Recomendações do grupo de qualidade (38) - Checklist para preparação de visitas pelas autoridades de inspeção competentes

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Recomendações do grupo de qualidade (38) - Checklist para preparação de visitas pelas autoridades de inspeção competentes"

Transcrição

1 Recomendações do grupo de qualidade (38) - Checklist para preparação de visitas pelas autoridades de inspeção competentes 223 ZENTRALSTERILISATION 13. Jahrgang 2005 O grupo de qualidade promoveu um checklist para auxiliar a preparação dos operadores para contato com as autoridades regionais do governo ou com as autoridades de saúde. Nós gostaríamos de agradecer ao Sr. Nikou Ghassemieh, principalmente, pela sua ajuda no gerenciamento das discussões com o Instituto Robert Koch (RKI) e com as partes responsáveis dos escritórios de saúde. Nós estamos cientes que o governo regional alemão (Bundesländer) é responsável pela audição e inspeção. Entretanto, a RKI e a sociedade alemã de esterilização (DGSV e.v.) gostariam de propor a idéia de usar uma documentação padrão para esta finalidade, então, os operadores/instituições poderiam checar sistematicamente em qual âmbito os resultados já foram alcançados, ou estão prestes a alcançar, conforme as recomendações legais estipuladas.o checklist é projetado para refletir as diversas seções das recomendações definidas pela comissão de higiene e prevenção de infecção hospitalar da RKI: Recomendações de higiene para reprocessamento de materiais médicos. Traduzido por Stéfanni C. Reina Enfermeira (Este artigo foi modificado de forma a se adaptar às legislações locais/nacionais vigentes) Checklist para preparação da inspeção no departamento de Central de Material e Esterilização (CME) No. Recomendação Sim Não Comentários Referência à recomendação RKI CME Tenha em mente as recomendações da CCIH, órgãos certificadores, e de sociedade de classes locais. I Geral Há uma Central de Material Esterilizado (CME)? O estabelecimento tem algum sistema de gerenciamento de qualidade? É certificado? O processamento é realizado de forma descentralizada? Se for descentralizada, em quais áreas acontecem: Desinfecção (D): Limpeza (L): Embalagem (E): Por quem? Esterilização (E): Como? Por quem? Onde é armazenado? O processamento também é realizado por outras áreas ou de forma terceirizada? Se sim, por quem? (anexar descrição e contrato de trabalho)

2 Se sim, para quais dispositivos médicos? Há um planejamento de controle de infecção para todos os departamentos? Quando foi projetado? Há planos de limpeza e desinfecção para todos os departamentos com atribuição de competências? É recomendado o uso de equipamentos de proteção individual (EPIs) em todos os departamentos? (Luvas, aventais, óculos, etc.) Há apresentação de instruções de operação para substâncias perigosas? (Produtos químicos: desinfetantes, detergentes, esterilizantes) Os dispositivos médicos são processados externamente? Onde? Por quem? O processador é certificado? Campos cirúrgicos são processados? Há salas adicionais para manuseio de campos cirúrgicos, e áreas de trabalho para separação, checagem e embalagem de roupas na lavanderia? II Competência / Pré-condições para processamento/treinamento em CME Como as competências referentes ao processamento são atribuídas dentro do hospital? As competências para todas as etapas de processamentos são atribuídas e documentadas (Gerenciamento de Qualidade)? O gerente da CME/Esterilização é um assistente técnico qualificado na área de esterilização? Realizou curso de especialização? Quantos funcionários existem na CME? Quantos deles são qualificados? Qual o nível de qualificação da equipe? Há um programa de treinamento estabelecido para a equipe? Toda a equipe é regularmente treinada e este treinamento é documentado? Os dispositivos médicos são classificados conforme as recomendações da ANVISA? No caso de dispositivos médicos que podem ser reprocessados somente por um número limitado de vezes (conforme especificado pelo fabricante no manual de operações), é estabelecida, de forma escrita e com cada método ou conforme grupo de produtos (como aplicação de modelos de teste, critérios para formação

3 de grupo de produtos ou escolha de modelos de teste devem ser documentados) a forma que deve ser reprocessado? Os passos críticos do processo foram definidos durante a avaliação de riscos? O potencial de perigo foi definido? Medidas de minimização de riscos foram definidas? Procedimentos operacionais padrão e instruções de trabalho estão disponíveis? Dispositivos médicos considerados críticos são reprocessados? Se sim, quais? O processamento é conduzido por uma empresa terceirizada? Se sim, o estabelecimento possui um sistema de gerenciamento de qualidade? III Instalações estruturais e técnicas (pelas recomendações da RDC n 50), incluindo medidas de segurança: Geral Layout da área? Há uma área com janelas? Há sistema de ventilação (ar condicionado)? Sistema de ventilação (de acordo com as regulamentações de segurança ocupacional)? - Área suja? - Área limpa (Teto 1 m x 1.50 m acima da estação de embalagem ou filtros terminais)? - Sala de armazenamento? Quantos terminais de computadores há? Área de transferência de equipe (2 vestiários)? O lado limpo e o lado sujo são áreas espacialmente separadas? Há uma sala de recreação? A área anterior à esterilização, possui: A) Área de trabalho suja 1) Há uma sala para recepção de materiais? 2) Se sim, caso aplicável, existe uma sala de recreação? 3) Há uma sala para limpeza e desinfecção de carros de transporte? 4) Há uma área para desinfecção de dispositivos médicos? 5) Há uma área para limpeza de dispositivos médicos? 6) Há lavadoras termodesinfectadoras disponíveis?

4 7) Há diferentes racks para as lavadoras termodesinfectadoras? Se sim, quais? (favor especificar na coluna de comentários) 8) A lavadora termodesinfectadora é dupla porta ( de barreira)? Se não, qual é o modelo dela? 9) Há uma lavadora ultrassônica? 10) Há uma conexão para água desmineralizada? 11) Há pistolas de água sob pressão? 12) Há uma conexão para ar comprimido? 13) Há uma área para serviços de manutenção? 14) Há dispositivos de dosagem automática para agentes desinfetantes de instrumentais? 15) Há dispositivos de dosagem automática para desinfetantes de superfícies? 16) Os dosadores são regularmente inspecionados? Detergentes, etc? 17) Há computadores e scanners para registro e documentação dos passos do processo? B) Área de trabalho suja 1) Há uma sala de serviços? 2)Há uma área para preparo e embalagem? 3) Há conexão para ar comprimido? 4) Há uma estação de trabalho com lentes de aumento ou microscópios? 5) Existem computadores e scanners para registrar e documentação das etapas processuais? 6)Há uma iluminação adequada, em termos de iluminamento recomendação especial para trabalhos precisos? Área de esterilização: As seguintes áreas estão disponíveis após a esterilização: 1)Sala de armazenamento de material estéril 2) Área para manuseio de material externo 3) Vestiários? 4) Área para acesso da equipe entre os lados limpo e sujo O equipamento de anestesia também é processado na CME? Se não, onde é reprocessado? As superfícies de trabalho e paredes, assim como o piso do chão são fáceis de limpar/desinfetar e sem ranhuras? Os cabos (manutenção) estão ocultos ou em locais fechados?

5 Há exaustores separados para equipamentos com cargas de altas temperaturas (ex: exaustores de vapor)? Há um plano de controle de infecção (plano de limpeza e desinfecção)? IV Processamento Processamento de materiais médicos não utilizados (se houver contaminação questionável ou definida, processar como os dispositivos médicos comuns) Eles são desembalados para checagem da segurança técnica/funcional? Os itens médicos são reembalados? O processo de esterilização está sendo utilizado conforme o especificado pelo fabricante? Como a rotulagem é feita? Este processo é documentado? O parâmetro para liberação da carga é documentado? Os materiais médicos são completamente processados após sua data de validade? 2a) Processamento de materiais médicos utilizados Preparação (pré-tratamento, coleta, prélimpeza, se necessário: desmontagem e transporte) A sujidade grosseira foi removida imediatamente após o uso (pré-tratamento) (ex: através de limpeza e enxágue de canais)? Onde? Por quem? Quais? Como? Os agentes de pré-tratamento e métodos foram adaptados aos passos subsequentes (ex: evitar a fixação de resíduos com o uso de calor ou aldeídos)? Instrumentos articulados são armazenados de forma aberta? Os instrumentais estão secos quando são transportados à CME? Se forem transportados molhados, especificar o desinfetante, concentração e tempo de exposição: Há exclusão da possibilidade de fixação de proteína? Quem preparou a solução? Quais mecanismos de dosagem estão disponíveis? Como os dispositivos médicos são transportados para a CME?

6 O tempo de transporte até a CME é seguro? Dispositivos médicos contaminados são transportados à CME em caixas fechadas? Com que frequência os materiais são coletados? Qual o regime de abastecimento aos finais de semana? Há caixas adequadas para o transporte e armazenamento intermediário, conforme necessário, para excluir danos químicos, mecânicos e físicos aos dispositivos (ex: acotovelamento, cristalização de resíduos líquidos)? Há alguns dispositivos médicos limpos e desinfetados em algum local descentralizado? Se sim, qual? Onde? Por quem? Onde eles são esterilizados, caso necessário? Se for um local descentralizado, quem é responsável pela sua liberação? 2b) Limpeza / Desinfecção, enxágue e secagem Utilizando lavadora ultrassônica Há algum procedimento operacional padrão escrito para limpeza manual e procedimentos de desinfecção listando agentes/processos eficácia comprovada e adequada para cada dispositivo médico? As instruções do fabricante estão disponíveis conforme a norma ISO e são levadas em consideração? Equipamentos de proteção individual estão disponíveis (luvas, aventais, óculos, etc). conforme a NR 32?(Regulamentações técnicas para segurança na operação) A equipe foi informada? Há registro de substâncias perigosas? Há imersão para limpeza manual e desinfecção? Qual detergente é utilizado? Concentração: Tempo de exposição: Com que frequência a solução de limpeza é trocada? Qual desinfetante é utilizado? Concentração: Tempo de exposição: O desinfetante apresenta registro na ANVISA? Há alguma opinião de especialista atestando a atividade virucida contra o vírus da Hepatite B (HBV)? Há exclusão da possibilidade de fixação de proteína? 2.2.1

7 Por quanto tempo a mesma solução é reutilizada? A solução desinfetante é trocada diariamente? Há uma pistola de água para lavagem de lúmens internos? Qual é a qualidade da água utilizada para enxague dos instrumentos desinfetados? Os dispositivos médicos são secos com panos macios? escritos para limpeza automatizada e procedimentos de desinfecção, os agentes/processos listados possuem eficácia comprovada e adequada para os respectivos dispositivos médicos? As instruções do fabricante estão disponíveis conforme a norma ISO e elas são levadas em consideração? O processo foi validado? Há um protocolo de validação? Quem conduziu a validação? Com quais programas e cargas de referência? Os respectivos testes para as lavadoras termodesinfectadoras foram especificados e estabelecidos de forma escrita (os parâmetros de teste são listados no protocolo de validação), ex: b) testes de rotina diária c) testes de rotina relacionados ao lote d) testes/monitoramento dos parâmetros do processo utilizando métodos tecnológicos para medições) e)testes periódicos de limpeza com indicadores de limpeza? f) testes periódicos de desinfecção com termopares? g) quais programas foram utilizados para limpeza e desinfecção? Programa com termodesinfecção? Programa com desinfecção termoquímica? Para quais dispositivos médicos? O detergente/desinfetante tem acesso a todas às superfícies internas e externas? (instrumentos articulados abertos, instrumentos modulares desagrupados, válvulas abertas) Se a limpeza for conduzida com ph superior a 10 (eficácia nítida em decorrência da dissolução da proteína e resíduos de gordura, mas que podem afetar adversamente os materiais)?

8 Os dispositivos médicos são propícios à termodesinfecção e realmente foram desinfetados? Limpeza em ultrassônicas Há algum procedimento para o processamento realizado com o auxílio de uma ultrassônica? escritos para procedimentos em ultrassônicas, os agentes listados possuem eficácia comprovada e adequada para cada dispositivo médico? As instruções do fabricante estão disponíveis conforme a norma ISO e são levadas em consideração? A limpeza é conduzida em uma lavadora ultrassônica? Nome do detergente: Concentração: A limpeza e a desinfecção são conduzidas em uma ultrassônica? Nome do detergente: Concentração: Tempo de exposição: O desinfetante apresenta registro na ANVISA? Há agentes empregados adequadamente para o uso em lavadoras ultrassônicas? Há exclusão da possibilidade de fixação de proteína? A capacidade funcional da ultrassônica foi checada? para a rotina de início diário do equipamento? Os dispositivos médicos são compatíveis com o uso da ultrassônica (cuidado: articulações contíguas, ar preenchendo os dispositivos) O ar é removido dos lúmens dos dispositivos médicos? A ultrassônica foi corretamente carregada e todos os itens estão imersos no líquido (operação incorreta ex: jatos em regiões não visíveis)? Qual é a temperatura de operação da ultrassônica? O líquido da ultrassônica é trocado se estiver visivelmente contaminado ou ao menos uma vez a cada dia (evitar crescimento microbiano, diminuindo o desempenho da limpeza e contaminação cruzada)?

9 Desinfecção A desinfecção é conduzida na CME? É conduzida de forma manual ou em lavadoras ultrassônicas? É conduzida em lavadoras termodesinfectadoras com desinfetantes aprovados pela ANVISA. Veja o processamento manual e em ultrassônica e qual o processo de desinfecção utilizado (conforme norma ISO 17664)? Térmico? Qual temperatura é utilizada para o processamento? As instruções do fabricante estão disponíveis para o processamento? Químico? As instruções do fabricante estão disponíveis para o processamento? Termoquímico? Qual a temperatura utilizada para o processamento? As instruções do fabricante estão disponíveis para o processamento? Os procedimentos de desinfecção utilizados são dotados de eficácia bactericida comprovada? Os procedimentos de desinfecção utilizados são dotados de eficácia fungicida comprovada? Os procedimentos de desinfecção utilizados são dotados de eficácia virucida comprovada? (espectro AB da ação)? Há algum agente aprovado pela DGHM para desinfecção manual? Nome do desinfetante: Concentração: Tempo de exposição: A eficácia do desinfetante foi certificada com relação à desinfecção em lavadoras termodesinfectadoras realizada através da opinião de um especialista e emitida pelo fabricante? Nome do agente? Concentração e tempo de exposição? As medidas para procedimento foram tomadas para evitar fixação de resíduos nos dispositivos médicos na etapa de prélimpeza (sangue, secreção, resíduos de tecidos)? O manual de operação destaca, em particular, o tempo de exposição? Enxágue, enxágue final e secagem É excluída a formação de produtos reagentes e resíduos devido ao fluxo

10 reverso intenso durante o enxágue (o efeito é uma função do tempo, temperatura e volume de água)? A água utilizada para enxágue é adequada (ao menos, água desmineralizada)? Com que freqüência a qualidade da água é testada? Ar comprimido é utilizado para secagem? A recontaminação dos dispositivos médicos desinfetados é excluída? Os instrumentos dosadores são inspecionados e possuem manutenção regular? Última inspeção/manutenção: Testes microbiológicos: A lavadora foi submetida a testes microbiológicos? Se sim, qual o resultado? Máquina: Data: Resultados: 2c) Inspeção da limpeza e integridade das superfícies para inspeção de limpeza e integridade de superfícies? Todas as partes dos dispositivos médicos são: inspecionadas para limpeza e integridade (visualmente também para contaminação residual)? checadas físicas e quimicamente? Se o resultado de limpeza não for acessível através de inspeção visual, ex: lúmens longos e estreitos, cavidades ocas ou materiais críticos. Um resultado satisfatório de limpeza é adquirido através dos passos de procedimento? (ex: validação do processo automatizado) Os testes com instrumentais e equipamentos estão disponíveis? Quais? (ex: lentes de aumento) 2d) Manutenção e reparos / Checando segurança técnica e funcional para manutenção e reparos? para checagem da segurança técnica/funcional? A contaminação com substâncias perigosas (ex: agentes tóxicos) ou material particulado (ex: talco) está excluída (se necessário, checar com lentes de aumento)? 2.2.2

11 Medições são feitas para assegurar que as substâncias protetoras não comprometam o resultado da esterilização (ex. lubrificantes - se necessário consiga informações do fabricante do agente)? Há algum equipamento necessário para testes funcionais (fluxímetro, ar comprimido, sistemas de acionamento, etc.)? As instruções do fabricante foram observadas? Os testes técnicos/funcionais foram conduzidos antes da esterilização? A extensão e a natureza dos dispositivos médicos estão definidas em procedimentos operacionais padrão? Equipamentos de proteção individual estão disponíveis (luvas, aventais, óculos, etc) conforme a NR 32? Instruções? Registro de substâncias perigosas? 2e) Embalagem (embalagem mecânica protetora, embalagem estéril, reembalagem, caso necessário) para embalagem? Os procedimentos de embalagem estão regularmente validados conforme norma ISO Parte 2? (IQ, OQ e PQ) Quais métodos de esterilização são utilizados? Esterilização a vapor? Óxido de etileno? Formaldeído? Plasma de peróxido de hidrogênio? A embalagem é adequada para vapor? A embalagem é adequada para óxido de etileno? A embalagem é adequada para formaldeído? A embalagem é adequada para plasma? A embalagem estéril é adaptada ao processo de esterilização a ser utilizado (previsto para a esterilização)? A embalagem por si só preserva as capacidades funcionais do dispositivo médico a ser esterilizado? (ex. proteção mecânica para componentes delicados) A embalagem leva em conta as respectivas necessidades? Lista de embalagens é utilizada? A data da esterilização ou número do lote são impressos na embalagem estéril? A embalagem se adapta ao transporte e armazenamento previstos (ex. proteção 2.2.3

12 contra stress mecânico e recontaminação)? Dispositivos desembalados são esterilizados (ex. utilizando esterilização flash )? A seladora é rotativa? A seladora rotativa está apta a checar os parâmetros críticos do processo (minimamente temperatura e pressão de contato) e a interromper o processo em caso de desvio dos parâmetros? A seladora rotativa é inspecionada com regularidade (serviço completo do fabricante)? Inspeção diária da selagem (utilizando-se fitas indicativas e inspeção visual)? O nome do empacotador é registrado? f) Esterilização Qual tipo de esterilização é utilizado/número de esterilizadores/ nome: 1. Esterilização a vapor (calor úmido): 134 C / 5 minutos 134 C / 18 minutos 121 C /20 minutos 2. Óxido de etileno: 3. Esterilização a baixa temperatura - formaldeído (LTFS): 4. Esterilização por plasma de peróxido de hidrogênio: O processo de esterilização é comprovadamente adequado e efetivo para o dispositivo médico utilizado (processo de preferência: esterilização térmica por vapor saturado C ou 134 C)? O processo é validado? O agente esterilizante acessa todas as superfícies internas e externas? (válvulas abertas e lúmens limpos) A autoclave é submetida a manutenções regulares através de pessoal autorizado conforme EN 554? Data da última manutenção: As condições técnicas dos reservatórios estéreis (papel filtro estéril de uso único, válvulas para transporte de vapor e ar, selos) são regularmente inspecionadas? Os testes necessários em várias situações são estabelecidos de forma escrita? (os parâmetros a serem checados podem ser consultados no protocolo de validação), por exemplo: a) testes de comissionamento (teste de instalação) b) checagem diária de rotina c) testes de rotina relacionados ao lote

13 d) monitoramento/testes dos parâmetros de processo com medição dos métodos tecnológicos e) testes periódicos? f) testes com equipamento? Equipamentos de proteção individual estão disponíveis (luvas, aventais, óculos, etc) conforme a NR32? A regulamentação de prevenção de acidentes (mapa de risco de segurança do trabalho) está disponível? Instruções? Registro de substâncias perigosas? Esterilização por gás, legalmente regulamentada conforme portaria ministerial n 482 de 16 de abril de 1999 A autorização e licença de funcionamento foi concedida por autoridade competente? O processo de esterilização é totalmente automatizado como medida de prevenção de riscos ocupacionais? Há equipe suficientemente qualificada disponível (prova das qualificações)? Há instruções de operação para a equipe? Regulamentação de prevenção de acidentes: Documentação das instruções? A documentação das instruções é realizada anualmente? As medidas foram feitas de forma a excluir substâncias perigosas do meio ambiente através da limpeza do sistema de exaustão de ar (combustão catalítica do gás de exaustão) Lavagem do ETO em uma solução a 1 a 5 % de H2SO4 (procedimentos de lavagem de gás úmido): Há um equipamento de medição para detecção do ETO em ar ambiente e em CMEs? O esterilizador é submetido à manutenção ao menos uma vez ao ano conforme a TRGS 513? Por quem? Há uma lista dos dispositivos médicos a ser esterilizados? Há instruções escritas do fabricante fornecendo instruções referentes ao esterilizador por ETO? Anexo 2: Esterilização a baixa temperatura - formaldeído (LTFS) Processo a pressão negativa entre C A aprovação foi concedida por autoridade competente?

14 O processo de esterilização é totalmente automatizado como medida de prevenção de riscos ocupacionais? O agente esterilizante apresenta-se na forma líquida? Há equipe suficientemente qualificada disponível (prova das qualificações)? Há instruções de operação para a equipe? Medidas foram realizadas para excluir perigo ambiental através da exaustão de gás gerado durante a operação da limpeza dos sistemas de exaustão (não validável)? A dessorção de formaldeído através de enxáguamento repetitivo com vapor: Há equipamento de medição para detecção de formaldeído no ar ambiente e em CMEs? O esterilizador é submetido à manutenção ao menos uma vez ao ano? Por quem? Há uma lista dos dispositivos médicos a ser esterilizados? Há instruções escritas do fabricante fornecendo instruções referentes ao esterilizador por formaldeído? Anexo 3: Esterilização por plasma: O item pré-limpo foi enxaguado com água desmineralizada? Manualmente? Quais dispositivos médicos são processados com este procedimento? É utilizada embalagem adequada para o material? 2g) Rotulagem As recomendações para rotulagem são realizadas conforme recomendações do órgão regulador ou norma brasileira regulamentar? Os dispositivos médicos são claramente e permanentemente etiquetados? Indicação do dispositivo médico é afixada à embalagem, caso a leitura não seja visível prontamente? Tempo e tipo de processo de esterilização utilizado (lote e data de esterilização)? Data de validade, até a utilização segura é demonstradamente possível? Há segurança e avisos através de alarmes (ex: grupo dos materiais críticos, nome do fabricante e, se aplicável, lote e número de série)? Se o processamento for terceirizado, o nome/endereço do processador está claramente visível? Se um número limitado de ciclos de 2.2.5

15 reprocessamento foi imposto através do fabricante, o número de vezes e tipo de reprocessamento já conduzido foram apresentados claramente? V Documentação/ Serviço /Liberação para uso Existem pessoas autorizadas a liberar os itens enumerados de forma escrita (nível de qualificação)? Qual o nível de qualificação destas pessoas? especificando quais decisões são tomadas para liberação destes itens? Estas ações são documentadas? especificando procedimentos em eventos de desvio da sequência do processo correto? Há um acordo entre os parâmetros do processo obtidos durante o processamento e aqueles especificados no protocolo de vallidação? Há testes de rotina conduzidos e documentados? Diariamente para esterilização (ex: teste Bowie & Dick): Testes de rotina relacionados ao lote e documentação do lote (ex: indicadores químicos, indicadores de processo como temperatura, pressão e tempo): Testes microbiológicos: A embalagem foi inspecionada com relação à integridade e umidade? A rotulagem foi inspecionada? Os valores medidos são registrados pelos parâmetros do processo durante a documentação do processo? Controle de programação (Sinal de reconhecimento): Registro de tempo-temperatura registrado como diagrama: Registro de tempo-temperatura registrado na impressão das informações do processo: Se a decisão de liberação for documentada, o nome da pessoa responsável tanto pela liberação quanto pelo lote está inserida no documento? Há um registro de que o procedimento do processo utilizado foi conduzido conforme procedimento operacional padrão observando as configurações do parâmetro no protocolo de validação? As etapas individuais foram registradas e e 2.2.7

16 arquivadas? As informações dos dispositivos médicos são armazenadas também em outros métodos de armazenamento de dados? VI Transporte e armazenamento O período de armazenamento foi estabelecido por escrito para as CMEs? As CMEs devem deixar as embalagens esfriar por um determinado período de tempo até que sejam transportadas? Medidas foram tomadas para assegurar que as propriedades para processamento de dispositivos médicos não afetem adversamente o transporte e armazenamento? As instruções para embalagem de dispositivos médicos foram especificadas pelo fabricante (frio, escuro, proteção contra poeira, distância adequada do piso/parede, etc)? Há mecanismos para assegurar que as caixas estéreis estão fechadas seguramente ou apresenta alguma adulteração na selagem e adesivos? As datas de validade dos itens são checadas a tempo? Por quem? VII Processamento de dispositivos médicos com relação à doença causada por príons vcjd/ CJD As recomendações respectivas às doenças são implementadas? para lidar com itens potencialmente contaminados com vcjd? estabelecendo por quanto tempo os dispositivos médicos devem ser preservados até o diagnóstico ser feito? VIII. Rastreabilidade A CME atende ao preconizado na RDC n 8 de 27 fevereiro de 2009 quanto a registros que permitam a rastreabilidade nas seguintes situações: Instrumental cirúrgico consignado e não consignado? Demais produtos para saúde submetidos á esterilização? Se o sistema de rastreabilidade adotado for informatizado, este atende à lei federal n de 1990, quanto à apresentação em língua portuguesa? 3

Centro de material e esterilização e a RDC ANVISA nº15 Análise e pontos críticos. Rafael Queiroz de Souza

Centro de material e esterilização e a RDC ANVISA nº15 Análise e pontos críticos. Rafael Queiroz de Souza Centro de material e esterilização e a RDC ANVISA nº15 Análise e pontos críticos Rafael Queiroz de Souza São Paulo 2014 Aspectos críticos Críticos no bom sentido... Gestão de ambientes Gestão de pessoas

Leia mais

PORTARIA Nº 500 DE 2010

PORTARIA Nº 500 DE 2010 PORTARIA Nº 500 DE 2010 Regulamento técnico para Processamento de artigos por método físico em estabelecimentos sujeitos à Vigilância Sanitária no RS A SECRETÁRIA DA SAÚDE DO RIO GRANDE DO SUL, no uso

Leia mais

Eng. Paulo Roberto Laranjeira

Eng. Paulo Roberto Laranjeira Eng. Paulo Roberto Laranjeira 02/04/2014 April 2014 Enf. Giovana Abrahão de Araújo Moriya e-mail: giovana.moriya@einstein.br - Tel: 11-97166-2521 Quais os passos? RDC NO 15, DE 15 DE MARÇO DE 2012 Dispõe

Leia mais

Limpeza e Esterilização: normatizações aplicáveis à RDC 15 André Cabral

Limpeza e Esterilização: normatizações aplicáveis à RDC 15 André Cabral André Cabral Divisão de Prevenção de Infecção 3M do Brasil Prezados Colegas, O processamento de produtos para saúde é uma atividade que requer conhecimento e embasamento científico necessitando atualização

Leia mais

Reunião o dos Serviços de Controle de Infecçã. ção o Hospitalar dos Hospitais Municipais de São S o Paulo Ano 2013. Equipe Técnica: T.

Reunião o dos Serviços de Controle de Infecçã. ção o Hospitalar dos Hospitais Municipais de São S o Paulo Ano 2013. Equipe Técnica: T. Reunião o dos Serviços de Controle de Infecçã ção o Hospitalar dos Hospitais Municipais de São S o Paulo Ano 2013 Equipe Técnica: T -Ingrid Weber Neubauer -Maria Angela Kfouri S.G.Tenis -Maria do Carmo

Leia mais

O que é o CME? Segundo a RDC 15, a CME é classificada como: Unidade funcional destinada ao processamento de produtos para saúde dos serviços de saúde.

O que é o CME? Segundo a RDC 15, a CME é classificada como: Unidade funcional destinada ao processamento de produtos para saúde dos serviços de saúde. O que é o CME? Segundo a RDC 15, a CME é classificada como: Unidade funcional destinada ao processamento de produtos para saúde dos serviços de saúde. A CME é uma unidade nobre do hospital responsável

Leia mais

(As informações aqui apresentadas são de caráter declaratório, podendo o texto final, ter formatação diferente)

(As informações aqui apresentadas são de caráter declaratório, podendo o texto final, ter formatação diferente) MODELO DE INSTRUÇÃO DE USO GUIA PONTA TROCATER (As informações aqui apresentadas são de caráter declaratório, podendo o texto final, ter formatação diferente) DESCRIÇÃO DO PRODUTO O Guia Ponta Trocater,

Leia mais

OFICINA: Limpeza: Foco em Carregamento de Termolavadora e Lavadora Ultrasônica Coordenador: Ligia Garrido Calicchio

OFICINA: Limpeza: Foco em Carregamento de Termolavadora e Lavadora Ultrasônica Coordenador: Ligia Garrido Calicchio OFICINA: Limpeza: Foco em Carregamento de Termolavadora e Lavadora Ultrasônica Coordenador: Ligia Garrido Calicchio São Paulo -2012 Introdução A esterilização bem sucedida dos instrumentais cirúrgicos

Leia mais

Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12. 1. Objectivo. 2. Aplicação

Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12. 1. Objectivo. 2. Aplicação Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12 1. Objectivo o Estabelecer normas para o processamento dos dispositivos médicos, baseadas em padrões de qualidade. o Estabelecer condições de

Leia mais

Eficiência e segurança dos produtos saneantes

Eficiência e segurança dos produtos saneantes Eficiência e segurança dos produtos saneantes Elenildes Silva Amorim Gerência Geral de Saneantes Porto Alegre, 08 de novembro de 2013 2 Área suja Área limpa 3 Resolução - RDC n 6, de 30 de janeiro de 2012

Leia mais

Manual de inserção do acessório de rotação de endoscópio Arthrex Starfish

Manual de inserção do acessório de rotação de endoscópio Arthrex Starfish 950-0036-00, Rev. D Português Manual de inserção do acessório de rotação de endoscópio Arthrex Starfish Acessórios para endoscópio Arthrex, Inc. 1370 Creekside Blvd. Naples, FL 34108, EUA (800)-934-4404

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções Manual de Instruções Kit de Instrumental para Cirurgia do Túnel do Carpo VOLMED Nome Técnico: KIT CIRÚRGICO Fabricante: VOLMED BRASIL EQUIPAMENTOS LTDA -ME AV. SÃO GABRIEL, 291 JD. PAULISTA CEP: 13574-540

Leia mais

PAC 11. Controle da matéria-prima, ingredientes e material de embalagens

PAC 11. Controle da matéria-prima, ingredientes e material de embalagens PAC 11 Página 1 de 8 PAC 11 Controle da matéria-prima, ingredientes e material de embalagens PAC 11 Página 2 de 8 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03

Leia mais

Luiz Carlos da Fonseca e Silva

Luiz Carlos da Fonseca e Silva Legislação Centro de Material e Esterilização Consulta Pública 64/2011 Luiz Carlos da Fonseca e Silva Racional Teórico Segurança do Paciente; Segurança Ocupacional; Espaço Técnico de Trabalho; Equipamentos

Leia mais

Produção Integrada de Maçã PIM. Lista de Verificação para Auditoria de Acompanhamento Pós-Colheita

Produção Integrada de Maçã PIM. Lista de Verificação para Auditoria de Acompanhamento Pós-Colheita Produção Integrada de Maçã PIM Lista de Verificação para Auditoria de Acompanhamento Pós-Colheita Empresa: Localização: Responsável Técnico: Data: Horário Realização da Visita: Recepção da fruta Conservação

Leia mais

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde A Portaria MS nº 2616/98 define a Infecção Hospitalar (IH) como sendo aquela adquirida após a admissão do paciente e que se manifesta durante

Leia mais

Enfª Karin Bienemann

Enfª Karin Bienemann Enfª Karin Bienemann CONCEITOS BÁSICOS: CME É uma unidade voltada à prestação de serviços, onde é realizado o trabalho de limpeza, montagem, embalagem, esterilização e armazenamento de materiais. LIMPEZA

Leia mais

ATIVIDADES DE ENFERMAGEM NO CENTRO DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO: SUBSÍDIOS PARA O DIMENSIONAMENTO DE PESSOAL

ATIVIDADES DE ENFERMAGEM NO CENTRO DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO: SUBSÍDIOS PARA O DIMENSIONAMENTO DE PESSOAL ATIVIDADES DE ENFERMAGEM NO CENTRO DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO: SUBSÍDIOS PARA O DIMENSIONAMENTO DE PESSOAL Janaína Anchieta Costa Enfermeira Mestre em Enfermagem na área de Administração em Serviços de

Leia mais

Central de Material e Esterilização

Central de Material e Esterilização Central de Material e Esterilização Um pouco de história... 1536 - Ambroise Paré: cirurgiões barbeiros substituíram o tratamento de feridas com pó de múmia para limpeza e aplicação de gemas de ovo e essências

Leia mais

REUSO DE PRODUTOS REUSO DE PRODUT MÉDICOS HOSPIT

REUSO DE PRODUTOS REUSO DE PRODUT MÉDICOS HOSPIT REUSO DE PRODUTOS MÉDICOS HOSPITALARES Cristiane Uyeno Outubro / 2012 Reuso de produtos fabricados e desenvolvidos para uso único. História i Na década de 80, a maioria dos dispositivos médicos consistia

Leia mais

Áreas semicríticas: Áreas não críticas: Áreas críticas: CENTRAL DE MATERIAL LIMPEZA, DESINFECÇÃO e ESTERILIZAÇÃO

Áreas semicríticas: Áreas não críticas: Áreas críticas: CENTRAL DE MATERIAL LIMPEZA, DESINFECÇÃO e ESTERILIZAÇÃO CENTRAL DE MATERIAL LIMPEZA, DESINFECÇÃO e ESTERILIZAÇÃO COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - COVISA GERÊNCIA DO CENTRO DE CONTROLE E PREVENÇÃO DE DOENÇAS - CCD NÚCLEO MUNICIPAL DE CONTROLE DE INFECÇÃO

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO DO AMBIENTE, PROCESSAMENTO E PREPARO DE SUPERFÍCIE DOS EQUIPAMENTOS E CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO

HIGIENIZAÇÃO DO AMBIENTE, PROCESSAMENTO E PREPARO DE SUPERFÍCIE DOS EQUIPAMENTOS E CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO HIGIENIZAÇÃO DO AMBIENTE, PROCESSAMENTO E PREPARO DE SUPERFÍCIE DOS EQUIPAMENTOS E CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO ANA LUÍZA 21289 LUCAS - 23122 ARTTENALPY 21500 MARCELINA - 25723 CLECIANE - 25456 NAYARA - 21402

Leia mais

Arquitetura do CME: seguindo as recomendações da RDC 15-15/03/12 Nome do autor

Arquitetura do CME: seguindo as recomendações da RDC 15-15/03/12 Nome do autor Arquitetura do CME: seguindo as recomendações da RDC 15-15/03/12 Nome do autor Rosa M. P. Fonseca Supervisora do CC / CME do Hospital Paulistano Diretora do conselho Fiscal da SOBECC gestão 2013-2015 200

Leia mais

INSTRUÇÃO DE USO DISPOSITIVO EXPANSÍVEL PARA CORPECTOMIA GIZA Dispositivo de espaçamento intersomático de substituição corpo-discal

INSTRUÇÃO DE USO DISPOSITIVO EXPANSÍVEL PARA CORPECTOMIA GIZA Dispositivo de espaçamento intersomático de substituição corpo-discal INSTRUÇÃO DE USO DISPOSITIVO EXPANSÍVEL PARA CORPECTOMIA GIZA Dispositivo de espaçamento intersomático de substituição corpo-discal DESCRIÇÃO DO PRODUTO O implante de corpectomia se apresenta na forma

Leia mais

Silvia Baffi - Especialista em Processos de Esterilização www.silviabaffi.com CURRICULUM VITAE. Silvia Helena Baffi

Silvia Baffi - Especialista em Processos de Esterilização www.silviabaffi.com CURRICULUM VITAE. Silvia Helena Baffi CURRICULUM VITAE Silvia Helena Baffi Títulos: Graduada em Enfermagem pelo Departamento de Enfermagem da Escola Paulista de Medicina UNIFESP 1978. Habilitação em Saúde Publica pelo Departamento de Enfermagem

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013

Leia mais

Legislação em Vigilância Sanitária

Legislação em Vigilância Sanitária Legislação em Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 59, DE 27 DE JUNHO DE 2000 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11, inciso

Leia mais

NORMAS PARA O PROCESSAMENTO DE ARTIGOS - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO.

NORMAS PARA O PROCESSAMENTO DE ARTIGOS - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO. NORMAS PARA O PROCESSAMENTO DE - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO. ATENÇÃO Para desenvolver esta atividade, sem risco de contaminação por material orgânico (sangue, fluídos orgânicos, secreções e excreções)

Leia mais

CHECKLIST DA RDC 16/2013

CHECKLIST DA RDC 16/2013 CHECKLIST DA RDC 16/2013 Checklist para a RDC 16 de 2013 Página 2 de 10 Checklist 1. 2.1 Disposições gerais Existe um manual da qualidade na empresa? 2. Existe uma política da qualidade na empresa? 3.

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES PRODUTO E PROCESSO LANCETAS AUTOMÁTICAS DE SEGURANÇA INJEX

ESPECIFICAÇÕES PRODUTO E PROCESSO LANCETAS AUTOMÁTICAS DE SEGURANÇA INJEX Página: 1 de 8 1) DESCRIÇÃO DO PRODUTO Lanceta Automática de Segurança Injex - Estéril - calibre: 28 G = 0,36mm Produto Classe: 2 Registro: 10160610037 2) TIPO DE USO Produto uso único - doméstico (usuários

Leia mais

OFICINA: EMPACOTAMENTO Tecido de Algodão, Contêineres, SMS, Papel Grau Cirúrgico, Tyvek, Papel Crepado, Fitas adesivas e Termosselagem.

OFICINA: EMPACOTAMENTO Tecido de Algodão, Contêineres, SMS, Papel Grau Cirúrgico, Tyvek, Papel Crepado, Fitas adesivas e Termosselagem. OFICINA: EMPACOTAMENTO Tecido de Algodão, Contêineres, SMS, Papel Grau Cirúrgico, Tyvek, Papel Crepado, Fitas adesivas e Termosselagem. Enf. Simone Batista Neto Arza São Paulo -2012 EMBALAGEM PARA ESTERILIZAÇÃO

Leia mais

Portfólio. Portfólio. Portfólio

Portfólio. Portfólio. Portfólio Portfólio Portfólio Portfólio CICLO DE REPROCESSAMENTO DOS ENDOSCÓPIOS FLEXÍVEIS Procedimento Endoscópio Transporte de Endoscópio Desinfetado Transporte de Endoscópio Contaminado Armazenamento Limpeza

Leia mais

Procedimentos de montagem e instalação

Procedimentos de montagem e instalação Procedimentos de montagem e instalação de elementos filtrantes Pall grau P (farmacêutico) 1. Introdução Os procedimentos abaixo devem ser seguidos para a instalação dos elementos filtrantes Pall grau P

Leia mais

Apresentaçã. ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012. Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril de 2013 Curitiba - Paraná

Apresentaçã. ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012. Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril de 2013 Curitiba - Paraná Ministério da Saúde/ Diretoria de Coordenação e Articulação do Sistema Nacional - DSNVS Apresentaçã ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012 Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril

Leia mais

Maria Edutania Skroski Castro

Maria Edutania Skroski Castro 2 Encontro Científico de Central de Material e Esterilização ATUALIZANDO-SE HUMAN SP GERENCIAMENTO DE RISCO OCUPACIONAL NA CME Maria Edutania Skroski Castro RISCO Possibilidade de perigo, incerto mas previsível,

Leia mais

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor Presidente, determino a sua publicação: Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 34, de 3 de junho de 2009. D.O.U de 4/06/09 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

Produção Integrada de Maçã PIM. Lista de Verificação para Auditoria de Acompanhamento - Campo

Produção Integrada de Maçã PIM. Lista de Verificação para Auditoria de Acompanhamento - Campo Produção Integrada de Maçã PIM Lista de Verificação para Auditoria de Acompanhamento - Campo Empresa: Localização: Responsável Técnico: Data: Horário Nota: Os itens grafados em Negrito, Itálico e Sublinhado

Leia mais

CUIDADOS NAS ETAPAS DO PROCESSAMENTODOS ARTIGOS EM CME

CUIDADOS NAS ETAPAS DO PROCESSAMENTODOS ARTIGOS EM CME CUIDADOS NAS ETAPAS DO PROCESSAMENTODOS ARTIGOS EM CME II SIMPÓSIO NORTE/NORDESTE DE ENFERMAGEM EM CENTRO CIRÚRGICO, RECUPERAÇÃO ANESTÉSICA E CENTRO DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO NADJA FERREIRA Enfermeira

Leia mais

CHECK LIST MICROPROCESSO ESTERILIZAÇÃO DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS

CHECK LIST MICROPROCESSO ESTERILIZAÇÃO DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS CHECK LIST MICROPROCESSO ESTERILIZAÇÃO DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS DISA: DATA: UNIDADE: RECURSOS HUMANOS ÍTEM AVALIAÇÃO FORMA DE VERIFICAÇÃO EM CONFORMI DADE NÃO CONFORMI DADE OBSERVAÇÃO 1) A unidade

Leia mais

Processo nº 2009-0.154.220-9 Prefeitura da Cidade de São Paulo Secretaria Municipal da Saúde SMS - 32 - Licitações

Processo nº 2009-0.154.220-9 Prefeitura da Cidade de São Paulo Secretaria Municipal da Saúde SMS - 32 - Licitações EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº 145/2009 PROCESSO Nº 2009-0.154.220-9 DATA DA REALIZAÇÃO :10 DE NOVEMBRO DE 2009 HORÁRIO : 10:00 HORAS LOCAL : RUA GENERAL JARDIM, 36 3º ANDAR SALA DE PREGÕES AMOSTRAS ATÉ

Leia mais

2º ENCONTRO DE ESTERILIZAÇÃO Métodos de validação de limpeza de acordo com as especificidades dos materiais utilizados na saúde

2º ENCONTRO DE ESTERILIZAÇÃO Métodos de validação de limpeza de acordo com as especificidades dos materiais utilizados na saúde 2º ENCONTRO DE ESTERILIZAÇÃO Métodos de validação de limpeza de acordo com as especificidades dos materiais utilizados na saúde * Profª Dra. Kazuko Uchikawa Graziano Departamento de Enfermagem Médico Cirúrgica

Leia mais

A SEGURANÇA DA ASSISTÊNCIA DO PACIENTE CIRÚRGICO: FLUXO DE OPME NORMAS E CONDUTAS

A SEGURANÇA DA ASSISTÊNCIA DO PACIENTE CIRÚRGICO: FLUXO DE OPME NORMAS E CONDUTAS 10º Congresso Brasileiro de Enfermagem en Centro Cirúrgico, Recuperação Anestésica e Centro de Material e ESterilização- 2011 A SEGURANÇA DA ASSISTÊNCIA DO PACIENTE CIRÚRGICO: FLUXO DE OPME NORMAS E CONDUTAS

Leia mais

Classificação das áreas limpas. Preparo de estéreis (Resolução - RDC nº 17, de 16 de abril de 2010)

Classificação das áreas limpas. Preparo de estéreis (Resolução - RDC nº 17, de 16 de abril de 2010) Preparo de estéreis (Resolução - RDC nº 17, de 16 de abril de 2010) Considerações gerais A produção de preparações estéreis deve ser realizada em áreas limpas, cuja entrada de pessoal e de materiais deve

Leia mais

SONDAS DILATADORAS AMPLATZ ENDOMASTER

SONDAS DILATADORAS AMPLATZ ENDOMASTER SONDAS DILATADORAS AMPLATZ ENDOMASTER Dilatadores Manual do Usuário Sondas Dilatadoras Amplatz EndoMaster Rev.00 E-MED PRODUTOS MÉDICO-HOSPITALARES LTDA. Rua André de Leão, 77 - CEP 04762-030 Vila Socorro

Leia mais

HD 100. P Cobertor elétrico Instruções de utilização. BEURER GmbH Söflinger Str. 218 89077 Ulm (Germany) www.beurer.com. 06.0.

HD 100. P Cobertor elétrico Instruções de utilização. BEURER GmbH Söflinger Str. 218 89077 Ulm (Germany) www.beurer.com. 06.0. HD 100 P 06.0.43510 Hohenstein P Cobertor elétrico Instruções de utilização BEURER GmbH Söflinger Str. 218 89077 Ulm (Germany) www.beurer.com Conteúdo 1. Volume de fornecimento... 3 1.1 Descrição do aparelho...

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos Segurança Ocupacional

Gerenciamento de Resíduos Segurança Ocupacional Gerenciamento de Resíduos Segurança Ocupacional Maio / 2016 Eng. Jose Arnaldo Acidentes envolvendo produtos químicos Em 2014, ocorreram: Mais de 83.000 óbitos e 7,4 milhões de trabalhadores feridos decorrentes

Leia mais

Não conformidades mais comuns em inspeções de Boas Práticas de Fabricação de medicamentos realizadas pelas Visas

Não conformidades mais comuns em inspeções de Boas Práticas de Fabricação de medicamentos realizadas pelas Visas Não conformidades mais comuns em inspeções de Boas Práticas de Fabricação de medicamentos realizadas pelas Visas Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa Roteiro da Apresentação Dados sobre os

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO EMBALAGEM PARA ESTERILIZAÇÃO SOLIDOR

INSTRUÇÕES DE USO EMBALAGEM PARA ESTERILIZAÇÃO SOLIDOR INSTRUÇÕES DE USO EMBALAGEM PARA ESTERILIZAÇÃO SOLIDOR Importador: Lamedid Comercial e Serviços Ltda. Endereço: Av. Gupê, nº 10767 Galpão 20, Bloco IV Jardim Belval Município: Barueri SP -CEP: 06422-120

Leia mais

Selo de Qualidade e Sustentabilidade para Lavanderias - SQS REFERENCIAL NORMATIVO REF.001

Selo de Qualidade e Sustentabilidade para Lavanderias - SQS REFERENCIAL NORMATIVO REF.001 Selo de Qualidade e Sustentabilidade para Lavanderias - SQS REFERENCIAL NORMATIVO REF.001 Versão Jul.2011 1. Introdução Este programa da Qualidade, Meio Ambiente e Segurança em Lavanderias SQS estabelece

Leia mais

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 249, DE 13 DE SETEMBRO DE 2005.

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 249, DE 13 DE SETEMBRO DE 2005. RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 249, DE 13 DE SETEMBRO DE 2005. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11, inciso IV,

Leia mais

Ficha de informação de segurança de produto químico (FISPQ) DETERGENTE NEUTRO MALTEX

Ficha de informação de segurança de produto químico (FISPQ) DETERGENTE NEUTRO MALTEX Ficha de informação de segurança de produto químico (FISPQ) 01/06 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto:. Aplicação: Utilizado para limpeza manual de louças e remoção de resíduos de

Leia mais

TRANSPORTE DE MATERIAL BIOLÓGICO HUMANO

TRANSPORTE DE MATERIAL BIOLÓGICO HUMANO TRANSPORTE DE MATERIAL BIOLÓGICO HUMANO MATERIAL BIOLÓGICO HUMANO Tecido ou fluido constituinte do organismo humano, tais como excrementos, fluidos corporais, células, tecidos, órgãos ou outros fluidos

Leia mais

Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado

Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado Gessilene de Sousa Sobecc, julho2011 Agenda Regulamentação Definição: Centro de Material Esterilizado - CME; Estrutura Física: Áreas de composição; Fluxograma

Leia mais

INVESTIGAÇÕES EM TECNOVIGILÂNCIA

INVESTIGAÇÕES EM TECNOVIGILÂNCIA INVESTIGAÇÕES EM TECNOVIGILÂNCIA A principal finalidade da investigação de acidentes e / ou das reações adversas relacionados aos produtos de saúde, em especial no caso da Tecnovigilância, os equipamentos,

Leia mais

MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA.

MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA. MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA. CLAUSULA PRIMEIRA: OBJETIVO. 1.1. Estabelecer diretrizes de

Leia mais

ENCONTRO SOBRE PROCESSAMENTO DE MATERIAIS MÉDICO-HOSPITALARES E ODONTOLÓGICOS LIMPEZA E PREPARO DE MATERIAIS

ENCONTRO SOBRE PROCESSAMENTO DE MATERIAIS MÉDICO-HOSPITALARES E ODONTOLÓGICOS LIMPEZA E PREPARO DE MATERIAIS ENCONTRO SOBRE PROCESSAMENTO DE MATERIAIS MÉDICO-HOSPITALARES E ODONTOLÓGICOS LIMPEZA E PREPARO DE MATERIAIS CONTROLE DO PROCESSO: MONITORAMENTO DA LIMPEZA (RESULTADO) Enfa.TERESINHA NEIDE DE OLIVEIRA

Leia mais

Ajuda On-line - Sistema de Central de Materiais Esterilizados. Versão 1.0

Ajuda On-line - Sistema de Central de Materiais Esterilizados. Versão 1.0 Ajuda On-line - Sistema de Central de Materiais Esterilizados Versão 1.0 Sumário Central de Materiais Esterilizados 3 1 Manual... de Processos - Central de Materiais Esterilizados 4 Fluxos do... Processo

Leia mais

Embalagens para esterilização. O que você precisa saber sobre: Normas técnicas

Embalagens para esterilização. O que você precisa saber sobre: Normas técnicas O que você precisa saber sobre: Normas técnicas Leis e Normas Constituição Federal Leis Infra - constitucinais Ex: Código Penal 1940 Código Civil (1916) 2002 Leis Complementares (Decreto Lei) MP NORMAS

Leia mais

Princípios e métodos de esterilização

Princípios e métodos de esterilização Princípios e métodos de esterilização FUNDAMENTOS DE ESTERILIZAÇÃO Bactérias (forma vegetativa ou esporulada) São os menores organismos vivos; Existem em maior número; São as maiores responsáveis pelos

Leia mais

ROTEIRO PARA ESTABELECIMENTOS DE ENDOSCOPIA GÁSTRICA

ROTEIRO PARA ESTABELECIMENTOS DE ENDOSCOPIA GÁSTRICA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA DA SAÚDE EQUIPE DE VIGILANCIA DE SERVIÇOS E PRODUTOS DE INTERESSE À SAÚDE Módulo I - Informações Gerais

Leia mais

Diante da atual situação de desabastecimento de água na cidade. Orientações à população para uso da Água. prefeitura.sp.gov.

Diante da atual situação de desabastecimento de água na cidade. Orientações à população para uso da Água. prefeitura.sp.gov. Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Vigilância em Saúde - COVISA 08 de abril de 05 Orientações à população para uso da Água Diante da atual situação de desabastecimento

Leia mais

LEGISLAÇÃO BRASILEIRA SOBRE REUTILIZAÇÃO DE PRODUTOS DE USO ÚNICO

LEGISLAÇÃO BRASILEIRA SOBRE REUTILIZAÇÃO DE PRODUTOS DE USO ÚNICO LEGISLAÇÃO BRASILEIRA SOBRE REUTILIZAÇÃO DE PRODUTOS DE USO ÚNICO Adélia Aparecida Marçal dos Santos Gerência de Investigação e Prevenção das Infecções e dos Eventos Adversos GIPEA/GGTES/ANVISA AGÊNCIA

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Nº: 059 Data da última revisão: 04/05/2013 Nome do Produto: Betugrout Super 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Betugrout Super Código do Produto:026050100. Nome da Empresa:Betumat

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº 40, DE 26 DE AGOSTO DE 2015. (DOU Seção 1, nº 164, pag. 47, 27.08.2015) (Retificação DOU Seção 1, nº 165, pag. 69, 28.08.

RESOLUÇÃO - RDC Nº 40, DE 26 DE AGOSTO DE 2015. (DOU Seção 1, nº 164, pag. 47, 27.08.2015) (Retificação DOU Seção 1, nº 165, pag. 69, 28.08. RESOLUÇÃO - RDC Nº 40, DE 26 DE AGOSTO DE 2015 (DOU Seção 1, nº 164, pag. 47, 27.08.2015) (Retificação DOU Seção 1, nº 165, pag. 69, 28.08.2015) Define os requisitos do cadastro de produtos médicos. A

Leia mais

Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Objetivo Estabelecer as diretrizes básicas para a implementação de medidas de proteção

Leia mais

Aspectos de Arquitetura em Projetos de Estabelecimentos Assistenciais de Saúde

Aspectos de Arquitetura em Projetos de Estabelecimentos Assistenciais de Saúde NR 15 NR 24 NR 26 NR 07 PCMSO CENEN PPR NR 09 PPRA ANVISA SERVIÇOS DE SAÚDE NR 32 2 Local de Trabalho para aplicação da NR 32: SERVIÇOS DE SAÚDE Definição: Qualquer edificação destinada à prestação de

Leia mais

22/08/2007 DEFINIÇÃO PORQUE VALIDAR? Gerson R. Luqueta. Gerson R. Luqueta

22/08/2007 DEFINIÇÃO PORQUE VALIDAR? Gerson R. Luqueta. Gerson R. Luqueta VALIDAÇÃO DE EQUIPAMENTOS CONFORME NORMATIZAÇÃO (ênfase em processos de esterilização) VALIDAÇÃO DO PROCESSO DEFINIÇÃO Procedimento documentado para obtenção, registro e interpretação de resultados desejados

Leia mais

F.I.S.P.Q. FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO TIPO DE PRODUTO : DESINFETANTE HOSPITALAR PARA SUPERFICIES FIXAS

F.I.S.P.Q. FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO TIPO DE PRODUTO : DESINFETANTE HOSPITALAR PARA SUPERFICIES FIXAS F.I.S.P.Q. FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA NOME DO PRODUTO ALCOOL NORD DESINFETANTE HOSPITALAR PARA SUPERFICIES FIXAS NOME DO FABRICANTE Cinord

Leia mais

Ficha de informação de segurança de produto químico (FISPQ) LIMPEZA PESADA

Ficha de informação de segurança de produto químico (FISPQ) LIMPEZA PESADA 01/05 1. DENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto:. Aplicação: Limpa e desengordura superfícies laváveis, como fogões, coifas, azulejos, pisos, e similares. Diluição até 1:20 Telefone de emergência:

Leia mais

Controle do processo de esterilização: Monitoramento físico, químico e biológico.

Controle do processo de esterilização: Monitoramento físico, químico e biológico. 2º WORKSHOP DE PROCESSAMENTO DE ARTIGOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE CONTAGEM-MG Controle do processo de esterilização: Monitoramento físico, químico e biológico. TERESINHA NEIDE DE OLIVEIRA A Verdadeira obra

Leia mais

FUMSSAR - FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE SAÚDE DE SANTA ROSA DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

FUMSSAR - FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE SAÚDE DE SANTA ROSA DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA QUIMIOTERAPIA R E N O V A Ç Ã O PARA SOLICITAR A RENOVAÇÃO DO ALVARÁ SANITÁRIO: Juntar os seguintes documentos: 1. Requerimento com os dados do estabelecimento (razão social, endereço, CNPJ,) dirigido

Leia mais

(HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA)

(HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA) ANEXO I Solicitação de Autorização de Funcionamento de Empresas Distribuidoras de Produtos Farmacêuticos (HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA) A empresa interessada em desenvolver

Leia mais

CURSO DE PROCESSAMENTO DE MATERIAIS MÉDICO-HOSPITALARES EDUCAÇÃO CONTINUADA MÓDULO II E ODONTOLÓGICOS

CURSO DE PROCESSAMENTO DE MATERIAIS MÉDICO-HOSPITALARES EDUCAÇÃO CONTINUADA MÓDULO II E ODONTOLÓGICOS CURSO DE PROCESSAMENTO DE MATERIAIS MÉDICO-HOSPITALARES E ODONTOLÓGICOS EDUCAÇÃO CONTINUADA MÓDULO II Autoclave Vapor saturado sob pressão Denise Demarzo Curitiba, 17 de novembro de 2010-2010 CME Uso Esterilização,

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO SELO ECOLÓGICO FALCÃO BAUER

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO SELO ECOLÓGICO FALCÃO BAUER 1. Introdução A Certificação do Selo Ecológico Falcão Bauer possui caráter voluntário e visa demonstrar o desempenho ambiental de produtos e serviços através da avaliação do diferencial ecológico apresentado

Leia mais

Indicadores de Limpeza O que há de novo? Andréa Alfaya Acuña andrea.acuna@hsl.org.br

Indicadores de Limpeza O que há de novo? Andréa Alfaya Acuña andrea.acuna@hsl.org.br Indicadores de Limpeza O que há de novo? Andréa Alfaya Acuña andrea.acuna@hsl.org.br Indicadores São valores ou variáveis associadas a uma atividade que nos indicam alguma relação, são medidas quantitativas

Leia mais

Ficha de informação de segurança de produto químico (FISPQ) DESINFETANTE NÁUTICO MALTEX

Ficha de informação de segurança de produto químico (FISPQ) DESINFETANTE NÁUTICO MALTEX 1.IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DO DISTRIBUIDOR Nome do produto: desinfetante náutico maltex. Aplicação: para um ambiente livre de germes e bactérias, utilize o desinfetante maltex na limpeza de louças sanitárias,

Leia mais

NR.35 TRABALHO EM ALTURA

NR.35 TRABALHO EM ALTURA NR.35 TRABALHO EM ALTURA Objetivo e Campo de Aplicação Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura, envolvendo o planejamento, a organização e a execução,

Leia mais

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos;

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos; Os 32 itens da NR-32 a serem trabalhados nesta primeira etapa do projeto 32 para implantação nos estabelecimentos de saúde até 2009 foram selecionados e estudados pela diretoria do Sinsaúde por serem os

Leia mais

Gestão Laboratorial. Gestão de equipamentos Prof. Archangelo Fernandes

Gestão Laboratorial. Gestão de equipamentos Prof. Archangelo Fernandes Gestão Laboratorial Gestão de equipamentos Prof. Archangelo Fernandes Níveis de biossegurança laboratorial Nível de Biossegurança Adequado para trabalho que envolva agentes de risco moderado para as pessoas

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Nome do produto: CORANTE CARAMELO CER Página: (1 of 8) ATENçÃO: Leia atentamente esta Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico (FISPQ) antes

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUíMICOS (FISPQ) Endereço: Est. Vic. Dr. Eduardo Dias de Castro Km 03 B Zona Rural Fernão/SP

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUíMICOS (FISPQ) Endereço: Est. Vic. Dr. Eduardo Dias de Castro Km 03 B Zona Rural Fernão/SP 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Empresa: Micheloto Ind. e Com. de Prod. Químicos Ltda EPP Endereço: Est. Vic. Dr. Eduardo Dias de Castro Km 03 B Zona Rural Fernão/SP Telefone: (XX14) 3214-1874

Leia mais

Orientação Técnica: Cuidado com o Material

Orientação Técnica: Cuidado com o Material Orientação Técnica: Cuidado com o Material 1 EM RELAÇÃO AO AÇO INOXIDÁVEL 1.1 Os produtos marca RICHTER são fabricados com aços inoxidáveis que seguem a norma NBR ISO 7153-1. Esta norma brasileira foi

Leia mais

CORTADOR DE FRIOS C-300. Manual do Usuário Instruções de uso, manutenção e limpeza do equipamento. www.elgin.com.br Suporte 0800 77 00 300

CORTADOR DE FRIOS C-300. Manual do Usuário Instruções de uso, manutenção e limpeza do equipamento. www.elgin.com.br Suporte 0800 77 00 300 CORTADOR DE FRIOS C-300 Manual do Usuário Instruções de uso, manutenção e limpeza do equipamento. www.elgin.com.br Suporte 0800 77 00 300 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 2 Descrição Geral... 2 Principais Características...

Leia mais

PREZADO CLIENTE DESCRIÇÃO DO PRODUTO GARANTIA DO EQUIPAMENTO DADOS GERAIS

PREZADO CLIENTE DESCRIÇÃO DO PRODUTO GARANTIA DO EQUIPAMENTO DADOS GERAIS ÍNDICE Descrição do Produto... 3 Garantia do Equipamento... 3 Dados Gerais... 3 Especificações Técnicas... 5 Simbologia... 5 Dimensões... 6 Instalação... 7 Funcionamento... 7 Manutenção... 7 Precauções...

Leia mais

Componente B Catalisador AL 1006 Componente B (12256557) - (1,5L)

Componente B Catalisador AL 1006 Componente B (12256557) - (1,5L) WEGNILICA CVE 804 DESCRIÇÃO DO PRODUTO: Promotor de aderência bicomponente, formulado a partir de resinas vinílicas com excelente aderência sobre metais ferrosos e não ferrosos. RECOMENDAÇÕES DE USO: Indicado

Leia mais

1 Alteração das imagens do aparelho Kaue 11-08-2011 2 Alteração na capacidade do reservat rio, de 1600ml para 1400ml Kaue 20-09-2011

1 Alteração das imagens do aparelho Kaue 11-08-2011 2 Alteração na capacidade do reservat rio, de 1600ml para 1400ml Kaue 20-09-2011 1 Alteração das imagens do aparelho Kaue 11-08-2011 2 Alteração na capacidade do reservat rio, de 1600ml para 1400ml Kaue 20-09-2011 07/11 719-09-05 775788 REV.2 Vapor Tapete Clean 719-09-05 2 Parabéns

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS ESPECIALIZADOS DA ÁREA DE SAÚDE

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS ESPECIALIZADOS DA ÁREA DE SAÚDE REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS ESPECIALIZADOS DA ÁREA DE SAÚDE I. Objetivos do Regulamento dos Laboratórios Especializados da Área de Saúde 1. Fornecer um guia geral e regras básicas consideradas mínimas

Leia mais

CHECK LIST MICROPROCESSO HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS

CHECK LIST MICROPROCESSO HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS CHECK LIST MICROPROCESSO HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS DISA: DATA: UNIDADE: RECURSOS HUMANOS ÍTEM AVALIAÇÃO FORMA DE VERIFICAÇÃO EM CONFORMI DADE NÃO CONFORMI DADE OBSERVAÇÃO

Leia mais

AUTOCLAVES SS. Autoclave VITALE. 12 Litros R$: 3.260,00 à vista. ou 10 x R$: 326,00 sem juros. 21 Litros R$: 4.330,00 à vista

AUTOCLAVES SS. Autoclave VITALE. 12 Litros R$: 3.260,00 à vista. ou 10 x R$: 326,00 sem juros. 21 Litros R$: 4.330,00 à vista SHOPPING DA BELEZA AUTOCLAVES SS TELE-VENDAS 3542-1030 / 3542-1803 DISTRIBUIDOR AUTORIZADO Autoclave AMORA 4 Litros R$: 1.999,00 à vista ou 10 x R$: 215,00 Autoclave Amora - Cristófoli 4 Litros Autoclave

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO BIOSSEGURANÇA EM VEÍCULOS DE REMOÇÃO DO CENTRO MÉDICO UNIMED (CMU)

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO BIOSSEGURANÇA EM VEÍCULOS DE REMOÇÃO DO CENTRO MÉDICO UNIMED (CMU) Objetivo: Promover a limpeza e a desinfecção dos veículos de remoção, potencializando a segurança ofertada aos nossos clientes, e diminuindo a probabilidade de exposição a riscos biológicos. PROCESSO 1.

Leia mais

abertas para assegurar completa irrigação dos olhos, poucos segundos após a exposição é essencial para atingir máxima eficiência.

abertas para assegurar completa irrigação dos olhos, poucos segundos após a exposição é essencial para atingir máxima eficiência. FISPQ- AMACIANTE MAIS Autorização ANVISA 3.03.374-7 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Amaciante Mais Tradicional Marca: Mais Código Interno do Produto: 06.01 Técnico Químico Responsável:

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos

Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos FISPQ nº 006 Revisão: 04 Data: 26/08/2014 Página: 1/5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 1.1 Identificação do produto Stanlux Pell 1.2 Principais usos recomendados Masterbatches para plásticos 1.3

Leia mais

COMPLEMENTO DE REGRA DE CERTIFICAÇÃO CADEIRAS DE ALIMENTAÇÃO PARA CRIANÇAS

COMPLEMENTO DE REGRA DE CERTIFICAÇÃO CADEIRAS DE ALIMENTAÇÃO PARA CRIANÇAS Página 1 de 16 Elaborado por: Diego Alves de Oliveira Verificado por: Karen C. Martins Aprovado por: Maria Lucia Hayashi Data Aprovação: 02/06/2015 1 - OBJETIVO Estabelecer os requisitos para o Programa

Leia mais

NOTA TÉCNICA SPEIS/VISA nº 02/2015

NOTA TÉCNICA SPEIS/VISA nº 02/2015 Prefeitura Municipal de Salvador- PMS Secretaria Municipal de Saúde- SMS Diretoria de Vigilância á Saúde- DVIS Subcoordenação de Vigilância Sanitária- VISA Setor de Produtos e Serviços de Interesse á Saúde-

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Conforme NBR14725, de julho/2005 e 1907/2006/EC

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Conforme NBR14725, de julho/2005 e 1907/2006/EC 1 1 Identificação do produto e da empresa Produto : Alfa numérico: ------ Fabricante: Diversey Brasil Indústria Química LTDA Departamento de informações: Rua Nossa Senhora do Socorro, 125 Socorro São Paulo

Leia mais

Vestimentas para Sala Limpa: Cenário Atual no Brasil - Parte III

Vestimentas para Sala Limpa: Cenário Atual no Brasil - Parte III Circular para Vestimentas para Sala Limpa: Cenário Atual no Brasil - Parte III Ana Maria Targa Introdução Nesta terceira parte abordaremos o cenário atual do Brasil, a partir de pesquisa realizada com

Leia mais