Alimentação* Nova Roda dos Alimentos. As recomendações para a população portuguesa, em termos nutricionais, são as seguintes:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Alimentação* Nova Roda dos Alimentos. As recomendações para a população portuguesa, em termos nutricionais, são as seguintes:"

Transcrição

1 Alimentação* Nova Roda dos Alimentos A roda dos alimentos é um instrumento de educação alimentar largamente conhecido pela população portuguesa dada a sua utilização desde 1977 na campanha Saber comer é saber viver. A sua forma circular associa-se ao prato vulgarmente utilizado nas refeições e a sua divisão por grupos permite identificar facilmente qual a proporção com que os alimentos de cada um desses grupos deve estar presente na alimentação diária, incentivando assim maior consumo dos alimentos pertencentes aos grupos de maior dimensão e menor consumo daqueles que se encontram nos grupos de menor dimensão. Dentro de cada grupo, estão reunidos alimentos nutricionalmente semelhantes entre si, que devem ser regularmente substituídos entre si, de modo a assegurar a variedade alimentar. Folheto explicativo da nova roda dos alimentos As recomendações para a população portuguesa, em termos nutricionais, são as seguintes: 1) Promoção do aleitamento materno ; 2) Aumento do consumo de hidratos de carbono complexos; 3) Aumento do consumo de fibra; 4) Redução do consumo dos lípidos totais, em especial à custa dos ácidos gordos saturados e colesterol; 5) Redução do consumo de sacarose; 6) Redução do consumo de sódio; 7) Redução do consumo de álcool; 8) Ingestão adequada de cálcio; 9) Ingestão adequada de flúor (**); 10) Adequação alimentar às necessidades energéticas. (**) De acordo com as recomendações publicadas no Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral , a suplementação da alimentação com flúor não é recomendada para nenhuma faixa etária da população. Excepcionalmente, as crianças com elevado risco de aparecimento de cárie dentária podem fazer 1 comprimido diário de fluoreto de sódio a 0,25 mg.

2 A estas recomendações, poder-se-ão acrescentar as seguintes especificações em termos alimentares: 1) Aleitamento materno nos primeiros meses de vida, pelo menos durante os primeiros seis meses; 2) Consumo adequado de cereais e seus derivados, como o pão, batatas, leguminosas e outros; 3) Aumento do consumo de produtos hortícolas e de frutos frescos; 4) Redução do consumo de gorduras, em especial das gorduras sólidas e das sobreaquecidas; dar preferência ao consumo de azeite; 5) Aumento do consumo de peixe; 6) Redução do consumo de açúcar e de produtos açucarados; 7) Redução do consumo de sal; 8) Em caso de ingestão de bebidas alcoólicas, que esta seja feita com moderação. Grávidas, lactantes, crianças e jovens com menos de 17 anos nunca devem beber álcool; 9) Consumo adequado de leite e seus derivados; 10) Manutenção de um peso adequado, à custa de um equilíbrio entre a ingestão alimentar e a actividade física; 11) Ingestão alimentar variada e fraccionada em, pelo menos, cinco refeições diárias; 12) Uma primeira refeição equilibrada logo após o acordar. Informações Adicionais: Actividade Física e Saúde Estratégia Global de Alimentação, (*) Adaptado de Fonte:

3 Estratégia Global de Alimentação, Actividade Física e Saúde Contextualização: Em 2001, as doenças crónicas não transmissíveis contribuíram para quase 60% das 56 milhões de mortes anuais. Tendo em consideração estes valores, e antevendo um agravamento desta situação, a prevenção das doenças crónicas não transmissíveis constitui um dos maiores desafios para a saúde pública actual. O Relatório Mundial de Saúde de 2002, da Organização Mundial de Saúde (OMS), descreve como os principais factores de risco contribuem para os valores de mortalidade e morbilidade da maior parte dos países. No caso das doenças crónicas não transmissíveis, os factores de risco mais importantes incluem hipertensão, consumo de tabaco, consumo de bebidas alcoólicas, deficiência em ferro, colesterol sanguíneo elevado, consumo inadequado de frutos e hortícolas, inactividade física e excesso ponderal. Hábitos alimentares pouco saudáveis e inactividade física estão entre as principais causas para o aumento dos factores de risco acima referidos e para o aparecimento de doenças como a obesidade, as doenças cardiovasculares, a diabetes mellitus tipo 2 e certos tipos de cancro, as quais contribuem substancialmente para as despesas globais com a saúde e para os valores de mortalidade. Face à crescente e alarmante prevalência deste tipo de doenças tanto nos países desenvolvidos como nos subdesenvolvidos os Estados Membros da OMS solicitaram, em Maio de 2002, a elaboração de uma estratégia global que pudesse ser usada como instrumento na prevenção das doenças crónicas não transmissíveis. Em Maio de 2004, durante a Assembleia Mundial de Saúde que decorreu em Genebra (Suíça), foi aprovada a Estratégia Global de Alimentação, Actividade Física e Saúde (Global Strategy on Diet, Physical Activity and Health). Objectivos: Tendo sempre como objectivo final a promoção e melhoria da saúde da população, a Estratégia tem quatro objectivos principais: 1 - Reduzir os factores de risco para as doenças crónicas provenientes de hábitos alimentares inadequados e da inactividade física, através de acções em saúde pública e de medidas que abranjam a promoção da saúde e a prevenção da doença; 2 - Aumentar a consciencialização da população para a influência da alimentação e da actividade física na saúde e para o impacto positivo que têm as acções de prevenção; 3 - Incentivar o desenvolvimento e implementação de políticas e planos de acção que sejam abrangentes, de longa duração e

4 multissectoriais, e que incluam a colaboração com a sociedade civil, com o sector privado e com os meios de comunicação; 4 - Monitorizar dados científicos e principais influências na alimentação e actividade física; apoiar a investigação realizada em áreas relevantes para este tema, incluindo a avaliação da eficácia das intervenções e o reforço dos recursos humanos necessários neste domínio. Conteúdo do Documento: De uma maneira não vinculativa, a Estratégia fornece aos diversos intervenientes na prevenção das doenças crónicas (OMS e outras instituições das Nações Unidas, Estados Membros, organizações não governamentais (ONGs), sociedade civil e sector privado), um vasto conjunto de opções para que estes possam, através da criação de planos de acção adaptados à realidade de cada país, melhorar o estado de saúde da população e diminuir os avultados gastos com o tratamento das doenças. Recomendações alimentares e de actividade física: As recomendações alimentares e de actividade física existentes neste documento têm por base a vasta evidência científica actual: - Adquirir um peso adequado à estatura e fazer a manutenção do mesmo através do equilíbrio energético entre o que é gasto e o que é consumido; - Limitar o consumo de gordura total, preferindo sempre gorduras insaturadas e eliminando o consumo de ácidos gordos trans ; - Aumentar o consumo de frutos, hortícolas, cereais e leguminosas; - Limitar o consumo de açúcares simples; - Limitar o consumo total de sal (sódio), assegurando que o sal consumido é iodado. Relativamente à actividade física, recomenda-se um mínimo de 30 minutos diários para a redução do risco de doença cardiovascular, diabetes, cancro do cólon e da mama. Se o objectivo for o controlo ou a redução de peso, pode ser necessário aumentar o tempo diário dedicado à prática de actividade física. Responsabilidade da OMS: A OMS, em colaboração com as restantes instituições interessadas, é responsável por providenciar liderança, colaboração, apoio, orientação, regulação e coordenação entre todos os intervenientes que estejam interessados em desenvolver planos de acção, recomendações à população, investigação e outras actividades que visem promover hábitos alimentares e de actividade física mais

5 saudáveis. O documento apresentado discrimina o papel da OMS nas acções anteriormente mencionadas. Áreas de intervenção recomendadas aos Estados Membros: - Educação, comunicação e consciencialização da população; - Criação de recomendações nacionais para a alimentação e a actividade física; - Marketing, publicidade e promoção de produtos alimentares para crianças e adolescentes. Sugere-se que nenhuma destas actividades deve explorar a credulidade e inexperiência destas faixas etárias, e que mensagens que promovam hábitos alimentares pouco saudáveis ou um estilo de vida sedentário devem ser desencorajadas, devendo os governos ter, nesta área, um papel coordenador e principalmente regulador; - Melhoria e monitorização da rotulagem nutricional; - Controlo da utilização de menções de saúde nos produtos alimentares; - Promoção de alimentos que, numa alimentação saudável, devem ser consumidos diária e regularmente; - Políticas fiscais. Uma vez que o preço dos alimentos é um dos factores que influencia a escolha dos consumidores, as políticas fiscais implementadas devem influenciar o preço dos alimentos através da aplicação de taxas que favoreçam a escolha e adopção de hábitos alimentares saudáveis; - Programas alimentares de ajuda aos mais carenciados; - Políticas agrícolas. A política agrícola de um determinado país pode ter uma grande influência nos hábitos alimentares da população; assim, a política deve ser escrita e implementada, tendo também em consideração a promoção da saúde e a prevenção das doenças crónicas não transmissíveis; - Desenvolvimento de políticas multissectoriais para a promoção da actividade física; - Implementação de programas escolares que apoiem a adopção de hábitos alimentares saudáveis e de práticas de actividade física adequadas. Além de estabelecer as responsabilidades da OMS e dos Estados Membros, este documento inclui também as responsabilidades de outras instituições das Nações Unidas, das ONGs e do sector privado. Atribuindo funções a diversos intervenientes, é destacada a importância da colaboração entre sectores e instituições para a eficácia das acções de prevenção. Implementação: O plano para a implementação da Estratégia Global está a ser

6 finalizado pela OMS. No entanto, todas as acções que os Estados Membros ou outras Instituições pretendam desenvolver podem, como sempre, contar com todo o apoio da OMS, uma vez que urge promover e melhorar a saúde mundial e que existe todo o interesse em desenvolver novas actividades e em avaliar o seu impacto e eficácia. A aprovação deste documento representa apenas um primeiro passo na prevenção global da epidemia das doenças crónicas não transmissíveis. Esta estratégia constitui uma valiosa ferramenta de trabalho em saúde pública, uma vez que coloca à disposição de cada país uma extensa lista de sugestões para uma abordagem holística deste problema. A eficaz implementação desta estratégia contribuirá de forma decisiva para a melhoria da saúde da população mundial. (*) Adaptado de Fonte:

Cardiovascular 29% Infectious & Parasitic 19% Other 3% Injury 9% Digestive 4% Respiratory. Respiratory Infections. 7% Neuropsychiatric

Cardiovascular 29% Infectious & Parasitic 19% Other 3% Injury 9% Digestive 4% Respiratory. Respiratory Infections. 7% Neuropsychiatric Impacto Global das Doenças Cardiovasculares Digestive 4% Respiratory 7% Neuropsychiatric 2% Injury 9% Other 3% Infectious & Parasitic 19% Respiratory Infections 7% Maternal & Perinatal 5% Cardiovascular

Leia mais

sal, nomeadamente bolachas e biscoitos pré-embalados, flocos de cereais e cereais prensados e batatas fritas ou desidratadas

sal, nomeadamente bolachas e biscoitos pré-embalados, flocos de cereais e cereais prensados e batatas fritas ou desidratadas Posicionamento das Ordens dos Enfermeiros, dos Farmacêuticos, dos Médicos, dos Médicos Dentistas e dos Nutricionistas face ao consumo de alimentos com excesso de sal, nomeadamente bolachas e biscoitos

Leia mais

> as disponibilidades alimentares são agora. > os hábitos alimentares mudaram devido à. > os conhecimentos científicos evoluíram.

> as disponibilidades alimentares são agora. > os hábitos alimentares mudaram devido à. > os conhecimentos científicos evoluíram. A RODA DOS ALIMENTOS VARIAR OS PRAZERES Se não é completamente verdade que as cenouras fazem os olhos bonitos, também não é completamente mentira As cenouras contêm um tipo de (pró)-vitamina que faz muito

Leia mais

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL. Dra. Helena Maia Nutricionista

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL. Dra. Helena Maia Nutricionista ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Dra. Helena Maia Nutricionista OBJECTIVOS Obesidade: Riscos, prevalências e tipos Nutrição / Nutrientes Roda dos Alimentos Alimentação Mediterrânica IMC Conclusão RISCOS RELACIONADOS

Leia mais

Alimentação Saudável: Desafios em meio escolar & familiar. Mariana Santos. 29 de Abril 2015

Alimentação Saudável: Desafios em meio escolar & familiar. Mariana Santos. 29 de Abril 2015 Alimentação Saudável: Desafios em meio escolar & familiar 29 de Abril 2015 Mariana Santos Departamento de Alimentação e Nutrição, Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, I.P., Lisboa, Portugal

Leia mais

Projecto-Lei n.º 118/XIII/ 1ª. Regulamentação da publicidade de produtos alimentares destinada a crianças e jovens. Exposição de motivos

Projecto-Lei n.º 118/XIII/ 1ª. Regulamentação da publicidade de produtos alimentares destinada a crianças e jovens. Exposição de motivos Projecto-Lei n.º 118/XIII/ 1ª Regulamentação da publicidade de produtos alimentares destinada a crianças e jovens Exposição de motivos A alimentação saudável é essencial para o crescimento, desenvolvimento

Leia mais

Unidade de Cuidados na Comunidade de Castelo Branco. Alimentação Saudável L/O/G/O.

Unidade de Cuidados na Comunidade de Castelo Branco. Alimentação Saudável L/O/G/O. Unidade de Cuidados na Comunidade de Castelo Branco Alimentação Saudável L/O/G/O www.themegallery.com Maio 2014 Sumário: O que é uma Alimentação Saudável; Nova Roda dos Alimentos; Recomendações de uma

Leia mais

O pão engorda. Mitos Alimentares

O pão engorda. Mitos Alimentares Apesar do acesso facilitado e quase imediato à informação em todos os momentos, nem todas as afirmações feitas sobre a comida são baseadas em factos científicos, pelo que alguns mitos alimentares ainda

Leia mais

MAPA DE REVISÕES. Revisão Página Motivo Data Responsável

MAPA DE REVISÕES. Revisão Página Motivo Data Responsável DESTINATÁRIOS Médicos dos Centros de Saúde da Unidade Coordenadora Funcional (UCF) de Leiria Elaboração Sandra Ferreira, Carla Loureiro, Pascoal Moleiro ----------------------- Aprovação Director do Serviço

Leia mais

Erly Catarina de Moura NUPENS - USP

Erly Catarina de Moura NUPENS - USP Erly Catarina de Moura NUPENS - USP erlycm@usp.br Evolução do estado nutricional de homens, 1974-1975, 1989, 2002-2003, Brasil déficit de peso sobrepeso obesidade eutrofia 100% 80% 60% 40% 20% 0% 1974-75

Leia mais

Projecto Vitalidade XXI. FIPA Federação das Indústrias Agro-Alimentares. Conclusões do estudo. A Indústria Alimentar e os Estilos de Vida Saudáveis

Projecto Vitalidade XXI. FIPA Federação das Indústrias Agro-Alimentares. Conclusões do estudo. A Indústria Alimentar e os Estilos de Vida Saudáveis Projecto Vitalidade XXI FIPA Federação das Indústrias Agro-Alimentares Conclusões do estudo A Indústria Alimentar e os Estilos de Vida Saudáveis A Percepção das Partes Interessadas e Apresentação dos compromissos

Leia mais

SEGUNDO RELATÓRIO 2007 AICR/WCRF

SEGUNDO RELATÓRIO 2007 AICR/WCRF SEGUNDO RELATÓRIO 2007 AICR/WCRF Guia fundamental para futuras pesquisas científicas, programas de educação em prevenção de câncer e políticas de saúde no mundo. Fornece uma base sólida de evidências para

Leia mais

ETHANOL SUMMIT 2017 PAINEL. Açúcar: O Consumo Equilibrado Como Melhor Escolha. São Paulo junho/17

ETHANOL SUMMIT 2017 PAINEL. Açúcar: O Consumo Equilibrado Como Melhor Escolha. São Paulo junho/17 ETHANOL SUMMIT 2017 PAINEL Açúcar: O Consumo Equilibrado Como Melhor Escolha São Paulo junho/17 Estudo VIGITEL 2016* do Ministério da Saúde aponta: brasileiros trocam alimentos naturais por industrializados

Leia mais

OBESIDADE MAPA DE REVISÕES PROTOCOLO CLINICO. Destinatários. Data Dr. Bilhota Xavier

OBESIDADE MAPA DE REVISÕES PROTOCOLO CLINICO. Destinatários. Data Dr. Bilhota Xavier Palavras-Chave: Destinatários Médicos dos ACES da Unidade Coordenadora Funcional (UCF) de Leiria Elaboração Dr.ª Sandra Ferreira, Dr.ª Carla Loureiro, Dr. Pascoal Moleiro Aprovação Diretor do Serviço Dr.

Leia mais

Plataforma Contra a Obesidade

Plataforma Contra a Obesidade Plataforma Contra a Obesidade 02 Enquadramento Finalidade Diminuir a incidência e a prevalência da pré-obesidade e da obesidade através da adopção de medidas integradas de prevenção primária, prevenção

Leia mais

Incentivo à Alimentação Saudável. Julho de 2016

Incentivo à Alimentação Saudável. Julho de 2016 Incentivo à Alimentação Saudável Julho de 2016 Como é o hábito alimentar do brasileiro PERFIL ALIMENTAR DO ADULTO Apesar de incluir mais frutas e hortaliças na rotina, os brasileiros consomem doces e refrigerantes

Leia mais

, Considerando Considerando Considerando Considerando Considerando Considerando

, Considerando Considerando Considerando Considerando Considerando Considerando RESOLUÇÃO CNS Nº O Plenário do Conselho Nacional de Saúde, em sua 192ª Reunião Ordinária, realizada nos dias 10 e 11 de dezembro de 2008, no uso de suas competências regimentais e atribuições conferidas

Leia mais

Frutas, Legumes e Verduras

Frutas, Legumes e Verduras Frutas, Legumes e Verduras Revisão da PNAN 26 seminários estaduais + 1 nacional (2010) Parceria com CIAN/CNS PNAN pactuada e aprovada na Reunião Ordinária da CIT 27 de outubro de 2011 Portaria nº 2.715,

Leia mais

Manual de Nutrição. saber mais

Manual de Nutrição. saber mais Manual de Nutrição saber mais ÍNDICE Capítulo 1 > Para abrir o apetite > Porque é que comemos? > Escolhas alimentares: o que nos faz preferir determinados alimentos? > Era uma vez... > Um passeio pelo

Leia mais

Alimentar-se bem, para um envelhecer mais saudável. Juliana Aquino

Alimentar-se bem, para um envelhecer mais saudável. Juliana Aquino Alimentar-se bem, para um envelhecer mais saudável. Juliana Aquino A dieta para idosos deve ser variada e equilibrada, de forma a proporcionar o bom estado nutricional e contribuir para a prevenção de

Leia mais

CENTRO DE SAÚDE DE SERPA DIA NACIONAL DE COMBATE À OBESIDADE 19/5/2007

CENTRO DE SAÚDE DE SERPA DIA NACIONAL DE COMBATE À OBESIDADE 19/5/2007 CENTRO DE SAÚDE DE SERPA DIA NACIONAL DE COMBATE À OBESIDADE 19/5/2007 Maio 2007 1-Problema A Obesidade é um importante problema de Pública e uma doença crónica, com génese multifactorial, que requer esforços

Leia mais

TABELAS NUTRICIONAIS E RÓTULOS DOS ALIMENTOS TABELA NUTRICIONAL

TABELAS NUTRICIONAIS E RÓTULOS DOS ALIMENTOS TABELA NUTRICIONAL TABELAS NUTRICIONAIS E RÓTULOS DOS ALIMENTOS TABELA NUTRICIONAL A rotulagem dos alimentos é obrigatória e essencial para que o consumidor possa fazer as melhores escolhas. Dada a entrada de novas marcas

Leia mais

TABELAS NUTRICIONAIS E RÓTULOS DOS ALIMENTOS TABELA NUTRICIONAL

TABELAS NUTRICIONAIS E RÓTULOS DOS ALIMENTOS TABELA NUTRICIONAL TABELAS NUTRICIONAIS E RÓTULOS DOS ALIMENTOS TABELA NUTRICIONAL Nem sempre é fácil conhecer os alimentos mais saudáveis. Todos os dias entram no mercado novas marcas, novos produtos e novas versões de

Leia mais

HI! WE ARE STUDENTS FROM D. ANTÓNIO DA COSTA SCHOOL IN ALMADA - PORTUGAL AND OUR WORK IS BASICALLY

HI! WE ARE STUDENTS FROM D. ANTÓNIO DA COSTA SCHOOL IN ALMADA - PORTUGAL AND OUR WORK IS BASICALLY HI! WE ARE STUDENTS FROM D. ANTÓNIO DA COSTA SCHOOL IN ALMADA - PORTUGAL AND OUR WORK IS BASICALLY ABOUT HEALTHY DIETS. IN OUR WORK WE WANTED TO SHOW ALL THE GROUPS OF THE FOOD PYRAMID AND GIVE THE STUDENTS

Leia mais

REGULAMENTO (versão provisória)

REGULAMENTO (versão provisória) REGULAMENTO (versão provisória) Existindo o reconhecimento de que a alimentação saudável e de qualidade é um direito do cidadão e que este deve tomar as suas opções de forma informada, a Direcção- Geral

Leia mais

Alimentação Responsável A responsabilidade social dos fornecedores de alimentos e refeições

Alimentação Responsável A responsabilidade social dos fornecedores de alimentos e refeições Alimentação Responsável A responsabilidade social dos fornecedores de alimentos e refeições Hábitos Alimentares e Saúde Alexandra Bento Associação Portuguesa dos Nutricionistas 10 de Maio Fundação Cidade

Leia mais

Sustentabilidade Alimentar e Agrícola Desafios para a Saúde Humana

Sustentabilidade Alimentar e Agrícola Desafios para a Saúde Humana Sustentabilidade Alimentar e Agrícola Desafios para a Saúde Humana Simpósios Anipla 2017 Inovação e Tecnologia na produção de alimentos Simone Fernandes Desenvolvimento Sustentável ONU Objetivos de Desenvolvimento

Leia mais

Malnutrição Conceitos gerais

Malnutrição Conceitos gerais Malnutrição Conceitos gerais Desnutrição proteico-calórica (primária) taxas de mortalidade elevadas entre 1 e 4 anos. Kwashiorkor ocorre na 1ª infância durante e/ou após o desmame. Marasmo situação de

Leia mais

Grãos integrais no Plano de Ação europeu sobre Alimentação e nutrição

Grãos integrais no Plano de Ação europeu sobre Alimentação e nutrição Margarida Moreira dos Santos João Breda Programa de nutrição, Actividade Física e Obesidade Gabinete Regional para a europa Organização Mundial de Saúde Perspectivas Grãos integrais no Plano de Ação europeu

Leia mais

Nutrição Aplicada à Educação Física. Cálculo da Dieta e Recomendações dietéticas. Ismael F. Freitas Júnior Malena Ricci

Nutrição Aplicada à Educação Física. Cálculo da Dieta e Recomendações dietéticas. Ismael F. Freitas Júnior Malena Ricci Nutrição Aplicada à Educação Física Cálculo da Dieta e Recomendações dietéticas Ismael F. Freitas Júnior Malena Ricci ARROZ 100 gramas CÁLCULO DE DIETA CH 25,1 PT 2,0 Lip 1,2 Consumo 300 gramas 100 gr

Leia mais

ORIGINAL: INGLÊS DECLARAÇÃO DE BRAZZAVILLE SOBRE A PREVENÇÃO E O CONTROLO DAS DOENÇAS NÃO TRANSMISSÍVEIS NA REGIÃO AFRICANA DA OMS

ORIGINAL: INGLÊS DECLARAÇÃO DE BRAZZAVILLE SOBRE A PREVENÇÃO E O CONTROLO DAS DOENÇAS NÃO TRANSMISSÍVEIS NA REGIÃO AFRICANA DA OMS ORIGINAL: INGLÊS DECLARAÇÃO DE BRAZZAVILLE SOBRE A PREVENÇÃO E O CONTROLO DAS DOENÇAS NÃO TRANSMISSÍVEIS NA REGIÃO AFRICANA DA OMS ORIGINAL: INGLÊS Nós, os Ministros da Saúde e Chefes de Delegação da Região

Leia mais

Segurança Alimentar e Obesidade

Segurança Alimentar e Obesidade Riscos e Segurança Alimentar Segurança Alimentar e Obesidade Vítor Rosado Marques Ana M. P. Melo Luís F. Goulão Instituto de Investigação Científica Tropical, IICT-2013 Vítor Rosado Marques, vrosadomarques@iict.pt

Leia mais

A principal causa da obesidade infantil advêm de uma alimentação pouco saudável e. vida ao ar livre, ou seja com um estilo de vida menos saudável.

A principal causa da obesidade infantil advêm de uma alimentação pouco saudável e. vida ao ar livre, ou seja com um estilo de vida menos saudável. 5 ao Dia 2008 Enquadramento Mudança de hábitos alimentares das crianças A televisão, os jogos de computador e a internet têm mudado os hábitos das crianças e jovens, tornando-as mais inactivas, com menos

Leia mais

Promoção da Saúde na Área Materno - Infantil

Promoção da Saúde na Área Materno - Infantil da ARS Norte, I.P. Promoção da Saúde na Área Materno - Infantil Hospital Magalhães Lemos 26 de Novembro 2008 Promoção da Saúde na Área Materno Infantil As doenças crónicas não transmissíveis (DCV, cancro,

Leia mais

Bulimia Nervosa Anorexia: -Anorexia Nervosa -Anorexia Alcoólica. Obesidade Bibliografia Conclusão

Bulimia Nervosa Anorexia: -Anorexia Nervosa -Anorexia Alcoólica. Obesidade Bibliografia Conclusão Bulimia Nervosa Anorexia: -Anorexia Nervosa -Anorexia Alcoólica Obesidade Bibliografia Conclusão A Bulimia nervosa é um transtorno alimentar causado pela ingestão de grandes quantidades de alimentos, seguidos

Leia mais

Estratégia de Comunicação para a Mudança Social e de Comportamento para a Prevenção da Desnutrição em Moçambique

Estratégia de Comunicação para a Mudança Social e de Comportamento para a Prevenção da Desnutrição em Moçambique Estratégia de Comunicação para a Mudança Social e de Comportamento para a Prevenção da Desnutrição em Moçambique 2015 2019 i Introdução No âmbito da implementação do Plano de Acção Multissectorial para

Leia mais

Descobre tudo sobre um...

Descobre tudo sobre um... Escola Básica 1,2,3/JI de Angra do Heroísmo Dia Mundial da Alimentação 16 de Outubro de 2010 Descobre tudo sobre um... PEQUENO-ALMOÇO PORQUÊ? Porque, após uma noite de sono, em que estivemos várias horas

Leia mais

NOWADAYS MANY SPECIALISTS CONSIDER TO BE VERY IMPORTANT. WE TALKED ABOUT WHAT IS RIGHT OR WRONG IN

NOWADAYS MANY SPECIALISTS CONSIDER TO BE VERY IMPORTANT. WE TALKED ABOUT WHAT IS RIGHT OR WRONG IN HI! WE ARE AMANDA, ANA MARGARIDA, ANA RITA AND ANDRÉ AND WE ATTEND THE 8TH GRADE OF ESCLA D. ANTÓNIO DA COSTA. WE ENJOYED A LOT TO DO THIS WORK BECAUSE WE VE LEARNED ABOUT A TOPIC THAT NOWADAYS MANY SPECIALISTS

Leia mais

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL e SEGURA. Menos SAL Mais Sabor a VIDA

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL e SEGURA. Menos SAL Mais Sabor a VIDA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL e SEGURA Menos SAL Mais Sabor a VIDA Formação para Profissionais de Escolas e IPSS Unidade Local de Saúde Pública - Aveiro Maio de 2015 ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL A prática de uma alimentação

Leia mais

A Roda dos Alimentos LEITE

A Roda dos Alimentos LEITE LEITE A Roda dos Alimentos serve para nos ensinar o que devemos comer, quando e em que quantidades. Ajuda-nos a manter uma alimentação equilibrada, variada e completa, ou seja, mais saudável! A Roda dos

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 246/XII. Recomenda ao Governo a adoção de medidas tendentes ao combate da obesidade infanto-juvenil em Portugal.

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 246/XII. Recomenda ao Governo a adoção de medidas tendentes ao combate da obesidade infanto-juvenil em Portugal. PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 246/XII Recomenda ao Governo a adoção de medidas tendentes ao combate da obesidade infanto-juvenil em Portugal. Exposição de motivos A Obesidade Infantil é actualmente considerada

Leia mais

OBESIDADE INFANTIL NOS AÇORES

OBESIDADE INFANTIL NOS AÇORES OBESIDADE INFANTIL NOS AÇORES Exmo. Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores, Senhoras e Senhores Deputados, Senhoras e Senhores Membros do Governo, Apresento-me novamente

Leia mais

COMISSÃO INTERSETORIAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO - CIAN

COMISSÃO INTERSETORIAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO - CIAN COMISSÃO INTERSETORIAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO - CIAN Prevista na Lei n.º 8.080/90 - Art. 13 item I Reinstalada pela Resolução CNS n.º 299, de maio de 1999. OBJETIVO DA CIAN Integrar a Política Nacional

Leia mais

INSULINO-RESISTÊNCIA E ESTILO DE VIDA

INSULINO-RESISTÊNCIA E ESTILO DE VIDA Insulino-resistência e estilo de vida 33 INSULINO-RESISTÊNCIA E ESTILO DE VIDA Helena Cardoso Serviço de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo; Hospital Geral de Santo António, Porto. Para além dos factores

Leia mais

SABES O QUE ESTÁS A COMER?

SABES O QUE ESTÁS A COMER? SABES O QUE ESTÁS A COMER? Interpretar RÓTULOS de produtos alimentares Conhecer os INGREDIENTES dos PRODUTOS ALIMENTARES Descobrir o significado de DDR Saber a diferença entre produto alimentar MAGRO e

Leia mais

Alimentação saudável para o sobrevivente de câncer. Nutr. Maria Emilia de S. Fabre

Alimentação saudável para o sobrevivente de câncer. Nutr. Maria Emilia de S. Fabre Alimentação saudável para o sobrevivente de câncer Nutr. Maria Emilia de S. Fabre Novlene Williams-Mills Foi medalha de bronze nas Olimpíadas de 2012 após ter sido diagnosticada com câncer de mama Irá

Leia mais

Oferta alimentar em meio escolar.

Oferta alimentar em meio escolar. rui.lima@dge.mec.pt Promoção e Educação para a Saúde Coerência Curriculo Aluno Oferta alimentar Conhecimentos Atitudes Comportamentos Oferta alimentar em meio escolar REGULAMENTAÇÃO DA OFERTA ALIMENTAR

Leia mais

Avaliação das propriedades nutricionais e funcionais da cerveja. Realizado por Manuel Rocha de Melo Orientado por Maria Cristina Teixeira Santos

Avaliação das propriedades nutricionais e funcionais da cerveja. Realizado por Manuel Rocha de Melo Orientado por Maria Cristina Teixeira Santos Avaliação das propriedades nutricionais e funcionais da cerveja Realizado por Manuel Rocha de Melo Orientado por Maria Cristina Teixeira Santos Em que consiste o trabalho? Revisão bibliográfica que tem

Leia mais

O papel da alimentação no cancro

O papel da alimentação no cancro 04 de Fevereiro 2017 O papel da alimentação no cancro Cristina Gonçalves Coordenadora de Dietética e Nutrição - Nutricionista Hospital da Luz Lisboa Os sobreviventes de cancro devem seguir as mesmas recomendações

Leia mais

Os superalimentos. Rubrica Nutricional. densidade nutricional, considerados. Os consumidores do mundo. industrializado estão a tornar-se cada vez

Os superalimentos. Rubrica Nutricional. densidade nutricional, considerados. Os consumidores do mundo. industrializado estão a tornar-se cada vez Artigo de Opinião N.º 6 14 de agosto de 2017 Rubrica Nutricional Os superalimentos Os consumidores do mundo industrializado estão a tornar-se cada vez mais conscientes da relação entre a dieta e a saúde.

Leia mais

Como fazer uma ementa equilibrada e económica

Como fazer uma ementa equilibrada e económica Como fazer uma ementa equilibrada e económica Alexandra Bento alexandrabento@apn.org.pt Tendência de consumo alimentar Consumo alimentar fora de casa, Marktest 2006: Essencialmente Almoço 36,5% durante

Leia mais

Alimentação Saudável Nutricionista Filomena Borges

Alimentação Saudável Nutricionista Filomena Borges Alimentação Saudável Nutricionista Filomena Borges Alimentação saudável Sabe-se que os hábitos alimentares e estilos de vida saudáveis são aprendidos e cimentados através das relações sociais que se vão

Leia mais

Diagnóstico de Saúde Lourinhã. Lourinhã 15 de Maio de 2017

Diagnóstico de Saúde Lourinhã. Lourinhã 15 de Maio de 2017 Diagnóstico de Saúde Lourinhã Lourinhã 15 de Maio de 2017 A população do Concelho Homens Mulheres 2 Pirâmide etária da população residente em Lourinhã Fonte: INE, Últimos dados de 2013 A população do Concelho

Leia mais

Inquérito Alimentar. Profa. Assoc. Regina Mara Fisberg 2012

Inquérito Alimentar. Profa. Assoc. Regina Mara Fisberg 2012 Inquérito Alimentar Profa. Assoc. Regina Mara Fisberg 2012 Por que Avaliamos o Consumo Alimentar? Investigar a relação entre estado nutricional e saúde Identificar padrões de consumo Planejar políticas

Leia mais

Eficácia do Tratamento da Obesidade Infantil. Maria Ana Carvalho

Eficácia do Tratamento da Obesidade Infantil. Maria Ana Carvalho Eficácia do Tratamento da Obesidade Infantil Maria Ana Carvalho Objectivos Adoptar estilos de vida mais saudáveis pelas crianças e famílias Alimentação Saudável e Prática de Actividade Física Melhorar

Leia mais

Good nutrition gives life to your heart

Good nutrition gives life to your heart We are Inês Gonçalves, Inês Rodrigues, Marisa and Raphael. We attend the 8 th grade. In this work we deal with what is the wheel of food, good nutrition, diseases caused by poor diet and poor nutrition.

Leia mais

A PRÁTICA DESPORTIVA, UM IMPORTANTE FACTOR DE PROMOÇÃO DA SAÚDE, INCLUSÃO SOCIAL E PREVENÇÃO DE RISCOS FÓRUM DO DESPORTO CONCELHO DE ALMADA

A PRÁTICA DESPORTIVA, UM IMPORTANTE FACTOR DE PROMOÇÃO DA SAÚDE, INCLUSÃO SOCIAL E PREVENÇÃO DE RISCOS FÓRUM DO DESPORTO CONCELHO DE ALMADA A PRÁTICA DESPORTIVA, UM IMPORTANTE FACTOR DE PROMOÇÃO DA SAÚDE, INCLUSÃO SOCIAL E PREVENÇÃO DE RISCOS FÓRUM DO DESPORTO CONCELHO DE ALMADA 31 DE MARÇO DE 2007 A PRÁTICA DESPORTIVA, UM IMPORTANTE FACTOR

Leia mais

Alimentação na Infância e Adolescência

Alimentação na Infância e Adolescência Alimentação na Infância e Adolescência Nutricionista Ana Helena Spolador Ribeiro Graduada pelo Centro Universitário São Camilo Pós-graduada em Obesidade e Emagrecimento pela Universidade Gama Filho Nutricionista

Leia mais

1. A importância da alimentação

1. A importância da alimentação Manual Projeto Desafios Ed. Santillana Página 17 Alimentos como veículo de nutrientes 1. A importância da alimentação O organismo humano é constituído por diferentes materiais. Esses materiais são fornecidos

Leia mais

Qualidade de vida e políticas públicas internacionais. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Qualidade de vida e políticas públicas internacionais. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Qualidade de vida e políticas públicas internacionais Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Estimativas e projeções Doenças crônicas não transmissíveis causam 60% das mortes no mundo. Estima-se que

Leia mais

Alimentação Saudável e Segurança Alimentar

Alimentação Saudável e Segurança Alimentar Alimentação Saudável e Segurança Alimentar Índice Orientações para uma Alimentação Saudável pág.3 Consumo Excessivo de sal nas Escolas pág.5 Consumo Excessivo de Açúcar pelas Crianças pág.6 Consumo Excessivo

Leia mais

Alinhamento Visão Geral

Alinhamento Visão Geral Alinhamento Visão Geral O programa nacional Juntos Contamos inspira uma vida ativa e saudável. Escolas, membros da comunidade e empresas locais se uniram para promover hábitos saudáveis. Juntos, capacitam

Leia mais

Bons hábitos alimentares. Coma cinco vezes por dia (menor quantidade de alimentos por refeição).

Bons hábitos alimentares. Coma cinco vezes por dia (menor quantidade de alimentos por refeição). A adopção de uma dieta alimentar e equilibrada é uma das medidas mais importantes para a prevenção de alguns riscos de acidentes cardiovasculares (cardíacos, cerebrais, hipertensão, diabetes e obesidade).

Leia mais

Atuar a três níveis: Escola. Alunos. Encarregados de Educação

Atuar a três níveis: Escola. Alunos. Encarregados de Educação SEGMENTO ESCOLAR Projeto desenvolvido pelo ITAU que visa a promoção de hábitos alimentares (mais) saudáveis. Saúde à Mesa é um selo de qualidade nutricional e organolética dos pratos servidos. Os pratos

Leia mais

Importante: escolha uma só resposta para cada pergunta. Cada resposta correta será contabilizada com 0,4 valores.

Importante: escolha uma só resposta para cada pergunta. Cada resposta correta será contabilizada com 0,4 valores. DATA: 21/12/2012 DURAÇÃO: 1h+30min DOCENTE: Doutora Goreti Botelho COTAÇÃO: 20 valores INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA Departamento de Ciência e Tecnologia Alimentar Saúde, Nutrição

Leia mais

OBESIDADE NA INFÂNCIA. Dra M aria Fernanda Bádue Pereira

OBESIDADE NA INFÂNCIA. Dra M aria Fernanda Bádue Pereira OBESIDADE NA INFÂNCIA Dra M aria Fernanda Bádue Pereira Obesidade infantil Um dos maiores problemas de saúde pública da atualidade. >>>>> Ingestão calórica e

Leia mais

Dieta para vegetarianos

Dieta para vegetarianos PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ALIMENTOS E NUTRIÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Dieta para vegetarianos Monique de Barros Elias Campos Nutricionista

Leia mais

Dieta refere-se aos hábitos alimentares individuais. Cada pessoa tem uma dieta específica. Cada cultura costuma caracterizar-se por dietas

Dieta refere-se aos hábitos alimentares individuais. Cada pessoa tem uma dieta específica. Cada cultura costuma caracterizar-se por dietas Dieta Dieta refere-se aos hábitos alimentares individuais. Cada pessoa tem uma dieta específica. Cada cultura costuma caracterizar-se por dietas particulares. Contudo, popularmente, o emprego da palavra

Leia mais

Princípios da Alimentação e Saúde

Princípios da Alimentação e Saúde Princípios da Alimentação e Saúde Alimentação é mais que ingestão de nutrientes Recomendações sobre alimentação devem estar em sintonia com seu tempo Alimentação saudável deriva de sistema alimentar socialmente

Leia mais

Lei8080,19set.1990-Art.3º(BRASIL,1990) A saúde tem como fatores determinantes e condicionantes,

Lei8080,19set.1990-Art.3º(BRASIL,1990) A saúde tem como fatores determinantes e condicionantes, Superintendência de Políticas de Atenção Integral a Saúde Gerência de Vigilância Epidemiológica Coordenação de Doenças Não-Transmissíveis Área de Alimentação e Nutrição HÁBITOS SAUDÁVEIS Marília A. Rezio

Leia mais

Movimento e alimento. Eliane Petean Arena Nutricionista

Movimento e alimento. Eliane Petean Arena Nutricionista Movimento e alimento Eliane Petean Arena Nutricionista Todos nós necessitamos de atividades físicas, o nosso corpo foi feito para se movimentar. O desenvolvimento da criança é um processo contínuo e dinâmico,

Leia mais

Semana da Alimentação

Semana da Alimentação Agrupamento de Escolas André Soares Bibliotecas Escolares do Agrupamento Projeto de Promoção e Educação para a Saúde PES Semana da Alimentação Alimentação e Saúde Investe em ti Alimentação saudável, o

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA FUNDAMENTAL PROF.ª FRANCISCA AGUIAR 7 ANO PROF.ª JUCIMARA BRITO

EDUCAÇÃO FÍSICA FUNDAMENTAL PROF.ª FRANCISCA AGUIAR 7 ANO PROF.ª JUCIMARA BRITO EDUCAÇÃO FÍSICA 7 ANO PROF.ª JUCIMARA BRITO FUNDAMENTAL PROF.ª FRANCISCA AGUIAR CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade I Tecnologia: Corpo, Movimento e Linguagem na Era da Informação 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES

Leia mais

A Saúde dos Portugueses. Perspetiva DE JULHO DE 2015

A Saúde dos Portugueses. Perspetiva DE JULHO DE 2015 A Saúde dos Portugueses. Perspetiva 2015 7 DE JULHO DE 2015 ÍNDICE DE VIDA MELHOR (Better Life Index) OCDE 1º SATISFAÇÃO PESSOAL 2º SAÚDE 3º SEGURANÇA PESSOAL 2 QUANTOS SOMOS: 10,3 MILHÕES Índice sintético

Leia mais

VAMOS FALAR SOBRE ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

VAMOS FALAR SOBRE ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL VAMOS FALAR SOBRE ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL CADA IDADE, UM CARDÁPIO Em cada fase da vida é necessário adaptar um cardápio específico para suprir as necessidades diárias do nosso corpo. Confira a seguir as dicas

Leia mais

Projecto de Resolução n.º 255/XIII/1.º

Projecto de Resolução n.º 255/XIII/1.º Projecto de Resolução n.º 255/XIII/1.º Recomenda ao Governo que implemente um plano de rastreio ao cancro colo-rectal e que, enquanto medida preventiva, proceda à criação de um plano de sensibilização

Leia mais

As tendências da Alimentação. - Hoje e Amanhã. Alexandra Bento

As tendências da Alimentação. - Hoje e Amanhã. Alexandra Bento As tendências da Alimentação - Hoje e Amanhã Alexandra Bento Causas de morte (por grupo), estimativas para 2002 Total de mortes: 57 milhões 37 milhões de DCNT Doenças transmissíveis, condições maternais

Leia mais

ALIMENTAÇÃO COM FUTURO

ALIMENTAÇÃO COM FUTURO PROJETO ALIMENTAÇÃO COM FUTURO Escola Clara de Resende 23 de Fevereiro de 2016 Com o apoio de: ÍNDICE - Apresentação do Projeto - Enquadramento - Método de intervenção - Atividades realizadas e a realizar

Leia mais

Biomassa de Banana Verde Polpa - BBVP

Biomassa de Banana Verde Polpa - BBVP Biomassa de Banana Verde Polpa - BBVP INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS Porção de 100g (1/2 copo) Quantidade por porção g %VD(*) Valor Energético (kcal) 91 4,55 Carboidratos 21,4 7,13 Proteínas 2,1 2,80 Gorduras

Leia mais

Novo Guia Alimentar para a População Brasileira

Novo Guia Alimentar para a População Brasileira Novo Guia Alimentar para a População Brasileira Prof Ms. Lovaine Rodrigues/CRN2 4956 Esp. Nutrição Infantil- UNIFESP MSc. Pediatria UFRGS Docente - UNISINOS Guia Alimentar Conjunto de informações, análises,

Leia mais

A MATÉRIA-PRIMA - A CASTANHA

A MATÉRIA-PRIMA - A CASTANHA SOBRE NÓS Somos dois empreendedores - Sílvia Santos e André Barbosa, casados e com um filho, o Gonçalo Dando seguimento à tradição da nossa família na produção de Castanha, fundamos a Amálgama em Vila

Leia mais

Valor nutricional do mel na dieta mediterrânica

Valor nutricional do mel na dieta mediterrânica VALORIZAÇÃO DOS PRODUTOS APÍCOLAS Valor nutricional do mel na dieta mediterrânica Duarte Torres Caramulo 16 de Junho 2012 dupamato@fcna.up.pt dieta do gredo diaita regime alimentar modo de vida Todas as

Leia mais

Como criar um ambiente alimentar saudável

Como criar um ambiente alimentar saudável Como criar um ambiente alimentar saudável Sandra Lourenço Nutricionista. Assessora de Nutrição no ACES do Cávado I- Braga (Unidade de Saúde de Maximinos) Aluna do Mestrado em Nutrição Clínica pela Faculdade

Leia mais

Uma das vertentes da FCNAUP é a informação e formação do consumidor na

Uma das vertentes da FCNAUP é a informação e formação do consumidor na Uma das vertentes da FCNAUP é a informação e formação do consumidor na vasta área das ciências da nutrição e alimentação. Nesse âmbito temos vindo a desenvolver diversos materiais pedagógicos, dirigidos

Leia mais

PREVENÇÃO DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES

PREVENÇÃO DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES PREVENÇÃO DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES Dra Fabrícia de Oliveira Assis Cantadori Cardiologista do HUJM Cuiabá, maio de 2015 UFMT PREVENÇÃO É procurar e utilizar métodos para prevenir doenças e/ou suas complicações,

Leia mais

18 7 de Outubro de 2008 Número 127

18 7 de Outubro de 2008 Número 127 18 7 de Outubro de 2008 Resolução n.º 1012/2008 Considerando que a Marítimo da Madeira - Futebol - - SAD necessita de reunir a Assembleia-Geral, sem observância das formalidades prévias nos termos do artigo

Leia mais

Alimentação saudável

Alimentação saudável Alimentação saudável Você mais saudável do que nunca! Quem nunca ouviu falar em antioxidantes e radicais livres? Agora, basta saber quem é o vilão e o herói dessa batalha. Os antioxidantes são substâncias

Leia mais

DOSSIER INSTITUCIONAL

DOSSIER INSTITUCIONAL DOSSIER INSTITUCIONAL Na Kellogg s assumimos compromissos com... Inovação Investigação Informação nutricional Marketing responsável Vida saudável INOVAÇÃO Inovação Elaboração e comercialização de produtos

Leia mais

ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR: CONSIDERAÇÕES IMPORTANTES PARA A ATENÇÃO BÁSICA. Dra. Ana Izabel Jatobá de Souza Dra. Juliana Coelho Pina

ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR: CONSIDERAÇÕES IMPORTANTES PARA A ATENÇÃO BÁSICA. Dra. Ana Izabel Jatobá de Souza Dra. Juliana Coelho Pina ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR: CONSIDERAÇÕES IMPORTANTES PARA A ATENÇÃO BÁSICA Dra. Ana Izabel Jatobá de Souza Dra. Juliana Coelho Pina OBJETIVOS AÇÕES Fortalecer as ações de apoio e promoção alimentação complementar

Leia mais

Um olhar diferente à rotulagem de alimentos

Um olhar diferente à rotulagem de alimentos Um olhar diferente à rotulagem de alimentos Beatriz Oliveira REQUIMTE, Serv. Bromatologia da FFUP Dietas actuais energia teor de gorduras saturadas teor de fibras e micronutrientes Estilo de vida sedentário

Leia mais

Quadro: Correlação entre as ordens do dia do Conselho Executivo, da Assembleia Mundial da Saúde e das sessões do Comité Regional

Quadro: Correlação entre as ordens do dia do Conselho Executivo, da Assembleia Mundial da Saúde e das sessões do Comité Regional Página 1 INTRODUÇÃO 1. Na sua Resolução WHA33.17, a Assembleia Mundial da Saúde determinou que as funções de direcção, coordenação e cooperação técnica da OMS se apoiam mutuamente e decidiu que os trabalhos

Leia mais

DISCUSSÃO DOS DADOS CAPÍTULO V

DISCUSSÃO DOS DADOS CAPÍTULO V CAPÍTULO V DISCUSSÃO DOS DADOS Neste capítulo, são discutidos os resultados, através da análise dos dados obtidos e da comparação dos estudos científicos apresentados na revisão da literatura. No que respeita

Leia mais

Ações prioritárias da CGPAN/Ministério da Saúde para o ano de 2007

Ações prioritárias da CGPAN/Ministério da Saúde para o ano de 2007 Ações prioritárias da CGPAN/Ministério da Saúde para o ano de 2007 ESTRATÉGIAS SOCIAIS EM NUTRIÇÃO, EDUCAÇÃO E COMBATE À POBREZA Data: 17-18 de maio de 2007 Instituto de Estudos Avançados Universidade

Leia mais

DOCUMENTO 3 PONTOS PARA DISCUSSÃO EM AUDIÊNCIA PÚBLICA PROVENIENTES DA CONSULTA PÚBLICA Nº. 71/2006

DOCUMENTO 3 PONTOS PARA DISCUSSÃO EM AUDIÊNCIA PÚBLICA PROVENIENTES DA CONSULTA PÚBLICA Nº. 71/2006 23 DOCUMENTO 3 PONTOS PARA DISCUSSÃO EM AUDIÊNCIA PÚBLICA PROVENIENTES DA CONSULTA PÚBLICA Nº. 71/2006 24 ARTIGO 2º DA PROPOSTA DE REGULAMENTO (INSERIDO) - Art. 2º Este Regulamento possui o objetivo de

Leia mais

O que são nutrientes?

O que são nutrientes? Os nutrientes O que são nutrientes? São substâncias utilizadas pelo metabolismo do organismo essenciais ao seu funcionamento; Os alimentos contêm nutrientes que o organismo não consegue sintetizar, assim

Leia mais

ENTENDENDO O CARDÁPIO. Centro Colaborador de Alimentação e Nutrição do Escolar (CECANE)

ENTENDENDO O CARDÁPIO. Centro Colaborador de Alimentação e Nutrição do Escolar (CECANE) ENTENDENDO O CARDÁPIO Centro Colaborador de Alimentação e Nutrição do Escolar (CECANE) O que é um cardápio? CARDÁPIO DO PNAE É a relação das preparações de alimentos a serem oferecidas em uma refeição.

Leia mais

ALIMENTAÇÃO E SAÚDE 1 - A RELAÇÃO ENTRE A ALIMENTAÇÃO E SAÚDE

ALIMENTAÇÃO E SAÚDE 1 - A RELAÇÃO ENTRE A ALIMENTAÇÃO E SAÚDE Alimentação e Saúde ALIMENTAÇÃO E SAÚDE 1 - A RELAÇÃO ENTRE A ALIMENTAÇÃO E SAÚDE Todo ser vivo precisa se alimentar para viver. A semente, ao ser plantada, precisa ser adubada e molhada todos os dias

Leia mais

Balança Alimentar Portuguesa (Fonte: INE 2017)

Balança Alimentar Portuguesa (Fonte: INE 2017) INFORMAÇÃO AGOSTO 2017 Balança Alimentar Portuguesa 2012-2016 ( 2017) Óleos e Gorduras Em 2016, os óleos e as gorduras apresentaram disponibilidades diárias para consumo de 104,8 g/hab/dia; este valor

Leia mais

A nutrição esportiva visa aplicar os conhecimentos de nutrição, bioquímica e fisiologia na atividade física e no esporte. A otimização da recuperação

A nutrição esportiva visa aplicar os conhecimentos de nutrição, bioquímica e fisiologia na atividade física e no esporte. A otimização da recuperação NUTRIÇÃO ESPORTIVA A nutrição esportiva visa aplicar os conhecimentos de nutrição, bioquímica e fisiologia na atividade física e no esporte. A otimização da recuperação pós-treino, melhora do desempenho

Leia mais