RECUPERAÇÃO DE INFORMAÇÕES POR SIMILARIDADE DE FONEMAS ADAPTADA À LINGUA PORTUGUESA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RECUPERAÇÃO DE INFORMAÇÕES POR SIMILARIDADE DE FONEMAS ADAPTADA À LINGUA PORTUGUESA"

Transcrição

1 RECUPERAÇÃO DE INFORMAÇÕES POR SIMILARIDADE DE FONEMAS ADAPTADA À LINGUA PORTUGUESA RONI RUI RUBEN FRANTZ Porto Alegre 2009

2 2 RONI RUI RUBEN FRANTZ RECUPERAÇÃO DE INFORMAÇÕES POR SIMILARIDADE DE FONEMAS ADAPTADA À LINGUA PORTUGUESA Trabalho de Conclusão de Curso II apresentado à Faculdade de Informática, como requisito parcial à obtenção do título de Bacharel em Sistemas de Informação. Orientador: Prof. Fábio Zschornack Porto Alegre 2009

3 3 RESUMO A recuperação de informação por similaridade em textos envolve o uso de várias técnicas ainda não padronizadas (quando disponíveis) nos SGBDs (Sistema Gerenciador de Banco de Dados) que são obsoletas ou inadequadas para textos na Língua Portuguesa. Duas técnicas são utilizadas para este fim, funções que retornam um código fonético de uma cadeia de caracteres e ferramentas adicionais que criam um índice invertido de um determinado campo texto do banco de dados. Ambas as soluções apresentam limitações, uma por ser inapropriada para o Português e a outra por não considerar termos similares. Com o objetivo de resolver este problema, é proposta uma nova função que produz um código fonético mais preciso e adequado para a Língua Portuguesa, e também implementar uma solução completa para a pesquisa em grandes bases de dados. Palavras-Chave: Recuperação de Informação, RI, Full-Text, Text-Mining, Pesquisa Fonética em português, AFI, Fulltext, Soundex, Difference, Match Against, Similaridade.

4 4 ABSTRACT The recovery of information in texts by similarity involves the use of several techniques not yet standardized (when available) in DBMS (Database Management System) that are obsolete or inadequate to texts in Portuguese. Two techniques are used for this purpose, functions that return a code of phonetic a string and additional tools that create an invert index of a particular text field of the database. Both solutions have limitations, one being inappropriate for Portuguese and the other by not considering similar terms. With aim to solve this problem, it is proposed a new function that produces a phonetic code more accurate and appropriate for the Portuguese language, and also implement a complete solution for search in large databases. Keywords: Information Retrieval, IR, Full-Text, Text-Mining, Portuguese Phonetic Search, AFI, Fulltext, Soundex, Difference, Match Against, Similarity.

5 5 LISTA DE FIGURAS Figura 1 - A língua Portuguesa no mundo (WIKIPEDIA, 2008)... 7 Figura 2 - Distribuição das vogais conforme a freqüência sonora (SILVA, 2007) 21 Figura 3 - Distribuição de vogais portuguesas (SILVA, 2007) Figura 4 - Interação do usuário com a recuperação de informação. YATES / NETO (1999) Figura 5 - Visão Lógica do Documento em "full-text" intermediário. (YATES, RIBEIRO-NETO, 1999) Figura 6 - O processo de Recuperação de Informação. (YATES, NETO, 1999).. 40 Figura 7 - Pesquisa Booleana Figura 8 - Esquema do Full-Text Search do SQL Server (MICROSOFT, 2008).. 59 Figura 9 - Trecho de um cabeçalho em uma página HTML Figura 10 - Advance search interface do Google (2008) Figura 11 - PageRank. Patente US (Page Lawrence, 2001) Figura 12 - Diagrama da Solução Proposta Figura 13 - Cenário de Transação Figura 14 Interface Visual Figura 15 Interface Visual - Resultados Figura 16 - Diagrama da classe Phonex Figura 17 - Tela do programa Indexa.exe (grawer) Figura 18 - Tela principal do protótipo com pesquisa por "focos" Figura 19 - Tela do sistema com resultados de pesquisa por "focus" em todos os campos Figura 20 - Tela do cadastro de Empresas Figura 21 - Tela do cadastro de Contatos (Nomes) Figura 22 - Diagrama das classes do protótipo desenvolvido... 93

6 6 LISTA DE QUADROS Quadro 1 - Classificação das vogais da língua Portuguesa (SILVA, 2007) Quadro 2 - Ditongos da Língua Portuguesa. (CEGALLA, 2005) Quadro 3 - Classificação das Consoantes (CEGALLA, 2005) Quadro 4 - Diferenças na pronúncia de algumas consoantes no Brasil (CEGALLA, 2005) Quadro 5 - Principais dígrafos da língua Portuguesa (SILVA, 2007) Quadro 6 - Codificação das consoantes do algoritmo Soundex Quadro 7 - Exemplos dos códigos Soundex Quadro 8 - Códigos fonéticos de Phonix Quadro 9 - Regras do algoritmo Metaphone (Gálvez, 2006) Quadro 10 - Exemplo de nomes com Soundex e Difference do SQL Server Quadro 11 - Recursos básicos dos buscadores Quadro 12 - Regras de transformação do método WordToPhonex() Quadro 13 - Comparativo Full-Text X Protótipo Phonex Quadro 14 - Como você considerou a facilidade de acesso às opções do sistema? Quadro 15 - "Como você considerou a clareza e qualidade das informações obtidas?" Quadro 16 - "Como você classificaria a utilidade desta ferramenta?" Quadro 17 - Precisão dos resultados segundo os avaliadores

7 7 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1 - Como você considerou a facilidade de acesso às opções do sistema? Gráfico 2 - "Como você considerou a clareza e qualidade das informações obtidas?" Gráfico 3 - "Como você classificaria a utilidade desta ferramenta?" Gráfico 4 - Precisão dos resultados segundo os avaliadores

8 8 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ACM AFI API CSS DBMS DOC ERP FTP FTS GPL HTML HTTP ID IDF IPL IR IIS NARA NLP NNTP NYSIIS NGB PDF RI Association for Computing Machinery Alfabeto Fonético Internacional Application Programming Interface Cascading Style Sheets Database Management System Arquivo de Documento do Microsoft Word Enterprise Resource Manager File Transfer Protocol Full-Text Search Generic Public License Hypertext Markup Language HyperText Transfer Protocol Identificador Inverse Document Frequency Interbase Public License Information Retrieval Internet Information Server National Archives and Records Administration Natural Language Processing Network News Transfer Protocol New York State Identification and Intelligence Systems Nomenclatura Gramatical Brasileira Portable Document Format Recuperação de Informação

9 9 SGBD SMTP SQL TF-IDF URL UTF-8 XLS XML Sistema Gerenciador de Banco de Dados Simple Mail Transfer Protocol Structered Query Language Term Frequency-Inverse Document Frequency Uniform Resource Locator Unicode Transformation Format Arquivo de Planilha Eletrônica do Microsoft Excel Extensible Markup Language

10 10 SUMÁRIO 1 - INTRODUÇÃO MOTIVAÇÃO OBJETIVOS ESTRUTURA DO TRABALHO REFERENCIAL TEÓRICO FONÉTICA A Língua Portuguesa Fonemas Vogais Semivogais Ditongo Tritongo Hiato Consoantes Encontros Consonantais Dígrafos Separação Silábica RECUPERAÇÃO DE INFORMAÇÃO Visão Lógica dos Documentos Processo de Recuperação Modelos Modelo Booleano Modelo Vetorial Modelo Probabilístico Análise dos Dados Avaliação de Resultados ESTADO DA ARTE E TRABALHOS RELACIONADOS ALGORITMOS FONÉTICOS Soundex Phonix Metaphone NYSIIS Full-Text MySQL Microsoft SQL Server Outros SGBD RECUPERAÇÃO DE INFORMAÇÃO NA WEB Google... 66

11 4 - IMPLEMENTAÇÃO PROPOSTA DESCRIÇÃO RECURSOS MODELAGEM DO SOFTWARE Cenário de Transação Módulos/Processos Especificação de Casos de Uso SOLUÇÃO IMPLEMENTADA AMBIENTE DE IMPLEMENTAÇÃO Microsoft IIS Microsoft Visual Studio Lucene.NET CLASSE PHONEX PROTÓTIPO DESENVOLVIDO Indexa (Grawer) Protótipo do Buscador TestePhonex TESTES E VALIDAÇÕES COMPARATIVO FULL-TEXT SQL-SERVER X PROTÓTIPO VALIDAÇÃO - QUESTIONÁRIO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS

12 12 1 INTRODUÇÃO 1.1 MOTIVAÇÃO Por mais que a Informática tenha avançado e com sistemas cada vez mais completos, chega a ser um paradoxo que os sistemas em geral não tenham acompanhado essa evolução com técnicas mais apropriadas de recuperação das informações armazenadas, uma vez que esta característica é o meio ou mesmo o objetivo final de muitas aplicações. Em muitos ambientes essa tarefa tem uma importância crítica e deve ser tratada com mais ênfase pelos analistas de sistemas, posto que, usando apenas os mecanismos tradicionais de pesquisa de dados, leva a resultados inconsistentes a longo prazo no que é um dos principais objetivos dos sistemas: precisão e qualidade das informações armazenadas. A redundância é um entrave para a qualidade das informações. No entanto, mesmo em um sistema normatizado, não são fornecidas as ferramentas adequadas para que o usuário não introduza registros duplicados onde o entendimento é ambíguo, pois os sistemas costumam fazer apenas uma pesquisa básica (com o método de comparação booleana caractere a caractere) para evitar a duplicidade de cadastros. Um exemplo básico é um usuário, ora digitar um nome com a acentuação, ora omitindo-a, é claro que na maioria dos sistemas estas diferenças não são tratadas, muito menos a utilização de abreviaturas. Não é difícil imaginar a confusão e problemas causados em cadastros de um sistema depois de alguns anos. Muitas vezes, leva a situações de difícil reparação. Entenda-

13 13 se por cadastro não apenas os de pessoa física ou jurídica, mas qualquer registro que tenha um campo de descrição ou nome como elemento chave para pesquisa. Os mecanismos que deveriam ou provêem alguma facilidade neste sentido são os SGBD (Sistema Gerenciador de Banco de Dados). No entanto, as ferramentas disponíveis nesses sistemas são muito insatisfatórias para a necessidade atual ou totalmente inadequadas aos textos que não são da língua inglesa. Cabe ressaltar que a função disponível e mais utilizada na linguagem de consulta SQL (Structured Query Language) é a soundex, patenteada nos Estados Unidos em Na Internet, foram criadas soluções de busca de grande sucesso, como o Google, Altavista, Windows Live Search, entre outros. Esses serviços são muito apreciados por todos os usuários de computador e seu uso já está intrinsecamente ligado de como o usuário leigo entende a própria Internet. Portanto, o raciocínio é óbvio, os sistemas ERP (Enterprise Resource Manager) também devem possuir essa funcionalidade equivalente. É inegável a facilidade de operação e o resultado propiciado em um ambiente com esse recurso. Embora alguns SGBD forneçam um recurso denominado fulltext, este se mostra incompleto, pois é específico por campo, além de não permitir fazer a procura por similaridade de fonemas, muito menos para a língua portuguesa. O ideal seria que o sistema fizesse a procura em TODOS os campos e em TODAS as tabelas e apresentasse uma lista com os resultados. O presente trabalho não tem a pretensão em enveredar na área de mineração de textos, pois envolve a Análise Semântica (seria necessário o estudo de técnicas que avaliam a sequência dos termos no contexto da frase, o que foge do escopo deste trabalho). No entanto, a RI (Recuperação de Informação) é pertinente neste trabalho, que por sua vez é considerado o primeiro passo de um processo de mineração de textos (EBECKEN, 2003). 1.2 OBJETIVOS

14 14 A proposta desse trabalho é criar um algoritmo e um protótipo para que a busca de informações se aproxime ao universo humano em textos da língua portuguesa e não na matemática exata de comparação dos computadores, ou seja, tornar o resultado da busca de informações mais inteligente, especialmente com informações referentes a nomes, embora possa ser aplicado na pesquisa de qualquer tipo de campo. Tendo em vista o alto poder computacional disponível hoje em dia, imagina-se viável a criação de um Índice com a decomposição em palavras-fonemas de todos os campos e tabelas de um determinado banco de dados. Essa metodologia poderia atender às pesquisas genéricas ou específicas por campo/tabela, além das próprias customizações pertinentes a cada sistema. A aplicação desse trabalho é muito vasta, abrangendo desde os sistemas ERP em geral, Sites de Internet, Sistemas de Call-Centers, Sistemas Hospitalares, Órgãos Públicos, Dicionários Eletrônicos, etc. Com as iniciativas de projetos de código aberto (open source), já existe um projeto denominado Apache Lucene, que é um software de busca e um conjunto de API (Application Programming Interface) de indexação, inicialmente escrito na linguagem Java. Este projeto não contempla a análise sintática, muito menos pesquisas com base na fonética da língua portuguesa, sendo basicamente um motor de busca, mas que serve perfeitamente ao propósito desse trabalho como motor de indexação, ao invés de se criar uma outra tabela no próprio banco de dados para armazenar os códigos fonéticos. 1.3 ESTRUTURAS DO TRABALHO Este trabalho encontra-se dividido como descrito a seguir: No Capítulo 2 é apresentado o estudo da fonética da Língua Portuguesa. A compreensão dos fonemas é de suma importância para a formulação de uma função de similaridade de termos e palavras de um texto. O estudo da teoria de Recuperação de Informação (RI) também faz parte deste capítulo, completando o referencial teórico do trabalho.

15 15 No Capítulo 3 descrevem-se os algoritmos fonéticos existentes e algumas soluções comerciais que possuem correlação com o assunto, como a funcionalidade Full-Text presente nos SGBDs, além de uma análise do site de busca de Internet Google. No Capítulo 4 é descrita a proposta de implementação dos algoritmos e do protótipo com os diagramas de caso de uso. No Capítulo 5 é descrito o ambiente e ferramentas utilizadas e a descrição das classes implementadas e funcionamento do protótipo. No Capítulo 6 são descritos os testes e validações realizados, bem como os métodos de aferição destes resultados. Na Conclusão obtida sobre toda a experiência realizada, destacam-se algumas observações importantes sobre os processos, indicando as implicações e sugestões para trabalhos futuros.

16 16 2 REFERENCIAL TEÓRICO Neste capítulo é apresentado um referencial teórico sobre as diversas áreas envolvidas no desenvolvimento desse trabalho e na implementação das bibliotecas e do protótipo, incluindo a conceituação sobre o estudo da Fonética do Português e teoria da Recuperação de Informação. 2.1 FONÉTICA Fonética é o ramo da lingüística que estuda a produção e percepção dos sons produzidos pela fala humana (SILVA, 2007). A unidade básica no estudo da fonética é o fone. A forma mais comum de representar os fones pelos lingüistas é através do Alfabeto Fonético Internacional (AFI). Neste trabalho pretende-se aprimorar e/ou propor um algoritmo de busca pela similaridade da pronúncia tratando-se especificamente da Língua Portuguesa, portanto é necessário entender as particularidades da formação de fonemas A Língua Portuguesa O Português é a língua oficial de sete países: Brasil, Portugal, Angola, Moçambique, Guiné-Bissau, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe, além de dialetos com raízes no português falados por parte da população de países como Timor Leste, Índia (Diu, Damão, Goa) e China (Macau), conforme mapa apresentado na Figura 1. Com mais de 215 milhões de falantes nativos, é a quinta língua mais falada no mundo e a terceira do mundo ocidental.

17 17 Figura 1: A língua Portuguesa no mundo (WIKIPEDIA, 2008). Atualmente existem pelo menos línguas distintas sendo faladas em todo o planeta, de acordo com um cálculo efetuado pela Academia Francesa (BERLITZ, 1982). Desses, os 14 mais importantes quanto ao número de falantes são, em ordem aproximada (BERLITZ, 1982): - chinês - inglês - dindustani (a forma falada do hindi e do urdu) - russo - espanhol - japonês - alemão - iondonésio - português - francês - árabe - bengali - malaio - italiano.

18 Fonemas Para que se possa propor e construir a tabela de códigos fonéticos por similaridade, que é um dos objetivos deste trabalho, de maneira que a quebra de um texto em seus fonemas correspondentes traga os resultados desejados, faz-se necessário o estudo da Fonética da Língua Portuguesa, por exemplo: Para que se possa chegar a uma conclusão fundamentada que a sílaba se tem um valor aproximado com si e mais distante de su, pois seria interessante que fosse apresentado em uma pesquisa, um texto com a palavra próximo mesmo que o usuário tenha informado proxemo, mas não convém apresentar textos que possuem palavra presumo. Embora a pronúncia pode, a princípio, não ter importância em um sistema que não trata de reconhecimento de fala, acaba por mostrar muito antes o contrário, uma vez que o usuário deseja achar registros com base na pronúncia de termos ou palavras, em que não sabe justamente, a grafia correta destas palavra- chave, ou seja, pretende-se achar para o usuário, registros com base pela similaridade pela pronúncia comum, independentemente dos erros ortográficos. Quando se escreve, está se representando a fala através de sinais gráficos chamados letras. No entanto, ao falar produzem-se sons articulados ou fonemas. As letras são percebidas pela visão ou tato, os fonemas são percebidos pela audição humana. O conjunto de letras (símbolos) de uma língua denomina-se alfabeto 1. Fonemas são as menores unidades sonoras da fala. São os sons elementares e distintivos que, articulados e combinados, formam as sílabas, os vocábulos e a teia da frase, na comunicação oral (CEGALLA, 2005). Para distinguir os fonemas dos sons de fato produzidos, estes são representados entre barras oblíquas (/ /), enquanto que os sons são representados entre colchetes ([ ]). Por exemplo, a palavra mesa tem 4 letras: m (éme), e (e), s (esse), a (á) e 4 fonemas: emê, e, zê, a, que são representados com /m/, /e/, /z/, /a/. 1 A palavra alfabeto origina-se do nome das duas primeiras letras do alfabeto grego: alfa + beta.

19 19 A transcrição da representação entre barras é fonológica e na representação entre colchetes é fonética. Os fonemas são comuns a todos os indivíduos que falam a mesma língua, enquanto que os sons que o representam são distintos para cada indivíduo. Existem alguns fonemas que são produzidos com mais de um som, que recebem a denominação variantes ou alofones. Por exemplo, a palavra tia é representada pelos fonemas /tia/ e pode ser pronunciada como [tjia] ou [tia] de acordo com o sotaque pertinente à região de naturalidade do indivíduo. Os fonemas consonantais são lidos com um ê: bê, cê, dê, efê, etc. O sistema fonético do português do Brasil possui aproximadamente 33 fonemas. Ainda segundo Cegalla (2005), o ideal seria que a cada fonema correspondesse a uma só letra, e vice-versa, infelizmente não é isso o que acontece. E é por este motivo que se torna necessário resolver de uma forma mais adequada a pesquisa de textos em sistemas de informação. Segundo Callou e Leite (2003), a Língua Portuguesa tem 26 fonemas segmentais (19 consoantes e 7 vogais) e um fonema supra-segmental, o acento, que não é um segmente e sim uma qualidade que se superpõe a certos segmentes. O maior desafio para a criação de um algoritmo de pesquisa fonética 100% preciso é conseguir reproduzir a pronúncia de todas as palavras, uma vez que o sistema ortográfico português não é rigorosamente fonético, está atrelado à origem das palavras, ou seja, está ligado à etimologia, como por exemplo, a palavra exame, que é escrita com x (ao invés de ezame), pois vem da palavra latina examen. Por fim, nota-se que uma letra pode representar mais de um fonema, como fixo [fikso], próximo [prosimo], enquanto existem letras que não têm som, como o h em hora. Um mesmo fonema pode ser representado por mais de uma letra, como em casa, exílio, cozinha (todas com /z/) ou ainda ser representado por um grupo de duas letras (dígrafos), como nas palavras mulher, machado e carro. Portanto, para conseguir representar TODAS as palavras da língua portuguesa em fonemas, provavelmente, teria que se fazer uso de um dicionário fonético, o que deveria incluir, naturalmente, os nomes próprios. O presente projeto pretende resolver a construção fonética através de um algoritmo e através de tabelas de artigos, pronomes e radicais dos verbos, além de tabelas de sinônimos para pesquisas combinadas e aperfeiçoadas.

20 20 Ainda segundo Callou e Leite (2003), freqüentemente tem-se discutido a possibilidade de uma reforma ortográfica onde se levasse em consideração as relações entre a pronúncia e a ortografia portuguesa do Brasil e de Portugal e também procurasse aproximar o sistema de fonemas ao sistema de letras, como a substituição da letra s por z em palavras nas quais a letra s representa o som [z] (casa, mesa) e de ss, c, ç, e x por s para representarem o som [s] como em posso assado, cinderela, faço, próximo. Entretanto, esse sistema integrado letra-fonema é inviável, posto que teriam de ser levados em consideração todas as diferenças regionais, sócio-culturais e até mesmo individuais. Citam também que, quanto mais um idioma desenvolve-se, mais o sistema ortográfico afasta-se do sistema fonológico, como ocorre com os idiomas Inglês e Francês. Além disso, a simplificação abordada esbarra na questão das palavras homófonas como coser/cozer e cessão/sessão/seção, além de palavras como aterrisar e subsídios, para as quais existem duas pronúncias aceitáveis: ateri[s]ar e aterri[z]ar, sub[s]ídios e subs[z]ídios Vogais A classificação dos sons da língua Portuguesa é dividida em duas classes de sons: as vogais e as consoantes, que serão destacadas a seguir. As vogais são os fonemas possíveis de se obter em que a boca fica entreaberta e o som chegando ao exterior sem fazer ruído audível: a, é, ê, i, ô, ó, u. Na maioria das línguas (e no Português), qualquer sílaba tem que ter uma vogal, sendo essa vogal o segmento fonético pronunciado com maior força (CEGALLA, 2005). A vogal i possui um timbre claro ou agudo, enquanto u possui um timbre sombrio ou grave. O tipo compacto (a) ocupa, sob este aspecto, um lugar intermediário e neutro. Todos os sistemas vocálicos do mundo estão construídos sobre uma dupla oposição entre, por um lado, o agudo e grave (i u), e, por outro lado, o difuso e compactado (i-a, u-a), que podem ser simbolizados pelo triângulo apresentado na Figura 2, o que permite definir futuramente pesos apropriados em uma função de similaridade.

21 21 Figura 2: distribuição das vogais conforme a freqüência sonora (SILVA, 2007). Nas vogais, a zona de articulação (ponto onde se dá o contato dos órgãos) para a produção dos fonemas é a língua e o palato. Produz-se a vogal média a mantendo a língua baixa, quase em posição de descanso, e a boca entreaberta. Para passar da vogal a para as anteriores (é, ê, i), levanta-se gradualmente a parte anterior da língua em direção ao palato duro, ao mesmo tempo em que diminui-se a abertura da boca. Para produzir as vogais posteriores (ó, ô, u), eleva-se a parte posterior da língua em direção ao véu do palato, arredondando os lábios e mantendo a boca entreaberta (SILVA, 2007). Para a produção das vogais orais ([a], [e], [é], [i], [o], [ó], [u]), a corrente sonora é impedida de chegar às cavidades nasais pela úvula (campainha) levantada, então ressoa apenas na boca. Na emissão das vogais nasais dá-se o abaixamento da úvula, e a corrente sonora chega, em parte, às fossas nasais e nelas ressoa ([ã], [ẽ], [ῖ], [õ], [ũ]). O timbre das vogais resulta da maior ou menor abertura da boca. Para as vogais abertas (a, é, ó) a abertura é máxima e no caso das vogais fechadas (ê, ô, i, u) é mínima. As vogais átonas e e o são na maior parte das vezes proferidas como i e u, respectivamente: noite (nôitchi), tribo (tríbu). Na figura 3 pode-se ver a distribuição das vogais na língua Portuguesa.

22 22 Figura 3: Distribuição de vogais portuguesas (SILVA, 2007) De acordo com a NGB (Nomenclatura Gramatical Brasileira), as vogais são classificadas em: Zona de articulação - média: a (ave) - anteriores: é, ê, i (pé, vê, ri) - posteriores: ó, ô, u (nó, avô, tatu) Papel das cavidades bucal e nasal - orais: a, é, ê, i, ó, u (ato, sé, vê, vi, só, fogo, uva) - nasais: ã, õ - tônicas: pá, até, tupi, dó, luz Intensidade - subtônicas: arvorezinha, cafezinho, esplendidamente, somente - átonas: ela, mole, lição, lado, lugar, órfã, lençol Timbre - abertas: a, é, ó (lá, pé, cipó) - fechadas: ê, ô, i, u e todas as nasais (vê, amor, vi, cru, sã, lenda) - reduzidas: as vogais átonas orais ou nasais (vela, vale, vital, sapo) No quadro 1, pode-se ver um resumo da classificação das vogais da Língua Portuguesa, segundo o consenso entre os diversos autores e lingüistas.

23 23 Intensidade Tônicas Átonas Papel das Cavidades Bucal e Nasal Orais Nasais Orais Timbre Anteriores ou Palatais Região de Articulação Médias Centrais ou Posteriores ou Velares Fechadas I U Abertas e é Fechadas ῖ Ũ a O Ó ẽ ã Õ Fechadas i U Semifechadas Semiabertas Semifechadas Semifechadas Abertas Quadro 1: Classificação das vogais da língua Portuguesa (SILVA, 2007). e a O Chbane (1994) coloca que, do ponto de vista da fonética acústica, não há razão para considerar com til, exceto ã, como fonemas distintos, uma vez que seus espectros apresentam uma parte inicial idêntica ao das vogais que o iniciam, seguidos de uma parte muito semelhante a todos eles, que caracteriza o [m] final desses sons, deste modo podem ser tratados como o encontro de dois fonemas, com transições suaves entre duas configurações do trato vocálico. Ainda segundo Chbane, no Brasil, nas sílabas átonas ocorre a chamada neutralização, na qual as vogais anteriores e e i, quando em posição final, são reduzidas a uma única vogal [i], como na palavra tarde ([tardi]) e as vogais posteriores o e u, que são reduzidas a uma única vogal [u], como por exemplo: fomos ([fomus]) Semivogais Semivogais são fonemas vocálicos que se agrupam com a vogal em uma sílaba. Existem duas semivogais: /y/ e /w/. A semivogal palatal (representada por /j/ ou por /i / no AFI) é formada quando o pré-dorso da língua aproxima-se do palato

24 24 anterior, sem no entanto existir fricção de ar. Encontra-se essa semivogal, por exemplo em: leite /lej.ʧi/, cai /kaj/, dói /dɔj/, foi /foj/, cuidado /kuj.da.du/. A semivogal lábio-velar (representada por /w/ ou por /u / no AFI) é formada quando o pós-dorso da língua aproxima-se do palato posterior, ao mesmo tempo que existe um arredondamento dos lábios, sem no entanto existir fricção de ar. Encontra-se essa semivogal, por exemplo em: viu /viw/, meu /mew/, céu /sɛw/, mau /maw/, água /a. ɡwa/. Existe uma confusão entre semivogal e vogal devido ao fato da pronúncia das semivogais /j/ e /w/ ser parecida com a pronúncia das vogais /i/ e /u/, mas sobretudo devido ao se usar as letras vogais i e u para representar os sons semivocálicos /j/ e /w/. Uma semivogal nunca constitui um cume silábico. Apesar de acusticamente se aproximar de uma vogal, em nível funcional da fonologia uma semivogal aproximase de uma consoante. (CEGALLA, 2005) Ditongo Ditongo é a combinação de uma vogal com uma semivogal na mesma sílaba. Exemplos: pai, rei, sou pão, sério. Existem 30 ditongos segundo, conforme dados do quadro 2. ae ai ai ao au ei ei ẽi eu eu iu mãe, pães Pai, vaidade Cãibra, paina pão, mãos, falam (fálão) mau, degrau fiéis, papéis rei, leite, rejeito vivem, têm (tẽi) véu, céu meu, bebeu viu, partiu

25 25 oe oi oi ou ui ui ea eo ia ie io ao ua uã eu uẽ ui uῖ uo põe, limões, ações dói, herói, constrói coitado, foi dou, louco fui, ruivo, gratuito muito (mũito) área, orquídea róseo, níveo várias, sábia série, espécie lírio, curioso nódoa, mágoa água, quadra quando, enquanto tênue, eqüestre agüento, freqüente sangüinário, tranqüilo qüinquagésimo, pingüim aquoso, vácuo Quadro 2: Ditongos da Língua Portuguesa. (CEGALLA, 2005) Tritongo Tritongo é o conjunto de uma semivogal com uma vogal e mais uma semivogal, formando uma sílaba. Exemplos: iguais, averiguou, delinqüiu, Uruguai, saguões, deságuam, etc Hiato

26 26 Um hiato é o encontro de duas vogais pronunciadas em impulsos distintos, formando sílabas distintas. Exemplos: Saara (Sa-a-ra), faísca (fa-ís-ca), saúde (sa-úde), ciúme (ci-ú-me), lagoa (la-go-a), etc. (CEGALLA, 2005) Consoantes As consoantes são fonemas produzidos com obstáculos da passagem da corrente expiratória, ou seja, são fonemas que resultam da interferência de um ou mais órgãos da boca na passagem do ar que vem dos pulmões para a boca ou para as fossas nasais. Por exemplo: para produzir o fonema /b/ é preciso que os lábios se unam de forma a interromper a passagem do ar, e em seguida soltá-lo de modo abrupto e explosivo. As consoantes são fonemas dependentes, ou seja, só podem formar sílabas com o auxílio das vogais (CEGALLA, 2005). As consoantes são classificadas de acordo com o modo de articulação, ponto de articulação, função das cordas vocais e em função das cavidades bucal e nasal. O quadro 3 demonstra melhor a classificação de todas as consoantes. Quadro 3: Classificação das Consoantes (CEGALLA, 2005). Algumas características do modo de articulação das letras segundo Campagnaro (2008) são descritas a seguir.

27 27 - O "B" é a letra correspondente sonora efetuando com menos explosão aérea, sendo assim a pronúncia mais suave. - O "M" é a letra sonora (soando pelas vibrações das cordas vocais), nasal, bilabial, onde o lábio inferior e o superior tocam-se em toda sua extensão), sem pressão; a língua está deitada com a ponta atrás dos dentes inferiores, a úvula (campainha) abaixa-se deixando passar o ar pela cavidade nasal. - O "P" é uma letra surda (sem vibração das cordas vocais), oclusivas, bilabial, em que o lábio inferior e o superior se tocam em toda sua extensão. A pronúncia do "P" realiza-se por uma pressão aérea contra os lábios fechados. Parece que o ar explode na ponta dos lábios. - O "T" é uma letra surda (sem vibração das cordas vocais), oclusivas linguodental. A ponta da língua toca nos dentes superiores e na parte anterior do palato, de modo que nitidamente sente-se uma oclusão. O ar assim trancado "explode" com o súbito abaixamento do maxilar inferior e da língua. - O "D" é a letra correspondente sonora, efetuado com menos explosão aérea sendo assim a pronúncia mais suave. - O "N" é um fonema sonora (com vibrações das cordas vocais), nasal linguodental, onde a ponta da língua bate nos dentes superiores, levemente aberta úvula pendurada que deixa passar o ar pelo nariz com uma formação do "M". - O "Q" é uma letra surda (sem vibração das cordas vocais), oclusivas, velar, onde o dorso da língua se apóia contra a parte posterior do palato, fechando, assim a passagem do ar. A pronúncia do "Q" realiza-se por uma pressão aérea contra o dorso da língua, que cai subitamente, junto com o maxilar inferior. Pronúncia igual ao "Q" tem o "C" antes de "A", "O", "U". E a letra correspondente sonora é o "G" antes de "A", "O", "U", sendo assim a pronúncia mais suave. - O "F" é uma letra surda (formada sem som ou vibração da corda vocal), fricativa, labiodental por estar em contato o lábio inferior e dentes incisivos superiores, passando o ar expirado, por uma fenda assim formada. A Letra "V" é a correspondente sonora formada da mesma maneira com vibração das cordas vocais.

Fonética e Fonologia. Profa. Me. Luana Lemos. llemos@salesiano.org.br

Fonética e Fonologia. Profa. Me. Luana Lemos. llemos@salesiano.org.br Fonética e Fonologia Profa. Me. Luana Lemos 1 Fonética e Fonologia Fonética é a parte da gramática que estuda os sons da fala (física) Fonologia estuda os fonemas da língua nas diversas combinações (linguística)

Leia mais

/z/ depois [+vozeado] Além disso As crianças generalizam automaticamente com base em traços elas não aprendem primeiro de uma base fonema por fonema

/z/ depois [+vozeado] Além disso As crianças generalizam automaticamente com base em traços elas não aprendem primeiro de uma base fonema por fonema Fonética e Fonologia 24.900: Introdução à Linguagem anotações das aulas: semana de 04 de Março de 2002 Conjunto de Problemas # 4: Para Segunda-feira, 11/03/02 Apostila sobre o principal para a identificação

Leia mais

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC)

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) Diversidade Linguística na Escola Portuguesa Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) www.iltec.pt www.dgidc.min-edu.pt www.gulbenkian.pt Breve caracterização fonética de sons que

Leia mais

Utilização de Técnicas de Recuperação da Informação na Construção de uma Ferramenta de Busca em Documentos do Arquivo Público de Biguaçu

Utilização de Técnicas de Recuperação da Informação na Construção de uma Ferramenta de Busca em Documentos do Arquivo Público de Biguaçu Utilização de Técnicas de Recuperação da Informação na Construção de uma Ferramenta de Busca em Documentos do Arquivo Público de Biguaçu Alessandro Mueller alessandro@univali.br UNIVALI Luiz Gonzaga Ferreira

Leia mais

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO PARANÁ GOVERNO DO ESTADO COLÉGIO ESTADUAL DE PARANAVAÍ ENSINO FUNDAMENTAL, MÉDIO, NORMAL E PROFISSIONAL CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA DISCIPLINA: INTERNET E PROGRAMAÇÃO WEB 1º MÓDULO SUBSEQUENTE MECANISMOS

Leia mais

Objetivo. Letras. Análise Linguística? Em que consiste? Estruturas fonológicas da língua portuguesa. Prof a : Dr a. Leda Cecília Szabo

Objetivo. Letras. Análise Linguística? Em que consiste? Estruturas fonológicas da língua portuguesa. Prof a : Dr a. Leda Cecília Szabo Letras Prof a : Dr a. Leda Cecília Szabo Estruturas fonológicas da língua portuguesa Objetivo Entrar em contato com as características da análise fonológica. Conhecer os fonemas consonantais e vocálicos

Leia mais

Sons Vocais do Inglês Americano

Sons Vocais do Inglês Americano Sons Vocais do Inglês Americano Existem mais de 40 sons vocais no inglês americano que podem ser classificados de acordo com a forma básica em que são produzidos. Classe quanto á forma Vogais Fricativas

Leia mais

PArte I. O ALfAbetO POrtuguês. Ouça o alfabeto português. Letra: Letra: érre ésse. jóta. dablio cápa ipsilon

PArte I. O ALfAbetO POrtuguês. Ouça o alfabeto português. Letra: Letra: érre ésse. jóta. dablio cápa ipsilon PArte I guia de fonética O ALfAbetO POrtuguês Ouça o alfabeto português. Letra: Letra: a á n éne b bê o ó c cê p pê d dê q quê e é r érre f éfe s ésse g guê t tê h agá u ú i i v vê j jóta w dablio k cápa

Leia mais

Conteúdos: Fonemas e letras Encontros vocálicos Encontro consonantal Dígrafo

Conteúdos: Fonemas e letras Encontros vocálicos Encontro consonantal Dígrafo Conteúdos: Fonemas e letras Encontros vocálicos Encontro consonantal Dígrafo Habilidades: Reconhecer fonemas e letras Identificar encontros consonantais nas palavras Saber diferenciar dígrafo e encontro

Leia mais

Google Site Search Pesquisa de websites do Google para sua organização

Google Site Search Pesquisa de websites do Google para sua organização Google Site Search Folha de dados Google Site Search Pesquisa de websites do Google para sua organização Google Site Search Para mais informações, visite: http://www.google.com/enterprise/search/ Quais

Leia mais

Português Brasileiro Cantado Questões técnicas e estéticas relacionadas às normas de pronúncia propostas para o canto erudito no Brasil

Português Brasileiro Cantado Questões técnicas e estéticas relacionadas às normas de pronúncia propostas para o canto erudito no Brasil Português Brasileiro Cantado Questões técnicas e estéticas relacionadas às normas de pronúncia propostas para o canto erudito no Brasil Wladimir Mattos EVPM, FUNDUNESP, Universidade Estadual Paulista Resumo

Leia mais

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE RESUMO Fazer um bom levantamento e especificação de requisitos é algo primordial para quem trabalha com desenvolvimento de sistemas. Esse levantamento

Leia mais

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido Arquitetura Roteiro Arquitetura Tipos de Arquitetura Centralizado Descentralizado Hibrido Questionário 2 Arquitetura Figura 1: Planta baixa de uma casa 3 Arquitetura Engenharia de Software A arquitetura

Leia mais

Sandra Duarte Tavares Sara de Almeida Leite. Gramática Descomplicada para Pais e Filhos, Alunos e Professores e muitos mais

Sandra Duarte Tavares Sara de Almeida Leite. Gramática Descomplicada para Pais e Filhos, Alunos e Professores e muitos mais Sandra Duarte Tavares Sara de Almeida Leite Gramática Descomplicada para Pais e Filhos, Alunos e Professores e muitos mais Índice Apresentação... 9 Letras e sons Alfabeto........................................................

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

Manual do Usuário Janeiro de 2016

Manual do Usuário Janeiro de 2016 Manual do Usuário Janeiro de 2016 SOBRE CMX CMX é uma interface que dá acesso aos estudantes a milhares de atividades, exercícios e recursos todos posicionados com os padrões e conceitos curriculares.

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE DOCUMENTOS TEXTO USANDO MODELOS PROBABILISTICOS ESTENDIDOS

RECUPERAÇÃO DE DOCUMENTOS TEXTO USANDO MODELOS PROBABILISTICOS ESTENDIDOS ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 RECUPERAÇÃO DE DOCUMENTOS TEXTO USANDO MODELOS PROBABILISTICOS ESTENDIDOS Marcello Erick Bonfim 1

Leia mais

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I:

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I: Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I Unidade I: 0 OS NÍVEIS DE ANÁLISE LINGUÍSTICA I Níveis de análise da língua Análise significa partição em segmentos menores para melhor compreensão do tema.

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE A LÍNGUA KAXARARI DA FAMÍLIA PANO: ANÁLISE DE ALGUNS ASPECTOS FONOLÓGICOS

UM ESTUDO SOBRE A LÍNGUA KAXARARI DA FAMÍLIA PANO: ANÁLISE DE ALGUNS ASPECTOS FONOLÓGICOS UM ESTUDO SOBRE A LÍNGUA KAXARARI DA FAMÍLIA PANO: ANÁLISE DE ALGUNS ASPECTOS FONOLÓGICOS Priscila Hanako Ishy 1 ; Gláucia Vieira Cândido 2 ; Lincoln Almir Amarante Ribeiro3 1 Bolsista PBIC /CNPq, graduanda

Leia mais

16 Pronúncia do Inglês

16 Pronúncia do Inglês Este livro tem por objetivo central apresentar os sons do inglês aos falantes do português brasileiro. Pretende-se, ainda, indicar algumas diferenças de pronúncia entre variedades do inglês falado em diferentes

Leia mais

O AUXÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA

O AUXÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA O AUÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA Ana Beatriz Miranda Jorge UFCG/ beatrizjmiranda@gmail.com Bruna Melo do Nascimento UEPB/ bruna.melo.nascimento@gmail.com Isabelle Coutinho Ramos Benício

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Ementa Introdução a Banco de Dados (Conceito, propriedades), Arquivos de dados x Bancos de dados, Profissionais de Banco de dados,

Leia mais

Arquitetura de Informação - 6

Arquitetura de Informação - 6 Arquitetura de Informação - 6 Ferramentas para Web Design Prof. Ricardo Ferramentas para Web Design 1 Objetivo do Sistema de Rotulação O sistema de rotulação é o componente da Arquitetura de Informação

Leia mais

A FONÉTICA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESPANHOLA

A FONÉTICA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESPANHOLA A FONÉTICA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESPANHOLA Ivete Carneiro Braz (Letras _ UEL) Geane Maria Marques Branco Sanches (Letras _ UEL) Dulce Meger Silveira Camargo (Letras _ UEL) Orientador:

Leia mais

RECONHECIMENTO DE PADRÕES RECONHECIMENTO DE VOZ

RECONHECIMENTO DE PADRÕES RECONHECIMENTO DE VOZ RECONHECIMENTO DE PADRÕES RECONHECIMENTO DE VOZ O ESQUEMA DE CLASSIFICAÇÃO É GERALMENTE BASEADO NA DISPONIBILIDADE DE UM CONJUNTO DE PADRÕES QUE FORAM ANTERIORMENTE CLASSIFICADOS, O "CONJUNTO DE TREINAMENTO";

Leia mais

QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44)

QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44) QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44) 28) A orientação a objetos é uma forma abstrata de pensar um problema utilizando-se conceitos do mundo real e não, apenas, conceitos computacionais. Nessa perspectiva, a adoção

Leia mais

Programando em PHP. Conceitos Básicos

Programando em PHP. Conceitos Básicos Programando em PHP www.guilhermepontes.eti.br lgapontes@gmail.com Conceitos Básicos Todo o escopo deste estudo estará voltado para a criação de sites com o uso dos diversos recursos de programação web

Leia mais

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Um Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) é constituído por um conjunto de dados associados a um conjunto de programas para acesso a esses

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza O PROJETO DE PESQUISA Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza ROTEIRO Escolher um tema de pesquisa Por onde começar? Ler para aprender Estrutura do Projeto de Pesquisa A Definição

Leia mais

Google Site Search Pesquisa de Websites Google para a sua Entidade

Google Site Search Pesquisa de Websites Google para a sua Entidade Google Site Search Folha de Dados Google Site Search Pesquisa de Websites Google para a sua Entidade google site search para obter mais informações, aceda a: http://www.google.com/enterprise/search/ o

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web;

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; CONCEITOS INICIAIS Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; O que é necessário para se criar páginas para a Web; Navegadores; O que é site, Host, Provedor e Servidor Web; Protocolos.

Leia mais

Otimização de Recuperação de Informação usando Algoritmos Genéticos

Otimização de Recuperação de Informação usando Algoritmos Genéticos Otimização de Recuperação de Informação usando Algoritmos Genéticos Neide de Oliveira Gomes, M. Sc., nog@inpi.gov.br Prof. Marco Aurélio C. Pacheco, PhD Programa de Doutorado na área de Métodos de Apoio

Leia mais

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará :

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará : 1ª PARTE CAPÍTULO 2 Este capítulo tratará : 1. O que é necessário para se criar páginas para a Web. 2. A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web 3. Navegadores 4. O que é site, Host,

Leia mais

Organizaçãoe Recuperaçãode Informação GSI521. Prof. Dr. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU

Organizaçãoe Recuperaçãode Informação GSI521. Prof. Dr. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Organizaçãoe Recuperaçãode Informação GSI521 Prof. Dr. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Aula anterior Organização e Recuperação de Informação(GSI521) Modelo vetorial- Definição Para o modelo vetorial, o

Leia mais

1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD

1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD Introdução 1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD A importância da informação para a tomada de decisões nas organizações tem impulsionado o desenvolvimento dos sistemas de processamento de informações.

Leia mais

Banco de Dados. CursoTécnico em Informática Modalidade Integrado. Professora Michelle Nery. Instituto Federal do Sul de Minas, câmpus Pouso Alegre

Banco de Dados. CursoTécnico em Informática Modalidade Integrado. Professora Michelle Nery. Instituto Federal do Sul de Minas, câmpus Pouso Alegre Banco de Dados CursoTécnico em Informática Modalidade Integrado Instituto Federal do Sul de Minas, câmpus PousoAlegre Professora Michelle Nery Conteúdo Programático Introdução O que é Banco de Dados O

Leia mais

TÍTULO: Plano de Aula SÍLABAS. Ensino Fundamental I / Anos Iniciais 3 ano. Língua Portuguesa. Gramática. 2 aulas (50 min cada ) Educação Presencial

TÍTULO: Plano de Aula SÍLABAS. Ensino Fundamental I / Anos Iniciais 3 ano. Língua Portuguesa. Gramática. 2 aulas (50 min cada ) Educação Presencial Org.: Claudio André - 1 TÍTULO: SÍLABAS Nível de Ensino: Ano/Semestre de Estudo Componente Curricular: Tema: Duração da Aula: Ensino Fundamental I / Anos Iniciais 3 ano Língua Portuguesa Gramática 2 aulas

Leia mais

Derwent Innovations Index

Derwent Innovations Index Derwent Innovations Index DERWENT INNOVATIONS INDEX Cartão de referência rápida ISI Web of Knowledge SM O Derwent Innovations Index é uma ferramenta poderosa de pesquisa de patentes, que combina Derwent

Leia mais

Identificação rápida de gargalos Uma forma mais eficiente de realizar testes de carga. Um artigo técnico da Oracle Junho de 2009

Identificação rápida de gargalos Uma forma mais eficiente de realizar testes de carga. Um artigo técnico da Oracle Junho de 2009 Identificação rápida de gargalos Uma forma mais eficiente de realizar testes de carga Um artigo técnico da Oracle Junho de 2009 Identificação rápida de gargalos Uma forma mais eficiente de realizar testes

Leia mais

Recuperação de Imagens na Web Baseada em Informações Textuais

Recuperação de Imagens na Web Baseada em Informações Textuais Recuperação de Imagens na Web Baseada em Informações Textuais André Ribeiro da Silva Mário Celso Candian Lobato Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Ciência da Computação {arsilva,mlobato}@dcc.ufmg.br

Leia mais

2 Conceitos Gerais de Classificação de Documentos na Web

2 Conceitos Gerais de Classificação de Documentos na Web Conceitos Gerais de Classificação de Documentos na Web 13 2 Conceitos Gerais de Classificação de Documentos na Web 2.1. Páginas, Sites e Outras Terminologias É importante distinguir uma página de um site.

Leia mais

WEB OF KNOWLEDGE NOTAS DA VERSÃO v5.11

WEB OF KNOWLEDGE NOTAS DA VERSÃO v5.11 WEB OF KNOWLEDGE NOTAS DA VERSÃO v5.11 Os recursos a seguir são planejados para a Web of Knowledge em 28 de julho de 2013. Este documento fornece informações sobre cada um dos recursos incluídos nessa

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof. Esp. Lucas Cruz

Tecnologia da Informação. Prof. Esp. Lucas Cruz Tecnologia da Informação Prof. Esp. Lucas Cruz Componentes da Infraestrutura de TI Software A utilização comercial da informática nas empresas iniciou-se por volta dos anos 1960. O software era um item

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Cartão de consulta rápida

Cartão de consulta rápida Web of Science Cartão de consulta rápida ISI WEB OF KNOWLEDGE SM Pesquise mais de 9.200 periódicos em mais de 5 idiomas diferentes nas áreas de ciências, ciências sociais, e artes e humanidades para encontrar

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CANAS DE SENHORIM WWW. Como pesquisar na Internet e como avaliar páginas Web

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CANAS DE SENHORIM WWW. Como pesquisar na Internet e como avaliar páginas Web AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CANAS DE SENHORIM E S C O L A E B 2, 3 / S E N G º D I O N Í S I O A U G U S T O C U N H A B I B L I O T E C A E S C O L A R C E N T R O D E R E C U R S O S E D U C A T I V O

Leia mais

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO PARANÁ GOVERNO DO ESTADO COLÉGIO ESTADUAL DE PARANAVAÍ ENSINO FUNDAMENTAL, MÉDIO, NORMAL E PROFISSIONAL CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA DISCIPLINA: INTERNET E PROGRAMAÇÃO WEB 1º MÓDULO SUBSEQUENTE MOTORES

Leia mais

Fone: (19) 3234-4864 E-mail: editora@komedi.com.br Site: www.komedi.com.br HTM3.0. Tutorial HTML. versão 4.01

Fone: (19) 3234-4864 E-mail: editora@komedi.com.br Site: www.komedi.com.br HTM3.0. Tutorial HTML. versão 4.01 Fone: (19) 3234-4864 E-mail: editora@komedi.com.br Site: www.komedi.com.br HTM3.0 Tutorial HTML versão 4.01 K O M Σ D I Copyright by Editora Komedi, 2007 Dados para Catalogação Rimoli, Monica Alvarez Chaves,

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

UM ESTUDO DE CASO SOBRE A INDEXAÇÃO AUTOMÁTICA DE DOCUMENTOS OFICIAIS DA UENP BASEADO EM LAYOUTS

UM ESTUDO DE CASO SOBRE A INDEXAÇÃO AUTOMÁTICA DE DOCUMENTOS OFICIAIS DA UENP BASEADO EM LAYOUTS UM ESTUDO DE CASO SOBRE A INDEXAÇÃO AUTOMÁTICA DE DOCUMENTOS OFICIAIS DA UENP BASEADO EM LAYOUTS Alexia Guilherme Bianque (PIBIC/CNPq), Ederson Marco Sgarbi (Orientador), a.g.bianque10@gmail.com.br Universidade

Leia mais

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO UTILIZANDO O HIBERNATE Rafael Laurino GUERRA, Dra. Luciana Aparecida Martinez ZAINA Faculdade de Tecnologia de Indaiatuba FATEC-ID 1 RESUMO Este artigo apresenta

Leia mais

Bases de Dados. O que é uma Base de Dados? Pós-Grduação em SIG

Bases de Dados. O que é uma Base de Dados? Pós-Grduação em SIG Bases de Dados O que é uma Base de Dados? Dados Pode-se começar por tentar dar uma definição do que são Dados. Os dados são factos em bruto, que não são necessáriamente relevantes para qualquer coisa que

Leia mais

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Engenharia de Software Introdução Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Tópicos Apresentação da Disciplina A importância do Software Software Aplicações de Software Paradigmas

Leia mais

FAT32 ou NTFS, qual o melhor?

FAT32 ou NTFS, qual o melhor? FAT32 ou NTFS, qual o melhor? Entenda quais as principais diferenças entre eles e qual a melhor escolha O que é um sistema de arquivos? O conceito mais importante sobre este assunto, sem sombra de dúvidas,

Leia mais

OCR AccuRead. Guia do administrador

OCR AccuRead. Guia do administrador OCR AccuRead Guia do administrador Abril de 2015 www.lexmark.com Conteúdo 2 Conteúdo Visão geral...3 Aplicativos suportados...3 Formatos e idiomas suportados...4 Desempenho do OCR...4 Documentos de exemplo...6

Leia mais

RSS no desenvolvimento de uma Central de Notícias

RSS no desenvolvimento de uma Central de Notícias RSS no desenvolvimento de uma Central de Notícias Darley Passarin 1, Parcilene Fernandes de Brito 1 1 Sistemas de Informação Centro Universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA) Palmas TO Brasil darley@centralrss.com.br,

Leia mais

APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS

APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS 3.INTERNET 3.1. Internet: recursos e pesquisas 3.2. Conhecendo a Web 3.3. O que é um navegador?

Leia mais

MANUAL E DICAS ASSISTENTE VIRTUAL (AV) ADS DIGITAL (WWW.ADSDIGITAL.COM.BR) VERSÃO DO ASSISTENTE VIRTUAL: 1.3.1 POR

MANUAL E DICAS ASSISTENTE VIRTUAL (AV) ADS DIGITAL (WWW.ADSDIGITAL.COM.BR) VERSÃO DO ASSISTENTE VIRTUAL: 1.3.1 POR MANUAL E DICAS DO ASSISTENTE VIRTUAL (AV) POR ADS DIGITAL (WWW.ADSDIGITAL.COM.BR) VERSÃO DO ASSISTENTE VIRTUAL: 1.3.1 ÍNDICE Introdução...3 Requisitos e Restrições do Assistente...3 Diferenças da Versão

Leia mais

Fundamentos em Informática (Sistemas de Numeração e Representação de Dados)

Fundamentos em Informática (Sistemas de Numeração e Representação de Dados) 1 UNIVERSIDADE DO CONTESTADO / UnC CAMPUS CONCÓRDIA/SC CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Fundamentos em Informática (Sistemas de Numeração e Representação de Dados) (Apostila da disciplina elaborada pelo

Leia mais

15 Conceitos de Bancos de Dados com o LibreOffice Base

15 Conceitos de Bancos de Dados com o LibreOffice Base Introdução a Informática - 1º semestre AULA 14 Prof. André Moraes Objetivos desta aula: Explorar as propriedades na criação de bancos de dados no LibreOffice Base; Criar e explorar tabelas; Criar e explorar

Leia mais

Inicialização Rápida do Novell Vibe Mobile

Inicialização Rápida do Novell Vibe Mobile Inicialização Rápida do Novell Vibe Mobile Março de 2015 Introdução O acesso móvel ao site do Novell Vibe pode ser desativado por seu administrador do Vibe. Se não conseguir acessar a interface móvel do

Leia mais

O melhor do PHP. Por que PHP? CAPÍTULO 1. Uma Pequena História do PHP

O melhor do PHP. Por que PHP? CAPÍTULO 1. Uma Pequena História do PHP CAPÍTULO 1 O melhor do PHP Este livro levou bastante tempo para ser feito. Venho usando agora o PHP por muitos anos e o meu amor por ele aumenta cada vez mais por sua abordagem simplista, sua flexibilidade

Leia mais

O conjunto é composto por duas seções: o App Inventor Designer e o App Inventor Blocks Editor, cada uma com uma função específica.

O conjunto é composto por duas seções: o App Inventor Designer e o App Inventor Blocks Editor, cada uma com uma função específica. Google App Inventor: o criador de apps para Android para quem não sabe programar Por Alexandre Guiss Fonte: www.tecmundo.com.br/11458-google-app-inventor-o-criador-de-apps-para-android-para-quem-naosabe-programar.htm

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Arquitetura da Informática e Automação MBA Gestão em Tecnologia 1 da Informaçao 2 Figura: Tela do IBM Mainframe Fonte: Arquivo próprio

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA APLICAÇÃO WEB PARA ELABORAÇÃO DE AVALIAÇÕES DE ENSINO UTILIZANDO NOVAS ABORDAGENS DE DESENVOLVIMENTO

DESENVOLVIMENTO DE UMA APLICAÇÃO WEB PARA ELABORAÇÃO DE AVALIAÇÕES DE ENSINO UTILIZANDO NOVAS ABORDAGENS DE DESENVOLVIMENTO DESENVOLVIMENTO DE UMA APLICAÇÃO WEB PARA ELABORAÇÃO DE AVALIAÇÕES DE ENSINO UTILIZANDO NOVAS ABORDAGENS DE DESENVOLVIMENTO Danilo Damaceno Lima 1 NIPETI 2 - Instituto Federal de Mato Grosso do Sul (IFMS),

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One.

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Neste tópico, responderemos à pergunta: O que é o Business One? Definiremos o SAP Business One e discutiremos as opções e as plataformas disponíveis para executar

Leia mais

PESQUISA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS E CIENTÍFICAS NA INTERNET. OLIVEIRA, Simone Lucas Gonçalves de

PESQUISA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS E CIENTÍFICAS NA INTERNET. OLIVEIRA, Simone Lucas Gonçalves de PESQUISA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS E CIENTÍFICAS NA INTERNET OLIVEIRA, Simone Lucas Gonçalves de SUMÁRIO ÍNDICE DE ILUSTRAÇÕES... 3 1. INTRODUÇÃO... 4 2. CONCEITOS SOBRE A INTERNET... 4 3. ESTRATÉGIAS DE

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Programação Orientada a Objetos II Professor: Cheli dos S. Mendes da Costa Modelo Cliente- Servidor Modelo de Aplicação Cliente-servidor Os

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação.

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação. GLOSSÁRIO Este glossário contém termos e siglas utilizados para Internet. Este material foi compilado de trabalhos publicados por Plewe (1998), Enzer (2000) e outros manuais e referências localizadas na

Leia mais

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática 1 Sumário Introdução...04 O segredo Revelado...04 Outra maneira de estudar Inglês...05 Parte 1...06 Parte 2...07 Parte 3...08 Por que NÃO estudar Gramática...09 Aprender Gramática Aprender Inglês...09

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 6 Slide 1 Objetivos Apresentar os conceitos de requisitos de usuário e de sistema Descrever requisitos funcionais

Leia mais

Estatística Básica via MySQL para Pesquisas On-Line

Estatística Básica via MySQL para Pesquisas On-Line Estatística Básica via MySQL para Pesquisas On-Line Gabriel Ramos Guerreiro - DEs, UFSCar 1 2 Anderson Luiz Ara-Souza - DEs, UFSCar 1 3 Francisco Louzada-Neto - DEs, UFSCar 1 4 1. INTRODUÇÃO Segundo Cavalcanti

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VÁRZEA PAULISTA CHEFIA DE GABINETE Supervisão Departamental de Informática e Gestão de Redes. prómenino/gt.

PREFEITURA MUNICIPAL DE VÁRZEA PAULISTA CHEFIA DE GABINETE Supervisão Departamental de Informática e Gestão de Redes. prómenino/gt. PREFEITURA MUNICIPAL DE VÁRZEA PAULISTA CHEFIA DE GABINETE Supervisão Departamental de Informática e Gestão de Redes Pesquisa Fonética Fundação Telefônica São Paulo, 7 de Agosto de 2007 Metaphone É um

Leia mais

Visão geral do Microsoft Office Word 2007. Crie conteúdo com aparência profissional

Visão geral do Microsoft Office Word 2007. Crie conteúdo com aparência profissional Visão geral do Microsoft Office Word 2007 Bem vindo ao Microsoft Office Word 2007, incluído na versão 2007 do Microsoft Office system. O Office Word 2007 é um poderoso programa de criação de documentos

Leia mais

Em toda palavra de duas ou mais sílabas, sempre há uma sílaba, pronunciada com maior intensidade: sílaba tônica. As outras são as sílabas átonas.

Em toda palavra de duas ou mais sílabas, sempre há uma sílaba, pronunciada com maior intensidade: sílaba tônica. As outras são as sílabas átonas. Acentuação Em toda palavra de duas ou mais sílabas, sempre há uma sílaba, pronunciada com maior intensidade: sílaba tônica. As outras são as sílabas átonas. sílaba tônica - pronunciada com maior intensidade.

Leia mais

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS Unidade II 3 MODELAGEM DE SISTEMAS 1 20 A fase de desenvolvimento de um novo sistema de informação (Quadro 2) é um momento complexo que exige um significativo esforço no sentido de agregar recursos que

Leia mais

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados. / NT Editora. -- Brasília: 2013. 94p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm.

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados. / NT Editora. -- Brasília: 2013. 94p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm. Autor Ismael Sousa Araujo Pós-graduado em Gerência de Projetos PMBOK UNICESP. Graduado em Tecnologia em Segurança da Informação UNICESP. Professor de concurso da área de informática e consultor em EAD.

Leia mais

Treinamento em PHP. Aula 1. Ari Stopassola Junior stopassola@acimainteractive.com

Treinamento em PHP. Aula 1. Ari Stopassola Junior stopassola@acimainteractive.com Treinamento em PHP Aula 1 Ari Stopassola Junior stopassola@acimainteractive.com Introdução PHP Hypertext Preprocessor Nome original era Personal Home Page Tools Criada por Rasmus Lerdorf e atualmente mantida

Leia mais

A NASALIZAÇÃO VOCÁLICA NA AQUISIÇÃO DO ITALIANO COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA POR FALANTES DO PORTUGUÊS BRASILEIRO

A NASALIZAÇÃO VOCÁLICA NA AQUISIÇÃO DO ITALIANO COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA POR FALANTES DO PORTUGUÊS BRASILEIRO A NASALIZAÇÃO VOCÁLICA NA AQUISIÇÃO DO ITALIANO COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA POR FALANTES DO PORTUGUÊS BRASILEIRO GHISLANDI, Indianara; OENNING, Micheli email: michelioenning@yahoo.com.br Universidade Estadual

Leia mais

MODELO RELACIONAL - UFMA

MODELO RELACIONAL - UFMA MODELO RELACIONAL Universidade Federal do Maranhão - UFMA Departamento de Informática Projeto de Banco de Dados Profª.MSc Simara Rocha simararocha@gmail.com/simara@deinf.ufma.br www.deinf.ufma.br/~simara

Leia mais

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário Sumário Conceitos Microsoft Access 97... 01 Inicialização do Access... 02 Convertendo um Banco de Dados... 03 Criando uma Tabela... 06 Estrutura da Tabela... 07 Propriedades do Campo... 08 Chave Primária...

Leia mais

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia.

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia. 1 Introdução aos Sistemas de Informação 2002 Aula 4 - Desenvolvimento de software e seus paradigmas Paradigmas de Desenvolvimento de Software Pode-se considerar 3 tipos de paradigmas que norteiam a atividade

Leia mais

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua É a palavra que identifica o ser humano, é ela seu substrato que possibilitou a convivência humana

Leia mais

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Ano letivo 2014/2015 Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Aulas Previstas Semestre 32 Subdomínio: Conhecimento e utilização

Leia mais

Referência Rápida Visão Geral. Comece por aqui. Descubra mais. Veja como ficou mais fácil pesquisar usando os bancos de dados de sua biblioteca.

Referência Rápida Visão Geral. Comece por aqui. Descubra mais. Veja como ficou mais fácil pesquisar usando os bancos de dados de sua biblioteca. Referência Rápida Visão Geral Comece por aqui. Descubra mais. Veja como ficou mais fácil pesquisar usando os bancos de dados de sua biblioteca. Seja bem-vindo(a) à nova experiência de pesquisa da ProQuest.

Leia mais

Organizaçãoe Recuperação de Informação GSI521. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU

Organizaçãoe Recuperação de Informação GSI521. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Organizaçãoe Recuperação de Informação GSI521 Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Introdução Organização e Recuperação de Informação(GSI521) Tópicos Recuperação de informação (RI); Breve histórico; O

Leia mais

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 2

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 2 AULA Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 2 Na aula anterior, vimos sobre: a) Janela de comando b) Gerenciador de Projetos c) Database Designer e Table Designer Prosseguiremos então a conhecer as ferramentas

Leia mais

Conteúdo Programático

Conteúdo Programático Conteúdo Programático Conhecimentos Básicos Português Básico Gramática Sobre o curso: Ele é direcionado a todo aluno que pretende construir uma base sólida de conhecimentos fundamentais para resolver as

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Ponta Grossa 2012 ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Trabalho elaborado pelo

Leia mais

Sistema de Informação para Coleções de Interesse Biotecnológico

Sistema de Informação para Coleções de Interesse Biotecnológico Sistema de Informação para Coleções de Interesse Biotecnológico Sidnei de Souza Centro de Referência em Informação Ambiental, CRIA 24º Congresso Brasileiro de Microbiologia Brasília, 04 de outubro de 2007

Leia mais

Informática. Dicas de busca utilizando a Internet. Informatica. na Escola

Informática. Dicas de busca utilizando a Internet. Informatica. na Escola Dicas de busca utilizando a Internet Seja para fins acadêmicos ou profissionais, é importante aprendermos a utilizar a Internet como uma ferramenta de pesquisa, pois ela é uma inesgotável fonte de informações

Leia mais

Aplicativos gratuitos de ensino de inglês para Android: breve relato de testes

Aplicativos gratuitos de ensino de inglês para Android: breve relato de testes Aplicativos gratuitos de ensino de inglês para Android: breve relato de testes 1 CASTRO, Carlos Henrique Silva de. 1 Considerações Iniciais Há algum tempo os telefones móveis são usados para diversas outras

Leia mais

Aplicação Prática de Lua para Web

Aplicação Prática de Lua para Web Aplicação Prática de Lua para Web Aluno: Diego Malone Orientador: Sérgio Lifschitz Introdução A linguagem Lua vem sendo desenvolvida desde 1993 por pesquisadores do Departamento de Informática da PUC-Rio

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 27 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 27-26/07/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software Métricas para software

Leia mais

1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA

1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA 1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA Relembrando a nossa matéria de Arquitetura de Computadores, a arquitetura de Computadores se divide em vários níveis como já estudamos anteriormente. Ou seja: o Nível 0

Leia mais

Web Design Aula 01: Conceitos Básicos

Web Design Aula 01: Conceitos Básicos Web Design Aula 01: Conceitos Básicos Professora: Priscilla Suene priscilla.silverio@ifrn.edu.br Motivação Motivação Motivação Motivação Roteiro Introdução Papéis e Responsabilidades Construindo um site

Leia mais

www.coldfusionbrasil.com.br

www.coldfusionbrasil.com.br www.coldfusionbrasil.com.br 2000 1 O que é Cold Fusion? 3 Arquitetura Cold Fusion 3 Cold Fusion Markup Language (CFML) 4 O que devo saber para programar em CFML? 4 HTML 4 Desenho de Banco de Dados Relacionais

Leia mais