João Paulo dos Reis Neto

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "João Paulo dos Reis Neto"

Transcrição

1 ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE E INTERNAÇÕES POTENCIALMENTE EVITÁVEIS João Paulo dos Reis Neto Diretor-Técnico UNIDAS

2 Condições sensíveis à atenção primária (CSAP) Compreendem grupos de problemas de saúde cujas ações assistenciais estratégicas podem resultar na diminuição do risco de internações hospitalares; Quando uma determinada população apresenta altas taxas de internações por essas condições, pode haver indícios de problemas de acesso ao sistema de saúde ou de seu desempenho, traduzindo-se em sinal de alerta sobre a situação da saúde.

3 Histórico EUA: década de 80 Avoidable Hospitalization Primary Health Care and Ambulatory Care Sensitive Conditions (ACSC) Espanha Atención Primaria de Salud Brasil

4 Condições sensíveis à atenção primária (CSAP) Na interpretação das internações por condições sensíveis à atenção primária, é importante diferenciar internações preveníveis, sensíveis, evitáveis ou inapropriadas. Existem várias características que podem determinar o uso inadequado dos serviços de saúde, como características sócio-demográficas da população, padrões de utilização dos serviços, atitudes em face do tratamento, variações na prevalência de doenças na população, inexistência de rede de proteção social, barreiras de acesso, dotação de recursos insuficiente, incapacidade organizativa para gerenciar processos, manejo clínico inadequado, facilidade de acesso à atenção especializada e hospitalar e baixa ou nula coordenação do primeiro nível assistencial

5 Condições sensíveis à atenção primária (CSAP) Trabalhos demonstram que a atenção primária à saúde de qualidade pode reduzir as hospitalizações por complicações agudas de doenças crônicas não transmissíveis, assim como as readmissões e o tempo de permanência no hospital por diversas doenças. Potencial para racionalização dos custos

6 OBJETIVO Avaliar, numa série temporal de 10 anos, a evolução da taxa de internação por condições sensíveis à atenção primária (ICSAP) em beneficiários de uma operadora, identificando, a partir dos resultados, estratégias que permitam a melhoria da situação de saúde da população e a adequada destinação dos recursos.

7 MÉTODOS Análise retrospectiva de internações hospitalares, ocorridas no período de 10 anos, entre beneficiários do plano de saúde, residentes em todas as regiões do Brasil. O desfecho em estudo foi a proporção, entre as hospitalizações avaliadas, de internações cujo diagnóstico de alta estava incluído na lista brasileira de internações por condições sensíveis à atenção primária

8 Tabela 1 - Lista de internações por condições sensíveis à atenção primária, por grupos de situações de saúde Grupos de situações de saúde Classificação Internacional de Doenças, 10a revisão CID Doenças imunizáveis A33-A37, A95, B16, B05-B06, B26, G00.0, A17.0, A19 2. Condições evitáveis A15-A16, A18, A17.1-A17.9, I00-I02, A51-A53, B50-B54, B77 3. Gastroenterites infecciosas e complicações E86, A00-A09 4. Anemia D50 5. Deficiências nutricionais E40-E46, E50-E64 6. Infecções de ouvido, nariz e garganta H66, J00-J03, J06, J31 7. Pneumonias bacterianas J13-J14, J15.3-J15.4, J15.8-J15.9, J Asma J45-J46 9. Doenças das vias aéreas inferiores J20, J21, J40-J44, J Hipertensão I10-I Angina pectoris I Insuficiência cardíaca I50, J Doenças cérebro-vasculares I63-I67, I69, G45-G46 I63-I67, I69, G45-G Diabetes mellitus E10-E Epilepsias G40-G Infecção no rim e trato urinário N10-N12, N30, N34, N Infecção da pele e tecido subcutâneo A46, L01-L04, L Doença inflamatória de órgãos pélvicos femininos N70-N73, N75-N Úlcera gastrointestinal K25-K28, K92.0, K92.1, K Doenças relacionadas ao pré-natal e parto O23, A50, P35.0 * Correlação CID-9 x CID-10 * Variáveis dependentes: taxa bruta de internação por todas as causas e taxa bruta de internação por CSAP * Variáveis independentes: características da população (idade, sexo, região geográfica de residência), grupos de causas da internação e custos diretos com assistência médico hospitalar.

9 Principais causas de ICSAP Diabetes mellitus Infecção no rim e trato urinário Insuficiência cardíaca Doenças cerebrovasculares Hipertensão Gastroenterites e complicações 0% 5% 10% 15% 20% 25% 30% 35% Demais CSAP - 24% (inferior a 5% cada)

10 Taxa de Internações, por 10 mil beneficiários Evolução da Taxa de ICSAP / 10 mil beneficiários 1.000,0 900,0 800,0 700,0 + 26% 600,0 500,0 400,0 300,0-28% 200,0 100,0 - Ano 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 Ano 5 Ano 6 Ano 7 Ano 8 Ano 9 Ano 10 Total de ICSAP 347,6 349,6 318,3 322,0 309,8 287,9 257,5 270,4 249,5 250,3 Outras condições 728,8 830,9 858,4 878,3 897,7 868,4 856,9 864,2 856,8 916,8

11 30% 25% 20% 15% 29% 26% 40% 35% 30% 25% 20% 15% 35% 22% 24% 39% 19% 10% 5% 0% Masculino Feminino 10% 5% 0% C. Oeste Nordeste Norte Sudeste Sul 65 e mais anos 55 a 64 anos 45 a 54 anos 35 a 44 anos 25 a 34 anos 15 a 24 anos 5 a 14 anos 1 a 4 anos Menos de 1 ano 11% 36% 40% 48% 37% 26% 35% 26% 36% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 68% 23% 26% 2% 18% 8% 0% 10% 20% 30% 40% 50%

12 Redução da Taxa de ICSAP em participantes de programa de assistência farmacêutica para doenças crônicas 80% 70% 68% 60% 50% - 27% 40% 30% 20% 23% 26% 18% 10% 0% 2% 8%

13 Proporção de despesas com ICSAP em relação à despesa total do plano de saúde 30% 25% 20% 15% 10% 5% 0% Ano 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 Ano 5 Ano 6 Ano 7 Ano 8 Ano 9 Ano 10

14 Foco das ações

15 CONCLUSÕES A redução gradativa na taxa global de ICSAP observada no período sugere possíveis melhorias na atenção primária à saúde; As ações e estratégias do plano de saúde devem considerar a não uniformidade dos resultados, priorizando determinadas causas e grupos etários que possam ser objeto de monitoramento contínuo; O investimento em medidas que possam reduzir o número de internações evitáveis pode contribuir não só para melhoria da qualidade assistencial, mas também para o equilíbrio financeiro do plano de saúde.

16 Obrigado!

Proposta de Indicadores Globais

Proposta de Indicadores Globais Proposta de es Globais Panorama da Cooperativa 2014 Meta 2014 Carteira de clientes 1.273.648 1.255.000 Índice de utilização (projetado) 85% Distribuição do custo assistencial 36% 17% 15% 13% 13% 7% HONORÁRIOS

Leia mais

Projeto Indicadores Assistenciais e de Produção

Projeto Indicadores Assistenciais e de Produção Projeto Indicadores Assistenciais e de Produção FICHAS TÉCNICA DOS INDICADORES DE MEDICINA DO TRABALHO VERSÃO PRELIMINAR Aprovada pelo Comitê de Medicina do Trabalho em 24 de Junho de 2015 (: as inclusões

Leia mais

Puericultura para crianças de 1 a 4 anos de idade

Puericultura para crianças de 1 a 4 anos de idade apresentam Puericultura para crianças de 1 a 4 anos de idade Tatiana da Silva Oliveira Mariano Médica Pediatra - UFSM/RS Nefrologista Pediatra- HFB/RJ Especialista em Gestão em Saúde Pública Estácio/RJ

Leia mais

Gastos do Sistema Único de Saúde com internação por condições sensíveis à atenção primária, no Ceará.

Gastos do Sistema Único de Saúde com internação por condições sensíveis à atenção primária, no Ceará. X ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA DA SAÚDE ABRES - RS 26 a 28 OUTUBRO 2011 Gastos do Sistema Único de Saúde com internação por condições sensíveis à atenção primária, no Ceará. Autores: Maria Alrenice de

Leia mais

Internações hospitalares por causas sensíveis à atenção primária no Distrito Federal, 2008

Internações hospitalares por causas sensíveis à atenção primária no Distrito Federal, 2008 Rev Saúde Pública 2012;46(5):761-8 Artigos Originais Rozania Maria Pereira Junqueira Elisabeth Carmen Duarte Internações hospitalares por causas sensíveis à atenção primária no Distrito Federal, 2008 Hospitalizations

Leia mais

São Pedro/SP Brasil, de 24 a 28 de novembro de Este projeto conta com apoio financiero PAPES VI/CNPq: /2012-5

São Pedro/SP Brasil, de 24 a 28 de novembro de Este projeto conta com apoio financiero PAPES VI/CNPq: /2012-5 A Atenção Primária evita agravos de saúde dos idosos no Brasil? Utilidade do Indicador de Internações por Condições Sensíveis à Atenção Primária (ICSAP) na análise da tendência e condições de vida da população

Leia mais

Internações sensíveis à atenção primária à saúde em hospital regional do Distrito Federal

Internações sensíveis à atenção primária à saúde em hospital regional do Distrito Federal PESQUISA Internações sensíveis à atenção primária à saúde em hospital regional do Distrito Federal Hospitalizations sensitive to primary health care at a regional hospital in the Federal District Internaciones

Leia mais

Internações por Condições Sensíveis à Atenção Primária no Estado de São Paulo

Internações por Condições Sensíveis à Atenção Primária no Estado de São Paulo 4755 Internações por Condições Sensíveis à Atenção Primária no Estado de São Paulo Internment for Conditions Suitable for Primary Healthcare in Sao Paulo State TEMAS LIVRES FREE THEMES Tania Cristina Morais

Leia mais

Resumo. Ignez Helena Oliva Perpetuo 1 Laura Rodriguez Wong 1

Resumo. Ignez Helena Oliva Perpetuo 1 Laura Rodriguez Wong 1 ATENÇÃO HOSPITALAR POR CONDIÇÕES SENSÍVEIS À ATENÇÃO AMBULATORIAL (CSAA) E AS MUDANÇAS NO SEU PADRÃO ETÁRIO: UMA ANÁLISE EXPLORATÓRIA DOS DADOS DE MINAS GERAIS Resumo Ignez Helena Oliva Perpetuo 1 Laura

Leia mais

INTERNAÇÕES POR CONDIÇÕES SENSÍVEIS À ATENÇÃO PRIMÁRIA EM MACEIÓ NO PERÍODO DE 2008 A 2013

INTERNAÇÕES POR CONDIÇÕES SENSÍVEIS À ATENÇÃO PRIMÁRIA EM MACEIÓ NO PERÍODO DE 2008 A 2013 INTERNAÇÕES POR CONDIÇÕES SENSÍVEIS À ATENÇÃO PRIMÁRIA EM MACEIÓ NO PERÍODO DE 2008 A 2013 Ellen Góes da Silva 1 Janaina Aparecida Almeida de Carvalho 2 João Victor Farias da Silva 3 Antônio Fernando Silva

Leia mais

INTERAÇÃO DE ACADÊMICOS DE MEDICINA COM AS CONDIÇÕES SENSÍVEIS À ATENÇÃO PRIMÁRIA: RELATO DE EXPERIÊNCIA

INTERAÇÃO DE ACADÊMICOS DE MEDICINA COM AS CONDIÇÕES SENSÍVEIS À ATENÇÃO PRIMÁRIA: RELATO DE EXPERIÊNCIA INTERAÇÃO DE ACADÊMICOS DE MEDICINA COM AS CONDIÇÕES SENSÍVEIS À ATENÇÃO PRIMÁRIA: RELATO DE EXPERIÊNCIA Lucas Garcez Novaes Piccinato 1 ; Renan Rocha Cabrera 2 ; Willian Augusto de Melo 3 RESUMO: O presente

Leia mais

Gastos com internações por condições sensíveis à atenção primária em crianças de 0 a 4 anos: uma análise descritiva

Gastos com internações por condições sensíveis à atenção primária em crianças de 0 a 4 anos: uma análise descritiva Gastos com internações por condições sensíveis à atenção primária em crianças de 0 a 4 anos: uma análise descritiva Maykon Diego Melo 1, Alexandra Bulgarelli do Nascimento 2, Sayuri Tanaka Maeda 3, Emiko

Leia mais

As ICSAP - como instrumento de Gestão da Clínica na implantação de rede pública de atenção à Saúde em Campinas - SP

As ICSAP - como instrumento de Gestão da Clínica na implantação de rede pública de atenção à Saúde em Campinas - SP As ICSAP - como instrumento de Gestão da Clínica na implantação de rede pública de atenção à Saúde em Campinas - SP Edson Malvezzi Jose Maurício de Oliveira Renata Lúcia Gigante LOCALIZANDO O PROJETO Campinas

Leia mais

SUS: sua construção e a importância do controle social

SUS: sua construção e a importância do controle social AGENTE DE FÉ E DO CORAÇÃO PASTORAL NACIONAL DA SAÚDE 04 de outubro de 2013 SUS: sua construção e a importância do controle social Carlos Alberto Machado Previdência Social / Assistência Médica Histórico

Leia mais

Percepção de médicos sobre a Lista Nacional de Condições Sensíveis a Atenção Primária

Percepção de médicos sobre a Lista Nacional de Condições Sensíveis a Atenção Primária Physicians` perception of the National List of Primary Care Sensitive Conditions Jair Almeida Carneiro 1, Antônio Prates Caldeira 2, Kênia Rabelo Santana 3 RESUMO Embora amplamente utilizado em muitas

Leia mais

Indicadores Estratégicos

Indicadores Estratégicos Indicadores Estratégicos DR. ALEXANDRE VIEIRA RIBEIRO DA SILVA INDICADORES ESTRATÉGICOS INDICADORES E AVALIAÇÃO ASSISTENCIAL Monitoramento da Informação Assistêncial Discussão dos resultados Padrões assistenciais

Leia mais

Saúde em Debate ISSN: Centro Brasileiro de Estudos de Saúde Brasil

Saúde em Debate ISSN: Centro Brasileiro de Estudos de Saúde Brasil Saúde em Debate ISSN: 0103-1104 revista@saudeemdebate.org.br Centro Brasileiro de Estudos de Saúde Brasil Rodrigues Pereira, Francilene Jane; Cavalcanti da Silva, César; de Andrade Lima Neto, Eufrásio

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Faculdade de Medicina Departamento de Medicina Social Curso de Especialização em Saúde Pública

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Faculdade de Medicina Departamento de Medicina Social Curso de Especialização em Saúde Pública UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Faculdade de Medicina Departamento de Medicina Social Curso de Especialização em Saúde Pública Susane Schirmer Mendes Scheid Estudo das causas de internação hospitalar

Leia mais

Projeto Indicadores Assistenciais e de Produção

Projeto Indicadores Assistenciais e de Produção Projeto Indicadores Assistenciais e de Produção FICHAS TÉCNICA DOS INDICADORES DE CLINICA MÉDICA VERSÃO PRELIMINAR Aprovada pelo Comitê de Clínica Médica em 11 de Março e 08 de Abril e de 2015 (: as inclusões

Leia mais

Redução das Internações por Condições Sensíveis à Atenção Primária no Brasil entre

Redução das Internações por Condições Sensíveis à Atenção Primária no Brasil entre Rev Saúde Pública Antonio Fernando Boing I Rafael Baratto Vicenzi II Flávio Magajewski III Alexandra Crispim Boing I Rodrigo Otávio Moretti-Pires I Karen Glazer Peres I Sheila Rubia Lindner I Marco Aurélio

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS FACULDADE DE MEDICINA / DEPARTAMENTO DE MEDICINA SOCIAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS FACULDADE DE MEDICINA / DEPARTAMENTO DE MEDICINA SOCIAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS FACULDADE DE MEDICINA / DEPARTAMENTO DE MEDICINA SOCIAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA Jéssica Morgana Gediel Pinheiro HOSPITALIZAÇÕES DE RESIDENTES

Leia mais

Saúde em Debate ISSN: Centro Brasileiro de Estudos de Saúde Brasil

Saúde em Debate ISSN: Centro Brasileiro de Estudos de Saúde Brasil Saúde em Debate ISSN: 0103-1104 revista@saudeemdebate.org.br Centro Brasileiro de Estudos de Saúde Brasil Gonçalves Maciel, Antônio; Prates Caldeira, Antônio; Lopes de Sousa Diniz, Francisco José Impacto

Leia mais

INTERNAÇÕES POR CONDIÇÕES SENSÍVEIS À ATENÇÃO PRIMÁRIA EM IDOSOS NOS ESTADOS DA REGIÃO NORDESTE DO BRASIL

INTERNAÇÕES POR CONDIÇÕES SENSÍVEIS À ATENÇÃO PRIMÁRIA EM IDOSOS NOS ESTADOS DA REGIÃO NORDESTE DO BRASIL INTERNAÇÕES POR CONDIÇÕES SENSÍVEIS À ATENÇÃO PRIMÁRIA EM IDOSOS NOS ESTADOS DA REGIÃO NORDESTE DO BRASIL Francilene Jane Rodrigues Pereira; Cesar Cavalcanti da Silva; Eufrásio de Andrade Lima Neto RESUMO

Leia mais

O panorama das internações por condições sensíveis à Atenção Primária em um distrito,

O panorama das internações por condições sensíveis à Atenção Primária em um distrito, distrito, de São Paulo The panorama of ambulatory care sensitive conditions in district of São Paulo Artigo Original Panorama de las internaciones por condiciones sensibles a la Atención Básica en un Renata

Leia mais

A evolução da mortalidade dos idosos no Distrito Federal na Periferia Metropolitana de Brasília (PMB) entre 2000 e 2013

A evolução da mortalidade dos idosos no Distrito Federal na Periferia Metropolitana de Brasília (PMB) entre 2000 e 2013 A evolução da mortalidade dos idosos no Distrito Federal na Periferia Metropolitana de Brasília (PMB) entre 2000 e 2013 Palavras-chave: Idosos; Mortalidade do idoso; Distrito Federal; Periferia Metropolitana

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NA REDUÇÃO DE INTERNAÇÕES HOSPITALARES EM FLORIANÓPOLIS SANTA

AVALIAÇÃO DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NA REDUÇÃO DE INTERNAÇÕES HOSPITALARES EM FLORIANÓPOLIS SANTA ATENÇAO PRIMÁRIA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA AVALIAÇÃO DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NA REDUÇÃO DE INTERNAÇÕES HOSPITALARES EM FLORIANÓPOLIS SANTA CATARINA III Mostra Nacional de Produção em Saúde

Leia mais

Internação de idosos por condições sensíveis à atenção primária à saúde

Internação de idosos por condições sensíveis à atenção primária à saúde Rev Saúde Pública 214;48(5):817-826 Prática de Saúde Pública Artigos Originais DOI:1.159/S34-891.214485133 Aline Pinto Marques I Dalia Elena Romero Montilla I Wanessa da Silva de Almeida I Carla Lourenço

Leia mais

ASSOCIAÇÃO MÉDICA BRASILEIRA

ASSOCIAÇÃO MÉDICA BRASILEIRA r e v a s s o c m e d b r a s. 2 0 1 3;5 9(2):120 127 Revista da ASSOCIAÇÃO MÉDICA BRASILEIRA www.ramb.org.br Artigo original Internações por condições sensíveis à atenção primária em município do sudeste

Leia mais

PANORAMA DAS INTERNAÇÕES POR CONDIÇÕES SENSÍVEIS À ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SANTARÉM-PA

PANORAMA DAS INTERNAÇÕES POR CONDIÇÕES SENSÍVEIS À ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SANTARÉM-PA BELÉM 2013 PANORAMA DAS INTERNAÇÕES POR CONDIÇÕES SENSÍVEIS À ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SANTARÉM-PA Tarcys Mallony Teixeira Printes Camila Santos do Amaral Fernando Costa Araújo Zilma Nazaré de Souza Pimentel

Leia mais

Atenção Básica: organização do trabalho na perspectiva da longitudinalidade e da coordenação do cuidado

Atenção Básica: organização do trabalho na perspectiva da longitudinalidade e da coordenação do cuidado Atenção Básica: organização do trabalho na perspectiva da longitudinalidade e da coordenação do cuidado XXX Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo 13/abril/2016 O SUS e a Atenção

Leia mais

ATENÇÃO HOSPITALAR POR CONDIÇÕES SENSÍVEIS À ATENÇÃO AMBULATORIAL (CSAA) NO CONTEXTO DE MUDANÇAS NO PADRÃO ETÁRIO DA POPULAÇÃO BRASILEIRA

ATENÇÃO HOSPITALAR POR CONDIÇÕES SENSÍVEIS À ATENÇÃO AMBULATORIAL (CSAA) NO CONTEXTO DE MUDANÇAS NO PADRÃO ETÁRIO DA POPULAÇÃO BRASILEIRA ATENÇÃO HOSPITALAR POR CONDIÇÕES SENSÍVEIS À ATENÇÃO AMBULATORIAL (CSAA) NO CONTEXTO DE MUDANÇAS NO PADRÃO ETÁRIO DA POPULAÇÃO BRASILEIRA. Introdução WONG, Laura Rodriguez PERPETUO, Ignez Helena Oliva

Leia mais

GDH CID-9-MC A CID-9-MC é um sistema de Classificação de Doenças, que se baseia na 9ª Revisão, Modificação Clínica, da Classificação Internacional de

GDH CID-9-MC A CID-9-MC é um sistema de Classificação de Doenças, que se baseia na 9ª Revisão, Modificação Clínica, da Classificação Internacional de SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO DE DOENTES EM GRUPOS DE DIAGNÓSTICOS HOMOGÉNEOS GDH GDH CID-9-MC A CID-9-MC é um sistema de Classificação de Doenças, que se baseia na 9ª Revisão, Modificação Clínica, da Classificação

Leia mais

5. MORTALIDADE E MORBILIDADE GERAL

5. MORTALIDADE E MORBILIDADE GERAL 5. MORTALIDADE E MORBILIDADE GERAL 5.1. Introdução A criação de sistemas de informação que permitam a recolha sistemática de dados de morbilidade e mortalidade é indispensável para o estudo e vigilância

Leia mais

O PERFIL DOS PACIENTES COM SÍNDROME DE GUILLAIN-BARRÉ ATENDIDOS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO

O PERFIL DOS PACIENTES COM SÍNDROME DE GUILLAIN-BARRÉ ATENDIDOS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO 1 O PERFIL DOS PACIENTES COM SÍNDROME DE GUILLAIN-BARRÉ ATENDIDOS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO Aluana Moraes 1 Ana Cristina Casarolli Geis 2 Thaís Eberhardt 3 Daisy Cristina Rodrigues 4 Lili Marlene Hofstatter

Leia mais

Internações por condições sensíveis à atenção primária em Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Brasil, 2000 a 2009

Internações por condições sensíveis à atenção primária em Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Brasil, 2000 a 2009 ARTIGO ARTICLE 845 Internações por condições sensíveis à atenção primária em Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Brasil, 2000 a 2009 Hospitalization for primary care-sensitive conditions in Campo Grande,

Leia mais

Mortalidade por Causas Evitáveis e Implementação do Sistema Único no Brasil - SUS*

Mortalidade por Causas Evitáveis e Implementação do Sistema Único no Brasil - SUS* Mortalidade por Causas Evitáveis e Implementação do Sistema Único no Brasil - SUS* Daisy Maria Xavier de Abreu Cibele Comini César Elisabeth Barboza França * Parte integrante da Tese de Doutorado apresentada

Leia mais

O Risco de morrer por doença crónica em Portugal de 1980 a 2012: tendência e padrões de sazonalidade

O Risco de morrer por doença crónica em Portugal de 1980 a 2012: tendência e padrões de sazonalidade O Risco de morrer por doença crónica em Portugal de 198 a 212: tendência e padrões de sazonalidade Baltazar Nunes Departamento de Epidemiologia Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge IV Congresso

Leia mais

Gestão de Custos. Soluções e Controle de Doenças Crônicas. Junho, 2017 Romero Franca

Gestão de Custos. Soluções e Controle de Doenças Crônicas. Junho, 2017 Romero Franca Gestão de Custos Soluções e Controle de Doenças Crônicas Junho, 2017 Romero Franca Nossa missão $184,8 Bi Ajudar as pessoas a viver de forma mais saudável e contribuir para que o sistema de saúde funcione

Leia mais

INDICADORES DE SAÚDE I

INDICADORES DE SAÚDE I Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências da Saúde Faculdade de Medicina / Instituto de Estudos em Saúde Coletiva - IESC Departamento Medicina Preventiva Disciplina de Epidemiologia INDICADORES

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE LESÕES DE PELE EM UM CENTRO DE TRATAMENTO INTENSIVO ADULTO DE UM HOSPITAL PRIVADO

CARACTERIZAÇÃO DE LESÕES DE PELE EM UM CENTRO DE TRATAMENTO INTENSIVO ADULTO DE UM HOSPITAL PRIVADO CARACTERIZAÇÃO DE LESÕES DE PELE EM UM CENTRO DE TRATAMENTO INTENSIVO ADULTO DE UM HOSPITAL PRIVADO Daniela de Oliveira Cardozo* Carmen Maria Lazzari ** *Estomaterapeuta-Unisinos; Especialista em Enfermagem

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MEDICINA SOCIAL ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA. Clauceane Venzke Zell

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MEDICINA SOCIAL ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA. Clauceane Venzke Zell 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MEDICINA SOCIAL ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA Clauceane Venzke Zell ÍNDICES DE MAGNITUDE, TRANSCENDÊNCIA, VULNERABILIDADE

Leia mais

O QUE REPRESENTA O ACOMPANHAMENTO DAS CONDICIONALIDADES DE SAÚDE DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA PARA O SUS?

O QUE REPRESENTA O ACOMPANHAMENTO DAS CONDICIONALIDADES DE SAÚDE DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA PARA O SUS? O QUE REPRESENTA O ACOMPANHAMENTO DAS CONDICIONALIDADES DE SAÚDE DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA PARA O SUS? Coordenação-Geral de Saúde das Mulheres CONDICIONALIDADES DE SAÚDE Mulheres entre 14 e 44 anos: Pré-natal

Leia mais

MORTALIDADE POR CAUSAS EVITÁVEIS DE 0 A 4 ANOS DE IDADE NO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PR

MORTALIDADE POR CAUSAS EVITÁVEIS DE 0 A 4 ANOS DE IDADE NO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PR MORTALIDADE POR CAUSAS EVITÁVEIS DE 0 A 4 ANOS DE IDADE NO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PR Katerin Demozzi 1 ; Luísa Araújo 2 ; Willian Augusto de Melo 3. RESUMO: A mortalidade infantil e a perinatal tem grande

Leia mais

RS Texto de Referência 5. Situação da Saúde no RS 1

RS Texto de Referência 5. Situação da Saúde no RS 1 RS 2030 - Texto de Referência 5 Situação da Saúde no RS 1 A situação epidemiológica do Estado é complexa, influenciada por fatores demográficos, econômicos e socioculturais. O Rio Grande do Sul vem passando

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DA REDE HOSPITALAR UNIMED VITÓRIA

QUALIFICAÇÃO DA REDE HOSPITALAR UNIMED VITÓRIA QUALIFICAÇÃO DA REDE HOSPITALAR UNIMED VITÓRIA 18 de Novembro de 2016 UNIMED VITÓRIA / ES 328.000 CLIENTES, SENDO DESTES, 32.000 EM ATENÇÃO PRIMÁRIA; 2.360 MÉDICOS COOPERADOS; 260 PRESTADORES DE SERVIÇO;

Leia mais

INDICADORES DE SAÚDE I

INDICADORES DE SAÚDE I Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências da Saúde Faculdade de Medicina / Instituto de Estudos em Saúde Coletiva - IESC Departamento Medicina Preventiva Disciplina de Epidemiologia INDICADORES

Leia mais

A taxa ou coeficiente de mortalidade representa a intensidade com que os óbitos por uma determinada doença ocorrem em dada população.

A taxa ou coeficiente de mortalidade representa a intensidade com que os óbitos por uma determinada doença ocorrem em dada população. Mortalidade Mortalidade é uma propriedade natural das comunidades dos seres vivos. Refere-se ao conjunto dos indivíduos que morrem em um dado intervalo de tempo e em certo espaço. A taxa ou coeficiente

Leia mais

CENSO DE DIÁLISE SBN 2013

CENSO DE DIÁLISE SBN 2013 CENSO DE DIÁLISE SBN 213 Dados Gerais Total de Unidades Renais Cadastradas na SBN: 73 Total de Unidades Renais Cadastradas na SBN e Ativas com programa crônico: 658 Total de Unidades Ativas que Responderam

Leia mais

Aumento dos suicídios em 2014

Aumento dos suicídios em 2014 Causas de Morte 2014 23 de maio de 2016 Aumento dos suicídios em 2014 As doenças do aparelho circulatório estiveram na origem de 30,7% dos óbitos registados em 2014, mais 2,4% do que no ano anterior. Devido

Leia mais

Seminário Nacional Unimed de Medicina Preventiva

Seminário Nacional Unimed de Medicina Preventiva Seminário Nacional Unimed de Medicina Preventiva - 2009 Programa de Reabilitação Pulmonar Rosângela H. Araújo Santos Divisão Cooperados Total: 838 0,04% Gerência Executiva da Assistência e Promoção à Saúde

Leia mais

Despacho nº 5739/2015, de 29 de maio Lista de indicadores para monitorização da qualidade

Despacho nº 5739/2015, de 29 de maio Lista de indicadores para monitorização da qualidade Despacho nº 5739/2015, de 29 de maio Lista de indicadores para monitorização da qualidade Cláudia Medeiros Borges ACSS Departamento de Gestão e Financiamento de Prestações de Saúde-DPS 9 de julho 2015

Leia mais

Morre-se mais de doenças do aparelho circulatório, mas os tumores malignos matam mais cedo

Morre-se mais de doenças do aparelho circulatório, mas os tumores malignos matam mais cedo Causas de Morte 23 de maio de 2017 Morre-se mais de doenças do aparelho circulatório, mas os tumores malignos matam mais cedo As doenças do aparelho circulatório continuaram a ser a principal causa de

Leia mais

Síndroma de apneia do sono

Síndroma de apneia do sono Síndroma de apneia do sono - mais uma peça no puzzle do cluster de fatores de risco cardiovascular Cátia Costa, Joana Rodrigues, Nuno Cabanelas, Filipa Valente, Margarida Leal, Isabel Monteiro Serviço

Leia mais

O trabalho médico em cooperativa

O trabalho médico em cooperativa O trabalho médico em cooperativa Sistema Unimed 38 Prestadoras 293 Operadoras 17 Federações Institucionais 348 Cooperativas 1 Confederação Nacional 1 Confederação Regional 1 Central Nacional 33 Federações

Leia mais

MORBIMORTALIDADE DA POPULAÇÃO IDOSA DE JOÃO PESSOA- PB

MORBIMORTALIDADE DA POPULAÇÃO IDOSA DE JOÃO PESSOA- PB MORBIMORTALIDADE DA POPULAÇÃO IDOSA DE JOÃO PESSOA- PB Silmery da Silva Brito- UFPB- silmery_ce@hotmail.com Regiane Fixina de Lucena UEPB regi.rfl@bol.com.br Joyce Lane Braz Virgolino- UFPB- joyce.lane@hotmail.com

Leia mais

parte 1 estratégia básica e introdução à patologia... 27

parte 1 estratégia básica e introdução à patologia... 27 Sumário parte 1 estratégia básica e introdução à patologia... 27 1 Terapêutica: estratégia geral... 29 terminologia de doenças... 29 História do caso... 34 Disposição do fármaco... 39 Seleção do fármaco...

Leia mais

MANEJO DOS CASOS SUSPEITOS E CONFIRMADOS DE INFLUENZA NO HIAE E UNIDADES

MANEJO DOS CASOS SUSPEITOS E CONFIRMADOS DE INFLUENZA NO HIAE E UNIDADES MANEJO DOS CASOS SUSPEITOS E CONFIRMADOS DE INFLUENZA NO HIAE E UNIDADES AVANÇADAS Maio de 2013 Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Conteúdo Definições atualmente utilizadas Diagnóstico Tratamento

Leia mais

Sistema Informações em Mortalidade - SIM Funcionamento. Joaquim Valente

Sistema Informações em Mortalidade - SIM Funcionamento. Joaquim Valente Sistema Informações em Mortalidade - SIM Funcionamento Joaquim Valente jvalente@ensp.fiocruz.br Organização Geral Nível Local Nível Regional Nível Central Estadual Nível Central Federal Fluxo da Informação

Leia mais

Fórum de Qualidade e Segurança em Anestesia Apresentação de Casos: Hospital Ernesto Dornelles

Fórum de Qualidade e Segurança em Anestesia Apresentação de Casos: Hospital Ernesto Dornelles Fórum de Qualidade e Segurança em Anestesia Apresentação de Casos: Hospital Ernesto Dornelles Airton Bagatini Vice-Presidente da SBA Corresponsável pelo CET do SANE Coordenador da Perspectiva Assistencial

Leia mais

Comitê de Gestão de Indicadores de Fatores de Risco e Proteção

Comitê de Gestão de Indicadores de Fatores de Risco e Proteção Comitê de Gestão de Indicadores de Fatores de Risco e Proteção Comitê de Gestão de Indicadores de Fatores de Risco e Proteção Coordenação: Deborah Carvalho Malta Coordenação de Doenças e Agravos Não Transmissíveis

Leia mais

AVALIAÇÃO BIOQUÍMICA NO IDOSO

AVALIAÇÃO BIOQUÍMICA NO IDOSO C E N T R O U N I V E R S I T Á R I O C AT Ó L I C O S A L E S I A N O A U X I L I U M C U R S O D E N U T R I Ç Ã O - T U R M A 6 º T E R M O D I S C I P L I N A : N U T R I Ç Ã O E M G E R I AT R I A

Leia mais

Pro-Hosp 2013 Política Hospitalar do Estado de Minas Gerais

Pro-Hosp 2013 Política Hospitalar do Estado de Minas Gerais Pro-Hosp 2013 Política Hospitalar do Estado de Minas Gerais PRO-HOSP Conjunto de ações e políticas hospitalares do Estado que visam o fortalecimento e a melhoria das Redes de Atenção à Saúde Prioritárias

Leia mais

HOSPITALIZAÇÕES E MORTALIDADE POR ASMA: É POSSÍVEL EVITAR? DR. GUILHERME FREIRE GARCIA ABRA MAIO DE DIA MUNDIAL DA ASMA

HOSPITALIZAÇÕES E MORTALIDADE POR ASMA: É POSSÍVEL EVITAR? DR. GUILHERME FREIRE GARCIA ABRA MAIO DE DIA MUNDIAL DA ASMA HOSPITALIZAÇÕES E MORTALIDADE POR ASMA: É POSSÍVEL EVITAR? DR. GUILHERME FREIRE GARCIA ABRA MAIO DE 2012- DIA MUNDIAL DA ASMA DIA MUNDIAL DA ASMA 1º DE MAIO DE 2012 EPIDEMIOLOGIA DA ASMA 300 milhões de

Leia mais

Indicadores de Doença Cardiovascular no Estado do Rio de Janeiro com Relevo para a Insuficiência Cardíaca

Indicadores de Doença Cardiovascular no Estado do Rio de Janeiro com Relevo para a Insuficiência Cardíaca 264 Vol 17 N o 4 6 Artigo de Revisão Indicadores de Doença Cardiovascular no Estado do Rio de Janeiro com Relevo para a Insuficiência Cardíaca Francisco Manes Albanesi Filho Universidade do Estado do Rio

Leia mais

RESUMO SEPSE PARA SOCESP INTRODUÇÃO

RESUMO SEPSE PARA SOCESP INTRODUÇÃO RESUMO SEPSE PARA SOCESP 2014 1.INTRODUÇÃO Caracterizada pela presença de infecção associada a manifestações sistêmicas, a sepse é uma resposta inflamatória sistêmica à infecção, sendo causa freqüente

Leia mais

Atraso na admissão hospitalar de pacientes com acidente vascular cerebral isquêmico: quais fatores podem interferir?

Atraso na admissão hospitalar de pacientes com acidente vascular cerebral isquêmico: quais fatores podem interferir? Atraso na admissão hospitalar de pacientes com acidente vascular cerebral isquêmico: quais fatores podem interferir? Paula Souto Nogueira Renata Carolina Acri Miranda Monique Bueno Alves Introdução 15.000.0000

Leia mais

Diagnóstico de Saúde Lourinhã. Lourinhã 15 de Maio de 2017

Diagnóstico de Saúde Lourinhã. Lourinhã 15 de Maio de 2017 Diagnóstico de Saúde Lourinhã Lourinhã 15 de Maio de 2017 A população do Concelho Homens Mulheres 2 Pirâmide etária da população residente em Lourinhã Fonte: INE, Últimos dados de 2013 A população do Concelho

Leia mais

O Problema da Doença Pneumocócica na América Latina

O Problema da Doença Pneumocócica na América Latina O Problema da Doença Pneumocócica na América Latina Dr. Raul E. Istúriz: Olá. Eu sou o Dr. Raul Istúriz, do Centro Médico de Caracas, na Venezuela. Bem-vindos a esta discussão sobre o problema da doença

Leia mais

Coordenação-Geral de Atenção Domiciliar/DAB/SAS/MS

Coordenação-Geral de Atenção Domiciliar/DAB/SAS/MS Coordenação-Geral de Atenção Domiciliar/DAB/SAS/MS Reflexões sobre Atenção Domiciliar Causas da expansão do cuidado domiciliar mundial: Resposta a mudança do padrão demográfico e patológico Insuficiência

Leia mais

GOVERNANÇA CLÍNICA: como aumentar a efe9vidade (PRODUTIVIDADE) do uso do leito hospitalar? José Carlos Serufo Filho

GOVERNANÇA CLÍNICA: como aumentar a efe9vidade (PRODUTIVIDADE) do uso do leito hospitalar? José Carlos Serufo Filho GOVERNANÇA CLÍNICA: como aumentar a efe9vidade (PRODUTIVIDADE) do uso do leito hospitalar? José Carlos Serufo Filho Soluções Antes de propor soluções é necessário saber dimensionar o tamanho do seu problema,

Leia mais

PREVALENCIA DAS DOENÇAS CRONICAS NÃO-TRANSMISSIVEIS EM IDOSOS NO ESTADO DA PARAIBA

PREVALENCIA DAS DOENÇAS CRONICAS NÃO-TRANSMISSIVEIS EM IDOSOS NO ESTADO DA PARAIBA PREVALENCIA DAS DOENÇAS CRONICAS NÃO-TRANSMISSIVEIS EM IDOSOS NO ESTADO DA PARAIBA Rita de Cássia Sousa Silva (1); Daniele Fidelis de Araújo (1); Ítalo de Lima Farias (2); Socorro Malaquias dos Santos

Leia mais

Universidade Estadual do Ceará, Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva, Fortaleza-CE, Brasil 2

Universidade Estadual do Ceará, Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva, Fortaleza-CE, Brasil 2 Artigo original Tendência temporal das Internações por Condições Sensíveis à Atenção Primária em crianças menores de cinco anos de idade no Ceará, 2000 a 2012* doi: 10.5123/S1679-49742017000100006 Time

Leia mais

ENCONTRO NACIONAL UNIMED DE VENDAS

ENCONTRO NACIONAL UNIMED DE VENDAS Atenção Primária à Saúde A experiência da Unimed-BH Triple Aim Como está nosso modelo tradicional de plano de saúde nestes 3 quesitos? Custos do cuidado http://www.iess.org.br/?p=publicacoes&id_tipo=13

Leia mais

Desafios Atuais do Ministério da Saúde para o Tratamento da Hepatite C no Brasil

Desafios Atuais do Ministério da Saúde para o Tratamento da Hepatite C no Brasil Desafios Atuais do Ministério da Saúde para o Tratamento da Hepatite C no Brasil Elisa Cattapan Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de DST, AIDS e Hepatites Virais Coordenação

Leia mais

PNS Pesquisa Nacional de Saúde 2013 Ciclos de vida, Brasil e grandes regiões Volume 3

PNS Pesquisa Nacional de Saúde 2013 Ciclos de vida, Brasil e grandes regiões Volume 3 PNS Pesquisa Nacional de Saúde 2013 Ciclos de vida, Brasil e grandes regiões Volume 3 ABRANGÊNCIA A Pesquisa Nacional de Saúde 2013 foi planejada para a estimação de vários indicadores com a precisão desejada

Leia mais

Cirurgia de Dentes Inclusos

Cirurgia de Dentes Inclusos Pós-Graduação Cirurgia de Dentes Inclusos 16ª Edição Coordenação 2017-00 Prof. Doutor Francisco Salvado Prof. Doutor Paulo Maia Pós-Graduação Cirurgia de Dentes Inclusos A frequência de retenções dentárias

Leia mais

SÍNDROME HIPEROSMOLAR HIPERGLICÉMICA E CETOACIDOSE DIABÉTICA "

SÍNDROME HIPEROSMOLAR HIPERGLICÉMICA E CETOACIDOSE DIABÉTICA SÍNDROME HIPEROSMOLAR HIPERGLICÉMICA E CETOACIDOSE DIABÉTICA " Estudo retrospetivo de 5 anos num Hospital Universitário Claudia Matta Coelho 1, Catarina Nunes 2, Vera Fernandes 1, Maria Luisa Pinto 2,

Leia mais

Projetos e Metas do Intercâmbio Nacional para 2017

Projetos e Metas do Intercâmbio Nacional para 2017 Projetos e Metas do Intercâmbio Nacional para 2017 Carla Sales Ingressou no sistema Unimed em 1995 Unimed do Brasil; Participou dos processos ligados ao atendimento durante a Criação da Central Nacional

Leia mais

Inovação e Resultados em Gestão de Saúde I.CONHECENDO O CONTEXTO

Inovação e Resultados em Gestão de Saúde I.CONHECENDO O CONTEXTO Inovação e Resultados em Gestão de Saúde I.CONHECENDO O CONTEXTO Cenário Macroeconômico Lancet, 2012 Quais são as causas principais de morte na Saúde Suplementar? O comportamento das pessoas NÃO depende

Leia mais

C.10 Taxa de mortalidade específica por neoplasias malignas

C.10 Taxa de mortalidade específica por neoplasias malignas C.1 Taxa de mortalidade específica por neoplasias malignas O indicador estima o risco de morte por neoplasias malignas e dimensiona a sua magnitude como problema de saúde pública. Corresponde ao número

Leia mais

Visão da ANS e o Sistema Unimed: perspectivas para o futuro

Visão da ANS e o Sistema Unimed: perspectivas para o futuro V Fórum Nacional de Cooperativismo Médico Visão da ANS e o Sistema Unimed: perspectivas para o futuro Brasília,26 junho de 2012 Agência Nacional de Saúde Suplementar Agência reguladora do Governo Federal,

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS A asma é uma doença inflamatória crônica caracterizada por hiper-responsividade das vias aéreas inferiores e por limitação variável ao fluxo aéreo, reversível espontaneamente ou com

Leia mais

RELATÓRIO DE DADOS EPIDEMIOLÓGICOS DAS DOENÇAS E AGRAVOS NÃO TRANSMISSÍVEIS E FATORES DE RISCO, PORTO ALEGRE, 1996 A 2009

RELATÓRIO DE DADOS EPIDEMIOLÓGICOS DAS DOENÇAS E AGRAVOS NÃO TRANSMISSÍVEIS E FATORES DE RISCO, PORTO ALEGRE, 1996 A 2009 RELATÓRIO DE DADOS EPIDEMIOLÓGICOS DAS DOENÇAS E AGRAVOS NÃO TRANSMISSÍVEIS E FATORES DE RISCO, PORTO ALEGRE, 1996 A 29 Doenças e Agravos Não Transmissíveis DANT/SMS Porto Alegre Vigilância Epidemiológica

Leia mais

Ciclo de Debates SUS: Políticas Sociais e de Assistência à Saúde do Idoso

Ciclo de Debates SUS: Políticas Sociais e de Assistência à Saúde do Idoso Senado Federal Ciclo de Debates SUS: Políticas Sociais e de Assistência à Saúde do Idoso Brasília, 26 de maio de 2009 Professora Dra Maria Alice Toledo Professora adjunta de Geriatria e Psiquiatria da

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA - DEPARTAMENTO DE MEDICINA SOCIAL ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA - DEPARTAMENTO DE MEDICINA SOCIAL ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA - DEPARTAMENTO DE MEDICINA SOCIAL ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA ALICIANA PAULO SOLEIMAN ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE INTERNAÇÕES POR CONDIÇÕES

Leia mais

Regulamento do Programa de Gerenciamento de Condições Crônicas

Regulamento do Programa de Gerenciamento de Condições Crônicas Regulamento do Programa de Gerenciamento de Condições Crônicas Versão vigente desde 29 de setembro de 2017 SUMÁRIO Capítulo I Glossário...2 Capítulo II Das características...3 Capítulo III Objetivos...3

Leia mais

Vigilância das Doenças Crônicas Não

Vigilância das Doenças Crônicas Não Universidade Federal Fluminense Instituto de Saúde Coletiva MEB Epidemiologia IV Vigilância das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil Maria Isabel do Nascimento MEB/ Departamento de Epidemiologia

Leia mais

Agentes Comunitários de Saúde Brasil, Agentes

Agentes Comunitários de Saúde Brasil, Agentes Em 2, 3.19 municípios em todos os estados já contavam com equipes de Saúde da Família em atuação, com efeito direto na queda dos índices de mortalidade infantil e de nascimentos de bebês com peso baixo,

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÓNICA NO INTERNAMENTO HOSPITALAR ENTRE

A EVOLUÇÃO DA DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÓNICA NO INTERNAMENTO HOSPITALAR ENTRE A EVOLUÇÃO DA DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÓNICA NO INTERNAMENTO HOSPITALAR ENTRE 2005-2014 IASIST Portugal, Dezembro de 2015 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 8 OBJETIVOS... 10 METODOLOGIA... 10 RESULTADOS... 13 CONTEXTO...

Leia mais

Vigilância das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil

Vigilância das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil Universidade Federal Fluminense Instituto de Saúde Coletiva MEB Epidemiologia IV Vigilância das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil Maria Isabel do Nascimento MEB/ Departamento de Epidemiologia

Leia mais

Vigilância das Doenças Crônicas Não

Vigilância das Doenças Crônicas Não Universidade Federal Fluminense Instituto de Saúde Coletiva MEB Epidemiologia IV Vigilância das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil Maria Isabel do Nascimento MEB/ Departamento de Epidemiologia

Leia mais

Ampliar as responsabilidades dos municípios na Atenção Básica; FINALIDADES

Ampliar as responsabilidades dos municípios na Atenção Básica; FINALIDADES Legislação do SUS NORMA OPERACIONAL DE ASSISTÊNCIA A SAÚDE (NOAS) Organização e Funcionamento do Sistema Arcabouço Legal Prof.ª: Andréa Paula Ampliar as responsabilidades dos municípios na Atenção Básica;

Leia mais

1. POPULAÇÃO RESIDENTE

1. POPULAÇÃO RESIDENTE 1. POPULAÇÃO RESIDENTE No fim do ano de 2007 a estimativa da população residente de Macau era de 538 0, tendo-se verificado um aumento de 24 700 pessoas em comparação com o número estimado no fim do ano

Leia mais

AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS AÇÕES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NA REDUÇÃO DAS INTERNAÇÕES HOSPITALARES POR CONDIÇÕES SENSÍVEIS À ATENÇÃO BÁSICA EM

AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS AÇÕES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NA REDUÇÃO DAS INTERNAÇÕES HOSPITALARES POR CONDIÇÕES SENSÍVEIS À ATENÇÃO BÁSICA EM AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS AÇÕES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NA REDUÇÃO DAS INTERNAÇÕES HOSPITALARES POR CONDIÇÕES SENSÍVEIS À ATENÇÃO BÁSICA EM ADULTOS E IDOSOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

Leia mais

Registro Brasileiros Cardiovasculares. REgistro do pacientes de Alto risco Cardiovascular na prática clínica

Registro Brasileiros Cardiovasculares. REgistro do pacientes de Alto risco Cardiovascular na prática clínica Registro Brasileiros Cardiovasculares REgistro do pacientes de Alto risco Cardiovascular na prática clínica Arquivos Brasileiros de Cardiologia, Julho de 2011 Arquivos Brasileiros de Cardiologia, Agosto

Leia mais

CÓDIGO DE AGENDAMENTO TIPO NA SITUAÇÃO DATA DE APRESENTAÇÃO HORÁRIO

CÓDIGO DE AGENDAMENTO TIPO NA SITUAÇÃO DATA DE APRESENTAÇÃO HORÁRIO CÓDIGO DE AGENDAMENTO P - 001 P - 002 P - 003 P - 004 P - 005 P - 006 P - 007 TÍTULO A MÚSICA COMO UM RECURSO NA FISIOTERAPIA DO PACIENTE COM ALZHEIMER: RELATO DE CASO ACOMPANHAMENTO FARMACOTERAPÊUTICO

Leia mais

Vigilância das Doenças Crônicas Não

Vigilância das Doenças Crônicas Não Universidade Federal Fluminense Instituto de Saúde Coletiva MEB Epidemiologia IV Vigilância das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil Maria Isabel do Nascimento MEB/ Departamento de Epidemiologia

Leia mais

Cenário Atual e Perspectivas da Saúde Suplementar

Cenário Atual e Perspectivas da Saúde Suplementar Cenário Atual e Perspectivas da Saúde Suplementar Renata Fernandes Cachapuz Chefe de Núcleo - RS Porto Alegre, 04 de dezembro de 2015. Sumário Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS Dimensão do Setor

Leia mais

IMPACTO DA RINITE SOBRE CONTROLE CLÍNICO E GRAVIDADE DA ASMA EM UM PROGRAMA DE REFERÊNCIA DO ESTADO DO MARANHÃO

IMPACTO DA RINITE SOBRE CONTROLE CLÍNICO E GRAVIDADE DA ASMA EM UM PROGRAMA DE REFERÊNCIA DO ESTADO DO MARANHÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA UFMA IMPACTO DA RINITE SOBRE CONTROLE CLÍNICO E GRAVIDADE DA ASMA EM UM PROGRAMA DE REFERÊNCIA DO ESTADO DO MARANHÃO J A N A I N A O L I V E I

Leia mais