Parte I COMO CONDUZIR A TIP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Parte I COMO CONDUZIR A TIP"

Transcrição

1 Parte I COMO CONDUZIR A TIP

2 1 O Que é a TIP? Visão geral A Psicoterapia Interpessoal (TIP) é uma psicoterapia específica e com tempo limitado, que foi desenvolvida durante um período de 30 anos, inicialmente para pacientes com transtorno depressivo maior, mas posteriormente adaptada também para outros transtornos. Planejada para administração por profissionais experientes e treinados da área de saúde mental, ela também pode ser ensinada clinicamente a pessoas menos treinadas. A TIP tem sido utilizada com e sem medicação (ver Klerman, Weissman, Rounsaville e Chevron, 1984; Weissman, Markowitz e Klerman, 2000, para o manual completo; uma história breve sobre ela pode ser encontrada em Weissman, 2006). O exemplo principal de TIP aqui apresentado ilustra o tratamento de pacientes com transtorno depressivo maior porque este é o uso mais bem estabelecido e mais amplamente empregado. A abordagem da TIP reconhece que os pacientes podem ter transtornos comórbidos. A abordagem se aplica a uma variedade de faixas etárias com depressão maior e a muitos outros transtornos. As adaptações para outras faixas etárias e subtipos depressivos e para outros transtornos são descritas nas Partes II e III respectivamente. A depressão geralmente ocorre no contexto de um evento social e interpessoal. Alguns eventos comuns são: dissolução do casamento; disputa que ameaça um relacionamento importante; perda do interesse do cônjuge e caso extraconjugal; perda ou risco de perda do emprego; mudança para outro bairro; morte de pessoa querida; promoção ou rebaixamento de posto; aposentadoria; diagnóstico de doença clínica.

3 20 Myrna M. Weissman John C. Markowitz Gerald L. Klerman A compreensão do contexto social e interpessoal do desenvolvimento da depressão pode ajudar a desvendar as razões dos sintomas. Este pode ser o primeiro passo na ajuda ao paciente para levá-lo a entender a depressão como uma doença e desenvolver novas formas de lidar com as pessoas e as situações. O desenvolvimento dessas novas habilidades sociais pode tratar o episódio atual e reduzir a vulnerabilidade futura. A TIP foi desenvolvida para especificar o que pensamos ser um conjunto de procedimentos úteis comumente usados na psicoterapia para pacientes deprimidos não-internados. Acreditamos que definir tais práticas pode ajudar mais terapeutas a usarem esses procedimentos de forma mais efetiva. Os pacientes também devem ser melhor informados quanto ao que esperar. A TIP foi testada em numerosos ensaios de tratamento clínico para depressão, em que foi comparada à medicação psicotrópica, ao placebo, a outras psicoterapias breves e à não-psicoterapia. Ela também foi testada em combinação com medicação. A TIP é uma das psicoterapias recomendadas para o tratamento da depressão nas Recomendações da Associação Americana de Psiquiatria e nas Recomendações aos Médicos de Cuidados Primários (ver psych_pract/treatg/pg/prac_guide.cfm para mais detalhes). Existem vários tratamentos apropriados para a depressão. Existe uma ampla gama de medicações eficazes e várias psicoterapias úteis. Frequentemente elas são usadas em combinação. É interesse ao paciente deprimido que haja uma variedade de tratamentos benéficos à disposição, mas todos eles devem ser submetidas a testes científicos antes que se possa fazer qualquer argumentação em seu favor. A TIP pode ser uma alternativa importante à medicação para os pacientes durante alguns períodos da vida (p.ex., mulheres durante a gravidez ou amamentação, pessoas idosas e outras que já tomaram muitas medicações e têm dificuldades com os efeitos colaterais, pacientes deprimidos que estão prestes a se submeterem a cirurgia e pacientes que simplesmente não querem tomar medicação). A psicoterapia também pode beneficiar particularmente os pacientes que se encontram em crises vitais e precisam tomar decisões importantes, como o que fazer com um relacionamento que está fracassando ou uma carreira que está em risco. Isto não diminui de forma alguma a importância da medicação como um tratamento antidepressivo. A medicação pode ser especialmente útil para pacientes que precisam de alívio sintomático rápido, têm depressão melancólica ou delirante, não respondem à psicoterapia ou simplesmente não querem falar sobre seus problemas pessoais com um terapeuta. A visão eclética do tratamento faz parte da filosofia da TIP. Conceito de Depressão na TIP A TIP está baseada na ideia de que os sintomas da depressão têm causas múltiplas, genéticas e ambientais. Contudo, seja qual for a causa, a depressão

4 Psicoterapia Interpessoal 21 não surge isoladamente. Os sintomas depressivos estão geralmente associados a alguma coisa que está acontecendo na vida pessoal do paciente no momento, geralmente associada a pessoas de quem ele se sente próximo. É útil que se identifique e se aprenda a lidar com esses problemas interpessoais e a entender a sua relação com o desencadeamento dos sintomas. O terapeuta de TIP vê a depressão constituída por três partes: 1. Sintomas. Os sintomas emocionais, cognitivos e físicos da depressão incluem humor deprimido e ansioso, dificuldade de concentração, indecisão, uma visão pessimista, culpa, distúrbios do sono e da alimentação, perda de interesse e prazer na vida, fadiga e risco de suicídio. 2. Vida social e interpessoal. Habilidade de se relacionar bem com outras pessoas importantes na vida do paciente (p.ex., família, amigos, colegas de trabalho). O suporte social protege contra a depressão, enquanto que os estressores sociais aumentam a vulnerabilidade à depressão. 3. Personalidade. Existem padrões duradouros por meio dos quais as pessoas lidam com a vida: como elas se impõem, expressam suas raivas e dores, mantêm sua autoestima, e se são tímidas, agressivas, inibidas ou desconfiadas. Estes padrões interpessoais podem contribuir para o desenvolvimento e a manutenção da depressão. Os indivíduos deprimidos frequentemente descrevem uma passividade constante, evitação de confrontos e evitação de risco social em geral; essas táticas depressivas podem levar a resultados depressivos. Alguns terapeutas começam tentando tratar as dificuldades de personalidade de uma pessoa e encaram a personalidade como a causa subjacente da depressão. O terapeuta de TIP não tenta tratar a personalidade e, na verdade, reconhece que muitos comportamentos que parecem duradouros e de toda uma vida podem ser um reflexo da própria depressão. Os pacientes podem parecer dependentes, extremamente preocupados consigo mesmos e irritáveis quando deprimidos; entretanto, quando a depressão se dissipa, estes traços supostamente permanentes também desaparecem ou retrocedem. Esta é a notória confusão clínica entre estado depressivo e traço de personalidade. O ponto forte da TIP é tentar entender o contexto interpessoal em que os sintomas depressivos surgiram e como eles se relacionam com o contexto social e pessoal no presente. O terapeuta da TIP procura o que está acontecendo atualmente na vida do paciente (problemas do aqui e agora ) em vez de problemas na infância ou no passado. A ideia é encorajar o enfrentamento desses problemas atuais e o desenvolvimento da independência fora da situação terapêutica. O curto limite de tempo do tratamento exclui qualquer reconstrução importante da personalidade. Muitos pacientes se sentem muito melhor quando sua depressão se dissipa. Uma

5 22 Myrna M. Weissman John C. Markowitz Gerald L. Klerman psicoterapia de tempo limitado e com o tempo especificado pode ajudar a que se focalizem nos objetivos e proporciona aos pacientes a esperança de que eles se sentirão melhor dentro de um curto período de tempo. Embora a TIP já tenha sido usada durante períodos de até três anos como tratamento de manutenção (Capítulo 1), na prática a maioria das psicoterapias é breve. Não há nada que impeça uma renegociação do tempo acrescentando continuação ou manutenção ao tratamento da fase aguda quando terminar o tempo de tratamento especificado para a fase aguda. Por outro lado, se a TIP não tiver se mostrado útil no final desta intervenção de tempo limitado, pode ser adequado que se reconsidere o plano de tratamento. Genes e TIP Os progressos na genética e nas neurociências transformaram a psicoterapia em um instrumento ainda mais importante na psiquiatria. Os transtornos psiquiátricos são síndromes geneticamente complexas, comparáveis ao diabete e à hipertensão, em que tanto os genes quanto o ambiente são importantes e estão em interação (Caspi et al., 2003). O genótipo, influenciado pelo ambiente, é expresso no fenótipo (a aparência clínica). Para os transtornos psiquiátricos, o ambiente mais importante consiste nos vínculos pessoais íntimos. Essas conexões, a sua disponibilidade e o seu rompimento (ou ameaça de rompimento) podem influenciar de forma poderosa a emergência de sintomas (expressão fenotípica), especialmente em indivíduos geneticamente vulneráveis. As situações em que esses rompimentos podem ser encontrados e quando os sintomas podem surgir foram definidas como as áreas focais na TIP. São elas: Luto (luto complicado); Disputas interpessoais de papéis; Transições de papéis interpessoais; Déficits interpessoais (escassez de vínculos). A TIP é usada com pacientes que desenvolvem sintomas em associação com estas situações. Praticamente todos os pacientes deprimidos irão se encaixar em uma dessas quatro categorias. A vulnerabilidade genética não pode ser facilmente alterada, mas o ambiente pode. Os sintomas podem melhorar com a clarificação, compreensão e especialmente com o manejo dessas situações interpessoais associadas ao início dos sintomas. A psicoterapia pode ser de importância crucial para essa mudança. As evidências mostraram que este paradigma funciona para a depressão maior em pacientes de todas as idades e também pode ser aplicado a alguns outros transtornos psiquiátricos. É disto que trata a TIP para depressão e suas adaptações.

6 Psicoterapia Interpessoal 23 Objetivos da TIP Os objetivos da TIP são: 1. reduzir os sintomas da depressão (isto é, melhorar o sono, o apetite, a energia e a visão geral sobre a vida) 2. ajudar o paciente a lidar melhor com as pessoas e as situações de vida associadas ao início dos sintomas. Muito provavelmente, o paciente irá atingir os dois objetivos. Se conseguir resolver uma crise interpessoal importante (p.ex., uma transição de papéis), isto não somente irá melhorar a vida do paciente como também deverá aliviar os seus sintomas depressivos. O terapeuta da TIP irá focar em: problemas atuais; pessoas que atualmente são importantes na vida do paciente; ajuda para o paciente avaliar a sua vida no momento atual; afeto do paciente (sentimentos positivos e negativos); ajuda para o paciente ter domínio sobre os problemas presentes através do reconhecimento das suas respostas emocionais a essas situações, usando as respostas para lidar com elas, e o desenvolvimento de novas amizades e relacionamentos. O terapeuta da TIP não irá: interpretar sonhos; permitir que o tratamento continue indefinidamente; investigar a infância inicial; incentivar a livre associação; incentivar a dependência do tratamento ou do terapeuta; colocar o foco nas cognições. O paciente é visto como uma pessoa em sofrimento, que padece de uma doença e tem sintomas que podem ser tratados no presente. O terapeuta da TIP terá que saber: quando começaram os sintomas; o que estava acontecendo na vida do paciente quando eles começaram; os estressores atuais;

7 24 Myrna M. Weissman John C. Markowitz Gerald L. Klerman as pessoas envolvidas nesses estressores atuais; as disputas e decepções; os meios que o paciente dispõe para lidar com esses problemas; os pontos fortes do paciente; as dificuldades interpessoais do paciente; se o paciente consegue falar sobre situações que produzem culpa, vergonha ou ressentimento. O terapeuta da TIP irá: ajudar o paciente a explorar as opções. (O terapeuta pode dar conselhos e sugestões para lidar com os problemas, mas os resultados alcançados normalmente são melhores quando as perguntas possibilitam ao paciente descrever as suas próprias opções.); fornecer psicoeducação e corrigir informações erradas a respeito da depressão; ajudar a desenvolver recursos externos. O terapeuta da TIP não irá enfocar a razão de o paciente ter se tornado o que é o objetivo é encontrar um caminho para sair dos problemas, e não uma especulação sobre: a infância; o caráter; as defesas psicodinâmicas; as origens da culpa, vergonha ou ressentimento. (Entende-se que estes são sintomas da doença depressiva.); a vida de fantasia ou insight sobre as origens do comportamento. Entendendo como a depressão começou Para desenvolver uma compreensão de como começou o episódio depressivo e o contexto atual em que ele emergiu, o paciente deve responder às seguintes perguntas: 1. Quais são os seus problemas no momento? 2. Quais as pessoas que são importantes para você atualmente? Quem são os apoios potenciais e de quem você pode ter se afastado? 3. Quando você começou a se sentir deprimido, triste, de baixo astral? 4. O que estava acontecendo na sua vida quando você começou a se sentir deprimido? Deu-se algum fato perturbador? Morreu alguma pessoa próxima a você?

8 Psicoterapia Interpessoal Neste momento da sua vida você está envolvido em disputas ou desentendimentos com outras pessoas? Como você está lidando com essas disputas? 6. Quais são os seus desapontamentos atuais? Como você está lidando com eles? 7. Quais as situações que fazem você se sentir culpado, envergonhado ou irritado? 8. O que estressa você? 9. Quais as coisas em que você acha que se sai bem? (Ou conseguia se sair bem antes de ficar deprimido?) Fatos sobre a depressão Estes fatos são bem conhecidos por muitos, mas não por todos os profissionais de saúde mental. Existem tipos diferentes de depressão: transtorno depressivo maior, transtorno distímico (Capítulo 16) e transtorno bipolar (Capítulo 17). A depressão maior é um dos transtornos psiquiátricos mais comuns, afetando 3 a 4% dos indivíduos em algum momento da vida. A depressão é mais comum em mulheres do que em homens. (Isto é tranquilizador para as pacientes mulheres, mas não é uma coisa que você necessariamente queira enfatizar para os homens, que podem se sentir diminuídos ao ouvirem isto.) A depressão é sob outros aspectos um transtorno de oportunidades iguais. Ela afeta ricos e pobres e pessoas de todas as raças e culturas. A depressão é um caso de família. Ela circula nas famílias e tem consequências sérias para a vida familiar. A depressão está ocorrendo com cada vez mais frequência nas pessoas mais jovens. Existem muitos tratamentos efetivos para a depressão, incluindo medicações e determinadas psicoterapias. Às vezes esses tratamentos são combinados. A depressão tende a ser um transtorno recorrente. Alguns pacientes irão precisar de tratamento por longos períodos. Outros terão uma crise e nunca mais terão outro período com sintomas. Nenhum tratamento é adequado para todos os pacientes ou para todos os tipos de depressão. Se um tratamento não funcionar após um tempo considerável, você e o paciente deverão estimar um novo prazo. (Na verdade, se a TIP não ajudou depois do período inicial, você e o paciente devem considerar uma troca ou aumentá-la.)

9 26 Myrna M. Weissman John C. Markowitz Gerald L. Klerman Algo a ser considerado para dizer ao paciente: Os momentos fugazes em que você se sente triste e de baixo astral ou deprimido fazem parte da condição humana normal. Essas mudanças passageiras de humor dizem ao indivíduo que alguma coisa não está tão bem na sua vida. A depressão clínica é diferente: ela é persistente, causa prejuízos e inclui uma gama de sintomas. Existem tipos diferentes de depressão. É de grande proveito aos pacientes fornecer-lhe um diagnóstico preciso: transtorno depressivo maior, depressão menor, transtorno distímico ou transtorno bipolar. Transtorno depressivo maior O transtorno depressivo maior, o tipo mais comum de depressão, inclui um humor triste ou disfórico e perda de interesse ou prazer em todas ou quase todas as atividades ou passatempos usuais da pessoa. Este humor persiste por pelo menos várias semanas e está associado a outros sintomas que ocorrem quase todos os dias, incluindo perturbações do apetite (perda ou aumento do apetite), alterações no peso, perturbações do sono (dificuldade para pegar no sono, acordar no meio da noite e não conseguir voltar a dormir, acordar cedo de manhã e sentir-se muito mal) e perda do interesse e do prazer por comida, sexo, trabalho, família, amigos, etc. Agitação, sensação de preguiça, diminuição da energia, sentimentos de desvalorização ou culpa, dificuldade para se concentrar ou pensar, pensamentos de morte, sentimento de que a vida não vale a pena ser vivida, tentativas de suicídio ou mesmo o suicídio são outros sintomas de depressão. Segundo o Manual de Diagnóstico e Estatística de Transtornos Mentais, quarta edição (DSM-IV), os pacientes que expressam pelo menos cinco dos nove sintomas, que persistem por várias semanas e resultam em uma redução da capacidade do paciente para cuidar de si ou da família ou para ir ao trabalho e prosseguir com a vida diária e excluindo outras causas físicas como hipotireoidismo atendem aos critérios de transtorno depressivo maior. Veja a Tabela 2.1 no próximo capítulo e a Escala Hamilton de Avaliação da Depressão, no Apêndice. Subtipos de transtorno depressivo maior Sabe-se há muito tempo que existem formas diferentes de transtorno depressivo maior, geralmente definidas por grupos particulares de sintomas, e foram sugeridos muitos subtipos. Os estudos de pesquisas demonstram que a depressão que tem as implicações de tratamento mais importantes é a do tipo delirante.

10 Psicoterapia Interpessoal 27 A depressão delirante, ou psicótica, inclui os sintomas usuais de depressão, como também distorções de pensamento relacionadas a temas depressivos como culpa, autoacusação, sentimento de inadequação ou uma crença de que se é merecedor de punição. As pessoas com depressão delirante podem sentir que a depressão se desenvolveu porque elas são más ou merecem estar deprimidas. A depressão delirante não é frequente. Quando ocorre, ela requer medicação ou eletroconvulsoterapia e geralmente não pode ser tratada por nenhuma psicoterapia isoladamente, incluindo a TIP. Depressão leve Muitas pessoas têm depressão leve ou depressão subsindrômica (p.ex., sintomas como problemas de sono ou perda do interesse, que não atingem o limiar dos critérios para transtorno depressivo maior). Estes estados são chamados por diferentes nomes: depressão menor, depressão sem outra especificação, depressão/ansiedade mista, ou transtorno de ajustamento com humor depressivo. As pessoas com estes sintomas mais leves geralmente não buscam tratamento ou são vistas pelo seu médico de família, um médico de cuidados primários ou um clínico em alguma organização de cuidados à saúde (Capítulo 15). Se estes sintomas persistirem, não devem ser ignorados, já que são prejudiciais e podem interferir na qualidade de vida e produtividade da pessoa. Além do mais, os sintomas da depressão menor aumentam o risco de desenvolvimento de transtorno depressivo maior. Transtorno distímico A característica principal do transtorno distímico é uma perturbação crônica do humor (isto é, sentimento de tristeza ou melancolia, perda do interesse em atividades, baixa energia), mas os sintomas não são de gravidade suficiente para satisfazer os critérios para transtorno depressivo maior. Eles são de leves a moderados e constantes. Devem durar pelo menos dois anos para que sejam considerados transtornos distímicos, mas frequentemente duram décadas. Indivíduos assim acometidos, frequentemente confundem esta depressão crônica com a sua personalidade melancólica e podem não procurar tratamento, encarando o problema como um traço de personalidade que não pode ser mudado. Além disso, a cronicidade do transtorno distímico por vezes o torna mais debilitante do que a depressão maior episódica, e é tratável. A TIP foi adaptada a estes sintomas e está sendo testada em pacientes com transtorno distímico (Markowitz, 1998; Markowitz, Kocsis, Bleiberg, Christos e Sacks, 2005).

11 28 Myrna M. Weissman John C. Markowitz Gerald L. Klerman Transtorno bipolar O transtorno bipolar inclui a presença de estados maníacos além da depressão. A mania é um estado em que o humor permanece predominantemente elevado (sentir-se animado, eufórico), expansivo ou irritável. Este humor é acompanhado de atividade excessiva, pensamento acelerado, um sentimento de poder, autoestima excessivamente alta, necessidade de sono diminuída, distratibilidade e envolvimento impulsivo em atividades que têm um potencial alto para consequências desagradáveis, como gastos excessivos ou atividades sexuais em excesso. O transtorno bipolar também pode incluir sintomas psicóticos. A TIP foi adaptada e mostrou-se benéfica como coadjuvante da medicação para pacientes que têm transtorno bipolar (ver Capítulo 17). Os pacientes com transtorno bipolar precisam de medicação.

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH:

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH: OQUEÉOTRANSTORNOBIPOLARDO HUMOR(TBH)? O transtorno bipolar do humor (também conhecido como psicose ou doença maníaco-depressiva) é uma doença psiquiátrica caracterizada por oscilações ou mudanças de humor

Leia mais

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH Distúrbio Bipolar, também conhecido como mania e depressão, é uma desordem do cérebro que causa mudanças não previstas no estado mental da pessoa,

Leia mais

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição IDENTIFICANDO A DEPRESSÃO Querida Internauta, Lendo o que você nos escreveu, mesmo não sendo uma profissional da área de saúde, é possível identificar alguns sintomas de uma doença silenciosa - a Depressão.

Leia mais

Prevenção em saúde mental

Prevenção em saúde mental Prevenção em saúde mental Treinar lideranças comunitárias e equipes de saúde para prevenir, identificar e encaminhar problemas relacionados à saúde mental. Essa é a característica principal do projeto

Leia mais

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO E- BOOK GRATUITO Olá amigo (a), A depressão é um tema bem complexo, mas que vêm sendo melhor esclarecido à cada dia sobre seu tratamento e alívio. Quase todos os dias novas

Leia mais

DEPRESSÃO - Segundo a Classificação Internacional das Doenças (CID) 10ª revisão

DEPRESSÃO - Segundo a Classificação Internacional das Doenças (CID) 10ª revisão DEPRESSÃO - Segundo a Classificação Internacional das Doenças (CID) 10ª revisão - F32 Episódios depressivos Nos episódios típicos de cada um dos três graus de depressão: leve, moderado ou grave, o paciente

Leia mais

Transtorno Bipolar. Entendendo e ajudando aqueles com mudanças as extremas de humor

Transtorno Bipolar. Entendendo e ajudando aqueles com mudanças as extremas de humor Transtorno Bipolar Entendendo e ajudando aqueles com mudanças as extremas de humor Introdução * O transtorno bipolar (TBP) é uma condição psiquiátrica relativamente freqüente, ente, com prevalência na

Leia mais

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO E- BOOK GRATUITO Olá amigo (a), A depressão é um tema bem complexo, mas que vêm sendo melhor esclarecido à cada dia sobre seu tratamento e alívio. Quase todos os dias novas

Leia mais

GUARDA NACIONAL REPUBLICANA COMANDO DA ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS INTERNOS DIRECÇÃO DE RECURSOS HUMANOS CENTRO DE PSICOLOGIA E INTERVENÇÃO SOCIAL

GUARDA NACIONAL REPUBLICANA COMANDO DA ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS INTERNOS DIRECÇÃO DE RECURSOS HUMANOS CENTRO DE PSICOLOGIA E INTERVENÇÃO SOCIAL GUARDA NACIONAL REPUBLICANA COMANDO DA ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS INTERNOS DIRECÇÃO DE RECURSOS HUMANOS CENTRO DE PSICOLOGIA E INTERVENÇÃO SOCIAL JUNHO 2013 ÍNDICE ÂMBITO... 3 INTRODUÇÃO... 4 COMO SE MANIFESTA

Leia mais

Depressão em mulheres

Depressão em mulheres Depressão em mulheres Por que a depressão é maior em mulheres? O que é depressão? A depressão é um distúrbio de alteração do humor sério e por vezes incapacitante. Causa sentimentos de tristeza, desespero,

Leia mais

Perguntas mais frequentes sobre. transtorno. bipolar do humor. Dra. Sonia Palma

Perguntas mais frequentes sobre. transtorno. bipolar do humor. Dra. Sonia Palma Perguntas mais frequentes sobre transtorno bipolar do humor Dra. Sonia Palma Perguntas mais frequentes Dra. Sonia Palma CRM 44219 Psiquiatra infantil, doutoranda do Departamento de Psicobiologia da UNIFESP

Leia mais

Transtorno do Humor Bipolar

Transtorno do Humor Bipolar Transtorno do Humor Bipolar Neri Maurício Piccoloto EXIGÊNCIAS do AMBIENTE Sono Fome Energia Prazer Esperança Criatividade Velocidade Tenacidade Desejos Humor 1 70% 30% Concordância Não Concordância Aspectos

Leia mais

Como lidar com transtornos internalizantes na sala de aula?

Como lidar com transtornos internalizantes na sala de aula? Como lidar com transtornos internalizantes na sala de aula? Rogéria Recondo Psiquiatra da Infância e Adolescência Preceptora em Psiquiatria Infantil no Hospital São Lucas da PUC Professores:cursos de capacitação

Leia mais

DEPRESSÃO. O que você precisa saber. Fênix Associação Pró-Saúde Mental

DEPRESSÃO. O que você precisa saber. Fênix Associação Pró-Saúde Mental DEPRESSÃO O que você precisa saber Fênix Associação Pró-Saúde Mental Eu admito que preciso de ajuda, pois sozinho não consigo... (Grupo Fênix: Os 6 Passos para a Recuperação) a 1 Edição São Paulo 2010

Leia mais

Bipolaridade Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 2º ano Módulo nº5- Semiologia Psíquica Portefólio de Psicopatologia Ana Carrilho-

Bipolaridade Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 2º ano Módulo nº5- Semiologia Psíquica Portefólio de Psicopatologia Ana Carrilho- Bipolaridade Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 2º ano Módulo nº5- Semiologia Psíquica Portefólio de Psicopatologia Ana Carrilho- 11ºB Enquadramento Filme Mr.Jones Mr.Jones é um homem

Leia mais

SUPERANDO A DEPRESSÃO RESUMO

SUPERANDO A DEPRESSÃO RESUMO SUPERANDO A DEPRESSÃO Andreza do Ouro Corrêa - andreza.correa@ymail.com Mayara Cristina Costa Mariângela Pinto da Silva Gislaine Lima da Silva - gilisilva@ig.com.br Curso de Psicologia Unisalesiano/ Lins

Leia mais

CONCEITO EPISÓDIO MANÍACO 03/02/2014. Episódios depressivos e maníacos. Evolução recorrente. Plena recuperação nas intercrises

CONCEITO EPISÓDIO MANÍACO 03/02/2014. Episódios depressivos e maníacos. Evolução recorrente. Plena recuperação nas intercrises Prof. José Reinaldo do Amaral CONCEITO Episódios depressivos e maníacos Evolução recorrente Plena recuperação nas intercrises 1. Auto-estima inflada ou grandiosidade 2. Insônia 3. Mais falador que o habitual

Leia mais

DEPRESSÃO NO ÂMBITO DA. Felicialle Pereira da Silva Nov. 2015

DEPRESSÃO NO ÂMBITO DA. Felicialle Pereira da Silva Nov. 2015 DEPRESSÃO NO ÂMBITO DA SEGURANÇA PÚBLICA Felicialle Pereira da Silva Nov. 2015 Ser humano x Humor VARIAÇÕES : SIM( X) NÃO( ) EXTREMOS: SIM( ) NÃO( X) CONTROLE Sensações normais Saúde mental x doença mental

Leia mais

(inicia no slide 17) Bipolaridade

(inicia no slide 17) Bipolaridade (inicia no slide 17) Bipolaridade Os Transtornos do Humor Bipolar são transtornos crônicos, recorrentes e, muitas vezes, com remissão incompleta e potencialmente letais. Os pólos de apresentação são: *

Leia mais

A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde

A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde Tatiana Thiago Mendes Psicóloga Clínica e do Trabalho Pós-Graduação em Saúde e Trabalho pelo HC FM USP Perita Judicial em Saúde Mental Panorama da Saúde dos Trabalhadores

Leia mais

Como tem sido seus estudos? Tem conseguido manter a disciplina necessária para assegurar o nível de aprendizado exigido?

Como tem sido seus estudos? Tem conseguido manter a disciplina necessária para assegurar o nível de aprendizado exigido? Saudações concurseiro, Como tem sido seus estudos? Tem conseguido manter a disciplina necessária para assegurar o nível de aprendizado exigido? É muito importante estabelecer uma frequência no estudo,

Leia mais

EDITORIAL EDITORIAL ÍNDICE

EDITORIAL EDITORIAL ÍNDICE EDITORIAL EDITORIAL 1 Sérgio Butka Presidente do Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba Desde a primeira cartilha lançada pelo Departamento de Saúde do SMC vários problemas que fazem parte do cotidiano

Leia mais

22ª JORNADA DA AMINT NOVEMBRO/2008 DEPRESSÃO E TRABALHO. MARIA CRISTINA PALHARES MACHADO PSIQUIATRA MÉDICA DO TRABALHO mcris1989@hotmail.

22ª JORNADA DA AMINT NOVEMBRO/2008 DEPRESSÃO E TRABALHO. MARIA CRISTINA PALHARES MACHADO PSIQUIATRA MÉDICA DO TRABALHO mcris1989@hotmail. 22ª JORNADA DA AMINT NOVEMBRO/2008 DEPRESSÃO E TRABALHO MARIA CRISTINA PALHARES MACHADO PSIQUIATRA MÉDICA DO TRABALHO mcris1989@hotmail.com DEPRESSÃO 1. Afeta pelo menos 12% das mulheres e 8% dos homens

Leia mais

TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR: ASPECTOS CONCEITUAIS E A ATUAÇÃO DA ENFERMAGEM

TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR: ASPECTOS CONCEITUAIS E A ATUAÇÃO DA ENFERMAGEM TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR: ASPECTOS CONCEITUAIS E A ATUAÇÃO DA ENFERMAGEM Autor: Maria Alaide Ferreira Orientador: Maryldes Lucena Bezerra de Oliveira Coautor(es): Kelle de Lima Rodrigues, Gleyciane leandro

Leia mais

Sumário. 1 O início do enigma: o diagnóstico e suas angústias... 13. 2 Transtorno bipolar: a doença da instabilidade... 16

Sumário. 1 O início do enigma: o diagnóstico e suas angústias... 13. 2 Transtorno bipolar: a doença da instabilidade... 16 Sumário Prefácio... 9 1 O início do enigma: o diagnóstico e suas angústias... 13 2 Transtorno bipolar: a doença da instabilidade... 16 As faces do transtorno bipolar... 20 Depressão... 22 Sintomas da depressão...

Leia mais

AVALIAÇÃO DE OCORRÊNCIA DE DEPRESSÃO EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS.

AVALIAÇÃO DE OCORRÊNCIA DE DEPRESSÃO EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS. V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 AVALIAÇÃO DE OCORRÊNCIA DE DEPRESSÃO EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS. Ângela Mari Rauth 1, Arlinda Jesus Sampaio¹,

Leia mais

Depressão e Espiritualidade. Roberto Lúcio Vieira de Souza Médico Psiquiatra Diretor Técnico do Hospital Espírita André Luiz (BH)

Depressão e Espiritualidade. Roberto Lúcio Vieira de Souza Médico Psiquiatra Diretor Técnico do Hospital Espírita André Luiz (BH) Depressão e Espiritualidade Roberto Lúcio Vieira de Souza Médico Psiquiatra Diretor Técnico do Hospital Espírita André Luiz (BH) Conceitos Tristeza emoção natural. Resposta à frustração, decepção ou fracasso.

Leia mais

Dependência Química. Por que algumas pessoas ficam dependentes de drogas e outras não?

Dependência Química. Por que algumas pessoas ficam dependentes de drogas e outras não? Dependência Química Por que algumas pessoas ficam dependentes de drogas e outras não? Os fatores relacionados ao desenvolvimento da dependência química são variados. O fator genético está bem estabelecido.

Leia mais

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável.

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável. Transtornos mentais: Desafiando os Preconceitos Durante séculos as pessoas com sofrimento mental foram afastadas do resto da sociedade, algumas vezes encarcerados, em condições precárias, sem direito a

Leia mais

Depressão. Manual Informativo

Depressão. Manual Informativo Depressão Manual Informativo O que é? Sintomas e riscos associados Como prevenir o suicídio? Depressão e outras doenças: comorbidade Diagnóstico Tratamento: dificuldades e variantes O apoio dos familiares

Leia mais

CONHECENDO A PSICOTERAPIA

CONHECENDO A PSICOTERAPIA CONHECENDO A PSICOTERAPIA Psicólogo Emilson Lúcio da Silva CRP 12/11028 2015 INTRODUÇÃO Em algum momento da vida você já se sentiu incapaz de lidar com seus problemas? Se a resposta é sim, então você não

Leia mais

Sumário. Prefácio... 7 Nota do autor... 9. Parte 1: A natureza da depressão 1. A experiência da depressão... 13 2. Causas da depressão...

Sumário. Prefácio... 7 Nota do autor... 9. Parte 1: A natureza da depressão 1. A experiência da depressão... 13 2. Causas da depressão... Sumário Prefácio... 7 Nota do autor... 9 Parte 1: A natureza da depressão 1. A experiência da depressão... 13 2. Causas da depressão... 27 Parte 2: Passado doloroso 3. Entenda o passado... 45 4. Lide com

Leia mais

Palestra Psicoeducacional 25 abril 2015. "Transtornos do Humor na infância e na adolescência: quais os sintomas? como lidar?.

Palestra Psicoeducacional 25 abril 2015. Transtornos do Humor na infância e na adolescência: quais os sintomas? como lidar?. Palestra Psicoeducacional 25 abril 2015 "Transtornos do Humor na infância e na adolescência: quais os sintomas? como lidar?. Palestra Psicoeducacional Transtorno Bipolar (TB) Infância e Adolescência Sônia

Leia mais

Vivemos na era da Melancolia X Entretenimento

Vivemos na era da Melancolia X Entretenimento AconselhamentoB íblico DEFINIÇÃO DA PALAVRA: Grego : SEM SAÍDA SEM ESPERANÇA Latim (depressus ) : PRESSIONAR PARA BAIXO E contrapartida, os textos bíblicos revelam pessoas que, na condição de deprimidos

Leia mais

Conhecer a depressão. Psicóloga, Chou Im Keng (Karen)

Conhecer a depressão. Psicóloga, Chou Im Keng (Karen) Psicóloga, Chou Im Keng (Karen) Na vida quotidiana, quando nos deparamos com situações tristes e desagradáveis, as nossas emoções são influenciadas e caímos em desânimo e frustração. Contudo, estas sensações,

Leia mais

QUESTÕES ATUAIS SOBRE DIAGNÓSTICO TRANSTORNOS DO HUMOR

QUESTÕES ATUAIS SOBRE DIAGNÓSTICO TRANSTORNOS DO HUMOR QUESTÕES ATUAIS SOBRE DIAGNÓSTICO TRANSTORNOS DO HUMOR Neri M. Piccoloto www.terapiascognitivas.com.br TRANSTORNO DEPRESSIVO MAIOR Em todos os países industrializados do mundo, a incidência de depressão,

Leia mais

Isso marca o início de uma nova e importante era para os pacientes, cuidadores e seus familiares.

Isso marca o início de uma nova e importante era para os pacientes, cuidadores e seus familiares. 1 Manual do Paciente Você não está sozinho Qualquer pessoa pode vir a desenvolver algum tipo de câncer ao longo da vida. No ano passado de 2008, mais de 1,3 milhões de novos cânceres foram diagnosticados

Leia mais

Transtornos do Humor

Transtornos do Humor Transtornos do Humor Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira O QUE SÃO TRANSTORNOS DO HUMOR? Transtornos do humor (ou afetivos) são enfermidades

Leia mais

PONTOS FUNDAMENTAIS QUE O MÉDICO DO TRABALHO PRECISA SABER SOBRE O TRABALHADOR COM TRANSTORNO MENTAL

PONTOS FUNDAMENTAIS QUE O MÉDICO DO TRABALHO PRECISA SABER SOBRE O TRABALHADOR COM TRANSTORNO MENTAL PONTOS FUNDAMENTAIS QUE O MÉDICO DO TRABALHO PRECISA SABER SOBRE O TRABALHADOR COM TRANSTORNO MENTAL Das Informações Éticas na Participação de Médicos em Seminários, Fóruns, Conferências, Congressos e

Leia mais

Psicose pós-parto. A psicose pós-parto é um quadro de depressão pós-parto mais grave e mais acentuado, pois na psicose pós-parto existe o

Psicose pós-parto. A psicose pós-parto é um quadro de depressão pós-parto mais grave e mais acentuado, pois na psicose pós-parto existe o Psicose pós-parto Pode ir desde uma leve tristeza que desaparece com o passar dos dias até um grau mais grave de depressão onde é necessária uma rápida intervenção médica. Este estágio é chamado de psicose

Leia mais

INVENTÁRIO DE SINTOMATOLOGIA DEPRESSIVA (AVALIADO POR CLÍNICOS) (IDS-C)

INVENTÁRIO DE SINTOMATOLOGIA DEPRESSIVA (AVALIADO POR CLÍNICOS) (IDS-C) INVENTÁRIO DE SINTOMATOLOGIA DEPRESSIVA (AVALIADO POR CLÍNICOS) (IDS-C) NOME: DATA: Faça um círculo na resposta de cada item que melhor descreva seu paciente nos últimos 7 dias. 1. Insônia Inicial: 0 Nunca

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO TRANSTORNO BIPOLAR NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA

CARACTERIZAÇÃO DO TRANSTORNO BIPOLAR NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CARACTERIZAÇÃO DO TRANSTORNO BIPOLAR NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA Sandra Cristina Catelan-Mainardes 1 ; Bruna Marconi 2 RESUMO: O Transtorno Bipolar (TB)

Leia mais

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas. O caso da depressão. Gustavo Pradi Adam

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas. O caso da depressão. Gustavo Pradi Adam Modelo de Atenção às Condições Crônicas Seminário II Laboratório de Atenção às Condições Crônicas O caso da depressão Gustavo Pradi Adam Caso clínico Sempre te Vi, Nunca te Amei Sra. X, 43 anos, sexo feminino,

Leia mais

HISTÓRIA HISTÓRIA DIAGNÓSTICO E CLASSIFICAÇÃO DOS TRANSTORNOS MENTAIS. Paradigma da alienação mental. Paradigma das doenças mentais

HISTÓRIA HISTÓRIA DIAGNÓSTICO E CLASSIFICAÇÃO DOS TRANSTORNOS MENTAIS. Paradigma da alienação mental. Paradigma das doenças mentais DIAGNÓSTICO E CLASSIFICAÇÃO DOS TRANSTORNOS MENTAIS Prof. José Reinaldo do Amaral Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Psicologia PSICOPATOLOGIA GERAL 2013 / 2 HISTÓRIA Paradigma da

Leia mais

Indisciplina e Estratégias de Gestão de Conflitos 8ª Sessão Isabel Castro Lopes

Indisciplina e Estratégias de Gestão de Conflitos 8ª Sessão Isabel Castro Lopes Indisciplina e Estratégias de Gestão de Conflitos 8ª Sessão Isabel Castro Lopes Isabel Lopes 1 É um Distúrbio Psíquico de carácter depressivo, precedido de esgotamento físico e mental intenso, definido

Leia mais

Psiquiatria para o clínico Dr. André I. Petroucic Filho 07 maio 2014 Introdução Psiquiatria do dia a dia do clínico Pontos importantes sobre as principais doenças psiquiátricas Depressão, Ansiedade, Doença

Leia mais

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso?

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso? 1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano Vamos falar sobre isso? Algumas estatísticas sobre Saúde Mental Transtornos mentais são frequentes e afetam mais de 25% das pessoas

Leia mais

Depressão. A depressão afecta pessoas de formas diferentes e pode causar vários sintomas físicos, psicológicos (mentais) e sociais.

Depressão. A depressão afecta pessoas de formas diferentes e pode causar vários sintomas físicos, psicológicos (mentais) e sociais. Depressão Introdução A depressão é uma doença séria. Se estiver deprimido, pode ter sentimentos de tristeza extrema que duram longos períodos. Esses sentimentos são muitas vezes suficientemente severos

Leia mais

Create PDF with PDF4U. If you wish to remove this line, please click here to purchase the full version

Create PDF with PDF4U. If you wish to remove this line, please click here to purchase the full version O CUIDAR DE ENFERMAGEM A PUERPERA APRESENTANDO DEPRESSÃO PÓS-PARTO HOLANDA, Eliane Rolim de ARAUJO, Tereza Lourença Matias de RIBEIRO, Francica Sanches Tavares SANTOS, Kamila Késsia Gomes dos SILVA, Gerson

Leia mais

Transtorno Bipolar Aspectos do Diagnóstico e Tratamento. Alexandre Pereira

Transtorno Bipolar Aspectos do Diagnóstico e Tratamento. Alexandre Pereira Transtorno Bipolar Aspectos do Diagnóstico e Tratamento Alexandre Pereira Esquizofrenia x T. Bipolar Delírios, Alucinações, Alterações da consciência do eu,alterações do afeto e da percepção corporal Evolução

Leia mais

Cuidados paliativos e a assistência ao luto

Cuidados paliativos e a assistência ao luto Cuidados paliativos e a assistência ao luto O processo de luto tem início a partir do momento em que é recebido o diagnóstico de uma doença fatal ou potencialmente fatal. As perdas decorrentes assim se

Leia mais

Psicoterapia e Psicofarmacologia. Como optar ou associá-las? Hewdy Lobo Ribeiro Psiquiatra Forense e Psicogeriatra AMBULIM e ProMulher IPq - USP

Psicoterapia e Psicofarmacologia. Como optar ou associá-las? Hewdy Lobo Ribeiro Psiquiatra Forense e Psicogeriatra AMBULIM e ProMulher IPq - USP e Psicofarmacologia. Como optar ou associá-las? Hewdy Lobo Ribeiro Psiquiatra Forense e Psicogeriatra AMBULIM e ProMulher IPq - USP Estudo da forma e função dos Psicofármacos Psicofármacos / Psicotrópicos

Leia mais

Assédio Moral e Violência no Trabalho SINDSEP CAROLINA GRANDO, PSICÓLOGA - CRP 06/114283

Assédio Moral e Violência no Trabalho SINDSEP CAROLINA GRANDO, PSICÓLOGA - CRP 06/114283 Assédio Moral e Violência no Trabalho SINDSEP CAROLINA GRANDO, PSICÓLOGA - CRP 06/114283 O que você sempre quis saber sobre saúde mental relacionada ao trabalho e nunca teve a quem perguntar? Dividam-se

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

O papel das emoções na nossa vida

O papel das emoções na nossa vida O papel das emoções na nossa vida Ao longo da vida, os indivíduos deparam-se com uma variedade de situações que exigem o recurso a variadas competências de modo a conseguirem uma gestão eficaz das mesmas.

Leia mais

DEPRESSÃO. Tristeza vs Depressão «Será que estou deprimido?» «Depressão?! O que é?»

DEPRESSÃO. Tristeza vs Depressão «Será que estou deprimido?» «Depressão?! O que é?» DEPRESSÃO Tristeza vs Depressão «Será que estou deprimido?» Em determinados momentos da nossa vida é normal experienciar sentimentos de «grande tristeza». Para a maioria das pessoas, tais sentimentos surgem

Leia mais

O DIVÓRCIO SEGUNDO CARTER &MC GOLDRICK(1995) O DIVÓRCIO É UMA CRISE DE TRANSIÇÃO;

O DIVÓRCIO SEGUNDO CARTER &MC GOLDRICK(1995) O DIVÓRCIO É UMA CRISE DE TRANSIÇÃO; O DIVÓRCIO SEGUNDO CARTER &MC GOLDRICK(1995) O DIVÓRCIO É UMA CRISE DE TRANSIÇÃO; TORNA-SE MAIS COMUM EMBORA OS CÔNJUGES NÃO ESTEJAM PREPARADOS, SOFRENDO GRANDE IMPACTO FÍSICO E EMOCIONAL; AFETA OS MEMBROS

Leia mais

Procedimentos médicoadministrativos em distúrbios. mentais relacionados ao trabalho

Procedimentos médicoadministrativos em distúrbios. mentais relacionados ao trabalho Procedimentos médicoadministrativos em distúrbios mentais relacionados ao trabalho Dra Ana Paula Schmidt Waldrich Médica do Trabalho CRM-SC 13.384 Doença Ocupacional Quais as formas de caracterização de

Leia mais

Esta categoria global inclui as variedades comuns de esquizofrenia, juntamente com

Esta categoria global inclui as variedades comuns de esquizofrenia, juntamente com F20.0 Esquizofrenia Esta categoria global inclui as variedades comuns de esquizofrenia, juntamente com algumas variedades menos comuns e transtornos intimamente relacionados. F20.0 F20.3 Critérios gerais

Leia mais

Transtorno Bipolar UHN. Bipolar Disorder - Portuguese. Informação para pacientes e seus familiares

Transtorno Bipolar UHN. Bipolar Disorder - Portuguese. Informação para pacientes e seus familiares Transtorno Bipolar Bipolar Disorder - Portuguese UHN Informação para pacientes e seus familiares Leia esta brochura para saber: o que é o transtorno bipolar quais são as suas causas os sinais ou sintomas

Leia mais

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA)

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA) TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA) SERVIÇO DE PSIQUIATRIA HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE (HCPA) DEPARTAMENTO DE PSIQUIATRIA UNIVERSIDADE

Leia mais

A Terapia Cognitivo-Comportamental no tratamento do Transtorno Bipolar

A Terapia Cognitivo-Comportamental no tratamento do Transtorno Bipolar A Terapia Cognitivo-Comportamental no tratamento do Transtorno Bipolar Resumo Adriano da Costa Ferreira de Souza Mariam L. Henker Suelen Roberta Schmidt Pereira 1 Cláudia Mazzoni 2 O transtorno bipolar

Leia mais

Perturbações da Personalidade: Perturbação da Personalidade Borderline e Perturbação da Personalidade Evitante. Joana Gonçalves

Perturbações da Personalidade: Perturbação da Personalidade Borderline e Perturbação da Personalidade Evitante. Joana Gonçalves Perturbações da Personalidade: Perturbação da Personalidade Borderline e Perturbação da Personalidade Evitante Joana Gonçalves Perturbação da Personalidade Borderline Provavelmente a perturbação de personalidade

Leia mais

A depressão pós-parto:

A depressão pós-parto: Compreendendo a infância A depressão pós-parto: um problema para toda a família Compreendendo a infância é uma série de pequenos textos escritos por experientes terapeutas de crianças na Inglaterra, para

Leia mais

UM OLHAR SOBRE AUTOESTIMA DE MULHERES COM SINTOMAS DEPRESSIVOS NA VIVÊNCIA DE CONFLITOS NA RELAÇÃO CONJUGAL

UM OLHAR SOBRE AUTOESTIMA DE MULHERES COM SINTOMAS DEPRESSIVOS NA VIVÊNCIA DE CONFLITOS NA RELAÇÃO CONJUGAL UM OLHAR SOBRE AUTOESTIMA DE MULHERES COM SINTOMAS DEPRESSIVOS NA VIVÊNCIA DE CONFLITOS NA RELAÇÃO CONJUGAL Danila Rafaela do Nascimento Jeane Aparecida de Oliveira Silva Maria Betânia Soares da Rocha

Leia mais

Diferenciação da Depressão com Transtorno Afetivo Bipolar pelo DSM-5. Michelle Cristina da Silveira Psicóloga Março /2015

Diferenciação da Depressão com Transtorno Afetivo Bipolar pelo DSM-5. Michelle Cristina da Silveira Psicóloga Março /2015 Diferenciação da Depressão com Transtorno Afetivo Bipolar pelo DSM-5 Michelle Cristina da Silveira Psicóloga Março /2015 Evolução do Diagnóstico em Psiquiatria - Kraepelin (1921) = Curso da doença; - Kurt

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO PRIMÁRIA DE SINTOMAS DO TRANSTORNO DEPRESSIVO MAIOR E A BUSCA POR PROFISSIONAIS ESPECIALIZADOS

IDENTIFICAÇÃO PRIMÁRIA DE SINTOMAS DO TRANSTORNO DEPRESSIVO MAIOR E A BUSCA POR PROFISSIONAIS ESPECIALIZADOS IDENTIFICAÇÃO PRIMÁRIA DE SINTOMAS DO TRANSTORNO DEPRESSIVO MAIOR E A BUSCA POR PROFISSIONAIS ESPECIALIZADOS Cayla Aparecida de Sousa 1 ; Cícero Marcelo Félix Junior 1 ; Sandra Cristina Catelan- Mainardes

Leia mais

(31) 3292 6299 www.fredericoporto.com.br

(31) 3292 6299 www.fredericoporto.com.br (31) 3292 6299 www.fredericoporto.com.br COACHING E PSICOPATOLOGIA UMA DIÁLOGO NECESSÁRIO Frederico Porto JANEIRO NO DIA 1 º DE JANEIRO ÀS 00:00 ACONTECE O BIG BANG.. SETEMBRO NO INÍCIO DE SETEMBRO SURGE

Leia mais

AUTOVIOLÊNCIA. Dalila Santos Daniela Soares Colombi

AUTOVIOLÊNCIA. Dalila Santos Daniela Soares Colombi AUTOVIOLÊNCIA Dalila Santos Daniela Soares Colombi Automutilação Conceito: Comportamento autolesivo deliberado, causando dano tissular, com a intenção de provocar lesão não fatal para obter alívio de tensão.

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DO TABAGISMO

PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DO TABAGISMO PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DO TABAGISMO Abordagem e Tratamento do Tabagismo PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DO TABAGISMO Abordagem e Tratamento do Tabagismo I- Identificação do Paciente Nome: Nº do prontuário:

Leia mais

TRANSTORNOS DO HUMOR. Transtornos do Humor. Humor. Emoção pervasiva e mantida que dá colorido às percepções do mundo.

TRANSTORNOS DO HUMOR. Transtornos do Humor. Humor. Emoção pervasiva e mantida que dá colorido às percepções do mundo. TRANSTORNOS DO HUMOR Prof.ª Otília A. M. Loth Emoção pervasiva e mantida que dá colorido às percepções do mundo. Somatória de emoções e sentimentos que estão presentes na consciência do indivíduo num determinado

Leia mais

Terapia Cognitivo-Comportamental dos Transtornos Alimentares Psicologia- Ulbra/Guaíba

Terapia Cognitivo-Comportamental dos Transtornos Alimentares Psicologia- Ulbra/Guaíba Terapia Cognitivo-Comportamental dos Transtornos Alimentares Psicologia- Ulbra/Guaíba Profa. Mestre Cláudia Galvão Mazzoni Fabiana Lima Rosinski Lisiane Botelho Ferreira Patrícia dos Santos Silveira Resumo:

Leia mais

Laura Meyer da Silva SEXO: MUITO PRAZER 2. Como ter uma vida sexual plena e feliz. www.lpm.com.br L&PM POCKET

Laura Meyer da Silva SEXO: MUITO PRAZER 2. Como ter uma vida sexual plena e feliz. www.lpm.com.br L&PM POCKET Laura Meyer da Silva SEXO: MUITO PRAZER 2 Como ter uma vida sexual plena e feliz www.lpm.com.br L&PM POCKET 3 3 Quando a ejaculação prematura reforça a angústia Ejaculação rápida, ejaculação prematura

Leia mais

TRANSTORNO DE HUMOR BIPOLAR. Desenvolvido pela Stabilitas Associação de Usuários de estabilizadores do humor, familiares e amigos.

TRANSTORNO DE HUMOR BIPOLAR. Desenvolvido pela Stabilitas Associação de Usuários de estabilizadores do humor, familiares e amigos. TRANSTORNO DE HUMOR BIPOLAR MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA PACIENTES E FAMILIARES Desenvolvido pela Stabilitas Associação de Usuários de estabilizadores do humor, familiares e amigos. 2 Ora Raquel Nicolini

Leia mais

Fundação Cardeal Cerejeira Depressão na Pessoa Idosa

Fundação Cardeal Cerejeira Depressão na Pessoa Idosa Fundação Cardeal Cerejeira Depressão na Pessoa Idosa Rui Grilo Tristeza VS Depressão A tristeza é a reacção que temos perante as perdas afectivas na nossa vida; A perda de alguém por morte é tristeza e

Leia mais

PONTA DELGADA AÇORES 08 a 10 de MAIO de 2013 Emmanuel Fortes S. Cavalcanti 3º Vice Presidente CFM - Brasil

PONTA DELGADA AÇORES 08 a 10 de MAIO de 2013 Emmanuel Fortes S. Cavalcanti 3º Vice Presidente CFM - Brasil PONTA DELGADA AÇORES 08 a 10 de MAIO de 2013 Emmanuel Fortes S. Cavalcanti 3º Vice Presidente CFM - Brasil Trabalho de educação continuada desenvolvido pelo CRM-AL em 2002. Atendimento de profissionais

Leia mais

Irritabilidade na Infância e Adolescência

Irritabilidade na Infância e Adolescência Irritabilidade na Infância e Adolescência Dra Gledis Lisiane Motta Psiquiatra da Infância e Adolescência Precetora do PRM em Psiquiatria do HMIPV IRRITABILIDADE IRRITABILIDADE IRRITABILIDADE IRRITABILIDADE

Leia mais

SAUDE MENTAL DA MULHER NOS CICLOS DE VIDA

SAUDE MENTAL DA MULHER NOS CICLOS DE VIDA SAUDE MENTAL DA MULHER NOS CICLOS DE VIDA ENCONTRO MULHER DE ATITUDE Campanha de Prevenção do Câncer Cérvico C Uterino Março o 2013 Maristela C Sousa - Médica Psiquiatra DVSAM/DACC/SAS/SESA Dados Epidemiológicos

Leia mais

ANAMNESE. Você tem uma Religião? SIM NÃO

ANAMNESE. Você tem uma Religião? SIM NÃO ANAMNESE INFORMAÇÕES GERAIS Nome: Data de Nascimento: Altura: m. Peso: Kg. Seu peso varia? SIM NÃO Caso sim, em quanto? Você tem um médico da família? SIM NÃO Se sim, qual o seu nome e como contatá-lo?

Leia mais

Folie circulaire. Transtorno Bipolar do Humor PSICOSE MANÍACO- DEPRESSIVA. Transtorno afetivo bipolar. Dra. Priscila Rocco www.drapriscilarocco.com.

Folie circulaire. Transtorno Bipolar do Humor PSICOSE MANÍACO- DEPRESSIVA. Transtorno afetivo bipolar. Dra. Priscila Rocco www.drapriscilarocco.com. Folie circulaire PSICOSE MANÍACO- DEPRESSIVA Transtorno afetivo bipolar Transtorno Bipolar do Humor Um pouquinho de História 1800 : Philipe Pinel 1850: Jean-Pierre Falret (folie circulaire) 1883: Karl

Leia mais

COMPORTAMENTO SUICIDA

COMPORTAMENTO SUICIDA COMPORTAMENTO SUICIDA Magnitude, Avaliação de Risco e Manejo Neury J. Botega Universidade Estadual de Campinas SAÚDE MENTAL E MEDICINA Antiguidade Greco-Romana Idade Média Idade Moderna TOLERÂNCIA CONDENAÇÃO

Leia mais

Informações gerais sobre o transtorno bipolar

Informações gerais sobre o transtorno bipolar Informações gerais sobre o transtorno bipolar 1 Este capítulo responde às seguintes questões: O que é transtorno bipolar? Esta seção define o transtorno, introduz suas possíveis causas e apresenta as quatro

Leia mais

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Apesar de ainda não existir cura definitiva para esse problema de saúde crônico, uma diferenciação entre essa patologia e a sensibilidade ao glúten

Leia mais

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET TRAUMA)

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET TRAUMA) TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET TRAUMA) SERVIÇO DE PSIQUIATRIA HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE (HCPA) DEPARTAMENTO DE PSIQUIATRIA UNIVERSIDADE

Leia mais

TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DOS TRANSTORNOS ALIMENTARES: ANOREXIA NERVOSA E BULIMIA NERVOSA.

TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DOS TRANSTORNOS ALIMENTARES: ANOREXIA NERVOSA E BULIMIA NERVOSA. TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DOS TRANSTORNOS ALIMENTARES: ANOREXIA NERVOSA E BULIMIA NERVOSA. Daniela Dornsbach Koszeniewski¹ Flávia Souza de Freitas¹ Rosieli Ribarski Bortolotti¹ RESUMO Este artigo

Leia mais

ORIENTAÇÃO NA GESTAÇÃO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA DE PREVENÇÃO DA DEPRESSÃO PÓS-PARTO

ORIENTAÇÃO NA GESTAÇÃO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA DE PREVENÇÃO DA DEPRESSÃO PÓS-PARTO ORIENTAÇÃO NA GESTAÇÃO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA DE PREVENÇÃO DA DEPRESSÃO PÓS-PARTO Ana Paula Fernandes de Lima Juliana Bianchi Neida Garcia Marizete Pollnow Rodrigues Cláudia Galvão Mazoni RESUMO Pesquisas

Leia mais

Faculdade de Medicina UFRGS Departamento de Psiquiatria e Medicina Legal

Faculdade de Medicina UFRGS Departamento de Psiquiatria e Medicina Legal Faculdade de Medicina UFRGS Departamento de Psiquiatria e Medicina Legal Disciplina: Med 8834 - Psiquiatria Roteiro de Estudo de Caso Prof. Aristides Volpato Cordioli 1. DADOS DA IDENTIDADE DO PACIENTE

Leia mais

Depressão UHN. Depression - Portuguese

Depressão UHN. Depression - Portuguese Depressão Depression - Portuguese UHN Informação para pacientes e seus familiares Leia esta brochura para aprender: o que é a depressão? quais são as suas causas? os sinais ou sintomas da depressão que

Leia mais

TRANSTORNOS ANSIOSOS. Prof. Humberto Müller Saúde Mental

TRANSTORNOS ANSIOSOS. Prof. Humberto Müller Saúde Mental TRANSTORNOS ANSIOSOS Prof. Humberto Müller Saúde Mental Porque nos tornamos ansiosos? Seleção natural da espécie Ansiedade e medo... na medida certa, ajuda! Transtornos de Ansiedade SINTOMAS: Reação exagerada

Leia mais

Identificar o PHDA. Os sintomas do PHDA integram-se em três subtipos básicos:

Identificar o PHDA. Os sintomas do PHDA integram-se em três subtipos básicos: A primeira coisa que deve saber sobre o PHDA é que esta é uma condição real e tratável que afecta milhões de crianças, adolescentes e adultos. Mais importante, com diagnóstico apropriado e tratamento eficaz,

Leia mais

PREVENÇÃO DE RECAÍDA

PREVENÇÃO DE RECAÍDA PREVENÇÃO DE RECAÍDA Alessandro Alves Noventa por cento do sucesso se baseia simplesmente em insistir. Woody Allen A recaída tem sido descrita tanto como um resultado a visão dicotômica de que a pessoa

Leia mais

DEPRESSÃO NA INFÂNCIA: ASPECTOS GERAIS E ABORDAGEM PSICANALÍTICA.

DEPRESSÃO NA INFÂNCIA: ASPECTOS GERAIS E ABORDAGEM PSICANALÍTICA. FACULDADE DE CIENCIAS DA SAUDE FACS CURSO: PSICOLOGIA DEPRESSÃO NA INFÂNCIA: ASPECTOS GERAIS E ABORDAGEM PSICANALÍTICA. RITA DE CÁSSIA LINO GUERRA BRASÍLIA JULHO/2008 3 RITA DE CÁSSIA LINO GUERRA DEPRESSÃO

Leia mais

ASPECTOS PSICOLÓGICOS NA DOENÇA DE ALZHEIMER Suely Laitano S. Nassif *

ASPECTOS PSICOLÓGICOS NA DOENÇA DE ALZHEIMER Suely Laitano S. Nassif * 1. ASPECTOS PSICOLÓGICOS NA DOENÇA DE ALZHEIMER Suely Laitano S. Nassif * A coisa mais sublime que o homem pode experimentar é o mistério. É esta emoção fundamental que está na raiz de toda a ciência e

Leia mais

Depressão pós-parto um guia para mães, familiares e amigos

Depressão pós-parto um guia para mães, familiares e amigos Depressão pós-parto um guia para mães, familiares e amigos Depressão pós-parto O que é? Há três tipos principais de alteração de humor pós-parto: Baby blues, Psicose puerperal e Depressão pós-parto. Baby

Leia mais

Abordagem Psiquiátrica de casos Clínicos 2012.2 Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira

Abordagem Psiquiátrica de casos Clínicos 2012.2 Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira Abordagem Psiquiátrica de casos Clínicos 2012.2 Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira Transtornos Afetivos Aspectos históricos Como traçar fronteiras

Leia mais

Abuso e dependência ao álcool e outras drogas e sua relação com o suicídio

Abuso e dependência ao álcool e outras drogas e sua relação com o suicídio Abuso e dependência ao álcool e outras drogas e sua relação com o suicídio Messiano Ladislau Nogueira de Sousa Médico Psiquiatra com aperfeiçoamento em terapia psicanalítica Abril, 2014 Sumário Conceitos

Leia mais

Você conhece a Medicina de Família e Comunidade?

Você conhece a Medicina de Família e Comunidade? Texto divulgado na forma de um caderno, editorado, para a comunidade, profissionais de saúde e mídia SBMFC - 2006 Você conhece a Medicina de Família e Comunidade? Não? Então, convidamos você a conhecer

Leia mais

Mordidas e agressões na escola

Mordidas e agressões na escola Mordidas e agressões na escola É muito comum que nas escolas de educação infantil, mais especificamente nas turmas de maternal, de crianças com aproximadamente dois anos de idade; aconteçam as mordidas

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DA TERAPIA COGNITIVO- COMPORTAMENTAL COM PACIENTES EM SITUAÇÕES DE CRISE EDSON VIZZONI PSICÓLOGO IBH ABRIL 2014

A CONTRIBUIÇÃO DA TERAPIA COGNITIVO- COMPORTAMENTAL COM PACIENTES EM SITUAÇÕES DE CRISE EDSON VIZZONI PSICÓLOGO IBH ABRIL 2014 A CONTRIBUIÇÃO DA TERAPIA COGNITIVO- COMPORTAMENTAL COM PACIENTES EM SITUAÇÕES DE CRISE EDSON VIZZONI PSICÓLOGO IBH ABRIL 2014 Um estado temporário de perturbação e desorganização, caracterizado principalmente

Leia mais

Transtornos de Personalidade e Implicações Forenses. Personalidade. Personalidade 26/09/2015. PUC Goiás Prof.ª Otília Loth

Transtornos de Personalidade e Implicações Forenses. Personalidade. Personalidade 26/09/2015. PUC Goiás Prof.ª Otília Loth Transtornos de Personalidade e Implicações Forenses PUC Goiás Prof.ª Otília Loth Personalidade Personalidade é uma totalidade relativamente estável e previsível de traços emocionais e comportamentais que

Leia mais