PERCURSOS. André Falcão, Carlos Augusto, Rafael Broédel e Lucas Dipré

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PERCURSOS. André Falcão, Carlos Augusto, Rafael Broédel e Lucas Dipré"

Transcrição

1 PERCURSOS André Falcão, Carlos Augusto, Rafael Broédel e Lucas Dipré Serra 2011

2 Índice 1...O que é caminho e circuito Caminho Circuito Classificação 2...Caminhos Eulerianos Definição Como surgiu Modelo do Problema Caminho Aberto e Caminho Fechado Aplicações 3...Circuito Hamiltoniano Verificação e Classificação O problema do caixeiro viajante 4...Pseudocódigo 5...Exercícios 6...Referências

3 1) Caminhos e Circuitos 1.1) Caminho É uma seqüência de vértices ligados por arestas. As arestas fazem parte do caminho. Caminho Caminho ) Circuito É um caminho formado por x + 1 vértices. Deve começar e terminar no mesmo vértice. Mesmo escolhendo o vértice inicial ao acaso, ele continuará sendo um circuito. A seqüência dos vértices x1, x2, x5, x4, x1 forma um circuito.

4 1.3) Classificação Simples: Um caminho é considerado simples se ele não contem a mesma aresta mais de uma vez. Idêntico: Dois ciclos são idênticos quando um for obtido a partir do outro através da troca de seus vértices. Em outras palavras, iniciar o ciclo em outro vértice.

5 2) Caminhos Eulerianos 2.1) Definição: Caminhos eulerianos são caminhos nos quais se utilizam todas as arestas uma única só vez num determinado grafo. 2.2) Como Surgiu: O caminho euleriano surgiu com o famoso problema das Sete pontes de Königsberg (que foi uma das principais fundações da teoria dos grafos), onde os moradores da cidade de Königsberg (território da Prússia até 1945, atual Kaliningrado, na Rússia), que é cortada pelo Rio Prególia, onde há duas grandes ilhas que, juntas, formam um complexo que na época continha sete pontes, discutiam nas ruas da cidade a possibilidade de atravessar todas as pontes sem repetir nenhuma. Havia-se tornado uma lenda popular à possibilidade da façanha quando Euler, em 1736, provou que não existia caminho que possibilitasse tais restrições. Representação das pontes.

6 2.3) Modelo do Problema: Euler usou um raciocínio muito simples. Transformou os caminhos em retas e suas intersecções em pontos, criando possivelmente o primeiro grafo da história. O Grafo utilizado como modelo é definido como: V = { m m é uma ilha ou uma margem } A = { (m1,m2, p} existe uma ponte p unindo as margens ou ilhas m1 e m2 } Os conjuntos acima são apresentados, a seguir, na forma extensiva, contendo todos seus elementos, extraídos do problema: V = { 1, 2, 3, 4 } A = { (1,3,e), (1,3,f), (1,2,a), (1,2,b), (1,4,d), (2,4,c), (3,4,g) } Com isso, podemos construir o seguinte grafo: Grafo G Observação sobre o grafo G: Não Orientado: O mesmo caminho faz ligação de uma vértice a outra e vice-verso, exemplo: o caminho a pode ser usado para ligar o vértice 1 ao vértice 2, e o vértice 2 ao vértice 1, [(1,2,a), (2,1,a)].

7 Multigrafo: Um vértice pode ter mais de um caminho para outro mesmo vértice, como exemplo, os vértices 1 e 2 tem os caminhos a e b fazendo ligação entre eles. Conexo: Todo vértice está ligado à pelo menos um outro vértice. Solução: TEOREMA: Um grafo conexo é um grafo de Euler se e somente se todos os seus vértices são de grau par (caminho fechado) ou existir exatamente dois vértices de grau ímpar (caminho aberto). 2.4) Caminho Aberto e Caminho Fechado: A diferença entre um caminho euleriano aberto e um fechado está no final do caminho. Caso se parta e se chegue no mesmo vértice teremos um caminho fechado. Caso a partida não coincida com a chegada teremos um caminho euleriano aberto. Exemplo Caminho Fechado: Exemplo Caminho Aberto:

8 Prova: Imagine que G seja um grafo de Euler. Então ele contém um caminho de Euler. Seguindo esse caminho nota-se que chegamos num vértice 'entrando por uma aresta e encontramos outra para 'sair' do vértice e continuar o caminho. Se houver outras arestas adjacentes ao vértice, 'entramos' por uma destas arestas e devemos encontrar uma, ainda não visitada, para 'sairmos' do vértice. Se houver um número n ímpar de arestas em pelo menos um dos vértices, ao realizar o caminhamento, em um determinando momento, entramos no vértice e não haverá saída ainda não visitada. O caminhamento não pode continuar. Solução: Pela análise do grafo modelo G para o problema das pontes de Königsberg, observa-se que para todo vértice seu grau é ímpar. Logo, o grafo G não é um grafo de Euler. Isso significa que o problema não possui solução. 2.5) Aplicações: As aplicações dos caminhos eulerianos se relacionam, basicamente, com problemas de atendimento seqüencial, sobre um conjunto de usuários de um serviço oferecido no interior de uma rede de tráfego, tais como, entrega de correio, coleta de lixo, vendas por atacado, etc. Imagine um carteiro que deve percorrer um roteiro todo dia. O problema é de identificar esse roteiro de maneira a minimizar a distância total percorrida. Essa situação pode ser representada por um grafo onde as arestas correspondem às ruas e os vértices correspondem aos cruzamentos.

9 3) O Problema do Circuito de Hamilton O famoso matemático William Rowan Hamilton ( ) colocou um problema em teoria de grafos que consistia em dizer se um caminho num grafo é um caminho elementar que contém todos os vértices do grafo. Um ciclo hamiltoniano é um ciclo que contém todos os vértices do grafo. Um grafo dizse grafo hamiltoniano se contém um ciclo hamiltoniano. Tentativa e erro O problema do ciclo Hamiltoniano pode ser resolvido para um determinado grafo usando a técnica de tentativa e erro, a teoria do algoritmo é o seguinte: Comece por um nó do grafo e tente alguns caminhos escolhendo diversos arcos. Se o caminho resulta em um nó repetido, não é um ciclo, jogue-o fora e tente um caminho diferente. Se o caminho pode ser completado para formar um ciclo, verifique se todos os nós são visitados, se não jogue-o fora e tente um caminho diferente. Continue assim até tentar todos os caminhos possíveis ou encontrar um caminho que sirva. Na teoria, para grafos muito pequenos esse algoritmo é razoavelmente aceitável, mas para grafos mais robustos ele é ineficiente, pois vão existir caminhos demais para se tentar. Euler x Hamilton Diferentemente de Leonhard Euler ( ), Hamilton não conseguiu um algoritmo simples para determinar, para um grafo arbitrário, se existe um caminho Hamiltoniano. De fato existe uma teoria de que esse algoritmo nunca será encontrado pois o algoritmo tem comprovadamente complexidade n², e com uma quantidade grande de caminhos fica impraticável uma resolução como a encontrada por Euler em seu algoritmo. 3.1) Verificação e Classificação Não existe uma equação polinomial absoluta para saber se um grafo tem ou não requisitos para ser um circuito hamiltoniano. Apenas utilizando-se de testes de caminhos no grafo para fazer a checagem, o que aumenta a complexidade exponencialmente. No entanto, algumas condições permitem verificar se um grafo é ou não hamiltoniano: 1. Se um n-grafo simples com três ou mais vértices satisfaz grau(v) + grau(w) n para quaisquer vértices não vizinhos um do outro, então o grafo é hamiltoniano. 2. Se um grafo simples com três ou mais vértices, vértices esses que tem o grau não inferior a metade do número de vértices. Então o grafo é hamiltoniano.

10 3.2) O Problema do Caixeiro Viajante Se considerarmos um grafo com peso, se existe um circuito hamiltoniano para o grafo, podemos encontrar um peso mínimo? Esse é o famoso problema do caixeiro viajante, que continua sofrendo com o problema da ineficiência do algoritmo para um grafo arbitrário de tamanho mais robusto, mas com o desenvolvimento de algoritmos como o do vizinho mais próximo torna possível a verificação de grafos maiores, mas não de todo e qualquer grafo. Exemplos Exemplo de dois grafos que não admitem Circuito de Hamilton: Segue-se o exemplo de um grafo que admite Circuito de Hamilton: um ircuito poderá ser AHGFEDIBCA: Reparemos que a figura anterior foi obtida da figura (b) acrescentando uma aresta, a aresta CA.

11 4) Pseudocódigo ALGORITMO CaminhodeEuler CaminhoDeEuler (matriz n x n A) //Determina se existe um caminho de Euler em um grafo conexo //sem laços e com matriz de adjacências A Variáveis Locais: int total //numero de nos impares encontrados até agora int grau //o grau do nó int i,j //índices da matriz total = 0 i=1 enquanto total<=2 e i<=n faça grau=0 para j=1 até n faça grau=grau+a[i,j] fim do para se impar(grau) entao total = total + 1 fim do se i=i+1 fim do enquanto se total > 2 então escreva ("Não Existe Caminho de Euler") senão escreva ("Existe Caminho de Euler") fim do se fim do CaminhoDeEuler

12 5) Exercícios 1-Julgue as Sentenças a Seguir: a) Um Grafo com quatro nós Impares ainda pode ser conexo. b) Existe um Caminho de Euler em qualquer grafo com um número par de nós impares. c) Existe um algoritmo O(n²) que testa a existência de um caminho de Euler em um grafo com nós. d) Um Circuito Hamiltoniano usa cada arco e cada nó do grafo exatamente uma vez, exceto o nó que é ao mesmo tempo, Inicial e final. e) Não se conhece nenhum algoritmo que resolva o problema do circuito hamiltoniano. 2-Dado o Grafo a seguir: Determine se o Grafo especificado tem o caminho de Euler de acordo com o Teorema de Euler.

13 3- A partir da matriz a seguir, diga se existe um ciclo Euleriano: Respostas: 1- a) V b) F c) V d) F e) F 2- Sim, existe ciclo euleriano pois todos os nós tem grau par. 3- Não, pois os nós 1,2,4 e 5 tem grau impar, que vai contra o Teorema do Caminho de Euler.

14 6) Referencias: tm GERSTING, J. L., Fundamentos Matemáticos para a Ciência da Computação, Ed. LTC, 5ª Ed. 2008, Capítulo 6.2. Imagens retiradas do Google Imagens.

Alguns probleminhas...

Alguns probleminhas... Introdução Vários problemas da computação, com aplicações em diversos problemas importantes, nasceram de jogos ou brincadeiras. Hoje veremos uma pequana amostra deste fato. Alguns probleminhas... Problema

Leia mais

x y Grafo Euleriano Figura 1

x y Grafo Euleriano Figura 1 Grafo Euleriano Um caminho simples ou um circuito simples é dito euleriano se ele contém todas as arestas de um grafo. Um grafo que contém um circuito euleriano é um grafo euleriano. Um grafo que não contém

Leia mais

Noções da Teoria dos Grafos. André Arbex Hallack

Noções da Teoria dos Grafos. André Arbex Hallack Noções da Teoria dos Grafos André Arbex Hallack Junho/2015 Índice 1 Introdução e definições básicas. Passeios eulerianos 1 1.1 Introdução histórica..................................... 1 1.2 Passeios

Leia mais

GRAFOS. Prof. André Backes. Como representar um conjunto de objetos e as suas relações?

GRAFOS. Prof. André Backes. Como representar um conjunto de objetos e as suas relações? 8/0/06 GRAFOS Prof. André Backes Definição Como representar um conjunto de objetos e as suas relações? Diversos tipos de aplicações necessitam disso Um grafo é um modelo matemático que representa as relações

Leia mais

Grafos: caminhos mínimos

Grafos: caminhos mínimos quando o grafo é sem pesos, a determinação de um caminho mais curto pode ser feita através de uma busca em largura caminho mais curto é aquele que apresenta o menor número de arestas quando o grafo tem

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ BIBLIOTECA DE OBJETOS MATEMÁTICOS COORDENADOR: Dr. MARCIO LIMA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ BIBLIOTECA DE OBJETOS MATEMÁTICOS COORDENADOR: Dr. MARCIO LIMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ BIBLIOTECA DE OBJETOS MATEMÁTICOS COORDENADOR: Dr. MARCIO LIMA TEXTO: Torre de Hanói e Triângulo de Sierpinski AUTOR: André Brito (estagiário da BOM) ORIENTADOR: Dr. Professor

Leia mais

04 Grafos: caminhos e coloração SCC0503 Algoritmos e Estruturas de Dados II

04 Grafos: caminhos e coloração SCC0503 Algoritmos e Estruturas de Dados II 04 Grafos: caminhos e coloração SCC0503 Algoritmos e Estruturas de Dados II Prof. Moacir Ponti Jr. www.icmc.usp.br/~moacir Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação USP 2011/1 Moacir Ponti Jr.

Leia mais

As Pontes de Königsberg

As Pontes de Königsberg As Pontes de Königsberg Anderson Freitas Ferreira e Lívia Minami Borges 13 de junho de 2015 Resumo A teoria de grafos teve seu início em 1736, quando Euler utilizou uma estrutura para resolver o Problema

Leia mais

Teoria dos Grafos. Valeriano A. de Oliveira Socorro Rangel Departamento de Matemática Aplicada.

Teoria dos Grafos. Valeriano A. de Oliveira Socorro Rangel Departamento de Matemática Aplicada. Teoria dos Grafos Valeriano A de Oliveira Socorro Rangel Departamento de Matemática Aplicada antunes@ibilceunespbr, socorro@ibilceunespbr Grafos Hamiltonianos Preparado a partir do texto: Rangel, Socorro

Leia mais

Grafos Eulerianos e o Problema do Carteiro Chinês

Grafos Eulerianos e o Problema do Carteiro Chinês Prof. Ademir A. Constantino DIN - UEM 1 Grafos Eulerianos e o Problema do Carteiro Chinês Prof. Ademir Constantino Departamento de Informática Universidade Estadual de Maringá Prof. Ademir A. Constantino

Leia mais

MATEMÁTICA DISCRETA PARA ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO

MATEMÁTICA DISCRETA PARA ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO MATEMÁTICA DISCRETA PARA ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO Profa. Kathya Collazos Linares *As aulas baseiam-se no material do Professor Antonio Alfredo Ferreira Loureiro O problema das sete pontes de Königsberg

Leia mais

GRAFOS Aula 04 Caminhos, Conexidade e Distância Max Pereira

GRAFOS Aula 04 Caminhos, Conexidade e Distância Max Pereira Ciência da Computação GRAFOS Aula 04 Caminhos, Conexidade e Distância Max Pereira Um grafo é dito conexo se for possível visitar qualquer vértice, partindo de um outro qualquer, passando pelas suas arestas.

Leia mais

Cap. 2 Conceitos Básicos em Teoria dos Grafos

Cap. 2 Conceitos Básicos em Teoria dos Grafos Teoria dos Grafos e Aplicações 8 Cap. 2 Conceitos Básicos em Teoria dos Grafos 2.1 Grafo É uma noção simples, abstrata e intuitiva, usada para representar a idéia de alguma espécie de relação entre os

Leia mais

Grafos Hamiltonianos e o Problema do Caixeiro Viajante. Prof. Ademir Constantino Departamento de Informática Universidade Estadual de Maringá

Grafos Hamiltonianos e o Problema do Caixeiro Viajante. Prof. Ademir Constantino Departamento de Informática Universidade Estadual de Maringá Grafos Hamiltonianos e o Problema do Caixeiro Viajante Prof. Ademir Constantino Departamento de Informática Universidade Estadual de Maringá Grafo Hamiltoniano Definição: Um circuito hamiltoniano em um

Leia mais

Teoria dos Grafos. Motivação

Teoria dos Grafos. Motivação Teoria dos Grafos Aula 1 Primeiras Ideias Prof a. Alessandra Martins Coelho março/2013 Motivação Muitas aplicações em computação necessitam considerar conjunto de conexões entre pares de objetos: Existe

Leia mais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais- 11º ano (Versão: para o manual a partir de 2016/17)

Matemática Aplicada às Ciências Sociais- 11º ano (Versão: para o manual a partir de 2016/17) Matemática Aplicada às Ciências Sociais- 11º ano (Versão: para o manual a partir de 2016/17) Professor: Pedro Nóia Livro adotado: Matemática Aplicada às Ciências Sociais- 11º ano Elisabete Longo e Isabel

Leia mais

Escola Básica e Secundária Mouzinho da Silveira. MACS 11.º Ano Problema do Caixeiro Viajante

Escola Básica e Secundária Mouzinho da Silveira. MACS 11.º Ano Problema do Caixeiro Viajante Escola Básica e Secundária Mouzinho da Silveira MACS 11.º Ano Problema do Caixeiro Viajante Problema do Caixeiro Viajante Trata-se de um problema matemático que consiste, sendo dado um conjunto de cidades

Leia mais

Teoria dos Grafos. Valeriano A. de Oliveira Socorro Rangel Departamento de Matemática Aplicada.

Teoria dos Grafos. Valeriano A. de Oliveira Socorro Rangel Departamento de Matemática Aplicada. Teoria dos Grafos Valeriano A. de Oliveira Socorro Rangel Departamento de Matemática Aplicada antunes@ibilce.unesp.br, socorro@ibilce.unesp.br Grafos Eulerianos Preparado a partir do texto: Rangel, Socorro.

Leia mais

Ciência da Computação Engenharia de Computação Mestrado em Informática. Teoria dos Grafos. Maria Claudia Silva Boeres.

Ciência da Computação Engenharia de Computação Mestrado em Informática. Teoria dos Grafos. Maria Claudia Silva Boeres. Ciência da Computação Engenharia de Computação Mestrado em Informática Maria Claudia Silva Boeres boeres@inf.ufes.br Programa 1.Conceitos Básicos 2.Grafos Eulerianos e Hamiltonianos 3.Caminhos, Ciclos

Leia mais

Estrutura de Dados e Algoritmos e Programação e Computadores II. Aula 10: Introdução aos Grafos

Estrutura de Dados e Algoritmos e Programação e Computadores II. Aula 10: Introdução aos Grafos Estrutura de Dados e Algoritmos e Programação e Computadores II Aula 10: Introdução aos Grafos História O assunto que se constitui no marco inicial da teoria de grafos é na realidade um problema algorítmico.

Leia mais

1 Trajeto Euleriano. > Trajeto Euleriano 0/20

1 Trajeto Euleriano. > Trajeto Euleriano 0/20 Conteúdo 1 Trajeto Euleriano > Trajeto Euleriano 0/20 Um trajeto Euleriano em um grafo G é um trajeto que utiliza todas as arestas do grafo. Definição Um grafo G é Euleriano se e somente se possui um trajeto

Leia mais

Pesquisa Operacional II. Professor João Soares de Mello

Pesquisa Operacional II. Professor João Soares de Mello Pesquisa Operacional II Professor João Soares de Mello http://www.uff.br/decisao/notas.htm Ementa Teoria dos grafos (pré-requisitos: PO I, Álgebra Linear) Programação não linear (pré-requisitos: PO I,

Leia mais

TEORIA DOS GRAFOS UMA APLICAÇÃO DE LOGÍSTICA PARA O ENSINO MÉDIO. Profº M. Sc. Marcelo Mazetto Moala

TEORIA DOS GRAFOS UMA APLICAÇÃO DE LOGÍSTICA PARA O ENSINO MÉDIO. Profº M. Sc. Marcelo Mazetto Moala TEORIA DOS GRAFOS UMA APLICAÇÃO DE LOGÍSTICA PARA O ENSINO MÉDIO mmmoala@fafica.br Breve Histórico Leonhard Euler (Matemático Suíço) - Pai da Teoria dos Grafos Nascimento de abril de 77 / 8 de setembro

Leia mais

Teoria dos grafos. Caminho euleriano e Hamiltoniano. Prof. Jesuliana N. Ulysses

Teoria dos grafos. Caminho euleriano e Hamiltoniano. Prof. Jesuliana N. Ulysses 1 7 Teoria dos grafos Caminho euleriano e Hamiltoniano Grafo Euleriano Grafo onde é possível achar um caminho fechado (ciclo), passando em cada aresta uma única vez Quais são os grafos de Euler? Teorema:

Leia mais

Matemática Discreta - Exercícios de Grafos

Matemática Discreta - Exercícios de Grafos UALG - 0/0 1. Seja G o grafo cuja matriz de adjacência é: 1 8 9 1 8 9 0 0 0 1 1 0 0 0 0 0 0 0 0 1 1 0 0 0 0 0 0 0 0 1 0 0 0 1 0 0 0 1 0 1 1 0 1 1 0 1 0 1 0 1 1 0 1 1 0 1 0 0 0 0 0 0 0 1 0 0 0 0 0 0 0 0

Leia mais

TEORIA DOS GRAFOS TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS MATEMÁTICA DISCRETA II PROFº MARCOS NASCIMENTO

TEORIA DOS GRAFOS TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS MATEMÁTICA DISCRETA II PROFº MARCOS NASCIMENTO TEORIA DOS GRAFOS TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS MATEMÁTICA DISCRETA II PROFº MARCOS NASCIMENTO Por que estudar grafos? Importante ferramenta matemática com aplicação em diversas áreas

Leia mais

01 Grafos: parte 1 SCC0503 Algoritmos e Estruturas de Dados II

01 Grafos: parte 1 SCC0503 Algoritmos e Estruturas de Dados II 01 Grafos: parte 1 SCC0503 Algoritmos e Estruturas de Dados II Prof. Moacir Ponti Jr. www.icmc.usp.br/~moacir Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação USP 2011/1 Moacir Ponti Jr. (ICMCUSP) 01

Leia mais

Grafos: aplicações. Grafos: árvore geradora mínima

Grafos: aplicações. Grafos: árvore geradora mínima árvore geradora mínima caminhos mínimos problemas tipo 1 desejase conectar todos os computadores em um prédio usando a menor quantidade possível de cabos uma companhia aérea deseja voar para algumas cidades

Leia mais

Uma forma de classificação

Uma forma de classificação Uma forma de classificação L. Não-RE ou f. nãocomputáveis LRE ou MT ou f. comput. L. Indecidíveis ou Procedimentos L. Recursivas ou Decidíveis ou Algoritmos Outra forma de classificação Problemas Indecidíveis

Leia mais

APLICAÇÕES DE BUSCA EM GRAFOS

APLICAÇÕES DE BUSCA EM GRAFOS APLICAÇÕES DE BUSCA EM GRAFOS David Krenkel Rodrigues de Melo david.melo1992@gmail.com Prof. Leonardo Sommariva, Estrutura de Dados RESUMO: São inúmeras as aplicaçõe de grafos, bem como os problemas clássicos

Leia mais

Introdução a Teoria dos Grafos Raimundo Macêdo

Introdução a Teoria dos Grafos Raimundo Macêdo Doutorado em Ciência da Computação lgoritmos e Grafos Raimundo Macêdo LaSiD/DCC/UF Introdução a Teoria dos Grafos Raimundo Macêdo Definição Estrutura que consiste em dois conjuntos: um conjunto de vértices

Leia mais

5COP096 TeoriadaComputação

5COP096 TeoriadaComputação Sylvio 1 Barbon Jr barbon@uel.br 5COP096 TeoriadaComputação Aula 13 Prof. Dr. Sylvio Barbon Junior Sumário - Problemas NP-Completo Algoritmos Não-deterministas; Classes NP-Completo e NP-Dificil; Teorema

Leia mais

Teoria dos Grafos. Edson Prestes

Teoria dos Grafos. Edson Prestes Edson Prestes Referências P. O. Boaventura Netto, Grafos: Teoria, Modelos e Algoritmos, São Paulo, E. Blucher 2001; R. J. Trudeau, Introduction to Graph Theory, New York, Dover Publications, 1993; Kaufmann,

Leia mais

Projeto e Análise de Algoritmos NP Completude. Prof. Humberto Brandão

Projeto e Análise de Algoritmos NP Completude. Prof. Humberto Brandão Projeto e Análise de Algoritmos NP Completude Prof. Humberto Brandão humberto@bcc.unifal-mg.edu.br Universidade Federal de Alfenas versão da aula: 0.4 Introdução Problemas intratáveis ou difíceis são comuns

Leia mais

Teoria dos Grafos Introdu c ao

Teoria dos Grafos Introdu c ao Teoria dos Grafos Introdução Referências P. O. Boaventura Netto, Grafos: Teoria, Modelos e Algoritmos, São Paulo, E. Blucher 001; R. J. Trudeau, Introduction to Graph Theory, New York, Dover Publications,

Leia mais

Teoria dos Grafos Aula 16

Teoria dos Grafos Aula 16 Teoria dos Grafos Aula 16 Aula passada Primeira prova Aula de hoje Pontes de Königsberg Ciclo Euleriano Ciclo Hamiltoniano Quem foi Turing? As 7 Pontes de Königsberg Königsberg, cidade na Prússia (atual

Leia mais

Programa. 1 Parte 1 - Conjuntos e Aplicações. 1 Conjuntos. 4 Indução Matemática e Divisibilidade. 5 Congruências Lineares

Programa. 1 Parte 1 - Conjuntos e Aplicações. 1 Conjuntos. 4 Indução Matemática e Divisibilidade. 5 Congruências Lineares Programa Matemática Discreta 2008/09 Jorge Manuel L. André FCT/UNL 1 Parte 1 - Conjuntos e Aplicações 1 Conjuntos 2 Relações Binárias 3 Aplicações 4 Indução Matemática e Divisibilidade 5 Congruências Lineares

Leia mais

Algoritmos em Grafos - Aula 02 Introdução à Teoria dos Grafos

Algoritmos em Grafos - Aula 02 Introdução à Teoria dos Grafos Algoritmos em Grafos - Aula 02 Introdução à Teoria dos Grafos Prof a. Laura Silva de Assis PPCIC - Programa de Pós-graduação em Ciência da Computação CEFET/RJ - Centro Federal de Educação Tecnológica Celso

Leia mais

As pontes de Königsberg

As pontes de Königsberg As pontes de Königsberg Adérito Araújo Centro de Matemática da Universidade de Coimbra A cidade de Königsberg Era uma vez uma cidade chamada Königsberg ( montanha do rei ) na antiga Prússia. Fundada em

Leia mais

Alg l ori r t i m t os e E str t u r tu t ra r s d e D ados I I Intr t o r duçã ç o ã a a Gr G a r f a o f s P of o a. M. C r C ist s ina n a /

Alg l ori r t i m t os e E str t u r tu t ra r s d e D ados I I Intr t o r duçã ç o ã a a Gr G a r f a o f s P of o a. M. C r C ist s ina n a / Algoritmos e Estruturas de Dados II Introdução a Grafos Profa. M. Cristina / Profa. Rosane (2012) Baseado no material de aula original: Profª. Josiane M. Bueno Divisão do arquivo 1ª parte: Motivação Definição:

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados II Introdução a Grafos. Divisão do arquivo

Algoritmos e Estruturas de Dados II Introdução a Grafos. Divisão do arquivo Algoritmos e Estruturas de Dados II Introdução a Profa. M. Cristina / Profa. Rosane (2010/11) Baseado no material de aula original: Profª. Josiane M. Bueno Divisão do arquivo 1ª parte: Motivação Definição:

Leia mais

Matemática Discreta Capítulo 3 Versão preliminar

Matemática Discreta Capítulo 3 Versão preliminar Matemática Discreta Capítulo 3 Versão preliminar Henri Anciaux e Derek Hacon October 25, 2007 1 Generalidades sobre grafos Um grafo G é simplesmente um par de dois conjuntos V e A, o segundo sendo constituído

Leia mais

Teoria dos Grafos. Edson Prestes

Teoria dos Grafos. Edson Prestes Edson Prestes As arestas possuem a função de indicar o relacionamento(espacial, comportamental, temporal) entre os elementos de um grafo. Em diversas situações esta relação não é simétrica, ou seja, par

Leia mais

TGR BCC Representação Computacional de Grafos. Prof. Ricardo José Pfitscher

TGR BCC Representação Computacional de Grafos. Prof. Ricardo José Pfitscher TGR BCC Representação Computacional de Grafos Prof. Ricardo José Pfitscher Cronograma Representação Matriz de djacências Lista de djacências Matriz de Incidências Representação Como podemos representar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE MATEMÁTICA Grafos no Ensino Médio Uma Inserção Possível PRODUTO DA DISSERTAÇÃO SEQUÊNCIA DIDÁTICA

Leia mais

Grafos I. Figura 1: Mapa de Königsberg

Grafos I. Figura 1: Mapa de Königsberg Programa Olímpico de Treinamento Curso de Combinatória - Nível Prof. Bruno Holanda Aula 0 Grafos I O que é um grafo? Se você nunca ouviu falar nisso antes, esta é certamente uma pergunta que você deve

Leia mais

Ciclos hamiltonianos e o problema do caixeiro viajante

Ciclos hamiltonianos e o problema do caixeiro viajante Ciclos hamiltonianos e o problema do caixeiro viajante Algoritmos em Grafos Marco A L Barbosa cba Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Leia mais

C 3 C 3. De acordo com o teorema de Euler, um grafo não orientado admite um ciclo de Euler se e só for conexo e não tiver vértices de grau ímpar.

C 3 C 3. De acordo com o teorema de Euler, um grafo não orientado admite um ciclo de Euler se e só for conexo e não tiver vértices de grau ímpar. rafos ircuito e iclo de uler X. ircuito e iclo de uler Um grafo orientado diz-se euleriano se há um circuito que contenha todos os seus arcos uma e só uma vez (circuito euleriano ).O grafo da figura é

Leia mais

Definição 1.1 : Uma árvore é um grafo simples conexo e sem ciclos.

Definição 1.1 : Uma árvore é um grafo simples conexo e sem ciclos. 1 Árvores Definição 1.1 : Uma árvore é um grafo simples conexo e sem ciclos. Um grafo simples sem ciclos mas não conexo (em que cada componente conexa é portanto uma árvore) chama-se uma floresta. Numa

Leia mais

MÓDULO 3 - PROBLEMAS DE COBERTURAS DE ARCOS E NÓS

MÓDULO 3 - PROBLEMAS DE COBERTURAS DE ARCOS E NÓS MÓULO 3 - PROBLEMAS E COBERTURAS E ARCOS E NÓS 1. CONCEITOS INICIAIS Área contida na Pesquisa Operacional. Pode ser considerada como uma teoria baseada na interligação de pontos e linhas, utilizada principalmente

Leia mais

Redes. ADSA António Câmara

Redes. ADSA António Câmara Redes ADSA António Câmara Redes Método do caminho mais curto Localização de equipamentos Minimum spanning tree Carteiro chinês Caixeiro viajante Links Redes Redes são sistemas de linhas (arcos) ligando

Leia mais

2º Trabalho Prático - Algoritmos em grafos

2º Trabalho Prático - Algoritmos em grafos Page of LEIC - AEDII - 00/003 - º Semestre º Trabalho Prático - Algoritmos em grafos Introdução Conteúdo do trabalho O segundo trabalho consiste no desenvolvimento de um programa em Java de aplicação de

Leia mais

Selecciona-se dos vértices ainda não seleccionados o vértice v k que está à menor distância de v i,

Selecciona-se dos vértices ainda não seleccionados o vértice v k que está à menor distância de v i, V. Problema do caixeiro-viajante Grafos - Problema do caixeiro-viajante onsidere-se um grafo em que os vértices representam cidades e as arestas (ou arcos) representam as estradas de uma dada região (a

Leia mais

Teoria dos Grafos. Valeriano A. de Oliveira Socorro Rangel Departamento de Matemática Aplicada.

Teoria dos Grafos. Valeriano A. de Oliveira Socorro Rangel Departamento de Matemática Aplicada. Teoria dos Grafos Valeriano A. de Oliveira Socorro Rangel Departamento de Matemática Aplicada antunes@ibilce.unesp.br, socorro@ibilce.unesp.br Preparado a partir do texto: Rangel, Socorro. Teoria do Grafos,

Leia mais

Estudo e Implementação de Algoritmos de Roteamento sobre Grafos em um Sistema de Informações Geográficas

Estudo e Implementação de Algoritmos de Roteamento sobre Grafos em um Sistema de Informações Geográficas Estudo e Implementação de Algoritmos de Roteamento sobre Grafos em um Sistema de Informações Geográficas RUDINI MENEZES SAMPAIO 1 HORÁCIO HIDEKI YANASSE 2 1 UFLA Universidade Federal de Lavras DCC Departamento

Leia mais

Grafos representação e aplicações. Prof. Guilherme Tomaschewski Netto

Grafos representação e aplicações. Prof. Guilherme Tomaschewski Netto Grafos representação e aplicações Prof. Guilherme Tomaschewski Netto guilherme.netto@gmail.com Roteiro! Contextualização! Apresentação, um pouco de história! Conceitos Grafos! Principais aplicacões! Estruturas

Leia mais

Teoria dos Grafos Aula 2

Teoria dos Grafos Aula 2 Teoria dos Grafos Aula 2 Aula passada Logística, regras Objetivos Grafos, o que são? Formando pares Encontrando caminhos Aula de hoje Outro problema real Definições importantes Algumas propriedades Grafo

Leia mais

IFRN. Introdução à Teoria dos Grafos. Prof. Edmilson Campos

IFRN. Introdução à Teoria dos Grafos. Prof. Edmilson Campos IFRN Introdução à Teoria dos Grafos Prof. Edmilson Campos Conteúdo Histórico Aplicações Definições Grafo Dígrafo Ordem, adjacência e grau Laço Tipos de grafos Representação de Grafos Matriz de adjacências

Leia mais

Grafos: algoritmos de busca

Grafos: algoritmos de busca busca em grafos como caminhar no grafo de modo a percorrer todos os seus vértices evitando repetições desnecessárias do mesmo vértice? e por onde começar? solução: necessidade de recursos adicionais que

Leia mais

Projeto e Análise de Algoritmos

Projeto e Análise de Algoritmos Projeto e Análise de Algoritmos Tempo polinomial Verificação de tempo polinomial Diane Castonguay diane@inf.ufg.br Instituto de Informática Universidade Federal de Goiás Tempo polinomial Um algoritmo é

Leia mais

1. Dos grafos seguintes, qual representa também o problema de Königsberg?

1. Dos grafos seguintes, qual representa também o problema de Königsberg? Matemática plicada às iências Sociais 1. os grafos seguintes, qual representa também o problema de Königsberg?. Vão realizar-se, na escola, reuniões de onselho de turma. Na tabela que se segue, o símbolo

Leia mais

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS DE TEORIA DOS GRAFOS - LISTA II. a) SOLUÇÃO

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS DE TEORIA DOS GRAFOS - LISTA II. a) SOLUÇÃO EXERCÍCIOS RESOLVIDOS DE TEORIA DOS GRAFOS - LISTA II.) Escreva a matriz de adjacências dos grafos abaixo: a) b) c) .) Desenhe os grafos correspondentes as matrizes de adjacência abaixo: a) Como a matriz

Leia mais

DOIS PROBLEMAS SOBRE GRAFOS Paulo Cezar Pinto Carvalho IMPA

DOIS PROBLEMAS SOBRE GRAFOS Paulo Cezar Pinto Carvalho IMPA Nível Intermediario. DOIS PROBLEMAS SOBRE GRAFOS Paulo Cezar Pinto Carvalho IMPA INTRODUÇÃO A figura abaixo mostra um mapa rodoviário de um país fictício. Neste artigo vamos examinar dois problemas relativos

Leia mais

Introdução à Teoria dos Grafos. Isomorfismo

Introdução à Teoria dos Grafos. Isomorfismo Isomorfismo Um isomorfismo entre dois grafos G e H é uma bijeção f : V (G) V (H) tal que dois vértices v e w são adjacentes em G, se e somente se, f (v) e f (w) são adjacentes em H. Os grafos G e H são

Leia mais

Percursos em um grafo

Percursos em um grafo Percursos em um grafo Definição Um percurso ou cadeia é uma seqüência de arestas sucessivamente adjacentes, cada uma tendo uma extremidade adjacente à anterior e a outra a subsequente (à exceção da primeira

Leia mais

CI065 CI755 Algoritmos e Teoria dos Grafos

CI065 CI755 Algoritmos e Teoria dos Grafos CI065 CI755 Algoritmos e Teoria dos Grafos Exercícios 11 de outubro de 2017 1 Fundamentos 1. Seja S = {S 1,..., S n } uma família de conjuntos. O grafo intercessão de S é o grafo G S cujo conjunto de vértices

Leia mais

GRAFOS Aula 01 Introdução Max Pereira

GRAFOS Aula 01 Introdução Max Pereira Ciência da Computação GRAFOS Aula 01 Introdução Max Pereira Todos os dias nos vemos cercados por incontáveis conexões e redes: rodovias e ferrovias, linhas telefônicas e a Internet, circuitos eletrônicos

Leia mais

BCC402 Algoritmos e Programação Avançada. Prof. Marco Antonio M. Carvalho Prof. Túlio Toffolo 2012/1

BCC402 Algoritmos e Programação Avançada. Prof. Marco Antonio M. Carvalho Prof. Túlio Toffolo 2012/1 BCC402 Algoritmos e Programação Avançada Prof. Marco Antonio M. Carvalho Prof. Túlio Toffolo 2012/1 Definições e Estruturas de Grafos Representações; Percursos Busca em Largura; Busca em Profundidade.

Leia mais

Teoria dos Grafos. Edson Prestes

Teoria dos Grafos. Edson Prestes Edson Prestes Complemento de Grafos Mostre que para qualquer Grafo G com 6 pontos, G ou possui um triângulo Considere um vértice v de V(G). Sem perda de generalidade, podemos assumir v é adjacente a outros

Leia mais

Teoria dos Grafos. Edson Prestes

Teoria dos Grafos. Edson Prestes Edson Prestes Existem três companhias que devem abastecer com gás, eletricidade e água três prédios diferentes através de tubulações subterrâneas. Estas tubulações podem estar à mesma profundidade? Isto

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS EM GRAFOS

CONCEITOS BÁSICOS EM GRAFOS Um grafo (simples) G é formado por um conjunto de vértices, denotado por V(G), e um conjunto de arestas, denotado por E(G). Cada aresta é um par (não ordenado) de vértices distintos. Se xy é uma aresta,

Leia mais

O grau de saída d + (v) de um vértice v é o número de arcos que tem

O grau de saída d + (v) de um vértice v é o número de arcos que tem Grafos Direcionados Definição (Grau de Entrada) O grau de entrada d (v) de um vértice v é o número de arcos que tem v como cabeça. Definição (Grau de Saída) O grau de saída d + (v) de um vértice v é o

Leia mais

Caminhos em Grafos. Grafos - Caminho Simples (1) (Cliente para M. de Adj.) static int visited[maxv];

Caminhos em Grafos. Grafos - Caminho Simples (1) (Cliente para M. de Adj.) static int visited[maxv]; Caminhos em rafos Caminho simples Dados dois vértices num grafo, saber se estão ligados por um caminho; Determinar se o caminho existe ou calculá-lo explicitamente; Caminho de Hamilton Dados dois vértices

Leia mais

Teoria da Complexidade Computacional

Teoria da Complexidade Computacional Teoria da Complexidade Computacional 25 de novembro de 2011 Enquanto a teoria de análise de algoritmos estuda a análise de complexidade de algoritmos, a teoria da complexidade estuda a classificação de

Leia mais

Algoritmos Combinatórios: Introdução

Algoritmos Combinatórios: Introdução lucia@site.uottawa.ca UFSC, Fevereiro, 2010 Estruturas e Problemas Combinatórios Introdução a Algoritmos Combinatórios O que são: Estruturas Combinatórias? Algoritmos Combinatórios? Problemas Combinatórios?

Leia mais

CAP4. ELEMENTOS DA TEORIA DE GRAFOS. Grafo [graph]. Estrutura que consiste num par ordenado de conjuntos, G ( V, E) , sendo:

CAP4. ELEMENTOS DA TEORIA DE GRAFOS. Grafo [graph]. Estrutura que consiste num par ordenado de conjuntos, G ( V, E) , sendo: Matemática Discreta ESTiG\IPB Cap4. Elementos da Teoria de Grafos pg 1 CAP4. ELEMENTOS DA TEORIA DE GRAFOS Grafo [graph]. Estrutura que consiste num par ordenado de conjuntos, G ( V, E), sendo: Exemplos

Leia mais

CES-11. Algoritmos e Estruturas de Dados. Carlos Alberto Alonso Sanches

CES-11. Algoritmos e Estruturas de Dados. Carlos Alberto Alonso Sanches CES-11 Algoritmos e Estruturas de Dados Carlos Alberto Alonso Sanches Juliana de Melo Bezerra Ideia de Tarjan (1972) Durante a exploração em profundidade de um digrafo, podemos numerar seus vértices de

Leia mais

Matemática Discreta 10

Matemática Discreta 10 Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Computação Matemática Discreta 10 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br - www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti 1 Muitas

Leia mais

APLICAÇÕES DA TEORIA DOS GRAFOS

APLICAÇÕES DA TEORIA DOS GRAFOS Universidade de Aveiro Departamento de Matemática 2013 Sandra Maria Pereira dos Santos APLICAÇÕES DA TEORIA DOS GRAFOS Dissertação apresentada à Universidade de Aveiro para cumprimento dos requisitos necessários

Leia mais

Otimização. Otimização em Redes. Paulo Henrique Ribeiro Gabriel Faculdade de Computação Universidade Federal de Uberlândia 2016/2

Otimização. Otimização em Redes. Paulo Henrique Ribeiro Gabriel Faculdade de Computação Universidade Federal de Uberlândia 2016/2 Otimização Otimização em Redes Paulo Henrique Ribeiro Gabriel phrg@ufu.br Faculdade de Computação Universidade Federal de Uberlândia 2016/2 Paulo H. R. Gabriel (FACOM/UFU) GSI027 2016/2 1 / 51 Conteúdo

Leia mais

Teoria dos Grafos. Edson Prestes

Teoria dos Grafos. Edson Prestes Edson Prestes Árvores Algoritmo de Kruskal O algoritmo de Kruskal permite determinar a spanning tree de custo mínimo. Este custo corresponde à soma dos pesos (distância, tempo, qualidade,...) associados

Leia mais

GRAFOS Conceitos Básicos (Parte 1)

GRAFOS Conceitos Básicos (Parte 1) ALGORITMOS E ESTRUTURAS DE DADOS II GRAFOS Conceitos Básicos (Parte 1) Gustavo Batista Profa. Elaine Parros Machado de Sousa alterações: Cris-na Dutra de Aguiar Ciferri Material baseado em aulas dos professores:

Leia mais

Definição e Conceitos Básicos

Definição e Conceitos Básicos Definição e Conceitos Básicos Grafos e Algoritmos Computacionais Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes fhcnunes@yahoo.com.br 1 Conceitos Básicos Em grafos ocorrem dois tipos de elementos: Vértices ou nós;

Leia mais

Aula 10: Tratabilidade

Aula 10: Tratabilidade Teoria da Computação DAINF-UTFPR Aula 10: Tratabilidade Prof. Ricardo Dutra da Silva Na aula anterior discutimos problemas que podem e que não podem ser computados. Nesta aula vamos considerar apenas problemas

Leia mais

Análise e Projeto de Algoritmos

Análise e Projeto de Algoritmos Análise e Projeto de Algoritmos Prof. Eduardo Barrére www.ufjf.br/pgcc www.dcc.ufjf.br eduardo.barrere@ice.ufjf.br www.barrere.ufjf.br A Classe de Problemas P A classe de algoritmos P é formada pelos procedimentos

Leia mais

Grafos Orientados (digrafos)

Grafos Orientados (digrafos) Grafos Orientados (digrafos) Grafo Orientado ou digrafo Consiste em um grafo G = (V,A) onde V = {v 1,, v n } é um conjunto de vértices e A = {a 1,, a k } é um conjunto de arcos tais que a k, k=1,,m é representado

Leia mais

ANÁLISE COMBINATÓRIA

ANÁLISE COMBINATÓRIA Nome Nota ANÁLISE COMBINATÓRIA 1) De quantas maneiras diferentes 11 homens e 8 mulheres podem se sentar em uma fila se os homens sentam juntos e as mulheres também? 2!*11!*8! 2) O controle de qualidade

Leia mais

Grafos AULA META. Introduzir noções elementares da teoria dos grafos. OBJETIVOS. Ao final da aula o aluno deverá ser capaz de:

Grafos AULA META. Introduzir noções elementares da teoria dos grafos. OBJETIVOS. Ao final da aula o aluno deverá ser capaz de: Grafos META Introduzir noções elementares da teoria dos grafos. OBJETIVOS Ao final da aula o aluno deverá ser capaz de: Representar grafos por meio de matrizes e diagramas; Caracterizar uma árvore; Identificar

Leia mais

Se retirarmos a última aresta a um ciclo hamiltoniano. logo todo o grafo hamiltoniano possui caminhos hamiltonianos. No entanto, o

Se retirarmos a última aresta a um ciclo hamiltoniano. logo todo o grafo hamiltoniano possui caminhos hamiltonianos. No entanto, o Um caminho hamiltoniano num grafo é um caminho onde ocorrem todos os vértices do grafo exactamente uma vez. Análogamente, um ciclo hamiltoniano é um ciclo que contém todos os vértices do grafo exactamente

Leia mais

14 Coloração de vértices Considere cada um dos grafos abaixo:

14 Coloração de vértices Considere cada um dos grafos abaixo: 14 Coloração de vértices Considere cada um dos grafos abaixo: a) Quantas cores são necessárias para colorir os vértices de um grafo de maneira que dois vértices adjacentes não recebam a mesma cor? b) Qual

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional Faculdade de Engenharia - Campus de Guaratinguetá Pesquisa Operacional Livro: Introdução à Pesquisa Operacional Capítulo 3 - Teoria dos Grafos Fernando Marins fmarins@feg.unesp.br Departamento de Produção

Leia mais

Universidade de Aveiro Departamento de Matemática ILDA MARIA DUARTE DE MATOS TEORIA DOS GRAFOS NO ENSINO BÁSICO E SECUNDÁRIO

Universidade de Aveiro Departamento de Matemática ILDA MARIA DUARTE DE MATOS TEORIA DOS GRAFOS NO ENSINO BÁSICO E SECUNDÁRIO Universidade de Aveiro Departamento de Matemática 2013 ILDA MARIA DUARTE DE MATOS TEORIA DOS GRAFOS NO ENSINO BÁSICO E SECUNDÁRIO Universidade de Aveiro Departamento de Matemática 2013 ILDA MARIA DUARTE

Leia mais

15 - Coloração Considere cada um dos grafos abaixo:

15 - Coloração Considere cada um dos grafos abaixo: 15 - Coloração Considere cada um dos grafos abaixo: a) Quantas cores são necessárias para colorir os vértices de um grafo de maneira que dois vértices adjacentes não recebam a mesma cor? b) Qual é o número

Leia mais

Definições Básicas para Grafos

Definições Básicas para Grafos Definições Básicas para rafos RAFO Um grafo (V,A) é definido pelo par de conjuntos V e A, onde: V - conjunto não vazio: os vértices ou nodos do grafo; A - conjunto de pares ordenados a=(v,w), v e w V:

Leia mais

O PRINCÍPIO DAS GAVETAS Paulo Cezar Pinto Carvalho - IMPA

O PRINCÍPIO DAS GAVETAS Paulo Cezar Pinto Carvalho - IMPA Nível Intermediário O PRINCÍPIO DAS GAVETAS Paulo Cezar Pinto Carvalho - IMPA Muitos problemas atraentes de matemática elementar exploram relações entre conjuntos finitos, expressas em linguagem coloquial.

Leia mais

Teoria dos Grafos Aula 8

Teoria dos Grafos Aula 8 Teoria dos Grafos Aula 8 Aula passada Classe de funções e notação Propriedades da notação Funções usuais Aula de hoje Grafos direcionados Busca em grafos direcionados Ordenação topológica Tempo de execução

Leia mais

Grafos - Introdução. Pedro Ribeiro 2014/2015 DCC/FCUP. Pedro Ribeiro (DCC/FCUP) Grafos - Introdução 2014/ / 32

Grafos - Introdução. Pedro Ribeiro 2014/2015 DCC/FCUP. Pedro Ribeiro (DCC/FCUP) Grafos - Introdução 2014/ / 32 Grafos - Introdução Pedro Ribeiro DCC/FCUP 2014/2015 Pedro Ribeiro (DCC/FCUP) Grafos - Introdução 2014/2015 1 / 32 Conceito Definição de Grafo Formalmente, um grafo é: Um conjunto de nós/vértices (V).

Leia mais

PCC173 - Otimização em Redes

PCC173 - Otimização em Redes PCC173 - Otimização em Redes Marco Antonio M. Carvalho Departamento de Computação Instituto de Ciências Exatas e Biológicas Universidade Federal de Ouro Preto 27 de abril de 2016 Marco Antonio M. Carvalho

Leia mais

O uso da Teoria dos Grafos no Jogo Icosiano

O uso da Teoria dos Grafos no Jogo Icosiano O uso da Teoria dos Grafos no Jogo Icosiano Leandro Natal Coral 1, Rafael Spilere Marangoni 1, Kristian Madeira 2 1 Acadêmico do curso de Ciência da Computação Unidade Acadêmica de Ciências, Engenharias

Leia mais

Teoria dos Grafos. Aula 5 - Estruturas de Dados para Grafos. Profª. Alessandra Martins Coelho. março/2013

Teoria dos Grafos. Aula 5 - Estruturas de Dados para Grafos. Profª. Alessandra Martins Coelho. março/2013 Teoria dos Grafos Aula 5 - Estruturas de Dados para Grafos Profª. Alessandra Martins Coelho março/2013 Estrutura é o que caracteriza o próprio grafo e independe da forma como ele é representado. A representação

Leia mais