Projecto Jovens anos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projecto Jovens anos"

Transcrição

1 Projecto Jovens anos

2 Introdução Os jovens 18/24 anos - constituem o grupo etário com maior índice de sinistralidade rodoviária. Na realidade, constituíram entre 2003 e 2007, 16.0% dos mortos e 18.7% dos feridos graves, quando em 2007 apenas constituíam 8.3% da população. No ano de 2007, morreram em acidentes rodoviários 155 jovens de anos por milhão de habitantes, contra 84 mortos por milhão de habitantes no global da população.

3 Objectivo Geral Contribuir para a redução da sinistralidade na faixa etária dos anos, bem como contribuir para os objectivos quantitativos traçados na Estratégia Nacional de Segurança Rodoviária.

4 Objectivos específicos Aumentar o conhecimento dos problemas de segurança rodoviária ligados à: prática de velocidades inadequadas, alterar a atitude face à prática de velocidades elevadas e reduzir as velocidades praticadas; condução sob a influência de álcool e de outras drogas, alterar a atitude face ao problema e reduzir os índices de alcoolemia na condução; à influência da fadiga e da sonolência na condução e a atitude face ao problema e os hábitos de conduzir cansado ou com sono; utilização do telemóvel durante a condução, mesmo com o sistema mãos livres, alterar a atitude e os comportamentos face ao problema, tanto no que respeita a fazer e receber chamadas, bem como ao envio e leitura de mensagens recebidas;

5 Objectivos específicos Aumentar o conhecimento dos problemas de segurança rodoviária ligados à: cinto de segurança por parte dos passageiros do banco de trás e aumentar a sua utilização dentro e fora das localidades; à sinistralidade dos veículos de 2 rodas a motor e alterar a atitude e o comportamento dos condutores 2 rodas e automóveis face ao problema, promovendo uma convivência pacífica; Alterar a atitude perante o risco e criar uma atitude de preocupação pela segurança; Promover a internalização da responsabilidade face às atitudes e comportamentos na condução

6 Contribuição para a Estratégia Nacional de Segurança Rodoviária Estes objectivos prosseguem seis dos dez Objectivos Estratégicos definidos na ENSR: - Condutores de veículos de 2 rodas a motor; - Condutores de automóveis ligeiros; - Circulação dentro das localidades; - Condução sob o efeito do álcool e de substâncias psicotrópicas; - Velocidade; - Dispositivos de segurança.

7 Website Redução da sinistralidade dos Jovens Sensibilização dos Jovens e alteração de comportamentos Visão Global do Projecto Segurança Rodoviária em Rede Exposição Interactiva Actividades com e para Jovens Conferência Jovens 18-24

8 DESCRIÇÃO DAS ACÇÕES

9 1- Conferência Jovens anos Organização de uma conferência para debater temas relevantes para a segurança rodoviária dos jovens de anos, com a participação de especialistas nacionais e estrangeiros nas diversas áreas do saber relativas à segurança rodoviária e ao comportamento dos jovens Engloba workshops temáticos os quais terão como objectivo recolher informações relevantes para o desenvolvimento de actividades dirigidas a esta faixa etária, bem como para a definição da estratégia de comunicação. Temas a abordar: Risco Procura de sensações Medidas preventivas Treino de competências Estratégias de comunicação Etc...

10 2- Website Esta acção consiste na concepção e publicação de um Website que disponibilizará conteúdos de forma dinâmica e interactiva sobre os temas mais relevantes para a segurança rodoviária neste grupo alvo: Velocidade; Álcool; Drogas; Fadiga/sono; Telemóvel; Cinto de segurança no banco de trás; 2 Rodas; Risco; O Website tem várias finalidades: Disponibilizar conteúdos teóricos e práticos; Estimular e apoiar o desenvolvimento de actividades Formar à distância;

11 3- Exposição Interactiva de Segurança Rodoviária Utilizando uma estratégia de comunicação assente na experimentação, pretende-se com esta acção transmitir conhecimentos de forma interactiva, tendo por base o esclarecimento da razão de ser das regras existentes no meio rodoviário bem como dar resposta aos porquês da sua existência. Reforça-se a utilização de tecnologia diversa e pouco divulgada para a transmissão, de forma interactiva, de conteúdos teóricos e práticos de forte componente técnica e pedagógica. Nesta exposição estarão presentes técnicos com formação adequada em segurança rodoviária e jovens voluntários (rede VAMOS e Instituto Português da Juventude), previamente formados pelos técnicos da PRP, aptos a orientar as actividades e a prestar os esclarecimentos necessários.

12 4- Promoção de actividades de segurança rodoviária com jovens e para jovens Esta acção consiste na promoção de actividades numa lógica peer to peer, no âmbito da segurança rodoviária. Será lançado um concurso, com divulgação no Website, para estimular a adesão à iniciativa e promover actividades para os pares da sua comunidade. Para iniciar, dinamizar e acompanhar o desenvolvimento de actividades será proporcionada formação a distância, complementada com formação presencial.

13 4- Promoção de actividades de segurança rodoviária com jovens e para jovens Acompanhamento técnico-pedagógico por especialistas da Prevenção Rodoviária Portuguesa. As actividades são avaliadas por um júri técnico Às melhores actividades são atribuídos prémios de mérito. No final é organizado um encontro no qual são apresentadas as melhores actividades e entregues os prémios numa cerimónia. Os participantes nas actividades serão convidados e motivados a integrar a rede de voluntários iniciada pelo projecto europeu VAMOS.

14 5- Segurança Rodoviária em Rede Estimular as Associações Juvenis a integrar projectos e acções de segurança rodoviária nas suas actividades, visando a criação de uma rede de voluntários. As associações são convidadas a participar na Conferência Jovens e na organização da Exposição Interactiva em cada distrito. Será facultada às Associações Juvenis formação a distância através da plataforma de e-learning do Website Será disponibilizada às associações consultoria ao desenvolvimento de projectos através de um Centro de Apoio criado para o efeito.

15 6- Estratégia de comunicação A estratégia de comunicação terá por base os princípios e recomendações que constam no Manual CAST, produzido recentemente no âmbito de um projecto europeu com o mesmo nome. A estratégia de comunicação transversal ao projecto é constituída por 5 eixos principais: Comunicação peer to peer (boa prática recomendada para este segmento alvo) Comunicação mouth to mouth Aquisição de conhecimentos através da experimentação Multiplicação dos agentes de prevenção e segurança rodoviária Utilização da Internet como canal privilegiado de comunicação com o target escolhido A estratégia de divulgação visará a promoção do projecto propriamente dito, a comunicação com e entre os jovens, fomentará o desenvolvimento de actividades de prevenção e segurança rodoviária, a divulgação nos orgãos de comunicação social nacionais e regionais, estabelecimento de parcerias estratégicas com organismos e instituições que possibilitem optimizar a comunicação com os jovens e o desenvolvimento das acções.

16 Outputs do projecto Rede de jovens voluntários Documentação técnica Aumento do número de entidades a desenvolver projectos Projecto Jovens anos Outputs na área da segurança rodoviária Trabalho entre técnicos e jovens Partilha e Intercâmbio de saberes a nível internacional Recomendações para implementação de medidas de prevenção e segurança rodoviária Aquisição de novos conhecimentos através de uma metodologia de experimentação

17 Projecto Jovens anos

Prevenção Rodoviária Portuguesa

Prevenção Rodoviária Portuguesa FÓRUM NACIONAL ÁLCOOL E SAÚDE FORMULÁRIO DE SUBMISSÃO TÍTULO DO CAMPO Data de submissão Agosto 2015 NOME DA ORGANIZAÇÃO AUTORA DO COMPROMISSO TÍTULO DO COMPROMISSO Prevenção Rodoviária Portuguesa Reunião

Leia mais

O projecto Potencial C inclui ainda um número limitado de actividades a decorrer fora do país. Objectivos:

O projecto Potencial C inclui ainda um número limitado de actividades a decorrer fora do país. Objectivos: O projecto Potencial C é uma iniciativa da Agência INOVA e é constituído por um conjunto integrado e abrangente de actividades que, ao longo de 24 meses, procurará estimular a criação de empresas no âmbito

Leia mais

DÉCADA DE ACÇÃO PARA A SEGURANÇA RODOVIÁRIA

DÉCADA DE ACÇÃO PARA A SEGURANÇA RODOVIÁRIA DÉCADA DE ACÇÃO PARA A SEGURANÇA RODOVIÁRIA 2011-2020 Gestão da Segurança Rodoviária A Estratégia Nacional Escola Nacional de Saúde Pública, 11 de Maio Paulo Marques Augusto 1965 1966 1967 1968 1969 1970

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades Desagregação das medidas e das tipologias de atividades ESTRATÉGIA NACIONAL

Leia mais

Plano de Acção

Plano de Acção - 2 - Nota Prévia A Rede Social afirmou-se ao longo da sua criação como uma medida inovadora e com capacidade de produzir alterações positivas na intervenção social. Esta medida assumiu-se, desde início,

Leia mais

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES PLANO DE ACTIVIDADES 2010 2011 Identificação Entidade: Sociohabitafunchal, E.M Animadora: Célia Dantas Localização: Centro Cívico de Santo António Designação O Clube de Emprego é um serviço promovido pelo

Leia mais

Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança

Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança Breve Enquadramento O Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança constitui o resultado do Projeto Tecer a, promovido pela Comissão Nacional de Promoção

Leia mais

De: Secretaria Nacional Pedagógica Para: Juntas Regionais, Juntas de Núcleo e Agrupamentos. Assunto: Concurso Jovem Consumidor Responsável

De: Secretaria Nacional Pedagógica Para: Juntas Regionais, Juntas de Núcleo e Agrupamentos. Assunto: Concurso Jovem Consumidor Responsável Circular 8-1-006 de 1 de Fevereiro De: Secretaria Nacional Pedagógica Para: Juntas Regionais, Juntas de Núcleo e Agrupamentos Assunto: Concurso Jovem Consumidor Responsável Caros Irmãos Escutas A Direcção

Leia mais

CARTA DE RECOMENDAÇÕES Elaborada pelos participantes do 2º Encontro da Rede Participação Juvenil de Sintra

CARTA DE RECOMENDAÇÕES Elaborada pelos participantes do 2º Encontro da Rede Participação Juvenil de Sintra CARTA DE RECOMENDAÇÕES Elaborada pelos participantes do 2º Encontro da Rede Participação Juvenil de Sintra 03.03.2012 PARTICIPAÇÃO EM ACTIVIDADES JUVENIS 1. Realizar inquéritos, a nível local, para averiguar

Leia mais

ALAIN AREAL LISBOA, 03 DE OUTUBRO 2016

ALAIN AREAL LISBOA, 03 DE OUTUBRO 2016 ALAIN AREAL LISBOA, 03 DE OUTUBRO 2016 Enquadramento Na Europa, 60% dos acidentes de trabalho de que resultam mortos são acidentes rodoviários, incluindo os acidentes de trajecto para o trabalho. Acidentes

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL

RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL O presente relatório reflecte a actividade do CLDS Marinha Social, desde o inicio da sua actividade, em Julho de 2009 até Junho de 2010, analisando-se 2 momentos

Leia mais

Regulamento CONCURSO: Postal de Natal ecológico. Concurso Postal de Natal ecológico 5ª Edição Entidade Promotora

Regulamento CONCURSO: Postal de Natal ecológico. Concurso Postal de Natal ecológico 5ª Edição Entidade Promotora Concurso Postal de Natal ecológico 5ª Edição - 2016 CONCURSO: Postal de Natal ecológico Regulamento 1 - Entidade Promotora O concurso Postal de Natal ecológico é uma iniciativa da Câmara Municipal de Gouveia,

Leia mais

PARTICIPAÇÃO JUVENIL NA DEMOCRACIA

PARTICIPAÇÃO JUVENIL NA DEMOCRACIA PARTICIPAÇÃO JUVENIL NA DEMOCRACIA Projecto financiado com o apoio da Comissão Europeia. A informação contida nesta publicação (comunicação) Vincula exclusivamente o autor, não sendo a Comissão responsável

Leia mais

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO DECRETO-LEI Nº190/1991 DE 17 MAIO DECRETO-LEI Nº300/1997 DE 31 OUTUBRO / PORTARIA Nº 63 / 2001 DE 30 DE JANEIRO A escola e seus actores Agrupamento de Escolas de

Leia mais

Plano de Actividades e Orçamento 2010

Plano de Actividades e Orçamento 2010 Plano de Actividades e Orçamento 2010 1 2 1. Missão A CooLabora é uma cooperativa de consultoria e intervenção social criada em 2008. Tem por missão contribuir para a inovação social no desenvolvimento

Leia mais

I (Comunicações) CONSELHO

I (Comunicações) CONSELHO I (Comunicações) CONSELHO Resolução do Conselho e dos Representantes dos Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, sobre o reconhecimento do valor da aprendizagem não formal e informal no domínio

Leia mais

PORTAL DAS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL COM INTERVENÇÃO NA SAÚDE

PORTAL DAS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL COM INTERVENÇÃO NA SAÚDE PORTAL DAS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL COM INTERVENÇÃO NA SAÚDE Sistema de Informação de Apoio à Gestão das Organizações da Sociedade Civil Direcção de Serviços de Prevenção e Controlo de Doenças Divisão

Leia mais

OBJECTIVOS: Prevenção Participação Associativismo Reflexão LINHAS DE ACTUAÇÃO:

OBJECTIVOS: Prevenção Participação Associativismo Reflexão LINHAS DE ACTUAÇÃO: LINHAS DE ACTUAÇÃO: OBJECTIVOS: Incentivar a criação das associações de pais e EE, do ensino não superior; Intervir e defender os interesses dos educandos, fomentando a colaboração entre pais, alunos e

Leia mais

Formação Inicial para motorista de táxi

Formação Inicial para motorista de táxi Formação Inicial para motorista de táxi PROGRAMA Duração e calendário do curso O Curso de Formação Inicial de Motorista de Táxi ministrado pela Protaxisó é constituído pela Componente Teórica e Componente

Leia mais

Descrição do Curso de Verão

Descrição do Curso de Verão Descrição do Curso de Verão Portugal - 1 de 7 - Introdução O BEST Board of European Students of Technology é uma associação sem fins lucrativos, políticos ou religiosos que reúne estudantes de Engenharia,

Leia mais

APRESENTAÇÃO PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR CONDUTA DE MERCADO. Instituto de Seguros de Portugal. 6 de Maio de 2009

APRESENTAÇÃO PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR CONDUTA DE MERCADO. Instituto de Seguros de Portugal. 6 de Maio de 2009 APRESENTAÇÃO PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR CONDUTA DE MERCADO Instituto de Seguros de Portugal 6 de Maio de 2009 1 OBJECTIVOS DA INICIATIVA REGULATÓRIA Estabelecimento de princípios gerais a observar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIENCIAS DA EDUCAÇÃO GRUPO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO, CULTURA E MEIO AMBIENTE GEAM

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIENCIAS DA EDUCAÇÃO GRUPO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO, CULTURA E MEIO AMBIENTE GEAM UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIENCIAS DA EDUCAÇÃO GRUPO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO, CULTURA E MEIO AMBIENTE- GEAM PROJETO I ENCONTRO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA UFPA: OS DEZ ANOS DO GRUPO DE ESTUDOS

Leia mais

Estratégias para a Saúde

Estratégias para a Saúde Estratégias para a Saúde V.1) Cadernos do PNS Acções e Recomendações Promoção da Cidadania em Saúde (Versão Discussão) ESTRATÉGIAS PARA A SAÚDE V.1) CADERNOS DO PNS - ACÇÕES E RECOMENDAÇÕES PROMOÇÃO DA

Leia mais

Comissão de Protecção de Crianças e Jovens de Arganil. Plano de Actividades para Efectuar levantamento das iniciativas de

Comissão de Protecção de Crianças e Jovens de Arganil. Plano de Actividades para Efectuar levantamento das iniciativas de ACÇÃO Nº I NOVOS (PER)CURSOS DE VIDA Caracterização da Acção Recursos a Afectar Calendarização Público-Alvo Grupo de Trabalho - Efectuar levantamento das iniciativas de 1. Estimular a participação dos

Leia mais

O estado de saúde depende em muito de comportamentos saudáveis, como não utilizar drogas (licitas ou ilícitas), alimentar-se correctamente, praticar

O estado de saúde depende em muito de comportamentos saudáveis, como não utilizar drogas (licitas ou ilícitas), alimentar-se correctamente, praticar O estado de saúde depende em muito de comportamentos saudáveis, como não utilizar drogas (licitas ou ilícitas), alimentar-se correctamente, praticar exercício físico, entre outras. No entanto, e o nosso

Leia mais

DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO

DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO CONTÍNUA PARA MOTORISTA DE TÁXI PROGRAMA Duração e calendário do curso O Curso de Formação Contínua de Motorista de Táxi ministrado pela Protaxisó é constituído pela Componente Teórica e Componente

Leia mais

Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Nova de Lisboa

Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Nova de Lisboa Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Nova de Lisboa Objectivos Metodologia Casos de Estudo Proposta de Estratégias Conclusões Desenvolvimentos Futuros Definir estratégias que permitam aumentar

Leia mais

Porto 15/05/2014. Jorge Jacob Presidente da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária

Porto 15/05/2014. Jorge Jacob Presidente da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária Porto 15/05/2014 Jorge Jacob Presidente da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária SUMÁRIO: Código da Estrada Revisto principais alterações em vigor desde 1 de janeiro de 2014 Panorâmica da sinistralidade

Leia mais

Programa Pedagógico de Animação e Regulamento Interno. Alvará n 624/2010

Programa Pedagógico de Animação e Regulamento Interno. Alvará n 624/2010 Programa Pedagógico de Animação e Regulamento Interno Alvará n 624/2010 1 1. Programa Pedagógico de Animação Princípios orientadores: Os princípios orientadores do nosso projecto são para além do aumento

Leia mais

CONCURSO. Pensar os Afectos Viver em Igualdade

CONCURSO. Pensar os Afectos Viver em Igualdade CONCURSO Pensar os Afectos Viver em Igualdade O concurso Pensar os Afectos Viver em Igualdade pretende premiar produtos e acções de sensibilização produzidos por alunos e alunas dos 1º, 2º e 3º Ciclos

Leia mais

Regulamento de Cooperação CAPÍTULO I. Da Natureza, Objecto e Objectivos da RBA. Artigo 1º. Natureza. Artigo 2º. Objecto. Artigo 3º.

Regulamento de Cooperação CAPÍTULO I. Da Natureza, Objecto e Objectivos da RBA. Artigo 1º. Natureza. Artigo 2º. Objecto. Artigo 3º. Regulamento de Cooperação A rede de Bibliotecas de Arraiolos adiante designada RBA, foi criada pelo acordo de cooperação número oitenta e cinco de dois mil e onze e pelo protocolo assinado entre a Câmara

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO, DO ANO DE 2005

PLANO DE ACÇÃO, DO ANO DE 2005 PLANO DE ACÇÃO, DO ANO DE 2005 O ano de 2005 é o último ano de vigência do I Plano Estratégico para o Desenvolvimento da. Assim sendo, este Plano de Acção constitui, de certa forma, o encerrar de um ciclo

Leia mais

Prémio Anual de Gestão, Marketing e Comunicação. Parceiro

Prémio Anual de Gestão, Marketing e Comunicação. Parceiro PREMIVALOR Prémio Anual de Gestão, Marketing e Comunicação Parceiro OBJETIVOS Reconhecer e premiar o melhor projeto académico nas áreas de gestão, comunicação e marketing, apresentado por alunos do ensino

Leia mais

promovam a reflexão sobre temáticas fundamentais relacionadas com a aprendizagem da Matemática.

promovam a reflexão sobre temáticas fundamentais relacionadas com a aprendizagem da Matemática. Áreas prioritárias no apoio ao sistema educativo 1º ciclo área da Matemática Perspectivas sobre o trabalho a ser desenvolvido na área da Matemática Proposta Enquadramento A visão de que o ensino da Matemática,

Leia mais

Guia para um consumo sustentável

Guia para um consumo sustentável Guia para um consumo sustentável Contexto O consumo sustentável traduz-se na utilização adequada dos recursos naturais de forma a satisfazer as actuais necessidades de consumo sem comprometer as gerações

Leia mais

10º CONGRESSO NACIONAL DE MECÂNICA EXPERIMENTAL

10º CONGRESSO NACIONAL DE MECÂNICA EXPERIMENTAL 10º CONGRESSO NACIONAL DE MECÂNICA EXPERIMENTAL Lisboa LNEC 12 a 14 de outubro de 2016 GUIA PARA PATROCÍNIOS 1 de 5 INTRODUÇÃO O Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) vai organizar de 12 a 14

Leia mais

O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)?

O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)? O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)? O Liderança para a Mudança é um programa de aprendizagem activa para o desenvolvimento dos enfermeiros como líderes e gestores efectivos num ambiente

Leia mais

PROPOSTA DE MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE A UNYLEYA - EDUCAÇÃO EFORMAÇÃO A DISTÂNCIA, SA E O INSTITUTO NACIONAL DE ADMINISTRAÇÃO, I.P.

PROPOSTA DE MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE A UNYLEYA - EDUCAÇÃO EFORMAÇÃO A DISTÂNCIA, SA E O INSTITUTO NACIONAL DE ADMINISTRAÇÃO, I.P. , ~.> ~.) I INSTITUTO NACIONAL -l.l.í!sj DE ADMINISTRAÇÃO. I-p. PROPOSTA DE MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE A UNYLEYA - EDUCAÇÃO EFORMAÇÃO A DISTÂNCIA, SA E O INSTITUTO NACIONAL DE ADMINISTRAÇÃO, I.P.

Leia mais

Carta de Missão. Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves

Carta de Missão. Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves Carta de Missão Ministério da Economia e do Emprego Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves Diretor De de de 201. a.. de. de 201 1. Missão do organismo O Gabinete de Prevenção e

Leia mais

Acidentes Rodoviários de Trabalho

Acidentes Rodoviários de Trabalho Acidentes Rodoviários de Trabalho Lisboa, 03 de outubro de 2016 Jorge Jacob Agenda: 1 A evolução recente da sinistralidade rodoviária. 2 A Sinistralidade rodoviária laboral. 3 O combate à sinistralidade

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA Título da Posição: TECNICO DE PROMOÇÃO TURÍSTICA Duração: Local: Instituição: RENOVAÇÃO DEPENDENDO

Leia mais

IMAGENS CONTRA A CORRUPÇÃO CONCURSO NACIONAL DE VÍDEOS 2015/16

IMAGENS CONTRA A CORRUPÇÃO CONCURSO NACIONAL DE VÍDEOS 2015/16 IMAGENS CONTRA A CORRUPÇÃO CONCURSO NACIONAL DE VÍDEOS 2015/16 Tema Imagens Contra a Corrupção Tipo Concurso de vídeos de Curta duração Público-alvo Alunos dos Escolas do 2º e 3º ciclo e do Ensino Secundário

Leia mais

Guia Metodológico do Utilizador dos

Guia Metodológico do Utilizador dos Guia Metodológico do Utilizador dos Produtos @Risco Projecto desenvolvido por: Co-financiado por: O Projecto @Risco é co financiado pela Agência Europeia para a Segurança e Saúde no Trabalho e é desenvolvido

Leia mais

PARA QUEM? PARA QUÊ? Público-Alvo:

PARA QUEM? PARA QUÊ? Público-Alvo: PARA QUEM? PARA QUÊ? Público-Alvo: O SÁBADOS ACADÉMICOS destina-se aos Jovens que se encontram a frequentar as Escolas do Ensino Médio, em todo o Território Nacional Os candidatos aos SÁBADOS ACADÉMICOS

Leia mais

Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais

Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais A. ENQUADRAMENTO GERAL 1. O CRL foi criado, no seguimento de acordos de concertação social, para apoio técnico à negociação coletiva. É um organismo

Leia mais

Festival de Sopas, Culturas e Alimentação Saudável da Ilha Terceira

Festival de Sopas, Culturas e Alimentação Saudável da Ilha Terceira Preâmbulo É mais do que certa e sabida a importância de uma alimentação saudável, em todas as faixas etárias, mas, de particular relevância, junto dos jovens. Fazendo uma análise bastante objectiva à variadíssima

Leia mais

FEDERAÇÃO ESPÍRITA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. A FEEES e o Movimento Espírita do Estado do Espírito Santo

FEDERAÇÃO ESPÍRITA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. A FEEES e o Movimento Espírita do Estado do Espírito Santo FEDERAÇÃO ESPÍRITA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO A FEEES e o Movimento Espírita do Estado do Espírito Santo A Federação Espírita do Espírito Santo, fundada em 1921, é constituída pelo Conselho Estadual e

Leia mais

Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social. Programa EaSI. Antonieta Ministro

Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social. Programa EaSI. Antonieta Ministro Programa EaSI É um instrumento de financiamento, a nível europeu, gerido diretamente pela Comissão Europeia, para apoiar o emprego, a política social e a mobilidade profissional em toda a UE Visa contribuir

Leia mais

Projecto NOITE SAUDÁVEL em COIMBRA (Maio 2014 a Junho 2015)

Projecto NOITE SAUDÁVEL em COIMBRA (Maio 2014 a Junho 2015) (Maio 2014 a Junho 2015) Uma perspec;va de Saúde Pública Da Prevenção à Intervenção em Rede Organização: Centro de Prevenção e Tratamento do Trauma Psicogénico (CPTTP) e Unidade de Violência Familiar (UVF)

Leia mais

PASSATEMPO À VELOCIDADE DO SOL - ADENDA AO REGULAMENTO -

PASSATEMPO À VELOCIDADE DO SOL - ADENDA AO REGULAMENTO - PASSATEMPO - ADENDA AO REGULAMENTO - 1. INTRODUÇÃO Dado que a organização da Semana da Energia e do Ambiente (SEA) recebeu solicitações por parte de alunos que estão a frequentar o 9º ano para participarem

Leia mais

Terceira Conferência Parlamentar sobre a Segurança Rodoviária na Europa. Política e acções gregas sobre a segurança do tráfego rodoviário

Terceira Conferência Parlamentar sobre a Segurança Rodoviária na Europa. Política e acções gregas sobre a segurança do tráfego rodoviário Terceira Conferência Parlamentar sobre a Segurança Rodoviária na Europa Política e acções gregas sobre a segurança do tráfego rodoviário Na Grécia, o número anual de vítimas mortais da sinistralidade rodoviária

Leia mais

Estratégia da ONUSIDA para : Acelerar o financiamento para pôr fim à SIDA

Estratégia da ONUSIDA para : Acelerar o financiamento para pôr fim à SIDA Estratégia da ONUSIDA para 2016-2020: Acelerar o financiamento para pôr fim à SIDA www.itcilo.org INTRODUÇÃO Estratégia global orientar e apoiar a resposta à SIDA, a nível global e assente em princípios

Leia mais

Plano de Ação do CLAS de Cascais

Plano de Ação do CLAS de Cascais Plano de Ação do CLAS de Cascais 2016 1 Introdução No quadro das competências do Conselho Local de Ação Social (CLAS) 1 a ação do seu Núcleo Executivo em 2016 vai desenvolver-se em 4 eixos de atuação:

Leia mais

Um Mundo Uma Promessa

Um Mundo Uma Promessa Um Mundo Uma Promessa www.cne-escutismo.pt escutismo.pt 1 PORQUÊ CELEBRAR O CENTENÁRIO DO ESCUTISMO? 2 Milhões de pessoas da maior parte dos países e das culturas do mundo aderiram à Promessa e à Lei do

Leia mais

Compras Públicas Ecológicas: o papel do consumidor Estado. Paula Trindade LNEG

Compras Públicas Ecológicas: o papel do consumidor Estado. Paula Trindade LNEG Compras Públicas Ecológicas: o papel do consumidor Estado Paula Trindade LNEG Conferência Consumo Sustentável e Alterações Climáticas Alfragide, 26 Novembro 2009 Potencial das Compras Públicas Sustentáveis

Leia mais

PROGRAMA ELEITORAL LISTA A

PROGRAMA ELEITORAL LISTA A PROGRAMA ELEITORAL 2011-2012 LISTA A ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. RELAÇÕES COM OUTROS ORGANISMOS 3. FORMAÇÃO 4. JANTARES-DEBATES E CONFERÊNCIAS 5. ANGARIAÇÃO E RETENÇÃO DE ASSOCIADOS 2 1. INTRODUÇÃO A Lista

Leia mais

Sensibilizar para o Desperdício Alimentar

Sensibilizar para o Desperdício Alimentar Sensibilizar para o Desperdício Alimentar 1. Descrição Sensibilizar para o Desperdício Alimentar 2. Razões justificativas da ação: Problema/Necessidade de formação identificado A nível mundial, são muitas

Leia mais

Desempregado ou Inactivo? Empreende!

Desempregado ou Inactivo? Empreende! Desempregado ou Inactivo? Empreende! Apoios à criação do próprio emprego ou empresa António Realinho Vice-Presidente da ADRACES ENQUADRAMENTO A ADRACES é a Entidade Gestora do Grupo de Acção Local - GAL

Leia mais

2000 Ano Mundial da Matemática

2000 Ano Mundial da Matemática 2000 Ano Mundial da Matemática Projecto de Actividades Semana da Matemática 20 a 25 de Março de 2000 Organização: Escola do Ensino Básico de Tondela Escola Secundária de Tondela O ano 2000 foi declarado

Leia mais

DAP DINÂMICAS DE ACÇÃO-PREVENÇÃO

DAP DINÂMICAS DE ACÇÃO-PREVENÇÃO DAP DINÂMICAS DE ACÇÃO-PREVENÇÃO Apresentação do Projecto Escola E.B 2,3 Passos José OBJECTIVOS GERAIS Fomentar a integração dos alunos no contexto escolar, promovendo o sucesso educativo Agir preventiva

Leia mais

Comissão de Protecção De Crianças e Jovens De Arganil. Plano de Acção. Ano 2011 ACÇÃO Nº I SABER SER, SABER ESTAR

Comissão de Protecção De Crianças e Jovens De Arganil. Plano de Acção. Ano 2011 ACÇÃO Nº I SABER SER, SABER ESTAR Comissão de Protecção De Crianças e Jovens De Arganil Plano de Ano 2011 ACÇÃO Nº I SABER SER, SABER ESTAR ACÇÃO N.º I CONFERÊNCIA: Os Direitos das Crianças Gerais Específico Recursos a Afectar Calendarização

Leia mais

A Educação para os Media em Portugal

A Educação para os Media em Portugal A Educação para os Media em Portugal Experiências, Actores e Contextos Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade Novembro de 2009 1. Enquadramento Teórico A Educação para os Media é hoje uma área-chave

Leia mais

PLANO DE AÇÃO

PLANO DE AÇÃO INSTITUTO FLORENCE DE ENSINO SUPERIOR COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO PLANO DE AÇÃO 2016-207 São Luís 2016 1 INTRODUÇÃO O plano de ações da CPA define os rumos dos trabalhos que serão desenvolvidas pela

Leia mais

O MELHOR ARTIGO DE SEMPRE

O MELHOR ARTIGO DE SEMPRE - R E G U L A M E N T O - Associação de Estudantes da Faculdade de Ciências Médicas de Lisboa Campo Mártires da Pátria, 130, 1169-056 LISBOA Telefone:+351 21 880 30 95 Fax:+351 21 885 12 20 Artigo 1º (Definição)

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DE UMA ASSOCIAÇÃO

CONSTITUIÇÃO DE UMA ASSOCIAÇÃO CONSTITUIÇÃO DE UMA ASSOCIAÇÃO MODELO DE ESTATUTOS CAPÍTULO I Princípios Gerais Artigo 1º (Natureza e Sede) 1 - A Associação X, adiante designada por Associação, é constituída por jovens 18 aos 30 anos

Leia mais

EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA

EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA EIXO III EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA SUGESTÃO Desde os anos 1980, observam-se transformações significativas

Leia mais

REDE SOCIAL POEFDS. UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu

REDE SOCIAL POEFDS. UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu REDE SOCIAL POEFDS UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Vila Nova ÍNDICE Nota Introdutória ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------3

Leia mais

Lisboa 2015 FICHA DE CANDIDATURA

Lisboa 2015 FICHA DE CANDIDATURA Lisboa 2015 Refª: 070 Gabinete de Apoio Jovem Futuro + Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21 322 73 60

Leia mais

Sessão de Divulgação TAGUS2020 Ribatejo Interior. Diversificação de Atividades na Exploração Agrícola e Bolsa Nacional de Terras

Sessão de Divulgação TAGUS2020 Ribatejo Interior. Diversificação de Atividades na Exploração Agrícola e Bolsa Nacional de Terras Sessão de Divulgação TAGUS2020 Ribatejo Interior Diversificação de Atividades na Exploração Agrícola e Bolsa Nacional de Terras A nossa Visão Potenciar o máximo aproveitamento e utilização do território

Leia mais

AUDIÇÃO GRUPO DE TRABALHO REGULAÇÃO DA CONCORRÊNCIA E DEFESA DO CONSUMIDOR. Instituto de Seguros de Portugal. 18 de Novembro de 2010

AUDIÇÃO GRUPO DE TRABALHO REGULAÇÃO DA CONCORRÊNCIA E DEFESA DO CONSUMIDOR. Instituto de Seguros de Portugal. 18 de Novembro de 2010 AUDIÇÃO GRUPO DE TRABALHO REGULAÇÃO DA CONCORRÊNCIA E DEFESA DO CONSUMIDOR Instituto de Seguros de Portugal 18 de Novembro de 2010 1 ÍNDICE 1. O INTERESSE DO CONSUMIDOR NA ACTUAÇÃO DO ISP 2. INICIATIVAS

Leia mais

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis Paula Trindade LNEG Conferência Compras Públicas Sustentáveis LNEG, 25 Março 2010 Muitas organizações têm experiências em compras sustentáveis! Mas sem

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO DE FOTOGRAFIA SINOPSE

REGULAMENTO DO CONCURSO DE FOTOGRAFIA SINOPSE SINOPSE O Concurso de fotografia "A Saúde Mental na Objetiva da Juventude" é um projeto que tem como objetivo utilizar a arte fotográfica como meio inovador e lúdico de consciencializar a comunidade, para

Leia mais

CEVALOR. AEP Seminário. 02 de Abril de 2008 CEVALOR. Breves reflexões sobre a GRH

CEVALOR. AEP Seminário. 02 de Abril de 2008 CEVALOR. Breves reflexões sobre a GRH AEP Seminário 02 de Abril de 2008 Breves reflexões sobre a GRH - Programas de desenvolvimento dos recursos humanos não estão interligados com a estratégia - Recursos Humanos geridos como centros de custo

Leia mais

Prémios de Gestão Patrimonial de Infraestruturas

Prémios de Gestão Patrimonial de Infraestruturas Prémios de Gestão Patrimonial de Infraestruturas Regulamento Promoção: LNEC AGS Patrocínio: ERSAR OBJECTIVO Através da colaboração entre o Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) e a empresa Administração

Leia mais

Regulamento Cidade do Vinho 2017

Regulamento Cidade do Vinho 2017 Regulamento Cidade do Vinho 2017 CIDADE DO VINHO 2017 REGULAMENTO DE PARTICIPAÇÃO A designação de "Cidade do Vinho" tem o objectivo de contribuir para valorizar a riqueza, a diversidade e as características

Leia mais

Núcleo Executivo do CLAS de Mafra, 28 Maio de

Núcleo Executivo do CLAS de Mafra, 28 Maio de Plano de Ação Rede Social Mafra Eixo I - DEMOGRAFIA E EQUIPAMENTOS (INFRA-ESTRUTURAS DE APOIO) Objectivo geral 1. Reforçar as estruturas de apoio ao idoso Objectivo Específico 1. Aumentar a capacidade

Leia mais

COLÓQUIO SAÚDE NO TRABALHO

COLÓQUIO SAÚDE NO TRABALHO COLÓQUIO SAÚDE NO TRABALHO GESTÃO DO STRESSE E MOTIVAÇÃO STI Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos Carlos Jorge Pereira Porto 30-09-2016 ACT ACT https://www.youtube.com/watch?v=wuypuh9ojce TÍTULO DA

Leia mais

REGULAMENTO. Artigo 1.º Objetivos

REGULAMENTO. Artigo 1.º Objetivos REGULAMENTO Artigo 1.º Objetivos O II Concurso de Fotografia do Portal Bombeiros.pt, em parceria com a JACINTO, Lda., subordinado ao tema Os Bombeiros Portugueses, tem por objetivo o seguinte: a) Incentivar

Leia mais

UM CONSUMO CONSCIENTE E MODERADO. Alberto da Ponte. O Contributo do sector cervejeiro português

UM CONSUMO CONSCIENTE E MODERADO. Alberto da Ponte. O Contributo do sector cervejeiro português UM CONSUMO CONSCIENTE E MODERADO O Contributo do sector cervejeiro português Alberto da Ponte Presidente da Associação Portuguesa dos Produtores de Cerveja e da The Brewers of Europe A Associação Portuguesa

Leia mais

APROVAÇÕES JUNTA DE FREGUESIA ASSEMBLEIA DE FREGUESIA

APROVAÇÕES JUNTA DE FREGUESIA ASSEMBLEIA DE FREGUESIA L sa Regulamento de Apoio Financeiro ao Movimento Associativo da Freguesia das Alcáçovas APROVAÇÕES JUNTA DE FREGUESIA ASSEMBLEIA DE FREGUESIA Junta de Freguesia das Alcáçovas Abril 2010 INTRODUÇÃO O movimento

Leia mais

Concurso de Ideias AgrInnovation. Instruções de participação

Concurso de Ideias AgrInnovation. Instruções de participação Concurso de Ideias AgrInnovation Instruções de participação Âmbito e objetivos As presentes instruções consagram os termos e as condições de participação no Concurso de Ideias AgrInnovation, promovido

Leia mais

LINHAS ORIENTADORAS PARA A PREVENÇÃO DE DOENÇAS INFECCIOSAS E TOXICODEPENDÊNCIA EM MEIO PRISIONAL

LINHAS ORIENTADORAS PARA A PREVENÇÃO DE DOENÇAS INFECCIOSAS E TOXICODEPENDÊNCIA EM MEIO PRISIONAL LINHAS ORIENTADORAS PARA A PREVENÇÃO DE DOENÇAS INFECCIOSAS E TOXICODEPENDÊNCIA EM MEIO PRISIONAL SETEMBRO, 2006 Missão do Grupo de Trabalho Caracterização Avaliação Tendências de evolução Identificação

Leia mais

REGULAMENTO DA REDE DE PARLAMENTARES PARA O AMBIENTE E LUTA CONTRA A DESERTIFIÇÃO E A POBREZA. Proposta

REGULAMENTO DA REDE DE PARLAMENTARES PARA O AMBIENTE E LUTA CONTRA A DESERTIFIÇÃO E A POBREZA. Proposta ASSEMBLEIA NACIONAL REGULAMENTO DA REDE DE PARLAMENTARES PARA O AMBIENTE E LUTA CONTRA A DESERTIFIÇÃO E A POBREZA Proposta ****** Art. 1 Denominação e natureza 1. É constituída A Rede de Parlamentares

Leia mais

Diretrizes para as bibliotecas escolares (IFLA/UNESCO)

Diretrizes para as bibliotecas escolares (IFLA/UNESCO) Diretrizes para as bibliotecas escolares (IFLA/UNESCO) 1.1 Missão Capítulo 1. Missão e Política A biblioteca escolar no ensino-aprendizagem para todos. A biblioteca escolar proporciona informação e ideias

Leia mais

CANDIDATURA AO PROGRAMA

CANDIDATURA AO PROGRAMA CANDIDATURA AO PROGRAMA CIDADES AMIGAS DAS CRIANÇAS Modelo de Caracterização do Município O documento deve ser preenchido em PDF, utilizando a funcionalidade de preenchimento de campos do presente formulário.

Leia mais

CONVOCATÓRIA. Contato: Luara Lopes Etapas da Convocatória

CONVOCATÓRIA. Contato: Luara Lopes Etapas da Convocatória Contato: Luara Lopes alveslopes@un.org +55 21 99348 5642 www.eird.org/camp-10-15/ O Escritório das Nações Unidas para a Redução de Riscos de Desastres (UNISDR), por meio de seu Escritório Regional para

Leia mais

IMPORTÂNCIA DO TEMA, NA PERSPETIVA DA ORGANIZAÇÃO E DOS SEUS STAKEHOLDERS

IMPORTÂNCIA DO TEMA, NA PERSPETIVA DA ORGANIZAÇÃO E DOS SEUS STAKEHOLDERS Missão POWER UP ÍNDICE ENQUADRAMENTO 3 CONTEXTO 3 IMPORTÂNCIA DO TEMA, NA PERSPETIVA DA ORGANIZAÇÃO E DOS SEUS STAKEHOLDERS 4 DESCRIÇÃO 4 ESTRUTURA DO PROJETO 5 RESULTADOS ATINGIDOS 6 CONCLUSÕES 6 REFERÊNCIAS

Leia mais

Comissão Nacional de Ciência e Tecnologia Combate à Desertificação

Comissão Nacional de Ciência e Tecnologia Combate à Desertificação Comissão Nacional de Ciência e Tecnologia Combate à Desertificação Maria José Roxo O papel do Comité de Ciência e Tecnologia Estabelecido pelo artigo 24 da Convenção Mandato e termos de referência adoptados

Leia mais

Colaboração Instituto Nacional de Estatística. Rede de Bibliotecas Escolares

Colaboração Instituto Nacional de Estatística. Rede de Bibliotecas Escolares Colaboração Instituto Nacional de Estatística Rede de Bibliotecas Escolares António Nogueira * No ano em que decorre o 75º Aniversário da criação do Instituto Nacional de Estatística e o 14º ano de existência

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO CEBC COMO SE ASSOCIAR 2014

APRESENTAÇÃO DO CEBC COMO SE ASSOCIAR 2014 APRESENTAÇÃO DO CEBC 201 QUEM SOMOS FUNDADO EM 200, O CONSELHO EMPRESARIAL BRASIL CHINA CEBC É UMA INSTITUIÇÃO BILATERAL SEM FINS LUCRATIVOS FORMADA POR DUAS SEÇÕES INDEPENDENTES, NO BRASIL E NA CHINA,

Leia mais

100 Limites. Orientadora do projecto : Professora Paula Correia. São Brás de Alportel. Trabalho apresentado junto do Concelho Executivo

100 Limites. Orientadora do projecto : Professora Paula Correia. São Brás de Alportel. Trabalho apresentado junto do Concelho Executivo 1 A Rádio R Escola 100 Limites Orientadora do projecto : Professora Paula Correia Trabalho apresentado junto do Concelho Executivo São Brás de Alportel 2 RESUMO Esta proposta de Modelo de Gestão e de Avaliação

Leia mais

EESTÁGIO PROFISSIONAL

EESTÁGIO PROFISSIONAL CAPÍTULO I Artigo 1.º Regime aplicável 1. O presente regulamento refere-se aos procedimentos de regulação do Estágio do 1.º ano do ramo de Design, da licenciatura do Curso de Arte e Design da Escola Superior

Leia mais

Regulamento do Instituto de Psicologia Cognitiva, Desenvolvimento Humano e Social (IPCDHS)

Regulamento do Instituto de Psicologia Cognitiva, Desenvolvimento Humano e Social (IPCDHS) Regulamento do Instituto de Psicologia Cognitiva, Desenvolvimento Humano e Social (IPCDHS) CAPÍTULO I Natureza, Fins e Atribuições Artigo 1º (Natureza, Constituição, Localização) 1. O Instituto de Psicologia

Leia mais

Programa EaD em REDE

Programa EaD em REDE Programa EaD em REDE Regulamento Interno Regulamenta o Programa EaD em Rede da Associação Brasileira de Reitores das Universidades Estaduais e Municipais - ABRUEM. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art.

Leia mais

Catálogo de Formação

Catálogo de Formação Cérebro Centro de Formação, Lda. Sede: Av. José Afonso, nº. 92, cv Cavaquinhas, Arrentela, 2840-735 Seixal Tel./Fax: 212 225 028 Telem.: 912 583 546 info@cerebro-online.com Direcção: Engª. Manuela Partidário

Leia mais

Resolução do Conselho de Ministros n.º 77/2015, de 10 de Setembro

Resolução do Conselho de Ministros n.º 77/2015, de 10 de Setembro Comissão Executiva da Especialização em Engenharia de Segurança ORDEM DO 16 de Dezembro, 2015 ESTRATÉGIA NACIONAL DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO 2015-2020 - Por um trabalho seguro, saudável e produtivo

Leia mais

SEJA VOLUNTÁRIO! CONTRIBUA PARA O CRESCIMENTO DE UMA NOVA CONSCIÊNCIA SOCIAL

SEJA VOLUNTÁRIO! CONTRIBUA PARA O CRESCIMENTO DE UMA NOVA CONSCIÊNCIA SOCIAL SEJA VOLUNTÁRIO! CONTRIBUA PARA O CRESCIMENTO DE UMA NOVA CONSCIÊNCIA SOCIAL Objectivos: Promover o encontro entre a oferta e a procura de voluntariado; Sensibilizar os cidadãos e as organizações para

Leia mais

CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA ÁRABE-PORTUGUESA

CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA ÁRABE-PORTUGUESA PATROCINADORES CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA ÁRABE-PORTUGUESA A Câmara de Comércio e Indústria Árabe-Portuguesa (CCIAP), Associação sem fins lucrativos/entidade de Utilidade Pública, tem como objectivo

Leia mais

Relatório de Avaliação Grau de Satisfação - Colaboradores CRIT

Relatório de Avaliação Grau de Satisfação - Colaboradores CRIT Relatório de Avaliação Grau de Satisfação - Colaboradores CRIT - 2010 Grau de Satisfação para Colaboradores sobre a Satisfação Global Nº de inquéritos recebidos 90 P1. Imagem global da organização. 0 2

Leia mais

O e-learning para suporte ao ensino presencial universitário

O e-learning para suporte ao ensino presencial universitário Aveiro, 20 de Outubro de 2005 O e-learning para suporte ao ensino presencial universitário Luis Borges Gouveia Professor Associado, FCT, UFP lmbg@ufp.pt Sociedade da Informação A Sociedade da Informação

Leia mais