[José Manuel Boavida Director do Programa Nacional para a Diabetes]

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "[José Manuel Boavida Director do Programa Nacional para a Diabetes]"

Transcrição

1 [José Manuel Boavida Director do Programa Nacional para a Diabetes]

2 Desafio do Dr. José António Freire Soares Contributo e informação recolhida a partir da base de dados de GDH s / ACSS na elaboração dos relatórios sobre a situação da Diabetes em Portugal, em particular das suas manifestações tardias, para a elaboração do relatório do Observatório Nacional da Diabetes; Metodologia utilizada na recolha da respectiva informação; Informação que não se encontrou ou considerou não disponível, e que seria relevante na definição do contexto das comorbilidades da Diabetes Face ao papel da Diabetes na fisiopatologia de disfunções de múltiplos órgãos, a sua relevância dessa causalidade deverá ser explicitada na descrição fisiopatológica dos diagnósticos, ou pode ser considerada como nexo de causalidade.

3 Prevalência da Diabetes Prevalência da Diabetes em Portugal na população no escalão anos: Fonte: PREVADIAB SPD, Tratamento OND Ajustado à distribuição da população estimada; First Diabetes prevalence study in Portugal: PREVADIAB study; Diabet Med Aug; 27 (8):879-81

4 Prevalência da Diabetes Verifica-se uma diferença significativa na prevalência da Diabetes entre homens 15,6% e mulheres 10,7% Fonte: PREVADIAB SPD, Tratamento OND Ajustado à distribuição da população estimada

5 Prevalência da Diabetes Verifica-se um forte aumento da prevalência da Diabetes com a idade Mais de ¼ das pessoas entre os anos tem Diabetes Fonte: PREVADIAB SPD, Tratamento OND Ajustado à distribuição da população estimada

6 Prevalência da Diabetes e da Hiperglicemia Intermédia A Hiperglicemia Intermédia, em 2013, atinge 27,0% da população portuguesa entre anos (2,1 milhões de indivíduos) Fonte: PREVADIAB SPD, Tratamento OND Ajustado à distribuição da população estimada

7

8 Incidência da Diabetes Em 2013, estima-se a existência de cerca de 557 novos casos de Diabetes por cada habitantes

9 Evolução do Registo de Novos Casos de Diabetes janeiro fevereiro março abril maio junho julho agosto setembro outubro novembro dezembro Fonte

10 Prevalência da Diabetes tipo 1 A Diabetes tipo 1 nas crianças e jovens, em 2013, atingia indivíduos com idades entre 0-19 anos 0,16% da população no escalão etário

11 A base de Dados de GDH s/acss -1 Assumiu-se como um input fundamental na elaboração dos relatórios sobre a situação da Diabetes em Portugal, dada a sua cobertura universal dos cuidados hospitalares do SNS, e o histórico já existente de informação.

12 A base de Dados de GDH s/acss -2 Apesar de ser utilizada à mais de uma década pela DGS na produção das Estatísticas da Morbilidade Hospitalar, esta informação sempre foi vista com alguma cautela/ desconfiança pelas entidades competentes na análise e na divulgação de informação de saúde, e neste sentido nunca foi rentabilizado todo o potencial analítico epidemiológico. Para tal também era importante ter a garantias efectivas da qualidade da informação carregada, nomeadamente na standardização dos processo de codificação, que aparentam ter diferenças de acordo com as ARS em causa (para não dizer hospitais).

13 A base de Dados de GDH s/acss -3 O PND e o OND tentaram de alguma forma ultrapassar este paradigma, tendo tentado ir para além da simples descrição dos episódios de internamento hospitalar e do seu diagnóstico principal (ou primeiro diagnósticos), tendo-se uma leitura integrada do diagnóstico principal com os diagnósticos associados, em termos da caracterização e estudo das comorbilidades da doença diabética. Considera-se que tem sido um processo evolutivo e que ainda existem margens de progresso significativas (nomeadamente da interligação e na compreensão entre a prática clínica e os processos de codificação).

14 A base de Dados de GDH s/acss -4 As metodologias utilizadas na recolha da informação, no caso específico do OND /PND, começar por seguir inicialmente as práticas existentes na DGS (delineadas pela DGS e muitas das vezes não articuladas com as práticas de codificação método de tentativa erro de análise bruta dos dados), e posteriormente começou-se a utilizar práticas internacionais internacionalmente na extracção e na análise de base de dados administrativas ICD-9 (decorrentes da leitura e análise de artigos científicos relacionados).

15

16 Prevalência da Diabetes Gestacional A prevalência da Diabetes Gestacional, em 2013, foi de 5,8% da população parturiente que utilizou o SNS

17 Letalidade Intra-hospitalar por Diabetes Em 2013, a população com Diabetes representou 24,9% da letalidade intra-hospitalar no SNS ( indivíduos) ¼ das pessoas que morrem nos hospitais do SNS têm Diabetes

18

19 Hospitalização na Diabetes O número de utentes saídos/ internamentos com diagnóstico principal e com diagnóstico associado aumentou entre 2004 e 2013, 41,5% e 77,2%, respectivamente

20

21

22

23

24 Sub-diagnóstico? Estudos do S.António, Beja, Vila Franca.

25 Diabetes nos Cuidados Primários Em 2013, o número de utentes com Diabetes com pelo menos uma consulta registada foi de (51,4% nas UCSP e 48,6% nas USF) acréscimo de 8,5%, face a 2012

26 Diabetes nos Cuidados Primários Controlo HbA1c:

27

28

29 Complicações da Diabetes Olho: (cerca de 20% das pessoas com diabetes vigiada)

30 Pé: Complicações da Diabetes

31 Complicações da Diabetes Amputação dos membros inferiores:

32 Rim: Complicações da Diabetes

33 Prevalência da Diabetes nos novos Casos de IRC (%) ,7 31,8 31, Fonte: Soc. Portuguesa de Nefrologia in Diabetes Fatos e Números 2014

34 % Prevalência da Diabetes nas Pessoas com IRC (%) 30 29, , ,5 27,2 27,5 27, , , Ano Fonte: Soc. Portuguesa de Nefrologia in Diabetes Fatos e Números 2014

35 Complicações da Diabetes Doença Macro Vascular:

36

37 I nformação no combate à Diabetes É um elemento incontornável na definição das políticas e das estratégias de intervenção

38 D iabetes e Saúde Pública Dimensão do problema: 40% população portuguesa dos anos tem alteração da glicemia; São diagnosticados 160 novos casos de Diabetes por dia. 3,1 MILHÕES de indivíduos [20-79 anos] tem alteração da glicemia novos casos de Diabetes em 2013

39 D iabetes e Saúde Pública Dimensão do problema: 25% do total das mortes nos hospitais são de pessoas com Diabetes; A Diabetes constitui um factor de risco para a mortalidade por outras causas novos casos de Diabetes em 2013

40 Projecção da Incidência da Diabetes - até

41 D iabetes e Sistema de Saúde Dimensão do problema: 15% do total dos internamentos hospitalares são de pessoas com Diabetes; 8% do total das consultas nos Cuidados Primários são consultas de Diabetes (em 2011 eram 6%); A Diabetes implica uma maior demora média hospitalar; A Diabetes representa 10% da despesa em saúde.

42 O Melhor do DF&N 2014 Factores que registam evolução positiva: Menos dias de internamento na última década; Redução da letalidade intra-hospitalar por Diabetes; Aumenta a abrangência dos cuidados primários ( registos nos cuidados primários); Cerca de 2/3 das pessoas seguidas nos Cuidados Primários tem a Diabetes controlada; Aumentam os registos de observação do pé nos Cuidados Primários (atingindo já os 80% nas USF).

43 O Pior do DF&N 2014 Factores que registam evolução negativa: Aumentam a prevalência e a incidência da Diabetes; Diminuem os registos de microalbuminúria nos Cuidados Primários; O número de internamentos hospitalares por pé diabético registou um acréscimo significativo nos últimos dois anos (+201 episódios). Aumenta o número de amputações.

44 A A organização no combate à Diabetes São elementos incontornáveis na implementação das políticas e das estratégias de intervenção

45

46

47 E I stratégias para o Futuro Na Prevenção Primária e Secundária: Generalização da aplicação do Questionário de Avaliação de Risco nos Cuidados Primários;

48 Questionários de Risco de Diabetes Aplicados por ARS / Mês ARS Norte ARS Algarve ARS LVT ARS Alentejo ARS Centro Fonte

49 Distribuição do Risco da Diabetes (%) ,0 35,0 33,9 30,0 25,0 24,6 20,0 20,3 17,8 15,0 10,0 5,0 3,4 0,0 Baixo Ligeiro Moderado Alto Muito alto Fonte

50 E I stratégias para o Futuro Na Prevenção Secundária: Generalização da aplicação do Questionário de Avaliação de Risco nos Cuidados Primários; Metformina e sinvastatina para todos os que estão em risco!

51 I mplicações para o Futuro Na Prevenção Terciária: Desenvolver a Prevenção do Pé diabético e a Via Verde do Pé Diabético ; Reforçar o rastreio da retinopatia diabética; Reforçar a vigilância da função renal; Expandir e fortalecer as Unidades Integradas de Diabetes a nível hospitalar;

52 Nº Observações com determinação de Risco de Ulceração do Pé por ARS ARS Alentejo ARS Algarve ARS Centro ARS LVT ARS Norte Fonte

53 Proporção por Risco de Pé Diabético por ARS % 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% Não Avaliado Baixo Médio Alto 20% 10% 0% ARS Norte ARS Centro ARS LVT ARS Alentejo ARS Algarve Fonte

54 I mplicações para o Futuro Na Prevenção Terciária: Via Verde do Pé Diabético ;

55 I mplicações para o Futuro Na Prevenção Terciária: Reforçar o rastreio da retinopatia diabética;

56

57 I mplicações para o Presente Acompanhar a consolidação das Unidades Coordenadoras Funcionais da Diabetes e dos seus Planos Anuais: Elaboração dos Planos Anuais de Acção; Criação dos Observatórios Locais da Diabetes; Criação de espaços de educação para a população em risco e para as novas pessoas com diabetes.

58 I mplicações para o Presente Melhorar e ampliar o acesso a novos dados: Como avaliar as entradas nas urgências das pessoas com diabetes? Que medicação é feita nos internamentos? Que terapêuticas são efectuadas no pé (limpezas cirúrgicas, cirurgias ortopédicas...)? Que terapêuticas são feitas na retinopatia diabética (laserterapia versus injecções intra-vítreo)?

59 Um ultimo aspecto, prende-se com a dificuldade por vezes existente no acesso às Bases de Dados dos GDH s (mesmo entre instituições públicas), bem como na constante actualização das mesmas com consequências nos resultados finais (o que condiciona a utilização em tempo útil das mesmas, bem como pode levantar questões desnecessárias de diferenças no apuramento dos valores entre quem trabalha os dados). Caso estas situações sejam ultrapassadas, será um contributo positivo quer para a divulgação de informação de saúde, quer para uma melhoria qualitativa da mesma, dado o aumento do escrutínio a que está sujeita.

60

61 O brigado!

A Diabetes: que desafio?

A Diabetes: que desafio? A Diabetes: que desafio? José Manuel Boavida Director do Programa Nacional para a Diabetes Audição na Comissão Parlamentar da Saúde Assembleia da República 25 Fevº 2015 Prevalência da Diabetes Prevalência

Leia mais

[Diabetes: Factos & Números] [Luís Gardete Correia Director do Observatório Nacional da Diabetes]

[Diabetes: Factos & Números] [Luís Gardete Correia Director do Observatório Nacional da Diabetes] [Diabetes: Factos & Números] [Luís Gardete Correia Director do Observatório Nacional da Diabetes] Diabetes: Factos & Números, 2014 Epidemiologia da Diabetes Controlo e Tratamento da Diabetes Regiões e

Leia mais

DIABETES: FACTOS & NÚMEROS, 2015

DIABETES: FACTOS & NÚMEROS, 2015 DIABETES: FACTOS & NÚMEROS, 2015 Luís Gardete Correia [ Diretor do Observatório Nacional da Diabetes] Prevalência da Diabetes Prevalência da Diabetes em Portugal na população no escalão 20-79 anos: Fonte:

Leia mais

A Diabetes no Baixo Vouga. Panorama Nacional Helder Ferreira

A Diabetes no Baixo Vouga. Panorama Nacional Helder Ferreira A Diabetes no Baixo Vouga Panorama Nacional Helder Ferreira Médico de família Coordenador Regional do Programa Diabetes da ARS Centro Direção da Sociedade Portuguesa de Diabetologia diabetes@arscentro.min-saude.pt

Leia mais

Ficha Técnica: Layout e Impressão:

Ficha Técnica: Layout e Impressão: 2 012 Portugal Autores: Gardete Correia, Luís Boavida, José Manuel Fragoso de Almeida, João Paulo Massano Cardoso, Salvador Dores, Jorge Sequeira Duarte, João Duarte, Rui Ferreira, Hélder Guerra, Fernando

Leia mais

Índice. Pág. Fontes de Informação 69. Agradecimentos 71. O Programa Nacional para a Diabetes 5. O Observatório Nacional da Diabetes 6

Índice. Pág. Fontes de Informação 69. Agradecimentos 71. O Programa Nacional para a Diabetes 5. O Observatório Nacional da Diabetes 6 2 013 Portugal Índice Pág. O Programa Nacional para a Diabetes 5 O Observatório Nacional da Diabetes 6 Nota Introdutória 7 A Diabetes no Mundo 9 Epidemiologia da Diabetes 9 Prevalência da Diabetes 9 Prevalência

Leia mais

DIABETES. Factos e Numeros Portugal Relatório Anual do Observatório Nacional da Diabetes

DIABETES. Factos e Numeros Portugal Relatório Anual do Observatório Nacional da Diabetes DIABETES Factos e Numeros Portugal 2014 Relatório Anual do Observatório Nacional da Diabetes Ficha Técnica: Diabetes: Factos e Números 2014 Relatório Anual do Observatório Nacional da Diabetes 11/2014

Leia mais

Pé Diabético Epidemiologia Qual a dimensão do problema?

Pé Diabético Epidemiologia Qual a dimensão do problema? Pé Diabético Epidemiologia Qual a dimensão do problema? Sessão Clínica Hospital Fernando Fonseca Amadora - 2012 Rui Carvalho Coordenador GEPED Consulta Multidisciplinar de Pé Diabético Serviço de Endocrinologia,

Leia mais

DIABETES. Factos e Numeros Portugal Relatório Anual do Observatório Nacional da Diabetes

DIABETES. Factos e Numeros Portugal Relatório Anual do Observatório Nacional da Diabetes DIABETES Factos e Numeros Portugal 2014 Relatório Anual do Observatório Nacional da Diabetes Índice O Programa Nacional para a Diabetes 04 O Observatório Nacional da Diabetes 04 Nota Introdutória 05 Capítulo

Leia mais

Programa Nacional de Prevenção e Controlo da Diabetes

Programa Nacional de Prevenção e Controlo da Diabetes Programa Nacional de Prevenção e Controlo da Diabetes Objectivos do Programa num horizonte temporal de 10 anos: Reduzir a morbilidade e mortalidade por diabetes; Atrasar o início das complicações major

Leia mais

DIABETES: ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR (NOV 2016) - PORTO

DIABETES: ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR (NOV 2016) - PORTO DIABETES: ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR (NOV 2016) - PORTO A Diabetes Mellitus é uma doença crónica, cujos índices de incidência e prevalência aumentam a cada ano. Para poderem prestar cuidados de saúde globais

Leia mais

Índice. O Programa Nacional de Prevenção e Controlo da Diabetes. O Observatório Nacional da Diabetes pág. 5

Índice. O Programa Nacional de Prevenção e Controlo da Diabetes. O Observatório Nacional da Diabetes pág. 5 2 010 Portugal 2 Índice O Programa Nacional de Prevenção e Controlo da Diabetes pág.4 O Observatório Nacional da Diabetes pág. 5 Factos acerca da Diabetes pág. 6 O que é a Diabetes pág.6 O que é a Hiperglicemia

Leia mais

Diagnóstico de Saúde Lourinhã. Lourinhã 15 de Maio de 2017

Diagnóstico de Saúde Lourinhã. Lourinhã 15 de Maio de 2017 Diagnóstico de Saúde Lourinhã Lourinhã 15 de Maio de 2017 A população do Concelho Homens Mulheres 2 Pirâmide etária da população residente em Lourinhã Fonte: INE, Últimos dados de 2013 A população do Concelho

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE MONITORIZAÇÃO E AVALIAÇÃO

RELATÓRIO ANUAL DE MONITORIZAÇÃO E AVALIAÇÃO RELATÓRIO ANUAL DE MONITORIZAÇÃO E AVALIAÇÃO ANO DE 2015 UNIDADE COORDENADORA FUNCIONAL PARA A DIABETES 1 DE MAIO DE 2016 NOTA INTRODUTÓRIA O presente Relatório Anual de Monitorização e Avaliação do ano

Leia mais

Curso de Formação Avançada em Diabetes

Curso de Formação Avançada em Diabetes Curso de Formação Avançada em Diabetes Fundamentação Diabetes Mellitus (DM) é uma doença crónica cada vez mais frequente na nossa sociedade. Em 2014 a prevalência estimada da Diabetes na população portuguesa

Leia mais

Diabetes Continua a aumentar no distrito - Retrato da Diabetes no distrito 19-Nov-2008

Diabetes Continua a aumentar no distrito - Retrato da Diabetes no distrito 19-Nov-2008 Diabetes Continua a aumentar no distrito - Retrato da Diabetes no distrito 19-Nov-2008 16000 - É o número total de diabéticos existentes no distrito de Viseu. 80 - Cerca de 80 por cento da população do

Leia mais

Auditorias à Codificação Clínica

Auditorias à Codificação Clínica Auditorias à Codificação Clínica Metodologia e apresentação de resultados A. S. Barreto, N. Amaro, T. Boto, UOFC J. Marques, Softinsa Objectivos da Auditoria Externa Desde meados dos anos 80, todos os

Leia mais

Que importância para os indicadores de resultado? A campanha da OMS Cirurgia Segura, salva vidas

Que importância para os indicadores de resultado? A campanha da OMS Cirurgia Segura, salva vidas Que importância para os indicadores de resultado? A campanha da OMS Cirurgia Segura, salva vidas Manuel Valente / Enfermeiro Especialista / Nov. 2013 Inquérito A taxa de mortalidade infantil, em Portugal,

Leia mais

O Risco de morrer por doença crónica em Portugal de 1980 a 2012: tendência e padrões de sazonalidade

O Risco de morrer por doença crónica em Portugal de 1980 a 2012: tendência e padrões de sazonalidade O Risco de morrer por doença crónica em Portugal de 198 a 212: tendência e padrões de sazonalidade Baltazar Nunes Departamento de Epidemiologia Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge IV Congresso

Leia mais

Consumo de Antidiabéticos

Consumo de Antidiabéticos Consumo de Antidiabéticos 2000-2013 Uma análise ao consumo e diferenças entre práticas médicas ao nível nacional e internacional Cláudia Furtado (Gabinete de Informação e Planeamento Estratégico) Rosália

Leia mais

Projeto de Resolução n.º 1540/XII/

Projeto de Resolução n.º 1540/XII/ Projeto de Resolução n.º 1540/XII/ Reforça as medidas de prevenção, controlo e tratamento da Diabetes A diabetes constitui um grave problema de saúde pública que afeta mais de um milhão de portugueses,

Leia mais

ACES ALENTEJO CENTRAL UNIDADE DE SAÚDE FAMILIAR PLANÍCIE

ACES ALENTEJO CENTRAL UNIDADE DE SAÚDE FAMILIAR PLANÍCIE ACES ALENTEJO CENTRAL UNIDADE DE SAÚDE FAMILIAR PLANÍCIE Projeto de Melhoria Contínua da Qualidade dos Cuidados de Enfermagem PREVENÇÃO DE ULCERA DO PÉ DIABÉTICO TRABALHO ELABORADO POR: Cidália Guerreiro,

Leia mais

Parecer emitido pelo Alto Comissariado da Saúde (GPEARI do MS) com Análise Crítica da Auto-Avaliação da ARS CENTRO

Parecer emitido pelo Alto Comissariado da Saúde (GPEARI do MS) com Análise Crítica da Auto-Avaliação da ARS CENTRO Parecer emitido pelo Alto Comissariado da Saúde (GPEARI do MS) com Análise Crítica da Auto-Avaliação da ARS CENTRO (Artigo 17.º da Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro) Organismo avaliado: ARS CENTRO 1.

Leia mais

Programa de Rastreio e Tratamento Da Retinopatia Diabética

Programa de Rastreio e Tratamento Da Retinopatia Diabética Programa de Rastreio e Tratamento Da Retinopatia Apresentação dos Resultados do Ano 2008 Faro, 20 de Abril de 2009 Biblioteca Municipal de Faro Diabetes 2025 380 milhões (7,3%) Só considerada a população

Leia mais

IMPLICAÇÕES DA CLASSE DE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E OBESIDADE ABDOMINAL NO RISCO E GRAVIDADE DA HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PORTUGAL

IMPLICAÇÕES DA CLASSE DE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E OBESIDADE ABDOMINAL NO RISCO E GRAVIDADE DA HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PORTUGAL CONGRESSO PORTUGUÊS DE CARDIOLOGIA IMPLICAÇÕES DA CLASSE DE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E OBESIDADE ABDOMINAL NO RISCO E GRAVIDADE DA HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PORTUGAL Susana Martins, Nuno Cortez-Dias, Adriana

Leia mais

Dia Internacional da Higiene das Mãos

Dia Internacional da Higiene das Mãos Dia Internacional da Higiene das Mãos Prevenção e Controlo da Infeção e da Resistência aos Antimicrobianos PPCIRA Dia 5 de Maio de 2016 Auditório Tomé Pires, INFARMED, Lisboa Paulo André Fernandes Ana

Leia mais

MESA REDONDA: INDICADORES

MESA REDONDA: INDICADORES MESA REDONDA: INDICADORES INDICADORES CLÍNICOS Conceição Barata Médica Codificadora Clínica Objectivos A importância do registo no Processo Clínico. Para que serve a Codificação Clínica. Que Indicadores

Leia mais

CENTRO DE SAÚDE DE SERPA DIA NACIONAL DE COMBATE À OBESIDADE 19/5/2007

CENTRO DE SAÚDE DE SERPA DIA NACIONAL DE COMBATE À OBESIDADE 19/5/2007 CENTRO DE SAÚDE DE SERPA DIA NACIONAL DE COMBATE À OBESIDADE 19/5/2007 Maio 2007 1-Problema A Obesidade é um importante problema de Pública e uma doença crónica, com génese multifactorial, que requer esforços

Leia mais

5º COLÓQUIO DE PEDIATRIA do HOSPITAL de FARO. A CNSMCA e os Cuidados de Saúde às Crianças em Portugal. Bilhota Xavier

5º COLÓQUIO DE PEDIATRIA do HOSPITAL de FARO. A CNSMCA e os Cuidados de Saúde às Crianças em Portugal. Bilhota Xavier 5º COLÓQUIO DE PEDIATRIA do HOSPITAL de FARO A CNSMCA e os Cuidados de Saúde às Crianças em Portugal Bilhota Xavier 1 Constituição Pediatras: 8 (3 área neonatal; 1 genética) Obstetras: 4 Cardiologista

Leia mais

Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) Unidade de Missão para os Cuidados Continuados Integrados

Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) Unidade de Missão para os Cuidados Continuados Integrados Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) 909 camas de internamento REDE NACIONAL DE Implementação das Experiências Piloto * Mais de 1.400 utentes tratados em seis meses. 5 equipas de Coordenação

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÓNICA NO INTERNAMENTO HOSPITALAR ENTRE

A EVOLUÇÃO DA DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÓNICA NO INTERNAMENTO HOSPITALAR ENTRE A EVOLUÇÃO DA DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÓNICA NO INTERNAMENTO HOSPITALAR ENTRE 2005-2014 IASIST Portugal, Dezembro de 2015 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 8 OBJETIVOS... 10 METODOLOGIA... 10 RESULTADOS... 13 CONTEXTO...

Leia mais

Sessão pública de apresentação do Relatório de Actividade dos Hospitais SA

Sessão pública de apresentação do Relatório de Actividade dos Hospitais SA Sessão pública de apresentação do Relatório de Actividade dos Hospitais SA Ministério da Saúde Ministro da Saúde Luís Filipe Pereira Apresentação dos Resultados dos Hospitais SA Centro Cultural de Belém,

Leia mais

Avaliação do Risco Cardiovascular

Avaliação do Risco Cardiovascular NUNO CORTEZ-DIAS, SUSANA MARTINS, ADRIANA BELO, MANUELA FIUZA 20 Abril 2009 Objectivos Avaliação do Risco Cardiovascular Padrões de Tratamento Impacto Clínico Síndrome Metabólica HTA Diabetes Mellitus

Leia mais

Clínica Organizacional. Inovação

Clínica Organizacional. Inovação QUALIDADE Clínica Organizacional e Inovação Anabela Coelho Divisãode Gestão da Qualidade Enquadramento O DOENTE PASSOU A TER O DIREITO RECONHECIDO DE Estar informado sobre os fundamentos das decisões que

Leia mais

Direcção de Serviços da Qualidade Clínica Divisão da Segurança Clínica

Direcção de Serviços da Qualidade Clínica Divisão da Segurança Clínica DIRECÇ GRUPO TRABALHO SOBRE PREVENÇÃO E Direcção de Serviços da Qualidade Clínica Divisão da Segurança Clínica Kátia Furtado Envelhecimento: A situação actual Portuguesa representa um grave problema: 26%

Leia mais

Controvérsias e Avanços Tecnológicos sobre Hemoglobina Glicada (A1C)

Controvérsias e Avanços Tecnológicos sobre Hemoglobina Glicada (A1C) Controvérsias e Avanços Tecnológicos sobre Hemoglobina Glicada (A1C) DR. AUGUSTO PIMAZONI NETTO Coordenador do Grupo de Educação e Controle do Diabetes do Hospital do Rim Universidade Federal de São Paulo

Leia mais

Indicadores do Contrato Programa

Indicadores do Contrato Programa Indicadores de Acompanhamento dos s Regionais do Contrato Programa Doente padrão / Médico ETC Eficiência-Produtividade Entidade Gestora Medir a produção por médico ( com horários equiparados) Descrição

Leia mais

Programa de Rastreio e Tratamento da Retinopatia Diabética RELATÓRIO FINAL ANO Departamento de Contratualização da ARS Algarve, I.P.

Programa de Rastreio e Tratamento da Retinopatia Diabética RELATÓRIO FINAL ANO Departamento de Contratualização da ARS Algarve, I.P. Programa de Rastreio e Tratamento da Retinopatia Diabética RELATÓRIO FINAL ANO 2010 Departamento de Contratualização da ARS Algarve, I.P. 3 Índice 1. NOTA INTRODUTÓRIA... 4 2. ENQUADRAMENTO DO PROGRAMA

Leia mais

DIA MUNDIAL DO CANCRO: 4/2/2015 ONCOLOGIA NA RAM - RELATÓRIO INFOGRÁFICO

DIA MUNDIAL DO CANCRO: 4/2/2015 ONCOLOGIA NA RAM - RELATÓRIO INFOGRÁFICO 1. CARACTERIZAÇÃO DA MORTALIDADE 1.1 Principais causas de morte, 2010-2013, RAM 1.2 Taxa de mortalidade padronizada (/100.000 hab), Região (RAM, RAA e Portugal), 2009 a 2012 Fonte: Estatísticas da Saúde,

Leia mais

ATLAS DO PLANO NACIONAL DE SAÚDE

ATLAS DO PLANO NACIONAL DE SAÚDE ATLAS DO PLANO NACIONAL DE SAÚDE 06 Como se Nasce, Vive e Morre 090 06. Como se Nasce, Vive e Morre? Atlas do Plano Nacional de Saúde Como se Nasce, Vive e Morre? Considerações Gerais A Esperança de Vida

Leia mais

COMISSÃO REGIONAL DA SAÚDE DA MULHER DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE UNIDADE COORDENADORA FUNCIONAL Hospital Sousa Martins Guarda, 1 de Julho 2010

COMISSÃO REGIONAL DA SAÚDE DA MULHER DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE UNIDADE COORDENADORA FUNCIONAL Hospital Sousa Martins Guarda, 1 de Julho 2010 COMISSÃO REGIONAL DA SAÚDE DA MULHER DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE UNIDADE COORDENADORA FUNCIONAL Hospital Sousa Martins Guarda, 1 de Julho 2010 Ordem de trabalhos: - Rede de Referência - Composição UCF

Leia mais

DIABETES. Factos e Numeros O ANO DE 2014

DIABETES. Factos e Numeros O ANO DE 2014 DIABETES Factos e Numeros O ANO DE 2014 Relatório Anual do Observatório Nacional da Diabetes Edição de 2015 Ficha Técnica: Diabetes: Factos e Números O Ano de 2014 Relatório Anual do Observatório Nacional

Leia mais

CONSUMO DE DISPOSITIVOS MÉDICOS PARA A DIABETES EM PORTUGAL CONTINENTAL ( )

CONSUMO DE DISPOSITIVOS MÉDICOS PARA A DIABETES EM PORTUGAL CONTINENTAL ( ) CONSUMO DE DISPOSITIVOS MÉDICOS PARA A DIABETES EM PORTUGAL CONTINENTAL (2006-2008) Carolina Monteiro, DAEOM - OMPS (Observatório do Medicamento e Produtos de Saúde) Em colaboração com o Grupo de Trabalho

Leia mais

Plataforma / SIARS / 30 de Maio de 2015 Isabel Barbosa

Plataforma  / SIARS / 30 de Maio de 2015 Isabel Barbosa Plataforma SIM@SNS SIM@SNS / SIARS / MIM@UF 30 de Maio de 2015 Isabel Barbosa 1 Agenda Agenda Enquadramento Caraterização (SIM@SNS / SIARS / MIM@UF) Evolução da plataforma SIM@SNS 2 Enquadramento Plataforma

Leia mais

Reunião Plenária da Comissão Nacional com as CRSMCA. Anfiteatro do Infarmed Lisboa 20 de Novembro de 2013

Reunião Plenária da Comissão Nacional com as CRSMCA. Anfiteatro do Infarmed Lisboa 20 de Novembro de 2013 Reunião Plenária da Comissão Nacional com as CRSMCA Anfiteatro do Infarmed Lisboa 20 de Novembro de 2013 CRSMCA M. Cândida Rebelo Presidente Alda P. Luís Benvinda Bento Representante do CD Helena Cargaleiro

Leia mais

1 Órgãos Sociais Atividade Prevista e Execução Janeiro a Julho de Recursos Humanos... 7

1 Órgãos Sociais Atividade Prevista e Execução Janeiro a Julho de Recursos Humanos... 7 SUMÁRIO 1 Órgãos Sociais... 3 2 Atividade Prevista e Execução Janeiro a Julho de 2015... 4 3 Recursos Humanos... 7 4 Execução Orçamental Custos e Proveitos... 9 5 Notas Finais... 17 2- SERVIÇOS FINANCEIROS

Leia mais

ÍNDICE DE SAÚDE SUSTENTÁVEL ª Conferência Abbvie/TSF/DN 7 de Março de 2017

ÍNDICE DE SAÚDE SUSTENTÁVEL ª Conferência Abbvie/TSF/DN 7 de Março de 2017 ÍNDICE DE SAÚDE SUSTENTÁVEL 2016 6ª Conferência Abbvie/TSF/DN 7 de Março de 2017 1 Índice 1. Enquadramento Projeto Saúde Sustentável - Passado, Presente e Futuro 2. Metodologia e Resultados do Estudo 2016

Leia mais

Programas Nacionais. Doenças Crónicas

Programas Nacionais. Doenças Crónicas Programas Nacionais Relacionados com a Prevenção e Controlo de Doenças Crónicas 3 de Novembro de 2006 Director de Serviços de Prestação de Cuidados de Saúde Programas: Porquê? Magnitude epidemiológica

Leia mais

Conta Satélite da Saúde

Conta Satélite da Saúde 3 de Setembro de 2007 Conta Satélite da Saúde 2000 2005 O RITMO DE CRESCIMENTO REAL DA DESPESA CORRENTE EM SAÚDE ABRANDOU EM 2005 Em 2004 e 2005, o total da despesa corrente em cresceu, em volume, respectivamente,

Leia mais

GRUPO TÉCNICO DE FERIDAS

GRUPO TÉCNICO DE FERIDAS Ministério da Saúde Administração Regional de Saúde do Algarve, IP GRUPO TÉCNICO DE FERIDAS grupotecnicodeferidas@arsalgarve.min-saude.pt Estudos Estudo realizado na Região em 2005 (CC Infecção/Centro

Leia mais

NÚMERO: 008/2011 DATA: 31/01/2011 Diagnóstico Sistemático da Nefropatia Diabética

NÚMERO: 008/2011 DATA: 31/01/2011 Diagnóstico Sistemático da Nefropatia Diabética ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 008/2011 DATA: 31/01/2011 Diagnóstico Sistemático da Nefropatia Diabética Nefropatia; Diabetes Conselhos Directivos das Administrações Regionais de Saúde,

Leia mais

RECURSOS HUMANOS EM MEDICINA GERAL E FAMILIAR:

RECURSOS HUMANOS EM MEDICINA GERAL E FAMILIAR: RECURSOS HUMANOS EM MEDICINA GERAL E FAMILIAR: SITUAÇÃO ACTUAL E PERSPECTIVAS DE FUTURO PAULA SANTANA HELENA PEIXOTO 27º Encontro Nacional de Clínica Geral, Vilamoura, Março de 2010 Objectivos do Estudo

Leia mais

Como realinhar o financiamento para melhorar a resposta aos doentes crónicos?

Como realinhar o financiamento para melhorar a resposta aos doentes crónicos? Como realinhar o financiamento para melhorar a resposta aos doentes crónicos? Financiamento & Contratualização Perspectiva do Financiador/ Comprador Capacidade para pagar Qualidade/ Acesso aos Cuidados

Leia mais

Melhoria Contínua da Qualidade no ACES Lisboa Norte

Melhoria Contínua da Qualidade no ACES Lisboa Norte Melhoria Contínua da Qualidade no ACES Lisboa Norte Dos registos clínicos: médicos e de enfermagem Qualidade e segurança do doente Lucília Martinho médica, presidente da CQSD Maria Teresa Antunes enfermeira

Leia mais

Ganhos em Saúde na Região do Algarve

Ganhos em Saúde na Região do Algarve Ganhos em Saúde na Região do Algarve Factos Governo de 15 Janeiro 1971 Ministro Dr. Baltazar Rebello de Souza Secretário de Estado Professor Gonçalves Ferreira Traziam no seu programa o projecto da reorganização

Leia mais

Resumo da monitorização mensal da atividade assistencial no SNS

Resumo da monitorização mensal da atividade assistencial no SNS WWW.ACSS.MIN-SAUDE.PT 25 November 2015 Resumo da monitorização mensal da atividade assistencial no SNS setembro 2015 MONITORIZAÇÃO DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE http://benchmarking.acss.min-saude.pt/benchmarking.aspx

Leia mais

A Saúde dos Portugueses. Perspetiva DE JULHO DE 2015

A Saúde dos Portugueses. Perspetiva DE JULHO DE 2015 A Saúde dos Portugueses. Perspetiva 2015 7 DE JULHO DE 2015 ÍNDICE DE VIDA MELHOR (Better Life Index) OCDE 1º SATISFAÇÃO PESSOAL 2º SAÚDE 3º SEGURANÇA PESSOAL 2 QUANTOS SOMOS: 10,3 MILHÕES Índice sintético

Leia mais

Morbilidade Hospitalar Serviço Nacional de Saúde

Morbilidade Hospitalar Serviço Nacional de Saúde MORBILIDADE HOSPITALAR SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE 2004 2005 DIRECÇÃO-GERAL DA SAÚDE LISBOA Morbilidade Hospitalar Serviço Nacional de Saúde 2004 2005 Direcção-Geral da Saúde Lisboa Maio 2007 Portugal.

Leia mais

Intervenção dos Centros de Aconselhamento e Deteção Precoce do VIH, Cuidados de Saúde Primários e Urgências na implementação do diagnóstico,

Intervenção dos Centros de Aconselhamento e Deteção Precoce do VIH, Cuidados de Saúde Primários e Urgências na implementação do diagnóstico, do VIH, Cuidados de Saúde Primários e Urgências na implementação do diagnóstico, estratégia e implementação dos testes do VIH, Cuidados de Saúde Primários e Urgências na implementação do diagnóstico, estratégia

Leia mais

Resumo da monitorização mensal da atividade assistencial no SNS julho

Resumo da monitorização mensal da atividade assistencial no SNS julho Resumo da monitorização mensal da atividade assistencial no SNS julho 2015 www.acss.min-saude.pt Monitorização do Serviço Nacional de Saúde http://benchmarking.acss.min-saude.pt/benchmarking.aspx 2 Monitorização

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 201/XIII/1.ª. (Recomenda o reforço das medidas de combate à Diabetes)

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 201/XIII/1.ª. (Recomenda o reforço das medidas de combate à Diabetes) PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 201/XIII/1.ª (Recomenda o reforço das medidas de combate à Diabetes) 1- Dia Mundial da Saúde dedicado à Diabetes A Organização Mundial de Saúde (OMS) decidiu que o Dia Mundial

Leia mais

envelhecimento demográfico

envelhecimento demográfico Em, Portugal manteve a tendência de envelhecimento demográfico A evolução demográfica em caracteriza-se por um ligeiro crescimento da população residente em Portugal (10 463), para o qual foi essencial

Leia mais

Caracterização do ACES LISBOA NORTE

Caracterização do ACES LISBOA NORTE Caracterização do ACES LISBOA NORTE 2013 ACES Lisboa Norte Quem somos e onde estamos Missão Prestar Cuidados de Saúde Primários de qualidade, com eficiência e eficácia, à população da sua área geográfica

Leia mais

CARTA DE COMPROMISSO

CARTA DE COMPROMISSO A Administração Regional de Saúde (ARS) do Centro, representada pelo seu Presidente, Dr. João Pedro Pimentel e a Unidade de Saúde Familiar (USF) Douro Vita, representada pelo seu Coordenador, Dr. Marques

Leia mais

CARTA DE COMPROMISSO

CARTA DE COMPROMISSO A Administração Regional de Saúde (ARS), representada pelo seu Presidente, Dr. e a Unidade de Saúde Familiar (USF), representada pelo seu Coordenador, Dr., constituída com base na homologação pelo Conselho

Leia mais

EVOLUÇÃO DO CONSUMO DE ANTIBIÓTICOS EM AMBULATÓRIO NO ALGARVE

EVOLUÇÃO DO CONSUMO DE ANTIBIÓTICOS EM AMBULATÓRIO NO ALGARVE EVOLUÇÃO DO CONSUMO DE ANTIBIÓTICOS EM AMBULATÓRIO NO ALGARVE FCT - SFRH/BD/60249/2009 Isabel Ramalhinho, PhD Profª Auxiliar da FCT-UALG Seminário: Infeções associadas aos Cuidados de Saúde Escola Superior

Leia mais

XXIII Jornadas ROR-SUL. 15, 16 e 17 Fevereiro 2016 Lisboa

XXIII Jornadas ROR-SUL. 15, 16 e 17 Fevereiro 2016 Lisboa XXIII Jornadas ROR-SUL 15, 16 e 17 Fevereiro 2016 Lisboa SUDCAN Sobrevivência de Cancro em Países Europeus de Língua Latina Luísa Glória SUDCAN Sobrevivência indicador global de avaliação de qualidade

Leia mais

Relevância Clínica da Síndrome Metabólica nos Indivíduos Não Obesos

Relevância Clínica da Síndrome Metabólica nos Indivíduos Não Obesos CONGRESSO PORTUGUÊS DE CARDIOLOGIA Relevância Clínica da Síndrome Metabólica nos Indivíduos Não Obesos Susana Martins, Nuno Cortez-Dias, Adriana Belo*, Manuela Fiuza Serviço de Cardiologia - Hospital de

Leia mais

6.3. INFECÇÃO PELO VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA Introdução

6.3. INFECÇÃO PELO VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA Introdução 6.3. INFECÇÃO PELO VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA 6.3.1. Introdução O diagnóstico da situação relativo à infecção pelo Vírus da Imunodeficiência Humana (VIH) na região Norte (RN) foi elaborado com base

Leia mais

Avaliação económica em transplantação renal

Avaliação económica em transplantação renal Avaliação económica em transplantação renal XI Conferência Nacional de Economia da Saúde Porto, 8-10 de Outubro de 2009 Universidade Católica Portuguesa M. O. Domingos 1,3, M. Gouveia 2, J. Pereira 3 e

Leia mais

Alto Comissariado da Saúde

Alto Comissariado da Saúde Alto Comissariado da Saúde QUAR 2010 Projecto de Parecer emitido pelo Alto Comissariado da Saúde (GPEARI do Ministério da Saúde) com Análise Crítica da Auto-Avaliação da Direcção-Geral da Saúde Setembro

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL. para as Doenças Respiratórias RELATÓRIO DE ATIVIDADES

PROGRAMA NACIONAL. para as Doenças Respiratórias RELATÓRIO DE ATIVIDADES PROGRAMA NACIONAL para as Doenças Respiratórias RELATÓRIO DE ATIVIDADES RELATÓRIO DE ATIVIDADES Diretora do PNDR Profª Doutora Cristina Bárbara 21 de março de 2014 2 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES DO PROGRAMA

Leia mais

Comissões da Qualidade e Segurança 6ª Reunião novembro/dezembro de 2015

Comissões da Qualidade e Segurança 6ª Reunião novembro/dezembro de 2015 Comissões da Qualidade e Segurança 6ª Reunião novembro/dezembro de 2015 Alexandre Diniz Anabela Coelho Maria João Gaspar AGENDA 1. Enquadramento 2. Ponto de situação sobre a implementação dos projectos

Leia mais

I Seminário Nacional Financiamento Hospitalar. Os equívocos do modelo de financiamento

I Seminário Nacional Financiamento Hospitalar. Os equívocos do modelo de financiamento I Seminário Nacional Financiamento Hospitalar Complexidade e Severidade: Os equívocos do modelo de financiamento Carlos Costa Rui Santana - Lisboa, 17 de Fevereiro de 2006 - Agenda 1.Introdução 2.Objectivos

Leia mais

Introdução. Introdução

Introdução. Introdução Introdução Os estudos realizados sobre os acidentes vasculares cerebrais (AVC) são cada vez mais importantes, por ser uma patologia que constitui um sério problema de saúde pública, com grande incidência,

Leia mais

SÍNDROME HIPEROSMOLAR HIPERGLICÉMICA E CETOACIDOSE DIABÉTICA "

SÍNDROME HIPEROSMOLAR HIPERGLICÉMICA E CETOACIDOSE DIABÉTICA SÍNDROME HIPEROSMOLAR HIPERGLICÉMICA E CETOACIDOSE DIABÉTICA " Estudo retrospetivo de 5 anos num Hospital Universitário Claudia Matta Coelho 1, Catarina Nunes 2, Vera Fernandes 1, Maria Luisa Pinto 2,

Leia mais

Aumento dos suicídios em 2014

Aumento dos suicídios em 2014 Causas de Morte 2014 23 de maio de 2016 Aumento dos suicídios em 2014 As doenças do aparelho circulatório estiveram na origem de 30,7% dos óbitos registados em 2014, mais 2,4% do que no ano anterior. Devido

Leia mais

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa Workshop O Sistema Nacional de Investigação e Inovação - Desafios, forças e fraquezas rumo a 2020 Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa Eduardo Brito Henriques, PhD Presidente

Leia mais

Desafio Gulbenkian Não à Diabetes! Enquadramento

Desafio Gulbenkian Não à Diabetes! Enquadramento Breve Apresentação Enquadramento O programa Não à Diabetes promovido pela Fundação Gulbenkian visa responder ao desafio que a Diabetes representa em Portugal e pretende suster o crescimento da incidência

Leia mais

Responsável. USF Monte Caparica Américo Varela. Data Início Actividade CS Costa de Caparica Luís Marquês. ACES Almada

Responsável. USF Monte Caparica Américo Varela. Data Início Actividade CS Costa de Caparica Luís Marquês. ACES Almada Responsável Monte Caparica Américo Varela Data Início Actividade 01-05-2008 CS Costa de Caparica Luís Marquês ACES Almada Data Início Modelo B 01-05-2008 ARS Lisboa e Vale do Tejo Rui Portugal Utentes

Leia mais

nidade Local de Saúde de Matosinhos, E.P.E.

nidade Local de Saúde de Matosinhos, E.P.E. nidade Local de Saúde de Matosinhos, E.P.E. 4º CONGRESSO INTERNACIONAL DOS HOSPITAIS: Da Integração dos Cuidados à Intervenção Comunitária O Papel do Hospital na Comunidade Agenda 1 Enquadramento Hospital

Leia mais

XXXV Congresso Português de Cardiologia Abril ú ç

XXXV Congresso Português de Cardiologia Abril ú ç XXXV Congresso Português de Cardiologia Abril 2014 é í é A Diabetes em Portugal Prevalência elevada - 39,2% (20-79 anos) Diabetes ou Pré-Diabetes Aumento de 80% na incidência na última década Uma das principais

Leia mais

A crise e a saúde em Portugal

A crise e a saúde em Portugal A crise e a saúde em Portugal Jorge Simões Lisboa, 29 de Novembro de 2013 1 Agenda 1. Contexto político, demográfico e económico 2. Política de saúde recente 3. Desempenho do sistema 2 Agenda 1. Contexto

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL para as Doenças Respiratórias

PROGRAMA NACIONAL para as Doenças Respiratórias PROGRAMA NACIONAL para as Doenças Respiratórias ANÁLISE DOS ACES COM OFERTA DE ESPIROMETRIA REALIZADA NOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS EM INTEGRAÇÃO COM A PNEUMOLOGIA HOSPITALAR EM 2016 PROGRAMA NACIONAL

Leia mais

Perfil de Saúde e Plano Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo Um ponto de situação. Reunião de Delegados de Saúde Caldas da Rainha

Perfil de Saúde e Plano Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo Um ponto de situação. Reunião de Delegados de Saúde Caldas da Rainha Perfil de Saúde e Plano Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo Reunião de Delegados de Saúde Caldas da Rainha 25.02.2010 Plano da sessão Objectivo: Efectuar um ponto de situação relativamente àelaboração

Leia mais

Relatório Final. Os cidadãos no centro do sistema Os profissionais no centro da mudança

Relatório Final. Os cidadãos no centro do sistema Os profissionais no centro da mudança Relatório Final Os cidadãos no centro do sistema Os profissionais no centro da mudança 21-Nov-2011 1 Abordagem Conceptual para a Reforma Hospitalar 1 Diagnóstico 2 Transformação 3 Implementação 2 M Eur

Leia mais

V JORNADAS DA ANCI. Custos versus Benefícios em Controlo de Infeção. Nuno Morujão

V JORNADAS DA ANCI. Custos versus Benefícios em Controlo de Infeção. Nuno Morujão V JORNADAS DA ANCI Custos versus Benefícios em O que é a Qualidade em Saúde? Atributos dos cuidados que permitem definir qualidade em saúde Perspectiva dos Doentes Perspectiva dos Gestores Perspectiva

Leia mais

CARTA DE COMPROMISSO

CARTA DE COMPROMISSO A Administração Regional de Saúde (ARS) do Centro, representada pelo seu Presidente, Dr. João Pedro Pimentel e a Unidade de Saúde Familiar (USF) São Julião, representada pelo seu Coordenador, Dr. José

Leia mais

Identificação da empresa. Missão. Objetivos. Políticas da Empresa. Hospital da Senhora da Oliveira - Guimarães, E.P.E.

Identificação da empresa. Missão. Objetivos. Políticas da Empresa. Hospital da Senhora da Oliveira - Guimarães, E.P.E. Identificação da empresa Hospital da Senhora da Oliveira - Guimarães, E.P.E. Missão O Hospital da Senhora da Oliveira tem como missão prestar os melhores cuidados de saúde, com elevados níveis de competência,

Leia mais

Codificação Clínica e Desempenho Hospitalar

Codificação Clínica e Desempenho Hospitalar Codificação Clínica e Desempenho Hospitalar Chefe de Serviço de Medicina Interna Directora da Área de Medicina do CHLC Mestre de Gestão em Saúde pela FML Auditora da Codificação do CHLC Formadora em Codificação

Leia mais

INFEÇÕES RESPIRATÓRIAS Plano de Prevenção e Resposta para o Outono/Inverno GRAÇA FREITAS

INFEÇÕES RESPIRATÓRIAS Plano de Prevenção e Resposta para o Outono/Inverno GRAÇA FREITAS INFEÇÕES RESPIRATÓRIAS Plano de Prevenção e Resposta para o Outono/Inverno GRAÇA FREITAS Direção-Geral da Saúde 17/12/2014 1 INFEÇÕES RESPIRATÓRIAS Plano de Prevenção e Resposta para o Outono/Inverno Plano:

Leia mais

REORDENAMENTO HOSPITALAR DA ÁREA METROPOLITANA DO PORTO RELATÓRIO. ESTUDO 3 Análise actual e prospectiva dos Recursos Humanos Médicos Hospitalares

REORDENAMENTO HOSPITALAR DA ÁREA METROPOLITANA DO PORTO RELATÓRIO. ESTUDO 3 Análise actual e prospectiva dos Recursos Humanos Médicos Hospitalares REORDENAMENTO HOSPITALAR DA ÁREA METROPOLITANA DO PORTO RELATÓRIO ESTUDO 3 Análise actual e prospectiva dos Recursos Humanos Médicos Hospitalares ÍNDICE Índice de Figuras...3 1. Introdução...9 1.1 Contextualização...

Leia mais

Vigilância Epidemiológica nas Unidades de Cuidados Intensivos Neonatais

Vigilância Epidemiológica nas Unidades de Cuidados Intensivos Neonatais Vigilância Epidemiológica nas Unidades de Cuidados Intensivos Neonatais Maria Teresa Neto Hospital Dona Estefânia Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE Coordenadora do Programa de Vigilância Epidemiológica

Leia mais

Morre-se mais de doenças do aparelho circulatório, mas os tumores malignos matam mais cedo

Morre-se mais de doenças do aparelho circulatório, mas os tumores malignos matam mais cedo Causas de Morte 23 de maio de 2017 Morre-se mais de doenças do aparelho circulatório, mas os tumores malignos matam mais cedo As doenças do aparelho circulatório continuaram a ser a principal causa de

Leia mais

NOVASInterações com os Serviços de Saúde 26 de junho de 2015

NOVASInterações com os Serviços de Saúde 26 de junho de 2015 Seminário NOVASInterações com os Serviços de Saúde 26 de junho de 2015..Resultados em Saúde.. O Programa do XVII Governo reconheceu os Cuidados de Saúde Primários como o pilar central do sistema de saúde.

Leia mais

XXIII Jornadas ROR-SUL. 15, 16 e 17 Fevereiro 2016 Lisboa

XXIII Jornadas ROR-SUL. 15, 16 e 17 Fevereiro 2016 Lisboa XXIII Jornadas ROR-SUL 15, 16 e 17 Fevereiro 2016 Lisboa Estudo de Alta Resolução Tumores Malignos do Pulmão Maria Teresa Almodovar Objetivos 1. Detectar as diferenças na sobrevivência do cancro do pulmão

Leia mais

Mortalidade e Morbilidade das I.A.C.S. em Portugal

Mortalidade e Morbilidade das I.A.C.S. em Portugal Mortalidade e Morbilidade das I.A.C.S. em Portugal Introdução Em 1930 a D.G.S. aborda o problema Em 1974 vai a enf.franco Henriques ao grupo de trabalho do Conselho da Europa Em 1978 criada a 1ª CCI,no

Leia mais

Qualidade e Gestão da Doença Crónica

Qualidade e Gestão da Doença Crónica Qualidade e Gestão da Doença Crónica Alexandre Lourenço Director Coordenador de Financiamento e Contratualização www.acss.min saude.pt Perspectiva do Comprador Capacidade para pagar Qualidade de Cuidados

Leia mais

Ministério da Saúde. Ondas de Calor. Plano de Contingência DGS - Plano Contingência Calor 1

Ministério da Saúde. Ondas de Calor. Plano de Contingência DGS - Plano Contingência Calor 1 Ministério da Saúde Ondas de Calor Plano de Contingência 2004 4.5.2004 DGS - Plano Contingência Calor 1 Portugal Características das ondas de calor Ano Data Nº dias > 32ºC Temperatura máxima Local 1981

Leia mais

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 Ministério da Saúde

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 Ministério da Saúde MISSÃO DO ORGANISMO: regulamentar, orientar e coordenar as atividades de promoção da saúde e prevenção da doença, definir as condições técnicas para adequada prestação de cuidados de saúde, planear e programar

Leia mais