6.3. INFECÇÃO PELO VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA Introdução

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "6.3. INFECÇÃO PELO VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA Introdução"

Transcrição

1 6.3. INFECÇÃO PELO VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA Introdução O diagnóstico da situação relativo à infecção pelo Vírus da Imunodeficiência Humana (VIH) na região Norte (RN) foi elaborado com base nos dados fornecidos pelo Centro de Vigilância Epidemiológica das Doenças Transmissíveis (CVEDT) do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge no que se refere à morbilidade e, com base nos dados fornecidos pela Direcção de Serviços de Informação e Análise (DSIA) da Direcção-Geral da Saúde (DGS) e do Instituto Nacional de Estatística (INE) no que se refere à mortalidade Morbilidade Até 3 de Junho de 25 foram declarados ao CVEDT 685 casos de infecção pelo VIH em residentes na região Norte, correspondendo a cerca de 25% do total de casos declarados em Portugal (2731) (Quadro 32). Quadro 32 Distribuição das notificações de infecção VIH por ano de diagnóstico e por tipo de infecção na região Norte (declarados ao CVEDT até 3 de Junho de 25) Ano PA* CRS** SIDA*** Total *PA - Portadores Assintomáticos **CRS Complexos Relacionados com SIDA ***SIDA Síndrome de Imunodeficiência Adquirida;

2 No Quadro 32 e Figura 67 observa-se a distribuição das notificações relativas à região Norte por tipo de infecção e por ano de diagnóstico. Dado o atraso que se observa na notificação, apenas se consideraram as infecções diagnosticadas até 24. Evolução do número de casos de PA, CRS, SIDA e total, por ano de diagnóstico PA CRS SIDA Total Figura 67 - Evolução do número de casos de Portadores Assintomáticos (PA), Complexos Relacionados com SIDA (CRS), Síndrome de Imunodeficiência Adquirida (SIDA) e total, por ano de diagnóstico. Região Norte (casos declarados até 3/6/25) A evolução temporal do total de casos de infecção VIH diagnosticados mostra um paralelismo de configuração com a curva respeitante aos diagnósticos de Portadores Assintomáticos (PA), com valores máximos atingidos nos de 1997 e 2. De realçar ainda que, após o pico observado no ano 2 e subsequente descida, nos posteriores o número total de casos diagnosticados sofreu um ligeiro crescimento entre 21 e 23. Dado o atraso na notificação, é prematuro valorizar a evolução observada em 24. O número de casos de SIDA aumentou até ao ano de 21, para em seguida se observar uma ligeira descida, a valorizar quando dispusermos de dados mais actualizados. A comparação da taxa de incidência de SIDA entre Portugal e a região Norte indica que, até ao ano 2, os valores observados em Portugal foram sempre superiores aos da região, sendo que a partir desse ano a região Norte passou a apresentar valores superiores aos do País (Figura 68).

3 Evolução da taxa de incidência (/1 ) de SIDA 12, 1, 8, 6, Portugal Norte 4, 2,, Figura 68 - Evolução da taxa de incidência (/1) de SIDA em Portugal e na região Norte, Nos diferentes distritos da região Norte, o distrito do Porto contribui com 84% para o total de casos acumulados, seguindo-se-lhe o distrito de Braga, Viana do Castelo, Vila Real e Bragança (Quadro 33). Esta distribuição proporcional apresenta grandes diferenças em relação à distribuição percentual dos efectivos populacionais por distrito. Quadro 33 - Distribuição do número de casos de infecção VIH por distrito e da população residente, região Norte Distrito Casos infecção VIH (%) População residente (%) Estimativa INE 24 Braga 671 (1%) (26,%) Bragança 1 (1,5%) (4,5%) Porto 5681 (84,2%) (55,%) Viana do Castelo 178 (2,6%) (8,%) Vila Real 115 (1,7%) (6,8%) Total 6745 (1%) (1%) A taxa de incidência da infecção VIH observada na região Norte no quinquénio 1995/1999 foi de 179,1/1 pessoas-ano, variando o valor observado nos diferentes distritos entre 288,3 no distrito do Porto e 22,6 no distrito de Bragança (Figura 69).

4 Taxa de incidência (/1) da infecção VIH Legenda: Incidência por 1 pessoas-ano >=1 Figura 69 Taxa de incidência (/1) da infecção VIH nos distritos da região Norte, entre 1995 e 1999 A distribuição dos casos declarados de infecção VIH por sexo indica um claro predomínio da infecção em indivíduos do sexo masculino: do total de 6846 casos declarados até 3 de Junho de 25 cujo sexo é conhecido, 19% são do sexo feminino e 81% do sexo masculino. Considerando os estádios extremos da infecção VIH, observa-se que a maior parte dos casos de Portadores Assintomáticos (PA) têm idades compreendidas entre os 25 e os 29, enquanto que a maior parte dos casos de SIDA pertencem à classe etária dos 3-34 (Figura 7). Nos grupos etários mais avançados o número de casos de SIDA é superior ao número de casos de PA. A frequência acumulada dos casos de infecção VIH por sexo indica que as mulheres infectadas têm idades genericamente mais baixas do que os homens.

5 Distribuição do número de casos de PA e de SIDA na Região Norte por grupo etário <1 ano PA SIDA Figura 7 - Distribuição do número de casos de Portadores Assintomáticos (PA) e de SIDA declarados até 3/6/25 na região Norte, por grupo etário A comparação entre número de casos de infecção VIH declarados até Dezembro de 22 e o número de casos declarados até Junho de 25 por grupo etário, indica que nestes últimos a maior parte das notificações de casos ocorreu nos grupos etários e 3-34 (Figura 71). Número de casos acumulados de infecção VIH por grupo etário Jun-5 Dez <1 ano Figura 71 - Número de casos acumulados de infecção VIH por grupo etário declarados na região Norte até 31/12/22 e até 3/6/25

6 Do total de 685 casos de infecção VIH declarados até 3 de Junho de 25, em 6733 foi possível identificar a categoria de transmissão (Quadro 34), pertencendo 66% dos casos à categoria Toxicodependente, 25% à categoria Heterossexual e 7% à categoria Homo/Bissexual. Quadro 34 Distribuição da categoria de transmissão nos casos de infecção VIH declarados na região Norte até 3 de Junho de 25 Categoria nº de casos Percentagem Hemofílico 32,5 Heterossexual ,1 Homo/bissexual 44 6,5 Homo/Toxicodependente 37,5 Mãe/filho 41,6 Toxicodependente ,9 Transfusionado 55,8 Total A evolução do número de Portadores Assintomáticos (PA) declarados durante os últimos por categoria de transmissão (Quadro 35), mostra: um aumento do número de casos de PA nas categorias Heterossexual e Homo/bissexual, após um aumento no número de casos de PA na categoria Toxicodependente entre 22 e 23, uma eventual estabilização do fenómeno. Quadro 35 Número de casos de PA declarados na região Norte por categoria de transmissão Categoria de transmissão Heterossexual Homo/bissexual Mãe/filho Toxicodependente Outras 1 Total (variação em relação ao ano anterior) (+4%) 163 (+112%) Na Figura 72 observamos a importância relativa das principais categorias de transmissão para o total de casos de PA declarados até 31 de Dezembro de 21, sendo de realçar que naquela data, cerca de 3 em cada 4 casos declarados pertenciam à categoria Toxicodependente. Durante os últimos (Figura 73) a importância relativa dos novos casos de PA declarados na região sofreu as seguintes alterações: ligeiro aumento da proporção de casos declarados na categoria Homo/bissexual, aumento da proporção de

7 casos declarados na categoria Heterossexual e diminuição na categoria Toxicodependente. Percentagem de casos de PA declarados, por categoria de transmissão, até 31/12/21 2% 19% 5% Heterossexual Homo/bissexual Toxicodependente Outras 74% Figura 72 - Percentagem de casos de portadores assintomáticos (PA) declarados na região Norte até 31/12/21 por categoria de transmissão Percentagem de casos de PA, por categoria de transmissão, até 3/6/25 2% 25% 6% Heterossexual Homo/bissexual Toxicodependente Outras 67% Figura 73 - Percentagem de casos de portadores assintomáticos (PA) declarados na região Norte até 3/6/25 por categoria de transmissão

8 A evolução do número de casos de SIDA declarados na região por categoria de transmissão (Quadro 36) indica um aumento, entre 22 e 23, no número de casos na categoria Heterossexual. Na categoria Homo/bissexual, após uma diminuição do número de casos entre 22 e 23, um crescimento durante o último ano e meio. Na categoria Toxicodependente houve uma diminuição do número de casos entre 21 e 22, um ligeiro crescimento em 23 e, a manter-se a evolução no último ano e meio, poderá haver uma diminuição ou estabilização no número de casos. Quadro 36 Número de casos de SIDA declarados na região Norte por categoria de transmissão, Categoria de transmissão Heterossexual Homo/bissexual Mãe/filho 1 Toxicodependente Outras Total (variação em relação ao ano anterior) (-19%) 315 (+2%) A evolução da importância relativa das principais categorias de transmissão para o total de casos de SIDA declarados na região (Figuras 74 e 75), indica um aumento da importância relativa da categoria Heterossexual em detrimento da categoria Toxicodependente. Percentagem de casos de SIDA por categoria de transmissão, até 31/12/21 3% 22% 8% Heterossexual Homo/bissexual Toxicodependente Outras 67% Figura 74 - Percentagem de casos de SIDA declarados na região Norte até 31/12/21 por categoria de transmissão

9 Percentagem de casos de SIDA por categoria de transmissão, até 3/6/25 3% 26% 7% Heterossexual Homo/bissexual Toxicodependente Outras 64% Figura 75 - Percentagem de casos de SIDA declarados na região Norte até 3/6/25 por categoria de transmissão A Tuberculose foi a doença indicadora de SIDA em 173 dos 3121 casos declarados na região até 3 de Junho de 25, representando 55% do total de casos de SIDA. Em Portugal, a Tuberculose representou, para o mesmo período de tempo, 49% (5987/1221) do total de casos declarados de SIDA. Nestes últimos, o contributo da Tuberculose enquanto doença indicadora para o total de casos de SIDA declarados anualmente tem variado entre um máximo de 62% em 21 e um valor mínimo de 51% durante 24 e o primeiro semestre de 25 (Quadro 37). Quadro 37 Número e percentagem de casos de SIDA em que a Tuberculose foi doença indicadora (SIDA/TB) na Região Norte, de Janeiro de 21 a Junho de 25 Ano SIDA/TB SIDA Percentagem % % % 24 e até Junho % Mortalidade Na região Norte, o número de casos de SIDA por ano de diagnóstico cresceu até 21, mostrando uma tendência para o decréscimo a partir desse ano, o número de mortes por SIDA cresceu até 22, tendo diminuído em 23 (figura 76).

10 Número de casos de SIDA e óbitos por SIDA por ano de diagnóstico Óbitos Casos /DSIA/INE Figura 76 - Número de óbitos por SIDA e número de casos de SIDA por ano de diagnóstico na região Norte, Em Portugal, a evolução, tanto do número de casos de SIDA como do número de óbitos por SIDA, depois de ter aumentado até 1999, parece ter estabilizado após essa data (Figura 77). Número de casos de SIDA por ano de diagnóstico e número de óbitos por SIDA por ano de ocorrência. Portugal N.casos N.óbitos /DSIA/INE Figura 77 - Evolução do número de casos de SIDA por ano de diagnóstico e do número de óbitos por SIDA por ano de ocorrência. Portugal

11 Na grande maioria dos países da Europa Ocidental, a evolução do número de casos de SIDA e de mortes por SIDA sofreu um crescimento até ao fim da primeira metade dos 9 e uma descida a partir de então, sendo que nos últimos ambos os fenómenos parecem ter sofrido alguma estabilização (17). Este padrão, observado em todos os países à excepção de Portugal, tem sido interpretado como sendo o resultado da adopção de esquemas de terapêutica anti-retrovírica de alta eficácia. A comparação entre o risco de morrer por SIDA em Portugal e na região Norte indica que, para além do fenómeno ter uma evolução diferente, os valores observados na região têm sido sempre inferiores aos do País (figura 78). Evolução da taxa de mortalidade (/1 ) por SIDA em Portugal e na região Norte , 1, 8, Portugal-Mort Norte-Mort 6, 4, 2,, Fonte: DSIA/INE Figura 78 - Evolução da taxa de mortalidade (/1 ) por SIDA em Portugal e na região Norte, entre 1988 e 23 O número de mortes por SIDA não tem evoluído, na região, da mesma forma no sexo masculino e feminino (Figura 79): no sexo masculino, após um aumento observável até 22, houve um decréscimo em 23, no sexo feminino observa-se um crescimento lento e gradual no número de óbitos.

12 Evolução do número de óbitos por SIDA e por sexo Masculino Feminino Fonte: DSIA/INE Figura 79 - Evolução do número de óbitos por SIDA e por sexo na região Norte, entre 199 e 23 O grupo etário em que se observou um maior número de mortes por SIDA na região Norte foi o de idades compreendidas entre os 25 e os 34 (Figura 8), no entanto, observou-se uma diminuição do número de óbitos naquele grupo em 21. O número de mortes por SIDA no grupo etário tem vindo a crescer desde 199, sendo o crescimento mais evidente a partir de Evolução do número de óbitos por SIDA, por grupo etário. Região Norte - 199/ < Fonte: DSIA Figura 8 - Evolução do número de óbitos por SIDA segundo o grupo etário, na região Norte, entre 199 e 21

13 Conclusões As conclusões que se podem retirar dos dados apresentados enfermam das limitações que decorrem da validade e robustez do sistema de onde se retirou a informação utilizada. O risco de contrair SIDA na região Norte tem continuado a subir, tendo já ultrapassado os valores observados em Portugal. Este facto leva-nos a ponderar a necessidade de estudar mais detalhadamente as razões deste fenómeno, tanto que, com o acesso a terapêuticas antiretrovíricas de alta eficácia, seria de esperar que tanto a incidência de SIDA como a mortalidade já tivessem sofrido o decréscimo observado nos restantes países da Europa Ocidental. Em 23, tanto o número de casos de PA como de SIDA declarados na região Norte aumentou, sendo esse aumento mais evidente nos PA. Não sabemos se a abertura dos Centros de Rastreio Anónimo terá contribuído para diminuir o sub-diagnóstico, ou se haverá, de facto, aumento da incidência. As formas de transmissão da infecção VIH sofreram, nestes últimos, alterações que convém sublinhar. Se considerarmos que os PA declarados correspondem a infecções mais recentes, o risco de contrair a infecção por via sexual (hetero ou homossexual) aumentou. Um outro facto nos pareceu muito preocupante: o crescimento do número de casos de PA por transmissão vertical ocorridos na região no último ano e meio. A inclusão do rastreio VIH nos exames analíticos de vigilância de gravidez e a eficácia da prevenção da transmissão vertical deveriam ter contribuído para uma diminuição do risco. Consideramos de primordial importância um estudo mais detalhado desta situação. Em relação à SIDA também se observou um aumento do risco de transmissão por via sexual (hetero e homossexual), neste caso reflexo de comportamentos ocorridos em épocas anteriores. A tuberculose é a principal doença indicadora de SIDA na região Norte, assumindo uma importância superior ao País. Este facto eventualmente reflecte o elevado nível endémico de tuberculose que se observa na região, consubstanciando a necessidade premente de estratégias integradas de luta contra aqueles problemas de saúde. No que se refere ao risco de morrer por SIDA, os dados da região apontam para uma eventual estabilização, o que, conjugado com o aumento de incidência, obriga a considerar a subida da prevalência da SIDA no planeamento dos serviços de saúde. Finalmente, dois factos importantes em relação à mortalidade por SIDA: o aumento dos óbitos no grupo etário e a subida, mesmo que de pequena dimensão, observada no sexo feminino.

DIA MUNDIAL DO CANCRO: 4/2/2015 ONCOLOGIA NA RAM - RELATÓRIO INFOGRÁFICO

DIA MUNDIAL DO CANCRO: 4/2/2015 ONCOLOGIA NA RAM - RELATÓRIO INFOGRÁFICO 1. CARACTERIZAÇÃO DA MORTALIDADE 1.1 Principais causas de morte, 2010-2013, RAM 1.2 Taxa de mortalidade padronizada (/100.000 hab), Região (RAM, RAA e Portugal), 2009 a 2012 Fonte: Estatísticas da Saúde,

Leia mais

Bem-estar, desigualdade e pobreza

Bem-estar, desigualdade e pobreza 97 Rafael Guerreiro Osório Desigualdade e Pobreza Bem-estar, desigualdade e pobreza em 12 países da América Latina Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, El Salvador, México, Paraguai, Peru,

Leia mais

BARÓMETRO DE OPINIÃO PÚBLICA: Atitudes dos portugueses perante Leitura e o Plano Nacional de Leitura

BARÓMETRO DE OPINIÃO PÚBLICA: Atitudes dos portugueses perante Leitura e o Plano Nacional de Leitura BARÓMETRO DE OPINIÃO PÚBLICA: Atitudes dos portugueses perante Leitura e o Plano Nacional de Leitura António Firmino da Costa Elsa Pegado Patrícia Ávila CIES-ISCTE 2008 BARÓMETRO DE OPINIÃO PÚBLICA: Atitudes

Leia mais

Hóspedes, dormidas e proveitos mantêm crescimento significativo

Hóspedes, dormidas e proveitos mantêm crescimento significativo Atividade Turística Julho de 20 15 de setembro de 20 Hóspedes, dormidas e proveitos mantêm crescimento significativo A hotelaria registou 5,8 milhões de dormidas em julho de 20, valor correspondente a

Leia mais

Indicadores Sociais Municipais 2010. Uma análise dos resultados do universo do Censo Demográfico 2010

Indicadores Sociais Municipais 2010. Uma análise dos resultados do universo do Censo Demográfico 2010 Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais Indicadores Sociais Municipais 2010 Uma análise dos resultados do universo do Censo Demográfico 2010 Rio, 16/11/ 2011 Justificativa:

Leia mais

ISSN: 0872-4334 & ' (!!" #$%!

ISSN: 0872-4334 & ' (!! #$%! ISSN: 0872-4334 & ' (!!" #$%! Documento da responsabilidade de: Departamento de Doenças Infecciosas Unidade de Referência e Vigilância Epidemiológica Núcleo de Vigilância Laboratorial de Doenças Infecciosas

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de outubro de 2013

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de outubro de 2013 Nota de Informação Estatística Lisboa, 1 de outubro de 13 Novas estatísticas das não financeiras da Central de Balanços O Banco de Portugal passa a divulgar no Boletim Estatístico (secção A.19 e Capítulo

Leia mais

VIH-SIDA - SITUAÇÃO ACTUAL

VIH-SIDA - SITUAÇÃO ACTUAL VIH-SIDA - SITUAÇÃO ACTUAL 1 Quadro Institucional Estratégias : Até 22 Sanitarização da abordagem Depois de 22 Multisectorialidade e Descentralização Prevalência do VIH (%), em adultos dos 15-49 anos,

Leia mais

Estudos. População e Demografia

Estudos. População e Demografia População e Demografia Prof. Dr. Rudinei Toneto Jr. Guilherme Byrro Lopes Rafael Lima O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), desde 1991, divulga anualmente uma base com a população dos

Leia mais

Hotelaria com aumentos nas dormidas e proveitos

Hotelaria com aumentos nas dormidas e proveitos Atividade Turística Junho 2013 14 de agosto de 2013 Hotelaria com aumentos nas dormidas e proveitos A hotelaria registou 4,4 milhões de dormidas em junho de 2013, mais 8,6% do que em junho de 2012. Para

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 12/2014

ESTUDO TÉCNICO N.º 12/2014 ESTUDO TÉCNICO N.º 12/2014 Principais resultados da PNAD 2013 potencialmente relacionados às ações e programas do MDS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA DE AVALIAÇÃO E GESTÃO

Leia mais

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 37 38 3.1. Introdução Para a interpretação dos dados de saúde, quer de morbilidade quer de mortalidade, e nomeadamente para, com base nesses dados, se fazer o planeamento

Leia mais

Edição Número 2 de 02/01/2004, páginas 12 e 13.

Edição Número 2 de 02/01/2004, páginas 12 e 13. Edição Número 2 de 02/01/2004, páginas 12 e 13. PORTARIA Nº 2.458, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2003 O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso de suas atribuições, e Considerando a necessidade de criar mecanismos

Leia mais

Contas Económicas da Silvicultura 1990 2001

Contas Económicas da Silvicultura 1990 2001 Informação à Comunicação Social 27 de Dezembro de 22 Contas Económicas da Silvicultura 199 21 O Valor Acrescentado Bruto da Silvicultura decresceu,4% em termos reais, mas aumentou 35% em valor entre 199

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Presidente António dos Reis Duarte

FICHA TÉCNICA. Presidente António dos Reis Duarte FICHA TÉCNICA Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Direcção de Contas Nacionais, Estatísticas Económicas e dos Serviços Divisão de Estatísticas do Turismo Av. Cidade

Leia mais

Sistemática dos seres vivos

Sistemática dos seres vivos Sistemática dos seres vivos O mundo vivo é constituído por uma enorme variedade de organismos. Para estudar e compreender tamanha variedade, idd foi necessário agrupar os organismos de acordo com as suas

Leia mais

MODELAGENS. Modelagem Estratégica

MODELAGENS. Modelagem Estratégica Material adicional: MODELAGENS livro Modelagem de Negócio... Modelagem Estratégica A modelagem estratégica destina-se à compreensão do cenário empresarial desde o entendimento da razão de ser da organização

Leia mais

Infeção VIH/SIDA: a situação em Portugal a 31 de dezembro de 2011

Infeção VIH/SIDA: a situação em Portugal a 31 de dezembro de 2011 _Relatórios _título: Infeção VIH/SIDA: a situação em Portugal a 31 de dezembro de 2011 Documento nº 143 _edição: _INSA,IP _autores: _Departamento de Doenças Infecciosas, Unidade de Referência e Vigilância

Leia mais

BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE ALJEZUR

BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE ALJEZUR ALJEZUR, 4 DE DEZEMBRO DE 7 INTRODUÇÃO Desde a sua criação até aos dias de hoje, a formação interna dos elementos que constituem o Corpo de Bombeiros Voluntários de Aljezur, tem sido uma constante, na

Leia mais

Indicador Trimestral de PIB do Espírito Santo

Indicador Trimestral de PIB do Espírito Santo SUMÁRIO EXECUTIVO O Produto Interno Bruto (PIB) do estado do Espírito Santo é calculado anualmente pelo Instituto Jones dos Santos Neves (IJSN) em parceria com o Instituto eiro de Geografia e Estatística

Leia mais

Recensão digital Dezembro de 2013

Recensão digital Dezembro de 2013 Educação, Formação & Tecnologias (julho dezembro, 2013), 6 (2), 105 109 Recensão digital Dezembro de 2013 As ferramentas digitais do Mundo Visual http://nlstore.leya.com/asa/newsletters/ev/imagens/html/vfinal.html

Leia mais

Comissão avalia o impacto do financiamento para as regiões e lança um debate sobre a próxima ronda da política de coesão

Comissão avalia o impacto do financiamento para as regiões e lança um debate sobre a próxima ronda da política de coesão IP/07/721 Bruxelas, 30 de Maio de 2007 Comissão avalia o impacto do financiamento para as regiões e lança um debate sobre a próxima ronda da política de coesão A política de coesão teve um efeito comprovado

Leia mais

Acidentes de origem eléctrica em Portugal

Acidentes de origem eléctrica em Portugal 0. Introdução Este relatório é o resultado do registo dos acidentes e incidentes de origem eléctrica que foram noticiados pela imprensa nos serviços online a nível nacional no ano de 2011, à imagem dos

Leia mais

Introdução. Parte do Trabalho de Conclusão de Curso do Primeiro Autor. 2

Introdução. Parte do Trabalho de Conclusão de Curso do Primeiro Autor. 2 399 IMPLANTAÇÃO DA VACINAÇÃO CONTRA O PAPILOMAVÍRUS HUMANO (HPV) NA POPULAÇÃO FEMININA EM IDADE FÉRTIL: PERSPECTIVAS DE DIMINUIÇÃO DA INCIDÊNCIA DE CASOS DE CÂNCER DE COLO DO ÚTERO 1 Kelen Lopes Da Silva

Leia mais

ROTEIRO DE EXPOSIÇÃO Índices inflacionários, evolução salarial da categoria e despesa de pessoal no Estado de São Paulo

ROTEIRO DE EXPOSIÇÃO Índices inflacionários, evolução salarial da categoria e despesa de pessoal no Estado de São Paulo ROTEIRO DE EXPOSIÇÃO Índices inflacionários, evolução salarial da categoria e despesa de pessoal no Estado de São Paulo SINDSAÚDE-SP 17/10/2008 COMPORTAMENTO DOS PREÇOS No período 2001-2008, presenciamos

Leia mais

UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PELAS FAMÍLIAS 2001

UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PELAS FAMÍLIAS 2001 Informação à Comunicação Social 15 de Março de 22 UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PELAS FAMÍLIAS 21 No terceiro trimestre de 21, cerca de um quarto das famílias portuguesas - 24%

Leia mais

Na trilha da confiança. 32 KPMG Business Magazine

Na trilha da confiança. 32 KPMG Business Magazine 32 KPMG Business Magazine Na trilha da confiança A preocupação das empresas com as boas práticas de governança corporativa aumenta a cada ano no Brasil e fortalece a relação com os investidores O mercado

Leia mais

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo, Editora Atlas, 2002....

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo, Editora Atlas, 2002.... GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo, Editora Atlas, 2002.... 1 Como encaminhar uma Pesquisa? A pesquisa é um projeto racional e sistemático com objetivo de proporcionar respostas

Leia mais

Programa: Enquadramento; Dinâmicas e processos associados à violência conjugal; A lei e o combate à violência doméstica questões legais.

Programa: Enquadramento; Dinâmicas e processos associados à violência conjugal; A lei e o combate à violência doméstica questões legais. Programa: Enquadramento; Dinâmicas e processos associados à violência conjugal; A lei e o combate à violência doméstica questões legais. Vídeo: Os tabus sociais na perceção de géneros e papéis sexuais

Leia mais

Programa Nacional de Luta Contra a Tuberculose Ponto da Situação Epidemiológica e de Desempenho (dados provisórios)

Programa Nacional de Luta Contra a Tuberculose Ponto da Situação Epidemiológica e de Desempenho (dados provisórios) Programa Nacional de Luta Contra a Tuberculose Ponto da Situação Epidemiológica e de Desempenho (dados provisórios) Dia Mundial da Tuberculose 24 de março de 2013 Índice Introdução... 3 Metodologia...

Leia mais

HIV/AIDS and the road transport sector

HIV/AIDS and the road transport sector Apresentação 1 HIV/AIDS and the road transport sector VIH e SIDA e o sector do transporte rodoviário Compreender o VIH e a SIDA VIH e SIDA VIH: Vírus da Imunodeficiência Humana SIDA: Síndrome da Imunodeficiência

Leia mais

O comportamento recente da taxa real de juros no Brasil: existe espaço para uma queda maior da taxa de juros?

O comportamento recente da taxa real de juros no Brasil: existe espaço para uma queda maior da taxa de juros? O comportamento recente da taxa real de juros no Brasil: existe espaço para uma queda maior da taxa de juros? José Luís Oreiro * O Banco Central do Brasil iniciou o recente ciclo de flexibilização da política

Leia mais

ANUÁRIO ESTATÍSTICO DA TAXA DE OCUPAÇÃO HOTELEIRA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

ANUÁRIO ESTATÍSTICO DA TAXA DE OCUPAÇÃO HOTELEIRA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO 2012 ABIH-RJ FECOMÉRCIO-RJ ANUÁRIO ESTATÍSTICO DA TAXA DE OCUPAÇÃO HOTELEIRA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Pesquisa mensal da ABIH-RJ que visa acompanhar a taxa de ocupação nas unidades de hospedagem da

Leia mais

EMPREENDEDORISMO FEMININO

EMPREENDEDORISMO FEMININO EMPREENDEDORISMO FEMININO Março 2013 0 APRESENTAÇÃO As mulheres representam 51% da população brasileira e em Minas Gerais já são aproximadamente 10 milhões. A participação do empreendedorismo feminino

Leia mais

Endividamento recua em dezembro

Endividamento recua em dezembro Endividamento recua em dezembro Em dezembro de 2011, o número de famílias que declarou possuir dívidas diminui pelo sétimo mês consecutivo permanecendo, no entanto, acima do patamar observado ao final

Leia mais

Cap. II EVENTOS MUTUAMENTE EXCLUSIVOS E EVENTOS NÃO- EXCLUSIVOS

Cap. II EVENTOS MUTUAMENTE EXCLUSIVOS E EVENTOS NÃO- EXCLUSIVOS Cap. II EVENTOS MUTUAMENTE EXCLUSIVOS E EVENTOS NÃO- EXCLUSIVOS Dois ou mais eventos são mutuamente exclusivos, ou disjuntos, se os mesmos não podem ocorrer simultaneamente. Isto é, a ocorrência de um

Leia mais

ABIH-RJ FECOMÉRCIO- RJ

ABIH-RJ FECOMÉRCIO- RJ 2014 ABIH-RJ FECOMÉRCIO- RJ ANUÁRIO ESTATÍSTICO DA TAXA DE OCUPAÇÃO HOTELEIRA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Pesquisa mensal da ABIH-RJ que visa acompanhar a taxa de ocupação nas unidades de hospedagem da

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE E DA SEGURANÇA SOCIAL. Certificado de Incapacidade Temporária para o Trabalho.

MINISTÉRIO DA SAÚDE MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE E DA SEGURANÇA SOCIAL. Certificado de Incapacidade Temporária para o Trabalho. MINISTÉRIO DA SAÚDE Certificado de Incapacidade Temporária para o Trabalho Novo CIT GUIA DO UTILIZADOR 2013 Ficha Técnica Autor: - Direção-Geral da Segurança Social (DGSS) - Direção de Serviços de Instrumentos

Leia mais

Medidas de Freqüência de Doenças e Problemas de Saúde: Mortalidade, Padronização de taxas

Medidas de Freqüência de Doenças e Problemas de Saúde: Mortalidade, Padronização de taxas Universidade Federal do Rio de Janeiro Programa de Pós P s Graduação em Saúde Coletiva Medidas de Freqüência de Doenças e Problemas de Saúde: Mortalidade, Padronização de taxas Porque Mortalidade? Morte

Leia mais

Características do professor brasileiro do ensino fundamental: diferenças entre o setor público e o privado

Características do professor brasileiro do ensino fundamental: diferenças entre o setor público e o privado Características do professor brasileiro do ensino fundamental: diferenças entre o setor público e o privado Luiz Guilherme Dácar da Silva Scorzafave RESUMO - Esse artigo realiza uma análise descritiva

Leia mais

Diplomados com o Ensino Superior

Diplomados com o Ensino Superior Ensino dos 30 aos 34 anos - dados e projeções Julho de 2016 Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência Ensino Julho de 2016 Ensino dos 30 aos 34 anos - dados e projeções Esta nota técnica visa

Leia mais

IMS VIH/SIDA Overview 2011 PORTUGAL 2011

IMS VIH/SIDA Overview 2011 PORTUGAL 2011 IMS VIH/SIDA Overview 2011 PORTUGAL 2011 SOBRE A IMS HEALTH Operando em mais de 100 países, a IMS Health é fornecedora e líder mundial de soluções aplicadas às indústrias farmacêuticas e de saúde. Com

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO CONSELHO SUPERIOR DA RELATÓRIO DE DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE NO USO DO SISTEMA PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO DA Fase 1 (magistrados e servidores da Justiça do Trabalho) Secretaria de Tecnologia da Informação

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA DE VARIÁVEIS QUALITATIVAS E QUANTITATIVAS DISCRETAS (TABELAS E GRÁFICOS)

DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA DE VARIÁVEIS QUALITATIVAS E QUANTITATIVAS DISCRETAS (TABELAS E GRÁFICOS) DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA DE VARIÁVEIS QUALITATIVAS E QUANTITATIVAS DISCRETAS (TABELAS E GRÁFICOS) O QUE É ESTATÍSTICA Estatística é a ciência de obter conclusões a partir de dados. Envolve métodos para

Leia mais

O Envelhecimento em Portugal

O Envelhecimento em Portugal O Envelhecimento em Portugal Situação demográfica e sócio-económica recente das pessoas idosas I. Enquadramento geral As expressões sublinhadas encontram-se explicadas no final do texto Consideram-se pessoas

Leia mais

Crise da construção acentua-se, embora com quebras menos pronunciadas

Crise da construção acentua-se, embora com quebras menos pronunciadas Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Conjuntura da Construção n.º 70 Julho

Leia mais

PERFIL DOS HÓSPEDES. 3º Quadrimestre - 2011 APRESENTAÇÃO EM MEIOS DE HOSPEDAGEM

PERFIL DOS HÓSPEDES. 3º Quadrimestre - 2011 APRESENTAÇÃO EM MEIOS DE HOSPEDAGEM PERFIL DOS HÓSPEDES EM MEIOS DE HOSPEDAGEM 3º Quadrimestre - 2011 APRESENTAÇÃO O Observatório do Turismo da Cidade de Paranaguá realiza periodicamente, desde 2011, uma pesquisa junto aos meios de hospedagens

Leia mais

O COMBATE À POBREZA E ÀS DESIGUALDADES É UM DESAFIO IMEDIATO PARA PORTUGAL

O COMBATE À POBREZA E ÀS DESIGUALDADES É UM DESAFIO IMEDIATO PARA PORTUGAL O COMBATE À POBREZA E ÀS DESIGUALDADES É UM DESAFIO IMEDIATO PARA PORTUGAL I. ENQUADRAMENTO A pobreza e a desigualdade na distribuição de rendimentos são problemas que persistem na sociedade portuguesa,

Leia mais

O Brasil e os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio

O Brasil e os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio O Brasil e os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio O Brasil avançou muito em relação ao cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio e pavimentou o caminho para cumprir as metas até 2015.

Leia mais

Anexo III Metas Fiscais III.8 Avaliação da Situação Financeira e Atuarial dos Benefícios Assistenciais da Lei Orgânica de Assistência Social LOAS

Anexo III Metas Fiscais III.8 Avaliação da Situação Financeira e Atuarial dos Benefícios Assistenciais da Lei Orgânica de Assistência Social LOAS Anexo III Metas Fiscais III.8 Avaliação da Situação Financeira e Atuarial dos Benefícios Assistenciais da Lei Orgânica de Assistência Social LOAS (Art. 4 o, 2 o, inciso IV, da Lei Complementar n o 101,

Leia mais

ISS Eletrônico. Formato de Arquivos para Transmissão de Documentos Declarados através do aplicativo OFFLINE. Extensão do Arquivo JUNHO2006.

ISS Eletrônico. Formato de Arquivos para Transmissão de Documentos Declarados através do aplicativo OFFLINE. Extensão do Arquivo JUNHO2006. ISS Eletrônico Formato de Arquivos para Transmissão de Documentos Declarados através do aplicativo OFFLINE Caro contribuinte. A transmissão de arquivos é uma facilidade fornecida pelo sistema de ISS Eletrônico

Leia mais

Principais resultados do estudo de avaliação do nível de satisfação dos turistas no Município de Bragança

Principais resultados do estudo de avaliação do nível de satisfação dos turistas no Município de Bragança Principais resultados do estudo de avaliação do nível de satisfação dos turistas no Município de Bragança (Retirado do estudo promovido pela CCDR-N) Introdução A Comissão de Coordenação da Região Norte,

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA INSCRIÇÕES CONGRESSISTAS

INSTRUÇÕES PARA INSCRIÇÕES CONGRESSISTAS INSTRUÇÕES PARA INSCRIÇÕES CONGRESSISTAS Estão asseguradas as vagas dos 184 secretários municipais de saúde do Estado do Ceará, sendo necessário efetuar sua inscrição on-line no site do congresso. Havendo

Leia mais

M =C J, fórmula do montante

M =C J, fórmula do montante 1 Ciências Contábeis 8ª. Fase Profa. Dra. Cristiane Fernandes Matemática Financeira 1º Sem/2009 Unidade I Fundamentos A Matemática Financeira visa estudar o valor do dinheiro no tempo, nas aplicações e

Leia mais

ARTIGOS GPEARI-MFAP. Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000 2001. Clara Synek * Resumo

ARTIGOS GPEARI-MFAP. Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000 2001. Clara Synek * Resumo ARTIGOS GPEARI-MFAP Abril, ART/ Economia dos EUA e Comparação com os períodos de - e Clara Synek * Resumo O actual período de abrandamento da economia dos EUA, iniciado em e previsto acentuar-se no decurso

Leia mais

Obtenção Experimental de Modelos Matemáticos Através da Reposta ao Degrau

Obtenção Experimental de Modelos Matemáticos Através da Reposta ao Degrau Alunos: Nota: 1-2 - Data: Obtenção Experimental de Modelos Matemáticos Através da Reposta ao Degrau 1.1 Objetivo O objetivo deste experimento é mostrar como se obtém o modelo matemático de um sistema através

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 7.150, DE 2014 (Do Sr. Rodrigo Maia)

PROJETO DE LEI N.º 7.150, DE 2014 (Do Sr. Rodrigo Maia) *C0048302E* C0048302E CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 7.150, DE 2014 (Do Sr. Rodrigo Maia) Altera a Lei nº 8.080, de 11 de setembro, de 1990, para determinar a realização de campanhas destinadas

Leia mais

Tabela 1 Taxa de Crescimento do Produto Interno Bruto no Brasil e em Goiás: 2011 2013 (%)

Tabela 1 Taxa de Crescimento do Produto Interno Bruto no Brasil e em Goiás: 2011 2013 (%) 1 PANORAMA ATUAL DA ECONOMIA GOIANA A Tabela 1 mostra o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil e de Goiás no período compreendido entre 211 e 213. Nota-se que, percentualmente, o PIB goiano cresce relativamente

Leia mais

1. CONTAS DE DEPÓSITO (PARTICULARES) (ÍNDICE)

1. CONTAS DE DEPÓSITO (PARTICULARES) (ÍNDICE) 1.1. Depósitos à ordem 1. Comissão de gestão/manutenção de conta Conta NB 100% (clientes particulares residentes e não residentes, maiores de 18 anos). Conta NB 100% 55+ (clientes particulares residentes

Leia mais

DISTRIPUIÇÃO DA POPULAÇÃO POR CLASSE MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

DISTRIPUIÇÃO DA POPULAÇÃO POR CLASSE MUNICÍPIO DE SÃO PAULO DISTRIPUIÇÃO DA POPULAÇÃO POR CLASSE MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Carlos Paiva paivacardoso@yahoo.com.br 1. INTRODUÇÃO Os critérios de avaliação utilizados para identificar as classes da população na pesquisa

Leia mais

Cadastro metas para Indicadores de Monitoramento e Avaliação do Pacto pela Saúde - Prioridades e Objetivos Estado: GOIAS

Cadastro metas para Indicadores de Monitoramento e Avaliação do Pacto pela Saúde - Prioridades e Objetivos Estado: GOIAS Cadastro metas para Indicadores de Monitoramento e Avaliação do Pacto pela Saúde - Prioridades e Objetivos Estado: GOIAS PACTO PELA VIDA PRIORIDADE: I - ATENCAO A SAUDE DO IDOSO. OBJETIVO: PROMOVER A FORMACAO

Leia mais

Registro Hospitalar de Câncer Conceitos Básicos Planejamento Coleta de Dados Fluxo da Informação

Registro Hospitalar de Câncer Conceitos Básicos Planejamento Coleta de Dados Fluxo da Informação Registro Hospitalar de Câncer Conceitos Básicos Planejamento Coleta de Dados Fluxo da Informação Registro Hospitalar de Câncer Este tipo de registro se caracteriza em um centro de coleta, armazenamento,

Leia mais

BALANÇO SOCIAL 2009 1/14

BALANÇO SOCIAL 2009 1/14 BALANÇO SOCIAL 2009 1/14 ÍNDICE INTRODUÇÃO 1. Organograma do IDE-RAM 2. Distribuição global dos recursos humanos 3. Estrutura etária dos recursos humanos 4. Estrutura de antiguidades 5. Estrutura habilitacional

Leia mais

Estudo sobre a dependência espacial da dengue em Salvador no ano de 2002: Uma aplicação do Índice de Moran

Estudo sobre a dependência espacial da dengue em Salvador no ano de 2002: Uma aplicação do Índice de Moran Estudo sobre a dependência espacial da dengue em Salvador no ano de 2002: Uma aplicação do Índice de Moran Camila Gomes de Souza Andrade 1 Denise Nunes Viola 2 Alexandro Teles de Oliveira 2 Florisneide

Leia mais

3ª DELIBERAÇÃO DA SECÇÃO PERMANENTE DE ESTATÍSTICAS SOCIAIS RELATÓRIO DO GRUPO DE TRABALHO DAS ESTATÍSTICAS DA SAÚDE

3ª DELIBERAÇÃO DA SECÇÃO PERMANENTE DE ESTATÍSTICAS SOCIAIS RELATÓRIO DO GRUPO DE TRABALHO DAS ESTATÍSTICAS DA SAÚDE DOCT/3463/CSE/S 3ª DELIBERAÇÃO DA SECÇÃO PERMANENTE DE ESTATÍSTICAS SOCIAIS RELATÓRIO DO GRUPO DE TRABALHO DAS ESTATÍSTICAS DA SAÚDE Considerando que: - as Linhas Gerais da Atividade Estatística Nacional

Leia mais

Qualidade do Ar como Fator de Risco para a Saúde Humana

Qualidade do Ar como Fator de Risco para a Saúde Humana Seminário Gestão Territorial do Risco na Região Centro 2 Dezembro 2013 Coimbra Qualidade do Ar como Fator de Risco para a Saúde Humana Ana Isabel Miranda Departamento de Ambiente e Ordenamento Universidade

Leia mais

SONDAGEM ESPECIAL. Exportações ganham importância para indústria brasileira. Comércio Exterior. Opinião CNI

SONDAGEM ESPECIAL. Exportações ganham importância para indústria brasileira. Comércio Exterior. Opinião CNI Indicadores CNI SONDAGEM ESPECIAL 64 Comércio Exterior Exportações ganham importância para indústria brasileira A queda na demanda doméstica e a desvalorização da moeda estão estimulando o aumento das

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ ESCOLAR. Ano Letivo 2014/2015-1.º Período

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ ESCOLAR. Ano Letivo 2014/2015-1.º Período Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços da Região Centro RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ ESCOLAR Ano Letivo 04/05 -.º Período A Coordenadora Francisca Oliveira

Leia mais

Técnicas de Contagem I II III IV V VI

Técnicas de Contagem I II III IV V VI Técnicas de Contagem Exemplo Para a Copa do Mundo 24 países são divididos em seis grupos, com 4 países cada um. Supondo que a escolha do grupo de cada país é feita ao acaso, calcular a probabilidade de

Leia mais

F.17 Cobertura de redes de abastecimento de água

F.17 Cobertura de redes de abastecimento de água Comentários sobre os Indicadores de Cobertura até 6 F.17 Cobertura de redes de abastecimento de água Limitações: Requer informações adicionais sobre a quantidade per capita, a qualidade da água de abastecimento

Leia mais

ISEL. Mini-hídrica da Mesa do Galo. Relatório de Visita de Estudo. 3 Junho 2005. Secção de Sistemas de Energia

ISEL. Mini-hídrica da Mesa do Galo. Relatório de Visita de Estudo. 3 Junho 2005. Secção de Sistemas de Energia ISEL INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E AUTOMAÇÃO Relatório de Visita de Estudo 3 Junho 2005 Secção de Sistemas de Energia Junho 2005 Índice 1. Objectivos

Leia mais

Instituições de Ensino Superior Docentes Pertencentes a Unidades FCT. Indicadores Bibliométricos 2008-2012. Física e Astronomia

Instituições de Ensino Superior Docentes Pertencentes a Unidades FCT. Indicadores Bibliométricos 2008-2012. Física e Astronomia Instituições de Ensino Superior Docentes Pertencentes a Unidades FCT Indicadores Bibliométricos 2008-2012 INTRODUÇÃO A presente publicação resume os principais resultados de um estudo bibliométrico realizado

Leia mais

Boletim epidemiológico HIV/AIDS - 2015 30/11/2015

Boletim epidemiológico HIV/AIDS - 2015 30/11/2015 HIV/AIDS - 215 3/11/215 Página 1 de 6 1. Descrição da doença A AIDS é uma doença causada pelo vírus do HIV, que é um retrovírus adquirido principalmente por via sexual (sexo desprotegido) e sanguínea,

Leia mais

Figuras 3 e 4-Chuva Média e observada para o mês de fevereiro, respectivamente

Figuras 3 e 4-Chuva Média e observada para o mês de fevereiro, respectivamente ANÁLISE E PREVISÃO CLIMÁTICA PARA O SEMIÁRIDO E LITORAL LESTE DO RIO GRANDE DO NORTE No monitoramento das chuvas que ocorrem sobre o Estado do Rio Grande do Norte é observado que durante o mês de Janeiro

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTO PEIXE PILOTO PARA CLUBES DE INVESTIMENTOS 2009-2011. Vitória, 26 de agosto de 2009.

POLÍTICA DE INVESTIMENTO PEIXE PILOTO PARA CLUBES DE INVESTIMENTOS 2009-2011. Vitória, 26 de agosto de 2009. POLÍTICA DE INVESTIMENTO PEIXE PILOTO PARA CLUBES DE INVESTIMENTOS 2009-2011 Vitória, 26 de agosto de 2009. ÍNDICE 1. OBJETIVO.... 3 2. ORIENTAÇÃO DA GESTÃO DOS INVESTIMENTOS E PRÁTICAS DE GOVERNANÇA....

Leia mais

2 Workshop processamento de artigos em serviços de saúde Recolhimento de artigos esterilizados: é possível evitar?

2 Workshop processamento de artigos em serviços de saúde Recolhimento de artigos esterilizados: é possível evitar? 2 Workshop processamento de artigos em serviços de saúde Recolhimento de artigos esterilizados: é possível evitar? 3 Farm. André Cabral Contagem, 19 de Maio de 2010 Rastreabilidade É definida como a habilidade

Leia mais

Mudanças nos Preços Relativos

Mudanças nos Preços Relativos Mudanças nos Preços Relativos Tabela 1 Variação acumulada do IPCA: eiro/ junho/ Discriminação Brasil Belém 1/ Nordeste Sudeste Sul Centro- Gráfico 1 - Alteração no peso do IPCA por segmento de consumo:

Leia mais

Tipologia dos Escritórios de Projeto

Tipologia dos Escritórios de Projeto Tipologia dos Escritórios de Projeto Tipologia dos Escritórios de Negócio Todos sabemos que conduzir projetos é muito mais do que uma arte e que ao Gerente de Projetos cabe a responsabilidade de gerenciar

Leia mais

Autora: Maria dos Anjos Leitão de Campos. Instituto Nacional de Estatística / Departamento de Estatísticas Sociais

Autora: Maria dos Anjos Leitão de Campos. Instituto Nacional de Estatística / Departamento de Estatísticas Sociais Artig tigo 4º_ página 67 A mortalidade por VIH/SIDA em Portugal: alterações da estrutura etária Autora: Maria dos Anjos Leitão de Campos Instituto Nacional de Estatística / Departamento de Estatísticas

Leia mais

Noções Básicas sobre

Noções Básicas sobre Tábua Completa de Mortalidade para o Noções Básicas sobre Brasil - 2011 Rio, 29 de novembro de 2012 Data 00/00/00 HISTÓRICO Mortalidade Infantil Em abril de 2012, o IBGE disponibilizou para sociedade os

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO BÁSICO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO BÁSICO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO BÁSICO Considerando que a Portaria nº 23 /2015, de 27 de fevereiro revogou a Portaria nº 9/2013, de 11 de fevereiro referente à avaliação das aprendizagens e competências

Leia mais

Registro de Retenções Tributárias e Pagamentos

Registro de Retenções Tributárias e Pagamentos SISTEMA DE GESTÃO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS (SiGPC) CONTAS ONLINE Registro de Retenções Tributárias e Pagamentos Atualização: 20/12/2012 A necessidade de registrar despesas em que há retenção tributária é

Leia mais

Avaliação Econômica do Projeto de Microcrédito para a população da Zona Norte de Natal/RN

Avaliação Econômica do Projeto de Microcrédito para a população da Zona Norte de Natal/RN FUNDAÇÃO ITAÚ SOCIAL CENTRO DE APOIO AOS MICROEMPREENDEDORES Avaliação Econômica do Projeto de Microcrédito para a população da Zona Norte de Natal/RN Equipe: Iraê Cardoso, Isabela Almeida, Lilian Prado,

Leia mais

Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) JOINVILLE

Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) JOINVILLE Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) JOINVILLE Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) JOINVILLE FECOMÉRCIO SC SUMÁRIO Endividamento em Joinville 7 Considerações

Leia mais

ELETRICIDADE. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador JUNHO 2015

ELETRICIDADE. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador JUNHO 2015 LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador JUNHO 2015 Todos os consumidores de energia elétrica em Portugal continental podem livremente escolher o seu fornecedor. Para mudar de comercializador

Leia mais

Indicadores do Estado de Saúde de uma população

Indicadores do Estado de Saúde de uma população Indicadores do Estado de Saúde de uma população O que é a Saúde? Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), saúde é o estado de completo bemestar físico, mental e social e não, apenas, a ausência de

Leia mais

SUBSISTEMA DE INFORMAÇÃO DE PESSOAL (SIP) INTRODUÇÃO

SUBSISTEMA DE INFORMAÇÃO DE PESSOAL (SIP) INTRODUÇÃO SUBSISTEMA DE INFORMAÇÃO DE PESSOAL (SIP) INTRODUÇÃO O Subsistema de Informação de Pessoal (SIP) foi criado em 1993, funcionando no Ministério da Administração Estatal como parte integrante do Sistema

Leia mais

Avaliação Ambiental Estratégica o que investigam as nossas Universidades? André Mascarenhas

Avaliação Ambiental Estratégica o que investigam as nossas Universidades? André Mascarenhas o que investigam as nossas Universidades? André Mascarenhas MSc Engenharia do Ambiente Área de especialização Avaliação e Gestão Ambiental Faculdade de Ciências e Tecnologia - Universidade do Algarve 1

Leia mais

Resumo. Boletim do desmatamento da Amazônia Legal (janeiro de 2015) SAD

Resumo. Boletim do desmatamento da Amazônia Legal (janeiro de 2015) SAD Resumo Em janeiro de 2015, metade (50%) da área florestal da Amazônia Legal estava coberta por nuvens, uma cobertura inferior a de janeiro de 2014 (58%), mas que se distribuiu em grande proporção em regiões

Leia mais

Rota de Aprendizagem 2015/16 8.º Ano

Rota de Aprendizagem 2015/16 8.º Ano Projeto 1 Condições que permitem a vida na Terra Ciências Naturais Compreender o ambiente! Tempo Previsto: 1 quinzena 1.ª Fase: Posição da Terra no Sistema Solar 2.ª Fase: Condições da Terra que permitem

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE SINES DEMOGRAFIA E INDICADORES DEMOGRÁFICOS

SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE SINES DEMOGRAFIA E INDICADORES DEMOGRÁFICOS DEMOGRAFIA E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 1 INDICADOR: População residente e taxa de variação, 1991 e 2001 População Variação 1991 2001 Portugal 9867147 10356117 5,0 Alentejo 782331 776585-0,7 Alentejo Litoral

Leia mais

PARECER DO NÚCLEO DE CÁLCULOS JUDICIAIS DA JFRS

PARECER DO NÚCLEO DE CÁLCULOS JUDICIAIS DA JFRS Página 1 de 7 PARECER DO NÚCLEO DE CÁLCULOS JUDICIAIS DA JFRS 1. Objetivo O presente parecer tem por objetivo verificar a possibilidade de existência de diferenças em processos que versem, exclusivamente,

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DA TRAJETÓRIA PROFISSIONAL DE UMA AMOSTRA DE PSICÓLOGOS FORMADOS NA UNISA

CARACTERÍSTICAS DA TRAJETÓRIA PROFISSIONAL DE UMA AMOSTRA DE PSICÓLOGOS FORMADOS NA UNISA CARACTERÍSTICAS DA TRAJETÓRIA PROFISSIONAL DE UMA AMOSTRA DE PSICÓLOGOS FORMADOS NA UNISA Resultados parciais da pesquisa realizada pelo aluno Rodrigo Silva Fonseca - Trabalho de Conclusão do Curso de

Leia mais

Febre periódica, estomatite aftosa, faringite e adenite (PFAPA)

Febre periódica, estomatite aftosa, faringite e adenite (PFAPA) www.printo.it/pediatric-rheumatology/pt/intro Febre periódica, estomatite aftosa, faringite e adenite (PFAPA) Versão de 2016 1. O QUE É A PFAPA 1.1 O que é? PFAPA significa Febre Periódica, Estomatite

Leia mais

ondagem Industrial Edição Especial Falta Trabalhador FALTA DE TRABALHADOR QUALIFICADO NA INDÚSTRIA

ondagem Industrial Edição Especial Falta Trabalhador FALTA DE TRABALHADOR QUALIFICADO NA INDÚSTRIA Edição Especial Falta Trabalhador ondagem O termômetro da indústria tocantinense Palmas, Tocantins abril de 2014 FALTA DE TRABALHADOR QUALIFICADO NA INDÚSTRIA Análise Econômica A conjuntura econômica recente

Leia mais

Breve enquadramento no Sistema Estatístico Nacional. - O INE, Serviços disponíveis, Ligações, Contacte-nos

Breve enquadramento no Sistema Estatístico Nacional. - O INE, Serviços disponíveis, Ligações, Contacte-nos Serviço de Difusão Portal do INE CENSOS 2011 (ao abrigo do projeto RIIBES) Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior dezembro 2012 Itinerário Breve enquadramento no Sistema Estatístico

Leia mais

As palavras veneno do Expresso conta a Administração Pública Pág. 1

As palavras veneno do Expresso conta a Administração Pública Pág. 1 As palavras veneno do Expresso conta a Administração Pública Pág. 1 AS PALAVRAS VENENO DO SEMANÁRIO EXPRESSO CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PUBLICA A PERCENTAGEM DOS TRABALHADORES NA ADMINISTRAÇÃO PUBLICA EM PORTUGAL

Leia mais

SUPERVISÃO Supervisão Comportamental

SUPERVISÃO Supervisão Comportamental ANEXO À INSTRUÇÃO N.º 12/2013 - (BO N.º 6, 17.06.2013) Temas SUPERVISÃO Supervisão Comportamental ANEXO II FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES, EM CASO DE CONTRATAÇÃO

Leia mais

A urbanização e a transição da fecundidade: o Brasil é um caso exemplar?

A urbanização e a transição da fecundidade: o Brasil é um caso exemplar? A urbanização e a transição da fecundidade: o Brasil é um caso exemplar? George Martine 1 José Eustáquio Diniz Alves 2 Suzana Cavenaghi 3 As transições urbana e demográfica são dois fenômenos fundamentais

Leia mais