O Risco de morrer por doença crónica em Portugal de 1980 a 2012: tendência e padrões de sazonalidade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Risco de morrer por doença crónica em Portugal de 1980 a 2012: tendência e padrões de sazonalidade"

Transcrição

1 O Risco de morrer por doença crónica em Portugal de 198 a 212: tendência e padrões de sazonalidade Baltazar Nunes Departamento de Epidemiologia Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge IV Congresso Nacional de Saúde Pública, Lisboa 2-3 Outubro 214

2 Principais causas de morte em Portugal Taxa padronizada para a idade Institute for Health Metrics and Evaluation (IHME). GBD Arrow Diagram. Seattle, WA: IHME, University of Washington, 213. Available from (Accessed 26 Sep 214)

3 Objetivos e métodos Doenças crónicas selecionadas: doença isquémica do coração (CID 1: I2-25), doença cerebrovascular (CID 1: I6-69), diabetes mellitus (CID 1: E1-E14) e doença crónica das vias aéreas inferiores (CID1: J4-J47) fonte Risco de morrer em Portugal, DGS e INE; WHO mortality database: Variação anual (%) observada na taxa de mortalidade padronizada para a idade Regressão Jointpoint (Poisson)*; Evolução do risco de morrer entre por sexo e grupo etário; Alterações da sazonalidade da taxa de mortalidade mensal entre 198 a 212 Razão entre a taxa de mortalidade observada no mês de Janeiro vs Setembro (ajustada para a tendência por regressão de Poisson). *Joinpoint Regression Program, Version August 214; Statistical Research and Applications Branch, National Cancer Institute.

4 Taxa de mortalidade padronizada por 1. habitantes Doença isquémica do coração (CID1: I2-25) (variação anual) % ,9% 23 Homens Tendência - Jointpoint "Mulheres" Tendência - Jointpoint 8 6,9% ,6% 23 5,7% 4 5,8% 2

5 Taxa de mortalidade bruta por 1. habitantes Taxa de mortalidade bruta por 1. habitantes Doença isquémica do coração (CID1: I2-25) 75 e mais anos Masculino Feminino aos 74 anos Masculino 35 aos 54 Masculino 55 aos 75 Feminino 35 aos 54 Feminino 55 aos

6 Taxa de mortalidade padronizada por 1. habitantes Doença cerebrovascular (CID1: I6-69) (variação anual) 35 Homens Tendência - Jointpoint ,5% 1995 "Mulheres" Tendência - Jointpoint ,7% 6,4% ,5%

7 Taxa de mortalidade bruta por 1. habitantes Doença cerebrovascular (CID1: I6-69) 75 e mais anos 35 aos 74 anos Masculino 35 aos 54 Masculino 55 aos 75 Feminino 35 aos 54 Feminino 55 aos

8 Taxa de mortalidade padronizada por 1. habitantes Diabetes mellitus (CID1: E1-E14) (variação anual) Homens Tendência - Jointpoint "Mulheres" Tendência - Jointpoint 1991,7% 2 6,3%,6% 15 7,% 1 5

9 Taxa de mortalidade bruta por 1. habitantes Taxa de mortalidade bruta por 1. habitantes Diabetes mellitus (CID1: E1-E14) 75 e mais anos 45 4 Masculino Feminino aos 74 anos 9 Masculino 35 aos 54 8 Masculino 55 aos 75 Feminino 35 aos 54 7 Feminino 55 aos

10 Taxa de mortalidade padronizada por 1. habitantes Doenças crónicas das vias aéreas inferiores (CID1: J4-J47) (variação anual) 6 5 Homens Tendência - Jointpoint "Mulheres" Tendência - Jointpoint 4 2,6% 3 2 3,% 1

11 Taxa de mortalidade bruta por 1. habitantes Taxa de mortalidade bruta por 1. habitantes Doenças crónicas das vias aéreas inferiores (CID1: J4-J47) 75 e mais anos 6 5 Masculino Feminino aos 74 anos Masculino 35 aos 54 Masculino 55 aos 75 Feminino 35 aos 54 Feminino 55 aos

12 Razão de taxas de mortalidade (Janeiro/Setembro) Razão de taxas de mortalidade (Janeiro/Setembro) Taxa de mortalidade / 1^5 Taxa de mortalidade / 1^5 Tendência da variação sazonal do risco de morrer (Janeiro versus Setembro). Taxa de mortalidade por 1^5 habitantes (>=65 anos), por doença isquémica do coração (ICD1: I2-I25) Taxa de mortalidade por 1^5 habitantes (>=65 anos), por doença cerebrovascular (ICD1: I6-I69) Ano Ano Doença isquémica do coração (ICD1: I2-I25) Período Doença cerebrovascular (ICD1: I6-I69) Período

13 Resumo das tendências de longo termo e da variação sazonal do risco de morrer Tendência decrescente na TMP por doença isquémica do coração (DIC), cerebrovascular (DCV) e respiratória crónica das vias aéreas inferiores; Decréscimo mais acentuado a partir de na TMP por DIC (~6%/ano) e DCV (~6,5%/ano) e constante para DRC; Inversão da tendência crescente da TMP por diabetes mellitus a partir de 1991, com estabilização da taxa entre 1991 e 212 (,7%/ano); A redução da amplitude de variação sazonal da mortalidade só se observou na TM mensal por DCV ( 65 anos).

14 Fatores associados à tendência decrescente do risco de morrer por doença crónica: redução da prevalência ou incidência da doença crónica? Prevalência Inquérito Nacional de Saúde Incidência hipertensão Rede médicos sentinela 1, Homens Mulheres

15 Fatores associados à tendência decrescente do risco de morrer por doença crónica: redução da taxa de letalidade por doentes crónica? Portugal - Taxa bruta de letalidade intra-hospitalar Diabetes Mellitus (por 1 doentes internados) Portugal - Taxa bruta de letalidade intra-hospitalar Enfarte Agudo do Miocárdio (por 1 doentes internados) Letalidade intra-hospitalar DM-Diagnóstico Principal Letalidade intra-hospitalar DM-total HM H M Fonte: ACSS, GDH Diabetes: Factos e Números 213 Relatório Anual do Observatório Nacional da Diabetes 11/213. Sociedade Portuguesa de Diabetologia Fonte: ACSS, GDH Neto M, Matias Dias C, Nunes B, Calheiros J. Tendências na taxa de letalidade intra-hospitalar por enfarte agudo do miocárdio em Portugal no período de 2 a 211. Boletim Epidemiológico Observações. N 2 especial, 213.

16 Fatores potencialmente associados à tendência decrescente do risco de morrer por doença crónica. Diagnóstico mais precoce da doença crónica; Melhoria do controlo da doença crónica e dos cuidados preventivos na população dos doentes crónicos; Melhoria dos cuidados de saúde prestados (cuidados de saúde primários e hospitalares), da eficácia e otimização dos meios terapêuticos.

17 Limitações das estatísticas da mortalidade. Qualidade: em 212 9,5% dos óbitos tinham causas mal definidas - preenchimento imperfeito (211 Vital Statistics performance index =8,4%)*; Dificuldade em definir a causa principal do óbito, principalmente na presença de várias co-morbilidades; Distinção entre óbito por doença crónica e óbito com doença crónica. Necessidade de desenvolver estudos específicos longitudinais que permitam estudar de forma mais precisa o risco de morrer dos doentes crónicos. *Phillips DE, Lozano R, Naghavi M, Atkinson C, Gonzalez-Medina D, Mikkelsen L, Murray JLC and Lopez AD. A composite metric for assessing data on mortality and causes of death: the vital statistics performance index. Population Health Metrics 214, 12:14

18 O Risco de morrer por doença crónica em Portugal de 198 a 212: tendência e padrões de sazonalidade Baltazar Nunes Departamento de Epidemiologia Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge IV Congresso Nacional de Saúde Pública, Lisboa 2-3 Outubro 214

As doenças cardiovasculares em Portugal e na região Mediterrânica: uma perspetiva epidemiológica

As doenças cardiovasculares em Portugal e na região Mediterrânica: uma perspetiva epidemiológica Evangelista Rocha 1 Paulo Nogueira 2 1 Coordenador da Prevenção Cardiovascular da Sociedade Portuguesa de Cardiologia 2 Diretor da Direção de Serviços de Informação e Análise da Direção-Geral da Saúde

Leia mais

Rita Nicolau Ausenda Machado José Marinho Falcão. Departamento de Epidemiologia

Rita Nicolau Ausenda Machado José Marinho Falcão. Departamento de Epidemiologia Distribuição da Mortalidade e dos Internamentos Hospitalares por Doenças do Aparelho Circulatório em Portugal Continental: Agregação Geográfica e Determinantes Rita Nicolau Ausenda Machado José Marinho

Leia mais

Pé Diabético Epidemiologia Qual a dimensão do problema?

Pé Diabético Epidemiologia Qual a dimensão do problema? Pé Diabético Epidemiologia Qual a dimensão do problema? Sessão Clínica Hospital Fernando Fonseca Amadora - 2012 Rui Carvalho Coordenador GEPED Consulta Multidisciplinar de Pé Diabético Serviço de Endocrinologia,

Leia mais

João Paulo dos Reis Neto

João Paulo dos Reis Neto ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE E INTERNAÇÕES POTENCIALMENTE EVITÁVEIS João Paulo dos Reis Neto Diretor-Técnico UNIDAS Condições sensíveis à atenção primária (CSAP) Compreendem grupos de problemas de saúde cujas

Leia mais

RELATÓRIO DE DADOS EPIDEMIOLÓGICOS DAS DOENÇAS E AGRAVOS NÃO TRANSMISSÍVEIS E FATORES DE RISCO, PORTO ALEGRE, 1996 A 2009

RELATÓRIO DE DADOS EPIDEMIOLÓGICOS DAS DOENÇAS E AGRAVOS NÃO TRANSMISSÍVEIS E FATORES DE RISCO, PORTO ALEGRE, 1996 A 2009 RELATÓRIO DE DADOS EPIDEMIOLÓGICOS DAS DOENÇAS E AGRAVOS NÃO TRANSMISSÍVEIS E FATORES DE RISCO, PORTO ALEGRE, 1996 A 29 Doenças e Agravos Não Transmissíveis DANT/SMS Porto Alegre Vigilância Epidemiológica

Leia mais

PORTUGAL Portugal Prevenção e Controlo do Tabagismo em Números Programa Nacional para a Prevenção e Controlo do Tabagismo

PORTUGAL Portugal Prevenção e Controlo do Tabagismo em Números Programa Nacional para a Prevenção e Controlo do Tabagismo PORTUGAL Portugal Prevenção e Controlo do Tabagismo em Números 2014 Programa Nacional para a Prevenção e Controlo do Tabagismo PORTUGAL Portugal Prevenção e Controlo do Tabagismo em Números 2014 Programa

Leia mais

QUANTOS ADOECEM E MORREM?

QUANTOS ADOECEM E MORREM? QUANTOS ADOECEM E MORREM? Medidas de frequência de doenças Razão, proporções, índice. Indicadores epidemiológicos de morbidade: Conceitos e exemplos de incidência e prevalência. O Enfoque epidemiológico

Leia mais

PORTUGAL Portugal Prevenção e Controlo do Tabagismo em números Programa Nacional para a Prevenção e Controlo do Tabagismo

PORTUGAL Portugal Prevenção e Controlo do Tabagismo em números Programa Nacional para a Prevenção e Controlo do Tabagismo PORTUGAL Portugal Prevenção e Controlo do Tabagismo em números 2014 Programa Nacional para a Prevenção e Controlo do Tabagismo PORTUGAL Portugal Prevenção e Controlo do Tabagismo em números 2014 Programa

Leia mais

MORTALIDADE EM CAMPINAS

MORTALIDADE EM CAMPINAS MORTALIDADE EM CAMPINAS Informe do Projeto de Monitorização dos Óbitos no município de Campinas Boletim de Mortalidade nº. 52 MORTALIDADE POR INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO Publicado em Dezembro/2014 Secretaria

Leia mais

DIABETES: FACTOS & NÚMEROS, 2015

DIABETES: FACTOS & NÚMEROS, 2015 DIABETES: FACTOS & NÚMEROS, 2015 Luís Gardete Correia [ Diretor do Observatório Nacional da Diabetes] Prevalência da Diabetes Prevalência da Diabetes em Portugal na população no escalão 20-79 anos: Fonte:

Leia mais

PORTUGAL Prevenção e Controlo do Tabagismo em Números 2015

PORTUGAL Prevenção e Controlo do Tabagismo em Números 2015 ISSN: 2183-0762 PORTUGAL Prevenção e Controlo do Tabagismo em Números 2015 Programa Nacional para a Prevenção e Controlo do Tabagismo PORTUGAL Prevenção e Controlo do Tabagismo em Números 2015 Programa

Leia mais

Baltazar Nunes, Mafalda Sousa Uva, Rita Roquette, Teresa Contreiras e Carlos Matias Dias

Baltazar Nunes, Mafalda Sousa Uva, Rita Roquette, Teresa Contreiras e Carlos Matias Dias Impacte da gratuitidade da vacina antigripal na cobertura vacinal da população com 65 ou mais anos de idade de Portugal continental : Estudo na amostra ECOS Baltazar Nunes, Mafalda Sousa Uva, Rita Roquette,

Leia mais

Epidemiologia. Tipos de Estudos Epidemiológicos. Curso de Verão 2012 Inquéritos de Saúde

Epidemiologia. Tipos de Estudos Epidemiológicos. Curso de Verão 2012 Inquéritos de Saúde Epidemiologia Tipos de Estudos Epidemiológicos Curso de Verão 2012 Inquéritos de Saúde TIPOS DE ESTUDOS EPIDEMIOLÓGICOS Observacionais Experimental x Observacional Relatos de Casos Série de casos Transversal

Leia mais

Internamentos Hospitalares por VIH/SIDA em Portugal 2006: Modelos de Fragilidades na Sobrevivência

Internamentos Hospitalares por VIH/SIDA em Portugal 2006: Modelos de Fragilidades na Sobrevivência 1 XVIII Congresso Mundial de Epidemiologia Internamentos Hospitalares por VIH/SIDA em Portugal 2006: Modelos de Fragilidades na Sobrevivência S. Dias 1,2, R. O. Martins 2, V. Andreozzi 3, J. Torgal 1 sdias@isegi.unl.pt

Leia mais

DIA MUNDIAL DO CANCRO: 4/2/2015 ONCOLOGIA NA RAM - RELATÓRIO INFOGRÁFICO

DIA MUNDIAL DO CANCRO: 4/2/2015 ONCOLOGIA NA RAM - RELATÓRIO INFOGRÁFICO 1. CARACTERIZAÇÃO DA MORTALIDADE 1.1 Principais causas de morte, 2010-2013, RAM 1.2 Taxa de mortalidade padronizada (/100.000 hab), Região (RAM, RAA e Portugal), 2009 a 2012 Fonte: Estatísticas da Saúde,

Leia mais

Risco de Morrer em 2012

Risco de Morrer em 2012 Risco de morrer 2012 23 de maio de 2014 Risco de Morrer em 2012 As duas principais causas de morte em 2012 foram as doenças do aparelho circulatório, com 30,4% dos óbitos registados no país, e os tumores

Leia mais

diferenciação adotados foram as variáveis: gênero, faixa etária, caráter do atendimento e óbitos.

diferenciação adotados foram as variáveis: gênero, faixa etária, caráter do atendimento e óbitos. Introdução AVE- Acidente Vascular Encefálico, também conhecido como AVC e derrame cerebral, é classicamente caracterizado pelo entupimento ou rompimento de algum vaso sanguíneo no cérebro. A American Heart

Leia mais

Emprego. População Empregada, por Sexo Anos de 2001 e 2011

Emprego. População Empregada, por Sexo Anos de 2001 e 2011 População Empregada, por Sexo Anos de 2001 e 2011 População Empregada, por Sexo Total Masculino Feminino 2001 2011 2001 2011 2001 2011 Portugal 4 650 947 4 361 187 2 599 088 2 275 974 2 051 859 2 085 213

Leia mais

A evolução da mortalidade dos idosos no Distrito Federal na Periferia Metropolitana de Brasília (PMB) entre 2000 e 2013

A evolução da mortalidade dos idosos no Distrito Federal na Periferia Metropolitana de Brasília (PMB) entre 2000 e 2013 A evolução da mortalidade dos idosos no Distrito Federal na Periferia Metropolitana de Brasília (PMB) entre 2000 e 2013 Palavras-chave: Idosos; Mortalidade do idoso; Distrito Federal; Periferia Metropolitana

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DA DOENÇA DOS LEGIONÁRIOS

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DA DOENÇA DOS LEGIONÁRIOS ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO NORTE, I.P. DEPARTAMENTO DE SAÚDE PÚBLICA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DA DOENÇA DOS LEGIONÁRIOS REGIÃO NORTE 2007-2008 MAIO 2009 Fátima Basto (fbasto@arsnorte.min-saude.pt)

Leia mais

Introdução. Introdução

Introdução. Introdução Introdução Os estudos realizados sobre os acidentes vasculares cerebrais (AVC) são cada vez mais importantes, por ser uma patologia que constitui um sério problema de saúde pública, com grande incidência,

Leia mais

Taxa de mortalidade específica por doenças isquêmicas do coração na população de 15 anos e mais Descrição

Taxa de mortalidade específica por doenças isquêmicas do coração na população de 15 anos e mais Descrição Ind020206 Taxa de mortalidade específica por doenças isquêmicas do coração na população de 15 anos e mais, por ano, segundo região e escolaridade Indicador Taxa de mortalidade específica por doenças isquêmicas

Leia mais

Reunião Plenária da Comissão Nacional com as CRSMCA. Anfiteatro do Infarmed Lisboa 20 de Novembro de 2013

Reunião Plenária da Comissão Nacional com as CRSMCA. Anfiteatro do Infarmed Lisboa 20 de Novembro de 2013 Reunião Plenária da Comissão Nacional com as CRSMCA Anfiteatro do Infarmed Lisboa 20 de Novembro de 2013 CRSMCA M. Cândida Rebelo Presidente Alda P. Luís Benvinda Bento Representante do CD Helena Cargaleiro

Leia mais

Boletim semanal de Vigilância da Influenza/RS Semana epidemiológica 37/2016

Boletim semanal de Vigilância da Influenza/RS Semana epidemiológica 37/2016 Boletim semanal de Vigilância da Influenza/RS Semana epidemiológica 37/2016 A vigilância da Influenza é realizada por meio de notificação e investigação de casos de internações hospitalares por Síndrome

Leia mais

ACES Maia. Perfil Local de Saúde Aspectos a destacar

ACES Maia. Perfil Local de Saúde Aspectos a destacar Perfil Local de Saúde 2009 Índice Aspectos a destacar Ligações Este Perfil Local de Saúde proporciona-lhe um olhar rápido mas integrador, sobre a saúde da população da área geográfica de influência do

Leia mais

Autor: Leila Cristina Pilonetto Baggio Co autores: Marcos Fiorentin, Elizangela Greggio Vincensi, Joares Telles Junior, Ana Cristina G. Costella, ACS.

Autor: Leila Cristina Pilonetto Baggio Co autores: Marcos Fiorentin, Elizangela Greggio Vincensi, Joares Telles Junior, Ana Cristina G. Costella, ACS. HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETE MELLITUS: UMA ANALISE DO ACOMPANHAMENTO REALIZADO PELA EQUIPE ESF DE BOM SUCESSO DO SUL Autor: Leila Cristina Pilonetto Baggio Co autores: Marcos Fiorentin, Elizangela Greggio

Leia mais

O cancro no concelho de Santa Maria da Feira

O cancro no concelho de Santa Maria da Feira O cancro no concelho de Santa Maria da Feira António M. F. Araújo, MD, PhD Director do Serviço de Oncologia Médica do Centro Hospitalar de Entre Douro e Vouga Director do Serviço de Oncologia Médica do

Leia mais

Elaboração: 30/01/2012 CEPI-DSS/ ENSP/FIOCRUZ

Elaboração: 30/01/2012 CEPI-DSS/ ENSP/FIOCRUZ Ind020208 Taxa de mortalidade específica por diabete melito na população de 15 anos e mais, por ano, segundo região e escolaridade Indicador Taxa de mortalidade específica por diabete melito na população

Leia mais

PERFIL DE MORBIDADE HOSPITALAR DO SUS POR DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS EM MARINGÁ-PARANÁ ( )

PERFIL DE MORBIDADE HOSPITALAR DO SUS POR DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS EM MARINGÁ-PARANÁ ( ) PERFIL DE MORBIDADE HOSPITALAR DO SUS POR DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS EM MARINGÁ-PARANÁ (2008-2012) Pedro Henrique Teixeira Soto 1 ; Gabriela Martini Raitz 2 ; Ludmila Lopes Bolsoni 3 ; Cássia

Leia mais

Indicadores de saúde Morbidade e mortalidade

Indicadores de saúde Morbidade e mortalidade Indicadores de saúde Morbidade e mortalidade Milene ZS Vosgerau Indicadores epidemiológicos A construção de indicadores de saúde é necessária para: analisar a situação atual de saúde; fazer comparações;

Leia mais

Epidemiologia da DPOC em Portugal e no mundo

Epidemiologia da DPOC em Portugal e no mundo Epidemiologia da DPOC em Portugal e no mundo Por: A. Teles de Araújo, presidente do Observatório Nacional das Doenças Respiratórias e da Associação Nacional de Tuberculose e Doenças Respiratórias A Doença

Leia mais

1. POPULAÇÃO RESIDENTE

1. POPULAÇÃO RESIDENTE 1. POPULAÇÃO RESIDENTE No fim do ano de 2007 a estimativa da população residente de Macau era de 538 0, tendo-se verificado um aumento de 24 700 pessoas em comparação com o número estimado no fim do ano

Leia mais

Produção e gestão hospitalar: o caso das ciências laboratoriais

Produção e gestão hospitalar: o caso das ciências laboratoriais Escola Nacional de Saúde Pública Universidade Nova de Lisboa Produção e gestão hospitalar: o caso das ciências laboratoriais Sílvia Lopes Carlos Costa Modelos de Gestão na Saúde Implicações nas Ciências

Leia mais

XXIII Jornadas ROR-SUL. 15, 16 e 17 Fevereiro 2016 Lisboa

XXIII Jornadas ROR-SUL. 15, 16 e 17 Fevereiro 2016 Lisboa XXIII Jornadas ROR-SUL 15, 16 e 17 Fevereiro 2016 Lisboa SUDCAN Sobrevivência de Cancro em Países Europeus de Língua Latina Luísa Glória SUDCAN Sobrevivência indicador global de avaliação de qualidade

Leia mais

Julian Perelman Escola Nacional de Saúde Pública

Julian Perelman Escola Nacional de Saúde Pública Prevenção e tratamento do VIH/SIDA nos migrantes e não migrantes: alguns aspectos económicos Julian Perelman Escola Nacional de Saúde Pública (com a colaboração de Alexandre Carvalho e Helena Vaz, Coordenação

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Assunto: Risco Global Cardiovascular Nº: 06/DSPCS DATA: 18/04/07 Para: Contacto na DGS: Serviços Prestadores de Cuidados de Saúde do Serviço Nacional de Saúde

Leia mais

Caracterização do ACES LISBOA NORTE

Caracterização do ACES LISBOA NORTE Caracterização do ACES LISBOA NORTE 2013 ACES Lisboa Norte Quem somos e onde estamos Missão Prestar Cuidados de Saúde Primários de qualidade, com eficiência e eficácia, à população da sua área geográfica

Leia mais

Liliana Antunes (1,2), Jorge Marques (1), Susana Silva (2), Baltazar Nunes (2), Sílvia Antunes (1) (1)

Liliana Antunes (1,2), Jorge Marques (1), Susana Silva (2), Baltazar Nunes (2), Sílvia Antunes (1) (1) Liliana Antunes (1,2), Jorge Marques (1), Susana Silva (2), Baltazar Nunes (2), Sílvia Antunes (1) (1) Instituto Português do Mar e da Atmosfera (2) Departamento de Epidemiologia, Instituto Nacional de

Leia mais

Estudo de prevalência da hipertensão arterial, excesso de peso e obesidade no concelho de Vizela em

Estudo de prevalência da hipertensão arterial, excesso de peso e obesidade no concelho de Vizela em Estudo de prevalência da hipertensão arterial, excesso de peso e obesidade no concelho de Vizela em 2007-2010 Guimarães A. Unidade de Saúde Familiar Physis, Vizela, Portugal Resumo Este estudo teve como

Leia mais

Doenças respiratórias e fatores associados: Inquérito de Saúde no Município de São Paulo ISA-CAPITAL 2008

Doenças respiratórias e fatores associados: Inquérito de Saúde no Município de São Paulo ISA-CAPITAL 2008 Doenças respiratórias e fatores associados: Inquérito de Saúde no Município de São Paulo ISA-CAPITAL 2008 CLÓVIS ARLINDO DE SOUSA FACULDADE DE SAÚDE PÚBLICA DA USP DEPARTAMENTO DE EPIDEMIOLOGIA DEZEMBRO/2011

Leia mais

Data de elaboração 31/03/2013 CEPI-DSS/ ENSP/FIOCRUZ

Data de elaboração 31/03/2013 CEPI-DSS/ ENSP/FIOCRUZ Ind020208RM Taxa de mortalidade específica por diabete melito na população de 15 anos e mais, por ano, segundo região metropolitana e escolaridade Indicador Taxa de mortalidade específica por diabete melito

Leia mais

Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico

Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico Avaliação Dados de 2013 Periodicidade: anual desde 2006 Público: maiores de 18 anos e residentes nas 26

Leia mais

Causas de morte 2013

Causas de morte 2013 Causas de morte 2013 26 de maio de 2015 Causas de morte 2013 Os tumores malignos e as doenças do aparelho circulatório estiveram na origem de mais de metade dos óbitos ocorridos no país em 2013, representando

Leia mais

aula 12: estudos de coorte estudos de caso-controle

aula 12: estudos de coorte estudos de caso-controle ACH-1043 Epidemiologia e Microbiologia aula 12: estudos de coorte estudos de caso-controle Helene Mariko Ueno papoula@usp.br Estudo epidemiológico observacional experimental dados agregados dados individuais

Leia mais

Consumo de Antidiabéticos

Consumo de Antidiabéticos Consumo de Antidiabéticos 2000-2013 Uma análise ao consumo e diferenças entre práticas médicas ao nível nacional e internacional Cláudia Furtado (Gabinete de Informação e Planeamento Estratégico) Rosália

Leia mais

CIR DE VALE DO RIBEIRA

CIR DE VALE DO RIBEIRA CIR DE VALE DO RIBEIRA Possui 15 municípios: Barra do Turvo, Cajati, Cananéia, Eldorado, Iguape, Ilha Comprida, Iporanga, Itariri, Jacupiranga, Juquiá, Miracatu, Pariquera-Açu, Pedro de Toledo, Registro

Leia mais

Informe Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 12 de 2016

Informe Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 12 de 2016 Informe Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 12 de 216 A vigilância da influenza no Brasil é composta pela vigilância

Leia mais

portugal Doenças Cérebro-Cardiovasculares em números 2014 Programa Nacional para as Doenças Cérebro-Cardiovasculares

portugal Doenças Cérebro-Cardiovasculares em números 2014 Programa Nacional para as Doenças Cérebro-Cardiovasculares portugal Doenças Cérebro-Cardiovasculares em números 214 Programa Nacional para as Doenças Cérebro-Cardiovasculares portugal Doenças Cérebro-Cardiovasculares em números 214 Programa Nacional para as Doenças

Leia mais

Uso do AAS na Prevenção Primária de Eventos Cardiovasculares

Uso do AAS na Prevenção Primária de Eventos Cardiovasculares Uso do AAS na Prevenção Primária de Eventos Cardiovasculares Camila Belonci Internato em Cirurgia Cardíaca Prof. Mário Augusto Cray da Costa Medicina UEPG Uso do AAS na Prevenção Primária de Eventos Cardiovasculares

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO TUBERCULOSE

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO TUBERCULOSE 22 de março de 2016 Página 1/6 DEFINIÇÃO DE CASO CONFIRMADO Todo indivíduo com diagnóstico bacteriológico (baciloscopia ou cultura para BK ou teste rápido molecular para tuberculose) E indivíduos com diagnóstico

Leia mais

Epidemiológico. Informe. Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 13 de 2016

Epidemiológico. Informe. Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 13 de 2016 Informe Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a 13 de 216 A vigilância da influenza no é composta pela vigilância sentinela de Síndrome Gripal

Leia mais

Autores/Editores Adília da Silva Fernandes; Carlos Pires Magalhães; Maria Augusta Pereira da Mata; Maria Helena Pimentel; Maria Gorete Baptista

Autores/Editores Adília da Silva Fernandes; Carlos Pires Magalhães; Maria Augusta Pereira da Mata; Maria Helena Pimentel; Maria Gorete Baptista FICHA TÉCNICA Título de Longa Duração e Manutenção de Santa Maria Maior Autores/Editores Adília da Silva Fernandes; Carlos Pires Magalhães; Maria Augusta Pereira da Mata; Maria Helena Pimentel; Maria Gorete

Leia mais

Síndroma de apneia do sono

Síndroma de apneia do sono Síndroma de apneia do sono - mais uma peça no puzzle do cluster de fatores de risco cardiovascular Cátia Costa, Joana Rodrigues, Nuno Cabanelas, Filipa Valente, Margarida Leal, Isabel Monteiro Serviço

Leia mais

Caracterização clínica e demográfica dos militares contratados internados no Serviço de Psiquiatria do Hospital Militar Principal em 2007

Caracterização clínica e demográfica dos militares contratados internados no Serviço de Psiquiatria do Hospital Militar Principal em 2007 Caracterização clínica e demográfica dos militares contratados internados no Serviço de Psiquiatria do Hospital Militar Principal em 2007 Dra. Joana Alexandre Dra. Teresa Babo Dra. Sofia Moreira Introdução

Leia mais

Registo Oncológico Pediátrico Português. 1º Seminário de Oncologia Pediátrica Lisboa,1 Novembro de 2014

Registo Oncológico Pediátrico Português. 1º Seminário de Oncologia Pediátrica Lisboa,1 Novembro de 2014 Registo Oncológico Pediátrico Português 1º Seminário de Oncologia Pediátrica Lisboa,1 Novembro de 2014 CANCRO Importante problema de saúde pública no mundo 1ª ou 2ª causa de morte na maioria dos países

Leia mais

Distribuição das doenças e agravos segundo características relacionadas às pessoas, ao tempo e ao espaço (I): Séries temporais

Distribuição das doenças e agravos segundo características relacionadas às pessoas, ao tempo e ao espaço (I): Séries temporais Distribuição das doenças e agravos segundo características relacionadas às pessoas, ao tempo e ao espaço (I): Séries temporais IESC/UFRJ Mestrado em Saúde Coletiva Especialização em Saúde Coletiva Modalidade

Leia mais

MEDIDAS DE ASSOCIAÇÃO

MEDIDAS DE ASSOCIAÇÃO EPIDEMIOLOGIA UNIDADE IV FINALIDADE: provar a existência de uma associação entre uma exposição e um desfecho. 1 RISCO RELATIVO (RR) Expressa uma comparação matemática entre o risco de adoecer em um grupo

Leia mais

Direcção de Serviços da Qualidade Clínica Divisão da Segurança Clínica

Direcção de Serviços da Qualidade Clínica Divisão da Segurança Clínica DIRECÇ GRUPO TRABALHO SOBRE PREVENÇÃO E Direcção de Serviços da Qualidade Clínica Divisão da Segurança Clínica Kátia Furtado Envelhecimento: A situação actual Portuguesa representa um grave problema: 26%

Leia mais

Estudo Epidemiológico Neoplasia Maligna na Cabeça do Pâncreas

Estudo Epidemiológico Neoplasia Maligna na Cabeça do Pâncreas Estudo Epidemiológico Neoplasia Maligna na Cabeça do Pâncreas Realizado por: Liliana Augusta Moreira de Sá Alves Turma 14 Assistente: Cristina Costa Santos Liliana Augusta Moreira de Sá Alves Resumo: Este

Leia mais

Semana 40 a 45 de 2016 (3 de outubro a 13 de novembro de 2016)

Semana 40 a 45 de 2016 (3 de outubro a 13 de novembro de 2016) Região de Saúde do Norte Gripe sazonal - Vigilância epidemiológica e vacinação Semana 40 a 45 de 2016 (3 de outubro a 13 de novembro de 2016) 1. Nota metodológica Este é o primeiro relatório com dados

Leia mais

C.10 Taxa de mortalidade específica por neoplasias malignas

C.10 Taxa de mortalidade específica por neoplasias malignas C.1 Taxa de mortalidade específica por neoplasias malignas O indicador estima o risco de morte por neoplasias malignas e dimensiona a sua magnitude como problema de saúde pública. Corresponde ao número

Leia mais

Ficha técnica para os perfis regionais de cuidados paliativos. Observatório Português dos Cuidados Paliativos

Ficha técnica para os perfis regionais de cuidados paliativos. Observatório Português dos Cuidados Paliativos Ficha técnica para os perfis regionais de cuidados paliativos Observatório Português dos Cuidados Paliativos Acerca do Observatório Português dos Cuidados Paliativos O OPCP foi criado dia 1 de Dezembro

Leia mais

RA Vila Isabel. Indicadores Rio Como Vamos

RA Vila Isabel. Indicadores Rio Como Vamos 3 RA Vila Isabel Indicadores Rio Como Vamos 1 CARACTERÍSTICAS DA POPULAÇÃO A Região Administrativa (RA) de Vila Isabel faz parte da Área de Planejamento 2. Abaixo podemos observar os gráficos referentes

Leia mais

ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2015

ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2015 11 de outubro 2016 ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2015 População residente Em 31 de dezembro de 2015, a população residente na Região Autónoma da Madeira (RAM) foi estimada em

Leia mais

XXIII Jornadas ROR-SUL. 15, 16 e 17 Fevereiro 2016 Lisboa

XXIII Jornadas ROR-SUL. 15, 16 e 17 Fevereiro 2016 Lisboa XXIII Jornadas ROR-SUL 5, 6 e 7 Fevereiro 206 Lisboa Leucemia Mielóide Crónica Anabela Neves Classificação ICD-O 3ª Edição Tumores com comportamento maligno (/3) 9863 Leucemia mielóide crónica, SOE 9875

Leia mais

Análise espacial dos óbitos por acidentes de. trânsito no município do Rio de Janeiro

Análise espacial dos óbitos por acidentes de. trânsito no município do Rio de Janeiro XVIII Congresso Mundial de Epidemiologia VII Congresso Brasileiro de Epidemiologia Análise espacial dos óbitos por acidentes de trânsito no município do Rio de Janeiro Vanessa dos Reis de Souza Suzana

Leia mais

Tábuas de Vida de Múltiplo Decremento: ganhos potenciais em expectativa de vida no RS, em 2005, relativos aos óbitos por Causas

Tábuas de Vida de Múltiplo Decremento: ganhos potenciais em expectativa de vida no RS, em 2005, relativos aos óbitos por Causas Tábuas de Vida de Múltiplo Decremento: ganhos potenciais em expectativa de vida no RS, em 2005, relativos aos óbitos por Causas Externas Marilene Dias Bandeira Setembro 2008 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO ALGUMAS

Leia mais

APRESENTAÇÃO E-PÔSTER DATA: 19/10/16 LOCAL: SALAS PRÉDIO IV

APRESENTAÇÃO E-PÔSTER DATA: 19/10/16 LOCAL: SALAS PRÉDIO IV APRESENTAÇÃO E-PÔSTER DATA: 19/10/16 LOCAL: SALAS PRÉDIO IV TÍTULO E-PÔSTER SALA PRÉDIO IV HORÁRIO RESISTÊNCIA A MÚLTIPLAS DROGAS NA TERAPIA ANTICÂNCER E O POTENCIAL EFEITO DE FLAVONOIDES NA RECUPERAÇÃO

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM. Brasília, 18 de Novembro de 2013 Michelle Leite da Silva

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM. Brasília, 18 de Novembro de 2013 Michelle Leite da Silva POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM Brasília, 18 de Novembro de 2013 Michelle Leite da Silva DAET- Departamento de Atenção Especializada e Temática Secretaria de Atenção à Saúde - SAS

Leia mais

PREVENÇÃO DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES

PREVENÇÃO DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES PREVENÇÃO DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES Dra Fabrícia de Oliveira Assis Cantadori Cardiologista do HUJM Cuiabá, maio de 2015 UFMT PREVENÇÃO É procurar e utilizar métodos para prevenir doenças e/ou suas complicações,

Leia mais

Estimativas de População Residente, Portugal, NUTS II, NUTS III e Municípios

Estimativas de População Residente, Portugal, NUTS II, NUTS III e Municípios Estimativas de População Residente 09 de Junho 2010 Estimativas de População Residente, Portugal, NUTS II, NUTS III e Municípios A evolução demográfica em caracteriza-se por um ligeiro crescimento da população

Leia mais

PRINCIPIOS DE CRIAÇÃO DE VALOR

PRINCIPIOS DE CRIAÇÃO DE VALOR PRINCIPIOS DE CRIAÇÃO DE VALOR - A FARMÁCIA DO FUTURO - Visão da ANF Ana Cristina Gaspar DADOS GLOBAIS EVOLUÇÃO DO MERCADO FARMACÊUTICO MERCADO MEDICAMENTOS (VALOR E VOLUME) Fonte: Sistema de Informação

Leia mais

Redução de Homicídios no Brasil

Redução de Homicídios no Brasil Ministério da Saúde MS Secretaria de Vigilância em Saúde - SVS Redução de s no Brasil SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 1 METODOLOGIA DE ANÁLISE... 1 RESULTADOS... 2 s no Brasil... 2 Óbitos por Arma de Fogo... 4 Determinantes

Leia mais

DIABETES. Factos e Numeros Portugal Relatório Anual do Observatório Nacional da Diabetes

DIABETES. Factos e Numeros Portugal Relatório Anual do Observatório Nacional da Diabetes DIABETES Factos e Numeros Portugal 2014 Relatório Anual do Observatório Nacional da Diabetes Ficha Técnica: Diabetes: Factos e Números 2014 Relatório Anual do Observatório Nacional da Diabetes 11/2014

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2009

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2009 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2009 Altera a Lei nº 11.664, de 29 de abril de 2008, para incluir a pesquisa de biomarcadores entre as ações destinadas à detecção precoce das neoplasias malignas de mama

Leia mais

Impacto do Grau de Controlo da Asma na Utilização de Cuidados de Saúde em Portugal

Impacto do Grau de Controlo da Asma na Utilização de Cuidados de Saúde em Portugal Unidade de Epidemiologia Instituto de Medicina Preventiva Faculdade de Medicina, Universidade de Lisboa Impacto do Grau de Controlo da Asma na Utilização de Cuidados de Saúde em Portugal Violeta Alarcão,

Leia mais

A taxa de desemprego estimada para o 1º trimestre de 2014 foi 15,1%

A taxa de desemprego estimada para o 1º trimestre de 2014 foi 15,1% 09 de maio de 2014 Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2014 A taxa de desemprego estimada para o 1º trimestre de 2014 foi 15,1 A taxa de desemprego estimada para o 1º trimestre de 2014 foi 15,1. Este

Leia mais

doença isquêmica do coração, internações, Permanência e Gastos. Brasil, 1993 a 1997

doença isquêmica do coração, internações, Permanência e Gastos. Brasil, 1993 a 1997 Artigo Original Doença Isquêmica do Coração. Internações, Tempo de Permanência e Gastos. Brasil, 1993 a 1997 Ruy Laurenti, Cassia Maria Buchalla, Carla Vanessa de Sousa Caratin São Paulo, SP Objetivo -

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA METABÓLICA

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA METABÓLICA O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA METABÓLICA ENTENDENDO a doença metabólica A doença metabólica, também chamada de síndrome metabólica ou ainda de plurimetabólica, em geral faz parte de um conjunto de

Leia mais

COGESPA 2016 PREVENÇÃO. Eixo II - Enfrentamento da Epidemia das DST/Aids entre mulheres no Estado de São Paulo

COGESPA 2016 PREVENÇÃO. Eixo II - Enfrentamento da Epidemia das DST/Aids entre mulheres no Estado de São Paulo COGESPA 2016 PREVENÇÃO Eixo II - Enfrentamento da Epidemia das DST/Aids entre mulheres no Estado de São Paulo DST/Aids entre mulheres no Estado de São Paulo Diminuir a incidência de HIV/Aids entre as mulheres

Leia mais

Plano Nacional de Saúde INDICADORES E METAS EM SAÚDE

Plano Nacional de Saúde INDICADORES E METAS EM SAÚDE 2012 2016 7. ES E METAS EM SAÚDE Plano Nacional de Saúde CONTEXTO GANHOS EM SAÚDE Plano Nacional de Saúde QUAL A 7. ES E METAS EM SAÚDE 7.1. CONCEITOS... 2 7.2. ES DO PNS... 4 7.2.1 ES DE GANHOS EM SAÚDE...

Leia mais

METODOLOGIA EPIDEMIOLOGICA

METODOLOGIA EPIDEMIOLOGICA METODOLOGIA EPIDEMIOLOGICA CLASSIFICAÇÃO DOS ESTUDOS EPIDEMIOLÓGICOS: ESTUDOS DESCRITIVOS Os estudos descritivos objetivam informar sobre a distribuição de um evento, na população, em termos quantitativos.

Leia mais

Boletim Informativo INFLUENZA

Boletim Informativo INFLUENZA CRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE Porto Alegre, 22 de Julho de 16. Boletim Informativo INFLUENZA Até a Semana Epidemiológica () 29 (3//16 a *23/7/16) foram investigados 1841 casos suspeitos de Síndrome Respiratória

Leia mais

ENF 1081 PROMOÇÃO DA SAÚDE III EIXO TEMÁTICO 21 - Medidas de Saúde Coletiva

ENF 1081 PROMOÇÃO DA SAÚDE III EIXO TEMÁTICO 21 - Medidas de Saúde Coletiva ENF 1081 PROMOÇÃO DA SAÚDE III EIXO TEMÁTICO 21 - Medidas de Saúde Coletiva TURMA A01 2016.1 Profª Me. Karla Prado de Souza Cruvinel kpradocruvinel@gmail.com 2016/1 CRONOGRAMAS TEORIA/PRELEÇÃO - TURMA

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Morte Fetal. Indicadores de Saúde. Assistência Perinatal. Epidemiologia.

PALAVRAS-CHAVE Morte Fetal. Indicadores de Saúde. Assistência Perinatal. Epidemiologia. 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

COORDENAÇÃO DO NÚCLEO CURRICULAR FLEXÍVEL PRÁTICAS EDUCATIVAS FICHA DE OBSERVAÇÃO

COORDENAÇÃO DO NÚCLEO CURRICULAR FLEXÍVEL PRÁTICAS EDUCATIVAS FICHA DE OBSERVAÇÃO FICHA DE OBSERVAÇÃO ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE E ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Acadêmico: Curso: Período: Turno: Disciplina: Atenção Primária à Saúde e Estratégia de Saúde da Família Local: Profissional

Leia mais

INDICADORES DE SAÚDE I

INDICADORES DE SAÚDE I Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências da Saúde Faculdade de Medicina Departamento Medicina Preventiva Disciplina de Epidemiologia INDICADORES DE SAÚDE I 2005 Indicadores globais: Coeficiente

Leia mais

Lista de Exercícios de Probabilidades

Lista de Exercícios de Probabilidades Lista de Exercícios de Probabilidades Joel M. Corrêa da Rosa 2011 1. Lançam-se três moedas. Enumere o espaço amostral e os eventos : Ω = {(c, c, c); (k, k, k); (c, k, k); (k, c, k); (k, k, c); (k, c, c);

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO MUNDIAL

A EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO MUNDIAL A EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO MUNDIAL FASES DO CRESCIMENTO DEMOGRÁFICO: Até 1750 Regime Demográfico Primitivo Crescimento muito lento da população mundial; Taxa de mortalidade elevada; Taxa de natalidade elevada;

Leia mais

Índice. Índice de Figuras. Índice de Tabelas. Lista de Abreviaturas. Resumo e Palavras-chave. 1. Introdução Objetivos 6

Índice. Índice de Figuras. Índice de Tabelas. Lista de Abreviaturas. Resumo e Palavras-chave. 1. Introdução Objetivos 6 Índice Índice de Figuras iii Índice de Tabelas iv Lista de Abreviaturas v Resumo e Palavras-chave vii 1. Introdução 1 2. Objetivos 6 3. Materiais e Métodos 8 4. Resultados e Discussão 10 5. Conclusão 17

Leia mais

A função sistólica ventricular direita e a função diastólica ventricular esquerda como preditores de mortalidade na hipertensão arterial pulmonar

A função sistólica ventricular direita e a função diastólica ventricular esquerda como preditores de mortalidade na hipertensão arterial pulmonar A função sistólica ventricular direita e a função diastólica ventricular esquerda como preditores de mortalidade na hipertensão arterial pulmonar 29 Março 2013 Rui Plácido, Petra Ferreira Loureiro, Ana

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO DE SAÚDE ARSLVT

DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO DE SAÚDE ARSLVT DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO DE SAÚDE ARSLVT Autores: Eduardo Magalhães Manuela Lucas Colaboração de Carlos Orta Gomes Leonor Murjal Maria do Carmo Santos CRSP: ESTUDO E PLANEAMENTO DA SAÚDE Novembro de 2006

Leia mais

Tabagismo: doença crónica que carece de prevenção e tratamento

Tabagismo: doença crónica que carece de prevenção e tratamento Tabagismo: doença crónica que carece de prevenção e tratamento 1. Cigarettes and other forms of tobacco are addicting. 2. Nicotine is the drug in tobacco that causes addiction. 3. The pharmacologic and

Leia mais

Rede Nacional de Vigilância de Morbidade Materna Grave. Frederico Vitório Lopes Barroso

Rede Nacional de Vigilância de Morbidade Materna Grave. Frederico Vitório Lopes Barroso Rede Nacional de Vigilância de Morbidade Materna Grave Frederico Vitório Lopes Barroso Morbidade Materna Grave Nos últimos anos, as mulheres que sobrevivem a complicações graves da gestação, near miss,

Leia mais

O Valor de Diagnóstico Diagnóstico Precoce e prevenção Antonio Vergara

O Valor de Diagnóstico Diagnóstico Precoce e prevenção Antonio Vergara O Valor de Diagnóstico Antonio Vergara O valor de Diagnóstico em beneficio do paciente O Valor do Diagnóstico Valor Clínico O Valor de Diagnóstico Industria dos Diagnósticos Valor de Inovação IVD da despensa

Leia mais

Boletim da Vigilância em Saúde ABRIL 2013

Boletim da Vigilância em Saúde ABRIL 2013 Boletim da Vigilância em Saúde ABRIL 2013 Boletim da Vigilância em Saúde ABRIL 2013 Prefeito Municipal Marcio Lacerda Secretário Municipal de Saúde Marcelo Gouvêa Teixeira Secretário Municipal Adjunto

Leia mais

Informação baseada nos dados de rotina: EAM

Informação baseada nos dados de rotina: EAM EAM Informação baseada nos dados de rotina: EAM Número do País Número do Hospital País 1 a 18 Hospital 1 a 30 Por favor utilize os dados do hospital entre 01.01.2010 e 31.12.2010 Por favor especifique

Leia mais

Cadastro metas para Indicadores de Monitoramento e Avaliação do Pacto pela Saúde - Prioridades e Objetivos Estado: GOIAS

Cadastro metas para Indicadores de Monitoramento e Avaliação do Pacto pela Saúde - Prioridades e Objetivos Estado: GOIAS Cadastro metas para Indicadores de Monitoramento e Avaliação do Pacto pela Saúde - Prioridades e Objetivos Estado: GOIAS PACTO PELA VIDA PRIORIDADE: I - ATENCAO A SAUDE DO IDOSO. OBJETIVO: PROMOVER A FORMACAO

Leia mais

PREVALÊNCIA DOS SINTOMAS DA ASMA EM ADOLESCENTES DE 13 E 14 ANOS

PREVALÊNCIA DOS SINTOMAS DA ASMA EM ADOLESCENTES DE 13 E 14 ANOS PREVALÊNCIA DOS SINTOMAS DA ASMA EM ADOLESCENTES DE 13 E 14 ANOS Marcos Abrantes Moreira. Acadêmico de Fisioterapia da Faculdade Santa Maria. E-mail:markim.abrantes@hotmail.com Luma Soares Lustosa. Acadêmica

Leia mais