O que é o CME? Segundo a RDC 15, a CME é classificada como: Unidade funcional destinada ao processamento de produtos para saúde dos serviços de saúde.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O que é o CME? Segundo a RDC 15, a CME é classificada como: Unidade funcional destinada ao processamento de produtos para saúde dos serviços de saúde."

Transcrição

1

2

3 O que é o CME? Segundo a RDC 15, a CME é classificada como: Unidade funcional destinada ao processamento de produtos para saúde dos serviços de saúde.

4 A CME é uma unidade nobre do hospital responsável pelo processamento de produtos para a saúde indispensável no controle da infecção hospitalar.

5 A ESTERILIZAÇÃO Como ciência, a Esterilização possui menos de 200 anos. Com a descoberta da bactéria e a busca da Morte Microbiana muito se evoluiu no campo microbiano e consequentemente no processo de esterilização.

6 O que fazemos para atender este Complexo Hospitalar com qualidade, garantindo que todos os processos sejam validados, visando atender nossos clientes com absoluta segurança?

7 A CME atende: UI s UTI s Ambulatórios Centro Cirúrgico Emergência Leitos 4 45 Leitos S.O com média de cirurgias/mês 31 Leitos Total de 398 leitos Selos de Qualidade

8 Avaliação Sistemática e documentada Estrutura Processo de Trabalho Resultados das etapas do processo Controle da Infecção Hospitalar

9 Inicialmente mapeamos todas as etapas do processo. Gerenciamento dos processos; Identificação dos riscos; Gestão dos Riscos Análise de Modo e de Efeito de Falha (FMEA)

10 CME Início RISCO: Receber o material de forma inadequada. A área do expurgo da CME recebe os materiais dos departamentos. 1. Colaborador do expurgo do CME recebe materiais das UI s, UTI s, CC, RA, CQT, ambulatório, Emergência Pediátrica. Recebimento de materiais consignados de empresas cadastradas para procedimentos agendados, onde farmácia emite nota do material utilizado e realiza cobrança. S 1.1. Material delicado termossensível? N RISCO: Envio de material preparado de forma inadequada / incompleto. 2. Envia material para empresa terceira realizar esterilização. S 5.1. Material é respiratório ou instrumental? N RISCO: Exposição do colaborador ao produto químico e biológico. 3. OBS: Para desinfecção de alto nível de endoscópios. 6. Material respiratório Submetido ao processo de termodesinfecção de alto nível. 7. Instrumental submetido ao processo de lavagem manual ou mecânica. 4. Empresa terceira realiza esterilização em Óxido de Etileno. RISCO: Falha no processo de limpeza e do equipamento. RISCO: Acidente com material biológico. RISCO: Materiais com sujidade. RISCO: Materiais sem funcionalidade. RISCO: Recebimento de material com processo de forma inadequada. 5. Recebe, confere e separa o material após esterilizado e entrega aos setores. RISCO: Inspeção inadequada dos materiais. 8. Área de preparo recebe materiais e instrumentais para inspeção e embalagem com integrador (quando necessário). RISCO: Ausência de integrador / Identificação incorreta dos materiais / materiais sujos / sem funcionalidade.

11

12 Indicadores Controlados pela CME % de satisfação do cliente interno; Índice de absenteísmo; Índice de turnover; Reprocessamento interno; Tempo de utilização das máquinas; Número de perdas de instrumentais; % de conformidade na entrega de materiais consignados; % de conformidade na devolução de materiais consignados.

13 Indicadores Gerenciais/Custos

14 CME/DESEMPENHO/2013 Janeiro Fevereiro Março Abril Total Média Total Média Total Média Total Média Ciclos Autoclave , , , ,8 Caixas Esterilizadas Autoclave , ,1 859 Material Avulso Autoclave , , Nº Ciclos Autoclave , , Caixas Esterilizadas Autoclave , , Material Avulso Autoclave , , Nº Ciclos Statim , , , , , , , , ,3 228, ,7 2, Statim - material contaminado 10 0, , Statim - otimização do procedimento 83 2, , , , , ,8

15 CME/CUSTOS/2013 Janeiro Fevereiro Março Abril Total Média Total Média Total Média Total Média Integradores químicos - autoclaves 1 e , , , , , , , ,80645 Integradores químicos - statim 261 Integradores biológicos - autoclaves 1 e 2 71 Integradores biológicos - Statim 114 Bowie Dick - autoclaves 1 e 2 52 Wraps - todos os tamanhos Campo fenestrado 21 Forro Absorvivel Endozime - GL 4 litros 20 Envelopes - todos os tamanhos * Não definido valor da média , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,677 4

16 Monitoramento Químico Teste de Bowie & Dick Finalidade do teste: monitoramento diário do sistema de pré vácuo em autoclaves a vapor com bomba de vácuo.

17 Monitoramento Químico Os Integradores Classe 6 são utilizados em ciclos de esterilização a vapor, a fim de monitorar todos os parâmetros que podem afetar o processo de esterilização

18 Monitoramento Biológico Teste Desafio O teste desafio é realizado no segundo ciclo do dia e nas cargas onde houver próteses e órteses.

19 Validação Anual dos Equipamentos e dos Processos Para ser considerado adequado para uso, o equipamento deve ter a instalação qualificada, cumprindo todas as funções previamente preconizadas pelo fabricante (NBR ISO )

20 Documento da Validação Anual

21 Documento da Manutenção Preventiva Mensal Além de assegurar o desempenho adequado, a rotina de manutenção aumenta a vida útil do equipamento

22 Statim

23 Secadora para Traquéias

24 Lupa para inspeção da limpeza dos instrumentais Uso da Pistola de Ar/Água na limpeza de canulados

25 Além das validações e preventivas, nós realizamos testes de monitoramento: Limpeza do instrumental; Funcionalidade das ultrassônicas e termodesinfectoras; Avaliação do processo de selagem;

26 Teste de Monitoramento de Limpeza dos instrumentais É um teste simples para detecção de resíduos de proteína originários de sangue e tecidos humanos.

27 Teste de monitoramento de funcionalidade Ultrassônica Valisafe CEI Impresso para registro do resultado

28 Teste de monitoramento de funcionalidade Termodesinfectora Valisafe CEI

29 Teste de Selagem É um método indicativo para avaliação dos processos de selagem.

30 Sistema de Documentação Permite a rastreabilidade dos materiais avulsos, com dupla etiqueta e indicador de processo de esterilização. O uso do sistema de etiquetagem permite documentar: Data do processo Data de validade Número da autoclave Número do operador Número do ciclo (Lote)

31 Nós também nos preocupamos com...

32 Possuímos sistema de osmose reversa e filtros em todos os equipamentos. Utilizamos a osmose não só para o enxágue do material, mas para todo o processo de limpeza dos mesmos. Qualidade da água utilizada na CME

33 Limpeza das Caixas D água Análise da Potabilidade da água

34 Qualidade do Ar no arsenal da CME Limpeza das Grelhas - Cronograma

35 Troca dos Filtros de Ar quinzenalmente

36 Controle de temperatura, umidade e qualidade do ar do arsenal.

37 Certificado de qualidade do Ar no Arsenal

38 Visita técnica A cada 2 anos realizamos um cronograma de visitas técnica aos nossos prestadores de serviço e empresas fornecedoras de materiais consignados.

39 Conferência dos Materiais pós-cirúrgico, em Sala Operatória

40 Recursos Humanos Não podemos esquecer dos nossos colaboradores que deverão ser valorizados, treinados constantemente e incentivados para que possam desenvolver seu potencial.

41 Tudo isso alinhado ao Trabalho em Equipe!!!

42 EXISTEM DOIS JEITOS DE VIVER: ACOMODAR-SE OU OUSAR. Quando lutamos por idéias nas quais acreditamos nasce daí um sentimento de dignidade de ser alguém que faz a diferença. Roberto Shinyashik

43 Bibliografia CALICCHIO, L. G., et al..práticas Recomendadas Sociedade Brasileira de Centro Cirúrgico, Recuperação Anestésica e Centro de Material e Esterilização. 4.ed. São Paulo: Congraf, 2007; LAUS, A. M., et al.. Esterilização de Artigos em Unidades de Saúde Associação Paulista de Estudos e Controle de Infecção Hospitalar. 1.ed. São Paulo, 1998 LUQUETA, G. R..Conceitos Básicos de Desinfecção, Esterilização e Qualificação. 1.ed. São Paulo: Baumer S.A, 2005/06; Graziano, K.U. Enfermagem em Centro de Material e Esterilização. 1 ed. Baruer, 2011 Resolução RDC nº15, de 15 de março de 2012.

44 OBRIGADO!

45 Maria Gorete C. P. Alves Enfermeira Centro de Material Esterilizado Hospital A.C. Camargo Cancer Center Roseli Garrido Amaral Enfermeira Centro de Material Esterilizado Hospital A.C. Camargo Cancer Center Erika Bianca da Costa Enfermeira Centro de Material Esterilizado Hospital A.C. Camargo Cancer Center Marina Sayuri Yoshimoto Enfermeira Centro de Material Esterilizado Hospital A.C. Camargo Cancer Center Contatos: / Ramal 5033 (Matriz) e 6812 (Torre Tamandaré)

Limpeza e Esterilização: normatizações aplicáveis à RDC 15 André Cabral

Limpeza e Esterilização: normatizações aplicáveis à RDC 15 André Cabral André Cabral Divisão de Prevenção de Infecção 3M do Brasil Prezados Colegas, O processamento de produtos para saúde é uma atividade que requer conhecimento e embasamento científico necessitando atualização

Leia mais

ATIVIDADES DE ENFERMAGEM NO CENTRO DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO: SUBSÍDIOS PARA O DIMENSIONAMENTO DE PESSOAL

ATIVIDADES DE ENFERMAGEM NO CENTRO DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO: SUBSÍDIOS PARA O DIMENSIONAMENTO DE PESSOAL ATIVIDADES DE ENFERMAGEM NO CENTRO DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO: SUBSÍDIOS PARA O DIMENSIONAMENTO DE PESSOAL Janaína Anchieta Costa Enfermeira Mestre em Enfermagem na área de Administração em Serviços de

Leia mais

Análise do desempenho

Análise do desempenho Validação de Equipamentos em CME Análise do desempenho Conforme a RDC 15 Validação de Equipamentos em CME APRESENTAÇÃO Luciano Manoel - Especialista em processos de Qualificação de Equipamentos, com experiência

Leia mais

Arquitetura do CME: seguindo as recomendações da RDC 15-15/03/12 Nome do autor

Arquitetura do CME: seguindo as recomendações da RDC 15-15/03/12 Nome do autor Arquitetura do CME: seguindo as recomendações da RDC 15-15/03/12 Nome do autor Rosa M. P. Fonseca Supervisora do CC / CME do Hospital Paulistano Diretora do conselho Fiscal da SOBECC gestão 2013-2015 200

Leia mais

Recomendações do grupo de qualidade (38) - Checklist para preparação de visitas pelas autoridades de inspeção competentes

Recomendações do grupo de qualidade (38) - Checklist para preparação de visitas pelas autoridades de inspeção competentes Recomendações do grupo de qualidade (38) - Checklist para preparação de visitas pelas autoridades de inspeção competentes 223 ZENTRALSTERILISATION 13. Jahrgang 2005 O grupo de qualidade promoveu um checklist

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE HOSPITAL FEDERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA D 6 Elaborada em 30/10/2010

MINISTÉRIO DA SAÚDE HOSPITAL FEDERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA D 6 Elaborada em 30/10/2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE HOSPITAL FEDERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA D 6 Elaborada em 30/10/2010 Pág:1/6 RECOMENDAÇÕES SOBRE LIMPEZA, DESINFECÇÃO, ACONDICIONAMENTO, ESTERILIZAÇÃO,

Leia mais

Eng. Paulo Roberto Laranjeira

Eng. Paulo Roberto Laranjeira Eng. Paulo Roberto Laranjeira 02/04/2014 April 2014 Enf. Giovana Abrahão de Araújo Moriya e-mail: giovana.moriya@einstein.br - Tel: 11-97166-2521 Quais os passos? RDC NO 15, DE 15 DE MARÇO DE 2012 Dispõe

Leia mais

Centro de material e esterilização e a RDC ANVISA nº15 Análise e pontos críticos. Rafael Queiroz de Souza

Centro de material e esterilização e a RDC ANVISA nº15 Análise e pontos críticos. Rafael Queiroz de Souza Centro de material e esterilização e a RDC ANVISA nº15 Análise e pontos críticos Rafael Queiroz de Souza São Paulo 2014 Aspectos críticos Críticos no bom sentido... Gestão de ambientes Gestão de pessoas

Leia mais

CUIDADOS NAS ETAPAS DO PROCESSAMENTODOS ARTIGOS EM CME

CUIDADOS NAS ETAPAS DO PROCESSAMENTODOS ARTIGOS EM CME CUIDADOS NAS ETAPAS DO PROCESSAMENTODOS ARTIGOS EM CME II SIMPÓSIO NORTE/NORDESTE DE ENFERMAGEM EM CENTRO CIRÚRGICO, RECUPERAÇÃO ANESTÉSICA E CENTRO DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO NADJA FERREIRA Enfermeira

Leia mais

O que muda na CME com a RDC nº 15 de 15/03/2012

O que muda na CME com a RDC nº 15 de 15/03/2012 O que muda na CME com a RDC nº 15 de 15/03/2012 Supervisora do CC, CME e AGT do Hospital Paulistano Mestre em Enfermagem em Saúde do Adulto pela EEUSP Especialista em CC, RPA e CME pela SOBECC Especialização

Leia mais

TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Central de Material Esterilizado. 11.8x. março de 2015 Versão: 3.0

TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Central de Material Esterilizado. 11.8x. março de 2015 Versão: 3.0 TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Central de Material Esterilizado 11.8x março de 2015 Versão: 3.0 1 Sumário 1 Objetivos... 4 2 Introdução... 4 3 Cadastros... 5 3.1 Cadastros de Unidades de CME...

Leia mais

Maria Edutania Skroski Castro

Maria Edutania Skroski Castro 2 Encontro Científico de Central de Material e Esterilização ATUALIZANDO-SE HUMAN SP GERENCIAMENTO DE RISCO OCUPACIONAL NA CME Maria Edutania Skroski Castro RISCO Possibilidade de perigo, incerto mas previsível,

Leia mais

Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado

Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado Gessilene de Sousa Sobecc, julho2011 Agenda Regulamentação Definição: Centro de Material Esterilizado - CME; Estrutura Física: Áreas de composição; Fluxograma

Leia mais

A SEGURANÇA DA ASSISTÊNCIA DO PACIENTE CIRÚRGICO: FLUXO DE OPME NORMAS E CONDUTAS

A SEGURANÇA DA ASSISTÊNCIA DO PACIENTE CIRÚRGICO: FLUXO DE OPME NORMAS E CONDUTAS 10º Congresso Brasileiro de Enfermagem en Centro Cirúrgico, Recuperação Anestésica e Centro de Material e ESterilização- 2011 A SEGURANÇA DA ASSISTÊNCIA DO PACIENTE CIRÚRGICO: FLUXO DE OPME NORMAS E CONDUTAS

Leia mais

Reunião o dos Serviços de Controle de Infecçã. ção o Hospitalar dos Hospitais Municipais de São S o Paulo Ano 2013. Equipe Técnica: T.

Reunião o dos Serviços de Controle de Infecçã. ção o Hospitalar dos Hospitais Municipais de São S o Paulo Ano 2013. Equipe Técnica: T. Reunião o dos Serviços de Controle de Infecçã ção o Hospitalar dos Hospitais Municipais de São S o Paulo Ano 2013 Equipe Técnica: T -Ingrid Weber Neubauer -Maria Angela Kfouri S.G.Tenis -Maria do Carmo

Leia mais

Controle do processo de esterilização: Monitoramento físico, químico e biológico.

Controle do processo de esterilização: Monitoramento físico, químico e biológico. 2º WORKSHOP DE PROCESSAMENTO DE ARTIGOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE CONTAGEM-MG Controle do processo de esterilização: Monitoramento físico, químico e biológico. TERESINHA NEIDE DE OLIVEIRA A Verdadeira obra

Leia mais

Isaura Cristinah Soares Del Miranda

Isaura Cristinah Soares Del Miranda Isaura Cristinah Soares Del Miranda médica Diretora da Del Miranda Serviços Administrativos Eleonora Zioni arquiteta Diretora da Asclépio Consultoria www.asclepioconsultoria.com.br Florence Nightingale...embora

Leia mais

Pergunta: Anexo PDF Pedido esclarecimento ITEM 2_HStrattner. Resposta: Anexo (arquivo Word) Reposta ao Esclarecimento STRATTNER.

Pergunta: Anexo PDF Pedido esclarecimento ITEM 2_HStrattner. Resposta: Anexo (arquivo Word) Reposta ao Esclarecimento STRATTNER. Perguntas e Respostas Pregão Presencial Nº 003/2013 Aquisição de Lavadora Termodesinfectora, Lavadora Ultrassônica e Secadora de Traquéias e utensílios para o I.I. Emílio Ribas II Baixada Santista (SP).

Leia mais

Enfª Karin Bienemann

Enfª Karin Bienemann Enfª Karin Bienemann CONCEITOS BÁSICOS: CME É uma unidade voltada à prestação de serviços, onde é realizado o trabalho de limpeza, montagem, embalagem, esterilização e armazenamento de materiais. LIMPEZA

Leia mais

Ajuda On-line - Sistema de Central de Materiais Esterilizados. Versão 1.0

Ajuda On-line - Sistema de Central de Materiais Esterilizados. Versão 1.0 Ajuda On-line - Sistema de Central de Materiais Esterilizados Versão 1.0 Sumário Central de Materiais Esterilizados 3 1 Manual... de Processos - Central de Materiais Esterilizados 4 Fluxos do... Processo

Leia mais

Indicadores de Qualidade no CME Quality indicators in the CME Indicadores de la calidad em CME

Indicadores de Qualidade no CME Quality indicators in the CME Indicadores de la calidad em CME Indicadores Qualida no CME Quality indicators in the CME Indicadores la calidad em CME Silma Pinheiro Belo Horizonte, MG Brasil silma@uol.com.br Objetivo: discutir princípios da qualida aplicados ao CME

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL CÓDIGO: PO-LQT-001

PROCEDIMENTO OPERACIONAL CÓDIGO: PO-LQT-001 Folha: 1/21 1. OBJETIVO Descrever a sistemática dos processos de execução de Qualificação Térmica. 2 REFERÊNCIA ABNT NBR ISO 17665-1 Esterilização de produtos para à saúde Requerimento para validação e

Leia mais

CENTRAL DE MATERIAL ESTERILIZADO

CENTRAL DE MATERIAL ESTERILIZADO CENTRAL DE MATERIAL ESTERILIZADO Clique para editar o estilo do subtítulo mestre Sala de Preparo e Esterilização Equipe: Carla, Marcela e Maria Cristina 6º Período de Enfermagem UNIS Sala de preparo A

Leia mais

Indicadores de Limpeza O que há de novo? Andréa Alfaya Acuña andrea.acuna@hsl.org.br

Indicadores de Limpeza O que há de novo? Andréa Alfaya Acuña andrea.acuna@hsl.org.br Indicadores de Limpeza O que há de novo? Andréa Alfaya Acuña andrea.acuna@hsl.org.br Indicadores São valores ou variáveis associadas a uma atividade que nos indicam alguma relação, são medidas quantitativas

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções Manual de Instruções Kit de Instrumental para Cirurgia do Túnel do Carpo VOLMED Nome Técnico: KIT CIRÚRGICO Fabricante: VOLMED BRASIL EQUIPAMENTOS LTDA -ME AV. SÃO GABRIEL, 291 JD. PAULISTA CEP: 13574-540

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

Luiz Carlos da Fonseca e Silva

Luiz Carlos da Fonseca e Silva Legislação Centro de Material e Esterilização Consulta Pública 64/2011 Luiz Carlos da Fonseca e Silva Racional Teórico Segurança do Paciente; Segurança Ocupacional; Espaço Técnico de Trabalho; Equipamentos

Leia mais

CHECK LIST MICROPROCESSO ESTERILIZAÇÃO DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS

CHECK LIST MICROPROCESSO ESTERILIZAÇÃO DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS CHECK LIST MICROPROCESSO ESTERILIZAÇÃO DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS DISA: DATA: UNIDADE: RECURSOS HUMANOS ÍTEM AVALIAÇÃO FORMA DE VERIFICAÇÃO EM CONFORMI DADE NÃO CONFORMI DADE OBSERVAÇÃO 1) A unidade

Leia mais

RELAÇÃO TRABALHOS APROVADOS 9º SIMPÓSIO

RELAÇÃO TRABALHOS APROVADOS 9º SIMPÓSIO RELAÇÃO TRABALHOS APROVADOS 9º SIMPÓSIO Os Trabalhos publicados são de total responsabilidade dos respectivos autores. 1 - CÓD. 792 CONSCIENTIZAÇÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM DA CME SOBRE A IMPORTÂNCIA DO

Leia mais

"Acreditação: Valeu a pena investir na Certificação de Qualidade?" Centro Integrado de Atenção a Saúde CIAS Unimed Vitória - ES

Acreditação: Valeu a pena investir na Certificação de Qualidade? Centro Integrado de Atenção a Saúde CIAS Unimed Vitória - ES "Acreditação: Valeu a pena investir na Certificação de Qualidade?" Centro Integrado de Atenção a Saúde CIAS Unimed Vitória - ES AGENDA Programação do Evento - Histórico do Centro Integrado de Atenção a

Leia mais

QUALIDADE NO REPROCESSAMENTO DE ARTIGOS PELO VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO. Unidade Acadêmica: Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva - NESC/UFG

QUALIDADE NO REPROCESSAMENTO DE ARTIGOS PELO VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO. Unidade Acadêmica: Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva - NESC/UFG QUALIDADE NO REPROCESSAMENTO DE ARTIGOS PELO VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO. Alline Cristhiane da Cunha MENDONÇA 1 ; Ana Lúcia Queiroz BEZERRA 2 ; Anaclara Ferreira Veiga TIPPLE 3. Unidade Acadêmica: Núcleo

Leia mais

22/08/2007 DEFINIÇÃO PORQUE VALIDAR? Gerson R. Luqueta. Gerson R. Luqueta

22/08/2007 DEFINIÇÃO PORQUE VALIDAR? Gerson R. Luqueta. Gerson R. Luqueta VALIDAÇÃO DE EQUIPAMENTOS CONFORME NORMATIZAÇÃO (ênfase em processos de esterilização) VALIDAÇÃO DO PROCESSO DEFINIÇÃO Procedimento documentado para obtenção, registro e interpretação de resultados desejados

Leia mais

A importância do treinamento para a equipe de enfermagem. Enfª Mariângela B Ribeiro

A importância do treinamento para a equipe de enfermagem. Enfª Mariângela B Ribeiro A importância do treinamento para a equipe de enfermagem Enfª Mariângela B Ribeiro Pontos importantes Porquê treinar? Padronização dos processos Segurança na realização dos procedimentos Redução de custos

Leia mais

AUTOCLAVE HORIZONTAL HOSPITALAR AUTOMÀTICA, ELÉTRICA, COM CAPACIDADE MÌNIMA DE 520 LITROS B3.

AUTOCLAVE HORIZONTAL HOSPITALAR AUTOMÀTICA, ELÉTRICA, COM CAPACIDADE MÌNIMA DE 520 LITROS B3. AUTOCLAVE HORIZONTAL HOSPITALAR AUTOMÀTICA, ELÉTRICA, COM CAPACIDADE MÌNIMA DE 520 LITROS B3. Descrição Básica: Autoclave horizontal, automática com comando microprocessado, elétrica, com câmara dupla

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM CENTRO CIRÚRGICO, VISANDO O CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM CENTRO CIRÚRGICO, VISANDO O CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR GERENCIAMENTO DE RISCOS EM CENTRO CIRÚRGICO, VISANDO O CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Enfa. Jeane A.G.Bronzatti Abril, 2010 Hospital Alemão Oswaldo Cruz: Privado Filantrópico Sem Fins Lucrativos Hospital

Leia mais

RESOLUÇÃO RDC ANVISA Nº15, DE 15 DE MARÇO DE 2012

RESOLUÇÃO RDC ANVISA Nº15, DE 15 DE MARÇO DE 2012 RESOLUÇÃO RDC ANVISA Nº15, DE 15 DE MARÇO DE 2012 Dispõe sobre requisitos de boas práticas para o processamento de produtos para saúde e dá outras providências. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional

Leia mais

ENISO 15883-1: 2009 Máquinas de lavar e desinfectar. Parte1: Requisitos gerais, termos, definições e testes.

ENISO 15883-1: 2009 Máquinas de lavar e desinfectar. Parte1: Requisitos gerais, termos, definições e testes. 1 INTRODUÇÃO É consenso que a primeira e mais importante etapa do processo de esterilização de produtos para saúde é a etapa de limpeza. As etapas subseqüentes como desinfecção e esterilização são necessárias

Leia mais

Bloco Cirúrgico Evolução da CME de 2003 a 2010 :

Bloco Cirúrgico Evolução da CME de 2003 a 2010 : Bloco Cirúrgico O Bloco Cirúrgico até o ano de 2008 era constituído por dois serviços distintos: Serviço de Enfermagem especializada III Centro Cirúrgico composto por: Seção de Salas de Operações; Seção

Leia mais

MODELO DE INSTRUÇÕES DE USO INSTRUMENTAL NÃO ARTICULADO NÃO CORTANTE NÃO ESTÉRIL DESCARTÁVEL

MODELO DE INSTRUÇÕES DE USO INSTRUMENTAL NÃO ARTICULADO NÃO CORTANTE NÃO ESTÉRIL DESCARTÁVEL MODELO DE INSTRUÇÕES DE USO INSTRUMENTAL NÃO ARTICULADO NÃO CORTANTE NÃO ESTÉRIL DESCARTÁVEL (As informações aqui apresentadas são de caráter declaratório, podendo o texto final, ter formatação diferente)

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária 2012 RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 15, DE 15 DE MARÇO

Leia mais

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE RECEPÇÃO DE PRODUTOS PARA A SAÚDE DE USO CIRÚRGICO EM CENTRO DE MATERIAIS

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE RECEPÇÃO DE PRODUTOS PARA A SAÚDE DE USO CIRÚRGICO EM CENTRO DE MATERIAIS 1 MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE RECEPÇÃO DE PRODUTOS PARA A SAÚDE DE USO CIRÚRGICO EM CENTRO DE MATERIAIS 2 Apresentação Menos de dez meses depois de ter sido criada pela Associação Médica Brasileira, a Câmara

Leia mais

Assunto: Reprocessamento de Instrumentos Cirúrgicos reutilizáveis cedidos ao SNS em regime de empréstimo

Assunto: Reprocessamento de Instrumentos Cirúrgicos reutilizáveis cedidos ao SNS em regime de empréstimo INFARMED Circular Informativa N.º 170/CD Data: 14/10/2008 Assunto: Reprocessamento de Instrumentos Cirúrgicos reutilizáveis cedidos ao SNS em regime de empréstimo Para: Direcção Geral de Saúde, Instituto

Leia mais

Manual de Relacionamento com Fornecedor

Manual de Relacionamento com Fornecedor 1 Manual de Relacionamento com Fornecedor 2 I Introdução... 3 1. Missão, visão e valores... 4 II Relacionamento com Fornecedor... 5 1. Qualificação... 6 2. Transporte... 6 3. Veículo... 6 4. Entrega/Recebimento...

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE MANUAL DE ROTINAS E PROCEDIMENTOS - ODONTOLOGIA

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE MANUAL DE ROTINAS E PROCEDIMENTOS - ODONTOLOGIA INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE MANUAL DE ROTINAS E PROCEDIMENTOS - ODONTOLOGIA Este material tem como objetivo básico servir como sugestão para elaboração do Manual de Rotinas e Procedimentos para Estabelecimentos

Leia mais

2º ENCONTRO DE ESTERILIZAÇÃO Métodos de validação de limpeza de acordo com as especificidades dos materiais utilizados na saúde

2º ENCONTRO DE ESTERILIZAÇÃO Métodos de validação de limpeza de acordo com as especificidades dos materiais utilizados na saúde 2º ENCONTRO DE ESTERILIZAÇÃO Métodos de validação de limpeza de acordo com as especificidades dos materiais utilizados na saúde * Profª Dra. Kazuko Uchikawa Graziano Departamento de Enfermagem Médico Cirúrgica

Leia mais

EMBALAGENS PARA ESTERILIZAÇÃO.

EMBALAGENS PARA ESTERILIZAÇÃO. EMBALAGENS PARA ESTERILIZAÇÃO. Márcia Cristina O Pereira Enfermeira encarregada da central de material esterilizado HMSL. Especialista em CC, CME, RA USP Mestrado em saúde do adulto - USP FINALIDADE DA

Leia mais

"AVALIAÇÃO DAS PRÁTICAS DE BIOSSEGURANÇA E REPROCESSAMENTO DE ENDOSCOPIOS/BRONCOSCOPIOS/ COLONOSCOPIOS NOS HOSPITAIS MUNICIPAIS DA CIDADE DE SÃO PAULO

AVALIAÇÃO DAS PRÁTICAS DE BIOSSEGURANÇA E REPROCESSAMENTO DE ENDOSCOPIOS/BRONCOSCOPIOS/ COLONOSCOPIOS NOS HOSPITAIS MUNICIPAIS DA CIDADE DE SÃO PAULO "AVALIAÇÃO DAS PRÁTICAS DE BIOSSEGURANÇA E REPROCESSAMENTO DE ENDOSCOPIOS/BRONCOSCOPIOS/ COLONOSCOPIOS NOS HOSPITAIS MUNICIPAIS DA CIDADE DE SÃO PAULO Enf Ingrid Weber Neubauer Núcleo Municipal de Controle

Leia mais

CME: os 22 DESAFIOS em busca de segurança para o paciente

CME: os 22 DESAFIOS em busca de segurança para o paciente CME: os 22 DESAFIOS em busca de segurança para o paciente * Profª Dra. Kazuko Uchikawa Graziano Departamento de Enfermagem Médico Cirúrgica da Escola de Enfermagem da USP 1 IMPLANTAR A RDC ANVISA 15/2012

Leia mais

11º Congresso Mundial de Esterilização 7º Simpósio Internacional de Esterilização e Controle de Infecção Hospitalar

11º Congresso Mundial de Esterilização 7º Simpósio Internacional de Esterilização e Controle de Infecção Hospitalar 11º Congresso Mundial de Esterilização 7º Simpósio Internacional de Esterilização e Controle de Infecção Hospitalar Qualidade da Água: Como definir a escolha do tratamento de água? Consultoria - Acquasoft

Leia mais

EQUIPAMENTO ESTERILIZADOR - Autoclave Horizontal - Especificação Técnica

EQUIPAMENTO ESTERILIZADOR - Autoclave Horizontal - Especificação Técnica EQUIPAMENTO ESTERILIZADOR - Autoclave Horizontal - Especificação Técnica Descrição Geral: Equipamento esterilizador horizontal automático para esterilização por vapor saturado de alta temperatura com duas

Leia mais

Central de Material e Esterilização

Central de Material e Esterilização Central de Material e Esterilização Um pouco de história... 1536 - Ambroise Paré: cirurgiões barbeiros substituíram o tratamento de feridas com pó de múmia para limpeza e aplicação de gemas de ovo e essências

Leia mais

Checklist prático da RDC 15/2012

Checklist prático da RDC 15/2012 Checklist prático da RDC 15/2012 19ª JORNADA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Ribeirão Preto, 12 de setembro de 2014 Marta Maria Noccioli Sanches Enfermeira Divisão de Vigilância Sanitária Todos os estabelecimentos,

Leia mais

Dispositivos Médicos: Requisitos para a esterilização por óxido de etileno

Dispositivos Médicos: Requisitos para a esterilização por óxido de etileno Dispositivos Médicos: Requisitos para a esterilização por óxido de etileno A eficácia do processo de esterilização de um dispositivo médico é avaliada com base numa série de experiências e protocolos que

Leia mais

Oncologia. Aula 3: Legislação específica. Profa. Camila Barbosa de Carvalho

Oncologia. Aula 3: Legislação específica. Profa. Camila Barbosa de Carvalho Oncologia Aula 3: Legislação específica Profa. Camila Barbosa de Carvalho Legislações importante em oncologia - RDC n o. 220/2004 - RDC n o. 67/2007 - RDC n o. 50/2002 - RDC n o. 306/2004 - NR 32/2005

Leia mais

Administração Central Unidade do Ensino Médio e Técnico GFAC Grupo de Formulação e Análises Curriculares. Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde

Administração Central Unidade do Ensino Médio e Técnico GFAC Grupo de Formulação e Análises Curriculares. Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Administração Central Unidade do Ensino Médio e Técnico GFAC Grupo de Formulação e Análises Curriculares Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde CAPÍTULO 3 PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO Especialização Profissional

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL NOS CENÁRIOS DE CENTRO CIRÚRGICO E CENTRO DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO: TECNOLOGIA E QUALIDADE.

RESPONSABILIDADE SOCIAL NOS CENÁRIOS DE CENTRO CIRÚRGICO E CENTRO DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO: TECNOLOGIA E QUALIDADE. RESPONSABILIDADE SOCIAL NOS CENÁRIOS DE CENTRO CIRÚRGICO E CENTRO DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO: TECNOLOGIA E QUALIDADE. PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA GRANDE PLENÁRIA - AUDITÓRIO TABOCAS 02 DE DEZEMBRO DE 2015

Leia mais

AUTOCLAVE HORIZONTAL HOSPITALAR AUTOMÀTICA, ELÉTRICA, COM CAPACIDADE MÍNIMA DE 300 LITROS - B.

AUTOCLAVE HORIZONTAL HOSPITALAR AUTOMÀTICA, ELÉTRICA, COM CAPACIDADE MÍNIMA DE 300 LITROS - B. AUTOCLAVE HORIZONTAL HOSPITALAR AUTOMÀTICA, ELÉTRICA, COM CAPACIDADE MÍNIMA DE 300 LITROS - B. Descrição Básica: Autoclave horizontal, automática com comando microprocessado, elétrica, com câmara dupla

Leia mais

Áreas semicríticas: Áreas não críticas: Áreas críticas: CENTRAL DE MATERIAL LIMPEZA, DESINFECÇÃO e ESTERILIZAÇÃO

Áreas semicríticas: Áreas não críticas: Áreas críticas: CENTRAL DE MATERIAL LIMPEZA, DESINFECÇÃO e ESTERILIZAÇÃO CENTRAL DE MATERIAL LIMPEZA, DESINFECÇÃO e ESTERILIZAÇÃO COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - COVISA GERÊNCIA DO CENTRO DE CONTROLE E PREVENÇÃO DE DOENÇAS - CCD NÚCLEO MUNICIPAL DE CONTROLE DE INFECÇÃO

Leia mais

INSTRUÇÃO DE USO. Registro ANVISA n 80083650061 - Revisão 00

INSTRUÇÃO DE USO. Registro ANVISA n 80083650061 - Revisão 00 Luiz Guilherme Sartori & Cia Ltda. EPP CNPJ: 04.861.623/0001-00 Estr. Municipal RCL-010 nº. 13500, Km 9 Ajapi - Rio Claro/SP - Resp. Téc.: Charles Eduardo Ceccato CREA/SP: 5062635520 Visando a praticidade

Leia mais

I. Identificação do participante. Nome Completo: Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica ABRAMED

I. Identificação do participante. Nome Completo: Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica ABRAMED FORMULÁRIO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES EM CONSULTA PÚBLICA Consulta Pública: nº 64 / ano 2011 I. Identificação do participante Nome Completo: Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica ABRAMED Endereço:

Leia mais

Reprocessamento de artigos médicos-hospitalares: fatores críticos de sucesso para a limpeza e desinfecção

Reprocessamento de artigos médicos-hospitalares: fatores críticos de sucesso para a limpeza e desinfecção Reprocessamento de artigos médicos-hospitalares: fatores críticos de sucesso para a limpeza e desinfecção 45 45 1 A legislação Brasileira (mais recentes) RDC 156 de 2006 RE-2605 de 2006 RE-2606 de 2006

Leia mais

Embalagens para esterilização. O que você precisa saber sobre: Normas técnicas

Embalagens para esterilização. O que você precisa saber sobre: Normas técnicas O que você precisa saber sobre: Normas técnicas Leis e Normas Constituição Federal Leis Infra - constitucinais Ex: Código Penal 1940 Código Civil (1916) 2002 Leis Complementares (Decreto Lei) MP NORMAS

Leia mais

Curso Preparatório à Distância (EAD)

Curso Preparatório à Distância (EAD) Curso Preparatório à Distância (EAD) Ensino à Distância (EAD): um compromisso firmado pela SOBECC CURSO EAD De acordo com a legislação educacional brasileira, Educação à Distância é uma forma de ensino

Leia mais

8º SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE ESTERILIZAÇÃO E CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

8º SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE ESTERILIZAÇÃO E CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 8º SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE ESTERILIZAÇÃO E CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ESTRATÉGIAS E BOAS PRÁTICAS EM SAÚDE FOCADAS NA SUSTENTABILIDADE Principais Leis, Resoluções, Recomendações e Normas Técnicas

Leia mais

CONTROLE E TESTES LIMPEZA ESTERILIZAÇÃO DOCUMENTAÇÃO. SeleçÃo. Indicadores Quimico de Limpeza M0100-810-101 M0100-810-201 M0100-810-112 M0100-810-212

CONTROLE E TESTES LIMPEZA ESTERILIZAÇÃO DOCUMENTAÇÃO. SeleçÃo. Indicadores Quimico de Limpeza M0100-810-101 M0100-810-201 M0100-810-112 M0100-810-212 SeleçÃo Indicadores Quimico de Limpeza M0100-810-101 M0100-810-201 M0100-810-112 M0100-810-212 CONTROLE E TESTES Dispositivos de Desafio e Suportes M0102-800-111 M0102-800-102 M0102-800-116 Indicadores

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE OTIMIZAÇÃO DA SALA CIRÚRGICA. Adriana Lario Coordenadora de Enfermagem Centro Cirúrgico Ambulatorial Hospital Albert Einstein

ESTRATÉGIAS DE OTIMIZAÇÃO DA SALA CIRÚRGICA. Adriana Lario Coordenadora de Enfermagem Centro Cirúrgico Ambulatorial Hospital Albert Einstein ESTRATÉGIAS DE OTIMIZAÇÃO DA SALA CIRÚRGICA Adriana Lario Coordenadora de Enfermagem Centro Cirúrgico Ambulatorial Hospital Albert Einstein ESTRATÉGIA Arte de aplicar com eficácia os recursos de que se

Leia mais

Sistema de Rastreabilidade na CME : A Informática é a SOLUÇÃO?

Sistema de Rastreabilidade na CME : A Informática é a SOLUÇÃO? CONTROLE INFORMATIZADO - CME Sistema de Rastreabilidade na CME : A Informática é a SOLUÇÃO? Enfa. Gessilene de Sousa São Paulo,24 de julho de2008 Agenda Entendimento da Área CME / INFORMATIZAÇÃO; Recursos

Leia mais

OFICINA: Limpeza: Foco em Carregamento de Termolavadora e Lavadora Ultrasônica Coordenador: Ligia Garrido Calicchio

OFICINA: Limpeza: Foco em Carregamento de Termolavadora e Lavadora Ultrasônica Coordenador: Ligia Garrido Calicchio OFICINA: Limpeza: Foco em Carregamento de Termolavadora e Lavadora Ultrasônica Coordenador: Ligia Garrido Calicchio São Paulo -2012 Introdução A esterilização bem sucedida dos instrumentais cirúrgicos

Leia mais

Instruções de Uso ESTOJOS AUTOCLA- VÁVEIS

Instruções de Uso ESTOJOS AUTOCLA- VÁVEIS Instruções de Uso ESTOJOS AUTOCLA- VÁVEIS Os estojos autoclaváveis são usados para acondicionamento, guarda e garantir a esterilização segura na autoclavagem. Foram desenvolvidos em materiais que suportam

Leia mais

Adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretora-Presidente Substituta, determino a sua publicação:

Adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretora-Presidente Substituta, determino a sua publicação: Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 64, de 20 de dezembro de 2011 D.O.U de 22/12/2011 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

Relatório de Qualificação Térmica

Relatório de Qualificação Térmica Página 1 Relatório de Qualificação Térmica Cliente: Hospital e Maternidade Nossa Senhora das Graças Equipamento: Autoclave a Vapor Identificação/TAG: 13.00165 Local de Instalação: C.M.E. Faixa de Trabalho:

Leia mais

Sistemas de esterilização

Sistemas de esterilização Sistemas de esterilização Catálogo Geral Feel the innovation ORGANIZAÇÃO DA EMPRESA A CISA produz e vende sistemas de esterilização para hospitais e indústrias ha mais de 60 anos, satisfazendo todas as

Leia mais

CHECKLIST DA RDC 16/2013

CHECKLIST DA RDC 16/2013 CHECKLIST DA RDC 16/2013 Checklist para a RDC 16 de 2013 Página 2 de 10 Checklist 1. 2.1 Disposições gerais Existe um manual da qualidade na empresa? 2. Existe uma política da qualidade na empresa? 3.

Leia mais

PROTOCOLO DE AVALIAÇAO TÉCNICA DE PREPARAÇÕES ENZIMATICAS EM LAVADORAS AUTOMÁTICAS E LAVAGEM MANUAL

PROTOCOLO DE AVALIAÇAO TÉCNICA DE PREPARAÇÕES ENZIMATICAS EM LAVADORAS AUTOMÁTICAS E LAVAGEM MANUAL Hospital e Maternidade Municipal Dr. Adelmo Leão Carneiro. Data:1/10/2011 Responsáveis: Enf.ª Aparecida Gomes e Fabiana Comparativo: Detergente Enzimático Riozime Neutro Plus e Endozime Xtreme Power (XP)

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CME DENTRO DA CIRURGIA SEGURA

A IMPORTÂNCIA DA CME DENTRO DA CIRURGIA SEGURA 19. A IMPORTÂNCIA DA CME DENTRO DA CIRURGIA SEGURA Enf.ª M.Sc. Elaine Lasaponari COREN SP.nº68.582 CME E CIRURGIA SEGURA : UMA EXIGÊNCIA NO SÉCULO XXI Cultura para cirurgia Cirurgia segura Segura Pode

Leia mais

Bem-estar e saúde: excelência nos atendimentos com aplicação de Boas Práticas. Profª Drª Adriana Gibotti agibotti@ig.com.br

Bem-estar e saúde: excelência nos atendimentos com aplicação de Boas Práticas. Profª Drª Adriana Gibotti agibotti@ig.com.br Bem-estar e saúde: excelência nos atendimentos com aplicação de Boas Práticas Profª Drª Adriana Gibotti agibotti@ig.com.br Bem-estar e saúde: excelência nos atendimentos com aplicação de Boas Práticas

Leia mais

Encontro AECIHERJ Central de Material e Esterilização. Gláucya Dau Enfermeira

Encontro AECIHERJ Central de Material e Esterilização. Gláucya Dau Enfermeira Encontro AECIHERJ Central de Material e Esterilização Gláucya Dau Enfermeira Objetivo: Revisar e reforçar por meio de evidências da literatura conceitos sobre esterilização e RDCs Quebrando a cadeia de

Leia mais

A Monitorização do Processo

A Monitorização do Processo A Monitorização do Processo Ana Rita Martins DIL/UI 22 anos de serviço público com valores e ética Reprocessamento Novo processamento de algo que já foi processado anteriormente ou Processar mais uma vez

Leia mais

Divisão de Enfermagem CME Página 1 de 8 Título do Procedimento: Rotinas do Arsenal Data de Emissão: 07/ 2005

Divisão de Enfermagem CME Página 1 de 8 Título do Procedimento: Rotinas do Arsenal Data de Emissão: 07/ 2005 Divisão de Enfermagem CME Página 1 de 8 Freqüência que é realizado: Diariamente Profissional que realiza: Enfermeiro, Técnico e Auxiliar de Enfermagem Material Utilizado: material esterilizado EPI: Luva

Leia mais

BIOSSEGURANÇA/RISCO. S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco.

BIOSSEGURANÇA/RISCO. S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco. BIOSSEGURANÇA/RISCO S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco. SIGLÁRIO ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária CAT Comunicação de Acidente de Trabalho CDC Centro

Leia mais

ESTERILIZAÇÃO. Eliminação de todas as formas de vida

ESTERILIZAÇÃO. Eliminação de todas as formas de vida ESTERILIZAÇÃO Eliminação de todas as formas de vida SISTEMA BEDA BARREIRAS - avental, máscara, gorro, luvas, óculos de proteção. ESTERILIZAÇÃO DESINFECÇÃO ANTI-SEPSIA ESTERILIZAÇÃO Materiais ( instrumental

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM CONSULTÓRIOS MÉDICOS. Alessandra Lima

BOAS PRÁTICAS EM CONSULTÓRIOS MÉDICOS. Alessandra Lima BOAS PRÁTICAS EM CONSULTÓRIOS MÉDICOS Alessandra Lima PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DOS 2005: 5 ENF 2006: 2 ENF 2007: 3 ENF CONSULTÓRIOS MÉDICOS 2009: 2 ENF 2008 3 ENF Necessidade de mudança do foco: Preocupação

Leia mais

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor Presidente, determino a sua publicação: Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 34, de 3 de junho de 2009. D.O.U de 4/06/09 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

Curso de Processamento de Materiais Médico-Hospitalares e Odontológicos. Enf. Mônica Saladini Sundin

Curso de Processamento de Materiais Médico-Hospitalares e Odontológicos. Enf. Mônica Saladini Sundin Curso de Processamento de Materiais Médico-Hospitalares e Odontológicos Enf. Mônica Saladini Sundin ph Endotoxina s Bactérias Sulfato Alcalinidade Condutividade ÁGUA Gases dissolvidos Ferro Dureza

Leia mais

GRUPO DE INTERESSE DE ENFERMEIROS DE CENTRO CIRÚRGICO E CENTRAL DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO

GRUPO DE INTERESSE DE ENFERMEIROS DE CENTRO CIRÚRGICO E CENTRAL DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO Regimento Interno do GIECC REGIMENTO DO GIECC GRUPO DE INTERESSE DE ENFERMEIROS DE CENTRO CIRÚRGICO E CENTRAL DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO COMPONENTES: ENFª SUPERVISORA CCI ENFª SUPERVISORA CCII E EDA ENFª

Leia mais

LOGÍSTICA APLICADA À CENTRAL DE MATERIAIS E ESTERILIZAÇÃO. www.silviabaffi.com C.M.E.

LOGÍSTICA APLICADA À CENTRAL DE MATERIAIS E ESTERILIZAÇÃO. www.silviabaffi.com C.M.E. LOGÍSTICA APLICADA À CENTRAL DE MATERIAIS E ESTERILIZAÇÃO C.M.E. O QUE É LOGÍSTICA? ALogística é a área de gestão responsável por prover recursos, equipamentos, materiais e informação para a execução de

Leia mais

Analisar produção científica brasileira sobre custos em CME, avaliado metodologia, escopo e resultados.

Analisar produção científica brasileira sobre custos em CME, avaliado metodologia, escopo e resultados. ANÁLISE DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA BRASILEIRA SOBRE CUSTOS EM CENTRAL DE MATERIAIS E ESTERILIZAÇÃO (CME) Eliane Molina Psaltikidis Enfermeira, mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Saúde do Adulto da Escola

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - POP. ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO Enfª Assione Vergani - VISA

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - POP. ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO Enfª Assione Vergani - VISA PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - POP ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO Enfª Assione Vergani - VISA CONCEITO É o documento que expressa o planejamento do trabalho repetitivo que deve ser executado para o alcance

Leia mais

CENTRO CIRÚRGICO Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário

CENTRO CIRÚRGICO Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário CENTRO CIRÚRGICO Sumário ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO NORMAS E ROTINAS Regulamento Interno do Centro Cirúrgico PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DE ENFERMAGEM - POPs POP 01 - Admissão do paciente POP 02 - Alta

Leia mais

AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS

AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS ASSEPSIA E CONTROLE DE INFECÇÃO Prof. MARCELO ALESSANDRO RIGOTTI LICENCIADO EM ENFERMAGEM e ESPECIALISTA EM CONTROLE DE INFEÇÃO Mestrando pela Escola de Enfermagem

Leia mais

(As informações aqui apresentadas são de caráter declaratório, podendo o texto final, ter formatação diferente)

(As informações aqui apresentadas são de caráter declaratório, podendo o texto final, ter formatação diferente) MODELO DE INSTRUÇÃO DE USO GUIA PONTA TROCATER (As informações aqui apresentadas são de caráter declaratório, podendo o texto final, ter formatação diferente) DESCRIÇÃO DO PRODUTO O Guia Ponta Trocater,

Leia mais

Limpeza hospitalar *

Limpeza hospitalar * CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, março de 2009. Limpeza hospitalar * Limpeza hospitalar é o processo de remoção de sujidades de superfícies do ambiente, materiais e equipamentos,

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS BIOMÉDICOS. Mecânica da Autoclave

CURSO TÉCNICO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS BIOMÉDICOS. Mecânica da Autoclave CURSO TÉCNICO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS BIOMÉDICOS Mecânica da Autoclave INTRODUÇÃO Grande demanda de pacientes Avanço da medicina, equipamentos sofisticados e complexos Necessidade da manutenção Capacitação

Leia mais

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES. Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES. Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC DEFINIÇÕES GERENCIAR Ato ou efeito de manter a integridade física e funcional para algo proposta

Leia mais

Silvia Baffi - Especialista em Processos de Esterilização www.silviabaffi.com CURRICULUM VITAE. Silvia Helena Baffi

Silvia Baffi - Especialista em Processos de Esterilização www.silviabaffi.com CURRICULUM VITAE. Silvia Helena Baffi CURRICULUM VITAE Silvia Helena Baffi Títulos: Graduada em Enfermagem pelo Departamento de Enfermagem da Escola Paulista de Medicina UNIFESP 1978. Habilitação em Saúde Publica pelo Departamento de Enfermagem

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO Artigo 1º Atendendo à Portaria de número

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO TERMO DE VISTORIA Ao décimo nono dia do mês de janeiro do ano de dois mil e doze, o Conselho Regional de Medicina do Estado de Mato Grosso (CRM/MT) esteve presente no Hospital e Pronto Socorro Municipal

Leia mais

AUTOCLAVES SS. Autoclave VITALE. 12 Litros R$: 3.260,00 à vista. ou 10 x R$: 326,00 sem juros. 21 Litros R$: 4.330,00 à vista

AUTOCLAVES SS. Autoclave VITALE. 12 Litros R$: 3.260,00 à vista. ou 10 x R$: 326,00 sem juros. 21 Litros R$: 4.330,00 à vista SHOPPING DA BELEZA AUTOCLAVES SS TELE-VENDAS 3542-1030 / 3542-1803 DISTRIBUIDOR AUTORIZADO Autoclave AMORA 4 Litros R$: 1.999,00 à vista ou 10 x R$: 215,00 Autoclave Amora - Cristófoli 4 Litros Autoclave

Leia mais