Um Mundo Uma Promessa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Um Mundo Uma Promessa"

Transcrição

1 Um Mundo Uma Promessa escutismo.pt 1 PORQUÊ CELEBRAR O CENTENÁRIO DO ESCUTISMO? 2 Milhões de pessoas da maior parte dos países e das culturas do mundo aderiram à Promessa e à Lei do Escuteiro não é apenas um olhar sobre o passado. É sobretudo a entrada num novo século do Escutismo. O 100º aniversário do Escutismo deverá proporcionar o seu desenvolvimento. Queremos preparar o futuro, melhorar o impacte do Escutismo, para benefício de um maior número de jovens, das suas famílias, da Igreja e da sociedade em geral.

2 Eixos estratégicos das celebrações do Centenário do Escutismo - Proporcionar um melhor conhecimento do Escutismo, à população em geral. - Reforçar a unidade do Escutismo na diversidade cultural. - Promover a melhoria da qualidade da prática do Escutismo. -Promover a Paz. - Promover o diálogo inter-religioso. - Demonstrar o contributo do Escutismo no Ambiente. - Associar as comunidades. 3 Relação entre a tradicional Flor de Lis e a oferta de paz: com o sol, vai crescendo em direcção a um futuro promissor. 100 Cem anos 2007 Centenário Insígnia mundial escutista 4

3 Um mundo Uma promessa O novo mundo surge no horizonte e os jovens vêm um futuro promissor e uma grande oportunidade para viver os seus sonhos Anos de Escutismo escuteiros (1 país) milhões de escuteiros (216 países e territórios) 6

4 Celebrar 100 anos de Escutismo: Presentes para a Paz Junta-te ao Centenário Amanhecer do Movimento Escutista 7 Presentes para a Paz Satisfazer 4 critérios: atender necessidades reais e produzir diferença onde aplicados serem importantes para os jovens 8 serem extensivos a pessoas/grupos que não trabalham no Movimento adoptarem formas diversas e apoiarem-se nos projectos já realizados

5 Presentes para a Paz Três áreas de trabalho: Criação de um mundo mais pacífico Enfrentar os preconceitos Estimular uma maior solidariedade 9 Presentes para a Paz Os resultados dos projectos serão examinados, promovidos e divulgados. 10

6 Presentes para a Paz EXEMPLOS: Escuteiros de El Salvador promovem a paz entre escolas rivais Escuteiros de África ajudam refugiados, órfãos e educação de crianças Escuteiros alemães, franceses e bósnios trabalham em conjunto num projecto de paz e reconciliação 11 Amanhecer do Movimento Escutista 1 de Agosto de 2007 AURORA DE UM NOVO SÉCULO 12

7 Amanhecer do Movimento Escutista Todas as associações realizam actividades. O CNE incentiva celebrações locais, para além do ACANAC e do Jamboree Mundial. 13 Actividades Mundiais 14 Evento mundial da Conferência Internacional Católica do Escutismo - Caminhos da Justiça para a Paz De 9 a 15 de Abril de 2007, em Santiago de Compostela - Espanha. XXI Jamboree Mundial De 27 de Julho a 8 de Agosto de 2007, em Hylands Park (Inglaterra). Comemoração do Centenário, na Ilha de Brownsea. Congresso Internacional, em Genebra, 7 a 9 de Dezembro de 2007.

8 Acções Peregrinação Nacional a Fátima F Lançamento das iniciativas do centenário do Escutismo, reuniu mais de escuteiros em 25 e 26 de Março de 2006, com transmissão televisiva directa da missa de encerramento. Oferta de insígnias mundiais comemorativas do centenário às associações escutistas dos países africanos lusófonos e de Timor. 15 Acções Fórum Nacional de Chefes de Agrupamento Em 9 e 10 de Dezembro de 2006, em Fátima, subordinado ao tema «Missão Educativa na Comunidade»; uma reflexão sobre o papel do principal responsável ao nível local pela qualidade do Escutismo e da unidade-base do CNE na comunidade. Fórum Nacional de Dirigentes e Caminheiros Em 10 e 11 de Fevereiro de 2007, em Fátima, para debater estratégias futuras do CNE, com a participação do Secretário-geral Mundial do Escutismo. 16

9 Acções 21º Acampamento Nacional De 31 de Julho a 6 de Agosto de 2007, no Centro Nacional de Actividades Escutistas do CNE, em Idanha-a-Nova, reunirá milhares de escuteiros portugueses e de outros países convidados, com destaque para os lusófonos, subordinado ao mesmo tema do acampamento mundial, integrado no espírito do Jamboree-para-todos Acções «Brownsea 2007» - Uma actividade velocipédica, em Julho/Agosto, para ligar a cidade-berço do CNE, Braga, à ilha-berço do Escutismo, Brownsea, e depois ao Jamboree Mundial, celebrando no seu decurso o Amanhecer do Escutismo. Características Essenciais do Escutismo Tradução e publicação como separata da revista Flor de Lis (tiragem de exemplares), deste texto fundamental elaborado pelo Bureau Mundial do Escutismo

10 Acções Inauguração de ruas e lugares alusivos ao Escutismo. PEP - Plano Estratégico Participativo, um instrumento decisivo para o desenvolvimento do CNE. Inauguração do Centro Nacional de Actividades Escutistas Em 29 de Julho de 2007, em Idanha-a-Nova. 19 Acções Homenagem ao Chefe Manuel Faria, personalidade marcante do CNE - em Fraião, Braga, com a participação do presidente da Conferência Episcopal Portuguesa. Elaboração de manuais de formação para Dirigentes ferramenta de extrema importância no processo da formação. 20

11 Acções Edição de selos comemorativos do centenário do Escutismo e dos 150 anos do nascimento de Baden-Powell, Edição Europa 2007, assegurada pelos CTT (Correios de Portugal); uma promoção da Federação Escutista de Portugal (CNE + AEP). Edição de moeda de prata de 5 Euros comemorativa do centenário do Escutismo, assegurada pela Imprensa Nacional Casa da Moeda; uma promoção da Federação Escutista de Portugal (CNE + AEP). 21 Acções Estudo sociológico sobre o CNE, em parceria com a Universidade Fernando Pessoa, do Porto. Edição de um livro sobre a história do CNE, de João Vasco Reys, com prefácio do bispo D. Manuel Clemente. Edição especial em português do «Escutismo para Rapazes», de Robert Baden-Powell, fundador do Escutismo, um dos livros mais traduzidos em todo mundo. 22

12 Acções Luz de Belém Adesão do CNE a esta iniciativa internacional que se realiza de 10 a 25 de Dezembro de Jamboree no Ar (Jota) e Jamboree na Internet (Joti) em 20 e 21 de Outubro de Os Agrupamentos e as suas Unidades são, essencialmente, o local de vida da proposta escutista. O Centenário do Escutismo é uma excelente oportunidade para salientar a utilidade do método escutista. Assim, os Agrupamentos são os principais intervenientes, devendo associar os amigos do Escutismo. 24

13 Acções a desenvolver nos Agrupamentos 25 - Encontro com antigos membros do CNE; - Amanhecer do Escutismo, no dia 1 de Agosto; - Exposição sobre o Escutismo; - Luz de Belém; - Inauguração de ruas e lugares alusivos ao Escutismo; - Presentes para a Paz; - Junta-te ao Centenário. As celebrações do Centenário do Escutismo são uma importante causa mobilizadora dos escuteiros do CNE. escutismo.pt Estas celebrações são transversais a todo o CNE. Este programa de celebrações do Centenário do Escutismo resulta do Plano Plurianual e do Plano para 2007, aprovados pelo Conselho Nacional Para pedidos de esclarecimento e sugestões, contactar ou através do telemóvel

2011. Ano Europeu do Voluntariado

2011. Ano Europeu do Voluntariado 2011. Ano Europeu do Voluntariado Projecto de Celebração Enquadramento A Comissão Europeia proclamou o ano de 2011 como Ano Europeu para o Voluntariado. No ano escutista de 2010/2011, o Corpo Nacional

Leia mais

Boletim Electrónico de Informação do Corpo Nacional de Escutas - Escutismo Católico Português (Edição de 13/10/2006)

Boletim Electrónico de Informação do Corpo Nacional de Escutas - Escutismo Católico Português (Edição de 13/10/2006) Notíci@s 050 Boletim Electrónico de Informação do Corpo Nacional de Escutas - Escutismo Católico Português (Edição de 13/10/2006) Secretaria Nacional para o Desenvolvimento Departamento Nacional de Radioescutismo

Leia mais

Corpo Nacional de Escutas. Agrupamento 1233 Almalaguês

Corpo Nacional de Escutas. Agrupamento 1233 Almalaguês Corpo Nacional de Escutas Agrupamento 1233 Almalaguês Paulo Pinto Ilídio Dionísio Duarte Fachada João Rosado Idalina Rosa João Rosado Paulo Pinto Renato Rosa Alberto Dionísio Duarte Fachada Ilídio Dionísio

Leia mais

CORPO NACIONAL ESCUTAS AGRUPAMENTO Nº 990. Plano de Actividades / Orçamento VIANA DO CASTELO. Página 1 de 9

CORPO NACIONAL ESCUTAS AGRUPAMENTO Nº 990. Plano de Actividades / Orçamento VIANA DO CASTELO. Página 1 de 9 CORPO NACIONAL ESCUTAS AGRUPAMENTO Nº 990 ESCUTISMO CATÓLICO PORTUGUÊS 2014 Plano de Actividades / Orçamento VIANA DO CASTELO Página 1 de 9 1 - OBJECTIVOS O Corpo Nacional de Escutas é uma associação de

Leia mais

Caros Irmãos Escutas,

Caros Irmãos Escutas, Circular 10-1-107 de 05 de Novembro De: Para: Assunto: Data: Secretário Nacional Pedagógico JJRR, JJNN, Agrupamentos Ano Europeu do Voluntariado 2001 05 de Novembro de 2010 Caros Irmãos Escutas, Em 2009,

Leia mais

DEFINIÇÃO, ATIVIDADE E FINALIDADES

DEFINIÇÃO, ATIVIDADE E FINALIDADES NORMAS Artigo 1º DEFINIÇÃO, ATIVIDADE E FINALIDADES a) O Corpo Nacional de Escutas Escutismo Católico Português promove, para as Secções de Lobitos, Exploradores e Moços, Pioneiros e Marinheiros, Caminheiros

Leia mais

Caros Dirigentes, Para informações por favor contactem o endereço: Com as melhores saudações escutistas, De:

Caros Dirigentes, Para informações por favor contactem o endereço: Com as melhores saudações escutistas, De: De: Para: Assunto: Chefia do XXIII ACANAC Agrupamentos, Juntas de Núcleo e Juntas Regionais Normas do XXIII ACANAC Data: 15-06-2016 Circular: XXIIIACANAC-001 Caros Dirigentes, Vimos por este meio divulgar

Leia mais

Boletim Electrónico de Informação. do Corpo Nacional de Escutas - Escutismo Católico Português. (Edição de 24/09/2008)

Boletim Electrónico de Informação. do Corpo Nacional de Escutas - Escutismo Católico Português. (Edição de 24/09/2008) Notíci@s091 Boletim Electrónico de Informação do Corpo Nacional de Escutas - Escutismo Católico Português (Edição de 24/09/2008) JUNTA CENTRAL Seminário "CNE - Que Futuro?" As inscrições para o Seminário

Leia mais

Corpo Nacional de Escutas Escutismo Católico Português

Corpo Nacional de Escutas Escutismo Católico Português Corpo Nacional de Escutas Escutismo Católico Português Agrupamento 348 Meadela INTRODUÇÃO Em direção ao alto Durante os últimos dois anos, o Corpo Nacional de Escutas (CNE) integrou o tema Somos um que

Leia mais

Plano de. Atividades do. Agrupamento 787. de Vitorino dos Piães

Plano de. Atividades do. Agrupamento 787. de Vitorino dos Piães Plano de Atividades do Agrupamento 787 de Vitorino dos Piães 2013-2014 Inserido no tema: Sentinelas da manhã 1. Introdução O Plano de Atividades é um documento de elaboração necessária para que possa ser

Leia mais

Projecto Jovens anos

Projecto Jovens anos Projecto Jovens 18-24 anos Introdução Os jovens 18/24 anos - constituem o grupo etário com maior índice de sinistralidade rodoviária. Na realidade, constituíram entre 2003 e 2007, 16.0% dos mortos e 18.7%

Leia mais

Relatório e Contas de 2006 (Junta Central)

Relatório e Contas de 2006 (Junta Central) Corpo Nacional de Escutas Escutismo Católico Português Mesa dos Conselhos Nacionais 1/1 CNP de 26 e 27 de Maio de 2007 3. Relatório e Contas de 2006 Relatório e Contas de 2006 (Junta Central) Mesa dos

Leia mais

Metinaro. 26 de Setembro

Metinaro. 26 de Setembro Breves Palavras de Sua Excelência o Presidente do Parlamento Nacional, Vicente da Silva Guterres, em representação de Sua Excelência o Presidente da República Democrática de Timor- Leste, por ocasião da

Leia mais

Índice. Equipa de Animação 3. Objectivos 3. Objectivos 2008/ Calendário de actividades 8

Índice. Equipa de Animação 3. Objectivos 3. Objectivos 2008/ Calendário de actividades 8 Índice Equipa de Animação 3 Objectivos 3 Objectivos 2008/2009 4 Calendário de actividades 8 2 Equipa de Animação Chefe de Unidade: Maria Ester Gomes Pereira CIL: Fernanda Cristina Araújo Ferraz CI: João

Leia mais

A FNA sua Missão e Fins

A FNA sua Missão e Fins A FNA sua Missão e Fins A missão da FNA é a promoção do espírito da Promessa e da Lei Escutista, baseada nos Princípios do Escutismo Católico. Pelo desenvolvimento pessoal continuado, pelo serviço à comunidade.

Leia mais

NÓS NO MUNDO MOVIMENTO ESCUTISTA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL CONFERÊNCIAS COMITÉS BUREAUX REGIÕES CICE ESCUTISMO LUSÓFONO GRUPO DE LISBOA

NÓS NO MUNDO MOVIMENTO ESCUTISTA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL CONFERÊNCIAS COMITÉS BUREAUX REGIÕES CICE ESCUTISMO LUSÓFONO GRUPO DE LISBOA NÓS NO MUNDO MOVIMENTO ESCUTISTA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL CONFERÊNCIAS COMITÉS BUREAUX REGIÕES CICE ESCUTISMO LUSÓFONO GRUPO DE LISBOA O idoc é uma publicação sobre assuntos que visam contribuir para uma melhor

Leia mais

RESUMO DOS TRABALHOS FÓRUM DE JOVENS ESCUTEIROS EUROPA/ ÁFRICA PAÍSES OFICIAIS DE LINGUA PORTUGUESA

RESUMO DOS TRABALHOS FÓRUM DE JOVENS ESCUTEIROS EUROPA/ ÁFRICA PAÍSES OFICIAIS DE LINGUA PORTUGUESA RESUMO DOS TRABALHOS FÓRUM DE JOVENS ESCUTEIROS EUROPA/ ÁFRICA PAÍSES OFICIAIS DE LINGUA PORTUGUESA 4 A 12 DE JULHO DE 2010 PRAIA CABO VERDE 1 INTRODUÇÃO O presente documento pretende fazer uma síntese

Leia mais

BREVE CRONOLOGIA DO ESCUTISMO NO MUNDO E EM PORTUGAL (nota que os assinalados a bold são relativos a Portugal)

BREVE CRONOLOGIA DO ESCUTISMO NO MUNDO E EM PORTUGAL (nota que os assinalados a bold são relativos a Portugal) BREVE CRONOLOGIA DO ESCUTISMO NO MUNDO E EM PORTUGAL (nota que os assinalados a bold são relativos a Portugal) 1857- (22 de Fevereiro) - nasce B.P. em Londres; 1893/1898- Robert Baden-Powell, oficial do

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2010/2011

PLANO DE ACTIVIDADES 2010/2011 PLANO DE ACTIVIDADES 2010/2011 O Plano Anual de Actividades deve ser entendido como o instrumento da planificação das actividades es, para um ano lectivo, no qual estão plasmadas as decisões sobre os objectivos

Leia mais

ATIVIDADE ESCUTISTA INTERNACIONAL MULTICULTURALIDADE APRENDIZAGEM GEOGRAFIA INTENCIONALIDADE DESAFIO EXPERIÊNCIA INTERAÇÃO

ATIVIDADE ESCUTISTA INTERNACIONAL MULTICULTURALIDADE APRENDIZAGEM GEOGRAFIA INTENCIONALIDADE DESAFIO EXPERIÊNCIA INTERAÇÃO ATIVIDADE ESCUTISTA INTERNACIONAL MULTICULTURALIDADE APRENDIZAGEM GEOGRAFIA INTENCIONALIDADE DESAFIO EXPERIÊNCIA INTERAÇÃO O idoc é uma publicação sobre assuntos que visam contribuir para uma melhor vivência

Leia mais

III ACAMPAMENTO DE NÚCLEO NÚCLEO TERRAS DE SANTA MARIA REGIÃO DO PORTO

III ACAMPAMENTO DE NÚCLEO NÚCLEO TERRAS DE SANTA MARIA REGIÃO DO PORTO REGULAMENTO Preâmbulo O III Acampamento do Núcleo Terras de Santa Maria, Região do Porto, CNE, é uma atividade da responsabilidade do Corpo Nacional de Escutas Junta Núcleo Terras de Santa Maria, com a

Leia mais

5º ACAMPAMENTO REGIONAL ACAREG 2015 VIANA DO CASTELO

5º ACAMPAMENTO REGIONAL ACAREG 2015 VIANA DO CASTELO 5º ACAMPAMENTO REGIONAL ACAREG 2015 VIANA DO CASTELO REGULAMENTO GERAL I FINALIDADES Artigo 1º A realização do V Acampamento Regional de Viana do Castelo (ACAREG 2015), orienta-se pelas seguintes finalidades:

Leia mais

- Explicar os factores de sucesso do Método Escutista.

- Explicar os factores de sucesso do Método Escutista. O Jogo Escutista Objectivos - Explicar os factores de sucesso do Método Escutista. - Explicar o que é o Jogo Escutista e o que o caracteriza. - Enunciar os seis elementos fundamentais do jogo escutista

Leia mais

JANEIRO EXTERNATO DO PARQUE PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2013/2014. Local. Data Ações a desenvolver Turmas envolvidas 6 jan. Início do 2º período

JANEIRO EXTERNATO DO PARQUE PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2013/2014. Local. Data Ações a desenvolver Turmas envolvidas 6 jan. Início do 2º período JANEIRO Turmas envolvidas 6 jan. Início do 2º período Receção dos alunos e diálogo sobre as férias de Natal Elaboração de um texto sobre as mesmas Prof./Educ. e Responsáveis Dia de Reis Comemoração desta

Leia mais

RENOVAÇÃO DA ACÇÃO PEDAGÓGICA e TÉCNICA ESCUTISTA

RENOVAÇÃO DA ACÇÃO PEDAGÓGICA e TÉCNICA ESCUTISTA RENOVAÇÃO DA ACÇÃO PEDAGÓGICA e TÉCNICA ESCUTISTA Alguns mal entendidos têm circulado em torno da Técnica Escutista e de uma sua pretensa ausência no Programa Educativo resultante do processo de Renovação

Leia mais

Vitor Manuel de Oliveira Faria

Vitor Manuel de Oliveira Faria Vitor Manuel de Oliveira Faria Nasceu em Lisboa, 12 de fevereiro de 1947 Entrou para o Agrupamento 55 Amadora Região de Lisboa, no inicio de 1960. Fez a promessa de explorador, desempenhando o cargo de

Leia mais

PARCERIAS. Pág 1. Relação de colaboração entre duas ou mais pessoas com vista à realização de um objectivo comum.

PARCERIAS. Pág 1. Relação de colaboração entre duas ou mais pessoas com vista à realização de um objectivo comum. PARCERIAS OBJECTIVOS COLABORAÇÃO CO-RESPONSABILIDADE APRENDIZAGEM COOPERAÇÃO Parceria: Relação de colaboração entre duas ou mais pessoas com vista à realização de um objectivo comum. Parceria no Escutismo

Leia mais

A MISSÃO E FINALIDADES DO ESCUTISMO. 14º CIP Oriental Casa do Gaiato

A MISSÃO E FINALIDADES DO ESCUTISMO. 14º CIP Oriental Casa do Gaiato A MISSÃO E FINALIDADES DO ESCUTISMO 14º CIP Oriental Casa do Gaiato Objectivos da UF Explicar a Missão do Escutismo Descrever os princípios fundamentais do Escutismo Explicar de que modo se vivem na Unidade

Leia mais

Pacote de Atividades para as Associações Escutistas

Pacote de Atividades para as Associações Escutistas Pacote de Atividades para as Associações Escutistas Introdução Este pacote de atividades tem por objetivo inspirar as Associações Escutistas à celebração do Centenário do Lobitismo e ao fortalecimento

Leia mais

Plano de Acção

Plano de Acção - 2 - Nota Prévia A Rede Social afirmou-se ao longo da sua criação como uma medida inovadora e com capacidade de produzir alterações positivas na intervenção social. Esta medida assumiu-se, desde início,

Leia mais

Metodologia do Projecto

Metodologia do Projecto Metodologia do Projecto Índice 1. O Método 2. As Actividades 3. O Projecto 4. Fases da Metodologia do Projecto 5. Papel do Dirigente 6. Notas soltas 1. O Método Escutista Fonte: Escutismo: um sistema educativo,

Leia mais

I (Comunicações) CONSELHO

I (Comunicações) CONSELHO I (Comunicações) CONSELHO Resolução do Conselho e dos Representantes dos Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, sobre o reconhecimento do valor da aprendizagem não formal e informal no domínio

Leia mais

FREGUESIA DE RAMALDE. Comissão do Centenário da Republica Freguesia de Ramalde

FREGUESIA DE RAMALDE. Comissão do Centenário da Republica Freguesia de Ramalde CENTENÁRIO DA REPUBLICA 1910 2010 FREGUESIA DE RAMALDE MANIFESTO A República Portuguesa atinge o 1º século de vida. Os seus representantes preparam, como não podia deixar de ser, uma gala, que será dominada

Leia mais

INSTITUTO DE FORMAÇÃO PARA O COMÉRCIO, TURISMO E SERVIÇOS

INSTITUTO DE FORMAÇÃO PARA O COMÉRCIO, TURISMO E SERVIÇOS INSTITUTO DE FORMAÇÃO PARA O COMÉRCIO, TURISMO E SERVIÇOS ACTO FUNDACIONAL Acordo entre a: Associação Comercial de Braga Comércio, Turismo e Serviços; Casa Santos de Vila Verde; Instituto de Negociação

Leia mais

Comemorações em Portugal dos 50 anos da assinatura dos Tratados de Roma 25 de Março de 2007

Comemorações em Portugal dos 50 anos da assinatura dos Tratados de Roma 25 de Março de 2007 S. R. Comemorações em Portugal dos 50 anos da assinatura dos Tratados de Roma 25 de Março de 2007 Lisboa, 12 de Março de 2007 No âmbito das comemorações dos 50 anos da assinatura dos Tratados de Roma,

Leia mais

Caros Irmãos Escutas,

Caros Irmãos Escutas, Circular 10-1-048 de 06 de Abril De: Para: Assunto: Data: Secretário Nacional Pedagógico JJRR, JJNN, Agrupamentos, Mesas dos Conselhos Nacional, Regionais e Núcleo, Formadores Acções de Formação Membros

Leia mais

II Conferência do Turismo e Hotelaria O Turismo em Portugal após 2009 [Oportunidades e Desafios]

II Conferência do Turismo e Hotelaria O Turismo em Portugal após 2009 [Oportunidades e Desafios] II Conferência do Turismo e Hotelaria O Turismo em Portugal após 2009 [Oportunidades e Desafios] Painel: Como é que os destinos turísticos se estão a preparar? O caso do Destino Douro Porto, 18 de Junho

Leia mais

CURRICULUM VITAE Licenciatura em Sociologia, realizada na Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, com média final de 15 valores.

CURRICULUM VITAE Licenciatura em Sociologia, realizada na Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, com média final de 15 valores. CURRICULUM VITAE ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO Mónica Catarina do Adro Lopes Nacionalidade: Portuguesa Naturalidade: Leiria B.I: 11580295 Contribuinte: 214859487 Data de nascimento: 02/12/78 Estado civil:

Leia mais

Observatório. do Turismo. Cabo Verde

Observatório. do Turismo. Cabo Verde Observatório do Turismo Cabo Verde Emanuel Almeida, Beja, 03 de Maio 2012 Agenda I. CABO VERDE E O SECTOR DO TURISMO 1. Importância do Turismo 2. Estatísticas do Turismo em CV II. OBSERVATÓRIO DO TURISMO

Leia mais

MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ DEPARTAMENTO DE CULTURA, EDUCAÇÃO E ACÇÃO SOCIAL. Divisão de Cultura, Museu, Biblioteca e Arquivos

MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ DEPARTAMENTO DE CULTURA, EDUCAÇÃO E ACÇÃO SOCIAL. Divisão de Cultura, Museu, Biblioteca e Arquivos 1 de Junho Comemorações do Dia Mundial da Criança Integrado na Parceria cultural estabelecida entre Município da Figueira da Foz e o INTEP- Instituto Tecnológico e Profissional da Figueira da Foz, um grupo

Leia mais

Fórum Concelhio Para a Promoção da Saúde

Fórum Concelhio Para a Promoção da Saúde Fórum Concelhio Para a Promoção da Saúde CASCAIS SAUDÁVEL 1. Contexto SÓCIO-POLÍTICO: Saúde na ordem do dia Envelhecimento da população Sustentabilidade do SNS Transferência de competências para as Autarquias

Leia mais

COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE VISEU

COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE VISEU COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE VISEU ANO EUROPEU DA IGUALDADE DE OPORTUNIDADE PARA TODOS Projecto de Actividades para Alunos do 1º CEB VISEU, 2007 INDICE Introdução:...3 Objectivos:...3

Leia mais

APPASSI. Associação Portuguesa para o Serviço Social Internacional (Instituição particular de solidariedade social) PLANO DE A C CÃO PARA 2O17

APPASSI. Associação Portuguesa para o Serviço Social Internacional (Instituição particular de solidariedade social) PLANO DE A C CÃO PARA 2O17 Associação Portuguesa para o Serviço Social Internacional (Instituição particular de solidariedade social) PLANO DE A C CÃO PARA 2O17 ÍNDICE Introdução Enquadramento 1 Estrutura e Organização Interna 2

Leia mais

REGULAMENTO ACAREG 2016

REGULAMENTO ACAREG 2016 REGULAMENTO ACAREG 2016 ARTIGO 1º FINALIDADES A Junta Regional de Braga do Corpo Nacional de Escutas Escutismo Católico Português promove, de 1 a 7 de agosto de 2016, o ACAMPAMENTO REGIONAL DE BRAGA (adiante

Leia mais

Apresentação: Objecto social: Visão, Missão e valores:

Apresentação: Objecto social: Visão, Missão e valores: Apresentação: A RUTIS (Associação Rede de Universidades da Terceira Idade) é uma Instituição Particular de Solidariedade Social e de Utilidade Pública de apoio à comunidade e aos seniores, de âmbito nacional

Leia mais

GUIADOS PELA ESPERANÇA Vivemos a missão de sermos trabalhadores da messe.

GUIADOS PELA ESPERANÇA Vivemos a missão de sermos trabalhadores da messe. 1 João Paulo II tinha uma missão, evangelizar o mundo através das suas viagens levando a boa nova aos confins da terra. Portugal fez parte da sua missão evangelizadora, e aos jovens de Portugal falou assim:

Leia mais

O que é a União Europeia (UE)?

O que é a União Europeia (UE)? O que é a União Europeia (UE)? 28 Estados-Membros Mais de 500 milhões de habitantes Atuais candidatos à adesão à UE: Albânia, antiga República Iugoslava da Macedônia, Montenegro, Sérvia e Turquia Tratados

Leia mais

Esta comunidade pretende levar a cabo várias iniciativas nomeadamente:

Esta comunidade pretende levar a cabo várias iniciativas nomeadamente: z 1 VISÃO PEDAGÓGICA DA INSÍGNIA DA LUSOFONIA A Insígnia da Lusofonia renasce no âmbito das comemorações dos 20 anos da CEL e visa promover o conhecimento, a relação de proximidade e o intercâmbio entre

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO, DO ANO DE 2005

PLANO DE ACÇÃO, DO ANO DE 2005 PLANO DE ACÇÃO, DO ANO DE 2005 O ano de 2005 é o último ano de vigência do I Plano Estratégico para o Desenvolvimento da. Assim sendo, este Plano de Acção constitui, de certa forma, o encerrar de um ciclo

Leia mais

CULTURSOL Apresentação e Plano de Actividades 2010

CULTURSOL Apresentação e Plano de Actividades 2010 CULTURSOL Apresentação e Plano de Actividades 2010 I. APRESENTAÇÃO 2 Objectivos...2 Âmbito de Actuação..3 Projectos para 2010..4 II. PLANO DE ACTIVIDADES PARA 2010.. 5 Actividades de Intervenção Social

Leia mais

Plano e Orçamento 2015

Plano e Orçamento 2015 Plano e Orçamento 2015 a Oportunidade de celebrar Onde houver justiça, aí haverá sabedoria, e onde houver sabedoria, aí está o paraíso. Santo António 1 Introdução No presente ano apresentamos um projeto

Leia mais

COMEMORAÇÕES DO TERCEIRO CENTENÁRIO DO LANÇAMENTO DA 1ª PEDRA DA BASÍLICA DO PALÁCIO NACIONAL DE MAFRA

COMEMORAÇÕES DO TERCEIRO CENTENÁRIO DO LANÇAMENTO DA 1ª PEDRA DA BASÍLICA DO PALÁCIO NACIONAL DE MAFRA COMEMORAÇÕES DO TERCEIRO CENTENÁRIO DO LANÇAMENTO DA 1ª PEDRA DA BASÍLICA DO PALÁCIO NACIONAL DE MAFRA PRESS-RELEASE 2 Novembro 2016 O ano de 2017 é, como todos sabemos, um ano importante para o Palácio

Leia mais

Ficha de Inscrição. Agrupamento Silveira. Paróquia de Nossa Senhora do Amparo da Silveira

Ficha de Inscrição. Agrupamento Silveira. Paróquia de Nossa Senhora do Amparo da Silveira Nos agrupamentos do Corpo Nacional de Escutas, a admissão de um novo elemento (aspirante), é um compromisso celebrado entre o movimento escutista e a família do novo elemento. Válido enquanto seja de adesão

Leia mais

Projecto Vitalidade XXI. FIPA Federação das Indústrias Agro-Alimentares. Conclusões do estudo. A Indústria Alimentar e os Estilos de Vida Saudáveis

Projecto Vitalidade XXI. FIPA Federação das Indústrias Agro-Alimentares. Conclusões do estudo. A Indústria Alimentar e os Estilos de Vida Saudáveis Projecto Vitalidade XXI FIPA Federação das Indústrias Agro-Alimentares Conclusões do estudo A Indústria Alimentar e os Estilos de Vida Saudáveis A Percepção das Partes Interessadas e Apresentação dos compromissos

Leia mais

CALENDÁRIO GERAL DE ATIVIDADES PARA JANEIRO Oração

CALENDÁRIO GERAL DE ATIVIDADES PARA JANEIRO Oração CALENDÁRIO GERAL DE ATIVIDADES PARA 2014 AB Acampamento Baptista Departamento Feminino DH Departamento de Homens DJ Departamento da Juventude DM - Departamento de Missões Seminário Teológico Baptista DIR-CBP

Leia mais

CEVALOR. AEP Seminário. 02 de Abril de 2008 CEVALOR. Breves reflexões sobre a GRH

CEVALOR. AEP Seminário. 02 de Abril de 2008 CEVALOR. Breves reflexões sobre a GRH AEP Seminário 02 de Abril de 2008 Breves reflexões sobre a GRH - Programas de desenvolvimento dos recursos humanos não estão interligados com a estratégia - Recursos Humanos geridos como centros de custo

Leia mais

Introdução Página 2 A CPCJ de Boticas Página 3 Plano de Atividades Página 4

Introdução Página 2 A CPCJ de Boticas Página 3 Plano de Atividades Página 4 Índice Introdução Página 2 A CPCJ de Boticas Página 3 Plano de Atividades Página 4 Introdução O objetivo do Plano de Atividades da CPCJ de Boticas para 2016 é planear as atividades, procurando manter,

Leia mais

Comissão Nacional de Ciência e Tecnologia Combate à Desertificação

Comissão Nacional de Ciência e Tecnologia Combate à Desertificação Comissão Nacional de Ciência e Tecnologia Combate à Desertificação Maria José Roxo O papel do Comité de Ciência e Tecnologia Estabelecido pelo artigo 24 da Convenção Mandato e termos de referência adoptados

Leia mais

Auto-Regulação e Melhoria das Escolas. Auto-avaliação - uma PRIORIDADE. Auto-avaliação do Agrupamento de Escolas de Gil Vicente

Auto-Regulação e Melhoria das Escolas. Auto-avaliação - uma PRIORIDADE. Auto-avaliação do Agrupamento de Escolas de Gil Vicente Agrupamento de Escolas de Auto-Regulação e Melhoria das Escolas Auto-avaliação - uma PRIORIDADE Equipa de Avaliação Interna 2009/2010 1 Agrupamento de Escolas de Enquadramento legal Justificação Novo Paradigma

Leia mais

Casa de Saúde do Espírito Santo. Plano de Atividades da Equipa da Animação e Eventos do Centro 2015

Casa de Saúde do Espírito Santo. Plano de Atividades da Equipa da Animação e Eventos do Centro 2015 Casa de Saúde do Espírito Santo Plano de s da Equipa da Animação e Eventos do Centro 2015 Janeiro 1 11 29 Celebração do Mundial da Paz com eucaristia. Abertura do Ano Vocacional Hospitaleiro com celebração

Leia mais

À conversa com João Tordo

À conversa com João Tordo Agenda de Outubro À conversa com João Tordo 28 de Outubro 21h30 À Conversa com João Tordo Filho do cantor Fernando Tordo e de Isabel Branco, João Tordo nasceu em Lisboa em 1975, num ambiente artístico.

Leia mais

Setembro Dia Hora Actividade Local Aniversário da tomada de posse de D. António Moiteiro 14 15h-18h 19h

Setembro Dia Hora Actividade Local Aniversário da tomada de posse de D. António Moiteiro 14 15h-18h 19h Setembro 1 2 3 8 12 13 Aniversário da tomada de posse de D. António Moiteiro 1 h18h Formação para catequistas Missa de Aniversário da entrada de D. António Moiteiro na Diocese Fim dos horários de verão

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO DA REDE SOCIAL DE LISBOA ANO DE 2010 PRORROGAÇÃO PARA Aprovado em sede de CLAS a 04 de Julho de 2011

PLANO DE ACÇÃO DA REDE SOCIAL DE LISBOA ANO DE 2010 PRORROGAÇÃO PARA Aprovado em sede de CLAS a 04 de Julho de 2011 PLANO DE ACÇÃO DA REDE SOCIAL DE LISBOA ANO DE 2010 PRORROGAÇÃO PARA 2011 Aprovado em sede de CLAS a 04 de Julho de 2011 PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 PRORROGAÇÃO PARA 2011 OBJECTIVO ESTRATÉGICO OBJECTIVO ESPECÍFICO

Leia mais

Linhas Gerais do Cenáculo Regional ou de Núcleo

Linhas Gerais do Cenáculo Regional ou de Núcleo Cenáculo Fórum Nacional de Caminheiros e Companheiros Revisto pelo 8ºCiclo do Cenáculo Nacional Este documento deverá ser actualizado em futuros Ciclos do Cenáculo Nacional, para que se enquadre com o

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO SECRETARIA Serviço ou Organismo NIF FICHA DE AVALIAÇÃO PARA OS DIRIGENTES DE NÍVEL INTERMÉDIO A preencher pelo avaliador Avaliador Cargo NIF Avaliado Cargo Unidade orgânica NIF Período em avaliação a 1.

Leia mais

1/3 área natural. Área marítima 100x maior do que a terrestre

1/3 área natural. Área marítima 100x maior do que a terrestre 1/3 área natural Área marítima 100x maior do que a terrestre Área 97.100 km + 206.000 habitantes Estratégia de ação que fomente o Desenvolvimento Sustentável do Concelho AUTARQUIA COMUNIDADE ESTUDOS +

Leia mais

AGENDA TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DA ALFABETIZAÇÃO E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS. Plano de Estratégico de Educação de Jovens e Adultos

AGENDA TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DA ALFABETIZAÇÃO E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS. Plano de Estratégico de Educação de Jovens e Adultos AGENDA TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DA ALFABETIZAÇÃO E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Plano de Estratégico de Educação de Jovens e Adultos Vitória ES Março/2010 1.Apresentação A elaboração do

Leia mais

Regulamento Geral. 1. Introdução

Regulamento Geral. 1. Introdução Regulamento Geral 1. Introdução Na nossa qualidade de Jovens Escuteiros, não podemos perder de vista que somos Cristãos. Assim surgiu esta ideia de criar e organizar o FESCUT Festival Nacional da Canção

Leia mais

UGT BRAGA União Geral de Trabalhadores

UGT BRAGA União Geral de Trabalhadores RELATÓRIO DA ATIVIDADE SINDICAL ANO DE 2015 O Relatório e as Contas que o Secretariado submete à discussão e aprovação do Conselho Geral, reflete a atividade da UGT-BRAGA no decurso do exercício de 2015.

Leia mais

Muito bom dia a todos. Muito obrigado pela Vossa presença.

Muito bom dia a todos. Muito obrigado pela Vossa presença. Muito bom dia a todos. Muito obrigado pela Vossa presença. Senhor Vereador Dr. Jorge Alves, em representação do Senhor Presidente da Camara Municipal de Coimbra, demais entidades civis, e militares, caros

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO NO DOMÍNIO DA JUVENTUDE E DO DESPORTO

ACORDO DE COOPERAÇÃO NO DOMÍNIO DA JUVENTUDE E DO DESPORTO ACORDO DE COOPERAÇÃO NO DOMÍNIO DA JUVENTUDE E DO DESPORTO ----- ENTRE ----- A REPÚBLICA DE ANGOLA, A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, A REPÚBLICA DE CABO VERDE, A REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU, A REPÚBLICA

Leia mais

Rua do Pau de Bandeira, Lisboa Tel /8 Fax

Rua do Pau de Bandeira, Lisboa Tel /8 Fax Boletim informativo Edição especial n.º 2/2015 dezembro de 2015 PT Agenda do Provedor de Justiça 14 de outubro: O Provedor de Justiça promoveu o Seminário intitulado O pensamento contemporâneo e a condição

Leia mais

LIGA DOS BOMBEIROS PORTUGUESES CONFEDERAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES E CORPOS DE BOMBEIROS

LIGA DOS BOMBEIROS PORTUGUESES CONFEDERAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES E CORPOS DE BOMBEIROS LIGA DOS BOMBEIROS PORTUGUESES CONFEDERAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES E CORPOS DE BOMBEIROS Comendador da Ordem de Benemerência 1935 Membro Honorário da Ordem Militar de Cristo 1980 Membro Honorário da Ordem da

Leia mais

PortugalFoods - Pólo de Competitividade e Tecnologia Agro-Alimentar. ALTO MINHO Desafio Isabel Braga da Cruz

PortugalFoods - Pólo de Competitividade e Tecnologia Agro-Alimentar. ALTO MINHO Desafio Isabel Braga da Cruz PortugalFoods - Pólo de Competitividade e Tecnologia Agro-Alimentar ALTO MINHO Desafio 2020 Isabel Braga da Cruz Vila Nova de Cerveira, 19 de Abril 2012 O Pólo de Competitividade e Tecnologia Agro-Alimentar

Leia mais

Plano de atividades 3ª Idade - Janeiro a Agosto de 2017

Plano de atividades 3ª Idade - Janeiro a Agosto de 2017 Plano de atividades 3ª Idade - Janeiro a Agosto de 2017 Atividades Descrição Periodicidade Local Objetivos Recursos Humanos Comemoração dos aniversários dos utentes Realização de um lanche convivio, com

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES PLANO DE ATIVIDADES 2016/2017

PLANO DE ATIVIDADES PLANO DE ATIVIDADES 2016/2017 PLANO DE ATIVIDADES 2016/2017 O Plano Anual de Atividades deve ser entendido como o instrumento da planificação das Atividades escolares, para um ano letivo, no qual estão plasmadas as decisões sobre os

Leia mais

Regulamento Cidade do Vinho 2017

Regulamento Cidade do Vinho 2017 Regulamento Cidade do Vinho 2017 CIDADE DO VINHO 2017 REGULAMENTO DE PARTICIPAÇÃO A designação de "Cidade do Vinho" tem o objectivo de contribuir para valorizar a riqueza, a diversidade e as características

Leia mais

Plano de Actividades Ano lectivo 2008/2009 Tema: A aventura dos livros

Plano de Actividades Ano lectivo 2008/2009 Tema: A aventura dos livros Plano de Actividades Ano 2008/2009 Tema: A aventura dos livros 1 ACTIVIDADES DE ORGANIZAÇÃO Actividades Objectivos Intervenientes Calendarização Proceder à gestão de colecções. Organização e gestão do

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA Título da Posição: TECNICO DE PROMOÇÃO TURÍSTICA Duração: Local: Instituição: RENOVAÇÃO DEPENDENDO

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Aradas Trabalho Desenvolvido Equipa de Avaliação Interna

Agrupamento de Escolas de Aradas Trabalho Desenvolvido Equipa de Avaliação Interna AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARADAS Agrupamento de Escolas de Aradas Trabalho Desenvolvido Equipa de Avaliação Interna 2006-2013 Equipa de Avaliação Interna Página 1 [ES C R E V E R O E N D E R E Ç O D A

Leia mais

JUNTA REGIONAL DE LAMEGO. Plano de Actividades. e Orçamento

JUNTA REGIONAL DE LAMEGO. Plano de Actividades. e Orçamento JUNTA REGIONAL DE LAMEGO Plano de Actividades e Orçamento 2010 Índice INTRODUÇÃO... - 1 - OBJECTIVOS... - 2 - Objectivo Um... - 2 - Objectivo Dois... - 3 - Objectivo Três... - 4 - CALENDÁRIO DE ACTIVIDADES...

Leia mais

Estratégias para a Saúde

Estratégias para a Saúde Estratégias para a Saúde V.1) Cadernos do PNS Acções e Recomendações Promoção da Cidadania em Saúde (Versão Discussão) ESTRATÉGIAS PARA A SAÚDE V.1) CADERNOS DO PNS - ACÇÕES E RECOMENDAÇÕES PROMOÇÃO DA

Leia mais

Desempregado ou Inactivo? Empreende!

Desempregado ou Inactivo? Empreende! Desempregado ou Inactivo? Empreende! Apoios à criação do próprio emprego ou empresa António Realinho Vice-Presidente da ADRACES ENQUADRAMENTO A ADRACES é a Entidade Gestora do Grupo de Acção Local - GAL

Leia mais

Regulamento de Apoio a Iniciativas Regulares ou Pontuais, de Natureza Educativa, Desportiva, Recreativa, Cultural, Social e Outras

Regulamento de Apoio a Iniciativas Regulares ou Pontuais, de Natureza Educativa, Desportiva, Recreativa, Cultural, Social e Outras Regulamento de Apoio a Iniciativas Regulares ou Pontuais, de Natureza Educativa, Desportiva, Recreativa, Cultural, Social e Outras 1 NOTA JUSTIFICATIVA O Município de Chaves entende como sendo de interesse

Leia mais

JORGE SAMPAIO ^PORTUGUESES. Volume IX. SUB Hamburg. Imprensa Nacional-Casa da Moeda

JORGE SAMPAIO ^PORTUGUESES. Volume IX. SUB Hamburg. Imprensa Nacional-Casa da Moeda JORGE SAMPAIO ^PORTUGUESES Volume IX SUB Hamburg Imprensa Nacional-Casa da Moeda ÍNDICE PREFÁCIO I PORTUGAL Sessão Solene Comemorativa do 30. Aniversário do 25 de Abril [25 de Abril de 2004] 27 Sessão

Leia mais

TEXTO DE APOIO PARA O FORMANDO

TEXTO DE APOIO PARA O FORMANDO CORPO NACIONAL DE ESCUTAS ESCUTISMO CATÓLICO PORTUGUÊS CURSO DE ININIAÇÃO PEDAGÓGICA (C.I.P.) MANUAL ÁREA C SER DIRIGENTE/EDUCADOR MÓDULO C.1 O PAPEL DO DIRIGENTE C.1.1 U.F. DESENVOLVIMENTO PESSOAL TEXTO

Leia mais

Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança

Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança Breve Enquadramento O Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança constitui o resultado do Projeto Tecer a, promovido pela Comissão Nacional de Promoção

Leia mais

Relatório e Contas 2015 Junta de Núcleo Douro Sul. Região Porto. Ser Escuteiro. Olhar o passado, viver o presente, projetando o futuro

Relatório e Contas 2015 Junta de Núcleo Douro Sul. Região Porto. Ser Escuteiro. Olhar o passado, viver o presente, projetando o futuro Relatório e Contas 2015 Junta de Núcleo Douro Sul Região Porto Ser Escuteiro Olhar o passado, viver o presente, projetando o futuro Autoria Este documento é emitido pela Junta de Núcleo Douro Sul, da Região

Leia mais

CARTA DOS DIREITOS E DEVERES COMUNIDADE EDUCATIVA

CARTA DOS DIREITOS E DEVERES COMUNIDADE EDUCATIVA MMA CARTA DOS DIREITOS E DEVERES CENTRO SOCIAL NOSSA SENHORA DO AMPARO Aprovado em Reunião de Direção a 07 /01 /2014 INTRODUÇÃO O CSNSA focaliza todo o seu trabalho no cliente, individualizando e personalizando

Leia mais

Turismo INATEL: do compromisso social à valorização do território

Turismo INATEL: do compromisso social à valorização do território Turismo INATEL: do compromisso social à valorização do território José Manuel Alho Vogal do Conselho de Administração Organização: Conselho Nacional do Ambiente e do Desenvolvimento Sustentável Confederação

Leia mais

A época Natalícia é uma altura de propensão altruísta onde todos estamos mais sensíveis ao bem geral e às necessidades dos outros.

A época Natalícia é uma altura de propensão altruísta onde todos estamos mais sensíveis ao bem geral e às necessidades dos outros. Apresentação A época Natalícia é uma altura de propensão altruísta onde todos estamos mais sensíveis ao bem geral e às necessidades dos outros. Nas atuais condições socio-económicas do país, é necessário,

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Samora Correia 2012/2013

Agrupamento de Escolas de Samora Correia 2012/2013 Plano Anual de Actividades Jardins de Infância Organização do Ambiente Educativo e espaços comuns. (de 03 a 13 de Setembro) Cada educadora prepara a sua sala Organizar o Ambiente Educativo Todas as educadoras

Leia mais

LIGA DOS BOMBEIROS PORTUGUESES CONFEDERAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES E CORPOS DE BOMBEIROS

LIGA DOS BOMBEIROS PORTUGUESES CONFEDERAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES E CORPOS DE BOMBEIROS LIGA DOS BOMBEIROS PORTUGUESES CONFEDERAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES E CORPOS DE BOMBEIROS Comendador da Ordem de Benemerência - 1935 Membro Honorário da Ordem Militar de Cristo - 1980 FUNDADA EM 18 DE AGOSTO DE

Leia mais

ACTA DA SEGUNDA REUNIÃO DA COMISSÃO DE ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INICIATIVA COMUNITÁRIA URBAN DOIS LISBOA (VALE DE ALCÂNTARA)

ACTA DA SEGUNDA REUNIÃO DA COMISSÃO DE ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INICIATIVA COMUNITÁRIA URBAN DOIS LISBOA (VALE DE ALCÂNTARA) ACTA DA SEGUNDA REUNIÃO DA COMISSÃO DE ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INICIATIVA COMUNITÁRIA URBAN DOIS LISBOA (VALE DE ALCÂNTARA) Aos catorze dias do mês de Novembro de dois mil e dois, pelas onze horas

Leia mais

Campanha Nacional de Incentivo ao Voto para as Eleições Europeias. Apoio: Parceiros: Ecos

Campanha Nacional de Incentivo ao Voto para as Eleições Europeias. Apoio: Parceiros: Ecos Apoio: Campanha Nacional de Incentivo ao Voto para as Eleições Europeias Parceiros: Ecos 1. O PROJECTO 1.1 Enquadramento 1.2 Objetivos 1.3 Ligação à Campanha League of Young Voters 2. OS PARCEIROS 3. ATIVIDADES

Leia mais

Plano de Ação do CLAS de Cascais

Plano de Ação do CLAS de Cascais Plano de Ação do CLAS de Cascais 2016 1 Introdução No quadro das competências do Conselho Local de Ação Social (CLAS) 1 a ação do seu Núcleo Executivo em 2016 vai desenvolver-se em 4 eixos de atuação:

Leia mais

Plano Anual de Atividades

Plano Anual de Atividades Plano Anual de Atividades ANO LECTIVO 2011 / 2012 Índice Introdução -------------------------------------------------------------------------------------------- 2 Procedimentos adoptados -----------------------------------------------------------------------

Leia mais

Rede de Museus e Equipamentos Culturais de Évora. Comemorações do Dia Mundial do Turismo 23 de setembro de Évora

Rede de Museus e Equipamentos Culturais de Évora. Comemorações do Dia Mundial do Turismo 23 de setembro de Évora Rede de Museus e Equipamentos Culturais de Évora Comemorações do Dia Mundial do Turismo 23 de setembro de 2016 - Évora 1. Diagnóstico síntese - Pontos fortes CLASSIFICAÇÃO UNESCO - ÉVORA PATRIMÓNIO DA

Leia mais

Caros Irmãos Escutas, As nossas melhores saudações escutistas.

Caros Irmãos Escutas, As nossas melhores saudações escutistas. De: Para: Assunto: Data: Circular: Chefe Nacional Juntas Regionais, Juntas de Núcleo e Agrupamentos Banco do Brinquedo 02-11-2009 9-1-093 Caros Irmãos Escutas, As nossas melhores saudações escutistas.

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO

PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO AGRUPAMENTO Nº 809 PONTE DE LIMA PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO 2013/2014 PLANO DE ATIVIDADES 2013/2014 AGRUPAMTO Nº 809 PLANO DE ATIVIDADES 2013/2014 1 PLANO DE ATIVIDADES 2013/2014 AGRUPAMTO Nº 809

Leia mais