FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO FESPSP III SEMINÁRIO DE PESQUISA DA FESPSP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO FESPSP III SEMINÁRIO DE PESQUISA DA FESPSP"

Transcrição

1 FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO FESPSP III SEMINÁRIO DE PESQUISA DA FESPSP O PAPEL CONFERIDO A CARREIRA DE ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚ- BLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL PELA REFORMA GERENCIAL DE 1995 Aluno: Felipe Rodrigues Koval Orientador: Prof. Dr. Marcos Tarcísio Florindo SÃO PAULO 2014

2 Resumo O presente artigo investiga os fatores que levaram a carreira de Especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental (EPPGG), criada pela Lei nº 7.834, de 6 de outubro de 1989, a adquirir uma ampliação de seu campo de atuação para diversos ministérios do governo federal brasileiro, ocupando cargos do grupo de Direção e Assessoramento Superior (DAS). Parte-se da hipótese que a reforma gerencial de 1995 proporcionou, além do aperfeiçoamento da carreira EPPGG juntamente com a Escola Nacional de Administração Pública (ENAP), criada pelo Decreto nº , de 19 de setembro de 1986, a partir da retomada dos concursos públicos da carreira pelo Ministério da Administração Federal e Reforma do Estado (MARE), a sua atuação em rede, isto é, entre instituições. A metodologia de pesquisa consiste, primeiramente, numa discussão teórica sobre a administração racionallegal e suas características, de modo a permitir compreender, secundariamente, sua substituição pela administração gerencial e o papel desta, juntamente com a Escola Nacional de Administração Pública (ENAP), na ampliação do campo de atuação e aperfeiçoamento da carreira de EPPGG. O artigo está divido em quatro partes: 1º) A administração racional-legal e suas características; 2º) Características da reforma gerencial; 3º) A relação e as influências da reforma gerencial e da ENAP para com a carreira de EPPGG; 4º) Conclusão. Palavras-chave: administração pública; burocracia; carreira pública; gestor público; reforma gerencial; servidor público. 2

3 Não se preocupe em não ter um cargo público. Preocupe-se com suas qualificações. Não se preocupe em não ser apreciado. Procure ser digno de apreciação. Confúcio Introdução No ano de 1982, o Departamento Administrativo do Serviço Público (DASP) 1 solicitou a realização de um estudo acerca da qualificação dos servidores 2 da administração pública federal dentro do contexto em que era ensaiada uma nova reforma administrativa. Tal estudo foi realizado pelo diplomata Sérgio Paulo Rouanet, a pedido do embaixador Ramiro Saraiva Guerreiro, o qual colaborou com o DASP na ocasião. O relatório do estudo concluiu pela necessidade de se criar uma Escola Superior de Administração Pública que ficaria incumbida de elaborar um projeto de formação oficial para compor quadros de servidores públicos mais qualificados, interligando seleção, formação e progressão, como critérios necessários ao exercício das carreiras de nível superior e dos cargos (mais conhecidos como cargos em comissão) de Direção e Assessoramento Superior (DAS). A criação destes quadros de servidores deveria corresponder às diversas demandas reivindicadas pela sociedade brasileira oriundas do processo de redemocratização. O relatório do estudo aponta, ainda, para a existência de um descompasso entre a baixa capacidade de direção dos servidores do alto escalão da administração pública federal anteriormente à criação da Escola Nacional de Administração Pública (ENAP) e a falta de critérios claros para dar-lhes acesso aos cargos do grupo de Direção e Assessoramento Superior (DAS), fato que desencadeava uma descontinuidade das análises técnicas para a consecução de políticas públicas e reformas administrativas. Com base nestas constatações feitas pelo estudo, ele propiciou a criação, em 1986, pelo Decreto nº , de 19 de setembro do mesmo ano, da ENAP - inspirada na École nationale D'administration L'ena 3, criada em A ENAP acabou adquirindo papel preponderante, juntamente com a Associação Nacional dos Especialistas em Políticas Públicas e Gestão Governamental (ANESP) 4, a partir do 1 O DASP foi extinto com a criação da Secretaria da Administração da Presidência da República (SEDAP) em 1986, que por sua vez foi transformada em Secretaria da Administração Federal (SAF) em 1990, a qual foi transformada no Ministério da Administração Federal e Reforma do Estado (MARE) em Existe um grande leque de denominações que são dadas àqueles que desempenham atividades na administração pública, sobretudo pelos doutrinadores do direito administrativo brasileiro, tais como Hely Lopes Meirelles, Celso Antônio Bandeira de Mello e Maria Sylvia Zanella Di Pietro. Os termos vão desde agentes administrativos, agentes públicos, funcionários, servidores e, até, mais atualmente, dirigentes, executivos e gestores públicos, sendo que estas três últimas denominações foram conferidas pela perspectiva gerencial de administração pública. Contudo, tais nomenclaturas têm mera função distintiva formal, pois elas não alteram a natureza de qualquer um deles, tendo em vista que, grosso modo, o exercício de suas respectivas atividades está vinculado ao domínio do serviço público. 3 Escola Nacional de Administração ENA (tradução minha). 4 Entidade de classe que representa a categoria, criada em 10 de maio de

4 envio da proposta de criação da carreira de EPPGG ao Congresso Nacional brasileiro. Ao mesmo tempo, foi enviada uma proposta de classificação dos cargos de Direção e Assessoramento Superior (DAS), pedindo a vinculação destes às carreiras de nível superior, isto é, objetivando reduzir as possibilidades de nomeação de livre provimento (servidores sem concurso). Os esforços de ambas as instituições lograram êxito em relação à criação da carreira de EPPPG, quando foi sancionada a Lei nº 7.834, de 6 de Ela acabou adquirindo importância de atuação na administração pública federal, na medida em que o governo brasileiro foi estabelecendo mudanças em seu modus operandi. Isto se torna mais claro a partir da reforma gerencial de 1995, momento em que se estabelece uma nova agenda de gestão pública pautada pela busca dos imperativos de eficiência 5, redução de custos e avaliação de resultados, ou seja, uma administração Public Service Oriented (PSO). Sem embargo, as inúmeras defasagens em termos de efetividade do papel da administração pública brasileira colocaram o modelo burocrático em questão. Afora isso, após um período de entressafra dos concursos públicos para a carreira de EPPGG durante o governo Fernando Collor e Itamar Franco e a sua quase extinção, a reforma gerencial retomou os concursos da carreira, a partir de sua instituição central, o Ministério da Administração Federal e Reforma do Estado (MARE), alinhando seu perfil de atuação à filosofia da reforma gerencial pari passu a implantação de uma nova política de recursos humanos para a administração pública federal, onde a composição de quadros de servidores da carreira de EPPGG foi vinculada à ENAP. A profissionalização dos quadros de servidores da administração pública federal não é algo recente e muito menos dispensável. Em uma sociedade onde o nível das desigualdades sociais é significativo, como a brasileira, construir políticas públicas eficazes se torna algo imperativo para saná-las. E isto requer a composição de quadros de servidores públicos mais qualificados que atuem nesse sentido, ainda mais onde a ação estatal não atinge a todos de maneira justa e equânime. Verificar-se-á, portanto, como a reforma gerencial procedeu à expansão do campo de atuação da carreira de EPPGG, idealizada no sentido de profissionalizar a gestão pública brasileira em colaboração com a ENAP, proporcionando sua atuação em rede. A priori, devemos nos debruçar sobre as características da administração racional-legal, para compreendermos os motivos que levaram à sua substituição pela administração gerencial. 5 A título de exemplo, no ano de 1979, é inaugurado o Plano Nacional de Desburocratização pelo governo federal. 4

5 A administração racional-legal e suas características A administração pública brasileira esteve orientada durante um longo tempo sobre aquilo que se denomina equivocadamente de burocracia weberiana - atribui-se equivocadamente a Weber a patente de criação da teoria da burocracia, quando na verdade o autor realiza uma descrição de como ela se estrutura -. Ela perdeu força enquanto forma de organização das atividades do Estado brasileiro, definitivamente, com as crises da década de 1980 (BRESSER-PEREIRA, 1995; 1996; 1998). A administração racional-legal ou burocrática, grosso modo, consiste num conjunto de repartições, órgãos, instituições, com materiais permanentes e funcionários necessários à consecução das atividades do Estado. Um funcionário cumpre tarefas, estando orientado por um conjunto de normas fixas. A burocracia se desenvolve no âmbito dos governos públicos onde o direito tem forte influência na delimitação do seu campo de atuação. Ela fundamenta-se em três princípios, os quais constituem a autoridade burocrática, a saber: 1. As atividades regulares necessárias aos objetivos da estrutura governada burocraticamente são distribuídas de forma fixa como deveres oficiais. 2. A autoridade de dar ordens necessárias à execução desses deveres oficiais se distribui de forma estável, sendo rigorosamente delimitada pelas normas relacionadas com os meios de coerção [...] que possam ser colocados à disposição dos funcionários e autoridades. 3. Tomam-se medidas metódicas para a realização regular e contínua desses deveres e para a execução dos direitos correspondentes; somente as pessoas que têm qualificações previstas por um regulamento são empregadas. (WEBER, 2010, p. 138). Ao falarmos em autoridade burocrática, podemos inferir que existe alguma forma de relação entre duas ou mais pessoas, com base em algum sistema de obediência ou de mando e subordinação, que define os papéis dos atores que executarão as atividades da estrutura governada burocraticamente. A autoridade burocrática só existe pelo fato de ocupar um cargo que lhe confere tal prerrogativa dentro de uma estrutura hierárquica que estabelece o seguinte: um funcionário hierarquicamente inferior é orientado por um superior no caso de ser um funcionário nomeado. A hierarquia constitui uma espécie de controle, mais precisamente de dominação que se fundamenta na coerção legal. Nesse sentido, a dominação [...] é a probabilidade de encontrar obediência a uma ordem de determinado conteúdo, entre determinadas pessoas indicáveis" (WEBER, 1991, p. 33). A nomeação de um funcionário para atuar no serviço público se dá através de uma seleção - onde sua preparação é fundamental -, onde suas habilidades e qualificações prévias serão comprovadas a partir da sua submissão a um exame específico embasado no sistema do mérito 6 (NUNES, 2010). Existe, ainda, o funcionário eleito. Este é escolhido segundo critérios políticos que no caso podem ser de um chefe político ou de um partido. Eles 6 Atualmente conhecido por concurso público. 5

6 o colocam numa posição autônoma em relação a quaisquer autoridades burocráticas, pois ele não deve "obediência" a estas. Sua "obediência", portanto, é devida somente ao chefe político, porque ele determina o destino de sua carreira e atividades. Se as relações entre funcionários e autoridades fundamentam-se no sistema de mando e subordinação, ela se orienta por algum mecanismo que a disciplina, de modo a estabelecer uma relação impessoal. O desenvolvimento das relações entre a autoridade burocrática superior e um funcionário, no caso, subordinado, ocorre segundo a distribuição de atribuições específicas. Para o funcionário nomeado, elas são desenvolvidas seguindo [...] regras gerais, mais ou menos estáveis, mais ou menos exaustivas, e que podem ser aprendidas. O conhecimento dessas regras representa um aprendizado técnico especial, a que se submetem esses funcionários. (Ibidem, 2010, p. 139). Geralmente, o funcionário nomeado apresenta maior precisão no desenvolvimento de suas tarefas em relação ao funcionário eleito, porque a ação do primeiro segue uma espécie de protocolo normativo que as orienta. Assim se desenvolve o ethos de impessoalidade de um funcionário em relação ao desenvolvimento de suas atividades e, também, para com a autoridade burocrática. Isto é condição sine qua non para que o exercício do cargo público, por um funcionário, tenha o caráter de dever oficial, isto é, desprendido de sua vida e atividades particulares. Em princípio, a organização moderna do serviço público separa a repartição do domicílio privado do funcionário e, em geral, a burocracia segrega a atividade oficial como algo distinto da esfera privada. Os dinheiros e o equipamento público estão divorciados da propriedade privada da autoridade. Essa condição é, em toda parte, produto de um longo desenvolvimento. Hoje em dia, é observada tanto no setor público como na iniciativa privada; nesta última, o princípio se estende até mesmo ao empresário. Em princípio o escritório executivo está separado da residência, a correspondência comercial é separada da pessoal, e os bens da empresa são distintos das fortunas privadas. (Ibidem, 2010, p. 139). O serviço público moderno 7 organiza-se com seu conjunto de funcionários em locais de atividades onde as atribuições e a divisão de tarefas são explicitas e regradas, determinadas pela autoridade burocrática superior, a qual administra os cargos unilateralmente, fundamentando-os numa série de arquivos e documentos, bem como os materiais necessários à consecução das atividades da repartição. O quadro de funcionários que ocupe ativamente um cargo público, juntamente com seus arquivos de documentos e expedientes, constitui uma repartição (Ibidem, 2010, p. 139). Contudo, o que é um cargo público? O cargo público é uma profissão e um instrumento de coerção legal que submete um funcionário à aceitação de normas expressas para o desenvolvimento das atividades que lhes são orde- 7 O serviço público moderno, no Brasil, surge com implantação da administração racional-legal nos anos 30, com o propósito de combater o clientelismo e o patrimonialismo, além de fazer parte de um processo de modernização do Estado. 6

7 nadas. Para Gouvêa (1994), isto constitui uma espécie de lógica de ação, onde os funcionários orientam-se com base em uma espécie de protocolo legal no que se refere à consecução de suas atividades. O cargo público quando criado, exige a plena capacidade do funcionário para a realização de suas respectivas atividades. As atividades são retribuídas com base em um salário que é pago continuamente, garantindo uma existência segura ao funcionário. Ademais, um funcionário que ocupe um cargo numa determinada estrutura hierárquica desenvolve suas atividades até a sua exaustão, momento em que lhe é concedida uma aposentadoria ou pensão. Consequentemente é o momento em que o cargo completa sua tarefa, podendo ser ocupado por outrem. O salário que lhe é pago, no entanto, não é calculado pela quantidade de trabalho produzida 8, mas é pago com base na posição em que seu cargo encontra-se inserido na estrutura hierárquica. O salário de um funcionário é proveniente de uma fonte continua de rendas arrecadadas pelo governo. A tributação da sociedade permite a constituição desta fonte para a manutenção da estrutura governada burocraticamente e para o custeio dos funcionários. Além disso, a tributação constitui-se como um fator de bloqueio para o funcionário, pois na medida em que lhe é pago um salário, tenta-se impedir que o cargo seja um meio para a exploração de rendas extraoficiais. [...] a burocracia como estrutura permanente está ligada à pressuposição de uma renda constante para a sua manutenção. Quando tal renda não pode ser baseada nos lucros privados, como ocorre com a organização burocrática das empresas modernas [...], um sistema estável de tributação é a precondição para a existência permanente da administração burocrática. (Ibidem, 2010, p. 146). Cria-se a carreira para inibir este tipo de conduta, ao mesmo tempo em que ela proporciona a perspectiva de ascensão hierárquica entre cargos, isto é, onde um funcionário pode passar dos cargos de menor remuneração para os de maior remuneração, de forma gradativa, segundo alguns critérios. O primeiro deles é o critério de antiguidade; funcionários mais experientes possuem um bom conhecimento acumulado das rotinas e das tarefas que são desenvolvidas na estrutura governada burocraticamente e por isso podem ocupar cargos mais elevados. Em segundo vem o mérito, que preza pela preparação do funcionário, isto é, onde este é submetido a treinamentos, o que geralmente proporciona a especializa- 8 Este ponto suscita um intenso e antigo debate acerca do que um servidor público produz. Há quem defenda a tese de que ele representa um antivalor na sociedade. No entanto, o que se discute no Brasil, é que para alguns cargos públicos o aumento de desempenho é aplicável, enquanto que para outros não faz sentido em decorrência da própria especificidade das atividades que são desenvolvidas. Contudo, a questão torna-se complexa ao passo em que é feita uma generalização, isto é, afirmando-se que a administração pública é ineficiente em sua totalidade. Isto é um erro em parte, pois existem atividades que não permitem que a lógica de aumento de desempenho seja aplicada. Tomemos o seguinte exemplo: não há como um servidor juntar mais folhas de papel em um processo se este aguarda pela chancela de um documento pela autoridade superior. Nesse sentido, a ociosidade de um serventuário de um tribunal assim se dá: ele só pode dar prosseguimento às suas atividades na medida em que um juiz despacha decisões ou documentos para instruir o processo. 7

8 ção de suas ações. A obtenção de títulos de qualificação pessoal permite, também, sua "evolução" na carreira. Esse processo, contudo, não tem apenas o intuito de treiná-lo e qualificá-lo. Tem, também, o objetivo de extrair maior capacidade laboral no desempenho de suas atividades. Assim, a administração burocrática consiste em ser, essencialmente, uma administração especializada e formal, pois o conjunto de normas, regulamentos, etc., orienta sua conduta e ações. Decorre daí seu caráter legal, que consiste justamente no estrito cumprimento do que dispõe a lei, constituindo uma espécie de razão basilar que fundamenta as ações dos funcionários e da autoridade burocrática. Este mesmo conjunto de leis e normas abstratas, isto é, reduzidas a códigos, impede duas coisas e permite uma; (1) impede que um funcionário possa desenvolver seus talentos, isto é, novos métodos de organização do seu trabalho; (2) impede que ele realize atividades paralelas àquelas de cunho oficial; (3) permite uma nivelação de tratamento com base na igualdade perante a lei, isto é, impedindo o tratamento diferenciado para com outros funcionários e pessoas. Um funcionário desenvolve suas ações continuamente de modo a manter a regularidade delas. Assim, a administração burocrática [...] baseia-se no treinamento especializado, uma especialização funcional do trabalho e uma atitude fixada para o domínio habitual e virtuoso de funções únicas, e, não obstante, metodicamente integradas (Ibidem, 2010, p. 160). As atividades desempenhadas por um funcionário não ocorrem de maneira individual, elas estão integradas ao conjunto da máquina burocrática, como todas as demais ações dos outros funcionários; cada funcionário executa uma tarefa específica como se fossem pequenas engrenagens, em decorrência da divisão do trabalho e da especialização das ações. Isto constitui uma espécie de disciplina que se lhes impõem. Nesse sentido, podemos compreender, portanto, por que a administração é racional-legal. O caráter racional seria garantido pela razão instrumental, que implica a adoção dos meios mais adequados para o atingimento dos fins visados. O caráter legal, pela definição dos objetivos a serem alcançados e dos meios a serem adotados nas leis e nos regulamentos. (BRESSER-PEREIRA, 1998, p. 49). As principais características da administração racional-legal são: a) as ações dos funcionários seguem um protocolo que as orientam; b) a conduta de caráter legal dos funcionários leva em consideração o tratamento impessoal; c) a divisão do trabalho é equilibrada; d) a legalidade das ações dos funcionários constitui a formalidade; e) a hierarquia é uma forma de dominação; f) a meritocracia e a qualificação são meios de ascensão. 8

9 Características da reforma gerencial A reforma gerencial só se transformou em item de pauta da agenda política brasileira nos anos 1990 em decorrência de uma série de fatores que constituíram o conhecido quadro de crise do Estado ao final da década de Barreto (2000), Sola & Paulani (1995), enfatizam o falimento do modelo econômico desenvolvimentista como marco da crise do Estado brasileiro. Outro fator foi o pacto burocrático-autoritário (O Donnell, 1979) que ocupou papel de destaque naquele contexto, contribuindo, consequentemente, para que a crise eclodisse, pois a [...] ação direta do Estado exige um grande esforço de gestão do setor público, atividade pouco eficaz no Estado burocrático, que privilegia o controle de processos de trabalho em vez do controle de resultados (PIMENTA, 1998, p. 176). Acrescente-se a isto, também, as dificuldades de se reajustar o papel estatal face à reconfiguração das relações entre Estado, mercado e sociedade postas pelo processo de globalização que estabeleceu não só uma nova divisão internacional do trabalho, mas possibilitou a construção de um ambiente para o encontro de distintas forças políticas que disputam constantemente seus lócus de poder. Isto se agrava na medida em que os Estados intensificam suas relações políticas, constituindo blocos ou comunidades hegemônicas, o que requisitou uma ampliação da capacidade de articulação e negociação dos governos nacionais, justamente num campo em que a assimetria e o cruzamento de forças são constantes (DINIZ, 2001). Afora isso, a volta do regime democrático no Brasil permitiu que a sociedade colocasse suas demandas no cenário público com mais vigor, o que possibilitou a construção de um ambiente favorável à pressão dos atores políticos para implementar as devidas mudanças estruturais do Estado, dotando-o com ações mais bem coordenadas para proporcionar serviços públicos eficazes ao conjunto da sociedade. Foi necessário, portanto, colocar as instituições públicas nos trilhos democráticos, criar mecanismos de transparência governamental e de accountability por resultados para restabelecer sua governança institucional. Tais demandas, ainda que constituam um rol de pequenos exemplos, constituíram uma agenda pós-burocrática (NOGUEIRA, 2011, p. 172). Esta agenda foi condensada num documento que inaugurou um processo de reengenharia do Estado brasileiro, embasado num ajuste fiscal rígido e por uma reforma da administração pública que pretendia substituir o ethos racional-legal. O Estado brasileiro teve seu papel ajustado do ponto de vista de sua participação na economia, sendo direcionado para o mercado, ao passo em que a administração pública foi direcionada para a new public management (HOOD, 1991), isto é, buscando desenvolver o perfil gerencial dos servidores públicos com base num processo de delegação de atividades, descentralização administrativa, desenvolvimento de competências e ações orientadas pela perseguição e avaliação de 9

10 resultados e aumento de desempenho. Assim, ficou a cargo do Ministério da Administração Federal e Reforma do Estado (MARE) atuar nesse sentido, através da execução do Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado (PDRAE) de O aparelho do Estado é compreendido pelo seguinte: a) núcleo estratégico; b) atividades exclusivas de Estado; c) serviços não-exclusivos; e, d) produção de bens e serviços para o mercado. O núcleo estratégico é o setor onde são formuladas as políticas públicas e onde são tomadas as decisões pelos três poderes, que englobam seus respectivos atores políticos e servidores públicos. Para o presente trabalho, interessa o núcleo estratégico, pois é o ponto de partida para compreender as mudanças que ocorreram na administração pública brasileira durante a reforma gerencial, sobretudo porque ela é o aparelho do Estado. Entende-se por aparelho do Estado a administração pública em sentido amplo, ou seja, a estrutura organizacional do Estado, em seus três poderes (Executivo, Legislativo e Judiciário) e três níveis (União, Estados-membros e Municípios). O aparelho do Estado é constituído pelo governo, isto é, pela cúpula dirigente nos Três Poderes, por um corpo de funcionários, e pela força militar. (PDRAE, 1995, p. 12). Aqui, debruçar-nos-emos sobre etapa específica da reforma gerencial, a emenda constitucional nº 19, de 1998, também conhecida como "reforma administrativa", pois é através dela que ocorre a revisão do núcleo estratégico. Para efeito de compreensão preliminar, a reforma gerencial e a reforma administrativa são processos distintos. A reforma gerencial implica numa mudança cultural da administração pública, ao passo em que a reforma administrativa implica numa mudança dos aspectos relativos à gestão do aparelho burocrático (BRESSER-PEREIRA, 1998). No núcleo estratégico é onde se encontram as carreiras que desempenham atividades típicas de Estado. A emenda constitucional nº 19, de 1998, tem o objetivo de reestruturar estas carreiras de modo a constituir a espinha dorsal da alta burocracia, permitindo conferir maior qualidade técnica ao poder decisório do Estado (MARE, 1998). A emenda constitucional nº 19, de 4 de junho de 1998, se propôs, dentre outras coisas, a revisar os seguintes elementos relativos ao funcionalismo público, abrangendo, evidentemente, as carreiras do núcleo estratégico: a) regras de estabilidade; b) teto remuneratório; c) regime de previdência; d) regime de remuneração; d) estabilidade dos servidores; e, e) política de cargos. O item mais importante introduzido pela emenda constitucional nº 19, de 1998 foi a exigência de se manter escolas de governo e administração pública nos três níveis federativos. Para o presente trabalho, dos seis elementos revistos pela emenda constitucional nº 19, de 1998, interessam os seguintes: a revisão da política de cargos (inciso V, do artigo 37º); a política de qualificação e aperfeiçoamento ( 2º, do artigo 39) e a revisão do regime de remunerações ( 4º e 8º do artigo 39), introduzidos na Constituição Federal de

11 A alteração feita no inciso V, do artigo 37, permitiu o provimento dos cargos do grupo de Direção e Assessoramento Superior (DAS), por servidores públicos de carreira. Esta medida objetivou combater a regra estabelecida pela antiga Lei nº 5.645, de 10 de dezembro de Plano de Classificação de Cargos (PCC) -, que permitia o provimento destes cargos com base no critério de confiança (político), que é livre, ou seja, uma pessoa podia exercer um cargo de direção bastando ser amigo do rei. Este grupo de cargos é isolado, pois não constitui uma carreira pública, somente um posto de comando com atribuições definidas pelo próprio artigo 37. Ainda, no que tange ao mesmo artigo, foram criadas as funções de confiança destinadas aos servidores de carreira; representam uma espécie de plus de atribuições. Art. 37º... V - as funções de confiança, exercidas exclusivamente por servidores ocupantes de cargo efetivo, e os cargos em comissão, a serem preenchidos por servidores de carreira nos casos, condições e percentuais mínimos previstos em lei, destinam-se apenas às atribuições de direção, chefia e assessoramento; (FILHO, 1998, p. 14). Os cargos do grupo de Direção e Assessoramento Superior (DAS) subdividem-se em seis categorias, isto é, de 1 a 6. Os quatro primeiros, de 1 a 4, eram ocupados por boa parte dos servidores de carreira do menor escalão. Quanto aos dois últimos (5 e 6), postos de alto comando, segundo Pacheco (2010, p. 194), "foram considerados como opção de carreira para funcionários, mas também postos de entrada para pessoas competentes externas ao serviço público". A tabela abaixo mostra a situação dos cargos do grupo de Direção e Assessoramento Superior (DAS), anteriormente à emenda constitucional nº 19, de Servidores Cargos Percentual Nível superior DAS 1 78,5% 50,80% DAS 2 77,7% 61,80% DAS 3 71,4% 71,00% DAS 4 65,4% 81,30% 503 DAS 5 60,6% 86,10% 128 DAS 6 48,4% 85,90% Total ,50% 61,00% Fonte: PDRAE, 1995, com adaptações. A média do grupo revela que 67% dos cargos pertencem aos servidores de carreira. A amplitude entre os cargos DAS 1 e DAS 6 representa 30,1%, um percentual significativo em relação àqueles que ocupam algum cargo, isto é, 20%, 19%, 18%, 16%, 15% e 12%, respectivamente distribuídos entre os cargos DAS 1, DAS 2, DAS 3, DAS 4, DAS 5 e DAS 6, em relação ao total de servidores. A reforma gerencial deu continuidade à política de profissionalização das carreiras de nível superior, estabelecendo uma competição entre os maiores cargos, que "[...] são ocupados a partir de um verdadeiro mercado, no qual os ministros 11

12 e dirigentes públicos que dispõem de DASs disputam entre si os melhores quadros do serviço federal. Desta forma se premiam os mais competentes." (PDRAE, 1995, 37). Podemos observar um aumento do percentual dos servidores de nível superior ocupando cargos mais altos, isto é, DAS 5 e 6. Fonte: Boletim Estatístico de Pessoal. MARE, Algumas carreiras de nível superior foram amplamente valorizadas nesse sentido, sendo que algumas delas acabaram adquirindo conotação política, sobretudo por terem sido contempladas com o regime de pagamento de subsídio, introduzido pelos 4º e 8º do art. 39, da nova redação proposta pela emenda constitucional nº 19, de Tal medida foi implementada através da que análise que o Ministério da Administração Federal e Reforma do Estado (MARE) fez acerca dos desequilíbrios das remunerações entre os servidores. Segundo Bresser-Pereira (1998) houve uma revisão das remunerações e da folha de pagamentos em decorrência do nível de privilégios que eram concedidos para muitos servidores que, do ponto de vista legal, não poderiam ocorrer. Através de uma auditoria feita pelo Sistema Integrado de Administração e Recursos Humanos (SIAPE), ocorreu a centralização da folha de pagamentos dos servidores civis do Poder Executivo Federal e a criação de filtros para a eliminação de privilégios, em 1996, com o fito de estabelecer um ajuste de despesas com pessoal da administração pública federal. Dentre eles, podemos citar os seguintes: concessão de vantagens pecuniárias incompatíveis com o cargo, pagamentos sem o devido amparo legal, pagamentos não autorizados pelo MARE, pagamentos de cargos acumulados sem cobertura legal, pagamento de funções ou cargos comissionados não previstos na estrutura regimental dos órgãos. (MARE, 1998) A implantação do regime de subsídios estabeleceu um limite-referência de ganhos para todos os agentes públicos e políticos distribuídos entre os três poderes da União, Estados-membros e Municípios. Essa referência é o subsídio mensal, em espécie, dos Ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) 9. Tal referência estabelece que os ganhos de quaisquer 9 Segundo o Instituto de Estudos Previdenciários IEPEV, o valor do subsídio mensal dos Ministros do STF está fixado em R$ ,25 para o ano de

13 agentes públicos e políticos, não poderão exceder 90,25%, do subsídio mensal, percebido em espécie, pelos ministros do STF. Outra alteração introduzida pela emenda constitucional refere-se à alteração e a fixação dos vencimentos dos servidores da administração pública federal, estadual e municipal. Eles só poderão ser alterados, modificados - mas nunca reduzidos -, mediante a elaboração de lei específica, garantindo-se a revisão anual. Foi proposta, ainda, a proibição de vinculação e a equiparação para fins remuneratórios, ou seja, o percebimento de mais de uma remuneração e a garantia de igualdade salarial. Por subsídio, devemos entender o seguinte: Subsídio pode ser definido como remuneração irredutível devida aos agentes políticos da Administração Pública, representada por parcela única, defeso acréscimo em espécie de qualquer natureza, fixada por lei específica, sujeito à revisão anual, limitado em qualquer caso, pelos valores percebidos pelos Ministros do Supremo Tribunal Federal. (FILHO, 1998, p. 42, grifo meu). Em relação à qualificação dos servidores, a emenda constitucional nº 19, de 1998 estabelece que a União, os Estados e os Municípios deverão instituir e manter escolas oficiais de governo e de administração pública para a profissionalização e aperfeiçoamento dos mesmos. Esta obrigatoriedade proposta pela emenda constitucional estabelece como critério nevrálgico à progressão e a promoção nas carreiras, à vinculação do servidor, isto é, de seu preparo, às escolas de governo. Por progressão e promoção devemos entender o seguinte: a progressão ocorre quando um servidor passa de um padrão remuneratório inicial e anteriormente inferior para o superior dentro de uma mesma classe, isto é: do padrão I-A para o II-A. A promoção é a passagem do último padrão de uma classe inferior para o primeiro padrão da classe superior ou seguinte, ou seja, do padrão III-A para o I-B. Esta é a estrutura básica de muitas carreiras da administração pública federal. A tabela seguinte permite compreender visualmente a articulação entre os conceitos. 13

14 CARREIRA Vencimento Classe Padrão Ano I Ano II Ano III Ano X... Inicio da carreira I R$ 500,00 R$ 600, A II R$ 600,00 R$ 700, III R$ 700,00 R$ 800, I R$ 1.000,00 R$ 1.100, B II R$ 1.500,00 R$ 1.600, III R$ 2.000,00 R$ 2.100, I R$ 3.000,00 R$ 3.100, C II R$ 3.500,00 R$ 3.600, III R$ 4.000,00 R$ 4.100, I R$ 5.000,00 R$ 5.100, D II R$ 5.500,00 R$ 5.600, Final da carreira III R$ 6.000,00 R$ 6.100, Fonte: elaboração do autor. Reajustes que podem ser concedidos (depende de critérios políticos). A progressão e a promoção ocorrem, basicamente, segundo os critérios de mérito e antiguidade. O mérito foi aprofundado pela reforma gerencial, ao ser introduzida a Gratificação de Desempenho e Produtividade (GDP), criada pela Lei nº 9.625, de que contemplou, por exemplo, a carreira de Especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental (EPPGG). A concessão desta gratificação, no entanto, não é aleatória, pois é uma variável dependente do resultado da avaliação de desempenho individual de um servidor - que tem o objetivo de aferir sua eficiência - e que não será objeto deste trabalho. Quanto ao critério de antiguidade, a lógica original se mantém. A new public management, estabeleceu dois novos parâmetros de gestão para a administração pública brasileira. O primeiro funda-se na lógica do aumento de desempenho e redução de custos (work better and cost less) e o segundo consiste numa filosofia de valorização das carreiras de nível superior. A difusão de novas práticas funcionais através do treinamento dos servidores das carreiras de nível superior possibilitou a substituição de uma era em que a habilidade técnica era suficiente. As relações entre Estado e sociedade, por seu turno, foram se complexificando, conforme o decorrer do tempo, o que incompatibiliza a atuação do Estado por intermédio de uma administração pública com servidores mecânicos. É necessário que os servidores públicos e demais agentes conciliem a habilidade técnica com a habilidade política (NOGUEIRA, 1998), o que enseja um maior preparo daqueles que irão atuar no serviço público. Nesse sen- 14

15 tido, a reforma gerencial elaborou um sistema amarrado para a composição dos quadros de servidores de carreira de nível superior ao interligar a formação destes às escolas de governo e de administração pública - como no caso da carreira de Especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental à Escola Nacional de Administração Pública -, como critério excludente nos concursos públicos. As principais medidas implantadas pela emenda constitucional nº 19, de 1998, podem ser sintetizadas no seguinte quadro: 1. Princípio da eficiência. 2. Cargos, empregos e funções acessíveis aos estrangeiros, na forma da lei. 3. Concurso público de acordo com a natureza e a complexidade do cargo/emprego. 4. Funções comissionadas ocupadas exclusivamente por servidores detentores de cargo efetivo. 5. Regulamentação do direito de greve em lei específica (e não, complementar). 6. A remuneração no serviço público requer definição por lei específica e reclama revisão geral anual. 7. Redefinição dos tetos remuneratórios. 8. Clareza na criação/autorização de entidades da Administração Indireta. 9. Disciplina mais minudente da participação do usuário na prestação de serviços públicos. 10. Disciplina do acesso a informações privilegiadas. 11. Ampliação da autonomia de gestão de órgãos e entidades da Administração Direta e Indireta. 12. Fim do Regime Jurídico Único. Nos termos de decisão do STF na ADIn n : A matéria votada em destaque na Câmara dos Deputados no DVS nº 9 não foi aprovada em primeiro turno, pois obteve apenas 298 votos e não os 308 necessários. Manteve-se, assim, o então vigente caput do art. 39, que tratava do regime jurídico único, incompatível com a figura do emprego público. 13. Critérios para fixação de remunerações. 14. Escolas de Governo para formação e aperfeiçoamento de pessoal. 15. Instituição de remuneração na forma de subsídio (como parcela única) e definição de sua abrangência subjetiva (quem receberá assim e quem poderá receber assim). 16. Nova disciplina da estabilidade no serviço público. Exigência de três anos de efetivo exercício. Nova hipótese de perda do cargo por servidor estável: mediante procedimento de avaliação periódica de desempenho, na forma de lei complementar, assegurada ampla defesa. Avaliação especial de desempenho para aquisição de estabilidade. Fonte: elaboração do autor. A relação e as influências da reforma gerencial e da ENAP para com a carreira de EPPGG Durante o governo de Fernando Henrique Cardoso, poucas vagas foram autorizadas para os concursos públicos da carreira de Especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental (EPPGG). A despeito disso, sua política de seleção foi renovada, a qual deu prioridade para alocação de novos servidores da carreira no núcleo estratégico do governo, vinculando-se uma das etapas de seu concurso à formação oficial na Escola Nacional de Administração Pública (ENAP), de caráter eliminatório. A carreira de EPPGG teve uma reestruturação do ponto de vista remuneratório, que anteriormente à reforma gerencial tinha a seguinte configuração: a remuneração inicial e final era respectivamente de R$ e R$ Entre , houve um aumento destes valores e a situação foi alterada, respectivamente, para R$ e R$ 3.855, um aumento de 24% para 48% se comparados (MA- RE, 1998). Atualmente, a carreira encontra-se regida pelo regime de subsídio que a emenda constitucional nº 19, de 1998 implantou. 15

16 Fonte: ANESP, Em relação aos concursos que foram realizados para a carreira de EPPGG, durante o governo Fernando Henrique Cardoso, a cronologia é a seguinte: Ano Vagas Edital Instituição Promotora /2001 ESAF (Escola de Administração Fazendária) /2000 ESAF /1997 FCC (Fundação Carlos Chagas) /1997 FCC /1996 FCC /1995 ESAF Fonte: Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG), O edital da Escola de Administração Fazendária (ESAF) nº 31, de 10 de outubro de 1995 abriu um novo concurso divido em duas etapas; a primeira era uma prova objetiva, contemplando conhecimentos gerais e específicos; e a segunda etapa consistiu na submissão dos candidatos ao curso de formação obrigatório na ENAP. No tocante à prova objetiva, o conteúdo foi dividido da seguinte maneira: a etapa de conhecimentos gerais foi distribuída em 20% para língua inglesa, 40% para língua portuguesa e 40% para raciocínio matemático. A etapa de conhecimentos específicos foi distribuída em 70% para administração pública e 30% para economia, além da entrega de títulos de qualificação, isto é, englobando a formação em curso superior e eventuais especializações e afins. As vagas deste concurso foram destinadas ao Distrito Federal, com lotação predominante no Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG). O nível de exigência foi elevado se comparado com concursos posteriores para a carreira, em decorrência da nova proposta da política de recursos humanos da reforma gerencial, com o intuito de profissionalizar o serviço público, juntamente com a Escola Nacional de Administração Pública. O edital da Escola de Administração Fazendária (ESAF) Nº 087, de 18 de dezembro de 2001, apresenta algumas modificações em relação ao concurso de 1996, sendo interessante de se observar a exigência de conhecimentos sobre ciência política nas provas objetivas. Sua sistemática continuou praticamente a mesma, porém, a entrega de títulos sofreu pequenas mudanças, passando-se a aceitar mestrado, doutorado e seus 16

17 respectivos créditos. As vagas deste concurso também foram destinadas ao Distrito Federal. O quadro abaixo relaciona o conteúdo exigido dos candidatos e os títulos que poderiam ser entregues. Fonte: Associação Nacional dos Especialistas em Políticas Públicas e Gestão Governamental (ANESP), edital ESAF Nº 087, de 18 de dezembro de Os servidores aprovados nas provas objetivas do concurso para a carreira de EPPGG continuaram sendo submetidos ao curso de formação como parte do certame na ENAP, cumprindo uma carga horária de atividades de qualificação. O primeiro curso de formação que foi realizado durante o governo Fernando Henrique Cardoso teve algumas modificações em relação ao projeto pedagógico original proposto pela ENAP em 1988, que contemplava uma carga horária de horas distribuídas em três etapas: formação conceitual, estágio e complementação, cada uma com, respectivamente, horas, horas e 500 horas (FERRAREZI & ZIMBRÃO, 2006). Contudo, a carga horária da estrutura curricular foi reduzida, motivado pelo ambiente da reforma gerencial, a qual acabou exigindo maior ênfase para o desenvolvimento de habilidades estratégicas ligadas à gerência no setor público. O curso de formação inicial, realizado em 1996, teve mudanças significativas: a retirada do estágio, uma grande redução da carga horária em relação ao primeiro curso (de horas/aula para 900 horas/aula) e ênfase acentuada da Administração Gerencial em todo o conteúdo programático. A estratégia consistia em ter um número significativo de novos funcionários qualificados formados pela Escola de Governo, que seriam espalhados pelos ministérios, disseminando nova cultura na gestão pública. (Ibidem, 2006, p. 68). É com base na necessidade de se distribuir os gestores públicos pela administração pública federal, como forma de disseminar a cultura do managerialism, que a carga ho- 17

18 rária da etapa de formação oficial na ENAP foi reduzida, também, em decorrência do clima de competição que foi se estabelecendo entre os servidores, o que afetou essa etapa dos concursos e a sua desestruturação em alguns aspectos. No que tange à descentralização dos servidores da carreira de EPPGG, o governo federal, juntamente com o Ministério da Administração Federal e Reforma do Estado (MARE), acabou editando a Lei nº 9.625, de 1998, que instituiu a Gratificação de Desempenho e Produtividade (GDP), que, dentre outras coisas, permitiu efetivamente a atuação descentralizada dos servidores da carreira de EPPGG pela administração pública federal, isto é, entre distintos órgãos (em rede). Atualmente, a mobilidade dos gestores pela administração pública federal encontra-se regulada pelo Decreto n.º 5.176, de 2004, que regulamentou a lei da carreira de EPPGG, que tem como atribuições a execução de atividades de formulação, implementação e avaliação de políticas públicas, bem assim de direção e assessoramento em escalões superiores da Administração Direta e Autárquica. A rede articula-se do seguinte modo: Fonte: elaborado pelo autor. Isto só foi possível em decorrência de uma sucessão de esforços engendrados por i- números eventos e atores que reativaram a carreira com o intuito de profissionalizar a gestão pública, onde a reforma gerencial acabou cumprindo um papel relativamente importante. Isto, por sua vez, só se tornou algo efetivo através do papel que a ENAP vinha desempenhando desde sua criação, formando as primeiras turmas de servidores ligados a área de gestão pública, a qual deu origem à criação da carreira de EPPGG. Escolas de Governo tenderão, aliás, até onde se pode erguer a vista, a manter e mesmo ampliar a sua presença e sua contribuição como horizonte plausível da movimentação em torno do Estado, da política e da sociedade civil. Em parte, porque a crise do Estado não se resolveu nem ficou menos grave, mantendo ativa a ideia de que será preciso agregar ainda mais ciência e conhecimento aos que, no plano da administração pública, estão obrigados a lidar com os problemas e desafios do aparelho estatal. (NOGUEIRA, 2011, p. 178). 18

19 Isto só foi possível, em grande medida, pelos esforços engendrados pela reforma gerencial e de sua política de recursos humanos que prezou pela valorização das carreiras de nível superior. Atualmente a carreira de EPPGG conta com servidores, segundo um estudo 10 realizado pela Associação Nacional dos Especialistas em Políticas Públicas e Gestão Governamental (ANESP) em 2013, intitulado: Perfil da carreira de Especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental EPPGG. Do total de servidores: 18% são graduados em ciências econômicas, 12% em direito e 8% em administração ao passo em que, a qualificação stricto sensu e latu sensu, distribui-se da seguinte maneira: 10% possuem doutorado, 43% possuem mestrado e 31% possuem alguma especialização. A distribuição destes mesmos servidores, segundo o estudo, nos cargos de Direção e Assessoramento Superior é a seguinte: DAS 1-4,4%, DAS 2-8,9%, DAS 3-28,2%, DAS 4-40,0%, DAS 5-14,7%, DAS 6-2,3% e não ocupantes 28,2%. A distribuição destes servidores pela administração pública federal, em seus diversos órgãos é a seguinte: 10 O estudo está disponível no sítio digital da ANESP. 19

20 Conclusão A consolidação da carreira de Especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental (EPPGG) representa um grande avanço em termos de mudança da cultura burocrática do Estado brasileiro, isto é, a reforma gerencial ao retomar seus concursos, pode compor quadros mais qualificados não só em decorrência das especificidades da carreira, mas por justamente aperfeiçoá-la, submetendo-a a um processo em que o que se busca é dotar a ação estatal com mais precisão. A reforma gerencial, nesse sentido, apesar de aporte ideológico neoliberal, conseguiu alcançar muitos de seus objetivos, produzindo, inclusive, resultados não esperados. Há, evidentemente, muito a ser feito ainda, sobretudo em termos de se construir uma gestão pública, além de qualificada, democrática, onde o cidadão possa efetivamente apropriar-se dos instrumentos de controle sobre o Estado. Desde o nascimento da administração pública moderna, no Brasil, isto nunca foi uma realidade efetiva, pois o Estado foi utilizado, durante um largo período de tempo, para a obtenção de privilégios, seja por um grupo político ou por seus agentes que ocupavam um espaço praticamente impossível de ser penetrado por tais instrumentos. As carreiras de Estado, no entanto, representam uma elite que parece inatingível pelas injunções de reforma do Estado. Aliás, muitas delas acabam saindo fortalecidas, justamente por comporem um setor que é praticamente impossível de mudar. Ele contempla desde os grandes fiscais do Estado até àqueles que têm alguma ligação com a ciência jurídica. Seus supersalários dizem muito sobre seu papel e sobre seu inegável poder de influência na administração pública brasileira. O gestor público, apesar de ser um ator diferente para estabelecer novos rumos de ação para a administração pública brasileira e corrigir determinados problemas sociais, caminha para uma atuação mais política do que efetivamente de gestão, não apenas por seus supersalários, mas por atuar exatamente na cúpula do poder, isto é, dos diversos órgãos da administração pública brasileira. O que devemos compreender para levar isso em consideração, é que toda reforma é política e seu discurso usa uma camuflagem que ludibria muitas mentes com novidades. Ela surge num momento em que as novidades foram retiradas do cenário global e trazidas para o nacional, sem qualquer forma de acordo ou de consideração das reais necessidades do Estado brasileiro. De maneira unilateral, usurpou a soberania nacional em nome dos princípios de reestruturar o Estado, aumentar a eficiência do aparelho burocrático, etc. A reforma gerencial, por sua vez, é um mecanismo que tenta conferir caráter empresarial ao governo e à própria administração pública, ou nas palavras de Gerald Caiden O governo não é uma empresa, mas pode se tornar mais empresarial. O grande imbróglio da reforma gerencial consiste em privilegiar um grupo específico de atores, seja ele político ou pertencente à própria administração pública. Em outras palavras, a grande falha, no entanto, é generalizar a ineficiência dos serviços da corte, mas manter determinados cortesãos. 20

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 13.421, DE 05 DE ABRIL DE 2010. (publicada no DOE nº 062, de 05 de abril de 2010 2ª edição) Institui a Carreira

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

PROPOSTA DE PROJETO DE LEI SOBRE O PISO SALARIAL NACIONAL DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO ESCOLAR PÚBLICA

PROPOSTA DE PROJETO DE LEI SOBRE O PISO SALARIAL NACIONAL DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO ESCOLAR PÚBLICA PROPOSTA DE PROJETO DE LEI SOBRE O PISO SALARIAL NACIONAL DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO ESCOLAR PÚBLICA Regulamenta o inciso VIII do artigo 206 da Constituição Federal, para instituir o piso salarial profissional

Leia mais

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Artigo Especial Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Luiz Carlos Bresser-Pereira 1 1 Fundação Getúlio Vargas. Ministro da Fazenda (1987). Ministro da Administração

Leia mais

PROPOSTA DE PROJETO DE LEI SOBRE O PISO SALARIAL NACIONAL DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO ESCOLAR PÚBLICA

PROPOSTA DE PROJETO DE LEI SOBRE O PISO SALARIAL NACIONAL DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO ESCOLAR PÚBLICA PROPOSTA DE PROJETO DE LEI SOBRE O PISO SALARIAL NACIONAL DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO ESCOLAR PÚBLICA Regulamenta o inciso VIII do artigo 206 da Constituição Federal, para instituir o piso salarial profissional

Leia mais

CURSO: MBA EM GESTÃO PÚBLICA E AUDITORIA DISCIPLINA: ÉTICA NA GESTÃO PÚBLICA PRIMEIRO MÓDULO INTRODUÇÃO

CURSO: MBA EM GESTÃO PÚBLICA E AUDITORIA DISCIPLINA: ÉTICA NA GESTÃO PÚBLICA PRIMEIRO MÓDULO INTRODUÇÃO CURSO: MBA EM GESTÃO PÚBLICA E AUDITORIA DISCIPLINA: ÉTICA NA GESTÃO PÚBLICA PRIMEIRO MÓDULO INTRODUÇÃO OBJETIVO DO CURSO MBA EM GESTÃO PÚBLICA E AUDITORIA Oferecer condições ferramentais para o profissional

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.707, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2006. Institui a Política e as Diretrizes para o Desenvolvimento de Pessoal da administração

Leia mais

Comunidade no Orkut: Administração Pública - concursos. Grupo no Yahoo: enviar e-mail para: professor_wagner_rabellosubscribe@yahoogrupos.com.

Comunidade no Orkut: Administração Pública - concursos. Grupo no Yahoo: enviar e-mail para: professor_wagner_rabellosubscribe@yahoogrupos.com. ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA _ Prof. Wagner Rabello Jr. Currículo resumido: Wagner Leandro Rabello Junior é pós-graduado em Administração Pública pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e bacharel em Biblioteconomia

Leia mais

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007.

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. Dispõe sobre a criação do Instituto Escola de Governo e Gestão Pública de Ananindeua, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui, e eu

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO 05/IN01/DSIC/GSIPR 00 14/AGO/09 1/7 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações CRIAÇÃO DE EQUIPES DE TRATAMENTO E RESPOSTA A INCIDENTES

Leia mais

Agências Executivas. A referida qualificação se dará mediante decreto do Poder Executivo. Agências Reguladoras

Agências Executivas. A referida qualificação se dará mediante decreto do Poder Executivo. Agências Reguladoras Agências Executivas A Lei nº 9.649/98 autorizou o Poder Executivo a qualificar, como agência executiva aquela autarquia ou fundação pública que celebre contrato de gestão com o Poder Público. A referida

Leia mais

AULA 01. Esses três primeiros livros se destacam por serem atualizados pelos próprios autores.

AULA 01. Esses três primeiros livros se destacam por serem atualizados pelos próprios autores. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito Administrativo / Aula 01 Professora: Luiz Oliveira Castro Jungstedt Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 01 CONTEÚDO DA AULA: Estado Gerencial brasileiro.introdução1

Leia mais

FUNDOS DE PENSÃO - (Ante)Projeto de Lei Complementar PLC (ENTIDADES ASSOCIADAS: Proposta Consolidada Aprimora LC 108/2001)

FUNDOS DE PENSÃO - (Ante)Projeto de Lei Complementar PLC (ENTIDADES ASSOCIADAS: Proposta Consolidada Aprimora LC 108/2001) FUNDOS DE PENSÃO - (Ante)Projeto de Lei Complementar PLC (ENTIDADES ASSOCIADAS: Proposta Consolidada Aprimora LC 108/2001) Texto Atual Texto Proposto Justificativas Art. 4º. Nas sociedades de economia

Leia mais

PROVA DE LEGISLAÇÃO Apenas as alternativas II e III são garantias contratuais admitidas para contratos com a Administração Pública.

PROVA DE LEGISLAÇÃO Apenas as alternativas II e III são garantias contratuais admitidas para contratos com a Administração Pública. PROVA DE LEGISLAÇÃO 1 São admitidas como garantias contratuais para as contratações de obras, serviços e compras efetuados pela Administração Pública: I Hipoteca de imóveis. II Seguro-garantia. III Fiança

Leia mais

Amigos concurseiros, Administração Pública (Banca FGV)

Amigos concurseiros, Administração Pública (Banca FGV) 1 Amigos concurseiros, Tendo em visto a iminência da realização de mais um concurso para a Secretaria de Fazenda do Estado RJ (SEFAZ/RJ), vamos analisar as questões de Administração Pública que caíram

Leia mais

O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA

O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA 1. INTRODUÇÃO A previdência social no Brasil pode ser divida em dois grandes segmentos, a saber: Regime Geral de Previdência Social (RGPS):

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

Características das Autarquias

Características das Autarquias ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Professor Almir Morgado Administração Indireta: As entidades Administrativas. Autarquias Define-se autarquia como o serviço autônomo criado por lei específica, com personalidade d

Leia mais

2. O que a Funpresp Exe traz de modernização para o sistema previdenciário do Brasil?

2. O que a Funpresp Exe traz de modernização para o sistema previdenciário do Brasil? Perguntas Frequentes 1. O que é a Funpresp Exe? É a Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal do Poder Executivo, criada pelo Decreto nº 7.808/2012, com a finalidade de administrar

Leia mais

GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005

GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005 GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005 O Plenário do Conselho de Previdência Social em sua 6ª Reunião Ordinária, realizada em 02/03/2005,

Leia mais

Gestão de Recursos Humanos e Contratualização. Nelson Marconi

Gestão de Recursos Humanos e Contratualização. Nelson Marconi Gestão de Recursos Humanos e Contratualização Nelson Marconi Estágios das Políticas de Recursos Humanos 1º estágio: controles e ajuste das despesas 2º estágio: definição de políticas consistentes porém

Leia mais

Regimento Interno da Unidade de Auditoria Interna

Regimento Interno da Unidade de Auditoria Interna CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA - UAUDI Regimento Interno da Unidade de Auditoria Interna Rio de Janeiro 2015 CAPÍTULO I DA MISSÃO E DO ESCOPO

Leia mais

Administração Pública

Administração Pública Administração Pública Sumário Aula 1- Características básicas das organizações formais modernas: tipos de estrutura organizacional, natureza, finalidades e critérios de departamentalização. Aula 2- Processo

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

Á Comissão de Gestão de Pessoas - CGP/CONSUNI C/C:Pró-reitoria de Desenvolvimento de Pessoas-PRODEP

Á Comissão de Gestão de Pessoas - CGP/CONSUNI C/C:Pró-reitoria de Desenvolvimento de Pessoas-PRODEP Á Comissão de Gestão de Pessoas - CGP/CONSUNI C/C:Pró-reitoria de Desenvolvimento de Pessoas-PRODEP CONTRIBUIÇÃO DOS TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DA UFBA À CONSTRUÇÃO DO PQSTAE- Programa de Qualificação

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 391-A, DE 2014

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 391-A, DE 2014 COMISSÃO ESPECIAL DESTINADA A PROFERIR PARECER À PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 391-A, DE 2014 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 391-A, DE 2014 Fixa parâmetros para a remuneração da Carreira de

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA PORTARIA Nº 391, DE 25 DE JULHO DE 2012

INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA PORTARIA Nº 391, DE 25 DE JULHO DE 2012 INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA PORTARIA Nº 391, DE 25 DE JULHO DE 2012 O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA Inmetro, no uso de suas atribuições

Leia mais

DECISÃO Nº 193/2011 D E C I D E

DECISÃO Nº 193/2011 D E C I D E CONSUN Conselho Universitário DECISÃO Nº 193/2011 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, em sessão de 08/04/2011, tendo em vista o constante no processo nº 23078.032500/10-21, de acordo com o Parecer nº 022/2011 da

Leia mais

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º A Auditoria Interna do IF Sudeste de Minas Gerais, está vinculada ao Conselho Superior,

Leia mais

Poder e Dominação Segundo Max Weber. Dominação Legal, Dominação Tradicional, Dominação Carismática. Dominação Legal. Dominação Tradicional

Poder e Dominação Segundo Max Weber. Dominação Legal, Dominação Tradicional, Dominação Carismática. Dominação Legal. Dominação Tradicional Poder e Dominação Segundo Max Weber Poder significa toda oportunidade de impor sua própria vontade, no interior de uma relação social, até mesmo contra resistências, pouco importando em que repouse tal

Leia mais

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO Decreto N. 2/ 2003 De 23 de Julho Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal O Decreto Lei N 7/ 2003 relativo à remodelação da estrutura orgânica

Leia mais

VI política de recursos humanos. Gestão de Pessoas

VI política de recursos humanos. Gestão de Pessoas VI política de recursos humanos Gestão de Pessoas mensagem presidencial GESTÃO DE PESSOAS O Governo Federal estabeleceu, em todos os setores, um processo amplo de diálogo e de participação. Assim, a opção

Leia mais

PROCESSO Nº 23062.000509/12-59

PROCESSO Nº 23062.000509/12-59 Destaques da Proposta de Programa de Capacitação dos Servidores Técnico- Administrativos em Educação aprovados durante a 435ª Reunião do Conselho Diretor PROCESSO Nº 23062.000509/12-59 ALTERAÇÕES GERAIS

Leia mais

Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU

Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU O Papel dos Tributos Imobiliários para o Fortalecimento dos Municípios Eduardo de Lima Caldas Instituto Pólis Marco

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

Gestão Democrática da Educação

Gestão Democrática da Educação Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Departamento de Articulação e Desenvolvimento dos Sistemas de Ensino Coordenação Geral de Articulação e Fortalecimento Institucional dos Sistemas de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE URUAÇU ESTADO DE GOIÁS PODER EXECUTIVO SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO CNPJ 01.219.807/0001-82

PREFEITURA MUNICIPAL DE URUAÇU ESTADO DE GOIÁS PODER EXECUTIVO SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO CNPJ 01.219.807/0001-82 Lei nº 1.591/2010 Altera a Lei Municipal 1.313/205, Cria a Coordenadoria Especial de Políticas para Mulheres, Cria a Coordenadoria Especial de Promoção da Igualdade Racial, e dá outras providências. O

Leia mais

INSTRUMENTOS DE TRATAMENTO DE CONFLITOS DAS RELAÇÕES DE TRABALHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL

INSTRUMENTOS DE TRATAMENTO DE CONFLITOS DAS RELAÇÕES DE TRABALHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 INSTRUMENTOS DE TRATAMENTO DE CONFLITOS DAS RELAÇÕES DE TRABALHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL Marcela Tapajós e Silva Painel

Leia mais

DECRETO N 6.664 DE 05 DE MARÇO DE 1990

DECRETO N 6.664 DE 05 DE MARÇO DE 1990 DECRETO N 6.664 DE 05 DE MARÇO DE 1990 DISPÕE SOBRE ALTERAÇÃO DO ANEXO III DO DECRETO N 2.456, DE 24.09.1982. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARÁ, no uso de suas atribuições que lhe confere o art. 135, inciso

Leia mais

www.concursovirual.com.br

www.concursovirual.com.br DIREITO ADMINISTRATIVO TEMA: CONHECIMENTOS GERAIS CORREIOS/2015 CONHECIMENTOS GERAIS ESTADO UNITÁRIO - PODER CENTRAL (França) ESTADO COMPOSTO ESTADO UNITÁRIO (Formação histórica) ESTADO REGIONAL MENOS

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999. Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas.

LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999. Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas. LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999 Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social

Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social Na mesma semana em que os trabalhadores brasileiros tomaram as ruas e conseguiram suspender a votação do Projeto de Lei

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 Altera a Lei 11.907 de 02 de fevereiro de 2009, para estabelecer a jornada de trinta horas para os integrantes da carreira de Perito Médico Previdenciário e da Carreira de Supervisor

Leia mais

LEI Nº 3.848, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1960

LEI Nº 3.848, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1960 LEI Nº 3.848, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1960 Cria a Universidade do Estado do Rio de Janeiro, e dá outras providências. O Presidente da República, Faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a

Leia mais

Adicional de Pós-Graduação. Conceito

Adicional de Pós-Graduação. Conceito Adicional de Pós-Graduação Conceito A concessão do APG está condicionada à realização de curso de pós-graduação nos níveis de Especialização, Mestrado e Doutorado, que se enquadrem nas normas dos Conselhos

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA ANÁLISE DOS INDICADORES E METAS DO ACORDO DE RESULTADOS DA DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO DO DER/MG.

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA ANÁLISE DOS INDICADORES E METAS DO ACORDO DE RESULTADOS DA DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO DO DER/MG. CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA DIRETORIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, PESQUISA E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO/MBA GESTÃO PÚBLICA ANÁLISE DOS INDICADORES E METAS DO ACORDO DE RESULTADOS DA DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

AULA 02 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 02

AULA 02 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 02 AULA 02 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 02 CAPÍTULO VII DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA SEÇÃO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 006 /2007

ATO NORMATIVO Nº 006 /2007 ATO NORMATIVO Nº 006 /2007 Dispõe sobre os cargos em comissão do Ministério Público do Estado da Bahia, e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA, no uso das atribuições

Leia mais

2.6.2. Entidades fundacionais as fundações públicas 2.6.2.1. Conceito

2.6.2. Entidades fundacionais as fundações públicas 2.6.2.1. Conceito Esses consórcios, a fim de poder assumir obrigações e exercer seus direitos perante terceiros, precisam de personalidade jurídica, assim, a citada lei dispôs que eles serão pessoas jurídicas de direito

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.350, DE 5 DE OUTUBRO DE 2006. Regulamenta o 5 o do art. 198 da Constituição, dispõe sobre o aproveitamento de pessoal amparado

Leia mais

A importância das atividades de protocolo e arquivo para a modernização e transparência públicas

A importância das atividades de protocolo e arquivo para a modernização e transparência públicas A importância das atividades de protocolo e arquivo para a modernização e transparência públicas Jaime Antunes da Silva Diretor-Geral do Arquivo Nacional Presidente do Conselho Nacional de Arquivos CONARQ

Leia mais

LEI Nº 8.966 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003

LEI Nº 8.966 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003 Publicada D.O.E. Em 23.12.2003 LEI Nº 8.966 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003 Reestrutura o Plano de Carreira do Ministério Público do Estado da Bahia, instituído pela Lei nº 5.979, de 23 de setembro de 1990,

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

LEI N 7.350, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2000 D.O. 13.12.00.

LEI N 7.350, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2000 D.O. 13.12.00. LEI N 7.350, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2000 D.O. 13.12.00. Autor: Poder Executivo Cria a carreira de Gestor Governamental e os respectivos cargos na Administração Pública Estadual e dá outras providências.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.593, DE 18 DE JANEIRO DE 2012. Mensagem de veto Institui o Plano Plurianual da União para o período de 2012 a 2015. A PRESIDENTA

Leia mais

Como calcular o número necessário de servidores? E QUANDO O PROCESSO DE TRABALHO NÃO É QUANTIFICÁVEL COM FACILIDADE? ALTERNATIVA 2 Uma possibilidade para transpor essa restrição seria a utilização de um

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2007 (DO SR. INDIO DA COSTA e outros)

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2007 (DO SR. INDIO DA COSTA e outros) PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2007 (DO SR. INDIO DA COSTA e outros) Dá nova redação ao art. 37 da Constituição Federal. As Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, nos termos da art.

Leia mais

9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO

9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO 9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO Ao sistema de controle interno, consoante o previsto nos arts. 70 e 74 da Constituição Federal, incumbe a fiscalização contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial,

Leia mais

ABONO DE PERMANÊNCIA E APOSENTADORIA DO PROFESSOR DA EDUCAÇÃO INFANTIL, DO ENSINO FUNDAMENTAL E DO ENSINO MÉDIO

ABONO DE PERMANÊNCIA E APOSENTADORIA DO PROFESSOR DA EDUCAÇÃO INFANTIL, DO ENSINO FUNDAMENTAL E DO ENSINO MÉDIO ABONO DE PERMANÊNCIA E APOSENTADORIA DO PROFESSOR DA EDUCAÇÃO INFANTIL, DO ENSINO FUNDAMENTAL E DO ENSINO MÉDIO VANIA MARIA DE SOUZA ALVARIM (Advogada, Estudante de pós-graduação em Direito Público, Mestre

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 156 DE 14 DE JANEIRO DE 2010.

LEI COMPLEMENTAR Nº 156 DE 14 DE JANEIRO DE 2010. LEI COMPLEMENTAR Nº 156 DE 14 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre a transformação da Universidade Virtual do Estado de Roraima UNIVIRR, para a categoria de Fundação Pública e dá outras providências. O GOVERNADOR

Leia mais

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a suas atividades em 1944

Leia mais

O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL

O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL Profª Carla Pintas O novo pacto social envolve o duplo sentido de que a saúde passa a ser definida como um direito de todos, integrante da condição de cidadania social,

Leia mais

A Carreira de Fiscal Tributário Municipal

A Carreira de Fiscal Tributário Municipal A Carreira de Fiscal Tributário Municipal Levando em conta o fato de que os Municípios receberam da Constituição Federal competência para instituir tributos, recebeu, em concomitância, o direito de criar

Leia mais

Subseção I Disposição Geral

Subseção I Disposição Geral Subseção I Disposição Geral Art. 59. O processo legislativo compreende a elaboração de: I - emendas à Constituição; II - leis complementares; III - leis ordinárias; IV - leis delegadas; V - medidas provisórias;

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 Artigo 1º. - A FUNDAÇÃO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM AGRONOMIA, MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - FUNEP, além das disposições constantes de seu Estatuto

Leia mais

MAGNO ANTÔNIO CORREIA DE MELLO

MAGNO ANTÔNIO CORREIA DE MELLO ALTERAÇÕES NORMATIVAS DECORRENTES DE REFORMAS PREVIDENCIÁRIAS IMPLEMENTADAS OU PROPOSTAS, CLASSIFICADAS POR ASSUNTO, A PARTIR DA EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 20/98 - QUADRO COMPARATIVO - MAGNO ANTÔNIO CORREIA

Leia mais

EIXO 3 ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. D 3.3 Fundamentos do Direito Público (20h) Professores: Juliana Bonacorsi de Palma e Rodrigo Pagani de Souza

EIXO 3 ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. D 3.3 Fundamentos do Direito Público (20h) Professores: Juliana Bonacorsi de Palma e Rodrigo Pagani de Souza EIXO 3 ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA D 3.3 Fundamentos do Direito Público (20h) Professores: Juliana Bonacorsi de Palma e Rodrigo Pagani de Souza 29 e 30 de setembro, 01, 05, 06 e 07 de outubro de 2011 ENAP Escola

Leia mais

3. Experiências de Reformas Administrativas

3. Experiências de Reformas Administrativas A Máquina Administrativa no Brasil: da Burocracia à New Public Management 3. Experiências de Reformas Administrativas - 1930/45 A Burocratização da Era Vargas. - 1956/60 A Administração Paralela de JK.

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Existem três níveis distintos de planejamento: Planejamento Estratégico Planejamento Tático Planejamento Operacional Alcance

Leia mais

Gestão de Finanças Públicas

Gestão de Finanças Públicas APRESENTAÇÃO Desde a primeira edição deste livro mencionamos como os avanços no arcabouço institucional e instrumental de gestão financeira foram relevantes para que o governo brasileiro, efetivamente,

Leia mais

ECB-PUBLIC PARECER DO BANCO CENTRAL EUROPEU. de 24 de março de 2015. sobre o regime do mediador de crédito (CON/2015/12)

ECB-PUBLIC PARECER DO BANCO CENTRAL EUROPEU. de 24 de março de 2015. sobre o regime do mediador de crédito (CON/2015/12) PT ECB-PUBLIC PARECER DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 24 de março de 2015 sobre o regime do mediador de crédito (CON/2015/12) Introdução e base jurídica Em 14 de janeiro de 2015 o Banco Central Europeu (BCE)

Leia mais

Gestão Por Competências nas IFES

Gestão Por Competências nas IFES Goiânia 22 de Novembro de 2012 Gestão Por Competências nas IFES Anielson Barbosa da Silva anielson@uol.com.br A G E N D A 1 Desafios da Gestão de Pessoas nas IFES. 2 3 Bases Legais da Gestão de Pessoas

Leia mais

Desenvolvendo competências nos gestores públicos

Desenvolvendo competências nos gestores públicos Desenvolvendo competências nos gestores públicos Walter Sigollo Superintendente de Recursos Humanos e Qualidade 26/maio/2011 Contexto do País - Mercado Estudo Mercer Consulting Outsourcing - abril 2011

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

DECRETO nº 53.464 de 21-01-1964

DECRETO nº 53.464 de 21-01-1964 DECRETO nº 53.464 de 21-01-1964 Regulamenta a Lei nº 4.119, de agosto de 1962, que dispõe sobre a Profissão de Psicólogo. O Presidente da República, usando das atribuições que lhe confere o art.87, item

Leia mais

GABARITO. Observações: As questões 18 e 26 foram anuladas. A questão 25 desconsiderar os percentuais digitados na questão.

GABARITO. Observações: As questões 18 e 26 foram anuladas. A questão 25 desconsiderar os percentuais digitados na questão. GABARITO Observações: As questões 18 e 26 foram anuladas. A questão 25 desconsiderar os percentuais digitados na questão. Questão 1: Sobre os princípios da administração pública, é incorreto afirmar: (a)

Leia mais

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR Consiste na forma como as diferentes Pessoas Jurídicas atuam no desenvolvimento de atividades econômicas e sociais no âmbito da sociedade. De acordo com o

Leia mais

Programa de Capacitação

Programa de Capacitação Programa de Capacitação 1. Introdução As transformações dos processos de trabalho e a rapidez com que surgem novos conhecimentos e informações têm exigido uma capacitação permanente e continuada para propiciar

Leia mais

QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA

QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA ESTUDO ESTUDO QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA Cláudia Augusta Ferreira Deud Consultora Legislativa da Área XXI Previdência e Direito Previdenciário ESTUDO ABRIL/2007 Câmara dos Deputados

Leia mais

ATO Nº 229/2013. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 229/2013. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 229/2013 Aprova a Norma Complementar de Criação da Equipe de Tratamento e Resposta a Incidentes na Rede de Computadores do Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL

Leia mais

CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN

CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN 1. Que vantagens além do vencimento podem ser pagas ao servidor? a) indenizações, que não se incorporam

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE CIENCIAS DA SAUDE COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

ESCOLA SUPERIOR DE CIENCIAS DA SAUDE COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESCOLA SUPERIOR DE CIENCIAS DA SAUDE COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO DO TRABALHO E EDUCAÇÃO NA SAÚDE 1- Introdução: contextualização a iniciativa O curso

Leia mais

Unidade III GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS. Profa. Ani Torres

Unidade III GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS. Profa. Ani Torres Unidade III GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS Profa. Ani Torres Desenvolvendo pessoas O desenvolvimento e a manutenção de pessoas estão relacionados com a evolução das equipes de trabalho e com a

Leia mais

A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL E SEUS CONTROLES INTERNO E EXTERNO RESUMO

A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL E SEUS CONTROLES INTERNO E EXTERNO RESUMO A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL E SEUS CONTROLES INTERNO E EXTERNO RESUMO O presente estudo é resultado de uma revisão bibliográfica e tem por objetivo apresentar a contextualização teórica e legislativa sobre

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 350-GR/UNICENTRO, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013. Aprova, ad referendum do CEPE, o Curso de Especialização em MBA em Gestão Estratégica de Organizações, modalidade regular, a ser ministrado no

Leia mais

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual 20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual Paulista da CONSOCIAL Prioridades Texto Diretriz Eixo Pontos 1 2 Regulamentação e padronização de normas técnicas para a elaboração dos Planos de Governo apresentados

Leia mais

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM DECRETO nº 1098, de 12 de fevereiro de 2009 Dispõe sobre alocação, denominação e atribuições dos órgãos que compõem a estrutura organizacional do Gabinete da Prefeita e dá outras providências. A PREFEITA

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964.

ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964. ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964. Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 11, de 1966. Entrada em vigor (art. 6º, 1º) a 2 de maio de 1966. Promulgado

Leia mais

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL PROJETO DE LEI Institui o Plano Plurianual da União para o período 2012-2015. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL Art.1 o Esta lei institui o Plano

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2010. (Do Sr. Eduardo Barbosa) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2010. (Do Sr. Eduardo Barbosa) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2010 (Do Sr. Eduardo Barbosa) Susta a aplicação do 1º do art. 29 da Resolução CNE/CEB nº 4, de 13 de julho de 2010, da Câmara de Educação Básica do Conselho Nacional

Leia mais

Medida Provisória nº de de 2008

Medida Provisória nº de de 2008 Medida Provisória nº de de 008 Dispõe sobre a criação da Gratificação de Desempenho de Atividade de Controle Interno e de Apoio Técnico ao Controle Interno no âmbito das Instituições Federais vinculadas

Leia mais

Agências Reguladoras: o novo em busca de espaço

Agências Reguladoras: o novo em busca de espaço III Congresso Iberoamericano de Regulação Econômica Agências Reguladoras: o novo em busca de espaço São Paulo-SP Junho de 2008 Alvaro A. P. Mesquita Sócio Sumário I. Objetivo II. III. IV. Regulação Papel

Leia mais