U IVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CE TRO DE TEC OLOGIA DEPARTAME TO DE E GE HARIA ELÉTRICA CURSO DE E GE HARIA ELÉTRICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "U IVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CE TRO DE TEC OLOGIA DEPARTAME TO DE E GE HARIA ELÉTRICA CURSO DE E GE HARIA ELÉTRICA"

Transcrição

1 U IVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CE TRO DE TEC OLOGIA DEPARTAME TO DE E GE HARIA ELÉTRICA CURSO DE E GE HARIA ELÉTRICA COMISSIO AME TO DE CABOS SUBTERRÂ EOS DE MÉDIA TE SÃO EM PARQUES EÓLICOS JORGE FELIPE SALGADO NOGUEIRA Fortaleza Junho de 2010

2 ii JORGE FELIPE SALGADO NOGUEIRA COMISSIO AME TO DE CABOS SUBTERRÂ EOS DE MÉDIA TE SÃO EM PARQUES EÓLICOS Monografia apresentada para a obtenção dos créditos da disciplina Trabalho de Conclusão de Curso do Centro de Tecnologia da Universidade Federal do Ceará, como parte das exigências para a graduação no curso de Engenharia Elétrica. Área de concentração: Sistema Elétrico de Potência Orientador: Prof. Alexandre Rocha Filgueiras. Fortaleza Junho de 2010

3 iii

4 Tornar-se nobre por merecimento próprio é melhor do que ser nobre por nascimento. (Cícero) iv

5 v A Deus, Aos meus pais, Marilio e Rosemir, Ao irmão, Marílio Salgado, A namorada, Renata, Aos meus familiares, A todos os amigos.

6 vi AGRADECIME TOS A Deus, que me deu vida, saúde e inteligência, e que me dá força para continuar a caminhada em busca dos meus objetivos. Aos meus pais, irmão e namorada, pela dedicação e apoio que tem me dado e sem os quais não alcançaria essa conquista. Aos professores do curso de Engenharia Elétrica da Universidade Federal do Ceará pelos ensinamentos e em especial ao meu orientador, Alexandre Rocha Filgueiras, que se dispôs e muito colaborou para o engrandecimento desta monografia. Aos colegas de trabalho da RMS Engenharia, pela ajuda e pelo tempo concedido com explicações que me ajudaram tanto na parte teórica quanto prática do assunto. Aos amigos de sala pela alegria, companheirismo e por tornarem esses anos de faculdade muito especiais para mim.

7 vii RESUMO O presente trabalho proprõe uma metodologia de ensaios a serem aplicados em comissionamento de cabos de média tensão instalados em redes subterrâneas utilizados na distribuição de energia em parques eólicos. Durante este trabalho, foram apresentados dois tipos de ensaios realizados em cabos isolados, utilizando os equipamentos megohmetro e hipot que medem, respectivamente, a resistência de isolamento e a capacidade da isolação do cabo suportar a tensão de operação, dando confiabilidade ao sistema de distribuição subterrânea. Para a demonstração desta proposta, foram apresentados resultados de ensaios feitos em um parque eólico modelo com a potência de 50,4MW, composto de 24 aerogeradores, sendo divididos em 3 alimentadores principais. Os equipamentos de ensaios foram o hipot de 120 kvcc da Instronic, modelo HT CC, e o megohmetro de 5kV da Metrel, modelo MI-2077, e os cabos de média tensão ensaiados são compostos por condutor de fio de alumínio, blindagem do condutor termofixo semicondutor, isolação em XLPE, blindagem da isolação composto por termofixo semicondutor e cobertura em termoplástico de polietileno.

8 viii ABSTRACT The present work proposes one methodology to be used in testing and commissioning of medium voltage cables installed on underground networks that are used on power wind farms. During this work, two tests were performed on insulated cables, using megger and HIPOT, that measure, respectively, the insulation resistance and insulation capacity of the cable to resist the operation voltage, giving reliability to the underground distribution system. To demonstrate this proposal, the tests were made in model of a wind farm composed by 54 wind turbines with an output of 50.4MW, divided on three main feeders. The test equipments were Hipot 120kVcc, model HT CC from Isotronic, High Voltage Insulation Tester, model MI-2077 from Metrel and medium voltage tested cables were composed by aluminum wire, insulation shield with XLPE, insulation shield composed of semicondutor and external coverage with thermosetting thermoplastic polyethylene.

9 ix SUMÁRIO CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO OBJETIVO ESTRUTURA DO TRABALHO EQUIPAMENTOS UTILIZADOS... 4 CAPÍTULO 2 DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SUBTERRÂNEA APLICAÇÕES NO BRASIL CABOS UTILIZADOS EM RDS EM PARQUES EÓLICOS CONDUTOR SISTEMA DIELÉTRICO COBERTURA MÉTODOS DE INSTALAÇÃO CAPÍTULO 3 REDE DE DISTRIBUIÇÃO SUBTERRÂNEA EM OPERAÇÃO FALHAS NOS CIRCUITOS DE RDS ENSAIOS DO DIELÉTRICO ANTES E APÓS A INSTALAÇÃO CAPÍTULO 4 APLICAÇÃO DOS ENSAIOS EM RDS METODOLOGIA DOS ENSAIOS APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS DE ENSAIOS EM UM PARQUE MO- DELO CAPÍTULO 5 - CONCLUSÃO REFERÊ CIAS BIBLIOGRÁFICAS APÊ DICE A DIMENSIONAMENTO DOS CONDUTORES APÊ DICE B CÁLCULO DA QUEDA DE TENSÃO APÊ DICE C CÁLCULO DAS PERDAS ELÉTRICAS... 56

10 1 1 I TRODUÇÃO No Brasil cerca de 97% das redes de distribuição de energia elétrica são aéreas (RDA) e os 3% restantes são redes subterrâneas (RDS). Esses últimos, concentram-se nas regiões centrais das grandes cidades e em alguns locais específicos, como redes internas de parques eólicos. A RDA tem baixo investimento inicial, porém possui alto custo de operação, além de manutenção de podas em árvores. Estima-se que os gastos com podas são 10 dólares por árvore, perfazendo um total de 4 a 7 milhões de dólares por ano em uma cidade de grande porte. Por outro lado, a RDS possui maior investimento inicial, contudo menor custo em manutenção[1]. Na RDA, uma vez que os cabos ficam expostos, as intervenções para consertos também precisam ser frequentes. Os danos são causados por raios (descargas atmosféricas), ventos, pássaros, chuvas, contaminação ambiental (poluição, salinidade) e acidentes com veículos que atingem postes. Ademais, é grande o número de pessoas que morrem todo ano devido aos acidentes com os fios, que em sua maioria são construídos com cabos não-isolados. A RDS proporciona maior confiabilidade, segurança, integração com o meio ambiente, valorização da área e não possui interferência com arborização. Todavia, sua desvantagem é em relação a derivações complexas e alto investimento inicial, com utilização de itens, como cabos de energia de média tensão com isolação elétrica adequada, podendo chegar a dez vezes mais que a rede convencional [1]. A isolação elétrica é uma das mais importantes partes dos componentes de alta tensão e sua qualidade determina a confiabilidade dos diversos equipamentos elétricos utilizados na geração, transmissão e distribuição de energia elétrica, tais como cabos, isoladores, transformadores, geradores e motores. Em sistemas de distribuição subterrânea são utilizados cabos de energia com isolação elétrica constituídos de materiais poliméricos sintéticos, termofixos, dos quais, destacam-se o polietileno reticulado (XLPE) e a borracha etilenopropileno (EPR), devido a suas excelentes propriedades dielétricas, propiciando elevada rigidez dielétrica e a alta resistividade volumétrica. A camada dielétrica é projetada para suportar diversos estresses, aos quais fica submetida durante sua vida. Estes estresses são normalmente classificados em quatro tipos, a saber: elétrico (campo aplicado, tensão, frequência de operação e sobretensões), térmico Introdução

11 2 (temperatura de operação e gradientes de temperatura), mecânico (vibração e torção) e ambiental (umidade), podendo agir sobre o sistema de isolação de forma individual ou combinada. Os cabos isolados de média tensão empregados em RDS mantem um campo elétrico confinado e baixa influência do campo magnético no meio. Em campo, eles podem ser instalados em dutos ou diretamente enterrados no solo. Para qualquer uma dessas situações, o ambiente no qual o cabo está imerso experimentará vários estresses. Ainda, estão associados à alta confiabilidade, com índices reduzidos de interrupção devido às suas características construtivas que impedem a ocorrência de perturbações devido aos fenômenos climáticos, mecânicos ou humanos. No entanto, quando ocorrem as falhas em cabos subterrâneos são de custo mais elevado, pois exige a substituição da seção de linha defeituosa para o restabelecimento do sistema. De forma distinta as redes aéreas, onde a localização de defeitos pode ser realizada por meio de inspeções visuais, a topologia subterrânea impossibilita a utilização desta abordagem [2]. Todavia, deve ser observado que os estresses podem levar a degradação da isolação do cabo, como arborescência em água, este tipo de degradação é devido aos mecanismos de migração de água contendo íons na presença de campo elétrico. Ademais, por mais cuidadoso que seja o controle de qualidade durante o processo de manufatura dos condutores é praticamente impossível evitar a presença de defeitos no produto final, tais como vazios que são fontes geradoras de descargas elétricas parciais internas. A evolução da arborescência e ocorrência contínua de descargas, quando sob estresse elétrico, leva à progressiva deterioração das propriedades físicas dos materiais isolantes podendo vir, em última instância, a causar a falha do equipamento por ruptura, comprometendo o desempenho e a confiabilidade dos sistemas de distribuição subterrâneos [2]. O rompimento de isolação em cabos de média tensão gera em sua volta um campo magnético, devido à tensão elevada, como também um campo elétrico em suas proximidades com valores consideráveis, suficiente para provocar distúrbios de fuga de corrente. Considerando, por exemplo, que três cabos com tensão de 34,5kV entre eles, havendo rompimento da isolação em apenas um cabo haveria um "vazamento de corrente" neste local. No caso, distribuição estrela aterrada, teríamos 19,92 kv de tensão entre o cabo e o meio (terra), onde o cabo se encontra. Como o meio em que está o condutor normalmente é úmido por estar enterrado haverá uma condutividade maior, ou seja, uma corrente igual à tensão no local de ruptura dividido pela resistência elétrica entre o cabo e o meio. O ensaio de tensão aplicada é o método mais comum e usual para diagnóstico e detecção de falhas presentes na isolação elétrica, sendo amplamente utilizado em testes de Introdução

12 3 cabos e acessórios (emendas e terminais). Normalmente os ensaios são realizados, em condutores de média tensão blindados e pela aplicação de tensão elétrica contínua entre condutor e blindagem aterrada. Os ensaios de corrente contínua, aplicados a cabos com processo de isolação forçada de forma semi-contínua, ou seja, isolação extrudada, principalmente em instalações antigas, podem causar o envelhecimento precoce ou danos permanentes. Por outro lado, um ensaio preventivo elimina, em momento conveniente, os defeitos incipientes que poderiam ocorrer durante a operação do sistema, provocando transtornos e perdas monetárias [3]. 1.1 OBJETIVO Dois fatores principais motivaram o desenvolvimento deste estudo. Primeiro, do ponto de vista de engenharia, a técnica de localização e detecção de falhas em sistema de distribuição em média tensão se apresenta como uma importante ferramenta de diagnóstico e localização de defeitos em sistemas de isolação. Segundo, do ponto de vista econômico, a aplicação de técnicas de comissionamento evita lucros cessantes principalmente em parques eólicos. O presente trabalho objetiva criar um roteiro com métodos de ensaios e instalação adequada e testes que garanta a confiabilidade do sistema de distribuição subterrâneo em parque eólico. Para tal fim será utilizado um Parque Modelo, JS WIND, usando dados de um parque já existente, criando sugestões de aprimoramento para solucionar problemas encontrados em testes e ensaios elétricos de isolação elétrica em condutores enterrados. 1.2 ESTRUTURA DO TRABALHO Para o desenvolvimento deste trabalho, foi realizada uma pesquisa bibliográfica em empresas de energia, normas e na literatura especializada, no sentido de se obter subsídios adicionais que contribuíssem para o desenvolvimento da monografia. Como resultado desta revisão bibliográfica, adotou-se uma estrutura de trabalho em quatro capítulos, cujos conteúdos serão descritos a seguir. No capítulo 2 está apresentado todos os aspectos teóricos relevantes para o entendimento do trabalho como um todo. Inicialmente, mostra-se um panorama de como se encontra a utilização de redes subterrâneas em sistemas de distribuição elétrica de média ten- Introdução

13 4 são. Com isso, serão explanados conceitos sobre a estrutura geral de condutores elétricos, bem como os diversos tipos existentes no mercado e os métodos de instalações subterrâneas. Os princípios dos ensaios de cabos de média tensão para detecção de defeitos que possam interferir no funcionamento adequado de cada um deles, assegurando que os condutores isolados e seus acessórios estejam aptos para entrarem em operação, com qualidade e segurança, serão detalhados no capítulo 3. No capítulo 4 está apresentado um roteiro de testes e ensaios elétricos para detecção de falhas e diagnósticos em cabos subterrâneos, abrangendo aspectos constantes e também ausentes na norma NBR Este roteiro mostra alguns testes e ensaios elétricos que devem ser realizados, indicando inclusive, equipamentos necessários para os testes e procedimentos passo a passo de como realizá-los. Além disso, será analisado um estudo de caso visando exemplificar na prática os procedimentos realizados em campo. Este estudo utiliza como base um parque eólico, cujo nome do modelo é JS Wind, constituído de 24 torres, capacidade de gerar 50,4MW e tensão na rede de distribuição subterrânea de 34,5 kv. No capítulo 5 está apresentado conclusões do trabalho, bem como sugestões para pesquisas futuras, dando continuidade assim ao tema abordado. 1.3 EQUIPAME TOS UTILIZADOS Megohmetro Modelo: MI-2077 Fabricante Metrel Aparelho para aplicação de tensão aplicada (HIPOT) Modelo: HT CC Fabricante: Instronic Termohigrômetro Modelo: MS6505 Fabricante: Instronic Introdução

14 5 2 DISTRIBUIÇÃO DE E ERGIA ELÉTRICA SUBTERRÂ EA 2.1 APLICAÇÕES O BRASIL Segundo [12], o aumento da população e as novas instalações em uma região caracterizam muitas vezes um crescimento desordenado na rede de distribuição aérea de energia elétrica. A disputa entre as árvores nas calçadas e as redes elétricas pelo mesmo espaço é sem dúvida um dos principais problemas existentes numa cidade. Além disso, a maioria das árvores, uma vez podadas, começa a brotar em direção aos condutores elétricos precisando de novas manutenções em curto espaço de tempo. A rede convencional aérea fica totalmente desprotegida contra as influências do meio ambiente, situações adversas, apresenta alta taxa de falhas e exige que sejam feitas podas drásticas nas árvores, visto que o simples contato com do condutor com um galho de árvore pode provocar o desligamento de parte da rede. Interrupção no fornecimento de energia não planejado pode causar uma situação insustentável. Muitas das interrupções duram horas até serem restabelecidas, por isso mesmo, é incalculável o prejuízo que tais falhas no fornecimento de energia acarretam, pois poderão haver perda de muitos dias de trabalho (lucros cessantes). O custo inicial pode ser um empecilho para a construção de redes subterrâneas, no entanto, existem muitas outras características que jogam a favor como, por exemplo: maior confiabilidade na distribuição, redução significativa de interferência externas, menor custo de manutenção, aumento da segurança da população devido à tecnologia avançada dos equipamentos e instalações. Segundo análise comparativa dos custos de diferentes redes de distribuição de energia elétrica, o sistema subterrâneo de distribuição de energia elétrica é mais complexo que o sistema aéreo, apesar do custo mais elevado, para sua instalação e manutenção apresenta uma série de benefícios, como [12]: Redução significativa das interrupções pela diminuição da exposição dos circuitos aos agentes externos, incrementando a confiabilidade do serviço. Eliminação dos circuitos aéreos, o que melhora bastante a aparência do sistema e principalmente, ajuda a preservar as árvores, contribuindo, Capítulo 02

15 6 consequentemente, para o melhoramento do aspecto visual das cidades e conservação do meio ambiente. Aumento da segurança para a população, com a redução do risco de a- cidentes por ruptura de condutores e contatos acidentais. Redução dos custos de manutenção, como podas de árvores e deslocamento de turmas de emergência. Deste modo, as RDS estão sendo cada vez mais utilizadas porque trazem grandes benefícios de segurança, confiabilidade e em alguns locais, até mesmo benefícios econômicos. Quando se somam os custos de poda de árvore, da interrupção do fornecimento de energia, dos custos sociais, da falta de segurança e da não-produção, fica mais fácil notar que ao longo do tempo as redes subterrâneas são vantajosas, tanto para quem instala quanto para quem as utiliza. Um exemplo disso são condomínios que optaram por instalações subterrâneas, explicitando uma valorização do patrimônio que supera o investimento feito. Outra demonstração dessa vantagem é a instalação de RDS em usinas eólicas, devido à confiabilidade, redução do custo de manutenção e diminuição da contaminação ambiental, evitando possíveis perdas monetárias no momento de interrupção de fornecimento de energia [9]. A enorme diferença do custo inicial se deve principalmente ao condutor, que na média tensão passa a desenvolver uma filosofia de construção completamente diferente. Na linha aérea de distribuição de energia o ar é utilizado como isolante, pois possui uma alta rigidez dielétrica, além dos condutores ficarem localizados em uma altura inacessível para os transeuntes. No entanto, nas instalações subterrâneas o isolante passa a ser o material sintético em volta do cabo. Por isso, ele deverá ter uma espessura suficiente para suportar esforços do campo elétrico do condutor ao meio externo. Esses esforços tem que ser uniformes, porque como o espaço é pequeno pode haver rompimento do dielétrico. Outro problema apresentado é que os cabos podem estar localizados a uma distância próxima aos transeuntes e assim os campos eletromagnéticos criados ao redor do condutor induziriam correntes perigosas no ambiente. Por essa razão, os cabos de média tensão isolados precisam ser blindados e aterrados para confinar o campo elétrico no seu interior. Essa blindagem é de difícil construção e tem que ser feita em toda a extensão da rede o que leva ao seu encarecimento [9]. Capítulo 02

16 7 2.2 CABOS UTILIZADOS AS RDS EM PARQUES EÓLICOS O elevado custo inicial para a aplicação de RDS é atribuído ao emprego de condutores com isolação adequada. A qualidade da isolação elétrica determina a confiabilidade dos equipamentos elétricos utilizados na distribuição, tais como cabos, transformadores, geradores e motores. Os cabos elétricos tem a finalidade de conduzir energia elétrica, sendo classificados comercialmente em três classes de acordo com a tensão elétrica aplicada. Essa classificação é feita de acordo com a maioria dos fabricantes de condutores elétricos. Condutor de baixa tensão possui a tensão de isolamento em até 1 kv, média tensão de 1 kv até 35 kv e alta tensão acima de 35 kv. É importante salientar que essa classificação pode variar de acordo com o fabricante, principalmente a distinção entre condutores de baixa e média tensão [13]. A estrutura construtiva do cabo vai depender fundamentalmente da sua tensão de isolamento, de sua aplicação e utilização. O elemento de transporte de energia elétrica de média tensão mais utilizada em usinas eólicas são os cabos singelos, sendo compostos pelo condutor, sistema dielétrico e proteção externa, descritos posteriormente. A figura 2.1 apresenta as camadas construtivas de um cabo de média tensão utilizado em RDS. Figura 2.1 Camadas construtivas do cabo de média tensão. Capítulo 02

17 CO DUTOR Os materiais normalmente utilizados como condutores elétricos são o cobre e o alumínio. A seleção do material condutor leva em conta a capacidade de condução de corrente (ampacidade), custo e, algumas vezes, a massa do cabo. Os condutores dos cabos de energia podem ser formados por um único fio ou pela reunião de vários fios formando cordas. As cordas são formadas de modo a se chegar a diferentes graus de flexibilidade, a qual depende da relação entre a seção total do condutor e a do fio elementar. De um modo geral, quanto maior for o número de fios componentes mais flexível será o cabo, porém também haverá a tendência de um custo mais elevado para o produto acabado, devido a um maior número de operações de trefilação e encordoamento. Na estrutura construtiva pode ser adicionado o bloqueio do condutor que tem a finalidade de eliminar a possibilidade de migração de água pelo condutor, através do preenchimento de um material compatível entre os espaços internos vazios entre os fios componentes do condutor. Normalmente, os tipos de bloqueio se apresentam na forma de massas poliméricas, pó, fios ou fitas de bloqueio. A construção bloqueada impede a corrosão dos condutores de alumínio isolados e o surgimento do fenômeno de arborescência em água ( water treeing ), devido à presença de água nos condutores, em cabos com isolação polimérica para média tensão SISTEMA DIELÉTRICO Em condutores de média tensão, o sistema dielétrico é composto pela blindagem do condutor, blindagem da isolação e a isolação. A blindagem do condutor constituído por materiais poliméricos condutores não-metálicos, normalmente chamados de semicondutores, tem como principal finalidade transformar a superfície irregular em uma superfície praticamente cilíndrica e lisa. Com isto, ocasiona a diminuição substancial de concentrações de campo elétrico na isolação. A blindagem da isolação é normalmente constituída por meio de uma parte semicondutora, equalizando o campo elétrico através de uma distribuição radial e simétrica. Ademais, associado a uma parte metálica para o transporte das correntes capacitivas e de curto-circuito do sistema. Capítulo 02

18 9 A blindagem do condutor e a blindagem da isolação mantendo contato perfeito com as superfícies externas eliminam espaços vazios na estrutura do cabo, evitando a ocorrências de descargas parciais. As duas blindagens deverão ser composta através de camada extrudada, obtendo uma espessura média de 0,4mm e espessura mínima de 0,32mm. Para ser efetiva a blindagem do condutor deve ter resistividade máxima de Ω.cm a 70 C para compostos termoplásticos e Ω.cm a 90 C para compostos termofixos (TEXEIRA JUNIOR, 2004, p. 28). Em RDS utilizadas em parque eólicos é mais comum a utilização de cabos de energia com isolação elétrica constituídos de materiais poliméricos sintéticos, termofixos, dos quais destacam-se o polietileno reticulado (XLPE) e a borracha etilenopropileno (EPR), devido a suas excelentes propriedades dielétricas, propiciando elevada rigidez dielétrica, a alta resistividade volumétrica e baixas perdas dielétricas. As isolações termofixas são obtidas a partir da extrusão e reticulação do material, capaz de manter o seu estado físico mesmo em regimes onde altas temperaturas estão envolvidas a- lém do limite admissível, carbonizando-se sem tornar-se líquido (TEXEIRA JUNIOR, 2004, p. 32). Com isso, permite que mais potência possa ser transportada para a mesma seção de condutor do que o similar termoplástico e, principalmente, em sistemas onde se tem alto nível de curto-circuito. Os termofixos podem ser instalados diretamente ao solo por serem materiais resistentes ao fenômeno de water treeing, desde que adequadamente formulados. No caso do XLPE é necessária a adição de ingrediente retardante na sua base polimérica. Na tabela 2.1 são apresentadas as características gerais da isolação dos termofixos XLPE e EPR, através de valores típicos não devendo ser utilizados para especificações. Capítulo 02

19 10 Tabela 2.1 Características de isolação. Característica ominal Material XLPE EPR Rigidez dielétrica (kv/mm) CA Impulso Fator de perdas (tg&) 0,0005 0,003 Constante dielétrica(ɛ) 2,3 2,6 3,0 ɛ. tg&(x10 3 ) 1,15 7,8 9,0 Resistividade térmica( C.m/W) 3,5 5,0 Estabilidade em água regular ótima Flexibilidade ruim ótima Permanente Limites Térmicos ( C) Sobrecarga Curto-circuito A espessura da isolação de um cabo de energia é determinada de modo que esteja garantida a sua integridade mecânica e elétrica durante os processos de fabricação, instalação e operação. Portanto, tem que suportar gradiente de potencial máximo especificado, tanto em condições de operação normal quanto em condições transitórios de impulso. Através da Equação 2.1, pode-se determinar gradiente de potencial máximo para uma estrutura coaxial. Vo E= r ln(1+ t r ) (2.1) Onde: E Gradiente de potencial (kv/mm); Vo Tensão fase-terra (kv); r Raio da blindagem do condutor (mm); t Espessura da isolação (mm). No entanto, as espessuras da isolação para cabo de média tensão são normalmente fixadas por normas, independentemente da variação da seção dos condutores. Além disso, podem ser observados diferentes gradientes de potencial para cada seção de condutor, desde que sejam mantidas fixas a tensão de isolamento e a espessura de isolamento [3]. Capítulo 02

20 Cobertura A cobertura é aplicada sobre a blindagem da isolação, por extrusão, e é determinada pelas características elétricas, mecânicas e químicas. Os materiais normalmente utilizados em cabos para usinas geradoras como cobertura são os termoplásticos, como o policloreto de vinila (PVC) e o polietileno (PE), devido à boa resistência à brasão, impermeabilidade e estabilidade térmica.[3] 2.3 MÉTODOS DE I STALAÇÃO Existem quatro modalidades de instalações subterrâneas para cabos de energia, são elas: instalação em dutos subterrâneos, instalação direta no solo, instalação em canaletas e instalação em bandejas. A maneira de se instalar um cabo tem grande influência não somente no investimento inicial, mas também no custo operacional e na continuidade de serviço do sistema. Em sistemas de distribuição urbanos e industriais de grande porte a instalação em dutos é normalmente a mais difundida. Isto se deve ao fato de, apesar do custo de implantação ser bastante elevado, permite a ampliação dos sistemas com a instalação de novos circuitos e também a substituição de um lance defeituoso em um tempo mínimo. Instalações de cabos em canaletas ou sobre bandejas são restritas respectivamente as instalações em usinas e subestações com trechos de pequenos comprimentos ou no interior de instalações industriais. Na figura 2.2 apresenta instalação elétrica subterrânea com cabos dentro de dutos flexíveis. Capítulo 02

21 12 Figura 2.2 Instalação subterrânea em dutos. A instalação de condutores direto no solo vem sendo cada vez mais difundida, devido principalmente ao atrativo econômico. Esta, que no passado era restrita a cabos de iluminação pública, instalados em parques e jardins, hoje em dia se estende também aos modernos sistemas de distribuição. A principal desvantagem desta maneira é no que diz respeito ao tempo necessário às substituições de cabos defeituosos e à limitação do número de circuitos na mesma vala. Atualmente, sua aplicação é bastante difundida no caso de cabos para transmissão subterrânea, em sistemas radiais urbanos e sistemas de distribuição interna de parques eólicos de geração de energia. A tendência é da especificação de cabos de baixa tensão multipolares armados e de cabos de média tensão unipolares não armados, sendo que neste caso a responsabilidade da proteção contra danos mecânicos, provenientes de escavações, fica por conta de lajotas de concreto dispostas ao longo da rota dos cabos ou simplesmente por fitas de polietileno com inscrições de alerta. O método de lançamento direto dos cabos na vala é normalmente preferido em relação ao puxamento sobre os roletes. Esse, dispensa o uso de acessórios especiais e não submete o cabo a esforços de tração durante a instalação, no entanto, em centros urbanos a dificuldade quase sempre consiste na obtenção de espaço físico para o deslocamento do carretel ao longo da rota do sistema. A limitação do lance a ser instalado se deve principalmente à existência de obstáculos ao longo da rota, ou seja: tubulações de água, gás, óleo, etc. e ao lance máximo de fabricação do cabo. Em parques eólicos não possuem estes obstáculos facilitando a aplicação deste método, apenas limitando-se ao comprimento máximo de confecção dos condutores. A execução pode ser simultânea com a abertura da vala, ou seja, a bobina de cabo é acoplada a uma escavadeira específica que, ao mesmo tempo abre a vala e lança o condutor [3]. Segundo [10], os circuitos de distribuição de média tensão em parques eólicos, quando singelos e instalados em trifólio, devem sofrer uma amarração em espaços regulares a fim de garantir esta configuração. Devem ainda, ser protegidos contra as deteriorações causadas por movimentação de terra, contatos com corpos duros, choques de ferramentas em caso de escavações, bem como contra umidade e ações químicas causadas pelos elementos do solo. As características da carga e a resistividade térmica real do solo influenciam sobre a capacidade de condução de corrente destes cabos de média tensão. Capítulo 02

22 A figura 2.3 apresenta cabos de média tensão sendo instalados diretamente no solo de rede de distribuição de usinas eólicas. 13 Figura 2.3 Instalação de uma RDS de usina eólica. Como prevenção contra os efeitos de movimentação de terra, os cabos devem ser instalados, em terreno normal, pelo menos a 0,90 m da superfície do solo. Essas profundidades podem ser reduzidas em terreno rochoso ou quando os cabos estiverem protegidos, por exemplo, por eletrodutos que suportem sem danos as influências externas as que possam ser submetidos. Segundo [3], o lance máximo de fabricação dos condutores de média tensão implica na instalação de acessórios, como emendas e terminais. Estes, muitas vezes, são considerados os pontos mais frágeis do sistema. Isto se deve ao fato de as estatísticas de falhas em sistemas de cabos elétricos apontarem um maior número de defeitos em acessórios. Capítulo 02

23 14 As falhas de especificação e principalmente as de montagem são as principais causas de defeitos em acessórios. A importância do entendimento da tecnologia envolvida, bem como a perfeita compreensão dos métodos de montagem contribuem para a correta especificação, resultando em uma probabilidade de sucesso na rede. Os terminais e emendas devem levar em consideração o campo elétrico e condições do ambiente. Uma perfeita coordenação entre o índice de confiabilidade do sistema, dos cabos e dos terminais é primordial a fim de se evitar pontos fracos no sistema. E estes, quase sempre, implicando em perdas monetárias tanto no decorrer da operação quanto durante a implantação do sistema de energia elétrica. A interrupção do circuito da blindagem quando se instala um acessório ocasiona uma distorção no campo elétrico, deixando de ser radial e uniforme. No entanto, pode-se utilizar métodos de alívio capacitivo, alívio dielétrico e alívio resistivo não-linear para tornar uniforme o campo elétrico, através de cone de alívio de tensões, recobrimento de uma parte do isolamento do cabo com material de alta constante dielétrica e aplicação de um pequeno comprimento de material resistivo sobre a superfície do isolamento do cabo, respectivamente, a partir do término da blindagem. A confecção de uma emenda e o procedimento sistemático de reconstituir um trecho do cabo no campo dando continuidade elétrica e dielétrica com um grau de confiabilidade relativamente alto. Os dielétricos dos acessórios devem ser altamente compatíveis química e termicamente com os dos cabos, e as superfícies de contato de ambos os dielétricos devem ser tais que não permitam descargas parciais durante a operação do sistema. Os materiais da blindagem devem ter condutância suficiente para eliminar eletrostaticamente a tensão induzida e transportar correntes capacitivas e de fuga. As correntes induzidas eletromagneticamente e de sequência zero provenientes de defeitos, normalmente são transportadas pela reconstituição da blindagem metálica dos cabos. A cobertura deve ser provida de selagem física contra a penetração de umidade para resistir ao ataque de contaminantes presentes no universo da instalação. Com isso, é imprescindível que seja seguido com rigor o projeto e instruções de montagem, e observada a limpeza dos cabos e materiais envolvidos. Capítulo 02

24 16 3 REDE DE DISTRIBUIÇÃO SUBTERRÂ EA EM OPERAÇÃO 3.1. FALHAS OS CIRCUITOS DE RDS Os cabos isolados utilizados em sistemas de distribuição subterrânea, quando em operação, estão sujeitos aos seguintes estresses: campo elétrico aplicado, gradientes de temperatura no cabo, variações de temperatura ambiente e umidade. A atuação combinada destes estresses pode levar a degradação da isolação do cabo, apesar da excelente estabilidade térmica e elevada rigidez dielétrica. Um dos principais fenômenos de degradação que atua nos cabos isolados são as arborescências, conhecido também pela expressão treeing. Este fenômeno tem como causa principal a influência de campo elétrico e umidade, ocasionando ruptura elétrica parcial do sistema dielétrico. O processo de deterioração da rigidez dielétrica apresenta caminhos que se assemelham as árvores. Após o início do fenômeno, muitas vezes, este processo pode durar anos até que se rompa o dielétrico, perdendo assim sua capacidade de isolação [14]. Segundo [13], as arborescências podem ser classificadas em três categorias: elétrica, water trees e a eletroquímica. A arborescência elétrica, denominada de electrical tree, desenvolve-se normalmente em falhas do sistema dielétrico sob campo elétrico intenso e são acompanhados pelo processo de ionização e descargas parciais. A electrical tree propaga-se por canais vazios dentro do dielétrico, devido à decomposição do material. Na figura 3.1 apresenta uma degradação realizada por arborescência elétrica em cabo com isolação XLPE, antes da ruptura da rigidez dielétrica. Figura 3.1 Arborescência elétrica. Capítulo 3

25 17 A arborescência em água, também chamada de water tree, ocorre a partir da influência de uma gradiente elétrico combinado com a penetração de umidade em caminhos estreitos. A water tree pode ser visível e a deterioração apresenta-se de forma difusa e temporária, parecendo com árvores. Segundo [13], quando a energia que alimenta a evolução de uma water tree é retirada ou a fonte de umidade é eliminada, a maioria da água injetada difunde-se e evapora, e a arborescência desaparece. Esse desaparecimento indica que os caminhos da arborescência são fechados com a retirada da umidade, pois, caso contrário, ficariam ainda mais visíveis quando a água fosse substituída por ar. Na figura 3.2 apresenta os pontos de falhas de water tree na isolação de cabos de média tensão. Figura 3.2 Estrutura do water tree. A water tree pode ser subdivida em duas categorias: Bow-tie tree e Vented tree. Este último, formado por canais longos e estreitos, a degradação é iniciada pela superfície da isolação, através de uma imperfeição ou concentração de gradiente elétrico, podendo causar a ruptura do dielétrico sem decompor sua estrutura externa enquanto progride. O bow-tie tree em forma de gravata de borboleta, inicia-se no interior do volume da isolação, devido à presença de impurezas e vazios, propagando-se lateralmente e em direções opostas, ao longo das linhas do campo elétrico. Capítulo 3

26 18 Na figura 3.3 apresenta a degradação da isolação por bow-tie tree. Figura 3.3 Falha na isolação por bow-tie tree. Na figura 3.4 apresenta a degradação da isolação por vented tree. Figura 3.4 Evolução do fenômeno vented tree. No caso, o bow-tie tree leva a uma degradação lenta e geralmente não leva o cabo a falhar em serviço, devido à baixa concentração de umidade no interior da isolação. Porém, o vented tree realiza uma degradação de com maior intensidade, reduzindo a estabilidade do dielétrico até a perfuração da isolação, com isso inicia a conversão de um water tree em um electrical tree. Capítulo 3

27 19 Na figura 3.5 apresenta a evolução de um fenômeno vented tree até a conversão em eletrical tree. Com isso, houve descargas parciais, ocasionando o rompimento do sistema dielétrico. Figura 3.5 Descargas parciais em cabos de média tensão. Por último, a arborescência eletroquímica é causada pela contaminação química, devido à migração dos produtos da corrosão do condutor, podendo ser também pela migração da umidade, contendo na água íons solúveis. A penetração de água pelo condutor e pela blindagem ocasiona um envelhecimento acelerado, ocasionando uma degradação da rigidez dielétrica. Portanto, os equipamentos utilizados para transporte de energia de média tensão que devam operar em contato com a água ou em ambientes úmidos, devem ser especificados uma construção bloqueada. No caso de isolação de XLPE é necessário a adição de retardantes em arborescência na base polimérica, melhorando a estabilidade do sistema dielétrico quando em contato com água. Já cabos com isolação em EPR são muito menos susceptíveis ao fenômeno treeing [4]. Capítulo 3

28 20 Segundo [13], ressalta que o fenômeno treeing não é o maior causador de falhas em cabos subterrâneos. Cerca de 90% dos defeitos se dão por causas mecânicas, sendo que dentro dos 10% restantes muitos defeitos estão localizados nas emendas e terminações e a maioria deles tem causas não perfeitamente determinadas, entre os quais se inclui o treeing. A figura 3.6 apresenta a realização de uma emenda em cabo subterrâneo, faltando a reconstituição da blindagem da isolação e a cobertura. Figura 3.6 Emenda em cabo de média tensão E SAIOS DOS DIELÉTRICOS A TES E APÓS A I STALAÇÃO As condições gerais para o ensaio de tensão no dielétrico para cabos de energia são baseadas nas recomendações das normas de fabricação e experiências de concessionárias de energia elétrica adquirida ao longo do tempo. No teste de um circuito subterrâneo, após a sua instalação e antes da sua entrada em serviço, deve-se verificar sua confiabilidade no que se refere à instalação propriamente dita e à montagem dos acessórios (emendas e terminais). Com isto, garante-se o seu desempenho perante todo o sistema elétrico a ele associado. Este teste consiste em dois ensaios para detecção de falhas. Primeiro, o ensaio de medição da resistência de isolamento do condutor. Segundo, o ensaio de tensão de corrente contínua (CC) aplicada entre o condutor e a blindagem metálica. Capítulo 3

29 21 Por outro lado, a experiência nacional e internacional das concessionárias de energia elétrica tem demonstrado que testes consecutivos e prolongados, durante o período de vida ativa dos cabos, levam a um envelhecimento precoce do dielétrico. Segundo [3], adota-se principalmente ensaio em corrente contínua, pois este está condicionado aos seguintes fatores: Os ensaios com tensão alternada (Vca) exigem equipamentos de grandes dimensões e alto custo, devido a necessidade de grandes potências. Os ensaios com tensão alternada, em cabos longos, produzem altos valores de corrente de carga. Os ensaios com corrente contínua (CC) são menos destrutivos do que os de corrente alternada. Os ensaios com corrente contínua são previstos nas Normas dos Cabos de Potência. Os cabos de média tensão deverão inicialmente passar no teste de medição da resistência de isolamento, através da injeção de corrente contínua com megômetro de tensão entre 500V e 5.000V, pelo período de 1 a 5 minutos. Os resultados obtidos, Rmed, neste teste deverão ser comparados com o nível de isolação estabelecido pela norma específica de cada tipo de isolação. Após a aprovação deste teste, deve-se iniciar o ensaio de tensão aplicada [11]. O ensaio da resistência de isolamento tem a finalidade de verificar a integridade da isolação do cabo, utilizando o resultado como parâmetro para indicar a suportabilidade do tensão aplicada no ensaio posterior. A tensão de isolamento do condutor é fornecida pelo fabricante da seguinte forma: valor eficaz da tensão entre condutor e a terra ou blindagem da isolação (Vo) e valor eficaz da tensão entre condutores isolados (V). O cabo ou o circuito, incluindo os acessórios, imediatamente antes da sua entrada em serviço, deverão ser submetidos à tensão de ensaio em corrente contínua, especificada na Tabela 3.1, continuamente, durante 15 minutos. Capítulo 3

30 22 Tabela 3.1 Ensaios após a instalação. Tensão de isolamento do condutor (Vo/V kv) Tensão de ensaio (kv CC) 3,6/6 21 6/ ,7/ / / /35 96 No entanto, caso o tempo total das aplicações atingir 30 minutos, devido às falhas no cabo ou acessórios, o tempo de aplicação dos eventuais ensaios subseqüentes deve ser reduzido a 5 minutos. Os ensaios em corrente contínua aplicados com isolação extrudada, principalmente de instalações antigas, podem causar o seu envelhecimento precoce. Nestes casos, é recomendado que os circuitos sejam testados através de sua energização sem carga, por um período de 24 horas. No caso em que o condutor ou circuito subterrâneo for retirado de serviço para reparos ou para expansão do sistema, muitas vezes se deseja testar a sua confiabilidade antes de sua re-energização. Este tipo de teste serve para detectar possíveis defeitos incipientes causados durante a manutenção ou aumento da rede, ou mesmo constatar a manipulação imprópria tanto no lançamento como na montagem de acessórios, assegurando as condições de serviços futuro. Existem também, os testes chamados de ensaios de manutenção, que são efetuados após a entrada em serviço dos condutores aplicados diretamente no solo em qualquer época de sua vida. Os ensaios de manutenção constituem, em algumas concessionárias de energia elétrica, uma rotina periódica para assegurar de modo preventivo a confiabilidade de suas linhas subterrâneas de distribuição primária. Um ensaio pode produzir ou precipitar um defeito que jamais ocorreria se o dielétrico não fosse solicitado por tensões elevadas. Por outro lado, um ensaio preventivo elimina, em momento conveniente, os defeitos incipientes que poderiam ocorrer durante a operação normal do sistema, provocando transtornos e perdas monetárias. Os ensaios de alta tensão em cabos de energia, de maneira geral, são utilizados a partir da tensão de isolamento de 3,6/6 kv, salvo condições especiais que os justifiquem. Não existe normas ou padrões que estipulem valores para as tensões/tempo para ensaios durante o período de vida ativa dos cabos. No entanto, existem filosofias de usuários de condutores elétricos para tal procedimento. Um método utilizado é o de aplicar o equivalente de Capítulo 3

31 corrente contínua da tensão nominal, ou seja, 2,4 vezes a tensão nominal à temperatura de 25 C, de acordo com a Tabela 3.2, durante 5 minutos consecutivos. 23 Tabela 3.2 Ensaios de manutenção. Tensão de isolamento do condutor (Vo/V kv) Tensão de ensaio CC (kv) 3,6/6 8,5 6/10 14,5 8,7/ / / /35 48 Capítulo 3

32 24 4 APLICAÇÃO DOS E SAIOS EM RDS 4.1. METODOLOGIA DOS E SAIOS Segundo [5], os ensaios de resistência de isolação são realizados utilizando o megohmetro. Durante o procedimento deste teste, aplica-se entre o condutor e a isolação, uma alta voltagem em corrente contínua que causará um pequeno fluxo de corrente. A quantidade de corrente depende da quantidade de voltagem aplicada, podendo ser entre 500V e 5000V, da capacitância do sistema, da resistência total e da temperatura do material. A resistência medida (Rmed) será a soma da resistência interna do condutor mais a resistência de isolação. Esta resistência de isolação lida será em função das correntes de fuga. A Rmed deverá ser maior que a resistência de referência (Rf) estabelecida pelo fabricante e pela norma do cabo de isolação específica. O ensaio em circuito instalado é efetuado no comprimento total do lance, à temperatura ambiente. Para realizar a medição corretamente, deverá ser conectado o terminal de tensão do equipamento no condutor, o qual deve estar com a polaridade negativa, no intervalo de tempo maior que 1 minuto e inferior a 5 minutos, desde que se obtenha uma leitura estável. Na Figura 4.1 é apresentado a ligação de um megôhmetro em um condutor de média tensão para medição da resistência de isolamento. Figura 4.1 Ensaio de resistência elétrica. Capítulo 4

33 25 A partir de [14], para temperatura ambiente de 20 C, a resistência de referência (Rf) é calculada de acordo com a equação (4.1). D Ki log( ) Rf d (4.1) = l Onde: Rf Resistência de isolamento (Ω); Ki Constante de isolamento (Ω.km); D Diâmetro nominal sobre a isolação (mm); d Diâmetro nominal sob a isolação (mm); l Comprimento do condutor (km) No entanto, o resultado calculado da resistência de isolamento (Rf), em temperatura do meio diferente de 20 C, deve ser reajustado utilizando fatores de correção para a temperatura na qual o teste será realizado de acordo com a norma da isolação de cada cabo. Nas figuras 4.2 e 4.3 são apresentados a aplicação do equipamento. Figura 4.2 Megohmetro realizando a medição. Figura 4.3 Locais de ligação no cabo de média tensão. No ensaio de tensão aplicada em cabos unipolares, deve realizar o teste entre o condutor e a blindagem metálica aterrada, tendo antes interligado a esta qualquer eventual revestimento metálico componente do cabo, conforme apresentado pela figura 4.4. Nos cabos de três condutores, a tensão de ensaio deve ser aplicada entre cada condutor individualmente e Capítulo 4

34 a sua blindagem. Deve ser notado que as três fases devem ser ensaiadas e que os ensaios são fase-terra [5]. 26 Figura 4.4 Ensaio de tensão aplicada. Durante o teste, a tensão deverá ser aplicada continuamente, com aumento gradativo e uniforme a uma taxa aproximadamente de 1 kv por segundo, de tal forma que a tensão máxima de ensaio seja atingida em não menos de 10 e não mais de 60 segundos. Quando a tensão máxima de ensaio for atingida, deve-se tomar leitura da corrente de fuga a cada minuto até o término do ensaio, para que se possa avaliar os resultados. Ao final do teste em corrente contínua, a tensão deve ser reduzida a zero, porém, uma tensão residual permanece e, portanto, o cabo deve ser adequadamente aterrado após a realização do ensaio por um período no mínimo igual a duas vezes o tempo de duração do teste e depois conectado ao sistema para ser colocado em operação [3]. Nas figuras 4.5 e 4.6 são apresentados as ligações do equipamento e o painel de comando do HIPOT. Figura 4.5 Ligações do HIPOT. Figura 4.6 Painel de comando do HIPOT. Capítulo 4

35 27 No entanto, quando houver a reprovação em algum dos dois testes, faz-se necessário a detecção exata do lugar da falha para a realização de reparos ou substituição do circuito em caso extremo. Para isto, é utilizado um gerador de impulso que é conectado em uma das extremidades do condutor que emite uma onda eletromagnética, ou seja, uma descarga capacitiva, a fim de provocar um arco no lugar da falha que possa ser ouvido por um detector acústico, conforme apresentado pela figura 4.7. Figura 4.7 Gerador de impulso com detector acústico para localização de falhas. O princípio deste método consiste no gerador de ondas descarregar bruscamente seu grupo de capacitores no cabo com defeito. Essa onda de choque viaja pelo cabo até o defeito. Toda a energia da onda de choque é descarregada no defeito sob forma de um arco elétrico. O som produzido pelo arco é captado por um microfone de solo (Geofone). Este som é amplificado antes de ser enviado aos fones de ouvido. Com isso, quanto mais perto estiver o Geofone do defeito, mais forte será o som. Deve-se levar em consideração que quanto mais fundo estiver enterrado o cabo, mais fraco é o som na superfície. No caso de o defeito se encontrar no interior de uma emenda que não estourou, estiver submerso, ou principalmente, sob lama densa, ocorre uma blindagem acústica que torna difícil a escuta. Este método é utilizado em parques eólicos com instalação de circuitos direto no solo. No entanto, não é recomendado à aplicação deste procedimento em instalações que utilizam dutos, devido ao som do arco ser canalizado para as duas extremidades dos dutos. Além disso, não se deve enviar ondas de choque sobre defeitos a terra em cabos sem blindagem pois, nesse caso, não se conhece o percurso de volta das correntes, com isso, pode-se produzir um aumento de potencial nos acessórios ou em todas as partes metálicas [10]. Capítulo 4

36 O roteiro de testes em circuitos subterrâneos aplicados em usinas eólicas pode ser exemplificado através do fluxograma apresentado na figura Figura 4.8 Fluxograma para realização dos testes. 4.2 APRESE TAÇÃO DE RESULTADOS DE E SAIOS EM UM PARQUE MODELO Um parque modelo, cujo nome é JS Wind, será utilizado em um estudo de caso visando exemplificar na prática os procedimentos realizados em campo. A rede interna de distribuição subterrânea possui o nível de tensão de 34,5kV. Esta RDS de 34,5kV tem a função de transportar a energia gerada pelos aerogeradores (AG s) até a subestação elevadora (SE) 34,5/230kV. A usina eólica tem 24 aerogeradores com 2,1MW de potência nominal individual os quais são interligados em paralelos, através da RDS. O parque possui a rede elétrica dividida em três alimentadores primário, cada um composto por oito aerogeradores. As principais características da rede subterrânea de distribuição são descritas na tabela 4.1. Tabela 4.1 Descrição da RDS do JS Wind. Capítulo 4

37 29 Tipo construtivo subterrâneo Tensão primária de distribuição 34,5kV Fator de Potência 0,92 indutivo à 0,99 capacitivo Número de aerogeradores(ag s) 24 Fator de Capacidade de Projeto (FC) 45,55% Número de alimentadores 3 Cabo condutor Alumínio com isolação em XLPE Potência Instalada por 08 AG s 16,8MW (306A) Extensão Total dos Circuitos metros Potência Instalada 50,4MW Os alimentadores são enterrados diretamente no solo em valas que acompanham paralelamente as vias internas de acesso ao parque. Estas valas estão em alguns trechos na borda da via e outros pontos na própria via devidos aos problemas com erosão. A distância mínima entre os circuitos é de 1,5 metros com exceção na chegada na subestação elevadora SE 34,5/230 kv. Cada aerogerador (AG) produz energia com nível de tensão de 600V, tendo sua tensão elevada para 34,5 kv através de subestações unitárias de distribuição, com transformadores elevadores de 0,6/34,5 kv cuja potência nominal é de 2,0 MVA. Os 24 aerogeradores são agrupados em três circuitos primários radiais simples (alimentadores) na tensão de 34,5 kv, três alimentadores compostos por 8 máquinas. A rede de distribuição primária, composta por 03 alimentadores, é subterrânea com cabos diretamente enterrados no solo, tipo de isolação XLPE, fio de alumínio, bloqueado contra propagação longitudinal de água e de tensão de 20/35 kv. Como critério de projeto para a rede de distribuição primária interna foi estabelecido o uso de três diferentes secções de condutores de alumínio. Os cabos de 150mm² de secção serão destinados a trechos com até 04 máquinas em série, os cabos de 240mm² de secção são destinados aos trechos de 05 à 07 máquinas em série, cabos de 400mm² de secção são utilizado em trechos de 07 à 08 máquinas em série. O trajeto dos circuitos da RDS obedece aproximadamente ao trajeto das estradas interna do parque eólico, exceto alguns pontos onde isso não foi possível. A figura 4.9 apresenta o cabo de média tensão de secção de 150mm², alumínio, sem a blindagem da isolação e a cobertura, utilizado na RDS do parque eólico. Capítulo 4

Cabos e acessórios para redes subterrâneas

Cabos e acessórios para redes subterrâneas Cabos e acessórios para redes subterrâneas Evoluindo com você. A distribuição de energia Vida atual com alta dependência de energia elétrica: produção serviços uso doméstico Conseqüências nas grandes cidades:

Leia mais

Fio e Cabo Inbranil Antichama - 750V

Fio e Cabo Inbranil Antichama - 750V Fio e Cabo Inbranil Antichama - 750V Características Construtivas 1) Para Fio Inbranil Antichama: condutor sólido de cobre eletrolítico nu, têmpera mole, classe 1. Para Cabo Inbranil Antichama: condutor

Leia mais

CABOS ISOLADOS / COBERTOS DE BAIXA TENSÃO (até 1kV) Nota: Sob consulta, os cabos Forex, Flexonax, Forenax, Forefix podem ser fornecidos com armadura Fio e Cabo WPP Cordão FOREPLAST (300 V) Os fios WPP

Leia mais

CONDUTORES ELÉTRICOS

CONDUTORES ELÉTRICOS CONDUTORES ELÉTRICOS R = ρ l S ( Ω) Produto metálico, geralmente de forma cilíndrica, utilizada para transportar energia elétrica ou transmitir sinais elétricos. ρ cobre = 1,72 10-8 Ωm ρ alum = 2,80 10-8

Leia mais

CAPACIDADE DE CONDUÇÃO DE CORRENTE 1/40

CAPACIDADE DE CONDUÇÃO DE CORRENTE 1/40 1/40 Os valores de capaci dade de condução de correntes constantes das tabelas a seguir, foram calculados de acordo com os critérios estabelecidos pela NBR 11301. Para os cálculos foram consideradas aterradas

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Condições de Operação 03 5.2. Materiais e Construção 04 6. PROCEDIMENTOS

Leia mais

Aula 08 Instalações Elétricas de Distribuição. Professor Jorge Alexandre A. Fotius

Aula 08 Instalações Elétricas de Distribuição. Professor Jorge Alexandre A. Fotius Aula 08 Instalações Elétricas de Distribuição Professor Jorge Alexandre A. Fotius Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Em áreas urbanas com baixa densidade

Leia mais

Aterramento. 1 Fundamentos

Aterramento. 1 Fundamentos Aterramento 1 Fundamentos Em toda instalação elétrica de média tensão para que se possa garantir, de forma adequada, a segurança das pessoas e o seu funcionamento correto deve ter uma instalação de aterramento.

Leia mais

Tabelas de Dimensionamento

Tabelas de Dimensionamento Com o objetivo de oferecer um instrumento prático para auxiliar no trabalho de projetistas, instaladores e demais envolvidos com a seleção e dimensionamento dos em uma instalação elétrica de baixa tensão,

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 07/05/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Quadro de Distribuição Circuitos Terminais Circuitos Terminais Quadro de Distribuição Quadro de Distribuição

Leia mais

Tipos de linhas. Sumário Linhas Elétricas Dimensionamento. Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas

Tipos de linhas. Sumário Linhas Elétricas Dimensionamento. Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Tipos de linhas Sumário Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Instalação dos condutores Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Os cabos multipolares só deve conter os condutores de um

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Capítulo 4 Parte 2 Condutores elétricos: 1. semestre de 2011 Abraham Ortega Número de condutores isolados no interior de um eletroduto Eletroduto é um elemento de linha elétrica fechada,

Leia mais

DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS:

DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: Chamamos de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR 5410 relativos à escolha

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 14/05/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Dimensionamento dos Condutores FASE Ampacidade Queda de Tensão Seção Mínima Dimensionamento dos Condutores

Leia mais

AUTORES: WOONG JIN LEE ALOISIO JOSÉ DE OLIVEIRA LIMA JORGE FERNANDO DUTRA JOSÉ M. PINHEIRO FRANKLIM FABRÍCIO LAGO CARLOS AUGUSTO V.

AUTORES: WOONG JIN LEE ALOISIO JOSÉ DE OLIVEIRA LIMA JORGE FERNANDO DUTRA JOSÉ M. PINHEIRO FRANKLIM FABRÍCIO LAGO CARLOS AUGUSTO V. AUTORES: WOONG JIN LEE ALOISIO JOSÉ DE OLIVEIRA LIMA JORGE FERNANDO DUTRA JOSÉ M. PINHEIRO FRANKLIM FABRÍCIO LAGO CARLOS AUGUSTO V. GRANATA 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO GENERALIDADES PROJETO CABOS E ACESSÓRIOS

Leia mais

Acessórios Desconectáveis 200A

Acessórios Desconectáveis 200A 200A APLICAÇÃO Os Acessórios da Prysmian possuem uma concepção de projeto baseada no sistema plugue - tomada, porém para tensões, permitindo fácil conexão e desconexão de um cabo de potência, de um equipamento,

Leia mais

Teoria das Descargas Parciais

Teoria das Descargas Parciais Teoria das Descargas Parciais Quando uma tensão é aplicada aos terminais de um equipamento elétrico que possui isolamento elétrico (dielétricos - ar, SF 6, óleo isolante, fenolite, resinas, vidros, etc.)

Leia mais

Esquematicamente, a rede de assinantes é composta pelos seguintes elementos: Planta Externa. Caixa de Distribuição. Cabo Primário.

Esquematicamente, a rede de assinantes é composta pelos seguintes elementos: Planta Externa. Caixa de Distribuição. Cabo Primário. 2 REDE DE ASSINANTES É a parcela do sistema telefônico que interliga a central local com o aparelho telefônico. Além da voz, é usada também para comunicação de dados. Atualmente a rede de assinantes é

Leia mais

12ª Conferência sobre Tecnologia de Equipamentos

12ª Conferência sobre Tecnologia de Equipamentos 12ª Conferência sobre Tecnologia de Equipamentos COTEQ2013-340 DETECÇÃO E CONTROLE DE POLUIÇÃO EM ISOLADORES DE ALTA TENSÃO ATRAVÉS DE TERMOGRAFIA Laerte dos Santos 1, Marcelo O. Morais Filho 2, Rodolfo

Leia mais

NTU AES 003-1. Condutores Elétricos Distr. Subterrânea NORMA TÉCNICA UNIFICADA AES ELETROPAULO / AES SUL

NTU AES 003-1. Condutores Elétricos Distr. Subterrânea NORMA TÉCNICA UNIFICADA AES ELETROPAULO / AES SUL NTU AES 003-1 Condutores Elétricos Distr. Subterrânea NORMA TÉCNICA UNIFICADA AES ELETROPAULO / AES SUL Elaborado: Aprovado: DATA: 30/09/2010 João Carlos Nacas AES Eletropaulo Fernanda Pedron AES Sul Sergio

Leia mais

Capítulo 5. Linhas elétricas. 5.1 Aspectos gerais 26/04/2010

Capítulo 5. Linhas elétricas. 5.1 Aspectos gerais 26/04/2010 Capítulo 5 Linhas elétricas 2008 by Pearson Education slide 1 5.1 Aspectos gerais Condutor elétrico Fio Barra Linha pré-fabricada Barramento Condutor encordoado: classes 1 a 6 Cabo Corda Perna Coroa Cabo

Leia mais

Instalações Elétricas Industriais

Instalações Elétricas Industriais Instalações Elétricas Industriais ENG 1480 Professor: Rodrigo Mendonça de Carvalho Instalações Elétricas Industriais CAPÍTULO 01 INTRODUÇÃO Flexibilidade: admitir mudanças nas localizações dos equipamentos,

Leia mais

A N E X O V I I I M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S D E L I N H A S E R E D E S D E D I S T R I B U I Ç Ã O S U B M E R S A S

A N E X O V I I I M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S D E L I N H A S E R E D E S D E D I S T R I B U I Ç Ã O S U B M E R S A S A N E X O V I I I M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S D E L I N H A S E R E D E S D E D I S T R I B U I Ç Ã O S U B M E R S A S C A T Á L O G O R E F E R E N C I A L DE M Ó D U L O S P A D R Õ E S D

Leia mais

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES Prezado cliente, índice Bem-vindo à GVT. Agora sua empresa conta com soluções inovadoras de voz, dados e Internet com o melhor custo-benefício. Para garantir a qualidade dos serviços e aproveitar todos

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICA DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO PROTEGIDAS

VIABILIDADE ECONÔMICA DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO PROTEGIDAS VIABILIDADE ECONÔMICA DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO PROTEGIDAS Mário Lúcio de Sales Brito 1, Pedro Mendes Castro 2 O objetivo deste estudo é demonstrar que a utilização generalizada das Redes Protegidas é viável

Leia mais

Soluções inovadoras em fios e cabos elétricos.

Soluções inovadoras em fios e cabos elétricos. 1 Soluções inovadoras em fios e cabos elétricos. Somos um dos maiores fabricantes mundiais de fios e cabos, com mais de 170 anos de história de progresso contínuo em nível global e mais de 40 anos no Brasil.

Leia mais

Proteção de cabos. o valor da relação Uo/U, que representa o quanto o cabo suporta de sobretensão fase-terra (Uo) e entre fases (U).

Proteção de cabos. o valor da relação Uo/U, que representa o quanto o cabo suporta de sobretensão fase-terra (Uo) e entre fases (U). 32 Apoio Proteção e seletividade Capítulo XII Proteção de cabos Por Cláudio Mardegan* Falando em proteção de cabos, este capítulo abordará de proteção deve ficar, no máximo, igual ao valor de alguns critérios

Leia mais

FIOS E CABOS BAIXA TENSÃO

FIOS E CABOS BAIXA TENSÃO FIOS E CABOS BAIXA TENSÃO Conceitos Básicos sobre es Elétricos Definições: Vergalhão Produto metálico não-ferroso de seção maciça circular, destinado à fabricação de fios. Fio Metálico Produto maciço,

Leia mais

3M MR Terminal Contrátil a Frio QT-II Corpo Isolador em Silicone,

3M MR Terminal Contrátil a Frio QT-II Corpo Isolador em Silicone, 3M MR Terminal Contrátil a Frio QT-II Corpo Isolador em Silicone, Série 5630 3,6/6 kv a 12/20 kv Ambientes Externos e Internos Boletim Técnico Março 2014 Descrição do Produto Os conjuntos de terminais

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 9. Sistema de Aterramento 02 9.1. Geral 02 9.2. Normas 02 9.3. Escopo de Fornecimento 02 T-9.1. Tabela 02 9.4. Características Elétricas 03 9.4.1. Gerais 03 9.4.2. Concepção Geral

Leia mais

MISTURADOR SUBMERSO RÁPIDO MSR

MISTURADOR SUBMERSO RÁPIDO MSR Indústria e Comércio de Bombas D Água Beto Ltda Manual de Instruções MISTURADOR SUBMERSO RÁPIDO MSR Parabéns! Nossos produtos são desenvolvidos com a mais alta tecnologia Bombas Beto. Este manual traz

Leia mais

Tendências Tecnológicas, Cabos Isolados para Média e Alta Tensão

Tendências Tecnológicas, Cabos Isolados para Média e Alta Tensão Tendências Tecnológicas, Cabos Isolados para Média e Alta Tensão Roger Tocchetto Breve histórico: como chegamos onde estamos Materiais contemporâneos e tendências Desenvolvimentos recentes notáveis EPR

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural

Disciplina: Eletrificação Rural UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS RIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 6 Condutores elétricos - dimensionamento e instalação.

Leia mais

Introdução ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO.

Introdução ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO. ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO. Introdução A energia elétrica que alimenta as indústrias, comércio e nossos lares é gerada principalmente em usinas hidrelétricas, onde a passagem

Leia mais

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9)

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) 10.1. Esta Norma Regulamentadora - NR fixa as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalham em instalações

Leia mais

Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição TD ND-3.3 - TABELAS

Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição TD ND-3.3 - TABELAS 02.111-TD/AT-3013a Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição TD ND-3.3 - TABELAS Gerência de Desenvolvimento e Engenharia de Ativos da Distribuição TD/AT Belo Horizonte Setembro/2013

Leia mais

APLICAÇÃO DA PROTEÇÃO CATÓDICA NA PREVENÇÃO DE CORROSÃO DE ADUTORAS E RESERVATÓRIOS METÁLICOS

APLICAÇÃO DA PROTEÇÃO CATÓDICA NA PREVENÇÃO DE CORROSÃO DE ADUTORAS E RESERVATÓRIOS METÁLICOS Título APLICAÇÃO DA PROTEÇÃO CATÓDICA NA PREVENÇÃO DE CORROSÃO DE ADUTORAS E RESERVATÓRIOS METÁLICOS Autores Eng o. Luiz Rodrigues Leite Jr. - Engenheiro II. Engenheiro Eletricista Eng o. Nilton Franco

Leia mais

Imprimir. Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los

Imprimir. Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los 1/ 9 Imprimir PROJETOS / Energia 20/08/2012 10:20:00 Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los Na primeira parte deste artigo vimos que a energia

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais. Aterramento. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki

Instalações Elétricas Prediais. Aterramento. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Conceito Instalações Elétricas Prediais -É a Ligação intencional de um condutor à terra. -Significa colocar instalações de estruturas metálicas e equipamentos elétricos

Leia mais

BAIXA TENSÃO Uso Geral

BAIXA TENSÃO Uso Geral Dimensionamento OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONA- MENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: Chamamos de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR 5410/2004 relativos à escolha

Leia mais

Instalações Elétricas Industriais. Prof. Carlos T. Matsumi

Instalações Elétricas Industriais. Prof. Carlos T. Matsumi Instalações Elétricas Industriais Divisão de Sistemas de Alimentação Faixa de Tensão Elétrica (IE) orrente Alternada - A orrente ontínua- Extra Baixa Tensão: Tensão Inferior à 50 V (A) e 120 V () Baixa

Leia mais

MÉTODO DE INSTALAÇÃO (Tabela 33 da NBR5410/2004)

MÉTODO DE INSTALAÇÃO (Tabela 33 da NBR5410/2004) MÉTODO DE INSTALAÇÃO (Tabela da NBR5410/004) Método de instalação número: Esquema ilustrativo Descrição Método de instalação a utilizar para a capacidade de condução de corrente 1 1 1 eletroduto de seção

Leia mais

TRANSFORMADORES MOLDADOS EM RESINA

TRANSFORMADORES MOLDADOS EM RESINA MODELO TAM TRANSFORMADORES - TIPO TAM Os transformadores a seco moldados em resina epóxi são indicados para operar em locais que exigem segurança, os materiais utilizados em sua construção são de difícil

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS BRASILEIRAS SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

NORMAS TÉCNICAS BRASILEIRAS SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NORMAS TÉCNICAS BRASILEIRAS SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Novas Normas NBR IEC 61643-1 - Dispositivos de proteção contra surtos em baixa tensão - Parte 1: Dispositivos de proteção conectados a sistemas de

Leia mais

-30.-40-40 -40-50 -40 X -90-190 X -70

-30.-40-40 -40-50 -40 X -90-190 X -70 APRESENTAÇÃO A FNCE, empresa nacional com tradição a mais de 0 anos no mercado de condutores elétricos esta comprometida com a qualidade de seus produtos, treinamentos dos seus colaboradores e preservação

Leia mais

DICAS. Instalações elétricas residenciais. 8ª Edição

DICAS. Instalações elétricas residenciais. 8ª Edição DICAS Instalações elétricas residenciais 8ª Edição DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RES CONCEITOS BÁSICOS DE ELETRICIDADE Nos condutores existem partículas invisíveis chamadas de elétrons livres que, assim

Leia mais

Balanceado X Não-Balanceado

Balanceado X Não-Balanceado Page 1 of 5 Balanceado X Não-Balanceado Informação técnica para usuários de produtos de áudio profissional da Yamaha Conexões não-balanceadas empregam dois condutores: um no potencial do aterramento e

Leia mais

GUIA PRÁTICO DE ATERRAMENTO

GUIA PRÁTICO DE ATERRAMENTO 2014 GUIA PRÁTICO DE ATERRAMENTO MAURÍCIO RODRIGUES DOS REIS SENAI-MG 15/02/2014 GUIA PRÁTICO SOBRE ATERRAMENTO INTRODUÇÃO... Pág.02 CONCEITOS BÁSICOS... Pág.02 MONTAGEM PASSO A PASSO DE ATERRAMENTO...

Leia mais

BAIXA TENSÃO Uso Geral

BAIXA TENSÃO Uso Geral Dimensionamento OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONA- MENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: Chamamos de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR 5410/2004 relativos à escolha

Leia mais

CADASTRO TÉCNICO DE FORNECEDORES SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO MATERIAIS PADRONIZADOS APLICADOS EM CÂMARA DE TRANSFORMAÇÃO 15KV - ATENDIMENTO COLETIVO

CADASTRO TÉCNICO DE FORNECEDORES SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO MATERIAIS PADRONIZADOS APLICADOS EM CÂMARA DE TRANSFORMAÇÃO 15KV - ATENDIMENTO COLETIVO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO CADASTRO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO CD.DT.PDN.03.14.001 03 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA E CADASTRO (DEEE) SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

INDICE. Catálogo de cabos industriais e energia CAPÍTULOS

INDICE. Catálogo de cabos industriais e energia CAPÍTULOS INDICE Catálogo de cabos industriais e energia CAPÍTULOS 1 Cabos de Energia Harmonizados 2 Cabos de Energia - Baixa Tensão (0,6/1kV) 3 Cabos de Energia de Média e Alta Tensão 4 Cabos de Segurança 5 Cabos

Leia mais

Fabricação de um cabo elétrico

Fabricação de um cabo elétrico Fabricação de um cabo elétrico TOP CABLE Bem-vindo à TOP CABLE. Somos um dos maiores fabricantes de cabos elétricos do mundo. VIDEOBLOG Neste videoblog explicamos-lhe como se fabrica um cabo elétrico.

Leia mais

Ensaio de Emissão Acústica Aplicado em Cilindros sem Costura para Armazenamento de Gases

Ensaio de Emissão Acústica Aplicado em Cilindros sem Costura para Armazenamento de Gases Ensaio de Emissão Acústica Aplicado em Cilindros sem Costura para Armazenamento de Gases Pedro Feres Filho São Paulo, Brasil e-mail: pedro@pasa.com.br 1- Resumo Este trabalho teve como objetivo apresentar

Leia mais

Diretoria de Operação e Manutenção

Diretoria de Operação e Manutenção Os Benefícios da Inteligência Aplicada em Localização de Falhas Elétricas em Cabos Subterrâneos de 13,8 a 145 kv 11ª Edição do Redes Subterrâneas de Energia Elétrica - 2015 Diretoria de Operação e Manutenção

Leia mais

3M MR Terminal Contrátil a Frio QT-II Corpo Isolador em Silicone,

3M MR Terminal Contrátil a Frio QT-II Corpo Isolador em Silicone, 3M MR Terminal Contrátil a Frio QT-II Corpo Isolador em Silicone, Série 5630K 3,6/6 kv a 12/20 kv Ambientes Externos e Internos Boletim Técnico Novembro 2010 1. Descrição do Produto Os conjuntos de terminais

Leia mais

Aula 5 Infraestrutura Elétrica

Aula 5 Infraestrutura Elétrica Aula 5 Infraestrutura Elétrica Prof. José Maurício S. Pinheiro 2010 1 Ruído Elétrico Os problemas de energia elétrica são as maiores causas de defeitos no hardware das redes de computadores e conseqüente

Leia mais

QUALIDADE - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO

QUALIDADE - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO PLUG TERMINAL COM CAPA (PTC) 600 A 8,7 / 15 KV OPERAÇÃO SEM CARGA SUMÁRIO ITEM CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Condições

Leia mais

POP-04.0001. Transporte, armazenamento, preservação, manuseio, instalação e ensaios de cabos elétricos

POP-04.0001. Transporte, armazenamento, preservação, manuseio, instalação e ensaios de cabos elétricos 1 Objetivo Procedimento Operacional Pág.: 1/15 Determinar as condições exigíveis de acondicionamento, transporte, armazenamento e movimentação de bobinas de condutores elétricos, visando à integridade

Leia mais

Transformadores Para Instrumentos. Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng.

Transformadores Para Instrumentos. Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng. Transformadores Para Instrumentos Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng. Sumário 1. Tipos de Transformadores. 2. Transformadores de Corrente - TCs. 3. Transformadores de Potencial TPs. 4. Ligação

Leia mais

Aplicação de Sistema Telemedição em Unidades Consumidoras Alimentadas por Redes Subterrâneas Caso Praia do Paiva

Aplicação de Sistema Telemedição em Unidades Consumidoras Alimentadas por Redes Subterrâneas Caso Praia do Paiva Aplicação de Sistema Telemedição em Unidades Consumidoras Alimentadas por Redes Subterrâneas Caso Praia do Paiva Autores Marcelo Artur Xavier de Lima CELPE; José Aderaldo Lopes CELPE. 1 AGENDA: A Celpe;

Leia mais

3M MR Terminal Contrátil a Frio QT-II Corpo Isolador em Silicone,

3M MR Terminal Contrátil a Frio QT-II Corpo Isolador em Silicone, 3M MR Terminal Contrátil a Frio QT-II Corpo Isolador em Silicone, Série 5690K 15/25 KV a 20/35 KV Ambientes Externos e Internos Boletim Técnico Março/ 2011 1. Descrição do Produto Os conjuntos de terminais

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES E CERTIFICADO DE GARANTIA 1 2 INTRODUÇÃO Obrigado por adquirir nosso produto e confiar na marca BOOG. Esteja certo de que você acaba de adquirir um produto de eficiente desempenho,

Leia mais

ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA.

ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA. ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA. TRANSFORMADORES MONOFÁSICOS DE ISOLAÇÃO COM BLINDAGEM APLICAÇÃO Os transformadores monofásicos de isolação com blindagens, magnética e eletrostática, foram desenvolvidos

Leia mais

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples CONCURSO DE ADMISSÃ ÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2009 1 a QUESTÃO Valor: 1,0 3m 02 g 3m 3m 4m 3m e 6m 4m 6m 6m d 4m 4m 02 02 02 4m 02 S g f 4m S S f e 4m c S d WS ab

Leia mais

instalação de sistemas de terras

instalação de sistemas de terras 94 José Ribeiro joseribeiro@casafelix.pt instalação de sistemas de terras 1. Capturar o raio. Capturar o raio para um ponto conhecido de ligação preferida utilizando um sistema de ponta captora aérea específica

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO EXECUTIVO PROTEÇÃO DE ESTRUTURAS CONTRA DESCARGAS ATMOSFÉRICAS

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO EXECUTIVO PROTEÇÃO DE ESTRUTURAS CONTRA DESCARGAS ATMOSFÉRICAS MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO EXECUTIVO PROTEÇÃO DE ESTRUTURAS CONTRA DESCARGAS ATMOSFÉRICAS Referência: Projeto: Data: MD-SPDA CER - BRASIL OUTUBRO/2013 SUMÁRIO 1 GENERALIDADES 2 DESCRIÇÃO DO PROJETO 3

Leia mais

Terminais e Emendas para Cabos Elétricos

Terminais e Emendas para Cabos Elétricos Terminais e Emendas para Cabos Elétricos A KIT Acessórios, com sede no Rio de Janeiro, desde 1991, vem se dedicando exclusivamente a produção de acessórios para cabos elétricos. Desde 1999, a KIT Acessórios

Leia mais

Ensaio de resistência de isolamento

Ensaio de resistência de isolamento 56 Capítulo VII Ensaios de resistência de isolamento e de rigidez dielétrica Por Marcelo Paulino* A avaliação do sistema isolante consiste em uma das principais ferramentas para determinar a condição operacional

Leia mais

Área de Transmissão Divisão de Manutenção de Transmissão Departamento de Manutenção de Santa Maria

Área de Transmissão Divisão de Manutenção de Transmissão Departamento de Manutenção de Santa Maria PROJETO BÁSICO 1. OBJETO: Prestação de Serviços por empresa de engenharia especializada para elaboração de projetos e execução de serviços, com fornecimento parcial de materiais, para substituição de 04

Leia mais

Figura 8.1 Representação esquemática de um transformador.

Figura 8.1 Representação esquemática de um transformador. CAPÍTULO 8 TRANSFORMADORES ELÉTRICOS 8.1 CONCEITO O transformador, representado esquematicamente na Figura 8.1, é um aparelho estático que transporta energia elétrica, por indução eletromagnética, do primário

Leia mais

Experiência 03 Ensaio de Fios Condutores

Experiência 03 Ensaio de Fios Condutores Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Elétrica Laboratório de Materiais Elétricos EEL 7051 Professor Clóvis Antônio Petry Experiência 03 Ensaio de Fios Condutores Fábio P. Bauer

Leia mais

Ram Ramachandran Diretor de Marketing Global para Usuários Finais Dow Wire & Cable

Ram Ramachandran Diretor de Marketing Global para Usuários Finais Dow Wire & Cable Ram Ramachandran Diretor de Marketing Global para Usuários Finais Dow Wire & Cable 10 o país em consumo de energia (~360 bilhões de kwh), porém, 68 o em consumo per capita (~2000 kwh) Dados de 2004 do

Leia mais

A iluminação além da imaginação

A iluminação além da imaginação A iluminação além da imaginação 2014 Índice Introdução... 4 Aplicações...5 Conhecendo o Iluminador... 6 Instalação e Uso... 7 Recomendações Elétricas... 8 Solucionando problemas... 13 Especificações técnicas...

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG Cabos de Potência com Isolação em XLPE para Tensões de 1 a 35 kv Especificação NTC-34

NORMA TÉCNICA CELG Cabos de Potência com Isolação em XLPE para Tensões de 1 a 35 kv Especificação NTC-34 NORMA TÉCNICA CELG Cabos de Potência com Isolação em XLPE para Tensões de 1 a 35 kv Especificação NTC-34 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. OBJETIVO 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 2 3. TERMINOLOGIA

Leia mais

Seminário Online DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS

Seminário Online DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS Seminário Online DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS Leonel Rodrigues Gerente de Aplicação de Produto Nexans Product Application Dept. Sep 2014 1 Dimensionamento de Condutores Elétricos Dimensionamento

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos Instalação de Banco de Capacitores em Baixa Tensão Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executar Ligações BT Código Edição Data SM04.14-01.008 2ª Folha 1 DE 9 26/10/2009 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

Disjuntores-Motor BDM-G. Dados Técnicos Características Gerais. Posições das teclas

Disjuntores-Motor BDM-G. Dados Técnicos Características Gerais. Posições das teclas Disjuntores-Motor BDM-G Generalidade: O disjuntor-motor BDM-G,Tripolar, são termomagnéticos compactos e limitadores de corrente. Ideal para o comando e a proteção dos motores. Possuem alta capacidade de

Leia mais

NOVA GERAÇÃO CABOS DE MÉDIA TENSÃO ISOLADOS. João J. A. de Paula

NOVA GERAÇÃO CABOS DE MÉDIA TENSÃO ISOLADOS. João J. A. de Paula NOVA GERAÇÃO CABOS DE MÉDIA TENSÃO ISOLADOS João J. A. de Paula 1 Perfil da companhia* $ BILHÕES 6VENDA LÍQUIDA 38 PRINCIPAIS PLANTAS LOCALIZADAS NOS MERCADOS 13.300 COLABORADORES VENDAS & DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

CORROSÃO E PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES ENTERRADAS E TANQUES EM PLANTAS INDUSTRIAIS

CORROSÃO E PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES ENTERRADAS E TANQUES EM PLANTAS INDUSTRIAIS CORROSÃO E PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES ENTERRADAS E TANQUES EM PLANTAS INDUSTRIAIS Eng o Luiz Paulo Gomes Diretor da IEC-Instalações e Engenharia de Corrosão Ltda LPgomes@iecengenharia.com.br 21 2159

Leia mais

13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ

13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ Instalações Elétricas Professor Luiz Henrique Alves Pazzini 104 13.1 - Introdução 13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ Existem três configurações básicas para alimentação de motores que operam em condições

Leia mais

Workshop. Proteção em redes de serviços via cabo coaxial

Workshop. Proteção em redes de serviços via cabo coaxial Workshop Proteção em redes de serviços via cabo coaxial Distúrbios em sistemas elétricos Surto Surtos elétricos Incidência de Descargas Atmosféricas na região sudeste, sul, Mato Grosso e Goiás (em milhões)

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 60

COMUNICADO TÉCNICO Nº 60 Página 1 de 15 COMUNICADO TÉCNICO Nº 60 ALTERAÇÃO DE TENSÃO SECUNDÁRIA DE NOVOS EMPREENDIMENTOS NO SISTEMA RETICULADO SUBTERRÂNEO (NETWORK) Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da

Leia mais

4 LINHAS ELÉTRICAS. Figura 5: Exemplos de fios e cabos.

4 LINHAS ELÉTRICAS. Figura 5: Exemplos de fios e cabos. 8 4.1 Condutores elétricos. 4 LINHAS ELÉTRICAS Os condutores elétricos constituem os principais componentes das linhas elétricas que conduzem eletricidade até as cargas elétricas. Define-se condutor elétrico

Leia mais

Cabos Ópticos. Tecnologia em Redes de Computadores 5º Período Disciplina: Sistemas e Redes Ópticas Prof. Maria de Fátima F.

Cabos Ópticos. Tecnologia em Redes de Computadores 5º Período Disciplina: Sistemas e Redes Ópticas Prof. Maria de Fátima F. Cabos Ópticos Tecnologia em Redes de Computadores 5º Período Disciplina: Sistemas e Redes Ópticas Prof. Maria de Fátima F. Bueno Marcílio 1 Cabos Ópticos Estruturas de encapsulamento e empacotamento de

Leia mais

Catalogo Técnico. Disjuntor Motor BDM-NG

Catalogo Técnico. Disjuntor Motor BDM-NG Catalogo Técnico Disjuntor Motor BDM-NG Disjuntores-Motor BDM-NG Generalidade: O disjuntor-motor BDM-NG,Tripolar, são termomagnéticos compactos e limitadores de corrente. Ideal para o comando e a proteção

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO SPDA. Índice

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO SPDA. Índice MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO SPDA Índice 1 Introdução 2 Local da Obra 3 Normas 4 Malha de Aterramento 5 Equipamento e Materiais 6 Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas 7 Cálculo dos Elementos

Leia mais

Distribuição de energia eletrica e redes subterrâneas

Distribuição de energia eletrica e redes subterrâneas Distribuição de energia eletrica e redes subterrâneas Cabos 09-2 - 3 de outubro 2009 Maceió, Alagoas, Brasil As redes de distribuição: um desafio imprescindível As redes de distribuição formam uma infra-estrutura

Leia mais

DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RES

DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RES DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RES z CNCEITS BÁSICS DE ELETRICIDADE Nos condutores existem partículas invisíveis chamadas de elétrons livres que, assim como os planetas ao redor do sol, giram ao redor

Leia mais

São necessários três componentes, simultaneamente, para existir a EMI:

São necessários três componentes, simultaneamente, para existir a EMI: AInterferência Eletromagnética nas Redes de Computadores Prof. José Maurício dos Santos Pinheiro Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA 28 de maio de 2007 EMI Electromagnetic Interference O ambiente

Leia mais

materiais ou produtos,sem prejudicar a posterior utilização destes, contribuindo para o incremento da

materiais ou produtos,sem prejudicar a posterior utilização destes, contribuindo para o incremento da Definição De acordo com a Associação Brasileira de Ensaios Não Destrutivos, ABENDE, os Ensaios Não Destrutivos (END) são definidos como: Técnicas utilizadas no controle da qualidade, d de materiais ou

Leia mais

AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA

AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA ENE095 Proteção de Sistemas Elétricos de Potência Prof. Luís Henrique Lopes Lima 1 TRANSFORMADORES DE MEDIDAS

Leia mais

Cabo Cofivinil HEPR (1 Condutor) 0,6/1kV 90 o C

Cabo Cofivinil HEPR (1 Condutor) 0,6/1kV 90 o C Cabo Cofivinil HEPR (1 Condutor) 0,6/1kV 90 o C 1 Dados Construtivos: 1.1 Desenho: 1 2 3 4 1 Condutor: Fios de cobre eletrolítico nu, têmpera mole. Encordoamento classe 05. 2 Separador: Fita não higroscópica

Leia mais

CABOS ELÉTRICOS PARA APLICAÇÃO EM OFFSHORE 1/2013

CABOS ELÉTRICOS PARA APLICAÇÃO EM OFFSHORE 1/2013 1/2013 CABOS ELÉTRICOS PARA APLICAÇÃO EM OFFSHORE ÍNDICE: Cabos Elétricos de Energia e Controle - 0,6/1kV (1,8/3kV) LKM-SHF2 & LKM-SHF2 FLEX...4 LKMM-SHF2...8 LKSM-SHF2 & LKSM-SHF2 FLEX...10 LKMSM-SHF2...14

Leia mais

MANUTENÇÃO PREDITIVA EM TRANSFORMADORES UTILIZANDO O CRITÉRIO DE ROGERS NA ANÁLISE DE GASES DISSOLVIDOS EM ÓLEO ISOLANTE

MANUTENÇÃO PREDITIVA EM TRANSFORMADORES UTILIZANDO O CRITÉRIO DE ROGERS NA ANÁLISE DE GASES DISSOLVIDOS EM ÓLEO ISOLANTE MANUTENÇÃO PREDITIVA EM TRANSFORMADORES UTILIZANDO O CRITÉRIO DE ROGERS NA ANÁLISE DE GASES DISSOLVIDOS EM ÓLEO ISOLANTE JOÃO LUIS REIS E SILVA (1) resumo O critério de Rogers é uma metodologia científica

Leia mais

AS NORMAS ABNT. ABNT NBR IEC 60335-2-76 Trata especificamente sobre equipamentos eletrificadores de cercas. Foi publicada em 03/12/2007

AS NORMAS ABNT. ABNT NBR IEC 60335-2-76 Trata especificamente sobre equipamentos eletrificadores de cercas. Foi publicada em 03/12/2007 AS NORMAS ABNT INTRODUÇÃO ABNT NBR IEC 60335-2-76 Trata especificamente sobre equipamentos eletrificadores de cercas. Foi publicada em 03/12/2007 NBR NM-IEC 335-1 Trata sobre a segurança de equipamentos

Leia mais

CAPACITORES IMPREGNADOS X CAPACITORES IMERSOS (PPM) EM BT

CAPACITORES IMPREGNADOS X CAPACITORES IMERSOS (PPM) EM BT CAPACITORES IMPREGNADOS X CAPACITORES IMERSOS (PPM) EM BT 1 - Objetivos: Este trabalho tem por objetivo apresentar as principais características técnicas dos capacitores convencionais do tipo imerso em

Leia mais

Ensaios Não Destrutivos

Ensaios Não Destrutivos Ensaios Não Destrutivos DEFINIÇÃO: Realizados sobre peças semi-acabadas ou acabadas, não prejudicam nem interferem a futura utilização das mesmas (no todo ou em parte). Em outras palavras, seriam aqueles

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 00-13/07/2009 13/07/2009 APROVADO POR José Rubens Macedo Junior SUMÁRIO 1. RESUMO...3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...3 3.

Leia mais

Informações e Tabelas Técnicas

Informações e Tabelas Técnicas Características dos condutores de cobre mole para fios e cabos isolados 1 Temperatura característica dos condutores 1 Corrente de curto-circuito no condutor 1 Gráfico das correntes máximas de curto-circuito

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo IV Aula 04 Isolamento térmico AQUECIMENTO DE TUBULAÇÕES Motivos Manter em condições de escoamento líquidos de alta viscosidade ou materiais que sejam sólidos

Leia mais