III ACAMPAMENTO DE NÚCLEO NÚCLEO TERRAS DE SANTA MARIA REGIÃO DO PORTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "III ACAMPAMENTO DE NÚCLEO NÚCLEO TERRAS DE SANTA MARIA REGIÃO DO PORTO"

Transcrição

1 REGULAMENTO Preâmbulo O III Acampamento do Núcleo Terras de Santa Maria, Região do Porto, CNE, é uma atividade da responsabilidade do Corpo Nacional de Escutas Junta Núcleo Terras de Santa Maria, com a colaboração dos Agrupamentos do Núcleo. Pretende-se ainda com este ACANUC 2016, durante toda a sua fase de preparação e realização, motivar à aplicação das Metodologias Educativas das 4 Secções. I Finalidades Artigo 1º O III ACANUC tem por finalidades: a) Reforçar o espírito de corpo de núcleo. b) Proporcionar a vivência do Ideal Escutista.

2 c) Contribuir para a formação integral das crianças e dos jovens Escutas do Núcleo. d) Motivar à aplicação Metodologias Educativas das 4 Secções. e) Reforçar a imagem do CNE como Projecto Educativo junto da comunidade. II Organização Artigo 2º a) O III ACANUC tem por tema TRANSFORMA-TE b) O projecto pedagógico do ACANUC estrutura-se numa proposta de um conjunto articulado de actividades, por Secção e por patrulhas, capazes de proporcionar a vivência do tema e respectiva mística, de acordo com as Metodologias Educativas. c) A preparação para a participação no III ACANUC estrutura-se em todas as vertentes das Metodologias Educativas. d) O Acampamento tem início no dia 3 de Agosto de 2016 e termina no dia 7 de Agosto de e) A entrada em campo deve efetuar-se durante a manhã do dia 3 de Agosto (não incluindo o almoço) e a saída terá lugar durante a tarde do dia 7 de Agosto, após o encerramento do Acampamento (não incluindo o jantar). Artigo 3º a) O III ACANUC é orientado por uma Chefia de Campo, constituída por: 1. Chefe de Campo 2. Chefe de Campo Adjunto 3. Assistente de Campo b) A estrutura organizativa do III ACANUC é coordenada por um Conselho Executivo do ACANUC, a quem compete deliberar sobre todas as questões e gerir pedagógica, administrativa e financeiramente o acampamento, constituído por: 1. Chefia de Campo 2. Chefe da Área Pedagógica 3. Chefe do Campo da I Secção 4. Chefe do Campo da II Secção 5. Chefe do Campo da III Secção

3 6. Chefe do Campo da IV Secção 7. Chefe das Actividades Gerais 8. Chefe da Área Administrativa e Financeira c) A estrutura organizativa do III ACANUC fica a cargo de um Conselho Operacional constituído por: 1. Conselho Executivo do ACANUC 2. Chefe da Área do Protocolo / Relações Públicas 3. Chefe da Área da Imagem / Divulgação 4. Chefe da Área da Higiene / Educação Ambiental 5. Chefe da Área da Saúde 6. Chefe da Área da Alimentação 7. Chefe da Área das Infra-estruturas / Segurança d) O III ACANUC está organizado em cinco Campos 1. I Secção 2. II Secção 3. III Secção 4. IV Secção 5. Serviços III Condições de Participação Artigo 4º a) Podem participar no III ACANUC os Lobitos, Exploradores, Pioneiros e Caminheiros que tenham efectuado a sua Promessa na respectiva Secção até 31 de Maio de b) A participação dos Escuteiros menores de 18 anos está dependente da autorização, por escrito, dos pais ou encarregados de educação. c) Todos os participantes devem estar a coberto do Seguro Escutista, sendo da responsabilidade do Chefe de Agrupamento a verificação deste requisito. d) O ACANUC está aberto à participação de Escuteiros de outros Núcleos / Regiões, participação essa que se regulará integralmente por este regulamento.

4 IV Inscrições III ACAMPAMENTO DE NÚCLEO Artigo 5º a) As inscrições dos participantes são efectuadas por Agrupamento, sendo canalizadas para a Junta Núcleo.Cada Bando é constituído por 5 ou 7 Lobitos. b) Cada Patrulha é constituída por 4 a 8 Exploradores. c) Cada Equipa da III Secção é constituída por 4 a 8 Pioneiros. d) Cada Tribo da IV Secção é constituída por 4 a 8 Caminheiros. e) São permitidas inscrições de Bandos, Patrulhas ou Equipas constituídas por elementos de diferentes Agrupamentos, desde que autorizados pelos respectivos Chefes de Agrupamento. f) São aceites inscrições de Escuteiros individualmente considerados e à margem do Agrupamento. Artigo 6º a) São considerados Animadores das Unidades para o III ACANUC os Dirigentes, os Candidatos a Dirigente. b) Cada Alcateia deverá inscrever um Animador por Bando, sendo pelo menos um Dirigente (preferencialmente o/a Áquelá). c) Cada Grupo Explorador deverá inscrever um Animador por Patrulha, sendo pelo menos um Dirigente (preferencialmente o/a Chefe do Grupo Explorador). d) Cada Grupo Pioneiro deverá inscrever pelo menos um Animador por cada duas Equipas, sendo pelo menos um Dirigente (preferencialmente o/a Chefe do Grupo Pioneiro). e) Cada Clã deverá inscrever pelo menos um Dirigente (preferencialmente o/a Chefe de Clã). f) Os Animadores referidos nas alíneas anteriores devem preencher um impresso próprio a distribuir oportunamente, devendo estes impressos ser anexados aos impressos das respectivas Secções. Artigo 7º a) Cada Agrupamento participante deverá inscrever, para os Serviços de Campo, um Dirigente, Candidato a Dirigente, ou Auxiliar como se segue: Até 40 Elementos inscritos 1 Mais de 41 Elementos inscritos 2

5 b) Os Dirigentes, Candidatos a Dirigentes e Auxiliares, referidos na alínea anterior ou outros que pretendam inscrever-se para os Serviços de Campo, devem preencher um impresso próprio a distribuir oportunamente, indicando a sua experiência escutista, técnica e profissional. A Chefia de Campo contactará os inscritos informando-os da área específica de colaboração. Artigo 8º a) A inscrição provisória (numeral) tem se ser entregue até 30 de Março de 2016 na Junta Núcleo, mediante impresso próprio. b) A inscrição definitiva (nominal) tem de ser entregue até 15 de Junho de 2016 na Junta de Núcleo (data de carimbo dos CTT), mediante impresso próprio. c) Com a inscrição definitiva é obrigatória a entrega da seguinte documentação por cada elemento: Fotocópia do Cartão de Identificação Nacional Fotocópia do Bilhete de Identidade ou Cédula Fotocópia do Cartão de Utente do Serviço Nacional de Saúde Ficha de Saúde d) A inscrição definitiva só é válida se acompanhada do respectivo pagamento. V CUSTOS DE PARTICIPAÇÃO Artigo 9º a) O custo de participação inclui todas as refeições compreendidas entre o jantar do primeiro dia e o almoço do último dia. Inclui ainda a t-shirt e o distintivo comemorativo do III ACANUC. b) Datas Custo por participante Até 15 Junho Até 30 Junho Até 15 de Julho 60

6 Artigo 10º a) Em caso de desistência de um Escuteiro, o mesmo poderá ser substituído por outro desde que cumpra as condições exigidas. Esta troca pode ser efectuada até 30 de Junho de b) Caso não seja possível a troca mencionada na alínea anterior, o Agrupamento será reembolsado em 50% do custo da inscrição.qualquer desistência após 30 de Junho de 2016 não terá direito a qualquer reembolso. Artigo 11º a) Em caso de desistência de um Dirigente, Candidato a Dirigente inscrito para a Animação das Unidades, o mesmo poderá ser substituído por outro desde que sejam cumpridas as condições exigidas no Artigo 6º. Esta troca pode ser efectuada até 30 de Junho de b) Em caso de desistência de um Dirigente, Candidato a Dirigente ou Auxiliar inscrito para os Serviços, o mesmo poderá ser substituído por outro desde que cumpra as condições exigidas. Esta troca pode ser efectuada até 30 de Junho de VI VIDA EM CAMPO Artigo 12º a) Para além das actividades gerais, serão realizadas actividades específicas com base nas Secções e nos respectivos Campos. b) A saída temporária de campo só é permitida mediante autorização expressa do Chefe de unidade do agrupamento, do Chefe responsável pelo campo da secção e pelo Chefe de Campo do ACANUC. c) A saída definitiva de campo só é permitida mediante autorização expressa do Chefe de unidade do agrupamento, do Chefe responsável pelo campo da secção e pelo Chefe de Campo do ACANUC. d) Durante o período em que decorre o III ACANUC não será permitido o uso de telemóveis e outros aparelhos eletrónicos. O uso de telemóvel apenas será permitido nos horários de utilização estipulados para esse efeito. O cumprimento destes requisitos é da responsabilidade das Equipas de Animação.

7 e) Durante o período em que decorre o III ACANUC só será permitido fumar nos locais previamente estipulados. f) A ementa de campo será geral e única. Os géneros alimentícios serão distribuídos em campo. g) A confecção das refeições é da responsabilidade das Patrulhas, Equipas e Tribos que, para tal, h) utilizarão fogão a gás. Não é permitido fazer lume de chão, a não ser nos locais e nos momentos expressamente indicados pela organização. O Campo da I Secção tomará as refeições no Refeitório afecto ao Campo da I Secção.O Campo dos Serviços tomará as refeições no Refeitório afecto ao Campo dos Serviços. i) Diariamente serão distribuídos recipientes para lixo, havendo o cuidado de se proceder à recolha selectiva de papel, vidro, matéria orgânica, embalagens e outro. j) São obrigatórias as seguintes construções, a preparar previamente por cada Bando / Patrulha / Equipa / Tribo inscritos: Bando Lavatório Porta-mochilas Tampo de mesa Patrulha / Equipa / Tribo Mesa Cozinha Oratório k) O uso do uniforme completo é obrigatório nas atividades gerais, eucaristia, na chegada e saída do III ACAvNUC. Para as saídas de campo é obrigatório o uso do uniforme completo podendo a camisa ser substituída pela t shirt oficial da secção. VII DISPOSIÇÕES FINAIS Artigo 13º a) Os problemas disciplinares serão resolvidos segundo o método escutista e de acordo com o Regulamento de Justiça, cabendo a sua resolução, em última instância, à Chefia de Campo. b) As dúvidas de interpretação e os casos omissos serão resolvidos pela Chefia de Campo à luz dos Estatutos e Regulamentos do CNE. c) Competindo à Junta de Núcleo velar pela correcta aplicação do método escutista no Núcleo, poderá determinar a cada momento, se necessário, as medidas adequadas para o cumprimento das normas pedagógicas do CNE.

5º ACAMPAMENTO REGIONAL ACAREG 2015 VIANA DO CASTELO

5º ACAMPAMENTO REGIONAL ACAREG 2015 VIANA DO CASTELO 5º ACAMPAMENTO REGIONAL ACAREG 2015 VIANA DO CASTELO REGULAMENTO GERAL I FINALIDADES Artigo 1º A realização do V Acampamento Regional de Viana do Castelo (ACAREG 2015), orienta-se pelas seguintes finalidades:

Leia mais

XII REGIONAL REGIÃO DE BRAGANÇA

XII REGIONAL REGIÃO DE BRAGANÇA ACAMPAMENTO XII REGIONAL DA REGIÃO DE BRAGANÇA REGULAMENTO ARTIGO 1º DEFINIÇÕES E FINALIDADES 1 -O presente regulamenta a realização do XII Acampamento Regional da Região de Bragança, do Corpo Nacional

Leia mais

DEFINIÇÃO, ATIVIDADE E FINALIDADES

DEFINIÇÃO, ATIVIDADE E FINALIDADES NORMAS Artigo 1º DEFINIÇÃO, ATIVIDADE E FINALIDADES a) O Corpo Nacional de Escutas Escutismo Católico Português promove, para as Secções de Lobitos, Exploradores e Moços, Pioneiros e Marinheiros, Caminheiros

Leia mais

Caros Dirigentes, Para informações por favor contactem o endereço: Com as melhores saudações escutistas, De:

Caros Dirigentes, Para informações por favor contactem o endereço: Com as melhores saudações escutistas, De: De: Para: Assunto: Chefia do XXIII ACANAC Agrupamentos, Juntas de Núcleo e Juntas Regionais Normas do XXIII ACANAC Data: 15-06-2016 Circular: XXIIIACANAC-001 Caros Dirigentes, Vimos por este meio divulgar

Leia mais

REGULAMENTO ACAREG 2016

REGULAMENTO ACAREG 2016 REGULAMENTO ACAREG 2016 ARTIGO 1º FINALIDADES A Junta Regional de Braga do Corpo Nacional de Escutas Escutismo Católico Português promove, de 1 a 7 de agosto de 2016, o ACAMPAMENTO REGIONAL DE BRAGA (adiante

Leia mais

IV º ACANUC Oriental 2015 Viseu Faz-te ao Caminho!

IV º ACANUC Oriental 2015 Viseu Faz-te ao Caminho! Corpo Nacional de Escutas Escutismo Católico Português Núcleo Oriental de Lisboa IV º ACANUC Oriental 2015 Viseu Faz-te ao Caminho! REGULAMENTO Artigo Iº (Definição, atividades, finalidades) 1. A Junta

Leia mais

Ficha de Inscrição. Agrupamento Silveira. Paróquia de Nossa Senhora do Amparo da Silveira

Ficha de Inscrição. Agrupamento Silveira. Paróquia de Nossa Senhora do Amparo da Silveira Nos agrupamentos do Corpo Nacional de Escutas, a admissão de um novo elemento (aspirante), é um compromisso celebrado entre o movimento escutista e a família do novo elemento. Válido enquanto seja de adesão

Leia mais

GUIADOS PELA ESPERANÇA Vivemos a missão de sermos trabalhadores da messe.

GUIADOS PELA ESPERANÇA Vivemos a missão de sermos trabalhadores da messe. 1 João Paulo II tinha uma missão, evangelizar o mundo através das suas viagens levando a boa nova aos confins da terra. Portugal fez parte da sua missão evangelizadora, e aos jovens de Portugal falou assim:

Leia mais

Agrupamento Antanhol

Agrupamento Antanhol Agrupamento 603 - Antanhol REGULAMENTO INTERNO 1 CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º Definição 1. O Regulamento Interno do Agrupamento 603 de Antanhol, Coimbra, destina-se a regular o funcionamento

Leia mais

Junta Regional de Braga Normas Regionais de Formação

Junta Regional de Braga Normas Regionais de Formação Junta Regional de Braga Normas Regionais de Formação Este documento contém os procedimentos e normas regionais no domínio da Formação de Dirigentes, de candidatos a Dirigentes na Região de Braga, com o

Leia mais

REGULAMENTO Semana da Juventude 2015 ( Sector do Desporto e Juventude )

REGULAMENTO Semana da Juventude 2015 ( Sector do Desporto e Juventude ) REGULAMENTO Semana da Juventude 2015 ( Sector do Desporto e Juventude ) Abertura - Encerramento Quinta-Feira 3 Setembro 20H00-03H00 Sexta-Feira 4 Setembro 20H00 03H00 Sábado 5 20H00 03H00 ARTIGO 1º - (Objecto

Leia mais

Município de Vila Nova de Poiares Natal em Atividade. MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE POIARES CÂMARA MUNICIPAL DAG Desporto, Juventude e Associativismo

Município de Vila Nova de Poiares Natal em Atividade. MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE POIARES CÂMARA MUNICIPAL DAG Desporto, Juventude e Associativismo MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE POIARES CÂMARA MUNICIPAL DAG Desporto, Juventude e Associativismo NATAL EM ATIVIDADE NORMAS GERAIS DE FUNCIONAMENTO Nota introdutória A Câmara Municipal pretende desenvolver programas

Leia mais

Normativo da Festa da Broa 2017

Normativo da Festa da Broa 2017 ARTIGO 1º (Objeto e Âmbito) O presente Normativo tem por objetivo a definição das condições de realização da 30ª edição da Festa da Broa. ARTIGO 2º (Organização e Fins) 1. A organização da Festa da Broa

Leia mais

Centro Bem Estar Social Padre Tobias. Colónia de Férias Regulamento Interno

Centro Bem Estar Social Padre Tobias. Colónia de Férias Regulamento Interno Centro Bem Estar Social Padre Tobias Colónia de Férias Regulamento Interno Regulamento Interno Colónia de Férias Disposições Gerais Capítulo I Art.º 1º - Âmbito A Colónia de Férias Padre pertence ao Centro

Leia mais

Regulamento Interno das Férias Desportivas do Estádio Universitário de Lisboa 2013

Regulamento Interno das Férias Desportivas do Estádio Universitário de Lisboa 2013 Regulamento Interno das Férias Desportivas do Estádio Universitário de Lisboa 2013 Regulamento Interno das Férias Desportivas O presente regulamento tem como objetivo dar a conhecer a todos os intervenientes

Leia mais

REGULAMENTO DA COLÓNIA DE FÉRIAS INFANTIL MUNICIPAL PREÂMBULO

REGULAMENTO DA COLÓNIA DE FÉRIAS INFANTIL MUNICIPAL PREÂMBULO PREÂMBULO Procurar respostas sociais dirigidas a utentes dos diferentes grupos etários e à família, significa responder a necessidades humanas (psicológicas, afectivas, sociais, ) por forma a prevenir,

Leia mais

MANUAL PARA COLOACAÇÃO DE INSIGNIAS E DISTINTIVOS

MANUAL PARA COLOACAÇÃO DE INSIGNIAS E DISTINTIVOS COMUNIDADE 130 - BOBADELA [Ano] MANUAL PARA COLOACAÇÃO DE INSIGNIAS E DISTINTIVOS 1 NOTA INTRODUTÓRIA «Não quero saber menos se o escuteiro usa o uniforme ou não, conquanto tenha o coração no seu trabalho

Leia mais

ACAREG 2016 INSCRIÇÕES DEFINITIVAS INSCREVER ELEMENTOS DAS SECÇÕES E DIRIGENTES QUE AS ACOMPANHAM

ACAREG 2016 INSCRIÇÕES DEFINITIVAS INSCREVER ELEMENTOS DAS SECÇÕES E DIRIGENTES QUE AS ACOMPANHAM ACAREG 2016 INSCRIÇÕES DEFINITIVAS INSCREVER ELEMENTOS DAS SECÇÕES E DIRIGENTES QUE AS ACOMPANHAM ATENÇÃO: Caso o vosso Agrupamento vá com, ou leve elementos de, outro Agrupamento, veja no final da folha

Leia mais

Projecto de Regulamento. Oficina de Teatro Eç'agorA

Projecto de Regulamento. Oficina de Teatro Eç'agorA Projecto de Regulamento Oficina de Teatro Eç'agorA Preâmbulo O teatro, para além da sua vertente lúdica, é um excelente mecanismo para estimular o nosso autoconhecimento, o interrelacionamento e a capacidade

Leia mais

Município de Santarém REGULAMENTO MUNICIPAL DE VISITAS DE ESTUDO

Município de Santarém REGULAMENTO MUNICIPAL DE VISITAS DE ESTUDO REGULAMENTO MUNICIPAL DE VISITAS DE ESTUDO ÍNDICE Preâmbulo 3 Artigo 1.º Lei Habilitante 4 Artigo 2.º Âmbito 4 Artigo 3.º Plano Anual Visitas de Estudo 5 Artigo 4.º Estabelecimentos de Ensino Abrangidos

Leia mais

Normativo da Festa da Broa 2016

Normativo da Festa da Broa 2016 ARTIGO 1º (Objeto e Âmbito) O presente Normativo tem por objetivo a definição das condições de realização da 29ª edição da Festa da Broa. ARTIGO 2º (Organização e Fins) 1. A organização da Festa da Broa

Leia mais

A entrega anual do CRC deve ser feita a par com o censo anual do CNE conforme determinação da Junta Central de 30 de setembro de 2015 (ver OSN 654).

A entrega anual do CRC deve ser feita a par com o censo anual do CNE conforme determinação da Junta Central de 30 de setembro de 2015 (ver OSN 654). De: Para: Assunto: Serviços Administrativos da Chefes de Agrupamento Certificado Registo Criminal perguntas frequentes Data: 25-11-2016 Circular: SRGA-1-2016 Caro Chefe de Agrupamento, A pedido da Junta

Leia mais

REGRAS DE INSCRIÇÃO E PARTICIPAÇÃO NO MEGA POW WOW

REGRAS DE INSCRIÇÃO E PARTICIPAÇÃO NO MEGA POW WOW REGRAS DE INSCRIÇÃO E PARTICIPAÇÃO NO MEGA POW WOW ANTES DE FAZEREM AS VOSSAS INSCRIÇÕES: IMPORTANTE: AS INSTRUÇÕES PARA AS INSCRIÇÕES DEFINITIVAS SEGUIRÃO UNS DIAS ANTES DO INÍCIO DAS MESMAS, PARA NÃO

Leia mais

REGULAMENTO GERAL JOGOS NACIONAIS SALESIANOS

REGULAMENTO GERAL JOGOS NACIONAIS SALESIANOS REGULAMENTO GERAL JOGOS NACIONAIS SALESIANOS ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 CAPÍTULO I... 4 QUALIFICAÇÃO DOS PRATICANTES DESPORTIVOS SALESIANOS... 4 CAPÍTULO II... 5 IDENTIFICAÇÃO DOS PRATICANTES DO JOGO / PROVA...

Leia mais

Escola Secundária de Sampaio REGULAMENTO DO CENTRO DE RECURSOS

Escola Secundária de Sampaio REGULAMENTO DO CENTRO DE RECURSOS Escola Secundária de Sampaio REGULAMENTO DO CENTRO DE RECURSOS ARTIGO 1 O Centro de Recursos da Escola Secundária de Sampaio é um serviço com objectivos pedagógicos, informativos e lúdico-culturais. Procura

Leia mais

São Jorge 2017 REGULAMENTO GERAL. Introdução

São Jorge 2017 REGULAMENTO GERAL. Introdução São Jorge 2017 REGULAMENTO GERAL Um dos objetivos do Escutismo é apresentar jogos e atividades de conjunto que possam favorecer a saúde e robustez dos jovens e contribuam para lhes formar o carácter. BP

Leia mais

- ATOS OFICIAIS. ORDEM de SERVIÇO REGIONAL. o uso da insígnia que se reproduz na última página da presente Ordem de Serviço Regional.

- ATOS OFICIAIS. ORDEM de SERVIÇO REGIONAL. o uso da insígnia que se reproduz na última página da presente Ordem de Serviço Regional. - ATOS OFICIAIS ORDEM de SERVIÇO REGIONAL 01 / 2014, de 31 de Janeiro Nos termos do Artigo 64º do Regulamento Geral do Corpo Nacional de Escutas e para os efeitos convenientes publica-se o seguinte: 1.

Leia mais

Caros Irmãos Escutas,

Caros Irmãos Escutas, Circular 10-1-048 de 06 de Abril De: Para: Assunto: Data: Secretário Nacional Pedagógico JJRR, JJNN, Agrupamentos, Mesas dos Conselhos Nacional, Regionais e Núcleo, Formadores Acções de Formação Membros

Leia mais

Município de Vila Nova de Famalicão. Normas. Campo de Férias. Aventura no Natal 2012

Município de Vila Nova de Famalicão. Normas. Campo de Férias. Aventura no Natal 2012 Município de Vila Nova de Famalicão Normas Campo de Férias Aventura no Natal 2012 Nota Justificativa A intervenção municipal na área da Juventude tem sido considerada uma prioridade no contexto de trabalho

Leia mais

Academia Júnior 2017 I orientações de funcionamento

Academia Júnior 2017 I orientações de funcionamento Academia Júnior 2017 I orientações de funcionamento 1. Objetivo A Academia Júnior da Universidade de Aveiro tem por objetivo proporcionar a estudantes do 2º e 3º ciclo do ensino básico a oportunidade de,

Leia mais

Campos de Férias Parque dos Monges. Regulamento Interno

Campos de Férias Parque dos Monges. Regulamento Interno Fundo Desenvol vimento Europeu de Regional Campos de Férias Parque dos Monges Regulamento Interno O presente Regulamento Interno do Campo de Férias Não Residencial do Parque dos Monges, visa definir todos

Leia mais

Agrupamento 125 Vermoim do. Corpo Nacional de Escutas São Jorge Agrupamento 125 Vermoim Núcleo de Famalicão-Região de Braga

Agrupamento 125 Vermoim do. Corpo Nacional de Escutas São Jorge Agrupamento 125 Vermoim Núcleo de Famalicão-Região de Braga Candidatura para Chefe de Agrupamento de Pedro Justino da Costa Oliveira Agrupamento 125 Vermoim do Corpo Nacional de Escutas Escutismo Católico Português Vermoim 20 de Julho de 2011 Proponente para o

Leia mais

Corpo Nacional de Escutas Escutismo Católico Português NÚCLEO DE S. MIGUEL

Corpo Nacional de Escutas Escutismo Católico Português NÚCLEO DE S. MIGUEL Corpo Nacional de Escutas NÚCLEO DE S. MIGUEL Apartado 345 9501-904 PONTA DELGADA Tel. 296 284 158 cne_jnsm@sapo.pt CNE CIRCULAR N.º 20/2017 De: Secretaria de Núcleo Pedagógica Para: Direcção de Agrupamento

Leia mais

ateliers para crianças

ateliers para crianças ateliers para crianças um verão nas belas-artes regulamento capítulo I disposições gerais artigo 1º objetivos O presente regulamento tem como objetivo a definição e enquadramento do funcionamento do projeto

Leia mais

1. A presente norma transitória reguladora aplica-se aos procedimentos inerentes ao pedido de inscrição e atribuição do cartão de leitor.

1. A presente norma transitória reguladora aplica-se aos procedimentos inerentes ao pedido de inscrição e atribuição do cartão de leitor. Capítulo I DEFINIÇÃO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO 1. A presente norma transitória reguladora aplica-se aos procedimentos inerentes ao pedido de inscrição e atribuição do cartão de leitor. 2. Entende-se por inscrição

Leia mais

O Escutismo é um Movimento Mundial criado em 1907 por Robert Stephenson Smith Baden-Powell.

O Escutismo é um Movimento Mundial criado em 1907 por Robert Stephenson Smith Baden-Powell. ESCUTISMO O Escutismo é um Movimento Mundial criado em 1907 por Robert Stephenson Smith Baden-Powell. A Missão do Escutismo consiste em contribuir para a educação integral dos jovens, partindo de um sistema

Leia mais

Regulamento 1. Objetivos 2. Destinatários Verão na ULisboa 3. Direitos e deveres dos participantes Verão na ULisboa Verão na ULisboa

Regulamento 1. Objetivos 2. Destinatários Verão na ULisboa 3. Direitos e deveres dos participantes Verão na ULisboa Verão na ULisboa Regulamento 1. Objetivos 1.1. O Verão na ULisboa é um programa de ocupação de tempos livres para estudantes do 3.º ciclo e do ensino secundário, que pretende divulgar as atividades em curso nas diferentes

Leia mais

Ficha de Inscrição I Semana de Férias Inclusiva do CRIA

Ficha de Inscrição I Semana de Férias Inclusiva do CRIA Ficha de Inscrição I Semana de Férias Inclusiva do CRIA Inscrição nº (A preencher pela organização) Data: / / 1.Dados Pessoais do Participante Nome Completo: Data de Nascimento: / / Idade: Nº BI/C. do

Leia mais

Regulamento para a eleição dos Diretores de Departamento da Escola de Ciências da Vida e do Ambiente -ECVA-

Regulamento para a eleição dos Diretores de Departamento da Escola de Ciências da Vida e do Ambiente -ECVA- Regulamento para a eleição dos Diretores de Departamento da Escola de Ciências da Vida e do Ambiente -ECVA- Capítulo I Âmbito de aplicação e Princípios Artigo 1.º Âmbito de aplicação 1. O presente regulamento

Leia mais

Corpo Nacional de Escutas. Agrupamento 1233 Almalaguês

Corpo Nacional de Escutas. Agrupamento 1233 Almalaguês Corpo Nacional de Escutas Agrupamento 1233 Almalaguês Paulo Pinto Ilídio Dionísio Duarte Fachada João Rosado Idalina Rosa João Rosado Paulo Pinto Renato Rosa Alberto Dionísio Duarte Fachada Ilídio Dionísio

Leia mais

Escola E. B. 2,3 Ruy Belo CONCURSO MASTERCHEF RUY BELO 1.ª Edição

Escola E. B. 2,3 Ruy Belo CONCURSO MASTERCHEF RUY BELO 1.ª Edição Escola E. B. 2,3 Ruy Belo CONCURSO MASTERCHEF RUY BELO 1.ª Edição 2014-2015 Equipa organizadora: Mª Eduarda Costa e Mª João Ribeiro I. DEFINIÇÃO, ORIGEM E OBJETIVO 1. O concurso MasterChef Ruy Belo vai

Leia mais

CAMPO DE FÉRIAS Páscoa 2017 Dos 6 aos 16 anos

CAMPO DE FÉRIAS Páscoa 2017 Dos 6 aos 16 anos CAMPO DE FÉRIAS Páscoa 2017 Dos 6 aos 16 anos O Campo de férias Vinha da Ribeira, cuja organização é assegurada pela empresa João Monteiro Animação Turística, Unipessoal Lda., oferece às crianças uma forma

Leia mais

CENTRO DE APOIO AO ESTUDO

CENTRO DE APOIO AO ESTUDO CENTRO DE APOIO AO ESTUDO CLUBE JOVEM DO LUMIAR 1 Capitulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito 1 - O presente regulamento enuncia as normas regulamentares de funcionamento do Centro de Apoio ao Estudo

Leia mais

Cinfães em Movimento - programa de atividades para a interrupção letiva da Páscoa Cinfães em Movimento

Cinfães em Movimento - programa de atividades para a interrupção letiva da Páscoa Cinfães em Movimento Cinfães em Movimento programa de atividades para a interrupção letiva da Páscoa Normas de funcionamento 1. Objetivos No seguimento das funções de apoio à infância e à juventude e aos projetos que promovam

Leia mais

Regulamento de concurso para Diretor

Regulamento de concurso para Diretor Regulamento de concurso para Diretor Nos termos do disposto no artigo 22.º, do Decreto-Lei n.º 75/2008, de 22 de abril, e do Decreto-Lei nº 137/2012 de 2 de Julho, torna-se público, que se encontra aberto

Leia mais

Regulamento. 4. Direitos e deveres dos participantes

Regulamento. 4. Direitos e deveres dos participantes Regulamento 1. Âmbito O presente documento visa definir as normas de participação nos Cursos de Verão 2016 e facultar todas as informações necessárias ao bom funcionamento das atividades promovidas pela

Leia mais

Escola Básica Nossa Senhora da Luz Arronches

Escola Básica Nossa Senhora da Luz Arronches Escola Básica Nossa Senhora da Luz Arronches Regulamento de Funcionamento do Refeitório Escolar. REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO REFEITÓRIO ESCOLAR Artigo 1.º Objeto O presente regulamento estabelece as

Leia mais

Museu Nacional de História Natural e da Ciência. Programa Férias no Museu (Módulos Pedagógicos de Férias com Caráter não Residencial)

Museu Nacional de História Natural e da Ciência. Programa Férias no Museu (Módulos Pedagógicos de Férias com Caráter não Residencial) Museu Nacional de História Natural e da Ciência Regulamento Interno Programa Férias no Museu (Módulos Pedagógicos de Férias com Caráter não Residencial) O presente Regulamento Interno do Programa Férias

Leia mais

Artigo 1º Âmbito. Artigo 2º Inscrições

Artigo 1º Âmbito. Artigo 2º Inscrições Preâmbulo As Atividades de Animação e Apoio à Família (AAAF) procuram dar hoje uma resposta direta às necessidades das famílias das crianças que frequentam a Educação Pré-Escolar. Estas atividades socioeducativas

Leia mais

Plano e Orçamento 2015

Plano e Orçamento 2015 Plano e Orçamento 2015 a Oportunidade de celebrar Onde houver justiça, aí haverá sabedoria, e onde houver sabedoria, aí está o paraíso. Santo António 1 Introdução No presente ano apresentamos um projeto

Leia mais

Programa Olivais em Férias

Programa Olivais em Férias Capítulo 90 Programa Olivais em Férias Ano 2017 1 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Planeamento e Organização... 3 3. Inscrição... 4 3.1. Fichas de Inscrição... 4 3.2. Pagamento...5 3.2.1. Valor a Pagar.5

Leia mais

Festival SESI Literário 2014

Festival SESI Literário 2014 Festival SESI Literário 2014 O SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA - DEPARTAMENTO REGIONAL - SESI/DR/BA, faz saber, para conhecimento dos trabalhadores da indústria e seus dependentes, que estão abertas as inscrições

Leia mais

Plano de Atividades e Orçamento Ser Escuteiro no ANO DA FÉ. A g r u p a m e n t o Meadela - Viana do Castelo

Plano de Atividades e Orçamento Ser Escuteiro no ANO DA FÉ. A g r u p a m e n t o Meadela - Viana do Castelo Plano de Atividades e Orçamento 2012-2013 Ser Escuteiro no ANO DA FÉ A g r u p a m e n t o 3 4 8 Meadela - Viana do Castelo INTRODUÇÃO Ser Escuteiro no ANO DA FÉ Com o intuito de dar um impulso renovado

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA SENHORA DA HORA REGULAMENTO VISITAS DE ESTUDO/ATIVIDADES 2014/2018

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA SENHORA DA HORA REGULAMENTO VISITAS DE ESTUDO/ATIVIDADES 2014/2018 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA SENHORA DA HORA REGULAMENTO DE VISITAS DE ESTUDO/ATIVIDADES 2014/2018 0/6 Definição 1. Visita de estudo é uma atividade curricular, organizada por professores para alunos, realizada

Leia mais

REGULAMENTO Campos de Férias

REGULAMENTO Campos de Férias REGULAMENTO Campos de Férias Aprovação Câmara Municipal: 6 jan 2014 Assembleia Municipal: 28 fev 2014 Entrada em vigor: 26 mar 2014 REGULAMENTO DE CAMPOS DE FÉRIAS PREÂMBULO O concelho de Arruda dos Vinhos

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DO FUNCIONAMENTO E GESTÃO DOS REFEITÓRIOS ESCOLARES

REGULAMENTO MUNICIPAL DO FUNCIONAMENTO E GESTÃO DOS REFEITÓRIOS ESCOLARES REGULAMENTO MUNICIPAL DO FUNCIONAMENTO E GESTÃO DOS REFEITÓRIOS ESCOLARES Reunião de Câmara (aprovação do projecto) 05/09/2011 Edital (apreciação pública) 07/02/2011 Publicado (projecto) no DR II Série,

Leia mais

Artigo 1º (Uniforme)

Artigo 1º (Uniforme) REGULAMENTO INTERNO Aprovado em Conselho de Agrupamento de 31 de Outubro de 2015, com publicação em OS 96, de 19 de Novembro de 2015 Aprovado em Conselho de Agrupamento de 14 de Dezembro de 2015, com publicação

Leia mais

Ficha de Inscrição - VERÃO 2015

Ficha de Inscrição - VERÃO 2015 Ficha de Inscrição - VERÃO 2015 1. Dados Pessoais do Participante Nome Completo: Data de Nascimento: / / Idade: Nº BI/C. do Cidadão/Cédula Pessoal: N.º de Beneficiário: Nº de Contribuinte: Morada: Localidade:

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE OCUPAÇÃO DE TEMPOS LIVRES DE VERÃO. Preâmbulo

PROJECTO DE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE OCUPAÇÃO DE TEMPOS LIVRES DE VERÃO. Preâmbulo 1 PROJECTO DE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE OCUPAÇÃO DE TEMPOS LIVRES DE VERÃO Preâmbulo A criação de um programa de ocupação de tempos livres para as crianças da Freguesia de Chamusca e Pinheiro Grande,

Leia mais

Artigo 1º Âmbito. Artigo 2º Inscrições

Artigo 1º Âmbito. Artigo 2º Inscrições Preâmbulo O Programa de Generalização do Fornecimento de Refeições Escolares aos Alunos do 1º CEB e a Componente de Apoio à Família (CAF) procuram dar hoje uma resposta direta às necessidades das famílias

Leia mais

Centro Escutista do Oeste

Centro Escutista do Oeste REGULAMENTO DO CENTRO ESCUTISTA DO OESTE 1. Missão do CEO O Centro Escutista do Oeste (CEO) é um local privilegiado de formação e intercâmbio para uso exclusivo de escuteiros, adultos e jovens, proporcionando

Leia mais

RENOVAÇÃO DA ACÇÃO PEDAGÓGICA e TÉCNICA ESCUTISTA

RENOVAÇÃO DA ACÇÃO PEDAGÓGICA e TÉCNICA ESCUTISTA RENOVAÇÃO DA ACÇÃO PEDAGÓGICA e TÉCNICA ESCUTISTA Alguns mal entendidos têm circulado em torno da Técnica Escutista e de uma sua pretensa ausência no Programa Educativo resultante do processo de Renovação

Leia mais

CAMPO DE FÉRIAS Verão 2017 Dos 6 aos 16 anos

CAMPO DE FÉRIAS Verão 2017 Dos 6 aos 16 anos CAMPO DE FÉRIAS Verão 2017 Dos 6 aos 16 anos O Campo de férias Vinha da Ribeira, cuja organização é assegurada pela empresa João Monteiro Animação Turística, Unipessoal Lda., oferece às crianças uma forma

Leia mais

NIB Transferência: NOTAS: CENTRO DE APOIO AO ESTUDO

NIB Transferência: NOTAS: CENTRO DE APOIO AO ESTUDO 7 NOTAS: NIB Transferência: 0010 0000 3434 9410 0063 0 REGULAMENTO INTERNO CENTRO DE APOIO AO ESTUDO RAÍZES ASSOCIAÇÃO DE APOIO À CRIANÇA E AO JOVEM 2013/2014 Capitulo I Disposições Gerais 1 Artigo 1º

Leia mais

Nos agrupamentos do Corpo Nacional de Escutas, a admissão de um novo elemento (aspirante), é um contrato celebrado entre o movimento escutista e a

Nos agrupamentos do Corpo Nacional de Escutas, a admissão de um novo elemento (aspirante), é um contrato celebrado entre o movimento escutista e a Organização Mundial Movimento Escutista Corpo Nacional de Escutas Escutismo Católico Português Nos agrupamentos do Corpo Nacional de Escutas, a admissão de um novo elemento (aspirante), é um contrato celebrado

Leia mais

REGULAMENTO DA SALA DE ESTUDO ACOMPANHADO. Nota justificativa

REGULAMENTO DA SALA DE ESTUDO ACOMPANHADO. Nota justificativa REGULAMENTO DA SALA DE ESTUDO ACOMPANHADO Nota justificativa A elevada taxa de insucesso escolar resulta, em grande parte, da ausência ou uso inapropriado de estratégias de estudo e pela não existência

Leia mais

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO Departamento de Formação Permanente Desenvolvemos Competências Humanizadas

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO Departamento de Formação Permanente Desenvolvemos Competências Humanizadas REGULAMENTO DA FORMAÇÃO Departamento de Formação Permanente Desenvolvemos Competências Humanizadas REGULAMENTO DA FORMAÇÃO 1 - MISSÃO, OBJECTIVOS, ESTRATÉGIA 1.1 - Missão O Departamento de Formação Permanente

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Ano Escutista 2011/12 Aprovado Concelho de Agrupamento de 07/01/2012. Corpo Nacional de Escutas

REGULAMENTO INTERNO. Ano Escutista 2011/12 Aprovado Concelho de Agrupamento de 07/01/2012. Corpo Nacional de Escutas A g r u p a m e n t o 7 5 3 Ó b i d o s REGULAMENTO INTERNO Ano Escutista 2011/12 Aprovado Concelho de Agrupamento de 07/01/2012 Corpo Nacional de Escutas Agrupamento 753 Óbidos 1 REGULAMENTO INTERNO.

Leia mais

Artigo 1 Objecto. Artigo 2 Âmbito

Artigo 1 Objecto. Artigo 2 Âmbito Regulamentos FORMAÇÃO INTERNA DA UPORTO Secção Permanente do Senado de 12 de Novembro de 2007 Artigo 1 Objecto O presente regulamento define as regras e princípios para a formação dos recursos humanos

Leia mais

Relatório e Contas 2012/2013 Agrup.787 Vitorino de Piães. Relatório e contas 2012/2013. Agrupamento 787- Vitorino de Piães

Relatório e Contas 2012/2013 Agrup.787 Vitorino de Piães. Relatório e contas 2012/2013. Agrupamento 787- Vitorino de Piães Relatório e contas 2012/2013 Agrupamento 787- Vitorino de Piães INTRODUÇÃO O ano escutista de 2012/2013 foi um ano em que nos deparamos com algumas dificuldades, nomeadamente com a doença de uma chefe

Leia mais

Regulamento CARTÃO BARCELOS JOVEM

Regulamento CARTÃO BARCELOS JOVEM Regulamento CARTÃO BARCELOS JOVEM PREÂMBULO O projecto Cartão Barcelos Jovem é um documento emitido pela Casa da Juventude da Câmara Municipal de Barcelos, capaz de conceder benefícios na utilização de

Leia mais

REGULAMENTO VISITAS DE ESTUDO

REGULAMENTO VISITAS DE ESTUDO BAIXA DA BANHEIRA REGULAMENTO VISITAS DE ESTUDO E OUTRAS ATIVIDADES DE COMPLEMENTO CURRICULAR DEZEMBRO 2011 1. INTRODUÇÃO O presente Regulamento visa fornecer orientações a todos os intervenientes nas

Leia mais

Corpo Nacional de Escutas Junta Regional de Braga

Corpo Nacional de Escutas Junta Regional de Braga De: Para: Assunto: Data: Geração Sem Medo Lobitos, Exploradores, Pioneiros, Caminheiros e Dirigentes ARAE 2015 Oportunidades Educativas 07/10/2015 Corpo Nacional de Escutas Junta Regional de Braga Oportunidades

Leia mais

REGULAMENTO DA SALA DE ESTUDO ACOMPANHADO. Nota justificativa

REGULAMENTO DA SALA DE ESTUDO ACOMPANHADO. Nota justificativa REGULAMENTO DA SALA DE ESTUDO ACOMPANHADO Nota justificativa A elevada taxa de insucesso escolar resulta, em grande parte, da ausência ou uso inapropriado de estratégias de estudo e pela não existência

Leia mais

REGULAMENTO. P.A. - Projeto Artístico FESTIVAL DE BANDAS

REGULAMENTO. P.A. - Projeto Artístico FESTIVAL DE BANDAS REGULAMENTO P.A. - Projeto Artístico FESTIVAL DE BANDAS 2013 Nota Introdutória O P.A. - Projeto Artístico é uma iniciativa de educação pela arte da Casa da Juventude, que surge no seguimento dos propósitos

Leia mais

REGULAMENTO VIDEOTECA MUNICIPAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1º. Norma Habilitante

REGULAMENTO VIDEOTECA MUNICIPAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1º. Norma Habilitante REGULAMENTO VIDEOTECA MUNICIPAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Norma Habilitante Este Regulamento é elaborado ao abrigo do disposto no art.º 64º, n.º 7, alínea a) da Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro,

Leia mais

CLDE BRAGANÇA E CÔA TÉNIS DE MESA FASE FINAL R E G I O N A L NORTE. 4 e 5 de Maio Pav. EB2,3 Paulo Quintela - Bragança

CLDE BRAGANÇA E CÔA TÉNIS DE MESA FASE FINAL R E G I O N A L NORTE. 4 e 5 de Maio Pav. EB2,3 Paulo Quintela - Bragança CLDE BRAGANÇA E CÔA FASE FINAL R E G I O N A L NORTE TÉNIS DE MESA Juvenis Masculinos e Femininos 4 e 5 de Maio Pav. EB2,3 Paulo Quintela - Bragança ÍNDICE 1. ORGANIZAÇÃO.... 3 2. PROGRAMA GERAL.... 4

Leia mais

Regulamento para a Eleição do Diretor do Agrupamento de Escolas de Carvalhos

Regulamento para a Eleição do Diretor do Agrupamento de Escolas de Carvalhos Regulamento para a Eleição do Diretor do Agrupamento de Escolas de Carvalhos Artigo 1.º Objeto O presente regulamento define as regras a observar no procedimento concursal para a eleição do Diretor do

Leia mais

ESCOLA GENTE PEQUENA. Regulamento Interno Jardim de Infância 2016/2017

ESCOLA GENTE PEQUENA. Regulamento Interno Jardim de Infância 2016/2017 Regulamento Interno Jardim de Infância 2016/2017 1) ADMISSÃO E MATRÍCULA a) A Instituição admite crianças entre os 3 e os 6 anos. b) Por cada criança deverão ser preenchidos e assinados pelo Encarregado

Leia mais

Normas da Componente de Apoio à Família Pré Escolar

Normas da Componente de Apoio à Família Pré Escolar Normas da Componente de Apoio à Família Pré Escolar No âmbito do programa de desenvolvimento e expansão da educação Pré-Escolar e considerando: a Lei n.º 5/97, de 10 de fevereiro, que consigna os objetivos

Leia mais

Câmara Municipal das Caldas da Rainha REGULAMENTO AEC 2011/201

Câmara Municipal das Caldas da Rainha REGULAMENTO AEC 2011/201 Câmara Municipal das Caldas da Rainha REGULAMENTO AEC 2011/201 /2012 Considerando a importância do desenvolvimento de atividades de enriquecimento curricular no 1º ciclo do ensino básico para o desenvolvimento

Leia mais

Quadros de Valor, Mérito e Excelência. Regulamento

Quadros de Valor, Mérito e Excelência. Regulamento Quadros de Valor, Mérito e Excelência Regulamento Os quadros de valor e de Excelência são criados no âmbito do Agrupamento de Escolas de Campo Maior, como incentivo ao sucesso escolar e educativo, visando

Leia mais

Anexo IV (Refeitório)

Anexo IV (Refeitório) Regulamento Interno Anexo IV (Refeitório) ÍNDICE Artigo 1º... 3 (Objeto)... 3 Artigo 2º... 3 (Âmbito de aplicação)... 3 Artigo 3º... 3 (Princípios e finalidades)... 3 Artigo 4º... 3 (Objetivos específicos)...

Leia mais

REGULAMENTO DAS FÉRIAS DESPORTIVAS DA JUNTA DE FREGUESIA DE PARANHOS

REGULAMENTO DAS FÉRIAS DESPORTIVAS DA JUNTA DE FREGUESIA DE PARANHOS REGULAMENTO DAS FÉRIAS DESPORTIVAS DA JUNTA DE FREGUESIA DE PARANHOS PREÂMBULO No uso da competência prevista pelos artigos 112º, n.º. 8, e 241º da Constituição da República Portuguesa, e conferida pela

Leia mais

INSCRIÇÃO COMO ADVOGADO

INSCRIÇÃO COMO ADVOGADO INSCRIÇÃO COMO ADVOGADO RNE 52-A/2005 (alterado pela Deliberação n.º 3333-A/2009) DOCUMENTOS A ENTREGAR : 1) Requerimento de inscrição de Advogado (anexo A); 2) 3 Boletins de Inscrição com a assinatura

Leia mais

Cinfães em Movimento - programa de atividades para a interrupção letiva do Verão Cinfães em Movimento

Cinfães em Movimento - programa de atividades para a interrupção letiva do Verão Cinfães em Movimento Cinfães em Movimento programa de atividades para a interrupção letiva do Verão Normas de funcionamento 1. Objetivos No seguimento das funções de apoio à infância e à juventude e aos projetos que promovam

Leia mais

REGULAMENTO PARA RECRUTAMENTO DO DIRECTOR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS RODRIGUES DE FREITAS. Artigo 1º. Objecto

REGULAMENTO PARA RECRUTAMENTO DO DIRECTOR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS RODRIGUES DE FREITAS. Artigo 1º. Objecto REGULAMENTO PARA RECRUTAMENTO DO DIRECTOR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS RODRIGUES DE FREITAS Artigo 1º Objecto O presente regulamento estabelece as condições de acesso e normas do concurso para eleição do

Leia mais

I Triatlo Aventura Óbidos Sábado, 19 de Abril de 2008 Estádio Municipal Óbidos. Regulamento

I Triatlo Aventura Óbidos Sábado, 19 de Abril de 2008 Estádio Municipal Óbidos. Regulamento 1. Introdução I Triatlo Aventura Óbidos Sábado, 19 de Abril de 2008 Estádio Municipal Óbidos Regulamento O I Triatlo Aventura Óbidos é uma prova combinada com Corrida, Canoagem e BTT utilizando sempre

Leia mais

NORMAS DE PARTICIPAÇÃO DO PROGRAMA DE MINI FÉRIAS DE NATAL 2014

NORMAS DE PARTICIPAÇÃO DO PROGRAMA DE MINI FÉRIAS DE NATAL 2014 NORMAS DE PARTICIPAÇÃO DO PROGRAMA DE MINI FÉRIAS DE NATAL 2014 A criação do Programa de Mini Férias de Natal 2014 foi pensada para o fortalecimento e melhoramento da qualidade de vida dos seus munícipes,

Leia mais

Regulamento Municipal de Atribuição de. Bolsas de Mérito Desportivo

Regulamento Municipal de Atribuição de. Bolsas de Mérito Desportivo PREÂMBULO O desporto assume na sociedade atual um papel de extrema importância, não apenas na promoção da saúde, do desenvolvimento económico e na formação dos cidadãos mas, igualmente, como elemento valorizador

Leia mais

1. Local. 2. Local para acampamento: 3. O Tema

1. Local. 2. Local para acampamento: 3. O Tema A Aventura Regional Escoteira será uma grande atividade do Ramo Escoteiro, focada na integração de patrulhas. Haverá uma competição, onde todas as patrulhas poderão sair vencedoras, se cumprirem, com eficiência,

Leia mais

CORPO NACIONAL ESCUTAS AGRUPAMENTO Nº 990. Plano de Actividades / Orçamento VIANA DO CASTELO. Página 1 de 9

CORPO NACIONAL ESCUTAS AGRUPAMENTO Nº 990. Plano de Actividades / Orçamento VIANA DO CASTELO. Página 1 de 9 CORPO NACIONAL ESCUTAS AGRUPAMENTO Nº 990 ESCUTISMO CATÓLICO PORTUGUÊS 2014 Plano de Actividades / Orçamento VIANA DO CASTELO Página 1 de 9 1 - OBJECTIVOS O Corpo Nacional de Escutas é uma associação de

Leia mais

Plano de Actividades e Orçamento

Plano de Actividades e Orçamento Plano de Actividades e Orçamento Ano de 2013/2014 Elaborado em Setembro/ 2013 1 - Identificação e Caracterização: Nome do Agrupamento:- Agrupamento nº. 1257 S. João da Ribeira Lugar: Igreja Ribeira Ponte

Leia mais

Regulamento Cartão Jovem Municipal

Regulamento Cartão Jovem Municipal Regulamento Cartão Jovem Municipal Nota Justificativa O Cartão Jovem Municipal é uma iniciativa da Câmara Municipal de Vila do Porto, que visa proporcionar aos jovens vantagens, traduzidas num conjunto

Leia mais

Academia de Verão 2014 I orientações de funcionamento

Academia de Verão 2014 I orientações de funcionamento Academia de Verão 2014 I orientações de funcionamento 1. Objetivo A Academia de Verão da Universidade de Aveiro tem por objetivo proporcionar a estudantes do ensino secundário a oportunidade de investigarem

Leia mais

1º Festival SESI Literário 2013

1º Festival SESI Literário 2013 REGULAMENTO O SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA, DEPARTAMENTO REGIONAL - SESI/DR/BA, faz saber, para conhecimento dos trabalhadores da indústria (industriários e empresários) e seus dependentes diretos (filhos

Leia mais

Agrupamento 450 Serreleis OBJECTIVOS:

Agrupamento 450 Serreleis OBJECTIVOS: OBJECTIVOS: Melhorar a formação dos membros do Agrupamento Fomentar a interacção entre o Agrupamento, a Paróquia e a Região Reunir com os pais por secção Intensificar a dimensão espiritual Fortalecer a

Leia mais

18º TORNEIO CONCELHIO DE FUTSAL SUB-13 GONDOMAR 2015

18º TORNEIO CONCELHIO DE FUTSAL SUB-13 GONDOMAR 2015 A Escola Desportiva e Cultural de Gondomar vai, uma vez mais e pelo 18º ano consecutivo, em colaboração com a Câmara Municipal de Gondomar, levar a efeito o 18º. Torneio Concelhio de Futsal Sub-13 (Jovens

Leia mais

Percurso Inicial de Formação Sistema de Formação de Adultos no Escutismo. Formação Geral de Pedagogia Escutista

Percurso Inicial de Formação Sistema de Formação de Adultos no Escutismo. Formação Geral de Pedagogia Escutista Percurso Inicial de Formação Sistema de Formação de Adultos no Escutismo C Formação Geral de Pedagogia Escutista Formação Geral de Pedagogia Escutista A Formação Geral de Pedagogia Escutista consiste num

Leia mais