notícias Editorial Instituto implementa o serviço GEA INEGI recebe financiamento para construção do Novo Edifício

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "notícias Editorial Instituto implementa o serviço GEA INEGI recebe financiamento para construção do Novo Edifício"

Transcrição

1 14 Editorial boletim informativo Outubro.2004 Fevereiro.2005 É com enorme satisfação que a Direcção do INEGI anuncia a aprovação do financiamento para a construção do novo edifício INEGI/IDMEC, no âmbito do Programa PRIME, Medida 5.1, Acção B, com um incentivo de Euros, não reembolsáveis. O referido projecto foi homologado em 22 de Novembro de 2004, por Sua Excelência o Senhor Secretário de Estado do Desenvolvimento Económico, Engenheiro Manuel Correa de Lancastre, tendo a Agência de Inovação comunicado ao INEGI a sua aprovação em 11 de Janeiro de Na sequência desta decisão, o Senhor Secretário de Estado visitou o INEGI no dia 25 de Janeiro de 2005, numa comitiva composta pelo Presidente da Agência de Inovação, pelo Gestor do Programa PRIME e pelo Reitor da Universidade do Porto, formalizando assim a aprovação desta candidatura. Nesta visita, o Senhor Secretário de Estado elogiou a actividade do INEGI, referindo que a aprovação do projecto se deveu à qualidade e mérito da candidatura apresentada e ao reconhecimento pela comunidade empresarial da relevância da actividade do Instituto. INEGI recebe financiamento para construção do Novo Edifício As verbas disponibilizadas pelo Programa Prime ascendem aos 3 milhões de Euros. As obras iniciam-se no final de 2005 e devem terminar em Estão assim reunidas as condições financeiras que viabilizam a construção das novas instalações do INEGI/IDMEC no Campus da FEUP. 2 Apesar de termos percorrido um longo e difícil percurso para atingir este objectivo, julgamos que valeu a pena e que este momento é histórico para a vida do DEMEGI, do IDMEC e do INEGI. A concretização deste velho sonho do INEGI permitirá um novo impulso na actividade do Instituto, criando as condições para uma maior motivação dos seus quadros, que actualmente trabalham em condições inadequadas para as funções que desenvolvem. Instituto implementa o serviço GEA Por outro lado a proximidade ao DEMEGI e IDMEC, terá reflexos óbvios na qualidade do ensino no DEMEGI e será um factor facilitador para um maior envolvimento de docentes e alunos nas actividades de Investigação, Inovação e Desenvolvimento. Daqui para a frente ainda temos um longo e difícil caminho a percorrer, que passa pela resolução definitiva da posse do terreno pela Universidade do Porto, pela finalização do projecto de execução, pela abertura do concurso público para adjudicação da obra, e pela fase de construção. A Direcção do INEGI tudo fará para que o início da construção do novo edifício possa ainda ocorrer durante o corrente ano. A todos quantos contribuíram para o sucesso desta iniciativa, o nosso agradecimento. Outras dimensões estratégicas para o INEGI tiveram também um progresso significativo em 2004, como a evolução no trabalho com vista à implementação do Sistema de Gestão da Qualidade e o trabalho de especificação e selecção de um novo Sistema de Informação e Gestão da Instituição. Apesar de uma ligeira diminuição do volume de negócios em relação a 2003 mantivemos uma situação económica e financeira equilibrada. Estamos assim perante um quadro estimulante para continuarmos o nosso trabalho ao serviço do desenvolvimento do País. Professor Augusto Barata da Rocha Professor Jorge Lino Alves 3 5 INOVAR PARA UM FUTURO MELHOR ATRAVÉS DE UMA GESTÃO EQUILIBRADA NAS ÁREAS DA ENERGIA E DO AMBIENTE É O OBJECTIVO DESTE NOVO SERVIÇO DO INEGI. Artigo de Opinião por Engº José António Almacinha A IMPORTÂNCIA DA NORMALIZAÇÃO Docente do DEMEGI e colaborador do ONS-INEGI

2 actividades Secretário de Estado para o Desenvolvimento Económico visitou o Instituto INEGI recebe financiamento do Programa Prime para a construção do Novo Edifício no Campus da FEUP Depois de mais de uma década de esforços o INEGI vê, finalmente, o projecto de construção de novas instalações tornar-se realidade. As verbas disponibilizadas pelo Programa Prime ascendem aos 3 milhões de Euros. As obras iniciam-se no final de 2005 e devem terminar em A visita do Secretário de Estado para o Desenvolvimento Económico, Engenheiro Manuel Correa de Lancastre, que decorreu a 25 de Janeiro de 2005, teve como pano de fundo a aprovação do financiamento para a construção do novo edifício INEGI/IDMEC, no âmbito do Programa PRIME, Medida 5.1, Acção B, com um incentivo de 3 milhões de Euros, não reembolsáveis. Da comitiva faziam ainda parte o Presidente da Agência de Inovação, o Gestor do Programa PRIME e o Reitor da Universi-dade do Porto. Durante a visita às instalações do INEGI, o Secretário de Estado fez questão de elogiar a actividade do Instituto salientando, ainda, que não foi difícil a aprovação da candidatura ao Programa Prime devido à qualidade e mérito que são reconhecidos ao INEGI, além das boas referências prestadas pela comunidade empresarial. Para o Presidente do INEGI, Professor Augusto Barata da Rocha, conseguiram-se reunir todas as condições financeiras necessárias que viabilizam a construção das novas instalações do INEGI/IDEMEC. Mas para que este sonho já antigo se concretizasse seria necessário percorrer um longo caminho, mas os resultados estão à vista. A Direcção do Instituto acredita que valeram a pena todos os esforços dispendidos e vê este momento como um marco histórico na vida do INEGI, salienta. 2 Com uma área total de 7609 m o novo edifício trará enormes vantagens para a actividade do INEGI, pois permitirá criar condições de trabalho adequadas à realidade tecnológica do Instituto e, inevitavelmente, aumentará os níveis de motivação dos seus colaboradores. Por outro lado, a inclusão no Campus da FEUP aumentará a proximidade entre o INEGI e o Departamento de Engenharia Mecânica e Gestão Industrial (DEMEGI) da FEUP, com claros reflexos na qualidade do ensino e uma maior aproximação entre docentes e alunos nas actividades de Investigação, Inovação e Desenvolvimento, refere o Professor Augusto Barata da Rocha adiantando, ainda, que tudo será feito para que as obras do novo edifício arranquem ainda este ano. INEGI desenvolve actividades enquanto ONS O Instituto é um Organismo de Normalização Sectorial para a área do Desenho Técnico (CT1) e Elementos de Ligação (CT9). O INEGI, enquanto Organismo de Normalização Sectorial (ONS), tem vindo a desenvolver actividades em duas vertentes específicas: elaboração de versões portuguesas de normas europeias e internacionais nas áreas do desenho técnico e elementos de ligação e formulação de pareceres sobre normas em processo de criação ou revisão nas mesmas áreas. Desde que iniciou a sua actividade como ONS, decorria o ano de 2000, o INEGI já elaborou cerca de 90 versões portuguesas de normas na área de Desenho Técnico que, entretanto, foram publicadas pelo Instituto Português da Qualidade (IPQ). Paralelamente, na vertente de apoio aos Organismos Internacionais de Normalização, o INEGI tem respondido a todos os pedidos de pareceres destes organismos no âmbito de projectos ou revisão de normas. É uma actividade classificada pelas entidades competentes como sendo de muita relevância e pretende-se manter o nível de desempenho nesta área. Um dos responsáveis pelos trabalhos que o INEGI tem vindo a desenvolver enquanto ONS, Engº. José Sampaio, salienta que os resultados deste trabalho são importantes para as empresas portuguesas porque permite-lhes estarem permanentemente actualizadas quanto à evolução da normalização aplicável ao seu produto, o que significa que estas têm maiores facilidades em acompanhar as novas exigências que vão sendo introduzidas nas áreas em que actuam, acrescenta. A crescente preocupação das empresas portuguesas relativamente à normalização é uma prova que estas têm consciência da sua importância em termos competitivos, factor fundamental para a sua manutenção, inovação e sobrevivência enquanto pólos tecnológicos e produtivos, refere o Engº. José Sampaio. 2

3 Instituto implementa novo serviço GEA O GEA - Gestão de Energia e Ambiente foi lançado, comercialmente, durante o passado mês de Dezembro. Sob o lema Inovar para um futuro responsável, o GEA apresenta-se como um serviço inovador. gea O GEA é um serviço de consultoria da Unidade de Ambiente e Energia (CETERM) do Inegi que, segundo os responsáveis, pretende dar resposta aos mais diversos interesses das empresas industriais, desde o apoio ao cumprimento da legislação vigente até ao desenvolvimento de soluções tecnológicas. Com este novo serviço o INEGI procurará cobrir as áreas de apoio ao cumprimento da legislação, serviços de laboratório, consultoria de sistemas de gestão ambiental, apoio na instalação de sistemas tecnológicos e estudos para eventuais parcerias empresa/inegi a candidaturas a programas de financiamento para projectos tecnológicos ligados à área do ambiente e energia. Até ao momento têm sido efectuados, com êxito, contactos na indústria. O interesse gestão de energia e ambiente INOVAR PARA UM FUTURO RESPONSÁVEL demonstrado pelas empresas revela que o GEA é um serviço inovador e que vai de encontro às necessidades das empresas. Esperemos que a sua implementação seja eficaz e os resultados se coadunem com as nossas expectativas nunca esquecendo, como é óbvio, que em primeiro lugar estão as empresas e a obrigação de oferecermos um serviço eficiente, inovador e com claros resultados positivos para os nossos clientes, garantem os responsáveis pelo GEA. Para além dos quadros do CETERM, o GEA conta ainda com o apoio incondicional de Consultores da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. Mais informações através do seguinte contacto de actividades A Mercatura, spin-off do INEGI, desenvolveu novo site e extranet do IVDP. Durante o ano de 2004 o Instituto do Vinho do Porto (IVP) fundiu-se com a Comissão Interprofissional da Região Demarcada do Douro (CIRDD) dando origem ao Instituto dos Vinhos do Douro e Porto (IVDP) que, actualmente, é a entidade responsável pela supervisão da viticultura duriense baseada na figura de um instituto público de natureza inter-profissional, cabendo-lhe enquanto IP, a certificação dos vinhos da RDD e a disciplina do sector na função fiscalizadora e sancionatória e, enquanto inter-profissional, as responsabilidades de gestão e coordenação da vitivinicultura duriense, como se pode ler na Missão do IVDP. As mudanças efectuadas, acrescidas de novas responsabilidades anteriormente exercidas pela Casa do Douro, tornaram necessária uma reformulação do site que permitisse incluir todos os conteúdos referentes aos vinhos do Douro. As limitações existentes foram mais que suficientes para que os responsáveis pelo IVDP optassem pela ovo medida acertada, ou seja, a criação de um novo site, adianta Nuno Ramos, um dos responsáveis pela criação do novo site do IVDP. No entanto, essa não foi o único aspecto a ter em consideração. Miguel Fernandes, da equipa da Mercatura, refere o aspecto um pouco clássico do anterior site. Com o novo conseguimos ir de encontro às expectativas da Direcção do IVDP, que passa pela transmissão de uma imagem mais jovem e dinâmica. A proposta da Mercatura acabaria por ser aquela que mais se aproximava das necessidades do IVDP. Os resultados e o trabalho da equipa da Mercatura podem ser consultados em Relativamente às principais particularidades do site, os responsáveis pela sua concepção apontam o design, com uma imagem mais moderna e dinâmica, a facilidade de navegação, mais rápida e acessível, e a interface de gestão do site que permite a qualquer colaborador do IVDP editar, com facilidade, a informação que achar necessária. Mas uma das novidades é a extranet do IVDP, ou seja, a disponibilização para o exterior, via Internet, dos serviços existentes. Isto permite, por exemplo, que os agentes económicos possam preencher electronicamente declarações de consumo e existências que, anteriormente, só existiam em papel. Entretanto, serão disponibilizados mais serviços. 3

4 entrevista Entrevista com Engº José Sampaio A importância da normalização, enquanto factor decisivo na actualização e competitividade das empresas, tem vindo a ser reconhecida pelos empresários portugueses. O INEGI, enquanto Organismo de Normalização Sectorial desenvolve actividades nas áreas do Desenho Técnico e dos Elementos de Ligação Mecânicos. Em conversa com o Engenheiro Sampaio ficamos a saber qual o papel do INEGI enquanto ONS e as vantagens que a normalização traz às empresas. O INEGI desenvolve funções enquanto Organismo de Normalização Sectorial (ONS) em duas áreas diferentes: Desenho Técnico e Elementos de Ligação Mecânicos. Que tipo de actividades isso implica? A actividade do INEGI enquanto Organismo de Normalização Sectorial nas referidas áreas desenvolve-se em duas vertentes principais: (1) elaboração de versões portuguesas de Normas Europeias (EN) e Internacionais (ISO), tendo sido realizadas até à data cerca de 90 versões portuguesas, e (2) acompanhamento da actividade Normativa da Organização Internacional de Normalização (ISO) e do Comité Europeu de Normalização (CEN) através da elaboração de pareceres técnicos, enviados ao IPQ, sobre os novos projectos de normas ISO/DIS e pren. O que levou o INEGI a desenvolver funções nestes domínios? Para dar cumprimento à sua missão de contribuir para o desenvolvimento da indústria nacional colocando, ao serviço do desenvolvimento do país, uma equipa de trabalho com competência reconhecida a nível nacional e internacional. Como resultado do trabalho desta equipa a indústria nacional passa a ter acesso à normalização nestas áreas em língua portuguesa o que facilita imenso a sua adopção e utilização pelos agentes interessados. Por outro lado é uma forma de prestigiar Portugal nas instâncias internacionais através da elaboração dos pareceres técnicos. Finalmente porque através desta actividade o INEGI mantém-se permanentemente actualizado em relação à evolução da normalização nestas áreas. Quais são as grandes vantagens da actividade normativa numa óptica empresarial? As empresas, através da participação activa nas Comissões Técnicas que trabalham os temas que lhes interessam, podem contribuir para a defesa dos seus interesses enquanto agentes que actuam no mercado e por isso têm o seu produto sujeito à normalização aplicável. Por outro lado é uma forma de estarem permanentemente actualizadas quanto à evolução da normalização aplicável ao seu produto podendo assim actuar com alguma antecipação no sentido de acompanhar as novas exigências que vão sendo introduzidas. As empresas portuguesas têm noção da importância da normalização? Concerteza que muitas têm clara noção das vantagens da normalização e a prova disso é a grande adesão por parte das empresas às Comissões Técnicas (CT1 Desenho Técnico e CT9 Elementos de Ligação) dinamizadas pelo INEGI. Outras com reduzido grau de desenvolvimento tecnológico estarão menos conscientes das vantagens da normalização. 4

5 Artigo de opinião do Engº José António Almacinha iniciativas A IMPORTÂNCIA DA NORMALIZAÇÃO NO Engenheiro José António Almacinha, Docente do DEMEGI-FEUP, colaborador do ONS-INEGI e secretário da CT1 e da CT9. PROCESSO DE INTERNACIONALIZAÇÃO DA INDÚSTRIA NACIONAL No actual processo geral de globalização da economia mundial, a indústria dos países desenvolvidos tem demonstrado uma tendência crescente para concentrar as suas actividades nas fases de concepção e montagem de produtos, contratando no exterior a fabricação dos respectivos componentes. As diferentes actividades produtivas desenvolvem-se num mercado global em que: - as especificações técnicas de produtos, ao nível da concepção, para fins de fabricação e de verificação são de grande importância, em todos os sectores de actividade; - há uma necessidade de compreensão, comunicação e aplicação das Normas, ao nível do mercado global, com vista à eliminação das barreiras técnicas; - a utilização de sistemas CAD, CAM, CAQ, etc. é predominante e as oportunidades de intervenção humana directa nos processos de fabricação são cada vez mais reduzidas; - a utilização de outsourcing, subcontratação e consultoria está em crescimento; - a implementação de Sistemas de gestão da qualidade, em conformidade com as normas da série ISO 9000, é prioritária para todas as indústrias; - a documentação técnica de produtos (nela incluindo os desenhos técnicos) serve de base para a interpretação de contratos; - a intermutabilidade e a qualidade dos elementos de ligação mecânicos são extremamente importantes, numa produção cada vez mais automatizada. Neste contexto, a elaboração de Normas nacionais relativas à definição, especificação e representação gráfica de produtos, baseadas nas correspondentes Normas internacionais (ISO) e europeias (EN) é considerada como um requisito essencial para a obtenção de uma compatibilidade internacional entre as Normas dos diferentes países. No nosso País, sobretudo após a adesão à União Europeia (UE), muitas empresas de sectores diversificados têm vindo a desenvolver esforços significativos para se integrarem neste novo ambiente de intensa concorrência e conquistarem novos mercados. Consciente da importância que a Normalização assume no processo de internacionalização da indústria nacional, o INEGI celebrou, em 1991, um Protocolo de Cooperação no Domínio da Normalização, com o Instituto Português da Qualidade (IPQ), através do qual passou a ser reconhecido como Organismo com funções de Normalização Sectorial (ONS) nos domínios relativos ao Desenho técnico e aos Elementos de ligação mecânicos. Desde então, o ONS-INEGI vem acompanhando a actividade normativa da Organização Internacional de Normalização (ISO) e do Comité Europeu de Normalização (CEN) naqueles domínios, através da elaboração de pareceres, enviados ao IPQ, sobre novos projectos de Normas ISO/DIS e pren e suas implicações com as Normas portuguesas em vigor, nomeadamente, no que respeita às Normas EN que devem ser adoptadas como Normas portuguesas, em resultado da adesão de Portugal à UE. A Comissão técnica CT 1 - Desenho técnico, da qual fazem parte representantes de associações, empresas e organismos diferenciados, foi reactivada pelo ONS-INEGI, em 1998, tendo já analisado e aprovado 89 projectos de versões portuguesas de Normas europeias (NP EN) e de Normas internacionais (NP ISO), elaborados pelo ONS-INEGI. Presentemente, 64 desses documentos normativos foram já editados pelo IPQ como normas portuguesas, estando prevista a elaboração de mais 16 novos projectos de normas NP EN e NP ISO. Por sua vez, a Comissão técnica CT 9 Elementos de ligação mecânicos, constituída também por representantes de diversas entidades, foi reactivada pelo ONS-INEGI, em 2004, estando já prevista a elaboração, pelo ONS-INEGI, de 28 projectos de normas NP EN e NP ISO, que serão posteriormente submetidos, à CT9, para análise e aprovação. Para complementar as actividades descritas, deve assinalar-se que, em Abril de 2004, o ONS-INEGI manifestou, junto do IPQ, disponibilidade para colaborar na elaboração de normas NP EN e NP ISO, no domínio da Especificação geométrica de produtos. Esta manifestação de vontade foi bem acolhida pelo IPQ, que ficou de diligenciar a obtenção da necessária coordenação entre as entidades envolvidas. Com a sua participação na dinamização e difusão da actividade normativa, o INEGI dá mais uma contribuição para o apoio à consolidação do processo de internacionalização da indústria nacional. 5

6 iniciativas INEGI coloca à venda no mercado dois pavilhões industriais Em sequência do financiamento para a construção das novas instalações do Instituto, no Campus da FEUP, a Direcção do INEGI colocou de imediato, à venda, dois dos seus pavilhões industriais situados no Complexo do Barroco, local onde estão localizadas as actuais instalações. 2 2 Com áreas que atingem os 360m e 918m, localização privilegiada dentro do complexo industrial, a venda destes dois pavilhões dá início a uma fase de gestão do processo de transferência de instalações definido pela Direcção do INEGI. O Professor Jorge Lino, Vice-presidente da Direcção do Instituto, adianta que a venda do actual património do INEGI será conduzida de forma equilibrada e, sempre, acompanhando a construção das novas instalações. Colocar estes dois pavilhões à venda é o primeiro passo e, dentro em breve, esperamos colocar outros pavilhões no mercado. Os interessados devem contactar a Direcção do INEGI através do ou do Instituto cria área reservada à PUBLICAÇÃO DE LIVROS TÉCNICOS NA INTERNET Edições INEGI podem ser consultadas e adquiridas on-line através da opção Publicações do site do Instituto. Lognorte - Logística nas empresas da Região Norte ou Tecnologia Mecânica Vol. 1 - Corte em Ferramenta são alguns dos livros que podem ser adquiridos. Está a ser programada, para breve, a edição de novos livros. INTERNACIONALIZAÇÃO O Professor Paulo Tavares de Castro deslocou-se aos Estados Unidos da América, Anaheim LA, entre 12 de 18 de Novembro de 2004, para participar no ASME - American Society of Mechanical Engineers, 2004 Mechanical Engineering Congress and RD&D Expo. Os objectivos da deslocação foram o aumento dos contactos e a participação no MEDH Mechanical Engineering Department Heads Forum. O RisØ National Laboratory de Copenhaga, Dinamarca, foi visitado pelo Professor Pedro Camanho, entre 29 de Novembro e 2 de Dezembro de 2004, no âmbito do Workshop on Fracture Mechanics for Composite Materials, onde viria a fazer uma apresentação sobre o trabalho que tem sido desenvolvido no INEGI na área em questão. Os Professores Augusto Barata da Rocha e Jorge Lino participaram na 12th Scientific Conference on Engineering and Architecture, que decorreu em Cuba, entre 25 de Novembro e 3 de Dezembro de 2004, onde apresentaram um artigo e visitaram o Instituto Superior Politécnico José António Echeverria, ao qual ofereceram diversos livros das edições INEGI e de Professores do DEMEGI. A EUROMOLD 2004, uma das maiores feiras de moldes a nível mundial, que decorreu entre 2 e 5 de Dezembro de 2004, em Frankfurt, Alemanha, foi visitada pelo Engenheiro Bártolo Paiva. O objectivo da visita foi entrar em contacto com a indústria dos moldes e acompanhar a evolução de novas tecnologias. O Professor Carlos Tavares de Pinho deslocou-se ao Rio de Janeiro, Brasil, de 24 de Novembro a 9 de Dezembro de 2004, para participar no ENCIT 2004 Encontro Nacional de Ciências Técnicas onde apresentaria duas comunicações. De 6 a 8 de Dezembro, Singapura acolheu mais uma edição da PFAM Thirteenth Internacional Conference on Processing and Fabrication on Advanced Materials. O Professor Jorge Lino marcou presença na PFAM onde viria a apresentar um artigo sobre o projecto FARAF. Também em Singapura, mas de 13 a 21 de Dezembro de 2004, estiveram os colaboradores Pedro Martins e Carla Roque, do CEMACOM, para participar e apresentar um artigo no ICCM

7 INEGI desenvolve sistema dinâmico de cálculo de necessidades energéticas para aquecimento a ser implementado pelas empresas de distribuição de Gás Natural. Aquecimento O INEGI encontra-se a desenvolver, a pedido da ADENE - Agência para a Energia e da Galp Gás (Distribuição de Gás Natural), um sistema dinâmico de cálculo de necessidades energéticas de aquecimento e Água quente sanitária (AQS). Trata-se de uma ferramenta, baseada em tecnologia WEB, que permite determinar, de forma expedita, as necessidades térmicas de aquecimento, e AQS, de habitações do tipo multi-familiar e/ou uni-familiar. A definição de todo o edifício, ou habitação, assim como o tipo de sistema de aquecimento é intuitivo, e o utilizador tem apenas que optar pelas diferentes soluções alternativas propostas pelo sistema. A ferramenta permite que um utilizador comum, consiga, de forma simples, preencher uma lista de questões com que é confrontado, sempre com opções de múltipla escolha e de fácil identificação. Nesta tarefa, o utilizador é convidado a preencher um conjunto de informação que o leva a uma solução energética final, e provavelmente, mais económica do que a actual. Esta ferramenta pode, no entanto, ser utilizada de forma mais rigorosa, para os casos em que o preenchimento das diferentes questões é efectuado por alguém mais experiente e que consegue identificar os elementos base para uma correcta análise energética. O sistema, para além de fornecer ao utilizador os valores dos consumos energéticos da sua habitação e a estimativa dos custos mensais para aquecimento, permite-lhe ainda comparar o seu actual sistema de aquecimento, com soluções alternativas, em que pode alterar o tipo de caldeira, o tipo de combustível e os níveis de conforto de que pretende usufruir, obtendo como resultado final um conjunto de soluções, que lhe permite identificar qual a mais económica. projectos INEGI E EURISKO AJUDAM A IMPLEMENTAR PLATAFORMA LOGÍSTICA EM CHAVES O estudo de mercado que o INEGI e a EURISKO estão a desenvolver tem como objectivo definir os circuitos de tráfego das mercadorias a movimentar nas plataformas logísticas de Chaves e do Salnés e a inventariação do tipo e características das mercadorias transportadas, assegurando um planeamento eficaz de desenvolvimento regional. Este estudo encontra-se inserido no Programa Comunitário Transfronteiriço INTERREG que prevê para a euroregião Norte de Portugal - Galiza, investimentos na ordem dos 300 milhões de euros e a criação de cerca de 12 mil postos de trabalho. O INEGI, através da Unidade de Mercados e Negócios, participa como parceiro da EURISKO num estudo que tem como finalidade fazer um levantamento das necessidades que a instalação de plataformas logísticas exigem. Com os resultados finais do estudo pretendem-se encontrar as soluções ideais para o bom funcionamento das plataformas logísticas de Chaves e Salnés, rentabilizando ao máximo as suas localizações e criando as condições necessárias que possibilitem a implementação de um mercado conjunto. Para Sílvia Esteves da UMN, o que se pretende com este estudo é torná-lo num projecto inovador, que seja capaz de assegurar um planeamento e desenvolvimento regional e um crescimento económico efectivo. Para que isso seja possível terão que ser desenvolvidas soluções onde a introdução de valor na actividade das empresas deve ser vista como uma prioridade em termos estratégicos, revela esta colaboradora da UMN. Situada perto de um nó do IP3, a sensivelmente oito quilómetros da rede de auto-estradas espanhola, a Plataforma Logística de Chaves terá uma localização geográfica privilegiada, ficando a cerca de duas horas de viagem dos portos de Leixões e Vigo, e cerca de seis horas das cidades de Lisboa, Madrid. Este projecto está integrado no Programa Comunitário Transfronteiriço INTERREG que prevê, para a euroregião Norte de Portugal - Galiza, investimentos na ordem dos 300 milhões de euros. Segundo estudos de âmbito social e económico serão criados cerca de 12 mil postos de trabalho na região. Numa zona em claro desenvolvimento a Plataforma 1 - Parque de actividades 2 - Mercado abastecedor 3 - Plataforma logística Logística de Chaves, a par da sua congénere de Salnés, irá assumir um papel preponderante em termos de distribuição de produtos, com claros benefícios sócioeconómicos, pelo que o seu funcionamento terá que ser o mais eficaz possível. Nesse sentido, o estudo que a EURISKO e o INEGI estão a desenvolver assume real importância, pois permitirá criar as condições necessárias para esse funcionamento eficaz. 7

8 breves INEGI COMEMOROU 19 ANOS DE IDADE Gabinete de Formação Profissional do INEGI d o Entidade forma r a acred i ta d a inofor A Unidade de Formação do INEGI é uma entidade devidamente acreditada pelo INOFOR. Nos últimos meses, foi alvo de uma profunda reestruturação, dando início a uma nova etapa e aposta do Instituto na área da formação. Actualmente, o INEGI realiza acções de formação à medida das empresas, disponibilizando cursos especializados com uma componente no ramo da Engenharia Mecânica e Gestão Industrial muito marcante e que preenchem algumas das insuficiências do mercado, tais como: No passado dia 20 de Janeiro o Instituto celebrou o seu décimo nono aniversário. A Direcção do INEGI, através do seu Presidente, Professor Augusto Barata da Rocha, aproveitou a ocasião para comunicar aos seus colaboradores a aprovação do financiamento para a construção do novo edifício. Notícia essa que seria recebida por todos com enorme satisfação. Como manda a tradição, a cada aniversário o INEGI oferece aos colaboradores que atingem dez anos de dedicação ao Instituto uma lembrança, cabendo a distinção a António Amador (UICI) e Armanda Marques (CETECOFF). Seguiu-se o já habitual cocktail com todos a aproveitarem o momento para conviverem. CURSO DE TRABALHO DE METAIS Coordenador: Professor A. Barata da Rocha 48 horas CURSO DE GESTÃO DA PRODUÇÃO Coordenador: Professor José Barros Basto 100 horas CURSO DE FORMAÇÃO EM DESENHO DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA Coordenador: Eng. José António Almacinha 16 ou 50 horas DESTINATÁRIOS: Colaboradores ou intervenientes activos na empresa. CURSO DE FORMAÇÃO EM PROTOTIPAGEM RÁPIDA, TECNOLOGIAS DE CONVERSÃO E FABRICO RÁPIDO DE FERRAMENTAS Coordenador: Professor Jorge Lino CURSO DE FORMAÇÃO EM MATERIAIS Coordenador: Professor Jorge Lino LOCAL DE FORMAÇÃO: Empresa 42 horas 138 horas OBJECTIVO: Concepção e produção de conteúdos específicos, em função das necessidades de determinada organização e da população alvo da acção de formação. Trata-se basicamente de cursos com uma parte escolar que assenta numa abordagem teórica inicial dos vários temas, seguida de uma componente teórico-prática. INEGI volta a participar na Mostra da UP e na Semana Aberta da FEUP incluído nas actividades do DEMEGI Se pretender receber o nosso Boletim Informativo, envie a sua solicitação por para: A III edição da Mostra de Ciência, Ensino e Inovação da Universidade do Porto (UP) decorrerá, de 21 a 24 de Abril, no Pavilhão Rosa Mota, à semelhança do que havia sucedido na edição anterior. O INEGI volta a participar na edição deste ano e uma vez mais como Unidade de Investigação procurando, da melhor forma possível, dar a conhecer a sua actividade. Relativamente à Semana Aberta da Faculdade de Engenharia (FEUP), que irá decorrer entre 28 de Fevereiro e 04 de Março, o INEGI mostrou-se, como sempre, receptivo a receber todos os que demonstrarem interesse em visitar os seus laboratórios. Por outro lado, o INEGI colaborará com o Departamento de Engenharia Mecânica e Gestão Industrial (DEMEGI) da FEUP fornecendo vários protótipos desenvolvidos pelo Instituto ou em colaboração com o DEMEGI. FICHA TÉCNICA SEDE: RUA DO BARROCO, Nº174, Leça do Balio Tel.: Fax: Site: PROPRIEDADE: INEGI DIRECTOR: ENG. JORGE LINO COORDENAÇÃO E DIRECÇÃO: ENG. JORGE LINO / JORGE BALDAIA EDIÇÃO: INEGI DESIGN: INEGI COMPOSIÇÃO GRÁFICA: ANGELA ANDRADE GESTÃO EDITORIAL: JORGE BALDAIA DISTRIBUIÇÃO: INEGI PERIODICIDADE: TRIMESTRAL TIRAGEM:

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO MUNICIPIO DE MANTEIGAS E NERGA NÚCLEO EMPRESARIAL DA REGIÃO DA GUARDA ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO MUNICIPIO DE MANTEIGAS E NERGA NÚCLEO EMPRESARIAL DA REGIÃO DA GUARDA ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO MUNICIPIO DE MANTEIGAS E NERGA NÚCLEO EMPRESARIAL DA REGIÃO DA GUARDA ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL Considerando: Que o NERGA é uma Pessoa Coletiva de Utilidade Pública que, tem como objetivo

Leia mais

O Sistema de Gestão de Responsabilidade Social

O Sistema de Gestão de Responsabilidade Social Securitas Portugal O Sistema de Gestão de Responsabilidade Social Agosto de 2016 1 O Sistema de Gestão da Responsabilidade Social A SECURITAS desenvolveu e implementou um Sistema de Gestão de aspetos de

Leia mais

Guia Metodológico do Utilizador dos

Guia Metodológico do Utilizador dos Guia Metodológico do Utilizador dos Produtos @Risco Projecto desenvolvido por: Co-financiado por: O Projecto @Risco é co financiado pela Agência Europeia para a Segurança e Saúde no Trabalho e é desenvolvido

Leia mais

Regulamento específico Assistência Técnica FEDER

Regulamento específico Assistência Técnica FEDER Regulamento específico Assistência Técnica FEDER Capítulo I Âmbito Artigo 1.º Objecto O presente regulamento define o regime de acesso aos apoios concedidos pelo Programa Operacional de Assistência Técnica

Leia mais

Sistemas de Incentivos do QREN

Sistemas de Incentivos do QREN Sistemas de Incentivos do QREN Sistemas de Incentivos do QREN 1. Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME 2. Sistema de Incentivos à Inovação 3. Sistema de Incentivos à Investigação

Leia mais

INSTITUTO DE FORMAÇÃO PARA O COMÉRCIO, TURISMO E SERVIÇOS

INSTITUTO DE FORMAÇÃO PARA O COMÉRCIO, TURISMO E SERVIÇOS INSTITUTO DE FORMAÇÃO PARA O COMÉRCIO, TURISMO E SERVIÇOS ACTO FUNDACIONAL Acordo entre a: Associação Comercial de Braga Comércio, Turismo e Serviços; Casa Santos de Vila Verde; Instituto de Negociação

Leia mais

O Processo de Certificação do Sistema de Gestão da Inovação, Desenvolvimento e Inovação (IDI) NP 4457:2007

O Processo de Certificação do Sistema de Gestão da Inovação, Desenvolvimento e Inovação (IDI) NP 4457:2007 O Processo de Certificação do Sistema de Gestão da Inovação, Desenvolvimento e Inovação (IDI) NP 4457:2007 Aveiro 21 de Abril de 2010 Rita Cunha-Porto rita.porto@apcer.pt Agenda Apresentação APCER O papel

Leia mais

CEVALOR. AEP Seminário. 02 de Abril de 2008 CEVALOR. Breves reflexões sobre a GRH

CEVALOR. AEP Seminário. 02 de Abril de 2008 CEVALOR. Breves reflexões sobre a GRH AEP Seminário 02 de Abril de 2008 Breves reflexões sobre a GRH - Programas de desenvolvimento dos recursos humanos não estão interligados com a estratégia - Recursos Humanos geridos como centros de custo

Leia mais

Formação sobre Normalização para Comissões Técnicas. Modulo 2 A Normalização em Portugal: Estrutura, organização e funcionamento

Formação sobre Normalização para Comissões Técnicas. Modulo 2 A Normalização em Portugal: Estrutura, organização e funcionamento Formação sobre Normalização para Comissões Técnicas Modulo 2 A Normalização em Portugal: Estrutura, organização e funcionamento Objetivos do módulo 1. Conhecer as principais competências e responsabilidades

Leia mais

Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa

Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa I. INTRODUÇÃO A orientação para a qualidade deve constituir um pressuposto fundamental na actividade das entidades formadoras, traduzida na

Leia mais

Evento EDIFÍCIOS BALANÇO. Rumo ao Impacte Nulo da Construção e Reabilitação nas Cidades. 22 Novembro Museu das Comunicações.

Evento EDIFÍCIOS BALANÇO. Rumo ao Impacte Nulo da Construção e Reabilitação nas Cidades. 22 Novembro Museu das Comunicações. Evento EDIFÍCIOS BALANÇO Rumo ao Impacte Nulo da Construção e Reabilitação nas Cidades PARTICIPE 22 Novembro 2011 Museu das Comunicações Lisboa ORGANIZAÇÃO UMA PUBLICAÇÃO APOIO APRESENTAÇÃO A conferência

Leia mais

PROGRAMA ELEITORAL LISTA A

PROGRAMA ELEITORAL LISTA A PROGRAMA ELEITORAL 2011-2012 LISTA A ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. RELAÇÕES COM OUTROS ORGANISMOS 3. FORMAÇÃO 4. JANTARES-DEBATES E CONFERÊNCIAS 5. ANGARIAÇÃO E RETENÇÃO DE ASSOCIADOS 2 1. INTRODUÇÃO A Lista

Leia mais

Inquérito de avaliação. Nível de satisfação dos utentes dos sistemas de qualificação relacionados com o desempenho ambiental das organizações

Inquérito de avaliação. Nível de satisfação dos utentes dos sistemas de qualificação relacionados com o desempenho ambiental das organizações Inquérito de avaliação Nível de satisfação dos utentes dos sistemas de qualificação relacionados com o desempenho ambiental das organizações Relatório Amadora Dezembro 2011 Inquérito de avaliação»1 Ficha

Leia mais

Exmo. Sr. Ministro da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento, Uma primeira palavra de boas-vindas à Universidade de Aveiro, e de

Exmo. Sr. Ministro da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento, Uma primeira palavra de boas-vindas à Universidade de Aveiro, e de Exmo. Sr. Ministro da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento, Exmo. Sr. Secretário de Estado da Energia e da Inovação, Exmo. Sr. Director Geral da Agência para a Energia, Caros membros da Comunidade

Leia mais

Universidade de Aveiro 2010/02/05

Universidade de Aveiro 2010/02/05 Universidade de Aveiro 2010/02/05 Conteúdo - Apresentação da empresa - Porquê a certificação em NP 4457:2007? - Contexto para a certificação - Processo de implementação - Factores críticos de sucesso visão.c

Leia mais

O projecto Potencial C inclui ainda um número limitado de actividades a decorrer fora do país. Objectivos:

O projecto Potencial C inclui ainda um número limitado de actividades a decorrer fora do país. Objectivos: O projecto Potencial C é uma iniciativa da Agência INOVA e é constituído por um conjunto integrado e abrangente de actividades que, ao longo de 24 meses, procurará estimular a criação de empresas no âmbito

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO, DO ANO DE 2005

PLANO DE ACÇÃO, DO ANO DE 2005 PLANO DE ACÇÃO, DO ANO DE 2005 O ano de 2005 é o último ano de vigência do I Plano Estratégico para o Desenvolvimento da. Assim sendo, este Plano de Acção constitui, de certa forma, o encerrar de um ciclo

Leia mais

GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL. Experiência da Direcção Regional do Comércio, Indústria e Energia

GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL. Experiência da Direcção Regional do Comércio, Indústria e Energia GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL Experiência da Direcção Regional do Comércio, Indústria e Energia Isabel Catarina Abreu Rodrigues Conselho Regional para a Modernização Administrativa 19 de Outubro de 2005

Leia mais

ESPANHA Mercado Um parceiro de confiança /

ESPANHA Mercado Um parceiro de confiança / Mercado 1º cliente (25% de quota) e 1º fornecedor (cerca de 33%) Mais de 6.000 empresas portuguesas exportam para Espanha Portugal é o 5º cliente de Espanha (7%) e 8º fornecedor (quase 4%) Espanha vende

Leia mais

Visita a Portugal do importador Skosiden

Visita a Portugal do importador Skosiden Visita a Portugal do importador Skosiden Calçado Dinamarca 6 e 7 de Maio de 2013 Enquadramento Portugal é o 2º fornecedor de calçado à Dinamarca para onde exporta anualmente cerca de 40 milhões de euros.

Leia mais

1. A CMVM O QUE É A CMVM?

1. A CMVM O QUE É A CMVM? 1.. A CMVM 1. A CMVM O QUE É A CMVM? A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários - também conhecida pelas iniciais CMVM - foi criada em Abril de 1991 com a missão de supervisionar e regular os mercados

Leia mais

INTRODUÇÃO. COMO FAZER O HACCP FUNCIONAR REALMENTE NA PRÁTICA* Sara Mortimore PREPARAÇÃO E PLANEAMENTO ETAPA 1 INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO. COMO FAZER O HACCP FUNCIONAR REALMENTE NA PRÁTICA* Sara Mortimore PREPARAÇÃO E PLANEAMENTO ETAPA 1 INTRODUÇÃO ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE COIMBRA MESTRADO EM ENGENHARIA ALIMENTAR SEGURANÇA ALIMENTAR INTRODUÇÃO Sistema de controlo simples e lógico COMO FAZER O FUNCIONAR REALMENTE NA PRÁTICA* Sara Mortimore Ana Santos,

Leia mais

REGULAMENTO DO GABINETE DE GESTÃO DA QUALIDADE DA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA

REGULAMENTO DO GABINETE DE GESTÃO DA QUALIDADE DA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA REGULAMENTO DO GABINETE DE GESTÃO DA QUALIDADE DA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA A integração no espaço europeu de ensino superior das instituições académicas portuguesas trouxe consigo a necessidade de adoptar

Leia mais

A autoavaliação é o processo em que a escola é capaz de olhar criticamente para si mesma com a finalidade de melhorar o seu desempenho.

A autoavaliação é o processo em que a escola é capaz de olhar criticamente para si mesma com a finalidade de melhorar o seu desempenho. A autoavaliação é o processo em que a escola é capaz de olhar criticamente para si mesma com a finalidade de melhorar o seu desempenho. Finalidades Identificar pontos fortes e fracos e oportunidades de

Leia mais

Sistema de apoio à compensação dos custos das empresas da Região Autónoma da Madeira- Funcionamento 2020

Sistema de apoio à compensação dos custos das empresas da Região Autónoma da Madeira- Funcionamento 2020 FICHA TÉCNICA FUNCIONAMENTO 2020 Sistema de apoio à compensação dos custos das empresas da Região Autónoma da Madeira- Funcionamento 2020 Objetivo Este sistema de incentivos tem por alvo direto as micro,

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ANEXO II AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO. Identificação do avaliado

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ANEXO II AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO. Identificação do avaliado ANEXO II AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO Identificação do avaliado Nome Categoria profissional actual Anos de serviço no ensino superior Anos de serviço na Unidade

Leia mais

Workshop sobre Inclusão e Formação Financeira com Bancos Centrais dos Países de Língua Portuguesa

Workshop sobre Inclusão e Formação Financeira com Bancos Centrais dos Países de Língua Portuguesa Workshop sobre Inclusão e Formação Financeira com Bancos Centrais dos Países de Língua Portuguesa Estratégia para a formação financeira Susana Narciso Departamento de Supervisão Comportamental 11 de julho

Leia mais

PERGUNTAS & RESPOSTAS

PERGUNTAS & RESPOSTAS PERGUNTAS & RESPOSTAS O presente documento inclui um conjunto de perguntas e respostas sobre Formação de Peritos Qualificados no âmbito do Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do

Leia mais

Certificação ISO

Certificação ISO Sistema de Gestão Ambiental SGA Certificação ISO 14.000 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento das Boas Práticas, das Normas e da Legislação

Leia mais

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA Este documento visa dar corpo á orgânica dos serviços da Santa Casa, ou seja, definir competências, hierarquias e formas de actuação. Como a Santa Casa da Póvoa de Santo

Leia mais

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ)

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ) Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ) 1 Índice I Disposições Legais... 3 Artigo 1º - Objecto e âmbito de aplicação... 3 II Modelo Organizacional... 3 Artigo 2º - Definição

Leia mais

Rua Comendador Raínho, 1192, S. João da Madeira Tlf.: / 234 Fax:

Rua Comendador Raínho, 1192, S. João da Madeira Tlf.: / 234 Fax: 1 Negócios & Empreendedorismo Gestão de Redes de Comercialização - amrconsult 2010 2 1- Consultoria em Consultoria em : Um modelo ou sistema de desenvolvimento de negócios em parceria, através do qual

Leia mais

REGULAMENTO 1º CONCURSO DE PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS EMPRESARIAIS

REGULAMENTO 1º CONCURSO DE PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS EMPRESARIAIS REGULAMENTO 1º CONCURSO DE PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO DO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS EMPRESARIAIS 1. Âmbito O presente Regulamento visa definir as condições de acesso e financiamento a projectos

Leia mais

PROPOSTA DE MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE A UNYLEYA - EDUCAÇÃO EFORMAÇÃO A DISTÂNCIA, SA E O INSTITUTO NACIONAL DE ADMINISTRAÇÃO, I.P.

PROPOSTA DE MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE A UNYLEYA - EDUCAÇÃO EFORMAÇÃO A DISTÂNCIA, SA E O INSTITUTO NACIONAL DE ADMINISTRAÇÃO, I.P. , ~.> ~.) I INSTITUTO NACIONAL -l.l.í!sj DE ADMINISTRAÇÃO. I-p. PROPOSTA DE MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE A UNYLEYA - EDUCAÇÃO EFORMAÇÃO A DISTÂNCIA, SA E O INSTITUTO NACIONAL DE ADMINISTRAÇÃO, I.P.

Leia mais

ANÚNCIO PARA PARTICIPAÇÃO NO LEVANTAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DA REDE DE INFRAESTRUTURAS TECNOLÓGICAS

ANÚNCIO PARA PARTICIPAÇÃO NO LEVANTAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DA REDE DE INFRAESTRUTURAS TECNOLÓGICAS ANÚNCIO PARA PARTICIPAÇÃO NO LEVANTAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DA REDE DE INFRAESTRUTURAS TECNOLÓGICAS PROCESSO DE MAPEAMENTO DAS INFRAESTRUTURAS TECNOLÓGICAS NACIONAIS 9 de agosto de 2016 Página 1 de 6 Índice

Leia mais

PRÉMIO STARTUP a) Pessoas singulares, individualmente ou em grupo,

PRÉMIO STARTUP a) Pessoas singulares, individualmente ou em grupo, PRÉMIO STARTUP 2017 1. OBJETIVO 1.1. Este concurso destina se a seleccionar ideias empreendedoras, ligadas ao sector da veterinária, que demonstrem ter aplicabilidade empresarial, em torno da qual se possa

Leia mais

Regulamento de Cooperação CAPÍTULO I. Da Natureza, Objecto e Objectivos da RBA. Artigo 1º. Natureza. Artigo 2º. Objecto. Artigo 3º.

Regulamento de Cooperação CAPÍTULO I. Da Natureza, Objecto e Objectivos da RBA. Artigo 1º. Natureza. Artigo 2º. Objecto. Artigo 3º. Regulamento de Cooperação A rede de Bibliotecas de Arraiolos adiante designada RBA, foi criada pelo acordo de cooperação número oitenta e cinco de dois mil e onze e pelo protocolo assinado entre a Câmara

Leia mais

Regulamento. Modelo de Intervenção Integrada do Concelho de Ourique (MII)

Regulamento. Modelo de Intervenção Integrada do Concelho de Ourique (MII) Regulamento Modelo de Intervenção Integrada do Concelho de Ourique (MII) Regulamento Modelo de Intervenção Integrada Nota justificativa O Modelo de Intervenção Integrada surge no âmbito da Rede Social,

Leia mais

PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO

PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 18 / SI / 2009 SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO (SI INOVAÇÃO) REFERENCIAL EMPRESAS DE SERVIÇOS DE ENERGIA (ESCO) PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO 1.

Leia mais

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis Paula Trindade LNEG Conferência Compras Públicas Sustentáveis LNEG, 25 Março 2010 Muitas organizações têm experiências em compras sustentáveis! Mas sem

Leia mais

Sistema de Gestão da Prevenção em

Sistema de Gestão da Prevenção em Sistema de Gestão da Prevenção em SST Trabalho realizado por: André Andrade nº18990 Curso: Engenharia do Ambiente Data: 29/10/2008 Disciplina: PARP Índice Introdução... 3 Sistema de gestão da prevenção

Leia mais

1ª Sessão de trabalho 21 Novembro Castro Verde

1ª Sessão de trabalho 21 Novembro Castro Verde 1ª Sessão de trabalho 21 Novembro 2012 - Castro Verde No âmbito do Projecto Capacitação de explorações agrícolas para a certificação de sustentabilidade Apresentação: Normalização e Certificação: Noções

Leia mais

Medida de apoio à inovação

Medida de apoio à inovação Medida de apoio à inovação Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020 Maria Pedro Silva Organização: Apoio Institucional: Grupos Crescimento Valor Acrescentado Rentabilidade Económica Inovação Capacitação

Leia mais

MUDE PARA UMA NOVA EMPRESA, A SUA! APOSTE NA FORMAÇÃO!

MUDE PARA UMA NOVA EMPRESA, A SUA! APOSTE NA FORMAÇÃO! MUDE PARA UMA NOVA EMPRESA, A SUA! APOSTE NA FORMAÇÃO! IPN - INSTITUTO PEDRO NUNES APRESENTAÇÃO Criado em 1991, por iniciativa da Faculdade de Ciências e Tecnologias da Universidade de Coimbra, o Instituto

Leia mais

Água Quente Solar para PORTUGAL. Helder Gonçalves Presidente da ADENE

Água Quente Solar para PORTUGAL. Helder Gonçalves Presidente da ADENE Água Quente Solar para PORTUGAL Helder Gonçalves Presidente da ADENE O Programa E4, apresentado no ano passado pelo Ministério da Economia inclui explicitamente uma iniciativa de promoção da energia solar

Leia mais

Projecto Vitalidade XXI. FIPA Federação das Indústrias Agro-Alimentares. Conclusões do estudo. A Indústria Alimentar e os Estilos de Vida Saudáveis

Projecto Vitalidade XXI. FIPA Federação das Indústrias Agro-Alimentares. Conclusões do estudo. A Indústria Alimentar e os Estilos de Vida Saudáveis Projecto Vitalidade XXI FIPA Federação das Indústrias Agro-Alimentares Conclusões do estudo A Indústria Alimentar e os Estilos de Vida Saudáveis A Percepção das Partes Interessadas e Apresentação dos compromissos

Leia mais

CENTRO DE INVESTIGAÇÃO DO CHL MAPA DE REVISÕES REGULAMENTO. Destinatários. Data Palavras-Chave: REGULAMENTO; INVESTIGAÇÃO

CENTRO DE INVESTIGAÇÃO DO CHL MAPA DE REVISÕES REGULAMENTO. Destinatários. Data Palavras-Chave: REGULAMENTO; INVESTIGAÇÃO Palavras-Chave: REGULAMENTO; INVESTIGAÇÃO Destinatários Todos Profissionais do CHL Elaboração Centro de Investigação do CHL Aprovação Conselho de Administração Assinatura (s) Responsável (eis) pela Aprovação

Leia mais

PROTOCOLO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

PROTOCOLO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PROTOCOLO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Entre: APAVT - Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo, com sede em Lisboa, na Rua Duque de Palmela, 2-1º Dtº, pessoa colectiva n.º 500910839, adiante

Leia mais

OBJECTIVOS U.PORTO 2010

OBJECTIVOS U.PORTO 2010 OBJECTIVOS U.PORTO 2010 Durante o ano de 2009 foi publicada ou entrou em vigor vária legislação que introduziu inúmeras alterações às disposições legais que enformam a actividade da U.Porto (LVCR, acreditação

Leia mais

EESTÁGIO PROFISSIONAL

EESTÁGIO PROFISSIONAL CAPÍTULO I Artigo 1.º Regime aplicável 1. O presente regulamento refere-se aos procedimentos de regulação do Estágio do 1.º ano do ramo de Design, da licenciatura do Curso de Arte e Design da Escola Superior

Leia mais

Programa Nacional de Juventude

Programa Nacional de Juventude Programa Nacional de Juventude O Programa Nacional de Juventude, que hoje se apresenta, tem o seu enquadramento no Programa do XVII Governo Constitucional e nas Grandes Opções do Plano, e acolhe as prioridades

Leia mais

A Informação Empresarial Simplificada (IES)

A Informação Empresarial Simplificada (IES) A Informação Empresarial Simplificada (IES) - 2011 Os novos formulários da Informação Empresarial Simplificada (IES) / Declaração Anual de Informação Contabilística e Fiscal só agora ficaram disponíveis

Leia mais

Agenda Factores de Competitividade

Agenda Factores de Competitividade QREN Agenda Factores de Competitividade 12 Novembro 07 1 Objectivos desenvolvimento de uma economia baseada no conhecimento e na inovação; incremento da produção transaccionável e de uma maior orientação

Leia mais

Critérios de Mérito. Critério Sub critério Descrição e regras de avaliação Pontuação CRITÉRIOS QUALITATIVOS

Critérios de Mérito. Critério Sub critério Descrição e regras de avaliação Pontuação CRITÉRIOS QUALITATIVOS Critérios de Selecção A fim de assegurar um nível mínimo de qualidade das candidaturas, os candidatos seleccionados têm de pontuar pelo menos 30 pontos nos critérios qualitativos, sob pena de exclusão.

Leia mais

Plano de Actividades e Orçamento 2010

Plano de Actividades e Orçamento 2010 Plano de Actividades e Orçamento 2010 1 2 1. Missão A CooLabora é uma cooperativa de consultoria e intervenção social criada em 2008. Tem por missão contribuir para a inovação social no desenvolvimento

Leia mais

Comissão Nacional de Ciência e Tecnologia Combate à Desertificação

Comissão Nacional de Ciência e Tecnologia Combate à Desertificação Comissão Nacional de Ciência e Tecnologia Combate à Desertificação Maria José Roxo O papel do Comité de Ciência e Tecnologia Estabelecido pelo artigo 24 da Convenção Mandato e termos de referência adoptados

Leia mais

REGULAMENTOS ESPECÍFICOS

REGULAMENTOS ESPECÍFICOS Programa Operacional Factores de Competitividade Deliberações CMC POFC: 16/07/2008 Assistência Técnica do POFC Entrada em vigor DA ÚLTIMA ALTERAÇÃO em 17/07/2008 Artigo 1.º Objecto O presente regulamento

Leia mais

QUALIDADE, HIGIENE E SEGURANÇA ALIMENTAR

QUALIDADE, HIGIENE E SEGURANÇA ALIMENTAR Quem Somos QUEM SOMOS A Bioqual é uma empresa especializada em Qualidade, Higiene e Segurança Alimentar. Presente em todo o país através de uma rede de escritórios, com consultores especializados e experiência

Leia mais

O papel da AICEP nas Feiras Internacionais. 20 de fevereiro de 2013

O papel da AICEP nas Feiras Internacionais. 20 de fevereiro de 2013 O papel da AICEP nas Feiras Internacionais 20 de fevereiro de 2013 Tópicos da apresentação 1. Feiras Internacionais no contexto da globalização 2. Papel da AICEP nas feiras internacionais 2.1 Organização

Leia mais

Projecto Jovens anos

Projecto Jovens anos Projecto Jovens 18-24 anos Introdução Os jovens 18/24 anos - constituem o grupo etário com maior índice de sinistralidade rodoviária. Na realidade, constituíram entre 2003 e 2007, 16.0% dos mortos e 18.7%

Leia mais

PortugalFoods - Pólo de Competitividade e Tecnologia Agro-Alimentar. ALTO MINHO Desafio Isabel Braga da Cruz

PortugalFoods - Pólo de Competitividade e Tecnologia Agro-Alimentar. ALTO MINHO Desafio Isabel Braga da Cruz PortugalFoods - Pólo de Competitividade e Tecnologia Agro-Alimentar ALTO MINHO Desafio 2020 Isabel Braga da Cruz Vila Nova de Cerveira, 19 de Abril 2012 O Pólo de Competitividade e Tecnologia Agro-Alimentar

Leia mais

História das juniores empresas

História das juniores empresas História das juniores empresas A primeira Júnior Empresa surgiu na ESSEC (L'Ecole Empresarial Supérieure des Sciences Economiques et Commerciales de Paris) no ano de 1967, na FRANÇA em PARIS. Os alunos

Leia mais

PROJECTOS DE I&DT EMPRESAS INDIVIDUAIS

PROJECTOS DE I&DT EMPRESAS INDIVIDUAIS AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 32 / SI / 2009 SISTEMA DE INCENTIVOS À INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO (SI I&DT) PROJECTOS DE I&DT EMPRESAS INDIVIDUAIS Nos termos do Regulamento do

Leia mais

ANEXO IV MAPA DE INICIATIVAS / ACÇÕES

ANEXO IV MAPA DE INICIATIVAS / ACÇÕES MAPA DE S / 01. Dotar os responsáveis pela gestão escolar de formação técnica em Balanced Scorecard; 01.1. Dotar os Orgãos de Gestão de formação em BSC. Acção 1. Sensibilizar os órgãos de gestão para a

Leia mais

CARTA de MISSÃO 1. MISSÃO

CARTA de MISSÃO 1. MISSÃO CARTA de MISSÃO 1. MISSÃO Através da Resolução do Conselho de Ministros n.º 52-A/2015, de 23 de julho, o Governo criou a estrutura de missão designada por Estrutura de Gestão do Instrumento Financeiro

Leia mais

Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas. Plano de acção Nota introdutória

Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas. Plano de acção Nota introdutória Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas Plano de acção 2009-2013 Nota introdutória O plano de acção é um documento orientador onde se conceptualizam e descrevem as metas a atingir num período

Leia mais

Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais

Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais A. ENQUADRAMENTO GERAL 1. O CRL foi criado, no seguimento de acordos de concertação social, para apoio técnico à negociação coletiva. É um organismo

Leia mais

Rede europeia de apoio à inovação e à internacionalização de empresas: mais inovação, mais internacionalização, mais crescimento

Rede europeia de apoio à inovação e à internacionalização de empresas: mais inovação, mais internacionalização, mais crescimento Rede europeia de apoio à inovação e à internacionalização de empresas: mais inovação, mais internacionalização, mais crescimento Lisboa, 7 Julho 2016 Enterprise Europe Network Lançada em 2008 no âmbito

Leia mais

Estágio Informático em Contexto Empresarial

Estágio Informático em Contexto Empresarial Instituto Superior Politécnico Gaya Estágio Informático em Contexto Empresarial Engenharia Informática 2009/2010 Objectivos, Funcionamento e Normas de Avaliação da Disciplina de Estágio Informático em

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO E AMBIENTE PLANO DE ESTUDOS

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO E AMBIENTE PLANO DE ESTUDOS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO E AMBIENTE PLANO DE ESTUDOS Componentes de Formação Componente de Formação Sociocultural Português (b) Língua Estrangeira I ou II (c) Área

Leia mais

PRÉMIO INOVAÇÃO INCM - NOVOS PRODUTOS E SERVIÇOS REGULAMENTO

PRÉMIO INOVAÇÃO INCM - NOVOS PRODUTOS E SERVIÇOS REGULAMENTO PRÉMIO INOVAÇÃO INCM - NOVOS PRODUTOS E SERVIÇOS REGULAMENTO Artigo 1.º Âmbito A Imprensa Nacional-Casa da Moeda (INCM) decidiu instituir e promover o prémio Inovação INCM Novos Produtos e Serviços, adiante

Leia mais

J. SAMPAIO & IRMÃO, LDA.

J. SAMPAIO & IRMÃO, LDA. J. SAMPAIO & IRMÃO, LDA. 1 Sector de Actividade: Calçado Actividade Principal: Produção de calçado CEO: Joaquim Carvalho Telefone: +351 255310690 Fax: +351 255310699 E-mail: js@mail.calafe.com Morada:

Leia mais

Apresentação Dezembro 2016

Apresentação Dezembro 2016 Apresentação Dezembro 2016 ÍNDICE o Enquadramento o O Conceito o Missão, Visão e Valores o Objetivos o Plano Estratégico 2020 o Plano de Atividades para 2017 o Principais iniciativas 2 ENQUADRAMENTO POLÍTICAS

Leia mais

A ARTICULAÇÃO ENTRE OS SISTEMAS DE INCENTIVOS E A INOVAÇÃO NAS EMPRESAS

A ARTICULAÇÃO ENTRE OS SISTEMAS DE INCENTIVOS E A INOVAÇÃO NAS EMPRESAS 2012 MAR 06 A ARTICULAÇÃO ENTRE OS SISTEMAS DE INCENTIVOS E A INOVAÇÃO NAS EMPRESAS JOSÉ CARLOS CALDEIRA Administrador executivo PÓLO PRODUTECH Director INESC Porto (jcc@inescporto.pt) INDÚSTRIA TRANFORMADORA

Leia mais

MOBILIDADE DE ESTUDANTES PARA REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL ERASMUS ERASMUS PLACEMENT (SMP) INFORMAÇÕES GERAIS

MOBILIDADE DE ESTUDANTES PARA REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL ERASMUS ERASMUS PLACEMENT (SMP) INFORMAÇÕES GERAIS MOBILIDADE DE ESTUDANTES PARA REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL ERASMUS ERASMUS PLACEMENT (SMP) Estágios Profissionais Erasmus INFORMAÇÕES GERAIS O Erasmus dá a possibilidade aos estudantes do ensino

Leia mais

CTCP projetos QUALIFICAÇÃO FORMAÇÃO PME

CTCP projetos QUALIFICAÇÃO FORMAÇÃO PME CTCP projetos QUALIFICAÇÃO FORMAÇÃO PME PROGRAMA DE FORMAÇÃO E CONSULTORIA NAS PMEs DO CLUSTER DO CALÇADO O Programa Formação PME é constituído por ações de consultoria e de formação ajustadas a micro,

Leia mais

IV CONGRESSO RODOVIÁRIO PORTUGUÊS

IV CONGRESSO RODOVIÁRIO PORTUGUÊS IV CONGRESSO RODOVIÁRIO PORTUGUÊS SINALIZAÇÃO TURÍSTICA DO ALENTEJO João Andrade Santos Estoril, 5 de Abril de 2006 1. Em 1993, um Despacho Normativo do Secretário de Estado do Turismo estabelece apoios

Leia mais

O TRANSPORTE RODOVIÁRIO TENDÊNCIAS ANTÓNIO MOUSINHO

O TRANSPORTE RODOVIÁRIO TENDÊNCIAS ANTÓNIO MOUSINHO O TRANSPORTE RODOVIÁRIO TENDÊNCIAS ANTÓNIO MOUSINHO O TRANSPORTE RODOVIÁRIO NA UE 1. INTRODUÇÃO 2. SITUAÇÃO ACTUAL 3. MOBILIDADE SUSTENTÁVEL 4. TRANSPORTES ENERGIA E AMBIENTE 5. INFRAESTRUTURAS 6. CONCLUSÕES

Leia mais

Europass-Curriculum Vitae

Europass-Curriculum Vitae Europass-Curriculum Vitae Informação pessoal Apelido(s) / Nome(s) próprio(s) Morada Correio(s) electrónico(s) Maria Neves Rua do Passal, Nº 46, 1º D, 9500-096 Ponta Delgada Telemóvel 936602762 / 926592751

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, ENSINO SUPERIOR E TÉCNICO PROFISSIONAL

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, ENSINO SUPERIOR E TÉCNICO PROFISSIONAL REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, ENSINO SUPERIOR E TÉCNICO PROFISSIONAL Síntese do Workshop Nacional sobre o Projecto de Centros de Excelência do Ensino Superior para África

Leia mais

O Sistema HACCP no âmbito da NP EN ISO 9001:2000

O Sistema HACCP no âmbito da NP EN ISO 9001:2000 Instituto Politécnico de Coimbra Escola Superior Agrária de Coimbra Gestão da Qualidade O Sistema HACCP no âmbito da NP EN ISO 9001:2000 O Sistema HACCP Princípios: 1 Identificação dos perigos e análise

Leia mais

CONSULTORIA E FORMAÇÃO

CONSULTORIA E FORMAÇÃO VALOR QUE SE ACRESCENTA! CONSULTORIA E FORMAÇÃO 1. Apresentação A Consultactiva é uma empresa de consultoria e formação, sediada na zona de Torres Vedras, tendo sido fundada em 2009. De acordo com a especificidade

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO Grupo de Trabalho Concelhio [Novembro de 2008] ÍNDICE CAPÍTULO I Da Natureza, Objecto e Objectivos da RBMPC 3 ARTIGO 1.º Natureza 3 ARTIGO 2.º Objecto 4 ARTIGO 3.º Objectivos 4

Leia mais

Incentivos financeiros Portugal 2020

Incentivos financeiros Portugal 2020 Incentivos financeiros Portugal 2020 Lisboa, 08-10-2015 Paulo Carpinteiro Licks & Associados POCI Programa Operacional Competitividade e Internacionalização POSEUR e PORegionais Norte, Centro, LVT, Alentejo,

Leia mais

FUNCIONAMENTO Sistema de apoio à compensação dos custos das empresas da Região Autónoma da Madeira

FUNCIONAMENTO Sistema de apoio à compensação dos custos das empresas da Região Autónoma da Madeira FUNCIONAMENTO 2020 Sistema de apoio à compensação dos custos das empresas da Região Autónoma da Madeira 08-07-2015 PROGRAMA OPERACIONAL MADEIRA 14-20 Eixo Prioritário 1 - Reforçar a investigação, o desenvolvimento

Leia mais

A QUEM INTERESSA ESTE PROCEDIMENTO OPERACIONAL

A QUEM INTERESSA ESTE PROCEDIMENTO OPERACIONAL Pág.: 1 / 8 ÍNDICE 1. OBJECTIVO E ÂMBITO 2. DOCUMENTAÇÃO DE REFERÊNCIA 3. MODO DE PROCEDER 3.1. Introdução 3.2. Recolha de Currículos dos Candidatos 3.3. Organização Interna dos Currículos 3.3.1. Arquivo

Leia mais

Descrição do Curso de Verão

Descrição do Curso de Verão Descrição do Curso de Verão Portugal - 1 de 7 - Introdução O BEST Board of European Students of Technology é uma associação sem fins lucrativos, políticos ou religiosos que reúne estudantes de Engenharia,

Leia mais

CÂMARA HISPANO-PORTUGUESA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA. O seu Aliado no Mercado Ibérico

CÂMARA HISPANO-PORTUGUESA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA. O seu Aliado no Mercado Ibérico CÂMARA HISPANO-PORTUGUESA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA O seu Aliado no Mercado Ibérico A Câmara Hispano Portuguesa de Comércio e Indústria em Espanha (CHP) foi constituída no ano de 1970, como uma organização

Leia mais

Em 2004 foi desenvolvido um conjunto de acções tendo em vista

Em 2004 foi desenvolvido um conjunto de acções tendo em vista Anexo 7 Plano de Comunicação para o QCA Relatório de Execução de 00 Em 00 foi desenvolvido um conjunto de acções tendo em vista a concretização dos objectivos previamente definidas no Plano de Acção de

Leia mais

PARA QUEM? PARA QUÊ? Público-Alvo:

PARA QUEM? PARA QUÊ? Público-Alvo: PARA QUEM? PARA QUÊ? Público-Alvo: O SÁBADOS ACADÉMICOS destina-se aos Jovens que se encontram a frequentar as Escolas do Ensino Médio, em todo o Território Nacional Os candidatos aos SÁBADOS ACADÉMICOS

Leia mais

Em anexo, Ficha de Inscrição e demais condições de participação no Como Vender em Alemanha.

Em anexo, Ficha de Inscrição e demais condições de participação no Como Vender em Alemanha. Assunto: Como Vender em Alemanha Alemanha Sinónimos: Economia, Finanças, Segurança Social, Indústria Pesada, Competitividade, Cultura. Economia de Mercado, a mais importante da Europa, a quarta a nível

Leia mais

Pós-graduação Tecnologia Aeronáutica. Edital 2013/2014

Pós-graduação Tecnologia Aeronáutica. Edital 2013/2014 Pós-graduação Tecnologia Aeronáutica Edital 2013/2014 Setúbal, dezembro de 2012 ENQUADRAMENTO E OBJECTIVOS O curso de Pós-Graduação em Tecnologia Aeronáutica (PGTA) é uma realização da Escola Superior

Leia mais

Concurso de Ideias para a Criação de Empresas EIBTnet

Concurso de Ideias para a Criação de Empresas EIBTnet Regulamento Concurso de Ideias para REGULAMENTO a Criação de Empresas EIBTnet 1 Concurso de Ideias para a Criação de Empresas EIBTnet Artigo 1.º Promotor/Fins/Prazo 1. A NET - Novas Empresas e Tecnologias,

Leia mais

OBJECTIVO ÂMBITO DA CERTIFICAÇÃO INTRODUÇÃO

OBJECTIVO ÂMBITO DA CERTIFICAÇÃO INTRODUÇÃO OBJECTIVO O objectivo deste regulamento é definir os requisitos para integração e manutenção de auditores na bolsa de auditores da Ordem dos Farmacêuticos. ÂMBITO DA CERTIFICAÇÃO Actividades desenvolvidas

Leia mais

I (Comunicações) CONSELHO

I (Comunicações) CONSELHO I (Comunicações) CONSELHO Resolução do Conselho e dos Representantes dos Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, sobre o reconhecimento do valor da aprendizagem não formal e informal no domínio

Leia mais

EDIFÍCIOS BALANÇO. Rumo ao Impacte Nulo da Construção e Reabilitação nas Cidades. 22 Novembro Museu das Comunicações. Lisboa.

EDIFÍCIOS BALANÇO. Rumo ao Impacte Nulo da Construção e Reabilitação nas Cidades. 22 Novembro Museu das Comunicações. Lisboa. Evento EDIFÍCIOS BALANÇO Rumo ao Impacte Nulo da Construção e Reabilitação nas Cidades PARTICIPE 22 Novembro 2011 Museu das Comunicações Lisboa ORGANIZAÇÃO UMA PUBLICAÇÃO APOIO APRESENTAÇÃO A conferência

Leia mais

Anexo II. Contrato de Participação no Projecto RED-GENERA

Anexo II. Contrato de Participação no Projecto RED-GENERA Anexo II Contrato de Participação no Projecto RED-GENERA Em XXXXX a de XXXXXX de 2010 Entre (Designação social da empresa/nome e apelidos) (sede, matricula no registo comercial, NIPC/NIF, Capital Social),

Leia mais

Programa BIP/ZIP de Lisboa

Programa BIP/ZIP de Lisboa Programa BIP/ZIP de Lisboa Objectivos e âmbito O Programa BIP-ZIP Bairros e Zonas de Intervenção prioritária de Lisboa é criado pela Câmara Municipal de Lisboa, no quadro do Programa Local de Habitação

Leia mais

O papel das Associações empresariais na internacionalização. Contributos: UGA Unidade de Gestão das Associações

O papel das Associações empresariais na internacionalização. Contributos: UGA Unidade de Gestão das Associações O papel das Associações empresariais na internacionalização Contributos: UGA Unidade de Gestão das Associações SUMÁRIO: Internacionalização e implicações no contexto internacional actual. O IDE como motor

Leia mais

LISTA DE NORMAS E/OU ESPECIFICAÇÕES PARA REDES E SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS E RECURSOS E SERVIÇOS CONEXOS DOCUMENTO PARA CONSULTA

LISTA DE NORMAS E/OU ESPECIFICAÇÕES PARA REDES E SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS E RECURSOS E SERVIÇOS CONEXOS DOCUMENTO PARA CONSULTA http://www.anacom.pt/template15.jsp?categoryid=115179 LISTA DE NORMAS E/OU ESPECIFICAÇÕES PARA REDES E SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS E RECURSOS E SERVIÇOS CONEXOS DOCUMENTO PARA CONSULTA Documento

Leia mais