A AMÉRICA LATINA, OS ESTADOS UNIDOS E A POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA NA VISÃO DE JOAQUIM NABUCO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A AMÉRICA LATINA, OS ESTADOS UNIDOS E A POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA NA VISÃO DE JOAQUIM NABUCO"

Transcrição

1 DOI: /4cih.pphuem.573 A AMÉRICA LATINA, OS ESTADOS UNIDOS E A POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA NA VISÃO DE JOAQUIM NABUCO Lívia de Carvalho Borges Doutoranda em História, pela Faculdade de História, Direito e Serviço Social UNESP/ Franca Introdução A presente comunicação tem por objetivos analisar as reflexões elaboradas por Joaquim Nabuco ( ) acerca da América Latina, dos Estados Unidos e da política externa brasileira ao longo da primeira década republicana. Historiador e diplomata brasileiro, Joaquim Nabuco consagrou-se como um dos grandes nomes da intelectualidade brasileira, tanto pela expressiva atuação jornalística e militância política, levadas a efeito no Segundo Reinado, quanto pela produção historiográfica e atuação diplomática desenvolvida no regime republicano. Considerado um dos grandes nomes do pensamento nacional seguiu trajetória pessoal distinta destacando-se no Império como fervoroso expoente da causa abolicionista, na República como defensor do regime deposto, para então se posicionar como um dos principais defensores do pan-americanismo, então tomado como causa derradeira de sua vida. Sua trajetória pessoal, assim como suas concepções políticas, se nos revelam de especial interesse para o entendimento da dinâmica política e diplomática da primeira década republicana, período em que revisou seu posicionamento acerca de diferentes temáticas, dentre elas a da causa monarquista, a do regime republicano e também dos rumos da política externa brasileira. As reflexões de Joaquim Nabuco acerca da América Latina, dos Estados Unidos e da política externa brasileira. Desde a implantação da República, as temáticas referentes à América Latina, aos Estados Unidos e à política externa brasileira passaram a ocupar destacado papel nas reflexões de importantes membros da intelectualidade nacional. O especial interesse apresentado por historiadores, cientistas sociais e ensaístas, decorria não só da necessidade de se buscar novas referências para se pensar os problemas decorrentes da implantação do regime republicano (BÁGGIO, 1998), mas também dos novos rumos que este regime pretendia impor às relações exteriores do país.

2 1264 A mudança de regime político e a conseqüente adesão à tendência liberal-republicana das Américas, trouxeram para o campo das reflexões políticas o debate acerca da superação da Monarquia e da Implantação da República, no qual monarquistas e republicanos utilizavam tanto os Estados Unidos quanto a América Hispânica como exemplos legitimadores de diferentes concepções políticas. Nesse sentido, enquanto a vertente republicana via o regime implantado como o meio necessário à superação do atraso brasileiro, e os Estados Unidos como o modelo republicanoliberal por excelência, a corrente monarquista primava pela valorização da tradição ibérica (a dinastia dos Bragança) como o modelo de estabilidade política e unidade territorial. Concomitantemente os novos representantes políticos procuraram direcionar a política externa brasileira para o contexto continental, finalizando, assim, a tradição europeísta que até então havia conformado as relações exteriores do Brasil (BUENO, 1995), por entenderem que era necessário finalizar o longo ciclo de isolamento em que o país tinha vivido em relação a seus vizinhos. O país passou, então, a priorizar as relações brasileiras com os vizinhos americanos, sobretudo, com os Estados Unidos, o que significou uma importante inflexão nos assuntos internacionais. Sustentada ora na visão idealista da unidade institucional americana, ora em questões pragmáticas, tais os interesses econômicos e a dinâmica de distribuição do poder mundial, essa diretriz consolidou-se como viga mestra das relações exteriores da República, encontrando em Rio Branco ( ) seu principal expoente (BUENO, 2003). Dentre os intelectuais brasileiros que participaram do debate acerca da superação da Monarquia e da implantação da República, bem como do debate referente aos novos rumos que a política externa brasileira tomava no período subseqüente ao 15 de novembro, destacouse Joaquim Nabuco. Considerado intelectual polêmico, em virtude das posições assumidas na passagem do regime monárquico para o republicano, Nabuco seguiu os passos do itinerário comum aos membros da elite brasileira. Ainda criança realizou estudos na principal instituição de ensino do país, o Colégio Pedro II, após o qual seguiu para a Faculdade de Direito de São Paulo e do Recife. Na juventude, complementou sua formação com viagens à Europa e aos Estados Unidos, após as quais ingressou no serviço diplomático e na carreira política (NABUCO, 1958). No serviço diplomático atuou como secretário da legação do Brasil em Washington (1876), ao passo que na carreira política militou ao longo de três mandatos parlamentares

3 1265 ( ), defendendo as causas da abolição, do federalismo e da reforma monárquica, que inscreveriam seu nome na história política do país. Importa notar que paralelamente à atuação diplomática e política, Joaquim Nabuco exerceu com destaque a atividade jornalística e literária, cooperando com periódicos importantes do país. Sua produção intelectual nesse período englobou trabalhos que versavam sobre temáticas variadas, indicando a multiplicidade de interesses que estiveram na pauta de suas preocupações. Na passagem da Monarquia para a República, mergulhou numa fase de isolamento político, que se estendeu por cerca de dez anos, em que se dedicou aos embates intelectuais e às atividades literárias, expressas não só nas contribuições para o Jornal do Brasil, o Jornal do Comércio e para o Comércio de São Paulo, mas também nas obras historiográficas que produziu. Nesse período, transitou por importantes espaços de sociabilidade do Brasil republicano, tais o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, a Academia Brasileira de Letras, aos quais se somariam mais tarde o Itamaraty. No âmbito de suas concepções políticas, percebe-se que o desencanto com os novos rumos do país levou-o a elaborar reflexões bastante negativas sobre a política interna brasileira e também sobre o cenário latino-americano (NABUCO, 2005): Estamos no redemoinho republicano da América. Somos um cadáver girando no sorvedouro da anarquia. Em tal estado devemos abandonar a sociedade ao seu destino ou fundar uma nova pátria no estrangeiro, os que têm filhos? Se nada pode salvar a nação é preciso lutar para elevar socialmente a minoria, a parte moral da sociedade. A pátria é uma escolha que Deus fez por nós. Neste século, o imigrante tem alterado um tanto o velho princípio. Nas raças sentimentais e idealistas não dispomos assim do patrimônio dos nossos filhos. Temos, pois, que ficar brasileiros, vendo o Brasil tornar-se uma Venezuela, um México, uma Argentina, um Chile; propriedade do déspota do dia. É como se o mundo voltasse a ser fetichista ou canibal! Mas por isso mesmo que foi nosso destino nascer neste período, nos séculos futuros a América Latina há de ser civilizada ou não ser latina [...] (p35,v2) A visão pejorativa em torno da América Latina associava-se, assim, à análise da República - símbolo da anarquia, da instabilidade política, econômica e social, enquanto a Monarquia aparecia como o período áureo da civilização brasileira, garantidor da estabilidade política e da unidade territorial. A herança monarquista refletia-se também no desenvolvimento de suas concepções iniciais a respeito dos novos rumos que o país pretendia impor à sua política externa, tal era a prioridade dada às relações do Brasil com os países continentais, mormente com os Estados Unidos. No contexto em que o discurso americanista estava em alta,

4 1266 expressou a pouca simpatia que nutria por essa vertente, conforme se pode perceber na citação abaixo (NABUCO, 1949): Infelizmente sou dos que estão convencidos de que nossa decadência nacional começou; que entramos na órbita americana, como Cuba ou as Filipinas, o México ou a Nicarágua; que nossa evolução far-se-á no mesmo sentido que a dos próprios satélites de Washington, e que só poderemos valer, ter vida própria, intelectualmente, se produzirmos alguns brilhantes espíritos que elevem nossa literatura acima das contingências da absorção ou da eliminação política e material. (p5, v2) Não obstante, sua visão acerca da potência norte-americana não era das piores. Pelo contrário, nela os Estados Unidos apareciam como região bem sucedida, em que o poderio econômico e tecnológico era notável (NABUCO, 1957): [...] os Estados Unidos são de uma extremidade a outra um país para se visitar e conhecer. É ele, talvez, o país onde melhor se pode estudar a civilização material, onde o poder dinâmico ao serviço do homem parece maior e ao alcance de cada um. Em certo sentido, pode-se dizer dele que é uma torre de Babel bem sucedida. Na ordem intelectual e moral, porém compreendendo a arte, os Estados Unidos não tem o que mostrar, e certa ordem de cultura, toda cultura superior quase, não precisa para ser perfeita e completa de adquirir nenhum contingente americano. (p.144) Refletindo as críticas elaboradas pelos setores monarquistas, Joaquim Nabuco manteve inalteradas essas visões até o fim da primeira década republicana, quando o retorno ao cenário político nacional, mediante sua reintegração ao corpo diplomático brasileiro (1899), o levaria a revê-las, senão no que dizia respeito à América Latina, pelo menos em torno da política externa brasileira (NOGUEIRA, 1984). Nessa fase, a identificação com os destinos políticos do país expressou-se na idéia de que era necessário transpor o eixo da política externa nacional deslocando-o da Inglaterra para os Estados Unidos, idéia essa que passou a ocupar papel central em suas reflexões, como fica claro nas considerações a seguir (NABUCO, 2005): Para nós a escolha está entre o monroísmo e a recolonização européia. O equilíbrio dos dois mundos não permite mais a existência das nações isoladas dele e tirando benefícios dele. Hoje a proteção impõe deveres às nações que a recebem, a única proteção da América é o sea power que só os Estados Unidos têm nela. Monroísmo é assim a afirmação da independência e integridade nacional pelo único sistema que as pode garantir. [...] (p.347, v.2) Incipiente em princípio, a defesa da aproximação do Brasil com os Estados Unidos, acentuou-se nos anos seguintes, transformando-o num dos principais colaboradores da política externa brasileira. Se até então suas concepções estiveram em perfeita identificação com os setores monarquistas, após a primeira década republicana estas passaram a se coadunar com as

5 1267 diretrizes políticas do novo regime, o que nos permite considerar que as posturas assumidas ao longo de sua permanência no serviço público, bem como as idéias políticas por ele elaboradas, seguiram percursos importantes que dependeram tanto de suas vinculações ao universo político-cultural do Império e da República, quanto das regras diplomáticas vigentes no período em questão. Considerações finais Considera-se que a análise da atuação de Joaquim Nabuco, bem como de suas reflexões no período em questão, justificam-se não só por aclarar o debate existente no cenário político nacional acerca do regime político a adotar, mas também por permitir um melhor entendimento da dinâmica do sistema internacional da época. Configurando-se ora como opositor, ora como seguidor de determinada diretriz de política interna e externa, revela mediante suas posturas e posições intelectuais, algumas facetas das inúmeras tensões presentes no campo político e diplomático da Primeira República. Referências bibliográficas BÁGGIO, K. G. A Outra América. A América Latina na visão dos intelectuais brasileiros das primeiras décadas republicanas. São Paulo: Depto. De História, FFLCH, USP, (Tese de doutorado) BUENO, C. A República e sua política exterior ( ). São Paulo: UNESP, Política externa da Primeira República: os anos de apogeu ( ). São Paulo: Paz e Terra, NABUCO, C. A vida de Joaquim Nabuco. Rio de Janeiro: José Olympio Editora, (Coleção Documentos Brasileiros, 92). NABUCO, J. Cartas a amigos. Coligidas e anotadas por Carolina Nabuco. São Paulo: Instituto Progresso Editorial, 1942, 2 v.. Diários. Rio de Janeiro: Bem-te-vi, v. ( ). NOGUEIRA, M. A. As desventuras do liberalismo: Joaquim Nabuco, a monarquia e a república. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984.

PLANO DE CURSO ANO 2012

PLANO DE CURSO ANO 2012 I- IDENTIFICAÇÃO PLANO DE CURSO ANO 2012 ESCOLA ESTADUAL CONTEÚDO: TURMA: 8º ano N DE AULAS SEMANAIS: PROFESSOR (ES): II- OBJETIVOS GERAIS * Propiciar o desenvolvimento de atitudes de respeito e de compreensão

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE POLÍTICA INTERNA E POLÍTICA EXTERNA NOS PRIMEIROS TEMPOS DO BRASIL REPUBLICANO ( ).

AS RELAÇÕES ENTRE POLÍTICA INTERNA E POLÍTICA EXTERNA NOS PRIMEIROS TEMPOS DO BRASIL REPUBLICANO ( ). AS RELAÇÕES ENTRE POLÍTICA INTERNA E POLÍTICA EXTERNA NOS PRIMEIROS TEMPOS DO BRASIL REPUBLICANO (1889-1912). Lívia de Carvalho Borges Doutoranda em História, Faculdade de História, Direito e Serviço Social

Leia mais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Apresentação Professor: Edmilson Nazareno Brito Bate-Papo Sexta-Feira Turma manhã 12h às 12h e 30min. Turma noite 18h às 18h e 30 min. A aula de hoje

Leia mais

O vasto império colonial Espanhol em 1800

O vasto império colonial Espanhol em 1800 O vasto império colonial Espanhol em 1800 FATORES DA INDEPENDÊNCIA CHAPETONES X CRIOLLOS ESPANHÓIS NASCIDOS NA ESPANHA DETINHAM OS PRINCIPAIS CARGOS DA ADMINISTRAÇÃO COLONIAL GOZAVAM DA CONFIANÇA DA COROA

Leia mais

Conclusão. 1 Conforme visto no nosso primeiro capítulo 2 Sobre isso ver, entre outros G. BARRACLOUGH. Introdução à História Contemporânea.

Conclusão. 1 Conforme visto no nosso primeiro capítulo 2 Sobre isso ver, entre outros G. BARRACLOUGH. Introdução à História Contemporânea. 5 Conclusão Vários trabalhos 1 salientaram o papel desempenhado pelo corpo diplomático bem como, em última análise, o papel histórico da diplomacia, nos processos de construções nacionais tendo em vista

Leia mais

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 25 PRIMEIRO REINADO: RESISTÊNCIAS E RECONHECIMENTO DA INDEPENDÊNCIA

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 25 PRIMEIRO REINADO: RESISTÊNCIAS E RECONHECIMENTO DA INDEPENDÊNCIA HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 25 PRIMEIRO REINADO: RESISTÊNCIAS E RECONHECIMENTO DA INDEPENDÊNCIA Fixação 1) (UNIRIO) Ao compararmos os processos de formação dos Estados Nacionais no Brasil e na América Hispânica,

Leia mais

O indicador do clima econômico melhora na América Latina, mas piora no Brasil

O indicador do clima econômico melhora na América Latina, mas piora no Brasil jan/03 jul/03 jan/04 jul/04 jan/05 jul/05 jan/06 jul/06 jan/07 jul/07 jan/08 jul/08 jan/09 jul/09 jan/10 jul/10 jan/11 jul/11 jan/12 jul/12 jan/13 jul/13 jan/14 13 de Fevereiro de 14 Indicador IFO/FGV

Leia mais

A POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA E OS INTERESSES DA CAFEICULTURA ( ).

A POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA E OS INTERESSES DA CAFEICULTURA ( ). A POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA E OS INTERESSES DA CAFEICULTURA (1889-1912). LÍVIA DE CARVALHO BORGES * Introdução. No crescente campo de estudos ligados às relações internacionais, a temática das conexões

Leia mais

Repúblicas americanas

Repúblicas americanas Repúblicas americanas Herança colonial; Construção dos Estados Nacionais; Grupos políticos: Conservadores: Exército e Igreja; Liberais: Iluministas e Estado laico. Prof. Manoel dos Passos da Silva Costa

Leia mais

O Barão da República: Rio Branco e A Segunda Invenção do Brasil

O Barão da República: Rio Branco e A Segunda Invenção do Brasil O Barão da República: Rio Branco e A Segunda Invenção do Brasil EXCERTO DA FOTO: MUSEU IMPERIAL/IBRAM/MINISTÉRIO DA CULTURA Acervo: I_5_2_1_4-184 [D] Miguel Martinho Coelho de Andrade O Barão da República:

Leia mais

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLA

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLA História INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLA PROFº OTÁVIO Independência da América Espanhola Europa: Formação da América # Formação do Estado Moderno e Antigo Regime # Necessidade de Mercados Consumidores

Leia mais

Era Napoleônica e Independência do Brasil

Era Napoleônica e Independência do Brasil 1. (UNIRIO) A Era Napoleônica (1799-1815) marcou a conjuntura de transição do mundo moderno para o contemporâneo, alterando o equilíbrio de poder construído pelos Estados europeus. Sobre a Era Napoleônica,

Leia mais

DIPLOMACIA DO BRASIL JOSÉ VIEGAS FILHO. Autor. Formato: 17,0x24,0 cm CÓDIGO: DE TIRDESILHAS AOS NOSSOS DIAS. Prefácio José Viegas Filho

DIPLOMACIA DO BRASIL JOSÉ VIEGAS FILHO. Autor. Formato: 17,0x24,0 cm CÓDIGO: DE TIRDESILHAS AOS NOSSOS DIAS. Prefácio José Viegas Filho entendimento e do diálogo com os demais países e a diversidade étnica da nossa população. Fatores como esses permitiram que desenvolvêssemos uma política externa construtiva e progressista, que aceita

Leia mais

RESUMO: Aspectos da estrutura politico-militar romana.

RESUMO: Aspectos da estrutura politico-militar romana. 1 SAMUEL BARBOSA DE SOUZA RESUMO: Aspectos da estrutura politico-militar romana. Euclides da Cunha - Bahia 2016 2 Aspectos da estrutura politico-militar romana Trabalho apresentado no segundo semestre

Leia mais

Olivier Compagnon O ADEUS À EUROPA. A América Latina e a Grande Guerra. (Argentina e Brasil, ) Tradução de Carlos Nougué

Olivier Compagnon O ADEUS À EUROPA. A América Latina e a Grande Guerra. (Argentina e Brasil, ) Tradução de Carlos Nougué Olivier Compagnon O ADEUS À EUROPA A América Latina e a Grande Guerra (Argentina e Brasil, 1914-1939) Tradução de Carlos Nougué Prefácio Além de poético, o título deste livro indica a abrangência da pesquisa

Leia mais

Segundo Reinado 2ª Fase e Crise. Prof. Thiago Aula 07 Frente C

Segundo Reinado 2ª Fase e Crise. Prof. Thiago Aula 07 Frente C Segundo Reinado 2ª Fase e Crise Prof. Thiago Aula 07 Frente C O Ouro Verde Inicialmente produzido no Vale do Paraíba (RJ/SP) depois se expande ao Oeste de São Paulo; Estrutura semelhante à da cana de Açúcar:

Leia mais

Notícias visita dos embaixadores

Notícias visita dos embaixadores Notícias visita dos embaixadores Revista de Imprensa 22-06-2012 1. (PT) - Diário As Beiras, 22/06/2012, Centro seduz economias em crescendo da América Latina 1 2. (PT) - Diário de Coimbra, 22/06/2012,

Leia mais

Trajetória e História de Vida de Antonio Coelho Rodrigues nos Jornais piauienses O Piauhy e o Conservador.

Trajetória e História de Vida de Antonio Coelho Rodrigues nos Jornais piauienses O Piauhy e o Conservador. Trajetória e História de Vida de Antonio Coelho Rodrigues nos Jornais piauienses O Piauhy e o Conservador. RESUMO Este trabalho tem como principal objetivo analisar a atuação política do sujeito Antonio

Leia mais

Aula 08 Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real.

Aula 08 Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. Aula 08 Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. O que foram os movimentos de pré-independência? Séculos XVIII e XIX grandes mudanças afetaram o Brasil... MUNDO... Hegemonia das ideias

Leia mais

Não é possível pensar em sociedade separada do espaço que ocupa.

Não é possível pensar em sociedade separada do espaço que ocupa. O ESPAÇO GEOGRÁFICO As sociedades humanas desenvolvem, durante sua história, modos próprios de vida. Estes decorreram da combinação de formas de subsistência material - com culturas diversas -, de diferentes

Leia mais

9. América Latina: lutas pela emancipação política. Páginas 04 à 17.

9. América Latina: lutas pela emancipação política. Páginas 04 à 17. 9. América Latina: lutas pela emancipação política Páginas 04 à 17. Mas por que essa parte da América é denominada latina? TROCA DE IDEIAS LEITURA DO TEXTO PÁGINA 04. QUESTÕES 1 e 2 PÁGINA 05. América

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Escola Básica Integrada/JI da Quinta do Conde. Departamento de Ciências Humanas e Sociais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Escola Básica Integrada/JI da Quinta do Conde. Departamento de Ciências Humanas e Sociais HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL Distribuição dos tempos letivos disponíveis para o 6 º ano de escolaridade 1º Período 2º Período 3º Período *Início: 15 setembro 2014 *Fim: 16 dezembro 2014 *Início: 5

Leia mais

IDADE CONTEMPORÂNEA AMÉRICA NO SÉCULO XIX

IDADE CONTEMPORÂNEA AMÉRICA NO SÉCULO XIX 1 - Independências das nações latino-americanas: Processo de libertação das colônias espanholas. Quando: Aproximadamente entre 1810 e 1830. Fatores externos: Crise geral do Antigo Regime (enfraquecimento

Leia mais

IDADE CONTEMPORÂNEA A ERA NAPOLEÔNICA

IDADE CONTEMPORÂNEA A ERA NAPOLEÔNICA ERA NAPOLEÔNICA (1799 1815) Prof. João Gabriel da Fonseca joaogabriel_fonseca@hotmail.com 1 - O CONSULADO (1799 1804): Pacificação interna e externa. Acordos de paz com países vizinhos. Acordo com a Igreja

Leia mais

PARTICIPAÇÃO DO MERCOSUL E PRINCIPAIS PARCEIROS NOS FLUXOS COMERCIAIS DO BRASIL, NO PERÍODO DE 2009 A 2014

PARTICIPAÇÃO DO MERCOSUL E PRINCIPAIS PARCEIROS NOS FLUXOS COMERCIAIS DO BRASIL, NO PERÍODO DE 2009 A 2014 ÁREA: CIÊNCIAS ECONÔMICAS PARTICIPAÇÃO DO MERCOSUL E PRINCIPAIS PARCEIROS NOS FLUXOS COMERCIAIS DO BRASIL, NO PERÍODO DE 2009 A 2014 ANDRIA, Leandro Ribeiro de 1 ROSA, Tatiana Diair Lourenzi Franco 2 A

Leia mais

Nos últimos anos, o estudo da teoria política tem largado de mão seu pretenso

Nos últimos anos, o estudo da teoria política tem largado de mão seu pretenso Pensamento Político Brasileiro I Império (3 Créditos) Prof. Christian Edward Cyril Lynch Horário: Terça-feira, das 19 às 22 horas Consultas: A combinar com o professor Nos últimos anos, o estudo da teoria

Leia mais

UFSC. Resposta: 11. Comentário

UFSC. Resposta: 11. Comentário Resposta: 11 01. Correta. 02. Correta. 04. Incorreta. A divisão em períodos da história feita por historiadores europeus não necessariamente deve ser empregada, e não é por diferentes povos do mundo. Foi

Leia mais

EMENTÁRIO HISTÓRIA LICENCIATURA EAD

EMENTÁRIO HISTÓRIA LICENCIATURA EAD EMENTÁRIO HISTÓRIA LICENCIATURA EAD CANOAS, JULHO DE 2015 DISCIPLINA PRÉ-HISTÓRIA Código: 103500 EMENTA: Estudo da trajetória e do comportamento do Homem desde a sua origem até o surgimento do Estado.

Leia mais

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO. AUGUSTE COMTE E O PENSAMENTO POSITIVISTA Disciplina: Sociologia Professor: Waldenir do Prado 2013

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO. AUGUSTE COMTE E O PENSAMENTO POSITIVISTA Disciplina: Sociologia Professor: Waldenir do Prado 2013 CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO AUGUSTE COMTE E O PENSAMENTO POSITIVISTA Disciplina: Sociologia Professor: Waldenir do Prado 2013 A Sociologia enquanto ciência Augusto Comte (1798 1857) francês, autor de Catecismo

Leia mais

PROVA ESCRITA DE HISTÓRIA DO BRASIL

PROVA ESCRITA DE HISTÓRIA DO BRASIL PROVA ESCRITA DE HISTÓRIA DO BRASIL Nesta prova, faça o que se pede, utilizando, caso deseje, os espaços indicados para rascunho. Em seguida, escreva os textos definitivos das questões no Caderno de Textos

Leia mais

A PRIMEIRA REPÚBLICA, AS ESCOLAS GRADUADAS E O IDEÁRIO DO ILUMINISMO REPUBLICANO:

A PRIMEIRA REPÚBLICA, AS ESCOLAS GRADUADAS E O IDEÁRIO DO ILUMINISMO REPUBLICANO: A PRIMEIRA REPÚBLICA, AS ESCOLAS GRADUADAS E O IDEÁRIO DO ILUMINISMO REPUBLICANO: 1889-1930 Jorge Uilson Clark Publicado em Navegando na História da Educação Brasileira: http://www.histedbr.fae.unicamp.br/navegando/index.html

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN HISTÓRIA DA AMÉRICA II. Prof.º Me. Halyson Oliveira

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN HISTÓRIA DA AMÉRICA II. Prof.º Me. Halyson Oliveira UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN HISTÓRIA DA AMÉRICA II. Prof.º Me. Halyson Oliveira 2014.2. A M A R C H A PA R A O O E S T E E A G U E R R A D E S E C E S S Ã O N O RT E - A M E R I

Leia mais

O BRASIL E A GUERRA DO PACÍFICO: AS RELAÇÕES DO IMPÉRIO COM CHILE, BOLÍVIA E PERU ( ). Rafael Canaveze. (UNESP/Assis graduando)

O BRASIL E A GUERRA DO PACÍFICO: AS RELAÇÕES DO IMPÉRIO COM CHILE, BOLÍVIA E PERU ( ). Rafael Canaveze. (UNESP/Assis graduando) O BRASIL E A GUERRA DO PACÍFICO: AS RELAÇÕES DO IMPÉRIO COM CHILE, BOLÍVIA E PERU (1876-1889). Rafael Canaveze. (UNESP/Assis graduando) A pesquisa tem como objetivo fazer um levantamento historiográfico

Leia mais

Origem na palavra Politéia, que se refere a tudo relacionado a Pólis grega e à vida em coletividade.

Origem na palavra Politéia, que se refere a tudo relacionado a Pólis grega e à vida em coletividade. O homem é um animal político por natureza; Política visa (ou deveria visar) um fim útil e bom para sociedade; Característica do ser humano é a vida em comunidade. Origem na palavra Politéia, que se refere

Leia mais

A S S E M B L E I A D A R E P Ú B L I C A. O Presidente INTERVENÇÃO DE EDUARDO FERRO RODRIGUES, PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

A S S E M B L E I A D A R E P Ú B L I C A. O Presidente INTERVENÇÃO DE EDUARDO FERRO RODRIGUES, PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA INTERVENÇÃO DE EDUARDO FERRO RODRIGUES, PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 150 ANOS DA ABOLIÇÃO DA PENA DE MORTE EM PORTUGAL 1867 2017 CENTRO CULTURAL DE BELÉM 1 JULHO DE 2017 Há 150 anos era promulgada

Leia mais

Criação de Repositórios Institucionais

Criação de Repositórios Institucionais Criação de Repositórios Institucionais Bianca Amaro Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT) 2015 O que é Acesso Aberto? É disponibilização livre, gratuita e irrestrita da informação

Leia mais

UDESC 2017/1 HISTÓRIA. Comentário

UDESC 2017/1 HISTÓRIA. Comentário HISTÓRIA Apesar da grande manifestação em São Paulo, no ano de 1984, com a presença de políticos como Ulisses Guimarães, a emenda Dante de Oliveira, que restabelecia as eleições presidenciais diretas,

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 2º EM História Carol Av. Trimestral 27/05/15 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1. Verifique, no cabeçalho desta prova, se seu nome, número e turma estão corretos. 2. Esta prova

Leia mais

Foro de Cooperação América Latina e Ásia do Leste

Foro de Cooperação América Latina e Ásia do Leste Foro de Cooperação América Latina e Ásia do Leste AnSegurançaCar Análise Integração Regional Joana Laura Marinho Nogueira 27 de agosto de 2007 Foro de Cooperação América Latina e Ásia do Leste Análise

Leia mais

Q U E S T Ã O 1 8 INCORRETA

Q U E S T Ã O 1 8 INCORRETA 12 Q U E S T Ã O 1 8 Segundo os estudiosos, há várias décadas existem dois modelos rivais, ou seja, duas alternativas de desenvolvimento na América Latina: um deles é liberal e o outro, estatizante. O

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. JOÃO V ESCOLA SECUNDÁRIA c/ 2º e 3º CICLOS D. JOÃO V

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. JOÃO V ESCOLA SECUNDÁRIA c/ 2º e 3º CICLOS D. JOÃO V GRUPO DISCIPLINAR DE HISTÓRIA HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL Informação aos Pais / Encarregados de Educação Programação do 5º ano Turma 1 1. Aulas previstas (Tempos letivos) 2. Conteúdos a leccionar

Leia mais

A S S E M B L E I A D A R E P Ú B L I C A. O Presidente INTERVENÇÃO DE EDUARDO FERRO RODRIGUES CONFERÊNCIA INTERNACIONAL A CONSTITUIÇÃO

A S S E M B L E I A D A R E P Ú B L I C A. O Presidente INTERVENÇÃO DE EDUARDO FERRO RODRIGUES CONFERÊNCIA INTERNACIONAL A CONSTITUIÇÃO INTERVENÇÃO DE EDUARDO FERRO RODRIGUES CONFERÊNCIA INTERNACIONAL A CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA NA TERCEIRA VAGA DA DEMOCRATIZAÇÃO Palácio de São Bento 6 de dezembro de 2016 Senhoras e Senhores Deputados, Senhor

Leia mais

Orientação de estudo 3º bimestre

Orientação de estudo 3º bimestre Nome: Ano: 8 ano Disciplina: História Professor: Eder Nº: Data: Orientação de estudo 3º bimestre Para a realização da regulação o aluno deverá: - Estudar a Unidade 4 sobre As lutas pela independência na

Leia mais

Universidade Federal Fluminense Instituto de Ciências Humanas e Filosofia Departamento de História

Universidade Federal Fluminense Instituto de Ciências Humanas e Filosofia Departamento de História 1 Universidade Federal Fluminense Instituto de Ciências Humanas e Filosofia Departamento de História Curso: GHT00548 - PROCESSO DE CENTRALIZAÇÃO MONÁRQUICA NA BAIXA IDADE MÉDIA Turma: A1 Horário: 3as e

Leia mais

Dicas para preenchimento do Currículo Lattes. Profa Maria Clorinda Soares Fioravanti

Dicas para preenchimento do Currículo Lattes. Profa Maria Clorinda Soares Fioravanti Dicas para preenchimento do Currículo Lattes Profa Maria Clorinda Soares Fioravanti A Plataforma Lattes representa a experiência do CNPq na integração de bases de dados em um único Sistema de Informações

Leia mais

Utilizar a metodologia específica da História, nomeadamente: Interpretar documentos de índole diversa (textos, imagens, gráficos, mapas e diagramas);

Utilizar a metodologia específica da História, nomeadamente: Interpretar documentos de índole diversa (textos, imagens, gráficos, mapas e diagramas); INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA HISTÓRIA Fevereiro de 2016 Prova 19 2016 -----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

CP/CAEM/2006 1ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA. 1ª QUESTÃO (Valor 6,0)

CP/CAEM/2006 1ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA. 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) CP/CAEM/2006 1ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) Analisar a evolução política da Colômbia e da Venezuela, concluindo sobre os seus reflexos nas questões de

Leia mais

Indicador de Clima Econômico (ICE) da América Latina avança e se aproxima da zona de avaliação favorável

Indicador de Clima Econômico (ICE) da América Latina avança e se aproxima da zona de avaliação favorável abr/05 out/05 abr/06 out/06 abr/07 out/07 abr/08 out/08 abr/09 out/09 abr/10 out/10 abr/11 out/11 abr/12 out/12 abr/13 out/13 abr/14 out/14 abr/15 out/15 abr/16 out/16 abr/17 out/17 Novembro de 2017 Indicador

Leia mais

O PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DO BRASIL COLÉGIO PEDRO II PROFESSOR: ERIC ASSIS

O PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DO BRASIL COLÉGIO PEDRO II PROFESSOR: ERIC ASSIS O PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DO BRASIL 1820-1822 COLÉGIO PEDRO II PROFESSOR: ERIC ASSIS O 7 DE SETEMBRO: A INDEPENDÊNCIA FOI SOMENTE O GRITO DO IPIRANGA? OS SIGNIFICADOS DA INDEPENDÊNCIA Emancipação ou

Leia mais

América. Divisões: 35 países e 18 dependências. População total: habitantes.

América. Divisões: 35 países e 18 dependências. População total: habitantes. América Divisões: 35 países e 18 dependências. Área total: 42.189.120 km². População total: 902.892.047 habitantes. Densidade: 21 hab./km². Idiomas principais: espanhol, inglês, português, francês, holandês,

Leia mais

Confira esta aula em: Professor Danilo Borges

Confira esta aula em:  Professor Danilo Borges Aula anterior... Os Movimentos Sociais Confira esta aula em: http://www.joseferreira.com.br/blogs/sociologia/ Professor Danilo Borges PARTICIPAÇÃO DO JOVENS NOS MOVIMENTOS SOCIAIS BRASILEIROS SÉCULO XIX

Leia mais

TEMA: INTRODUÇÃO À POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA. Autor: Bruno Quadros e Quadros

TEMA: INTRODUÇÃO À POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA. Autor: Bruno Quadros e Quadros POLÍTICA INTERNACIONAL TEMA: INTRODUÇÃO À POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA Autor: Bruno Quadros e Quadros (bquadrosequadros@gmail.com) BIBLIOGRAFIA: CERVO, Amado Luiz; BUENO, Clodoaldo. História da política

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DOS INDICADORES BIBLIOMETRIA PARA OS AVANÇOS NA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DE ENFERMAGEM.

A CONTRIBUIÇÃO DOS INDICADORES BIBLIOMETRIA PARA OS AVANÇOS NA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DE ENFERMAGEM. 1 A CONTRIBUIÇÃO DOS INDICADORES BIBLIOMETRIA PARA OS AVANÇOS NA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DE ENFERMAGEM. O desenvolvimento econômico e social de um país está relacionado ao crescimento da ciência e tecnologia.

Leia mais

1840 ATÉ 1889 POLÍTICA E MOVIMENTOS SOCIAIS PROF. FELIPE KLOVAN

1840 ATÉ 1889 POLÍTICA E MOVIMENTOS SOCIAIS PROF. FELIPE KLOVAN SEGUNDO REINADO 1840 ATÉ 1889 POLÍTICA E MOVIMENTOS SOCIAIS SEGUNDO REINADO Golpe da maioridade 1840 Novo gabinete do governo Liberal de curta existência. Conservadores retornam ainda no mesmo ano ao governo.

Leia mais

Colégio Santa Dorotéia

Colégio Santa Dorotéia Colégio Santa Dorotéia Tema Transversal: Casa comum, nossa responsabilidade. Disciplina: História / ORIENTAÇÃO DE ESTUDOS - RECUPERAÇÃO Série: 5ª - Ensino Fundamental Aluno(a): N o : Turma: Professora:

Leia mais

PROPOSTAS DE PRODUÇÃO DE TEXTO PARA 2ª FASE

PROPOSTAS DE PRODUÇÃO DE TEXTO PARA 2ª FASE CURSO DE PRODUÇÃO DE 2012 Profa. Vivian Müller PROPOSTAS DE PRODUÇÃO DE TEXTO PARA 2ª FASE BLOCO 6 A sociedade e a cultura brasileiras são conformadas como variantes da versão lusitana da tradição civilizatória

Leia mais

A Experiência do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES

A Experiência do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES A Experiência do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES Construção de Governança para o Projeto Nacional de Desenvolvimento Apresentação : Jaques Wagner Governador da Bahia CDES situação atual

Leia mais

Revista Metalinguagens, ISSN , n. 5, Maio 2016, pp Entrevista com Norma Seltzer Goldstein, por Eliana Roda Pessoa Ferreira.

Revista Metalinguagens, ISSN , n. 5, Maio 2016, pp Entrevista com Norma Seltzer Goldstein, por Eliana Roda Pessoa Ferreira. ENTREVISTA Por: Eliana Roda Pessoa Ferreira 1 NORMA SELTZER GOLDSTEIN 2 Doutora em Letras FFLCH USP Docente do Programa de Pós-graduação em Filologia e Língua Portuguesa FFLCH USP São Paulo SP Brasil Professora

Leia mais

UDESC 2017/2 HISTÓRIA. Comentário

UDESC 2017/2 HISTÓRIA. Comentário HISTÓRIA Essa questão apresenta no enunciado a data incorreta (1931) da abdicação de Dom Pedro I, que ocorreu em 1831. Dessa forma, aguardamos o parecer da banca. Erros das demais: Revoltas no período

Leia mais

REVISIONAL DE FILOSOFIA Questões de 1 a 10

REVISIONAL DE FILOSOFIA Questões de 1 a 10 REVISIONAL DE FILOSOFIA Questões de 1 a 10 1) Hobbes assim define a essência da república ou cidade: Uma cidade (...) é uma pessoa cuja vontade, pelo pacto de muitos homens, há de ser recebida como sendo

Leia mais

ÍNDICE GERAL. Agradecimentos Nota prévia...

ÍNDICE GERAL. Agradecimentos Nota prévia... ÍNDICE GERAL Agradecimentos Nota prévia......................................... 7 9 PRIMEIRA PARTE - O estudo da instituição militar 1 - Marxismo e temas militares.......................................

Leia mais

RESENHA. Brasil. Rio de Janeiro: Acess, Ilmar Rohloff de Mattos (org.). História do ensino da história no

RESENHA. Brasil. Rio de Janeiro: Acess, Ilmar Rohloff de Mattos (org.). História do ensino da história no RESENHA Ilmar Rohloff de Mattos (org.). História do ensino da história no Brasil. Rio de Janeiro: Acess, 1998. Por Luis Fernando Cerri* Afirmamos continuamente que não há assunto que não possa ser melhor

Leia mais

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR HISTÓRIA

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR HISTÓRIA 85 PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome do COMPONENTE CURRICULAR: HISTÓRIA Curso:Técnico em Agroindústria Integrado ao Ensino Médio Série/Período: 2º Ano Carga Horária: 40 h/a (33 h/r) Docente

Leia mais

B. IMPLANTAÇÃO DA ESTRATÉGIA MUNDIAL E DO PLANO DE AÇÃO SOBRE SAÚDE PÚBLICA, INOVAÇÃO E PROPRIEDADE INTELECTUAL

B. IMPLANTAÇÃO DA ESTRATÉGIA MUNDIAL E DO PLANO DE AÇÃO SOBRE SAÚDE PÚBLICA, INOVAÇÃO E PROPRIEDADE INTELECTUAL Página 6 B. IMPLANTAÇÃO DA ESTRATÉGIA MUNDIAL E DO PLANO DE AÇÃO SOBRE SAÚDE PÚBLICA, INOVAÇÃO E PROPRIEDADE INTELECTUAL 17. Neste relatório de progresso se destina a oferecer uma visão integral da maneira

Leia mais

Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Espanhol

Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Espanhol Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Espanhol 1 Os exercícios deverão ser feitos no livro. Predicado Verbal Leitura: págs. 91 e 92 do livro

Leia mais

SIMPÓSIO DES/CONTINUIDADES P O L Í T I C O - E S PAC I A I S NAS INDEPENDÊNCIAS IBERO-AMERICANAS: ATORES, PRÁTICAS, CULTURAS POLÍTICAS

SIMPÓSIO DES/CONTINUIDADES P O L Í T I C O - E S PAC I A I S NAS INDEPENDÊNCIAS IBERO-AMERICANAS: ATORES, PRÁTICAS, CULTURAS POLÍTICAS SIMPÓSIO DES/CONTINUIDADES P O L Í T I C O - E S PAC I A I S NAS INDEPENDÊNCIAS IBERO-AMERICANAS: ATORES, PRÁTICAS, CULTURAS POLÍTICAS CONVOCATÓRIA Simpósio Des/Continuidades político-espaciais nas independências

Leia mais

Conferências ambientais e Sustentabilidade

Conferências ambientais e Sustentabilidade Conferências ambientais e Sustentabilidade 1. (UNIRIO) A ideia de DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL tem sido cada vez mais discutida junto às questões que se referem ao crescimento econômico. De acordo com este

Leia mais

CAPÍTULO 3 BRASIL E MERCOSUL PROFESSOR LEONAM JUNIOR COLÉGIO ARI DE SÁ CAVALCANTE

CAPÍTULO 3 BRASIL E MERCOSUL PROFESSOR LEONAM JUNIOR COLÉGIO ARI DE SÁ CAVALCANTE CAPÍTULO 3 BRASIL E MERCOSUL PROFESSOR LEONAM JUNIOR COLÉGIO ARI DE SÁ CAVALCANTE ORIGEM DO MERCOSUL P. 30 e 31 Os blocos econômicos promovem uma maior integração econômica, social e cultural entre as

Leia mais

Comunicação e divulgação científica no Brasil algumas iniciativas institucionais

Comunicação e divulgação científica no Brasil algumas iniciativas institucionais Comunicação e divulgação científica no Brasil algumas iniciativas institucionais Carlos Vogt Coordenador Labjor/Unicamp Secretário de Ensino Superior do Estado de São Paulo 24 de novembro/2009 Introdução:

Leia mais

TÍTULO: 100% PERIFERIA - O SUJEITO PERIFÉRICO: UM OBJETO DE ESTUDO DA PSICOLOGIA SOCIAL?

TÍTULO: 100% PERIFERIA - O SUJEITO PERIFÉRICO: UM OBJETO DE ESTUDO DA PSICOLOGIA SOCIAL? TÍTULO: 100% PERIFERIA - O SUJEITO PERIFÉRICO: UM OBJETO DE ESTUDO DA PSICOLOGIA SOCIAL? CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Terras de Bouro

Agrupamento de Escolas de Terras de Bouro Perfil de aprendizagem de História 3.º CICLO DO ENSINO BÁSICO Das sociedades recolectoras às primeiras civilizações Das sociedades recolectoras às primeiras sociedades produtoras 1. Conhecer o processo

Leia mais

PERFIL DE APRENDIZAGENS 5ºANO

PERFIL DE APRENDIZAGENS 5ºANO 5ºANO No final do 5.º ano, o aluno deverá ser capaz de: DISCIPLINA DOMÍNIO DESCRITOR A Península Ibérica: Localização e quadro -Conhecer e utilizar mapas em Geografia e em História -Conhecer a localização

Leia mais

O pan-americanismo em Joaquim Nabuco e Olivera Lima

O pan-americanismo em Joaquim Nabuco e Olivera Lima O pan-americanismo em Joaquim Nabuco e Olivera Lima Tereza Maria Spyer Dulci 1 O tema do Pan-Americanismo em Joaquim Nabuco e Oliveira Lima está presente na pesquisa que desenvolvo no mestrado: Brasil

Leia mais

A visão da OIT sobre o Trabalho Decente

A visão da OIT sobre o Trabalho Decente Boletim Econômico Edição nº 61 maio de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico A visão da OIT sobre o Trabalho Decente 1 1. CONCEITO DE TRABALHO DECENTE O conceito de Trabalho

Leia mais

ENSINO RELIGIOSO NO BRASIL: CONCEPÇÕES E MODELOS NA ESCOLA PÚBLICA

ENSINO RELIGIOSO NO BRASIL: CONCEPÇÕES E MODELOS NA ESCOLA PÚBLICA ENSINO RELIGIOSO NO BRASIL: CONCEPÇÕES E MODELOS NA ESCOLA PÚBLICA CASTRO, Raimundo Márcio Mota de UEG/FANAP/PUC-Goiás prof.marciocastro.posgrad@hotmail.com BALDINO, José Maria - PUC-Goiás- autor@meuemail.com.br

Leia mais

Segundo Reinado 2ª Fase e Crise. Prof. Thiago Aula 07 Frente C

Segundo Reinado 2ª Fase e Crise. Prof. Thiago Aula 07 Frente C Segundo Reinado 2ª Fase e Crise Prof. Thiago Aula 07 Frente C O Ouro Verde Inicialmente produzido no Vale do Paraíba (RJ/SP) depois se expande ao Oeste de São Paulo; Estrutura semelhante à da cana de Açúcar:

Leia mais

Seleção SciELO Brasil: critérios e procedimentos para a admissão e a permanência de periódicos científicos na coleção

Seleção SciELO Brasil: critérios e procedimentos para a admissão e a permanência de periódicos científicos na coleção Seleção SciELO Brasil: critérios e procedimentos para a admissão e a permanência de periódicos científicos na coleção Universidade Estadual de Maringá Maringá, 15 de maio de 2008 Fabiana Montanari Lapido

Leia mais

Ano Lectivo 2016/ ºCiclo 8 ºAno. 8.º Ano 1º Período. Domínios / Subdomínios Objetivos Gerais / Metas Competências Específicas Avaliação.

Ano Lectivo 2016/ ºCiclo 8 ºAno. 8.º Ano 1º Período. Domínios / Subdomínios Objetivos Gerais / Metas Competências Específicas Avaliação. ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. VIEIRA DE CARVALHO Planificação HISTÓRIA Ano Lectivo 2016/2017 3 ºCiclo 8 ºAno 8.º Ano 1º Período Domínios / Subdomínios Objetivos Gerais / Metas Competências Específicas

Leia mais

Primeiro Reinado ( )

Primeiro Reinado ( ) Primeiro Reinado (1822-1831) PROF. CRISTIANO CAMPOS CPII - HUMAITÁ II O que a Bandeira do Império pode nos informar sobre este momento da nossa história? Ordem de Cristo - herança portuguesa O rei como

Leia mais

ARTIGOS 1º AO 4º. A vigente Constituição Federal (de 5 de outubro de 1988) contém a

ARTIGOS 1º AO 4º. A vigente Constituição Federal (de 5 de outubro de 1988) contém a ARTIGOS 1º AO 4º A vigente Constituição Federal (de 5 de outubro de 1988) contém a definição jurídica da Organização do Estado brasileiro, no seu artigo 1º: A República Federativa do Brasil, formada pela

Leia mais

HISTORIADA POIÍI1CA EXKRIOR DO BRASIL

HISTORIADA POIÍI1CA EXKRIOR DO BRASIL A WA SÉRIE 81 AMADO LUIZ CERVO Professor da Universidade de Brasília CLODOALDO BUENO Professor da Universidade Estadual Paulista Campus de Marília HISTORIADA POIÍI1CA EXKRIOR DO BRASIL Sumário Introdução

Leia mais

Colégio Ser! Sorocaba História 8º ano Profª Marilia C Camillo Coltri

Colégio Ser! Sorocaba História 8º ano Profª Marilia C Camillo Coltri Colégio Ser! Sorocaba História 8º ano Profª Marilia C Camillo Coltri Primeira Fase Campanhas sob o Diretório (1796-1799) Enquanto a França organizava-se sob o regime do Diretório (3ª fase da Revolução

Leia mais

HISTÓRIA QUESTÃO. (http://cdhi.mala.bc.ca)

HISTÓRIA QUESTÃO. (http://cdhi.mala.bc.ca) 01 (http://cdhi.mala.bc.ca) A ilustração acima está estampada na folha de rosto da obra Leviatã, de Hobbes, publicada em 1651, na Inglaterra. A figura do Leviatã é proveniente de mitologias antigas, sendo

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2014 Conteúdos Habilidades Avaliação

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2014 Conteúdos Habilidades Avaliação Disciplina: Geografia Trimestre: 1º PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2014 1. Mundo contemporâneo: economia e geopolítica: - Processo de desenvolvimento do capitalismo - Geopolítica e economia do pós-segunda

Leia mais

Senhor Primeiro-Ministro de Portugal, Dr. António Costa

Senhor Primeiro-Ministro de Portugal, Dr. António Costa Senhor Primeiro-Ministro de Portugal, Dr. António Costa Senhor Vice-Presidente do Parlamento Europeu responsável por América Latina, Dr. Antonio Tajani Senhor Presidente do componente Latino-Americano

Leia mais

Excelência Senhor Pier Paolo Balladelli, Coordenador Residente do Sistema das Nações Unidas e Representante do PNUD em Angola;

Excelência Senhor Pier Paolo Balladelli, Coordenador Residente do Sistema das Nações Unidas e Representante do PNUD em Angola; REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES Gabinete do Ministro Excelência Senhor Pier Paolo Balladelli, Coordenador Residente do Sistema das Nações Unidas e Representante do PNUD em Angola;

Leia mais

A palavra Coaching significa treinamento e Coach tutor particular, aquele que carrega, conduz e prepara.

A palavra Coaching significa treinamento e Coach tutor particular, aquele que carrega, conduz e prepara. COACHING A palavra Coaching significa treinamento e Coach tutor particular, aquele que carrega, conduz e prepara. O termo Coaching é, também, aplicado para definir um processo pautado em variadas técnicas

Leia mais

A CULTURA CIENTÍFICA NO BRASIL IMPÉRIO ( ): CONDIÇÕES PARA A INSTITUCIONALIZAÇÃO DA CIÊNCIA MODERNA

A CULTURA CIENTÍFICA NO BRASIL IMPÉRIO ( ): CONDIÇÕES PARA A INSTITUCIONALIZAÇÃO DA CIÊNCIA MODERNA A CULTURA CIENTÍFICA NO BRASIL IMPÉRIO (1821-1831): CONDIÇÕES PARA A INSTITUCIONALIZAÇÃO DA CIÊNCIA MODERNA Silvia Moreira Goulart Doutoranda HCTE/UFRJ; UFRRJ smgoulart@ufrrj.br José Carlos de Oliveira

Leia mais

Í N D I C E. Pag - INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1

Í N D I C E. Pag - INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 Í N D I C E Pag - INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 - HISTÓRIA - UM ENTENDIMENTO... 1-1 - História... 1-1 - Um conceito... 1-1 - Maneiras de exposição... 1-1 - História narrativa... 1-1 - História educativa... 1-1

Leia mais

O Nacionalismo e as Unificações Conceituação

O Nacionalismo e as Unificações Conceituação O Nacionalismo e as Unificações Conceituação O indivíduo deve lealdade e devoção ao Estado nacional compreendido como um conjunto de pessoas unidas num mesmo território por tradições, língua, cultura,

Leia mais

Teoria Idealista das Relações Internacionais

Teoria Idealista das Relações Internacionais Teoria Idealista das Relações Internacionais Janina Onuki janonuki@usp.br BRI 009 Teorias Clássicas das Relações Internacionais 17 de agosto de 2017 Teoria Idealista das RI Anos 1920 pós-i Guerra Mundial

Leia mais

QUESTÕES OBJETIVAS. Pág. 1

QUESTÕES OBJETIVAS. Pág. 1 QUESTÕES OBJETIVAS Para responder as questões 1 e 2, observe atentamente as imagens abaixo que retratam aspectos da sociedade brasileira do século XIX. 1) Leia as seguintes afirmativas. I) A sociedade

Leia mais

OS VÁRIOS ESPAÇOS DO AGRONEGÓCIO NO BRASIL

OS VÁRIOS ESPAÇOS DO AGRONEGÓCIO NO BRASIL SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA UNIDADE: DATA: 05 / 2 / 206 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE GEOGRAFIA 2.º ANO/EM ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR:

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO educação do jeito que deve ser

COLÉGIO XIX DE MARÇO educação do jeito que deve ser COLÉGIO XIX DE MARÇO educação do jeito que deve ser 2016 2 a PROVA PARCIAL DE HISTÓRIA Aluno(a): Nº Ano: 8º Turma: Data: 06/08/2016 Nota: Professor(a): Ivana Cavalcanti Riolino Valor da Prova: 40 pontos

Leia mais

PRIMEIRO REINADO ( )

PRIMEIRO REINADO ( ) PRIMEIRO REINADO (1822 1831) 7 de setembro de 1822 Independência ou morte? O grito do Ipiranga. Pedro Américo. 1888. A proclamação da Independência. François- René Moreaux. 1844. Os desafios após a independência

Leia mais

Resolução de Questões do ENEM (Noite)

Resolução de Questões do ENEM (Noite) Resolução de Questões do ENEM (Noite) Resolução de Questões do ENEM (Noite) 1. As relações do Estado brasileiro com o movimento operário e sindical, bem como as políticas públicas voltadas para as questões

Leia mais

Abolio da escravatura - Lei urea

Abolio da escravatura - Lei urea Abolio da escravatura - Lei urea Questo: 1 Abolição da Escravatura - Lei Áurea Introdução Na época em que os portugueses começaram a colonização do Brasil, não existia mão-de-obra para a realização de

Leia mais

História da Administração Pública Brasileira. Frederico Lustosa da Costa

História da Administração Pública Brasileira. Frederico Lustosa da Costa História da Administração Pública Brasileira Frederico Lustosa da Costa Rio de Janeiro, 04 de dezembro de 2008 Quem não recorda o passado está condenado a repeti-lo. Jorge Santayana Conteúdo Desconhecimento

Leia mais

Direito Constitucional. TÍTULO I - Dos Princípios Fundamentais art. 1º ao 4º

Direito Constitucional. TÍTULO I - Dos Princípios Fundamentais art. 1º ao 4º Direito Constitucional TÍTULO I - Dos Princípios Fundamentais art. 1º ao 4º Constituição A constituição determina a organização e funcionamento do Estado, estabelecendo sua estrutura, a organização de

Leia mais