Projecto Vitalidade XXI. FIPA Federação das Indústrias Agro-Alimentares. Conclusões do estudo. A Indústria Alimentar e os Estilos de Vida Saudáveis

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projecto Vitalidade XXI. FIPA Federação das Indústrias Agro-Alimentares. Conclusões do estudo. A Indústria Alimentar e os Estilos de Vida Saudáveis"

Transcrição

1 Projecto Vitalidade XXI FIPA Federação das Indústrias Agro-Alimentares Conclusões do estudo A Indústria Alimentar e os Estilos de Vida Saudáveis A Percepção das Partes Interessadas e Apresentação dos compromissos da indústria alimentar portuguesa A Indústria Alimentar e os Estilos de Vida Saudáveis A Percepção das Partes Interessadas 1

2 Sobre a FIPA: A FIPA, enquanto porta-voz da indústria agro alimentar, tem como objectivo liderar os processos de decisão estratégicos para este sector. A FIPA representa o principal sector industrial nacional quanto a volume de negócios. O sector agroalimentar representa 9% do produto interno bruto (PIB) nacional e 16% da indústria portuguesa, o que significa um total de 8000 empresas e postos de trabalho. Para obter mais informações, contactar: Pedro Queiroz, director-geral da FIPA A Indústria Alimentar e os Estilos de Vida Saudáveis A Percepção das Partes Interessadas 2

3 Introdução Vitalidade XXI a Indústria Alimentar por uma Vida Saudável é o nome do projecto que a Federação das Indústrias Agro-Alimentares (FIPA) lançou em 2005, no âmbito do plano estratégico apresentado em Assembleia-Geral e ao Conselho Consultivo da Federação. Trata-se de uma iniciativa de carácter inovador em Portugal, visto ser a primeira vez que todo um sector procede a uma consulta extensa junto das partes interessadas. O projecto decorrerá ao longo de três anos e visa promover os estilos de vida saudáveis, no âmbito da responsabilidade social do sector. Num contexto em que a OMS 1 classificou a obesidade como a "epidemia do século XXI", o projecto Vitalidade XXI nasceu da vontade da indústria de contribuir para a prevenção da obesidade no nosso país, em especial da obesidade infantil. Pretende-se partilhar desta forma uma preocupação de toda a sociedade. A indústria agro-alimentar, enquanto membro do Programa Nacional de Combate à Obesidade, deseja, pois, dar o seu contributo e trabalhar em parceria com os poderes públicos, os profissionais da saúde e as associações de consumidores, a partir da eficácia, eficiência e responsabilização de todos os actores, incluindo os consumidores. No contexto desta iniciativa, foi começado, em 2005, um levantamento das boas práticas da indústria portuguesa, no que diz respeito à promoção de estilos de vida saudáveis (que será concluído em 2006). Para além desta acção, foi também efectuada uma consulta às várias partes interessadas da indústria (associados da FIPA, instituições relacionadas com a saúde, educação e defesa do consumidor, media, associações de anunciantes, grande distribuição, etc.), no sentido de tornar mais claras as preocupações e posições de cada uma. Este estudo ajudou a FIPA a entender melhor os diferentes actores, a reflectir sobre o seu papel na questão dos estilos de vida saudáveis e a conhecer o ponto de vista dos profissionais do sector, assim como o das outras partes interessadas. De seguida, apresentamos as principais conclusões do diagnóstico aos stakeholders, assim como os compromissos da indústria alimentar portuguesa. 1 WORLD HEALTH ORGANIZATION Global strategy on diet, physical activity and health, A Indústria Alimentar e os Estilos de Vida Saudáveis A Percepção das Partes Interessadas 3

4 A FIPA, enquanto entidade representante da indústria alimentar portuguesa, pretende assim contribuir construtivamente para o lançamento de uma plataforma de trabalho que permita desenvolver acções integradas, em todos os níveis da sociedade, e combater o problema da obesidade. Jorge Henriques Presidente da FIPA A Indústria Alimentar e os Estilos de Vida Saudáveis A Percepção das Partes Interessadas 4

5 Conclusões do estudo A Indústria Alimentar e os Estilos de Vida Saudáveis A Percepção das Partes Interessadas Enquadramento do estudo O estudo A Indústria Alimentar e os Estilos de Vida Saudáveis A Percepção das Partes Interessadas é uma iniciativa desenvolvida no contexto do projecto Vitalidade XXI, da FIPA Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares. Esta consulta às partes interessadas foi realizada entre Maio e Setembro de 2005, pela Sair da Casca (SDC), empresa de comunicação na área da responsabilidade social (www.sairdacasca.com), em colaboração com a Multivária, empresa de estudos de mercado que participou nos focus group realizados (www.multivaria.pt). Âmbito do estudo O estudo foi realizado entre Junho e Setembro de 2005, junto de dois segmentos: 1. os profissionais do sector alimentar, 2. as partes interessadas externas, nomeadamente: os parceiros actores que intervêm na cadeia de valor (grande distribuição, restauração, publicidade, etc.); as instituições (entidades do Estado, associações de defesa do consumidor, associações profissionais relacionadas com a saúde e a nutrição, associações de pais, associações de doentes, etc.); os media. Objectivos do estudo O objectivo das reuniões de grupo e das entrevistas realizadas consistia em aferir as opiniões deste conjunto de stakeholders sobre quatro questões, bem como a percepção que tinham das mesmas: os estilos de vida actuais; o papel e a responsabilidade da indústria e dos outros actores ; os compromissos desejáveis no sentido de reforçar o contributo do sector e das outras partes interessadas na promoção dos estilos de vida saudáveis; as expectativas em relação à FIPA e ao projecto Vitalidade XXI. 91 pessoas participaram no estudo A Indústria Alimentar e os Estilos de Vida Saudáveis A Percepção das Partes Interessadas 5

6 As conclusões do estudo em 12 pontos 1. Existe uma convicção, partilhada por todos os actores, de que a obesidade e os problemas ou as doenças relacionados com os estilos de vida derivam de problemas multifactoriais. 2. Todas as associações e empresas do sector alimentar, assim como as outras partes interessadas, estão preocupadas com a problemática dos estilos de vida e querem assumir as suas responsabilidades. 3. O sector alimentar já tem um património de boas práticas suficientemente significativo para fazer parte da solução. 4. O património de boas práticas do sector é pouco conhecido pelos próprios profissionais da indústria e pelas outras partes interessadas: não existe uma comunicação sectorial institucional sistemática que valorize as boas práticas referidas. 5. A generalidade das partes interessadas reconhece que a indústria está a entrar numa fase de mudança e que encara este novo contexto como uma preocupação e uma oportunidade. 6. Existe uma grande sensibilidade dos diferentes actores (económicos, institucionais, dos media, etc.) para o problema, assim como uma forte vontade de trabalhar em conjunto. 7. A FIPA é reconhecida por todos como um interlocutor necessário e importante. 8. Em geral, existe a percepção de que o sector da indústria alimentar poderia melhorar a sua comunicação, no sentido de esclarecer melhor os consumidores, nomeadamente quando a publicidade é dirigida a crianças. 9. A generalidade dos participantes reconhece que faltam dados sobre os hábitos alimentares dos Portugueses e sobre a prevalência do excesso de peso e da obesidade. 10. A indústria, os media e algumas instituições consideram que o consumidor está a ser desresponsabilizado por aquilo que deve ser um direito: a escolha. 11. Existem posições diferentes no que respeita à resolução do problema a indústria e uma grande parte dos stakeholders defendem a auto-regulação do sector, enquanto alguns actores institucionais pretendem que o Estado assuma uma maior regulamentação. 12. A generalidade dos actores aguarda a implementação de uma acção concertada, que considera necessário desenvolver rapidamente. A Indústria Alimentar e os Estilos de Vida Saudáveis A Percepção das Partes Interessadas 6

7 Os compromissos da indústria alimentar portuguesa As nossas convicções Respeitamos a liberdade de escolha do consumidor e a sua responsabilidade individual. Acreditamos que não existem nem bons nem maus alimentos. Confiamos na capacidade de auto-regulação da nossa indústria. Preocupações e responsabilidades A indústria agro-alimentar está consciente das alterações dos estilos de vida e das respectivas consequências para a saúde dos consumidores; preocupa-se com o aumento da obesidade, nomeadamente o da obesidade infantil; reconhece que é essencial informar e promover a educação nutricional, formando profissionais e consumidores críticos e conscientes; compreende que a prevenção da obesidade deverá ser uma responsabilidade partilhada pela indústria e por todas as partes interessadas, de modo a que sejam alcançados os resultados necessários. Os nossos compromissos Estimular e envolver os Profissionais do Sector 1. Reforçar a autodisciplina do sector. 2. Informar e formar melhor os profissionais do sector sobre as questões relacionadas com a nutrição e a actividade física. 3. Reforçar a importância de uma comunicação mais atenta à vulnerabilidade das crianças. A Indústria Alimentar e os Estilos de Vida Saudáveis A Percepção das Partes Interessadas 7

8 4. Promover a adopção de uma rotulagem nutricional por todas as empresas do sector (sempre que a dimensão do produto o permitir). 5. Estimular a diversidade da oferta para responder aos diferentes estilos de vida e às diversas necessidades dos consumidores Comunicar e informar o público 6. Contribuir para a formação dos consumidores e facilitar a compreensão das informações nutricionais. 7. Promover uma alimentação equilibrada, a prática do exercício físico e estilos de vida saudáveis. Acompanhar e avaliar a evolução das acções 8. Incentivar as autoridades responsáveis para o desenvolvimento de um estudo que permita conhecer os hábitos alimentares e o estado da obesidade em Portugal. 9. Acompanhar e avaliar a implementação das acções, em colaboração com os actores envolvidos. A Indústria Alimentar e os Estilos de Vida Saudáveis A Percepção das Partes Interessadas 8

FIPA. Federação Portuguesa das Indústrias Agro Alimentares. 1º Forum Português de Responsabilidade Social das Organizações 11 e 12 Outubro de 2005

FIPA. Federação Portuguesa das Indústrias Agro Alimentares. 1º Forum Português de Responsabilidade Social das Organizações 11 e 12 Outubro de 2005 FIPA Federação Portuguesa das Indústrias Agro Alimentares FIPA - Federação Portuguesa das Indústrias Agro Alimentares Sectores: Padarias e Pastelarias, Óleos Alimentares, Azeite, Carnes, Aves, Moagens,

Leia mais

A principal causa da obesidade infantil advêm de uma alimentação pouco saudável e. vida ao ar livre, ou seja com um estilo de vida menos saudável.

A principal causa da obesidade infantil advêm de uma alimentação pouco saudável e. vida ao ar livre, ou seja com um estilo de vida menos saudável. 5 ao Dia 2008 Enquadramento Mudança de hábitos alimentares das crianças A televisão, os jogos de computador e a internet têm mudado os hábitos das crianças e jovens, tornando-as mais inactivas, com menos

Leia mais

CENTRO DE SAÚDE DE SERPA DIA NACIONAL DE COMBATE À OBESIDADE 19/5/2007

CENTRO DE SAÚDE DE SERPA DIA NACIONAL DE COMBATE À OBESIDADE 19/5/2007 CENTRO DE SAÚDE DE SERPA DIA NACIONAL DE COMBATE À OBESIDADE 19/5/2007 Maio 2007 1-Problema A Obesidade é um importante problema de Pública e uma doença crónica, com génese multifactorial, que requer esforços

Leia mais

18 7 de Outubro de 2008 Número 127

18 7 de Outubro de 2008 Número 127 18 7 de Outubro de 2008 Resolução n.º 1012/2008 Considerando que a Marítimo da Madeira - Futebol - - SAD necessita de reunir a Assembleia-Geral, sem observância das formalidades prévias nos termos do artigo

Leia mais

Plataforma Contra a Obesidade

Plataforma Contra a Obesidade Plataforma Contra a Obesidade 02 Enquadramento Finalidade Diminuir a incidência e a prevalência da pré-obesidade e da obesidade através da adopção de medidas integradas de prevenção primária, prevenção

Leia mais

Levantamento de projetos locais no âmbito da alimentação saudável e atividade física

Levantamento de projetos locais no âmbito da alimentação saudável e atividade física Levantamento de projetos locais no âmbito da alimentação saudável e atividade física Concelho Nome do projeto Identificação da instituição promotora Equipa de trabalho/ dinamizadora Parceiros Enquadramento/

Leia mais

Alimentação* Nova Roda dos Alimentos. As recomendações para a população portuguesa, em termos nutricionais, são as seguintes:

Alimentação* Nova Roda dos Alimentos. As recomendações para a população portuguesa, em termos nutricionais, são as seguintes: Alimentação* Nova Roda dos Alimentos A roda dos alimentos é um instrumento de educação alimentar largamente conhecido pela população portuguesa dada a sua utilização desde 1977 na campanha Saber comer

Leia mais

Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança

Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança Alimentar e Nutricional Maputo, 25 de Abril de 2013 Constituição

Leia mais

Guia para um consumo sustentável

Guia para um consumo sustentável Guia para um consumo sustentável Contexto O consumo sustentável traduz-se na utilização adequada dos recursos naturais de forma a satisfazer as actuais necessidades de consumo sem comprometer as gerações

Leia mais

Manual de Nutrição. saber mais

Manual de Nutrição. saber mais Manual de Nutrição saber mais ÍNDICE Capítulo 1 > Para abrir o apetite > Porque é que comemos? > Escolhas alimentares: o que nos faz preferir determinados alimentos? > Era uma vez... > Um passeio pelo

Leia mais

A autoavaliação é o processo em que a escola é capaz de olhar criticamente para si mesma com a finalidade de melhorar o seu desempenho.

A autoavaliação é o processo em que a escola é capaz de olhar criticamente para si mesma com a finalidade de melhorar o seu desempenho. A autoavaliação é o processo em que a escola é capaz de olhar criticamente para si mesma com a finalidade de melhorar o seu desempenho. Finalidades Identificar pontos fortes e fracos e oportunidades de

Leia mais

CRIAR VALOR, CONSTRUIR O FUTURO

CRIAR VALOR, CONSTRUIR O FUTURO Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares º DA INDÚSTRIA CONGRESSO PORTUGUESA AGRO-ALIMENTAR CRIAR VALOR, CONSTRUIR O FUTURO PROPOSTA DE PARCERIA CONVENTO DO BEATO LISBOA 4 DE ABRIL 2017 6º

Leia mais

eficiência energética estratégia iniciativa inovação mat

eficiência energética estratégia iniciativa inovação mat ambiente competência competitividade construção s eficiência energética estratégia iniciativa inovação sinergias sustentabilidade tecnologias transformação sustentável desenvolvimento diferenciação dinamism

Leia mais

SEMINÁRIO CPC. A actividade do Conselho de Prevenção da Corrupção e a sua recomendação sobre os Planos de prevenção de Riscos

SEMINÁRIO CPC. A actividade do Conselho de Prevenção da Corrupção e a sua recomendação sobre os Planos de prevenção de Riscos SEMINÁRIO CPC A actividade do Conselho de Prevenção da Corrupção e a sua recomendação sobre os Planos de prevenção de Riscos O Conselho de Prevenção da Corrupção veio preencher uma lacuna em Portugal.

Leia mais

II Conferência do Turismo e Hotelaria O Turismo em Portugal após 2009 [Oportunidades e Desafios]

II Conferência do Turismo e Hotelaria O Turismo em Portugal após 2009 [Oportunidades e Desafios] II Conferência do Turismo e Hotelaria O Turismo em Portugal após 2009 [Oportunidades e Desafios] Painel: Como é que os destinos turísticos se estão a preparar? O caso do Destino Douro Porto, 18 de Junho

Leia mais

11-12 DE FEVEREIRO DE 2010 SEVILHA DECLARAÇÃO DO FÓRUM CONSULTIVO SOBRE INQUÉRITO PAN-EUROPEU SOBRE CONSUMO DE GÉNEROS ALIMENTÍCIOS

11-12 DE FEVEREIRO DE 2010 SEVILHA DECLARAÇÃO DO FÓRUM CONSULTIVO SOBRE INQUÉRITO PAN-EUROPEU SOBRE CONSUMO DE GÉNEROS ALIMENTÍCIOS 11-12 DE FEVEREIRO DE 2010 SEVILHA DECLARAÇÃO DO FÓRUM CONSULTIVO SOBRE INQUÉRITO PAN-EUROPEU SOBRE CONSUMO DE GÉNEROS ALIMENTÍCIOS O QUE ESTÁ NO MENU EUROPEU? INQUÉRITO PAN-EUROPEU SOBRE CONSUMO DE GÉNEROS

Leia mais

Relatório de Estágio Mestrado Integrado em Medicina OBESIDADE NOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS. Marta Alexandra Araújo Oliveira da Silva

Relatório de Estágio Mestrado Integrado em Medicina OBESIDADE NOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS. Marta Alexandra Araújo Oliveira da Silva Relatório de Estágio Mestrado Integrado em Medicina OBESIDADE NOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS Marta Alexandra Araújo Oliveira da Silva Orientador Maria Helena Cardoso Pereira da Silva Co-Orientador Cecília

Leia mais

EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL

EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL Desenvolver as condições facilitadoras da criação de emprego, combate ao desemprego e incentivo à iniciativa local referente ao empreendedorismo

Leia mais

Desde 2008 o MUN-Si já desenvolveu atividades em 16 Municípios atingindo cerca de crianças e suas famílias.

Desde 2008 o MUN-Si já desenvolveu atividades em 16 Municípios atingindo cerca de crianças e suas famílias. O Programa MUN-SI é coordenado pelo CEIDSS (Centro de Estudos e Investigação em Dinâmicas Sociais e Saúde) e congrega a atuação das autarquias com a iniciativa da Academia e de investigadores com o apoio

Leia mais

Aliança para a prevenção rodoviária

Aliança para a prevenção rodoviária Aliança para a prevenção rodoviária 1 Aliança para a prevenção rodoviária O número de vítimas mortais resultante de acidentes rodoviários em Portugal continua a ser preocupante. Apesar da gravidade atribuída

Leia mais

O PACTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO SECTOR AGRÁRIO DE MOÇAMBIQUE PEDSA. Impacto esperado com a implementação do PEDSA através do CAADP

O PACTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO SECTOR AGRÁRIO DE MOÇAMBIQUE PEDSA. Impacto esperado com a implementação do PEDSA através do CAADP O PACTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO SECTOR AGRÁRIO DE MOÇAMBIQUE A SER IMPLEMENTADO ATRAVÉS DO PEDSA O PACTO A SER IMPLEMENTADO PELO PEDSA: PRIORIDADES Impacto esperado com a implementação do PEDSA através

Leia mais

Estratégias e Ações do Governo Federal para a Prevenção e Controle da Obesidade

Estratégias e Ações do Governo Federal para a Prevenção e Controle da Obesidade Estratégias e Ações do Governo Federal para a Prevenção e Controle da Obesidade Encontro com as referências estaduais de Alimentação e Nutrição 16 e 17/06/2015 - Brasília/DF Ministério do Desenvolvimento

Leia mais

O Regime de Fruta Escolar Desafios e Potencialidades para as Autarquias. Joana Russell Sampaio Município de Braga

O Regime de Fruta Escolar Desafios e Potencialidades para as Autarquias. Joana Russell Sampaio Município de Braga O Regime de Fruta Escolar Desafios e Potencialidades para as Autarquias. Joana Russell Sampaio Município de Braga Enquadramento do RFE Início no ano letivo de 2009/2010 Iniciativa de âmbito europeu que

Leia mais

A Educação para os Media em Portugal

A Educação para os Media em Portugal A Educação para os Media em Portugal Experiências, Actores e Contextos Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade Novembro de 2009 1. Enquadramento Teórico A Educação para os Media é hoje uma área-chave

Leia mais

CONSCIENCIALIZAR PARA A GRAVIDADE DO PROBLEMA DO SEDENTARISMO E AJUDAR A PREVENIR O EXCESSO DE PESO

CONSCIENCIALIZAR PARA A GRAVIDADE DO PROBLEMA DO SEDENTARISMO E AJUDAR A PREVENIR O EXCESSO DE PESO 1 a i. CONSCIENCIALIZAR SEDENTARISMO E AJUDAR A PREVENIR O EXCESSO DE PESO PARA A GRAVIDADE DO PROBLEMA DO E se nos levantarmos? é a nova campanha da Coca-Cola Ibéria que demonstra uma aposta num estilo

Leia mais

Projecto Obesidade Zero (POZ) Carvalho MA, Ramos C, Breda J, Rito A

Projecto Obesidade Zero (POZ) Carvalho MA, Ramos C, Breda J, Rito A Projecto Obesidade Zero (POZ) Carvalho MA, Ramos C, Breda J, Rito A Obesidade Infantil Constitui um dos mais sérios desafios de saúde pública do séc. XXI 1-3 Tem um impacto, a curto e a longo prazo, em

Leia mais

REGULAMENTO (versão provisória)

REGULAMENTO (versão provisória) REGULAMENTO (versão provisória) Existindo o reconhecimento de que a alimentação saudável e de qualidade é um direito do cidadão e que este deve tomar as suas opções de forma informada, a Direcção- Geral

Leia mais

Desafio Gulbenkian Não à Diabetes! Enquadramento

Desafio Gulbenkian Não à Diabetes! Enquadramento Breve Apresentação Enquadramento O programa Não à Diabetes promovido pela Fundação Gulbenkian visa responder ao desafio que a Diabetes representa em Portugal e pretende suster o crescimento da incidência

Leia mais

A ALER E O SEU PAPEL NO APOIO À REGULAÇÃO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS

A ALER E O SEU PAPEL NO APOIO À REGULAÇÃO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS A ALER E O SEU PAPEL NO APOIO À REGULAÇÃO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS IX Conferência RELOP 5 de Dezembro de 2016 O QUE É E PARA QUE SERVE A ALER PROMOTORA A ALER é uma associação sem fins lucrativos que tem

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DOS SISTEMAS INTELIGENTES DE TRANSPORTES PARA A INCLUSÃO SOCIAL

A CONTRIBUIÇÃO DOS SISTEMAS INTELIGENTES DE TRANSPORTES PARA A INCLUSÃO SOCIAL A CONTRIBUIÇÃO DOS SISTEMAS INTELIGENTES DE TRANSPORTES PARA A INCLUSÃO SOCIAL Rui D. Camolino Lisboa, 9 de Julho 2008 1 AGENDA Projecto MATISSE Conclusões do Projecto A Contribuição da Associação ITS

Leia mais

Programa de Doutoramento em Gestão, Liderança e Políticas no Sector Agroalimentar

Programa de Doutoramento em Gestão, Liderança e Políticas no Sector Agroalimentar Programa de Doutoramento em Gestão, Liderança e Políticas no Sector Agroalimentar Workshop Colaboração entre Moçambique e Portugal nos Sectores Agrícola, Alimentar e Florestal, Maputo, 2 de Junho 2015

Leia mais

Regulamento. Modelo de Intervenção Integrada do Concelho de Ourique (MII)

Regulamento. Modelo de Intervenção Integrada do Concelho de Ourique (MII) Regulamento Modelo de Intervenção Integrada do Concelho de Ourique (MII) Regulamento Modelo de Intervenção Integrada Nota justificativa O Modelo de Intervenção Integrada surge no âmbito da Rede Social,

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES

RELATÓRIO DE ATIVIDADES RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2016 FEDERAÇÃO DE DOENÇAS RARAS DE PORTUGAL INTRODUÇÃO 2/8 Objectivos Estratégicos A FEDRA definiu para o ano de 2016, no Plano de Actividades que foi apresentado aos sócios, três

Leia mais

APPASSI. Associação Portuguesa para o Serviço Social Internacional (Instituição particular de solidariedade social) PLANO DE A C CÃO PARA 2O17

APPASSI. Associação Portuguesa para o Serviço Social Internacional (Instituição particular de solidariedade social) PLANO DE A C CÃO PARA 2O17 Associação Portuguesa para o Serviço Social Internacional (Instituição particular de solidariedade social) PLANO DE A C CÃO PARA 2O17 ÍNDICE Introdução Enquadramento 1 Estrutura e Organização Interna 2

Leia mais

O contributo do Cluster Habitat Sustentável

O contributo do Cluster Habitat Sustentável O contributo do Cluster Habitat Sustentável Victor Ferreira congresso LiderA, Lisboa 25/05/2011 Plataforma para a Construção Sustentável Visão e Missão OClusterHabitat? agregador em rede de actividades

Leia mais

1.3.Formação da Equipa de Qualidade Constituição definitiva. 1.4.Sensibilização para a Qualidade

1.3.Formação da Equipa de Qualidade Constituição definitiva. 1.4.Sensibilização para a Qualidade Implementação do Sistema de Gestão de Qualidade da Segurança Social Nível C 1.1.Reflexão sobre o que significa um processo de Qualidade Pertinência / Oportunidade para o CST IPSS Reunião Técnica 5 de Fevereiro

Leia mais

O estado de saúde depende em muito de comportamentos saudáveis, como não utilizar drogas (licitas ou ilícitas), alimentar-se correctamente, praticar

O estado de saúde depende em muito de comportamentos saudáveis, como não utilizar drogas (licitas ou ilícitas), alimentar-se correctamente, praticar O estado de saúde depende em muito de comportamentos saudáveis, como não utilizar drogas (licitas ou ilícitas), alimentar-se correctamente, praticar exercício físico, entre outras. No entanto, e o nosso

Leia mais

Experiência Supraconcelhia do Tâmega e Sousa

Experiência Supraconcelhia do Tâmega e Sousa Experiência Supraconcelhia do Tâmega e Sousa conjunto de ações e comportamentos estabelecidos através da interação social que permite aos parceiros, a capacidade de agir, participar e provocar mudança

Leia mais

Envelhecimento Ativo: mudar o presente para ganhar o futuro

Envelhecimento Ativo: mudar o presente para ganhar o futuro Envelhecimento Ativo: mudar o presente para ganhar o futuro - Seminário_Murça- Paula Cruz 19 Outubro 2011 Missão da EAPN Portugal Defender os direitos humanos fundamentais e garantir que todos tenham as

Leia mais

Plano Municipal Contra a Violência Doméstica Prolongamento

Plano Municipal Contra a Violência Doméstica Prolongamento Plano Municipal Contra a Violência Doméstica 2011-14 Prolongamento Plano Municipal Contra a Violência 2011 2013 Prolongamento O Plano Municipal Contra a Violência 2011/13, teve por objetivo estruturar

Leia mais

O programa da 5 ao Dia

O programa da 5 ao Dia O programa da 5 ao Dia O programa 5 ao Dia visa promover o consumo diário de 5 frutos e legumes, no mínimo, com o fim último de potenciar uma alimentação saudável e contribuir para a prevenção de diversas

Leia mais

ORIGINAL: INGLÊS DECLARAÇÃO DE BRAZZAVILLE SOBRE A PREVENÇÃO E O CONTROLO DAS DOENÇAS NÃO TRANSMISSÍVEIS NA REGIÃO AFRICANA DA OMS

ORIGINAL: INGLÊS DECLARAÇÃO DE BRAZZAVILLE SOBRE A PREVENÇÃO E O CONTROLO DAS DOENÇAS NÃO TRANSMISSÍVEIS NA REGIÃO AFRICANA DA OMS ORIGINAL: INGLÊS DECLARAÇÃO DE BRAZZAVILLE SOBRE A PREVENÇÃO E O CONTROLO DAS DOENÇAS NÃO TRANSMISSÍVEIS NA REGIÃO AFRICANA DA OMS ORIGINAL: INGLÊS Nós, os Ministros da Saúde e Chefes de Delegação da Região

Leia mais

Auto-Regulação e Melhoria das Escolas. Auto-avaliação - uma PRIORIDADE. Auto-avaliação do Agrupamento de Escolas de Gil Vicente

Auto-Regulação e Melhoria das Escolas. Auto-avaliação - uma PRIORIDADE. Auto-avaliação do Agrupamento de Escolas de Gil Vicente Agrupamento de Escolas de Auto-Regulação e Melhoria das Escolas Auto-avaliação - uma PRIORIDADE Equipa de Avaliação Interna 2009/2010 1 Agrupamento de Escolas de Enquadramento legal Justificação Novo Paradigma

Leia mais

Debate sobre as Estratégias de Desenvolvimento e os Modelos da Governança na Região Alentejo. Apresentação do Projecto

Debate sobre as Estratégias de Desenvolvimento e os Modelos da Governança na Região Alentejo. Apresentação do Projecto Debate sobre as Estratégias de Desenvolvimento e os Modelos da Governança na Região Alentejo Apresentação do Projecto Teresa Pinto-Correia e José da Veiga ICAAM Universidade de Évora e Direcção Regional

Leia mais

PLANO TRIENAL 2008/2010

PLANO TRIENAL 2008/2010 Tribunal de Contas PLANO TRIENAL 2008/2010 (EXTRACTO) Departamento de Consultadoria e Planeamento LISBOA / 2007 ÍNDICE 1 Missão do Tribunal de Contas... 3 2. Valores... 3 3. Visão... 3 4. OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS

Leia mais

PROJETO EUROPEU HEALTHY DS

PROJETO EUROPEU HEALTHY DS PROJETO EUROPEU HEALTHY DS O projeto Europeu HEALTHY DS é financiado pelo PROGRAMA ERASMUS+ 2015, com uma duração de 24 meses, e liderado pela fundação ASINDOWN Valência (Espanha) que prevê o desenvolvimento

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA Título da Posição: TECNICO DE PROMOÇÃO TURÍSTICA Duração: Local: Instituição: RENOVAÇÃO DEPENDENDO

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA EMPRESA ARTICLE LAND

APRESENTAÇÃO DA EMPRESA ARTICLE LAND APRESENTAÇÃO DA EMPRESA ARTICLE LAND A Article Land, Comunicação, Eventos e Serviços, Unipessoal, Lda., presente no mercado há dois anos e com uma equipa de profissionais que reúne vários anos de experiência,

Leia mais

Campanha de sensibilização do pnase

Campanha de sensibilização do pnase São Tomé, 28 de Fevereiro de 2017. Campanha de sensibilização do pnase Em alusão a 1 de Março, Dia Africano da Alimentação Escolar, o Ministério da Educação Cultura de São Tomé e Príncipe dá início à campanha

Leia mais

O projecto SALSA - Agricultura familiar,

O projecto SALSA - Agricultura familiar, O projecto SALSA - Agricultura familiar, pequenas empresas agroalimentares e segurança alimentar sustentável 28 de Outubro de 2016 O Projecto SALSA (Small farms, small food businesses and sustainable food

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PROJETO ENQUADRAMENTO OBJETIVO CENTRAL ENTIDADES PROMOTORAS PARCEIROS ATIVIDADES E CRONOGRAMA GABINETES DE APOIO À INOVAÇÃO CONTACTOS

APRESENTAÇÃO DO PROJETO ENQUADRAMENTO OBJETIVO CENTRAL ENTIDADES PROMOTORAS PARCEIROS ATIVIDADES E CRONOGRAMA GABINETES DE APOIO À INOVAÇÃO CONTACTOS APRESENTAÇÃO DO PROJETO ENQUADRAMENTO OBJETIVO CENTRAL ENTIDADES PROMOTORAS PARCEIROS ATIVIDADES E CRONOGRAMA GABINETES DE APOIO À INOVAÇÃO CONTACTOS ENQUADRAMENTO NORTE 2020 - Programa Operacional Regional

Leia mais

Medida de apoio à inovação

Medida de apoio à inovação Medida de apoio à inovação Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020 Maria Pedro Silva Organização: Apoio Institucional: Grupos Crescimento Valor Acrescentado Rentabilidade Económica Inovação Capacitação

Leia mais

A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER

A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER A Gestão da Inovação Proposta de Utilização do Guia de Boas Práticas de IDI e das ferramentas desenvolvidas no âmbito da iniciativa DSIE da COTEC para o desenvolvimento do sistema

Leia mais

Qualidade de vida e políticas públicas internacionais. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Qualidade de vida e políticas públicas internacionais. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Qualidade de vida e políticas públicas internacionais Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Estimativas e projeções Doenças crônicas não transmissíveis causam 60% das mortes no mundo. Estima-se que

Leia mais

E.S.S.A ESCOLA SECUNDÁRIA DE SANTO ANDRÉ BARREIRO QUINTA DA LOMBA

E.S.S.A ESCOLA SECUNDÁRIA DE SANTO ANDRÉ BARREIRO QUINTA DA LOMBA E.S.S.A ESCOLA SECUNDÁRIA DE SANTO ANDRÉ QUINTA DA LOMBA BARREIRO A ACTIVIDADE FÍSICA e AQUISIÇÃO DE UM ESTILO DE VIDA SAUDÁVEL PROJECTO DE ESCOLA EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE HÁBITOS DE ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

Leia mais

Certificar para Ganhar o Futuro Ponta Delgada, 19 de Junho 2007 José Leitão CEO APCER

Certificar para Ganhar o Futuro Ponta Delgada, 19 de Junho 2007 José Leitão CEO APCER Certificar para Ganhar o Futuro Ponta Delgada, 19 de Junho 2007 José Leitão CEO APCER www.apcer.pt AGENDA APCER: Quem Somos Porquê Certificar para Ganhar o Futuro? Região Autónoma dos Açores como Mercado

Leia mais

Ligações perigosas publicidade alimentar e literacia nutricional. Débora Cláudio ACeS Porto Oriental

Ligações perigosas publicidade alimentar e literacia nutricional. Débora Cláudio ACeS Porto Oriental Ligações perigosas publicidade alimentar e literacia nutricional Débora Cláudio ACeS Porto Oriental urappor@gmail.com Publicidade Alimentar e Literacia Nutricional Publicidade alimentar Literacia Nutricional

Leia mais

I (Comunicações) CONSELHO

I (Comunicações) CONSELHO I (Comunicações) CONSELHO Resolução do Conselho e dos Representantes dos Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, sobre o reconhecimento do valor da aprendizagem não formal e informal no domínio

Leia mais

AUDIÇÃO GRUPO DE TRABALHO REGULAÇÃO DA CONCORRÊNCIA E DEFESA DO CONSUMIDOR. Instituto de Seguros de Portugal. 18 de Novembro de 2010

AUDIÇÃO GRUPO DE TRABALHO REGULAÇÃO DA CONCORRÊNCIA E DEFESA DO CONSUMIDOR. Instituto de Seguros de Portugal. 18 de Novembro de 2010 AUDIÇÃO GRUPO DE TRABALHO REGULAÇÃO DA CONCORRÊNCIA E DEFESA DO CONSUMIDOR Instituto de Seguros de Portugal 18 de Novembro de 2010 1 ÍNDICE 1. O INTERESSE DO CONSUMIDOR NA ACTUAÇÃO DO ISP 2. INICIATIVAS

Leia mais

REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010

REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 EIXO I Promoção da Inclusão das famílias com especial enfoque às necessidades dos idosos OBJECTIVO GERAL Melhorar as condições de vida de

Leia mais

ACORDO ENTRE AS CONFEDERAÇÕES COM ASSENTO NA COMISSÃO PERMANENTE DE CONCERTAÇÃO SOCIAL, VISANDO A FORMAÇÃO PROFISSIONAL

ACORDO ENTRE AS CONFEDERAÇÕES COM ASSENTO NA COMISSÃO PERMANENTE DE CONCERTAÇÃO SOCIAL, VISANDO A FORMAÇÃO PROFISSIONAL ACORDO ENTRE AS CONFEDERAÇÕES COM ASSENTO NA COMISSÃO PERMANENTE DE CONCERTAÇÃO SOCIAL, VISANDO A FORMAÇÃO PROFISSIONAL A formação profissional constitui um instrumento fundamental para combater o défice

Leia mais

Área de Intervenção. - Região Norte Porto e Vila Real. - Região Centro Coimbra e Castelo Branco. - Região Alentejo Évora e Beja

Área de Intervenção. - Região Norte Porto e Vila Real. - Região Centro Coimbra e Castelo Branco. - Região Alentejo Évora e Beja Área de Intervenção - Região Norte Porto e Vila Real - Região Centro Coimbra e Castelo Branco - Região Alentejo Évora e Beja Pertinência O Contexto -Factores Motivacionais: relacionados com a própria filosofia

Leia mais

ALER Manual de Patrocínios 2016 MANUAL DE PATROCÍNIOS 2016

ALER Manual de Patrocínios 2016 MANUAL DE PATROCÍNIOS 2016 ALER Manual de Patrocínios 2016 MANUAL DE PATROCÍNIOS 2016 RAZÕES PARA PATROCINAR Aumentar a visibilidade e reforçar a imagem da sua empresa no sector das renováveis e na lusofonia Tirar partido da extensa

Leia mais

promovam a reflexão sobre temáticas fundamentais relacionadas com a aprendizagem da Matemática.

promovam a reflexão sobre temáticas fundamentais relacionadas com a aprendizagem da Matemática. Áreas prioritárias no apoio ao sistema educativo 1º ciclo área da Matemática Perspectivas sobre o trabalho a ser desenvolvido na área da Matemática Proposta Enquadramento A visão de que o ensino da Matemática,

Leia mais

A Taxa de Insucesso Escolar verificada no Concelho, revela-se bastante elevada quando comparada com a registada a nível nacional. De referir também,

A Taxa de Insucesso Escolar verificada no Concelho, revela-se bastante elevada quando comparada com a registada a nível nacional. De referir também, A Taxa de Insucesso Escolar verificada no Concelho, revela-se bastante elevada quando comparada com a registada a nível nacional. De referir também, o facto de o insucesso escolar aumentar à medida que

Leia mais

Dia Mundial da Alimentação. 16 de outubro de 2013

Dia Mundial da Alimentação. 16 de outubro de 2013 Dia Mundial da Alimentação 16 de outubro de 2013 Sistemas Alimentares Saudáveis Modelo de Intervenção da Associação Portuguesa de Dietistas Associação Portuguesa de Dietistas Dia Mundial da Alimentação

Leia mais

Acção de Formação. Curso sobre Boas Práticas de Fabrico, HACCP, Auditoria e Métodos de Ensino

Acção de Formação. Curso sobre Boas Práticas de Fabrico, HACCP, Auditoria e Métodos de Ensino Acção de Formação Curso sobre Boas Práticas de Fabrico, HACCP, Auditoria e Métodos de Ensino ENQUADRAMENTO: As novas leis nacionais aplicáveis ao sector alimentar (Decreto legislativo nº 25/2009 relativo

Leia mais

Pequena Agricultura Familiar e Dieta Mediterrânica

Pequena Agricultura Familiar e Dieta Mediterrânica Conferência Internacional A Pequena Agricultura Familiar: Chayanov revisitado? Lisboa, 27 de Outubro 2014 Pequena Agricultura Familiar e Dieta Mediterrânica Proposta de cooperação integrada com base na

Leia mais

Programa BIP/ZIP 2016

Programa BIP/ZIP 2016 Programa BIP/ZIP 2016 FICHA DE CANDIDATURA Refª: 051 BOUTIQUE DO BAIRRO Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone:

Leia mais

PAPEL DOS FORMADORES NA ÁREA DA PREVENÇÃO DA DIABETES

PAPEL DOS FORMADORES NA ÁREA DA PREVENÇÃO DA DIABETES PAPEL DOS FORMADORES NA ÁREA DA PREVENÇÃO DA DIABETES Prevenção da Diabetes T2 Factores etiológicos não modificáveis Factores genéticos Envelhecimento populacional Factores etiológicos modificáveis Ingestão

Leia mais

A saúde dos adolescentes em Portugal: respostas e desafios

A saúde dos adolescentes em Portugal: respostas e desafios A saúde dos adolescentes em Portugal: respostas e desafios Andreia Jorge Silva Direção de Serviços de Prevenção da Doença e Promoção da Saúde 1 PNS/ELS - Obesidade Saúde dos Adolescentes PNS/Saúde dos

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 246/XII. Recomenda ao Governo a adoção de medidas tendentes ao combate da obesidade infanto-juvenil em Portugal.

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 246/XII. Recomenda ao Governo a adoção de medidas tendentes ao combate da obesidade infanto-juvenil em Portugal. PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 246/XII Recomenda ao Governo a adoção de medidas tendentes ao combate da obesidade infanto-juvenil em Portugal. Exposição de motivos A Obesidade Infantil é actualmente considerada

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Paço de Arcos. Projeto. Clube de Nutrição

Agrupamento de Escolas de Paço de Arcos. Projeto. Clube de Nutrição Agrupamento de Escolas de Paço de Arcos Projeto Clube de Nutrição julho de 2013 1. Enquadramento A Obesidade é provavelmente o maior problema, relacionado com a saúde, que a sociedade moderna apresenta.

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE PALMELA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E INTERVENÇÃO SOCIAL

CÂMARA MUNICIPAL DE PALMELA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E INTERVENÇÃO SOCIAL Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Palmela Nota Justificativa Reconhecendo: 1. A juventude como força motriz do desenvolvimento de uma comunidade, região, país, através das suas múltiplas

Leia mais

Case study. Stakeholders internos MOBILIZAÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL EMPRESA

Case study. Stakeholders internos MOBILIZAÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL EMPRESA Case study 2010 Stakeholders internos MOBILIZAÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL EMPRESA O grupo Águas de Portugal (AdP) actua nas áreas de abastecimento de água, saneamento de águas residuais e tratamento

Leia mais

Comissão de Protecção De Crianças e Jovens De Arganil. Plano de Acção. Ano 2011 ACÇÃO Nº I SABER SER, SABER ESTAR

Comissão de Protecção De Crianças e Jovens De Arganil. Plano de Acção. Ano 2011 ACÇÃO Nº I SABER SER, SABER ESTAR Comissão de Protecção De Crianças e Jovens De Arganil Plano de Ano 2011 ACÇÃO Nº I SABER SER, SABER ESTAR ACÇÃO N.º I CONFERÊNCIA: Os Direitos das Crianças Gerais Específico Recursos a Afectar Calendarização

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020

PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020 FORUM REGIONAL ALENTEJO 2020 DESAFIOS E OPORTUNIDADES PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020 COMISSÃO DE COORDENAÇÃO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL DO ALENTEJO Joaquim Fialho joaquim.fialho@ccdr-a.gov.pt Vendas

Leia mais

Quadro: Correlação entre as ordens do dia do Conselho Executivo, da Assembleia Mundial da Saúde e das sessões do Comité Regional

Quadro: Correlação entre as ordens do dia do Conselho Executivo, da Assembleia Mundial da Saúde e das sessões do Comité Regional Página 1 INTRODUÇÃO 1. Na sua Resolução WHA33.17, a Assembleia Mundial da Saúde determinou que as funções de direcção, coordenação e cooperação técnica da OMS se apoiam mutuamente e decidiu que os trabalhos

Leia mais

Regulamento Cidade do Vinho 2017

Regulamento Cidade do Vinho 2017 Regulamento Cidade do Vinho 2017 CIDADE DO VINHO 2017 REGULAMENTO DE PARTICIPAÇÃO A designação de "Cidade do Vinho" tem o objectivo de contribuir para valorizar a riqueza, a diversidade e as características

Leia mais

FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO

FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Organização Sonae MC Diretor(a) Nádia Reis Setor de Atividade Retalho Alimentar Número de Efetivos 22100 NIF 502 011 475 Morada Rua João Mendonça, 529-6º Esq. 4464-501 Senhora da

Leia mais

Resultados da Pesquisa sobre Políticas de CTI e Instrumentos de Política (GO-SPIN)

Resultados da Pesquisa sobre Políticas de CTI e Instrumentos de Política (GO-SPIN) Resultados da Pesquisa sobre Políticas de CTI e Instrumentos de Política (GO-SPIN) República de Moçambique Ministério da Ciência e Tecnologia, Ensino Superior e Técnico Profissional Maputo, 19 de Novembro

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 453/XIII/1.ª

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 453/XIII/1.ª PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 453/XIII/1.ª (Recomenda ao Governo o reforço das medidas de eliminação das Hepatites Virais) A hepatite é uma inflamação do fígado. Esta inflamação pode desaparecer espontaneamente

Leia mais

Sistemas de Incentivos do QREN

Sistemas de Incentivos do QREN Sistemas de Incentivos do QREN Sistemas de Incentivos do QREN 1. Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME 2. Sistema de Incentivos à Inovação 3. Sistema de Incentivos à Investigação

Leia mais

Referencial Estratégico para Monitorização do Desenvolvimento Social de Lisboa

Referencial Estratégico para Monitorização do Desenvolvimento Social de Lisboa EAPN Portugal / Rede Europeia Anti Pobreza Observatório de Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Referencial Estratégico para Monitorização do Desenvolvimento Social de Lisboa Documento realizado para

Leia mais

O projecto Potencial C inclui ainda um número limitado de actividades a decorrer fora do país. Objectivos:

O projecto Potencial C inclui ainda um número limitado de actividades a decorrer fora do país. Objectivos: O projecto Potencial C é uma iniciativa da Agência INOVA e é constituído por um conjunto integrado e abrangente de actividades que, ao longo de 24 meses, procurará estimular a criação de empresas no âmbito

Leia mais

O papel de uma estrutura municipal de nutrição

O papel de uma estrutura municipal de nutrição O Papel da Alimentação na Identidade e Competitividade das Regiões O papel de uma estrutura municipal de nutrição Bárbara Camarinha 27 e 28 de junho 2017 CENTRO CULTURAL VILA FLOR - GUIMARÃES O ponto de

Leia mais

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES PLANO DE ACTIVIDADES 2010 2011 Identificação Entidade: Sociohabitafunchal, E.M Animadora: Célia Dantas Localização: Centro Cívico de Santo António Designação O Clube de Emprego é um serviço promovido pelo

Leia mais

IV. Questionário aos professores e outros funcionários da escola.

IV. Questionário aos professores e outros funcionários da escola. IV. Questionário aos professores e outros funcionários da escola. Ex.mo/a Senhores/as Este questionário faz parte dum estudo que pretendemos realizar no âmbito da conclusão da etapa de Licenciatura, do

Leia mais

INSTITUTO DE FORMAÇÃO PARA O COMÉRCIO, TURISMO E SERVIÇOS

INSTITUTO DE FORMAÇÃO PARA O COMÉRCIO, TURISMO E SERVIÇOS INSTITUTO DE FORMAÇÃO PARA O COMÉRCIO, TURISMO E SERVIÇOS ACTO FUNDACIONAL Acordo entre a: Associação Comercial de Braga Comércio, Turismo e Serviços; Casa Santos de Vila Verde; Instituto de Negociação

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES

PLANO DE ATIVIDADES 1 PLANO DE ATIVIDADES 2017 ÍNDICE I. ENQUADRAMENTO... 3 II. AÇÕES A DESENVOLVER EM 2017... 3 2.1 Organização Interna... 3 2.2 Formação e Valorização Profissional... 5 2.3 Cooperação e Relações Institucionais...

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA ESTRATÉGIA NACIONAL PARA A PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL POSIÇÃO DA APAN ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE ANUNCIANTES SOBRE A

CONSULTA PÚBLICA ESTRATÉGIA NACIONAL PARA A PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL POSIÇÃO DA APAN ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE ANUNCIANTES SOBRE A CONSULTA PÚBLICA SOBRE A ESTRATÉGIA NACIONAL PARA A PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL POSIÇÃO DA APAN ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE ANUNCIANTES 15 AGOSTO DE 2017 NOTAS PRELIMINARES A APAN Associação Portuguesa

Leia mais

sal, nomeadamente bolachas e biscoitos pré-embalados, flocos de cereais e cereais prensados e batatas fritas ou desidratadas

sal, nomeadamente bolachas e biscoitos pré-embalados, flocos de cereais e cereais prensados e batatas fritas ou desidratadas Posicionamento das Ordens dos Enfermeiros, dos Farmacêuticos, dos Médicos, dos Médicos Dentistas e dos Nutricionistas face ao consumo de alimentos com excesso de sal, nomeadamente bolachas e biscoitos

Leia mais

Como Comunicar Projectos de Prevenção

Como Comunicar Projectos de Prevenção A Prevenção [redução] na Produção de Resíduos Como Comunicar Projectos de Prevenção Porto, 28 de Novembro de 2008 A Sair da Casca Quem somos Criada em 1994, a Sair da Casca é a primeira empresa de consultoria

Leia mais

Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo. Código de Ética e Conduta Profissional da CCDR-LVT

Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo. Código de Ética e Conduta Profissional da CCDR-LVT Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo Código de Ética e Conduta Profissional Agosto 2009 Código de Ética e Conduta Profissional Um Código de Ética e Conduta Profissional

Leia mais

Educar Para a Saúde. Fundamentação. Objetivos

Educar Para a Saúde. Fundamentação. Objetivos Educar Para a Saúde Fundamentação O Município de Coruche Coruche procura promover hábitos de consumo de alimentos benéficos para a saúde das populações mais jovens e combater a obesidade infantil, incutindo

Leia mais

Teresa Maria de Serpa Pinto Freitas do Amaral

Teresa Maria de Serpa Pinto Freitas do Amaral Teresa Maria de Serpa Pinto Freitas do Amaral Prof. Auxiliar (exclusividade) Formação Pré-Graduada Licenciatura em Ciências da Nutrição pela Universidade do Porto (1989). Formação Pós-Graduada Doutoramento

Leia mais

INSULINO-RESISTÊNCIA E ESTILO DE VIDA

INSULINO-RESISTÊNCIA E ESTILO DE VIDA Insulino-resistência e estilo de vida 33 INSULINO-RESISTÊNCIA E ESTILO DE VIDA Helena Cardoso Serviço de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo; Hospital Geral de Santo António, Porto. Para além dos factores

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA EB de Miraflores PROPOSTA PELA LISTA C

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA EB de Miraflores PROPOSTA PELA LISTA C PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2016-2017 DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA EB de Miraflores PROPOSTA PELA LISTA C INTRODUÇÃO A Escola ocupa um lugar primordial na educação das crianças enquanto

Leia mais