pelas exportações e 54,34% pelas importações. O saldo da balança comercial do país é negativo, que apresentou um déficit de US$ 107 bilhões. Durante o período de 2008 a 2012, o intercâmbio comercial da França teve um crescimento médio anual de -1,64%. Segundo o ranking da ONU/ UNCTAD de 2012, a França é o sexto principal mercado mundial, sendo o sexto importador e também exportador. Tabela 4: Comércio Exterior da França (US$ bilhões) Descrição (jan - mar) (jan - mar) Exportações Importações Saldo Comercial Intercâmbio comercial Fonte: MRE, Dados Básicos e Principais Indicadores Econômico-Comerciais França, Em relação às exportações da França, elas são direcionadas, principalmente, para os países vizinhos da União Européia, que representaram cerca de 59% do total exportado, em O principal destino das exportações foi a Alemanha com 16,40% do total, que foi seguida pela Itália (7,4%), Bélgica (7,3%), Espanha (6,7%), Reino Unido (6,7%), Estados Unidos (6,10%). O Brasil foi o 18º destino das exportações francesas, e representou 1,1% do total exportado, em Tabela 5: Direção das exportações da França (US$ bilhões) Países 2012 % do total Alemanha 91,5 16,40% Itália 41,1 7,40% Bélgica 40,8 7,30% Espanha 37,6 6,70% Reino Unido 37,5 6,70% Estados Unidos 34,1 6,10% Países Baixos 23,6 4,20% China 19,4 3,50% Suíça 17,6 3,20% Rússia... 11,7 2,10% Brasil 6 1,10% Subtotal 360,9 64,80% Outros países 195,7 35,20% Total 556,6 100,00% Fonte: MRE, Dados Básicos e Principais Indicadores Econômico-Comerciais França, A pauta de exportações da Fraca é diversificada em vários grupos de produtos, dentre eles destacam os produtos de alto valor agradado. Os principais produtos exportados foram

26 21 máquinas mecânicas e elétricas, aviões e automóveis, que representaram 37,7% do total exportado, em Outros produtos que também tiveram destaque foram: produtos farmacêuticos (6,2%); combustíveis (4,5%); plásticos (3,8%); bebidas (3,2%); instrumentos de precisão (3,1%); e ferro e aço (3,15) (MRE, 2013). Dentre os principais destinos das importações da França, na sua maioria, são países vizinhos da União Europeia, que representaram cerca de 60% do total importado, em A Alemanha foi o principal fornecedor do mercado francês, com 17,3% do total importado, em 2012, em seguida estão: China (8,0%); Bélgica (7,6%); Países Baixos (7,1%); Espanha (6,4%); Estados Unidos (6,0%); e Reino Unidos (4,4%). O Brasil foi 27º origem das importações francesas, que representou 0,8% do total (MRE, 2013). Tabela 6: Principais Destinos das importações da França (US$ bilhões) Países 2012 % no total Alemanha 114,6 17,30% China 53 8,00% Bélgica 50,1 7,60% Países Baixos 47,1 7,10% Espanha 42,4 6,40% Estados Unidos 39,7 6,00% Reino Unido 29,3 4,40% China 28,8 4,30% Suíça 15,6 2,30% Rússia... 15,4 2,30% Brasil 5,4 0,80% Subtotal 441,3 66,50% Outros países 221,9 33,50% Total 663,3 100,00% Fonte: MRE, Dados Básicos e Principais Indicadores Econômico-Comerciais França, Não diferente das exportações, a pauta das importações da França também é composta, principalmente, por bens de alto valor agregado. O principal grupo de produto importado pela França foi de combustíveis, que representou 20,5% da pauta, em 2012, em seguida estão máquinas mecânicas (13,3%); automóveis (10,0%); máquinas elétricas (9,9%); aviões (5,7%); produtos farmacêuticos (4,7%); plásticos (4,4%), químicos orgânicos (3,7%); e instrumentos de precisão (3,4%).

27 Intercâmbio comercial Brasil e França Em 2012, a França foi o 11º principal parceiro comercial do Brasil, com a participação de 2,15% do fluxo do comércio exterior brasileiro. Durante o período de 2005 a 2012, o intercâmbio comercial entre os dois países aumentou 92,4%. As exportações brasileiras para a França tiveram um crescimento de 63,75% e as importações provenientes da França tiveram o incremento de 118,89%. Tabela 7: Intercâmbio comercial entre Brasil e França ( ) (US$ bilhões) Descrição jan-ago 2012 jan-ago Variação (%) Exportações brasileiras 2,51 2,67 3,47 4,13 2,91 3,58 4,32 4,11 2,64 2,31 63,75% Variação em relação ao ano anterior 14,30% 6,50% 30,00% 18,80% -29,60% 23,10% 20,80% -4,90% -9,10% -12,50% - Importações brasileiras 2,7 2,84 3,52 4,68 3,62 4,8 5,47 5,91 4,06 4,52 118,89% Variação em relação ao ano anterior 18,00% 5,10% 24,20% 32,70% -22,70% 32,80% 13,80% 8,10% 14,30% 11,30% - Intercâmbio comercial 5,21 5,51 7 8,8 6,52 8,38 9,78 10,02 6,7 6,83 92,32% Variação em relação ao ano anterior 16,20% 5,80% 27,00% 25,80% -25,90% 28,50% 16,80% 2,40% 3,80% 1,90% - Saldo comercial -0,19-0,17-0,05-0,55-0,71-1,23-1,15-1,8-1,42-2,21 - Fonte: MRE, Dados Básicos e Principais Indicadores Econômico-Comerciais França, Na composição das exportações brasileiras para a França, os produtos básicos foram os que tiveram maior destaque, como: minério de ferro, representou 20% da pauta; resíduos das indústrias alimentares(19,7%); combustíveis (19,7%); e sementes/ grãos (6,9%). Ainda sobre a composição das exportações brasileiras para a França, pode-se verificar que os NCM dos produtos do projeto da Abexa, também compuseram a pauta de exportação, que estão nos segmentos de decoração, moda, móveis, utilidades domésticas e cartonagem. As exportações brasileiras de produtos que fazem parte do segmento de cartonagem representaram 0,002% das exportações totais brasileiras para a França, que contabilizou um montante de US$ 76,79 mil, em Tabela 8: Exportações brasileiras do segmento de cartonagem para França ( ) (US$) NCM Descrição (Jan - Ago) Outs.papéis, cartões de celulose e outs.obras de papel Artigos moldados ou prensados, de pasta de papel Cartonagens p/escritórios, lojas e estabelecim.semelhs Papel e cartão feitos a mão (folha a folha) Outs.bandejas, traves.prat.etc.de pap./cartão Subtotal Exportação total brasileira (bilhões) 4,2 2,9 3,6 4,4 4,2 2,4 - Participação do segmento nas exp. brasileiras (%) 0,002% 0,003% 0,002% 0,005% 0,002% 0,002% Fonte: Elaborado pela Abexa, baseado em dados do Aliceweb2, As exportações brasileiras de produtos que fazem parte do segmento de decoração representaram 0,33% das exportações totais brasileiras para a França, que contabilizou o valor de US$ 13,75 milhões, em 2012.

28 23 Tabela 9: Exportações brasileiras do segmento de decoração para França ( ) (US$) NCM Descrição do NCM (Jan-Ago) Outras obras de ferro ou aço Outras obras de madeira Produções originais de arte estatuária ou de escultura Estampas, gravuras e fotografias Gravuras, estampas e litografias, originais Outs.obj.serv.mesa/cozinha, exc.cit.anterior Estatuetas e outs.objetos de ornamentação, de plásticos Espelhos de vidro, emoldurados Outras obras d/cestaria d/mats.vegetais Redes de malhas com nós, etc.de outras matérias têxteis Madeira marchetada/incrustada, cofres, etc.de madeira Estatuetas/outs.objetos ornament.de ceram.exc.porcelana Lustres e apars.ilumin.eletr.de outs.mater.para teto/parede Outras obras de pedras ou de outras matérias minerais Obras de cestaria, de outras matérias para entrançar, etc Artefatos de madeira, para mesa ou cozinha Estatuetas e outros objetos, de madeira, p/ornamentação Outras obras de cerâmica, exceto porcelana Outras redes confeccion.de matérias têxteis sint/artif Abajures de cabeceira ou de escritório, etc.elétricos Molduras de madeira, p/quadros, fotografias, espelhos, etc Outras obras de cobre, vazadas, moldadas, estampad.forjad Velas, pavios, círios e artigos semelhantes Colagens e quadros decorativos semelhantes Outras obras moldadas, de ferro fundido ou ferro Outras obras de gesso ou de composições à base de gesso Areias silíciosas e areias quartzosas Artigos de escritório e artigos escolares, de plásticos Obras de cestaria, de bambu Redes confeccion.de matérias têxteis sint/artif.p/pesca Outs.tapetes/revestimentos p/pavim.de matérias têxteis Flores, folhagem, frutos, artifs.e partes, de outras matérias Estatuetas/outros objetos ornament.de porcelana Prata em outras formas semimanufaturadas Outras estatuetas/objetos de ornament.de metais comuns Outs.matérias veget/miner.de entalhar, trabalh.obras, etc Subtotal Exportações totais brasileiras (bilhões) 4,2 2,9 3,6 4,4 4,2 2,4 - Participação do segmento de decoração nas exp. brasileiras para França (%) 0,10% 0,18% 0,16% 0,27% 0,33% 0,40% Fonte: Elaborado pela Abexa, baseado em dados do Aliceweb2, As exportações brasileiras de produtos que fazem parte do segmento de moda representaram 0,20% das exportações totais brasileiras para a França, que contabilizou o valor de US$ 8,28 milhões, em 2012.

29 24 Tabela 10: Exportações brasileiras do segmento de moda para França ( ) (US$) NCM Descrição do NCM (jan- ago) Outs.calçados de materia têxtil, sola de borracha/plast Outras bijuterias Bolsas de couro natural, reconstituído ou envernizado Outros calçados Artefatos de joalharia, de prata, mesmo folh.de met.prec Artigos de bolsos/bolsas, de couro natural/reconstit.etc Malas, maletas e pastas, de couro natural/reconst/envern Bolsas de matérias têxteis Outras bijuterias de metais comuns Bolsas de outras matérias Malas, maletas e pastas, de plástico Outros pentes e travessas para cabelo, de outros matérias Malas, maletas e pastas, de matérias têxteis Vestidos de algodão Cintos, cinturoes, bandoleiras, etc.de couro nat/reconstit Malas, maletas e pastas, de outras matérias Outros calçados de matérias têxteis Camisas, blusas, etc.de algodão, de uso feminino Artefatos de joalharia, de metais comuns folh.metal prec Xales, echarpes, cachecóis, etc.de outras matérias têxteis Outras obras de couro natural ou reconstituido Vestidos de malha de outras matérias têxteis Outros calçados de couro natural ou reconstituido Outros mantos, etc.de outs.matérias têxteis, uso feminino Camisas, etc.de malha de outs.mater.têxteis, uso feminino Outras obras de metais prec/metais folh/chap.metal prec Camisas, blusas, etc.de outra materia têxtil, uso feminino Artefatos têxteis matelasses em peça, etc Vestuário de couro natural ou reconstituido Vestuário para bebês e acessórios, de algodão Saias e saias-calças, de malha de outs.matérias têxteis Blazers de outras matérias têxteis, de uso feminino Outros artefatos, de outras matérias Xales, echarpes, lenços de pescoco, cachenes, etc.de malha Abotoaduras e outros botões, de metais comuns Vestuário tecidos malha d/outs.mats.têxteis Xales, echarpes, cachecóis, etc.de algodão Outros acessórios de vest.confec.d/malha Artigos de bolsos/bolsas, de outras matérias Bordados de algodão, em peça, em tiras ou em motivos Bordados de outs.matérias têxteis, em peça/tiras/motivos Camisas de malha de outs.matérias têxteis, uso masculino Vest.e acessórios para bebês de lã/pêlos finos Outros calçados de couro natural Chapéus e outros artefs.de malha/confecc.com rendas, etc Artefatos de ourivesaria, de prata, mesmo folh.met.prec Artefatos de ourivesaria, de metais comuns folh.met.prec Subtotal Exportações totais brasileiras (bilhões) 4,2 2,9 3,6 4,4 4,2 2,4 - Participação do segmento de moda nas exp. Brasileiras para França (%) 0,14% 0,17% 0,13% 0,13% 0,20% 0,24% Fonte: Elaborado pela Abexa, baseado em dados do Aliceweb2, As exportações brasileiras de produtos que fazem parte do segmento de móveis representaram 0,46% das exportações totais brasileiras para a França, que contabilizou o valor de US$ 18,84 milhões, em 2012.

PORTUGAL Comércio Exterior

PORTUGAL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC PORTUGAL Comércio Exterior Abril de 2015 Principais Indicadores

Leia mais

BANGLADESH Comércio Exterior

BANGLADESH Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC BANGLADESH Comércio Exterior Fevereiro de 2015 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

ESPANHA DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS

ESPANHA DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS ESPANHA

Leia mais

PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior

PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior Outubro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

REINO UNIDO Comércio Exterior

REINO UNIDO Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC REINO UNIDO Comércio Exterior Setembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

Leia mais

BULGÁRIA DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS

BULGÁRIA DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS BULGÁRIA

Leia mais

HAITI Comércio Exterior

HAITI Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC HAITI Comércio Exterior Outubro de 2015 Tabela 1 Principais Indicadores

Leia mais

ARGENTINA Comércio Exterior

ARGENTINA Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ARGENTINA Comércio Exterior Agosto de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

CAZAQUISTÃO Comércio Exterior

CAZAQUISTÃO Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC CAZAQUISTÃO Comércio Exterior Agosto de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Bahamas Comércio Exterior

Bahamas Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC Bahamas Comércio Exterior Novembro de 215 Tabela 1 Principais Indicadores

Leia mais

Mercado em números. França. Designação oficial: República Francesa. Capital: Paris. Localização: Europa Ocidental

Mercado em números. França. Designação oficial: República Francesa. Capital: Paris. Localização: Europa Ocidental Designação oficial: República Francesa Capital: Paris Localização: Europa Ocidental Bélgica Alemanha Fronteiras terrestres: 2.751 km com a Alemanha (418 km), Andorra (55 km), Bélgica (556 km), Espanha

Leia mais

COREIA DO NORTE Comércio Exterior

COREIA DO NORTE Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC COREIA DO NORTE Comércio Exterior Dezembro de 2014 Índice. Dados

Leia mais

BRASIL Comércio Exterior

BRASIL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC BRASIL Comércio Exterior Novembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

VANUATU Comércio Exterior

VANUATU Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC VANUATU Comércio Exterior Abril de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Espanha continuou a ser o país com maior peso nas transações comerciais de bens com o exterior (23,5% nas exportações e de 32,5% nas importações).

Espanha continuou a ser o país com maior peso nas transações comerciais de bens com o exterior (23,5% nas exportações e de 32,5% nas importações). Estatísticas do Comércio Internacional 214 7 de julho de 215 Resultados preliminares do Comércio Internacional em 214: em termos nominais, as exportações aumentaram 1,8% e as importações aumentaram 3,2%

Leia mais

RÚSSIA Comércio Exterior

RÚSSIA Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC RÚSSIA Comércio Exterior Dezembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

SURINAME Comércio Exterior

SURINAME Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC SURINAME Comércio Exterior Novembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar

2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar 2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar Nome: N.º: Classificação: Ass.Professor: GRUPO I Este grupo é constituído

Leia mais

Portugal Leaping forward

Portugal Leaping forward Portugal Leaping forward Dr. Pedro Reis Presidente da AICEP Lisboa, 16 de Março 2012 Enquadramento internacional Fonte: EIU (Fev 2012) Nota: PIB a preços de mercado Variação (%) Enquadramento internacional

Leia mais

Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37

Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37 Noções básicas de Comércio Exterior Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37 Regimes Aduaneiros É o conjunto de procedimentos ou regras previstas em lei para efetivar uma importação

Leia mais

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas 7 de Novembro de 2014 Internacionalização - Desafios Diversificar Mercados Alargar a Base Exportadora Enquadramento Evolução Recente Comércio

Leia mais

Desafios da Internacionalização O papel da AICEP. APAT 10 de Outubro, 2015

Desafios da Internacionalização O papel da AICEP. APAT 10 de Outubro, 2015 Desafios da Internacionalização O papel da AICEP APAT 10 de Outubro, 2015 Internacionalização - Desafios Diversificar Mercados Alargar a Base Exportadora 38º PORTUGAL TEM MELHORADO A SUA COMPETITIVIDADE

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE FLORIANÓPOLIS, 11/12/2014

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE FLORIANÓPOLIS, 11/12/2014 MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE FLORIANÓPOLIS, 11/12/2014 MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE FLORIANÓPOLIS, 11/12/2014 Focos estratégicos Diversificação e agregação de

Leia mais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais BLOCOS ECONÔMICOS O Comércio multilateral e os blocos regionais A formação de Blocos Econômicos se tornou essencial para o fortalecimento e expansão econômica no mundo globalizado. Quais os principais

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

Angola Breve Caracterização. Julho 2007

Angola Breve Caracterização. Julho 2007 Breve Caracterização Julho 2007 I. Actividade e Preços. Após o final da guerra civil em 2002, e num contexto de relativa estabilidade política, tornou-se numa das economias de mais elevado crescimento

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011 Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 População a Milhares Hab. INE 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.636 10.643 2º Trimestre

Leia mais

Tabelas anexas Capítulo 7

Tabelas anexas Capítulo 7 Tabelas anexas Capítulo 7 Tabela anexa 7.1 Indicadores selecionados de inovação tecnológica, segundo setores das indústrias extrativa e de transformação e setores de serviços selecionados e Estado de São

Leia mais

Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5%

Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5% Estatísticas do Comércio Internacional Fevereiro 2015 09 de abril de 2015 Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5% As exportações de bens aumentaram 2,1% e as

Leia mais

UNASUL Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

UNASUL Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC UNASUL Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil Agosto

Leia mais

IMPORTAÇÕES Definição e Tratamento Administrativo

IMPORTAÇÕES Definição e Tratamento Administrativo IMPORTAÇÕES Definição e Tratamento Administrativo CURSO: Administração DISCIPLINA: Logística Internacional FONTES: DIAS, Reinaldo; RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. São Paulo: Atlas,

Leia mais

POR QUE INVESTIR EM LISBOA? ESPECIALISTA IMOBILÁRIO EUROPEU

POR QUE INVESTIR EM LISBOA? ESPECIALISTA IMOBILÁRIO EUROPEU POR QUE INVESTIR EM LISBOA? ESPECIALISTA IMOBILÁRIO EUROPEU Introdução Portugal está começando a emergir da crise financeira. Nos últimos anos, o governo reestabeleceu suas estruturas organizacionais e,

Leia mais

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado de Luxemburgo. 1 Panorama do País

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado de Luxemburgo. 1 Panorama do País Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Secretaria de Comércio Exterior SECEX Departamento de Planejamento e Desenvolvimento do Comércio Exterior DEPLA Coordenação Geral de

Leia mais

Geografia Econômica Mundial. Organização da Aula. Aula 4. Blocos Econômicos. Contextualização. Instrumentalização. Tipologias de blocos econômicos

Geografia Econômica Mundial. Organização da Aula. Aula 4. Blocos Econômicos. Contextualização. Instrumentalização. Tipologias de blocos econômicos Geografia Econômica Mundial Aula 4 Prof. Me. Diogo Labiak Neves Organização da Aula Tipologias de blocos econômicos Exemplos de blocos econômicos Algumas características básicas Blocos Econômicos Contextualização

Leia mais

LIGA ÁRABE Comércio Exterior

LIGA ÁRABE Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC LIGA ÁRABE Comércio Exterior Outubro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO Portugal situa-se no extremo sudoeste da Europa e é constituído por: Portugal Continental ou Peninsular (Faixa Ocidental da Península Ibérica) Parte do território

Leia mais

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA)

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA) Domínio de tópicos atuais e relevantes de diversas áreas, tais como política, economia, sociedade, educação, tecnologia, energia, ecologia, relações internacionais, desenvolvimento sustentável e segurança

Leia mais

A EMERGÊNCIA DA CHINA. Desafios e Oportunidades para o Brasil Dr. Roberto Teixeira da Costa

A EMERGÊNCIA DA CHINA. Desafios e Oportunidades para o Brasil Dr. Roberto Teixeira da Costa A EMERGÊNCIA DA CHINA Desafios e Oportunidades para o Brasil Dr. Roberto Teixeira da Costa Crescimento médio anual do PIB per capita - 1990-2002 10 8,8 5 0 Fonte: PNUD 1,3 Brasil China dinamismo econômico

Leia mais

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 35 15 a 30 de setembro de 2009 EMPREGO De acordo com a Pesquisa

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

Perfil Estados Unidos

Perfil Estados Unidos Perfil Estados Unidos Abexa Fevereiro de 2014 1 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EXPORTAÇÃO DE ARTESANATO (ABEXA) Tiago Dalvi Diretor Geral Tânia Machado Diretora Administrativa e Financeira 2 Agradecimentos Agradecemos

Leia mais

Manual de Exportação e Formação de Preço

Manual de Exportação e Formação de Preço Manual de e Formação de Preço. Sumário FASE 1ª 1 - Planejamento de 2 - Planejamento Estratégico 3 - Canais de Distribuição FASE 2ª 4 - Procedimentos Operacionais de FASE 3ª 5 - Formação de Preço O sumário

Leia mais

COREIA DO SUL Comércio Exterior

COREIA DO SUL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC COREIA DO SUL Comércio Exterior Dezembro de 2014 Índice. Dados

Leia mais

Comércio e Investimento na Coréia do Sul. Traduzido e atualizado de Chong-Sup Kim Universidade Nacional de Seul

Comércio e Investimento na Coréia do Sul. Traduzido e atualizado de Chong-Sup Kim Universidade Nacional de Seul Comércio e Investimento na Coréia do Sul Traduzido e atualizado de Chong-Sup Kim Universidade Nacional de Seul 40 anos de economia coreana 1 2 3 4 5 6 10º PIB mundial US$ 680 milhões 12º país comercial

Leia mais

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes.

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. A ECONOMIA GLOBAL Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. O século XX marcou o momento em que hábitos culturais, passaram a ser ditados pelas grandes

Leia mais

Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária...

Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária... Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária... Sede Nacional Sede Nacional - SP Fundação: 1937 - origem em um sindicato têxtil; Possui 1.500 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas;

Leia mais

Importação Passo a Passo

Importação Passo a Passo 1º Passo Defina o que quer importar Importação Passo a Passo O mercado internacional, principalmente a China, apresenta uma ampla oportunidade de produtos para se importar. Antes de iniciar sua operação

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal fevereiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno.

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno. 1. ASPECTOS GERAIS Comércio é um conceito que possui como significado prático, trocas, venda e compra de determinado produto. No início do desenvolvimento econômico, o comércio era efetuado através da

Leia mais

Pesquisa. Os Problemas da Empresa Exportadora Brasileira 2008. Entraves e Prioridades

Pesquisa. Os Problemas da Empresa Exportadora Brasileira 2008. Entraves e Prioridades Pesquisa Os Problemas da Empresa Exportadora Brasileira 2008 Entraves e Prioridades Renato Fonseca Brasília, 1 de outubro de 2008 Apresentação 1. Amostra 2. Entraves à expansão das exportações 3. Tributação

Leia mais

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 22 de maio de 2012 1 A situação da economia internacional

Leia mais

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015 Missão Empresarial EUA Flórida 21 a 26 de Março 2015 Apoiamos empresas a ter sucesso nos mercados internacionais Sobre nós Na Market Access prestamos serviços de apoio à exportação e internacionalização.

Leia mais

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 REPÚBLICA DA COLÔMBIA POPULAÇÃO 48 Milhões SUPERFÍCIE 1.141.748 Km2 CAPITAL Bogotá 7,3 milhões PRINCIPAIS CIDADES

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal janeiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

MARKETING INTERNACIONAL

MARKETING INTERNACIONAL MARKETING INTERNACIONAL Produtos Ecologicamente Corretos Introdução: Mercado Global O Mercado Global está cada dia mais atraente ás empresas como um todo. A dinâmica do comércio e as novas práticas decorrentes

Leia mais

CHILE Comércio Exterior

CHILE Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC CHILE Comércio Exterior Abril de 2014 Índice. Dados Básicos. Principais

Leia mais

Negócios Internacionais

Negócios Internacionais International Business 10e Daniels/Radebaugh/Sullivan Negócios Internacionais Capítulo 3.2 Influencia Governamental no Comércio 2004 Prentice Hall, Inc Objectivos do Capítulo Compreender a racionalidade

Leia mais

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 15 de maio de 2007

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 15 de maio de 2007 M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 1 de maio de 27 Síntese gráfica trimestral do comércio bilateral e do desempenho macroeconômico chinês Primeiro trimestre de 27 No primeiro trimestre de 27, a economia chinesa

Leia mais

BELIZE Comércio Exterior

BELIZE Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC BELIZE Comércio Exterior Setembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS NO AGRONEGÓCIO EM 1. RESULTADO

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECEX SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTERIOR Grupo de Harmonização Estatística Brasil x China Em 2006 foi assinada em Beijing a criação do GHE Brasil x China, com o início do intercâmbio de dados. MINISTÉRIO

Leia mais

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE EMBALAGENS

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE EMBALAGENS ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE EMBALAGENS Jun/15 Análise de Competitividade Embalagens Resumo da Cadeia de Valores Painel de Indicadores de Monitoramento da Competitividade Setorial Percepção empresarial da

Leia mais

Panorama Mundial (2013)

Panorama Mundial (2013) Panorama Mundial (2013) Produção mundial alcançou US$ 444 bilhões em 2013; Mesmo com os efeitos da crise internacional, registra 85% de crescimento desde 2004, a uma taxa média de 7% ao ano; 54% da produção

Leia mais

BOM DIA! Exportação simplificada como estratégia de expansão de negócios

BOM DIA! Exportação simplificada como estratégia de expansão de negócios BOM DIA! Exportação simplificada como estratégia de expansão de negócios Correios Quem somos? Empresa de administração pública. Missão: Fornecer soluções acessíveis e confiáveis para conectar pessoas,

Leia mais

DESPACHOS ADUANEIROS. Suprindo a necessidade cada vez mais exigente e dinâmica do Comercio Exterior.

DESPACHOS ADUANEIROS. Suprindo a necessidade cada vez mais exigente e dinâmica do Comercio Exterior. DESPACHOS ADUANEIROS Suprindo a necessidade cada vez mais exigente e dinâmica do Comercio Exterior. EMPRESA Nosso objetivo é personalizar o atendimento para cada empresa, dando-as exclusividade com células

Leia mais

América Latina. Diferentes oportunidades

América Latina. Diferentes oportunidades América Latina Diferentes oportunidades Casa da América Latina Missão: estreitar relações culturais, cientificas e económicas entre AL e Portugal e vice-versa. Fundada em 1998, como uma divisão da Câmara

Leia mais

VERSÕES CONSOLIDADAS

VERSÕES CONSOLIDADAS 9.5.2008 PT Jornal Oficial da União Europeia C 115/1 VERSÕES CONSOLIDADAS DO TRATADO DA UNIÃO EUROPEIA E DO TRATADO SOBRE O FUNCIONAMENTO DA UNIÃO EUROPEIA (2008/C 115/01) 9.5.2008 PT Jornal Oficial da

Leia mais

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado da Croácia

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado da Croácia Secretaria de Comércio Exterior SECEX - MDIC Departamento de Planejamento e Desenvolvimento do Comércio Exterior DEPLA Coordenação Geral de Produção Estatística CGPE RADAR COMERCIAL A Croácia foi a sexagésima

Leia mais

Comentários gerais. desta publicação. 5 O âmbito de atividades da pesquisa está descrito com maior detalhamento nas Notas técnicas

Comentários gerais. desta publicação. 5 O âmbito de atividades da pesquisa está descrito com maior detalhamento nas Notas técnicas Comentários gerais Pesquisa Anual de Comércio - PAC investiga a estrutura produtiva do A segmento empresarial do comércio brasileiro, sendo os resultados referentes a 2012 divulgados neste volume. A pesquisa

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2012

Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Volume 39 Ano base 2011 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2010-2011

Leia mais

Resumo dos resultados da enquete CNI

Resumo dos resultados da enquete CNI Resumo dos resultados da enquete CNI Brasil - México: Interesse empresarial para ampliação do acordo bilateral Março 2015 Amostra da pesquisa No total foram recebidos 45 questionários de associações sendo

Leia mais

CAFÉ DA MANHÃ FRENTE PARLAMENTAR

CAFÉ DA MANHÃ FRENTE PARLAMENTAR CAFÉ DA MANHÃ FRENTE PARLAMENTAR Situação Atual do Setor Têxtil e de Confecção Aguinaldo Diniz Filho Presidente da Abit Brasília, 19 de junho de 2013 PERFIL DO SETOR ESTRUTURA DA CADEIA TEXTIL E DE CONFECÇÃO

Leia mais

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Enquadramento Enquadramento A importância da Internacionalização na vertente das exportações

Leia mais

Iniciativas financeiras e fiscais para o Investimento, Crescimento e Emprego. Vítor Gaspar

Iniciativas financeiras e fiscais para o Investimento, Crescimento e Emprego. Vítor Gaspar Iniciativas financeiras e fiscais para o Investimento, Crescimento e Emprego Vítor Gaspar Lisboa, 23 de maio de 2013 Início de uma nova fase do processo de ajustamento 1ª fase: Prioridade na consolidação

Leia mais

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 4 11 de maio de 2006

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 4 11 de maio de 2006 M A C R O C H I N A Ano Nº 11 de maio de 6 Síntese gráfica trimestral do comércio bilateral e do desempenho macroeconômico chinês - Primeiro trimestre de 6. Para surpresa de muitos analistas, o Banco Central

Leia mais

Guia de Negócios São Tomé e Príncipe

Guia de Negócios São Tomé e Príncipe Ministério das Relações Exteriores Departamento de Promoção Comercial e Investimentos Divisão de Inteligência Comercial Guia de Negócios São Tomé e Príncipe Guia de Negócios São Tomé e Príncipe Guia de

Leia mais

PRIORIDADES E DESAFIOS PARA POLÍTICAS EM NÍVEL SUB-NACIONAL

PRIORIDADES E DESAFIOS PARA POLÍTICAS EM NÍVEL SUB-NACIONAL Políticas de Inovação para o Crescimento Inclusivo: Tendências, Políticas e Avaliação PRIORIDADES E DESAFIOS PARA POLÍTICAS EM NÍVEL SUB-NACIONAL Rafael Lucchesi Confederação Nacional da Indústria Rio

Leia mais

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE Durante muito tempo os países da Europa andaram em guerra. A segunda Guerra Mundial destruiu grande parte do Continente Europeu. Para evitar futuras guerras, seria

Leia mais

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Fernando Veloso IBRE/FGV Book Launch of Surmounting the Middle Income Trap: The Main Issues for Brazil (IBRE/FGV e ILAS/CASS) Beijing, 6 de Maio

Leia mais

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos).

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos). Mai-04 Mai-05 Mai-06 Mai-07 Mai-08 Mai-09 Mai-10 Mai-11 Mai-12 Análise de Conjuntura Junho 2014 Indicador de Sentimento Económico Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012 As exportações em novembro apresentaram diminuição de 27,64% em relação a outubro. Continuam a superar a marca de US$ 1 bilhão, agora pela vigésima-segunda

Leia mais

O BNDES e a Internacionalização das Empresas Brasileiras

O BNDES e a Internacionalização das Empresas Brasileiras O BNDES e a Internacionalização das Empresas Brasileiras Demian Fiocca Presidente do BNDES Apresentação no Seminário As Novas Multinacionais Brasileiras FIRJAN, Rio de Janeiro, 29 de maio de 2006 www.bndes.gov.br

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL Políticas Comerciais. Políticas Comerciais, Barreiras e Medidas de Defesa Comercial

COMÉRCIO INTERNACIONAL Políticas Comerciais. Políticas Comerciais, Barreiras e Medidas de Defesa Comercial Políticas Comerciais, Barreiras e Medidas de Defesa Comercial Prof.Nelson Guerra Políticas Comerciais Conceito: São formas e instrumentos de intervenção governamental sobre o comércio exterior, e sempre

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA. Maria do Rosário Baeta Neves Professora Coordenadora

UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA. Maria do Rosário Baeta Neves Professora Coordenadora UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA 1952 CECA (TRATADO DE PARIS 18 de Abril 1951) Países aderentes: França Alemanha Bélgica Holanda Luxemburgo Itália Objectivos do Tratado de Paris: Criação do Mercado Comum

Leia mais

A SUA EMPRESA PRETENDE EXPORTAR? - CONHEÇA O ESSENCIAL E GARANTA O SUCESSO DA ABORDAGEM AO MERCADO EXTERNO

A SUA EMPRESA PRETENDE EXPORTAR? - CONHEÇA O ESSENCIAL E GARANTA O SUCESSO DA ABORDAGEM AO MERCADO EXTERNO A SUA EMPRESA PRETENDE EXPORTAR? - CONHEÇA O ESSENCIAL E GARANTA O SUCESSO DA ABORDAGEM AO MERCADO EXTERNO PARTE 03 - MERCADOS PRIORITÁRIOS Introdução Nas últimas semanas dedicamos a nossa atenção ao

Leia mais

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos).

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos). Nov-02 Nov-03 Nov-04 Nov-05 Nov-06 Nov-07 Nov-08 Nov-09 Nov-10 Nov-12 Análise de Conjuntura Dezembro 2012 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer

Leia mais

POLÓNIA Relações bilaterais Polónia - Portugal

POLÓNIA Relações bilaterais Polónia - Portugal POLÓNIA Relações bilaterais Polónia - Portugal Visita da missão de PPP do Ministério da Economia da Polónia a Portugal Bogdan Zagrobelny Primeiro Conselheiro EMBAIXADA DA POLÓNIA DEPARTAMENTO DE PROMOÇÃO

Leia mais

Uma das maiores áreas territoriais de Portugal, com uma fronteira terrestre internacional de 568 km e um perímetro da linha de costa de 142 km

Uma das maiores áreas territoriais de Portugal, com uma fronteira terrestre internacional de 568 km e um perímetro da linha de costa de 142 km As Regiões de - Região O Território Porquê o? Uma das maiores áreas territoriais de, com uma fronteira terrestre internacional de 568 km e um perímetro da linha de costa de 142 km Area (km 2 ): 21.286

Leia mais

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais.

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Maio/2014 OBJETIVO Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Permitir ainda, uma análise comparativa da evolução

Leia mais

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO.

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO. 1 2 2. COMO IMPORTAR 2.1. FLUXOGRAMA DE IMPORTAÇÃO 1 PLANEJAMENTO A fase de planejamento das importações é geralmente parte integrante do planejamento geral da empresa para atender sua necessidade de máquinas,

Leia mais

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO Desenvolvimento Rural, Agricultura, Florestas e Sustentabilidade 17 de outubro de 2014 / GPP Eduardo

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 22/01 Economia 25/01 Comércio Internacional 26/01 Taxas de Juro 29/01 Economia 31/01 Desemprego 31/01 Investimento Banco de Portugal divulgou Boletim Estatístico Janeiro 2007 http://epp.eurostat.ec.europa.eu/pls/portal/docs/page/pgp_prd_cat_prerel/pge_cat_prerel_year_2007/pge_

Leia mais

Mercado em números. Brasil. Designação oficial: República Federativa do Brasil. Guiana Venezuela Suriname Columbia. Capital: Brasília.

Mercado em números. Brasil. Designação oficial: República Federativa do Brasil. Guiana Venezuela Suriname Columbia. Capital: Brasília. Guiana Venezuela Suriname Columbia Guiana Francesa Designação oficial: República Federativa do Capital: Brasília Localização: Leste da América do Sul Peru Fronteiras terrestres: 16.145 km com a Argentina

Leia mais

Geografia 03 Tabata Sato

Geografia 03 Tabata Sato Geografia 03 Tabata Sato IDH Varia de 0 a 1, quanto mais se aproxima de 1 maior o IDH de um país. Blocos Econômicos Economia Globalizada Processo de Regionalização Tendência à formação de blocos econômicos

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Alemanha Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. Alemanha Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar Alemanha Condições Legais de Acesso ao Mercado Setembro 2012 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 5 2 1. Regime

Leia mais

China X Nordeste: Uma Qualificação das Transações Comerciais Bilaterais Recentes

China X Nordeste: Uma Qualificação das Transações Comerciais Bilaterais Recentes China X Nordeste: Uma Qualificação das Transações Comerciais Bilaterais Recentes Maria Cristina Pereira de Melo Doutora epós-doutora em Economiapela Universidade de Paris XIII Professora do Departamento

Leia mais

A formação da União Europeia

A formação da União Europeia A formação da União Europeia A EUROPA DOS 28 Como tudo começou? 1926: 1º congresso da União Pan- Europeia em Viena (Áustria) 24 países aprovaram um manifesto para uma organização federativa na Europa O

Leia mais

CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA

CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA 1950 9 de Maio Robert Schuman, Ministro dos Negócios Estrangeiros francês, profere um importante discurso em que avança propostas inspiradas nas ideias de Jean Monnet.

Leia mais