Noções da Teoria dos Grafos. André Arbex Hallack

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Noções da Teoria dos Grafos. André Arbex Hallack"

Transcrição

1 Noções da Teoria dos Grafos André Arbex Hallack Junho/2015

2

3 Índice 1 Introdução e definições básicas. Passeios eulerianos Introdução histórica Passeios eulerianos Ciclos hamiltonianos 5 3 Árvores 7 Referências 11 i

4

5 Capítulo 1 Introdução e definições básicas. Passeios eulerianos 1.1 Introdução histórica O Problema das pontes de Königsberg Na cidade de Königsberg, sete pontes cruzam o rio Pregel, estabelecendo ligações entre duas ilhas e entre as ilhas e as margens opostas do rio, conforme a ilustração abaixo: Problema: É possível fazer um passeio pela cidade, cruzando cada ponte exatamente uma vez? Em 1736, Euler publicou um artigo demonstrando que tal passeio é impossível. Mais importante é o fato de Euler ter formulado um critério geral para resolver o problema acima, o que é considerado como o primeiro teorema da chamada TEORIA DOS GRAFOS, a qual possui desdobramentos e aplicações nas mais diversas áreas. 1

6 2 CAPÍTULO 1 Definição 1.1. Um GRAFO é uma coleção G = (N, A) constituída por um conjunto não-vazio e finito N de NÓS (ou pontos, ou vértices) e um conjunto A de ARCOS (ou arestas), sendo que cada arco liga dois nós (não necessariamente distintos). Exemplos: Um grafo é dito SIMPLES quando cada par de nós é ligado por no máximo um arco e nenhum nó é ligado a si próprio (nenhum laço). Caso contrário, temos o chamado MULTIGRAFO. Um arco é dito INCIDENTE nos nós aos quais está associado e vice-versa. Um nó é dito ISOLADO quando não está ligado a nenhum outro. Dois arcos incidentes num mesmo nó são ditos ADJACENTES. Dois nós incidentes num mesmo arco são ditos adjacentes. arcos. O GRAU de um nó é o número de arcos incidentes no nó, sendo que cada laço conta como dois Teorema 1.2. (Euler) A soma dos graus dos nós de um grafo é igual ao dobro do número de arcos. Prova: Ao somarmos os graus contamos cada arco duas vezes, uma vez em cada extremidade. Corolário 1. O número de nós de grau ímpar de todo grafo é sempre par. De fato, se denotarmos por d i o grau de cada nó i no grafo G = (N, A), temos: 2 #A = d i = d i + d i i IN d i par d i ímpar Como 2 #A e d i são pares, então d i é par e para que a soma de números d i par d i ímpar ímpares seja par, devemos ter uma quantidade par de números ímpares. Exercício: Prove que numa festa com 51 pessoas existe sempre uma pessoa que conhece um número par de outras pessoas.

7 Introdução e definições básicas. Passeios eulerianos Passeios eulerianos Definição 1.3. Um PASSEIO entre os nós i e j de um grafo é uma sequência alternante de nós e arcos, começando em um dos nós i ou j e terminando no outro, tal que cada arco percorrido é incidente aos nós que o cercam na sequência. Um passeio é dito FECHADO quando começa e termina no mesmo nó. Um CAMINHO é um passeio que não contém nós repetidos. Dois nós estão CONECTADOS se existe um caminho entre eles no grafo. Um grafo é dito CONEXO quando cada par de nós está conectado, caso contrário ele é dito DESCONEXO. Um passeio em um grafo é dito EULERIANO quando passa por todo arco exatamente uma vez. À luz das definições acima, o Problema das pontes de Königsberg refere-se exatamente à existência ou não de um passeio euleriano pela cidade (grafo), quando se considera as pontes como arcos e os territórios (ilhas ou margens) como nós: O argumento de Euler para as pontes de Königsberg: Consideremos um dos territórios (ilhas ou margens), que chamaremos de território I. Suponhamos que o passeio não começa em I. Então entramos em I pela primeira vez através de uma ponte que é incidente em I e saímos de I por outra ponte incidente em I. Cada entrada-e-saída de I corresponde ao uso de duas pontes. Como I tem um número ímpar de pontes incidentes, na última vez que usamos uma ponte incidente em I, entramos em I e não podemos mais sair, ou seja, o passeio termina necessariamente em I. Assim, pelo mesmo argumento, se o passeio começa em qualquer território, deve necessariamente terminar nos outros três (contradição!), pois todos têm um número ímpar de pontes incidentes.

8 4 CAPÍTULO 1 O argumento anterior leva ao seguinte teorema: Teorema 1.4. (Euler) (a) Se um grafo conexo tem mais que dois nós com grau ímpar, então ele não admite um passeio euleriano. (b) Se um grafo conexo tem exatamente dois nós com grau ímpar, então ele admite passeio euleriano e todo passeio euleriano tem que começar em um desses nós de grau ímpar e terminar no outro. (c) Se um grafo conexo não tem nós com grau ímpar, então ele admite passeio euleriano e todo passeio euleriano é fechado. Exercício: Prove a partir do teorema acima que um grafo conexo tem um passeio euleriano fechado se, e somente se, todo nó tem grau par. Exercício: Quais dos grafos abaixo admitem um passeio euleriano? Em caso afirmativo, indique um passeio euleriano. Exercício: (a) Construa ou destrua UMA ponte em Königsberg para que se tenha um passeio euleriano (indique o passeio). (b) Mostre como se pode ter um passeio euleriano fechado construindo mais DUAS pontes em Königsberg (indique o passeio). (c) Mostre como se pode ter um passeio euleriano fechado construindo UMA ponte e destruindo OUTRA em Königsberg. (d) O que ocorre se destruirmos DUAS pontes em Königsberg?

9 Capítulo 2 Ciclos hamiltonianos Problema: Seis cidades (nós) são ligadas por uma rede de estradas (arcos) conforme o mapa (grafo) abaixo: Um vendedor pretende, partindo de uma cidade, passar exatamente uma vez em cada uma das demais cidades, terminando a viagem na cidade de origem. É possível realizar uma viagem nas condições acima? Definição 2.1. Um CICLO é um passeio fechado no qual apenas o nó inicial-terminal se repete. Um CICLO HAMILTONIANO é um ciclo que contém todos os nós de um grafo. Observações: (a) O problema acima equivale a perguntar se o grafo formado admite um ciclo hamiltoniano. (b) É claro que para um grafo admitir um ciclo hamiltoniano é NECESSÁRIO que ele seja conexo. (c) Não existem resultados gerais de caracterização dos grafos que admitem ciclos hamiltonianos. (d) Problema do caixeiro viajante: achar um ciclo hamiltoniano de custo mínimo, sendo o custo de um ciclo a soma dos custos dos arcos percorridos no ciclo. 5

10 6 CAPÍTULO 2 Proposição 2.2. Num ciclo com três ou mais nós são percorridos exatamente dois arcos incidentes em cada nó do ciclo. Corolário 1. Um grafo que tenha três ou mais nós e algum nó de grau menor ou igual a 1 não admite um ciclo hamiltoniano. Exercício: Resolva o problema inicial (do vendedor e as seis cidades): indique um ciclo hamiltoniano caso exista solução ou prove que não existe ciclo hamiltoniano algum. Exercício: Responda se os grafos abaixo admitem ou não um ciclo hamiltoniano. Indique um ciclo hamiltoniano em caso afirmativo ou prove que não admite, no caso negativo. Exercício: Um grafo G = (N, A) é dito BIPARTIDO quando seu conjunto N de nós pode ser particionado em DOIS subconjuntos tais que nós pertencentes a um mesmo subconjuntos não são adjacentes. (a) Prove que se um grafo bipartido G = (N, A) admite um ciclo hamiltoniano então os dois subconjuntos da partição de N têm o mesmo número de elementos. (b) Conclua que o grafo abaixo NÃO ADMITE um ciclo hamiltoniano. (c) Construa um grafo bipartido com um número par de nós, todos com grau maior ou igual a dois, e que não admite um ciclo hamiltoniano.

11 Capítulo 3 Árvores Problema: Através de cabos telefônicos (arcos) entre pares de cidades (nós), deseja-se configurar uma rede de comunicações (grafo) entre as sete cidades do mapa abaixo, de modo que possa haver comunicação entre cada par de cidades, ou seja, cada par de cidades esteja conectado por pelo menos um caminhona rede de comunicações (o grafo é conexo). (a) É possível obter uma rede (grafo) conexa com exatamente um caminho conectando cada par de cidades? (neste caso é fácil ver que o grafo será MINIMALMENTE CONEXO, ou seja, a remoção de qualquer arco irá tornar o grafo desconexo). (b) Dentre todas as redes (grafos) conexas possivelmente obtidas na letra (a) acima, é possível obter uma de menor custo (ÓTIMA)? Definição 3.1. Uma ÁRVORE é um grafo simples tal que para cada par de nós existe exatamente um caminho que os conecta. 7

12 8 CAPÍTULO 3 Observações: (a) O problema inicial equivale a perguntar se é possível formar uma árvore com os nós (cidades) dados e, em caso afirmativo, se existe uma árvore de menor custo. (b) Um grafo G é uma árvore se, e somente se, G é conexo e a remoção de qualquer um de seus arcos resulta em um grafo desconexo (uma árvore é um grafo MINIMALMENTE CONEXO). (c) Uma árvore não admte ciclos com três ou mais nós (pois se admitisse haveria mais de um caminho conectando dois nós) e a adição de um arco ligando dois nós que não eram ligados por um arco gera um ciclo com três ou mais nós (uma árvore é um grafo MAXIMALMENTE LIVRE DE CICLOS COM TRÊS OU MAIS NÓS). (EXEMPLOS) PROCEDIMENTO DE CRESCIMENTO DE ÁRVORE (como obter árvores) - Comece com um simples nó. - Repita o que se segue um número (FINITO) qualquer de vezes: Se G é o grafo até então formado, crie um novo nó e ligue-o por um arco novo a qualquer nó de G. Teorema 3.2. Todo grafo obtido pelo procedimento de crescimento de árvore é uma árvore e toda árvore pode ser obtida desta maneira. Corolário 1. Toda árvore com n nós tem n 1 arcos. O ALGORÍTMO GULOSO DE KRUSKAL (encontrando a árvore ótima) - Considere n nós e nenhum arco. - Construa um arco de menor custo entre dois nós distintos que não estejam ligados por um arco e de maneira que não se obtenha um ciclo com três ou mais nós. - Repita o procedimento acima até que se tenha n 1 arcos. Teorema 3.3. Dados n nós e nenhum arco, o Algorítmo Guloso produz uma árvore de menor custo (árvore ótima) entre todas as possíveis árvores com os n nós inicialmente dedos. Observação: Uma tentativa de adaptação do Algorítmo Guloso pode não funcionar para obter um ciclo hamiltoniano ótimo (Problema do caixeiro viajante). Exercício: (a) USANDO O PROCEDIMENTO DE CRESCIMENTO DE ÁRVORE, resolva a letra (a) do problema inicial, obtendo uma rede de comunicações minimalmente conexa entre as cidades dadas. (b) Considerando os custos proporcionais às distâncias, USE O ALGORÍTMO GU- LOSO e obtenha uma rede de comunicações minimalmente conexa e de menor custo possível (ótima) entre as cidades dadas, resolvendo assim a letra (b) do problema inicial.

13 Árvores 9 Exercício: Prove a Observação após o Teo 3.3 (Sugestão: considere os pontos A(0, 0), B(1, 0), C(0, 1) e D(9, 1)) Exercício: Para cada um dos grafos dados abaixo, faça o que se pede. - Responda se o grafo é uma árvore. - Se o grafo não for uma árvore, justifique. - Se o grafo for uma árvore, responda se é uma árvore de menor custo (custos proporcionais às distâncias) considerando os nós dados. Se não for uma árvore de menor custo, exiba uma árvore de menor custo com os nós dados.

14 10 CAPI TULO 3

15 Referências [1] Lovász, L. e outros, Matemática Discreta, Coleção Textos Universitários, SBM, Rio de Janeiro, [2] Santos, J. P. O. e outros, Introdução à Análise Combinatória, Editora Unicamp, Campinas,

Teoria dos Grafos. Valeriano A. de Oliveira Socorro Rangel Departamento de Matemática Aplicada.

Teoria dos Grafos. Valeriano A. de Oliveira Socorro Rangel Departamento de Matemática Aplicada. Teoria dos Grafos Valeriano A. de Oliveira Socorro Rangel Departamento de Matemática Aplicada antunes@ibilce.unesp.br, socorro@ibilce.unesp.br Grafos Eulerianos Preparado a partir do texto: Rangel, Socorro.

Leia mais

PERCURSOS. André Falcão, Carlos Augusto, Rafael Broédel e Lucas Dipré

PERCURSOS. André Falcão, Carlos Augusto, Rafael Broédel e Lucas Dipré PERCURSOS André Falcão, Carlos Augusto, Rafael Broédel e Lucas Dipré Serra 2011 Índice 1...O que é caminho e circuito 1.1...Caminho 1.2...Circuito 1.3...Classificação 2...Caminhos Eulerianos 2.1...Definição

Leia mais

As Pontes de Königsberg

As Pontes de Königsberg As Pontes de Königsberg Anderson Freitas Ferreira e Lívia Minami Borges 13 de junho de 2015 Resumo A teoria de grafos teve seu início em 1736, quando Euler utilizou uma estrutura para resolver o Problema

Leia mais

Grafos AULA META. Introduzir noções elementares da teoria dos grafos. OBJETIVOS. Ao final da aula o aluno deverá ser capaz de:

Grafos AULA META. Introduzir noções elementares da teoria dos grafos. OBJETIVOS. Ao final da aula o aluno deverá ser capaz de: Grafos META Introduzir noções elementares da teoria dos grafos. OBJETIVOS Ao final da aula o aluno deverá ser capaz de: Representar grafos por meio de matrizes e diagramas; Caracterizar uma árvore; Identificar

Leia mais

Estrutura de Dados e Algoritmos e Programação e Computadores II. Aula 10: Introdução aos Grafos

Estrutura de Dados e Algoritmos e Programação e Computadores II. Aula 10: Introdução aos Grafos Estrutura de Dados e Algoritmos e Programação e Computadores II Aula 10: Introdução aos Grafos História O assunto que se constitui no marco inicial da teoria de grafos é na realidade um problema algorítmico.

Leia mais

x y Grafo Euleriano Figura 1

x y Grafo Euleriano Figura 1 Grafo Euleriano Um caminho simples ou um circuito simples é dito euleriano se ele contém todas as arestas de um grafo. Um grafo que contém um circuito euleriano é um grafo euleriano. Um grafo que não contém

Leia mais

GRAFOS. Prof. André Backes. Como representar um conjunto de objetos e as suas relações?

GRAFOS. Prof. André Backes. Como representar um conjunto de objetos e as suas relações? 8/0/06 GRAFOS Prof. André Backes Definição Como representar um conjunto de objetos e as suas relações? Diversos tipos de aplicações necessitam disso Um grafo é um modelo matemático que representa as relações

Leia mais

Teoria dos Grafos. Valeriano A. de Oliveira Socorro Rangel Departamento de Matemática Aplicada.

Teoria dos Grafos. Valeriano A. de Oliveira Socorro Rangel Departamento de Matemática Aplicada. Teoria dos Grafos Valeriano A de Oliveira Socorro Rangel Departamento de Matemática Aplicada antunes@ibilceunespbr, socorro@ibilceunespbr Grafos Hamiltonianos Preparado a partir do texto: Rangel, Socorro

Leia mais

Teoria dos Grafos. Edson Prestes

Teoria dos Grafos. Edson Prestes Edson Prestes Referências P. O. Boaventura Netto, Grafos: Teoria, Modelos e Algoritmos, São Paulo, E. Blucher 2001; R. J. Trudeau, Introduction to Graph Theory, New York, Dover Publications, 1993; Kaufmann,

Leia mais

01 Grafos: parte 1 SCC0503 Algoritmos e Estruturas de Dados II

01 Grafos: parte 1 SCC0503 Algoritmos e Estruturas de Dados II 01 Grafos: parte 1 SCC0503 Algoritmos e Estruturas de Dados II Prof. Moacir Ponti Jr. www.icmc.usp.br/~moacir Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação USP 2011/1 Moacir Ponti Jr. (ICMCUSP) 01

Leia mais

Grafos Eulerianos e o Problema do Carteiro Chinês

Grafos Eulerianos e o Problema do Carteiro Chinês Prof. Ademir A. Constantino DIN - UEM 1 Grafos Eulerianos e o Problema do Carteiro Chinês Prof. Ademir Constantino Departamento de Informática Universidade Estadual de Maringá Prof. Ademir A. Constantino

Leia mais

Percursos em um grafo

Percursos em um grafo Percursos em um grafo Definição Um percurso ou cadeia é uma seqüência de arestas sucessivamente adjacentes, cada uma tendo uma extremidade adjacente à anterior e a outra a subsequente (à exceção da primeira

Leia mais

Definição e Conceitos Básicos

Definição e Conceitos Básicos Definição e Conceitos Básicos Grafos e Algoritmos Computacionais Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes fhcnunes@yahoo.com.br 1 Conceitos Básicos Em grafos ocorrem dois tipos de elementos: Vértices ou nós;

Leia mais

Teoria dos Grafos AULA 3

Teoria dos Grafos AULA 3 Teoria dos Grafos Valeriano A. de Oliveira Socorro Rangel Departamento de Matemática Aplicada antunes@ibilce.unesp.br, socorro@ibilce.unesp.br AULA 3 Trajetos, Caminhos, Circuitos, Grafos Conexos Preparado

Leia mais

Alguns probleminhas...

Alguns probleminhas... Introdução Vários problemas da computação, com aplicações em diversos problemas importantes, nasceram de jogos ou brincadeiras. Hoje veremos uma pequana amostra deste fato. Alguns probleminhas... Problema

Leia mais

Cap. 2 Conceitos Básicos em Teoria dos Grafos

Cap. 2 Conceitos Básicos em Teoria dos Grafos Teoria dos Grafos e Aplicações 8 Cap. 2 Conceitos Básicos em Teoria dos Grafos 2.1 Grafo É uma noção simples, abstrata e intuitiva, usada para representar a idéia de alguma espécie de relação entre os

Leia mais

Teoria dos Grafos Introdu c ao

Teoria dos Grafos Introdu c ao Teoria dos Grafos Introdução Referências P. O. Boaventura Netto, Grafos: Teoria, Modelos e Algoritmos, São Paulo, E. Blucher 001; R. J. Trudeau, Introduction to Graph Theory, New York, Dover Publications,

Leia mais

Teoria dos Grafos. Motivação

Teoria dos Grafos. Motivação Teoria dos Grafos Aula 1 Primeiras Ideias Prof a. Alessandra Martins Coelho março/2013 Motivação Muitas aplicações em computação necessitam considerar conjunto de conexões entre pares de objetos: Existe

Leia mais

Algoritmos em Grafos - Aula 02 Introdução à Teoria dos Grafos

Algoritmos em Grafos - Aula 02 Introdução à Teoria dos Grafos Algoritmos em Grafos - Aula 02 Introdução à Teoria dos Grafos Prof a. Laura Silva de Assis PPCIC - Programa de Pós-graduação em Ciência da Computação CEFET/RJ - Centro Federal de Educação Tecnológica Celso

Leia mais

Teoria dos Grafos. Edson Prestes

Teoria dos Grafos. Edson Prestes Edson Prestes Complemento de Grafos Mostre que para qualquer Grafo G com 6 pontos, G ou possui um triângulo Considere um vértice v de V(G). Sem perda de generalidade, podemos assumir v é adjacente a outros

Leia mais

Grafos: aplicações. Grafos: árvore geradora mínima

Grafos: aplicações. Grafos: árvore geradora mínima árvore geradora mínima caminhos mínimos problemas tipo 1 desejase conectar todos os computadores em um prédio usando a menor quantidade possível de cabos uma companhia aérea deseja voar para algumas cidades

Leia mais

Matemática Discreta Capítulo 3 Versão preliminar

Matemática Discreta Capítulo 3 Versão preliminar Matemática Discreta Capítulo 3 Versão preliminar Henri Anciaux e Derek Hacon October 25, 2007 1 Generalidades sobre grafos Um grafo G é simplesmente um par de dois conjuntos V e A, o segundo sendo constituído

Leia mais

Grafos I. Figura 1: Mapa de Königsberg

Grafos I. Figura 1: Mapa de Königsberg Programa Olímpico de Treinamento Curso de Combinatória - Nível Prof. Bruno Holanda Aula 0 Grafos I O que é um grafo? Se você nunca ouviu falar nisso antes, esta é certamente uma pergunta que você deve

Leia mais

Teoria dos grafos. Caminho euleriano e Hamiltoniano. Prof. Jesuliana N. Ulysses

Teoria dos grafos. Caminho euleriano e Hamiltoniano. Prof. Jesuliana N. Ulysses 1 7 Teoria dos grafos Caminho euleriano e Hamiltoniano Grafo Euleriano Grafo onde é possível achar um caminho fechado (ciclo), passando em cada aresta uma única vez Quais são os grafos de Euler? Teorema:

Leia mais

Ciência da Computação Engenharia de Computação Mestrado em Informática. Teoria dos Grafos. Maria Claudia Silva Boeres.

Ciência da Computação Engenharia de Computação Mestrado em Informática. Teoria dos Grafos. Maria Claudia Silva Boeres. Ciência da Computação Engenharia de Computação Mestrado em Informática Maria Claudia Silva Boeres boeres@inf.ufes.br Programa 1.Conceitos Básicos 2.Grafos Eulerianos e Hamiltonianos 3.Caminhos, Ciclos

Leia mais

Programa. 1 Parte 1 - Conjuntos e Aplicações. 1 Conjuntos. 4 Indução Matemática e Divisibilidade. 5 Congruências Lineares

Programa. 1 Parte 1 - Conjuntos e Aplicações. 1 Conjuntos. 4 Indução Matemática e Divisibilidade. 5 Congruências Lineares Programa Matemática Discreta 2008/09 Jorge Manuel L. André FCT/UNL 1 Parte 1 - Conjuntos e Aplicações 1 Conjuntos 2 Relações Binárias 3 Aplicações 4 Indução Matemática e Divisibilidade 5 Congruências Lineares

Leia mais

Conceito Básicos da Teoria de Grafos

Conceito Básicos da Teoria de Grafos 1 Conceito Básicos da Teoria de Grafos GRAFO Um grafo G(V,A) é definido pelo par de conjuntos V e A, onde: V - conjunto não vazio: os vértices ou nodos do grafo; A - conjunto de pares ordenados a=(v,w),

Leia mais

Matemática discreta e Lógica Matemática

Matemática discreta e Lógica Matemática AULA - Prof. Dr. Hércules A. Oliveira UTFPR - Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Ponta Grossa Departamento Acadêmico de Matemática Definição 1 Um Grafo G = (V, E) consiste em V, um conjunto não

Leia mais

Programa. 1 Parte 1 - Conjuntos e Aplicações. 1 Conjuntos. 4 Indução matemática e divisibilidade. 5 Congruências lineares

Programa. 1 Parte 1 - Conjuntos e Aplicações. 1 Conjuntos. 4 Indução matemática e divisibilidade. 5 Congruências lineares Programa Matemática Discreta 2007/08 Jorge Manuel L. André FCT/UNL 1 Parte 1 - Conjuntos e Aplicações 1 Conjuntos 2 Relações Binárias 3 Aplicações 4 Indução matemática e divisibilidade 5 Congruências lineares

Leia mais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais- 11º ano (Versão: para o manual a partir de 2016/17)

Matemática Aplicada às Ciências Sociais- 11º ano (Versão: para o manual a partir de 2016/17) Matemática Aplicada às Ciências Sociais- 11º ano (Versão: para o manual a partir de 2016/17) Professor: Pedro Nóia Livro adotado: Matemática Aplicada às Ciências Sociais- 11º ano Elisabete Longo e Isabel

Leia mais

TEORIA DOS GRAFOS TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS MATEMÁTICA DISCRETA II PROFº MARCOS NASCIMENTO

TEORIA DOS GRAFOS TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS MATEMÁTICA DISCRETA II PROFº MARCOS NASCIMENTO TEORIA DOS GRAFOS TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS MATEMÁTICA DISCRETA II PROFº MARCOS NASCIMENTO Por que estudar grafos? Importante ferramenta matemática com aplicação em diversas áreas

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS EM GRAFOS

CONCEITOS BÁSICOS EM GRAFOS Um grafo (simples) G é formado por um conjunto de vértices, denotado por V(G), e um conjunto de arestas, denotado por E(G). Cada aresta é um par (não ordenado) de vértices distintos. Se xy é uma aresta,

Leia mais

Teoria dos Grafos. Edson Prestes

Teoria dos Grafos. Edson Prestes Edson Prestes Árvores Algoritmo de Kruskal O algoritmo de Kruskal permite determinar a spanning tree de custo mínimo. Este custo corresponde à soma dos pesos (distância, tempo, qualidade,...) associados

Leia mais

Grafos: caminhos mínimos

Grafos: caminhos mínimos quando o grafo é sem pesos, a determinação de um caminho mais curto pode ser feita através de uma busca em largura caminho mais curto é aquele que apresenta o menor número de arestas quando o grafo tem

Leia mais

MATEMÁTICA DISCRETA PARA ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO

MATEMÁTICA DISCRETA PARA ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO MATEMÁTICA DISCRETA PARA ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO Profa. Kathya Collazos Linares *As aulas baseiam-se no material do Professor Antonio Alfredo Ferreira Loureiro O problema das sete pontes de Königsberg

Leia mais

2 Relação entre soma dos graus e número de arestas

2 Relação entre soma dos graus e número de arestas Rio de Janeiro, 24 de Outubro de 2011. LISTA DE ESTRUTURAS DISCRETAS PROFESSOR: EDUARDO LABER OBSERVAÇÕES: Exercícios marcados com são mais complicados. 1 Isomorfismo 1. Seja G =(V,E) um grafo simples.

Leia mais

Definições Básicas para Grafos

Definições Básicas para Grafos Definições Básicas para rafos RAFO Um grafo (V,A) é definido pelo par de conjuntos V e A, onde: V - conjunto não vazio: os vértices ou nodos do grafo; A - conjunto de pares ordenados a=(v,w), v e w V:

Leia mais

CAP4. ELEMENTOS DA TEORIA DE GRAFOS. Grafo [graph]. Estrutura que consiste num par ordenado de conjuntos, G ( V, E) , sendo:

CAP4. ELEMENTOS DA TEORIA DE GRAFOS. Grafo [graph]. Estrutura que consiste num par ordenado de conjuntos, G ( V, E) , sendo: Matemática Discreta ESTiG\IPB Cap4. Elementos da Teoria de Grafos pg 1 CAP4. ELEMENTOS DA TEORIA DE GRAFOS Grafo [graph]. Estrutura que consiste num par ordenado de conjuntos, G ( V, E), sendo: Exemplos

Leia mais

Teoria dos Grafos. Edson Prestes

Teoria dos Grafos. Edson Prestes Edson Prestes Existem três companhias que devem abastecer com gás, eletricidade e água três prédios diferentes através de tubulações subterrâneas. Estas tubulações podem estar à mesma profundidade? Isto

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ BIBLIOTECA DE OBJETOS MATEMÁTICOS COORDENADOR: Dr. MARCIO LIMA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ BIBLIOTECA DE OBJETOS MATEMÁTICOS COORDENADOR: Dr. MARCIO LIMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ BIBLIOTECA DE OBJETOS MATEMÁTICOS COORDENADOR: Dr. MARCIO LIMA TEXTO: Torre de Hanói e Triângulo de Sierpinski AUTOR: André Brito (estagiário da BOM) ORIENTADOR: Dr. Professor

Leia mais

Introdução à Teoria dos Grafos

Introdução à Teoria dos Grafos Capítulo 1 Introdução à Teoria dos Grafos 1.1 História O primeiro problema cuja solução envolveu conceitos do que viria a ser teoria dos grafos, denominado "problema das pontes de Königsberg", foi resolvido

Leia mais

TEORIA DOS GRAFOS UMA APLICAÇÃO DE LOGÍSTICA PARA O ENSINO MÉDIO. Profº M. Sc. Marcelo Mazetto Moala

TEORIA DOS GRAFOS UMA APLICAÇÃO DE LOGÍSTICA PARA O ENSINO MÉDIO. Profº M. Sc. Marcelo Mazetto Moala TEORIA DOS GRAFOS UMA APLICAÇÃO DE LOGÍSTICA PARA O ENSINO MÉDIO mmmoala@fafica.br Breve Histórico Leonhard Euler (Matemático Suíço) - Pai da Teoria dos Grafos Nascimento de abril de 77 / 8 de setembro

Leia mais

Matemática Discreta. Aula nº 22 Francisco Restivo

Matemática Discreta. Aula nº 22 Francisco Restivo Matemática Discreta Aula nº 22 Francisco Restivo 2006-05-26 Definição: Um grafo cujos vértices são pontos no plano e cujos lados são linhas no plano que só se encontram nos vértices do grafo são grafos

Leia mais

Teoria dos Grafos. Aulas 3 e 4. Profa. Alessandra Martins Coelho

Teoria dos Grafos. Aulas 3 e 4. Profa. Alessandra Martins Coelho Teoria dos Grafos Aulas 3 e 4 Profa. Alessandra Martins Coelho fev/2014 Passeio ou percurso Um passeio ou percurso é uma sequência finita de vértices e arestas Exemplo Em (1) o passeio inicia pelo vértice

Leia mais

Definição 1.1 : Uma árvore é um grafo simples conexo e sem ciclos.

Definição 1.1 : Uma árvore é um grafo simples conexo e sem ciclos. 1 Árvores Definição 1.1 : Uma árvore é um grafo simples conexo e sem ciclos. Um grafo simples sem ciclos mas não conexo (em que cada componente conexa é portanto uma árvore) chama-se uma floresta. Numa

Leia mais

Redes. ADSA António Câmara

Redes. ADSA António Câmara Redes ADSA António Câmara Redes Método do caminho mais curto Localização de equipamentos Minimum spanning tree Carteiro chinês Caixeiro viajante Links Redes Redes são sistemas de linhas (arcos) ligando

Leia mais

Introdução à Teoria dos Grafos (MAC-5770) IME-USP Depto CC Profa. Yoshiko. Capítulo 3

Introdução à Teoria dos Grafos (MAC-5770) IME-USP Depto CC Profa. Yoshiko. Capítulo 3 Introdução à Teoria dos Grafos (MAC-5770) IME-USP Depto CC Profa. Yoshiko Capítulo 3 Árvores Problema: Suponha que numa cidade haja n postos telefônicos. Para que seja sempre possível haver comunicação

Leia mais

Teoria dos Grafos Aula 2

Teoria dos Grafos Aula 2 Teoria dos Grafos Aula 2 Aula passada Logística, regras Objetivos Grafos, o que são? Formando pares Encontrando caminhos Aula de hoje Outro problema real Definições importantes Algumas propriedades Grafo

Leia mais

CI065 CI755 Algoritmos e Teoria dos Grafos

CI065 CI755 Algoritmos e Teoria dos Grafos CI065 CI755 Algoritmos e Teoria dos Grafos Exercícios 11 de outubro de 2017 1 Fundamentos 1. Seja S = {S 1,..., S n } uma família de conjuntos. O grafo intercessão de S é o grafo G S cujo conjunto de vértices

Leia mais

Alg l ori r t i m t os e E str t u r tu t ra r s d e D ados I I Intr t o r duçã ç o ã a a Gr G a r f a o f s P of o a. M. C r C ist s ina n a /

Alg l ori r t i m t os e E str t u r tu t ra r s d e D ados I I Intr t o r duçã ç o ã a a Gr G a r f a o f s P of o a. M. C r C ist s ina n a / Algoritmos e Estruturas de Dados II Introdução a Grafos Profa. M. Cristina / Profa. Rosane (2012) Baseado no material de aula original: Profª. Josiane M. Bueno Divisão do arquivo 1ª parte: Motivação Definição:

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados II Introdução a Grafos. Divisão do arquivo

Algoritmos e Estruturas de Dados II Introdução a Grafos. Divisão do arquivo Algoritmos e Estruturas de Dados II Introdução a Profa. M. Cristina / Profa. Rosane (2010/11) Baseado no material de aula original: Profª. Josiane M. Bueno Divisão do arquivo 1ª parte: Motivação Definição:

Leia mais

GRAFOS ORIENTADOS. PSfrag replacements. Figura 1: Exemplo de um grafo orientado.

GRAFOS ORIENTADOS. PSfrag replacements. Figura 1: Exemplo de um grafo orientado. Introdução à Teoria dos Grafos Bacharelado em Ciência da Computação UFMS, 2005 GRAFOS ORIENTAOS Resumo Existem ocasiões onde grafos não são apropriados para descrever certas situações. Por exemplo, um

Leia mais

O grau de saída d + (v) de um vértice v é o número de arcos que tem

O grau de saída d + (v) de um vértice v é o número de arcos que tem Grafos Direcionados Definição (Grau de Entrada) O grau de entrada d (v) de um vértice v é o número de arcos que tem v como cabeça. Definição (Grau de Saída) O grau de saída d + (v) de um vértice v é o

Leia mais

Grafo planar: Definição

Grafo planar: Definição Grafo planar Considere o problema de conectar três casas a cada uma de três infraestruturas (gás, água, energia) como mostrado na figura abaixo. É possível fazer essas ligações sem que elas se cruzem?

Leia mais

IFRN. Introdução à Teoria dos Grafos. Prof. Edmilson Campos

IFRN. Introdução à Teoria dos Grafos. Prof. Edmilson Campos IFRN Introdução à Teoria dos Grafos Prof. Edmilson Campos Conteúdo Histórico Aplicações Definições Grafo Dígrafo Ordem, adjacência e grau Laço Tipos de grafos Representação de Grafos Matriz de adjacências

Leia mais

GRAFOS Aula 04 Caminhos, Conexidade e Distância Max Pereira

GRAFOS Aula 04 Caminhos, Conexidade e Distância Max Pereira Ciência da Computação GRAFOS Aula 04 Caminhos, Conexidade e Distância Max Pereira Um grafo é dito conexo se for possível visitar qualquer vértice, partindo de um outro qualquer, passando pelas suas arestas.

Leia mais

Universidade de Aveiro Departamento de Matemática ILDA MARIA DUARTE DE MATOS TEORIA DOS GRAFOS NO ENSINO BÁSICO E SECUNDÁRIO

Universidade de Aveiro Departamento de Matemática ILDA MARIA DUARTE DE MATOS TEORIA DOS GRAFOS NO ENSINO BÁSICO E SECUNDÁRIO Universidade de Aveiro Departamento de Matemática 2013 ILDA MARIA DUARTE DE MATOS TEORIA DOS GRAFOS NO ENSINO BÁSICO E SECUNDÁRIO Universidade de Aveiro Departamento de Matemática 2013 ILDA MARIA DUARTE

Leia mais

Cortes (cut sets) 2010/2 Teoria dos Grafos (INF 5037/INF2781) CC/EC/UFES

Cortes (cut sets) 2010/2 Teoria dos Grafos (INF 5037/INF2781) CC/EC/UFES Cortes (cut sets) (INF 5037/INF2781) Corte por arestas Em um grafo conexo G, um corte de arestas é um conjunto de arestas cuja remoção de G torna G desconexo, desde que nenhum subconjunto próprio desse

Leia mais

Grafos Planares. Grafos e Algoritmos Computacionais. Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes

Grafos Planares. Grafos e Algoritmos Computacionais. Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes Grafos Planares Grafos e Algoritmos Computacionais Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes fhcnunes@yahoo.com.br 1 Introdução Os exemplos mais naturais de grafos são os que se referem à representação de mapas

Leia mais

Tópicos de Matemática Finita Data: I II-1 II-2 II-3 II-4 III-1 III-2 III-3 III-4 IV-1 IV-2 IV-3 IV-4 Nota Final

Tópicos de Matemática Finita Data: I II-1 II-2 II-3 II-4 III-1 III-2 III-3 III-4 IV-1 IV-2 IV-3 IV-4 Nota Final Tópicos de Matemática Finita Data: 20-06-2003 1 a Época Correcção Código: 1B Nome: Número: Curso: O exame que vai realizar tem a duração de três horas. As respostas às perguntas do grupo I não necessitam

Leia mais

04 Grafos: caminhos e coloração SCC0503 Algoritmos e Estruturas de Dados II

04 Grafos: caminhos e coloração SCC0503 Algoritmos e Estruturas de Dados II 04 Grafos: caminhos e coloração SCC0503 Algoritmos e Estruturas de Dados II Prof. Moacir Ponti Jr. www.icmc.usp.br/~moacir Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação USP 2011/1 Moacir Ponti Jr.

Leia mais

PCC173 - Otimização em Redes

PCC173 - Otimização em Redes PCC173 - Otimização em Redes Marco Antonio M. Carvalho Departamento de Computação Instituto de Ciências Exatas e Biológicas Universidade Federal de Ouro Preto 27 de abril de 2016 Marco Antonio M. Carvalho

Leia mais

Roteamentos AULA ... META. Introduzir alguns problemas de roteamento. OBJETIVOS. Ao final da aula o aluno deverá ser capaz de:

Roteamentos AULA ... META. Introduzir alguns problemas de roteamento. OBJETIVOS. Ao final da aula o aluno deverá ser capaz de: Roteamentos AULA META Introduzir alguns problemas de roteamento. OBJETIVOS Ao final da aula o aluno deverá ser capaz de: Distinguir circuito euleriano e ciclo hamiltoniano; Obter um circuito euleriano

Leia mais

1 Trajeto Euleriano. > Trajeto Euleriano 0/20

1 Trajeto Euleriano. > Trajeto Euleriano 0/20 Conteúdo 1 Trajeto Euleriano > Trajeto Euleriano 0/20 Um trajeto Euleriano em um grafo G é um trajeto que utiliza todas as arestas do grafo. Definição Um grafo G é Euleriano se e somente se possui um trajeto

Leia mais

Uma forma de classificação

Uma forma de classificação Uma forma de classificação L. Não-RE ou f. nãocomputáveis LRE ou MT ou f. comput. L. Indecidíveis ou Procedimentos L. Recursivas ou Decidíveis ou Algoritmos Outra forma de classificação Problemas Indecidíveis

Leia mais

GRAFOS Aula 01 Introdução Max Pereira

GRAFOS Aula 01 Introdução Max Pereira Ciência da Computação GRAFOS Aula 01 Introdução Max Pereira Todos os dias nos vemos cercados por incontáveis conexões e redes: rodovias e ferrovias, linhas telefônicas e a Internet, circuitos eletrônicos

Leia mais

Teoria dos Grafos. Edson Prestes

Teoria dos Grafos. Edson Prestes Edson Prestes Árvores Sabemos que com um ou dois vértices apenas uma árvore pode ser formada. Entretanto com três vértices podemos formar três árvores. Com quatro vértices temos quatro estrelas e doze

Leia mais

APLICAÇÕES DA TEORIA DOS GRAFOS

APLICAÇÕES DA TEORIA DOS GRAFOS Universidade de Aveiro Departamento de Matemática 2013 Sandra Maria Pereira dos Santos APLICAÇÕES DA TEORIA DOS GRAFOS Dissertação apresentada à Universidade de Aveiro para cumprimento dos requisitos necessários

Leia mais

Otimização. Otimização em Redes. Paulo Henrique Ribeiro Gabriel Faculdade de Computação Universidade Federal de Uberlândia 2016/2

Otimização. Otimização em Redes. Paulo Henrique Ribeiro Gabriel Faculdade de Computação Universidade Federal de Uberlândia 2016/2 Otimização Otimização em Redes Paulo Henrique Ribeiro Gabriel phrg@ufu.br Faculdade de Computação Universidade Federal de Uberlândia 2016/2 Paulo H. R. Gabriel (FACOM/UFU) GSI027 2016/2 1 / 51 Conteúdo

Leia mais

Planaridade AULA. ... META Introduzir o problema da planaridade de grafos. OBJETIVOS Ao final da aula o aluno deverá ser capaz de:

Planaridade AULA. ... META Introduzir o problema da planaridade de grafos. OBJETIVOS Ao final da aula o aluno deverá ser capaz de: Planaridade AULA META Introduzir o problema da planaridade de grafos. OBJETIVOS Ao final da aula o aluno deverá ser capaz de: Distinguir grafo planar e plano; Determinar o dual de um grafo; Caracterizar

Leia mais

BCC402 Algoritmos e Programação Avançada. Prof. Marco Antonio M. Carvalho Prof. Túlio Toffolo 2012/1

BCC402 Algoritmos e Programação Avançada. Prof. Marco Antonio M. Carvalho Prof. Túlio Toffolo 2012/1 BCC402 Algoritmos e Programação Avançada Prof. Marco Antonio M. Carvalho Prof. Túlio Toffolo 2012/1 Definições e Estruturas de Grafos Representações; Percursos Busca em Largura; Busca em Profundidade.

Leia mais

Conceitos Básicos da Teoria de Grafos

Conceitos Básicos da Teoria de Grafos Conceitos Básicos da Teoria de Grafos Universidade Federal do Pampa - UNIPAMPA Engenharia da Computação Estrutura de Dados Profª Sandra Piovesan Grafos Uma noção simples, abstrata e intuitiva. Representa

Leia mais

Grafos representação e aplicações. Prof. Guilherme Tomaschewski Netto

Grafos representação e aplicações. Prof. Guilherme Tomaschewski Netto Grafos representação e aplicações Prof. Guilherme Tomaschewski Netto guilherme.netto@gmail.com Roteiro! Contextualização! Apresentação, um pouco de história! Conceitos Grafos! Principais aplicacões! Estruturas

Leia mais

Tópicos em Teoria dos Grafos

Tópicos em Teoria dos Grafos UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Centro de Ciências Físicas e Matemáticas Curso de Licenciatura em Matemática Tópicos em Teoria dos Grafos Autor: Dyan Carlo Pamplona Orientador: Prof. Dr. Gustavo

Leia mais

Problema da Árvore Geradora Mínima

Problema da Árvore Geradora Mínima Instituto Federal do Espírito Santo Campus Serra Problema da Árvore Geradora Mínima Diego Pasti Jefferson Rios Sumário Apresentação do Problema da AGM...3 Raízes do Problema Definindo o Problema O Problema

Leia mais

Árvores: Conceitos Básicos e Árvore Geradora

Árvores: Conceitos Básicos e Árvore Geradora Árvores: Conceitos Básicos e Árvore Geradora Grafos e Algoritmos Computacionais Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes fhcnunes@yahoo.com.br 1 Introdução No dia a dia aparecem muitos problemas envolvendo árvores:

Leia mais

APLICAÇÕES DE BUSCA EM GRAFOS

APLICAÇÕES DE BUSCA EM GRAFOS APLICAÇÕES DE BUSCA EM GRAFOS David Krenkel Rodrigues de Melo david.melo1992@gmail.com Prof. Leonardo Sommariva, Estrutura de Dados RESUMO: São inúmeras as aplicaçõe de grafos, bem como os problemas clássicos

Leia mais

PESQUISA OPERACIONAL TEORIA DOS GRAFOS

PESQUISA OPERACIONAL TEORIA DOS GRAFOS PESQUISA OPERACIONAL TEORIA DOS GRAFOS Um grafo G(V,A) pode ser conceituado como um par de conjuntos V e A, onde: V - conjunto não vazio cujos elementos são de denominados vértices ou nodos do grafo; A

Leia mais

Introdução à Teoria dos Grafos. Isomorfismo

Introdução à Teoria dos Grafos. Isomorfismo Isomorfismo Um isomorfismo entre dois grafos G e H é uma bijeção f : V (G) V (H) tal que dois vértices v e w são adjacentes em G, se e somente se, f (v) e f (w) são adjacentes em H. Os grafos G e H são

Leia mais

Doutorado em Ciência da Computação. Algoritmos e Grafos. Raimundo Macêdo LaSiD/DCC/UFBA

Doutorado em Ciência da Computação. Algoritmos e Grafos. Raimundo Macêdo LaSiD/DCC/UFBA Doutorado em Ciência da Computação Algoritmos e Grafos Raimundo Macêdo LaSiD/DCC/UFBA Grafo Completo Grafo simples cujos vértices são dois a dois adjacentes. Usa-se a notação K n para um grafo completo

Leia mais

Teoria dos Grafos. Edson Prestes

Teoria dos Grafos. Edson Prestes Edson Prestes Introdução Automorfismo Um automorfismo de um grafo G é um isomorfismo de G para si próprio. Os automorfismos de G são as permutações de V(G) que podem ser aplicadas a ambas as linhas e colunas

Leia mais

Teoria dos Grafos. Edson Prestes

Teoria dos Grafos. Edson Prestes Edson Prestes Introdução Um passeio entre os nós i e j é uma seqüência alternada de nós e arestas que começa no nó i e termina no nó j. G 1 G 2 Um exemplo de passeio entre os nós 1 e 4 do grafo G 1 é (1,(1,3),3,(2,3),2,(1,2),1,(1,4),4).

Leia mais

As pontes de Königsberg

As pontes de Königsberg As pontes de Königsberg Adérito Araújo Centro de Matemática da Universidade de Coimbra A cidade de Königsberg Era uma vez uma cidade chamada Königsberg ( montanha do rei ) na antiga Prússia. Fundada em

Leia mais

Grafos Orientados (digrafos)

Grafos Orientados (digrafos) Grafos Orientados (digrafos) Grafo Orientado ou digrafo Consiste em um grafo G = (V,A) onde V = {v 1,, v n } é um conjunto de vértices e A = {a 1,, a k } é um conjunto de arcos tais que a k, k=1,,m é representado

Leia mais

Teoria dos Grafos. Edson Prestes

Teoria dos Grafos. Edson Prestes Edson Prestes As arestas possuem a função de indicar o relacionamento(espacial, comportamental, temporal) entre os elementos de um grafo. Em diversas situações esta relação não é simétrica, ou seja, par

Leia mais

Tópicos de Matemática Finita Data: I II-1 II-2 II-3 II-4 III-1 III-2 III-3 III-4 IV-1 IV-2 IV-3 Nota Final

Tópicos de Matemática Finita Data: I II-1 II-2 II-3 II-4 III-1 III-2 III-3 III-4 IV-1 IV-2 IV-3 Nota Final Tópicos de Matemática Finita Data: 15-07-2002 2 a Época Correcção Código: 3C Nome: Número: Curso: O exame que vai realizar tem a duração de três horas. As respostas às perguntas do grupo I não necessitam

Leia mais

Otimização em Grafos

Otimização em Grafos Otimização em Grafos Luidi G. Simonetti PESC/COPPE 2017 Luidi Simonetti (PESC) EEL857 2017 1 / 35 Teoria dos Grafos - Relembrando Árvore Um grafo G é uma árvore se é conexo e não possui ciclos (acíclico).

Leia mais

Teoria dos Grafos Aula 2

Teoria dos Grafos Aula 2 Teoria dos Grafos Aula 2 Aula passada Logística Objetivos Grafos, o que são? Formando pares Aula de hoje Mais problemas reais Definições importantes Algumas propriedades Objetivos da Disciplina Grafos

Leia mais

15 - Coloração Considere cada um dos grafos abaixo:

15 - Coloração Considere cada um dos grafos abaixo: 15 - Coloração Considere cada um dos grafos abaixo: a) Quantas cores são necessárias para colorir os vértices de um grafo de maneira que dois vértices adjacentes não recebam a mesma cor? b) Qual é o número

Leia mais

Teoria dos Grafos. Componentes, Conj. Indep., Cliques

Teoria dos Grafos. Componentes, Conj. Indep., Cliques Teoria dos Grafos Componentes, Conj. Indep., Cliques Grafo Conexo/Desconexo Um grafo é conexo se existe um caminho entre qualquer par de nós, caso contrário ele é chamado desconexo. Basta que não exista

Leia mais

Grafos IFRN. Robinson Alves

Grafos IFRN. Robinson Alves Grafos IFRN Robinson Alves Introdução Problema das Pontes de Königsberg No século 18 havia na cidade de Königsberg(antiga Prússia) um conjunto de sete pontes (identificadas pelas letras de a até f nas

Leia mais

14 Coloração de vértices Considere cada um dos grafos abaixo:

14 Coloração de vértices Considere cada um dos grafos abaixo: 14 Coloração de vértices Considere cada um dos grafos abaixo: a) Quantas cores são necessárias para colorir os vértices de um grafo de maneira que dois vértices adjacentes não recebam a mesma cor? b) Qual

Leia mais

Escola Básica e Secundária Mouzinho da Silveira. MACS 11.º Ano Problema do Caixeiro Viajante

Escola Básica e Secundária Mouzinho da Silveira. MACS 11.º Ano Problema do Caixeiro Viajante Escola Básica e Secundária Mouzinho da Silveira MACS 11.º Ano Problema do Caixeiro Viajante Problema do Caixeiro Viajante Trata-se de um problema matemático que consiste, sendo dado um conjunto de cidades

Leia mais

GABRIEL BUJOKAS

GABRIEL BUJOKAS APLICAÇÕES DE ÁLGEBRA LINEAR À COMBINATÓRIA GABRIEL BUJOKAS (GBUJOKAS@MIT.EDU) A gente vai discutir algumas das aplicações clássicas de álgebra linear à combinatória. Vamos começar relembrando alguns conceitos

Leia mais

Matemática Discreta - Exercícios de Grafos

Matemática Discreta - Exercícios de Grafos UALG - 0/0 1. Seja G o grafo cuja matriz de adjacência é: 1 8 9 1 8 9 0 0 0 1 1 0 0 0 0 0 0 0 0 1 1 0 0 0 0 0 0 0 0 1 0 0 0 1 0 0 0 1 0 1 1 0 1 1 0 1 0 1 0 1 1 0 1 1 0 1 0 0 0 0 0 0 0 1 0 0 0 0 0 0 0 0

Leia mais

Programa. 1 Parte 1 - Conjuntos e Aplicações. 1 Conjuntos. 4 Indução Matemática e Divisibilidade. 5 Congruências Lineares

Programa. 1 Parte 1 - Conjuntos e Aplicações. 1 Conjuntos. 4 Indução Matemática e Divisibilidade. 5 Congruências Lineares Programa Matemática Discreta 2008/09 Jorge Manuel L. André FCT/UNL 1 Parte 1 - Conjuntos e Aplicações 1 Conjuntos 2 Relações Binárias 3 Aplicações 4 Indução Matemática e Divisibilidade 5 Congruências Lineares

Leia mais

A Cidade Enlameada Árvores Geradoras Mínimas

A Cidade Enlameada Árvores Geradoras Mínimas Atividade 9 A Cidade Enlameada Árvores Geradoras Mínimas Sumário Nossa sociedade é conectada por muitas redes: redes telefônicas, redes de abastecimento, redes de computadores e redes rodoviárias. Para

Leia mais

MÓDULO 3 - PROBLEMAS DE COBERTURAS DE ARCOS E NÓS

MÓDULO 3 - PROBLEMAS DE COBERTURAS DE ARCOS E NÓS MÓULO 3 - PROBLEMAS E COBERTURAS E ARCOS E NÓS 1. CONCEITOS INICIAIS Área contida na Pesquisa Operacional. Pode ser considerada como uma teoria baseada na interligação de pontos e linhas, utilizada principalmente

Leia mais

Pesquisa Operacional II. Professor João Soares de Mello

Pesquisa Operacional II. Professor João Soares de Mello Pesquisa Operacional II Professor João Soares de Mello http://www.uff.br/decisao/notas.htm Ementa Teoria dos grafos (pré-requisitos: PO I, Álgebra Linear) Programação não linear (pré-requisitos: PO I,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE MATEMÁTICA Grafos no Ensino Médio Uma Inserção Possível PRODUTO DA DISSERTAÇÃO SEQUÊNCIA DIDÁTICA

Leia mais