A atividade da construção e reparação naval na RAA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A atividade da construção e reparação naval na RAA"

Transcrição

1 NÁUTICAS AO SERVIÇO DA A atividade da construção e reparação naval na RAA Ponta Delgada 25 de Março de 2013 Nuno Lima

2 A actividade da construção e reparação naval na RAA Caracterização Geral Infra-estruturas e Equipamentos Frota e Armadores Perspectivas de Desenvolvimento

3 Caracterização Geral Organização Dispersão geográfica; Herança cultural; Infra-estruturas e frota artesanal / semi-industrial comercial; Inexistência de uma sector organizado; Tecido empresarial caracterizado por micro empresas; Eventos recentes Renovação da Frota Atuneira - final da década de 80 início da década de 90; Renovação da frota de pesca local finais da década de 90; Exploração dos Estaleiros da Madalena pela COFACO nas décadas de 80 e 90;

4 Infra-estruturas e Equipamentos Rampa de varagem; Pórticos de varagem; Gruas; Carreias do Porto da Madalena Carreiras do Porto da Horta Elevador de varagem do Porto da Praia da Vitória

5 Infra-estruturas Rampa de varagem

6 Infra-estruturas e Equipamentos Pórticos de varagem;

7 Infra-estruturas e Equipamentos Gruas;

8 Infra-estruturas e Equipamentos Carreias do Porto da Madalena

9 Carreias do Porto da Madalena

10 Infra-estruturas e Equipamentos Carreiras do Porto da Horta

11 Carreiras do Porto da Horta

12 Infra-estruturas e Equipamentos Elevador de varagem do Porto da Praia da Vitória

13 Frota e Armadores Recreio Regional Estrangeira Histórica /tradicional Pesca Regional Estrangeira Tráfego Local e Auxiliares

14 Regional Frota de Recreio Estrangeira Histórica /tradicional

15 Regional Local Frota de Pesca Costeira Estrangeira

16 Tráfego Local Frota Tráfego Local e Auxiliares Auxiliares

17 Perspectivas de Desenvolvimento Definição da estratégia para o sector Respostas às exigências do mercado local e exterior Frota de recreio: Novas marinas e portos de recreio Aumento da frota local e estrangeira Frota de Pesca artesanal e semi-industrial; Novos materiais em substituição da madeira Frota do Tráfego Local e Auxiliares; Modificação operada nas últimas duas década

18 Perspectivas de Desenvolvimento Criação / remodelação de infra-estruturas Núcleos de recreio e pesca Terraplenos; Instalações industriais; Remodelação das infra-estruturas Porto da Horta; Porto da Madalena; Porto da Praia da Vitória;

19 Perspectivas de Desenvolvimento Custos de deslocação das embarcações para docagens no exterior da Região; Exemplo Rebocadores Portos dos Açores Custos de trabalhos em doca seca ±20.000,00 manobras, estadia, pintura fundo e zincos, correr veios, desmontar lemes e válvulas de fundo Nota: valores docagem de 2011 rebocador O Bravo Custos de combustível viagem ±20.000,00 (2 X nm, 120 l/h a 10 nós consumo total l)

20 Perspectivas de Desenvolvimento Reparação dos Cruzeiros ano de 2010

21 Perspectivas de Desenvolvimento Reparação dos Cruzeiros ano de Definição do plano de acção baseada no enquadramento técnico e operacional do projecto; - Trabalhos de Manutenção: - Casco e estrutura, sistemas e equipamentos; - Trabalhos para cumprimento dos requisitos do DL 180/2003: - Cumprimento critérios de estabilidade em avaria; - Protecção estrutural contra incêndios; - Dotação com os meios de salvação e demais equipamentos requeridos;

22 "Um dia tudo será excelente, eis a nossa esperança; hoje tudo corre pelo melhor, eis a nossa ilusão. Voltaire Obrigado Ponta Delgada 25 de Março de 2013 Nuno Lima

Economia do mar nos Açores estado atual da informação disponível

Economia do mar nos Açores estado atual da informação disponível Economia do mar nos Açores estado atual da informação disponível Gilberto P. Carreira gilberto.mp.carreira@azores.gov.pt Direção Regional dos Assuntos do Mar Secretaria Regional do Mar, Ciência e Tecnologia

Leia mais

Equipamentos Portuários

Equipamentos Portuários O Marinas, Docas de Recreio e Portos de Pesca Equipamento Flutuante 4 Acessórios para Marinas 6 Equipamento para Cais, Marina Seca e Estaleiros 8 Ajudas à Navegação Balizamento Marítimo 10 Elevação de

Leia mais

Indústria Náutica Brasileira Fatos & Números 2012

Indústria Náutica Brasileira Fatos & Números 2012 Indústria Náutica Brasileira Fatos & Números 2012 Segunda edição do estudo realizado em 2005 Objetivo: Dimensionar o tamanho do segmento náutico no Brasil, sua importância e seu potencial de contribuição

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR/A DE CONSTRUÇÃO E REPARAÇÃO NAVAL

PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR/A DE CONSTRUÇÃO E REPARAÇÃO NAVAL PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR/A DE CONSTRUÇÃO E REPARAÇÃO NAVAL Publicação e atualizações Publicado no Despacho n.º13456/2008, de 14 de Maio, que aprova a versão inicial do Catálogo Nacional de Qualificações.

Leia mais

Mais do que um Barco, um Conceito

Mais do que um Barco, um Conceito Mais do que um Barco, um Conceito Breve apresentação da Estratégia de Sustentabilidade da Sun Concept Nuno Gaspar de Oliveira Marketing Estratégico Muitas vezes temos ilusões de ótica relativamente ao

Leia mais

FORUM do MAR Desafios do Mar 2020 As Fileiras da Economia do Mar e os Desafios Frederico J. Spranger Presidente da A.I.N.

FORUM do MAR Desafios do Mar 2020 As Fileiras da Economia do Mar e os Desafios Frederico J. Spranger Presidente da A.I.N. FORUM do MAR 2013 Desafios do Mar 2020 As Fileiras da Economia do Mar e os Desafios 2020 Frederico J. Spranger Presidente da A.I.N. As Indústrias Navais A Construção Naval Uma Indústria Transformadora

Leia mais

Escalões dos Profissionais do Mar Para a : Marinha de Comércio Marinha de Pesca Marinha do Tráfego Local Marinha de Recreio

Escalões dos Profissionais do Mar Para a : Marinha de Comércio Marinha de Pesca Marinha do Tráfego Local Marinha de Recreio FORMAÇÃO MARÍTIMA Miguel Cândido NAVIO E EMBARCAÇÃO Navios e Embarcações São os termos utilizados para designar veículos flutuantes destinados a navegar. Escalões dos Profissionais do Mar Para a : Marinha

Leia mais

REGIÃO DO OESTE & SISTEMA PORTUÁRIO NACIONAL. Lídia Sequeira

REGIÃO DO OESTE & SISTEMA PORTUÁRIO NACIONAL. Lídia Sequeira REGIÃO DO OESTE & SISTEMA PORTUÁRIO NACIONAL Lídia Sequeira REGIÃO OESTE NA ECONOMIA NACIONAL dgqehth População residente: 338 711 População empregada: 151 172 Empresas não financeiras: 40 866 Volume de

Leia mais

40 MIL VEÍCULOS E 200 MIL VIDAS. seguradas por todo o Brasil ANOS. de experiência no mercado.

40 MIL VEÍCULOS E 200 MIL VIDAS. seguradas por todo o Brasil ANOS. de experiência no mercado. 40 MIL VEÍCULOS E 200 MIL VIDAS seguradas por todo o Brasil. + 35 ANOS de experiência no mercado. SÃO MAIS DE 100 COLABORADORES FORMANDO UMA EQUIPE PREPARADA E EFICIENTE Investimos o máximo possível treinando

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL MAQUINISTA MARÍTIMO/A

PERFIL PROFISSIONAL MAQUINISTA MARÍTIMO/A PERFIL PROFISSIONAL MAQUINISTA MARÍTIMO/A Publicado no Boletim do Trabalho do Emprego (BTE) nº 23 de 22 de Junho de 2010 com entrada em vigor a 22 de Junho de 2010. Publicação e atualizações 1ª Actualização

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO PARA O QUADRIÉNIO

GRANDES OPÇÕES DO PLANO PARA O QUADRIÉNIO Junta Freguesia Castelo Branco Município Castelo Branco GRANDES OPÇÕES DO PLANO PARA O QUADRIÉNIO 2008/2011 APROVADO PELA JUNTA DE FREGUESIA Em reunião / / PELA ASSEMBLEIA DE FREGUESIA Em sessão / / Fl.

Leia mais

Regulamentação externa e interna

Regulamentação externa e interna Regulamentação externa e interna Dada a extensão das atribuições da APL, S.A. e da sua área de jurisdição, as normas que regem a respetiva atividade ou que têm interesse para a mesma são muito diversas.

Leia mais

REGULAMENTO DE TARIFAS PARA UTILIZAÇÃO DE BENS DOMINIAIS DO PORTO DE VIANA DO CASTELO 2016

REGULAMENTO DE TARIFAS PARA UTILIZAÇÃO DE BENS DOMINIAIS DO PORTO DE VIANA DO CASTELO 2016 REGULAMENTO DE TARIFAS PARA UTILIZAÇÃO DE BENS DOMINIAIS DO PORTO DE VIANA DO CASTELO 2016 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Âmbito de aplicação 1. O presente regulamento, elaborado em conformidade

Leia mais

Impacto Económico e Turístico da Náutica de Recreio na Área de Jurisdição da Docapesca

Impacto Económico e Turístico da Náutica de Recreio na Área de Jurisdição da Docapesca Impacto Económico e Turístico da Náutica de Recreio na Área de Jurisdição da Docapesca [Relatório #1: 27-06-2015] Prof. Doutor Fernando Perna Prof. Coordenador da Universidade do Algarve ESGHT Matosinhos,

Leia mais

Evolução dos edifícios por ilha e município nos Açores

Evolução dos edifícios por ilha e município nos Açores Evolução dos edifícios por ilha e município nos Açores análise aos dados do Recenseamento Geral da Habitação 1981, 1991, 2001 & 2011 Vasco Silva Lisboa, 1 Dezembro 2014 1 RESUMO Com base nos dados recolhidos

Leia mais

Organograma Composição de um organograma de manutenção Análise do factor humano no organograma de um serviço de manutenção

Organograma Composição de um organograma de manutenção Análise do factor humano no organograma de um serviço de manutenção ÍNDICE Capítulo I - MANUTENÇÃO INDUSTRIAL - CONCEITOS GERAIS Pág. Definição..................... 7 Condições ideais de funcionamento.......... 8 Espírito do pessoal de manutenção... 9 Manutenção organizada...

Leia mais

O Instituto Hidrográfico (IH): Ciência e Tecnologia do Mar ao serviço dos Países da Lusofonia

O Instituto Hidrográfico (IH): Ciência e Tecnologia do Mar ao serviço dos Países da Lusofonia O Instituto Hidrográfico (IH): Ciência e Tecnologia do Mar ao serviço dos Países da Lusofonia Carlos Ventura Soares Capitão-de-mar-e-guerra Engenheiro Hidrógrafo DIRECTOR TÉCNICO Encontro sobre Produtos

Leia mais

PLANO DE MONITORIZAÇÃO DA QUALIDADE DA ONDA DE TENSÃO PARA A REDE DE TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DA EDA ÍNDICE

PLANO DE MONITORIZAÇÃO DA QUALIDADE DA ONDA DE TENSÃO PARA A REDE DE TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DA EDA ÍNDICE PÁG. 1/8 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 2 2. METODOLOGIA E CRITÉRIOS UTILIZADOS NA DEFINIÇÃO DO NÚMERO E LOCALIZAÇÃO DAS MONITORIZAÇÕES... 3 3. PL DE MONITORIZAÇÃO 2014/2015... 4 PÁG. 2/8 1. INTRODUÇÃO De acordo

Leia mais

NÚCLEO DISTRITAL DE MERGULHO

NÚCLEO DISTRITAL DE MERGULHO NÚCLEO DISTRITAL DE MERGULHO REGULAMENTO GERAL INTRODUÇÃO O Decreto Lei n.º. 295/2000, de 17 de Novembro, que aprova o Regulamento Geral dos Corpos de Bombeiros, atribui-lhes, entre outras, a missão do

Leia mais

PORTUGAL A CRESCER ECONOMIA DO MAR. Roadshow Portugal Global Setúbal, 2 de março de May 2015

PORTUGAL A CRESCER ECONOMIA DO MAR. Roadshow Portugal Global Setúbal, 2 de março de May 2015 PORTUGAL A CRESCER ECONOMIA DO MAR Roadshow Portugal Global Setúbal, 2 de março de 2016 May 2015 Uma oportunidade económica Área: 92,152 Km 2 (108 º maior país do Mundo) Linha de Costa: 1,859 Km (incluindo

Leia mais

Actividades Náuticas

Actividades Náuticas Região de Setúbal: Oportunidades de Desenvolvimento, 19 de Setembro de 2008 Setúbal Economia do Mar e Zonas Ribeirinhas Actividades Náuticas João Figueira de Sousa Instituto de Dinâmica do Espaço FCSH

Leia mais

Projeto de Lei n.º 495/XII-3.ª

Projeto de Lei n.º 495/XII-3.ª PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projeto de Lei n.º 495/XII-3.ª Institui um regime especial de defesa e valorização das embarcações tradicionais portuguesas enquanto património cultural nacional

Leia mais

Pressupostos e perspectivas para a criação do regime dos trabalhadores agrícolas e das pescas. Manuel Moreira, Representante do MAPTSS

Pressupostos e perspectivas para a criação do regime dos trabalhadores agrícolas e das pescas. Manuel Moreira, Representante do MAPTSS Pressupostos e perspectivas para a criação do regime dos trabalhadores agrícolas e das pescas Manuel Moreira, Representante do MAPTSS Importância da Protecção Social aos trabalhadores rurais e das pescas

Leia mais

6º Encontro Nacional de Grupos de Ação Costeira Sagres 25.setembro.2012 Sustentabilidade costeira Portimão 26.setembro.2012

6º Encontro Nacional de Grupos de Ação Costeira Sagres 25.setembro.2012 Sustentabilidade costeira Portimão 26.setembro.2012 GRUPO DE AÇÃO COSTEIRA da REGIÃO DE AVEIRO 6º Encontro Nacional de Grupos de Ação Costeira Sagres 25.setembro.2012 Sustentabilidade costeira Portimão 26.setembro.2012 Enquadramento geográfico Ovar (6)

Leia mais

NOTA EXPLICATIVA À REVISÃO N.º 2 DO ORÇAMENTO E À REVISÃO N.º 2 DAS GRANDES OPÇÕES DO PLANO

NOTA EXPLICATIVA À REVISÃO N.º 2 DO ORÇAMENTO E À REVISÃO N.º 2 DAS GRANDES OPÇÕES DO PLANO NOTA EXPLICATIVA À REVISÃO N.º 2 DO ORÇAMENTO E À REVISÃO N.º 2 DAS GRANDES OPÇÕES DO PLANO Esta revisão tem em vista criar um novo projecto no Plano Plurianual de Investimentos, designado de Parque de

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PAVIMENTOS AEROPORTUÁRIOS. Susana Brito Direcção de Infra-estruturas Aeronáuticas

SISTEMA DE GESTÃO DE PAVIMENTOS AEROPORTUÁRIOS. Susana Brito Direcção de Infra-estruturas Aeronáuticas SISTEMA DE GESTÃO DE PAVIMENTOS AEROPORTUÁRIOS Susana Brito Direcção de Infra-estruturas Aeronáuticas I) INTRODUÇÃO Genericamente, a gestão de pavimentos tem como objectivo definir uma política de conservação

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA/3 DE S. PEDRO DO SUL

ESCOLA SECUNDÁRIA/3 DE S. PEDRO DO SUL L ESCOLA SECUNDÁRIA/3 DE S. PEDRO DO SUL 2008 LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA IDENTIFICAÇÃO EM PLANTA DE: ESPAÇO ESCOLAR VIAS DE ACESSO DE VIATURAS DE SOCORRO QUARTEL DOS BOMBEIROS DA ÁREA ESQUADRA DA GUARDA NACIONAL

Leia mais

Náutica Press.com, 07-10-2009. Hypercluster da Economia Do Mar Abre oportunidade ao sector empresarial 2009/10/06

Náutica Press.com, 07-10-2009. Hypercluster da Economia Do Mar Abre oportunidade ao sector empresarial 2009/10/06 Náutica Press.com, 07-10-2009 Hypercluster da Economia Do Mar Abre oportunidade ao sector empresarial 2009/10/06 - As oportunidades proporcionadas pelo desenvolvimento do Hypercluster da Economia do Mar,

Leia mais

Redes de defesa da floresta contra incêndios FGC Aplicação do Regime Jurídico das Ações de Arborização e Rearborização

Redes de defesa da floresta contra incêndios FGC Aplicação do Regime Jurídico das Ações de Arborização e Rearborização Redes de defesa da floresta contra incêndios FGC Aplicação do Regime Jurídico das Ações de Arborização e Rearborização PENELA 05 setembro de 2015 Redes de defesa da floresta contra incêndios Legislação

Leia mais

Pilão Networking. Pilão Networking. Encontros Fim de Tarde APE 09/09/2015. Encontros Fim de Tarde. APE Paulo Duarte

Pilão Networking. Pilão Networking. Encontros Fim de Tarde APE 09/09/2015. Encontros Fim de Tarde. APE Paulo Duarte Pilão Networking Pilão Networking Encontros Fim de Tarde APE 09/09/2015 Encontros Fim de Tarde Indice da Apresentação: - Pequeno resumo da minha vida no Pilão - A minha experiencia Profissional - Objectivo

Leia mais

Valorizar os Produtos Locais - Importância dos circuitos curtos

Valorizar os Produtos Locais - Importância dos circuitos curtos Valorizar os Produtos Locais - Importância dos circuitos curtos Seminário Pequenos Investimentos Produzir e vender com Qualidade e Segurança Luís Chaves 01 de setembro de 2016 Rio Maior 1. A Federação

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS OFICIAIS DA RESERVA NAVAL PROCLAMAÇÃO DE CASCAIS

ASSOCIAÇÃO DOS OFICIAIS DA RESERVA NAVAL PROCLAMAÇÃO DE CASCAIS ASSOCIAÇÃO DOS OFICIAIS DA RESERVA NAVAL PROCLAMAÇÃO DE CASCAIS Alm. Nuno G. Vieira Matias A nobre Associação dos Oficiais da Reserva Naval convidou-me a reafirmar aqui, hoje, aquilo que, em nove conferências,

Leia mais

Financiamento de Projetos de Infra-estrutura da Indústria de Petróleo e Gás no Brasil

Financiamento de Projetos de Infra-estrutura da Indústria de Petróleo e Gás no Brasil Financiamento de Projetos de Infra-estrutura da Indústria de Petróleo e Gás no Brasil João Carlos Cavalcanti Superintendente da Área de Infra-Estrutura Salvador, 16 de novembro de 2005 www.bndes.gov.br

Leia mais

Mestrado Engenharia Electrotécnica e de Computadores

Mestrado Engenharia Electrotécnica e de Computadores Mestrado Engenharia Electrotécnica e de Computadores Área de Especialização em Energias Renováveis e Sistemas de Potência Edição 2007/2008 Enquadramento Especialização de Energias Renováveis e Sistemas

Leia mais

Capitania do Porto de Portimão ATIVIDADE MARÍTIMO-TÚRISTICA

Capitania do Porto de Portimão ATIVIDADE MARÍTIMO-TÚRISTICA Capitania do Porto de Portimão ATIVIDADE MARÍTIMO-TÚRISTICA 1 Agenda ::... Enquadramento Modalidades Marítimo-Turísticas Embarcações Embarcações de Recreio Atividades MT mais relevantes Vistorias Fiscalização

Leia mais

Plataforma mar do Algarve, uma lógica de cluster

Plataforma mar do Algarve, uma lógica de cluster Plataforma mar do Algarve, uma lógica de cluster o mar do Algarve os desafios para o mar do Algarve o papel da Maralgarve Contexto Regional alguns dados sobre o Mar do Algarve PRAIAS Maisde130praias (69zonasbalnearescomBandeiraAzul)

Leia mais

Grupo ANA Aeroportos de Portugal S.A.

Grupo ANA Aeroportos de Portugal S.A. Grupo ANA Aeroportos de Portugal S.A. _Objectivos e Fins Exploração do serviço público aeroportuário de apoio à aviação civil nos aeroportos de Lisboa, Porto e Faro, bem como no terminal civil de Beja,

Leia mais

COMENTÁRIOS AO DOCUMENTO

COMENTÁRIOS AO DOCUMENTO COMENTÁRIOS AO DOCUMENTO Linhas Gerais para uma Proposta de Alteração Legislativa relativa a Projectos e Obras de Instalações Eléctricas de Serviço Particular 1- Projecto de Instalações Eléctricas Técnicos

Leia mais

Guião para avaliação da Empresa/Empresário/Projecto

Guião para avaliação da Empresa/Empresário/Projecto Guião para avaliação da Empresa/Empresário/Projecto INVESTIMENTOS A BORDO E SELECTIVIDADE I - CARACTERIZAÇÃO DA ACTIVIDADE DA EMPRESA/EMPRESÁRIO a) 1.1. Breve resumo da actividade da Empresa/Empresário:

Leia mais

PRODUTO INTERNO BRUTO E ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR

PRODUTO INTERNO BRUTO E ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR PRODUTO INTERNO BRUTO E ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR Q. 70 - PIB a Preços correntes da REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Unidade: 1000 Contos Sectores/Ramos de Actividade 1980 1981 1982 1983 1984 1985 1986

Leia mais

Legislação. para a Exploração de Postos de Enchimento de Gás Natural Carburante.

Legislação. para a Exploração de Postos de Enchimento de Gás Natural Carburante. Princípios e Bases do Sector do Gás Natural Decreto-Lei n.º 66/2010: Estabelece o procedimento aplicável à extinção das tarifas reguladas de venda de gás natural a clientes finais, com consumos anuais

Leia mais

PLANO DE MONITORIZAÇÃO DA QUALIDADE DA ONDA DE TENSÃO PARA A REDE DE TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DA EDA ÍNDICE

PLANO DE MONITORIZAÇÃO DA QUALIDADE DA ONDA DE TENSÃO PARA A REDE DE TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DA EDA ÍNDICE PÁG. 1/9 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 2 2. METODOLOGIA E CRITÉRIOS UTILIZADOS NA DEFINIÇÃO DO NÚMERO E LOCALIZAÇÃO DAS MONITORIZAÇÕES... 2 3. PL DE MONITORIZAÇÃO 2016/2017... 4 PÁG. 2/9 1. INTRODUÇÃO De acordo

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV. Manutenção de Via Permanente Ferroviária. Aula 10 PÁTIOS FERROVIÁRIOS E FEIXES DE DESVIOS

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV. Manutenção de Via Permanente Ferroviária. Aula 10 PÁTIOS FERROVIÁRIOS E FEIXES DE DESVIOS Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV CIV 451 Aula 10 PÁTIOS FERROVIÁRIOS E FEIXES DE DESVIOS FEIXES DE DESVIOS Denomina-se comprimento útil de um desvio, a parte do desvio onde poderão

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS Direcção-Geral dos Assuntos Comunitários SERVIÇO JURÍDICO E - NAVEGAÇÃO MARÍTIMA

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS Direcção-Geral dos Assuntos Comunitários SERVIÇO JURÍDICO E - NAVEGAÇÃO MARÍTIMA E - NAVEGAÇÃO MARÍTIMA I.E.1.379 L 0115 Directiva 79/115/CEE do Conselho, de 21 de Dezembro de 1978, relativa à pilotagem de navios por pilotos de alto mar no Mar do Norte e no Canal da Mancha. (JO L 33/32

Leia mais

Jacques Piccard e o Ten. Don Walsh atingiram o Challenger Deep, a 10.911 m (35.797pés) abaixo da linha de água, em 23 de Janeiro de 1960.

Jacques Piccard e o Ten. Don Walsh atingiram o Challenger Deep, a 10.911 m (35.797pés) abaixo da linha de água, em 23 de Janeiro de 1960. Jacques Piccard e o Ten. Don Walsh atingiram o Challenger Deep, a 10.911 m (35.797pés) abaixo da linha de água, em 23 de Janeiro de 1960. Jacques Piccard bathyscaphe Trieste de Auguste Piccard Mais nenhum

Leia mais

Pagamentos no âmbito do PROMAR - Fundo Europeu das Pescas

Pagamentos no âmbito do PROMAR - Fundo Europeu das Pescas Pagamentos no âmbito do PROMAR - Fundo Europeu das Pescas (efectuados desde 1 de janeiro de 2007 a 31 de janeiro de 2016) Nº Operação Nome do Beneficiário NUT III Concelho Unidade: Euros Despesa Pública

Leia mais

ESTRATÉGIAS PARA A GESTÃO DA MANUTENÇÃO DAS INFRAESTRUTURAS FERROVIÁRIAS

ESTRATÉGIAS PARA A GESTÃO DA MANUTENÇÃO DAS INFRAESTRUTURAS FERROVIÁRIAS ESTRATÉGIAS PARA A GESTÃO DA MANUTENÇÃO DAS INFRAESTRUTURAS FERROVIÁRIAS ABORDAGEM DAS INFRAESTRUTURAS DO PONTO DE VISTA DAS ENGENHARIAS INFRAESTRUTURAS ESPECIFICAMENTE FERROVIÁRIAS INFRAESTRUTURAS COMUNS

Leia mais

II ENCONTRO DOS PARCEIROS DO CLUSTER DO CONHECIMENTO E DA ECONOMIA DO MAR AVEIRO 28 JANEIRO 2011

II ENCONTRO DOS PARCEIROS DO CLUSTER DO CONHECIMENTO E DA ECONOMIA DO MAR AVEIRO 28 JANEIRO 2011 SEMINÁRIO Pólos e Clusters: Oportunidades e Sinergias com o Setor do Turismo O Mar, um recurso a valorizar nas estratégias de promoção do destino Portugal Coimbra, 23 de Outubro de 2012 Rui Azevedo II

Leia mais

International Exhibition of Boating, Sports, Adventure, Caravanning and Swimming Pools

International Exhibition of Boating, Sports, Adventure, Caravanning and Swimming Pools Salão Internacional de Navegação de Recreio, Desporto, Aventura, Caravanismo e Piscinas International Exhibition of Boating, Sports, Adventure, Caravanning and Swimming Pools Desportos e Actividades Náuticas

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS QUESTIONÁRIO ELABORADO NO ÂMBITO DO PROCESSO DE ESCRUTÍNIO DA INICIATIVA DA COMISSÃO EUROPEIA - AS REGIÕES ULTRAPERIFÉRICAS: UM TRUNFO PARA A EUROPA COM (2008) 642 Lista de entidades a consultar Grupo

Leia mais

Angola. Evolução dos principais indicadores económicos e financeiros entre 2008 e 2012 e perspectivas futuras. Junho 2013

Angola. Evolução dos principais indicadores económicos e financeiros entre 2008 e 2012 e perspectivas futuras. Junho 2013 Angola Evolução dos principais indicadores económicos e financeiros entre 28 e 212 e perspectivas futuras Junho 213 Sumário da apresentação Produto Interno Bruto Inflação Exportações e Reservas Internacionais

Leia mais

APOIO: F á b io R. d e A. V a s c o n c e llo s E n g en h eiro N a v a l N a v a l E n g in eer 10/03/09

APOIO: F á b io R. d e A. V a s c o n c e llo s E n g en h eiro N a v a l N a v a l E n g in eer 10/03/09 F á b io R. d e A. V a s c o n c e llo s E n g en h eiro N a v a l N a v a l E n g in eer S I N C O N A P A S in d ic a t o d a s I n d u s t ria s d a C o n s t ru ç ã o N a v a l n o E s t a d o d o

Leia mais

É esta imensidão de oceano, que mais tarde ou mais cedo teremos de aproveitar de um modo sustentável.

É esta imensidão de oceano, que mais tarde ou mais cedo teremos de aproveitar de um modo sustentável. Pescas Senhor Presidente da Assembleia Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo Senhoras e Senhores Membros do Governo É inevitável olhar as ilhas na sua descontinuidade e imaginá-las

Leia mais

Ponta Delgada, 12 de janeiro de Com os melhores cumprimentos, O Grupo Parlamentar do BE/Açores. (Zuraida Soares) (Paulo Mendes)

Ponta Delgada, 12 de janeiro de Com os melhores cumprimentos, O Grupo Parlamentar do BE/Açores. (Zuraida Soares) (Paulo Mendes) Excelentíssima Senhora Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Assunto: Apoio financeiro a pescadores e armadores durante a cessação temporária de atividades de pesca - captura

Leia mais

Portaria nº 39/2010 de 25 de Outubro

Portaria nº 39/2010 de 25 de Outubro Portaria nº 39/2010 de 25 de Outubro O artigo 3. do Decreto Lei n. 4/2000, de 14 de Fevereiro, que aprova o Regulamento de Inscrição Marítima e Lotações de Navios da Marinha Mercante e Pesca, determina

Leia mais

Perspectivas da pesca do atum Fortaleza no Ceará T O I V I M A S I H N E T O I N S I T T U T O F E D E R A L D O C E A R Á J U N H O

Perspectivas da pesca do atum Fortaleza no Ceará T O I V I M A S I H N E T O I N S I T T U T O F E D E R A L D O C E A R Á J U N H O Perspectivas da pesca do atum Fortaleza no Ceará T O I V I M A S I H N E T O I N S I T T U T O F E D E R A L D O C E A R Á J U N H O 2 0 1 6 Prof. Toivi Masih Neto Eng de Pesca, Doutorando pelo Labomar;

Leia mais

DECISÃO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA PROCESSO AC-I-CCENT/23/ YAMAHA MOTOR EUROPE N.V./MOTOMAR NÁUTICA, TURISMO E INDÚSTRIA, LDA.

DECISÃO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA PROCESSO AC-I-CCENT/23/ YAMAHA MOTOR EUROPE N.V./MOTOMAR NÁUTICA, TURISMO E INDÚSTRIA, LDA. DECISÃO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA PROCESSO AC-I-CCENT/23/2003 - YAMAHA MOTOR EUROPE N.V./MOTOMAR NÁUTICA, TURISMO E INDÚSTRIA, LDA. I - INTRODUÇÃO Em de 30 de Maio de 2003, a Autoridade da Concorrência

Leia mais

O Hypercluster da Economia do Mar em Portugal. (Resumo)

O Hypercluster da Economia do Mar em Portugal. (Resumo) O Hypercluster da Economia do Mar em Portugal (Resumo) O Hypercluster da Economia do Mar em Portugal Um novo domínio estratégico e um factor de afirmação A economia portuguesa está a sofrer uma descontinuidade

Leia mais

F L U X O S D E C A I X A ANO 2010 ENTIDADE CM MORA MUNICIPIO DE MORA Pág. 1 PERÍODO JANEIRO A DEZEMBRO /12/31 R E C E B I M E N T O S

F L U X O S D E C A I X A ANO 2010 ENTIDADE CM MORA MUNICIPIO DE MORA Pág. 1 PERÍODO JANEIRO A DEZEMBRO /12/31 R E C E B I M E N T O S 10:37 2011/04/02 Fluxos de caixa Pag. 1 ENTIDADE CM MORA MUNICIPIO DE MORA Pág. 1 PERÍODO JANEIRO A DEZEMBRO - 2010/12/31 R E C E B I M E N T O S SALDO DA GERÊNCIA ANTERIOR... 165.362,24 EXECUÇÃO ORÇAMENTAL...

Leia mais

O Enquadramento Legal da Manutenção de Sistemas de Proteção Ativa (passiva) contra Incêndio (ANPC)

O Enquadramento Legal da Manutenção de Sistemas de Proteção Ativa (passiva) contra Incêndio (ANPC) O Enquadramento Legal da Manutenção de O Enquadramento Legal da Manutenção de Sistemas de Proteção Ativa (passiva) contra O Enquadramento Legal da Manutenção de Sistemas de Proteção Ativa (passiva) contra

Leia mais

1. Funções gerais 377.419,00 377.419,00 377.419,00. 1.1. Serviços gerais de 230.507,00 230.507,00 230.507,00 administração pública

1. Funções gerais 377.419,00 377.419,00 377.419,00. 1.1. Serviços gerais de 230.507,00 230.507,00 230.507,00 administração pública PÁGINA : 1 1. Funções gerais 377.419,00 377.419,00 377.419,00 1.1. Serviços gerais de 230.507,00 230.507,00 230.507,00 administração pública 1.1.1. Administracao geral 230.507,00 230.507,00 230.507,00

Leia mais

JORNAL OFICIAL I SÉRIE NÚMERO 144 QUINTA-FEIRA, 15 DE DEZEMBRO DE 2015

JORNAL OFICIAL I SÉRIE NÚMERO 144 QUINTA-FEIRA, 15 DE DEZEMBRO DE 2015 I SÉRIE NÚMERO 144 QUINTA-FEIRA, 15 DE DEZEMBRO DE 2015 ÍNDICE: EMPRESARIAL, SECRETARIA REGIONAL DOS TRANSPORTES E OBRAS PÚBLICAS E DA ENERGIA, AMBIENTE E TURISMO Despacho Normativo n.º 41/2016: Fixa os

Leia mais

Sessã o de Aberturã do VII Congresso dos Portos de Lí nguã Portuguesã

Sessã o de Aberturã do VII Congresso dos Portos de Lí nguã Portuguesã Sessã o de Aberturã do VII Congresso dos Portos de Lí nguã Portuguesã Excelência, Senhor Vice Governador da Província de Benguela, Dr. João Felizardo em representação do Engº Isaac Francisco Maria dos

Leia mais

CONCEITOS E DEFINIÇÕES

CONCEITOS E DEFINIÇÕES CONCEITOS E DEFINIÇÕES Patologia da Construção Anomalia Degradação Inoperacionalidade Envelhecimento Tempo de vida útil Sintoma Diagnóstico Reabilitação Estudo das anomalias das construções, dos seus elementos

Leia mais

Principais Investimentos em Infraestruturas Portuárias em Portugal um Balanço da última década. 1.º Congresso de Engenheiros de Língua Portuguesa

Principais Investimentos em Infraestruturas Portuárias em Portugal um Balanço da última década. 1.º Congresso de Engenheiros de Língua Portuguesa + 1 Principais Investimentos em Infraestruturas Portuárias em Portugal um Balanço da última década 1.º Congresso de Engenheiros de Língua Portuguesa José Luís Cacho Presidente da Associação de Portos de

Leia mais

Sistema de Informação Geográfica para gestão de resíduos florestais. Sistema de Informação Geográfica para gestão de resíduos florestais

Sistema de Informação Geográfica para gestão de resíduos florestais. Sistema de Informação Geográfica para gestão de resíduos florestais Nuno Pedro 1, Cristina Alegria 1, Paulo Fernandez 1 José Massano 1 Filipe Afonso 1, Isabel Castanheira 1 1 Instituto Politécnico de Castelo Branco, Escola Superior Agrária, Castelo Branco, Portugal npedro@ipcb.pt

Leia mais

CEVALOR. AEP Seminário. 02 de Abril de 2008 CEVALOR. Breves reflexões sobre a GRH

CEVALOR. AEP Seminário. 02 de Abril de 2008 CEVALOR. Breves reflexões sobre a GRH AEP Seminário 02 de Abril de 2008 Breves reflexões sobre a GRH - Programas de desenvolvimento dos recursos humanos não estão interligados com a estratégia - Recursos Humanos geridos como centros de custo

Leia mais

Encontro Regional de Cadetes Ponta Delgada, Prova 1 Misto, 4 x 100m Estilos 8-12 anos Resultados

Encontro Regional de Cadetes Ponta Delgada, Prova 1 Misto, 4 x 100m Estilos 8-12 anos Resultados Prova 1 Misto, 4 x 100m Estilos 8-12 anos Lugar Tempo final Pts 1. Núcleo Sportinguista 1 Núcleo Sportinguista 6:23.03 140 Raquel Martelo Leite 50.75 1:42.73 Madalena Ubach Sousa 41.36 1:31.42 Diogo Gonçalves

Leia mais

Organograma - Diretoria de Portos e Costas

Organograma - Diretoria de Portos e Costas Organograma - Diretoria de Portos e Costas Anexo A do Regimento Interno da DPC. Gabinete 01.1 Seção de Inteligência 01.2 Assessoria para Atividades Marítimas Internacionais Assessoria Jurídica 01.3 01.4

Leia mais

PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS

PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS MAPUTO, 11 DE MARÇO DE 2013 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO

Leia mais

Optimum Solutions, LLC em Angola

Optimum Solutions, LLC em Angola Optimum Solutions, LLC em Angola Optimum Solutions, LLC 10497 Town & Country Way, Suite 830 Houston, TX 77024 (713) 468-5004 Preparado para a participação da Optimum na missão comercial US-Angola em Angola

Leia mais

Estratégia e Marketing. EGI ISEC Denise Lila Lisboa Gil Abril 2008

Estratégia e Marketing. EGI ISEC Denise Lila Lisboa Gil Abril 2008 Estratégia e Marketing EGI ISEC Denise Lila Lisboa Gil Abril 2008 A Estrutura Organizacional é o que vai servir como ponte de ligação entre a Formulação e a Implementação da Estratégia para que a empresa

Leia mais

Capítulo 2 Cenários Acidentais

Capítulo 2 Cenários Acidentais Capítulo 2 Cenários Acidentais INTRODUÇÃO COMPANHIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO PORTUÁRIA Em 2008 a Resolução CONAMA 293/01 foi revisada e substituída pela Resolução CONAMA 398/08. A CONAMA 398/08 definiu

Leia mais

TABELA DE PRODUTOS ALLIANZ PORTUGAL NOVOS & MIGRADOS

TABELA DE PRODUTOS ALLIANZ PORTUGAL NOVOS & MIGRADOS 1900 160,170,165,166, 1910 161 ACIDENTES DE TRABALHO CONTA OUTREM ACIDENTES DE TRABALHO - CONTA PROPRIA 160,170,165,166, Allianz Acidentes de Trabalho 161 Allianz AT Empresários 1920 167 ACIDENTES TRABALHO

Leia mais

Audiência Pública sobre segurança dos consumidores de cruzeiros marítimos no Brasil Responsabilidades da Autoridade Marítima

Audiência Pública sobre segurança dos consumidores de cruzeiros marítimos no Brasil Responsabilidades da Autoridade Marítima MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS Audiência Pública sobre segurança dos consumidores de cruzeiros marítimos no Brasil Responsabilidades da Autoridade Marítima CMG MAURO GUIMARÃES CARVALHO

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE EXECUÇÃO. Programa Operacional MAR 2020 PORTUGAL

RELATÓRIO ANUAL DE EXECUÇÃO. Programa Operacional MAR 2020 PORTUGAL RELATÓRIO ANUAL DE EXECUÇÃO 2015 Programa Operacional MAR 2020 PORTUGAL Relatório Anual 2015 RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO PO MAR 2020 ANO DE 2015 CCI: 2014PT14MFOP001 PROGRAMA OPERACIONAL: PROGRAMA OPERACIONAL

Leia mais

AGENDA ESTRATÉGICA DO SECTOR AGRO-ALIMENTAR

AGENDA ESTRATÉGICA DO SECTOR AGRO-ALIMENTAR AGENDA ESTRATÉGICA DO SECTOR AGRO-ALIMENTAR Plataforma Tecnológica Multisectorial da Macaronésia Alberto Velez Grilo - ARDITI Índice Agenda Estratégica Agro-alimentar Caracterização / SWOT / Objetivos

Leia mais

VI JORNADAS IBERO-ATLÂNTICAS DE ESTATÍSTICA AZOREN REGIONA A ESTATÍSTICA E A ECONOMIA DO MARAZORES AÇORES PORTUGAL

VI JORNADAS IBERO-ATLÂNTICAS DE ESTATÍSTICA AZOREN REGIONA A ESTATÍSTICA E A ECONOMIA DO MARAZORES AÇORES PORTUGAL VI JORNADAS IBERO-ATLÂNTICAS DE ESTATÍSTICA AZOREN REGIONA A ESTATÍSTICA E A ECONOMIA DO MARAZORES AÇORES PORTUGAL José Toste Coordenador do Produto Turístico 1 Europa Europe 1.570 Km América do Norte

Leia mais

Simona Fontul, LNEC Pedro Domingos, LNEC

Simona Fontul, LNEC Pedro Domingos, LNEC Caracterização de pavimentos aeroportuários em serviço: a experiência do NEC Maria de urdes Antunes, NEC mlantunes@lnec.pt Simona Fontul, NEC simona@lnec.pt Pedro Domingos, NEC pdomingos@lnec.ptpt Enquadramento

Leia mais

A RAA em números. Geografia

A RAA em números. Geografia 09 Foto: Espectro A RAA em números Geografia O arquipélago dos Açores é constituído por nove ilhas dispersas no Atlântico Norte ao longo de 600 km, segundo uma orientação noroeste-sudeste e enquadrado

Leia mais

HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO

HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Formadora - Magda Sousa MÓDULO 1 NORMATIVOS LEGAIS OBJECTIVO Interpretar e aplicar a legislação, regulamentos

Leia mais

FUNCIONAMENTO Sistema de apoio à compensação dos custos das empresas da Região Autónoma da Madeira

FUNCIONAMENTO Sistema de apoio à compensação dos custos das empresas da Região Autónoma da Madeira FUNCIONAMENTO 2020 Sistema de apoio à compensação dos custos das empresas da Região Autónoma da Madeira 08-07-2015 PROGRAMA OPERACIONAL MADEIRA 14-20 Eixo Prioritário 1 - Reforçar a investigação, o desenvolvimento

Leia mais

O SECTOR DE CRUZEIROS E A PROMOÇÃO DO PORTO DE PORTIMÃO. Índice Luís Monteiro 1. ANÁLISE DE MERCADO 1. ANÁLISE DE MERCADO

O SECTOR DE CRUZEIROS E A PROMOÇÃO DO PORTO DE PORTIMÃO. Índice Luís Monteiro 1. ANÁLISE DE MERCADO 1. ANÁLISE DE MERCADO O SECTOR DE CRUZEIROS E A PROMOÇÃO DO PORTO DE PORTIMÃO Luís Monteiro Portimão, 21 de Abril de 212 Índice 1. ANÁLISE DE MERCADO 1. ANÁLISE DE MERCADO 2. O PORTO DE PORTIMÃO 3. ACÇÕES PROMOCIONAIS 4. INVESTIMENTOS

Leia mais

Teleconferência e Webcast

Teleconferência e Webcast Teleconferência e Webcast Divulgação dos Resultados 3T13 19 de Novembro de 2013 Aviso Legal Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos e/ou resultados futuros

Leia mais

A política ambiental na fiscalidade dos transportes

A política ambiental na fiscalidade dos transportes A política ambiental na fiscalidade dos transportes O papel da regulação pelo IMTT 18-09-2008 1 Missão O IMTT, I. P., tem por missão regular, fiscalizar e exercer funções de coordenação e planeamento do

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO NA ÁREA ESPECÍFICA DE SCIE

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO NA ÁREA ESPECÍFICA DE SCIE CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO NA ÁREA ESPECÍFICA DE SCIE ASPECTOS GERAIS O curso com uma duração de 128 horas é constituído pelas sessões a seguir indicadas. 1 Parte I Teórico prática 1.1

Leia mais

AS INFRA-ESTRUTURAS DE TRANSPORTES NO DESENVOLVIMENTO DO CORREDOR DO LOBITO

AS INFRA-ESTRUTURAS DE TRANSPORTES NO DESENVOLVIMENTO DO CORREDOR DO LOBITO AS INFRA-ESTRUTURAS DE TRANSPORTES NO DESENVOLVIMENTO DO CORREDOR DO LOBITO 01 MULTIMODALIDADE 02 HUB DE TRANSPORTES 03 EIXO ANTLÂNTICO - ÍNDICO AFRICA AUSTRAL 04 AEROPORTO CATUMBELA INFRA-ESTRUTURA INTERNACIONAL

Leia mais

SI nas. Organizações CEM01 CEM01. para Gestão. O conceito de Sistema no contexto das organizações. Definição de Sistema. Page 1

SI nas. Organizações CEM01 CEM01. para Gestão. O conceito de Sistema no contexto das organizações. Definição de Sistema. Page 1 CEM01 Sistemas de Informação para Gestão CEM01 Sistemas de Informação para Gestão SI nas Organizações António nio Lencastre Godinho agodinho@mail.islagaia.pt Tel.: 939 381789 O conceito de Sistema no contexto

Leia mais

MITIGAÇÃO DAS MC EM MOÇAMBIQUE. Telma Manjta MICOA

MITIGAÇÃO DAS MC EM MOÇAMBIQUE. Telma Manjta MICOA MITIGAÇÃO DAS MC EM MOÇAMBIQUE Telma Manjta MICOA Conteúdo da Apresentação Enquadramento da mitigação dos GEE em Moçambique Prioridades de Mitigação identificadas na ENAMMC Emissões GEE em Moçambique Oportunidades

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2013 Wilson Sons de Administração e Comércio Ltda. Nome fantasia: Wilson Sons - CNPJ: 33.130.691/0001-05 Tipo da empresa:

Leia mais

As salinas do. Parque Natural da. Ria Formosa

As salinas do. Parque Natural da. Ria Formosa As salinas do Parque Natural da Ria Formosa Nuno Grade ICNF, I.P. Departamento de Conservação da Natureza e Florestas do Algarve A Salinicultura... A evolução da exploração salineira durante o século XX

Leia mais

Ships. Instituto Superior TécnicoT

Ships. Instituto Superior TécnicoT Energy in Transports Ships Instituto Superior TécnicoT Objectivo do Navio Cada navio tem uma missão, ou função, e é concebido, construído, equipado e de modo específico e bem caracterizado. Exemplos de

Leia mais

APOIOS ATRIBUÍDOS PELO MUNICÍPIO NA ÉPOCA DESPORTIVA 2007/2008. ADN Actividades Desportivas Náuticas. Apoio ao funcionamento da canoagem 1.

APOIOS ATRIBUÍDOS PELO MUNICÍPIO NA ÉPOCA DESPORTIVA 2007/2008. ADN Actividades Desportivas Náuticas. Apoio ao funcionamento da canoagem 1. ADN Actividades Desportivas Náuticas ao funcionamento da canoagem 1.500,00 Comparticipação nas despesas de organização das actividades no 1º período referente à modalidade de canoagem 500,00 Total financiado

Leia mais

Uma campanha multimeios com um objectivo claro: dos portugueses.

Uma campanha multimeios com um objectivo claro: dos portugueses. Campanha de Turismo Interno 9 de Março de 2009 Uma campanha multimeios com um objectivo claro: Colocar Portugal nas prioridadesde destinosde férias Colocar Portugal nas prioridades de destinos de férias

Leia mais

PARA O ANO FINANCEIRO DE

PARA O ANO FINANCEIRO DE FREGUESIA DE AGUALVA MUNICÍPIO DE PRAIA DA VITÓRIA FLUXOS DE CAIXA APROVAÇÃO PARA O ANO FINANCEIRO DE 2011 Datas das Deliberações Junta de Freguesia / / Assembleia de Freguesia 27-04-2012 Órgão Executivo

Leia mais

ATLÂNTIC LINE. newsletter. Na Cidade da Horta. Ferries terminam docagem para manutenção Próxima operação sazonal inicia-se a 28 de abril

ATLÂNTIC LINE. newsletter. Na Cidade da Horta. Ferries terminam docagem para manutenção Próxima operação sazonal inicia-se a 28 de abril ATLÂNTIC LINE newsletter nº1 mensal. março 2016 Ferries terminam docagem para manutenção Próxima operação sazonal inicia-se a 28 de abril A Atlânticoline terá novas instalações Na Cidade da Horta Promoções

Leia mais

Ministério das Pescas

Ministério das Pescas Ministério das Pescas ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTERIO DAS PESCAS CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º (Definição) O Ministério das Pescas é o órgão do Governo responsável pela elaboração, execução,

Leia mais

Ocean Business Week. Cláudia Teixeira de Almeida - BPI. 3de Junho de 2016

Ocean Business Week. Cláudia Teixeira de Almeida - BPI. 3de Junho de 2016 Ocean Business Week Cláudia Teixeira de Almeida - BPI 3de Junho de 2016 PORTUGAL SUBSECTOR MAR, BANCO DE PORTUGAL SÍNTESE DESTAQUES Diversidade de conceitos sobre sectores a incluir Peso no PIB (2013):

Leia mais

O Mar no próximo QFP

O Mar no próximo QFP O Mar no próximo QFP 2014-2020 Fórum do Mar José Manuel Fernandes Deputado ao Parlamento Europeu Estratégia Europa 2020 A guia das próximas perspectivas financeiras Estratégia Europa 2020 2020 Crescimento

Leia mais

O Projecto FORBEN na LUSOTELHA

O Projecto FORBEN na LUSOTELHA O Projecto FORBEN na LUSOTELHA Rui Coelho LUSOTELHA, Lda. CTCV 29 de Maio 2008 1 A empresa LUSOTELHA - CERÂMICA DE TELHAS E TIJOLOS DE AGUEDA, LDA Designação Social: LUSOTELHA Constituição: 29 de Março

Leia mais