Última revisão: 03/08/2011 ROTINA DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE ARTIGOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Última revisão: 03/08/2011 ROTINA DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE ARTIGOS"

Transcrição

1 Protocolo: Nº 23 ELABORADO POR: Frederico Willer Ubiratam Lopes Última revisão: 03/08/2011 Revisores: Manoel Emiliano Ubiratam Lopes Wilhma Alves Frederico Willer ROTINA DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE ARTIGOS OBJETIVOS: O objetivo deste documento é padronizar os processos de desinfecção e esterilização dos materiais e equipamentos utilizados no SAMU Regional Macro Norte. Essas ações deverão ser realizadas pelos Técnicos em Enfermagem e gerenciadas pelos Enfermeiros nas bases onde houver a USA. Nas bases onde houver somente USB, o processo será realizado pelos Técnicos em Enfermagem sob a orientação do Coordenador de Enfermagem Regional. CONCEITOS: Esterilização: É o procedimento utilizado para a completa destruição de todas as formas de vida microbiana (bactérias, fungos, vírus e esporos), com o objetivo de evitar infecções pelo uso de artigos hospitalares contaminados, principalmente os considerados críticos. O processo de esterilização pode utilizar agentes químicos ou físicos. No SAMU, utilizamos para o processo de desinfecção de alto nível, somente os agentes químicos. Desinfecção: Redução do número de microorganismos (patogênicos ou não), na forma vegetativa (não esporulados), em artigos semi-críticos, pela ação de agentes químicos ou físicos. Limpeza: Remoção física das sujidades visíveis, através da ação mecânica e/ou química. CLASSIFICAÇÃO DOS ARTIGOS: Críticos: São todos aqueles que penetram através da pele, atingindo tecidos subepiteliais, sistema vascular e outros órgãos isentos de flora microbiana própria (instrumentais cirúrgicos em geral). Pág. 01

2 Semi-Críticos: São todos aqueles que entram em contato com a mucosa íntegra, mas não invadem os tecidos sub-epiteliais, como acessórios de equipamentos de assistência ventilatória, máscara do ambú, laringoscópio, máscara de alto fluxo, máscara laríngea. Não Críticos: São todos aqueles que entram em contato com a pele do paciente, como esfingnomanômetros, termômetros, oxímetros, estetoscópios. ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NAS BASES REGIONAIS E NA BASE CENTRAL DO SAMU Segundo a Resolução 307 (Brasil, 2002): Receber, desinfetar e separar os artigos; Lavar os artigos; Desinfetar os artigos por meio químico, proporcionando condições de aeração dos produtos, conforme necessário; Realizar o controle de validade dos produtos esterilizados; Distribuir os artigos esterilizados; Zelar pela proteção e pela segurança dos operadores. DINÂMICA E FLUXO Quanto à localização, a CME do SAMU tem sua localização estratégica, instalada na Base de Montes Claros e também nas bases regionais. Na Base de Montes Claros e nas Bases de Taiobeiras, Brasília de Minas, Pirapora e Janaúba serão realizados os processos de desinfecção e esterilização química, pois são bases que estão instaladas USAs e com isso terão materiais críticos. Nas bases regionais onde estarão instaladas somente as USBs o processo realizado é a desinfecção, pois os materiais disponíveis só incluem artigos semi-críticos e nãocríticos. Todo o processo será realizado pelos Técnicos em Enfermagem que serão responsáveis por controlar a diluição dos agentes esterilizantes e o tempo do Pág. 02

3 processo. Todos os passos serão seguidos conforme protocolo. Após a realização dos processos os materiais estarão disponíveis para o atendimento. A área física do CME deve permitir o estabelecimento de um fluxo contínuo e unidirecional do artigo, evitando cruzamento de artigos sujos com os limpos e esterilizados. Durante o procedimento de lavagem do material no expurgo o Técnico de Enfermagem responsável pela CME deverá paramentar-se com avental, luvas de borracha, óculos e máscara. Quando esse profissional for para a sala de esterilização deverá retirar o avental, máscara e óculos usados no expurgo e paramentar-se com outro uniforme, evitando assim,a contaminação dos materiais. LIMPEZA DO MATERIAL DESINFECÇÃO CHEGADA DO MATERIAL EMPACOTAMENTO ARMAZENAMENTO LIMPEZA E DESINFECÇÃO Limpeza: a limpeza deve sempre ser feita antes dos processos de desinfecção ou esterilização, pois a maioria dos germicidas são inativados em presença de matéria orgânica. Normalmente a limpeza é realizada com água e detergente, com ou sem ação mecânica (esfregação). Desinfecção: é um processo gradual que, igual a todas as reações químicas, requer um tempo para completar-se. A velocidade da desinfecção depende: - Da natureza e da concentração do desinfetante; - Da temperatura; - Do tipo e número de microorganismos. Pág. 03

4 Método de limpeza Limpeza Manual Limpeza manual é a executada através de fricção com escovas e uso de soluções de limpeza. Recomendações para limpeza manual: Realizar a limpeza manual de todos os artigos e materiais que forem passar por desinfecção ou esterilização; Utilizar preferencialmente soluções enzimáticas para a limpeza; Utilizar EPIs adequados: luva grossa de borracha antiderrapante de cano longo, avental impermeável, botas, gorro, protetor facial ou máscara e óculos de proteção. Utilizar escovas não abrasivas. Friccionar os artigos sob água para evitar aerossóis de microorganismos; Enxaguar abundantemente com água até remover a sujidade e o detergente. Produtos de limpeza a) Detergentes e Desincrustantes Os detergentes são todos os produtos que contêm um tensoativo, com finalidade de reduzir a tensão superficial da água e promover umectação, dispersão e suspensão das partículas. Os desincrustantes são detergentes para limpeza de artigos, por imersão. Estes produtos são indicados para artigos com presença de pouca matéria orgânica. Vale a pena ressaltar que todo desincrustante é detergente porém nem todo detergente é desincrustante. Recomendações para o uso de detergente e desincrustante: Empregar detergente em artigos cujo volume de matéria orgânica seja pouco ou desprezível; Remover completamente o detergente ou desincrustante em água corrente abundante; Utilizar apenas um tipo de agente limpante para cada processamento; Pág. 04

5 Não utilizar detergentes em instrumentos cirúrgicos, pois podem provocar pontos de corrosão. Para os instrumentais cirúrgicos e materiais metálicos contendo matéria orgânica é indicado o uso do detergente enzimático. b) Limpadores enzimáticos Limpadores enzimáticos são compostos basicamente por enzimas, surfactantes, solubilizantes e álcool isopropílico. A combinação balanceada desses elementos faz com que o produto possa remover a matéria orgânica do material em curto período de tempo (em média 3 minutos), inclusive nos locais de difícil acesso ou em lumes estreitos. Estes produtos têm ph neutro, não são corrosivos, são atóxicos e permitem enxágüe simples. Recomendações para o uso de limpadores enzimáticos: Utilizar limpadores enzimáticos sempre que possível e desde que justificada a relação custo benefício; Verificar o modo de diluição, o prazo de validade após a diluição, o tempo de imersão e o método de utilização, de acordo com as indicações do fabricante; Selecionar apenas limpadores enzimáticos que sejam registrados no Ministério da Saúde para a aplicação a que se destinam; Remover completamente os limpadores enzimáticos com água corrente abundante; Diluição do detergente enzimático: Para cada 1litro de água, deve-se usar 10 ml do produto, utilizando seringa para a medida. Tempo de validade 06 horas ou quando a solução ficar com a cor alterada. Diluição do glutaraldeído: Deve-se colocar a metade do conteúdo do galão em um balde, misturar a metade da solução ativadora que acompanha o galão até a mistura ficar homogênea. Tempo de validade é de 28 dias ou na presença de depósitos/alteração de cor e ph. Deve-se Pág. 05

6 guardar o restante do conteúdo do galão e da solução ativadora, em local fresco e com abrigo da luz. Para obter hipoclorito a 0,5%: Encher o balde com 20 litros de água e adicionar 1 litro de hipoclorito. Anotar a data e horário da diluição, pois a solução tem validade de 24 horas. Para obter hipoclorito a 1%: Encher a almotolia com 200 ml de água e adicionar 20 ml de hipoclorito. Anotar a data e horário da diluição, pois a solução tem validade de 24 horas. Desinfecção de superfícies: - Com uso de luvas, retirar o excesso da carga contaminante em papel absorvente ou pano velho; - Aplicar sobre área atingida, desinfetante adequado e deixar o tempo necessário; - Remover o desinfetante com pano molhado e proceder à limpeza com água e sabão no restante da superfície. Descontaminação: - Em locais com matéria orgânica (sangue, secreções, tecidos, etc.), aplicar solução de sabão e esfregar com escova e enxaguar com água corrente; - E necessário secar muito bem as superfícies e artigos, pois, as áreas que permanecem úmidas ou molhadas têm mais condições de albergar e reproduzir germes gram-negativos e fungos; e as áreas empoeiradas podem albergar germes gram-positivos, microbactérias e outros, sendo proibida a varredura seca. PREPARO E EMPACOTAMENTO DE ARTIGOS Trata-se da preparação do artigo de acordo com a sua classificação (crítico, semi-crítico e não-crítico) e embalo em invólucro compatível com o processo e com o próprio artigo. Têm como objetivo oferecer ao usuário um artigo em boas Pág. 06

7 condições de funcionamento e com proteção adequada, com principal cuidado ao preparo dos artigos que passarão por processo de esterilização para transferência asséptica, sem risco de contaminação. Recomendações Lavar as mãos antes de iniciar o preparo e o empacotamento dos artigos; Inspecionar o artigo antes do empacotamento, quanto à limpeza, à integridade e à funcionalidade; Para os artigos que serão esterilizados em outros hospitais pactuados com o SAMU identificar os pacotes, bandejas e kits, contendo descrição do produto, data da esterilização, validade e nome do preparador do artigo e do profissional responsável pela esterilização; Observar se a selagem está íntegra, pois falhas na selagem permitem entrada de microrganismos; Adotar normas de empacotamento universais (utilizado com papel grau cirúrgico e campos de tecido em algodão). FORMA DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO DOS MATERIAIS 1) Almotolias - Lavar com água, sabão neutro e esfregar com escova. b)-desinfecção: - Imergir em um balde escuro com tampa contendo solução de Hipoclorito diluído a 0,5%, e deixar por 30min; - Enxaguar com água corrente; - Deixar secar naturalmente; - Embalar em saco plástico e selar. 2) Ambu a)-limpeza: - Desmontar todo AMBU; Pág. 07

8 - Imergir em um balde com tampa contendo solução de detergente enzimático diluído e deixar aproximadamente 10 minutos; - Esfregar com escova se necessário; - Enxaguar com água corrente; - Deixar secar em ar ambiente. - Imergir em um balde com tampa contendo solução de glutaraldeido, e deixar por 30 minutos; - Enxaguar com água corrente em abundância; - Deixar secar naturalmente; - Embalar em saco plástico e selar. 3) Esfigmomanômetro (somente o manguito) a)-limpeza: - Lavar com água, sabão neutro e esfregar com escova; - Deixar secar naturalmente. - Imergir em solução de Hipoclorito a 0,5% e deixar por 30 minutos. - Enxaguar em água corrente e secar naturalmente. 4) Cânula a)-limpeza: - Imergir em um balde com tampa contendo solução de detergente enzimático diluído e deixar por 10 minutos; - Esfregar com escova se necessário; - Enxaguar com água corrente. - Imergir em um balde escuro com tampa contendo solução de Hipoclorito diluído a 0,5%, ou glutaraldeido, e deixar por 30min; - Enxaguar com água corrente; - Deixar secar naturalmente; - Embalar em saco plástico e selar. Pág. 08

9 5) Colar cervical - Imergir em um balde com tampa contendo solução de detergente enzimático e deixar por 10 minutos; - Esfregar com escova se necessário; - Enxaguar com água corrente. - Imergir em um balde escuro com tampa contendo solução de Hipoclorito diluído a 0,5% ou glutaraldeido e deixar por 30min; - Enxaguar com água corrente; - Deixar secar naturalmente; - Embalar em saco plástico e selar. 6) Esterilização da compressa de gaze - Embalar a gaze aproximadamente 10 (dez) unidades em papel grau cirúrgico; b)- Esterilização: - Colocar os pacotes na autoclave para a esterilização; - Deixar secar na autoclave por 15 minutos. 7) Estetoscópio - Lavar com água, sabão neutro e esfregar com pano limpo; - Friccionar com pano umedecido com álcool 70%, apenas nas partes metálicas - Deixar secar naturalmente; - Repetir o processo por 3 (três) vezes; Pág. 09

10 8) Esterilização da extensão de borracha (látex) e pêra de aspiração a)-limpeza: - Lavagem prévia com água e sabão para retirada de sujidades, enxaguar com água corrente; - Injetar, com uma seringa, solução de detergente enzimático diluído, até retirar todo o ar interno para realizar limpeza interna; - Imergir em um balde com tampa contendo solução de detergente enzimático diluído e deixar por 10 minutos; - Esfregar com pano úmido e limpo, se necessário; - Enxaguar com água corrente interna e externamente. b)- Esterilização: - Imergir em um balde com tampa contendo solução de Glutaraldeído e deixar por 30minutos; - Enxaguar com água corrente em abundância interna e externamente; Pendurar em local apropriado e deixar escorrer a água para secar naturalmente; 9) Bolsa de emergência a)-limpeza: - Lavar com água, sabão e esfregar com escova; - Enxaguar com água corrente até tirar todo sabão; - Deixar secar naturalmente. 10) Imobilizador KED a)- Descontaminação prévia: - Remover o excesso de resíduos com papel toalha ou pano velho se necessário; - Em locais com matéria orgânica (sangue, secreções, tecidos etc) aplicar solução de água oxigenada e esfregar com escova e enxaguar com água corrente; - Passar hipoclorito a 1,0% nos locais onde existir sangue ou outros fluídos corpóreos, e deixar por 10min. b)- Limpeza: - Lavar com água, sabão neutro e esfregar com escova; Pág. 010

11 - Deixar secar naturalmente. 11) Maca a)- Descontaminação prévia: - Remover o excesso de resíduos com papel toalha ou pano velho se necessário; - Em locais com matéria orgânica (sangue, secreções, tecidos etc) aplicar solução de água oxigenada e esfregar com escova e enxaguar com água corrente; - Passar álcool a 70% em toda a maca após a retirada de sangue ou outros fluidos corpóreos, e deixar por 10min. b)- Limpeza: - Lavar com água, sabão neutro e esfregar com escova; - secar com pano limpo. 12) Colchonete a)- Descontaminação prévia: - Remover o excesso de resíduos com papel toalha ou pano velho se necessário; - Em locais com matéria orgânica (sangue, secreções, tecidos etc) aplicar solução de água oxigenada e esfregar com escova e enxaguar com água corrente; - Passar hipoclorito a 1% nos locais onde existir sangue ou outros fluídos corpóreos, e deixar por 10 minutos; b)- Limpeza: - Lavar com água, sabão neutro e esfregar com escova; - secar com pano limpo. 13) Prancha longa a)- Descontaminação prévia: - Remover o excesso de resíduos com papel toalha ou pano velho se necessário; - Passar hipoclorito a 1% nos locais onde existir sangue ou outros fluídos corpóreos, e deixar por 10min. b)- Limpeza: - Lavar com água, sabão neutro e esfregar com escova ou pano; Pág. 011

12 - Secar com pano limpo; - Friccionar com pano umedecido em álcool etílico a 70% e deixar secar repetindo este procedimento por 3 (três) vezes. 14) Prancha curta a)- Descontaminação prévia: - Remover o excesso de resíduos com papel toalha ou pano velho se necessário; - Passar hipoclorito a 1% nos locais onde existir sangue ou outros fluídos corpóreos, e deixar por 10 minutos. b)- Limpeza: - Lavar com água, sabão neutro e esfregar com escova ou pano; - Secar com pano limpo; - Friccionar com pano umedecido em álcool etílico a 70% e deixar secar repetindo este procedimento por 3 (três) vezes. 15) Protetor cervical para prancha longa - Lavar com água, sabão neutro e esfregar com escova. - Secar naturalmente ou em secadora com ar quente; - Friccionar com pano umedecido com álcool 70%, deixar secar naturalmente repetindo o processo por 3 (três) vezes. 16) Tala moldável (de imobilização) a)- Descontaminação prévia: - Remover o excesso de resíduos com papel toalha ou pano velho se necessário; - Em locais com matéria orgânica (sangue, secreções, tecidos,etc),aplicar solução de água oxigenada e esfregar com escova e enxaguar com água corrente; - Esfregar com escova e detergente enzimático; Pág. 012

13 - Passar hipoclorito a 1% nos locais onde existir sangue ou outros fluídos corpóreos, e deixar por 10 minutos; b)- Limpeza: - Lavar com água, sabão neutro e esfregar com escova ou pano; - Secar com pano limpo; c)- Desinfecção: - Friccionar com pano umedecido em álcool etílico a 70% e deixar secar repetindo este procedimento por 3 (três) vezes. 17) Instrumentais cirúrgicos - Imergir em um balde com tampa contendo solução de detergente enzimático e deixar por 10 minutos aproximadamente; - Esfregar com escova se necessário; - Enxaguar com água corrente; - Secar manualmente uma a uma para não causar avarias no instrumental cirúrgico. - Embalar as pinças destravadas e abertas dentro da bandeja protegidas por compressa; - Montar a bandeja com a quantidade das pinças e materiais definidos em Protocolo, identificando o nome do técnico responsável; - Os enfermeiros deverão assinar a ciência do preparo do material junto com o técnico em enfermagem; - Encaminhar ao hospital onde será feita a esterilização. 18) Termômetro clínico a)- Desinfecção: - Esfregar compressa umedecida em álcool etílico a 70%; - Deixar secar naturalmente; - Repetir por 3 vezes. Pág. 013

14 19) Tirante da maca - Em locais com matéria orgânica (sangue, secreções, tecidos etc) aplicar solução de água oxigenada e esfregar com escova e enxaguar com água corrente; - Imergir em um balde com tampa contendo solução de detergente enzimático e deixar por 10 minutos aproximadamente; - Esfregar com escova se necessário; - Enxaguar com água corrente. - Imergir em um balde com tampa contendo solução de Glutaraldeido, e deixar por 30minutos; - Enxaguar com água corrente em abundância; - Deixar secar naturalmente ou em secadora. 20) Esterilização de vidrarias e frascos de aspiração - Lavar com água, sabão neutro e escova; - Imergir em um balde com tampa contendo solução de detergente enzimático diluído e deixar por 10 minutos; - Enxaguar com água corrente. - Imergir em um balde com tampa contendo solução de Glutaraldeído, e deixar por 30minutos; - Enxaguar com água corrente em abundância; - Deixar secar naturalmente ou em secadora com ar quente. 21) Esterilização do circuito inalatório completo (aerosol) - Imergir em um balde com tampa contendo solução de detergente enzimático e deixar por 10 minutos; Pág. 014

15 - Esfregar com escova retirando toda a secreção se necessário; - Enxaguar com água corrente; b)-desinfecção: - Imergir em um balde com tampa contendo solução de hipoclorito diluído a 0,5% e deixar por 30 minutos; - Enxaguar com água corrente em abundância; - Deixar secar naturalmente. 22) Cabo de oxímetro - Realizar limpeza. - Friccionar com pano umedecido em álcool etílico a 70% e deixar secar repetindo este procedimento por 3 (três) vezes. 23) Fio guia - Realizar a limpeza utilizando detergente enzimático; - Encaminhar em papel grau cirúrgico; - Encaminhar para o hospital de referência para esterilização em autoclave. 24) Lâmina de laringoscópio e pinça de maguil - Desconectar a lâmina do cabo do laringoscópio e limpar o cabo com pano contendo álcool a 70%; - Lavar a lâmina e a pinça de maguil com água e detergente enzimático. - Friccionar com pano umedecido em álcool etílico a 70% e deixar secar repetindo este procedimento por 3 (três) vezes. REFERÊNCIA: Pág. 015

16 - Este material foi baseado no Manual da SOBECC e nas rotinas da ANVISA. Pág. 016

Elaborado por: Verificado por: Aprovado por: Profª Drª Josefa M. N. Rocha Coordenadora de Laboratórios de Saúde

Elaborado por: Verificado por: Aprovado por: Profª Drª Josefa M. N. Rocha Coordenadora de Laboratórios de Saúde D O AM B U L AT O R I O E S C O L A D R V AL T E R Elaborado por: Verificado por: Aprovado por: Profª Drª Josefa M. N. Rocha Coordenadora de Laboratórios de Saúde Esp. Cristiano da Silva Granadier Coordenador

Leia mais

NORMAS PARA O PROCESSAMENTO DE ARTIGOS - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO.

NORMAS PARA O PROCESSAMENTO DE ARTIGOS - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO. NORMAS PARA O PROCESSAMENTO DE - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO. ATENÇÃO Para desenvolver esta atividade, sem risco de contaminação por material orgânico (sangue, fluídos orgânicos, secreções e excreções)

Leia mais

CHECK LIST MICROPROCESSO ESTERILIZAÇÃO DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS

CHECK LIST MICROPROCESSO ESTERILIZAÇÃO DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS CHECK LIST MICROPROCESSO ESTERILIZAÇÃO DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS DISA: DATA: UNIDADE: RECURSOS HUMANOS ÍTEM AVALIAÇÃO FORMA DE VERIFICAÇÃO EM CONFORMI DADE NÃO CONFORMI DADE OBSERVAÇÃO 1) A unidade

Leia mais

Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola)

Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola) Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola) Por orientação do Ministério da Saúde o transporte terrestre do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola), será realizado pelo

Leia mais

Profª Dra. Kazuko Uchikawa Graziano

Profª Dra. Kazuko Uchikawa Graziano PROTOCOLOOPERACIONALPADRÃO (POP) para processamento de materiais utilizados nos exames de videonasoscopia, videolaringoscopia e videonasolaringoscopia nos consultórios e serviços de otorrinolaringologia

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Centro Endoscópico: Assistencial Título. Limpeza, Desinfecção, Transporte e Armazenamento do Broncoscópio

Procedimento Operacional Padrão (POP) Centro Endoscópico: Assistencial Título. Limpeza, Desinfecção, Transporte e Armazenamento do Broncoscópio Procedimento Operacional Padrão (POP) POP NEPEN/DE/HU Centro Endoscópico: Assistencial Título Limpeza, Desinfecção, Transporte e Armazenamento do Broncoscópio Versão: 01 Próxima revisão: 2016 Elaborado

Leia mais

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS Ebola Perguntas e Respostas 13 O que fazer se um viajante proveniente desses países africanos apresentar sintomas já no nosso

Leia mais

LIMPEZA MANUAL MOLHADA

LIMPEZA MANUAL MOLHADA GLOSSÁRIO LIMPEZA MANUAL ÚMIDA - Realizada com a utilização de rodos, mops ou esfregões, panos ou esponjas umedecidas em solução detergente, com enxágue posterior com pano umedecido em água limpa. No caso

Leia mais

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde A Portaria MS nº 2616/98 define a Infecção Hospitalar (IH) como sendo aquela adquirida após a admissão do paciente e que se manifesta durante

Leia mais

Higienização do Ambiente Hospitalar

Higienização do Ambiente Hospitalar Higienização do Ambiente Hospitalar Enfª Mirella Carneiro Schiavon Agosto/2015 O serviço de limpeza tem por finalidade preparar o ambiente de saúde para suas atividades, mantê-lo em ordem e conservar equipamentos

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO DO AMBIENTE, PROCESSAMENTO E PREPARO DE SUPERFÍCIE DOS EQUIPAMENTOS E CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO

HIGIENIZAÇÃO DO AMBIENTE, PROCESSAMENTO E PREPARO DE SUPERFÍCIE DOS EQUIPAMENTOS E CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO HIGIENIZAÇÃO DO AMBIENTE, PROCESSAMENTO E PREPARO DE SUPERFÍCIE DOS EQUIPAMENTOS E CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO ANA LUÍZA 21289 LUCAS - 23122 ARTTENALPY 21500 MARCELINA - 25723 CLECIANE - 25456 NAYARA - 21402

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM CONSULTÓRIOS MÉDICOS. Alessandra Lima

BOAS PRÁTICAS EM CONSULTÓRIOS MÉDICOS. Alessandra Lima BOAS PRÁTICAS EM CONSULTÓRIOS MÉDICOS Alessandra Lima PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DOS 2005: 5 ENF 2006: 2 ENF 2007: 3 ENF CONSULTÓRIOS MÉDICOS 2009: 2 ENF 2008 3 ENF Necessidade de mudança do foco: Preocupação

Leia mais

Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde/Infec

Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde/Infec Secretaria Estadual de Saúde Centro Estadual de Vigilância em Saúde Divisão de Vigilância Sanitária Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde/Infec Serviço de Endoscopia Prevenção e Controle de

Leia mais

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR. Higienização das Mãos

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR. Higienização das Mãos COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR *Definição: Higienização das Mãos Lavagem das mãos é a fricção manual vigorosa de toda superfície das mãos e punhos,

Leia mais

AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS

AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS ASSEPSIA E CONTROLE DE INFECÇÃO Prof. MARCELO ALESSANDRO RIGOTTI LICENCIADO EM ENFERMAGEM e ESPECIALISTA EM CONTROLE DE INFEÇÃO Mestrando pela Escola de Enfermagem

Leia mais

BIOSSEGURANÇA NA PRÁTICA ODONTOLÓGICA

BIOSSEGURANÇA NA PRÁTICA ODONTOLÓGICA Diretoria Geral de Odontologia CEPO PEC-ASB BIOSSEGURANÇA NA PRÁTICA ODONTOLÓGICA Processamento de artigos e superfícies. Ao final desta aula você deverá estar apto a: Conhecer os métodos e os produtos

Leia mais

CCIH COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

CCIH COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR CCIH COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Prof. Grasiele Busnello LEI nº 9.431 de 06 de janeiro de 1997 Dispõe sobre a obrigatoriedade da manutenção de programa de Controle de Infecções Hospitalares.

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS. Aplique revestimento liso e impermeável em piso, paredes e teto;

ORIENTAÇÕES GERAIS. Aplique revestimento liso e impermeável em piso, paredes e teto; PREFEITURA MUNICIPAL DE MACEIÓ SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE MACEIÓ DIRETORIA DE VIGILÂNCIA À SAÚDE COORDENAÇÃO GERAL DE VIGILÄNCIA SANITÁRIA INSPETORIA DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL ORIENTAÇÕES GERAIS

Leia mais

LIMPEZA, DESINFECÇÃO E GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇO DE SAÚDE.

LIMPEZA, DESINFECÇÃO E GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇO DE SAÚDE. ESTADO DE MATO DROSSO DO SUL SECRETARIA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR QUARTEL DO COMANDO GERAL CENTRO DE RESGATE E ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR LIMPEZA, DESINFECÇÃO E GERENCIAMENTO

Leia mais

Comissão de Controle de Infecção Hospitalar 16/04/2002 atualizada em 30/05/2003 Rotina D5. Manual de Limpeza

Comissão de Controle de Infecção Hospitalar 16/04/2002 atualizada em 30/05/2003 Rotina D5. Manual de Limpeza Comissão de Controle de Infecção Hospitalar 16/04/2002 atualizada em 30/05/2003 Rotina D5 Manual de Limpeza 1. INTRODUÇÃO 2. NOÇÔES BÀSICAS DE HIGIENE E DEFINIÇÕES DE NECESSIDADES 3. DEFINIÇÕES E CONCEITOS

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO

HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO Bem Vindos! HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO Quem sou? Farmacêutica Bioquímica e Homeopata. Especialista em Análises Clínicas, Micologia, Microbiologia e Homeopatia. 14 anos no varejo farmacêutico

Leia mais

PORTARIA Nº 500 DE 2010

PORTARIA Nº 500 DE 2010 PORTARIA Nº 500 DE 2010 Regulamento técnico para Processamento de artigos por método físico em estabelecimentos sujeitos à Vigilância Sanitária no RS A SECRETÁRIA DA SAÚDE DO RIO GRANDE DO SUL, no uso

Leia mais

Manual de Procedimentos Norma n.º 5 - Esterilização Procedimento n.º 1 Pré Lavagem dos Dispositivos Médicos Contaminados

Manual de Procedimentos Norma n.º 5 - Esterilização Procedimento n.º 1 Pré Lavagem dos Dispositivos Médicos Contaminados 2014 1.Enquadramento: A limpeza dos dispositivos médicos contaminados (DMC) é, de acordo com a Norma n.º 2 Descontaminação de Dispositivos Médicos e Equipamentos 1, o processo que inclui a lavagem, o enxaguamento

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÀSICAS DE HIGIENE PESSOAL DO PROFISSIONAL DE SAÚDE

ORIENTAÇÕES BÀSICAS DE HIGIENE PESSOAL DO PROFISSIONAL DE SAÚDE ÁREA 1 - HIGIENE E ANTISSEPSIA PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Número: POP 001 ORIENTAÇÕES BÀSICAS DE HIGIENE PESSOAL DO PROFISSIONAL DE SAÚDE EXECUTANTE: Todos os profissionais da equipe de saúde. ÁREA:

Leia mais

TRATAMENTO DE EQUIPAMENTO E MATERIAL DE ENDOSCOPIA

TRATAMENTO DE EQUIPAMENTO E MATERIAL DE ENDOSCOPIA HOSPITAL DE SANTA MARIA COMISSÃO DE CONTROLO DA INFECÇÃO HOSPITALAR Piso 6, Tel. 5401/1627 Recomendação n.º 09/2002 TRATAMENTO DE EQUIPAMENTO E MATERIAL DE ENDOSCOPIA Um dos principais problemas que se

Leia mais

Portaria nº 612/97 SES/GO de 25 de novembro de 1997

Portaria nº 612/97 SES/GO de 25 de novembro de 1997 SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE DO ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIVISÃO DE FISCALIZAÇÃO DE FONTES DE RADIAÇÕES IONIZANTES Portaria nº 612/97 SES/GO de 25

Leia mais

PROCESSAMENTO DE ENDOSCÓPIO. Nome do autor. Patrícia M.T.

PROCESSAMENTO DE ENDOSCÓPIO. Nome do autor. Patrícia M.T. PROCESSAMENTO DE ENDOSCÓPIO Nome do autor Patrícia M.T. Abib Os Procedimentos Endoscópicos são métodos utilizados para diagnósticos precisos e terapias invasivas de várias especialidades, incluindo gastroenterologia,

Leia mais

Procedimentos Operacionais NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR

Procedimentos Operacionais NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Versão: 1 Pg: 1/9 NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Mônica Regina Viera Coordenadora 05/09/2009 DE ACORDO Ivo Fernandes Sobreiro Gerente da Qualidade 08/09/2009 APROVADO POR Dr. Renato de Lacerda

Leia mais

MANUAL DE HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA

MANUAL DE HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA MANUAL DE HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA Classificação das Áreas: Critica Semicrítica Não critica Tipos de Limpeza: Limpeza concorrente Limpeza terminal Métodos e Equipamentos de Limpeza de superfície: Limpeza

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA aprovado pela Portaria nº 24/2005

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA aprovado pela Portaria nº 24/2005 REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA aprovado pela Portaria nº 24/2005 I. INTRODUÇÃO: A Clínica Escola de Fisioterapia da UNIFAE está vinculada ao curso de Fisioterapia, com o

Leia mais

Divisão de Enfermagem CME Página 1 de 6 Título do Procedimento: Limpeza concorrente e terminal da CME

Divisão de Enfermagem CME Página 1 de 6 Título do Procedimento: Limpeza concorrente e terminal da CME Divisão de Enfermagem CME Página 1 de 6 Freqüência em que é realizado: Diário/semanal/quinzenal/mensal Profissional que realiza: Auxiliar ou Técnico de Enfermagem e servidor da empresa terceirizada de

Leia mais

Áreas semicríticas: Áreas não críticas: Áreas críticas: CENTRAL DE MATERIAL LIMPEZA, DESINFECÇÃO e ESTERILIZAÇÃO

Áreas semicríticas: Áreas não críticas: Áreas críticas: CENTRAL DE MATERIAL LIMPEZA, DESINFECÇÃO e ESTERILIZAÇÃO CENTRAL DE MATERIAL LIMPEZA, DESINFECÇÃO e ESTERILIZAÇÃO COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - COVISA GERÊNCIA DO CENTRO DE CONTROLE E PREVENÇÃO DE DOENÇAS - CCD NÚCLEO MUNICIPAL DE CONTROLE DE INFECÇÃO

Leia mais

Instrução de Trabalho. Circulação de sala

Instrução de Trabalho. Circulação de sala 1 de 5 526 5 RESULTADO ESPERADO: Promover ato cirúrgico em tempo hábil, com segurança para o paciente e para toda a equipe cirurgica. 526 PROCESSOS RELACIONADOS: Atendimento Cirúrgico (Assistência Cirúrgica)

Leia mais

Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre superfícies inertes

Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre superfícies inertes Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais http://www.icb.ufmg.br/mic Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre

Leia mais

TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Central de Material Esterilizado. 11.8x. março de 2015 Versão: 3.0

TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Central de Material Esterilizado. 11.8x. março de 2015 Versão: 3.0 TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Central de Material Esterilizado 11.8x março de 2015 Versão: 3.0 1 Sumário 1 Objetivos... 4 2 Introdução... 4 3 Cadastros... 5 3.1 Cadastros de Unidades de CME...

Leia mais

Princípios e métodos de esterilização

Princípios e métodos de esterilização Princípios e métodos de esterilização FUNDAMENTOS DE ESTERILIZAÇÃO Bactérias (forma vegetativa ou esporulada) São os menores organismos vivos; Existem em maior número; São as maiores responsáveis pelos

Leia mais

Hepatites B e C. são doenças silenciosas. VEJA COMO DEIXAR AS HEPATITES LONGE DO SEU SALÃO DE BELEZA.

Hepatites B e C. são doenças silenciosas. VEJA COMO DEIXAR AS HEPATITES LONGE DO SEU SALÃO DE BELEZA. Hepatites B e C são doenças silenciosas. VEJA COMO DEIXAR AS HEPATITES LONGE DO SEU SALÃO DE BELEZA. heto hepatite manucure.indd 1 Faça sua parte. Não deixe as hepatites virais frequentarem seu salão.

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013

HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013 HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013 O Hospital realiza uma combinação complexa de atividades especializadas, onde o serviço de Higienização e Limpeza ocupam um lugar de grande importância. Ao se entrar em um

Leia mais

MEU SALÃO LIVRE DAS HEP TITES. Manual de prevenção para manicures e pedicures

MEU SALÃO LIVRE DAS HEP TITES. Manual de prevenção para manicures e pedicures MEU SALÃO LIVRE DAS HEP TITES Manual de prevenção para manicures e pedicures Faça a sua parte e deixe as hepatites virais fora do seu salão de beleza As hepatites são doenças graves e, muitas vezes, silenciosas.

Leia mais

P O D E R E X E C U T I V O

P O D E R E X E C U T I V O D i á r i o O f i c i a l DO MUNICÍPIO DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM ESTADO DO ESPÍRITO SANTO w w w. c a c h o e i r o. e s. g o v. b r ANO XLIII - Cachoeiro de Itapemirim - Quinta Feira 26 de Fevereiro de

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções Manual de Instruções Kit de Instrumental para Cirurgia do Túnel do Carpo VOLMED Nome Técnico: KIT CIRÚRGICO Fabricante: VOLMED BRASIL EQUIPAMENTOS LTDA -ME AV. SÃO GABRIEL, 291 JD. PAULISTA CEP: 13574-540

Leia mais

2. DEFINIÇÕES E CONCEITOS

2. DEFINIÇÕES E CONCEITOS NORMA Utilização de antisséticos Elaborado em: Abril 2014 Revisão: 2017 Aprovado em: 09.04.2014 1. INTRODUÇÃO Devido à incidência crescente de infeções nosocomiais e ao aparecimento de estirpes de bactérias

Leia mais

Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado

Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado Gessilene de Sousa Sobecc, julho2011 Agenda Regulamentação Definição: Centro de Material Esterilizado - CME; Estrutura Física: Áreas de composição; Fluxograma

Leia mais

Parágrafo Único - A execução da N.T.E de que trata esse artigo será de competência do Instituto de Saúde do Paraná.

Parágrafo Único - A execução da N.T.E de que trata esse artigo será de competência do Instituto de Saúde do Paraná. Resolução Estadual n 18, 21 de março de 1994. O Secretário de Estado de Saúde do Paraná, no uso de suas atribuições que lhe conferem o artigo 45, inciso XVI da Lei Estadual n 8485 de 03 de junho de 1987

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA O SERVIÇO DE LIMPEZA HOSPITALAR

ORIENTAÇÃO PARA O SERVIÇO DE LIMPEZA HOSPITALAR ORIENTAÇÃO PARA O SERVIÇO DE LIMPEZA HOSPITALAR I- Introdução: A higiene e a ordem são elementos que concorrem decisivamente para a sensação de bem-estar, segurança e conforto dos profissionais, pacientes

Leia mais

Guia de referência para limpeza, desinfecção e esterilização de artigos em Serviços de Saúde

Guia de referência para limpeza, desinfecção e esterilização de artigos em Serviços de Saúde Guia de referência para limpeza, desinfecção e esterilização de artigos em Serviços de Saúde Paulo Hartung GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Guia de referência para limpeza, desinfecção e esterilização

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO CIRÚRGICA RGICA RESPONSABILIDADE COMPARTILHADA INSTRUMENTADOR CIRÚRGICO A INSTRUMENTAÇÃO CIRÚRGICA: é uma atividade de enfermagem, não sendo entretanto, ato privativo da mesma e que o profissional

Leia mais

SCIH. POP de Limpeza Hospitalar

SCIH. POP de Limpeza Hospitalar UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MÜLLER SERVIÇO DE CONTROLE INFECÇAO HOSPITALAR SCIH POP de Limpeza Hospitalar Introdução O Serviço de Limpeza e Desinfecção de Superfícies

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E ROTINAS TÉCNICAS CENTRAL DISTRITAL DE MATERIAL ESTERILIZADO SMSA/PBH

MANUAL DE NORMAS E ROTINAS TÉCNICAS CENTRAL DISTRITAL DE MATERIAL ESTERILIZADO SMSA/PBH MANUAL DE NORMAS E ROTINAS TÉCNICAS CENTRAL DISTRITAL DE MATERIAL ESTERILIZADO SMSA/PBH PREFEITO DE BELO HORIZONTE Célio de Castro SECRETÁRIO DA COORDENAÇÃO DE POLÍTICA SOCIAL Maurício Borges Lemos SECRETÁRIO

Leia mais

PROCESSAMENTO DE PRODUTOS MÉDICOS UTILIZADOS EM ENDOSCOPIA DIGESTIVA

PROCESSAMENTO DE PRODUTOS MÉDICOS UTILIZADOS EM ENDOSCOPIA DIGESTIVA PROCESSAMENTO DE PRODUTOS MÉDICOS UTILIZADOS EM ENDOSCOPIA DIGESTIVA Foram inseridas as definições pertinentes ao PROCESSAMENTO da RE 2606/2006 e da RDC 6/2013, mantendo a numeração presente nas respectivas

Leia mais

ROTEIRO PARA ESTABELECIMENTOS DE ENDOSCOPIA GÁSTRICA

ROTEIRO PARA ESTABELECIMENTOS DE ENDOSCOPIA GÁSTRICA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA DA SAÚDE EQUIPE DE VIGILANCIA DE SERVIÇOS E PRODUTOS DE INTERESSE À SAÚDE Módulo I - Informações Gerais

Leia mais

Como fazer a escolha correta do detergente enzimático e quais os cuidados para o uso

Como fazer a escolha correta do detergente enzimático e quais os cuidados para o uso Como fazer a escolha correta do detergente enzimático e quais os cuidados para o uso Enfa. Dra. ROSA AIRES BORBA MESIANO Coordenadora de Controle e Monitoramento de saneantes Gerência Geral de Saneantes

Leia mais

Grill. Detergente desincrustante alcalino para remoção de gordura carbonizada.

Grill. Detergente desincrustante alcalino para remoção de gordura carbonizada. Grill Detergente desincrustante alcalino para remoção de gordura carbonizada. Alto poder de limpeza A composição de Suma Grill confere-lhe a propriedade de remover com eficiência sujidades provenientes

Leia mais

1. Quais os EPIs ( e outros) devem ser utilizados na assistência a pacientes com suspeita de infecção pelo vírus Ebola?

1. Quais os EPIs ( e outros) devem ser utilizados na assistência a pacientes com suspeita de infecção pelo vírus Ebola? Segue abaixo, uma série de perguntas e respostas elaboradas pela GGTES (com base em questionamentos enviados pelos estados), a fim de esclarecer dúvidas e complementar alguns pontos da Nota Técnica nº

Leia mais

Medidas de Precaução

Medidas de Precaução Medidas de Precaução INFLUENZA A (H1N1) Gerência-Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde GGTES/Anvisa Medidas de Precaução Precaução Padrão Precauções Baseadas na Transmissão: contato gotículas aerossóis

Leia mais

Enfª Karin Bienemann

Enfª Karin Bienemann Enfª Karin Bienemann CONCEITOS BÁSICOS: CME É uma unidade voltada à prestação de serviços, onde é realizado o trabalho de limpeza, montagem, embalagem, esterilização e armazenamento de materiais. LIMPEZA

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE POR UNIDADE GERADORA E A SEGREGAÇÃO DOS RESÍDUOS POR GRUPO.

CARACTERIZAÇÃO DOS RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE POR UNIDADE GERADORA E A SEGREGAÇÃO DOS RESÍDUOS POR GRUPO. 1 Unidade ou serviço Descrição do Resíduo Grupo Estado -Secreções, excreções, e outros fluidos orgânicos. -Recipientes e materiais resultantes do processo de assistência à saúde, que não contenha sangue

Leia mais

PROTOCOLO DE AVALIAÇAO TÉCNICA DE PREPARAÇÕES ENZIMATICAS EM LAVADORAS AUTOMÁTICAS E LAVAGEM MANUAL

PROTOCOLO DE AVALIAÇAO TÉCNICA DE PREPARAÇÕES ENZIMATICAS EM LAVADORAS AUTOMÁTICAS E LAVAGEM MANUAL Hospital e Maternidade Municipal Dr. Adelmo Leão Carneiro. Data:1/10/2011 Responsáveis: Enf.ª Aparecida Gomes e Fabiana Comparativo: Detergente Enzimático Riozime Neutro Plus e Endozime Xtreme Power (XP)

Leia mais

BIOSSEGURANÇA PARA AMBULÂNCIAS

BIOSSEGURANÇA PARA AMBULÂNCIAS 1 COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR BIOSSEGURANÇA PARA AMBULÂNCIAS Flávia Valério de Lima Gomes Enfermeira do SCIH / CCIH Alexandre Gonçalves de Sousa Gerente de Manutenção e Transporte Julho

Leia mais

MEDIDAS DE CONTROLE SANITÁRIO PARA PREVENÇÃO DE SINDROME RESPIRATORIA AGUDA E SINDROMES GRIPAIS

MEDIDAS DE CONTROLE SANITÁRIO PARA PREVENÇÃO DE SINDROME RESPIRATORIA AGUDA E SINDROMES GRIPAIS MEDIDAS DE CONTROLE SANITÁRIO PARA PREVENÇÃO DE SINDROME RESPIRATORIA AGUDA E SINDROMES GRIPAIS SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA À SAÚDE DEPARTAMENTO E VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIVISÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

Leia mais

Lavagem e Esterilização/Inativação. Farmácia UNIP

Lavagem e Esterilização/Inativação. Farmácia UNIP Lavagem e Esterilização/Inativação Farmácia UNIP Objetivo Garantir a qualidade dos medicamentos homeopáticos: Equipamentos e utensílios não devem ceder material de sua composição ao medicamento; fácil

Leia mais

PROCEDIMENTOS OPERACIONAL PADRÃO CENTRAL DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO

PROCEDIMENTOS OPERACIONAL PADRÃO CENTRAL DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO PROCEDIMENTOS OPERACIONAL PADRÃO CENTRAL DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO 1 SUMÁRIO 1. Controle da data limite de uso dos materiais esterilizados 3 2. Desinfecção química de artigos com ácido peracético 4 3.

Leia mais

PROTOCOLOS DE SEGURANÇA. Cícero Andrade DO PACIENTE

PROTOCOLOS DE SEGURANÇA. Cícero Andrade DO PACIENTE PROTOCOLOS DE SEGURANÇA Cícero Andrade DO PACIENTE Finalidade Instituir e promover a higiene das mãos nos serviços de saúde do país com o intuito de prevenir e controlar as infecções relacionadas à assistência

Leia mais

PASSO 3: Esterilização de produtos novos Antes de serem utilizados em cirurgias, os produtos novos devem ser limpos de forma descrita no Passo 1.

PASSO 3: Esterilização de produtos novos Antes de serem utilizados em cirurgias, os produtos novos devem ser limpos de forma descrita no Passo 1. Instrução de Uso KIT INSTRUMENTAL PARA FIXADOR EXTERNO PROCALLUS Indicação de Uso e Finalidade O Kit Instrumental para Fixador Externo Procallus tem por finalidade fornecer ao cirurgião os instrumentos

Leia mais

BIOSSEGURANÇA/RISCO. S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco.

BIOSSEGURANÇA/RISCO. S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco. BIOSSEGURANÇA/RISCO S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco. SIGLÁRIO ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária CAT Comunicação de Acidente de Trabalho CDC Centro

Leia mais

Procedimento da Higiene das Mãos

Procedimento da Higiene das Mãos HIGIENE DAS MÃOS Pág. 1/7 Objetivo Melhorar as práticas de higiene das mãos dos profissionais de saúde. Reduzir a transmissão cruzada de microrganismos patogénicos. Âmbito Todos os serviços clínicos e

Leia mais

Ações de higienização geral

Ações de higienização geral Ações de higienização geral Limpeza e consciência ampla de higiene são as regras mais importantes na limpeza e desinfecção de granjas suinícolas e conseqüentemente o requisito essencial para uma desinfecção

Leia mais

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS PARA O SERVIÇO DE LIMPEZA ABORDAGEM TÉCNICA E PRÁTICA

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS PARA O SERVIÇO DE LIMPEZA ABORDAGEM TÉCNICA E PRÁTICA FERNANDA MARIA DE BRITO CUNHA FLÁVIO AUGUSTO BERNARDES DA SILVA MARCO ANTONIO CORREA ALFREDO RENATA DE CAMPOS RICCI MANUAL DE BOAS PRÁTICAS PARA O SERVIÇO DE LIMPEZA ABORDAGEM TÉCNICA E PRÁTICA UNIVERSIDADE

Leia mais

MODELO DE INSTRUÇÕES DE USO INSTRUMENTAL NÃO ARTICULADO NÃO CORTANTE NÃO ESTÉRIL DESCARTÁVEL

MODELO DE INSTRUÇÕES DE USO INSTRUMENTAL NÃO ARTICULADO NÃO CORTANTE NÃO ESTÉRIL DESCARTÁVEL MODELO DE INSTRUÇÕES DE USO INSTRUMENTAL NÃO ARTICULADO NÃO CORTANTE NÃO ESTÉRIL DESCARTÁVEL (As informações aqui apresentadas são de caráter declaratório, podendo o texto final, ter formatação diferente)

Leia mais

BROCAS CIRÚRGICAS INTRA LOCK SYSTEM

BROCAS CIRÚRGICAS INTRA LOCK SYSTEM S CIRÚRGICAS INTRA LOCK SYSTEM (Brocas Cirúrgicas Odontológicas) INFORMAÇÕES DE IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO As Brocas Cirúrgicas fazem parte do sistema INTRA-LOCK SYSTEM. Deste grupo de instrumentais fazem

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS PARA BANCOS DE LEITE HUMANO:

NORMAS TÉCNICAS PARA BANCOS DE LEITE HUMANO: NORMAS TÉCNICAS PARA BANCOS DE LEITE HUMANO: MATERIAIS BLH-IFF/NT- 45.04 - Lavagem, Preparo e Esterilização de Materiais FEV 2004 BLH-IFF/NT- 45.04 Rede Nacional de Bancos de Leite Humano FIOCRUZ/IFF-BLH

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL BIOSSEGURANÇA LABORATORIAL

NORMA PROCEDIMENTAL BIOSSEGURANÇA LABORATORIAL 10.03.003 1/09 1. FINALIDADE Garantir que os princípios e normas de Biossegurança sejam implementados e seguidos permanentemente nos laboratórios e instalações do Hospital de Clínicas HC. 2. ÂMBITO DE

Leia mais

INSTITUTO MACAPAENSE DE ENSINO SUPERIOR IMMES COMISSÃO DE BIOSSEGURANÇA - CBioss

INSTITUTO MACAPAENSE DE ENSINO SUPERIOR IMMES COMISSÃO DE BIOSSEGURANÇA - CBioss INSTITUTO MACAPAENSE DE ENSINO SUPERIOR IMMES COMISSÃO DE BIOSSEGURANÇA - CBioss MANUAL DE BOAS PRÁTICAS: FORTALECENDO A BIOSSEGURANÇA NOS LABORATÓRIOS DO IMMES Macapá 2011 INTRODUÇÃO Biossegurança é uma

Leia mais

Assinale a alternativa correta: a) V,V,F.F b) V,F,V,F c) V,F,F,F d) V,V,F,V e) V,V,V,F

Assinale a alternativa correta: a) V,V,F.F b) V,F,V,F c) V,F,F,F d) V,V,F,V e) V,V,V,F AUXILIAR OPERACIONAL 1. A desinfecção é o processo de destruição de agentes infecciosos. Assinale a alternativa correta: a) pode ser feita através de meios físicos e químicos b) deve ser realizada com

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO E SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS MATERIAL SAFETY DATA SHEET (MSDS) LAT 54

FICHA DE INFORMAÇÃO E SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS MATERIAL SAFETY DATA SHEET (MSDS) LAT 54 LAT 54 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome Comercial do Produto: LAT 54 - DETERGENTE SEMIPASTOSO ESPUMANTE Identificação da Empresa: Química Foz do Iguaçu Ind. e Com. de Prod. Químicos Ltda.

Leia mais

ELABORAÇÃO (desta versão) Elaborado por: Revisado por: Aprovado por:

ELABORAÇÃO (desta versão) Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO Solução química para pronto uso a base de ortoftalaldeído (OPA) apresentada em concentração de 0,55% e indicada para a desinfecção de alto nível de artigos odonto-médico-hospitalares.

Leia mais

Maria Edutania Skroski Castro

Maria Edutania Skroski Castro 2 Encontro Científico de Central de Material e Esterilização ATUALIZANDO-SE HUMAN SP GERENCIAMENTO DE RISCO OCUPACIONAL NA CME Maria Edutania Skroski Castro RISCO Possibilidade de perigo, incerto mas previsível,

Leia mais

LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO DE ARTIGOS COMO MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE INFECÇÕES RELACIONADAS À ASSISTÊNCIA À SAÚDE IRAS

LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO DE ARTIGOS COMO MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE INFECÇÕES RELACIONADAS À ASSISTÊNCIA À SAÚDE IRAS LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO DE ARTIGOS COMO MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE INFECÇÕES RELACIONADAS À ASSISTÊNCIA À SAÚDE IRAS Ana Luiza Rammé IRAS - multifatorial Relacionado ao Paciente Relacionado

Leia mais

SERVIÇO DE HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA HOSPITALAR - SHL

SERVIÇO DE HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA HOSPITALAR - SHL SERVIÇO DE HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA HOSPITALAR - SHL COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR - CCIH SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR - SCIH ROTINA DE LIMPEZA DO AMBIENTE HOSPITALAR Jair Miranda

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR

HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR Enf.ª Fabiane da Silva SCIH HCAN/MT ccih@hcancer.com.br Histórico da Higienização Hospitalar... Florence Nigthingale em 1854, revolucionou a forma de se pensar e planejar os hospitais.

Leia mais

TÉCNICA PARA REALIZAÇÃO DE CURATIVOS

TÉCNICA PARA REALIZAÇÃO DE CURATIVOS Revisão: 23/03/2014 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na realização de procedimentos com o paciente portador de feridas, instituindo tratamento adequado, proporcionando ambiente ideal para a cicatrização. FINALIDADE

Leia mais

Respire fundo. E drible a Fibrose Cística.

Respire fundo. E drible a Fibrose Cística. MANUAL DO NEBULIZADOR Respire fundo. E drible a Fibrose Cística. Veja como utilizar e cuidar corretamente do seu Compressor e Nebulizador. Eu sou o compressor. Eu sou o Nebulizador, sou o grande goleador.

Leia mais

LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS UTILIZADOS EM ANESTESIA.

LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS UTILIZADOS EM ANESTESIA. LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS UTILIZADOS EM ANESTESIA. 1. Introdução As infecções hospitalares constituem um grave problema de saúde pública que aumenta e morbimortalidade, tanto

Leia mais

CLÍNICA DE FISIOTERAPIA MANUAL DE BIOSSEGURANÇA

CLÍNICA DE FISIOTERAPIA MANUAL DE BIOSSEGURANÇA CLÍNICA DE FISIOTERAPIA MANUAL DE BIOSSEGURANÇA 1. INTRODUÇÃO O pessoal que atua em Unidades de Saúde está exposto a uma grande variedade de microrganismos provenientes das secreções, excreções, sangue

Leia mais

O Kit Instrumental para Sistema de Placas para Crescimento Guiado é composto pelos seguintes itens:

O Kit Instrumental para Sistema de Placas para Crescimento Guiado é composto pelos seguintes itens: Instruções de Uso Kit Instrumental para Sistema de Placas para Crescimento Guiado O Kit Instrumental para Sistema de Placas para Crescimento Guiado é composto pelos seguintes itens: Código Descrição 450160

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA MANIPULAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E INTERCORRÊNCIAS NA UTILIZAÇÃO DE DIETAS ENTERAIS

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA MANIPULAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E INTERCORRÊNCIAS NA UTILIZAÇÃO DE DIETAS ENTERAIS MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA MANIPULAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E INTERCORRÊNCIAS NA UTILIZAÇÃO DE DIETAS ENTERAIS 2ª edição SUMÁRIO Nutrição Enteral: definição 1. Cuidados no preparo da Nutrição Enteral Higiene

Leia mais

Atributos da barreira

Atributos da barreira BARREIRAS Biossegurança É definida como sendo um conjunto de medidas preventivas que envolve a desinfecção do ambiente, a esterilização do instrumental e o uso de equipamentos de proteção individual (EPI),

Leia mais

Precaução padrão e Isolamento

Precaução padrão e Isolamento Precaução padrão e Isolamento Precauções de Isolamento no Perioperatório Enf Dra.Valeska Stempliuk IEP/HSL Pontos importantes Modos de transmissão de patógenos Por que isolar? Quem deve saber que o paciente

Leia mais

PRODUTOS DA LINHA PROFISSIONAL

PRODUTOS DA LINHA PROFISSIONAL PRODUTOS DA LINHA PROFISSIONAL 1 Produtos da Linha Profissional Recomendações p/ se trabalhar com artigos Profissionais 3 Limpeza de Uniformes Profissionais 100% Algodão c/ Sujidade Leve 4 Limpeza de Uniformes

Leia mais

Limpeza hospitalar *

Limpeza hospitalar * CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, março de 2009. Limpeza hospitalar * Limpeza hospitalar é o processo de remoção de sujidades de superfícies do ambiente, materiais e equipamentos,

Leia mais

HOSPITALAR - SHL ROTINA DE LIMPEZA DO AMBIENTE HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR - SCIH REVISÃO, AGOSTO 2012.

HOSPITALAR - SHL ROTINA DE LIMPEZA DO AMBIENTE HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR - SCIH REVISÃO, AGOSTO 2012. SERVIÇO DE HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA HOSPITALAR - SHL COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR - CCIH SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR - SCIH ROTINA DE LIMPEZA DO AMBIENTE HOSPITALAR Deusmar

Leia mais

Instruções de Uso ESTOJOS AUTOCLA- VÁVEIS

Instruções de Uso ESTOJOS AUTOCLA- VÁVEIS Instruções de Uso ESTOJOS AUTOCLA- VÁVEIS Os estojos autoclaváveis são usados para acondicionamento, guarda e garantir a esterilização segura na autoclavagem. Foram desenvolvidos em materiais que suportam

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS TÍTULO: BIOSSEGURANÇA EM LABORATORIOS ANALITICOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS AUTOR(ES):

Leia mais

2. Contra indicações relativas: Pacientes hemodinamicamente instáveis e cirurgias urológicas.

2. Contra indicações relativas: Pacientes hemodinamicamente instáveis e cirurgias urológicas. Revisão: 10/07/2013 PÁG: 1 CONCEITO Prática de higiene destinada a identificar pacientes em risco de desenvolver infecção da genitália, do trato urinário ou do trato reprodutivo e assegurar conforto físico.

Leia mais

Desinfecção de alto nível ou esterilização de endoscópios: o necessário, o bom e o suficiente.

Desinfecção de alto nível ou esterilização de endoscópios: o necessário, o bom e o suficiente. Desinfecção de alto nível ou esterilização de endoscópios: o necessário, o bom e o suficiente. Dr Dirceu Carrara Enfermeiro Chefe CCIH InCor HCFMUSP Rutala, W. In: Mayhall, 1999 Desinfetante É um agente

Leia mais