Tutorial: Componentes passivos.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tutorial: Componentes passivos."

Transcrição

1 Tutorial: Componentes passivos. Autor: Samuel Cerqueira Pinto T-16 Data: 24/02/2013

2 Componentes Passivos Componentes passivos são os componentes eletrônicos que não possuem a capacidade de amplificar um sinal de corrente ou tensão em um determinado circuito. Basicamente, serão estudados três componentes passivos: resistores, capacitores e indutores. Resistores São componentes eletrônicos cuja principal finalidade é controlar a passagem de corrente elétrica em um determinado circuito. Transforma energia elétrica em energia térmica. Foge ao escopo desse tutorial explanações sobre como calcular a corrente que circula por um determinado circuito além de cálculos com associações de resistores. No entanto, convém relembrar a Lei de Ohm: Além disso, vamos considerar as seguintes expressões que fornecem a potência dissipada por um determinado resistor: Ao se adquirir um resistor, deve-se inicialmente observar qual a sua resistência potência máxima que será nele empregado. Encontram-se resistores com os mais variados valores de resistência. Os resistores mais utilizados em projetos eletrônicos possuem potencia de 1/8W, 1/4W e 1/2W Ao se comprar um resistor, existe uma convenção utilizada para identificar o valor de sua resistência. As duas(ou três) primeiras linhas coloridas indicam um valor numérico, segundo a tabela de cores mostrada abaixo. Logo a seguir, há uma linha que indica por qual potência de 10 deve ser multiplicado o valor anterior para se encontrar o valor da resistência. Após uma certa separação, exite outra linha que indicia a confiabilidade desse valor encontrado. Ainda pode existir uma linha que indica o coeficiente de temperatura, mas não é usual. A figura abaixo apresenta uma explicação mais clara, além de alguns exemplos:

3 Figura 1 - Código de cores para identificação de resistores. Em diversas aplicações, no entanto, é interessante utilizar resistências com velores variáveis.quando se deseja variar manualmente a resistência no decorrer do seu uso, é recomendável a utilização de um potenciômetro. Figura 2 - Simbologia de um potenciômetro. Figura 3 - Imagens de potenciômetros. Internamente, possuem uma trilha resistiva sobre a qual circula um cursor. Dessa forma, na utilização de um resistor, deve-se conectar dois de seus terminais a fonte. O outro

4 terminal deve ser ligado ao restante do circuito e sobre ele se perceberá a variação da resistência ao se manipular o potenciômetro. Existem potenciômetros cujo deslocamento do cursos (que pode ser linear ou angular) que geram variação na resistência proporcional ou variando logaritmicamente com o deslocamento (escala linear ou logarítmica). Existem diversas aplicações para potenciômetros, como controle de volume, brilho, tempo de funcionamento e até mesmo na utilização como sensores. Ainda pode-se utilizar resistências variáveis na calibração, por exemplo, de sensores, ou de uma corrente, mas que não se deseja alterar com tanta frequência ou se necessita maior precisão. Para essa utilização, é recomendável a utilização de um trimpot, conforme é mostrado na imagem abaixo. Seu funcionamento é análogo ao de um potenciômetro. Figura 4 - Trimpot. Existem ainda resistores "especiais" que possuem importantes aplicações, por exemplo, em sensores. Os LDR(Light Dependent Resistors) são resistores cuja resistividade diminui com aumento da luminosidade incidente sobre eles. Figura 5 - LDR Ainda existem os termistores, que são resistores cuja resistência varia muito com a variação da temperatura. Na maioria dos termistores, a resistência diminui com o aumento de temperatura.

5 Figura 6 - Termistor Existem ainda outros tipos de resistores, como o varistor(resistência diminui com o aumento da diferença de potencial entre seus terminais)), mas que não possuem tantas aplicações em robótica e não serão explorados por esse tutorial. Capacitores São componentes que armazenam energia sob a forma de campo eletrostático. Assim como no caso dos resistores, foge ao escopo ;desse tutorial dar explicações detalhadas sobre o funcionamento de um capacitor e muitos cálculos envolvendo os mesmos. Veremos no entanto, a definição da grandeza capacitância: Dessa forma, percebemos que capacitores são componentes que, quando carregados, armazenam carga em uma quantidade proporcional à diferença de potencial entre seus terminais. Capacitores possuem diversas aplicações em eletrônica, em especial são utilizados na eliminação de sinais indesejados (ruídos). Em diversos outros tópicos perceber-se-á a importância dos capacitores nos mais variados circuitos. Existem capacitores constituídos de diversos materias, porem os mais utilizados são o eletrolítico e o cerâmico. Os capacitores cerâmicos possuem características que os aproximam de capacitores ideais, porém geralmente não apresentam altos valores de capacitância (valores de fração de pf a 1nF). Figura 7 - Capacitores cerâmicos.

6 Figura 8 - Identificação das características de um capacitor cerâmico. Os capacitores eletrolíticos atingem maior capacitância, no entanto possuem maiores desvios da idealidade. São indicados para circuitos de corrente contínua e baixa frequência. É importante notar que capacitores eletrolíticos são polarizados, isto é, existe um terminal que sempre deve ficar positivo em relação ao outro. Figura 8 - Capacitores eletrolíticos. Indutores Figura 9 - Representações de um capacitor eletrolítico. Os indutores são componentes que armazenam energia na forma de campo magnético. São utilizados especialmente em transformadores. Quando se utiliza vários enrolamentos ou bobinas de um fio condutor em torno de um eixo de indução comum, podese observar que a seguinte relação é válida:

7 Dessa forma, obtém-se um método para variar a tensão fornecida por uma fonte. Figura 10 - Indutores com núcleo de ar. Figura 11 - Indutores com núcleo ferromagnético. Referências bibliográficas

AULA 03 Exercícios Lista 01 Lista 02 Lista 03 Resolução de exercícios em sala

AULA 03 Exercícios Lista 01 Lista 02 Lista 03 Resolução de exercícios em sala AULA 03 Exercícios Lista 01 Lista 02 Lista 03 Resolução de exercícios em sala AULA 04 Tensão e Corrente alternada Ondas senoidais Ondas quadradas Ondas triangulares Frequência e período Amplitude e valor

Leia mais

TM247 - Sistemas de Medição. Prof. Alessandro Marques

TM247 - Sistemas de Medição. Prof. Alessandro Marques TM247 - Sistemas de Medição Prof. Alessandro Marques amarques@ufpr.br www.metrologia.ufpr.br Circuitos e medições elétricas Elementos elétricos Resistividade e resistência elétrica Em um material homogêneo

Leia mais

Elementos de circuito Circuito é a interligação de vários elementos. Estes, por sua vez, são os blocos básicos de qualquer sistema

Elementos de circuito Circuito é a interligação de vários elementos. Estes, por sua vez, são os blocos básicos de qualquer sistema Elementos de circuito Circuito é a interligação de vários elementos. Estes, por sua vez, são os blocos básicos de qualquer sistema Um elemento pode ser ativo (capaz de gerar energia), passivo (apenas dissipam

Leia mais

AULA LAB 02 TRANSFORMADORES E INDUTORES

AULA LAB 02 TRANSFORMADORES E INDUTORES CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA Retificadores (ENG - 20301) AULA LAB 02 TRANSFORMADORES E INDUTORES 1 INTRODUÇÃO Os transformadores e indutores são componentes

Leia mais

Se no terminal b do circuito for conectado um terceiro componente, como na figura abaixo, os resistores R 1 e R 2 não estarão mais em série.

Se no terminal b do circuito for conectado um terceiro componente, como na figura abaixo, os resistores R 1 e R 2 não estarão mais em série. Circuitos em Série Um circuito consiste em um número qualquer de elementos unidos por seus terminais, com pelo menos um caminho fechado através do qual a carga possa fluir. Dois elementos de circuitos

Leia mais

Resistência elétrica de uma barra (prismática ou cilíndrica) de área A e comprimento L

Resistência elétrica de uma barra (prismática ou cilíndrica) de área A e comprimento L Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências Exatas Departamento de Física Física III Prof. Dr. Ricardo uiz Viana Referências bibliográficas: H. 28-4, 29-4, 29-6 S. 26-4, 27-2 T. 22-2 ula Resistores

Leia mais

ELETRICIDADE CAPÍTULO 2 ELEMENTOS DOS CIRCUITOS ELÉTRICOS

ELETRICIDADE CAPÍTULO 2 ELEMENTOS DOS CIRCUITOS ELÉTRICOS ELETRICIDADE CAPÍTULO 2 ELEMENTOS DOS CIRCUITOS ELÉTRICOS 2.1 - INTRODUÇÃO - EXISTEM CINCO ELEMENTOS BÁSICOS IDEAIS QUE SÃO UTILIZADOS EM CIRCUITOS ELÉTRICOS. - ELEMENTOS ATIVOS (GERAM ENERGIA ELÉTRICA)

Leia mais

Indução Magnética. E=N d Φ dt

Indução Magnética. E=N d Φ dt Indução Magnética Se uma bobina de N espiras é colocada em uma região onde o fluxo magnético está variando, existirá uma tensão elétrica induzida na bobina, e que pode ser calculada com o auxílio da Lei

Leia mais

Eletrônica. Resistência Elétrica, Resistores, Lei de Ohm e Lei de Joule Conteúdo 10/05/2016. Resistividade. Resistores.

Eletrônica. Resistência Elétrica, Resistores, Lei de Ohm e Lei de Joule Conteúdo 10/05/2016. Resistividade. Resistores. Eletrônica Resistência Elétrica, Resistores, Lei de Ohm e Lei de Joule jauberth@gmail.com Conteúdo Resistividade Resistores Lei de Ohm Calor e Temperatura Lei de Joule Associação de resistores Potenciômetros

Leia mais

Fundamentos de Eletrônica

Fundamentos de Eletrônica 6872 - Fundamentos de Eletrônica Lei de Ohm Última Aula Elvio J. Leonardo Universidade Estadual de Maringá Departamento de Informática Bacharelado em Ciência da Computação Associação de Resistores Análise

Leia mais

A busca constantes da qualidade e a preocupação com o atendimento ao cliente estão presentes nas ações do SENAI.

A busca constantes da qualidade e a preocupação com o atendimento ao cliente estão presentes nas ações do SENAI. Sumário Introdução 5 Resistores ajustáveis 6 Resistores ajustáveis de fio 7 Trimpot 8 Características dos resistores ajustáveis 10 Simbologia 12 Potenciômetros 13 Funcionamento 13 Simbologia 14 Tipos de

Leia mais

GrandezasElétricase Principais Dispositivos

GrandezasElétricase Principais Dispositivos GrandezasElétricase Principais Dispositivos Vasos comunicantes podem ser uma analogia. Site Condutores, Isolantes e Semicondutores Lei de Ohm Resistor Resistor Um resistor é um componente que fornece

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA LISTA DE EXERCICIOS #8 (1) FONTE DE CORRENTE a) Determine Io. b) Calcule

Leia mais

ELETROTÉCNICA ENGENHARIA

ELETROTÉCNICA ENGENHARIA Aquino, Josué Alexandre. A657e Eletrotécnica : engenharia / Josué Alexandre Aquino. Varginha, 2015. 50 slides; il. Sistema requerido: Adobe Acrobat Reader Modo de Acesso: World Wide Web 1. Eletrotécnica.

Leia mais

Programa de engenharia biomédica

Programa de engenharia biomédica Programa de engenharia biomédica princípios de instrumentação biomédica COB 781 Conteúdo 2 - Elementos básicos de circuito e suas associações...1 2.1 - Resistores lineares e invariantes...1 2.1.1 - Curto

Leia mais

Experiência 1: Resistores, códigos de cores e ohmímetro

Experiência 1: Resistores, códigos de cores e ohmímetro Experiência 1: Resistores, códigos de cores e ohmímetro Objetivos: - Ler o valor nominal de cada resistor por meio do código de cores; - Utilizar o ohmímetro para as medidas de resistência elétrica. Teoria.

Leia mais

Resistores e CA. sen =. logo

Resistores e CA. sen =. logo Resistores e CA Quando aplicamos uma voltagem CA em um resistor, como mostrado na figura, uma corrente irá fluir através do resistor. Certo, mas quanta corrente irá atravessar o resistor. Pode a Lei de

Leia mais

Circuitos eléctricos

Circuitos eléctricos Circuitos eléctricos O que é? n Designa-se de circuito eléctrico o caminho por onde a corrente eléctrica passa. n A corrente eléctrica é um movimento orientado de cargas, que se estabelece num circuito

Leia mais

Circuitos Elétricos I EEL420

Circuitos Elétricos I EEL420 Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuitos Elétricos I EEL420 Conteúdo 2 - Elementos básicos de circuito e suas associações...1 2.1 - Resistores lineares e invariantes...1 2.1.1 - Curto circuito...2

Leia mais

Cap. 3 Resistência Elétrica e Lei de Ohm

Cap. 3 Resistência Elétrica e Lei de Ohm Cap. 3 Resistência Elétrica e Lei de Ohm Instituto Federal Sul-rio-grandense Curso Técnico em Eletromecânica Disciplina de Eletricidade Básica Prof. Rodrigo Souza 3.1 Resistência Elétrica Resistência Elétrica

Leia mais

Experiência 1 Resistores e Código de Cores

Experiência 1 Resistores e Código de Cores TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Fundamentos de Eletricidade Prof. Ronaldo Mendes Evaristo Experiência 1 Resistores e Código de Cores Objetivos: Conhecer os resistores. Ler o valor nominal de resistores

Leia mais

Capacitores e Indutores (Aula 7) Prof. Daniel Dotta

Capacitores e Indutores (Aula 7) Prof. Daniel Dotta Capacitores e Indutores (Aula 7) Prof. Daniel Dotta 1 Sumário Capacitor Indutor 2 Capacitor Componente passivo de circuito. Consiste de duas superfícies condutoras separadas por um material não condutor

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO 22 4.2 Experimento 2: Resistência e Resistores, Voltagem, Corrente e Lei de Ohm 4.2.1 Objetivos Fundamentar os conceitos de resistência e resistor. Conhecer o código de cores, utilizado para especificar

Leia mais

Eletrodinâmica REVISÃO ENEM CORRENTE ELÉTRICA

Eletrodinâmica REVISÃO ENEM CORRENTE ELÉTRICA REVISÃO ENEM Eletrodinâmica CORRENTE ELÉTRICA Corrente elétrica em um condutor é o movimento ordenado de suas cargas livres devido a ação de um campo elétrico estabelecido no seu interior pela aplicação

Leia mais

Prof. Fábio de Oliveira Borges

Prof. Fábio de Oliveira Borges Corrente Elétrica Prof. Fábio de Oliveira Borges Curso de Física II Instituto de Física, Universidade Federal Fluminense Niterói, Rio de Janeiro, Brasil http://cursos.if.uff.br/fisica2-0116/ Corrente elétrica

Leia mais

No circuito em questão, temos a resistência interna da fonte, a resistência da carga e a resistência do fio.

No circuito em questão, temos a resistência interna da fonte, a resistência da carga e a resistência do fio. Os resistores são provavelmente os componentes mais utilizados em todos os tipos de circuitos eletrônicos, desde pequenos circuitos eletrônicos, como rádios, gravadores, etc. até computadores mais sofisticados.

Leia mais

Em um circuito DC, seja ele resistivo ou não, a corrente varia somente no instante em que o circuito é aberto ou fechado.

Em um circuito DC, seja ele resistivo ou não, a corrente varia somente no instante em que o circuito é aberto ou fechado. Em um circuito DC, seja ele resistivo ou não, a corrente varia somente no instante em que o circuito é aberto ou fechado. Quando o circuito é puramente resistivo essas variações são instantâneas, porém

Leia mais

Arduino Lab 06 Leitura de um sensor de temperatura do tipo NTC com o Arduino

Arduino Lab 06 Leitura de um sensor de temperatura do tipo NTC com o Arduino Arduino Lab 06 Leitura de um sensor de temperatura do tipo NTC com o Arduino Imagem montagem Resumo Neste Lab trataremos da leitura de temperatura utilizando um sensor do tipo NTC (Negative Temperature

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento de Eletrônica Retificadores. Prof. Clóvis Antônio Petry.

Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento de Eletrônica Retificadores. Prof. Clóvis Antônio Petry. Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento de Eletrônica Retificadores Diodos e dispositivos especiais Parte 1 Prof. Clóvis Antônio Petry. Florianópolis, outubro de 2007. Bibliografia

Leia mais

RADIOELETRICIDADE. O candidato deverá acertar, no mínimo: Classe B 50% Classe A 70% TESTE DE AVALIAÇÃO CORRIGIDO CONFORME A ERRATA

RADIOELETRICIDADE. O candidato deverá acertar, no mínimo: Classe B 50% Classe A 70% TESTE DE AVALIAÇÃO CORRIGIDO CONFORME A ERRATA Dados: ANATEL - DEZ/2008 RADIOELETRICIDADE TESTE DE AVALIAÇÃO 1 RADIOELETRICIDADE O candidato deverá acertar, no mínimo: Classe B 50% Classe A 70% TESTE DE AVALIAÇÃO CORRIGIDO CONFORME A ERRATA Fonte:

Leia mais

Componentes eletrónicos. Maria do Anjo Albuquerque

Componentes eletrónicos. Maria do Anjo Albuquerque Componentes eletrónicos Motherboard de um computador e respetivos componentes eletrónicos Alguns componentes eletrónicos Características dos díodos de silício São o tipo mais simples de componente eletrónico

Leia mais

Listas de figuras. Listas de quadros. Fundamentos de Elétrica - Conceitos Básicos. Condutor e Isolante. Tensão e Corrente Elétrica

Listas de figuras. Listas de quadros. Fundamentos de Elétrica - Conceitos Básicos. Condutor e Isolante. Tensão e Corrente Elétrica Listas de figuras Listas de quadros Fundamentos de Elétrica - Conceitos Básicos Condutor e Isolante Tensão e Corrente Elétrica Resistência Elétrica Potência Elétrica Fator de Potência Potência dissipada

Leia mais

Transdutores de Deslocamento

Transdutores de Deslocamento Transdutores de Deslocamento Potenciômetros são formados por um material condutor resistivo depositado em superfície isolante, com contatos fixos nas duas extremidades e um contato móvel (cursor) que se

Leia mais

QUESTÕES DA PROVA DE RÁDIO ELETRICIDADE - PARTE - 2

QUESTÕES DA PROVA DE RÁDIO ELETRICIDADE - PARTE - 2 QUESTÕES DA PROVA DE RÁDIO ELETRICIDADE - PARTE - 2 QUESTÃO 50 Se aumentarmos o valor da corrente através de um fio condutor, o que acontece com o campo magnético: a. Diminui a intensidade b. Aumenta a

Leia mais

Diodos e dispositivos especiais

Diodos e dispositivos especiais Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Departamento Acadêmico de Eletrônica Retificadores Diodos e dispositivos especiais Prof. Clóvis Antônio Petry. Florianópolis, maio

Leia mais

Sumário. CAPÍTULO 1 A Natureza da Eletricidade 13. CAPÍTULO 2 Padronizações e Convenções em Eletricidade 27. CAPÍTULO 3 Lei de Ohm e Potência 51

Sumário. CAPÍTULO 1 A Natureza da Eletricidade 13. CAPÍTULO 2 Padronizações e Convenções em Eletricidade 27. CAPÍTULO 3 Lei de Ohm e Potência 51 Sumário CAPÍTULO 1 A Natureza da Eletricidade 13 Estrutura do átomo 13 Carga elétrica 15 Unidade coulomb 16 Campo eletrostático 16 Diferença de potencial 17 Corrente 17 Fluxo de corrente 18 Fontes de eletricidade

Leia mais

Ohmímetro, Amperímetro e Voltímetro

Ohmímetro, Amperímetro e Voltímetro PONTIFÍCI UNIERSIDDE CTÓLIC DE GOIÁS ESCOL DE ENGENHRI Engenharia de Controle e utomação (Mecatrônica) Exper. 1 Ohmímetro, mperímetro e oltímetro Objetivo Realizar medidas de resistência, tensão e corrente

Leia mais

Princípios de Circuitos Elétricos. Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti

Princípios de Circuitos Elétricos. Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti Princípios de Circuitos Elétricos Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti Resistência, Indutância e Capacitância Resistor: permite variações bruscas de corrente e tensão Dissipa energia Capacitor:

Leia mais

Análise de Circuitos Elétricos

Análise de Circuitos Elétricos Indutores Análise de Circuitos Elétricos O indutor é um componente que se opõe as variações de corrente elétrica. Ele é composto por um enrolamento de fio de cobre chamado de bobina que está em torno de

Leia mais

Guia de Aulas Práticas de Eletrônica Analógica e Digital AULA PRÁTICA 05 CIRCUITOS A DIODOS. 1. OBJETIVOS: Estudar diversas aplicações para os diodos

Guia de Aulas Práticas de Eletrônica Analógica e Digital AULA PRÁTICA 05 CIRCUITOS A DIODOS. 1. OBJETIVOS: Estudar diversas aplicações para os diodos AULA PRÁTICA 05 CIRCUITOS A DIODOS 1. OBJETIVOS: Estudar diversas aplicações para os diodos 2. PRÉ-REQUISITOS: Capítulo 2 do livro texto. 3. RESUMO TEÓRICO: O diodo, apesar de ser o dispositivo semicondutor

Leia mais

Eletrotécnica. Circuitos Elétricos

Eletrotécnica. Circuitos Elétricos Eletrotécnica Circuitos Elétricos Introdução Caracterizamos um circuito elétrico como sendo um conjunto de componentes elétricos / eletrônicos ligados entre si formando pelo menos um caminho para a passagem

Leia mais

Unidade III. 2. Circuitos mistos: RL, RC, RLC. Ressonância. Circuitos série-paralelo. Circuitos CA

Unidade III. 2. Circuitos mistos: RL, RC, RLC. Ressonância. Circuitos série-paralelo. Circuitos CA Unidade III 2. Circuitos mistos: RL, RC, RLC. Ressonância. Circuitos série-paralelo. Circuito RL Circuitos RL são formados por resistências e indutâncias, em série ou paralelo. São usados para representar

Leia mais

Corrente Alternada. Circuitos Monofásicos (Parte 2)

Corrente Alternada. Circuitos Monofásicos (Parte 2) Corrente Alternada. Circuitos Monofásicos (Parte 2) SUMÁRIO Sinais Senoidais Circuitos CA Resistivos Circuitos CA Indutivos Circuitos CA Capacitivos Circuitos RLC GERADOR TRIFÁSICO Gerador Monofásico GRÁFICO

Leia mais

Lei de Ohm: associação de resistores e capacitores

Lei de Ohm: associação de resistores e capacitores Lei de Ohm: associação de resistores e capacitores Na figura abaixo, exemplificamos um circuito simples, onde aplicamos uma fonte de energia (V), ligada a um resistor (R) e que resultará em uma corrente

Leia mais

Tópico 01: Estudo de circuitos em corrente contínua (CC) Profa.: Ana Vitória de Almeida Macêdo

Tópico 01: Estudo de circuitos em corrente contínua (CC) Profa.: Ana Vitória de Almeida Macêdo Disciplina Eletrotécnica Tópico 01: Estudo de circuitos em corrente contínua (CC) Profa.: Ana Vitória de Almeida Macêdo Conceitos básicos Eletricidade Eletrostática Eletrodinâmica Cargas elétricas em repouso

Leia mais

Aula 8.2 Conteúdo: Associação de resistores em paralelo, potência elétrica de uma associação em paralelo de resistores. INTERATIVIDADE FINAL

Aula 8.2 Conteúdo: Associação de resistores em paralelo, potência elétrica de uma associação em paralelo de resistores. INTERATIVIDADE FINAL Aula 8.2 Conteúdo: Associação de resistores em paralelo, potência elétrica de uma associação em paralelo de resistores. Habilidades: Diferenciar as formas de associação de resistores, bem como determinar

Leia mais

Etapa 1: Questões relativas aos resultados Lei de Ohm. 1.1 A partir dos dados tabelados, calcule o valor médio da resistência do resistor.

Etapa 1: Questões relativas aos resultados Lei de Ohm. 1.1 A partir dos dados tabelados, calcule o valor médio da resistência do resistor. Respostas Questões relativas ao resultado Etapa 1: Questões relativas aos resultados Lei de Ohm 1.1 A partir dos dados tabelados, calcule o valor médio da resistência do resistor. Resposta: O valor encontrado

Leia mais

2º Experimento 1ª Parte: Lei de Ohm

2º Experimento 1ª Parte: Lei de Ohm 2º Experimento 1ª Parte: Lei de Ohm 1. Objetivos: Verificar a lei de Ohm. Determinar a resistência elétrica através dos valores de tensão e corrente. 2. Teoria: No século passado, George Ohm enunciou:

Leia mais

Energia e fenómenos elétricos

Energia e fenómenos elétricos Energia e fenómenos elétricos 1. Associa o número do item da coluna I à letra identificativa do elemento da coluna II. Estabelece a correspondência correta entre as grandezas elétricas e os seus significados.

Leia mais

Aquino, Josué Alexandre.

Aquino, Josué Alexandre. Aquino, Josué Alexandre. A657e Eletrotécnica para engenharia de produção : análise de circuitos : corrente e tensão alternada / Josué Alexandre Aquino. Varginha, 2015. 53 slides; il. Sistema requerido:

Leia mais

Capítulo 7: Associação de Resistores

Capítulo 7: Associação de Resistores Capítulo 7: Associação de Resistores Os resistores podem ser associados basicamente de dois modos distintos: em série e em paralelo. Ambos os modos de associação podem estar presentes: temos um associação

Leia mais

Retificadores (ENG ) Lista de Exercícios de Eletromagnetismo

Retificadores (ENG ) Lista de Exercícios de Eletromagnetismo Retificadores (ENG - 20301) Lista de Exercícios de Eletromagnetismo 01) Para o eletroimã da figura abaixo, determine: a) Calcule a densidade de fluxo no núcleo; b) Faça um esboço das linhas de campo e

Leia mais

Indutância Elétrica. Professor João Luiz Cesarino Ferreira

Indutância Elétrica. Professor João Luiz Cesarino Ferreira Indutância Elétrica Um indutor é essencialmente um condutor enrolado em forma helicoidal. Pode ser enrolado de forma auto-sustentada ou sobre um determinado núcleo. Para lembrar sua constituição, o símbolo

Leia mais

Análise de Circuitos Acoplados Com a finalidade de mostrar os sentidos dos enrolamentos e seus efeitos sobre as tensões de inductância mútua: L M

Análise de Circuitos Acoplados Com a finalidade de mostrar os sentidos dos enrolamentos e seus efeitos sobre as tensões de inductância mútua: L M Análise de Circuitos Acoplados Com a finalidade de mostrar os sentidos dos enrolamentos e seus efeitos sobre as tensões de inductância mútua: a) L M = L ( + ) e e L M d = L + L d = L + L = L = L M M d

Leia mais

Um circuito DC é aquele cuja alimentação parte de uma fonte DC (do inglês Direct Current), ou em português, CC (corrente contínua).

Um circuito DC é aquele cuja alimentação parte de uma fonte DC (do inglês Direct Current), ou em português, CC (corrente contínua). Um circuito DC é aquele cuja alimentação parte de uma fonte DC (do inglês Direct Current), ou em português, CC (corrente contínua). Como vimo anteriormente, para que haja fluxo de corrente pelo circuito,

Leia mais

Circuitos Elétricos. Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti

Circuitos Elétricos. Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti Circuitos Elétricos Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti Circuitos Magnéticos Os circuitos magnéticos são empregados com o intuito de concentrar o efeito magnético em uma dada região do espaço.

Leia mais

ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS II

ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS II ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS II Módulo V CIRCUITOS ACOPLADOS MAGNETICAMENTE INTRODUÇÃO AOS TRANSFORMADORES UFBA Curso de Engenharia Elétrica Prof. Eugênio Correia Teixeira Campo Magnético Linhas de fluxo

Leia mais

LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1

LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1 LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO LABORATÓRIO MÓDULO I ELETRICIDADE BÁSICA TURNO NOITE CURSO TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL CARGA HORÁRIA EIXO TECNOLÓGICO CONTROLE

Leia mais

Laboratório de Eletromagnetismo Apêndice 2

Laboratório de Eletromagnetismo Apêndice 2 4300373 - Laboratório de Eletromagnetismo Apêndice CURVAS CARACTERÍSTICAS Este teto foi etraído da apostila de COMPLEMENTOS DE FÍSICA EXPERIMENTAL 1ª PARTE de J. H. Vuolo, 001. 1 - Curvas características

Leia mais

5 Transdutor Indutivo

5 Transdutor Indutivo 5 Transdutor Indutivo De modo análogo aos transdutores resistivos e capacitivos, os transdutores indutivos são transdutores ativos que requerem uma fonte de excitação externa para proporcionar uma tensão

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina

Universidade Federal de Santa Catarina Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Ciências Físicas e Matemáticas Departamento de Física FSC5194 - Física IV Prof. Natalia Vale Asari FILTROS PASSIVOS (RLC) Rômulo Cenci Florianópolis, Santa

Leia mais

PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA

PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA 1 PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Curso: SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE TELECOMUNICAÇÔES Nome da disciplina: ELETRICIDADE E MAGNETISMO Código: 54155 Carga horária: 83 horas Semestre

Leia mais

GERADORES E RECEPTORES:

GERADORES E RECEPTORES: COLÉGIO ESTADUAL JOSUÉ BRANDÃO 3º Ano de Formação Geral Física IV Unidade_2009. Professor Alfredo Coelho Resumo Teórico/Exercícios GERADORES E RECEPTORES: Anteriormente estudamos os circuitos sem considerar

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica COB781. Módulo 2

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica COB781. Módulo 2 Universidade Federal do Rio de Janeiro Princípios de Instrumentação Biomédica COB781 Módulo 2 Thévenin Norton Helmholtz Mayer Ohm Galvani Conteúdo 2 - Elementos básicos de circuito e suas associações...1

Leia mais

Descrição das atividades de simulação computacional com o software Modellus, sobre circuitos RC 1, LC 2 e RLC 3

Descrição das atividades de simulação computacional com o software Modellus, sobre circuitos RC 1, LC 2 e RLC 3 Descrição das atividades de simulação computacional com o software Modellus, sobre circuitos RC 1, LC 2 e RLC 3 saber: As atividades de simulação computacional são descritas em termos de quatro itens,

Leia mais

Princípios de Circuitos Elétricos. Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti

Princípios de Circuitos Elétricos. Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti Princípios de Circuitos Elétricos Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti INDUTORES: CONCEITOS E DEFINIÇÕES CAMPO MAGNÉTICO Campo Magnético Nem só os imãs possuem campo magnético, mas a corrente

Leia mais

Relatório do Projeto do 3º Estágio Análogos Elétricos

Relatório do Projeto do 3º Estágio Análogos Elétricos UFCG Universidade Federal de Campina Grande CCT Centro de Ciências e Tecnologia UAF Unidade Acadêmica de Física Mecânica II Turma 01 Professor: Rômulo Rodrigues Relatório do Projeto do 3º Estágio Análogos

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor Leonardo Gonsioroski

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor Leonardo Gonsioroski UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Professor Leonardo Gonsioroski Sistemas Elétricos Pode-se dizer que os sistemas elétricos são divididos em 4 grandes

Leia mais

Unidade III. Conversores CC-CC (Choppers) Eletrônica de Potência 1

Unidade III. Conversores CC-CC (Choppers) Eletrônica de Potência 1 Unidade III Conversores CC-CC (Choppers) Eletrônica de Potência 1 Introdução Conversores CC-CC são circuitos eletrônicos de potência que convertem a tensão contínua a um nível de tensão CC diferente, idealmente

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá EEL 012 Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia

Universidade Federal de Itajubá EEL 012 Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia Universidade Federal de Itajubá EEL 012 Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia Guia da 2 a aula prática 2014 Carga RLC Monofásica Assunto: - Medição de potência em carga RLC monofásica e correção

Leia mais

SIMULADO Radioeletricidade

SIMULADO Radioeletricidade 73 questões PY1IB SIMULADO Radioeletricidade 1ª Pergunta: Dois corpos carregados eletricamente com cargas, respectivamente, positiva e negativa exercem entre si uma força que tende a: A Aproximá los. B

Leia mais

Robô segue luz. Vanderlei Alves S. da Silva. Introdução

Robô segue luz. Vanderlei Alves S. da Silva. Introdução Robô segue luz Vanderlei Alves S. da Silva Introdução O mundo da robótica é algo realmente fascinante e podemos encontrar uma série de robôs capazes de fazer coisas incríveis. Alguns bem complexos de serem

Leia mais

ANÁLISE DE CIRCUITOS I ( AULA 01)

ANÁLISE DE CIRCUITOS I ( AULA 01) ANÁLISE DE CIRCUITOS I ( AULA 01) 1.0 Instrumentos e Medições: O MULTITESTE O multiteste é um instrumento de medida elétrica que, geralmente, permite executar medidas de diversas grandezas elétricas: tensão,

Leia mais

Capítulo 1: Componentes discretos e modelos equivalentes para RF

Capítulo 1: Componentes discretos e modelos equivalentes para RF Componentes discretos e modelos equivalentes para RF Radiofrequências Cir. Eletrônica Aplica. espectro eletromagnético de9 khz a 300 GHz utilizada na radiocomunicação 2 3 Efeito pelicular Cir. Eletrônica

Leia mais

DIVISOR DE TENSÃO SEM CARGA

DIVISOR DE TENSÃO SEM CARGA DIVISOR DE TENSÃO SEM CARGA OBJETIVOS: a) estudar o funcionamento de circuitos resistivos divisores de tensão; b) estudar o funcionamento de circuitos divisores de tensão variável. INTRODUÇÃO TEÓRICA A

Leia mais

LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1

LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1 LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO LABORATÓRIO MÓDULO I ELETRICIDADE BÁSICA TURNO NOITE CURSO TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL CARGA HORÁRIA EIXO TECNOLÓGICO CONTROLE

Leia mais

Componentes do Aparelho Celular

Componentes do Aparelho Celular Diodo Emissor de Luz O diodo emissor de luz, que tem como sigla LED é exatamente o que o seu nome sugere: Trata-se de um simples diodo, formado pela junção de dois materiais semicondutores diferentes,

Leia mais

Circuitos Magneticamente Acoplados. Prof. André E. Lazzaretti

Circuitos Magneticamente Acoplados. Prof. André E. Lazzaretti Circuitos Magneticamente Acoplados Prof. André E. Lazzaretti lazzaretti@utfpr.edu.br Ementa Função de excitação senoidal Conceitos de fasor Análise de circuitos em CA Potência em circuitos CA Circuitos

Leia mais

Resumo de Eletrodinâmica

Resumo de Eletrodinâmica Resumo de Eletrodinâmica i = Corrente Elétrica (A) Δq = quantidade de carga elétrica no fio em movimento (C = coulomb) milicoulomb: microcoulomb: nanocoulomb: n = número de elétrons e = carga elementar

Leia mais

4 Modelo Proposto para Transformador com Tap Variável e Impacto em Estudos de Estabilidade de Tensão

4 Modelo Proposto para Transformador com Tap Variável e Impacto em Estudos de Estabilidade de Tensão 4 Modelo Proposto para Transformador com Tap Variável e Impacto em Estudos de Estabilidade de Tensão A representação de equipamentos elétricos através de simples combinações de resistências e reatâncias

Leia mais

TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Graduação em Engenharia Elétrica TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROF. FLÁVIO VANDERSON GOMES E-mail: flavio.gomes@ufjf.edu.br Aula Número: 06 2 - 3 4 5 6 7 8 9 10

Leia mais

FIS1053 Projeto de Apoio Eletromagnetismo 23-Maio Lista de Problemas 12 -Circuito RL, LC Corrente Alternada.

FIS1053 Projeto de Apoio Eletromagnetismo 23-Maio Lista de Problemas 12 -Circuito RL, LC Corrente Alternada. FIS53 Projeto de Apoio Eletromagnetismo 23-Maio-2014. Lista de Problemas 12 -Circuito RL, LC Corrente Alternada. QUESTÃO 1: Considere o circuito abaixo onde C é um capacitor de pf, L um indutor de μh,

Leia mais

Tempo de Carga e Descarga de um Capacitor

Tempo de Carga e Descarga de um Capacitor Capacitores Capacitor É um componente constituído por dois condutores separados por um isolante: os condutores são chamados armaduras (ou placas) do capacitor e o isolante é o dielétrico do capacitor.

Leia mais

Instrumentação Eletroeletrônica. Prof. Afrânio Ornelas Ruas Vilela

Instrumentação Eletroeletrônica. Prof. Afrânio Ornelas Ruas Vilela Instrumentação Eletroeletrônica Prof. Afrânio Ornelas Ruas Vilela Transdutores Instrumentação Eletroeletrônica 2 Processo Instrumentação Eletroeletrônica 3 Transdutores x Sensores SENSOR: é um elemento

Leia mais

Circuitos Elétricos Corrente, Tensão, Potência e Energia

Circuitos Elétricos Corrente, Tensão, Potência e Energia Circuitos Elétricos Corrente, Tensão, Potência e Energia Prof. Alexandre Mota Prof. Lia Mota 1s2011 Conceitos Básicos Recapitulando: Importância do estudo de circuitos elétricos: todas as áreas da Engenharia

Leia mais

Transdução de Grandezas Biomédicas

Transdução de Grandezas Biomédicas Transdução de Grandezas Biomédicas Mestrado em Eng. Biomédica Docente: > Marcelino M. de Andrade A Aula! O Erro em Medidas Não existe medida realizada sem erro, e o erro poder ser somente minimizado!!!

Leia mais

Experimento #2 AMPLIFICADOR OPERACIONAL

Experimento #2 AMPLIFICADOR OPERACIONAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA Experimento #2 AMPLIFICADOR OPERACIONAL Aplicações com amplificadores

Leia mais

Circuitos Série e a Associação Série de Resistores

Circuitos Série e a Associação Série de Resistores 1 Painel para análise de circuitos resistivos CC (Revisão 00) Circuitos Série e a Associação Série de Resistores 1 2 Circuitos Série e a Associação Série de Resistores Utilizando as chaves disponíveis

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7011 ELETRICIDADE BÁSICA TURMA: 141A

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7011 ELETRICIDADE BÁSICA TURMA: 141A UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7011 ELETRICIDADE BÁSICA TURMA: 141A MONTAGEM DE UM DETECTOR DE METAIS Equipe: Wagner Fiorini Fluck - 06141048. Alex Augusto

Leia mais

PSI 2221 Práticas de Eletricidade e Eletrônica I. Experiência 1- Componentes Passivos

PSI 2221 Práticas de Eletricidade e Eletrônica I. Experiência 1- Componentes Passivos PSI 2221 Práticas de Eletricidade e Eletrônica I Experiência 1- Componentes Passivos Objetivos Poder explicar característica elétrica dominante de um componente. Conceituar o que é um componente eletrônico.

Leia mais

Circuitos Série e a Associação Série de Resistores

Circuitos Série e a Associação Série de Resistores 1 Painel para análise de circuitos resistivos DC (Revisão 00) Circuitos Série e a Associação Série de Resistores 2 O trabalho Guia de aplicação: circuito série e divisores de tensão de SILVA, Juarez B.;

Leia mais

LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1

LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1 LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO LABORATÓRIO MÓDULO I ELETRICIDADE BÁSICA TURNO NOITE CURSO TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL CARGA HORÁRIA EIXO TECNOLÓGICO CONTROLE

Leia mais

Tutorial de Eletrônica Circuito para Uso de Relé v

Tutorial de Eletrônica Circuito para Uso de Relé v Tutorial de Eletrônica Circuito para Uso de Relé v2010.05 Linha de Equipamentos MEC Desenvolvidos por: Maxwell Bohr Instrumentação Eletrônica Ltda. Rua Porto Alegre, 212 Londrina PR Brasil http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

Texto Teórico 01: ESPECIFICAÇÕES DOS COMPONENTES ELETRÔNICOS

Texto Teórico 01: ESPECIFICAÇÕES DOS COMPONENTES ELETRÔNICOS INSTITUTO FEDERAL SANTA CATARINA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CURSO DE ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES

Leia mais

ELETRÔNICA X ELETROTÉCNICA

ELETRÔNICA X ELETROTÉCNICA ELETRÔNICA X ELETROTÉCNICA ELETRÔNICA É a ciência que estuda a forma de controlar a energia elétrica por meios elétricos nos quais os elétrons têm papel fundamental. Divide-se em analógica e em digital

Leia mais

Resistor e resistência

Resistor e resistência LEIS DE OHM Resistor e resistência O resistor é um dispositivo cujas principais funções são: dificultar a passagem da corrente elétrica e transformar energia elétrica em energia térmica por efeito Joule.

Leia mais

TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m

TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m ELETRÔNICA TEMPO TOTAL APLICADO: h m www.ctaeletronica.com.br TOTAL PONTOS M1-40 TURMA Nome: Data: / Hora: h m às h m. * Preencha as lacunas de acordo com o texto da apostila e assinale a alternativa correspondente:

Leia mais

O símbolo usado em diagramas de circuito para fontes de tensão é:

O símbolo usado em diagramas de circuito para fontes de tensão é: Circuitos Elétricos Para fazer passar cargas elétricas por um resistor, precisamos estabelecer uma diferença de potencial entre as extremidades do dispositivo. Para produzir uma corrente estável é preciso

Leia mais

EXERCÍCIOS DE TREINAMENTO

EXERCÍCIOS DE TREINAMENTO 1. (G1) O que é um farad (F)? EXERCÍCIOS DE TREINAMENTO RSE 2. (Unesp) São dados um capacitor de capacitância (ou capacidade) C, uma bateria de f.e.m. e dois resistores cujas resistências são, respectivamente,

Leia mais

Instrumentação Eletrônica TE149. Prof. Marlio Bonfim UFPR 2 semestre 2013

Instrumentação Eletrônica TE149. Prof. Marlio Bonfim UFPR 2 semestre 2013 Instrumentação Eletrônica TE149 Prof. Marlio Bonfim UFPR 2 semestre 2013 Instrumentação Eletrônica Sinais elétricos Mundo Mundo Real Real Grandezas Físicas Físicas Sensor Atuador Condicionamento e Processamento

Leia mais