5º ACAMPAMENTO REGIONAL ACAREG 2015 VIANA DO CASTELO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "5º ACAMPAMENTO REGIONAL ACAREG 2015 VIANA DO CASTELO"

Transcrição

1 5º ACAMPAMENTO REGIONAL ACAREG 2015 VIANA DO CASTELO REGULAMENTO GERAL I FINALIDADES Artigo 1º A realização do V Acampamento Regional de Viana do Castelo (ACAREG 2015), orienta-se pelas seguintes finalidades: a) Proporcionar a todos os Escuteiros participantes a vivência do ideal escutista, proposto por Baden- Powell, estruturado segundo o Sistema de Patrulhas e de acordo com a metodologia educativa do CNE, orientada no sentido de uma sensibilização dos escuteiros para o respeito, conservação e promoção dos valores da Natureza, seguindo a vida e exemplo de Frei Bartolomeu dos Mártires; b) Constituir uma atividade de referência na caminhada escutista de cada participante; c) Proporcionar oportunidades educativas únicas, no progresso de cada participante; d) Promover as diversas áreas de desenvolvimento do jovem escuteiro em ordem a uma correta integração no seu ambiente sócio-cultural, através da utilização dos recursos técnicos e pedagógicos do projeto educativo escutista. e) Contribuir para a formação integral dos jovens, através de ações que realcem os valores humanos e cristãos, nomeadamente: o respeito pela natureza, de acordo com o artigo 6.º da Lei do Escuta; a vivência de outros valores como a tolerância, a amizade colaboração e inter-ajuda, em ordem à concretização da fraternidade escutista. f) Reforçar a imagem do Corpo Nacional de Escutas na Região de Viana do Castelo, como proposta educativa conducente ao desenvolvimento integral da Juventude. Artigo 2º A Simbologia, Lema e Normas orientadoras da vida em campo constarão de Circulares a emitir pela Junta Regional. II - DA ORGANIZAÇÃO Artigo 3º a) O ACAREG 2015 realiza-se na freguesia de Darque, do Concelho de Viana do Castelo. 1

2 b) O ACAREG 2015 tem como Imaginário Novos Céus, Nova Terra sob o lema Não te conformes com o Mundo c) O Acampamento tem início no dia 5 de Agosto de 2015 e termina no dia 9 de Agosto de d) A entrada em campo deve efetuar-se entre as 9 e as 12 horas do dia 5 de Agosto (ficando a refeição do almoço por conta dos participantes). e) Os Lobitos entram em campo entre as 9 e as 12 horas do dia 7 de Agosto (O almoço é refeição fria que cada Lobito trará de casa). Artigo 4º a) O ACAREG 2015 destina-se às I, II, III e IV Secções, não havendo número limite de participantes. b) Os Noviços a Dirigentes (ND) e os Aspirantes a Dirigentes, (AD) serão integrados nas Atividades de Serviço no Acampamento. Artigo 5º a) O ACAREG é estruturado e superiormente orientado por uma Direção de Acampamento, nomeada pela Junta Regional em Ordem de Serviço Regional. b) Da Chefia do Acampamento, constarão obrigatoriamente os seguintes cargos / funções: 1 Chefe de Campo; 2 Chefe de Campo Adjunto; 3 Assistente de Campo; 4 Chefe de Sub-Campo da I Secção; 5 Chefe de Sub-Campo da II Secção; 6 Chefe de Sub-Campo da III Secção; 7 Chefe de Sub-Campo da IV Secção; 8 Chefe das Actividades de Secções; 9 Chefe das Actividades Gerais; 10 Chefe dos Abastecimentos; 11 Chefe das Infra-estruturas; 12 Chefe Administrativo; 13 Chefe Financeiro; 14 Chefe da Comunicação e Imagem; 15 Chefe da Segurança; 16 Chefe dos Serviços de Saúde c) O ACAREG está organizado em cinco Sub-Campos: 1 - I Secção; 2 - II Secção; 3 - III Secção; 4 IV Secção; 5 Serviços Cada Sub-Campo é orientado por uma Chefia de Sub-Campo constituída por um Chefe e um Chefe-Adjunto. Cada Sub-Campo poderá integrar várias Alcateias, Grupos ou Clãs, sendo cada um deles constituído por 4 ou 5 2

3 Bandos, Patrulhas ou Equipas de Pioneiros ou de Caminheiros. Cada Alcateia, Grupo ou Clã é orientado por um Chefe e um Chefe-Adjunto. d) Para os diferentes Serviços do Acampamento poderão inscrever-se Dirigentes, ND S ou AD S. e) A Chefia do Acampamento pode convidar para tarefas específicas no Acampamento, entidades ou indivíduos exteriores ao Movimento. f) A Chefia do Acampamento poderá designar os Dirigentes, Aspirantes a Dirigentes ou Noviços a Dirigentes (ND) para funções diferentes daquelas para que se inscreveram, desde que tal se torne indispensável para o bom funcionamento de toda a Atividade. III DAS CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO Artigo 6º a) Apenas podem participar no ACAREG os Escuteiros que tenham vivência escutista e preparação técnica adequada, pelo que estabelecemos os seguintes critérios de participação: 1 - É interdita a participação de Aspirantes / Noviços; 2 - Só poderão participar os Escuteiros cuja investidura na respetiva Secção tenha sido feita até ao dia b) A participação dos Escuteiros menores de 18 anos está dependente ainda da autorização, por escrito, dos pais ou encarregados de educação, competindo ao Chefe de Agrupamento garantir esse requisito. c) Todos os participantes no V ACAREG têm obrigatoriamente de estar inscritos no SIIE (Sistema Integrado de Informação Escutista), com o respetivo prémio de seguro pago e a ficha de saúde em dia até ao momento das inscrições definitivas, podendo posteriormente ser atualizada, em caso de necessidade médica; d) Serão abertas as inscrições a outras regiões do CNE, não podendo apenas aderir ao Jogo. IV DAS INSCRIÇÕES Artigo 7º a) Os Bandos, Patrulhas e Equipas, terão que ter obrigatoriamente a constituição mínima de 4 elementos e máxima de 8, conforme Regulamento Geral do CNE. b) É obrigatória a inscrição de pelo menos um Dirigente por cada Alcateia, Expedição, Comunidade e Tribos inscritos; c) As Inscrições dos participantes são efetuadas perante a Junta Regional de Viana do Castelo, nos prazos e custos divulgados pela Junta Regional, conforme quadro abaixo, através de oficio ou para a Junta Regional, tendo sempre em consideração como data limite a data da receção; d) Os Agrupamentos quer optem por fazer as inscrições faseadamente quer optem pela forma promocional, pagando a totalidade até 31/01/2015, terão que de 01/06/2015 a 30/06/2015, efetivar nominalmente as suas inscrições, através do SIIE, distribuindo os elementos inscritos pelas quatro 3

4 secções, conforme os pagamentos feitos, bem como os Dirigentes, AD s e ND s que à data se encontram inscritos; e) Todos os pagamentos das inscrições são feitos por Cheque/ transferência de acordo com os valores mencionados no referido quadro. f) A Chefia de Campo assegura a alimentação ao pessoal dos Serviços designado para os 3 dias anteriores ou posteriores ao Acampamento. g) Todos os pagamentos serão efetuados em Cheque do Agrupamento, depósito ou transferência. h) Em caso de desistência de um elemento inscrito, o mesmo poderá ser substituído por outro, desde que cumpra as condições exigidas. i) A substituição mencionada na alínea anterior deverá ser efetuada até ao dia 14 de Julho de Lobitos e os Dirigentes que os acompanham 1ª FASE - Pré-inscrição 2ª FASE - Inscrição 3ª FASE - Inscrição Final Total da Inscrição 10,00 10,00 10,00 30,00 Não inscrito 17,50 17,50 35,00 Não inscrito Não inscrito 40,00 40,00 Exploradores, Pioneiros, Caminheiros e Dirigentes que os acompanham 1ª FASE - Pré-inscrição 2ª FASE - Inscrição 3ª FASE - Inscrição Final Total da Inscrição 20,00 20,00 20,00 60,00 Não inscrito 35,00 35,00 70,00 Não inscrito Não inscrito 75,00 75,00 Dirigentes para os serviços (inclui preparação) 1ª FASE - Pré-inscrição 2ª FASE - Inscrição 3ª FASE - Inscrição Final Total da Inscrição 5,00 5,00 5,00 15,00 Não inscrito 10,00 10,00 20,00 Não inscrito Não inscrito 25,00 25,00 4

5 Promoções - Pagamentos até Lobitos e os Dirigentes que os acompanham 25,00 Exploradores, Pioneiros, Caminheiros e Dirigentes que os acompanham 50,00 Dirigentes para os serviços (inclui preparação) 10,00 Inscrições para associados fora da região de Viana do Castelo Lobitos e os Dirigentes que os acompanham 40,00 Exploradores, Pioneiros, Caminheiros e Dirigentes que os acompanham 70,00 Notas 1) Consideram-se Dirigentes para os serviços aqueles que participarem ativamente na preparação do ACAREG 2015 e estejam presentes nas respetivas reuniões de preparação e disponíveis para trabalhar antes ou depois do ACAREG. 2) Na 1º fase da pré-inscrição será necessário o nº de associados a inscrever 3) Na 2º fase da inscrição será necessário distribuir os associados por secção 4) Na 3º fase da inscrição final será necessário a inscrição nominativa, não sendo possível transferir as inscrições de secção 5) Caso o nº de participantes aquando da inscrição final seja inferior as inscrições provisorias só é devolvido 80 % dos valores pagos em vales do DMF 6) Os pagamentos devem ser efetuados por cheque ou transferência bancaria para NIB , do Banco "//ABANCA" e envio do comprovativo para o mail: V DA VIDA EM CAMPO Artigo 8º Para além das atividades gerais (Cerimónia de Abertura, Eucaristia Dominical, Fogo de Conselho e Cerimónia de Encerramento), serão realizadas atividades com base nas Secções e nos Sub-Campos. Artigo 9º Não são permitidas saídas temporárias de Campo sem autorização expressa das Chefias de Sub-Campo. 5

6 Artigo 10º Qualquer saída definitiva só se poderá verificar após parecer do Chefe de Campo. Artigo 11º O dia de visitas ao Acampamento será no Domingo dia 9, das 9h30m às 12h00m. Artigo 12º A venda de quaisquer artigos escutistas ou não, só poderá ser feita em locais próprios e com autorização da Chefia do Acampamento. Artigo 13º Na Eucaristia e Cerimónia de Encerramento será obrigatório o uso do Uniforme Escutista. Na Cerimónia de Abertura será usado o Uniforme de Campo ou camisola do ACAREG. Nas restantes atividades ou Saídas de Campo será usado o Uniforme de Campo ou camisola do ACAREG. VI DISPOSIÇÕES FINAIS Artigo 14º As questões de ordem disciplinar serão resolvidas segundo o método escutista e de acordo com o Regulamento de Justiça do CNE, cabendo a sua resolução em último lugar à Chefia do Acampamento único para situações cuja gravidade imponha a aplicação de uma sanção superior, o Chefe de Campo poderá remeter para a Junta Regional a respetiva decisão. Artigo 15º As dúvidas de interpretação e os casos omissos neste Regulamento do ACAREG serão resolvidos pela Chefia do Acampamento à luz dos Estatutos e Regulamentos do CNE. Artigo 16º Compete à Junta Regional velar pela correta aplicação do método escutista na Região, pelo que poderá determinar a cada momento, se necessário, as medidas adequadas para o cumprimento das normas pedagógicas do CNE no contexto do ACAREG. A Junta Regional de Viana do Castelo 6

III ACAMPAMENTO DE NÚCLEO NÚCLEO TERRAS DE SANTA MARIA REGIÃO DO PORTO

III ACAMPAMENTO DE NÚCLEO NÚCLEO TERRAS DE SANTA MARIA REGIÃO DO PORTO REGULAMENTO Preâmbulo O III Acampamento do Núcleo Terras de Santa Maria, Região do Porto, CNE, é uma atividade da responsabilidade do Corpo Nacional de Escutas Junta Núcleo Terras de Santa Maria, com a

Leia mais

DEFINIÇÃO, ATIVIDADE E FINALIDADES

DEFINIÇÃO, ATIVIDADE E FINALIDADES NORMAS Artigo 1º DEFINIÇÃO, ATIVIDADE E FINALIDADES a) O Corpo Nacional de Escutas Escutismo Católico Português promove, para as Secções de Lobitos, Exploradores e Moços, Pioneiros e Marinheiros, Caminheiros

Leia mais

Caros Dirigentes, Para informações por favor contactem o endereço: Com as melhores saudações escutistas, De:

Caros Dirigentes, Para informações por favor contactem o endereço: Com as melhores saudações escutistas, De: De: Para: Assunto: Chefia do XXIII ACANAC Agrupamentos, Juntas de Núcleo e Juntas Regionais Normas do XXIII ACANAC Data: 15-06-2016 Circular: XXIIIACANAC-001 Caros Dirigentes, Vimos por este meio divulgar

Leia mais

REGULAMENTO ACAREG 2016

REGULAMENTO ACAREG 2016 REGULAMENTO ACAREG 2016 ARTIGO 1º FINALIDADES A Junta Regional de Braga do Corpo Nacional de Escutas Escutismo Católico Português promove, de 1 a 7 de agosto de 2016, o ACAMPAMENTO REGIONAL DE BRAGA (adiante

Leia mais

XII REGIONAL REGIÃO DE BRAGANÇA

XII REGIONAL REGIÃO DE BRAGANÇA ACAMPAMENTO XII REGIONAL DA REGIÃO DE BRAGANÇA REGULAMENTO ARTIGO 1º DEFINIÇÕES E FINALIDADES 1 -O presente regulamenta a realização do XII Acampamento Regional da Região de Bragança, do Corpo Nacional

Leia mais

IV º ACANUC Oriental 2015 Viseu Faz-te ao Caminho!

IV º ACANUC Oriental 2015 Viseu Faz-te ao Caminho! Corpo Nacional de Escutas Escutismo Católico Português Núcleo Oriental de Lisboa IV º ACANUC Oriental 2015 Viseu Faz-te ao Caminho! REGULAMENTO Artigo Iº (Definição, atividades, finalidades) 1. A Junta

Leia mais

Ficha de Inscrição. Agrupamento Silveira. Paróquia de Nossa Senhora do Amparo da Silveira

Ficha de Inscrição. Agrupamento Silveira. Paróquia de Nossa Senhora do Amparo da Silveira Nos agrupamentos do Corpo Nacional de Escutas, a admissão de um novo elemento (aspirante), é um compromisso celebrado entre o movimento escutista e a família do novo elemento. Válido enquanto seja de adesão

Leia mais

São Jorge 2017 REGULAMENTO GERAL. Introdução

São Jorge 2017 REGULAMENTO GERAL. Introdução São Jorge 2017 REGULAMENTO GERAL Um dos objetivos do Escutismo é apresentar jogos e atividades de conjunto que possam favorecer a saúde e robustez dos jovens e contribuam para lhes formar o carácter. BP

Leia mais

ACAREG 2016 INSCRIÇÕES DEFINITIVAS INSCREVER ELEMENTOS DAS SECÇÕES E DIRIGENTES QUE AS ACOMPANHAM

ACAREG 2016 INSCRIÇÕES DEFINITIVAS INSCREVER ELEMENTOS DAS SECÇÕES E DIRIGENTES QUE AS ACOMPANHAM ACAREG 2016 INSCRIÇÕES DEFINITIVAS INSCREVER ELEMENTOS DAS SECÇÕES E DIRIGENTES QUE AS ACOMPANHAM ATENÇÃO: Caso o vosso Agrupamento vá com, ou leve elementos de, outro Agrupamento, veja no final da folha

Leia mais

REGRAS DE INSCRIÇÃO E PARTICIPAÇÃO NO MEGA POW WOW

REGRAS DE INSCRIÇÃO E PARTICIPAÇÃO NO MEGA POW WOW REGRAS DE INSCRIÇÃO E PARTICIPAÇÃO NO MEGA POW WOW ANTES DE FAZEREM AS VOSSAS INSCRIÇÕES: IMPORTANTE: AS INSTRUÇÕES PARA AS INSCRIÇÕES DEFINITIVAS SEGUIRÃO UNS DIAS ANTES DO INÍCIO DAS MESMAS, PARA NÃO

Leia mais

Plano de Atividades e Orçamento Ser Escuteiro no ANO DA FÉ. A g r u p a m e n t o Meadela - Viana do Castelo

Plano de Atividades e Orçamento Ser Escuteiro no ANO DA FÉ. A g r u p a m e n t o Meadela - Viana do Castelo Plano de Atividades e Orçamento 2012-2013 Ser Escuteiro no ANO DA FÉ A g r u p a m e n t o 3 4 8 Meadela - Viana do Castelo INTRODUÇÃO Ser Escuteiro no ANO DA FÉ Com o intuito de dar um impulso renovado

Leia mais

GUIADOS PELA ESPERANÇA Vivemos a missão de sermos trabalhadores da messe.

GUIADOS PELA ESPERANÇA Vivemos a missão de sermos trabalhadores da messe. 1 João Paulo II tinha uma missão, evangelizar o mundo através das suas viagens levando a boa nova aos confins da terra. Portugal fez parte da sua missão evangelizadora, e aos jovens de Portugal falou assim:

Leia mais

O Escutismo é um Movimento Mundial criado em 1907 por Robert Stephenson Smith Baden-Powell.

O Escutismo é um Movimento Mundial criado em 1907 por Robert Stephenson Smith Baden-Powell. ESCUTISMO O Escutismo é um Movimento Mundial criado em 1907 por Robert Stephenson Smith Baden-Powell. A Missão do Escutismo consiste em contribuir para a educação integral dos jovens, partindo de um sistema

Leia mais

Corpo Nacional de Escutas. Agrupamento 1233 Almalaguês

Corpo Nacional de Escutas. Agrupamento 1233 Almalaguês Corpo Nacional de Escutas Agrupamento 1233 Almalaguês Paulo Pinto Ilídio Dionísio Duarte Fachada João Rosado Idalina Rosa João Rosado Paulo Pinto Renato Rosa Alberto Dionísio Duarte Fachada Ilídio Dionísio

Leia mais

Índice. Equipa de Animação 3. Objectivos 3. Objectivos 2008/ Calendário de actividades 8

Índice. Equipa de Animação 3. Objectivos 3. Objectivos 2008/ Calendário de actividades 8 Índice Equipa de Animação 3 Objectivos 3 Objectivos 2008/2009 4 Calendário de actividades 8 2 Equipa de Animação Chefe de Unidade: Maria Ester Gomes Pereira CIL: Fernanda Cristina Araújo Ferraz CI: João

Leia mais

Cinfães em Movimento - programa de atividades para a interrupção letiva da Páscoa Cinfães em Movimento

Cinfães em Movimento - programa de atividades para a interrupção letiva da Páscoa Cinfães em Movimento Cinfães em Movimento programa de atividades para a interrupção letiva da Páscoa Normas de funcionamento 1. Objetivos No seguimento das funções de apoio à infância e à juventude e aos projetos que promovam

Leia mais

CORPO NACIONAL ESCUTAS AGRUPAMENTO Nº 990. Plano de Actividades / Orçamento VIANA DO CASTELO. Página 1 de 9

CORPO NACIONAL ESCUTAS AGRUPAMENTO Nº 990. Plano de Actividades / Orçamento VIANA DO CASTELO. Página 1 de 9 CORPO NACIONAL ESCUTAS AGRUPAMENTO Nº 990 ESCUTISMO CATÓLICO PORTUGUÊS 2014 Plano de Actividades / Orçamento VIANA DO CASTELO Página 1 de 9 1 - OBJECTIVOS O Corpo Nacional de Escutas é uma associação de

Leia mais

RENOVAÇÃO DA ACÇÃO PEDAGÓGICA e TÉCNICA ESCUTISTA

RENOVAÇÃO DA ACÇÃO PEDAGÓGICA e TÉCNICA ESCUTISTA RENOVAÇÃO DA ACÇÃO PEDAGÓGICA e TÉCNICA ESCUTISTA Alguns mal entendidos têm circulado em torno da Técnica Escutista e de uma sua pretensa ausência no Programa Educativo resultante do processo de Renovação

Leia mais

Agrupamento Antanhol

Agrupamento Antanhol Agrupamento 603 - Antanhol REGULAMENTO INTERNO 1 CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º Definição 1. O Regulamento Interno do Agrupamento 603 de Antanhol, Coimbra, destina-se a regular o funcionamento

Leia mais

Corpo Nacional de Escutas Escutismo Católico Português

Corpo Nacional de Escutas Escutismo Católico Português Corpo Nacional de Escutas Escutismo Católico Português Agrupamento 348 Meadela INTRODUÇÃO Em direção ao alto Durante os últimos dois anos, o Corpo Nacional de Escutas (CNE) integrou o tema Somos um que

Leia mais

REGULAMENTO DO MERCADO AGROBIO DE SETÚBAL PROJETO. Preâmbulo

REGULAMENTO DO MERCADO AGROBIO DE SETÚBAL PROJETO. Preâmbulo Preâmbulo O Mercado Agrobio de Setúbal é organizado pela Câmara Municipal de Setúbal em parceria com a AGROBIO Associação Portuguesa de Agricultura Biológica, no âmbito do Protocolo de Colaboração estabelecido

Leia mais

Cinfães em Movimento - programa de atividades para a interrupção letiva do Verão Cinfães em Movimento

Cinfães em Movimento - programa de atividades para a interrupção letiva do Verão Cinfães em Movimento Cinfães em Movimento programa de atividades para a interrupção letiva do Verão Normas de funcionamento 1. Objetivos No seguimento das funções de apoio à infância e à juventude e aos projetos que promovam

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Ano Escutista 2011/12 Aprovado Concelho de Agrupamento de 07/01/2012. Corpo Nacional de Escutas

REGULAMENTO INTERNO. Ano Escutista 2011/12 Aprovado Concelho de Agrupamento de 07/01/2012. Corpo Nacional de Escutas A g r u p a m e n t o 7 5 3 Ó b i d o s REGULAMENTO INTERNO Ano Escutista 2011/12 Aprovado Concelho de Agrupamento de 07/01/2012 Corpo Nacional de Escutas Agrupamento 753 Óbidos 1 REGULAMENTO INTERNO.

Leia mais

MANUAL PARA COLOACAÇÃO DE INSIGNIAS E DISTINTIVOS

MANUAL PARA COLOACAÇÃO DE INSIGNIAS E DISTINTIVOS COMUNIDADE 130 - BOBADELA [Ano] MANUAL PARA COLOACAÇÃO DE INSIGNIAS E DISTINTIVOS 1 NOTA INTRODUTÓRIA «Não quero saber menos se o escuteiro usa o uniforme ou não, conquanto tenha o coração no seu trabalho

Leia mais

A participação em um Curso Ponta de Flecha é única para cada jovem!

A participação em um Curso Ponta de Flecha é única para cada jovem! Circular nº 011/2017 Equipe Regional de Programa Educativo Vila Velha, 10 de abril de 2017. Para: Monitores, Submonitores e Escotistas do Ramo Sênior. Assunto: CURSO PONTA DE FLECHA INFORMAÇÕES GERAIS

Leia mais

Campo de Férias

Campo de Férias Campo de Férias - 2017 Regulamento Interno Objetivo É objetivo dos campos de férias proporcionar iniciativas exclusivamente destinadas a crianças e jovens com idades compreendidas entre os 6 e os 16 anos,

Leia mais

Normas da Componente de Apoio à Família Pré Escolar

Normas da Componente de Apoio à Família Pré Escolar Normas da Componente de Apoio à Família Pré Escolar No âmbito do programa de desenvolvimento e expansão da educação Pré-Escolar e considerando: a Lei n.º 5/97, de 10 de fevereiro, que consigna os objetivos

Leia mais

Para: Monitores, Submonitores e Escotistas do Ramo Escoteiro. INFORMAÇÕES GERAIS E REGRAS PARA A PARTICIPAÇÃO

Para: Monitores, Submonitores e Escotistas do Ramo Escoteiro. INFORMAÇÕES GERAIS E REGRAS PARA A PARTICIPAÇÃO Circular nº 15/2016 Equipe Regional de Programa Educativo Vila Velha, 07 de junho de 2016. Para: Monitores, Submonitores e Escotistas do Ramo Escoteiro. Assunto: CURSO PONTA DE FLECHA INFORMAÇÕES GERAIS

Leia mais

Agrupamento 450 Serreleis OBJECTIVOS:

Agrupamento 450 Serreleis OBJECTIVOS: OBJECTIVOS: Melhorar a formação dos membros do Agrupamento Fomentar a interacção entre o Agrupamento, a Paróquia e a Região Reunir com os pais por secção Intensificar a dimensão espiritual Fortalecer a

Leia mais

REGULAMENTO. P.A. - Projeto Artístico FESTIVAL DE BANDAS

REGULAMENTO. P.A. - Projeto Artístico FESTIVAL DE BANDAS REGULAMENTO P.A. - Projeto Artístico FESTIVAL DE BANDAS 2013 Nota Introdutória O P.A. - Projeto Artístico é uma iniciativa de educação pela arte da Casa da Juventude, que surge no seguimento dos propósitos

Leia mais

A entrega anual do CRC deve ser feita a par com o censo anual do CNE conforme determinação da Junta Central de 30 de setembro de 2015 (ver OSN 654).

A entrega anual do CRC deve ser feita a par com o censo anual do CNE conforme determinação da Junta Central de 30 de setembro de 2015 (ver OSN 654). De: Para: Assunto: Serviços Administrativos da Chefes de Agrupamento Certificado Registo Criminal perguntas frequentes Data: 25-11-2016 Circular: SRGA-1-2016 Caro Chefe de Agrupamento, A pedido da Junta

Leia mais

Corpo Nacional de Escutas Escutismo Católico Português NÚCLEO DE S. MIGUEL

Corpo Nacional de Escutas Escutismo Católico Português NÚCLEO DE S. MIGUEL Corpo Nacional de Escutas NÚCLEO DE S. MIGUEL Apartado 345 9501-904 PONTA DELGADA Tel. 296 284 158 cne_jnsm@sapo.pt CNE CIRCULAR N.º 20/2017 De: Secretaria de Núcleo Pedagógica Para: Direcção de Agrupamento

Leia mais

Regulamento Campo de Férias

Regulamento Campo de Férias Regulamento Campo de Férias Julho Agosto REGULAMENTO Campo de férias Nos meses de julho e agosto, o Colégio do Castanheiro oferece programas de campos de férias para crianças e jovens a partir dos três

Leia mais

Linhas Gerais do Cenáculo Regional ou de Núcleo

Linhas Gerais do Cenáculo Regional ou de Núcleo Cenáculo Fórum Nacional de Caminheiros e Companheiros Revisto pelo 8ºCiclo do Cenáculo Nacional Este documento deverá ser actualizado em futuros Ciclos do Cenáculo Nacional, para que se enquadre com o

Leia mais

PROGRAMA RESPONSABILIDADE SOCIAL EDUCAÇÃO. Regulamento do Programa de Bolsas de Educação. Introdução

PROGRAMA RESPONSABILIDADE SOCIAL EDUCAÇÃO. Regulamento do Programa de Bolsas de Educação. Introdução PROGRAMA RESPONSABILIDADE SOCIAL EDUCAÇÃO Regulamento do Programa de Bolsas de Educação Introdução Considerando a importância e oportunidade do Programa de Responsabilidade Social do Comité Olímpico de

Leia mais

Plano de Actividades e Orçamento

Plano de Actividades e Orçamento Plano de Actividades e Orçamento Ano de 2013/2014 Elaborado em Setembro/ 2013 1 - Identificação e Caracterização: Nome do Agrupamento:- Agrupamento nº. 1257 S. João da Ribeira Lugar: Igreja Ribeira Ponte

Leia mais

III TORNEIO ABERTO TRANSMONTANO

III TORNEIO ABERTO TRANSMONTANO ASSOCIAÇÃO DE TÉNIS DE MESA VILA REAL III TORNEIO ABERTO TRANSMONTANO VILA REAL 11-12/MARÇO/2017 REGULAMENTO ORGANIZAÇÃO Associação de Ténis de Mesa Vila Real Artigo 1º Vai a Associação de Ténis de Mesa

Leia mais

REGULAMENTO VISITAS DE ESTUDO

REGULAMENTO VISITAS DE ESTUDO BAIXA DA BANHEIRA REGULAMENTO VISITAS DE ESTUDO E OUTRAS ATIVIDADES DE COMPLEMENTO CURRICULAR DEZEMBRO 2011 1. INTRODUÇÃO O presente Regulamento visa fornecer orientações a todos os intervenientes nas

Leia mais

VAGOS EM AÇÃO JÚNIOR VERÃO 2017 NORMAS INTERNAS

VAGOS EM AÇÃO JÚNIOR VERÃO 2017 NORMAS INTERNAS VAGOS EM AÇÃO JÚNIOR VERÃO 2017 NORMAS INTERNAS Normas Internas do Programa Municipal Vagos em Ação Júnior verão 2017 Nota introdutória A organização, pelo Município de Vagos, do Programa Municipal Vagos

Leia mais

Plano de. Atividades do. Agrupamento 787. de Vitorino dos Piães

Plano de. Atividades do. Agrupamento 787. de Vitorino dos Piães Plano de Atividades do Agrupamento 787 de Vitorino dos Piães 2013-2014 Inserido no tema: Sentinelas da manhã 1. Introdução O Plano de Atividades é um documento de elaboração necessária para que possa ser

Leia mais

- ATOS OFICIAIS. ORDEM de SERVIÇO REGIONAL. o uso da insígnia que se reproduz na última página da presente Ordem de Serviço Regional.

- ATOS OFICIAIS. ORDEM de SERVIÇO REGIONAL. o uso da insígnia que se reproduz na última página da presente Ordem de Serviço Regional. - ATOS OFICIAIS ORDEM de SERVIÇO REGIONAL 01 / 2014, de 31 de Janeiro Nos termos do Artigo 64º do Regulamento Geral do Corpo Nacional de Escutas e para os efeitos convenientes publica-se o seguinte: 1.

Leia mais

Corpo Nacional de Escutas Junta Regional de Braga

Corpo Nacional de Escutas Junta Regional de Braga De: Para: Assunto: Data: Geração Sem Medo Lobitos, Exploradores, Pioneiros, Caminheiros e Dirigentes ARAE 2015 Oportunidades Educativas 07/10/2015 Corpo Nacional de Escutas Junta Regional de Braga Oportunidades

Leia mais

Plano e Orçamento 2015

Plano e Orçamento 2015 Plano e Orçamento 2015 a Oportunidade de celebrar Onde houver justiça, aí haverá sabedoria, e onde houver sabedoria, aí está o paraíso. Santo António 1 Introdução No presente ano apresentamos um projeto

Leia mais

Índice Apresentação Regulamentação Sub

Índice Apresentação Regulamentação Sub 2 Indice Índice... 3 1. Apresentação... 6 2. Regulamentação... 6 3. Sub 13... 7 Data... 7 Horário... 7 Local da realização dos jogos... 7 Pontuação... 7 Quadro Competitivo... 7 Duração dos jogos e intervalos...

Leia mais

Município de Vila Nova de Poiares Natal em Atividade. MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE POIARES CÂMARA MUNICIPAL DAG Desporto, Juventude e Associativismo

Município de Vila Nova de Poiares Natal em Atividade. MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE POIARES CÂMARA MUNICIPAL DAG Desporto, Juventude e Associativismo MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE POIARES CÂMARA MUNICIPAL DAG Desporto, Juventude e Associativismo NATAL EM ATIVIDADE NORMAS GERAIS DE FUNCIONAMENTO Nota introdutória A Câmara Municipal pretende desenvolver programas

Leia mais

Campos de Férias Parque dos Monges. Regulamento Interno

Campos de Férias Parque dos Monges. Regulamento Interno Fundo Desenvol vimento Europeu de Regional Campos de Férias Parque dos Monges Regulamento Interno O presente Regulamento Interno do Campo de Férias Não Residencial do Parque dos Monges, visa definir todos

Leia mais

Serviços de Saúde e Bem-estar REGULAMENTO INTERNO

Serviços de Saúde e Bem-estar REGULAMENTO INTERNO Serviços de Saúde e Bem-estar REGULAMENTO INTERNO Verão 2016 REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO EGOlias ATELIER DE SAÚDE ARTIGO 1º Denominação e Natureza 1. O EGOlias Atelier de Saúde é um programa

Leia mais

REGULAMENTO Campos de Férias

REGULAMENTO Campos de Férias REGULAMENTO Campos de Férias Aprovação Câmara Municipal: 6 jan 2014 Assembleia Municipal: 28 fev 2014 Entrada em vigor: 26 mar 2014 REGULAMENTO DE CAMPOS DE FÉRIAS PREÂMBULO O concelho de Arruda dos Vinhos

Leia mais

V - ACAMPAMENTO REGIONAL (ACAREG 2015) DE VIANA DO CASTELO JOGO APOCALIPSE XXI - CAMINHEIROS

V - ACAMPAMENTO REGIONAL (ACAREG 2015) DE VIANA DO CASTELO JOGO APOCALIPSE XXI - CAMINHEIROS V - ACAMPAMENTO REGIONAL (ACAREG 2015) DE VIANA DO CASTELO JOGO APOCALIPSE XXI - CAMINHEIROS Irmãos Caminheiros, Está escrito, virá o Apocalipse, Virá o Dia do Juízo Final, para julgar vivos e mortos e

Leia mais

Regulamento do 29.º Troféu de Atletismo do Seixal 2016

Regulamento do 29.º Troféu de Atletismo do Seixal 2016 Regulamento do 29.º Troféu de Atletismo do Seixal 2016 1. Definição O Troféu de Atletismo do Seixal (também designado por T.A.S. ), compreende um conjunto de provas organizadas, no ano 2016, pelas Coletividades

Leia mais

CAMPEONATO BRASILEIRO HANDEBOL DOS SURDOS a 21 de Junho Uberlândia/MG

CAMPEONATO BRASILEIRO HANDEBOL DOS SURDOS a 21 de Junho Uberlândia/MG REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º Este regulamento é o documento composto conjunto das disposições que regem ao Campeonato Brasileiro de Handebol dos Surdos - 2015. Art. 2º

Leia mais

Boletim Electrónico de Informação. do Corpo Nacional de Escutas - Escutismo Católico Português. (Edição de 24/09/2008)

Boletim Electrónico de Informação. do Corpo Nacional de Escutas - Escutismo Católico Português. (Edição de 24/09/2008) Notíci@s091 Boletim Electrónico de Informação do Corpo Nacional de Escutas - Escutismo Católico Português (Edição de 24/09/2008) JUNTA CENTRAL Seminário "CNE - Que Futuro?" As inscrições para o Seminário

Leia mais

FÉRIAS PÁSCOA SAF SERVIÇO DE APOIO À FAMÍLIA 7>17 ABR 2014

FÉRIAS PÁSCOA SAF SERVIÇO DE APOIO À FAMÍLIA 7>17 ABR 2014 ox FÉRIAS DA PÁSCOA SAF SERVIÇO DE APOIO À FAMÍLIA 7>17 ABR 2014 ESTE PROGRAMA VISA PERMITIR A OCUPAÇÃO DOS TEMPOS LIVRES DAS CRIANÇAS EM IDADE PRÉ-ESCOLAR E ESCOLAR DO 1º CICLO COM ATIVIDADES LÚDICAS,

Leia mais

REGULAMENTO DE ANDEBOL DE PRAIA DA FEDERAÇÃO DE ANDEBOL DE PORTUGAL E ASSOCIAÇÕES * CIRCUITO NACIONAL DE ANDEBOL DE PRAIA REGULAMENTO DA PROVA

REGULAMENTO DE ANDEBOL DE PRAIA DA FEDERAÇÃO DE ANDEBOL DE PORTUGAL E ASSOCIAÇÕES * CIRCUITO NACIONAL DE ANDEBOL DE PRAIA REGULAMENTO DA PROVA REGULAMENTO DE ANDEBOL DE PRAIA DA FEDERAÇÃO DE ANDEBOL DE PORTUGAL E ASSOCIAÇÕES * CIRCUITO NACIONAL DE ANDEBOL DE PRAIA REGULAMENTO DA PROVA Art.º 1 Objeto 1. O presente regulamento estabelece as regras

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DA HORTA Traquinas (Futebol) Época Organização Competitiva e Regulamento Específico

ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DA HORTA Traquinas (Futebol) Época Organização Competitiva e Regulamento Específico DE Traquinas (Futebol) Época 2016-2017 Organização Competitiva e Regulamento Específico CLUBES PARTICIPANTES ILHA DO FAIAL ANGÚSTIAS ATLÉTICO CLUBE FAYAL SPORT CLUB CLUBE FLAMENGOS GRUPO DESPORTIVO FETEIRA

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CORPO NACIONAL DE ESCUTAS. Agrupamento 504 Quinta do Anjo. Titulo I Agrupamento: Titulo II Unidades:

REGULAMENTO INTERNO CORPO NACIONAL DE ESCUTAS. Agrupamento 504 Quinta do Anjo. Titulo I Agrupamento: Titulo II Unidades: REGULAMENTO INTERNO AGRUPAMENTO 504 QUINTA DO ANJO Preâmbulo: O presente Regulamento Interno tem como finalidade dotar o, do Corpo Nacional de Escutas Escutismo Católico da Região de Setúbal de um instrumento

Leia mais

Percurso Inicial de Formação Sistema de Formação de Adultos no Escutismo. Enriquecimento

Percurso Inicial de Formação Sistema de Formação de Adultos no Escutismo. Enriquecimento Percurso Inicial de Formação Sistema de Formação de Adultos no Escutismo C Enriquecimento Enriquecimento O Enriquecimento visa a consolidação formativa do Candidato a Dirigente em diversas áreas temáticas

Leia mais

Plano e Orçamento 2016

Plano e Orçamento 2016 Plano e Orçamento 2016 EDIFICAR COM FRANCISCO CNE - Junta Regional do Algarve Plano de Atividades 2016 1 Introdução O presente Plano de Atividades pretende apresentar em traços gerais as atividades previstas

Leia mais

REGULAMENTO. 1 - Admissão. 2 - Inscrição

REGULAMENTO. 1 - Admissão. 2 - Inscrição Associação dos Avicultores de Portugal Fundada em 1 de Julho de 1935 R Domingos Jardo, 8A 2605-207 BELAS http://avicultoresportugal.net email:info@avicultoresportugal.net I Campeonato Ornitológico da Costa

Leia mais

Regimento do Conselho Pedagógico

Regimento do Conselho Pedagógico Regimento do Conselho Pedagógico CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Finalidades O Conselho Pedagógico é o órgão de coordenação e supervisão pedagógica e orientação educativa do Agrupamento de escolas,

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE OCUPAÇÃO DE TEMPOS LIVRES DE VERÃO. Preâmbulo

PROJECTO DE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE OCUPAÇÃO DE TEMPOS LIVRES DE VERÃO. Preâmbulo 1 PROJECTO DE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE OCUPAÇÃO DE TEMPOS LIVRES DE VERÃO Preâmbulo A criação de um programa de ocupação de tempos livres para as crianças da Freguesia de Chamusca e Pinheiro Grande,

Leia mais

REGULAMENTO GERAL. Câmara Municipal de Coimbra. Juntas de Freguesia do Concelho de Coimbra. Associações Distritais da Modalidade

REGULAMENTO GERAL. Câmara Municipal de Coimbra. Juntas de Freguesia do Concelho de Coimbra. Associações Distritais da Modalidade REGULAMENTO GERAL Câmara Municipal de Coimbra Juntas de Freguesia do Concelho de Coimbra Associações Distritais da Modalidade Federações Nacionais da Modalidade 2 NOTA JUSTIFICATIVA É função do Município

Leia mais

Junta Regional de Braga Normas Regionais de Formação

Junta Regional de Braga Normas Regionais de Formação Junta Regional de Braga Normas Regionais de Formação Este documento contém os procedimentos e normas regionais no domínio da Formação de Dirigentes, de candidatos a Dirigentes na Região de Braga, com o

Leia mais

Município de Vila Nova de Famalicão. Normas. Campo de Férias. Aventura no Natal 2012

Município de Vila Nova de Famalicão. Normas. Campo de Férias. Aventura no Natal 2012 Município de Vila Nova de Famalicão Normas Campo de Férias Aventura no Natal 2012 Nota Justificativa A intervenção municipal na área da Juventude tem sido considerada uma prioridade no contexto de trabalho

Leia mais

CAPÍTULO 1 - DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO 2 - DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO 1 - DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO 2 - DOS OBJETIVOS REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO 1 - DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º Este regulamento é o documento composto conjunto das disposições que regem a Circuito Nacional de Xadrez dos Surdos - Etapa Brasília 2016.

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO ATELIER DE ARTES PLÁSTICAS

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO ATELIER DE ARTES PLÁSTICAS NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO ATELIER DE ARTES PLÁSTICAS O Atelier de Artes Plásticas é um serviço que se encontra ao dispor de todos os interessados, visando instruí-los e dotá-los das ferramentas básicas

Leia mais

REGULAMENTO Campeonato Nacional de Futebol de Praia

REGULAMENTO Campeonato Nacional de Futebol de Praia REGULAMENTO Campeonato Nacional de Futebol de Praia 1 Artigo 1º Organização 1.1. A FPF organiza a competição designada: Campeonato Nacional de Futebol de Praia, para a categoria sénior. 1.2. O Campeonato

Leia mais

Informações para Caminheiros

Informações para Caminheiros Informações para Caminheiros caminheiros.pcb@escutismo.pt Secção Tema Imaginário Simbologia Campo IV secção - Caminheiros È pelo Sonho que Vamos REGRESSO AO FUTURO 1907 (1907 Browsea Island) Browsea Island

Leia mais

REGULAMENTO. 3ª Maratona Trail do Sarilho

REGULAMENTO. 3ª Maratona Trail do Sarilho 1. Considerações gerais REGULAMENTO 3ª Maratona Trail do Sarilho A 3ª Maratona Trail do Sarilho será realizada no dia 13 de Dezembro de 2015, é promovida e organizada pela Secção de Ar Livre e Aventura

Leia mais

CAMPEONATO BRASILEIRO DE TÊNIS DE MESA DOS SURDOS JOINVILLE/SC

CAMPEONATO BRASILEIRO DE TÊNIS DE MESA DOS SURDOS JOINVILLE/SC REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º Este regulamento é o documento composto conjunto das disposições que regem ao Campeonato Brasileiro de Tênis de Mesa dos Surdos - 2015. Art.

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DA HORTA Benjamins (Futebol) Época Organização Competitiva e Regulamento Específico

ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DA HORTA Benjamins (Futebol) Época Organização Competitiva e Regulamento Específico DE Benjamins (Futebol) Época 2017-2018 Organização Competitiva e Regulamento Específico CLUBES PARTICIPANTES ILHA DO FAIAL ANGÚSTIAS ATLÉTICO CLUBE FAYAL SPORT CLUB CLUBE FLAMENGOS GRUPO DESPORTIVO CEDRENSE

Leia mais

Regulamento Geral. 1. Introdução

Regulamento Geral. 1. Introdução Regulamento Geral 1. Introdução Na nossa qualidade de Jovens Escuteiros, não podemos perder de vista que somos Cristãos. Assim surgiu esta ideia de criar e organizar o FESCUT Festival Nacional da Canção

Leia mais

Regulamento das visitas de estudo

Regulamento das visitas de estudo Regulamento das visitas de estudo 1. Definição 1.1. Considera-se visita de estudo toda a atividade curricular, intencionalmente planeada e realizada fora do espaço físico da Escola ou da sala de aula,

Leia mais

Caros Irmãos Escutas,

Caros Irmãos Escutas, Circular 10-1-048 de 06 de Abril De: Para: Assunto: Data: Secretário Nacional Pedagógico JJRR, JJNN, Agrupamentos, Mesas dos Conselhos Nacional, Regionais e Núcleo, Formadores Acções de Formação Membros

Leia mais

TEXTO DE APOIO PARA O FORMANDO

TEXTO DE APOIO PARA O FORMANDO CORPO NACIONAL DE ESCUTAS ESCUTISMO CATÓLICO PORTUGUÊS CURSO DE ININIAÇÃO PEDAGÓGICA (C.I.P.) MANUAL ÁREA B PEDAGOGIA GERAL DO ESCUTISMO MÓDULO B.2 O MÉTODO ESCUTISTA B.2.3 U.F. AS METODOLOGIAS EDUCATIVAS

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições Gerais

CAPÍTULO I Disposições Gerais CAPÍTULO I Disposições Gerais ARTIGO 1º Âmbito de Aplicação 1. Têm direito aos benefícios de ordem económico-social previstos no presente regulamento ou que venham a ser concedidos por este Centro: a.

Leia mais

I ORGANIZAÇÃO.3 II LOCAIS DE JOGO. 3 III PARTICIPANTES. 3 IV IDENTIFICAÇÃO.3 V DURAÇÃO DE JOGOS.4 VI FORMA DE DISPUTA.5 VIII ARBITRAGENS.

I ORGANIZAÇÃO.3 II LOCAIS DE JOGO. 3 III PARTICIPANTES. 3 IV IDENTIFICAÇÃO.3 V DURAÇÃO DE JOGOS.4 VI FORMA DE DISPUTA.5 VIII ARBITRAGENS. REGULAMENTO ÍNDICE I ORGANIZAÇÃO..3 II LOCAIS DE JOGO. 3 III PARTICIPANTES. 3 IV IDENTIFICAÇÃO.3 V DURAÇÃO DE JOGOS..4 VI FORMA DE DISPUTA..4 VII RESULTADOS E CLASSIFICAÇÕES..5 VIII ARBITRAGENS..5 IX COMISSÃO

Leia mais

O Viana Volley Cup é organizado pelo Voleibol Clube de Viana

O Viana Volley Cup é organizado pelo Voleibol Clube de Viana ACTUALIZADO EM 07/11/2016 Torneio homologado pela Federação Portuguesa de Voleibol 1 - Organização O Viana Volley Cup é organizado pelo Voleibol Clube de Viana 2 - Participação e Escalões etários a) CONDIÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO. P.A. - Projeto Artístico FESTIVAL DA CANÇÃO VERSÃO DE ARTISTA/COVER; VERSÃO ORIGINAL

REGULAMENTO. P.A. - Projeto Artístico FESTIVAL DA CANÇÃO VERSÃO DE ARTISTA/COVER; VERSÃO ORIGINAL REGULAMENTO P.A. - Projeto Artístico FESTIVAL DA CANÇÃO VERSÃO DE ARTISTA/COVER; VERSÃO ORIGINAL 2013 CASA DA JUVENTUDE - Município de Barcelos Rua da Madalena, nº 37 4750-315 Barcelos Telefones: 253 814

Leia mais

Espaço Jovem REGULAMENTO

Espaço Jovem REGULAMENTO Espaço Jovem REGULAMENTO ARTIGO 1.º - OBJETO O presente Regulamento define as condições de funcionamento do Espaço Jovem da Junta de Freguesia do Beato, que fica subordinado hierarquicamente ao pelouro

Leia mais

Percurso Inicial de Formação Sistema de Formação de Adultos no Escutismo. Formação Geral de Pedagogia Escutista

Percurso Inicial de Formação Sistema de Formação de Adultos no Escutismo. Formação Geral de Pedagogia Escutista Percurso Inicial de Formação Sistema de Formação de Adultos no Escutismo C Formação Geral de Pedagogia Escutista Formação Geral de Pedagogia Escutista A Formação Geral de Pedagogia Escutista consiste num

Leia mais

Ministério da Comunicação Social;

Ministério da Comunicação Social; Ministério da Comunicação Social Decreto Executivo N. 75 / 2007 de 2 de Julho Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete de Inspecção do Ministério da Comunicação Social; Nestes termos, ao abrigo

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO

NORMAS DE FUNCIONAMENTO NORMAS DE FUNCIONAMENTO Enquadramento A Feira do Queijo é organizada pela Câmara Municipal de Seia e constitui um acontecimento determinante na criação de uma base de sustentabilidade para a economia local,

Leia mais

Prova a contar para o Campeonato Regional de Duatlo para Clubes e atletas Cadetes a Veteranos

Prova a contar para o Campeonato Regional de Duatlo para Clubes e atletas Cadetes a Veteranos DUATLO BTT DE GRÂNDOLA Sábado, 13 DE MAIO DE 2017 Prova a contar para o Campeonato Regional de Duatlo para Clubes e atletas Cadetes a Veteranos Prova a contar para o Circuito Regional Alentejo de Clubes

Leia mais

III DUATLO DA AMADORA. Sábado, 25 DE MARÇO DE 2017

III DUATLO DA AMADORA. Sábado, 25 DE MARÇO DE 2017 Regulamento III Duatlo da Amadora 2017 III DUATLO DA AMADORA Sábado, 25 DE MARÇO DE 2017 PROVA DE PROMOÇÃO PARA CADETES A VETERANOS PROVA ÚNICA DE CAMPEONATO REGIONAL JOVEM DE CLUBES PARA BENJAMINS A JUVENIS

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIFICAS DE PARTICIPAÇÃO VIVER O VERÃO 2016 OTL CRIANÇAS. PONTO I Objeto

CONDIÇÕES ESPECIFICAS DE PARTICIPAÇÃO VIVER O VERÃO 2016 OTL CRIANÇAS. PONTO I Objeto CONDIÇÕES ESPECIFICAS DE PARTICIPAÇÃO VIVER O VERÃO 2016 OTL CRIANÇAS PONTO I Objeto 1) O OTL Viver o Verão 2016 é promovido pelo Serviço de Juventude e Desporto da Câmara Municipal de Lagos, durante os

Leia mais

Regulamento Interno das Férias Desportivas do Estádio Universitário de Lisboa 2013

Regulamento Interno das Férias Desportivas do Estádio Universitário de Lisboa 2013 Regulamento Interno das Férias Desportivas do Estádio Universitário de Lisboa 2013 Regulamento Interno das Férias Desportivas O presente regulamento tem como objetivo dar a conhecer a todos os intervenientes

Leia mais

CONFRATERNIZAÇÃO REGIONAL 10 e 11 de dezembro de 2016 Mimoso do Sul/ES INFORMAÇÕES GERAIS

CONFRATERNIZAÇÃO REGIONAL 10 e 11 de dezembro de 2016 Mimoso do Sul/ES INFORMAÇÕES GERAIS CONFRATERNIZAÇÃO REGIONAL 10 e 11 de dezembro de 2016 Mimoso do Sul/ES INFORMAÇÕES GERAIS 1. APRESENTAÇÃO A tem o prazer de divulgar a realização da Confraternização Regional 2016. A Confraternização reunirá

Leia mais

Nos agrupamentos do Corpo Nacional de Escutas, a admissão de um novo elemento (aspirante), é um contrato celebrado entre o movimento escutista e a

Nos agrupamentos do Corpo Nacional de Escutas, a admissão de um novo elemento (aspirante), é um contrato celebrado entre o movimento escutista e a Organização Mundial Movimento Escutista Corpo Nacional de Escutas Escutismo Católico Português Nos agrupamentos do Corpo Nacional de Escutas, a admissão de um novo elemento (aspirante), é um contrato celebrado

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPÍTULO I

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPÍTULO I CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Âmbito de aplicação O Centro de Convívio, é uma das Respostas Sociais da Santa Casa da Misericórdia de Ferreira do Zêzere, Instituição Privada de Direito Canónico com sede

Leia mais

FEDERAÇÃO DE ANDEBOL DE PORTUGAL

FEDERAÇÃO DE ANDEBOL DE PORTUGAL FEDERAÇÃO DE ANDEBOL DE PORTUGAL REGULAMENTO DESPORTIVO CIRCUITO NACIONAL DE ANDEBOL DE PRAIA 2012 Art.º 1 OBJETO 1. O presente regulamento estabelece as regras e normas aplicáveis ao Andebol de Praia

Leia mais

Regulamento Interno. Centro de Estudos e Atividades

Regulamento Interno. Centro de Estudos e Atividades Regulamento Interno Centro de Estudos e Atividades Índice Objetivos... 3 Funcionamento ESTUDO ACOMPANHADO... 3 Funcionamento EXPLICAÇÕES... 3 Atividades Extra... 3 Atividades de FÉRIAS... 4 Calendarização

Leia mais

Regulamento Interno. Centro de Estudos e Atividades

Regulamento Interno. Centro de Estudos e Atividades Regulamento Interno Centro de Estudos e Atividades Índice Objetivos... 3 Funcionamento ESTUDO ACOMPANHADO... 3 Funcionamento EXPLICAÇÕES... 3 Atividades Extra... 3 Atividades de FÉRIAS... 4 Calendarização

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE XADREZ

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE XADREZ REGULAMENTO DAS REPRESENTAÇÕES NACIONAIS FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE XADREZ Aprovado a 21 de janeiro de 2017 PARTE I - DISPOSIÇÕES GERAIS...2 ARTIGO 1 - (Âmbito de aplicação).2 PARTE II REPRESENTAÇÕES NACIONAIS..2

Leia mais

Exmo(s) Senhor(es), A FEIRA DA ÁGUA irá decorrer em Beja, no Parque de Feiras e Exposições, de 21 a 23 de Março.

Exmo(s) Senhor(es), A FEIRA DA ÁGUA irá decorrer em Beja, no Parque de Feiras e Exposições, de 21 a 23 de Março. Exmo(s) Senhor(es), A água constitui-se como um fator essencial para o desenvolvimento socioeconómico dos países, das sociedades e das empresas, e como tal deve ser encarado como um recurso estratégico

Leia mais

PORTO7 Festival Internacional de Curtas-metragens do Porto Edição 2013

PORTO7 Festival Internacional de Curtas-metragens do Porto Edição 2013 PORTO7 Festival Internacional de Curtas-metragens do Porto Edição 2013 - REGULAMENTO Artigo 1º Organização é um evento organizado pela FICP Associação para a promoção da cultura, cinema, artes e meios

Leia mais

Artigo 1º (Uniforme)

Artigo 1º (Uniforme) REGULAMENTO INTERNO Aprovado em Conselho de Agrupamento de 31 de Outubro de 2015, com publicação em OS 96, de 19 de Novembro de 2015 Aprovado em Conselho de Agrupamento de 14 de Dezembro de 2015, com publicação

Leia mais

Regulamento Interno da Componente do Apoio à Família Ano letivo 2014/2015

Regulamento Interno da Componente do Apoio à Família Ano letivo 2014/2015 Regulamento Interno da Componente do Apoio à Família A Componente do Apoio à Família (CAF) Da Escola do 1º Ciclo do Ensino Básico Infante D. Henrique, destina-se a assegurar o acompanhamento dos alunos

Leia mais

1. Cooperar com as famílias na vivência dos. 2. Prestar aos idosos os cuidados de que. 3. Privilegiar a manutenção dos idosos no seu

1. Cooperar com as famílias na vivência dos. 2. Prestar aos idosos os cuidados de que. 3. Privilegiar a manutenção dos idosos no seu CAPÍTULO I Natureza e Objectivos ARTIGO 1º Caracterização e Localização 1. A Comissão de Melhoramentos de Santo Emilião é uma Instituição Particular de Solidariedade Social, tem sede na rua 25 de Abril

Leia mais