o presente decreto entrara em vigor cento e oitenta dias apos a sua publicacao.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "o presente decreto entrara em vigor cento e oitenta dias apos a sua publicacao."

Transcrição

1 28 DE MAlO DE 1996 Decreto n," 17/96 de 28 de Maio o transite de v e I cui 0 s dos paises vizinhos para Mocambique e vice-versa com a melhoria das vias de acesso e com 0 aumento das trocas comerciais, tem crescido dia apos dia. Porque algumas regras de transite ao nivel da regiao sao diferentes, no espirito da harmonizacao da regulamen, tacao e sinalizacao rodoviaria nos paises da SADC, de que Mocambique e membra, torna-se necessario introduzir algumas alteracoes as disposicoes do C6digo de Estrada. Assirn, ao abrigo do d sposto na alfnea b) do n," 1 do artigo 153 da Constituicao da Republica, 0 Conselho de Ministros decreta: ARTIGO 1 Os artigos 5., 8. e 11. do Codigo de Estrada, passam a tel' a seguinte redacc;:ao: «ARTIGO 5 0 Regras gerais Exceptuando-se: a). b). c) Os casos em que os condutores dos veiculos ou anima's pretendam mudar de direccao para a direita nos cruzamentos ou entrocamentos ARTIGO 8." Prioridade de passagem a) Os condutores que se apresentam pela di, reita nas pracas, cruzamentos e entron, camentos, devendo, porem, respeitar as prioridades previstas nas alfneas seguintes: b) c) d).. 0) b) ARTIGO 11 0 ~ de direcyao Os conduto-es de veiculos ou animais que prete n dem mudar de direccao para a dire.ta, devem apro, xitnar-sc com a devida antecedencia do eixo da via 166-(33) e efectuar a manobra de modo a dar esqucrda it parte central do cruzamento ou entroncamento. Em caso algum deverao, porem, inicia-la scm previamente se asscgurarem de que da sua real zacao nao rcsulta perigo ou embaraco para 0 rcstante trafcgo,...» ARTIGO 2 o presente decreto entrara em vigor cento e oitenta dias apos a sua publicacao. Aprovado pelo Conselho de Ministros. Publique-se. o Primeiro-Ministro, Pascoal Manuel Mocumbi. Resolu~ao n.o 11/96 de 28 de Maio Tornando-se necessario enquadrar a actividade pesqueira nos grandes objectivos de desenvolvimento economico do pais, estabelecidos no Programa do Govemo, ao abrigo da alfnea e) do n." 1 do artigo 153 da Constituicao da Republica, 0 Conselho de Ministros determina: Unico: Sao aprovadas a Politica Pesqueira e as respectivas Estrategias de Implementacao, em anexo, que fazem parte integrante da presente Resolucao. Aprovada peio ConseIho de Ministros. Publique-se. o Primeiro.Ministro, Pascoal Manuel Mocumbi Politica Pesqaeira e Estrategias de Implement~io I - Oportunidades e Iimitantes Para efeitos de concepcao da politic a pesqueira os factores que determinam 0 desenvolvimento da pesea sao identificados e agrupados em vantagens e oportunidades e desvantagens e limitantes. 1. Vantagens e oportunidades: (i) A existencia dum Plano Director das Pescas: (ii) A prevalencia da paz que abre perspectivas para o desenvolvimento da pesca e para a comercializacao dos produtos pesqueiros (iii) A existencia de recursos pesqueirog inexplorados ou com baixo grau de exploracao: (iv) A existencia de areas com potencial para 0 desenvolvimento da aquacultura;, (v) A existencia de urn ambiente incentivador e favoravel ao investimento: (vi) A existencia de instituicoes do sector publico dedicadas a gestao e investigacao, a cxtensao e a formacao, 2. Desvantagens e limitantes: No sector produtivo (i) 0 fraco conhecimento das diferentes realidades socio-economicas das comunidades de pescadores artesanais;

2 166-(34),-----,---'~.~ SERIr -- NOMERO ~-~---_._ (ii) 0 afluxo da populacao deslocada para a costa criando situacoes pontuais de sobrepesca: (iii) 0 baixo conhecimento dos recursos pcsquciros accssfveis apcsca artesanal e scrni.industrial (i v) A cxcessiva concentracao de frota industrial, na pesca de camarao, no Banco de Sofala: (v) A baixa produtividade das embarcacoes de pesca, artes e tecnologias na pesca artcsana1; (vi) A carcncia de infra-estrutura, basicas c de services de apoio 8 pcsca art- sanal: (vii) A degradacao das principals infru-cstruturas portuarias: (viii) 0 nivel elevado de perdas poscaptura na pesca artesanal e semi-industrial; (ix) A carencia de infra-estruturas portuarias e de processamento de pescado para a freta semi -industrial: (x ) As fracas condicoes de manusearnento e processamento a bordo da Irota de pcsca semi. -industrial: (xi) 0 mau estado tecnico e a fraca capacidade de rnanutencao e reparacao da frota semi-in. dustrial e industrial: (xii) A baixa valorizacao dos produtos pesqueiros, de alto valor cornercial, provenicntcs da captura artcsanal; (xiii) 0 dificil acesso ao credito formal com evidencia para a pesca artesanal: (x iv) A fraca rede corncrcial e a situacao precaria cia rede rodoviaria: (xv) 0 agravamento dos terrnos de troca originado pelo aumento do, precos des materiais de pesca e dos insurnos, particularrnente na pesca artesanal: (xvi) A baixa capacidade de gt stao empresarial: (xvii) 0 desajustarnento da po1ftica fiscal; (xviii) A descapitalizacao das pequenas c medias empresas: (xix) A fraca qualifical(ao de pesoal nacicnal e a clevada dependencia da assistencia tccnica estrang~ira na pesca industrial: (xx) A inexistencia de uma politica incentivadora a cliversifica~iio da proclu<;ao industrial Na gestrio dos recursos e cias pescarias (i) 0 clesajustamento das prioridadcs de investigayao de rccursos pesqueiros re1ativamente as necessidades do sector produtivo; (ii) A limitada capacidade de investiga<;:ao originada par insuficiencia de meios tecnicos, humanos e financeiros; (iii) A insuficiente alocac;ao de fundos peio Orc;amento Geral do Estado que origina uma grande dependencia de fundos doados; (iv) A fragil capacidade de fiscaliza<;ao da pesca devido a carencia de meios tccnicos. humanos e financeiros; (v) A fnigil monitoria cia pesca devido 3 insuficiente informac;ao estatistica de capturas e esfor<;o de pesca; (vi) 0 desajustamento da regulamentac;ao pcsqueira da actividade da pesca; (vii) A inexistencia duma polftica incentivadora ao desenvolvimento da nquacultura Na administracao publica das pescas (i) 0 Iraco desernpsnho das instituicces do Est,H]O do sector das pesca, do actual contexte de economia de mercado: (ii) A Iraca prcsenca institucional ao nfvcl provin. cial ; (iii) 0 insuficiente numero de pessoal qualificado, na Iuncao publica; (iv) A Iraca gestae no dominio da execucao orcamental: (v ) A insuiicicnci., de mcios Iinancciros para a exc. cucao das Juncoes da adrninistracao publica das pcscas: (vi) A fraca gestae do projecto de coopcracao internacional: (vii) A fr<igil capacidade cl: iniervencao dos Qr:.~2os de adirnnistracao para a aplicacao da politico de dcscnvolvirncnro sectorial..\ s vantugens e oportunidades c as [raquczus e limitantes l:~tcrl'li",::'1 ClS Iinhas gcra is da politica pcsq uci r.r, hem como as cstratcgias gerais e cspecfficas para a sua il)] plemcntacao. II - Politica pesqueira J. A poluica pesqucira prctcndc cnquadrar a activi dade pesqucira nos grandes objectives de c'csenvolvuncnto cconornico do pais estabelecidos no Programa do GOVtTIlO, 1 vrsanco: Q} A seguranca alirncnrar: () crescimcnto cconornico sustentavcl: A rcducao da taxa de dcsemprcgo: A diminuicao des nivcis de pobrezu; 4. A politica pesquciru assenta nos seguintcs objectivos scctoriais: Mclltoria do abustecimcnto interne de pescado para cobrir Ulna parte do de/icc alimentar do pais. atravcs do aurncnto dos volumes de pescado desembarcados c da relhl(,:50 das pcrdas de pescado ap6s capturd; AUl1lcl1to cia:; receitas liljuidas em IIweda CUlWCI:: tlvel geradas pelo sector. atravr,;s do al1mem. dos volumes de produyac de pescado pal'a cx~ 1'o1'ta(;ao. do aumento do valor acrescentado aos produtos da pesca para exporta\;ao atraves do processamento em terra c da maximizayao da rcntabilidade da fl"plo;'aejlo do principal pro_ duto de exportac;ao -- U Cdnlar[u) _.- en-! resul (ado ela transformayuo Ja estrutura actual da f!'cta: \fe/haria cia,., cu!)(li~'oes de vida dos comunidades pesqueiras, atraves do al1mento elos nivcis de emprego em actividadcs de pcc:ca c complcmentares da pesca e do aumento dos niveis de rendimento dos pescadores artesanais. 5. Para alcanyar estes objeetivos a pojitica pcsqueira ob,,,,rva os seguintes principios:.. A propriedade dos reeursos pesqueiros c do Estado cabendo-lhe a responsabilidade de assegurar que as actividades de pesca nao ameal(am a sustcntabijidade dos recursos c que os beneffcios que rcsultam destas actividades para 0 pais sejam maximizados;

3 ;8 DE MAIO DE 1996 A propriedade dos portos de pesca de Maputo, Beira, Ouelirnane e Angoche, das docas adjacentes a estes bern como outras infra-estruturas associadas e do Estado que e responsavel pelo respectivo desenvolvimento no tempo e no espaco em conformidade com as necessidades do sector produtivo e em moldes que assegurem a sustentabilidade dos investimentos a longo praza; A melhoria da capacidade de prestacao de services no ambito de construcao, manutencao e repa, racao navais; A melhoria da capacidade produtiva e de comercializacao dos produtos pesqueiros; a estabelecimento das infra estruturas necessarias ao desenvolvimento das actividades de pesca, a desenvolvimento do empresariado privado nacional; a desenvolvimento institucional e dos recursos humanos. 6. Tendo em conta os objecnvos definidos e os prin, cfpios enunciados, a politica pesqueira resume-se no seguinte: Desenvolver a actividade pesqueira com vista a contribuir para alcancar a seguranca alimentar, para a melhoria da dieta alimentar da populacao e para a exportacao, tendo como base a utilizacao sustentavel dos recursos. 7 a papel a desempenhar pelo Estado, na implementacao da politica pesqueira, sera 0 seguinte: Fazer a gestao dos recursos pesqueiros e 0 orde, namento das actividades de pesca; Regulamentai e controlar as actividades produtivas; Criar urn ambiente favoravel para encorajar miciativas privadas e estabelecer mecanismos, estfmulos e incentivos para 0 desenvolvimento das actividades produtivas; Prestar services essenciais de natureza publica ine. rentes ao licenciamento, fiscalizacao e controlo das actividades de pesca; Gerar receitas atraves da cobranca de taxas especificas pela concessao de licencas para 0 exercicio da pesca e de actividades complementares. ~" 8. a papel a desempenhar pelo sector privado, na implementacao da politica pesqueira, sera 0 seguinte: Contribuir para a melhoria da economia nacional em geral e para a melhoria das condicoes de vida dos pescadores e dos trabalhadores do sector em particular; Empreender actividades de captura, de processamento, de comercializacao e outras em conformidade com a Iegislacao e regulamentacao em vigor para 0 efeito; Participar, organizado em associacoes de interesses, na definicao das actividades prioritarias a empreender pelo Estado com vista a serem al, cancados os objectivos de desenvolvimento definidos para 0 sector; Participar, em colaboracao com 0 Estado, na fiscalizacao das actividad, s de pesca. III - Estrategi2& de implementa«;ao 166-(35) As estrategias de desenvolvimento sao dirigidas a alcancar as objectivos sectoriais nos seguintes dominios: 9. Pesca artesanal: 9.1. as objectivos de desenvolvimento para a pesca artesanal sao melhorar 0 abastecimento do mercado interno em pescado e melhorar as condicoes de vida das comunidades pesqueiras atraves do aumento, numa base sustentdvel, da exploraciio dos recursos pesqueiros acessiveis a pesca artesanal As principais estrategias a adoptar, no ambito da politica pesqueira, para se atingirem estes objectives sao: a) Realizacao de accoes no dominio da gestae dos recursos pesquciros e das pescarias artesanais de forma a assegurar que: - A medida que aumenta a producao, os niveis de captura e de esforco de pesca nao excedem os limite s de sustentabilidade do, recursos, - Se introduzam, com 0 envolvimento das comunidades pesqueiras, sistemas de gestae das pescarias artesanais em areas onde se verifiquem niveis de pesca excessivos; - Sejam delimitadas zonas interditas a pesca industrial e semi-industrial de forma a evitar conflitos entre Og ope. radores dos diferentes subsectores. b) Aumento dos volumes de captura em zonas seleccionadas atraves de accces ou projectos destinados a: - Adequar Os barcos, artes e tecnicas de pesca aos recursos acessiveis; - Reforcar a capacidade de construcao naval artesanal; - Incentivar novos investimentos em meios de pesca; - Valorizar especies au produtos que tenham maior valor comercial ou sejam susceptiveis de exportacao com vista a contribuir para aumentar 0 rendimento dos pescadores artesanais. c) Reducao das perdas de pescado pos-captura atrayes de accoes de extensao dirigidas a: - Melhorar os metodos tradicionais de manuseamento e processamento de pescado; - Promover a utilizacao de gelo e de armazenagem refrigerada para os produtos comercializados frescos; - Promover a comercializacao dos produtos pesqueiros. d) Realizacao de accoes de extensao pesqueira nos dominios da tecnologia da pesca, do manuseamento e processamento de pescado seco e da construcao naval artesanal com vista a aumentar a capacidade profissional dos produtores artesanais; e) Rcalizacao, no ambito de programas sectorais, de investimentos em infra-estruturas especializadas em locais mais importantes de desembarque d.a pesca artesanal.

4 166-(36) 10. Pesca semi-industrial: A pesca semi-industrial reveste-se de particular importancia para 0 sector das pescas porque pode simul taneamente contribuir para aumentar quer as receitas em moeda convertivel quer as quantidades de pescado para 0 consumo interno Neste contexto, a pesca semi-industrial devera contribuir significativamente para aumentar a produciio para exportaciio e para consumo interno e para a melhoria das condicoes de vida nas comunidades pesqueiras. Esta contribuicao depende da utilizaciio dos recursos numa base sustentdvel e da melhoria da rentabilidade da irota semi -industrial Com vista a atingir estes objectivos, no ambito da politica pesqueira, a estrategia a adoptar sera a seguinte: a) Prornocao da pesca semi-industrial de: - Arrasto para a captura de pequenos peixes pelagicos tais como a carapau, a cavala e a sardinha; - Cerco com embarcacoes de media porte para a pesea de pequenos peixe, pelagicos em associacao com a pesea de atum; - Cereo ou com artes de anzol para a captura de atum com embarcacoes de medic porte associada au nfio a pesea de peixes demersais com artes de anzol au a pesca de pequenos pelagicos com artes de cereo; - Tubarao com artes de anzol associada au niio a pesea de peixes demersais; - Peixes demersais exclusivamente com artes de anzol; - Camarao do banco de Sofala na medida do crescimento da sua eapacidade produtiva e a medida em que a capaeidade de pesca da frota industrial for diminuindo; - Camarao fora do banco de Sofala. v) Renovacao da frota semi-industrial atraves de medidas tendentes a erial' um ambiente Iavoravel a novas investimentos e a melhorar as niveis de rentabilidade das operacoe, de pesca; c) Estabelecimento de portos de pesea e de infra-estruturas associadas ao longo da costa em loeais seleccionados; d) Atribuicao de prioridade a freta semi-industrial relativamente a disponibilizacao de quotas de pesca: e) Estabelecimento de incentivos destinados a encorajar 0 sector privado a investir na pesca semi -industrial; f) Estabelecimento de uma linha de credito em condicoes favoraveis para financial' urn mimero inicial de embarcacces semi-industriais para 0 sector privado; g) Melhoria da qualidade dos produtos pesqueiros atraves do fortalecimento dos servicos piiblicos de inspeccao da qualidade do pescado, do treino de pessoal de supervisao ern gestae e em teenicas de manuseamento e de processamento de pescado e da criacao de instalacoes de pro. cessamento. 11. Pesea industrial I SERlE - NUMERO No contexto dos objectives sectoriais a pesca industrial devera contribuir signilicativamente para a melhoria da balance de pagamentos atraves do aumento das receitas liquidas em divisas. Este objectivo de desenvolvi. mento sera alcancado atraves da melhoria da rentabilidade da utilizacao dog recursos pesqueiros numa base sustentavel Para a materiulizacao dos objectivos da pesca industrial, no ambito da politica pesqueira, a estrategia a adoptar incidira sobre: a) Na pesearia de camarao no banco de Sofala: - Reducao gradual do mimero actual de embarcacoes de pesca industrial e modernizacao das remanescentes a fim de maximizar 0 rendimento economico desta pescaria; - Maior aproveitamento do peixe que constitui fauna aeompanhante da pesca de camarao; - Proibicao da pesca por embarcacces de pesca estrangcira; - Reducao da prioridade na concessao d ~ quotas de pesca de camarao na me: dida do crescimento da pesca semi. -industrial. b) Na pescaria de gamba e de crustaceos acornpanhantes: - Experimentacao de diferentes tipos de barcos para a pesca de gamba com vista a determinar-se 0 tipo de em. barcacao mais rentavel para esta pesearia; - Utilizacao de embarcacoes estrangeirag afretadas pol' sociedades nacionais cnquanto nao existir frota nacional adequada. c) Na pescaria de lagosta de profundidade: - Contencao do actual esfoico de pesca nas zonas tradicionais de pesca; - Utilizacao exclusiva de gaioias; ~ - Prospeccao de novas zonas de pesc.. em zonas a norte de 21 graus SuI; - Utilizacao de embarcacoes estrangeiras afretadas par sociedades nacionais enquanto nfio existir frota nacional adequada. 'd) Na pescaria de peixes demeisais: - Pesca industrial fazendo uso cxciusivamente de artes de pesca de anzoi. e) Nas pesearias de peixes pelagicos: - Manutencao da politica de venda de Iicencas de pesca industrial de atum a embarcacoes estrangeiras enquanto o empresariado nacional nao possuir meios pr6prios; - Proibicao da pesca de atum com redes de cmalhar derivantes; - Pesca industrial dirigida a pequenos peixes pelagicos exclusivamente fora da zona de pesca de camarao.

5 28 DE MAIO DE Em todas as pescarias industriais sera incentivada a substituicao de tripulantcs estrangeiros por tripulantes nacionais Reabilitacao da infra-estrutura portuaria dos portos de pesca de Maputo e Beira e melhoria das condicoes de manuseamento de pescado desembarcado, bern como dos services de apoio as embarcacoes (energia, agua, com. bustivel, etc.) e realizacao do apetrechamento do porto de pesca de Angoche Melhoria da qualidadc dos produtos pesqueiros atraves do fortalecimcnto dos services ptiblicos de inspeccao da qualidade do pescado, do treino de pessoal de supervisao em gestae e em tecnicas de manuseamento e de processamento de pescado e da criacao de instalacces de processamento. 12. Industria de processamento de produtos da pesca A industria de processamento de produtos da pesca dcvera contribuir para aumentor as receitas em divisas do pals e 0 nivel de emprego. Este objectivo sera ~canc;:ado atraves do aumento da capacidade de processaf":ento em terra dos produtos da pesca A estrategia a adoptar, no ambito da polftica pesqueira, com vista a sc atingir 0 objectivo enunciado, sera a seguinte: a) Promocao da industria de process amento em terra, nos termos da regulamentacao vigente, atraves de: - Concessao preferencial de direitos de pesca a operadores que invistam na industria de processamento e transformacao de pescado; - Estabelecimento de incentivos ao investimento na modemizacao ou construc;:ao de estabelecimentos de processamento de produtos da pesca; b) Instituicao de sistemas de capacitacao dos produtores e/ou exportadores nacionais de pescado para a adequacao das suas unidades de processamento as exigencias dos mereados internacionais; c) Normacao e controlo de qualidade do pescado observando as regras internacionais de processamento des produtos da pesca. 13. Aquacultura A aquacultura quer marinha quer de agua doce podem contribuir para melhorar 0 abastecimento do mercado intemo em pescado e elevar as receitas de exportaciio e 0 nivel de emprego. Estes objectivos serao alcancados atraves da criaciio de empreendimentos de aquacultura marinha e de dgua dace No ambito da politica pesqueira a estrategia a adoptar sera a seguinte: a) Promocao, dependendo da localizacao geografica e do volume do investimento, da associacao da aquacultura marinha de camarao com a pesca semi-industrial de camarao ou com outras pescarias; b) Estabelecimento de incentivos ao investimento em empreendimentos de aquacultura marinha com prioridade para a aquacultura de camarao; c) Encorajamento de iniciativas de desenvolvimento da piscicultura de agua doce nas regi6es interiores do pais; 166-(37) d) Regulamentacao das condicoes gerais em que as actividades de aquacultura marinha e de agua dace se podera desenvolver. 14. Sector empresarial do Estado a envolvimento do sector empresarial do Estado sera restringido devendo, no ambito da polftica pesqueira, a estrategia a adoptar ser a seguinte: a) a Estado nso participara no capital de novas empresas no sector das pescas; b) a envolvimento actual do sector empresarial do Estado em actividades com fins comerciaig sera reduzido com excepcao das quotas que detem no capital social das empresas mistas de importancia estrategica para: A gestae da pescaria de camarao: - a desenvolvimento da aquacultura rnarinha de camarao: - A reestruturacao da frota camaroneira nacional; - a desenvolvimcnto do empresariado privado nacional; - A reducao do defice alimentar. c) 0 sector empresarial do Estado participara em empreendimentos de rentabilidade assegurada que envolvam infra-estruturas de que eproprietario e onds 0 seu envolvimento se justifique por razoes estrategicas de desenvolvimento rural. 15. Desenvolvimento de infra-estruturas e services publicos Com vista a atingir os objectives de desenvolvimento do sector das-pescas e importante a existencia duma administracao capaz de estimular, regular, monitorar e controlar as actividades econ6micas. A estrategia a adoptar, no ambito da politica pesqueira sera a seguinte: a) Actuacao do Estado na monitorizacao, avaliacao e gestae de recursos concentrando accoes nas pescarias de maior importancia economica, com: - A participacao dos operadores economicos nas decisoes relativas a medidas de regulacao e de gestiio das pescarias industriais e semi-industriais; - 0 envolvimento das comunidades de pescadores artesanais na definicao e aplicacao de solucces sustentaveis de gestae e preservacao dos recursos das pescarias artesanais; - A descentralizacao des services de administraeao pesqueira a nivel provincial. b) Melhoramento e alargamento do actual sistema de recolha e tratamento de informacao estatistica de forma a abranger dados globais, subsectoriais e por pescaria, de producao, emprego e econ6micos e para elaboracao de modelos bio-econ6micos das principais pescarias; c) Autonomizacao administrativa e financeira dos orgaos do Estado com capacidade para gerar fundos resultantes da prestacao de services au de licencas para 0 acesso aos recursos halieuticos, conferindo-lhes a possibilidade de, sempre

6 106- (38) ern que valores absolutos nao resulte uma dimmurcao das receuas do Estado, reter e aplicar I ecenas provenientes de: I axa, de licenca de pesca, ajustando-as por Iorma a que clas garantam a cobertura financcira das dcspcsas operacionais das instituicoes da adrru, nistracao publica das pescas, -- Emissao de ccrtif'icados de qualidadc dos produto, da pesca, nomeadamente dos que sc destmarn a ex portacao, instituindo 0 princlpio de recupcracao des custos corrcntes com a prestacao desse ~el VIC;0 a industria, c - Multas em que ten ham incorrido us cmpresus, por incumprimento da le gblar,:ao pcsqucrra. d) bt..lbclcclmento de services l statais de cxtcns.io pesqueira dirigidos ao subsector del pesca urte saual, pat a divulgacao e cxperimentac.io de novas tecnicas C metodo, de pesca, de WIL <ervacao c de cornen.rnlizacao de pescado; c) Relou,o do sistema de mspeccao da qualidude do pescado e de JI:,calizdl,iio del pesca, j) Mclhoramcnto do quadt o jundico relative a aul'do do Estado e dos agcntcs ec()1l6mico~ do ~CCtOI; g) Instituicao dum sistema pcrrnanentc de idenul i l:a'ruo, lormulaydo e awmpanhamento de pru Jeclo~ com a partlcipac;iio dc OIganismo:, do "cctoi c em ligac;ao wm 0:' 6rgiio:> cenllab de planeamento e de ChCUll,dO 01 c;amental. h) LJe:,envolvimenlO da:> inlra-e:>lrulula:, do:> porlol> de pe~ca e lealiza'rao do~ e:>ludo:> tecnlco~ C economlco:' de vlubllidadc do~ Illve~ljmcnto:, ('5.2.0 blado manlela d proplieddde das 1I1fra-e~trulura:> do:> portos dc pe:>ca de Maputo, Beira, Ouelimane e An_ )Toche e da~ respectl\a:> doca!>, bem wmo imtala~c)e!> pll hlica~ a c1e" as~oliado<" "em prelui/o a iniciallvd~ pllvdda!> ulielltada~ a criarclll nova" mira c:-,lltlluras POlludlIU:' (. uutra~ atin~ ('1 ') A g(:>tao upclallva do:> polio:, dc pe:,ca, ducd' c da~ imlulac;6e~ le:,pectivm, :><:1(1 clcctujda,!>emple que pos:>ivcl, poi' agentc~ privado:> alrave:> dc cunlr"lo!> de: gc!>tao ou de ce:,!>clo de cxplornc,:ao 1'1.4 Promoc,:ao de inve"limenlu:. pnvado~ em :'CI vi'ru:-, l:omplementat e:, as actividades da pesca nomeadumcnte no qui: :,c Ilfere ao fabrico de mat(,1 iab e apre~to:-, de pe!>ca e il canstl udiu, manutcnc;au C Icpa! a«fiu f1<1vai, 16 Ik:>cnvolvimcnto Jo~ rcull :-,o~ huiih1i1u:-' Ib.l. 0:-. rcclll:'o~ humuno~ do scclor, l:ompleendcndu os ufcl:tu:, us areas produtiva C comcrdal e tl ad111111btru "du ptlblicu da:-, pesca:> scrao dcscnvolvidos de <1cordu Wilt a~ :>eguinte:> prioridade~ a) Ouuliliclh.ao do!> pescadolc:, autonomo:, e cmpre gado:-, na" fmtas industtial e :>emi indu:.trial c do!> agentes produlivo:> e comclciab em terr.1 b) Ouulrflcal,dO do pc:,wal du admini:-,tra<,'do PUblrCd du~ pe:-,ca~, c) Manter na admini:>lrac,:iio publtca 0 pc~~ual I11J1" qualillcado atrave:, do mclhuramcnto do :-'l:,tcma de incentivos. / ~ R.Il' - "IJlIMl'RO 2/ A formacao pesqucu.i :'CI.l or icntuda atiuvcs da aplicacao das csu atebja~ sej.umtr«. a) Formacao do pes.oal de COI11 VI:,tel a rcduzir u numcro de tripulantes cstrang iro, d bordu de emburcacocs uucionats: b) Forrnacao do pcs soal.ilecto il:' alll\ idudes produ tiva- c corucrcuns CI11 ten a, para d melhot ia da capacidadc tecmco-prot issional do, I CClll''>OS hu :> uo se: vi1,-0.lus crnpi csus pi lvadas c ) l-ormacao do pcssoa] da admmrstrac 10 publica do sector com vista " mclhot at el capacidadc profissional do pessoal cncan cguc d, desenvolver.1:> actividadcs dl enquadt arncnu, regulamcn, tacclo c incenuvo dd micrativa pi ivada, d) Llcvacao do nivcl de qualil icacao tccnica c pcdagogu.a dos l or rnzu hn c-, dol l vcol.t d, Pescav, c) Reall/a'riio de ac t ivitl.idcs de lui ru.ic.ro bascadus nas nccewid.ulc-, lhl sector pi odunvo COI11 destuque piu a U'. o.,tplllnlco., domlm. 17 Invcsngacao pcsqucira 'I I cino d, t urtu dut ac.io dingido a ruelhoi ia da-, capac idadc-, clo pcssoal Will Iuncoc de gc"t<io no 'lih' ector :'CI11I mdusu ial; -- Ac",o('" de lotruacao de.uua duracao idclllirkold,i" em colaboracjio com insuuu. l\,:-' pull! ICel~ e I'I ivadus A mvc-t igac.io pesqucu a.ci a oucntada dl,.\vcs da aplil~i'rdo da,> scguinte-, e:-,11.11c'gi.l" 171. A:-,,ILllvldmle~ dt.: jll\c:-'llga~jo PC:-'lllHila COIlLCIl tl J I -:>c-ao no~ 1CCUI ~O:. pc:>q LI c I\'O~ q L1C. a) Sao plc:,enlemcnlc (xplmado:-, e lelll imporlcintia ~ignificaliva p.u"d () pdb do pi illto dc Vl',lJ ct.:on6mko ou em tl 11110:> do nul11llu de pe:-,:-,ont> UIJd ~L1b~l:,tCl1llH ckpcmh; da :-,u I explora'riio L:>tl''' 1ccur:-,o:, :',10 ljb :,cguinte:, - Call1dl''o l le~pellivu I.I\IIla acoropanhantc ltd!> pe:>cdl ia" (l. l dl1lar~io no banco,k Solala, l;,ll11h" C LlgO'>tllll na PI ',C,ltl" ell.lit.1:-'(1 IIlI!U,>l I lal de l I u~lact.:u~ de pi Ollllldllidde, - PelXC" dlllll:i'''db 11.1 pc~, alia :-,erni indu:-'lriaj com 11Ilhel:-' U milo J :-,ul do 110 Solve, - Lago:,la de ptulundlddllt I,a pc:>cariu com galola:> b) 10m um potencial :'1~Tnlfjcatlvo em l..:rmo:-, leu 1I6II1il:o~ ou alimclllare:-, c cncol,tlam-:-,c ple,>entcluenlc :>uhex pill!ado:-, ('amdjdo t' 1l'''pCdIVa Llltlla acompa nhallle Illnl do bal1lo de Sofala, - Kapt.:nla 118 P~~Utrld :>cmi ndu:,trwl respectlva dol alhulcild del Cahma Ba:,o.,u I:~pecil:-','apllli ddd~ na:, pc~carta!> ell tc_ :-,anal:' Jl.IIIa:>lo para flol r<1 e com Icdc d,' emalhm na:-, plovincia:> de Celho Ikl}~ado, Inhamh,lIIc, Nampuld, Solalcl C Lelmbczia; - - I ago~td de roch,1 \HI'> provinda:, dc Calm IUgddo c lnhanlbanc; - Holollllia lld~ provinclls de Cabo Ddgada, Inhambanc c N,lI11puhl

7 28 DE MAIO DE 1996 c) Se encontrem presentemente sobre-explorados, nomeadamente os recursos que sao explorados pela pesca artesanal nas seguinteg areas: - Baia de Maputo; - Baia de Inhambane e Inhassoro; - Baia da Beira e ilha de Chiloane; - Ilha de Mocambique: - Baia de Pemba As actividades de investigacao pesqueira de natureza permanente serao conduzidas e priorizadas com VIsta a: - Recolha e processamento de dado., estatisticos de captura e esforco e de actividades de amostragem; - Avaliacoes periodicas dos recursos mais importantes; - Recomendacoes sobre medidas de gestae necessarias a utilizacao apropriada dos recursos. 18. Extensao pesqueira A extensao pesquerra sera orientada atraves da aplicacao das seguintes estrategias: Estabelecimento de services de extensao pesqueira dirigidos ao sub-sector da pesca artesanal e orientados para: a) Melhorar a capacidade de producao e a comer. cializacao, b) Estabelecer sistemas de co-gestae de recursos pesqueiros com 0 envolvimento directo das comunidades locais na definicao e controlo da aplicacao das medidas reguladoras da actividade da pesca; c) A realizacao de estudos destinados a identificar e caracterizar os grupos-alvo e respectivas prioridades relacionadas com a pesca, no contexto socio-economico em que desenvolvem as suas actividades; d) A divulgacao de praticas tradicionais melhoradas atraves de accoes de prospeccao e experimen. tacao, do processamento de pescado e de construcao naval. 19. Gestae das pescarias e fiscalizacao A gestao das pescarias e a fiscalizacao sera orientada atraves da aplicacao das seguintes estrategias: Regulamentacao e estabelecimento de restric;6es a actividade de pesca para areas das aguas marinhas e intericres e/ou para populacoes de especies aquaticas, justificada pot: - Interesses de conservacao dos recursog vivos aqua. ticos e ambiental; - Objectivos de eficiencia economica na exploracao dos recursos; - Proteccao da posicao economica de grupos que exercem actividades de pesca Regulacao de pescaria, com base em evidencia biologic a e justificacoes econornicas, na sequencia de discussoes com os operadores economicos interessados Promocao do envolvimento das comunidade- litorais na gestae dos recursos aquaticos e da respectiva exploracao de modo a facilitar a introducao de padr6es de utilizacao dos recursos naturais, biologicamente sustentaveis f' socio-economlcamente eficientes. 166-(39) Concessao para as pescarias sujeitas a sistemas Iimitativos do esforco de pesca, de direitos de pesca por perfodo, plurienais, estabelecidos sob a forma de quotas ou percentagem de volumes maximos de captura adrnissiveis Fomento ao desenvolvimento da actividade pes, queira com destaque para a producao de peixe em aguas marinha e interiores com vista ao abastecimento do mer, cado interno Fomento ao desenvolvimento de aquacultura rnarinha e de aguas interiores Fiscalizacao e controlo das actividades da pesca atraves de: - Utilizacao de embarcacoes de fiscalizacao baseadas nos principais portos de pesca; - Incentivacao ao auto-controlo de e entre os armadores de pesca com particular destaque para os armadores industriais de pesca de camarao no banco de Sofala; - Embarques de fiscais de pesca nas embarcacoes de pesca; - Garantia da presenca de fiscais de pesca nas zonas mai, vulneraveis a ocorrencia sistematica de mfraccoes com particular destaque nas zonas fronteiricas de Cabo Delgado, Maputo e Niassa; - Estabelecimento de sistemas mais eficientes de comunicacoes terra/mar/terra; - Estabelecimento de sistemas de controlo e acompanhamento das actividades de pesca desportiva: - Criacao de regulamentacao e sistema de fiscali. zacao apropriadas it pescas de aguas interiores com destaque para 0 Lago Niassa e para a Albufeira de Cahora-Bassa em Tete; - Participacao activa em accces de fiscalizacao maritima e de aguas interiores de interesse e competencia multiministerial Inspeccao e garantia de quaiidade dos produtos da pesca atraves de' - Inspeccao e certificacao da qualidade - Verificacao das condicoes higio-sanitarias e de seguranca aiimentar no manuseamento e pro_ cessamento a bordo das embarcacoes e em estabelecimentos; - Estabelecimento de sistemas de licenciamento e de controlo do, estabelecimentos de processamento; - Prestacao de services de analises laboratoriais requeridos pela industria pesqueira; - Criacao da regulamentacao e sistemas de controlo de qualidade a ser observados pela industria pesqueira. 20. Incentivos ao investimento quadro de incentives ao desenvolvimento do sector das pescas em geral e ao investimento em particular, sera orientado atraves do estabelecimento de sistemas de incentivos fiscais, aduaneiros e crediticios para estimular a iniciativa privada orientada para as areas consideradas prioritarias, nomeadamente as seguintes: a) Pesca artesanal e construcao naval artesanal; b) Producao de gelo e redes de frio em areas onde tal possa contribuir para a valorizacao de produtos da pesca artesanal;

8 I flb (40) c) Insrnlaco..s de apoio a Ireta e comcrcializacao de pescado provcniente da pesu\ artcsanal, It) Pe-en industrial de recuros n.io utilizados ou em nova" zonas de pesca: I srun -- \JI!Ml~RO 21 e) Rcnovac.io e expans.io da Ireta dv pcsca semi -industrial: f) Instalacocs de proccs-amcnto de pcsc.ido: /1) Aquacultur.i mai inha de curnarao Preco MT IMPIlJ!l'l!>A NAClON\I Oil MU~AMIIIQUL

OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO NO AGRONEGÓCIO EM MOÇAMBIQUE

OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO NO AGRONEGÓCIO EM MOÇAMBIQUE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E SEGURANÇA ALIMENTAR OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO NO AGRONEGÓCIO EM MOÇAMBIQUE ABRIL, 2015 Estrutura da Apresentação 2 I. Papel do CEPAGRI II. III. IV.

Leia mais

Importância de Moçambique em termos ambientais. Situação de pobreza em que vive a maioria da população moçambicana. Corrida aos recursos naturais

Importância de Moçambique em termos ambientais. Situação de pobreza em que vive a maioria da população moçambicana. Corrida aos recursos naturais Carlos Manuel Serra Importância de Moçambique em termos ambientais. Situação de pobreza em que vive a maioria da população moçambicana. Corrida aos recursos naturais destaque para os petrolíferos e mineiros

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO Carta de Serviço O MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO, órgão central do Estado que superintende a área da Indústria e Comércio. ATRIBUIÇÕES São

Leia mais

É esta imensidão de oceano, que mais tarde ou mais cedo teremos de aproveitar de um modo sustentável.

É esta imensidão de oceano, que mais tarde ou mais cedo teremos de aproveitar de um modo sustentável. Pescas Senhor Presidente da Assembleia Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo Senhoras e Senhores Membros do Governo É inevitável olhar as ilhas na sua descontinuidade e imaginá-las

Leia mais

Programa Operacional Plurifundos da Região Autónoma da Madeira 2000-2006 MEDIDA 2.2. Pescas e Aquicultura CONTROLO DO DOCUMENTO

Programa Operacional Plurifundos da Região Autónoma da Madeira 2000-2006 MEDIDA 2.2. Pescas e Aquicultura CONTROLO DO DOCUMENTO MEDIDA 2.2 Pescas e Aquicultura CONTROLO DO DOCUMENTO Versão Data Descrição N. de Página 1 06.12.04 Elaboração do novo texto completo e consolidado Todas 2 25.11.05 Adequação dos indicadores físicos 2;

Leia mais

MARINHA MERCANTE COMO UM DOS FACTORES IMPULSIONADORES DE DESENVOLVIMENTO

MARINHA MERCANTE COMO UM DOS FACTORES IMPULSIONADORES DE DESENVOLVIMENTO MARINHA MERCANTE COMO UM DOS FACTORES IMPULSIONADORES DE DESENVOLVIMENTO Arlindo Zandamela Instituto Nacional das Comunicações de Moçambique (INCM) Lisboa, Portugal Zandamela.arlindo@gmail.com Sumário

Leia mais

ANÁLISE EXTERNA ANÁLISE INTERNA

ANÁLISE EXTERNA ANÁLISE INTERNA 3. DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO Neste último sub-capítulo do diagnóstico procurar-se-ão cruzar as diversas componentes analisadas nos pontos anteriores, numa dupla perspectiva: Análise externa - a avaliação

Leia mais

Quem deve ter o. direito de pescar. Uma pergunta dos Verdes no Parlamento Europeu. Photo Jillian Pond

Quem deve ter o. direito de pescar. Uma pergunta dos Verdes no Parlamento Europeu. Photo Jillian Pond Quem deve ter o direito de pescar Uma pergunta dos Verdes no Parlamento Europeu. Photo Jillian Pond DEMASIADAS EMBARCAÇÕES Photo Håkan Lindgren / SCANPIX CONFERIR ACESSO À À PESCA A A QUEM POUCOS GANHOS

Leia mais

Contexto em que ocorreram as Negociacoes

Contexto em que ocorreram as Negociacoes Introducao Este Seminario enquadra-se num âmbito mais vasto, que é o de reforçar as capacidades técnicas e funcionais das instituições Superiores de Controlo (Tribunais de Contas), Parlamentos Nacionais

Leia mais

www.juristep.com Lei n.º 7/2008, de 27 de Agosto

www.juristep.com Lei n.º 7/2008, de 27 de Agosto Lei n.º 7/2008, de 27 de Agosto CÓDIGO DE INVESTIMENTOS Este texto tem carácter meramente informativo e não dispensa a consulta dos diplomas originais, conforme publicados no Diário da República. Quando

Leia mais

ORGANIGRAMA DIÁRIO DA REPÚBLICA. O Ministro, Joaquim Duarte da Costa David. Decreto executivo n.º 155/11

ORGANIGRAMA DIÁRIO DA REPÚBLICA. O Ministro, Joaquim Duarte da Costa David. Decreto executivo n.º 155/11 4632 ORGANIGRAMA DIRECÇÃO CONSELHO DE DIRECÇÃO REPARTIÇÃO DOS SERVI- ÇOS ADMINISTRATIVOS DE LICENCIAMENTO EREGISTO DE CADASTRO MINEIRO DE TOPOGRAFIA EDESENHO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS DE LICENCIAMENTO

Leia mais

PROJECTO DE PARECER n.º 84 "Novos mecanismos de intervenção sobre o mercado"

PROJECTO DE PARECER n.º 84 Novos mecanismos de intervenção sobre o mercado PROJECTO DE PARECER n.º 84 "Novos mecanismos de intervenção sobre o mercado" 1/ ANTECEDENTES A proposta de parecer foi abordada durante a reunião do Grupo de Pelágicos e Iccat, que teve lugar em Madrid

Leia mais

Assembleia Popular Nacional

Assembleia Popular Nacional REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Assembleia Popular Nacional Lei n.º 2/88 Manda executar o Orçamento para o ano de 1988 A Assembleia Popular Nacional, usando da faculdade conferida pela alínea

Leia mais

República de Moçambique. Ministério Das Finanças

República de Moçambique. Ministério Das Finanças República de Moçambique Ministério Das Finanças CEDSIF Centro de Desenvolvimento de Sistemas de Informação de Finanças TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O OBJECTO 1 E/OU OBJECTO 2 MAPUTO, Setembro de 2012 2 Introdução

Leia mais

Avaliação do Instrumento de Apoio a Políticas Económicas (PSI) 2010-2012

Avaliação do Instrumento de Apoio a Políticas Económicas (PSI) 2010-2012 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE Avaliação do Instrumento de Apoio a Políticas Económicas (PSI) 2010-2012 Elaborado Por: Ministério das Finanças Ministério da Planificação e Desenvolvimento Banco de Moçambique

Leia mais

NOVIDADES LEGISLATIVAS E REGULAMENTARES MAIS SIGNIFICATIVAS

NOVIDADES LEGISLATIVAS E REGULAMENTARES MAIS SIGNIFICATIVAS DESTAQUES DE 27 A 31 DE MAIO NOVIDADES LEGISLATIVAS E REGULAMENTARES MAIS SIGNIFICATIVAS ACTIVIDADE PARLAMENTAR E PROCESSO LEGISLATIVO ÚLTIMAS INICIATIVAS Proposta de Lei 151/XII Procede à primeira alteração

Leia mais

A Experiência da Iniciativa de Transparência da Indústria Extractiva (ITIE) em Moçambique

A Experiência da Iniciativa de Transparência da Indústria Extractiva (ITIE) em Moçambique www.iese.ac.mz A Experiência da Iniciativa de Transparência da Indústria Extractiva (ITIE) em Moçambique Rogério Ossemane 3ª Conferencia Internacional sobre Monitoria e Advocacia da Governação Maputo,

Leia mais

A VISÃO do ENERGYIN Motivos da sua criação & Objectivos

A VISÃO do ENERGYIN Motivos da sua criação & Objectivos Pólo da Competitividade e Tecnologia da Energia (PCTE) O papel do PCTE na energia solar em Portugal 8 e 9 de Fevereiro de 2010 António Mano - EDP Antonio.ermidamano@edp.pt A VISÃO do ENERGYIN Motivos da

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NA ILHA DE SANTIAGO

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NA ILHA DE SANTIAGO GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NA ILHA DE SANTIAGO O processo de criação de um sistema intermunicipal e o desafio da sua viabilização Gilberto SILVA Sumário 1. O quadro legal e institucional de gestão

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia 30.4.2004

Jornal Oficial da União Europeia 30.4.2004 L 150/12 PT Jornal Oficial da União Europeia 30.4.2004 REGULAMENTO (CE) N.º 812/2004 DO CONSELHO de 26.4.2004 que estabelece medidas relativas às capturas acidentais de cetáceos no exercício das actividades

Leia mais

II ENCONTRO DOS PARCEIROS DO CLUSTER DO CONHECIMENTO E DA ECONOMIA DO MAR AVEIRO 28 JANEIRO 2011

II ENCONTRO DOS PARCEIROS DO CLUSTER DO CONHECIMENTO E DA ECONOMIA DO MAR AVEIRO 28 JANEIRO 2011 O NOVO CICLO DE FUNDOS COMUNITÁRIOS AO SERVIÇO DO DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL, Porto 07.06.13 O CONTRIBUTO DO MAR PARA O CRESCIMENTO SUSTENTÁVEL DAS REGIÕES PORTUGUESAS Rui Azevedo II ENCONTRO DOS PARCEIROS

Leia mais

Província de Cabinda

Província de Cabinda Província de Cabinda Conselho de Ministros Decreto-Lei n.º 1/07 De 2 de Janeiro Considerando a necessidade da aprovação do Estatuto Especial para a Província de Cabinda estabelecido nos termos do Memorando

Leia mais

Acordo entro e Governo da República Portuguesa e o Governo da República Federativa do Brasil sobre Transporte e Navegação Marítima.

Acordo entro e Governo da República Portuguesa e o Governo da República Federativa do Brasil sobre Transporte e Navegação Marítima. Decreto n.º 53/79 de 12 de Junho Acordo sobre Transporte e Navegação Marítima entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da República Federativa do Brasil O Governo decreta, nos termos da alínea

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

COMÉRCIO, COMO CATALISADOR DE SERVIÇOS

COMÉRCIO, COMO CATALISADOR DE SERVIÇOS REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE GOVERNO DA PROVÍNCIA DO NIASSA COMÉRCIO, COMO CATALISADOR DE SERVIÇOS O orador: Horácio Deusdado Gervásio Linaula (Director Provincial) ESTRUTURA No âmbito desta Conferência Sobre

Leia mais

Oportunidades de Investimento no Sector Agrario em Mocambique

Oportunidades de Investimento no Sector Agrario em Mocambique Oportunidades de Investimento no Sector Agrario em Mocambique Apresentado pelo Director do Centro de Promoção da Agricultura Abdul Cesar Mussuale Turino, Fevereiro 2012 Estrutura de Apresentacao I. Informacao

Leia mais

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau)

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Plano de Acção para a Cooperação Económica e Comercial (2014-2016) 4ª Conferência Ministerial Preâmbulo

Leia mais

Audiência Parlamentar Internacional em Moçambique Maputo, 19 de Setembro de 2009 1. ELECTRIFICAÇÃO RURAL EM MOÇAMBIQUE Moçambique é rico em recursos energéticos, como é o caso da energia hidroeléctrica,

Leia mais

Análise do Potencial Económico por Província

Análise do Potencial Económico por Província Análise do Potencial Económico por Província Ministério da Indústria P á g i n a 110 O. NAMIBE I. ANÁLISE DA PROVÍNCIA A Província do Namibe, apesar dos seus abundantes recursos naturais, foi, desde a

Leia mais

Diversificação e articulação da base produtiva e comercial em Moçambique

Diversificação e articulação da base produtiva e comercial em Moçambique Diversificação e articulação da base produtiva e comercial em Moçambique "Tendências do Investimento Privado em Moçambique: questões para reflexão" Nelsa Massingue da Costa Maputo, Setembro 2013 TENDÊNCIAS

Leia mais

Portos de Pesca de Maputo e Beira. Frigorificação de Pescado e Venda de Gelo. Utilizações Nacionais e Estrangeiras 1 1

Portos de Pesca de Maputo e Beira. Frigorificação de Pescado e Venda de Gelo. Utilizações Nacionais e Estrangeiras 1 1 8 () Diploma Ministerial n. / de de Agosto A Política Pesqueira e a respectiva Estratégia de Implementação, aprovada pela Resolução n. /, de 8 de Maio e o Plano Director das Pescas, definem a propriedade

Leia mais

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 25.6.2009 SEC(2009) 815 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO que acompanha a COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO Demonstração

Leia mais

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO Mercado Economico em Angola - 2015 Caracterização Geográfica de Angola Caracterização da economia Angolana Medidas para mitigar o efeito da redução do

Leia mais

PORTARIA N o 44, DE 4 DE OUTUBRO DE 2007. (publicada no DOU de 05/10/2007, seção I, página 155)

PORTARIA N o 44, DE 4 DE OUTUBRO DE 2007. (publicada no DOU de 05/10/2007, seção I, página 155) PORTARIA N o 44, DE 4 DE OUTUBRO DE 2007. (publicada no DOU de 05/10/2007, seção I, página 155) A SECRETÁRIA DE ORÇAMENTO FEDERAL, tendo em vista a autorização constante do art. 62, inciso III, da Lei

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

estão das pescas nas Rias do Sul Guiné-Bissau

estão das pescas nas Rias do Sul Guiné-Bissau estão das pescas nas Rias do Sul Guiné-Bissau Promotor: IUCN e Ministério Pescas da Guiné-Bissau Zonas de intervenção: principais rias da Guiné-Bissau Rio Cacheu, Rio Grande de Buba e Rio Cacine Palavras-chave

Leia mais

Projetos Internacionais

Projetos Internacionais Projetos Internacionais Projetos Nacionais de Desenvolvimento Nacional de Água (I e II) - Banco Mundial (IDA) Cerca de 130 milhões USD (1998-2007) para a produção de água em zonas rurais e urbanas e para

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO. Valores

SUMÁRIO EXECUTIVO. Valores SUMÁRIO EXECUTIVO O Plano Estratégico da Província de Inhambane para o período 2011-2020 (PEP II) é parte integrante do processo provincial de planificação do Governo, com a finalidade de promover o desenvolvimento

Leia mais

Visão Perspectiva da Lei de Investimento Privado e a Nova Pauta Aduaneira - A NOVA PAUTA ADUANEIRA

Visão Perspectiva da Lei de Investimento Privado e a Nova Pauta Aduaneira - A NOVA PAUTA ADUANEIRA Visão Perspectiva da Lei de Investimento Privado e a Nova Pauta Aduaneira - A NOVA PAUTA ADUANEIRA SUMÁRIO 1. Generalidades- Factores/Alterações 2. Fundamentos para as Alterações 3. Opções de Política

Leia mais

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves. Fundos Comunitários geridos pela Comissão Europeia M. Patrão Neves Fundos comunitários: no passado Dependemos, de forma vital, dos fundos comunitários, sobretudo porque somos um dos países da coesão (e

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros Decreto Lei n.º 15/99 De 8 de Outubro Considerando que a política científica tecnológica do Governo propende para uma intervenção

Leia mais

Portaria n.º 361/87 de 30 de Abril

Portaria n.º 361/87 de 30 de Abril Portaria n.º 361/87 de 30 de Abril O Decreto-Lei n.º 165/85, de 16 de Maio, instituiu o novo regime de formação profissional em cooperação entre o Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) e

Leia mais

NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS

NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS 04-06-2008 Índice A. NOVO PERÍODO DE PROGRAMAÇÃO 2007-2013. B. ACÇÃO INTEGRADA DO IDE-RAM NO PERÍODO 2007-2013. C. APOIOS À ACTIVIDADE

Leia mais

Investimento Privado em Angola

Investimento Privado em Angola Abril 2013 Investimento Privado em Angola Sectores Económicos Prioritários Investimento Privado em Angola Sectores Económicos Prioritários Sectores económicos prioritários Agricultura e Pecuária Indústria

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS, CONCESSÕES EMPRESARIAIS E PROJECTOS DE INFRA- ESTRUTURAS

PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS, CONCESSÕES EMPRESARIAIS E PROJECTOS DE INFRA- ESTRUTURAS PASSAPORTE PARA MOÇAMBIQUE Auditório SIBS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS, CONCESSÕES EMPRESARIAIS E PROJECTOS DE INFRA- ESTRUTURAS 27 de Outubro DIOGO XAVIER DA CUNHA ÍNDICE Enquadramento Lei n.º 15/2011 Âmbito

Leia mais

POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE

POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE Apresentado por :Zefanias Chitsungo (Director Nacional de Habitação e Urbanismo) INTRODUÇÃO Moçambique tem mais de 20 milhões de habitantes; sendo que

Leia mais

Síntese da Conferência

Síntese da Conferência Síntese da Conferência Sob o lema Saneamento para Todos, Responsabilidade de Todos realizou-se de 14 a 16 de Maio de 2014, a Conferência Nacional de Saneamento, no Centro de Conferências Joaquim Chissano,

Leia mais

INSTRUTIVO N.08/99. de 21 de Maio

INSTRUTIVO N.08/99. de 21 de Maio ASSUNTO: POLITICA CAMBIAL Operações de mercadorias INSTRUTIVO N.08/99 de 21 de Maio Com vista a estabelecer os procedimentos operacionais decorrentes das operações de mercadorias, em conformidade com o

Leia mais

Negócios Internacionais

Negócios Internacionais International Business 10e Daniels/Radebaugh/Sullivan Negócios Internacionais Capítulo 3.2 Influencia Governamental no Comércio 2004 Prentice Hall, Inc Objectivos do Capítulo Compreender a racionalidade

Leia mais

Ligações às redes de energia eléctrica. Setembro de 2011

Ligações às redes de energia eléctrica. Setembro de 2011 Ligações às redes de energia eléctrica Setembro de 2011 Índice Competências da ERSE Princípios e conceitos gerais Potência requisitada Procedimentos para ligação de uma instalação à rede Ponto de ligação

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO CARTA EUROPEIA DO DESPORTO Objectivo da Carta... 3 Definição e âmbito de aplicação da Carta... 3 O movimento desportivo... 4 Instalações e actividades... 4 Lançar as bases... 4 Desenvolver a participação...

Leia mais

Porquê que a Guiné-Bissau necessita de uma Estratégia Nacional de Desenvolvimento de Estatística

Porquê que a Guiné-Bissau necessita de uma Estratégia Nacional de Desenvolvimento de Estatística Porquê que a Guiné-Bissau necessita de uma Estratégia Nacional de Desenvolvimento de Estatística Como podem as estatísticas nacionais contribuir aos avanços direccionados a satisfação das necessidades

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

Apresentação Pública das Oportunidades de Investimentos nas Ilhas de Boa Vista e Maio INCENTIVOS AO INVESTIMENTO

Apresentação Pública das Oportunidades de Investimentos nas Ilhas de Boa Vista e Maio INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Apresentação Pública das Oportunidades de Investimentos nas Ilhas de Boa Vista e Maio Boa Vista, Outubro de 2009 INCENTIVOS AO INVESTIMENTO AGENCIA CABO VERDIANA DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS 1 AGÊNCIA

Leia mais

DECRETO-LEI N.º 165/86 de 26 de Junho

DECRETO-LEI N.º 165/86 de 26 de Junho DECRETO-LEI N.º 165/86 de 26 de Junho A especial situação geográfica da Madeira e as características bem específicas da sua economia levaram o Governo a autorizar, nos termos do Decreto-Lei n.º 500/80,

Leia mais

Decreto-Lei nº 25/91, de 11 de Janeiro

Decreto-Lei nº 25/91, de 11 de Janeiro Decreto-Lei nº 25/91, de 11 de Janeiro O quadro legal das sociedades de desenvolvimento regional foi estabelecido pelo Decreto-Lei nºs 499/80, de 20 de Outubro. Desde a data da sua publicação, o sistema

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado Abril 2010 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 3 3. Quadro Legal 6 2

Leia mais

Ministério da Agricultura

Ministério da Agricultura Ministério da Agricultura ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA CAPÍTULO I Natureza e Atribuições Artigo 1.º (Natureza) O Ministério da Agricultura, abreviadamente designado por MINAGRI, é o órgão

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL 1 São muitas e variadas as soluções e medidas de apoio à competitividade empresarial. Na intervenção de abertura o Presidente da

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 28/IX SOBRE A REVISÃO DA POLÍTICA COMUM DAS PESCAS

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 28/IX SOBRE A REVISÃO DA POLÍTICA COMUM DAS PESCAS PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 28/IX SOBRE A REVISÃO DA POLÍTICA COMUM DAS PESCAS A Assembleia da República, reunida em Plenário para um debate de urgência sobre as propostas da Comissão Europeia de reforma

Leia mais

PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016

PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 Pilares do PSPA CRÉDITO PROMOÇÃO PROMOÇÃO DO DO CONSUMO PESQUEIRO PSPA INFRAESTRUTURA ASSISTÊNCIA TÉCNICA COMERCIALI

Leia mais

Open Course: Techniques of Financial Engineering

Open Course: Techniques of Financial Engineering Open Course: Techniques of Financial Engineering Objectivos a atingir Delimitar os domínios da Gestão financeira a curto prazo da Gestão financeira a médio m e a longo prazo; Realçar ar a importância da

Leia mais

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Acções de Valorização e Qualificação Ambiental. Aviso - ALG-31-2010-02

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Acções de Valorização e Qualificação Ambiental. Aviso - ALG-31-2010-02 Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental Acções de Valorização e Qualificação Ambiental Aviso - ALG-31-2010-02 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO

Leia mais

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto Define as bases gerais do regime jurídico da prevenção,

Leia mais

CURSO SOBRE PARTICIPAÇÃO DE GRUPOS DE INTERESSE

CURSO SOBRE PARTICIPAÇÃO DE GRUPOS DE INTERESSE CURSO SOBRE PARTICIPAÇÃO DE GRUPOS DE INTERESSE CENÁRIO: GESTÃO COLABORATIVA DE PESCAS Este caso de estudo é largamente fictício e foi baseado em Horrill, J.C., n.d. Collaborative Fisheries Management

Leia mais

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Programa de da ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (ELD) 1 / 16 Programa de da 1. Caracterização Socioeconómica do Território A caracterização do território deve centrar-se em dois aspectos

Leia mais

Bruxelas, 3 de Dezembro de 1980. Sr. Vice-Primeiro-Ministro:

Bruxelas, 3 de Dezembro de 1980. Sr. Vice-Primeiro-Ministro: Decreto n.º 143-A/80 Acordo, por troca de cartas, entre a República Portuguesa e a Comunidade Económica Europeia Relativo à Implementação de Uma Ajuda Pré-Adesão a Favor de Portugal O Governo decreta,

Leia mais

PLANOESTRATÉGICO DO DESENVOLVIMENTOECONÓMICOLOCAL DE S. JOÃO DA MADEIRA. Plano da sessão

PLANOESTRATÉGICO DO DESENVOLVIMENTOECONÓMICOLOCAL DE S. JOÃO DA MADEIRA. Plano da sessão plano estratégico del desenvolvimento económico local PLANOESTRATÉGICO DO DESENVOLVIMENTOECONÓMICOLOCAL ECONÓMICO LOCAL DE S. JOÃO DA MADEIRA Equipa técnica: Assessor: João Pedro Guimarães Colaboradores:

Leia mais

MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO RURAL

MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO RURAL República de Moçambique MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO RURAL Maputo, 06 de Outubro de 2006 1 PORQUE INSISTIR NO MEIO RURAL? Representa mais de 95% do território

Leia mais

Capítulo 15. Impactos Cumulativos

Capítulo 15. Impactos Cumulativos Capítulo 15 Impactos Cumulativos ÍNDICE 15 IMPACTOS CUMULATIVOS 15-1 15.1 INTRODUÇÃO 15-1 15.1.1 Limitações e Mitigação 15-1 15.1.2 Recursos e Receptores Potenciais 15-3 15.2 IMPACTO CUMULATIVO DA ZONA

Leia mais

NOVO CODIGO DE INVESTIMENTO

NOVO CODIGO DE INVESTIMENTO NOVO CODIGO DE INVESTIMENTO Lei nº 13/VIII/2012 De 11 de Julho Por mandato do povo, a Assembleia Nacional decreta, nos termos da alínea b) do artigo 175º da Constituição, o seguinte: CAPÍTULO I Considerações

Leia mais

PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR. Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar. Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel.

PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR. Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar. Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel. PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel.pt Transparência e Segurança: www.jogoremoto.pt A REGULAÇÃO EM PORTUGAL

Leia mais

Análise SWOT. Área: Território. Rede Social. - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais

Análise SWOT. Área: Território. Rede Social. - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais Área: Território - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais - Dinamização da Exploração dos Recursos Naturais para Actividades Culturais e Turísticas - Localização Geográfica

Leia mais

Ministério da Energia

Ministério da Energia Ministério da Energia O PROCESSO DE REGULAMENTAÇÃO DO SECTOR DE BIOENERGIA EM MOÇAMBIQUE Apresentação na 2ª Semana de Bioenergia Maputo, 05 de Maio de 2014 14-05-2014 1 JUSTIFICAÇÃO As principais motivações

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

Focus on Mozambique. Antonio Pinto de Abreu Bank of Mozambique

Focus on Mozambique. Antonio Pinto de Abreu Bank of Mozambique Focus on Mozambique Antonio Pinto de Abreu Bank of Mozambique CORPORATE GOVERNANCE NA GESTÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Enfrentando a Crise Financeira Internacional: O Papel da Boa Governação Corporativa

Leia mais

REGULAMENTOS. Jornal Oficial da União Europeia L 343/1. (Actos aprovados ao abrigo dos Tratados CE/Euratom cuja publicação é obrigatória)

REGULAMENTOS. Jornal Oficial da União Europeia L 343/1. (Actos aprovados ao abrigo dos Tratados CE/Euratom cuja publicação é obrigatória) 22.12.2009 Jornal Oficial da União Europeia L 343/1 I (Actos aprovados ao abrigo dos Tratados CE/Euratom cuja publicação é obrigatória) REGULAMENTOS REGULAMENTO (CE) N. o 1224/2009 do Conselho de 20 de

Leia mais

Normas e Procedimentos

Normas e Procedimentos Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Norte Direcção de Serviços de Apoio e Gestão de Recursos Normas e Procedimentos Definidos ao abrigo do Plano de Gestão de Riscos de Corrupção e Infracções Conexas

Leia mais

Ligações às redes de energia eléctrica de instalações consumidoras (em vigor a partir de 12 de maio de 2013)

Ligações às redes de energia eléctrica de instalações consumidoras (em vigor a partir de 12 de maio de 2013) Ligações às redes de energia eléctrica de instalações consumidoras (em vigor a partir de 12 de maio de 2013) Novembro de 2012 Índice Competências da ERSE Princípios e conceitos gerais Potência requisitada

Leia mais

Instituto Nacional de Irrigação. A Perspectiva das Instituições Contratantes 31 de Maio de 2013

Instituto Nacional de Irrigação. A Perspectiva das Instituições Contratantes 31 de Maio de 2013 Instituto Nacional de Irrigação 31 de Maio de 2013 Estrutura da apresentação I. Reforma do subsector de irrigação em Moçambique II. O INIR - Instituto Nacional de Irrigação 1. Objectivos 2. Organização

Leia mais

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação 1 Incentivos financeiros à internacionalização Em 2010 os incentivos financeiros à internacionalização, não considerando

Leia mais

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 26/2007/A de 19 de Novembro de 2007 Regulamenta o Subsistema de Apoio ao Desenvolvimento da Qualidade e Inovação O Decreto Legislativo Regional

Leia mais

Decreto-Lei nº 495/88, de 30 de Dezembro

Decreto-Lei nº 495/88, de 30 de Dezembro Decreto-Lei nº 495/88, de 30 de Dezembro Com a publicação do Código das Sociedades Comerciais, aprovado pelo Decreto-Lei nº 262/86, de 2 de Setembro, e do Decreto-Lei nº 414/87, de 31 de Dezembro, foram

Leia mais

Contribuição do CCR Sul relativamente à consulta da CE sobre a revisão do regime de acesso à pesca de alto mar

Contribuição do CCR Sul relativamente à consulta da CE sobre a revisão do regime de acesso à pesca de alto mar Amarelo: Questão? Azul: inserção Contribuição do CCR Sul relativamente à consulta da CE sobre a revisão do regime de acesso à pesca de alto mar * O CCR Sul agradece à Comissão Europeia a oportunidade que

Leia mais

ARC Ratings atribui rating soberano de BBB +, com perspectiva estável, à India

ARC Ratings atribui rating soberano de BBB +, com perspectiva estável, à India ARC Ratings atribui rating soberano de BBB +, com perspectiva estável, à India EMITENTE DATA República da India 12 de Dezembro de 2014 RATINGS EMITENTE - MOEDA ESTRANGEIRA Médio e Longo Prazo BBB+ (BBB+,

Leia mais

1.1. DEFINIÇÃO DE PROJECTO DE INVESTIMENTOS

1.1. DEFINIÇÃO DE PROJECTO DE INVESTIMENTOS 1 INTRODUÇÃO 1.1. DEFINIÇÃO DE PROJECTO DE INVESTIMENTOS Ao abordarmos o conceito de projecto de investimento começaremos por citar algumas definições propostas por alguns autores e instituições de reconhecido

Leia mais

A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3

A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3 1 / 1 A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3 ... os recursos petrolíferos devem ser alocados à constituição de reservas financeiras do Estado que possam ser utilizadas, de forma igualitária e equitativa,

Leia mais

Ministério das Obras Públicas

Ministério das Obras Públicas Ministério das Obras Públicas ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS CAPÍTULO I Natureza e Atribuições Artigo 1.º (Natureza) O Ministério das Obras Públicas é o órgão da administração pública

Leia mais

TOTAL - FISCAL 899.545 TOTAL - SEGURIDADE 0 TOTAL - GERAL 899.545

TOTAL - FISCAL 899.545 TOTAL - SEGURIDADE 0 TOTAL - GERAL 899.545 ORGAO : 32000 - MINISTERIO DE MINAS E ENERGIA UNIDADE : 32314 - EMPRESA DE PESQUISA ENERGETICA - EPE ANEXO I PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO) RECURSOS DE TODAS AS FONTES - R$ 1, 00 0750 APOIO ADMINISTRATIVO

Leia mais

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa Diagnóstico do Sistema de Investigação e Inovação: Desafios, forças e fraquezas rumo a 2020 FCT - A articulação das estratégias regionais e nacional - Estratégia de Especialização Inteligente para a Região

Leia mais

CADERNO APFN Apostar na Família Construir o Futuro

CADERNO APFN Apostar na Família Construir o Futuro CADERNO APFN 5 Apostar na Família Construir o Futuro Fevereiro 2002-1 - DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DA APFN Acreditamos que: 1. A vida humana deve ser respeitada, reconhecida e protegida desde o momento da

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO 27.4.2001 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias L 118/41 II (Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO RECOMENDAÇÃO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO

Leia mais

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000571 - TECNOL.GESTAO FINANCEIRA Nivel: Superior

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000571 - TECNOL.GESTAO FINANCEIRA Nivel: Superior PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 000571 - TECNOL.GESTAO FINANCEIRA Nivel: Superior Area Profissional: ECONOMIA Area de Atuacao: GESTAO FINANCEIRA/ECONOMIA Administrar os

Leia mais

O Concelho Nacional de Carregadores (CNC) tem por Missão:

O Concelho Nacional de Carregadores (CNC) tem por Missão: 1 O Concelho Nacional de Carregadores (CNC) tem por Missão: O CNC CONSELHO NACIONAL DE CARREGADORES é um Instituto Público que tem por Missão, a coordenação e o controlo das operações de comércio e transporte

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA PRIMEIRO. MINISTRO, Dr. Pascoal Mocumbi, POR OCASIÃO DO LANÇAMENTO OFICIAL DA PESQUISA

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA PRIMEIRO. MINISTRO, Dr. Pascoal Mocumbi, POR OCASIÃO DO LANÇAMENTO OFICIAL DA PESQUISA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA PRIMEIRO MINISTRO, Dr. Pascoal Mocumbi, POR OCASIÃO DO LANÇAMENTO OFICIAL DA PESQUISA NACIONAL DE BASE SOBRE GOVERNAÇÃO E CORRUPÇÃO Maputo, 27 de Novembro

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Condições Gerais de Acesso Forma de Cedência

Condições Gerais de Acesso Forma de Cedência Regulamento Municipal de Atribuição de Lotes para Instalação de Atividades Económicas, publicado pelo Aviso n.º 8063/2008, de 14 de março, com as alterações introduzidas pelo Regulamento n.º 492/2011,

Leia mais

CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA. Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111

CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA. Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111 CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111 Por: António Prata, Director do Departamento de Informação e Relações Internacionais Objectivos

Leia mais