ALIMENTAÇÃO E IDENTIDADE EM CONTEXTO MIGRATÓRIO: PRÁTICAS E REPRESENTAÇÕES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ALIMENTAÇÃO E IDENTIDADE EM CONTEXTO MIGRATÓRIO: PRÁTICAS E REPRESENTAÇÕES"

Transcrição

1 ALIMENTAÇÃO E IDENTIDADE EM CONTEXTO MIGRATÓRIO: PRÁTICAS E REPRESENTAÇÕES UM ESTUDO DE CASO NO DISTRITO DE CASTELO BRANCO Maria do Céu Antunes Martins Tese apresentada à Universidade de Évora para obtenção do Grau de Doutor em Sociologia ORIENTADOR: Francisco Martins Ramos ÉVORA, DEZEMBRO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO E FORMAÇÃO AVANÇADA

2

3 ALIMENTAÇÃO E IDENTIDADE EM CONTEXTO MIGRATÓRIO: PRÁTICAS E REPRESENTAÇÕES Um Estudo de Caso no distrito de Castelo Branco ÍNDICE INDICE DE TABELAS, GRÁFICOS, FIGURAS, DIAGRAMAS E FOTOGRAFIAS... V SIGLAS E ACRÓNIMOS... VII AGRADECIMENTOS... IX RESUMO... XIII ABSTRACT... XV JUSTIFICAÇÃO DO TEMA... XVII INTRODUÇÃO CAPÍTULO I - ENQUADRAMENTO TEÓRICO-CONCEPTUAL A ALIMENTAÇÃO COMO FENÓMENO DE CULTURA E IDENTIDADE A CULTURA NA BASE DOS DETERMINANTES NUTRICIONAIS O ALIMENTO NA SUA DIMENSÃO SIMBÓLICA O ESPAÇO SOCIAL ALIMENTAR IDENTIDADES E INTERCULTURALIDADE A ALIMENTAÇÃO EM CONTEXTO DE GLOBALIZAÇÃO ALIMENTAÇÃO E SAÚDE REPRESENTAÇÕES DA ALIMENTAÇÃO E SAÚDE A ALIMENTAÇÃO NA PERSPECTIVA NUTRICIONAL NECESSIDADES CALÓRICAS, EVIDÊNCIAS CIENTÍFICAS E RECOMENDAÇÕES DIETÉTICAS ESTILOS ALIMENTARES E PROMOÇÃO DA SAÚDE CONSUMOS ALIMENTARES EM PORTUGAL NO CONTEXTO EUROPEU A IMIGRAÇÃO EM PORTUGAL CONSIDERAÇÕES GERAIS: CONTEXTO, REFLEXÕES E QUADRO LEGISLATIVO SOBRE A IMIGRAÇÃO EVOLUÇÃO DA IMIGRAÇÃO EM PORTUGAL CARACTERIZAÇÃO DA POPULAÇÃO IMIGRANTE CAPÍTULO II OBJECTO, OBJECTIVOS E MÉTODOS CONSTRUÇÃO DO OBJECTO E OBJECTIVOS DO ESTUDO ESCOLHAS METODOLÓGICAS TIPO DE ESTUDO TÉCNICAS UTILIZADAS A OBSERVAÇÃO DIRECTA E A OBSERVAÇÃO PARTICIPANTE A ENTREVISTA O DIÁRIO DE CAMPO DOCUMENTÁRIO FOTOGRÁFICO A AMOSTRA CAPÍTULO III PRÁTICAS E REPRESENTAÇÕES DA ALIMENTAÇÃO IMIGRANTES BRASILEIROS PRÁTICAS AS REFEIÇÕES COMO CONTEÚDO E ESTRUTURA RELAÇÃO COM O ALIMENTO REPRESENTAÇÕES ALIMENTAÇÃO E SAÚDE IMAGEM SIMBÓLICA DO ALIMENTO IMIGRANTES DA EUROPA DE LESTE iii

4 Maria do Céu Antunes Martins 2.1. PRÁTICAS AS REFEIÇÕES COMO CONTEÚDO E ESTRUTURA RELAÇÃO COM O ALIMENTO REPRESENTAÇÕES ALIMENTAÇÃO E SAÚDE IMAGEM SIMBÓLICA DO ALIMENTO IMIGRANTES INDIANOS PRÁTICAS AS REFEIÇÕES COMO CONTEÚDO E ESTRUTURA RELAÇÃO COM O ALIMENTO REPRESENTAÇÕES ALIMENTAÇÃO E SAÚDE IMAGEM SIMBÓLICA DO ALIMENTO CONCLUSÕES DIÁRIO DE CAMPO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS ANEXO 1 - GUIÃO DE ENTREVISTA ANEXO 2 - PROCEDIMENTOS ÉTICOS E FORMAIS 1 - PEDIDO DE AUTORIZAÇÃO PARA FREQUENTAR A DELEGAÇÃO REGIONAL DO SEF DE CASTELO BRANCO ANEXO 3 - PROCEDIMENTOS ÉTICOS E FORMAIS 2 - PEDIDO DE AUTORIZAÇÃO PARA FREQUENTAR A ASSOCIAÇÃO AMATO LUSITANO DE CASTELO BRANCO ANEXO 4 - PLANOS ALIMENTARES ANEXO 5 - PRATOS TÍPICOS DOS IMIGRANTES BRASILEIROS ANEXO 6 - PRATOS TÍPICOS DOS IMIGRANTES DA EUROPA DE LESTE ANEXO 7 - PRATOS TÍPICOS DOS IMIGRANTES INDIANOS iv

5 ALIMENTAÇÃO E IDENTIDADE EM CONTEXTO MIGRATÓRIO: PRÁTICAS E REPRESENTAÇÕES Um Estudo de Caso no distrito de Castelo Branco INDICE DE TABELAS, GRÁFICOS, FIGURAS, DIAGRAMAS E FOTOGRAFIAS TABELAS Tabela 1 - Alimentos consumidos segundo algumas religiões Tabela 2 - Posicionamento alimentar por zonas geográficas Tabela 3 - Principais lípidos e fontes alimentares Tabela 4- Vitaminas: fontes alimentares e funções Tabela 5- Minerais: fontes alimentares e funções Tabela 6- Distribuição calórica aconselhável por 5 refeições diárias Tabela 7- Diferenças conceptuais entre a prevenção da doença e a promoção da saúde Tabela 8- Percentagem da população estrangeira em Portugal ( ) Tabela 9 - Os descritores do estudo por guião de entrevista Tabela 10 - A Amostra Tabela 11 - Características demográficas e socioculturais dos imigrantes de nacionalidade brasileira Tabela 12.- Características demográficas e socioculturais dos imigrantes da EUROPA DE LESTE Tabela 13 - Resumo de alguns condimentos e algumas ervas aromáticas utilizadas por imigrantes de nacionalidade indiana GRÁFICOS Gráfico 1 - Evolução do consumo per capita em Portugal, por grupos de alimentos 1990 e Gráfico 2 - Consumo per capita de cereais nos países da União Europeia em 2000/ Gráfico 3 - Consumo per capita de vegetais e frutos frescos nos países da União Europeia Gráfico 4 - Consumo per capita de produtos lácteos nos países da União Europeia v

6 Maria do Céu Antunes Martins Gráfico 5 - Consumo per capita de carne nos países da União Europeia Gráfico 6 - Consumo per capita de óleos e gorduras vegetais nos países da União Europeia / FIGURAS Figura 1 - Descritores das Práticas Alimentares Figura 2 - A Nova Roda dos Alimentos Figura 3 - Pirâmide de Idades da População estrangeira em Portugal (1991 e 2001) Figura 4 - Posicionamento Metodológico do Estudo DIAGRAMAS Diagrama 1 - As grandes categorias emergentes na análise à alimentação dos imigrantes do distrito de CB Diagrama 2 - A alimentação e a saúde nas concepções de imigrantes brasileiras Diagrama 3 - A alimentação e a sua imagem simbólica nos imigrantes de nacionalidade brasileira Diagrama 4- A alimentação e a sua imagem simbólica nos imigrantes da Europa de Leste Diagrama 5 - A Alimentação e Saúde na concepção de uma família indiana Diagrama 6 - A alimentação e a sua imagem simbólica nos imigrantes indianos FOTOGRAFIAS Fotografia 1 - Um piquenique entre imigrantes da Europa de Leste Fotografia 2 - Piquenique: presença de alimentos do país de origem e de Portugal Fotografia 3 - Mesa preparada para o almoço convívio entre os imigrantes de Castelo Branco e de Águeda Fotografia 4 - O pão indiano, a base da refeição Fotografia 5- Leguminosas e legumes utilizados nas famílias indianas Fotografia 6- Achar, confecção caseira Fotografia 7- Molho para temperar Fotografia 8- Sementes e ervas aromáticas Fotografia 9- A caixa das massalasda família Fotografia 10- Um jantar da família Fotografia 11 - A marmita como utensílio básico vi

7 ALIMENTAÇÃO E IDENTIDADE EM CONTEXTO MIGRATÓRIO: PRÁTICAS E REPRESENTAÇÕES Um Estudo de Caso no distrito de Castelo Branco SIGLAS E ACRÓNIMOS AVC - Acidente Vascular cerebral BAP - Balança Alimentar Portuguesa CNAN - Conselho Nacional de Alimentação e Nutrição DC - Doença Coronária DGS - Direcção Geral da Saúde DIC - Doença Isquémica do Coração EU - União Europeia EUA - Estados Unidos da América FAO - Food and Agriculture Organization FCNAUP - Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto INE - Instituto Nacional de Estatística LDL - Low Density Lipoproteins OMS/WHO - Organização Mundial de Saúde PALOP - Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa PNS - Plano Nacional de Saúde SEF - Serviço de Estrangeiros e Fronteiras UNESCO - Organização das Nações Unidas para a Educação, Saúde e Cultura URSS - União das Repúblicas Socialistas Soviéticas VET - Valor Energético Total vii

8

9 ALIMENTAÇÃO E IDENTIDADE EM CONTEXTO MIGRATÓRIO: PRÁTICAS E REPRESENTAÇÕES Um Estudo de Caso no distrito de Castelo Branco AGRADECIMENTOS Ao encerrar esta etapa, gostaria de particularizar os agradecimentos às principais pessoas e entidades que contribuíram para a concretização desta investigação. Ao meu orientador, Doutor Francisco Martins Ramos, Professor Catedrático da Universidade de Évora, pelo seu empenhamento e atitude crítica em todas as fases do processo e também pela enorme disponibilidade e interesse em estimular a continuidade deste projecto nas alturas em que a investigação não avançava com o ritmo desejado. Agradeço-lhe também a dedicação e amizade. A todos os imigrantes que se deram ao trabalho de ceder o seu precioso tempo para os poder entrevistar e observar, e sem os quais seria impossível o desenvolvimento deste estudo. Ao Instituto Politécnico de Castelo Branco, instituição a que pertenço, através do qual me pude candidatar ao Programa Protec 2009, promovido pelo Ministério da Ciência e Ensino Superior, e que, a partir da aprovação do projecto pude usufruir de uma redução de horário de serviço docente em 50%, durante dois semestres. À Escola Superior de Saúde Dr. Lopes Dias, unidade orgânica onde exerço funções de Professora-adjunta que me possibilitou os meios necessários à prossecução do meu trabalho. Aos professores da Escola Superior de Saúde Dr. Lopes Dias, na figura do Conselho Técnico-Científico, devo a oportunidade de terem aprovado a redução de horário de serviço docente em 50% durante os dois semestres, proporcionando-me alguma acalmia para me concentrar na investigação. ix

10 Maria do Céu Antunes Martins À Edite, Técnica Superior da Escola Superior de Saúde Dr. Lopes Dias do Instituto Politécnico de Castelo Branco, pela cooperação preciosa ao longo deste trabalho, constituindo-se como um suporte fundamental. A ela devo a segurança que encontrei perante as minhas dificuldades e limitações no domínio informático. Ao Professor Doutor João Ruivo, Director Fundador do jornal Ensino Magazine, e actualmente Professor Coordenador na Escola Superior de Educação do Instituto Piaget de Almada, pela minuciosa revisão do texto que contribui para um melhoramento do trabalho e pelas questões pertinentes. A todas as pessoas que facilitaram a minha presença nos locais escolhidos para aplicar o instrumento de colheita de dados. O Chefe da Delegação Regional do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras de Castelo Branco, a Coordenadora do Centro de Apoio Local ao Imigrante, e da Associação Amato Lusitano de Castelo Branco, a proprietária de um ginásio local, e a Directora da Delphi de Castelo Branco. Um destaque especial para a Professora Doutora Maria Manuel Valagão, pioneira em Portual a investigar a alimentação sob o ponto de vista sociológico. Ficar-lhe-ei eternamente grata pela atenção que me concedeu desde o primeiro contacto telefónico, em fase final do trabalho; foi a primeira pessoa a alertar-me para lacunas da investigação. Pelos seus conselhos sábios que ilucidaram os melhores caminhos quando estava em apuros. No maior momento de desânimo os seus conselhos tiveram uma função apaziguadora das ângústias e simultaneamente energizante do meu estado anímico e psicológico. Aos elementos do júri nomeados para as provas de doutoramento, por contribuírem para um repensar melhor de todo o processo investigativo. Um agradecimento particular à professora Doutora Amélia Maria Cavaca Augusto, professora na Universidade da Beira Interior e outro, muito especial, à professora Doutora Luísa Ferreira da Silva, professora da Universidade Técnica de Lisboa. Confesso que fiquei triste quando li algumas frases que escreveram a pronunciarem-se sobre partes do meu trabalho. Li melhor e percebi, que para além do que diziam as palavras, um fim último nelas se escondia: que o trabalho atingisse um ponto mais próximo do porto desejado. E comprometi-me com o que as palavras diziam, e exigiam; levantando questões, tecendo críticas e fazendo sugestões. Essas exigências, associadas ao meu maior distanciamento em relação ao trabalho permitiram uma melhor clarificação de aspectos teórico- x

11 ALIMENTAÇÃO E IDENTIDADE EM CONTEXTO MIGRATÓRIO: PRÁTICAS E REPRESENTAÇÕES Um Estudo de Caso no distrito de Castelo Branco metodológicos e um cunho mais sociológico à investigação. Assim se espera. Uma certeza existe. Da reformulação efectuada resultou um maior desenvolvimento pessoal na aprendizagem, que é investigar. Investiguei o fenómeno alimentar dos imigrantes para o conhecer melhor. Consegui conhecer melhor não só o fenómeno alimentar como a mim mesma; porque foi através do meu self que fui re-descobrindo melhor esse fenómeno. Porém, estou consciente de que fica muita coisa essencial por descobrir. Tal como diz Morin (1995:99), há sempre uma camada profunda da realidade que, justamente porque é profunda, não pode ser traduzida para a nossa lógica. Finalizo dirigindo-me ainda a todos aqueles que não mencionei, mas que me ajudaram em algum momento desta pesquisa, ainda que forma subtil. Todos os contributos foram valiosos para o aperfeiçoamento do meu caminhar individual. BEM-HAJA! xi

12

13 ALIMENTAÇÃO E IDENTIDADE EM CONTEXTO MIGRATÓRIO: PRÁTICAS E REPRESENTAÇÕES Um Estudo de Caso no distrito de Castelo Branco RESUMO A alimentação e identidade em contexto migratório: um estudo de caso no distrito de Castelo Branco O estudo foca a alimentação e identidade em contexto migratório, centrando-se nas práticas e representações dos imigrantes do Distrito de Castelo Branco. As regras dietéticas têm de ser fundadas no conhecimento das propriedades dos alimentos, mas também inseridas num sistema social e identitário. A vertente predominantemente biológica que tem caracterizado o pensamento no campo da nutrição, representa um obstáculo epistemológico ao reconhecimento do indivíduo como ser holístico. Objectivo: Compreender até que ponto as práticas alimentares dos imigrantes do distrito de Castelo Branco estão ancoradas nos seus elementos identitários e de pertença ou, pelo contrário se descolam desses elementos, para se encaixarem e interpenetrarem na cultura alimentar do país de acolhimento. Metodologia: abordagem qualitativa, utilizando as ténicas de observação, entrevista, diário de campo e documentário fotográfico. Conclusões: O estudo demonstrou o factor identitário como categoria que influencia as práticas alimentares dos imigrantes. A alimentação analisada à luz das suas representações sociais permite perceber o potencial comunicativo e simbólico da alimentação. Palavras-chave: alimentação, práticas alimentares, imigração, saúde, Portugal xiii

14

15 ALIMENTAÇÃO E IDENTIDADE EM CONTEXTO MIGRATÓRIO: PRÁTICAS E REPRESENTAÇÕES Um Estudo de Caso no distrito de Castelo Branco ABSTRACT The feeding and the identity in the immigration context: a case-study in the Castelo Branco County The study is focused in the feeding and the identity in the immigration context aiming at studying the practices and the representations of the immigrant population in Castelo Branco s County. The dietary rules must be based on knowledge of the food properties, but, also, in the background of the social identity. The predominant biological side, which has characterized the thinking in the nutrition field, embodies an epistemological obstacle to the recognition of the individual as a holistic being. Aim: to understand in which extend the dietary habits of the immigrants in the Castelo Branco county are anchored in their identity and origin components or, conversely, if they have broken off from those components to fit in and infiltrate the food culture of the host country. Methodology: a qualitative approach, using the observation techniques, interview, field diary and documentary photography. Conclusions: the study demonstrated the identity as a category factor that influences the immigrants eating habits. The feeding analised in the light of their social representations allows understanding the communicative and symbolic potential of the food. Keywords: nutrition, feeding practices, immigration, health, Portugal. xv

16

17 ALIMENTAÇÃO E IDENTIDADE EM CONTEXTO MIGRATÓRIO: PRÁTICAS E REPRESENTAÇÕES Um Estudo de Caso no distrito de Castelo Branco JUSTIFICAÇÃO DO TEMA A questão epistemológica subjacente à enfermagem é a do pensamento filosófico heurístico sobre o ser humano como totalidade. O saber acumulado da autora da presente investigação, mais ligado à prática, resultante essencialmente do exercício directo enquanto enfermeira, aliado ao saber predominantemente teórico pelo aprofundamento do tema em que tem vindo a investir na profissão actual, permite afirmar que a vertente predominantemente biológica que tem caracterizado as linhas de pensamento no campo da nutrição, representa um obstáculo epistemológico ao reconhecimento do indivíduo como ser holístico (Martins 2011: 143). Esta visão do Homem (inscrita no paradigma holístico) força uma visão sistémica e uma postura transdisciplinar na análise da alimentação. O modelo sistémico atende ao conceito de interdependência das partes. Postula que tudo é interdependente, que os fenómenos apenas podem ser compreendidos com a observação do contexto em que ocorre (Edam 1994 e Ferreira 1995). A vida é relação. A vida em sociedade não existe sem relação social. A "relação social", em rigor, é diferente da "acção social", uma vez que apenas existe "relação social" se vários actores orientarem mutuamente o significado das suas acções (Paiva 2008). Os modelos de enfermagem apoiam-se em teorias oriundas das ciências socias e humanas. Essas teorias têm em comum uma perspectiva de cuidados centrada na pessoa como sujeito activo desses mesmos cuidados e uma relação de parceria entre quem presta e quem recebe cuidados. Três grandes teorias são reconhecidas como sendo relevantes para a profissão de enfermagem a teoria dos sistemas, a teoria do desenvolvimento e a teoria da interacção (Pearson e Vaughan 1992: 28). Na sua actuação, o modelo de referência escolhido pelos profissionais de enfermagem deve xvii

18 Maria do Céu Antunes Martins valorizar a saúde como um processo social dinâmico, sujeito a múltiplas variáveis interactivas e globalizantes (Martins 2007: 52). Entre estas variáveis encontra-se a alimentação. Em congruência com as ideias atrás defendidas a autora do presente estudo alinha com os investigadores que valorizam as interligações da alimentação com a sociedade e desta com alimentação. Por isso também defende a alimentação como um acto social e, nesta medida, faz sentido estudar a alimentação como um fenómeno social total. O conceito de fenómeno social total tem subjacente dois princípios. Qualquer facto, quer ocorra em sociedades arcaicas quer em modernas, é sempre complexo e pluridimensional; pode, pois, ser apreendido a partir de ângulos distintos, acentuando cada um destes apenas certas dimensões. Todo o comportamento remete para e só se toma compreensível dentro de uma totalidade, quer dizer: constelações compósitas de recursos, representações, acções e instituições sociais intervêm nas mais elementares relações entre pessoas (Silva e Pinto 2001: 17-18). Nesta óptica, o social é irredutível ao individual, uma vez que ultrapassa a soma de todas as acções individuais e inclui as interacções recíprocas estabelecidas pelo indivíduo com os sistemas e contextos sociais e culturais, incluindo a dimensão simbólica. Então, é ponto assente que, nas acções dirigidas à alimentação é necessário compreender as diferentes vertentes que a envolvem. Em reflexões anteriores sobre a alimentação, a autora já reconheceu a importância de um olhar interdisciplinar e globalizante para perceber o todo da alimentação, tal como demonstra no artigo A alimentação humana e a Enfermagem: em busca de uma dietética compreensiva. Este artigo consubstancia uma revisão teórica onde foram identificadas, analisadas e defendidas linhas conceptuais que reprovam acções padronizadas e subjugadas apenas a princípios nutricionais e meramente biológicos (Martins 2011). A alimentação, não pode, assim, ser considerada uma simples necessidade humana básica, isolada da civilização humana, mas numa perspectiva pluridimensional. Diversos autores posicionam a alimentação como um dos factores de construção de identidade social do ser humano (Kahn 1986; Mintz e Bois 2002), pelo facto da identidade do indivíduo estar relacionada com as escolhas alimentares. Desse modo, práticas alimentares revelam a cultura em que cada um está inserido. xviii

19 ALIMENTAÇÃO E IDENTIDADE EM CONTEXTO MIGRATÓRIO: PRÁTICAS E REPRESENTAÇÕES Um Estudo de Caso no distrito de Castelo Branco Estabelecendo este cenário sobre a alimentação, a autora defende a perspectiva teórica, que coloca num grande plano o potencial comunicativo da comida e destaca a dimensão na qual a dialéctica da comida como natureza e cultura é exposta como uma forma de narrativa social. A ideia é a de que a comida comunica. Porquê a alimentação como campo de investigação? A primeira razão da escolha do tema está directamente ligada à actividade docente que a autora desenvolve na Escola Superior de Saúde Dr. Lopes Dias do Instituto Politécnico de Castelo Branco. Como responsável da unidade curricular de Alimentação, Nutrição e Dietética acresce-lhe elevada responsabilidade em desenvolver conhecimentos sobre a matéria. A segunda razão prende-se com a sua formação inicial, cuja área científica é Enfermagem. Nesta perspectiva, a alimentação do utente é uma das intervenções a privilegiar, quer no âmbito da manutenção e recuperação do processo saúde-doença, quer no da promoção da sua saúde. Francoise Collière (1989), através da obra Promover a Vida fornece uma base de análise sobre a natureza dos cuidados de enfermagem. Os cuidados de enfermagem situam-se na junção de pessoas utilizadores e prestadores de cuidados que têm hábitos de vida e portanto crenças diferentes e que são submetidas às flutuações dos diferentes meios de vida (Collière 1989:276). Por isso no corpus teórico da enfermagem estão presentes disciplinas como sociologia, psicologia, e outras disciplinas sociais e humanas que ajudam os profissionais a prestar cuidados congruentes e adequados. A alimentação entrelaça-se no quotidiano da pessoa e é nessa interacção que deve ser analisada. Como responsável pela formação de futuros enfermeiros e como elemento construtor da profissão, acredita que a incursão pelo tema será uma mais-valia no modus vivendi e faciendi dos profissionais de enfermagem no processo alimentar. Subjacente a estas razões, estará ainda uma terceira - a cultura de género. Como mulher, a alimentação sempre foi um papel que lhe coube, por razões sócio-normativas. Este foi o primeiro grupo de razões, que fez nascer a opção pelo tema. Percebe-se que as razões enunciadas constituem elementos de cariz social porque se engrenam a sistemas sociais de referência. Adopta-se como social, o conceito que designa os fenómenos que possuem o carácter próprio das sociedades ( ). Todas as relações humanas são sociais porque criam sociedades e têm carácter social, o que equivale a dizer que têm o carácter do que é sociedade (Paiva 2008: 188). Nas razões atrás xix

20 Maria do Céu Antunes Martins evocadas, existe um vínculo da autora aos grupos a que vem pertencendo; desde a sua formação e desenvolvimento como ser individual, ao seu percurso como ser social. O género, que neste caso, reproduz socialmente um papel assumido. A Enfermagem como formação inicial que está igualmente ligada à mulher. Analisado por Amâncio e Simões (2004) o domínio do cuidar encontra-se fortemente associado à feminilidade, que decorre da história da enfermagem como profissão. Então faz sentido de dizer que a autora se sentiu sociologicamente atraída pelo tema. Identificado o grande tema e analisadas as razões primárias subjacentes à escolha do mesmo havia que circunscrevê-lo. Constituindo a alimentação uma extensa área do conhecimento, optou-se por direccionar o estudo para a alimentação dos imigrantes, dado que sobre a temática não foram encontrados estudos em Portugal. Relativamente ao campo de acção escolhido, isto é, a alimentação dos imigrantes do distrito de Castelo Branco, prende-se com a necessidade de direccionar o tema para a realidade sociodemográfica presente no distrito. A maior mobilidade geográfica entre espaços físicos cada vez mais distantes acentua o encontro de pessoas oriundas de diferentes nacionalidades num mesmo espaço geográfico. No interior de Portugal convive-se actualmente com uma diversidade étnica e cultural, não verificada há uma década atrás. Maior número de imigrantes e novos grupos de imigrantes transformaram a paisagem sociocultural dos serviços de saúde. É importante compreender a cultura alimentar e aspectos sociais ligados à mesma, para construir formas de intervenção adequadas na dieta de um indivíduo ou grupo. Conseguir uma aproximação interdisciplinar ao fenómeno alimentar, através da mobilização de conhecimentos das diferentes áreas do conhecimento poderá indicar caminhos mais elucidativos para a compreensão das práticas alimentares dos imigrantes. A sociologia demonstra a necessidade de adoptar uma perspectiva mais abrangente acerca da razão das coisas. Esta compreensão requer uma análise em profundidade da relação entre o Homem e o alimento. A formação académica da autora deste trabalho, realizada na área científica de Sociologia (Mestrado) veio intensificar a escolha do tema e a sua abordagem. A investigação foi desenvolvida com a convicção de que a alimentação constitui um fenómeno complexo, encontrando-se num processo de imbricamento biológico, psicológico, ecológico, cultural e social. Se é certo que, o comportamento alimentar do indivíduo deve ser orientado no sentido de que este possa receber o conjunto de xx

21 ALIMENTAÇÃO E IDENTIDADE EM CONTEXTO MIGRATÓRIO: PRÁTICAS E REPRESENTAÇÕES Um Estudo de Caso no distrito de Castelo Branco nutrientes necessários à manutenção das diferentes funções do organismo, também se reconhece a existência de um amplo contexto que gira em torno da alimentação, ao qual os profissionais de saúde se devem reportar (Martins 2011). A origem da investigação nasceu do questionamento sobre a forma de estar dos imigrantes no processo alimentar no que se refere à interacção que os mesmos estabelecem com fenómeno. A meta final da concretização deste trabalho será dupla: oferecer um contributo para preencher lacunas na investigação empírica sobre as práticas alimentares dos imigrantes em Portugal e, simultaneamente enriquecer a análise teórica em torno da temática. A apresentação de propostas de uma cultura alimentar mais saudável tem que ser adequada a cada população específica, não podendo ignorar os contextos que se encontram presentes e subjacentes às práticas verificadas. Há que respeitar os traços identitários da pessoa ou grupo populacional. Incorporar os resultados da investigação no conteúdo da unidade curricular Alimentação Nutrição e Dietética do Curso de Licenciatura em Enfermagem da Escola Superior de Saúde Dr. Lopes Dias é também um fim último a alcançar com o presente estudo. xxi

22

23 ALIMENTAÇÃO E IDENTIDADE EM CONTEXTO MIGRATÓRIO: PRÁTICAS E REPRESENTAÇÕES Um Estudo de Caso no distrito de Castelo Branco INTRODUÇÃO O presente estudo analisa as práticas alimentares dos imigrantes do distrito de Castelo Branco sob um ponto de vista sociocultural, onde as questões da saúde devem também ancorar. Partiu-se da premissa de que a alimentação faz parte da sociedade/comunidade e é um acto de cultura; ao mesmo tempo que recebe influências do indivíduo ou grupo que a (re)produz o fenómeno alimentar é por ele (re)criado (Silva 2008; Fernandes 1992; Simmel 2010; Lévy-Strauss 1991; Grignon 1980; Canesqui e Garcia 2005; Goody 1998 e 2009). A alimentação é um dos factores mais enraizados na cultura dos povos e que aos imigrantes pode originar algum conflito. A alimentação é um dos comportamentos que apresenta grande variabilidade inter e intra-cultural pois são múltiplos os factores que incidem na selecção dos alimentos. As características sensoriais, factores económicos, educacionais e ecológicos, a percepção dos alimentos e a classificação destes, e os factores simbólicos ligados aos mesmos e relacionados com o status, idade, género, crenças, conhecimentos e valores influenciam fortemente as escolhas alimentares (Anderson 1998; Garine 1993; Canesqui e Garcia 2005). Paralelamente, existe uma série de encadeamentos com outros campos simbólicos tais como a saúde, a doença, a imagem e a estética corporal, o prazer e as relações interpessoais que possuem profundos componentes socioculturais (Poulain 2002). Pela diversidade de práticas alimentares e representações simbólicas que lhe estão associadas, o acto alimentar pode ser considerado e estudado como um facto social 23

24 Maria do Céu Antunes Martins total 1 : todas e cada uma das diferentes áreas - do natural ao social, do económico económico ao político, do profano ao sagrado - podem influenciar o sistema alimentar. No estudo de um determinado fenómeno social, deve considerar-se a sua multiplicidade de aspectos e procurar várias perspectivas de análise que possam contribuir para uma melhor compreensão do fenómeno. As várias facetas dos fenómenos sociais referem um intercâmbio entre as várias disciplinas que mantêm entre si múltiplas relações de interdependência. O conhecimento dos fenómenos sociais só se constrói mediante a complementaridade de perspectivas, pois só deste modo o objecto de estudo poderá ser compreendido e explicado na sua globalidade e complexidade intrínsecas (Ferreira et al. 1995). O surgimento das sociedades modernas projecta a alimentação num território amplo, colocando à disposição do Homem um conjunto de alimentos e práticas resultado da globalização alimentar. A globalização da economia, a industrialização e a estrutura publicitária exercem um papel importante na expansão desta tendência pois favorecem a distribuição e divulgação de produtos e serviços a uma escala mundial. A importância dos fluxos migratórios no processo de globalização alimentar parece ser um facto. Os movimentos migratórios acentuam a divulgação de novos alimentos no país de recepção. Também, quando as populações migram para outro país, são acompanhadas dos hábitos alimentares do seu país de origem. Uma cultura alimentar globalizada não implica o aniquilamento das culturas alimentares locais" (Ortiz 1994: 194). Elas podem co-habitar, dando origem, tanto a processos de alimentação com traços lineares comuns às duas culturas, como esse encontro de culturas alimentares distintas pode constituir um reforço na promoção dos sistemas alimentares tradicionais. Uma pesquisa que aborda a imigração em Espanha dá-nos conta de que o rápido crescimento da imigração no país vizinho está a introduzir alterações na alimentação relacionada com os processos de contactos mútuos e está a favorecer a fusão da cultura gastronómica espanhola com a dos países de origem dos imigrantes (Navarro 2005). Nesse estudo, entre outros aspectos que resultam da simbiose dos imigrantes com os hábitos 1 Para Émile Durkheim os factos sociais são maneiras de agir, pensar e sentir, exteriores ao indivíduo, e dotadas de um carácter coercivo em virtude do qual se impõem, que incluem normas jurídicas e morais, dogmas religiosos, sistemas económicos, costumes, crenças, tudo o que o homem encontra, ao nascer, na sociedade (Ferreira et al. 1995). A noção de facto social total foi introduzida por Marcel Mauss em Ensaios sobre a Dádiva (Martins 2005) e (Silva e Pinto 2001) e (Mauss 1980). Um conceito que depois foi aproveitado por Lévi-Strauss e Lefebvre nos seus trabalhos. 24

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural Licença para Criar: Imigrantes nas Artes em Portugal Magda Nico, Natália Gomes, Rita Rosado e Sara Duarte Maio de 2007, Estudos OI 23 Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural (ACIDI)

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar CIRCULAR Data: 11/04/2011 Circular nº.: 4 /DGIDC/DSDC/2011 Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar Para: Inspecção-Geral de Educação Direcções Regionais de Educação Secretaria Regional Ed. da Madeira

Leia mais

REGULAMENTO DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO DE CUIDADOS GERAIS

REGULAMENTO DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO DE CUIDADOS GERAIS ÍNDICE Regulamento do Perfil de Competências do Enfermeiro de Cuidados Gerais Preâmbulo...05 Artigo 1.º - Objecto...07 Artigo 2.º - Finalidades...07 Artigo 3.º - Conceitos...08 Artigo 4.º - Domínios das

Leia mais

Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior

Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior Francisco Correia Departamento de Difusão e Promoção Instituto Nacional de Estatística Avenida António José de Almeida 1000-043 Lisboa Tel: 218426143

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular IMIGRAÇÃO E SEGURANÇA Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular IMIGRAÇÃO E SEGURANÇA Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular IMIGRAÇÃO E SEGURANÇA Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Políticas de Segurança 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/ MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: HISTÓRIA LICENCIATURA PLENA SERIADO ANUAL 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 05 (CINCO)

Leia mais

APRENDER COM A DIVERSIDADE CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER COM A DIVERSIDADE. Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal

APRENDER COM A DIVERSIDADE CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER COM A DIVERSIDADE. Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal 18 DE FEVEREIRO A 13 DE MARÇO DE 2008 A inducar (http://www.inducar.pt) é uma organização de direito

Leia mais

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL Escola Secundária com 3º CEB de Coruche 0 EDUCAÇÃO SEXUAL INTRODUÇÃO A Educação da sexualidade é uma educação moral porque o ser humano é moral. É, também, uma educação das atitudes uma vez que, com base

Leia mais

ÉTICA e PAISAGEM Fundação Calouste Gulbenkian. 19 de Setembro de 2011 Alexandre d Orey Cancela d Abreu alexandreoc.abreu@gmail.com

ÉTICA e PAISAGEM Fundação Calouste Gulbenkian. 19 de Setembro de 2011 Alexandre d Orey Cancela d Abreu alexandreoc.abreu@gmail.com ÉTICA e PAISAGEM Fundação Calouste Gulbenkian 19 de Setembro de 2011 Alexandre d Orey Cancela d Abreu alexandreoc.abreu@gmail.com Paisagem: designa uma parte do território, tal como é apreendida pelas

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

a escola e o mundo do trabalho XVII colóquio afirse secção portuguesa

a escola e o mundo do trabalho XVII colóquio afirse secção portuguesa . INÁCIO, Maria Joana SALEMA, Maria Helena Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa RESUMO Aprender a aprender constitui-se como uma das competências essenciais para a aprendizagem ao longo da vida,

Leia mais

O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO

O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO 10 O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO António Gonçalves REVISOR OFICIAL DE CONTAS 1. Introdução O presente artigo procura reflectir o entendimento

Leia mais

A. PROMOVER A DIVULGAÇÃO DA INFORMAÇÃO E DO CONHECIMENTO

A. PROMOVER A DIVULGAÇÃO DA INFORMAÇÃO E DO CONHECIMENTO FICHA DE TRABALHO CADERNO FICHA 5. GESTÃO DO CONHECIMENTO 5.5. ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS O presente documento constitui uma Ficha que é parte integrante de um Caderno temático, de âmbito mais alargado,

Leia mais

A AUTO-AVALIAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR EM PORTUGAL Cláudia Valadas Urbano 1

A AUTO-AVALIAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR EM PORTUGAL Cláudia Valadas Urbano 1 A AUTO-AVALIAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR EM PORTUGAL Cláudia Valadas Urbano 1 A presente comunicação resulta de um trabalho desenvolvido pelo CEOS Investigações Sociológicas da Faculdade de Ciências Sociais

Leia mais

Prefácio Prefácio Ao fim de uma década de seminários de investigação dedicados à apresentação de trabalhos empíricos e teóricos e à análise de temas específicos de educação matemática como a resolução

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

Avaliação do valor educativo de um software de elaboração de partituras: um estudo de caso com o programa Finale no 1º ciclo

Avaliação do valor educativo de um software de elaboração de partituras: um estudo de caso com o programa Finale no 1º ciclo Aqui são apresentadas as conclusões finais deste estudo, as suas limitações, bem como algumas recomendações sobre o ensino/aprendizagem da Expressão/Educação Musical com o programa Finale. Estas recomendações

Leia mais

Não sei em que mês nasci!

Não sei em que mês nasci! Não sei em que mês nasci! Cristina Martins, Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Bragança Paula Maria Barros, Escola Superior do Instituto Politécnico de Educação de Bragança Introdução

Leia mais

TÍTULO: A Educação Inclusiva no Contexto da Escola Pública: Um Desafio

TÍTULO: A Educação Inclusiva no Contexto da Escola Pública: Um Desafio Inovador TÍTULO: A Educação Inclusiva no Contexto da Escola Pública: Um Desafio Autoria: Gabriela Canastra Palavras-chave: Necessidades Educativas Especiais; Educação Inclusiva; Perspetiva Ecológica; Qualidade

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

E F P D E G PALOP Eduardo Cruz

E F P D E G PALOP Eduardo Cruz E F P D E G PALOP Eduardo Cruz Formedia edcruz@formedia.pt 312 Experiências de formação presencial e à distância de empresários e gestores nos PALOP Desde 2001, a Formedia Instituto Europeu de Formação

Leia mais

O Processo de Bolonha na ESTBarreiro/IPS

O Processo de Bolonha na ESTBarreiro/IPS O Processo de Bolonha na ESTBarreiro/IPS João Vinagre Santos A ESTBarreiro/IPS Criação em Julho de 1999, pelo Ministro da Educação Prof. Marçal Grilo 4ª Escola do IPS, 2ª Escola de Tecnologia, 1ª Escola

Leia mais

CAPÍTULO I - Visão geral

CAPÍTULO I - Visão geral CÓDIGO DEONTOLÓGICO DO TÉCNICO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO SOCIAL Preâmbulo: O presente Código Deontológico procura estabelecer alguns princípios e algumas regras, no quadro de uma ética profissional, que devem

Leia mais

Imigrantes: Uma Nova Face da Sociedade Portuguesa. Um estudo de caso no concelho de Barcelos

Imigrantes: Uma Nova Face da Sociedade Portuguesa. Um estudo de caso no concelho de Barcelos MARIA BERNARDETE DOMINGUES ESTEVES MELEIRO Imigrantes: Uma Nova Face da Sociedade Portuguesa Um estudo de caso no concelho de Barcelos Dissertação apresentada para obtenção do grau de Mestre em Estudos

Leia mais

HOSPITAL DO ARCEBISPO JOÃO CRISÓSTOMO UNIDADE DE CONVALESCENÇA

HOSPITAL DO ARCEBISPO JOÃO CRISÓSTOMO UNIDADE DE CONVALESCENÇA HOSPITAL DO ARCEBISPO JOÃO CRISÓSTOMO UNIDADE DE CONVALESCENÇA PROJECTO DE MELHORIA CONTÍNUA SABER CUIDAR UM DIREITO CANTANHEDE, Janeiro de 2011 HOSPITAL DO ARCEBISPO JOÃO CRISÓSTOMO UNIDADE DE CONVALESCENÇA

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

Membro da direcção da Revista Intervenção Social Investigadora do CLISSIS Doutoranda em Serviço Social

Membro da direcção da Revista Intervenção Social Investigadora do CLISSIS Doutoranda em Serviço Social A investigação do Serviço Social em Portugal: potencialidades e constrangimentos Jorge M. L. Ferreira Professor Auxiliar Universidade Lusíada Lisboa (ISSSL) Professor Auxiliar Convidado ISCTE IUL Diretor

Leia mais

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como SISTEMA DE DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO DAS OPORTUNIDADES DE COOPERAÇÃO EM REDE Nota: documento elaborado pela INTELI Inteligência em Inovação, no âmbito da consultadoria prestada

Leia mais

2. Enquadramento metodológico

2. Enquadramento metodológico 1. A Agenda 21 LOCAL 1. Em 1992, no Rio de Janeiro, a Conferência das Nações Unidas sobre Ambiente e Desenvolvimento (CNUAD) aprovou um Plano de Acção para o Século 21, intitulado Agenda 21. Realizada

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA 11ª, 12ª e 13ª classes Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Ficha Técnica Título Programa de Metodologia do Ensino de História - 11ª, 12ª

Leia mais

AS ONG(D) E A CRISE DO ESTADO SOBERANO

AS ONG(D) E A CRISE DO ESTADO SOBERANO A 350404 Rui Pedro Paula de Matos AS ONG(D) E A CRISE DO ESTADO SOBERANO UM ESTUDO DE CIÊNCIA POLÍTICA E RELAÇÕES INTERNACIONAIS COLECÇÃO TESES Universidade Lusíada Editora Lisboa 2001 As ONGD e a crise

Leia mais

7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS. Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações. 15 de Outubro de 2010

7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS. Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações. 15 de Outubro de 2010 7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações 15 de Outubro de 2010 Sessão Solene de Abertura Gostaria de começar por felicitar a APROSE pela

Leia mais

XIV Jornadas Pedagógicas de Educação Ambiental Ambiente, Saúde e Qualidade de Vida Lisboa, 26 e 27 de Janeiro de 2007

XIV Jornadas Pedagógicas de Educação Ambiental Ambiente, Saúde e Qualidade de Vida Lisboa, 26 e 27 de Janeiro de 2007 XIV Jornadas Pedagógicas de Educação Ambiental Ambiente, Saúde e Qualidade de Vida Lisboa, 26 e 27 de Janeiro de 2007 Projecto Carta da Terra. Instrumento de Sustentabilidade. Balanço e Perspectivas Manuel

Leia mais

Evolução da Agricultura Portuguesa no Período 1989/2010. Análise de Indicadores Relevantes.

Evolução da Agricultura Portuguesa no Período 1989/2010. Análise de Indicadores Relevantes. Evolução da Agricultura Portuguesa no Período 1989/2010. Análise de Indicadores Relevantes. Deolinda Alberto 1, José Pedro Fragoso Almeida 2 1 Professor Adjunto, Escola Superior Agrária de Castelo Branco,

Leia mais

2014-2015. Doutoramento em Ecologia Humana. Coordenação Científica Profª Iva Pires

2014-2015. Doutoramento em Ecologia Humana. Coordenação Científica Profª Iva Pires 2014- Doutoramento em Ecologia Coordenação Científica Profª Iva Pires Guia do Curso Ano Académico 2014/ Coordenação Científica Profª Iva Pires im.pires@fcsh.unl.pt pires.iva.fcsh@gmail.com Para mais informações

Leia mais

CONCLUSÕES. Conclusões 413

CONCLUSÕES. Conclusões 413 CONCLUSÕES Conclusões 413 Conclusões 414 Conclusões 415 CONCLUSÕES I - Objectivos do trabalho e resultados obtidos O trabalho realizado teve como objecto de estudo a marca corporativa e a investigação

Leia mais

DA REFLEXÃO À ACÇÃO - UMA PROPOSTA DE TRABALHO

DA REFLEXÃO À ACÇÃO - UMA PROPOSTA DE TRABALHO DA REFLEXÃO À ACÇÃO - UMA PROPOSTA DE TRABALHO - Grupo de reflexão na área de psicologia sobre questões relativas à orientação sexual - Artigo apresentado no Colóquio de Estudos G(ay)L(ésbicos)Q(ueer)

Leia mais

A Educação Artística na Escola do Século XXI

A Educação Artística na Escola do Século XXI A Educação Artística na Escola do Século XXI Teresa André teresa.andre@sapo.pt Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular Caldas da Rainha, 1 de Junho de 2009 1. A pós-modernidade provocou

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES Nº 5, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2001. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Nutrição. O Presidente

Leia mais

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios Sandra Sofia Brito da Silva Dissertação

Leia mais

INTRODUÇÃO. Maria Manuel Serrano 1

INTRODUÇÃO. Maria Manuel Serrano 1 INTRODUÇÃO Maria Manuel Serrano 1 Os atributos de estática e dinâmica social foram conferidos à sociedade primeiramente por Auguste Comte (1798-1857). Enquanto modelo concreto de explicação sociológica,

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

Ano Lectivo 2010/2011 MATRIZ DA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

Ano Lectivo 2010/2011 MATRIZ DA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Escola Básica e Secundária de Velas Ano Lectivo 2010/2011 MATRIZ DA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Ao abrigo do Decreto-Lei N.º74/2004, de 26 de Março com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

Alimentação Saudável. 2008 Teresa Bilhastre - CSCR

Alimentação Saudável. 2008 Teresa Bilhastre - CSCR Ministério da Saúde O Programa de Saúde Escolar insere-se no Plano Nacional de Saúde 2004-2010 Pretende: Reforçar as acções de promoção da saúde e prevenção da doença em ambiente escolar. Ministério da

Leia mais

PROGRAMA DE GEOGRAFIA 10ª Classe. Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário

PROGRAMA DE GEOGRAFIA 10ª Classe. Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário PROGRAMA DE GEOGRAFIA 10ª Classe Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Ficha Técnica Título Programa de Geografia - 10ª Classe Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário

Leia mais

A mediação intercultural e a construção de diálogos entre diferentes: notas soltas para reflexão

A mediação intercultural e a construção de diálogos entre diferentes: notas soltas para reflexão A mediação intercultural e a construção de diálogos entre diferentes: notas soltas para reflexão (Comentário ao Painel: Mediação Intercultural) Maria José Casa-Nova Instituto de Educação, Universidade

Leia mais

1 O termo ensino terciário é utilizado no Relatório para designar todos os tipos de ensino ao nível pós-secundário,

1 O termo ensino terciário é utilizado no Relatório para designar todos os tipos de ensino ao nível pós-secundário, RECENSÃO : Revisões das Políticas Nacionais para a Educação Ensino Terciário 1 em Portugal: Relatório dos Observadores (EDU/EC (2006) 25) Catarina Cristino Pereira Licenciada em Ciências da Educação pela

Leia mais

A difícil concretização do processo de Bolonha no Ensino Superior

A difícil concretização do processo de Bolonha no Ensino Superior A difícil concretização do processo de Bolonha no Ensino Superior O SNESup e o Núcleo de Estudantes de Sociologia da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra realizaram mais um debate integrado

Leia mais

Planificação Anual da Disciplina de Psicologia. MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário

Planificação Anual da Disciplina de Psicologia. MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário Planificação Anual da Disciplina de MÓDULOS 1, 2, 3 e 4 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário Componente de Formação Científica Ano lectivo 2013-2014 1 MÓDULO 1 - DESCOBRINDO

Leia mais

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros Esta é uma versão post print de Cândido, Carlos J. F. (2004) Hotelaria: Gestores Portugueses vs. Estrangeiros, Gestão Pura, Ano II, N.º 7, Abril/Maio, 80-83. Recursos Humanos Hotelaria: gestores portugueses

Leia mais

Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1

Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1 Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1 Dos contributos dos diferentes intervenientes do evento

Leia mais

PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA MATRIZ

PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA MATRIZ PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA MATRIZ 12º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 74/2004) Curso Científico Humanístico PROVA 312/6Págs. Duração da prova: 90 minutos + 30 minutos de tolerância 2010 PROVA

Leia mais

Estrela Serrano JORNALISMO POLÍTICO EM PORTUGAL

Estrela Serrano JORNALISMO POLÍTICO EM PORTUGAL A/484566 Estrela Serrano JORNALISMO POLÍTICO EM PORTUGAL A cobertura de eleições presidenciais na imprensa e na televisão (1976-2001) Edições Colibri Instituto Politécnico de Lisboa ÍNDICE Introdução 23

Leia mais

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Gestão de Tomar Curso: 1º Ciclo de Estudos em Gestão Turística e Cultural.

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Gestão de Tomar Curso: 1º Ciclo de Estudos em Gestão Turística e Cultural. Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Gestão de Tomar Curso: 1º Ciclo de Estudos em Gestão Turística e Cultural Licenciatura Área Científica predominante do Curso: Turismo Estrutura Curricular

Leia mais

Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO. (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007)

Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO. (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007) Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007) Excelentíssimos membros do Conselho Directivo, excelentíssimos professores, caríssimos alunos, É com enorme satisfação que

Leia mais

Regulamento do Exercício Profissional dos Enfermeiros. Decreto-Lei n.º 161/96, de 4 de Setembro, alterado pelo Decreto-lei n.º 104/98, de 21 de Abril

Regulamento do Exercício Profissional dos Enfermeiros. Decreto-Lei n.º 161/96, de 4 de Setembro, alterado pelo Decreto-lei n.º 104/98, de 21 de Abril REPE Regulamento do Exercício Profissional dos Enfermeiros Decreto-Lei n.º 161/96, de 4 de Setembro, alterado pelo Decreto-lei n.º 104/98, de 21 de Abril 1 - A enfermagem registou entre nós, no decurso

Leia mais

DECLARAÇÃO DE HANÔVER

DECLARAÇÃO DE HANÔVER DECLARAÇÃO DE HANÔVER de Presidentes de Câmara de Municípios Europeus na Viragem do Século XXI (versão traduzida do texto original em Inglês, de 11 de Fevereiro de 2000, pelo Centro de Estudos sobre Cidades

Leia mais

ESTUDO SOBRE O VOLUNTARIADO: CONTEXTOS E CONCLUSÕES

ESTUDO SOBRE O VOLUNTARIADO: CONTEXTOS E CONCLUSÕES ESTUDO SOBRE O VOLUNTARIADO: CONTEXTOS E CONCLUSÕES O Estudo sobre o Voluntariado teve como objectivo geral a realização de um diagnóstico sobre a situação actual do voluntariado em Portugal, em termos

Leia mais

UEM: Desafios e perspectivas na implementação do Sistema Nacional de Avaliação, Acreditação e Garantia de Qualidade do Ensino Superior

UEM: Desafios e perspectivas na implementação do Sistema Nacional de Avaliação, Acreditação e Garantia de Qualidade do Ensino Superior UEM: Desafios e perspectivas na implementação do Sistema Nacional de Avaliação, Acreditação e Garantia de Qualidade do Ensino Superior Autores: Maida Abdulssatar Khan, Eduardo Chiziane, Luisa Santos e

Leia mais

Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013

Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013 Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013 UNIÓN EUROPEA 1 de junio de 2011 3. SUMÁRIO EXECUTIVO A avaliação do Plano de

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA I. OBJECTIVOS O objectivo deste ciclo de estudos é garantir aos estudantes uma sólida formação jurídica de base. Tendo

Leia mais

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes Conclusões «Inovação e sustentabilidade ambiental. A inovação e a tecnologia como motor do desenvolvimento sustentável e da coesão social. Uma perspectiva dos governos locais». 1. O Fórum irá estudar,

Leia mais

2009 A CRISE DOS MODELOS DE INTEGRAÇÃO DOS MIGRANTES: UMA COMPARAÇÃO INTERNACIONAL

2009 A CRISE DOS MODELOS DE INTEGRAÇÃO DOS MIGRANTES: UMA COMPARAÇÃO INTERNACIONAL Fórum Gulbenkian Migrações 2009 A CRISE DOS MODELOS DE INTEGRAÇÃO DOS MIGRANTES: UMA COMPARAÇÃO INTERNACIONAL Sessão de Abertura, 25 Novembro, 10h00, Aud. 2 Senhores Deputados Senhores Embaixadores Caros

Leia mais

CONTRIBUTOS PARA ELABORAÇÃO E CONCRETIZAÇÃO DE UM PROJECTO DE PESQUISA CIENTÍFICA 1. Marcos Olímpio Gomes dos Santos 2

CONTRIBUTOS PARA ELABORAÇÃO E CONCRETIZAÇÃO DE UM PROJECTO DE PESQUISA CIENTÍFICA 1. Marcos Olímpio Gomes dos Santos 2 CONTRIBUTOS PARA ELABORAÇÃO E CONCRETIZAÇÃO DE UM PROJECTO DE PESQUISA CIENTÍFICA 1 Marcos Olímpio Gomes dos Santos 2 RESUMO O autor sistematiza neste texto alguns contributos para a elaboração de um projecto

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

Conceito de intervenção a hierarquização e estruturação do corredor cultural entre Chaves e Vila Real

Conceito de intervenção a hierarquização e estruturação do corredor cultural entre Chaves e Vila Real Conceito de intervenção a hierarquização e estruturação do corredor cultural entre Chaves e Vila Real A referenciação dos percursos como componentes da estrutura edificada (in Magalhães, Manuela; Arquitectura

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO DOS SENIORES NUMA OFICINA DE MÚSICA E TEATRO: IMPACTOS NA AUTO-ESTIMA E AUTO-IMAGEM. Sandra Maria Franco Carvalho

A PARTICIPAÇÃO DOS SENIORES NUMA OFICINA DE MÚSICA E TEATRO: IMPACTOS NA AUTO-ESTIMA E AUTO-IMAGEM. Sandra Maria Franco Carvalho CENTRO DE COMPETÊNCIAS DE CIÊNCIAS SOCIAIS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO A PARTICIPAÇÃO DOS SENIORES NUMA OFICINA DE MÚSICA E TEATRO: IMPACTOS NA AUTO-ESTIMA E AUTO-IMAGEM ESTUDO DE CASO NUMA UNIVERSIDADE

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUTO DE MATERIAIS DIDÁCTICOS PARA A INOVAÇÃO DAS PRÁTICAS

FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUTO DE MATERIAIS DIDÁCTICOS PARA A INOVAÇÃO DAS PRÁTICAS FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUTO DE MATERIAIS DIDÁCTICOS PARA A INOVAÇÃO DAS PRÁTICAS REBELO 1,DORINDA;MARQUES 2,EVA;MARQUES 3,LUÍS 1 Escola Secundária de Estarreja Estarreja, Portugal. 2 Escola Secundária

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais Intervenção de SEXA o Secretário de Estado Adjunto do Ministro

Leia mais

Sobre a Investigação em Serviço Social

Sobre a Investigação em Serviço Social Sobre a Investigação em Serviço Social Dra. Maria Rosa Tomé 1 Em 2001 o Centro Português de Investigação em História e Trabalho Social e a Veras Editora, no âmbito do Projecto Atlântida, publicaram o livro

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA PLANIFICAÇÃO ANUAL 2013/2014 ECONOMIA A (10º ANO) Página 1 de 10 Finalidades da disciplina de Economia A, no conjunto dos dois anos da sua leccionação: Perspectivar a Economia

Leia mais

AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL -

AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL - AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL - Sónia Cardoso e Sérgio Machado dos Santos Gabinete de

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011

Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011 Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011 A violência doméstica é um fenómeno complexo que requer uma intervenção concertada e multidisciplinar. 1 PLANO MUNICIPAL CONTRA A VIOLÊNCIA

Leia mais

o Urbanismo tem por objecto com a construção racional da cidade, incluindo a renovação e gestão urbanas.

o Urbanismo tem por objecto com a construção racional da cidade, incluindo a renovação e gestão urbanas. Doc 5. Proposta de Projecto de Lei Sobre a Profissão, a Prática e a Formação do Urbanista A necessidade de implementar uma política consistente de Ordenamento do Território e Urbanismo, tem determinado

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O presente estudo visa caracterizar o cluster da electrónica, informática e telecomunicações (ICT), emergente

Leia mais

Organizações portuguesas lançam rede temática para a soberania e segurança alimentar

Organizações portuguesas lançam rede temática para a soberania e segurança alimentar Rede Portuguesa pela Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional Organizações portuguesas lançam rede temática para a soberania e segurança alimentar Coimbra, 16 de Abril de 2012 Preocupados com as políticas

Leia mais

Universidade Aberta. Mestrado em Supervisão Pedagógica 2007/2009. Projecto de Dissertação de Mestrado

Universidade Aberta. Mestrado em Supervisão Pedagógica 2007/2009. Projecto de Dissertação de Mestrado Universidade Aberta Mestrado em Supervisão Pedagógica 2007/2009 Projecto de Dissertação de Mestrado Aprender a «viver juntos»: Que significado curricular no 1º. Ano? 30 de Setembro de 2008 Projecto de

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto 1 - O presente Decreto-Lei estabelece o regime jurídico da carreira dos

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

Conclusões da Conferência Anual do INFARMED, I.P. 2009

Conclusões da Conferência Anual do INFARMED, I.P. 2009 Conclusões da Conferência Anual do INFARMED, I.P. 2009 Conferência de abertura Medicina Genómica: Impacto na Eficácia e Segurança dos Medicamentos O cada vez mais reduzido número de novos medicamentos

Leia mais

Notas sobre Educação Intercultural e Cidadania

Notas sobre Educação Intercultural e Cidadania 1 Notas sobre Educação Intercultural e Cidadania 1- Definição de Cultura. Cultura é tudo o que nos seres humanos vai além dos aspectos biológicos. Modos de sentir, pensar e agir. Crenças, valores (estéticos,

Leia mais

Integração de Portugal na Comunidade Europeia Vinte Anos Depois

Integração de Portugal na Comunidade Europeia Vinte Anos Depois Integração de Portugal na Comunidade Europeia Vinte Anos Depois Integração de Portugal na Comunidade Europeia Vinte Anos Depois Luís Amado Ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros Celebraram-se no

Leia mais

MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário. Componente de Formação Científica. Ano lectivo 2015-2016

MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário. Componente de Formação Científica. Ano lectivo 2015-2016 Planificação Anual da Disciplina de Psicologia MÓDULOS 1, 2, 3 e 4 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário Componente de Formação Científica Ano lectivo 2015-2016 MÓDULO

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

A. Síntese e apresentação do estudo

A. Síntese e apresentação do estudo A. Síntese e apresentação do estudo 1. OBJECTIVOS DO PRESENTE ESTUDO O objectivo do presente estudo é a avaliação ex post da política de promoção publicitária dos produtos agrícolas no período de 1994-2000

Leia mais

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Janeiro/2004 INTRODUÇÃO A experiência da acção social no âmbito da intervenção e acompanhamento das famílias em situação de grande vulnerabilidade social,

Leia mais

Escola Secundária de PAREDES. Plano Curricular de Escola

Escola Secundária de PAREDES. Plano Curricular de Escola Escola Secundária de PAREDES Plano Curricular de Escola O currículo nacional, como qualquer documento matriz, tem necessariamente de ser uma moldura complexa e circunscritiva, pois é construído em torno

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO

PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO Maria Regina Tavares da Silva Perita em Igualdade de Género Consultora das Nações Unidas Nesta Conferência de celebração dos

Leia mais

Agrupamento de Escolas do Bonfim

Agrupamento de Escolas do Bonfim Escola Secundária Mouzinho da Silveira Departamento de Ciências Sociais e Humanas Grupo de Recrutamento - 420 Ano Letivo de 2014 / 2015 Curso LINGUAS E HUMANIDADES Planificação Anual da disciplina de GEOGRAFIA

Leia mais

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR nº 3 Novembro 29 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR O VINHO NOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR Índice 1. INTRODUÇÃO 2 2. PRODUÇÃO 3 3. EXPORTAÇÃO 5 4.

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG Nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março e do Regulamento de Mestrados da Universidade Técnica de Lisboa (Deliberação do Senado da

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE S.PEDRO DE BAIRRO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO RESPOSTA SOCIAL LAR DE INFÂNCIA E JUVENTUDE REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO LAR DE INFÂNCIA E JUVENTUDE CAPÍTULO

Leia mais