Maria Edutania Skroski Castro

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Maria Edutania Skroski Castro"

Transcrição

1 2 Encontro Científico de Central de Material e Esterilização ATUALIZANDO-SE HUMAN SP GERENCIAMENTO DE RISCO OCUPACIONAL NA CME Maria Edutania Skroski Castro

2 RISCO Possibilidade de perigo, incerto mas previsível, que ameaça de dano a pessoa ou a coisa. Risco profissional: perigo inerente ao exercício de certas profissões, o qual é compensado pela taxa adicional de periculosidade. A risco de, com risco de: em perigo de. A todo o risco: exposto a todos os perigos. Correr risco: estar exposto a. MICHAELIS

3 GESTÃO DO RISCO Princípio: os riscos podem ser controlados através de alternativas que podem ser combinadas de diversas maneiras

4 RISCOS NA CME FALHAS NO PROCESSO HUMANAS MECÂNICAS BIOLÓGICOS OCUPACIONAIS QUÍMICOS FISICOS ERGONÔMICOS

5 RISCO OCUPACIONAL NA CME BIOLÓGICOS QUÍMICOS Exposição a sangue/líquidos corporais perfurocortantes Detergentes, desinfetantes, lubrificantes...

6 FISICOS RISCO OCUPACIONAL NA CME Calor (autoclaves, termodesinfectadoras, secadoras) ERGONÔMICOS trabalho repetitivo condições de trabalho: cadeiras, pia, mesas (altura, profundidade,..) peso de caixas, baldes condições ambientais: temperatura, iluminação e umidade demanda, fluxo, mais valia

7 RISCOS ERGONÔMICOS LER, DORT

8 RISCO OCUPACIONAL Proteção e Prevenção EPIs adequados Imunização Seleção de produtos Seleção de insumos Distribuição, demanda de atividades Altura de mobiliários e equipamentos Apoios

9 RISCOS NO PROCESSAMENTO RELACIONADOS A: FINALIDADE E DESAFIOS NA ESTERILIZAÇÃO DE MATERIAIS FINALIDADE: produto estéril com funcionamento e desempenho garantidos DESAFIOS: controle das variáveis que interferem no processo condicionantes do resultado Esterilização: limpeza, compatibilidade, embalagem, carregamento do esterilizador, parâmetros críticos da esterilização, descarregamento Manutenção da esterilidade: descarregamento, embalagem, manuseio, estocagem, controle de estocagem Limpeza: bioburden, tempo entre o uso e a limpeza (ressecamento do material biológico, remoção da sujidade (orgânica e inorgânica), secagem, manutenção da integridade e funcionalidade.

10 CONDICIONANTES DA LIMPEZA 1. Matéria orgânica úmida Tipo, quantidade 2. Detergente a) Tipo (enzimático, alcalino, neutro,..) b) Água (temperatura, composição,..) c) Diluição d) Reuso 3. Escova Tipo, design, cerdas (dureza, quantidade, arranjo,..) 4. Ultrassom Degaseificação, detergente, densidade do material, carga, 5. Limpeza Automatizada: carga, tempo,...

11 CONDICIONANTES DA EMBALAGEM 1. Tipo (SMS, crepado, grau cirúrgico, conteiner, tecido,..) 2. Distribuição dos materiais na embalagem 3. Proporção embalagem e volume dos materiais 4. Selagem/seladora, dobra, encaixe, 5. Técnica de confecção que garanta abertura asséptica 6. Compatibilidade com o agente esterilizante e os materiais 7. Permissão para fixação de etiquetas adesivas e indicadores

12 BIOFILME O QUE É

13 BIOFILME CORROSÃO EM INSTRUMENTAL

14 BIOFILME CORROSÃO EM INSTRUMENTAL 1200 x

15 Cateteres Reprocessados com Glutaraldeído BIOFILME BOURASSA et al. Circulation 1976

16 BIOFILME

17 BIOFILME Pseudomonas aeruginosa, P. fluorescens and Klebsiella pneumoniae

18 BIOFILME Staphylococcus epidermidis cobertos com glicocalix e fixados na superfície de um cateter

19 BIOFILME

20 ETAPAS DA LIMPEZA Pré lavagem Lavagem Enxágue Secagem

21 LIMPEZA MANUAL Detergente Desincrostante Escovas Gaze Compressa Água Ar comprimido Pistolas e Bicos nas Torneiras Álcool

22 A TÉCNICA

23 PRODUTOS PARA LIMPEZA Detergente - Comum - Enzimático - Alcalino - Liberador de H 2 O 2

24 Detergente Enzimático COMPOSIÇÃO PROTEASE AMILASE LIPASE CARBOIDRASE

25 PRODUTOS PARA LIMPEZA Esponjas Compressas Gaze Escovas

26 ESCOVAS Cerdas macias em nailon Haste ou base em metal ou em plástico

27 ESCOVAS Maria Edutania Skroski Castro

28 ESCOVAS

29

30 Maria Edutania Skroski Castro

31 Esponja de Limpeza de Endoscópios

32 ÁGUA Torneira Controle microbiológico e físico químico fitro Osmose Reversa Destilada

33 LIMPEZA Pistolas e Bicos nas Torneiras para limpeza de lúmens

34 MÁQUINAS LAVADORAS Cuba Ultrassom e Canulados ULTRASSÖNICAS Pistola de ar

35 Cubas Baldes Recipientes Internos Vazados

36 LIMPEZA AUTOMATIZADA Máquinas lavadoras para acessórios Ultrassom para acessórios Irrigação de água com pressão, em pulsos

37 LAVADORA ULTRASSÔNICA

38 MÁQUINAS LAVADORAS TERMODESINFECTADORAS Maria Edutania Skroski Castro

39 VALIDAÇÃO E MONITORAMENTO DA LIMPEZA

40 HEMO CHECK Teste para Monitoramento de de Sangue em superfícies Reação enzimática para rápida alteração de cor e baixo limite de detecção. Alteração de cor para azul esverdeado indicando resíduode sangue até 0,1 μg dentro de 30 segundos. Detecta resíduos de sangue em instrumentais e superfícies.

41 100 ug 10 ug 1 ug 0,1 ug Controle

42 LUM CHECK-CANLADOSCANLADOS

43 TOSI Validação e monitoramento rotineiro da eficácia de limpeza das termodesinfectoras

44 INSPEÇÃO DA LIMPEZA monitoramento e validação LUPA

45 INSPEÇÃO DA LIMPEZA Tela do Computador monitoramento e validação MICROSCÓPIO

46 Fio Guia para Hemodinâmica

47 Cateter de Hemodinâmica

48 ESTERILIZAÇÃO Monitorização Mecânica Monitorização Química Monitorização Biológica Teste de Ar Residual em Autoclaves de Pré- Vácuo Recall Medidas de Controle de Qualidade Manutenção Validação

49 Monitoramento Mecânico Painel de Controle

50 MONITORAMENTO QUÍMICO Indicador Químico de Processo Indicador Químico Multiparamétrico Indicador Químico Integrador Indicador Químico Emulador

51 Teste de Bowie-Dick SÓ EM AUTOCLAVE DE ALTO VÁCUO!!!!!!

52 Esterilização Teste de Bowie - Dick Pilha de Campos 30,48 cm 25,4 cm a 27,9 cm Folha-teste de Bowie-Dick ou Folha com Fita Autoclave 22,86cm Fonte:AAMI

53 MONITORAMENTO BIOLÓGICO-IBIB

54 QUAIS SÃO AS CARACTERÍSTICAS DA QUALIDADE DA ESTERILIZAÇÃO? pessoal treinado, capacitado e reciclado parâmetros críticos controlados padrões do processo escritos e disponíveis arquivo de registros dos controles

55 COMO MENSURAR A QUALIDADE DA ESTERILIZAÇÃO? Organização dos arquivos Organização do serviço Higiene e organização do ambiente Higiene e comportamento da equipe Intervenção nos resultados dos controles da esterilização

56 OS RISCOS NA CME ESTÃO ASSOCIADOS À: VARIÁVEIS DE CADA ETAPA DO PROCESSO DIVERSIDADE COMPLEXIDADE CONHECIMENTO COMPROMETIMENTO RESPONSABILIDADE GARANTIAS?

Indicadores de Limpeza O que há de novo? Andréa Alfaya Acuña andrea.acuna@hsl.org.br

Indicadores de Limpeza O que há de novo? Andréa Alfaya Acuña andrea.acuna@hsl.org.br Indicadores de Limpeza O que há de novo? Andréa Alfaya Acuña andrea.acuna@hsl.org.br Indicadores São valores ou variáveis associadas a uma atividade que nos indicam alguma relação, são medidas quantitativas

Leia mais

CHECK LIST MICROPROCESSO ESTERILIZAÇÃO DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS

CHECK LIST MICROPROCESSO ESTERILIZAÇÃO DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS CHECK LIST MICROPROCESSO ESTERILIZAÇÃO DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS DISA: DATA: UNIDADE: RECURSOS HUMANOS ÍTEM AVALIAÇÃO FORMA DE VERIFICAÇÃO EM CONFORMI DADE NÃO CONFORMI DADE OBSERVAÇÃO 1) A unidade

Leia mais

Limpeza e Esterilização: normatizações aplicáveis à RDC 15 André Cabral

Limpeza e Esterilização: normatizações aplicáveis à RDC 15 André Cabral André Cabral Divisão de Prevenção de Infecção 3M do Brasil Prezados Colegas, O processamento de produtos para saúde é uma atividade que requer conhecimento e embasamento científico necessitando atualização

Leia mais

TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Central de Material Esterilizado. 11.8x. março de 2015 Versão: 3.0

TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Central de Material Esterilizado. 11.8x. março de 2015 Versão: 3.0 TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Central de Material Esterilizado 11.8x março de 2015 Versão: 3.0 1 Sumário 1 Objetivos... 4 2 Introdução... 4 3 Cadastros... 5 3.1 Cadastros de Unidades de CME...

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM CONSULTÓRIOS MÉDICOS. Alessandra Lima

BOAS PRÁTICAS EM CONSULTÓRIOS MÉDICOS. Alessandra Lima BOAS PRÁTICAS EM CONSULTÓRIOS MÉDICOS Alessandra Lima PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DOS 2005: 5 ENF 2006: 2 ENF 2007: 3 ENF CONSULTÓRIOS MÉDICOS 2009: 2 ENF 2008 3 ENF Necessidade de mudança do foco: Preocupação

Leia mais

O que é o CME? Segundo a RDC 15, a CME é classificada como: Unidade funcional destinada ao processamento de produtos para saúde dos serviços de saúde.

O que é o CME? Segundo a RDC 15, a CME é classificada como: Unidade funcional destinada ao processamento de produtos para saúde dos serviços de saúde. O que é o CME? Segundo a RDC 15, a CME é classificada como: Unidade funcional destinada ao processamento de produtos para saúde dos serviços de saúde. A CME é uma unidade nobre do hospital responsável

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções Manual de Instruções Kit de Instrumental para Cirurgia do Túnel do Carpo VOLMED Nome Técnico: KIT CIRÚRGICO Fabricante: VOLMED BRASIL EQUIPAMENTOS LTDA -ME AV. SÃO GABRIEL, 291 JD. PAULISTA CEP: 13574-540

Leia mais

Arquitetura do CME: seguindo as recomendações da RDC 15-15/03/12 Nome do autor

Arquitetura do CME: seguindo as recomendações da RDC 15-15/03/12 Nome do autor Arquitetura do CME: seguindo as recomendações da RDC 15-15/03/12 Nome do autor Rosa M. P. Fonseca Supervisora do CC / CME do Hospital Paulistano Diretora do conselho Fiscal da SOBECC gestão 2013-2015 200

Leia mais

Reprocessamento de artigos médicos-hospitalares: fatores críticos de sucesso para a limpeza e desinfecção

Reprocessamento de artigos médicos-hospitalares: fatores críticos de sucesso para a limpeza e desinfecção Reprocessamento de artigos médicos-hospitalares: fatores críticos de sucesso para a limpeza e desinfecção 45 45 1 A legislação Brasileira (mais recentes) RDC 156 de 2006 RE-2605 de 2006 RE-2606 de 2006

Leia mais

ATIVIDADES DE ENFERMAGEM NO CENTRO DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO: SUBSÍDIOS PARA O DIMENSIONAMENTO DE PESSOAL

ATIVIDADES DE ENFERMAGEM NO CENTRO DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO: SUBSÍDIOS PARA O DIMENSIONAMENTO DE PESSOAL ATIVIDADES DE ENFERMAGEM NO CENTRO DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO: SUBSÍDIOS PARA O DIMENSIONAMENTO DE PESSOAL Janaína Anchieta Costa Enfermeira Mestre em Enfermagem na área de Administração em Serviços de

Leia mais

CENTRAL DE MATERIAL ESTERILIZADO

CENTRAL DE MATERIAL ESTERILIZADO CENTRAL DE MATERIAL ESTERILIZADO Clique para editar o estilo do subtítulo mestre Sala de Preparo e Esterilização Equipe: Carla, Marcela e Maria Cristina 6º Período de Enfermagem UNIS Sala de preparo A

Leia mais

CUIDADOS NAS ETAPAS DO PROCESSAMENTODOS ARTIGOS EM CME

CUIDADOS NAS ETAPAS DO PROCESSAMENTODOS ARTIGOS EM CME CUIDADOS NAS ETAPAS DO PROCESSAMENTODOS ARTIGOS EM CME II SIMPÓSIO NORTE/NORDESTE DE ENFERMAGEM EM CENTRO CIRÚRGICO, RECUPERAÇÃO ANESTÉSICA E CENTRO DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO NADJA FERREIRA Enfermeira

Leia mais

PROTOCOLO DE AVALIAÇAO TÉCNICA DE PREPARAÇÕES ENZIMATICAS EM LAVADORAS AUTOMÁTICAS E LAVAGEM MANUAL

PROTOCOLO DE AVALIAÇAO TÉCNICA DE PREPARAÇÕES ENZIMATICAS EM LAVADORAS AUTOMÁTICAS E LAVAGEM MANUAL Hospital e Maternidade Municipal Dr. Adelmo Leão Carneiro. Data:1/10/2011 Responsáveis: Enf.ª Aparecida Gomes e Fabiana Comparativo: Detergente Enzimático Riozime Neutro Plus e Endozime Xtreme Power (XP)

Leia mais

Centro de material e esterilização e a RDC ANVISA nº15 Análise e pontos críticos. Rafael Queiroz de Souza

Centro de material e esterilização e a RDC ANVISA nº15 Análise e pontos críticos. Rafael Queiroz de Souza Centro de material e esterilização e a RDC ANVISA nº15 Análise e pontos críticos Rafael Queiroz de Souza São Paulo 2014 Aspectos críticos Críticos no bom sentido... Gestão de ambientes Gestão de pessoas

Leia mais

PROCESSAMENTO DE ENDOSCÓPIO. Nome do autor. Patrícia M.T.

PROCESSAMENTO DE ENDOSCÓPIO. Nome do autor. Patrícia M.T. PROCESSAMENTO DE ENDOSCÓPIO Nome do autor Patrícia M.T. Abib Os Procedimentos Endoscópicos são métodos utilizados para diagnósticos precisos e terapias invasivas de várias especialidades, incluindo gastroenterologia,

Leia mais

Recomendações do grupo de qualidade (38) - Checklist para preparação de visitas pelas autoridades de inspeção competentes

Recomendações do grupo de qualidade (38) - Checklist para preparação de visitas pelas autoridades de inspeção competentes Recomendações do grupo de qualidade (38) - Checklist para preparação de visitas pelas autoridades de inspeção competentes 223 ZENTRALSTERILISATION 13. Jahrgang 2005 O grupo de qualidade promoveu um checklist

Leia mais

Áreas semicríticas: Áreas não críticas: Áreas críticas: CENTRAL DE MATERIAL LIMPEZA, DESINFECÇÃO e ESTERILIZAÇÃO

Áreas semicríticas: Áreas não críticas: Áreas críticas: CENTRAL DE MATERIAL LIMPEZA, DESINFECÇÃO e ESTERILIZAÇÃO CENTRAL DE MATERIAL LIMPEZA, DESINFECÇÃO e ESTERILIZAÇÃO COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - COVISA GERÊNCIA DO CENTRO DE CONTROLE E PREVENÇÃO DE DOENÇAS - CCD NÚCLEO MUNICIPAL DE CONTROLE DE INFECÇÃO

Leia mais

A Monitorização do Processo

A Monitorização do Processo A Monitorização do Processo Ana Rita Martins DIL/UI 22 anos de serviço público com valores e ética Reprocessamento Novo processamento de algo que já foi processado anteriormente ou Processar mais uma vez

Leia mais

PORTARIA Nº 500 DE 2010

PORTARIA Nº 500 DE 2010 PORTARIA Nº 500 DE 2010 Regulamento técnico para Processamento de artigos por método físico em estabelecimentos sujeitos à Vigilância Sanitária no RS A SECRETÁRIA DA SAÚDE DO RIO GRANDE DO SUL, no uso

Leia mais

Guia de referência para limpeza, desinfecção e esterilização de artigos em Serviços de Saúde

Guia de referência para limpeza, desinfecção e esterilização de artigos em Serviços de Saúde Guia de referência para limpeza, desinfecção e esterilização de artigos em Serviços de Saúde Paulo Hartung GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Guia de referência para limpeza, desinfecção e esterilização

Leia mais

O que muda na CME com a RDC nº 15 de 15/03/2012

O que muda na CME com a RDC nº 15 de 15/03/2012 O que muda na CME com a RDC nº 15 de 15/03/2012 Supervisora do CC, CME e AGT do Hospital Paulistano Mestre em Enfermagem em Saúde do Adulto pela EEUSP Especialista em CC, RPA e CME pela SOBECC Especialização

Leia mais

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Interpretação

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Interpretação Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Interpretação 1. Objetivos Interpretar os requisitos das normas ISO 22000:2005; ISO TS 22002-1:2012 e requisitos adicionais da FSSC 22000. Desenvolver habilidades para

Leia mais

Adaptador Digital; Chave Digital. Sextavada; Chave Digital. Transferente; Chave de Catraca. com Referência de Torque; Conexão Catraca Fenda;

Adaptador Digital; Chave Digital. Sextavada; Chave Digital. Transferente; Chave de Catraca. com Referência de Torque; Conexão Catraca Fenda; instrumentos Kit Cirúrgico Instrumentos confeccionados em aço cirúrgico Estojo autoclavável Indicação de broca e do paralelizador referentes e ao diâmetro do implante através do de cores Instrumentos com

Leia mais

Controle do processo de esterilização: Monitoramento físico, químico e biológico.

Controle do processo de esterilização: Monitoramento físico, químico e biológico. 2º WORKSHOP DE PROCESSAMENTO DE ARTIGOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE CONTAGEM-MG Controle do processo de esterilização: Monitoramento físico, químico e biológico. TERESINHA NEIDE DE OLIVEIRA A Verdadeira obra

Leia mais

Portfólio. Portfólio. Portfólio

Portfólio. Portfólio. Portfólio Portfólio Portfólio Portfólio CICLO DE REPROCESSAMENTO DOS ENDOSCÓPIOS FLEXÍVEIS Procedimento Endoscópio Transporte de Endoscópio Desinfetado Transporte de Endoscópio Contaminado Armazenamento Limpeza

Leia mais

Manual de Procedimentos Norma n.º 5 - Esterilização Procedimento n.º 1 Pré Lavagem dos Dispositivos Médicos Contaminados

Manual de Procedimentos Norma n.º 5 - Esterilização Procedimento n.º 1 Pré Lavagem dos Dispositivos Médicos Contaminados 2014 1.Enquadramento: A limpeza dos dispositivos médicos contaminados (DMC) é, de acordo com a Norma n.º 2 Descontaminação de Dispositivos Médicos e Equipamentos 1, o processo que inclui a lavagem, o enxaguamento

Leia mais

Análise do desempenho

Análise do desempenho Validação de Equipamentos em CME Análise do desempenho Conforme a RDC 15 Validação de Equipamentos em CME APRESENTAÇÃO Luciano Manoel - Especialista em processos de Qualificação de Equipamentos, com experiência

Leia mais

Enfª Karin Bienemann

Enfª Karin Bienemann Enfª Karin Bienemann CONCEITOS BÁSICOS: CME É uma unidade voltada à prestação de serviços, onde é realizado o trabalho de limpeza, montagem, embalagem, esterilização e armazenamento de materiais. LIMPEZA

Leia mais

Eng. Paulo Roberto Laranjeira

Eng. Paulo Roberto Laranjeira Eng. Paulo Roberto Laranjeira 02/04/2014 April 2014 Enf. Giovana Abrahão de Araújo Moriya e-mail: giovana.moriya@einstein.br - Tel: 11-97166-2521 Quais os passos? RDC NO 15, DE 15 DE MARÇO DE 2012 Dispõe

Leia mais

Pergunta: Anexo PDF Pedido esclarecimento ITEM 2_HStrattner. Resposta: Anexo (arquivo Word) Reposta ao Esclarecimento STRATTNER.

Pergunta: Anexo PDF Pedido esclarecimento ITEM 2_HStrattner. Resposta: Anexo (arquivo Word) Reposta ao Esclarecimento STRATTNER. Perguntas e Respostas Pregão Presencial Nº 003/2013 Aquisição de Lavadora Termodesinfectora, Lavadora Ultrassônica e Secadora de Traquéias e utensílios para o I.I. Emílio Ribas II Baixada Santista (SP).

Leia mais

Profª Dra. Kazuko Uchikawa Graziano

Profª Dra. Kazuko Uchikawa Graziano PROTOCOLOOPERACIONALPADRÃO (POP) para processamento de materiais utilizados nos exames de videonasoscopia, videolaringoscopia e videonasolaringoscopia nos consultórios e serviços de otorrinolaringologia

Leia mais

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos 1. Interpretar os requisitos das normas ISO 22000:2005; ISO TS 22002-1:2012 e requisitos adicionais da FSSC 22000. Fornecer diretrizes

Leia mais

BIOSSEGURANÇA/RISCO. S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco.

BIOSSEGURANÇA/RISCO. S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco. BIOSSEGURANÇA/RISCO S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco. SIGLÁRIO ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária CAT Comunicação de Acidente de Trabalho CDC Centro

Leia mais

INSTRUÇÃO DE USO. Registro ANVISA n 80083650061 - Revisão 00

INSTRUÇÃO DE USO. Registro ANVISA n 80083650061 - Revisão 00 Luiz Guilherme Sartori & Cia Ltda. EPP CNPJ: 04.861.623/0001-00 Estr. Municipal RCL-010 nº. 13500, Km 9 Ajapi - Rio Claro/SP - Resp. Téc.: Charles Eduardo Ceccato CREA/SP: 5062635520 Visando a praticidade

Leia mais

Higiene Hospitalar no HSL

Higiene Hospitalar no HSL Higiene Hospitalar no HSL Compartilhando nossa experiência Enfa. Gizelma de A. Simões Rodrigues Superintendencia de Atendimento e Operações Enf./Atend./Hosp. Gerencia de Hospedagem Gestão Ambiental Coordenação

Leia mais

Divisão de Enfermagem CME Página 1 de 6 Título do Procedimento: Limpeza concorrente e terminal da CME

Divisão de Enfermagem CME Página 1 de 6 Título do Procedimento: Limpeza concorrente e terminal da CME Divisão de Enfermagem CME Página 1 de 6 Freqüência em que é realizado: Diário/semanal/quinzenal/mensal Profissional que realiza: Auxiliar ou Técnico de Enfermagem e servidor da empresa terceirizada de

Leia mais

PASSO 3: Esterilização de produtos novos Antes de serem utilizados em cirurgias, os produtos novos devem ser limpos de forma descrita no Passo 1.

PASSO 3: Esterilização de produtos novos Antes de serem utilizados em cirurgias, os produtos novos devem ser limpos de forma descrita no Passo 1. Instrução de Uso KIT INSTRUMENTAL PARA FIXADOR EXTERNO PROCALLUS Indicação de Uso e Finalidade O Kit Instrumental para Fixador Externo Procallus tem por finalidade fornecer ao cirurgião os instrumentos

Leia mais

SISTEMAS DE PISO EPOXI

SISTEMAS DE PISO EPOXI SISTEMAS DE PISO EPOXI PRODUTO DESCRIÇÃO VEC-601 TUBOFLOOR TEE-556 AUTONIVELANTE Selador epóxi de dois componentes de baixa viscosidade. Revestimento epóxi com adição de sílica para regularização de pisos.

Leia mais

Plano Escrito de Procedimentos. Monitorização Ações corretivas Verificação Registros

Plano Escrito de Procedimentos. Monitorização Ações corretivas Verificação Registros Profª Celeste Viana Plano Escrito de Procedimentos (requisitos das BPF) Monitorização Ações corretivas Verificação Registros PPHO 1 Potabilidade da água PPHO 2 PPHO 3 PPHO 4 PPHO 5 PPHO 6 Higiene das superfícies

Leia mais

PROCEDIMENTOS OPERACIONAL PADRÃO CENTRAL DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO

PROCEDIMENTOS OPERACIONAL PADRÃO CENTRAL DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO PROCEDIMENTOS OPERACIONAL PADRÃO CENTRAL DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO 1 SUMÁRIO 1. Controle da data limite de uso dos materiais esterilizados 3 2. Desinfecção química de artigos com ácido peracético 4 3.

Leia mais

Luiz Carlos da Fonseca e Silva

Luiz Carlos da Fonseca e Silva Legislação Centro de Material e Esterilização Consulta Pública 64/2011 Luiz Carlos da Fonseca e Silva Racional Teórico Segurança do Paciente; Segurança Ocupacional; Espaço Técnico de Trabalho; Equipamentos

Leia mais

LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE ARTIGO MÉDICO-HOSPITALAR

LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE ARTIGO MÉDICO-HOSPITALAR VI Curso Preparatório para a Prova de Título de Especialista - SOBECC LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE ARTIGO MÉDICO-HOSPITALAR Simone Batista Neto Arza Enfª Coord. CME ICESP CONCEITOS BÁSICOS Microorganismos:

Leia mais

CURSO DE PROCESSAMENTO DE MATERIAIS MÉDICO-HOSPITALARES EDUCAÇÃO CONTINUADA MÓDULO II E ODONTOLÓGICOS

CURSO DE PROCESSAMENTO DE MATERIAIS MÉDICO-HOSPITALARES EDUCAÇÃO CONTINUADA MÓDULO II E ODONTOLÓGICOS CURSO DE PROCESSAMENTO DE MATERIAIS MÉDICO-HOSPITALARES E ODONTOLÓGICOS EDUCAÇÃO CONTINUADA MÓDULO II Autoclave Vapor saturado sob pressão Denise Demarzo Curitiba, 17 de novembro de 2010-2010 CME Uso Esterilização,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CME DENTRO DA CIRURGIA SEGURA

A IMPORTÂNCIA DA CME DENTRO DA CIRURGIA SEGURA 19. A IMPORTÂNCIA DA CME DENTRO DA CIRURGIA SEGURA Enf.ª M.Sc. Elaine Lasaponari COREN SP.nº68.582 CME E CIRURGIA SEGURA : UMA EXIGÊNCIA NO SÉCULO XXI Cultura para cirurgia Cirurgia segura Segura Pode

Leia mais

Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde/Infec

Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde/Infec Secretaria Estadual de Saúde Centro Estadual de Vigilância em Saúde Divisão de Vigilância Sanitária Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde/Infec Serviço de Endoscopia Prevenção e Controle de

Leia mais

PROCESSAMENTO DE PRODUTOS MÉDICOS UTILIZADOS EM ENDOSCOPIA DIGESTIVA

PROCESSAMENTO DE PRODUTOS MÉDICOS UTILIZADOS EM ENDOSCOPIA DIGESTIVA PROCESSAMENTO DE PRODUTOS MÉDICOS UTILIZADOS EM ENDOSCOPIA DIGESTIVA Foram inseridas as definições pertinentes ao PROCESSAMENTO da RE 2606/2006 e da RDC 6/2013, mantendo a numeração presente nas respectivas

Leia mais

Última revisão: 03/08/2011 ROTINA DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE ARTIGOS

Última revisão: 03/08/2011 ROTINA DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE ARTIGOS Protocolo: Nº 23 ELABORADO POR: Frederico Willer Ubiratam Lopes Última revisão: 03/08/2011 Revisores: Manoel Emiliano Ubiratam Lopes Wilhma Alves Frederico Willer ROTINA DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE ARTIGOS

Leia mais

Elaborado por: Verificado por: Aprovado por: Profª Drª Josefa M. N. Rocha Coordenadora de Laboratórios de Saúde

Elaborado por: Verificado por: Aprovado por: Profª Drª Josefa M. N. Rocha Coordenadora de Laboratórios de Saúde D O AM B U L AT O R I O E S C O L A D R V AL T E R Elaborado por: Verificado por: Aprovado por: Profª Drª Josefa M. N. Rocha Coordenadora de Laboratórios de Saúde Esp. Cristiano da Silva Granadier Coordenador

Leia mais

Central de Material e Esterilização

Central de Material e Esterilização Central de Material e Esterilização Um pouco de história... 1536 - Ambroise Paré: cirurgiões barbeiros substituíram o tratamento de feridas com pó de múmia para limpeza e aplicação de gemas de ovo e essências

Leia mais

BIOSSEGURANÇA NA PRÁTICA ODONTOLÓGICA

BIOSSEGURANÇA NA PRÁTICA ODONTOLÓGICA Diretoria Geral de Odontologia CEPO PEC-ASB BIOSSEGURANÇA NA PRÁTICA ODONTOLÓGICA Processamento de artigos e superfícies. Ao final desta aula você deverá estar apto a: Conhecer os métodos e os produtos

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE MANUAL DE ROTINAS E PROCEDIMENTOS - ODONTOLOGIA

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE MANUAL DE ROTINAS E PROCEDIMENTOS - ODONTOLOGIA INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE MANUAL DE ROTINAS E PROCEDIMENTOS - ODONTOLOGIA Este material tem como objetivo básico servir como sugestão para elaboração do Manual de Rotinas e Procedimentos para Estabelecimentos

Leia mais

Indicadores de Qualidade no CME Quality indicators in the CME Indicadores de la calidad em CME

Indicadores de Qualidade no CME Quality indicators in the CME Indicadores de la calidad em CME Indicadores Qualida no CME Quality indicators in the CME Indicadores la calidad em CME Silma Pinheiro Belo Horizonte, MG Brasil silma@uol.com.br Objetivo: discutir princípios da qualida aplicados ao CME

Leia mais

Como fazer a escolha correta do detergente enzimático e quais os cuidados para o uso

Como fazer a escolha correta do detergente enzimático e quais os cuidados para o uso Como fazer a escolha correta do detergente enzimático e quais os cuidados para o uso Enfa. Dra. ROSA AIRES BORBA MESIANO Coordenadora de Controle e Monitoramento de saneantes Gerência Geral de Saneantes

Leia mais

Esterilização de Baixa Temperatura e Uso de Termodesinfectora: Práticas x Resoluções

Esterilização de Baixa Temperatura e Uso de Termodesinfectora: Práticas x Resoluções Esterilização de Baixa Temperatura e Uso de Termodesinfectora: Práticas x Resoluções 1 Legislações pertinentes: RDC156:2006 (reprocessamento) RE 2605:2006 (lista de proibições) RE2606:2006 (protocolo de

Leia mais

Instruções de Uso ESTOJOS AUTOCLA- VÁVEIS

Instruções de Uso ESTOJOS AUTOCLA- VÁVEIS Instruções de Uso ESTOJOS AUTOCLA- VÁVEIS Os estojos autoclaváveis são usados para acondicionamento, guarda e garantir a esterilização segura na autoclavagem. Foram desenvolvidos em materiais que suportam

Leia mais

ENCONTRO SOBRE PROCESSAMENTO DE MATERIAIS MÉDICO-HOSPITALARES E ODONTOLÓGICOS LIMPEZA E PREPARO DE MATERIAIS

ENCONTRO SOBRE PROCESSAMENTO DE MATERIAIS MÉDICO-HOSPITALARES E ODONTOLÓGICOS LIMPEZA E PREPARO DE MATERIAIS ENCONTRO SOBRE PROCESSAMENTO DE MATERIAIS MÉDICO-HOSPITALARES E ODONTOLÓGICOS LIMPEZA E PREPARO DE MATERIAIS CONTROLE DO PROCESSO: MONITORAMENTO DA LIMPEZA (RESULTADO) Enfa.TERESINHA NEIDE DE OLIVEIRA

Leia mais

LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO DE ARTIGOS COMO MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE INFECÇÕES RELACIONADAS À ASSISTÊNCIA À SAÚDE IRAS

LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO DE ARTIGOS COMO MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE INFECÇÕES RELACIONADAS À ASSISTÊNCIA À SAÚDE IRAS LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO DE ARTIGOS COMO MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE INFECÇÕES RELACIONADAS À ASSISTÊNCIA À SAÚDE IRAS Ana Luiza Rammé IRAS - multifatorial Relacionado ao Paciente Relacionado

Leia mais

TRATAMENTO DE EQUIPAMENTO E MATERIAL DE ENDOSCOPIA

TRATAMENTO DE EQUIPAMENTO E MATERIAL DE ENDOSCOPIA HOSPITAL DE SANTA MARIA COMISSÃO DE CONTROLO DA INFECÇÃO HOSPITALAR Piso 6, Tel. 5401/1627 Recomendação n.º 09/2002 TRATAMENTO DE EQUIPAMENTO E MATERIAL DE ENDOSCOPIA Um dos principais problemas que se

Leia mais

GETINGE FD1600 LAVADORA DE DESCARGA COM ABERTURA FRONTAL

GETINGE FD1600 LAVADORA DE DESCARGA COM ABERTURA FRONTAL GETINGE FD1600 LAVADORA DE DESCARGA COM ABERTURA FRONTAL 2 Getinge FD1600 Getinge FD1600 3 COMBATENDO A INFECÇÃO CRUZADA DE MANEIRA SIMPLES E EFETIVA Com seu projeto moderno e atraente, operação fácil

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO CIRÚRGICA RGICA RESPONSABILIDADE COMPARTILHADA INSTRUMENTADOR CIRÚRGICO A INSTRUMENTAÇÃO CIRÚRGICA: é uma atividade de enfermagem, não sendo entretanto, ato privativo da mesma e que o profissional

Leia mais

GUIA SOLUÇÕES LABNEWS

GUIA SOLUÇÕES LABNEWS Soluções Labnews para cumprir a RDC 15/2012 Peocupação e cuidado com o meio ambiente Todo cuidado para você ter toda segurança é o compromisso da Labnews e por isso temos um cuidado especial com o nosso

Leia mais

Reunião o dos Serviços de Controle de Infecçã. ção o Hospitalar dos Hospitais Municipais de São S o Paulo Ano 2013. Equipe Técnica: T.

Reunião o dos Serviços de Controle de Infecçã. ção o Hospitalar dos Hospitais Municipais de São S o Paulo Ano 2013. Equipe Técnica: T. Reunião o dos Serviços de Controle de Infecçã ção o Hospitalar dos Hospitais Municipais de São S o Paulo Ano 2013 Equipe Técnica: T -Ingrid Weber Neubauer -Maria Angela Kfouri S.G.Tenis -Maria do Carmo

Leia mais

CONTROLE E TESTES LIMPEZA ESTERILIZAÇÃO DOCUMENTAÇÃO. SeleçÃo. Indicadores Quimico de Limpeza M0100-810-101 M0100-810-201 M0100-810-112 M0100-810-212

CONTROLE E TESTES LIMPEZA ESTERILIZAÇÃO DOCUMENTAÇÃO. SeleçÃo. Indicadores Quimico de Limpeza M0100-810-101 M0100-810-201 M0100-810-112 M0100-810-212 SeleçÃo Indicadores Quimico de Limpeza M0100-810-101 M0100-810-201 M0100-810-112 M0100-810-212 CONTROLE E TESTES Dispositivos de Desafio e Suportes M0102-800-111 M0102-800-102 M0102-800-116 Indicadores

Leia mais

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais,

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, DECRETO N.º 23915, DE 13 DE JANEIRO DE 2004 DISPÕE SOBRE O LICENCIAMENTO SANITÁRIO A QUE ESTÃO SUJEITOS OS SALÕES DE CABELEIREIROS, OS INSTITUTOS DE BELEZA, ESTÉTICA, PODOLOGIA E ESTABELECIMENTOS CONGÊNERES;

Leia mais

Segurança a no reprocessamento de materiais cirúrgicos

Segurança a no reprocessamento de materiais cirúrgicos Segurança a no reprocessamento de materiais cirúrgicos rgicos Eliane Molina Psaltikidis Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza Tecnologia em cirurgia Avanço muito veloz Técnicas Instrumentais

Leia mais

1. GES 11: Produção de sais de níquel do metal níquel

1. GES 11: Produção de sais de níquel do metal níquel 1. GES 11: Ciclo de vida Título resumido livre Uso final DU (usuário à jusante) do metal níquel Produção de sais de níquel a serem usados na produção de catalisadores Título sistemático baseado no descritor

Leia mais

Sistema de Câmera 560 HD. Acopladores, Separadores de Feixe e Adaptadores de Vídeo

Sistema de Câmera 560 HD. Acopladores, Separadores de Feixe e Adaptadores de Vídeo Página 1 INSTRUÇÃO DE USO Sistema de Câmera 560 HD Acopladores, Separadores de Feixe e Adaptadores de Vídeo INTRODUÇÃO Antes de utilizar os Acopladores, Separadores de Feixe e Adaptadores de Vídeo do Sistema

Leia mais

MODELO DE INSTRUÇÕES DE USO INSTRUMENTAL NÃO ARTICULADO NÃO CORTANTE NÃO ESTÉRIL DESCARTÁVEL

MODELO DE INSTRUÇÕES DE USO INSTRUMENTAL NÃO ARTICULADO NÃO CORTANTE NÃO ESTÉRIL DESCARTÁVEL MODELO DE INSTRUÇÕES DE USO INSTRUMENTAL NÃO ARTICULADO NÃO CORTANTE NÃO ESTÉRIL DESCARTÁVEL (As informações aqui apresentadas são de caráter declaratório, podendo o texto final, ter formatação diferente)

Leia mais

Orientação Técnica: Cuidado com o Material

Orientação Técnica: Cuidado com o Material Orientação Técnica: Cuidado com o Material 1 EM RELAÇÃO AO AÇO INOXIDÁVEL 1.1 Os produtos marca RICHTER são fabricados com aços inoxidáveis que seguem a norma NBR ISO 7153-1. Esta norma brasileira foi

Leia mais

getinge 6000 A LAvAdorA-desinfectorA totalmente AutomáticA

getinge 6000 A LAvAdorA-desinfectorA totalmente AutomáticA getinge 6000 A Lavadora-Desinfectora totalmente automática 2 Getinge 6000 Getinge 6000 3 FAZENDO A DIFERENÇA NO CONTROLE DE INFECÇÃO A Getinge 6000 é uma lavadora desinfectora totalmente automática para

Leia mais

Os métodos químicos líquidos utilizam glutaraldeído, peróxido de hidrogênio, formaldeído ou acido peracético.

Os métodos químicos líquidos utilizam glutaraldeído, peróxido de hidrogênio, formaldeído ou acido peracético. 21 2 Esterilização A esterilização é um processo utilizado para eliminar microorganismos viáveis de um produto. O nível de garantia de esterilidade deve ser estabelecido por meio de estudos de validação

Leia mais

A SEGURANÇA DA ASSISTÊNCIA DO PACIENTE CIRÚRGICO: FLUXO DE OPME NORMAS E CONDUTAS

A SEGURANÇA DA ASSISTÊNCIA DO PACIENTE CIRÚRGICO: FLUXO DE OPME NORMAS E CONDUTAS 10º Congresso Brasileiro de Enfermagem en Centro Cirúrgico, Recuperação Anestésica e Centro de Material e ESterilização- 2011 A SEGURANÇA DA ASSISTÊNCIA DO PACIENTE CIRÚRGICO: FLUXO DE OPME NORMAS E CONDUTAS

Leia mais

HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Segundo a OMS, a verificação de condições de Higiene e Segurança consiste num estado de bem-estar estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença e enfermidades.

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS PARA BANCOS DE LEITE HUMANO:

NORMAS TÉCNICAS PARA BANCOS DE LEITE HUMANO: NORMAS TÉCNICAS PARA BANCOS DE LEITE HUMANO: MATERIAIS BLH-IFF/NT- 45.04 - Lavagem, Preparo e Esterilização de Materiais FEV 2004 BLH-IFF/NT- 45.04 Rede Nacional de Bancos de Leite Humano FIOCRUZ/IFF-BLH

Leia mais

INSPEÇÃO EM CLINICAS E CONSULTÓRIOS MÉDICOS I- DADOS CADASTRAIS

INSPEÇÃO EM CLINICAS E CONSULTÓRIOS MÉDICOS I- DADOS CADASTRAIS Prefeitura Municipal do Salvador Secretaria Municipal da Saúde Coordenadoria de Saúde Ambiental Subcoordenadoria de Vigilância Sanitária INSPEÇÃO EM CLINICAS E CONSULTÓRIOS MÉDICOS Razão Social: CGC/CNPJ/CPF:

Leia mais

O Kit Instrumental para Sistema de Placas para Crescimento Guiado é composto pelos seguintes itens:

O Kit Instrumental para Sistema de Placas para Crescimento Guiado é composto pelos seguintes itens: Instruções de Uso Kit Instrumental para Sistema de Placas para Crescimento Guiado O Kit Instrumental para Sistema de Placas para Crescimento Guiado é composto pelos seguintes itens: Código Descrição 450160

Leia mais

EMBALAGENS PARA ESTERILIZAÇÃO.

EMBALAGENS PARA ESTERILIZAÇÃO. EMBALAGENS PARA ESTERILIZAÇÃO. Márcia Cristina O Pereira Enfermeira encarregada da central de material esterilizado HMSL. Especialista em CC, CME, RA USP Mestrado em saúde do adulto - USP FINALIDADE DA

Leia mais

ROTEIRO PARA ESTABELECIMENTOS DE ENDOSCOPIA GÁSTRICA

ROTEIRO PARA ESTABELECIMENTOS DE ENDOSCOPIA GÁSTRICA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA DA SAÚDE EQUIPE DE VIGILANCIA DE SERVIÇOS E PRODUTOS DE INTERESSE À SAÚDE Módulo I - Informações Gerais

Leia mais

Limpeza hospitalar *

Limpeza hospitalar * CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, março de 2009. Limpeza hospitalar * Limpeza hospitalar é o processo de remoção de sujidades de superfícies do ambiente, materiais e equipamentos,

Leia mais

Adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretora-Presidente Substituta, determino a sua publicação:

Adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretora-Presidente Substituta, determino a sua publicação: Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 64, de 20 de dezembro de 2011 D.O.U de 22/12/2011 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

I. Identificação do participante. Nome Completo: Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica ABRAMED

I. Identificação do participante. Nome Completo: Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica ABRAMED FORMULÁRIO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES EM CONSULTA PÚBLICA Consulta Pública: nº 64 / ano 2011 I. Identificação do participante Nome Completo: Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica ABRAMED Endereço:

Leia mais

ENISO 15883-1: 2009 Máquinas de lavar e desinfectar. Parte1: Requisitos gerais, termos, definições e testes.

ENISO 15883-1: 2009 Máquinas de lavar e desinfectar. Parte1: Requisitos gerais, termos, definições e testes. 1 INTRODUÇÃO É consenso que a primeira e mais importante etapa do processo de esterilização de produtos para saúde é a etapa de limpeza. As etapas subseqüentes como desinfecção e esterilização são necessárias

Leia mais

RESOLUÇÃO RDC ANVISA Nº15, DE 15 DE MARÇO DE 2012

RESOLUÇÃO RDC ANVISA Nº15, DE 15 DE MARÇO DE 2012 RESOLUÇÃO RDC ANVISA Nº15, DE 15 DE MARÇO DE 2012 Dispõe sobre requisitos de boas práticas para o processamento de produtos para saúde e dá outras providências. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional

Leia mais

Garantia do Produto ML Magalhães

Garantia do Produto ML Magalhães Garantia do Produto ML Magalhães (Segundo o código de defesa do consumidor) Seja bem-vindo! Estamos orgulhosos pela sua opção por nossos produtos. Com sua escolha, você passou a fazer parte de um grupo

Leia mais

LIMPEZA MANUAL MOLHADA

LIMPEZA MANUAL MOLHADA GLOSSÁRIO LIMPEZA MANUAL ÚMIDA - Realizada com a utilização de rodos, mops ou esfregões, panos ou esponjas umedecidas em solução detergente, com enxágue posterior com pano umedecido em água limpa. No caso

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária 2012 RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 15, DE 15 DE MARÇO

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO

HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO Bem Vindos! HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO Quem sou? Farmacêutica Bioquímica e Homeopata. Especialista em Análises Clínicas, Micologia, Microbiologia e Homeopatia. 14 anos no varejo farmacêutico

Leia mais

INSTRUÇÃO DE USO Estojo para Acondicionamento de Implantes e Instrumental Cirúrgico Registro ANVISA n 80083659001 - Revisão 01

INSTRUÇÃO DE USO Estojo para Acondicionamento de Implantes e Instrumental Cirúrgico Registro ANVISA n 80083659001 - Revisão 01 Luiz Guilherme Sartori & Cia Ltda. EPP CNPJ: 04.861.623/0001-00 Estr. Municipal RCL-010 nº. 13500, Km 9 Ajapi - Rio Claro/SP - Resp. Téc.: Charles Eduardo Ceccato CREA/SP: 5062635520 Visando a praticidade

Leia mais

Samy Menasce. Associação Brasileira de Esterilização - ABE. Esterilização de material cirúrgico pelo Gás Ozônio ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTERILIZAÇÃO

Samy Menasce. Associação Brasileira de Esterilização - ABE. Esterilização de material cirúrgico pelo Gás Ozônio ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTERILIZAÇÃO RUA DO ROSÁRIO, 135 4º ANDAR / CENTRO RIO DE JANEIRO / RJ CEP.: 20041-005 (21) 2224-2237 (31) 2224-3237 www.abebrasil.org.br Associação Brasileira de Esterilização - ABE Esterilização de material cirúrgico

Leia mais

LIMPEZA E MANUSEAMENTO DE INSTRUMENTOS WRIGHT 130561-8. Estão incluídos na presente embalagem os idiomas seguintes:

LIMPEZA E MANUSEAMENTO DE INSTRUMENTOS WRIGHT 130561-8. Estão incluídos na presente embalagem os idiomas seguintes: PT LIMPEZA E MANUSEAMENTO DE INSTRUMENTOS WRIGHT 130561-8 Português (pt) Estão incluídos na presente embalagem os idiomas seguintes: Para obter idiomas adicionais, visite o nosso sítio da Web www.wmt.com

Leia mais

22/08/2007 DEFINIÇÃO PORQUE VALIDAR? Gerson R. Luqueta. Gerson R. Luqueta

22/08/2007 DEFINIÇÃO PORQUE VALIDAR? Gerson R. Luqueta. Gerson R. Luqueta VALIDAÇÃO DE EQUIPAMENTOS CONFORME NORMATIZAÇÃO (ênfase em processos de esterilização) VALIDAÇÃO DO PROCESSO DEFINIÇÃO Procedimento documentado para obtenção, registro e interpretação de resultados desejados

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Centro Endoscópico: Assistencial Título. Limpeza, Desinfecção, Transporte e Armazenamento do Broncoscópio

Procedimento Operacional Padrão (POP) Centro Endoscópico: Assistencial Título. Limpeza, Desinfecção, Transporte e Armazenamento do Broncoscópio Procedimento Operacional Padrão (POP) POP NEPEN/DE/HU Centro Endoscópico: Assistencial Título Limpeza, Desinfecção, Transporte e Armazenamento do Broncoscópio Versão: 01 Próxima revisão: 2016 Elaborado

Leia mais

2. DEFINIÇÕES E CONCEITOS

2. DEFINIÇÕES E CONCEITOS NORMA Utilização de antisséticos Elaborado em: Abril 2014 Revisão: 2017 Aprovado em: 09.04.2014 1. INTRODUÇÃO Devido à incidência crescente de infeções nosocomiais e ao aparecimento de estirpes de bactérias

Leia mais

Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre superfícies inertes

Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre superfícies inertes Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais http://www.icb.ufmg.br/mic Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre

Leia mais