12ª Conferência sobre Tecnologia de Equipamentos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "12ª Conferência sobre Tecnologia de Equipamentos"

Transcrição

1 12ª Conferência sobre Tecnologia de Equipamentos COTEQ DETECÇÃO E CONTROLE DE POLUIÇÃO EM ISOLADORES DE ALTA TENSÃO ATRAVÉS DE TERMOGRAFIA Laerte dos Santos 1, Marcelo O. Morais Filho 2, Rodolfo V. Silva 3 Copyright 2013, ABENDI, ABRACO e IBP. Trabalho apresentado durante a 12ª Conferência sobre Tecnologia de Equipamentos. As informações e opiniões contidas neste trabalho são de exclusiva responsabilidade do(s) autor(es). Sinopse Este trabalho mostra como a Eletrobras Furnas, através de testes em laboratório e em campo, conseguiu determinar entre dois métodos de Ensaios Não Destrutivos, Termografia e Detecção de Corona por Ultravioleta, qual é o método de inspeção mais adequado para detectar poluição em isoladores de alta tensão. Através desses testes foi ainda possível definir qual método detecta mais precocemente a poluição em isoladores, possibilitando assim, determinar através de um procedimento específico, qual o melhor momento para limpá-los e evitar falhas ao sistema elétrico. A grande vantagem dessa metodologia é ser totalmente não invasiva ao Sistema, obtendo o diagnóstico com os equipamentos em operação e sem nenhuma necessidade de contato. 1 Doutor em Engenharia Elétrica, PMO ELETROBRAS FURNAS 2 Técnico em Eletrotécnica, PMO ELETROBRAS FURNAS 3 Técnico em eletrônica, PMO ELETROBRAS FURNAS

2 DETECÇÃO E CONTROLE DE POLUIÇÃO EM ISOLADORES DE ALTA TENSÃO ATRAVÉS DE TERMOGRAFIA Laerte dos Santos, Marcelo O. Morais Filho, Rodolfo V. Silva Sinopse Este trabalho mostra como a Eletrobras Furnas, através de testes em laboratório e em campo, conseguiu determinar entre dois métodos de Ensaios Não Destrutivos, Termografia e Detecção de Corona por Ultravioleta, qual o método de inspeção é mais adequado para detectar poluição em isoladores de alta tensão. Através desses testes foi ainda possível definir qual método detecta mais precocemente a poluição em isoladores, possibilitando assim, determinar através de um procedimento específico, qual o melhor momento para limpá-los e evitar falhas ao sistema elétrico. A grande vantagem dessa metodologia é ser totalmente não invasiva ao sistema, obtendo o diagnóstico com os equipamentos em operação e sem nenhuma necessidade de contato. Introdução O Sistema Elétrico de Potência se utiliza de isoladores de alta tensão para isolar eletricamente equipamentos e condutores. Os isoladores estão presentes em todas as etapas, desde a geração à transmissão de energia elétrica. A confiabilidade e segurança do sistema elétrico dependem consideravelmente deles e, quando eles falham, uma grave falha pode ocorrer no sistema. Uma das principais causas de falha em isoladores está diretamente ligada a poluentes que se depositam sobre eles durante períodos secos do ano. Com o aumento da umidade, seja pelo orvalho, chuva fina ou nevoeiro, esses poluentes podem se tornar condutivos e promover a produção de descargas na superfície do isolador, iniciando um processo que poderá levar a uma falha total do isolador. A Figura 1 mostra uma subestação, visualizada pelo Detector de Corona por UV, com alto nível de poluição em seus isoladores e com a ocorrência de diversas descargas elétricas. Figura 1 Subestação com poluição em seus isoladores e ocorrência de descargas elétricas

3 Este trabalho mostra como a Eletrobras Furnas, através de testes em laboratório e em campo, conseguiu determinar entre os métodos de Ensaios Não Destrutivos e capazes de detectar poluição em isoladores, qual o método de inspeção é mais adequado para detectá-la mais precocemente, indicando qual o melhor momento de realizar a limpeza dos isoladores. Utilizando o método mais adequado e desenvolvendo um procedimento de inspeção específico, a Eletrobras Furnas reverteu um histórico de falhas em uma de suas subestações, a qual possui um importante papel no sistema elétrico brasileiro. Além de indicar o melhor momento para a limpeza dos isoladores e prevenir as falhas, os testes em campo também ajudaram a determinar se o procedimento de limpeza tinha sido satisfatório ou se havia vestígios de poluição. Motivação Alguns anos atrás, falhas, devido à poluição de isoladores, estavam ocorrendo em uma das subestações de Furnas. Para se evitar essas falhas, periodicamente todos os isoladores da subestação tinham de ser limpos. Um dos problemas era determinar quando executar a limpeza. Se a opção fosse por períodos curtos, a probabilidade de falha era reduzida, em compensação o custo era alto. Se a opção fosse por períodos mais longos, diminuía-se o custo, porém, a probabilidade de falha aumentava. Como determinar o nível de poluição e qual a melhor hora para realizar a limpeza? Um dos métodos para determinação do nível de poluição é o método de Densidade de Depósito de Sal DDS, mas para ser realizado é necessário que o isolador seja levado para o laboratório, o que implica no desligamento do circuito no qual ele está instalado ou na sua substituição com a linha energizada. Era então necessário desenvolver uma metodologia mais simples e menos invasiva. Assim sendo, a termografia por infravermelho e a Detecção de Corona por Ultravioleta foram escolhidas para buscar uma alternativa mais prática e com menor custo. Métodos de END Utilizados na Detecção da Poluição em Isoladores Termografia por Infravermelho A Termografia por Infravermelho é o método que detecta a radiação infravermelha emitida por todos os objetos em função da temperatura de suas superfícies e a transforma em imagens chamadas de termogramas. Quanto maior a temperatura de uma superfície, maior a radiação emitida por ela e, portanto, os termogramas, devidamente tratados, podem fornecer sua temperatura e sua distribuição térmica. Aproveitando essa característica da Termografia é possível visualizar alterações térmicas em componentes elétricos. Devido ao efeito Joule, os componentes elétricos aquecem quando submetidos a uma corrente elétrica. No caso de um isolador, quando sua corrente de fuga aumenta devido à poluição, sua temperatura também aumenta, possibilitando a visualização pela termografia, Figura 2.

4 Isolador sob inspeção Imagem Visível Termovisor Imagem térmica - Termograma Radiação Infravermelha Figura 2 Conversão da imagem visível em imagem térmica através da termografia. Detecção de Corona por Ultravioleta (UV) A Detecção de Corona por UV se fundamenta em outro fenômeno físico denominado de efeito Corona. O efeito Corona é definido como sendo um tipo de descarga elétrica localizada, resultante da ionização transitória de gases em um sistema de isolamento quando a tensão aplicada excede um valor crítico. Quando esta ionização ocorre no ar, o valor crítico, ou seja, a tensão disruptiva varia com as condições atmosféricas. Durante o processo de ionização, os elétrons do gás ganham e liberam energia continuamente. Quando os elétrons liberam energia, ondas de luz são emitidas. O comprimento de onda dessa luz está relacionado ao gás que está sendo ionizado. No caso do ar, que contém cerca de 80% de gás nitrogênio, seu espectro de luz é em sua maior parte ultravioleta. A tecnologia de Detecção de Corona por Ultravioleta explora o fato de o efeito corona emitir radiação ultravioleta. Através da detecção dessa radiação, simultaneamente com a detecção da radiação visível é gerada uma imagem composta, na qual se pode observar a exata origem do efeito corona (descarga elétrica), Figura 3. Devido ao alto campo elétrico, equipamentos de alta tensão podem gerar corona. A atividade de corona nesses equipamentos pode indicar poluentes, corrosão e degradação acelerada de isoladores poliméricos e cerâmicos. Isolador sob inspeção Imagem Visível Imagens Visível e Ultravioleta combinadas Detector de Corona por UV Radiação Ultravioleta Figura 3 Combinação da imagem visível e da radiação UV pela Detecção de Corona por UV.

5 Testes em campo e em laboratório. Nos testes em campo, os isoladores foram monitorados através de Termografia e Detecção de Corona por UV. A monitoração foi realizada no início do período chuvoso e em horários em que a umidade relativa do ar tendia a aumentar ao longo da monitoração. Foi observado que nos mesmos pontos em que a Detecção de Corona por UV visualizava atividade elétrica, a termografia visualizava um aumento de temperatura, mas o contrário nem sempre ocorria. Isso indicava que a termografia estava detectando anomalias que a Detecção de Corona não estava. Foi observado também, que com o aumento da umidade relativa do ar, a Termografia detectava aumento de temperatura em um determinado isolador poluído, mas o Detector de Corona só detectava uma atividade elétrica, nesse mesmo isolador, quando a umidade atingia valores mais altos. Isso indicava que a Termografia teria detectava a poluição em estágios mais incipientes. Para comprovar essa afirmação, testes em laboratório foram realizados. Nos testes realizados no laboratório de alta tensão foram utilizadas duas cadeias de isoladores com quatro isoladores cada. Uma cadeia foi retirada da subestação poluída e a outra, de mesmo modelo e fabricante, foi montada com isoladores novos. Ambas foram expostas a tensões crescentes de 0 kv a 80 kv. A tensão foi aplicada paralelamente às duas cadeias de isoladores. O teste foi monitorado por Termografia e Detecção de Corona por UV, por um período de 1 hora. A temperatura ambiente era de 25 ºC e a umidade relativa do ar variou de 68% a72%. A Figura 4 apresenta o esquema montado para os testes no laboratório de alta tensão e a Figura 5 mostra as cadeias de isoladores testadas (poluída e nova), bem como uma vista parcial do laboratório de alta tensão. Figura 4 - Esquema dos testes no laboratório de alta tensão

6 Figura 5 - Cadeias de isoladores testados (esquerda) e vista parcial do teste em laboratório (direita). Os resultados em laboratório ratificaram os resultados de campo e mostraram que um aumento de temperatura é registrado antes do efeito corona ser detectado pelo Detector de Corona, Figura 6. Essa observação, em conjunto com diversas medições de temperatura realizadas em isoladores poluídos, serviu para desenvolver um procedimento de inspeção. Nesse procedimento, o nível de poluição foi relacionado a valores de temperatura no corpo do isolador, deste modo foi possível definir o momento mais adequado para realizar a limpeza dos isoladores sem colocar o sistema em risco. 50, , ,0 42,5 Isolador 2 da cadeia poluída 800 Temperatura dos Isoladores TemperaturadoIsolador 40,0 37,5 35,0 32,5 30,0 27,5 25,0 22,5 20,0 Co rona 10:00 10:0 9 10:10 10:12 10:13 10:14 10:15 10:17 10:18 10:19 10:21 10:22 10:23 10:25 10:26 10:27 10:29 10:30 10:31 10:33 Horário Isolador 4 da cadeia poluída Isolador 3 da cadeia poluída Isolador 1 da cadeia poluída 10:34 10:35 10:37 10:38 10:40 10:41 10:42 10:44 10:45 10:46 10:48 10:49 10:51 10:52 10:53 10:5 5 10:56 10:58 10:59 Isol 4 Isol 3 Iso l 2 Iso l 1 Isol Novo Co rrente de Fuga Instante em que o Detector de Corona visualizou atividade elétrica Isolador 1, 2, 3 e 4 da cadeia nova Figura 6 Gráfico dos resultados obtidos nos testes no laboratório de alta tensão Corrente de Fuga (µa)

7 A Figura 7 mostra as imagens capturadas, por Termografia e Detecção de Corona por UV, das cadeias de isoladores poluída e nova, durante os testes. Figura 7 - Imagens capturadas por Termografia e Detecção de Corona por UV durante os testes. Conclusão Este trabalho apresentou, de forma sintetizada, como a Eletrobras Furnas, através de testes em laboratório e em campo, conseguiu determinar entre dois métodos de Ensaios Não Destrutivos, Termografia e Detecção de Corona por Ultravioleta, qual o método de inspeção é mais adequado para detectar poluição em isoladores de alta tensão. Através desses testes definiu-se que a Termografia por Infravermelho é capaz de detectar mais precocemente a poluição em isoladores, apesar da Detecção de Corona por UV ser a mais conhecida para esta finalidade. Os resultados dos testes, tanto em laboratório como em campo, mostraram que um aumento de temperatura é registrado antes de aparecer o efeito corona. Essa observação, em conjunto com diversas medições de temperatura realizadas em isoladores poluídos, serviu para desenvolver um procedimento de inspeção. Nesse procedimento, o nível de poluição foi relacionado a valores de temperatura no corpo do isolador, deste modo foi possível definir o momento mais adequado para realizar a limpeza dos isoladores sem colocar o sistema em risco. A grande vantagem dessa metodologia é ser totalmente não invasiva ao sistema, obtendo o diagnóstico com os equipamentos em operação e sem nenhuma necessidade de contato. Referências bibliográficas Mello, D. R.; Costa Jr., R. T. D.; Batista, J. T.; Melo, M. E.; Avaliação do Grau de Poluição em Instalações de Transmissão, Subestações e Distribuição, Visualizado no site Santos, Laerte, Classificação e Modelagem de Fatores de Influência sobre Inspeções Termográficas em Ambientes Desabrigados ; Tese (Doutorado) Universidade Federal de Itajubá,

8 Santos, Laerte; Santos D. F.; Bortoni E. C.; Estendendo a Visão Humana além do Espectro Visível para Aprimorar a Detecção de Falhas em Equipamentos de Alta Tensão ; V CORENDE Patagonia, Argentina, Santos, Laerte; Morais Filho, M. O.; Silva, R. V.; Bortoni, E. C.; Tecnologias de Imagem por Infravermelho e Ultravioleta Aplicadas a Sistemas Elétricos de Alta Tensão ; XX SNPTEE, 2009.

ANÉXO PADRÃO TERMO_130607 TERMOG RAFIA -

ANÉXO PADRÃO TERMO_130607 TERMOG RAFIA - ANÉXO PADRÃO TERMO_130607 TERMOG RAFIA - Técnica que estende a visão humana ao espectro infravermelho, sendo a aquisição e análise das informações térmicas feitas a partir de dispositivos de obtenção de

Leia mais

materiais ou produtos,sem prejudicar a posterior utilização destes, contribuindo para o incremento da

materiais ou produtos,sem prejudicar a posterior utilização destes, contribuindo para o incremento da Definição De acordo com a Associação Brasileira de Ensaios Não Destrutivos, ABENDE, os Ensaios Não Destrutivos (END) são definidos como: Técnicas utilizadas no controle da qualidade, d de materiais ou

Leia mais

Sistema Básico de Inspeção Termográfica

Sistema Básico de Inspeção Termográfica Sistema Básico de Inspeção Termográfica Um novo patamar na relação custo / benefício em Termografia *Eng. Attílio Bruno Veratti Conceito geral A Inspeção Termográfica é a técnica de inspeção não destrutiva

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA TERMOGRAFIA NA MANUTENÇÃO DE LOCOMOTIVAS E INSPEÇÃO DE VAGÕES.

UTILIZAÇÃO DA TERMOGRAFIA NA MANUTENÇÃO DE LOCOMOTIVAS E INSPEÇÃO DE VAGÕES. UTILIZAÇÃO DA TERMOGRAFIA NA MANUTENÇÃO DE LOCOMOTIVAS E INSPEÇÃO DE VAGÕES. Atualmente no Brasil estão em operação diversos modelos de locomotivas diesel-elétricas, desde locomotivas mais antigas e de

Leia mais

EngePower. EngePower Engenharia e Comércio Ltda Tel : 11 3579-8777 www.engepower.com Contato: engepower@engepower.com

EngePower. EngePower Engenharia e Comércio Ltda Tel : 11 3579-8777 www.engepower.com Contato: engepower@engepower.com INSPEÇÃO POR ULTRASOM EngePower Engenharia e Comércio Ltda Tel : 11 3579-8777 www.engepower.com Contato: engepower@engepower.com 1. Objetivo 2. Abrangência 3. Problemas Básicos 4. Arco Elétrico e Corona

Leia mais

LABORATÓRIO CASEIRO DE FÍSICA MODERNA * 1

LABORATÓRIO CASEIRO DE FÍSICA MODERNA * 1 LABORATÓRIO CASEIRO DE FÍSICA MODERNA * 1 S. M. Arruda D. O. Toginho Filho Departamento de Física UEL Londrina PR Resumo A montagem de um laboratório de Física Moderna enfrenta um obstáculo muitas vezes

Leia mais

INSPEÇÃO TERMOGRÁFICA

INSPEÇÃO TERMOGRÁFICA ESCOPO DA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO IMANTEL ENGENHARIA ELÉTRICA LTDA www.imantel.com.br RESPONSÁVEL: Eng. Edmilson Heitor Ferreira DESENVOLVIMENTO: Fernando A. de Assis SÃO JOÃO DEL-REI MG Prezados Srs, A Imantel

Leia mais

MANUTENÇÃO PREDITIVA EM TRANSFORMADORES UTILIZANDO O CRITÉRIO DE ROGERS NA ANÁLISE DE GASES DISSOLVIDOS EM ÓLEO ISOLANTE

MANUTENÇÃO PREDITIVA EM TRANSFORMADORES UTILIZANDO O CRITÉRIO DE ROGERS NA ANÁLISE DE GASES DISSOLVIDOS EM ÓLEO ISOLANTE MANUTENÇÃO PREDITIVA EM TRANSFORMADORES UTILIZANDO O CRITÉRIO DE ROGERS NA ANÁLISE DE GASES DISSOLVIDOS EM ÓLEO ISOLANTE JOÃO LUIS REIS E SILVA (1) resumo O critério de Rogers é uma metodologia científica

Leia mais

Objetivos. Medição em Máquinas Rotativas. Avaliação Dielétrica Set 2012. de Equipamentos de Alta Tensão com base nas Descargas Parciais

Objetivos. Medição em Máquinas Rotativas. Avaliação Dielétrica Set 2012. de Equipamentos de Alta Tensão com base nas Descargas Parciais Centro de Pesquisas de Energia Elétrica Avaliação Dielétrica de Equipamentos de Alta Tensão com base nas Descargas Parciais Medição em Máquinas Rotativas Apresentador: Alain F. S. Levy Objetivos A medição

Leia mais

Figura 1 - Utilização conjugada de Câmera IR, com sniffer - Fonte: FLIR Systems

Figura 1 - Utilização conjugada de Câmera IR, com sniffer - Fonte: FLIR Systems Câmera GasFindIR da FLIR Systems Por Aline Voigt Nadolni - Petrobras Sobre o GasFindIR Informações gerais - segundo o fabricante FLIR Systems, Inc. O GasFindIR é, segundo a FLIR Systems, uma câmera portátil,

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA EQUIPAMENTOS DA SE PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA COMPONENTES SUBESTAÇÕES OBJETIVOS Apresentar os principais equipamentos

Leia mais

V SBQEE MONITORAMENTO DA QUALIDADE DE TENSÃO EM CONSUMIDORES INDUSTRIAIS PARA AVALIAÇÃO DA VULNERABILIDADE

V SBQEE MONITORAMENTO DA QUALIDADE DE TENSÃO EM CONSUMIDORES INDUSTRIAIS PARA AVALIAÇÃO DA VULNERABILIDADE V SBQEE Seminário Brasileiro sobre Qualidade da Energia Elétrica 17 a 20 de Agosto de 2003 Aracaju Sergipe Brasil Código: AJU 04 167 Tópico: Análise, Diagnósticos e Soluções MONITORAMENTO DA QUALIDADE

Leia mais

UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Física Questão 01 Durante uma brincadeira, Rafael utiliza o dispositivo mostrado nesta figura para lançar uma bolinha horizontalmente. Nesse

Leia mais

GRUPO DE ESTUDO DE TRANSFORMADORES, REATORES, MATERIAIS ETECNOLOGIAS EMERGENTES- GTM

GRUPO DE ESTUDO DE TRANSFORMADORES, REATORES, MATERIAIS ETECNOLOGIAS EMERGENTES- GTM XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE Grupo XIII GRUPO DE ESTUDO DE TRANSFORMADORES, REATORES, MATERIAIS ETECNOLOGIAS

Leia mais

Análise Termográfica RELATÓRIO TÉCNICO 0714

Análise Termográfica RELATÓRIO TÉCNICO 0714 ANÁLISE TERMOGRÁFICA CODEN - Nova Odessa CODEN 1. OBJETIVO Apresentar ao CODEN a Inspeção Termográfica realizada nos equipamentos de suas unidades em Nova Odessa 2. INSTRUMENTAÇÃO UTILIZADA Termovisor

Leia mais

Uso da termografia na agropecuária

Uso da termografia na agropecuária Universidade Federal do Ceará UFC Centro de Ciências Agrárias CCA Departamento de Engenharia Agrícola DENA Curso de Pós-graduação em Engenharia de Sistemas Agrícolas Uso da termografia na agropecuária

Leia mais

Introdução ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO.

Introdução ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO. ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO. Introdução A energia elétrica que alimenta as indústrias, comércio e nossos lares é gerada principalmente em usinas hidrelétricas, onde a passagem

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GLT 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO - GLT GRUPO DE ESTUDO DE LINHAS DE TRANSMISSÃO PÁRA-RAIOS DE ZNO EM LINHA DE TRANSMISSÃO

Leia mais

Inspeções termográficas de condutores em paralelo: proposta de método de diagnóstico

Inspeções termográficas de condutores em paralelo: proposta de método de diagnóstico 1 Inspeções termográficas de condutores em paralelo: proposta de método de diagnóstico M. A. Mendes, engenharia elétrica, IFES 1, e P.. Muniz, engenharia elétrica, IFES esumo-- A técnica de termografia

Leia mais

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TEMA DA AULA EQUIPAMENTOS ELÉTRICAS DE SUBESTAÇÕES PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TRANSFORMADORES Um transformador (ou trafo) é um dispositivo destinado a transmitir energia elétrica ou potência

Leia mais

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda.

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Confiança e economia na qualidade da energia. Recomendações para a aplicação de capacitores em sistemas de potência Antes de iniciar a instalação,

Leia mais

Ensaio de Emissão Acústica Aplicado em Cilindros sem Costura para Armazenamento de Gases

Ensaio de Emissão Acústica Aplicado em Cilindros sem Costura para Armazenamento de Gases Ensaio de Emissão Acústica Aplicado em Cilindros sem Costura para Armazenamento de Gases Pedro Feres Filho São Paulo, Brasil e-mail: pedro@pasa.com.br 1- Resumo Este trabalho teve como objetivo apresentar

Leia mais

SPDA (Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas) É PROIBIDA a reprodução, total ou parcial, do texto e de todo o conteúdo sem autorização.

SPDA (Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas) É PROIBIDA a reprodução, total ou parcial, do texto e de todo o conteúdo sem autorização. SPDA (Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas) Desenvolvimento de projetos Instalação de sistema de proteção (SPDA) Manutenção do sistema de SPDA Laudo Técnico Medição da resistividade do solo

Leia mais

dv dt Fig.19 Pulso de tensão típico nos terminais do motor

dv dt Fig.19 Pulso de tensão típico nos terminais do motor INFLUÊNCIA DO INVERSOR NO SISTEMA DE ISOLAMENTO DO MOTOR Os inversores de freqüência modernos utilizam transistores (atualmente IGBTs) de potência cujos os chaveamentos (khz) são muito elevados. Para atingirem

Leia mais

Teoria das Descargas Parciais

Teoria das Descargas Parciais Teoria das Descargas Parciais Quando uma tensão é aplicada aos terminais de um equipamento elétrico que possui isolamento elétrico (dielétricos - ar, SF 6, óleo isolante, fenolite, resinas, vidros, etc.)

Leia mais

Reparo de Transformador de Potência da Linha 1 do METRÔ-SP

Reparo de Transformador de Potência da Linha 1 do METRÔ-SP Reparo de Transformador de Potência da Linha 1 do METRÔ-SP Avaliação Técnica x Custos x Experiências Adquiridas GERSON DIAS Mapa da Rede Metropolitana S/E Primária Cambuci - YCI Atuação do relé de presença

Leia mais

PERÍCIAS DE ENGENHARIA ELÉTRICA

PERÍCIAS DE ENGENHARIA ELÉTRICA PERÍCIAS DE ENGENHARIA ELÉTRICA PERICIAS NAS DIVERSAS ÁREAS DA ENGENHARIA ELÉTRICA 1. PERICIAS EM TRANSFORMADORES Transformadores a óleo e transformadores a seco; Verificação de seus componentes; Ensaios

Leia mais

Física Experimental B Turma G

Física Experimental B Turma G Grupo de Supercondutividade e Magnetismo Física Experimental B Turma G Prof. Dr. Maycon Motta São Carlos-SP, Brasil, 2015 Prof. Dr. Maycon Motta E-mail: m.motta@df.ufscar.br Site: www.gsm.ufscar.br/mmotta

Leia mais

Engenharia Diagnóstica

Engenharia Diagnóstica Engenharia Diagnóstica Ensaios Não Destrutivos - END Concreto Armado e Instalações PATOLOGIAS, DANOS E ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL ENG. LEONARDO MEDINA ROSARIO,ESP,MBA Engenharia Diagnóstica

Leia mais

Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima*

Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* 30 Capítulo VI Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas

Leia mais

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 Este boletim de engenharia busca apresentar informações importantes para conhecimento de SISTEMAS de RECUPERAÇÃO de ENERGIA TÉRMICA - ENERGY RECOVERY aplicados a CENTRAIS

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GMI 05 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XII GRUPO DE ESTUDO DE ASPECTOS TÉCNICOS E GERENCIAIS DE MANUTENÇÃO EM INSTALAÇÕES

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VIII GRUPO DE ESTUDO DE SUBESTAÇÕES E EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VIII GRUPO DE ESTUDO DE SUBESTAÇÕES E EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GSE 10 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO VIII GRUPO DE ESTUDO DE SUBESTAÇÕES E EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS MEDIÇÃO DE

Leia mais

Condicionamento da Energia Solar Fotovoltaica para Sistemas Interligados à Rede Elétrica

Condicionamento da Energia Solar Fotovoltaica para Sistemas Interligados à Rede Elétrica Condicionamento da Energia Solar Fotovoltaica para Sistemas Interligados à Rede Elétrica Autor: Pedro Machado de Almeida O aproveitamento da energia gerada pelo sol, considerada inesgotável na escala de

Leia mais

Análise Termográfica Relatório Técnico 0814

Análise Termográfica Relatório Técnico 0814 ANÁLISE TERMOGRÁFICA VALINHOS Valinhos DAEV 1. OBJETIVO Apresentar ao DAEV a Inspeção Termográfica realizada nos equipamentos de suas unidades em Valinhos 2. INSTRUMENTAÇÃO UTILIZADA Termovisor Flir Systems

Leia mais

SMT. Sistema de Monitoramento de Temperatura das Redes de Alta Tensão

SMT. Sistema de Monitoramento de Temperatura das Redes de Alta Tensão SMT Sistema de Monitoramento de Temperatura das Redes de Alta Tensão Diante do incremento continuado da demanda de energia e das dificuldades de ampliação da rede elétrica, faz-se necessário otimizar o

Leia mais

GNE 109 AGROMETEOROLOGIA Características Espectrais da Radiação Solar

GNE 109 AGROMETEOROLOGIA Características Espectrais da Radiação Solar GNE 109 AGROMETEOROLOGIA Características Espectrais da Radiação Solar Prof. Dr. Luiz Gonsaga de Carvalho Núcleo Agrometeorologia e Climatologia DEG/UFLA Absorção seletiva de radiação Absorção seletiva

Leia mais

FUNCIONAMENTO DE UM MONITOR CONTÍNUO DE OZÔNIO

FUNCIONAMENTO DE UM MONITOR CONTÍNUO DE OZÔNIO FUNCIONAMENTO DE UM MONITOR CONTÍNUO DE OZÔNIO 1. Introdução A melhor tecnologia para o monitoramento de baixas concentrações de ozônio (O 3 ) no ar ambiente é a da absorção de luz na faixa do Ultra Violeta

Leia mais

FIEE Elétrica 2007 Ferramentas para o Monitoramento da Vida Útil de Transformadores

FIEE Elétrica 2007 Ferramentas para o Monitoramento da Vida Útil de Transformadores Ferramentas para o Monitoramento da Vida Útil de Transformadores. Power Transmission and Distribution O transformador é o componente mais crítico de uma subestação Page 2 Abril -2007 Alaor Scardazzi Número

Leia mais

Degradação de Polímeros

Degradação de Polímeros Degradação de Polímeros Degradação de Polímeros e Corrosão Prof. Hamilton Viana Prof. Renato Altobelli Antunes 1. Introdução Degradação é qualquer reação química destrutiva dos polímeros. Pode ser causada

Leia mais

Avaliação de Pára-raios no Campo e no Laboratório por meio das Descargas Parciais utilizando TC de Alta Frequência

Avaliação de Pára-raios no Campo e no Laboratório por meio das Descargas Parciais utilizando TC de Alta Frequência 1 Avaliação de Pára-raios no Campo e no Laboratório por meio das Descargas Parciais utilizando TC de Alta Frequência H. P. Amorim Júnior *, Pesquisador, CEPEL, A. T. Carvalho, Pesquisador, CEPEL, T. B.

Leia mais

EFEITO FOTOELÉTRICO. J.R. Kaschny

EFEITO FOTOELÉTRICO. J.R. Kaschny EFEITO FOTOELÉTRICO J.R. Kaschny Histórico 1886-1887 Heinrich Hertz realizou experimentos que pela primeira vez confirmaram a existência de ondas eletromagnéticas e a teoria de Maxwell sobre a propagação

Leia mais

RESISTORES. 1.Resistencia elétrica e Resistores

RESISTORES. 1.Resistencia elétrica e Resistores RESISTORES 1.Resistencia elétrica e Resistores Vimos que, quando se estabelece uma ddp entre os terminais de um condutor,o mesmo é percorrido por uma corrente elétrica. Agora pense bem, o que acontece

Leia mais

Emprego da Termografia na inspeção preditiva

Emprego da Termografia na inspeção preditiva Emprego da Termografia na inspeção preditiva Rafaela de Carvalho Menezes Medeiros* Resumo A prática de manutenção preditiva corresponde hoje a um meio eficaz de antever uma parada do equipamento por motivo

Leia mais

Ensaios não Destrutivos

Ensaios não Destrutivos CONCURSO PETROBRAS ENGENHEIRO(A) DE EQUIPAMENTOS JÚNIOR - INSPEÇÃO Ensaios não Destrutivos Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS DE PROVAS DA BANCA CESGRANRIO DRAFT Produzido por Exatas Concursos www.exatasconcursos.com.br

Leia mais

Análise Termográfica RELATÓRIO TÉCNICO 0714

Análise Termográfica RELATÓRIO TÉCNICO 0714 ANÁLISE TERMOGRÁFICA SAAE - Atibaia SAAE 1. OBJETIVO Apresentar ao SAAE a Inspeção Termográfica realizada nos equipamentos de suas unidades em Atibaia 2. INSTRUMENTAÇÃO UTILIZADA Termovisor Flir Systems

Leia mais

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES Nobreak senoidal on-line trifásico dupla convers o 60 a 300 kva 60 kva de 80 a 120 kva 160 e 300 kva PERFIL Os nobreaks on-line de dupla conversão da linha Gran Triphases foram desenvolvidos com o que

Leia mais

LISTA FISICA 2 ROGERIO

LISTA FISICA 2 ROGERIO LISTA FISICA 2 ROGERIO 1 FUVEST - SP Um circuito elétrico residencial tem os aparelhos elétricos da tabela a seguir, onde aparecem suas potências médias. A ddp na rede é de 110 V. Calcule a intensidade

Leia mais

Bases teóricas de inspeção termográfica para aplicação em componentes elétricos

Bases teóricas de inspeção termográfica para aplicação em componentes elétricos Bases teóricas de inspeção termográfica para aplicação em componentes elétricos Cristian Paluchowski (FAHOR) cp000551@fahor.com.br Francine Steffenello (FAHOR) fp000401@fahor.com.br Matias Steffenello

Leia mais

Ensaios Não Destrutivos

Ensaios Não Destrutivos Ensaios Não Destrutivos DEFINIÇÃO: Realizados sobre peças semi-acabadas ou acabadas, não prejudicam nem interferem a futura utilização das mesmas (no todo ou em parte). Em outras palavras, seriam aqueles

Leia mais

Experiência 06 Resistores e Propriedades dos Semicondutores

Experiência 06 Resistores e Propriedades dos Semicondutores Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Elétrica Laboratório de Materiais Elétricos EEL 7051 Professor Clóvis Antônio Petry Experiência 06 Resistores e Propriedades dos Semicondutores

Leia mais

EAGLE Smart Wireless Solution. Implantar a manutenção condicional nunca foi tão simples. Brand of ACOEM

EAGLE Smart Wireless Solution. Implantar a manutenção condicional nunca foi tão simples. Brand of ACOEM EAGLE Smart Wireless Solution Implantar a manutenção condicional nunca foi tão simples Brand of ACOEM Com o EAGLE, a ONEPROD oferece a solução de monitoramento contínuo de manutenção condicional mais fácil

Leia mais

AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão )

AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão ) GMI/021 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO XII GESTÃO DA MANUTENÇÃO AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão ) João Carlos Santos Schneider

Leia mais

Soluções para Ensaio, Monitoramento, Geração Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica e Preditiva

Soluções para Ensaio, Monitoramento, Geração Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica e Preditiva Soluções para Ensaio, Monitoramento, Geração Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica e Preditiva INSTRONIC: SEU PROVEDOR DE TECNOLOGIA 1977 Fundação da Instronic 1981 Fundação da MULT-TEST 1987

Leia mais

MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA EM MÉDIA TENSÃO

MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA EM MÉDIA TENSÃO MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA EM MÉDIA TENSÃO TECNOLOGIA, QUALIDADE E ENERGIA A SERVIÇO DA ECONOMIA. Engelétrica Indústria, Comércio e Serviços Elétricos Ltda. Rua Xavier da Rocha, 10 Vila Prudente

Leia mais

Ensaio de resistência de isolamento

Ensaio de resistência de isolamento 56 Capítulo VII Ensaios de resistência de isolamento e de rigidez dielétrica Por Marcelo Paulino* A avaliação do sistema isolante consiste em uma das principais ferramentas para determinar a condição operacional

Leia mais

ANALISE DOS GAZES DE ESCAPAMENTO E SUAS APLICAÇÕES

ANALISE DOS GAZES DE ESCAPAMENTO E SUAS APLICAÇÕES ANALISE DOS GAZES DE ESCAPAMENTO E SUAS APLICAÇÕES Analise dos gazes de escapamento Surgiram junto com o automóvel mas a partir das legislações anti-polui poluição é que realmente se desenvolveram; Influenciam

Leia mais

TRANSFORMADOR A SECO Geafol de 75 a 25.000 kva

TRANSFORMADOR A SECO Geafol de 75 a 25.000 kva Com a linha Geafol, obteve-se um transformador com excelentes características elétricas, mecânicas e térmicas que, adicionalmente, ainda é ecológico. São produzidos sob certificação DQS, ISO 9001 e ISO

Leia mais

1 INSPEÇÃO DA INSTALAÇÃO ELÉTRICA CONFORME A NBR 5410

1 INSPEÇÃO DA INSTALAÇÃO ELÉTRICA CONFORME A NBR 5410 1 INSPEÇÃO DA INSTALAÇÃO ELÉTRICA CONFORME A NBR 5410 A segurança sempre está em pauta em nossas vidas e com a eletricidade não deve ser diferente. Durante a utilização normal das instalações elétricas

Leia mais

ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS - END Ensaios realizados em materiais, acabados ou semi acabados, para verificar a existência ou não de descontinuidades ou defeitos, através de princípios físicos definidos, sem

Leia mais

Termografia na Rede de Distribuição Subterrânea de Baixa Tensão da AES Eletropaulo na Manutenção Corretiva

Termografia na Rede de Distribuição Subterrânea de Baixa Tensão da AES Eletropaulo na Manutenção Corretiva Termografia na Rede de Distribuição Subterrânea de Baixa Tensão da AES Eletropaulo na Manutenção Corretiva Gerência de Redes Subterrâneas Diretoria Regional II Rafael Moreno Engenheiro Eletricista Campo

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS, LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 03 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Local da Realização dos Serviços 03 5.2. Condição

Leia mais

Ensaios termográficos

Ensaios termográficos 46 Capítulo VII Ensaios termográficos Por Gabriel Rodrigues de Souza, Igor Cavalheiro Nobre e Marcus Possi* Breve histórico da termografia no Brasil A radiação infravermelha foi descoberta no ano de 1800

Leia mais

Os termômetros de resistência podem ser isolados de altas tensões. Todavia, na prática, o espaço de instalação disponível é frequentemente pequeno

Os termômetros de resistência podem ser isolados de altas tensões. Todavia, na prática, o espaço de instalação disponível é frequentemente pequeno ProLine P 44000 Medições Precisas de Temperatura em Altas Tensões, até 6,6 kv Quando as temperaturas precisam ser medidas com termômetros de resistência Pt100 em ambientes sob altas tensões, os transmissores

Leia mais

Ensaios não-destrutivos

Ensaios não-destrutivos Universidade Estadual de Maringá Departamento de Engenharia Mecânica Ensaios não-destrutivos Prof. Dr. Fábio Lúcio Santos => Partículas Magnéticas => Líquidos Penetrantes Partículas Magnéticas => O ensaio

Leia mais

PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES

PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES 9 PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES 9.1 INTRODUÇÃO O aumento da temperatura nos condutores de uma instalação elétrica, devido a circulação de corrente (efeito Joule), projetada para o funcionamento normal,

Leia mais

Descrição do Produto. Dados para Compra. Itens Integrantes. Código do Produto

Descrição do Produto. Dados para Compra. Itens Integrantes. Código do Produto Descrição do Produto A Série Energy da Altus traz uma solução confiável para um dos pontos mais críticos em uma aplicação industrial: o fornecimento de alimentação para todos os dispositivos do sistema

Leia mais

9. MANUTENÇÃO DE TRANSFORMADORES:

9. MANUTENÇÃO DE TRANSFORMADORES: 9. MANUTENÇÃO DE TRANSFORMADORES: 9.1 OTIMIZAÇÃO E MONITORAMENTO DA OPERAÇÃO DOS TRANSFORMADORES Os transformadores são máquinas estáticas que transferem energia elétrica de um circuito para outro, mantendo

Leia mais

Estudo comparativo de tintas e vernizes na flexografia: curável por raios ultravioletas e à base de solventes

Estudo comparativo de tintas e vernizes na flexografia: curável por raios ultravioletas e à base de solventes Estudo comparativo de tintas e vernizes na flexografia: curável por raios ultravioletas e à base de solventes Ana Paula Alves da Silva 1, a, Aline Resmini Melo 1,b, Carolina Resmini Melo 1,c. 1 Engenharia

Leia mais

ASPECTOS RELEVANTES PARA DETERMINAÇÃO DA QUALIDADE E SEGURANÇA DE EVENTOS EM EQUIPAMENTOS DE SUPERVISÃO E PROTEÇÃO

ASPECTOS RELEVANTES PARA DETERMINAÇÃO DA QUALIDADE E SEGURANÇA DE EVENTOS EM EQUIPAMENTOS DE SUPERVISÃO E PROTEÇÃO ASPECTOS RELEVANTES PARA DETERMINAÇÃO DA QUALIDADE E SEGURANÇA DE EVENTOS EM EQUIPAMENTOS DE SUPERVISÃO E PROTEÇÃO Ricardo Camilo Zampieri Técnico Senior de Desenvolvimento Divisão de Gestão de Manutenção

Leia mais

da qualidade ISO 9001:2008 certificados, a IPCE tem como A Qualidade na energia!

da qualidade ISO 9001:2008 certificados, a IPCE tem como A Qualidade na energia! da qualidade ISO 9001:2008 certificados, a IPCE tem como A Qualidade na energia! Tecnologia & Segurança Tecnologia que Proporciona Segurança A qualidade, conceito evolutivo e constante, exige a renovação

Leia mais

Tecnologia Preditiva no Transformador de Potência da Johnson&Johnson

Tecnologia Preditiva no Transformador de Potência da Johnson&Johnson Tecnologia Preditiva no Transformador de Potência da Johnson&Johnson Luiz B. S. Chacon (1) 1 Murilo Armelin Toledo (2) 2 Lucas Pavan Fritoli (3) 3 Hirokazu T. B. Ito (4) 4 RESUMO A energia elétrica é um

Leia mais

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TEMA DA AULA TRANSFORMADORES DE INSTRUMENTOS PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉTRICAS Por que medir grandezas elétricas? Quais grandezas elétricas precisamos medir? Como medir

Leia mais

1º Experimento 1ª Parte: Resistores e Código de Cores

1º Experimento 1ª Parte: Resistores e Código de Cores 1º Experimento 1ª Parte: Resistores e Código de Cores 1. Objetivos Ler o valor nominal de cada resistor por meio do código de cores; Determinar a máxima potência dissipada pelo resistor por meio de suas

Leia mais

Análise Termográfica RELATÓRIO TÉCNICO 1014

Análise Termográfica RELATÓRIO TÉCNICO 1014 ANÁLISE TERMOGRÁFICA SAAE - Pedreira SAAE 1. OBJETIVO Apresentar ao SAAE a Inspeção Termográfica realizada nos equipamentos de suas unidades em Pedreira 2. INSTRUMENTAÇÃO UTILIZADA Termovisor Flir Systems

Leia mais

Aplicação de aeronaves na manutenção do Sistema Elétrico de Potência

Aplicação de aeronaves na manutenção do Sistema Elétrico de Potência Aplicação de aeronaves na manutenção do Sistema Elétrico de Potência Agenda Dados gerais Histórico Principais aplicações Resultados Agenda Dados gerais Histórico Principais aplicações Resultados Dados

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FÍSICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA. Efeito Estufa

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FÍSICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA. Efeito Estufa UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FÍSICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA Efeito Estufa Prof. Nelson Luiz Reyes Marques 3 - Processos de propagação do calor Condução térmica

Leia mais

Laboratório de Sistemas de Energia. Ensaio de Colectores Solares Térmicos e Módulos Fotovoltaicos

Laboratório de Sistemas de Energia. Ensaio de Colectores Solares Térmicos e Módulos Fotovoltaicos Laboratório de Sistemas de Energia Ensaio de Colectores Solares Térmicos e Módulos Fotovoltaicos LSE 05-2013 1 Laboratório de Sistemas de Energia Ensaio de Colectores Solares Térmicos segundo as Normas:

Leia mais

q = (Unidade: 1 C = 1A) t I m

q = (Unidade: 1 C = 1A) t I m 1 Corrente Elétrica Como visto no modulo anterior, os materiais condutores, devido as suas características físicas, formam elétrons livres quando de suas ligações atômicas. Contudo essas partículas que

Leia mais

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE Página 1 de 10 Manual Técnico Transformadores de potência Revisão 5 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...2 2 RECEBIMENTO...2 3 INSTALAÇÃO...3 3.1 Local de instalação...3 3.2 Ligações...3 3.3 Proteções...7 4 MANUTENÇÃO...9

Leia mais

38ª ASSEMBLÉIA NACIONAL DA ASSEMAE

38ª ASSEMBLÉIA NACIONAL DA ASSEMAE 38ª ASSEMBLÉIA NACIONAL DA ASSEMAE PROTEÇÃO ELÉTRICA VISTA COMO EFICIÊNICA ENERGÉTICA RICARDO DANIELI ZANIN 1 RENATO PESSANHA SANTOS 1 EDISON LUIZ MENDES 1 (1) Endereço: TME SANASA Rua Abolição, 180 Bairro:

Leia mais

Radiação Solar e Vento Solar

Radiação Solar e Vento Solar INPE Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais CMC-213-3 Modelagem de Sensores e Atuadores em Controle de Atitude e Órbita Radiação Solar e Vento Solar Professor: Mário César Ricci Aluno: Delfim Pinto

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Soluções em Energia Solar

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Soluções em Energia Solar Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas www.weg.net Tecnologia para minimizar o consumo das indústrias. Sustentabilidade para maximizar a qualidade de vida das pessoas. O sol é uma

Leia mais

ANALISADORES DE GASES

ANALISADORES DE GASES BGM BOMBA DE SUCÇÃO SÉRIE COMPACTA ANALISADORES DE GASES Descrição: Gera uma depressão no processo, succionando a amostra e criando a vazão exata para atender o tempo necessário de condicionamento do gás

Leia mais

Veja mais Ofereça mais com o Termovisor testo 880

Veja mais Ofereça mais com o Termovisor testo 880 Compromisso com o Futuro Veja mais Ofereça mais com o Termovisor testo 880 NOVO! VEJA MAIS... A radiação infravermelha não pode ser percebida pelo olho humano, entretanto, todos objetos cuja temperatura

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROTEÇÃO DE SISTEMA AÉREO DE DISTRIBUIÇÃO 2B CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO

DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROTEÇÃO DE SISTEMA AÉREO DE DISTRIBUIÇÃO 2B CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO 1 DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROTEÇÃO DE SISTEMA AÉREO DE DISTRIBUIÇÃO 2B CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO Durante um curto-circuito, surge uma corrente de elevada intensidade

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GLT 26 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO III GRUPO DE ESTUDO DE LINHAS DE TRANSMISSÃO GLT SISTEMA ROBOTIZADO PARA

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto Capítulo 21 Meio Ambiente Global Geografia - 1ª Série O Tratado de Kyoto Acordo na Cidade de Kyoto - Japão (Dezembro 1997): Redução global de emissões de 6 Gases do Efeito Estufa em 5,2% no período de

Leia mais

Área limpa para o setor aeroespacial

Área limpa para o setor aeroespacial Área limpa para o setor aeroespacial Equatorial Sistemas inaugura 95 metros quadrados de área limpa, para desenvolver, fabricar, montar e integrar hardwares para aplicações aeroespaciais Alberto Sarmento

Leia mais

PRINCÍPIOS E UTILIZAÇÃO DA ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA

PRINCÍPIOS E UTILIZAÇÃO DA ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA PRINCÍPIOS E UTILIZAÇÃO DA ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE ELETROTÉCNICA E ENERGIA LABORATÓRIO DE SISTEMAS FOTOVOLTAICOS Roberto Zilles Conversão da energia solar Célula

Leia mais

Semana de Atividades Científicas 2012 Associação Educacional Dom Bosco Faculdade de Engenharia de Resende Engenharia Elétrica Eletrônica

Semana de Atividades Científicas 2012 Associação Educacional Dom Bosco Faculdade de Engenharia de Resende Engenharia Elétrica Eletrônica Semana de Atividades Científicas 2012 Associação Educacional Dom Bosco Faculdade de Engenharia de Resende Engenharia Elétrica Eletrônica UTILIZAÇÃO DA ANÁLISE DE GASES DISSOLVIDOS EM ÓLEO MINERAL ISOLANTE

Leia mais

GERENCIAMENTO DA TAXA DE CORROSÃO POR CUPONS POR PERDA DE MASSA CUPONNET. Elcione Simor PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. - PETROBRAS

GERENCIAMENTO DA TAXA DE CORROSÃO POR CUPONS POR PERDA DE MASSA CUPONNET. Elcione Simor PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. - PETROBRAS GERENCIAMENTO DA TAXA DE CORROSÃO POR CUPONS POR PERDA DE MASSA CUPONNET Elcione Simor PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. - PETROBRAS André Pereira Novais INFOTEC CONSULTORIA & PLANEJAMENTO 6 COTEQ Conferência sobre

Leia mais

Artigo. Termografia por Infravermelhos Inspecção de Betão. Publicado na revista Engenharia & Vida, nº 16, Setembro 2005, pp. 53-57

Artigo. Termografia por Infravermelhos Inspecção de Betão. Publicado na revista Engenharia & Vida, nº 16, Setembro 2005, pp. 53-57 Artigo Publicado na revista Engenharia & Vida, nº 16, Setembro 2005, pp. 53-57 Julho 2005 AC05104LIS/ENG Termografia por Infravermelhos Inspecção de Betão Luís Viegas Mendonça 2005 SpyBuilding 1 Termografia

Leia mais

Parecer de Autorização de Funcionamento: CEED nº 650/2014.

Parecer de Autorização de Funcionamento: CEED nº 650/2014. CURSO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA O Curso Técnico de Nível Médio em Eletrotécnica, Eixo Tecnológico Controle e Processos Industriais são organizados em 3 módulos de 400 horas. Ao final do curso, 400 horas

Leia mais

ENGEMATEC CAPACITORES

ENGEMATEC CAPACITORES ENGEMATEC CAPACITORES CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA Confiança e economia na qualidade da energia. Equipamentos Elétricos e Elêtronicos de Potência Ltda 2 MODELOS DOS CAPACITORES TRIFÁSICOS PADRONIZADOS

Leia mais

UMA COMPARAÇÃO TÉCNICA E ECONÔMICA SOBRE A APLICAÇÃO DE BANCOS DE CAPACITORES SHUNT COM FUSÍVEIS EXTERNOS, FUSÍVEIS INTERNOS E FUSELESS

UMA COMPARAÇÃO TÉCNICA E ECONÔMICA SOBRE A APLICAÇÃO DE BANCOS DE CAPACITORES SHUNT COM FUSÍVEIS EXTERNOS, FUSÍVEIS INTERNOS E FUSELESS SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 19 a 24 Outubro de 2003 Uberlândia - Minas Gerais GRUPO VIII GRUPO DE ESTUDO DE SUBESTAÇÕES E EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS

Leia mais

Sistema de distribuição.

Sistema de distribuição. 1 Impacto de Cargas Eletrônicas Residenciais e Comerciais Eficientes e Não-lineares no Sistema de Distribuição Parte II Medições das Cargas em Alimentadores Típicos M. L. y Gonzalez, S. Visacro F., P.

Leia mais

Prezado colega, você sabia:

Prezado colega, você sabia: Prezado colega, você sabia: 1) Que, de maneira geral, as Normas Regulamentadoras (NRs), do MTE - Ministério do Trabalho e Emprego, estabelecem requisitos mínimos legais e condições com objetivo de implementar

Leia mais

Monitor de Temperatura MONITEMP

Monitor de Temperatura MONITEMP ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura MoniTemp foi desenvolvido para supervisionar até 3 (três) canais de temperatura simultaneamente, ele é utilizado para proteger

Leia mais

Conforto Visual pode ser interpretado como uma recepção clara das mensagens visuaisde um ambiente luminoso

Conforto Visual pode ser interpretado como uma recepção clara das mensagens visuaisde um ambiente luminoso Conforto Visual pode ser interpretado como uma recepção clara das mensagens visuaisde um ambiente luminoso é a potência da radiação eletromagnética emitida ou recebida por um corpo Fluxo Radiante (watt

Leia mais