O Instituto Hidrográfico (IH): Ciência e Tecnologia do Mar ao serviço dos Países da Lusofonia

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Instituto Hidrográfico (IH): Ciência e Tecnologia do Mar ao serviço dos Países da Lusofonia"

Transcrição

1 O Instituto Hidrográfico (IH): Ciência e Tecnologia do Mar ao serviço dos Países da Lusofonia Carlos Ventura Soares Capitão-de-mar-e-guerra Engenheiro Hidrógrafo DIRECTOR TÉCNICO Encontro sobre Produtos e Capacidades da Indústria de Defesa Portuguesa com Potencial Exportador para os Países de Língua Portuguesa 6 de Janeiro de 2011 Instituto de Defesa Nacional

2 O que somos O Instituto Hidrográfico (IH) é um órgão da Marinha Portuguesa e um Laboratório do Estado com a missão de apoiar o Estado na prossecução das políticas públicas relacionadas com o Mar

3 O que somos MDN MCTES Marinha Instituto Hidrográfico Laboratório do Estado

4 PORTUGAL - Águas territoriais + ZEE O Enquadramento

5 O Contexto MARINHA APOIO AMBIENTAL ÀS OPERAÇÕES NAVAIS SERVIÇO PÚBLICO INVESTIGAÇÃO & DESENVOLVIMENTO PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS LABORATÓRIO DO ESTADO (NÃO MILITARES)

6 A Actividade Hidrografia Geologia Marinha Fundo Marinho OCEANO Coluna de água Oceanografia (Física) Química e Poluição Marinha Navegação Segurança Informação Dados técnicocientíficos

7 A Actividade Hidrografia Levantamentos Hidrográficos Cartografia Papel Electrónica Navegação Publicações Náuticas Avisos aos navegantes Avisos à navegação Lei da Cartografia

8 A Actividade Centro de Dados Bases de dados técnicos e científicos Apoio SIG às actividades de I&D e operações navais IDAMAR Oceanografia Física, Química e Geologia Marinha Caracterização Ambiental de Base e Climatologia Monitorização Ambiental Previsão (Operacional) dos Processos Investigação Científica Aplicada Conhecer e prever os processos oceânicos

9 Os Meios Operacionais NAVIOS OCEÂNICOS Deslocamento 2300t NRP D. Carlos I Comprimento 68,7m Calado 5,6m NAVIOS COSTEIROS NRP Alm. Gago Coutinho NRP Andrómeda Deslocamento 245t Comprimento 31,4m Calado 3,1m NRP Auriga

10 Os Meios Operacionais Embarcações costeiras e estuarinas ROV s e sistemas rebocados Brigadas Hidrográficas Equipas de Engenharia Oceanográfica

11 Os Meios Laboratoriais Geologia Marinha Calibração Oceanográfica Química Marinha Laboratórios acreditados em 2010

12 Potencial de colaboração Exemplos de projectos em desenvolvimento FORMAÇÃO EDIFICAÇÃO DE CAPACIDADES INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA SERVIÇOS

13 Formação

14 Escola de Hidrografia e Oceanografia do IH Formação - única escola em Portugal com cursos de Hidrografia -

15 Formação Curso de Especialização em Hidrografia Categoria A da Organização Hidrográfica Internacional Curso Técnico de Hidrografia Categoria B da Organização Hidrográfica Internacional

16 Educação Formação

17 Treino Formação

18 Formação Escola de Hidrografia e Oceanografia do IH Estudantes internacionais (desde 1983) País Cabo Verde Guiné-BIssau Angola S.Tomé e Princípe Moçambique Macau Tunisia Marrocos Número de estudantes Total: 58

19 Edificação de capacidades

20 Edificação de capacidades Convenção SOLAS Convenção Internacional para a Salvaguarda da Vida Humana no Mar Os governos dos países marítimos são responsáveis pela recolha e compilação de dados hidrográficos, bem como pela publicação, disseminação e actualização de toda a informação náutica necessária para a segurança da navegação

21 Edificação de capacidades O IH tem experiência e know-how disponível, não só para acções de formação, como também para edificação de capacidades (consultoria e assistência técnica), nas áreas da hidrografia e da oceanografia

22 Edificação de capacidades Ex: Apoio ao INAHINA - Moçambique Oceanografia Cartografia Náutica Ex: Apoio ao IHSMA - Angola (a iniciar em 2011)

23 Investigação e desenvolvimento

24 Investigação e desenvolvimento Investigação Científica Aplicada Potencial para projectos de I&D com fundos europeus - parceria GMES e África

25 Serviços

26 Serviços Oceânicos Costeiros Levantamentos hidrográficos Estuarinos Portuários

27 Serviços Monitorização ambiental BÓIAS ONDÓGRAFO OPERADAS PELA U.AÇORES MARÉGRAFOS BÓIAS ONDÓGRAFO ESTAÇÕES METEO COSTEIRAS OBSERVATÓRIO DA NAZARÉ (2 BÓIAS MULTIPARÂMETRO) OBSERVATÓRIO RAIA (1 BÓIA MULTIPARÂMETRO) RADARES HF (EM INSTALAÇÃO) BÓIAS ONDÓGRAFO OPERADAS PELOS PORTOS DA MADEIRA

28 Serviços Estudos multidisciplinares sem areeiro areeiro activo

29 Serviços Ex: Cabo Verde Cartografia

30 Serviços Ex: Angola Porto Amboim Estudo multidisciplinar

31

32 Carlos Ventura Soares Obrigado

O Instituto. Oceanografia

O Instituto. Oceanografia O Instituto O Instituto Hidrográfico, criado pelo Decreto-lei n.º 43177 de 22 de Setembro de 1960, é um Órgão da Marinha de Guerra Portuguesa, que funciona na direta dependência do Chefe do Estado-Maior

Leia mais

O mar como vocação, o conhecimento na ação.

O mar como vocação, o conhecimento na ação. O mar como vocação, o conhecimento na ação. A ID&I NO INSTITUTO HIDROGRÁFICO AO SERVIÇO DAS ATIVIDADES MARÍTIMAS Fernando Freitas Artilheiro Diretor Técnico do Instituto Hidrográfico Seminário ID&I para

Leia mais

Navio Oceanográfico N.R.P. Almte. Gago Coutinho

Navio Oceanográfico N.R.P. Almte. Gago Coutinho Navio Oceanográfico N.R.P. Almte. Gago Coutinho Historial e características do navio O NRP Almirante Gago Coutinho foi construído nos Estados Unidos da América pela Tacoma Boat Company, tendo sido lançado

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO ESTRATÉGICO RESPONSABILIDADES DIRECTAS DO MINTRANS LIGADAS AO RAMO MARÍTIMO / PORTUÁRIO OBJECTIVOS DO MINTRANS

ÍNDICE ENQUADRAMENTO ESTRATÉGICO RESPONSABILIDADES DIRECTAS DO MINTRANS LIGADAS AO RAMO MARÍTIMO / PORTUÁRIO OBJECTIVOS DO MINTRANS 1 ÍNDICE ENQUADRAMENTO ESTRATÉGICO RESPONSABILIDADES DIRECTAS DO MINTRANS LIGADAS AO RAMO MARÍTIMO / PORTUÁRIO OBJECTIVOS DO MINTRANS 2018-2022 PROJECTOS Concretizados PROJECTOS Em Curso PROJECTOS FUTUROS

Leia mais

Instituto Hidrográfico - Marinha. Infra-estrutura de dados geoespaciais sobre o ambiente marinho

Instituto Hidrográfico - Marinha. Infra-estrutura de dados geoespaciais sobre o ambiente marinho Instituto Hidrográfico - Marinha Infra-estrutura de dados geoespaciais sobre o ambiente marinho Sumário Instituto Hidrográfico - Capacidades instaladas A Actividade Capacidades únicas Integração dos sistemas

Leia mais

Observato rio Oceânico da Madeira- OOM (M FEDER )

Observato rio Oceânico da Madeira- OOM (M FEDER ) Observato rio Oceânico da Madeira- OOM (M1420-01-0145-FEDER-000001) SRDITI = 1ª medida do PIDTI ARDITI = 2ª medida do PIDTI OOM - OBSERVATÓRIO OCEÂNICO DA MADEIRA Consórcio regional de várias entidades

Leia mais

I - Disposições gerais. Artigo 1.º

I - Disposições gerais. Artigo 1.º Decreto n.º 55/97 de 4 de Outubro Acordo de Cooperação entre a República Portuguesa e a República de Moçambique nos Domínios do Desenvolvimento Marítimo, Hidrografia, Cartografia Náutica, Segurança e Ajudas

Leia mais

2. PUBLICAÇÕES NÁUTICAS

2. PUBLICAÇÕES NÁUTICAS PARTE I Generalidades 35 2. PUBLICAÇÕES NÁUTICAS A Convenção para a Salvaguarda da Vida Humana no Mar estabelece que os Estados costeiros devem editar as Publicações Náuticas adequadas à navegação nas

Leia mais

O COMBATE À POLUIÇÃO DO MEIO MARINHO (Marine Pollution Response)

O COMBATE À POLUIÇÃO DO MEIO MARINHO (Marine Pollution Response) O COMBATE À POLUIÇÃO DO MEIO MARINHO JORGE SILVA PAULO Capitão-de-Mar-e-Guerra ECN Chefe do Serviço de Combate à Poluição do Mar por Hidrocarbonetos (SCPMH) Direcção-Geral da Autoridade Marítima (DGAM)

Leia mais

José Alberto Azeredo Lopes. Ministro da Defesa Nacional

José Alberto Azeredo Lopes. Ministro da Defesa Nacional José Alberto Azeredo Lopes Ministro da Defesa Nacional Intervenção do Ministro da Defesa Nacional, José Alberto Azeredo Lopes, no workshop Viver o Douro com mais segurança, organizado pela Autoridade Marítima

Leia mais

I - Disposições gerais

I - Disposições gerais Decreto n.º 56/89 de 9 de Novembro Acordo de Cooperação entre a República Portuguesa e a República Democrática de São Tomé e Príncipe nos Domínios do Desenvolvimento Marítimo, Hidrografia, Cartografia,

Leia mais

5. Batimetria Aplicada

5. Batimetria Aplicada Hidrografia Programa 1. Introdução Definição e objectivo da Hidrografia Especificações e Organizações Hidrográficas 2. Referência Vertical Marés Variação do nível do Mar Fundamentos de Maré Observação

Leia mais

Plano de Actividades

Plano de Actividades S. R. MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL MARINHA INSTITUTO HIDROGRÁFICO Plano de Actividades S. R. MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL MARINHA INSTITUTO HIDROGRÁFICO PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES Aprovado por despacho

Leia mais

HOMENS, DOUTRINAS E ORGANIZAÇÃO

HOMENS, DOUTRINAS E ORGANIZAÇÃO 13 Oto C^ ' ^ HISTÓRIA DA MARINHA PORTUGUESA HOMENS, DOUTRINAS E ORGANIZAÇÃO 1824-1974 (TOMO I) Coordenador e Autor ANTÓNIO JOSÉ JELO ACADEMIA DE MARINHA LISBOA 1999 ÍNDICE SIGLAS E ABREVIATURAS PREFÁCIO

Leia mais

INSTITUTO DE SOCORROS A NÁUFRAGOS. Brasil ES novembro 2014

INSTITUTO DE SOCORROS A NÁUFRAGOS. Brasil ES novembro 2014 Brasil ES novembro 2014 Portugal, uma Nação Marítima Portugal tem como responsabilidade, para busca e salvamento, uma área equivalente a 63 vezes a área terrestre nacional e 25 % do Atlântico Norte, sendo

Leia mais

Dia Regional Norte do Engenheiro 2016

Dia Regional Norte do Engenheiro 2016 Agenda 1. Ponto de Situação 2. O Conceito 3. Construção do Projeto de Portugal 4. Um Mapa de Potenciais Disputas 5. Por um Futuro de Sucesso O Projecto de Portugal A Lista de Espera não Dia Regional Norte

Leia mais

PLANO ANUAL ATIVIDADES 2016

PLANO ANUAL ATIVIDADES 2016 S. R. MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL MARINHA INSTITUTO HIDROGRÁFICO PLANO ANUAL DE ATIVIDADES LISBOA PORTUGAL INSTITUTO HIDROGRÁFICO O presente Plano Anual de Atividades foi elaborado com base na documentação

Leia mais

AVISOS AOS NAVEGANTES

AVISOS AOS NAVEGANTES S. R. MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL MARINHA INSTITUTO HIDROGRÁFICO AVISOS AOS NAVEGANTES GRUPO MENSAL AVISOS DE 267 a 280 Nº 09 30 setembro de 2014 Recomenda-se vivamente a todos os Navegantes que comuniquem,

Leia mais

Faculdade de Ciências e Tecnologias

Faculdade de Ciências e Tecnologias Faculdade de Ciências e Tecnologias Universidade Nova de Lisboa Mestrado Integrado em Engenharia do Ambiente Duração: 5 anos Grau: Mestrado Coordenador: Maria de Graça Martinho Objectivos: A Engenharia

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL - MARINHA

MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL - MARINHA MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL - MARINHA Instituto Hidrográfico IH BOLSA DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA FORMULÁRIO DE CANDIDATURA INDIVIDUAL* A preencher pelo candidato Bolsa / Reservado aos Serviços Nome completo:

Leia mais

A Marinha Em África ( ). Especificidades. Summary of the Seminar Portuguese Navy In Africa ( ) Specificities.

A Marinha Em África ( ). Especificidades. Summary of the Seminar Portuguese Navy In Africa ( ) Specificities. Súmula do Seminário 141 A Marinha Em África (1955-1975). Especificidades. Summary of the Seminar Portuguese Navy In Africa (1955-1975) Specificities. Carlos Miguel Reis Silva de Oliveira e Lemos Capitão-de-mar-e-guerra

Leia mais

Oportunidades de Negócio e Financiamento

Oportunidades de Negócio e Financiamento Oportunidades de Negócio e Financiamento 1 Fundos de Cooperação Europeia 2 Fundos de Cooperação Europeia 3 Fundos de Cooperação Europeia 4 Vantagens para as empresas: 1. Internacionalização de empresas

Leia mais

São Tomé e Príncipe e o Setor da Água

São Tomé e Príncipe e o Setor da Água São Tomé e Príncipe e o Setor da Água Pontes e Parcerias nos Países de Língua Portuguesa Porto, 18 de Outubro de 2016 Manuel Madeira Agenda 1 A CONSULGAL 2 Experiência em São Tomé 3 Experiência nos Países

Leia mais

Centro de Hidrografia da Marinha

Centro de Hidrografia da Marinha Técnicas modernas de projeto de acessos náuticos com base na norma ABNT NBR 13246-2017 Técnicas para definição das Condições Meteorológicas e Ambientais CF Márcio Borges Superintendência de Meteorologia

Leia mais

A NAUTIBER E A CONSTRUÇÃO NAVAL. NAUTIBER - Estaleiros Navais do Guadiana, Lda.

A NAUTIBER E A CONSTRUÇÃO NAVAL. NAUTIBER - Estaleiros Navais do Guadiana, Lda. A NAUTIBER E A CONSTRUÇÃO NAVAL A Nautiber Localização: V.R.S. António na foz do Rio Guadiana Actividades: Construção Naval P.R.F.V. Projectos de Recuperação e Alteração Manutenção e Reparação Naval Parqueamento

Leia mais

Visita à Fundação Universidade Federal do Rio Grande FURG

Visita à Fundação Universidade Federal do Rio Grande FURG MARINHA DO BRASIL INSTITUTO DE ESTUDOS DO MAR ALMIRANTE PAULO MOREIRA Visita à Fundação Universidade Federal do Rio Grande FURG Rio Grande, 26 de novembro de 2014 ROTEIRO INTRODUÇÃO MISSÃO E ORGANOGRAMA

Leia mais

QUESTÕES MARÍTIMAS PÓS CNUDM UMA BREVE ANÁLISE EM PERSPECTIVA COOPERATIVA

QUESTÕES MARÍTIMAS PÓS CNUDM UMA BREVE ANÁLISE EM PERSPECTIVA COOPERATIVA UMA BREVE ANÁLISE EM PERSPECTIVA COOPERATIVA Professora Drª Daniele Dionisio da Silva Graduação em Defesa e Gestão Estratégica Internacional UFRJ Laboratório de Simulações e Cenários EGN/Marinha do Brasil

Leia mais

Juntos vamos mais longe. Jorge Santos

Juntos vamos mais longe. Jorge Santos Angola Guiné-Bissau Portugal Brasil Guiné Equatorial São Tomé e Príncipe Cabo Verde Moçambique Timor-Leste Programa de Internacionalização Agronegócio CPLP Jorge Santos Presidente O programa de internacionalização

Leia mais

Tecnologias em acústica submarina

Tecnologias em acústica submarina Tecnologias em acústica submarina Cristiano Soares MarSensing Lda. Se parar o seu barco e colocar um longo tubo na água e a outra extremidade no seu ouvido, você ouvirá navios a uma grande distância de

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL - MARINHA

MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL - MARINHA MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL - MARINHA Instituto Hidrográfico IH BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA FORMULÁRIO DE CANDIDATURA INDIVIDUAL* A preencher pelo candidato Bolsa / Reservado aos Serviços Nome

Leia mais

Europass curriculum vitae

Europass curriculum vitae Europass curriculum vitae Informação pessoal Apelido(s) - Nome(s) Morada(s) Telefone(s) Fax(es) Correio(s) electrónico(s) Nacionalidade(s) Telemóvel: Portuguesa Data de nascimento 05/11/1958 Sexo Masculino

Leia mais

Questionário do GTI-TE-6 Redes de Monitorização Ambiental

Questionário do GTI-TE-6 Redes de Monitorização Ambiental Questionário do GTI-TE-6 Redes de Monitorização Ambiental Cláudia Martins Sofia Cunha Julho 2017 1 Conteúdo Enquadramento... 3 Análise das respostas ao Inquérito... 5 Questões/Recomendações... 14 Referências...

Leia mais

ANEXO V PROTOCOLO. entre a Fundação pare a Ciência a Tecnologia e o Instituto Hidrográfico relativo a

ANEXO V PROTOCOLO. entre a Fundação pare a Ciência a Tecnologia e o Instituto Hidrográfico relativo a ANEXO V PROTOCOLO entre a Fundação pare a Ciência a Tecnologia e o Instituto Hidrográfico relativo a REFORÇO DAS CAPACIDADES CIENTÍFICAS E TÉCNICAS EM OCEANOGRAFIA Apoio ao Apetrechamento de Navios para

Leia mais

SECRETÁRIA DE ESTADO ADJUNTA E DA DEFESA NACIONAL

SECRETÁRIA DE ESTADO ADJUNTA E DA DEFESA NACIONAL INTERVENÇÃO DA SECRETÁRIA DE ESTADO ADJUNTA E DA DEFESA NACIONAL BERTA DE MELO CABRAL 3.as Jornadas de Engenharia Hidrográfica Lisboa, Instituto Hidrográfico, 26 de junho de 2014 Só serão válidas as palavras

Leia mais

Segurança Marítima: Objetivos, Desafios e Iniciativas. 06 novembro 2015

Segurança Marítima: Objetivos, Desafios e Iniciativas. 06 novembro 2015 Segurança Marítima: Objetivos, Desafios e Iniciativas 06 novembro 2015 Enquadramento Legal Missão Organização Segurança Marítima Objetivos Desafios Conclusão Enquadramento Legal A DGRM é o resultado da

Leia mais

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Regulamento Interno do Instituto Nacional de Hidrografia e Navegação INAHINA 15 DE NOVEMBRO DE

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Regulamento Interno do Instituto Nacional de Hidrografia e Navegação INAHINA 15 DE NOVEMBRO DE 15 DE NOVEMBRO DE 2006 493 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Diploma Ministerial n.º 178/2006 de 15 de Novembro Com a aprovação do Estatuto Orgânico do Instituto Nacional de Hidrografia e Navegação

Leia mais

de Investimento em Angola e Cabo Verde

de Investimento em Angola e Cabo Verde Conferência Client Perspectivas name appearse Oportunidades here de Investimento em Angola e Cabo Verde PwC Conferência Regime Fiscal do CINM Catarina Gonçalves Agenda 1 Região Autónoma da Madeira 2 Centro

Leia mais

HUB DE QUALIFICAÇÃO & FORMAÇÃO CONSTRUÇÃO/REPARAÇÃO NAVAL E GESTÃO PORTUÁRIA

HUB DE QUALIFICAÇÃO & FORMAÇÃO CONSTRUÇÃO/REPARAÇÃO NAVAL E GESTÃO PORTUÁRIA HUB DE QUALIFICAÇÃO & FORMAÇÃO CONSTRUÇÃO/REPARAÇÃO NAVAL E GESTÃO PORTUÁRIA 06-06-2017 PROJETO HUB DE QUALIFICAÇÃO & FORMAÇÃO NAVAL A criação de um HUB de Qualificação e Formação Naval traduz-se em variadas

Leia mais

Apoio SIG ao projecto de investigação marinha HERMES

Apoio SIG ao projecto de investigação marinha HERMES Apoio SIG ao projecto de investigação marinha HERMES Objectivos, organização, componentes e produtos PATA, Célia; PACHECO, Miguel PALAVRAS CHAVE: HERMES, investigação marinha, SIG, websig RESUMO [ST6]

Leia mais

Plataforma Tecnológica do Mar. Luís Menezes Pinheiro

Plataforma Tecnológica do Mar. Luís Menezes Pinheiro Plataforma Tecnológica do Mar Luís Menezes Pinheiro Interdisciplinaridade Ciências e Tecnologias do Mar Plataforma multi-departamental Geociências Biologia Química Física Ambiente e Ordenamento GEOBIOTEC

Leia mais

Espécies exóticas ou Não-indígenas espécies introduzidas em áreas onde não ocorrem naturalmente, sobretudo por acção humana

Espécies exóticas ou Não-indígenas espécies introduzidas em áreas onde não ocorrem naturalmente, sobretudo por acção humana INSPECT Espécies exóticas marinhas introduzidas em estuários e zonas costeiras Portugueses Padrões de distribuição e abundância, vectores e potencial de invasão Financiamento: INSTITUTO DE OCEANOGRAFIA

Leia mais

O INSTITUTO HIDROGRÁFICO NO 50º ANIVERSÁRIO

O INSTITUTO HIDROGRÁFICO NO 50º ANIVERSÁRIO Prólogo ao XIII Curso de Verão da Ericeira, ICEA 28 de Maio de 2011 O INSTITUTO HIDROGRÁFICO NO 50º ANIVERSÁRIO CARLOS VENTURA SOARES Capitão-de-mar-e-guerra Engenheiro Hidrógrafo 1. A ACTIVIDADE DO INSTITUTO

Leia mais

We Add Value to the Future

We Add Value to the Future OPERADOR DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS PERIGOSOS Reciclamos os resíduos Tratamos e descarregamos a água Recuperamos um combustível (equivalente a um BPF) A NOSSA MISSÃO Receber e tratar os resíduos oleosos dos

Leia mais

WEDA Brazil Chapter DEZEMBRO /

WEDA Brazil Chapter DEZEMBRO / DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS 1ª Conferência da Associação Brasileira de Dragagem (ABD) WEDA Brazil Chapter 2007 - DEZEMBRO / 2007 - DPC Lei N o 9.966/00 AS ATRIBUIÇÕES DA AUTORIDADE MARÍTIMA NA ATIVIDADE

Leia mais

UA Desafios e Oportunidades Carlos Pascoal Neto Vice-Reitor

UA Desafios e Oportunidades Carlos Pascoal Neto Vice-Reitor Mar @ UA Desafios e Oportunidades 2014-2020 Carlos Pascoal Neto Vice-Reitor 29 de outubro de 2014 Mar Desígnio estratégico para Portugal Com a extensão da plataforma continental, Portugal passará a ter

Leia mais

Universidade de Coimbra. Faculdade de Ciências e Tecnologia. Departamento de Engenharia Química (DEQ / FCTUC)

Universidade de Coimbra. Faculdade de Ciências e Tecnologia. Departamento de Engenharia Química (DEQ / FCTUC) Universidade de Coimbra Faculdade de Ciências e Tecnologia Departamento de Engenharia Química (DEQ / FCTUC) Dia Aberto à Inovação e Transferência de Tecnologia DEQ, 4 de Abril de 2006 Licenciatura em Engenharia

Leia mais

Programa de Internacionalização Agronegócios CPLP 2017/18

Programa de Internacionalização Agronegócios CPLP 2017/18 financiamento financiamento geoestratégia geoestratégia geoestratégia qualificação recursos recursos recursos relações relações sector sector seguros governação governação governação governação agronegócio

Leia mais

Os novos paradigmas da I&D para a Inovação em Portugal

Os novos paradigmas da I&D para a Inovação em Portugal Os novos paradigmas da I&D para a Inovação em Portugal Rafaela de Saldanha Matos A Hidráulica e a Sociedade Sessão de apresentação Pública da Hidronet Pt 6 de Julho de 2006, Ordem dos Engenheiros Tópicos

Leia mais

EAF -NANSEN O PROJECTO. Fortalecendo a base de conhecimentos e implementando uma abordagem de ecossistema para a gestão pesqueira

EAF -NANSEN O PROJECTO. Fortalecendo a base de conhecimentos e implementando uma abordagem de ecossistema para a gestão pesqueira O PROJECTO EAF -NANSEN Fortalecendo a base de conhecimentos e implementando uma abordagem de ecossistema para a gestão pesqueira Apoiando os países em desenvolvimento na implementação da abordagem de ecossistema

Leia mais

ESTRATÉGIA NACIONAL PARA A QUALIDADE NA SAÚDE 3ª APRESENTAÇÃO PÚBLICA DE PROGRESSO

ESTRATÉGIA NACIONAL PARA A QUALIDADE NA SAÚDE 3ª APRESENTAÇÃO PÚBLICA DE PROGRESSO ESTRATÉGIA NACIONAL PARA A QUALIDADE NA SAÚDE 3ª APRESENTAÇÃO PÚBLICA DE PROGRESSO CUIDADOS DE SAÚDE TRANSFRONTEIRIÇOS Direção Geral da Saúde Julho de 2012 Áreas de intervenção ASSISTÊNCIA MÉDICA ESPECIALIZADA

Leia mais

ORGANIGRAMA. Empresa sediada em Angola especializada em Consultoria de Engenharia e

ORGANIGRAMA. Empresa sediada em Angola especializada em Consultoria de Engenharia e ORGANIGRAMA Esta sociedade familiar é uma Holding que tem por objecto a gestão de participações sociais de outras sociedades, como forma indireta de exercício de atividades económicas. A VBgest, SA. também

Leia mais

PORTUGAL A CRESCER ECONOMIA DO MAR. Roadshow Portugal Global Setúbal, 2 de março de May 2015

PORTUGAL A CRESCER ECONOMIA DO MAR. Roadshow Portugal Global Setúbal, 2 de março de May 2015 PORTUGAL A CRESCER ECONOMIA DO MAR Roadshow Portugal Global Setúbal, 2 de março de 2016 May 2015 Uma oportunidade económica Área: 92,152 Km 2 (108 º maior país do Mundo) Linha de Costa: 1,859 Km (incluindo

Leia mais

1. O quadro internacional da governação do mar. 2. CNUDM: oportunidades e fraquezas. 3. Case study: protecção vs. mineração no mar dos Açores

1. O quadro internacional da governação do mar. 2. CNUDM: oportunidades e fraquezas. 3. Case study: protecção vs. mineração no mar dos Açores PLANO 1. O quadro internacional da governação do mar 2. CNUDM: oportunidades e fraquezas 3. Case study: protecção vs. mineração no mar dos Açores 1.O quadro internacional da governação do mar Source: http://www.grida.no/graphicslib/collection/continental-shelf-thelast-maritime-zone

Leia mais

CABO VERDE. AERLIS - Oeiras

CABO VERDE. AERLIS - Oeiras CABO VERDE AERLIS - Oeiras 20.01.2010 Relações Económicas com Portugal Cabo Verde Relações Económicas com Portugal Importância de Cabo Verde nos Fluxos Comerciais de Portugal 2004 2005 2006 2007 2008 COMO

Leia mais

UMA VISÃO! HOLÍSTICA DO ISCIA

UMA VISÃO! HOLÍSTICA DO ISCIA 2013.11.14 II Congreso ÂNCORA FEEM - Fórum Empresarial da Economia do Mar UMA VISÃO! HOLÍSTICA DO ISCIA Armando Teixeira Carneiro! Director do ISCIA Instituição portuguesa de ensino superior, do subsistema

Leia mais

ANGOLA APRESENTADO POR: O REGIME JURÍDICO DA DOUTOR ECONOMIA MARÍTIMA DE ANGOLA

ANGOLA APRESENTADO POR: O REGIME JURÍDICO DA DOUTOR ECONOMIA MARÍTIMA DE ANGOLA APRESENTADO POR: DOUTOR Conceito e âmbito do direito marítimo: Considera-se o direito marítimo como o conjunto de normas jurídicas que regula, toda e qualquer actividade, originada da utilização dos bens

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES PARA 2015 ALER PLANO DE ACTIVIDADES

PLANO DE ACTIVIDADES PARA 2015 ALER PLANO DE ACTIVIDADES PLANO DE ACTIVIDADES PARA 2015 ALER PLANO DE ACTIVIDADES 2015 1 OS EIXOS DE ACTUAÇÃO DA ALER CONHECER Relatórios nacionais com informação técnica, económica e regulatória Repositório de informação com

Leia mais

O CAMINHO MARÍTIMO PARA A INDUSTRIA EXTRATIVA. Joaquim Góis Departamento de Engenharia de Minas Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto

O CAMINHO MARÍTIMO PARA A INDUSTRIA EXTRATIVA. Joaquim Góis Departamento de Engenharia de Minas Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto O CAMINHO MARÍTIMO PARA A INDUSTRIA EXTRATIVA Joaquim Góis Departamento de Engenharia de Minas Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto 2 AGENDA 1. O PLANETA TERRA E OS OCEANOS OS OCEANOS 2. PORTUGAL

Leia mais

Modelo de Desenvolvimento, Quadro de Monitorização e Economia Azul

Modelo de Desenvolvimento, Quadro de Monitorização e Economia Azul Modelo de Desenvolvimento, Quadro de Monitorização e Economia Azul Meios de Financiamento Nacionais e Europeus e Integração das Políticas de Desenvolvimento Par$lha de Informação A promoção de um ambiente

Leia mais

ReNEP Rede Nacional de Estações Permanentes GNSS

ReNEP Rede Nacional de Estações Permanentes GNSS ReNEP Rede Nacional de Estações Permanentes GNSS Divisão de Geodesia Lisboa, 04 de Novembro de 2009 Instituto Geográfico Português Autoridade Nacional nos domínios de: Geodesia Cartografia Cadastro No

Leia mais

Económico Ambiental Social

Económico Ambiental Social EUROPA 2020 Desenvolvimento Sustentável Crescimento Inteligente, Sustentável e Inclusivo (CISI) Estratégia Marítima da União Europeia para a Área do Atlântico Estratégias Regionais de Suporte (asseguram

Leia mais

Programa de Internacionalização Agronegócios CPLP 2017/18

Programa de Internacionalização Agronegócios CPLP 2017/18 financiamento financiamento qualificação relações relações sector sector seguros comunicação comunicação desenvolvimento desenvolvimento legislação legislação logística keting keting keting keting mercado

Leia mais

DECLARAÇÃO DE BISSAU

DECLARAÇÃO DE BISSAU DECLARAÇÃO DE BISSAU Os Ministros da Cultura de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e Portugal encontraram-se, em Bissau, nos dias 28 e 29 de Outubro de 2006, a convite do Governo Guineense,

Leia mais

IX CONGRESSO DA AGEPOR 9 e 10 de Outubro/Douro

IX CONGRESSO DA AGEPOR 9 e 10 de Outubro/Douro IX CONGRESSO DA AGEPOR 9 e 10 de Outubro/Douro ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS PARA O SETOR MARÍTIMO-PORTUÁRIO (2006) VISÃO ESTRTÉGICA Reforçar a centralidade euro-atlântica de Portugal Aumentar fortemente a

Leia mais

A ALER E O SEU PAPEL NO APOIO À REGULAÇÃO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS

A ALER E O SEU PAPEL NO APOIO À REGULAÇÃO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS A ALER E O SEU PAPEL NO APOIO À REGULAÇÃO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS IX Conferência RELOP 5 de Dezembro de 2016 O QUE É E PARA QUE SERVE A ALER PROMOTORA A ALER é uma associação sem fins lucrativos que tem

Leia mais

ProMeQuaLab - Projeto de Melhoria da Qualidade Laboratorial para Países de Língua Portuguesa

ProMeQuaLab - Projeto de Melhoria da Qualidade Laboratorial para Países de Língua Portuguesa ProMeQuaLab - Projeto de Melhoria da Qualidade Laboratorial para Países de Língua Portuguesa Armandina Miranda, Ana Faria DEP AEQ INSA Lisboa 20 de Maio 2016 1 1º Congresso de Controlo da Qualidade-2015

Leia mais

III III III III Empresa

III III III III Empresa III III III III Empresa perfil + ENKROTT + INOVAÇÃO + ENGENHARIA CATXXX111 // WWW.ENKROTT.PT // Bem-vindo ao mundo da Enkrott! A água é essencial à vida. Contudo, as necessidades de água a nível mundial

Leia mais

comprimento, 6,5 m de calado máximo e t de porte. Terminal de construção privado operado em regime de uso privativo, destina-se à movimentação

comprimento, 6,5 m de calado máximo e t de porte. Terminal de construção privado operado em regime de uso privativo, destina-se à movimentação Capítulo 6 Do Cabo Mongo ao Cabo Carvoeiro Porto da Terminal Granéis Sólidos Localizado logo a montante do Terminal Carga Geral é constituído por um cais em estacada betão armado, com 4 m comprimento,

Leia mais

PLANO DE ORDENAMENTO DA RESERVA NATURAL DAS BERLENGAS PROGRAMA DE EXECUÇÃO

PLANO DE ORDENAMENTO DA RESERVA NATURAL DAS BERLENGAS PROGRAMA DE EXECUÇÃO PLANO DE ORDENAMENTO DA RESERVA NATURAL DAS BERLENGAS PROGRAMA DE 1. GESTÃO DO PATRIMÓNIO NATURAL... 3 1.1. CONSERVAÇÃO DE HABITATS, DA FLORA E DA FAUNA... 3 1.1.1. Conservar os habitats naturais e semi-naturais...3

Leia mais

1 - OBJECTIVOS DO RELATÓRIO E METODOLOGIAS UTILIZADAS FROTA NACIONAL DE NAVIOS DE INVESTIGAÇÃO... 3

1 - OBJECTIVOS DO RELATÓRIO E METODOLOGIAS UTILIZADAS FROTA NACIONAL DE NAVIOS DE INVESTIGAÇÃO... 3 PREÂMBULO... i 1 - OBJECTIVOS DO RELATÓRIO E METODOLOGIAS UTILIZADAS... 1 2 - FROTA NACIONAL DE NAVIOS DE INVESTIGAÇÃO... 3 2.1 COMPOSIÇÃO E CARACTERÍSTICAS... 3 2.2 PRINCIPAIS EQUIPAMENTOS DE SUPORTE

Leia mais

Tabela I ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA

Tabela I ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA Tabela I ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA Possíveis Saídas Profissionais: As engenheiras e os engenheiros electrotécnicos podem exercer a sua actividade profissional em: a) projecto de instalações eléctricas,

Leia mais

INP Experiência do ensino com a Indústria Petrolífera (Os Desafios do Pré-Sal)

INP Experiência do ensino com a Indústria Petrolífera (Os Desafios do Pré-Sal) INP Experiência do ensino com a Indústria Petrolífera (Os Desafios do Pré-Sal) Luanda 15 de Novembro de 2012 Agenda 2 Considerações Gerais Missão do INP Ensino Médio Formação Profissional Formação Personalizada

Leia mais

LOC Brasil OAB Direito Marítimo, Portuário e Aduaneiro Importantes Personagens da Indústria Naval

LOC Brasil OAB Direito Marítimo, Portuário e Aduaneiro Importantes Personagens da Indústria Naval OAB Direito Marítimo, Portuário e Aduaneiro Importantes Personagens da Indústria Naval LOC Brasil 2016 Wagner Mentzingen Rodrigues w.rodrigues@loc-group.com Rua da Assembleia No. 10, suíte 2920 Rio de

Leia mais

Guiné-Bissau e o sector da água

Guiné-Bissau e o sector da água Guiné-Bissau e o sector da água Testemunhos profissionais e empresariais na Guiné-Bissau Coimbra, 5 de Julho de 2016 Nuno Medeiros EPAL em parceria com a TESE-SF Índice 1. AS ENTIDADES EPAL E TESE 2. OS

Leia mais

VII REUNIÃO DE MINISTROS DA DEFESA DA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Bissau, 31 de Maio e 1 Junho de 2004 DECLARAÇÃO FINAL

VII REUNIÃO DE MINISTROS DA DEFESA DA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Bissau, 31 de Maio e 1 Junho de 2004 DECLARAÇÃO FINAL VII REUNIÃO DE MINISTROS DA DEFESA DA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Bissau, 31 de Maio e 1 Junho de 2004 DECLARAÇÃO FINAL Os Ministros da Defesa de Angola, do Brasil, de Cabo Verde, da Guiné-Bissau,

Leia mais

O papel da Protecção Civil na Defesa contra as Cheias

O papel da Protecção Civil na Defesa contra as Cheias O papel da Protecção Civil na Defesa contra as Cheias Núcleo de Riscos e Alerta Autoridade Nacional de Protecção Civil1 Lei de Bases da Protecção Civil (Lei 27/2006, de 3 de Julho): A protecção civil é

Leia mais

Financiamento Internacional

Financiamento Internacional Financiamento Internacional Posicionamento das ONGD portuguesas Formadora: Tânia Santos mecanismo@cesa.iseg.utl.pt Índice 1)Posicionamento das ONGD no financiamento; 2)Cartas de intenção e propostas sucintas;

Leia mais

Marinha chilena promove conferência de meteorologistas militares

Marinha chilena promove conferência de meteorologistas militares Marinha chilena promove conferência de meteorologistas militares A 5ª Oficina Internacional de Oficiais Meteorologistas Portuários, realizada pela Comissão Técnica Mista de Oceanografia e Meteorologia

Leia mais

SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DA MARINHA SecCTM

SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DA MARINHA SecCTM SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DA MARINHA SecCTM Contra-Almirante Alfredo Martins Muradas Fórum RNP 2016: Ciência, Tecnologia e Inovação em Rede SUMÁRIO O Sistema de CT&I da MB (SCTMB) As

Leia mais

PRINCIPAIS ACTIVIDADES DESENVOLVIDAS 2014/2016

PRINCIPAIS ACTIVIDADES DESENVOLVIDAS 2014/2016 PRINCIPAIS ACTIVIDADES DESENVOLVIDAS 2014/2016 2 AUDIÊNCIAS MINISTRO DO AMBIENTE Dr. Jorge Moreira da Silva SECRETÁRIO DE ESTADO DA ENERGIA Dr. Artur Trindade MINISTRO DA ECONOMIA Dr. António Pires de

Leia mais

A ARQUEOLOGIA NÁUTICA E SUBAQUÁTICA na Direcção Geral do Património Cultural. Pedro Barros e João Coelho

A ARQUEOLOGIA NÁUTICA E SUBAQUÁTICA na Direcção Geral do Património Cultural. Pedro Barros e João Coelho A ARQUEOLOGIA NÁUTICA E SUBAQUÁTICA na Direcção Geral do Património Cultural Pedro Barros e João Coelho cnans@dgpc.pt Campanha M@rBis 2014 O VALOR HISTÓRICO DO PATRIMÓNIO NAUTICO E SUBÁTICO PARA A IDENTIDADE

Leia mais

Plano Municipal de Emergência

Plano Municipal de Emergência ÍNDICE PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO 1 1 Introdução 2 2 Âmbito de aplicação 3 3 Objectivos gerais 3 4 Enquadramento legal 4 5 Antecedentes do processo de planeamento 4 6 Articulação com instrumentos

Leia mais

Sustentabilidade: Desafio Actual do Ensino Superior

Sustentabilidade: Desafio Actual do Ensino Superior Os desafios da Gestão e da Qualidade do Ensino Superior nos Países e Regiões de Língua Portuguesa 15 de Novembro de 2011 Sustentabilidade: Desafio Actual do Ensino Superior Instituto Superior Técnico,

Leia mais

Escalões dos Profissionais do Mar Para a : Marinha de Comércio Marinha de Pesca Marinha do Tráfego Local Marinha de Recreio

Escalões dos Profissionais do Mar Para a : Marinha de Comércio Marinha de Pesca Marinha do Tráfego Local Marinha de Recreio FORMAÇÃO MARÍTIMA Miguel Cândido NAVIO E EMBARCAÇÃO Navios e Embarcações São os termos utilizados para designar veículos flutuantes destinados a navegar. Escalões dos Profissionais do Mar Para a : Marinha

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 47/15 - CEPE

RESOLUÇÃO N o 47/15 - CEPE RESOLUÇÃO N o 47/15 - CEPE Fixa o Currículo Pleno do Curso de Oceanografia do Setor de Ciências da Terra da Universidade Federal do Paraná. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, órgão normativo, consultivo

Leia mais

PEDIDOS DE AUTORIZAÇÃO PARA REALIZAÇÃO DE ACTIVIDADES DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA

PEDIDOS DE AUTORIZAÇÃO PARA REALIZAÇÃO DE ACTIVIDADES DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA PEDIDOS DE AUTORIZAÇÃO PARA REALIZAÇÃO DE ACTIVIDADES DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA a. Enquadramento Legislativo Nos termos conjugados dos artigos 19.º, 21.º, 25.º, 55º, do ponto ii), da alínea b), do nº1,

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA ÁREA DE FORMAÇÃO EM CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CURRÍCULO DO CURSO

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA ÁREA DE FORMAÇÃO EM CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CURRÍCULO DO CURSO UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA ÁREA DE FORMAÇÃO EM CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CURRÍCULO DO CURSO Licenciatura em Engenharia Ambiental e de Gestão de Desastres ( LEBA-GD ) 1 A UNIVERSIDADE

Leia mais

GEOGRAFIA E PLANEAMENTO REGIONAL

GEOGRAFIA E PLANEAMENTO REGIONAL Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Geografia e Planeamento Regional PROCESSO DE BOLONHA LICENCIATURA EM GEOGRAFIA E PLANEAMENTO REGIONAL (em vigor em 2006/2007) 29.06.2006 ESQUEMA

Leia mais

HE Tony da Costa Fernandes, Angolan Ambassadoe to India, releasing the Souvenir Marine Traffic 2010

HE Tony da Costa Fernandes, Angolan Ambassadoe to India, releasing the Souvenir Marine Traffic 2010 HE Tony da Costa Fernandes, Angolan Ambassadoe to India, releasing the Souvenir Marine Traffic 2010 Departamentos de Estudos Náuticos Formação offshore para Licenciados Engenheiros Mecânicos (GME)

Leia mais

Seminário Energia dos Oceanos

Seminário Energia dos Oceanos Seminário Energia dos Oceanos ENERGIA DAS ONDAS: RECURSO E OPORTUNIDADES M. Teresa Pontes LNEG / INETI, Lisboa, Portugal Câmara Municipal de Peniche 19 Setembro 2008 PORTUGAL - PAÍS PIONEIRO CENTRAL da

Leia mais

DOTAÇÕES ORÇAMENTAIS PARA C&T E I&D 2015

DOTAÇÕES ORÇAMENTAIS PARA C&T E I&D 2015 PARA C&T E I&D 2015 FICHA TÉCNICA Título Dotações Orçamentais para C&T e I&D 2015 Autor Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência (DGEEC) Direção de Serviços de Estatística da Ciência e Tecnologia

Leia mais

Subsequente. ESTRATÉGIAS DE ENSINO (teóricas e práticas)

Subsequente. ESTRATÉGIAS DE ENSINO (teóricas e práticas) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICAS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS ITAJAÍ PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO Unidade Curricular:

Leia mais

MIEC MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA CIVIL 2014/2015 PROPOSTA DE TEMAS PARA DISSERTAÇÃO RAMO DE ESPECIALIZAÇÃO/ ÁREA CIENTÍFICA:

MIEC MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA CIVIL 2014/2015 PROPOSTA DE TEMAS PARA DISSERTAÇÃO RAMO DE ESPECIALIZAÇÃO/ ÁREA CIENTÍFICA: 1 PROPOSTA DE S PARA DISSERTAÇÃO CO - (H06) SEGURANÇA NO APROVEITAMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS QUALIDADE MICROBIOLÓGICA Cristina Maria Monteiro dos Santos Armando Silva Afonso Investigação Pretende-se contribuir

Leia mais

Balanço Oficial da época balnear 2011 em Portugal. Comandante Nuno Leitão

Balanço Oficial da época balnear 2011 em Portugal. Comandante Nuno Leitão DGAM AUTORIDADE INSTITUTO DE SOCORROS MARÍTIMA A NÁUFRAGOS NACIONAL DGAM INSTITUTO DE SOCORROS A NÁUFRAGOS Balanço Oficial da época balnear 2011 em Portugal Comandante Nuno Leitão Portugal, uma Nação Marítima

Leia mais

Navegabilidade do Rio Tejo: A Segurança da Navegação

Navegabilidade do Rio Tejo: A Segurança da Navegação Navegabilidade do Rio Tejo: A Segurança da Navegação Carlos Ventura Soares Sessão de debate Navegabilidade do Rio Tejo APRH / ARH TEJO Auditório do LNEC 25 de Novembro de 2010 Sumário A segurança da navegação

Leia mais

A atividade da construção e reparação naval na RAA

A atividade da construção e reparação naval na RAA NÁUTICAS AO SERVIÇO DA A atividade da construção e reparação naval na RAA Ponta Delgada 25 de Março de 2013 Nuno Lima A actividade da construção e reparação naval na RAA Caracterização Geral Infra-estruturas

Leia mais

OCEANO XXI CLUSTER DO CONHECIMENTO E DA ECONOMIA DO MAR

OCEANO XXI CLUSTER DO CONHECIMENTO E DA ECONOMIA DO MAR OCEANO XXI CLUSTER DO CONHECIMENTO E DA ECONOMIA DO MAR MISSÃO OCEANO XXI Dinamizar o Cluster do Conhecimento e da Economia do Mar (EEC Estratégia de Eficiência Colectiva reconhecida pelo POFC Compete

Leia mais

Ricardo Serrão Santos, IMAR - Instituto do Mar e Departamento de Oceanografia e Pescas da Universidade dos Açores. Introdução

Ricardo Serrão Santos, IMAR - Instituto do Mar e Departamento de Oceanografia e Pescas da Universidade dos Açores. Introdução Ricardo Serrão Santos, IMAR - Instituto do Mar e Departamento de Oceanografia e Pescas da Universidade dos Açores. Introdução Os mares e oceanos têm um papel vital para a vida do planeta Terra. Para além

Leia mais

actividades de I&D e de Inovação nas empresas

actividades de I&D e de Inovação nas empresas Enquadramento à medição das actividades de I&D e de Inovação nas empresas Workshop: I&D e actividades de Inovação nas Empresas Maria João Valente Rosa Lisboa, 11 de Maio de 2009 Instrumentos Oficiais de

Leia mais