Palavras chaves: Gerenciamento da água, Educação Ambiental, Políticas Públicas.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Palavras chaves: Gerenciamento da água, Educação Ambiental, Políticas Públicas."

Transcrição

1 IV Encontro Nacional da Anppas 4,5 e 6 de junho de 2008 Brasília - DF - Brasil Utilização da Água: Um Estudo do Potencial de Captação de Água das Chuvas e a Importância das Políticas Públicas e da Educação Ambiental Otávio Diel Deves (PGDR/UFRGS) Bacharel em Desenvolvimento Rural e Gestão Agroindustrial, Esp.em Educação Ambiental e Mestrando em Desenvolvimento Rural no PGDR/UFRGS. Resumo O presente trabalho trata do aproveitamento da água das chuvas, como potencial existente em propriedades rurais, bem como em estabelecimentos de grande consumo de água tratada no município de Pirapó-RS. Pretende demonstrar formas e possibilidades de aproveitamento da água das chuvas em finalidades diversas, visando identificar a importância das políticas publicas e a educação (ambiental) neste processo. Muitas residências consomem água tratada na grande maioria em situações que não seria necessário. Ex.: utilização na limpeza dos estabelecimentos, lavagem veículos, pequenas irrigações, bem como nos efluentes sanitários. Neste sentido, buscou-se identificar algumas experiências relacionadas ao tema, bem como políticas públicas existentes. Consideramos fundamental o desenvolvimento de ações integradas, no sentido de aproveitar os potenciais existentes, como no caso estudado, se possa, a médio e longo prazo, contribuir satisfatoriamente na conscientização da sociedade, na mudança de hábitos (estilos de vida), visando diminuir e internalizar as problemáticas ambientais. Palavras chaves: Gerenciamento da água, Educação Ambiental, Políticas Públicas. Abstract The present work treats of the use of the water of the rains, as existent potential in rural properties, as well as in establishments of great consumption of water treated in the municipal district of Pirapó-RS. Intends to demonstrate forms and possibilities of use of the water of the rains in several purposes, seeking identifify the importance of the politics publishes and the education (environmental) in this process. A lot of residences consume water treated in the great majority in situations that it would not be necessary. For example: use in the cleaning of the establishments, wash vehicles, small irrigations, as well as in the sanitary efluentes. In this sense, it was looked for to identify some experiences related to the theme, as well as existent public politics. We considered fundamental the development of integrated actions, in the sense of taking advantage the existent potentials, as in the studied case, it can be, the medium and long period, to contribute satisfactorily in the understanding of the society, in the change of habits (life styles), seeking to decrease and internal the environmental problems. Key words: Administration of the water, Environmental Education, Public Politics.

2 1- A Importância da Água e a Educação Ambiental Vários estudos indicam que a água potável no planeta está se esgotando. É claro que existe muita água no planeta, mas cerca de 97,5% dessa água é salgada e está nos oceanos, 2,5% é doce sendo que deles, 2% estão nas geleiras, e apenas 0,5% está disponível nos corpos d água da superfície, isto é em rios e lagos, sendo que a maior parte, ou seja 95%, está no subsolo, considerado a grande caixa de água de água doce da natureza. Neste contexto, em alguns locais do planeta a água já é sinônima de escassez. Segundo a cartilha da 27º Romaria da Terra, um exemplo da crise está no oriente médio e norte da áfrica, onde o desequilibro entre as necessidades e a disponibilidade de água é eminente. Outra informação relacionada ao tema, diz que nos últimos 15 anos a quantidade de água para cada habitante do planeta diminuiu em 37%, sendo agravado pelo constante processo de urbanização que a população mundial está cada vez mais vivendo em locais urbanizados. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), para sustentar razoavelmente a vida são necessários 80 litros de água por dia por pessoa. Porém na Europa a média de gasto é superior a 150 litros por dia e nos Estados Unidos é mais de 200 litros por pessoa por dia. Enquanto isto algumas regiões da África o consumo não passa de 15 litros por pessoa por dia. A nossa realidade aqui no Brasil, em áreas onde os ricos residem o consumo chega a 400 litros por dia e nas periferias este consumo é em média 40 litros. Segundo Kitamura (2004), toda a água do planeta está em constante movimentação, evaporando-se dos oceanos, rios e lagos. Transforma-se em vapor formando assim as nuvens na atmosfera. Quando o vapor condensa, a água volta para a terra em forma de chuva, granizo ou neve. Parte da água que cai sobre a terra se distribui pela superfície, formando lagos, rios e riachos que vão desaguar no mar. Outra parte que cai se infiltra no solo, vai ser absorvida pelas plantas ou vai alimentar os lençóis freáticos que alimentam nascentes e poços. No entanto, boa parte desta água é utilizada pelo homem, na suas explorações econômicas como irrigação ou mesmo em redes de água para o consumo. Relatórios da ONU alertam para o fato de que, nos países em desenvolvimento, como o Brasil, 90% da água utilizada é devolvida à natureza sem tratamento, contribuindo assim para a deteriorização de rios, lagos e lençóis subterrâneos. É surpreendente que no planeta azul, com 70% de sua superfície coberta por água, tenha chegado a esse ponto. No início do século passado, era pouco, menos de 2 (dois) bilhões de habitantes. Hoje já passa de 6 (seis) bilhões. Em 2025 se continuar neste ritmo, haverá 8,3 bilhões de pessoas no mundo. Enquanto a população se multiplica, a quantidade de água continua a mesma. O maior problema é que o consumo de água está cada vez maior. Nos últimos 100 anos, enquanto a população mundial triplicava, o uso da água doce multiplicava-se por seis. O principal responsável por esse aumento

3 foi à agricultura irrigada, que revolucionou a produção agrícola, mas criou uma nova dificuldade, porque sozinha utilizava 70% da água doce disponível. Segundo Nogueira (2003), não podemos concordar que falte água para o consumo humano em nosso país, pois temos 12% de toda a água do planeta. Podemos dizer que a água está apenas mal distribuída. Ainda o autor complementa dizendo sobre a água: Apenas ela precisa ser tratada como bem econômico que é, essencial à vida, à saúde, à economia, na indústria, na agricultura e por todos os setores da sociedade. Segundo pesquisas da Universidade Federal de Santa Catarina UFSC, cerca de 30% de toda a água utilizada em uma residência é destinada para o transporte dos dejetos sanitários. Neste sentido a utilização das águas das chuvas, passa a ter uma importância econômica, bem como técnica, na redução do consumo de água potável de uma residência. Portanto, devemos procurar observar este aspecto e começarmos agir, no sentido de trabalhar esta questão como proposta de políticas publicas, bem como de educação. Será que precisamos de água tratada para os dejetos sanitários? A água deve ser vista como um bem futuro, pois o esgoto de hoje pode ser a água do amanhã. Portanto, o uso racional torna-se imprescindível, pois analisando o consumo médio de 200 litros de água por dia, por pessoa, e que o destino desta água é de: 27% consumo (cozinhar, beber água), 25% higiene (banho, escovar os dentes), 12% lavagem de roupa; 3% outros (lavagem de carro) e finalmente 33% descarga de banheiro, o que mostra que, tanto nas cidades como nas indústrias se existirem duas redes de água, utilizando a água das chuvas ou reutilizando a água cinzenta (que são as águas resultantes de lavagens e banho) para descarga de latrinas, pode-se economizar 1/3 de toda água A Água e a Saúde Sem dúvida nenhuma, investir no destino correto da água pode nos proporcionar resultados satisfatórios. Segundo ROSCHINHESKI (2006), a água é responsável por quase 70 % das doenças, vindo a superlotar hospitais e postos de atendimento, no caso de problemas intestinais agudos, conhecidos popularmente como andaços, entre outros problemas relacionados ao consumo de água contaminada. Além disso, a cada R$ 1,00 (um real) investido em saneamento, se economiza R$ 4,00 (quatro reais) em saúde. Isto reflete a importância de realizarmos o destino correto da água utilizada principalmente em residências, além da reflexão da importância de reduzir o consumo exagerado (principalmente de água tratada, tema do presente trabalho) é necessário o destino correto da mesma. Os benefícios da água para saúde, segundo a cartilha da 27º Romaria da Terra, são inúmeros. Ela ajuda na regulação da temperatura corpórea, hidrata e limpa o organismo, elimina

4 resíduos metabólicos e toxinas, pela urina. É excelente para prática de exercícios físicos, pois o meio aquático massageia e relaxa a musculatura. A água contaminada pelas indústrias contém compostos químicos e resíduos que podem se transformar em produtos danosos à saúde não só de seres humanos, mas de outros organismos. Embora existam leis que proíbem lançamentos de resíduos sem tratamento, as maiorias das indústrias continuam despejando produtos químicos, substâncias tóxicas e mesmo objetos maiores sem controle Captação da Água das Chuvas Quando falamos em captação de águas das chuvas, não podemos deixar de citar a questão relacionada à importância da água e a sua valoração quanto bem natural limitado. Segundo RITS (1994), a água é um recurso limitado e a cada vez mais vem sendo assunto de diversos debates. Estaremos nos deparando com um futuro incerto, fruto do desperdício e do crescimento desordenado da população e conseqüentemente dos recursos naturais. A autora cita que não é de hoje que se aborda a importância da água, e assim várias questões relacionadas como privatização da água, saneamento, soberania sobre reservatórios, onde inclusive o tema da Campanha da Fraternidade de 2004, promovida pela CNBB - Confederação Nacional dos Bispos do Brasil abordou este importante tema. Todas as discussões relacionadas ao tema da água, perpassam por um eixo em comum: o medo que a água acabe no mundo. Isto devido a questionamentos, como a disponibilidade de água no planeta é sempre a mesma desde o surgimento da vida? Segundo Nogueira (2003), as águas das chuvas são consideradas pela legislação brasileira como esgoto, pois ela usualmente vai dos telhados, e dos pisos para as bocas de lobo, onde carrega impurezas dissolvidas ou arrastadas para um rio que pode ser o local de captação de água para tratamento e posterior consumo. Uma pesquisa da universidade da Malásia identificou que apenas as primeiras águas da chuva é que trazem consigo poluentes atmosféricos, ácidos graxos e outras impurezas, sendo que após pouco tempo a água adquire características de água destilada. O estudo ainda identifica que a água é viável economicamente o seu uso (com captação da chuva), em áreas rurais, chácaras, condomínios e indústrias, ou seja, em locais e situações em que não necessite o uso de água potável. Isto porque o custo da água é considerado relativamente baixo. Com a evolução dos sistemas de captação e a descoberta de novos materiais e tecnologias têm permitido uma nova abordagem na construção de tanques e armazenamento e áreas de captação. No Brasil, em algumas partes da região semi-árida assistimos ao renascimento de caxios que são cisternas cavadas manualmente na rocha em que a água é geralmente usada para os animais. Na região montanhosa do norte da comarca de Yuzhong (China), que fica a

5 2.300 metros acima do nível do mar e apresenta apenas 300 mm (milímetros) de precipitação anual, as barragens subterrâneas significam suaves declives, formando reservatórios de água, localizados perto dos povoados.. No Rio Grande do Sul, o governo Estadual lançou em fevereiro de 2006, o Programa Estadual de Captação e Manejo de Água da Chuva (PECMAC). O programa visa buscar alternativas, usando a água da chuva em diversos projetos de captação e armazenamento, com a participação de entidades como Defesa Civil do Estado, Crea, Farsul, Fiergs, Famurs, Fepam, Fetag, Irga, Secretarias de Estado (da Agricultura, de Obras, do Meio Ambiente), além de pequenos agricultores entre outros. Os objetivos do programa foram expostos às entidades e, cada uma, dentro de sua área de atuação, vai desenvolver projetos específicos. A construção de reservatórios para captação da água da chuva em condomínios e residências é um exemplo de ações previstas no programa. A água armazenada pode ser utilizada para lavar calçadas, banheiros, carros, além de molhar plantas e saciar a sede de animais. Outro projeto previsto no PECMAC é a construção de cisternas. Os produtores rurais interessados na construção destes reservatórios em suas propriedades precisam contatar a ASCAR/EMATER - Associação Sulina de Crédito, Assistência Técnica e Extensão Rural de seu município. Um técnico se faz responsável pelo projeto que melhor atenda à necessidade da propriedade. Com o projeto em mãos, o produtor rural pode requerer o financiamento da obra pelo Banrisul. Inicialmente, o banco disponibilizou R$ 2 milhões para o PECMAC, utilizando recursos do PRONAF - Programa Nacional de Fortalecimento da agricultura Familiar, que permite juros subsidiados. O governo do Estado do Rio Grande do Sul afirma que a estiagem que atingiu o Estado em dezembro de 2005, foi uma das maiores já ocorridas. O objetivo deste Programa (PECMAC) é de amenizar os efeitos adversos em que as estiagens vem provocando. Nesta última ocorrência (em 2005), a estiagem deixou um saldo de 450 municípios em situação de emergência, o que caracteriza em mais de 90% dos municípios do Estado. As perdas da safra agrícola chegaram em 66,7% em média, onde foram necessárias medidas de investimentos de R$6 milhões na prospecção de mais de 300 poços artesianos. Neste sentido, as cisternas são alternativas boas e baratas, que permitem o aproveitamento da água das chuvas e não comprometem os mananciais. Outro projeto, já desenvolvido, em nível de região das missões do Rio Grande do Sul, pela Associação dos Sindicatos dos Trabalhadores Rurais Fronteiriços ASTRF, uma ONG que vem desenvolvendo projetos há vários anos sobre questões ambientais nesta região. O nome do Projeto relacionado ao tema de nosso presente trabalho se chama Convivendo com a Estiagem: Fomento a Assistência Técnica e Extensão Rural, executado com recursos do Ministério do Desenvolvimento Agrário MDA do Governo Federal.

6 O objetivo deste projeto foi de identificar, promover e multiplicar experiências inovadoras buscando destacar iniciativas que são pouco afetadas pela problemática da seca, numa perspectiva de mudança da matriz produtiva. Também buscou destacar sobre a formação continuada de ações visando agregar a utilização de recursos públicos em projetos relacionados a aproveitamento do micro-clima da região. Outro aspecto considerado se refere à disponibilização de tecnologias de armazenamento de água adaptadas à realidade da agricultura familiar. Neste sentido, o projeto desenvolveu-se na região das Missões e também no Noroeste Colonial e Fronteira Noroeste, englobando indiretamente quase 80 (oitenta) municípios. A tecnologia utilizada, mas especificamente na construção das cisternas, é a chamada de ferro-cimento (argamassa armada). O projeto desenvolveu outras atividades, porém iremos nos deter mais especificamente na tecnologia de construção de cisternas de ferro-cimento, onde segundo a equipe técnica da entidade (ASTRF) é a mais adequada para a agricultura familiar, pois é de fácil construção e relativamente acessível economicamente. Neste sentido, dentro desta ampla região e de acordo com os objetivos do projeto, desenvolveu 10(dez) oficinas de capacitação na construção de cisternas de ferro-cimento, em municípios estratégicos dentro desta região ampla. Praticamente todos os municípios foram beneficiados com alguma experiência do referido projeto. Algumas fotos dos processos de construção das cisternas:

7 Fig. 01- orientação sobre construção das cisternas A Fig.02- Aramado que serão as paredes da cisterna Fig.03 - Durante a construção das paredes Fig Cisterna concluída Fonte: ASTRF, relatório das oficinas de montagem de cisternas, Os materiais utilizados na construção são os seguintes: - Aramado ou vergalhões finos com bitola de 3,4 a 4,4 milímetros; - Tela de pinteiro (para pintos), com fio de aço nº22 e malhas com abertura de 12,5 centímetros (ou meia polegada); - Cimento e areia (argamassa); - Brita; - Cintas de ferro. A quantidade de material a ser utilizado dependerá do tamanho da cisterna (volume). Um exemplo, para uma cisterna com capacidade de 22 mil litros, tamanho padrão desenvolvida no projeto da ASTRF, possui as seguintes medidas: O aramado possui 14 metros de comprimento e 1,5 metros de altura. O processo de construção possui detalhes que devem ser observados, como escolha do local, nivelamento, preparo da base, entre outras considerações;

8 Primeiramente é necessário escolher o local, de preferência próximo do destino da água, e se possível em local relativamente elevado, para facilitar o escoamento por gravidade, bem como, para o uso em pequenas irrigações. Após prepara-se o terreno, um pouco maior que o diâmetro da cisterna à ser construída e realiza-se o nivelamento e compactação do local. Concluído este processo, realizase o preparo da argamassa com brita (2 por 1), com uma camada de mais ou menos 10 cm, onde posteriormente coloca-se o balaio ou armação da cisterna, sobre a argamassa ainda fresca. Vejamos foto abaixo: Fig. 05 Momento de colocação de argamassa 1.3- O Papel da Ciência na Educação (Ambiental) E se tratando de processos de ensino e aprendizagem, é necessário primeiramente estabelecermos qual o papel da ciência na formulação de políticas, bem como, de ações relacionadas às questões ambientais. Muitas vezes as ações estabelecidas pelas organizações ou entidades governamentais ou não-governamentais, podem não surtir o efeito esperado, frente aos anseios da educação ambiental. Um aspecto relativamente considerável na atualidade se refere não necessariamente em identificar apenas o papel da ciência, mas o que ela de fato esta desenvolvendo. Superar contradições, ter consciência e clareza daquilo que esta sendo produzido, e colocar o homem no centro do sistema, com postura ética e de respeito consigo mesmo bem como aos outros seres humanos. A ciência de um jeito e de outro, é sempre a interpretação da realidade. Pelo menos até o momento que alguém venha a interpretar de outra forma. Na área das ciências humanas, ao contrário das exatas, é passível de relativizações, ou seja, pode necessariamente estar aberto a questionamentos. Na educação, qual o papel do cientificismo na universidade? Transmitir mecanicamente conhecimentos técnicos? Estamos formando sujeitos inovadores e pensadores ou produzindo

9 técnicos e peças para a grande máquina social? Conforme enfatizamos anteriormente, Freire (1996) dispõe sobre a aprendizagem da seguinte forma: ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidades para sua produção ou sua construção. Deste modo, a utilização das ciências de forma desordenada, sem controle, ou nas mãos do sistema dominante, pode trazer profundas transformações na vida do homem moderno, bem como para o meio ambiente. Questões como envenenamento generalizado causado pelos agrotóxicos, poluição do ar, da água, enfim, vários aspectos de grande profundidade, muitas vezes passam despercebidos pelo homem moderno, onde os riscos são relevados ao utilitarismo da ciência, ou seja, com a pesquisa podemos resolver o problema. Alguém diria: a ciência se encarrega de resolvê-los, a qualquer custo, a gente paga. Com o processo de modernização, reduzimos a natureza a um mero objeto. Mitos de desenvolvimento, já identificado por autores contemporâneos, como Celso Furtado, onde o desenvolvimento científico e tecnológico não necessariamente significa o desenvolvimento propriamente dito. Ele não consegue resolver os problemas, nem tão pouco dar conta dos questionamentos do homem. Neste sentido, a ciência tem um papel fundamental na atual processo de globalização que vivemos. Porém, segundo Johann (1997, p.72), muitas vezes nos tornamos objeto e vítimas daquilo que nós mesmos criamos. Retornando à citação de Freire (1996), frente às problemáticas sociais e ambientais da atualidade, várias as invenções do homem moderno podem ser perversas, onde inicialmente facilitam a vida das pessoas, porém se gera cada vez mais impacto ou externalidades nas ações corriqueiras do dia-a-dia. Um exemplo disso se refere ao simples exercício de fazer compras no supermercado, onde milhares de sacolas plásticas são utilizadas, estocadas ou jogadas no ambiente a cada dia. Aos poucos conhecimento o científico cria novos produtos ou alternativas para substituir as sacolas. De que forma a educação entraria nesta problemática, onde o objetivo é reduzir a utilização de sacolas plásticas? A ciência pode resolver criando outra sacola biodegradável, que não ficaria 100 anos no meio ambiente para se decompor. Mas como dizia Freire, ensinar não necessariamente significa transferir conhecimento, mas criar possibilidades para sua construção ou produção. Procuramos reforçar esta referência, para enfatizarmos a importância dos processos educativos, onde o educando necessariamente deve participar das tomadas de decisões e contribuir na reflexão, na busca de uma nova realidade e não simplesmente ser executor de uma ação ou tarefa pré-determinada. Lima (1999) buscou relatar em seu trabalho alguns pontos que consideramos importantes na construção de uma proposta para a educação relacionada ao ambiente. Através de uma

10 formulação crítica, tomada por diversos autores relacionados à educação como Freire (1997), Carvalho (1995), Manzochi (1995) entre outros (ligados direta ou indiretamente ao tema em foco), onde os mesmos formularam um conjunto de prioridades onde a educação dirigida ao meio ambiente deve ser: a) democrática - que respeita e se desenvolve segundo o interesse da maioria dos cidadãos; b) participativa - que estimula a participação social dos cidadãos no planejamento, execução e avaliação das respostas formuladas para atender aos problemas vividos pela comunidade; c) crítica - que exercita a capacidade de questionar e avaliar a realidade sócio-ambiental, desenvolvendo a autonomia para refletir e decidir os próprios rumos; d) transformadora - que busca a politização e mudança das relações sociais, dos valores e práticas contrárias ao bem-estar público; e) dialógica - fundada no diálogo entre todos os participantes do processo educativo e da sociedade circundante; f) multidimensional - que pauta sua compreensão dos fatos na integração dos diversos aspectos da realidade; g) ética - que persiga o resgate ou construção de uma nova ética que priorize a defesa da vida, da solidariedade e da sustentabilidade sócio-ambiental. Neste sentido, as várias dimensões interligam-se umas com as outras, reforçando a importância da participação dos diversos agentes de mudança ou atores sociais. A autonomia dos cidadãos na tomada de decisões, bem como, na sua forma multidimensional de construção de propostas tanto de políticas públicas bem como de educação se reflete no que Trentin e Wenz Junior (2004), enfatizam: O governo deve trabalhar para que toda política pública tenha a participação de agentes locais, das pessoas que trabalham e convivem (sociedade civil) e sabem de fato quem é o público que se encontra em situação de vulnerabilidade, pois este é um caminho concreto de controle social e legitimação dos direitos. No entanto, aqui não tratamos de situação de vulnerabilidade na sua concepção notadamente social, porém brevemente poderemos utilizar o termo em relação aos que não tem acesso a água de qualidade ou que possuem acesso á água de baixa qualidade.

11 2- Potenciais Existentes para Coleta de Água das Chuvas 2.1- Análise de estabelecimento comercial urbano Este estudo foi realizado em um Posto de Combustível com sistema de lavagem de veículos, no município de Pirapó-RS. Buscamos observar necessariamente aspectos relacionados ao consumo de água (origem e quantidade utilizada) e as formas de explorá-la num sistema de coleta. Aspectos relacionados ao destino dos efluentes, e demais aspectos técnicos necessários neste tipo de estabelecimento, não fazem parte de nossa avaliação, sendo necessário um aprofundamento em outros aspectos como a legislação vigente, não sendo este, objeto do presente trabalho. Neste sentido, inicialmente procuramos identificar o consumo mensal, valor médio por m³ (metro cúbico), área coberta, origem da água entre outros aspectos relevantes. Com isso, formamos um gráfico objetivando vislumbrar o potencial hídrico (água passível de ser coletada) do estabelecimento: Tabela 01 Identificação do volume de água a ser coletado: Área Coberta Chuva (mm) Volume (m³) Exemplo 1 m² 1 mm 1 Litro Pesquisa 300 m² 150 mm Litros Necessidade de 80m³ /mês x 2,50 = R$ 200, = 56%consumo / mês= R$ 112,50 Fonte: Elaborado pelo autor a partir de dados da pesquisa, Consideramos que os 150 mm (milímetros) de chuva identificados na tabela, se refere a média mensal do ano anterior e atual, onde conforme Anexo 03 e 04, teve períodos onde ultrapassou este valor e em outros antecedeu. A área coberta do estabelecimento representa 300m², onde com a precipitação média anteriormente citada, obtemos 45 mil litros mensais, chegando a 56% da demanda média mensal. A redução no custo com água seria relativamente elevado, além do aspecto ambiental, onde se utiliza água tratada para lavagem de veículos. O valor médio do m³ (metro cúbico) de água no município tem um valor médio de R$ 2,50, onde é importante destacar o aspecto econômico não necessariamente contribui para a consciência dos usuários de água tratada. Segundo dados da Universidade Federal de Santa Catarina UFSC cerca de 30% de toda a água utilizada em uma residência é destinada para o transporte dos dejetos sanitários. Neste sentido a utilização das águas das chuvas, passa a ter uma importância econômica, bem como técnica e ambiental, na redução do consumo de água potável de uma residência ou propriedade rural.

12 Neste sentido, o proprietário com o consumo médio mensal de 80m³, possui um custo relativamente desnecessário, se obtivesse a estratégia de coleta de água das chuvas. Tendo em vista a coleta de dados que obtivemos juntamente com a Associação dos Sindicatos dos Trabalhadores Rurais Fronteiriços ASTRF, referente às cisternas anteriormente citadas, onde as mesmas são fabricadas de ferro-cimento, objetivando reduzir custos na construção das mesmas, visando facilitar a ampliação do acesso e viabilização de investimentos nesta forma de armazenamento de água. Segundo técnicos da ASTRF (2006), o custo médio de uma cisterna de capacidade de 22 (vinte e dois) mil litros (modelo padrão adotado no projeto desenvolvido pela organização na região das missões) é de R$1.000,00 em materiais de construção. Neste sentido, o tamanho do reservatório que o proprietário do posto de combustível necessitaria é de 50 (cinqüenta) mil litros, frente à precipitação média anual do município e a área coberta disponível. O custo médio de um reservatório, nestas proporções é um pouco acima de R$ 2.000,00 onde com a mão-de-obra se contratada, pode chegar a R$ 2.500,00. Com isso, podemos mensurar a redução dos custos com a obtenção deste reservatório/cisterna onde conforme dados coletados (tabela 01), bem como, a taxa de retorno do referido investimento proposto. Os valores são médios, mas podemos verificar que com o custo da implantação de R$ 2.500,00 e o retorno na redução do custo mensal em água é de R$ 112,50 num período menor de 2 anos o investimento se paga, ou seja, o retorno no aspecto econômico, para o proprietário seria este, além do ambiental, com utilização racional da água das chuvas, bem como menos demanda para o fornecedor de água tratada do município. Os tratamentos de água para consumo humano no município de Pirapó são desenvolvidos pela prefeitura municipal. Segundo a Secretaria municipal de obras e viação, mensalmente se gasta em torno de R$ 2.000,00 em tratamentos (produtos), além dos funcionários que realizam as atividades de manutenção dos poços artesianos, que é a única fonte de água de abastecimento público do município. O proprietário do estabelecimento não tem conhecimento de projetos relacionados à coleta de água de chuva, porém através de instituições ou pela imprensa, tem observado relatos sobre cisternas na região das missões. O ciclo que a água perpassa, desde sua origem até o destino final (caixa de retenção e posterior retorno ao meio ambiente), pode ser modificado, ou seja, sua origem, através das chuvas aproveitar para os sistemas de lavagem em vez de contribuir para o comprometimento da água (tratada) destinada ao consumo humano, onde a cada ano que passa é prejudicada, onde nas cidades metropolitanas é um sério problema.

13 2.2- Análise de Estabelecimentos Rurais Em se tratando de agricultura familiar, várias são as atividades produtivas desenvolvidas pelos agricultores familiares. Nos períodos críticos ou de relativa escassez de água, algumas atividades produtivas resistem mais do que outras, frente a esta adversidade. Onde nos últimos anos as estiagens têm se manifestado frequentemente na região das missões onde conseqüências econômicas sociais e ambientais têm sido desastrosas. Onde principalmente no verão tem ocasionado perdas nas produções agrícolas. Neste segundo momento, relatamos as duas situações identificadas em estabelecimentos rurais, com potencial de exploração da água das chuvas frente à necessidade e ou utilização de água tratada nas propriedades rurais pesquisadas. Neste enfoque não entraremos em detalhes e cálculos de viabilidade econômica da construção de uma cisterna (como no exemplo anterior) visando à substituição da água tratada pela pluvial, pois consideramos que outros fatores preponderantes, podem necessariamente serem relatados. Procuramos identificar a existência de situações onde é pertinente a utilização da água tratada para fins não necessários e as abordagens dos entrevistados frente a tal situação. Elas se desenvolveram em uma propriedade que utiliza uma quantidade relativamente elevada de água, principalmente para a limpeza das instalações bem como para o consumo animal, onde denominamos de propriedade 01. Neste sentido, outra propriedade identificada, se refere a um produtor de hortigranjeiros, onde potencial consumidor da propriedade é a irrigação dos cultivos, denominamos de propriedade 02. Inicialmente ambas os entrevistados relatam que tem alguma informação ou conhecimento sobre construção de cisternas, onde o proprietário 02 será beneficiário de algumas ações, anteriormente relatadas, do projeto Convivendo com a Estiagem, desenvolvido pela ASTRF na região das missões. O proprietário 01 relata que o principal consumo de água do estabelecimento é relacionado à limpeza do local da ordenha e no consumo animal, onde se utiliza atualmente água tratada nestes procedimentos. O consumo mensal de água chega a 25m³ (25 metros cúbicos), o equivalente a 25 mil litros de água tratada. Este produtor acredita que é possível reduzir o consumo de água potável, porém, carece de recursos e incentivos para construção ou investimento em sistemas de coleta. Diante do exposto, a utilização excessiva de água da rua (tratada) em situações que não a necessitaria se manifesta em ambos os casos. O proprietário 01 nos relata que outras lavagens são realizadas, como de calçada, veículos e pequenas irrigações também são utilizados com água tratada. Neste sentido, percebe-se que o valor (relativamente baixo) cobrado pelo consumo de água pode ser um condicionante desta situação.

14 Ainda o proprietário 01 relata que é possível reduzir o consumo em 50 % pelo menos, o que justifica a implantar um sistema de coleta e armazenamento, onde o mesmo está em pleno acordo, desde que tenha incentivo e orientação sobre sistemas de construção acessíveis ao seu bolso. Outro caso específico, o proprietário 02, se encontra em uma situação diferenciada. O mesmo é produtor de hortigranjeiros e necessita de água para irrigação, principalmente no verão, onde esta atividade é a principal fonte de renda da propriedade. Em períodos críticos, como no verão, o consumo mensal chega a 50m³ somente na irrigação. Atualmente no período de inverno, quando a demanda é menor o produtor utiliza água de um poço/bebedouro, para irrigar os cultivos. Porém no verão não é suficiente para atender a demanda, onde o mesmo acessa a água tratada para contemplar toda a área de 5 (cinco) mil m² (metros quadrados) de hortigranjeiros. Segundo o projeto Convivendo com a Estiagem, desenvolvido pela ASTRF, o objetivo principal dos trabalhos é de justamente realizar incentivos para que os produtores possam desenvolver a partir das iniciativas, suas próprias experiências, ampliando-as e difundindo a nível local as idéias de projetos que possam se desenvolver principalmente em atividades adequadas ao micro-clima local. Segundo consta no projeto, que na década de 90, a Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS e a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - EMBRAPA, identificaram através de estudos que a região tem um potencial para a fruticultura tropical devido ao micro-clima do Rio Uruguai. Este clima quente e com baixa precipitação no verão permite que haja uma maturação antecipada das frutas de verão, inclusive com cultivo de plantas consideradas tropicais. Foram implantadas experiências, escritos estudos acadêmicos, que estão colhendo resultados positivos. Nesta situação o produtor conhece projetos de cisternas onde o mesmo será beneficiado em 50 % na construção do padrão estabelecido pela entidade executora (ASTRF) onde o agricultor pretende com recursos próprios ou de financiamento, construir um empreendimento com capacidade de 50 mil litros, que segundo cálculos realizados é suficiente para atender a demanda da propriedade. O referido produtor enfatiza a importância do apoio e incentivo governamental na construção, pois segundo ele e fundamental para planejar outras ações técnicas, como recalque e distribuição da água nos cultivos.

15 3- Considerações Finais Em se tratando de aspectos ambientais, várias as abordagens que procuramos enfatizar. Os aspectos teóricos frente às várias problemáticas ambientais existentes não poderiam passar em branco. Abordar sobre aproveitamento e otimização do uso da água sem falarmos de sua importância, seria um hiato que estaríamos promovendo diante do nosso papel quanto educador. No decorrer do presente trabalho, assuntos relativamente atuais sobre a temática abordada, procuramos trazer a tona, situações através de exemplificações visando a melhor compreensão, não necessariamente apenas ao tema aproveitamento da água das chuvas, mas também de outras considerações que nos fazem refletir e buscar valorizar e melhor utilizar este bem valioso, chamado água. Podemos identificar que nas situações avaliadas os proprietários dos estabelecimentos não possuem necessariamente, conhecimentos ou necessidades relativamente preponderantes, pois o custo do m³ (metro cúbico) de água é relativamente baixo. Sendo assim, a preocupação maior é que raramente o proprietários tem perspectivas futuras, sobre a necessidade de se otimizar a utilização da água, e sim ela é mais um integrante do custo, muitas vezes de produção/geração de renda dos estabelecimentos. Quanto à compreensão sobre a importância da educação neste processo, identificamos que tudo o que salientamos durante as entrevistas, tem o reconhecimento da importância de efetuar estes processos (construção cisternas), porém carecem de incentivos, não necessariamente financeiros (pois os investimentos geralmente são auto-retornáveis), mas também de caráter técnico. Segundo Lima (1999), compreende-se a educação não como uma solução para todos os problemas sociais, onde não é possível pensar numa mudança, sem integrar a dimensão educacional. Neste sentido Vernier (1994), sugere que seja traçado caminhos integrados para solucionar problemas ambientais, como o estabelecimento de estímulos econômicos e fiscais, mobilização social, bem como a contribuição da educação ambiental e da pesquisa científica na formulação de políticas públicas em beneficio a qualidade e defesa da vida. Talvez a problemática do aproveitamento do potencial de água das chuvas não tenha ganhado a mais tempo as políticas públicas, pois problemas com estiagens tem ocorrido com mais freqüência, apenas nos últimos anos. Apesar de timidamente ter assumido algumas experiências neste sentido, ainda é preciso avançar neste campo, pois não somente neste aspecto, mas também é necessário internalizar na sociedade, em cada cidadão o dever que todos devem ter frente à utilização da água de forma adequada, não somente economizando, mas também, preservando e reutilizando este recurso em situações diversas, principalmente para limpezas, pequenas irrigações, nos dejetos sanitários, entre outras finalidades.

16 Referente a internalização pela sociedade, na Economia se trata da internalização dos custos ambientais 1. Merico (1996) cita alguns países que adotaram estas estratégias para redução do consumo. Na Itália, o governo criou um imposto sobre sacos plásticos, onde obteve uma redução de 40% (quarenta por cento) no consumo deste produto. Isto nos leva a crer que os produtos são consumidos de forma racional no momento que o custo é elevado. Com isso, trazendo para o nosso trabalho, a água é consumida, conforme relatos dos entrevistados, de forma relativamente desenfreada, portanto, um custo mais elevado, faria os consumidores refletirem em racionalizar o consumo, aproveitando melhor o recurso (água) em suas diversas formas. Enfim, a partir da educação ambiental, começando nas escolas, desde os primeiros passos das crianças como alunos, formando cidadãos, acreditamos que é possível internalizar na sociedade (brevemente) a consciência de que é necessário preservarmos os diversos recursos que a natureza nos disponibiliza. Porém, devemos agir de forma a garantir o atendimento das necessidades das futuras gerações e para que estas possam algum dia olhar para traz e dizer: esta é a herança que recebemos de nossos antepassados, de pelo menos aprendermos a lição de ter como prioridade primeira e fundamental lição de casa, que é cuidar de nosso meio ambiente. 1 Não aprofundaremos sobre o tema da internalização dos custos ambientais, porém consideramos útil fazer referência no presente trabalho. A internalização possui 2 (dois) mecanismos de PPP (princípio poluidor pagador). Um é sobre cotas de carbono, onde as empresas adquirem, para terem o direito de poluir, onde o governo controla a quantidade disponível. Outra forma é através da aplicação de taxas sobre preço dos processos produtivos, onde as empresas optam por adquirir equipamentos para reduzir a poluição e diminuir a cobrança de taxar por poluírem, ou seja, quanto mais poluírem, mais alto seu custo de produção.

17 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ARRUDA, Marici; DIEGOLI, Vera; O Reuso da água. Disponível em : <http://www.tvcultura.com.br/reportereco/materia.asp?materiaid=156> acesso em 23 de outubro de ASTRF Associação dos Sindicatos dos Trabalhadores Rurais Fronteiriços. Projeto Convivendo com a Estiagem : Fomento a Assistência Técnica e Extensão Rural, agosto de Disponível em:<http://www.astrf.brtdata.com.br/> Acesso em: 28 nov./07 Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental da Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC, disponível em: <http://www.ufsc.br/> Acesso em: 16 fev./2007. FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: Saberes necessários à Prática Educativa. 28.ed. São Paulo-SP: Paz e Terra, FURASTÉ, Pedro Augusto. Normas Técnicas para o Trabalho Científico. Explicitação das normas da ABNT.13 ed. Porto Alegre:s.n., p.; GRÜN, Mauro. Ética e Educação Ambiental A Conexão Necessária. São Paulo-SP: Papirus, JACOB, Pedro, Educação Ambiental, Cidadania e Sustentabilidade. in. Cadernos de Pesquisa, nº18, p , março de Disponível em <http://www.scielo.br/pdf/cp/n118/16834.pdf> Acesso em 15 ago/2007. JOHANN, Jorge Renato (coord.). Introdução ao Método Científico: Conteúdo e Forma do Conhecimento. Canoas-RS: Editora Ulbra, p. KIERNAN, MATTHEW J. Os 11 Mandamentos da Administração do século XXI: Apresenta as principais razões para o crescente interesse das corporações pelo meio ambiente. Makron Books, KITAMURA, Mariana Cristina; Aproveitamento de Águas Pluviais para uso Não-Potável na PUC-PR, Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de Engenharia Ambiental do Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia da Pontifícia Universidade Católica do Paraná; Curitiba-PR, junho de p. LIMA, Gustavo Ferreira da Costa. Questão Ambiental e Educação: contribuições para o debate. Ambiente e Sociedade. NEPAN/UNICAMP, Campinas-SP, ano II, nº 5, , MERICO, Luiz Fernando Krieger; Introdução à Economia Ecológica. Blumenau-SC:Editora FURB, p. NOGUEIRA, Paulo Ferraz; Água Reutilizada pode Afastar o Fantasma da Seca. Disponível em: <http://www.uniagua.org.br/website/default.asp?tp=3&pag=reuso.htm>; Acesso em 07 novembro de NOVAES, Washington; FERREIRA, Willians P.M.; FERNANDES, Fernando A.. Uma coisa é certa: a Terra continuará com o ser humano ou sem ele. Revista Instituto Humanitas Unisinos- IHU-entrevistas. 215 ed. São Leopoldo-RS, 16 de abril de PECMAC Programa Estadual de Captação e Manejo de Água da Chuva. Governo do Rio Grande do Sul; Captação de água da chuva: alternativa viável e econômica; Publicado em janeiro de 2006, Disponível em:

18 <http://www.estado.rs.gov.br/index.php?inc=noticias/noticias_view.php&notid=47790>; Acesso em novembro de RITS, Maria Eduarda Mattar; Água: patrimônio, recurso, vida e preocupação, março de Extraído em 05 de novembro de 2006 no site: : <http://www.lainsignia.org/2004/marzo/ecol_009.htm> ; ROCHINHESKI, Valdir Natal; Diagnóstico do Planeta Terrra, em aula proferida à turma de Educação Ambiental, FETREMIS, em 09 de junho de 2006; SATO, Michele. Formação em Educação Ambiental - Da Escola à Comunidade. In COEA/MEC (org.) Panorama da Educação Ambiental no Brasil. Brasília: MEC, março de 2000, THIOLLENT, Michel Jean-Marie. Metodologia da pesquisa-ação. 13. ed. São Paulo: Cortez, p. TRENTIN, I. C. L. & WESZ JUNIOR, V. J. Desenvolvimento e Agroindústria Familiar. In: Artigos Completos do XLII Congresso da Sociedade Brasileira de Economia e Sociologia Rural. Cuiabá-MS, Universidade da Água. SP: Aprovada lei que obriga medidor de água individual. Disponível:<http://www.uniagua.org.br/website/default.asp?tp=1&pag=cont_ htm>, acesso em 28 setembro/2007. VERNIER, Jacques. O meio ambiente. Campinas, SP: Papirus, ZANANDRÉA, Dom Girônimo. Cartilha 27º Romaria da Terra, Água Viva, vida na terra. 24 de fevereiro de 2004;

Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades.

Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades. professor Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades. Também serão produzidos, dentro de sala de aula, cartazes

Leia mais

USO RACIONAL DA ÁGUA 2008

USO RACIONAL DA ÁGUA 2008 USO RACIONAL DA ÁGUA Tipos de Água: Água potável - é a que se pode beber. É fundamental para a vida humana, e é obtida através de tratamentos que eliminam qualquer impureza. Água poluída - É a água suja

Leia mais

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo.

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo. Ciclo hidrológico Quase toda a água do planeta está concentrada nos oceanos. Apenas uma pequena fração (menos de 3%) está em terra e a maior parte desta está sob a forma de gelo e neve ou abaixo da superfície

Leia mais

USO RACIONAL DA ÁGUA: RESULTADOS DE PRÁTICA PEDAGÓGICA

USO RACIONAL DA ÁGUA: RESULTADOS DE PRÁTICA PEDAGÓGICA USO RACIONAL DA ÁGUA: RESULTADOS DE PRÁTICA PEDAGÓGICA ROCHA, Elza dos Santos S. da (UNEMAT) elzassr@yahoo.com.br SANTOS, Leandra Ines Seganfredo (UNEMAT) leandraines@hotmail.com Sabemos que a água é indispensável

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA. Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA. Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros O que o brasileiro pensa sobre a conservação e o uso da água no Brasil METODOLOGIA OBJETIVO Levantar informações para subsidiar o planejamento

Leia mais

Maria Nezilda Culti 1 (Coordenadora da Ação de Extensão)

Maria Nezilda Culti 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) IMPLANTAÇÃO DAS TECNOLOGIAS SOCIAIS: PRODUÇÃO AGROECOLÓGICA INTEGRADA SUSTENTÁVEL- PAIS (HORTA MANDALA), CISTERNA E FOSSA SÉPTICA BIODIGESTORA COMO MEIO DE SUSTENTABILIDADE PARA AGRICULTURA FAMILIAR. Área

Leia mais

O ENSINO DE GEOGRAFIA E A DISTRIBUIÇÃO, DISPONIBILIDADE E USO DA ÁGUA: RELATO DE EXPERIÊNCIA

O ENSINO DE GEOGRAFIA E A DISTRIBUIÇÃO, DISPONIBILIDADE E USO DA ÁGUA: RELATO DE EXPERIÊNCIA O ENSINO DE GEOGRAFIA E A DISTRIBUIÇÃO, DISPONIBILIDADE E USO DA ÁGUA: RELATO DE EXPERIÊNCIA Elaine Aparecida Ramos elaineramos89@gmail.com Taison Luiz de Paula Braghiroli taisonbrag@gmail.com Resumo:

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCANDO PARA UM AMBIENTE MELHOR Apresentação A Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Rio Grande do Norte SEMARH produziu esta

Leia mais

Curso de Desenvolvimento. sustentável.

Curso de Desenvolvimento. sustentável. 50 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 17 Curso de Desenvolvimento Sustentável Juliana Andrade Barichello 1 O objetivo deste trabalho é discorrer sobre os principais pontos das palestras proferidas sobre

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Do Sr. Geraldo Resende) Estabelece a Política Nacional de Captação, Armazenamento e Aproveitamento de Águas Pluviais e define normas gerais para sua promoção. O Congresso Nacional

Leia mais

Profa. Ana Luiza Veltri

Profa. Ana Luiza Veltri Profa. Ana Luiza Veltri EJA Educação de Jovens e Adultos Água de beber Como está distribuída a água no mundo? A Terra, assim como o corpo humano, é constituída por dois terços de água; Apenas 1% da quantidade

Leia mais

Encanador. 4) Número de Aulas: O trabalho será realizado em cinco etapas, divididas em aulas a critério do professor.

Encanador. 4) Número de Aulas: O trabalho será realizado em cinco etapas, divididas em aulas a critério do professor. Encanador 1) Objetivos Gerais Aprofundar os conhecimentos sobre o profissional que tem como um dos focos de trabalho a água e o saneamento básico, assim como problemas que podem ocorrer quando houver sinistros

Leia mais

"Água e os Desafios do. Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO.

Água e os Desafios do. Setor Produtivo EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. "Água e os Desafios do Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E O PAPEL DE CADA UM É o desenvolvimento que atende às necessidades

Leia mais

A Qualidade da Água nas Cidades de Campina Grande e Taperoá. *gicelia.moreira2009@gmail.com

A Qualidade da Água nas Cidades de Campina Grande e Taperoá. *gicelia.moreira2009@gmail.com A Qualidade da Água nas Cidades de e Gicélia Moreira (ID) 1,AntonioJoão S. Filho(ID) 1 Nataline C. S. Barbosa (ID) 1 Antonio N. de Souza (PG) Departamento de Química CCT-UEPB *gicelia.moreira2009@gmail.com

Leia mais

PALESTRA Tecnologias e processos inovadores no abastecimento de água em comunidades isoladas SEMINÁRIO

PALESTRA Tecnologias e processos inovadores no abastecimento de água em comunidades isoladas SEMINÁRIO PALESTRA Tecnologias e processos inovadores no abastecimento de água em comunidades isoladas Daniel Kuchida SEMINÁRIO Segurança da Água para Consumo Humano. Como moldar o futuro da água para as partes

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO FAMILIAR DE CAPTAÇÃO, MANEJO E GERENCIAMENTO DE ÁGUA DA CHUVA

SISTEMA INTEGRADO FAMILIAR DE CAPTAÇÃO, MANEJO E GERENCIAMENTO DE ÁGUA DA CHUVA SISTEMA INTEGRADO FAMILIAR DE CAPTAÇÃO, MANEJO E GERENCIAMENTO DE ÁGUA DA CHUVA Fernando Deodato de Sousa; José Dias Campos e José Rêgo Neto cepfs@uol.com.br Centro de Educação Popular e Formação Sindical

Leia mais

A dinâmica do relevo terrestre e A hidrografia terrestre

A dinâmica do relevo terrestre e A hidrografia terrestre 1 O relevo terrestre é formado e modelado pela ação de diversos agentes internos (movimentos tectônicos, vulcanismo, terremoto) e externos (ação das águas, do vento e do próprio homem). Explique de que

Leia mais

I MPACTO AMBI ENTAL DA I RRI GAÇÃO NO BRASI L

I MPACTO AMBI ENTAL DA I RRI GAÇÃO NO BRASI L I MPACTO AMBI ENTAL DA I RRI GAÇÃO NO BRASI L Salassier Bernardo, Ph.D. UENF Este trabalho aborda aspectos do impacto ambiental da irrigação, considerando seus efeitos sobre modificação do meio ambiente,

Leia mais

Oi amigos. A maioria de vocês já me conhece, eu sou o Kiko, o amigo do futuro, e vou apresentar a vocês o Tibum, que é o amigo da água.

Oi amigos. A maioria de vocês já me conhece, eu sou o Kiko, o amigo do futuro, e vou apresentar a vocês o Tibum, que é o amigo da água. Oi amigos. A maioria de vocês já me conhece, eu sou o Kiko, o amigo do futuro, e vou apresentar a vocês o Tibum, que é o amigo da água. 01 Água no corpo humano: cérebro 75% sangue 81% músculos 75% coração

Leia mais

Eixo Temático ET-08-011 - Recursos Hídricos NOVAS TECNOLOGIAS PARA MELHOR APROVEITAMENTO DA CAPTAÇÃO DA ÁGUA DE CHUVA

Eixo Temático ET-08-011 - Recursos Hídricos NOVAS TECNOLOGIAS PARA MELHOR APROVEITAMENTO DA CAPTAÇÃO DA ÁGUA DE CHUVA 413 Eixo Temático ET-08-011 - Recursos Hídricos NOVAS TECNOLOGIAS PARA MELHOR APROVEITAMENTO DA CAPTAÇÃO DA ÁGUA DE CHUVA Maria Isabel Cacimiro Xavier Estudante de Graduação em Gestão Ambiental, IFPB,

Leia mais

I B OP E Opinião. O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água

I B OP E Opinião. O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA Águas no Brasil: A visão dos brasileiros O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água Dezembro, 2006 METODOLOGIA OBJETIVO Levantar informações para

Leia mais

O que é saneamento básico?

O que é saneamento básico? O que é saneamento básico? Primeiramente, começaremos entendendo o real significado de saneamento. A palavra saneamento deriva do verbo sanear, que significa higienizar, limpar e tornar habitável. Portanto,

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDO I ETAPA LETIVA CIÊNCIAS 4.º ANO/EF 2015

ROTEIRO DE ESTUDO I ETAPA LETIVA CIÊNCIAS 4.º ANO/EF 2015 SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA MANTENEDORA DA PUC Minas E DO COLÉGIO SANTA MARIA ROTEIRO DE ESTUDO I ETAPA LETIVA CIÊNCIAS 4.º ANO/EF 2015 Caro (a) aluno(a), É tempo de conferir os conteúdos estudados na

Leia mais

PROPOSTAS DO III SEMINARIO SUL BRASILEIRO DE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL GRUPO DE TRABALHO PRODUÇÃO DE ALIMENTOS PARA O TURISMO RURAL

PROPOSTAS DO III SEMINARIO SUL BRASILEIRO DE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL GRUPO DE TRABALHO PRODUÇÃO DE ALIMENTOS PARA O TURISMO RURAL O Seminário Sul Brasileiro vem sendo organizado desde 2005, como um evento paralelo a Suinofest, festa gastronômica de derivados da carne suína, por um grupo formado pela UERGS, ACI-E, EMATER e Secretaria

Leia mais

Eixo Temático ET-13-015 - Educação Ambiental UM ESTUDO SOBRE POÇOS ARTESIANOS EM SANTA CRUZ DO CAPIBARIBE-PE

Eixo Temático ET-13-015 - Educação Ambiental UM ESTUDO SOBRE POÇOS ARTESIANOS EM SANTA CRUZ DO CAPIBARIBE-PE 531 Eixo Temático ET-13-015 - Educação Ambiental UM ESTUDO SOBRE POÇOS ARTESIANOS EM SANTA CRUZ DO CAPIBARIBE-PE Valdiana Maria Gonçalves Araujo¹; Viviane Suzy de Oliveira Pereira²; Débora Caroline Ferreira

Leia mais

Art. 1º - A Política Nacional de Recursos Hídricos baseia-se nos seguintes fundamentos:

Art. 1º - A Política Nacional de Recursos Hídricos baseia-se nos seguintes fundamentos: Patrimonio Hídrico Brasileiro - Explicação do Abaixo Assinado. Observação: O melhor instrumento para entender essa proposta é o Texto Base da Campanha da Fraternidade de 2004, Fraternidade e Água, realizada

Leia mais

Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda.

Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda. Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda. Resumo Com a globalização e os avanços tecnológicos, as empresas estão operando num ambiente altamente competitivo e dinâmico. As organizações que quiserem

Leia mais

Índice de 11,6% é maior do que 11,4% registrado no último dia de fevereiro. Outros 5 sistemas também subiram,mas São Paulo ainda vive crise hídrica.

Índice de 11,6% é maior do que 11,4% registrado no último dia de fevereiro. Outros 5 sistemas também subiram,mas São Paulo ainda vive crise hídrica. PROJETO ATUALIZAR 2015 TEMA SISTEMA CANTAREIRA DATA DE APLICAÇÃO 09 a 13/03/2015 PROFESSORES RESPONSÁVEIS Cristiane e Felipe 1. SUGESTÕES DE PONTOS QUE PODEM SER ABORDADOS 1.1. A importância da água 1.2.

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA ÁGUA DE SISTEMAS DE AR CONDICIONADO VISANDO O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

UTILIZAÇÃO DA ÁGUA DE SISTEMAS DE AR CONDICIONADO VISANDO O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM UTILIZAÇÃO DA ÁGUA DE SISTEMAS DE AR CONDICIONADO VISANDO O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Thatiane Rodrigues Mota 1 Dyoni Matias de Oliveira 2 ; Paulo Inada 3 Desenvolvimento

Leia mais

REUTILIZAÇÃO DA ÁGUA DOS APARELHOS DE AR CONDICIONADO EM UMA ESCOLA DE ENSINO MÉDIO NO MUNICÍPIO DE UMUARAMA-PR

REUTILIZAÇÃO DA ÁGUA DOS APARELHOS DE AR CONDICIONADO EM UMA ESCOLA DE ENSINO MÉDIO NO MUNICÍPIO DE UMUARAMA-PR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 REUTILIZAÇÃO DA ÁGUA DOS APARELHOS DE AR CONDICIONADO EM UMA ESCOLA DE ENSINO MÉDIO NO MUNICÍPIO DE UMUARAMA-PR Thatiane Rodrigues Mota 1 ; Dyoni Matias

Leia mais

Núcleo União Pró-Tietê. Água : O ouro azul do planeta

Núcleo União Pró-Tietê. Água : O ouro azul do planeta Núcleo União Pró-Tietê Água : O ouro azul do planeta Água A água é um mineral, elemento químico simples (H 2 O) fundamental para o planeta. Forma oceanos, geleiras, lagos e rios. Cobre ¾ da superfície

Leia mais

TÍTULO: REUSO DA ÁGUA: UM MANEIRA VIÁVEL

TÍTULO: REUSO DA ÁGUA: UM MANEIRA VIÁVEL TÍTULO: REUSO DA ÁGUA: UM MANEIRA VIÁVEL ANANIAS DE PAULA LIMA NETO (UNIFOR) ananiasneto1@hotmail.com Ulisses Moreira de Lima (FA7) ulisses-ml@hotmail.com A água sendo um elemento natural limitado e essencial

Leia mais

Atividade de Aprendizagem 1 Aquífero Guarani Eixo(s) temático(s) Tema Conteúdos Usos / objetivos Voltadas para procedimentos e atitudes Competências

Atividade de Aprendizagem 1 Aquífero Guarani Eixo(s) temático(s) Tema Conteúdos Usos / objetivos Voltadas para procedimentos e atitudes Competências Aquífero Guarani Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente / Terra e universo Tema Água e vida / ciclo hidrológico do planeta Conteúdos Águas subterrâneas Usos / objetivos Aprofundamento do estudo sobre as águas

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

ATITUDES QUE DEVES DE TOMAR: Economizar Reciclar e Reutilizar

ATITUDES QUE DEVES DE TOMAR: Economizar Reciclar e Reutilizar A Crise da Água ATITUDES QUE DEVES DE TOMAR: Economizar Reciclar e Reutilizar ÁGUA A água é um recurso natural que depende da maneira como o Homem a utiliza para ser renovável ou não. Quando se pensa que

Leia mais

Acabou a água em São Paulo. E agora? INICIATIVAS DA SOCIEDADE CIVIL

Acabou a água em São Paulo. E agora? INICIATIVAS DA SOCIEDADE CIVIL Acabou a água em São Paulo. E agora? INICIATIVAS DA SOCIEDADE CIVIL Coalizaçãoda sociedade civil criada em outubro de 2014 para contribuir com a construção da segurança hídrica em São Paulo PRINCÍPIOS

Leia mais

LeYa Leituras Projeto de Leitura

LeYa Leituras Projeto de Leitura LeYa Leituras Projeto de Leitura Nome do livro: O ciclo da água Autoras: Cristina Quental e Mariana Magalhães Currículo das autoras: Cristina Quental é educadora infantil e alterna o trabalho na escola

Leia mais

REQUERIMENTO (Do Sr. Vittorio Medioli)

REQUERIMENTO (Do Sr. Vittorio Medioli) 1 REQUERIMENTO (Do Sr. Vittorio Medioli) Requer o envio de Indicação ao Poder Executivo sugerindo à Agência Nacional de Águas que determine às empresas concessionárias deste serviço a divulgação em suas

Leia mais

Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro

Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro Inaugurada há pouco mais de 3 anos, Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) garante melhorias na qualidade da água do córrego Lucas, que

Leia mais

Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX

Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX São Carlos, 31 de Janeiro de 2011. PROJETO REUSO DE ÁGUA - ELECTROLUX 1. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA Razão Social: Electrolux do Brasil S/A Unidade: São Carlos

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS HÁBITOS DE HIGIENE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO EM ESCOLAS DE REALENGO

LEVANTAMENTO DOS HÁBITOS DE HIGIENE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO EM ESCOLAS DE REALENGO Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 17, n. 17, p. 178 183 LEVANTAMENTO DOS HÁBITOS DE HIGIENE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO EM ESCOLAS DE REALENGO FERREIRA, Luana Jesus da Silva

Leia mais

Este caderno contém exercícios de fixação e passatempos sobre os temas: Água no cotidiano - Módulo 1. A oferta de água - Módulo 2

Este caderno contém exercícios de fixação e passatempos sobre os temas: Água no cotidiano - Módulo 1. A oferta de água - Módulo 2 professor Este caderno contém exercícios de fixação e passatempos sobre os temas:. Mapa conceitual sobre Água: Água no cotidiano - Módulo que são em três estados físicos A oferta de água - Módulo 2 é encontrada

Leia mais

Aquecimento Global e Protocolo de Kyoto. Professor Thiago Espindula Disciplina de Geografia

Aquecimento Global e Protocolo de Kyoto. Professor Thiago Espindula Disciplina de Geografia Aquecimento Global e Protocolo de Kyoto Professor Thiago Espindula Disciplina de Geografia Exercícios (ENEM 2006) Com base em projeções realizadas por especialistas, teve, para o fim do século

Leia mais

Água. Material de Apoio - Água

Água. Material de Apoio - Água Água Material de Apoio Programa Escola Amiga da Terra Mapa Verde Realização: Instituto Brookfield Assessoria: Práxis Consultoria Socioambiental Este material foi utilizado pelos educadores participantes

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE Revista Ceciliana Jun 5(1): 1-6, 2013 ISSN 2175-7224 - 2013/2014 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA

Leia mais

Saneamento Básico: Pobreza, Saúde e Meio Ambiente

Saneamento Básico: Pobreza, Saúde e Meio Ambiente Saneamento Básico: Pobreza, Saúde e Meio Ambiente Antonio Rocha Magalhães CGEE Centro de Gestão e Estudos Estratégicos. Ex-membro da CJP de Brasilia. A Campanha da Fraternidade Ecumênica, de 2016, elegeu

Leia mais

Eco Houses / Casas ecológicas. Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental

Eco Houses / Casas ecológicas. Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental Eco Houses / Casas ecológicas Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental IDHEA - INSTITUTO PARA O DESENVOLVIMENTO DA HABITAÇÃO ECOLÓGICA Conceito:

Leia mais

OS CUIDADOS COM A ÁGUA NA ESCOLA FUNDAMENTAL PROFESSOR ADAILTON COELHO COSTA

OS CUIDADOS COM A ÁGUA NA ESCOLA FUNDAMENTAL PROFESSOR ADAILTON COELHO COSTA OS CUIDADOS COM A ÁGUA NA ESCOLA FUNDAMENTAL PROFESSOR ADAILTON COELHO COSTA Dantas 1, Mayara; Gomes 1, Márcia; Silva 1, Juliene; Silva 1, Jaciele; 1 Discente do Curso de Bacharelado em Ecologia; 2 Professora

Leia mais

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO. 12 MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.indd 12-1 CAPA 1 30.10.09 16:08:10 Data (M/D/A): 10/30/09 Contato: (61) 3344-8502 Formato (F): 200x200 mm Formato (A): 400x200 mm Data (M/D/A): 10/30/09 Ministério

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA

INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA A participação da Comunidade é fundamental Na preservação do Meio Ambiente COMPANHIA DE SANEAMENTO AMBIENTAL DO DISTRITO FEDERAL ASSESSORIA

Leia mais

Mesa: A segurança alimentar num país de 200 milhões de habitantes Debatedor: Emerson Fernandes Daniel Júnior

Mesa: A segurança alimentar num país de 200 milhões de habitantes Debatedor: Emerson Fernandes Daniel Júnior Seminário Água e Produção Agrícola Mesa: A segurança alimentar num país de 200 milhões de habitantes Debatedor: Emerson Fernandes Daniel Júnior 1. O Brasil foi capaz de nos últimos 40 anos dobrar a área

Leia mais

Conteúdo: A água. O ciclo da água. Estados físicos da água. Tecnologia de tratamento. Combate ao desperdício. CIÊNCIAS DA NATUREZA

Conteúdo: A água. O ciclo da água. Estados físicos da água. Tecnologia de tratamento. Combate ao desperdício. CIÊNCIAS DA NATUREZA 2 Conteúdo: A água. O ciclo da água. Estados físicos da água. Tecnologia de tratamento. Combate ao desperdício. 3 Habilidades: Refletir sobre a importância da água para o Planeta Terra, para a vida e o

Leia mais

ÁGUA. USOS, DISTRIBUIÇÃO e PRESERVAÇÃO

ÁGUA. USOS, DISTRIBUIÇÃO e PRESERVAÇÃO ÁGUA USOS, DISTRIBUIÇÃO e PRESERVAÇÃO Embora a água seja a substância mais abundante do nosso planeta, especialistas e autoridades internacionais alertam para um possível colapso das reservas de água doce,

Leia mais

Atuação do COEP frente às mudanças climáticas. Equipe Mobilizadores Oficina Mudanças Climáticas Novembro de 2011

Atuação do COEP frente às mudanças climáticas. Equipe Mobilizadores Oficina Mudanças Climáticas Novembro de 2011 Atuação do COEP frente às mudanças climáticas Equipe Mobilizadores Oficina Mudanças Climáticas Novembro de 2011 Mudanças Climáticas e pobreza As populações mais pobres tendem a ficar mais vulneráveis diante

Leia mais

- Deliberar sobre a Política Municipal do Meio Ambiente;

- Deliberar sobre a Política Municipal do Meio Ambiente; CONFERÊNCIA MUNICIPAL SOBRE MEIO AMBIENTE O que é a Conferência Municipal sobre Meio Ambiente? A Conferência Municipal sobre Meio Ambiente é um fórum de discussões e deliberações, na qual a população tem

Leia mais

PROPOSTA ALTERNATIVA PARA A REUTILIZAÇÃO DA ÁGUA DA CHUVA EM RESIDÊNCIAS

PROPOSTA ALTERNATIVA PARA A REUTILIZAÇÃO DA ÁGUA DA CHUVA EM RESIDÊNCIAS ISSN 1984-9354 PROPOSTA ALTERNATIVA PARA A REUTILIZAÇÃO DA ÁGUA DA CHUVA EM RESIDÊNCIAS Tatiana dos Anjos Mota (UFF) Max Anderson da Silva Mendes (CEFET) Resumo Este trabalho é uma proposta alternativa

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NO DISTRITO FEDERAL WWF Brasil Maio/ 2003 OBJETIVOS: Levantar informações para subsidiar o planejamento e a avaliação da comunicação da WWF Brasil. Gerar conhecimentos relevantes

Leia mais

ESTUDO DA QUALIDADE DA ÁGUA COMO REFERNCIA PARA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO ENSINO DE QUÍMICA

ESTUDO DA QUALIDADE DA ÁGUA COMO REFERNCIA PARA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO ENSINO DE QUÍMICA ESTUDO DA QUALIDADE DA ÁGUA COMO REFERNCIA PARA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO ENSINO DE QUÍMICA Maria S. B. DUARTE 1 Ana Maria G. D. MENDONÇA 2, Darling L. PEREIRA 3,, Aluska M. C. RAMOS 4 José J. MENDONÇA 5 1

Leia mais

SEGURANÇA ALIMENTAR, SUSTENTABILIDADE, EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REFLEXÕES A CERCA DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR.

SEGURANÇA ALIMENTAR, SUSTENTABILIDADE, EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REFLEXÕES A CERCA DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR. SEGURANÇA ALIMENTAR, SUSTENTABILIDADE, EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REFLEXÕES A CERCA DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR. Jonas da Silva Santos Universidade do Estado da Bahia UNEB DEDC XV jonasnhsilva@hotmail.com jonas.ss@inec.org.br

Leia mais

Sumário. Zeca. O amigo da água. 04. A importância da água. 05. Por que preservar 06. Como a água chega à sua casa 07. Dicas para preservar a água 09

Sumário. Zeca. O amigo da água. 04. A importância da água. 05. Por que preservar 06. Como a água chega à sua casa 07. Dicas para preservar a água 09 Sumário Zeca. O amigo da água. 04 A importância da água. 05 Por que preservar 06 Como a água chega à sua casa 07 Dicas para preservar a água 09 Diga não ao desperdício 10 Água de beber em casa 11 Olá!

Leia mais

ÁGUA QUE BRILHA E ILUMINA A VIDA Aos Educadores:

ÁGUA QUE BRILHA E ILUMINA A VIDA Aos Educadores: ÁGUA QUE BRILHA E ILUMINA A VIDA Aos Educadores: A consciência ecológica levanta-nos um problema de profundidade e vastidão extraordinárias. Temos que defrontar ao mesmo tempo o problema da Vida na Terra,

Leia mais

Economia de água. Ao usar o vaso sanitário

Economia de água. Ao usar o vaso sanitário Economia de água Economizar água não é mais só um hábito saudável. Atualmente, é uma grande responsabilidade com o futuro. Se não mudarmos nossos hábitos, a escassez de água para o consumo vai nos afetar

Leia mais

Painel 2 - Um desafio histórico no Nordeste: escassez de água ou de soluções? Água de Chuva: alternativa para conviver com a seca

Painel 2 - Um desafio histórico no Nordeste: escassez de água ou de soluções? Água de Chuva: alternativa para conviver com a seca Painel 2 - Um desafio histórico no Nordeste: escassez de água ou de soluções? Água de Chuva: alternativa para conviver com a seca Cícero Onofre de Andrade Neto O acesso a água potável é apenas um dos problemas

Leia mais

P.42 Programa de Educação Ambiental - PEA. Cisterna Junho/2013

P.42 Programa de Educação Ambiental - PEA. Cisterna Junho/2013 P.42 Programa de Educação Ambiental - PEA Cisterna Junho/2013 Sendo a água doce um recurso natural escasso, as diversas questões a ela relacionadas são hoje motivo de preocupação em todo o mundo. Dentre

Leia mais

Medida do consumo de água

Medida do consumo de água Ensino Fundamental 2 Nome N o 5 a série Ciências Prof a Cristiane Data / / Medida do consumo de água As residências abastecidas por água proveniente de estações de tratamento possuem um aparelho que mede

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

A MULHER E O MANUSEIO DA ÁGUA A MULHER E O USO DA ÁGUA

A MULHER E O MANUSEIO DA ÁGUA A MULHER E O USO DA ÁGUA A MULHER E O USO DA ÁGUA A sociedade define as atividades que os seres humanos devem fazer a partir do seu sexo. Aos homens são destinadas aquelas consideradas produtivas, ou seja, que servem para ganhar

Leia mais

Abril Educação Água Aluno(a): Número: Ano: Professor(a): Data: Nota:

Abril Educação Água Aluno(a): Número: Ano: Professor(a): Data: Nota: Abril Educação Água Aluno(a): Número: Ano: Professor(a): Data: Nota: Questão 1 A água e o ar são indispensáveis para a sobrevivência dos seres vivos, mas o homem vem poluindo esses meios de forma muitas

Leia mais

TÍTULO: BENEFÍCIOS DO USO CONSCIENTE DA ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE EMPRESARIAL ASSOCIADO À EFICÁCIA ORGANIZACIONAL: ESTUDO DE CASO.

TÍTULO: BENEFÍCIOS DO USO CONSCIENTE DA ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE EMPRESARIAL ASSOCIADO À EFICÁCIA ORGANIZACIONAL: ESTUDO DE CASO. TÍTULO: BENEFÍCIOS DO USO CONSCIENTE DA ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE EMPRESARIAL ASSOCIADO À EFICÁCIA ORGANIZACIONAL: ESTUDO DE CASO. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Palavras-chave: água esgoto gerenciamento - resíduo poluente

Palavras-chave: água esgoto gerenciamento - resíduo poluente MEDIDAS DE SANEAMENTO BÁSICO OU RUAS CALÇADAS? Angela Maria de Oliveira Professora da E.M.E.F. Zelinda Rodolfo Pessin Márcia Finimundi Barbieri Professora da E.M.E.F. Zelinda Rodolfo Pessin Resumo Este

Leia mais

ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO

ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO Resumo: O presente artigo pretende refletir sobre os problemas ambientais em nossa sociedade, em especial, sobre o

Leia mais

INSPEÇÃO DE FONTES ALTERNATIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PARA A COBRANÇA DOS ESGOTOS

INSPEÇÃO DE FONTES ALTERNATIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PARA A COBRANÇA DOS ESGOTOS INSPEÇÃO DE FONTES ALTERNATIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PARA A COBRANÇA DOS ESGOTOS O Daae (Departamento Autônomo de Água e s) está inspecionando os poços artesianos dos estabelecimentos comerciais, industriais

Leia mais

Água - Recurso Natural

Água - Recurso Natural - Recurso Natural PROF. Carla Gracy Ribeiro Meneses A água é um elemento essencial para a humanidade. Nosso corpo é composto por dois terços de água, isso equivalente ao nosso peso total. Curiosidades!

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE DO APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL NO ESTADO DE RONDÔNIA

ESTUDO DA VIABILIDADE DO APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL NO ESTADO DE RONDÔNIA ISSN 1984-9354 ESTUDO DA VIABILIDADE DO APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL NO ESTADO DE RONDÔNIA Sérgio Luiz Souza Nazário (UNESC) Natália Sanchez Molina (UNESC) Rafael Germano Pires (UNESC) Débora Pereira

Leia mais

Água, fonte de vida. Aula 1 Água para todos. Rio 2016 Versão 1.0

Água, fonte de vida. Aula 1 Água para todos. Rio 2016 Versão 1.0 Água, fonte de vida Aula 1 Água para todos Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Analisar a quantidade de água potável disponível em nosso planeta 2 Identificar os diferentes estados da água 3 Conhecer o ciclo

Leia mais

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS UFPR Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências da Saúde Departamento de Saude Comunitária ABASTECIMENTO DE ÁGUA Profª. Eliane Carneiro Gomes Departamento de Saúde Comunitária

Leia mais

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução O Projeto Granja São Roque de redução

Leia mais

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL MENDONÇA, Ana Maria Gonçalves Duarte. Universidade Federal de Campina Grande. E-mail: Ana.duartemendonca@gmail.com RESUMO

Leia mais

Avaliação Ambiental Estratégica em Instituições Financeiras Multilaterais

Avaliação Ambiental Estratégica em Instituições Financeiras Multilaterais Avaliação Ambiental Estratégica em Instituições Financeiras Multilaterais Garo Batmanian Banco Mundial Seminário Latino Americano de Avaliação Ambiental Estratégica Brasília, 28 de agosto de 2006 Estratégia

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA USO RACIONAL DA ÁGUA EM HORTAS COMUNITÁRIAS DE PENÁPOLIS

EDUCAÇÃO PARA USO RACIONAL DA ÁGUA EM HORTAS COMUNITÁRIAS DE PENÁPOLIS EDUCAÇÃO PARA USO RACIONAL DA ÁGUA EM HORTAS COMUNITÁRIAS DE PENÁPOLIS Silvia Mayumi Shinkai de Oliveira (1) Graduada em Administração Pública pela UNESP Araraquara (SP) e pós graduada (latu sensu) em

Leia mais

Conviver Rural Jaíba. Para se ter eficiência energética é preciso ter inteligência. Grandes resultados para os pequenos produtores do Jaíba.

Conviver Rural Jaíba. Para se ter eficiência energética é preciso ter inteligência. Grandes resultados para os pequenos produtores do Jaíba. Para se ter eficiência energética é preciso ter inteligência Desde 1998, por lei, toda distribuidora de energia precisa investir em ações que reduzam o desperdício de energia elétrica. Uma determinação

Leia mais

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Introdução Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de esgotos, especialmente

Leia mais

Resultado da enquete realizada no evento: "Impactos e Mudanças Climáticas"

Resultado da enquete realizada no evento: Impactos e Mudanças Climáticas Resultado da enquete realizada no evento: "Impactos e Mudanças Climáticas" Obs.: a numeração entre parênteses representa a quantidade de referências a mesma afirmação. De que forma impacto nas mudanças

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

PROPOSTA REFERENTE AO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE ANÁLISE SANITÁRIA

PROPOSTA REFERENTE AO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE ANÁLISE SANITÁRIA PROPOSTA REFERENTE AO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE ANÁLISE SANITÁRIA 1- DO CURSO O Curso de Especialização em Gestão em Análise Sanitária destina-se a profissionais com curso superior em áreas correlatas

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE USO RACIONAL DA ÁGUA NO CAMPUS DO CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PARTE 05

IMPLANTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE USO RACIONAL DA ÁGUA NO CAMPUS DO CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PARTE 05 IMPLANTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE USO RACIONAL DA ÁGUA NO CAMPUS DO CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PARTE 05 Doalcey A. Ramos, Centro de Ciências Tecnológicas, doalcey@joinville.udesc.br

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

Jovens cuidando do Brasil

Jovens cuidando do Brasil ação constitui uma parte da política dos três R reduzir, reutilizar e reciclar, depreende-se a necessidade de um trabalho com lixo que se inicie com uma revisão crítica dos hábitos e padrões de consumo.

Leia mais

Pós-graduando em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP. Pós-graduanda em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP

Pós-graduando em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP. Pós-graduanda em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PREVENÇÃO E RECUPERAÇÃO DE IMPACTOS CAUSADOS PELA POLUIÇÃO DAS ÁGUAS DA REPRESA DE FURNAS NO ENTORNO DO MUNICÍPIO DE ALFENAS-MG FÁBIO VIEIRA MARTINS Pós-graduando

Leia mais

A água nossa de cada dia

A água nossa de cada dia A água nossa de cada dia Marco Antonio Ferreira Gomes* Foto: Eliana Lima Considerações gerais A água é o constituinte mais característico e peculiar do Planeta Terra. Ingrediente essencial à vida, a água

Leia mais

Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de. Antônio Malard FEAM 09/06/2015

Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de. Antônio Malard FEAM 09/06/2015 Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de Reuso de Água Antônio Malard FEAM 09/06/2015 Sumário Legislações de Reuso; Consumo de Água na Indústria; Experiências de Sucesso: Banco de Boas Práticas Ambientais;

Leia mais

SUSTENTABILIDADE EM UMA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA

SUSTENTABILIDADE EM UMA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA SUSTENTABILIDADE EM UMA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA Fabíola Santos Silva 1 Márcio Santos Godinho 1 Sara Floriano 1 Vivian Alves de Lima 1 Akira Yoshinaga 2 Helio Rubens Jacintho Pereira Junior 2 RESUMO Este trabalho

Leia mais

Disciplina: Ciências Professor(a): Klícia Regateiro Série: 6º ano. Água

Disciplina: Ciências Professor(a): Klícia Regateiro Série: 6º ano. Água Disciplina: Ciências Professor(a): Klícia Regateiro Série: 6º ano Água Água é vida A água é para o Homem, para os animais e para as plantas um elemento de primeira necessidade, É essencial à vida! É indispensável

Leia mais

PRO INFANTIL PROGRAMA DE FORMAÇÃO INICIAL PARA PROFESSORES EM EXERCÍCIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PRO INFANTIL PROGRAMA DE FORMAÇÃO INICIAL PARA PROFESSORES EM EXERCÍCIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PRO INFANTIL PROGRAMA DE FORMAÇÃO INICIAL PARA PROFESSORES EM EXERCÍCIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO PARA CONSERVAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL CASOS DA EDUCAÇÃO INFANTIL NA BAHIA

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE DO USO DE CISTERNAS EM ASSENTAMENTO RURAL NO MUNICÍPIO DE VÁRZEA-PB

ESTUDO DA VIABILIDADE DO USO DE CISTERNAS EM ASSENTAMENTO RURAL NO MUNICÍPIO DE VÁRZEA-PB ESTUDO DA VIABILIDADE DO USO DE CISTERNAS EM ASSENTAMENTO RURAL NO MUNICÍPIO DE VÁRZEA-PB Jackson Silva Nóbrega 1 ; Francisco de Assis da Silva 1 ; Marcio Santos da Silva 2 ; Maria Tatiane Leonardo Chaves

Leia mais

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA Prof. Dr. Eng. Civil Adilson Pinheiro Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental Departamento de Engenharia Civil UNIVERSIDADE

Leia mais

COMBUSTÍVEIS BIOCOMBUSTÍVEIS: EVOLUÇÃO ENERGÉTICA, COMPOSIÇÃO E IMPACTOS AMBIENTAIS.

COMBUSTÍVEIS BIOCOMBUSTÍVEIS: EVOLUÇÃO ENERGÉTICA, COMPOSIÇÃO E IMPACTOS AMBIENTAIS. COMBUSTÍVEIS BIOCOMBUSTÍVEIS: EVOLUÇÃO ENERGÉTICA, COMPOSIÇÃO E IMPACTOS AMBIENTAIS. Ana L. B. Silva 1 (analuciasilva36@hotmail.com); Aquila B. do Rosario² (aquilabueno@gmail.com); Hevelyn L. Avila³ (hevelyn-avila@hotmail.com);carine

Leia mais

GOVERNO MUNICIPAL DE SANTA MARIA DE JETIBÁ

GOVERNO MUNICIPAL DE SANTA MARIA DE JETIBÁ GOVERNO MUNICIPAL DE SANTA MARIA DE JETIBÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Santa Maria de Jetibá ES 2015 Somos responsáveis Por aquilo que fazemos e Por aquilo que impedimos de ser feito. Albert Camus

Leia mais

Unidade 2 Água: substância vital

Unidade 2 Água: substância vital Sugestões de atividades Unidade 2 Água: substância vital 6 CIÊNCIAS Estados físicos da água 1. Como ocorre o processo de formação das nuvens? 2. A água pode ser encontrada nos diferentes estados físicos

Leia mais