PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PARANÁ GOVERNO DO ESTADO"

Transcrição

1 PARANÁ GOVERNO DO ESTADO COLÉGIO ESTADUAL DE PARANAVAÍ ENSINO FUNDAMENTAL, MÉDIO, NORMAL E PROFISSIONAL CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA DISCIPLINA: INTERNET E PROGRAMAÇÃO WEB 1º MÓDULO SUBSEQUENTE MECANISMOS DE BUSCA Introdução Desde o surgimento da Internet, ela vem se propagando cada vez mais atingindo um número surpreendente de usuários, ao mesmo tempo em que essa necessidade faz surgir novas tecnologias para o avanço da mesma, além de mais e mais conteúdos para ser pesquisado e acessado do conforto do seu lar através do seu computador pessoal. A boa notícia é que existem centenas de milhões de páginas disponíveis esperando para apresentar informações em uma impressionante variedade de tópicos. A má notícia sobre a Internet é que embora existam centenas de milhões de páginas disponíveis, a maioria delas intitulada de acordo com os caprichos de seus autores, e quase todas elas acomodadas em servidores com nome criptografados. Quando você precisa saber um assunto qualquer, vai precisar encontrar uma determinada página na Internet que traz informações sobre o mesmo, e para fazer isso, você vai precisar de um mecanismo de busca da Internet. Os mecanismos de busca da Internet são sites especiais, projetados para ajudar as pessoas a encontrar informações armazenadas nesse vasto mundo virtual da World Wide Web. Existem diferenças nas maneiras como os vários mecanismos de busca funcionam, mas eles todos realizam três tarefas básicas, que são: Eles buscam na Internet, ou selecionam pedaços da Internet, com base em palavras importantes; Eles mantêm um índice das palavras que encontram, e onde eles as encontraram; Eles permitem que os usuários procurem palavras ou combinações de palavras localizadas nesse índice. Anualmente são realizadas centenas de bilhões de pesquisas através dos diversos mecanismos de busca disponíveis na Internet e esse número aumenta acentuadamente ano a ano, de forma que no topo da lista dos mecanismos de busca, o mais utilizado não poderia deixar de ser o da Google. 1

2 Os primeiros mecanismos de busca mantinham um índice de algumas centenas de milhares de páginas e documentos, e recebiam talvez, mil ou duas mil pesquisas por dia. Hoje, um mecanismo de busca de ponta indexa centenas de milhões de páginas, e responde a dezenas de milhões de pesquisas por dia. Quando a maioria das pessoas falam sobre os mecanismos de busca da Internet, elas, de fato, se referem aos mecanismos de busca da World Wide Web. Antes de a Web se tornar a parte mais visível da Internet, já existiam mecanismos de busca para ajudar as pessoas a encontrar informações na Rede. No começo, programas com nomes como "Gopher" e "Archie" mantinham índices de arquivos armazenados em servidores conectados à Internet e reduziam drasticamente a quantidade de tempo requerida para encontrar suas pesquisas na Internet. No final da década de 1980, extrair o máximo valor da Internet significava saber usar o Gopher, Archie, Veronica e outros. Base de Funcionamento Antes de um mecanismo de busca poder dizer a você onde um arquivo ou documento está, ele primeiramente precisa ser encontrado. Para encontrar informações em centenas de milhões de páginas da Web, um mecanismo de busca emprega softwares especiais chamados aranhas, para construir listas de palavras encontradas nos sites. Quando uma aranha está construindo suas listas, o processo é chamado de rastejamento. Para construir e manter uma lista útil de palavras, as aranhas de um mecanismo de busca precisam olhar várias páginas. O processo inicia-se em pontos iniciais usuais, que são as listas de servidores muito usados e páginas muito procuradas. A aranha começará por um site popular, indexando as palavras em suas páginas e seguindo cada link encontrado dentro do site. Dessa forma, o sistema de aranhas inicia rapidamente a viagem, alastrando-se pelas partes mais amplamente usadas da Internet. O Google começou como um mecanismo de busca acadêmico. No documento que descreve como o sistema foi construído, Sergey Brin e Lawrence Page dão um exemplo do quão rápido suas aranhas podem funcionar. Eles construíram seu sistema inicial para usar múltiplas aranhas, geralmente três ao mesmo tempo. Cada aranha poderia manter cerca de 300 conexões com páginas da Web abertas ao mesmo tempo. Em seu desempenho máximo, usando quatro aranhas, o sistema deles poderia rastejar sobre 100 páginas por segundo, gerando cerca de 600 kilobytes de dados a cada segundo. 2

3 Manter tudo executando rapidamente significava construir um sistema para alimentar as informações necessárias para as aranhas. O primeiro sistema do Google tinha um servidor dedicado a fornecer endereços às aranhas, e também ao invés de depender de um provedor de serviços da Internet para um servidor de nome de domínio (DNS) que traduz um nome de servidor em um endereço, o Google tinha seu próprio DNS, para manter os atrasos em patamares mínimos. Quando a aranha da Google está em ação, ela olha para uma página HTML e anota duas coisas fundamentais, que são: As palavras dentro da página; Onde as palavras foram encontradas. As palavras que ocorrem no título, subtítulos, meta tags e outras posições de relativa importância foram anotadas para consideração especial durante a busca do usuário subsequente. A aranha do Google foi criada para indexar toda palavra significante em uma página, desconsiderando os "um", "uma", "o" e "a", já outras aranhas de diferentes mecanismos de busca, seguem abordagens diferentes e podem considerar essas palavras. Meta Tags As meta tags são comandos que permitem aos proprietários de uma página especificar palavras-chave e determinar sob quais delas a página será indexada. Isso pode ser útil, especialmente nos casos em que as palavras na página podem ser ambíguas, ou seja, ter duplo significado, nesse aspecto, as meta tags podem guiar o mecanismo de busca para escolher qual desses vários possíveis significados para essas palavras é o correto. Existe, porém, um perigo em se confiar em excesso nas meta tags, porque um dono de página inescrupuloso ou descuidado pode acrescentar meta tags que se encaixem em tópicos muitos populares, mas que não tenham nada a ver com o real conteúdo da página. Para se proteger contra isso, as aranhas correlacionam as meta tags com o conteúdo da página, rejeitando aquelas que não coincidam com as palavras na página. Tudo isso presume que o proprietário de uma página, de fato, deseja que essas palavras sejam incluídas nos resultados das atividades de um mecanismo de busca. Porém, muitas vezes, o proprietário da página não deseja que ela seja mostrada em um mecanismo de busca grande, ou não deseja a atividade de uma aranha acessando a página. Considere, por exemplo, um jogo que cria páginas ativas novas sempre que as seções da página são exibidas, ou novos links são seguidos. Se uma aranha acessar uma dessas páginas e começar a seguir 3

4 todos os links para novas páginas, o jogo poderia confundir a atividade para um jogador humano muito veloz e sair de controle. Para evitar situações como essas, um protocolo de exclusão de aranha foi desenvolvido. Esse protocolo é implementado na seção de meta tags no início de uma página da Web e diz a uma aranha para deixar a página e não indexar as palavras na página e nem tentar seguir seus links, literalmente solicitando que a mesma se retire da página. Construindo o Índice Primeiramente devemos notar que essa é uma tarefa de rastejamento de aranha na Web que nunca é realmente concluída, pois com a natureza constantemente alterável da Internet, significa que as aranhas precisarão estar sempre rastejando a procura de mudanças de conteúdos em páginas já visitadas anteriormente. Mas depois que as aranhas completaram a tarefa de localização das informações nas páginas da Web o mecanismo de busca deve armazenar as informações de uma forma que as torne úteis. Existem dois componentes chaves envolvidos na reunião de dados acessíveis aos usuários, que são: As informações armazenadas com os dados; O método pelo qual as informações são indexadas. No caso mais simples, um mecanismo de busca poderia simplesmente armazenar a palavra e o endereço onde ela foi encontrada. Na realidade, isso funcionaria para um mecanismo de uso limitado, já que não haveria maneira de dizer se a palavra foi usada de uma maneira importante ou trivial em uma página, se ela foi usada uma vez ou muitas vezes ou se a página continha links para outras páginas contendo a palavra. Em outras palavras, não haveria maneira de construir a lista de classificação (índice) que tenta apresentar as páginas mais usadas no topo da lista dos resultados da busca. Para criar mais resultados úteis, a maioria dos mecanismos de busca armazena mais do que simplesmente a palavra ou o endereço. Um mecanismo pode armazenar o número de vezes que a palavra aparece em uma página. O mecanismo pode atribuir um peso a cada entrada, com valores crescentes atribuídos às palavras à medida que elas aparecem próximas ao topo do documento, em subtítulos, em links, nas meta tags ou no título da página. Cada mecanismo de busca comercial tem uma fórmula diferente de atribuir peso às palavras em seu índice. Essa é uma das razões pelas quais uma busca pela mesma palavra em 4

5 diferentes mecanismos de busca produzirá listas diferentes, com as páginas apresentadas em ordens diferentes. Independentemente da combinação, é preciso partes adicionais de informações armazenadas por um mecanismo de busca, os dados precisam ser codificados para economizar espaço de armazenamento. Por exemplo, o documento original do Google descreve o uso de 2 bytes, de 8 bits cada, para armazenar informações sobre a classificação do peso das palavras, tais como: se a palavra estava em letras maiúscula, seu tamanho de fonte, posição e outras informações para ajudar na classificação. Cada fator pode consumir até 2 ou 3 bits dentro de um grupamento de 2 bytes (8 bits = 1 byte). Como resultado, uma grande quantidade de informações pode ser armazenada de uma forma muito compacta. Depois que as informações são compactadas, elas estão prontas para indexação. Um índice tem o único propósito de permitir que as informações possam ser encontradas o mais rapidamente possível. Como base relativa para criação da tabela de índices, você deve observar, por exemplo, que existem algumas letras que iniciam muitas palavras, ao passo que outras iniciam menos palavras, ou seja, você descobrirá, que a seção "M" do dicionário é muito mais grossa que a seção "X". Essa diferença significa que localizar uma palavra que comece com uma letra muito popular poderia demorar muito mais do que encontrar uma palavra que comece com uma letra menos popular. Mas o mecanismo de busca da Google possui métodos que iguala a diferença e reduz o tempo médio gasto para encontrar uma palavra, dessa forma, a combinação de indexação eficiente e armazenamento eficaz possibilita a obtenção de dados mais rapidamente, mesmo quando o usuário cria uma busca complicada. Construindo uma Busca Para realizar uma busca na Internet, envolve um usuário criar uma pesquisa e submetê-la por meio do mecanismo de busca. A pesquisa pode ser bastante simples, com pelo menos uma palavra ou mais complexa por usuários experientes que pode se utilizar de operadores, que permitem que você refine e estenda os termos da busca. Os operadores mais frequentemente utilizados são: AND: Todos os termos unidos por um "AND" (E) devem aparecer nas páginas ou documentos. O mecanismo da Google substitui o operador "+" pela palavra AND. OR: Pelo menos um dos termos unidos por "OR" deve aparecer nas páginas ou documentos. O mecanismo da Google substitui o operador " " pela palavra OR. 5

6 NOT: O termo ou termos após "NOT" não devem aparecer nas páginas ou documentos. O mecanismo da Google substitui o operador "-" pela palavra NOT. Sinais de aspas: As palavras entre aspas são tratadas como uma frase, e essa frase deve se encontrar dentro do documento ou arquivo exatamente como foi escrita. Futuro dos Mecanismos de Busca As buscas definidas pelos operadores são buscas literais, onde o mecanismo procura por palavras ou frases exatamente como elas são digitadas. Isso pode ser um problema quando as palavras digitadas são ambíguas, ou seja, têm vários significados. A palavra manga, por exemplo, pode significar a manga da sua camisa ou uma fruta, assim como palavras leve, pulo, verão, sela, posto, graça, etc. Se você está interessado em apenas um desses significados, você pode não desejar ver páginas que apresentem todos os outros. Você pode construir uma busca literal que tente eliminar significados indesejados, mas é bom se o próprio mecanismo de busca puder ajudar. Uma das áreas de pesquisa do mecanismo de busca é a pesquisa baseada em conceito. Parte dessa pesquisa envolve o uso de análise estatística em páginas que contêm as palavras ou frases pelas quais você busca para encontrar outras páginas pelas quais você possa estar interessado. Obviamente, as informações armazenadas sobre cada página são maiores para um mecanismo de busca baseado em conceito e muito mais processamento é exigido para cada pesquisa. Muitos grupos estão trabalhando para melhorar ambos, os resultados e o desempenho desse tipo de mecanismo de busca. Outros prosseguiram em outra área de pesquisa, chamada pesquisas de linguagem natural. A idéia por trás das pesquisas de linguagem natural é que você pode digitar uma pergunta da mesma maneira que perguntaria a um ser humano sentado a seu lado: sem necessidade de controlar os operadores ou complexas estruturas de pesquisa. Atualmente o site de pesquisa de linguagem natural mais popular é o Ask.com (em inglês), que analisa a pesquisa por palavras-chave e depois aplica ao índice de sites que criou. Ele funciona apenas com pesquisas simples, mas a competição é grande para desenvolver um mecanismo de pesquisa de linguagem natural que possa aceitar uma pesquisa de grande complexidade. 6

7 Bibliografia acesso em 07/03/2010 acesso em 17/04/2011 7

Arquitetura de Informação - 6

Arquitetura de Informação - 6 Arquitetura de Informação - 6 Ferramentas para Web Design Prof. Ricardo Ferramentas para Web Design 1 Objetivo do Sistema de Rotulação O sistema de rotulação é o componente da Arquitetura de Informação

Leia mais

Microsoft Internet Explorer. Browser/navegador/paginador

Microsoft Internet Explorer. Browser/navegador/paginador Microsoft Internet Explorer Browser/navegador/paginador Browser (Navegador) É um programa que habilita seus usuários a interagir com documentos HTML hospedados em um servidor web. São programas para navegar.

Leia mais

Clique este botão para submeter outra pesquisa. Você também pode fazê-lo premindo a tecla 'Enter'.

Clique este botão para submeter outra pesquisa. Você também pode fazê-lo premindo a tecla 'Enter'. A. Guias Clique na aba do tipo de procura que você precisa. Escolha entre pesquisar na Web, somente imagens, Grupos (arquivo de discussão Usenet) ou o Diretório Google (a Web organizada em categorias navegáveis).

Leia mais

Pesquisas Google - O Essencial

Pesquisas Google - O Essencial Pesquisas Google - O Essencial Para fazer uma consulta no Google, basta digitar algumas poucas palavras de descrição e pressionar a tecla "Enter" (ou clicar no Botão de Busca do Google) para a sua lista

Leia mais

Informática Básica. Internet Intranet Extranet

Informática Básica. Internet Intranet Extranet Informática Básica Internet Intranet Extranet Para começar... O que é Internet? Como a Internet nasceu? Como funciona a Internet? Serviços da Internet Considerações finais O que é Internet? Ah, essa eu

Leia mais

SUMÁRIO 1. AULA 6 ENDEREÇAMENTO IP:... 2

SUMÁRIO 1. AULA 6 ENDEREÇAMENTO IP:... 2 SUMÁRIO 1. AULA 6 ENDEREÇAMENTO IP:... 2 1.1 Introdução... 2 1.2 Estrutura do IP... 3 1.3 Tipos de IP... 3 1.4 Classes de IP... 4 1.5 Máscara de Sub-Rede... 6 1.6 Atribuindo um IP ao computador... 7 2

Leia mais

Características do PHP. Começando a programar

Características do PHP. Começando a programar PHP Introdução Olá pessoal. Desculpe o atraso na publicação da aula. Pude perceber pelas respostas (poucas) ao fórum que a realização da atividade do módulo I foi relativamente tranquila. Assistam ao vídeo

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP Aprenda a criar Websites dinâmicos e interativos com PHP e bancos de dados Juliano Niederauer 19 Capítulo 1 O que é o PHP? O PHP é uma das linguagens mais utilizadas na Web.

Leia mais

3 SERVIÇOS IP. 3.1 Serviços IP e alguns aspectos de segurança

3 SERVIÇOS IP. 3.1 Serviços IP e alguns aspectos de segurança 3 SERVIÇOS IP 3.1 Serviços IP e alguns aspectos de segurança Os serviços IP's são suscetíveis a uma variedade de possíveis ataques, desde ataques passivos (como espionagem) até ataques ativos (como a impossibilidade

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web;

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; CONCEITOS INICIAIS Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; O que é necessário para se criar páginas para a Web; Navegadores; O que é site, Host, Provedor e Servidor Web; Protocolos.

Leia mais

Internet - A rede Mundial

Internet - A rede Mundial Internet - A rede Mundial Fernando Albuquerque 061-2733589 fernando@cic.unb.br O que é? Qual a sua história? Como funciona? Como está organizada? Quais os serviços? Como acessar? Quais os cuidados? Qual

Leia mais

INTERNET E PROGRAMAÇÃO WEB

INTERNET E PROGRAMAÇÃO WEB MECANISMOS DE BUSCA (Motores de Busca) Introdução A realização de pesquisas na Internet para nós usuários parece ser relativamente fácil pela simplicidade e facilidade na obtenção de resultados, mas por

Leia mais

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO PARANÁ GOVERNO DO ESTADO COLÉGIO ESTADUAL DE PARANAVAÍ ENSINO FUNDAMENTAL, MÉDIO, NORMAL E PROFISSIONAL CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA DISCIPLINA: INTERNET E PROGRAMAÇÃO WEB 1º MÓDULO SUBSEQUENTE MOTORES

Leia mais

IP significa Internet Protocol. A Internet é uma rede, e assim como ocorre em qualquer tipo de rede, os seus nós (computadores, impressoras, etc.

IP significa Internet Protocol. A Internet é uma rede, e assim como ocorre em qualquer tipo de rede, os seus nós (computadores, impressoras, etc. Endereços IP Endereços IP IP significa Internet Protocol. A Internet é uma rede, e assim como ocorre em qualquer tipo de rede, os seus nós (computadores, impressoras, etc.) precisam ter endereços. Graças

Leia mais

Módulo 11 A Web e seus aplicativos

Módulo 11 A Web e seus aplicativos Módulo 11 A Web e seus aplicativos Até a década de 90, a internet era utilizada por acadêmicos, pesquisadores e estudantes universitários para a transferência de arquivos e o envio de correios eletrônicos.

Leia mais

O conjunto é composto por duas seções: o App Inventor Designer e o App Inventor Blocks Editor, cada uma com uma função específica.

O conjunto é composto por duas seções: o App Inventor Designer e o App Inventor Blocks Editor, cada uma com uma função específica. Google App Inventor: o criador de apps para Android para quem não sabe programar Por Alexandre Guiss Fonte: www.tecmundo.com.br/11458-google-app-inventor-o-criador-de-apps-para-android-para-quem-naosabe-programar.htm

Leia mais

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará :

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará : 1ª PARTE CAPÍTULO 2 Este capítulo tratará : 1. O que é necessário para se criar páginas para a Web. 2. A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web 3. Navegadores 4. O que é site, Host,

Leia mais

Vamos iniciar a nossa exploração do HTTP baixando um arquivo em HTML simples - bastante pequeno, que não contém objetos incluídos.

Vamos iniciar a nossa exploração do HTTP baixando um arquivo em HTML simples - bastante pequeno, que não contém objetos incluídos. Wireshark Lab: HTTP Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2008 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark. Tendo molhado os nossos pés com o Wireshark no laboratório

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

O bloco administração

O bloco administração O bloco administração Neste capítulo são discutidas as ferramentas do bloco Administração, na página de abertura de um curso. Veja Figura 7.1. Figura 1: O bloco Administração Ativar edição Esta ferramenta

Leia mais

INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET. Prof. Marcondes Ribeiro Lima

INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET. Prof. Marcondes Ribeiro Lima INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET Prof. Marcondes Ribeiro Lima Fundamentos de Internet O que é internet? Nome dado a rede mundial de computadores, na verdade a reunião de milhares de redes conectadas

Leia mais

www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Conceitos Básicos

www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Conceitos Básicos Desenvolvimento Andrique web Amorim II www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Conceitos Básicos Sites e Aplicações Web Normalmente, as pessoas utilizam o termo SITE quando se referem a blogs, sites

Leia mais

Usando Ferramentas de Busca

Usando Ferramentas de Busca Web Marketing Usando Ferramentas de Busca Marcelo Silveira Novatec Editora Ltda. www.novateceditora.com.br 1 Conhecendo o cenário de pesquisas na Internet Este capítulo apresenta uma visão geral sobre

Leia mais

TECNOLOGIA WEB Aula 1 Evolução da Internet Profa. Rosemary Melo

TECNOLOGIA WEB Aula 1 Evolução da Internet Profa. Rosemary Melo TECNOLOGIA WEB Aula 1 Evolução da Internet Profa. Rosemary Melo Tópicos abordados Surgimento da internet Expansão x Popularização da internet A World Wide Web e a Internet Funcionamento e personagens da

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

Manual do Usuário Janeiro de 2016

Manual do Usuário Janeiro de 2016 Manual do Usuário Janeiro de 2016 SOBRE CMX CMX é uma interface que dá acesso aos estudantes a milhares de atividades, exercícios e recursos todos posicionados com os padrões e conceitos curriculares.

Leia mais

APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS

APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS 3.INTERNET 3.1. Internet: recursos e pesquisas 3.2. Conhecendo a Web 3.3. O que é um navegador?

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web. Tipos de Sites. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.br

Introdução à Tecnologia Web. Tipos de Sites. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.br IntroduçãoàTecnologiaWeb TiposdeSites ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br TiposdeSites Índice 1 Sites... 2 2 Tipos de Sites... 2 a) Site

Leia mais

Visão geral do sistema de armazenamento e hierarquia de memória

Visão geral do sistema de armazenamento e hierarquia de memória Visão geral do sistema de armazenamento e hierarquia de memória Conhecer os dispositivos de armazenamento por meio do conceito e dos tipos de memórias utilizadas no computador. Subsistemas de memória Memória

Leia mais

Equações do primeiro grau

Equações do primeiro grau Módulo 1 Unidade 3 Equações do primeiro grau Para início de conversa... Você tem um telefone celular ou conhece alguém que tenha? Você sabia que o telefone celular é um dos meios de comunicação que mais

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE BLOG COM O BLOGGER

CONSTRUÇÃO DE BLOG COM O BLOGGER CONSTRUÇÃO DE BLOG COM O BLOGGER Blog é uma abreviação de weblog, qualquer registro frequênte de informações pode ser considerado um blog (últimas notícias de um jornal online por exemplo). A maioria das

Leia mais

Bibliotecária = mecanismo de busca..

Bibliotecária = mecanismo de busca.. MECANISMOS DE BUSCA GOOGLE Bibliotecária = mecanismo de busca.. Técnicas de Busca de Informação usando a ferramenta Google 1.1 Parte 1 Prof. Ronaldo - dinobrasilis@yahoo.com.br 1/18 GOOGLE é o número 10,

Leia mais

AULA 3 FERRAMENTAS E APLICATIVOS DE NAVEGAÇÃO, DE CORREIO ELETRÔNICO, DE GRUPOS DE DISCUSSÃO, DE BUSCA E PESQUISA (PARTE II)

AULA 3 FERRAMENTAS E APLICATIVOS DE NAVEGAÇÃO, DE CORREIO ELETRÔNICO, DE GRUPOS DE DISCUSSÃO, DE BUSCA E PESQUISA (PARTE II) AULA 3 FERRAMENTAS E APLICATIVOS DE NAVEGAÇÃO, DE CORREIO ELETRÔNICO, DE GRUPOS DE DISCUSSÃO, DE BUSCA E PESQUISA (PARTE II) A seguir vamos ao estudo das ferramentas e aplicativos para utilização do correio

Leia mais

ANÁLISE E IMPLEMENTAÇÃO DE ALGORITMOS DE COMPRESSÃO DE DADOS. Maria Carolina de Souza Santos 1 Orientador: Prof.º Ms.

ANÁLISE E IMPLEMENTAÇÃO DE ALGORITMOS DE COMPRESSÃO DE DADOS. Maria Carolina de Souza Santos 1 Orientador: Prof.º Ms. ANÁLISE E IMPLEMENTAÇÃO DE ALGORITMOS DE COMPRESSÃO DE DADOS Maria Carolina de Souza Santos 1 Orientador: Prof.º Ms. Mauricio Duarte 2 Centro Universitário Euripides de Marilia UNIVEM FATEC Faculdade de

Leia mais

Modelo OSI. Prof. Alexandre Beletti Ferreira. Introdução

Modelo OSI. Prof. Alexandre Beletti Ferreira. Introdução Modelo OSI Prof. Alexandre Beletti Ferreira Introdução Crescimento das redes de computadores Muitas redes distintas International Organization for Standardization (ISO) Em 1984 surge o modelo OSI Padrões

Leia mais

2 - Recuperação da Informação:

2 - Recuperação da Informação: 2 - Recuperação da Informação: 2.1. Conceitos 2.1.1 - Conceitos de Informação e Comunicação: Já vimos que Informação é o resultado do processamento, manipulação e organização de dados, de tal forma que

Leia mais

Aviso Legal...6. Sobre o autor... 7. Prefácio... 8. 1. Empreendimento Online Por Que Criar Um?... 11. 2. Importação Seus Mistérios...

Aviso Legal...6. Sobre o autor... 7. Prefácio... 8. 1. Empreendimento Online Por Que Criar Um?... 11. 2. Importação Seus Mistérios... Conteúdo Aviso Legal...6 Sobre o autor... 7 Prefácio... 8 1. Empreendimento Online Por Que Criar Um?... 11 2. Importação Seus Mistérios... 14 2.1 Importar é Legal?... 15 2.2 Por Que Importar?... 15 2.3

Leia mais

2 Conceitos Gerais de Classificação de Documentos na Web

2 Conceitos Gerais de Classificação de Documentos na Web Conceitos Gerais de Classificação de Documentos na Web 13 2 Conceitos Gerais de Classificação de Documentos na Web 2.1. Páginas, Sites e Outras Terminologias É importante distinguir uma página de um site.

Leia mais

Servidor, Proxy e Firewall. Professor Victor Sotero

Servidor, Proxy e Firewall. Professor Victor Sotero Servidor, Proxy e Firewall Professor Victor Sotero 1 Servidor: Conceito Um servidor é um sistema de computação centralizada que fornece serviços a uma rede de computadores; Os computadores que acessam

Leia mais

Novell Vibe 4.0. Março de 2015. Inicialização Rápida. Iniciando o Novell Vibe. Conhecendo a interface do Novell Vibe e seus recursos

Novell Vibe 4.0. Março de 2015. Inicialização Rápida. Iniciando o Novell Vibe. Conhecendo a interface do Novell Vibe e seus recursos Novell Vibe 4.0 Março de 2015 Inicialização Rápida Quando você começa a usar o Novell Vibe, a primeira coisa a se fazer é configurar sua área de trabalho pessoal e criar uma área de trabalho de equipe.

Leia mais

O QUE É O ENDEREÇO IP

O QUE É O ENDEREÇO IP O QUE É O ENDEREÇO IP O uso de computadores em rede, tal como a internet, requer que cada máquina possua um identificador que a diferencie das demais. É necessário que cada computador tenha um endereço,

Leia mais

GANHE DINHEIRO FACIL GASTANDO APENAS ALGUMAS HORAS POR DIA

GANHE DINHEIRO FACIL GASTANDO APENAS ALGUMAS HORAS POR DIA GANHE DINHEIRO FACIL GASTANDO APENAS ALGUMAS HORAS POR DIA Você deve ter em mente que este tutorial não vai te gerar dinheiro apenas por você estar lendo, o que você deve fazer e seguir todos os passos

Leia mais

Faculdades Santa Cruz - Inove. Plano de Aula Base: Livro - Distributed Systems Professor: Jean Louis de Oliveira.

Faculdades Santa Cruz - Inove. Plano de Aula Base: Livro - Distributed Systems Professor: Jean Louis de Oliveira. Período letivo: 4 Semestre. Quinzena: 5ª. Faculdades Santa Cruz - Inove Plano de Aula Base: Livro - Distributed Systems Professor: Jean Louis de Oliveira. Unidade Curricular Sistemas Distribuídos Processos

Leia mais

A Estrutura da Web. Redes Sociais e Econômicas. Prof. André Vignatti

A Estrutura da Web. Redes Sociais e Econômicas. Prof. André Vignatti A Estrutura da Web Redes Sociais e Econômicas Prof. André Vignatti A Estrutura da Web Até agora: redes onde unidades eram pessoas ou entidades sociais, como empresas e organizações Agora (Cap 13, 14 e

Leia mais

Curso de Navegadores e Internet

Curso de Navegadores e Internet Universidade Estadual do Oeste do Paraná Pró Reitoria de Extensão Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Colegiado de Licenciatura em Matemática Colegiado da Ciência da Computação Projeto de Extensão:

Leia mais

Google Site Search Pesquisa de websites do Google para sua organização

Google Site Search Pesquisa de websites do Google para sua organização Google Site Search Folha de dados Google Site Search Pesquisa de websites do Google para sua organização Google Site Search Para mais informações, visite: http://www.google.com/enterprise/search/ Quais

Leia mais

PASSO A PASSO GOOGLE DOCS - FORMULÁRIOS GOOGLE DOCS

PASSO A PASSO GOOGLE DOCS - FORMULÁRIOS GOOGLE DOCS CEEBJA - PALOTINA CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO BÁSICA PARA JOVENS E ADULTOS NRE- Toledo MUNICÍPIO: PALOTINA PASSO A PASSO GOOGLE DOCS - FORMULÁRIOS GOOGLE DOCS O Google Docs é uma das recentes ferramentas

Leia mais

Grafos. Redes Sociais e Econômicas. Prof. André Vignatti

Grafos. Redes Sociais e Econômicas. Prof. André Vignatti Grafos Redes Sociais e Econômicas Prof. André Vignatti Teoria dos Grafos e Redes Sociais Veremos algumas das idéias básicas da teoria dos grafos Permite formular propriedades de redes em uma linguagem

Leia mais

ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS

ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS Ana Beatriz Mesquita (CPTEC/INPE) ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS Metodologia do trabalho realizado referente a gravação e expansão dos vídeos

Leia mais

American Express @ Work Guia de Primeiros Passos

American Express @ Work Guia de Primeiros Passos American Express @ Work Guia de Primeiros Passos Utilize o American Express @ Work para gerenciar a Conta do Associado e da sua Empresa, realizar manutenções nas Contas, acessar Relatórios de forma rápida,

Leia mais

CRIAÇÃO DE SITES (AULA 1)

CRIAÇÃO DE SITES (AULA 1) Prof. Breno Leonardo Gomes de Menezes Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br CRIAÇÃO DE SITES (AULA 1) Internet É um conglomerado deredesem escala mundial de milhões de computadores

Leia mais

Informática. Informática. Valdir

Informática. Informática. Valdir Informática Informática Valdir Questão 21 A opção de alterar as configurações e aparência do Windows, inclusive a cor da área de trabalho e das janelas, instalação e configuração de hardware, software

Leia mais

18/05/2014. Problemas atuais com o IPv4

18/05/2014. Problemas atuais com o IPv4 Problemas atuais com o IPv4 Fundamentos de Redes de Computadores Prof. Marcel Santos Silva Falhas de segurança: A maioria dos ataques contra computadores hoje na Internet só é possível devido a falhas

Leia mais

Recuperação de Imagens na Web Baseada em Informações Textuais

Recuperação de Imagens na Web Baseada em Informações Textuais Recuperação de Imagens na Web Baseada em Informações Textuais André Ribeiro da Silva Mário Celso Candian Lobato Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Ciência da Computação {arsilva,mlobato}@dcc.ufmg.br

Leia mais

02 - Usando o SiteMaster - Informações importantes

02 - Usando o SiteMaster - Informações importantes 01 - Apresentação do SiteMaster - News Edition O SiteMaster foi desenvolvido para ser um sistema simples de gerenciamento de notícias, instalado em seu próprio computador e com configuração simplificada,

Leia mais

PROCESSAMENTO DE DADOS INTRODUÇÃO À INTERNET

PROCESSAMENTO DE DADOS INTRODUÇÃO À INTERNET PROCESSAMENTO DE DADOS Profa. Dra. Amanda Liz P. M. Perticarrari INTERNET uma rede de redes interligadas (governamentais, de empresas, de instituições educacionais, etc.) https://www.youtube.com/watch?v=w6eb6loxtne

Leia mais

Algoritmos e Programação I

Algoritmos e Programação I Algoritmos e Programação I Introdução a Computação Prof. Fernando Maia da Mota mota.fernandomaia@gmail.com CPCX/UFMS Fernando Maia da Mota 1 Computadores são dispositivos que só sabem fazer um tipo de

Leia mais

INTERNET CONCEITOS. Internet é a "grande rede mundial de computadores"

INTERNET CONCEITOS. Internet é a grande rede mundial de computadores INTERNET CONCEITOS O que é Internet Estamos acostumados a ouvir que Internet é a "grande rede mundial de computadores" Entretanto, essa definição não é muito simplista. Na realidade, Ela é uma coleção

Leia mais

Web Design Aula 11: Site na Web

Web Design Aula 11: Site na Web Web Design Aula 11: Site na Web Professora: Priscilla Suene priscilla.silverio@ifrn.edu.br Motivação Criar o site em HTML é interessante Do que adianta se até agora só eu posso vê-lo? Hora de publicar

Leia mais

Título: Controle de Estoque (componente de especificação)

Título: Controle de Estoque (componente de especificação) Título: Controle de Estoque (componente de especificação) Palavras-chave: estoque, inventário, controle Autoria e data: Marcelo Pessôa 02 de junho de 2014 Versão: 1.0 Tecnologia: Independe de tecnologia

Leia mais

INFORMÁTICA APLICADA AULA 02 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++

INFORMÁTICA APLICADA AULA 02 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++ UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: Bacharelado em Ciências e Tecnologia INFORMÁTICA APLICADA AULA 02 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++ Profª ª Danielle Casillo COMPILADORES Toda linguagem de programação

Leia mais

Programação Web Prof. Wladimir

Programação Web Prof. Wladimir Programação Web Prof. Wladimir Linguagem de Script e PHP @wre2008 1 Sumário Introdução; PHP: Introdução. Enviando dados para o servidor HTTP; PHP: Instalação; Formato básico de um programa PHP; Manipulação

Leia mais

INTERNET -- NAVEGAÇÃO

INTERNET -- NAVEGAÇÃO Página 1 INTRODUÇÃO Parte 1 O que é a Internet? A Internet é uma rede mundial de computadores, englobando redes menores distribuídas por vários países, estados e cidades. Ao contrário do que muitos pensam,

Leia mais

CADERNO DE TAREFAS 18/11/2006 9h 50min às 13h 50min

CADERNO DE TAREFAS 18/11/2006 9h 50min às 13h 50min IV MARATONA DE PROGRAMAÇÃO DA FAI CADERNO DE TAREFAS 18/11/2006 9h 50min às 13h 50min LEIA ATENTAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES 1. É permitido consultar livros, anotações, help on line ou qualquer outro material

Leia mais

O protocolo HTTP. Você aprenderá: O que é e como funciona o protocolo HTTP. Quais são as partes de um pedido HTTP.

O protocolo HTTP. Você aprenderá: O que é e como funciona o protocolo HTTP. Quais são as partes de um pedido HTTP. HTTP O protocolo HTTP Você aprenderá: O que é e como funciona o protocolo HTTP. Quais são as partes de um pedido HTTP. Quais são as partes de um a resposta HTTP. O que é o protocolo HTTP? Hyper Text Transfer

Leia mais

Configuração de Digitalizar para E-mail

Configuração de Digitalizar para E-mail Guia de Configuração de Funções de Digitalização de Rede Rápida XE3024PT0-2 Este guia inclui instruções para: Configuração de Digitalizar para E-mail na página 1 Configuração de Digitalizar para caixa

Leia mais

Era da Informação exige troca de informações entre pessoas para aperfeiçoar conhecimentos dos mais variados

Era da Informação exige troca de informações entre pessoas para aperfeiçoar conhecimentos dos mais variados O Uso da Internet e seus Recursos Ana Paula Terra Bacelo anapaula@cglobal.pucrs.br Faculdade de Informática /PUCRS Sumário Introdução Internet: conceitos básicos Serviços da Internet Trabalhos Cooperativos

Leia mais

CONCEITO: Moodle Moodle Moodle Moodle

CONCEITO: Moodle Moodle Moodle Moodle NE@D - Moodle CONCEITO: O Moodle é uma plataforma de aprendizagem a distância baseada em software livre. É um acrônimo de Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment (ambiente modular de aprendizagem

Leia mais

OURO MODERNO www.ouromoderno.com.br. Web Designer APOSTILA DE EXEMPLO. (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo)

OURO MODERNO www.ouromoderno.com.br. Web Designer APOSTILA DE EXEMPLO. (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo) Web Designer APOSTILA DE EXEMPLO (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo) 1 Índice Aula 1 FTP... 3 FTP e HTTP... 4 Exercícios... 6 2 Aula 1 FTP FTP significa File Transfer Protocol, traduzindo Protocolo

Leia mais

Curso de Informática Básica

Curso de Informática Básica Curso de Informática Básica O e-mail Primeiros Cliques 1 Curso de Informática Básica Índice Introdução...3 Receber, enviar e responder mensagens...3 Anexando arquivos...9 Cuidado com vírus...11 2 Outlook

Leia mais

INSTALAÇÃO DO MICROSOFT WINDOWS SHAREPOINT SERVICES 2.0

INSTALAÇÃO DO MICROSOFT WINDOWS SHAREPOINT SERVICES 2.0 CAPÍTULO 18 INSTALANDO E CONFIGURANDO O MICROSOFT OFFICE PROJECT SERVER 2003 INSTALAÇÃO DO MICROSOFT WINDOWS SHAREPOINT SERVICES 2.0 Antes de começar a instalação do Microsoft Office Project Server 2003

Leia mais

Novell Vibe 3.4. Novell. 1º de julho de 2013. Inicialização Rápida. Iniciando o Novell Vibe. Conhecendo a interface do Novell Vibe e seus recursos

Novell Vibe 3.4. Novell. 1º de julho de 2013. Inicialização Rápida. Iniciando o Novell Vibe. Conhecendo a interface do Novell Vibe e seus recursos Novell Vibe 3.4 1º de julho de 2013 Novell Inicialização Rápida Quando você começa a usar o Novell Vibe, a primeira coisa a se fazer é configurar sua área de trabalho pessoal e criar uma área de trabalho

Leia mais

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Desenvolvimento em Ambiente Web Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Internet A Internet é um conjunto de redes de computadores de domínio público interligadas pelo mundo inteiro, que tem

Leia mais

NAVEGAR INTERNET NAVEGANDO

NAVEGAR INTERNET NAVEGANDO INTERNET NAVEGANDO A Web, como é chamada, é formada por milhões de lugares conhecidos como sites. Existem sites de universidades, empresas, órgãos do governo, sites pessoais etc. As informações estão organizadas

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS. 1. Binário: Bit: Menor unidade de dados; dígito binário (0,1) Byte: Grupo de bits que representa um único caractere

LISTA DE EXERCÍCIOS. 1. Binário: Bit: Menor unidade de dados; dígito binário (0,1) Byte: Grupo de bits que representa um único caractere 1. Binário: LISTA DE EXERCÍCIOS Bit: Menor unidade de dados; dígito binário (0,1) Byte: Grupo de bits que representa um único caractere Campo: Grupo de palavras ou um número completo Registro: Grupo de

Leia mais

Segmentação de Lista de Contatos

Segmentação de Lista de Contatos Guia rápido sobre... Segmentação de Lista de Contatos Neste guia... Aprenda a criar combinações precisas para uma segmentação direta e eficaz. Índice 1. Pesquisar Contatos! 3 1.1 Página de pesquisa de

Leia mais

09/05/2012. O Professor Plano de Disciplina (Competências, Conteúdo, Ferramentas Didáticas, Avaliação e Bibliografia) Frequência Nota Avaliativa Site:

09/05/2012. O Professor Plano de Disciplina (Competências, Conteúdo, Ferramentas Didáticas, Avaliação e Bibliografia) Frequência Nota Avaliativa Site: O Professor Plano de Disciplina (Competências, Conteúdo, Ferramentas Didáticas, Avaliação e Bibliografia) Frequência Nota Avaliativa Site: https://sites.google.com/site/professorcristianovieira Esta frase

Leia mais

Web & Marketing Digital

Web & Marketing Digital Web & Marketing Digital MANUAL DE UTILIZAÇÃO EMAIL MARKETING 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 1.1. ESTRUTURA DO SISTEMA...PG 03 2. CONTATOS...PG 04 2.1. CRIANDO LISTA DE CONTATOS...PG 04 2.2. IMPORTANDO LISTA DE

Leia mais

SUAP Módulo Protocolo Manual do Usuário DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SEÇÃO DE PROJETOS, SISTEMAS E PROCESSOS DE NEGÓCIO

SUAP Módulo Protocolo Manual do Usuário DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SEÇÃO DE PROJETOS, SISTEMAS E PROCESSOS DE NEGÓCIO SUAP Módulo Protocolo Manual do Usuário DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SEÇÃO DE PROJETOS, SISTEMAS E PROCESSOS DE NEGÓCIO SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 1 1.1. ACESSO AO SISTEMA... 1 1.2. TELA INICIAL

Leia mais

Planejando uma política de segurança da informação

Planejando uma política de segurança da informação Planejando uma política de segurança da informação Para que se possa planejar uma política de segurança da informação em uma empresa é necessário levantar os Riscos, as Ameaças e as Vulnerabilidades de

Leia mais

Inicialização Rápida do Novell Vibe Mobile

Inicialização Rápida do Novell Vibe Mobile Inicialização Rápida do Novell Vibe Mobile Março de 2015 Introdução O acesso móvel ao site do Novell Vibe pode ser desativado por seu administrador do Vibe. Se não conseguir acessar a interface móvel do

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 5 - Iniciando o modo texto. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática

Sistema Operacional Unidade 5 - Iniciando o modo texto. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática Sistema Operacional Unidade 5 - Iniciando o modo texto Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 OPERANDO EM MODO TEXTO... 3 Abrindo o terminal... 3 Sobre o aplicativo Terminal... 3 AS CORES

Leia mais

Guia de Instalação e Inicialização. Para WebReporter 2012

Guia de Instalação e Inicialização. Para WebReporter 2012 Para WebReporter 2012 Última revisão: 09/13/2012 Índice Instalando componentes de pré-requisito... 1 Visão geral... 1 Etapa 1: Ative os Serviços de Informações da Internet... 1 Etapa 2: Execute o Setup.exe

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Antivírus Os antivírus são programas de computador concebidos para prevenir, detectar e eliminar pragas digitais. Existe uma grande variedade de produtos com

Leia mais

Instalação e utilização do Document Distributor

Instalação e utilização do Document Distributor Para ver ou fazer o download desta ou de outras publicações do Lexmark Document Solutions, clique aqui. Instalação e utilização do Document Distributor O Lexmark Document Distributor é composto por pacotes

Leia mais

MANUAL ITCMD - DOAÇÃO

MANUAL ITCMD - DOAÇÃO MANUAL ITCMD - DOAÇÃO ACESSO AO SISTEMA ITCMD 2 CRIAÇÃO E PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO 2 1º PASSO: ESCOLHA DO TIPO DE DECLARAÇÃO 2 2º PASSO: AJUDA INICIAL 3 3º PASSO: CADASTRAMENTO DE SENHA 3 4º PASSO:

Leia mais

Manual Sistema MLBC. Manual do Sistema do Módulo Administrativo

Manual Sistema MLBC. Manual do Sistema do Módulo Administrativo Manual Sistema MLBC Manual do Sistema do Módulo Administrativo Este documento tem por objetivo descrever as principais funcionalidades do sistema administrador desenvolvido pela MLBC Comunicação Digital.

Leia mais

Permissão de Usuários

Permissão de Usuários Permissão de Usuários 1 Conteúdo 1. Propósito 3 2. Permissão de Usuários PrefGest 4 3. Permissão de Usuário para PrefCad 10 2 1. Propósito Este documento destina-se a explicar a ação para liberar permissões

Leia mais

Manual de utilização do STA Web

Manual de utilização do STA Web Sistema de Transferência de Arquivos Manual de utilização do STA Web Versão 1.1.7 Sumário 1 Introdução... 3 2 Segurança... 3 2.1 Autorização de uso... 3 2.2 Acesso em homologação... 3 2.3 Tráfego seguro...

Leia mais

Wireshark Lab: Iniciando

Wireshark Lab: Iniciando Wireshark Lab: Iniciando Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2008 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark. Conte-me e esqueço. Mostre-me e eu lembro. Envolva-me

Leia mais

Excel Avançado 2007 Excel Avançado 2007 1

Excel Avançado 2007 Excel Avançado 2007 1 1 Sumário: 1. Introdução...3 2. Funções...3 2.1 Função SE...4 2.2 Botão Inserir...7 2.3 Novas Funções Condicionais...8 2.4 Aninhando Funções...8 3. Análise de Dados Alternativos...9 3.1 Cenários...9 3.2

Leia mais

Trabalho sobre o Facebook. De Sistemas Formador Tomás Lima

Trabalho sobre o Facebook. De Sistemas Formador Tomás Lima Trabalho sobre o Facebook De Sistemas Formador Tomás Lima Formando Marco Silva S - 13 Índice Facebook... 3 Porque todas essas perguntas para criar um perfil?... 3 O Facebook fornece várias maneiras de

Leia mais

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede Uma Rede de Computadores consistem em dois ou mais dispositivos, tais como computadores, impressoras e equipamentos relacionados, os

Leia mais

Identificação rápida de gargalos Uma forma mais eficiente de realizar testes de carga. Um artigo técnico da Oracle Junho de 2009

Identificação rápida de gargalos Uma forma mais eficiente de realizar testes de carga. Um artigo técnico da Oracle Junho de 2009 Identificação rápida de gargalos Uma forma mais eficiente de realizar testes de carga Um artigo técnico da Oracle Junho de 2009 Identificação rápida de gargalos Uma forma mais eficiente de realizar testes

Leia mais

Manual do Painel Administrativo

Manual do Painel Administrativo Manual do Painel Administrativo versão 1.0 Autores César A Miggiolaro Marcos J Lazarin Índice Índice... 2 Figuras... 3 Inicio... 5 Funcionalidades... 7 Analytics... 9 Cidades... 9 Conteúdo... 10 Referência...

Leia mais