Propriedades predicativas dos verbos leves dar, ter e fazer: estrutura argumental e eventiva *

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Propriedades predicativas dos verbos leves dar, ter e fazer: estrutura argumental e eventiva *"

Transcrição

1 Propriedades predicativas dos verbos leves dar, ter e fazer: estrutura argumental e eventiva * Anabela Gonçalves Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa / CLUL Fátima Oliveira Faculdade de Letras da Universidade do Porto / CLUP Matilde Miguel Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa / CLUL Amália Mendes CLUL Luís Filipe Cunha CLUP Purificação Silvano CLUP Inês Duarte Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa / CLUL Fátima Silva Faculdade de Letras da Universidade do Porto / CLUP Madalena Colaço Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa / CLUL 1. INTRODUÇÃO O presente trabalho visa descrever construções com predicados complexos do Português Europeu (PE) que envolvem um verbo leve, mais especificamente os verbos leves ter, dar e fazer, e um nome deverbal, como ilustrado em (1): (1) a. O Rui deu uma corrida. b. Eles fizeram um assalto. c. Elas tiveram uma viagem agradável. No que segue, é nosso objectivo (i) apresentar um conjunto de propriedades que constituam argumentos a favor da ideia de que os verbos leves são predicados; (ii) argumentar a favor do estatuto de predicado complexo da construção que envolve um verbo leve e um nome deverbal; (iii) propor, para os verbos leves, uma descrição baseada em traços das classes de verbos de Moens (1987) (cf. Dowty 1979, Smith 1991, Scher 2005, Harley 2009, entre outros); (iv) defender que a diferença crucial entre os verbos leves e os verbos principais * Este trabalho foi realizado no âmbito do projecto Predicados Complexos: tipologia e anotação de corpus (PREPLEXOS), desenvolvido no Centro de Linguística da Universidade de Lisboa (CLUL) e financiado pela FCT (PTDC/LIN/68241/2006).

2 correspondentes em termos de aktionsart reside na subespecificação de alguns ou de todos os traços dos primeiros. 2. ARGUMENTOS A FAVOR DO ESTATUTO PREDICATIVO DOS VERBOS LEVES As três propriedades a seguir apresentadas ilustram os argumentos a favor do estatuto de predicado dos verbos leves. I. Os verbos leves podem preservar a estrutura argumental do verbo pleno correspondente Em (2b), o verbo leve dar mantém a estrutura argumental de três argumentos, como o verbo pleno correspondente em (2a); (3b) mostra que o verbo leve fazer é um predicado de dois lugares, como o verbo pleno correspondente de (3a); em (4b), o verbo leve ter mantém os dois argumentos do verbo pleno homónimo (4a). (2) a. O Pedro deu uma gravata ao pai. b. O Pedro deu uma leitura ao texto. (3) a. O Pedro fez uma casa enorme. b. O Pedro fez um sorriso triste. (4) a. O Pedro teve um acidente. b. O Pedro teve um sonho interessante. II. Os verbos leves também são responsáveis pela selecção semântica do argumento externo, contrariamente ao que acontece com os verbos auxiliares (5) a. O João tinha empurrado o carro que estava estacionado. b. A chuva tinha empurrado o carro que estava estacionado. (6) a. O João deu um empurrão ao carro que estava estacionado. b.* A chuva deu um empurrão ao carro que estava estacionado. Nos exemplos (5a-b), o verbo pleno empurrar, num tempo composto que envolve o auxiliar ter, selecciona um argumento externo com a função semântica Causa, independentemente do traço [±animado] deste. Em (6), embora o nome empurrão tenha a mesma base que o verbo empurrar, só é admitido um argumento externo Causa com o traço [+animado], em conformidade com as propriedades de selecção semântica do verbo leve dar. III. Os verbos leves preservam parte do significado e da estrutura argumental dos verbos plenos correspondentes Em (7), o verbo pleno dar denota uma mudança de localização de uma entidade y, possuída por x e transferida para z, como resultado de uma situação eventiva intencional de x; há presença de um controlador (Causa), uma mudança de localização e uma transferência (cf.dowty, 1979; Butt & Geuder, 2001). A presença de um controlador e a ideia de transferência de x para z encontram-se preservadas pelo verbo leve em (8). (7) [O João] x deu [uma gravata] y [ao pai] z. (8) [O João] x deu [um abraço] y [ao pai] z.

3 Por sua vez, o verbo pleno fazer é um predicado causativo de dois lugares que implica mudança de estado; o argumento Benefactivo opcional ocorre sob a forma de dativo ou de sintagma preposicional oblíquo (cf. para, em (9a)). Na construção com verbo leve, o argumento Benefactivo ocorre sob a forma de um dativo (cf. (9b)). (9) a. O Pedro fez uma casa na árvore (às / para as crianças). b. O filme fez muita aflição / impressão às crianças. Finalmente, o verbo pleno ter é um predicado estativo de dois lugares; expressa posse / localização de duas entidades (cf. (10a)). A construção com o verbo leve (cf. (10b-d)) mantém a estrutura argumental de dois lugares, e a preposição que encabeça o constituinte preposicional é aquela que é requerida pela grelha argumental do nome, como ilustrado em (11). (10) a. O Pedro tem uma casa no campo. b. O Pedro tem receio de aranhas. c. O Pedro teve uma conversa importante com os pais. d. O Pedro tem muito orgulho na família. (11) o receio de aranhas, uma conversa com os pais, o orgulho na família 3. ARGUMENTOS A FAVOR DO ESTATUTO DE PREDICADO COMPLEXO DA CONSTRUÇÃO COM UM VERBO LEVE E UM NOME DEVERBAL Como mostrámos na secção anterior, os verbos leves do Português europeu apresentam propriedades predicativas, que os aproximam dos verbos plenos homónimos. Nesta secção, serão apresentados argumentos adicionais a favor desta ideia e argumentos que nos permitem concluir que o verbo leve e o nome com que este se combina formam um predicado complexo. I. Os verbos leves seleccionam um Tema que denota um evento e não uma entidade Contrariamente ao que acontece quando ocorrem os verbos principais homónimos, o argumento interno seleccionado pelos verbos dar, fazer e ter denota eventos e não entidades. Esta afirmação é motivada por dois argumentos: (i) Na construção com os verbos leves em análise, podem ocorrer adjectivos aspectuais internamente ao tema (cf. (12)); este tipo de adjectivos não ocorre internamente a DPs que denotam entidades (cf. (13)). (12) a. O Pedro tem dado uma ajuda permanente / ocasional à Cruz Vermelha. b. O Pedro fez uma intervenção interminável / rápida no debate. c. Kissinger teve uma influência duradoura / pontual na política externa americana. (13) a.* O Pedro deu um livro permanente / ocasional ao pai. b.* O Pedro fez um bolo interminável / pontual para o filho. c.* O Pedro teve um livro duradouro / pontual. (ii) Se o núcleo do Tema for um nome que selecciona argumentos internos, um desses argumentos deve estar presente ou ser recuperável discursivamente, facto que,

4 segundo Grimshaw (1990), constitui um critério pertinente para identificar leituras eventivas de nominalizações (cf. (14) vs (15)). (14) a. O presidente deu sugestões ao governo. b. O primeiro-ministro fez uma apresentação da nova lei no Parlamento. c. O presidente teve uma conversa com o primeiro-ministro. (15) a.?? O presidente deu sugestões. b.?? O primeiro-ministro fez uma apresentação. c.?? O presidente teve uma conversa. II. Existência de alternâncias verbais Algumas construções com verbos leves admitem alternâncias semelhantes às que manifestam alguns verbos plenos. Assinale-se o caso do verbo leve fazer, que permite uma alternância causativa-incoativa (cf. (16)). (16) a. Esse cirurgião fez uma operação difícil. (causativa) b. O paciente fez uma operação difícil (com esse cirurgião). (incoativa) Note-se que estas alternâncias não são admitidas nem pelo verbo pleno correspondente (cf. (17)), nem pelo verbo com que o nome está morfologicamente relacionado (cf. (18)). (17) a. O Pedro fez um veleiro. b.* O veleiro fez-se com o Pedro. (18) a. Esse cirurgião operou a doente. b.* O doente operou-se com esse cirurgião. Encontramos ainda pares em que o verbo leve dar alterna com ter (cf. (19a-b)) ou em que o verbo leve fazer alterna com ter (cf. (20a-b)), o que altera a classe aspectual da eventualidade da construção. (19) a. O Pedro deu muitas preocupações aos pais. (processo) b. Os pais tiveram muitas preocupações com o Pedro. (estado) (20) a. O Pedro fez um assalto inusitado. (processo) b. A ourivesaria teve um assalto inusitado. (estado) A alternância aspectual encontrada em (20) não é herdada nem do verbo pleno correspondente, nem da base verbal a partir da qual o nome é formado. De facto, assaltar não admite este tipo de alternância, em particular, não admite leitura estativa. Por sua vez, a alternância de construção encontrada com o verbo preocupar (cf. (19)) não afecta o tipo aspectual da eventualidade (cf. (21)). (21) a. O Pedro preocupou os pais. (processo) b. Os pais preocuparam-se com o Pedro. (processo) Dos dados apresentados nesta secção podemos concluir que (i) o verbo leve e o nome deverbal formam um predicado complexo e que (ii) as propriedades do predicado complexo são distintas quer das do verbo pleno correspondente quer das da base verbal do nome e decorrem da computação das propriedades combinadas do verbo leve e do seu complemento nominal.

5 4. PROPRIEDADES ASPECTUAIS DA CONSTRUÇÃO Assumindo a hipótese da preservação do valor aspectual da base verbal a partir da qual os nomes são formados, tal como definida em Marín & McNally (2009), nas secções seguintes, serão apresentados argumentos que mostram que, no que toca à selecção do tipo de eventualidades, os verbos leves são sensíveis à classe aspectual do nome deverbal com o qual se combinam O verbo leve ter O verbo leve ter é o mais flexível quanto à combinação com nomes deverbais, na medida em que admite todas as classes, desde que esses nomes contenham algum tipo de modificação. (22) Os turistas tiveram uma viagem agradável. (processo) (23) O edifício teve uma construção difícil. (processo culminado) (24) O atleta teve uma chegada triunfal. (culminação) (25) Cristiano Ronaldo teve um toque genial. (ponto) (26) A Maria teve uma vida fascinante. (estado) O verbo leve ter parece não alterar as propriedades aspectuais do nome deverbal com que se combina, como mostra a compatibilidade com diferentes adverbiais de tempo (em (27) com um processo, em (28) com um processo culminado e em (29) com uma culminação), que nos permitem identificar as diferentes classes aspectuais associadas às predicações verbais de que são derivados esses nomes. (27) O Pedro teve um passeio agradável (durante meia hora). (28) A máquina teve uma montagem completa (em meia hora). (29) O helicóptero teve uma queda estrondosa (às dez da manhã). Contudo, a informação veiculada pelo adjectivo é primordial. Assim, em (30), dado que se utiliza um nome, leitura, que é formado a partir de um processo culminado, e que pode, portanto, ter uma leitura eventiva e uma leitura resultativa (sendo esta última estativa), a selecção do adjectivo pode remeter para a parte processual (cf. (30a)) ou para o estado resultante (cf. (30b)). (30) a. Este artigo teve uma leitura difícil. b. Este artigo teve uma leitura proveitosa O verbo leve fazer Contrariamente ao que acontece com o verbo ter, o verbo leve fazer não se combina com todos os tipos aspectuais de predicações. De facto, não se pode combinar com estados nem com pontos (cf. (31)), classes aspectuais que não têm uma estrutura fásica na sua estrutura temporal, não satisfazendo, assim, os requisitos essenciais para se combinarem com fazer. Quanto à combinação com nominalizações que denotam processos culminados e processos, fazer pode preservar as propriedades aspectuais dos nomes (cf. (32)) ou alterá-las (cf. (33)). (31) a.* O João fez uma vida. b.* O João fez um espirro.

6 (32) a. O João fez uma leitura do artigo em cinco minutos / # durante cinco minutos. b. A Maria fez uma caminhada durante meia hora. (33) a. O deputado fez um discurso em meia hora. b. O Pedro fez uma caminhada em meia hora. Quanto à combinação com nominalizações que derivam de culminações, apenas um número reduzido é compatível com fazer (cf. (34a) vs (34b-d)): (34) a.* A Maria fez uma chegada / um nascimento / um desaparecimento. b. O ladrão fez um assalto. c. O exército fez um ataque à cidade. d. O vento fez um estrago no telhado. Consideramos que há duas hipóteses de explicação para as restrições observadas em (34b-d): (i) Os predicados complexos com fazer requerem um sujeito Agente / Causa; ora as culminações em (34a) derivam de verbos inacusativos, cujo argumento único não recebe essa função semântica, o que determina a agramaticalidade dessas sequências. (ii) Os predicados complexos com fazer só admitem culminações que podem ser convertidas em processos culminados, por acréscimo de um processo preparatório à sua estrutura aspectual básica, como o pode confirmar a presença dos adverbiais em cinco minutos e durante cinco minutos (cf. (35)): (35) a. O ladrão fez um assalto em cinco minutos. b. O exército fez um ataque à cidade em duas horas O verbo leve dar O verbo leve dar é o mais restritivo com as classes aspectuais a partir das quais se formam as nominalizações. Com efeito, este verbo leve não é compatível nem com estados nem com culminações (cf. (36) e (37)). (36) * O João deu um gosto / uma vida. (37) * A Maria deu um nascimento / um assalto à casa. Quanto à co-ocorrência de dar com nomes derivados de processos e processos culminados, observa-se que é pouco consistente, uma vez que este verbo se combina apenas com alguns processos e com alguns processos culminados (cf. (38a) vs (38b) e (39) vs (40)). (38) a. O João deu um passeio / uma corrida / uma caminhada. b.* A Maria deu um trabalho / uma perseguição / uma fuga / uma dança. (39) a. O turista deu uma visita pela cidade / pelo museu. b. O Pedro deu uma leitura ao artigo. (40) a.* O pedreiro deu uma construção à casa. b.* O Pedro deu um resumo ao artigo. Note-se que, contrariamente ao que acontece com fazer, o verbo dar é compatível com pontos, como se pode observar em (41): (41) Cristiano Ronaldo deu um espirro / um toque na bola.

7 Verifica-se que o verbo leve dar, comparativamente com o verbo leve fazer, selecciona preferencialmente nominalizações formadas a partir de eventos sem estrutura fásica, sendo muito restritivo quanto à co-ocorrência com nomes derivados de eventos com uma clara estrutura fásica. 5. DERIVAÇÃO DAS PROPRIEDADES ASPECTUAIS DO PREDICADO COMPLEXO 5.1. Propriedades aspectuais dos verbos leves e dos verbos plenos correspondentes Tem sido defendido que as propriedades aspectuais das classes de verbos, como descritas em Vendler (1967), podem ser caracterizadas em termos de um conjunto de traços (cf. Dowty 1979, Smith 1991, Scher 2005, entre outros). Neste sentido, Harley (2009:333) propõe a seguinte especificação de traços para os morfemas verbalizadores que formam verbos plenos: (42) a. V CAUSE : [+dynamic], [+change of state], [+cause] b. V BECOME : [+dynamic], [+change of state], [-cause] c. V DO : [+dynamic], [-change of state], [-cause] d. V BE : [-dynamic], [-change of state], [-cause] Tendo em conta as propriedades semânticas das diferentes classes aspectuais, tal classificação parece insuficiente, pelo que propomos a seguinte adaptação da proposta de Harley (2009): (i) manter os traços [±dinâmico], [±causa]; (ii) adoptar o traço [±mudança], que opera sobre mudança de estado, de localização e de posse; (iii) introduzir o traço [±durativo], para distinguir processos culminados, processos e estados de culminações e pontos; (iv) introduzir o traço [±instant(âneo)], para distinguir pontos de todas as outras classes (veja-se Smith (1991)). Estas alterações permitem reformular (42) como em (43), em que verbo pleno fazer corresponde a (43a), o verbo pleno dar, a (43b), e o verbo pleno ter, a (43d). (43) a. V CAUSE : [+dynamic], [+change], [+cause], [+durative], [-instant] (FAZER) b.v BECOME : [+dynamic], [+change], [-cause], [-durative], [-instant] (DAR) c. V DO : [+dynamic], [-change], [-cause], [+durative], [-instant] d. V BE : [-dynamic], [-change], [-cause], [+durative], [-instant] (TER) e. V DO_INSTANT : [+dynamic], [- change], [-cause], [-durative], [+instant] Tendo em conta a caracterização, em termos de traços aspectuais, dos verbos plenos proposta em (43), a nossa hipótese é a de que os verbos leves diferem dos verbos plenos por se encontrarem subespecificados para alguns traços aspectuais, como ilustrado em (44): (44) a. fazer leve : [+dinâmico], [±mudança], [±causa], [±durativo], [-instant] b. dar leve : [+dinâmico], [±mudança], [±causa], [±durativo], [±instant] c. ter leve : [± dinâmico], [± mudança], [± causa], [± durativo], [± instant]

8 5.2. Exclusão das combinatórias <V leve + N> agramaticais Com base na caracterização anterior dos verbos leves face aos verbos plenos, verifica-se que há combinatórias <V leve + N> que são agramaticais: (i) Os verbos leves dar e fazer dispõem do traço [+dinâmico], não podendo combinar-se com nomes que derivam de estados, por estes serem [-dinâmico]. (ii) Como estes verbos se encontram subespecificados para o traço [mudança], podem combinar-se com nomes que denotam processos ou processos culminados, que irão valorar um desses traços: [-mudança], com um nome de processo, e [+mudança], com um nome derivado de um processo culminado. (iii) Fazer, por não estar especificado quanto ao traço [causa], combina-se com processos culminados ([+causa]) e processos ([-causa]). (iv) O facto de dar se encontrar subespecificado para o traço [causa] levaria a supor que este verbo leve seria compatível tanto com processos culminados como com culminações. No entanto, observamos que apenas a primeira classe aspectual é compatível. Isto significa que a proposta apresentada sobregera possibilidades, já que dar não é compatível com culminações, embora os traços prevejam essa combinatória. (v) Enquanto dar está subespecificado para o traço [instant], permitindo a ocorrência de pontos, fazer mantém o valor [-instant] do verbo pleno correspondente, excluindo, assim, nomes que denotam pontos. (vi) No caso de dar, a exclusão de culminações deve ser explicada na componente pós- -sintáctica (na interface C-I; veja-se Oliveira et al. (2009)). (vii) O verbo leve ter é o mais defectivo; combina-se com todas as classes de nomes predicativos, dado que todos os seus traços estão subespecificados Derivação das propriedades aspectuais do predicado complexo: uma ilustração Nesta secção, ilustraremos a derivação das propriedades aspectuais de predicados complexos que integrem o verbo leve dar. Se o referido verbo se combinar com um nome que denote um processo, a derivação das propriedades aspectuais de todo o predicado complexo procede como em (45): (45) dar um passeio dar leve : [+dinâmico], [±mudança], [±causa], [±durativo], [±instant] passeio: [+dinâmico], [-mudança], [-causa], [+durativo], [-instant] dar um passeio: [+dinâmico], [-mudança], [-causa], [+durativo], [-instant] Neste caso, os dois elementos que compõem o predicado complexo partilham o valor do traço [dinâmico]. Como os outros traços do verbo leve se encontram subespecificados, a sequência <V leve + N> herda os valores especificados nos traços do nome.

9 Se, por sua vez, o verbo leve dar se combinar com um nome que denote um estado, a derivação das propriedades aspectuais do predicado complexo é a ilustrada em (46): (46) * dar uma estada no Brasil dar leve : [+dinâmico], [±mudança], [±causa], [±durativo], [±instant] estada: [-dinâmico], [-mudança], [-causa], [+durativo], [-instant] A exclusão destas sequências decorre do conflito entre os valores do traço [dinâmico]: [+dinâmico] para o verbo leve; [-dinâmico] para o nome que denota um estado. 6. CONCLUSÕES O objectivo central deste trabalho foi o de demonstrar que os verbos leves são elementos predicativos, como os verbos plenos e ao contrário dos verbos auxiliares. Os dados apresentados permitem-nos concluir que os verbos em análise não são elementos meramente funcionais nem verbos auxiliares, aproximando-se, antes, de verbos plenos. Assim, podemos concluir que: (i) os verbos leves são predicados, seleccionando argumentos e impondo restrições sobre as classes aspectuais dos nomes com que se combinam; (ii) a sequência <V leve + N> forma um predicado complexo; (iii) os verbos leves distinguem-se dos verbos plenos homónimos em virtude de alguns dos traços da sua estrutura aspectual se encontrarem subespecificados. Defendemos ainda que, em termos semânticos, existe uma interacção entre as propriedades das nominalizações seleccionadas e algumas das características que os verbos leves herdam dos verbos plenos correspondentes; as possibilidades de compatibilização dos verbos leves com as classes aspectuais de predicados nominais manifestam esse tipo de interdependência. BIBLIOGRAFIA Abeillé, Anne, Daniel Godard & Ivan Sag (1998): Two Kinds of Composition in French Complex predicates. In Hinrichs, E., A. Kathol & T. Nakazawa (1998). Alsina, Alex (1996): The Role of Argument Structure in Grammar. Stanford, Califórnia: CSLI Publications. Butt, Miriam. & Wilhelm Geuder (2001): On the (Semi)Lexical Status of Light Verbs. In Corver, N. & H. van Riemsdijk (eds.). Butt, Miriam (2003): The Light Verb Jungle. Harvard Working Papers in Linguistics, Vol 9: Cattell, Raymond (1984): Composite Predicates in English. Syntax and Semantics 17. Sydney: Academic Press. Corver, N. & H. van Riemsdijk (eds.) (2001): Semi-lexical Categories: On the Content of function words and the function of content words. Berlin: Mouton de Gruyter. Diesing, Molly (1998): Light Verbs and the Syntax of Aspect in Yiddish. The Journal of Comparative Germanic Linguistics1(2):

10 Duarte, Inês, Anabela Gonçalves & Matilde Miguel (2006): Verbos leves com nomes deverbais em português europeu. In Textos seleccionados do XXI Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística, Lisboa: APL: Duarte, Inês; Matilde Miguel, & Anabela Gonçalves (2009): Light verbs as predicates. Comunicação apresentada no 30º Tabu Dag. Universidade de Groningen. Dowty, David (1979): Word Meaning and Montague Grammar. Dordrecht: Reidel. Grimshaw, Jane (1990): Argument Structure. Cambridge, MA: The MIT Press. Grimshaw, Jane. & Armin. Mester (1988): Light Verbs and θ-marking. Linguistic Inquiry : Gross, Maurice (1981): Les Bases Empiriques de la Notion de Prédicat Sémantique. Langages 63: Harley, Heidi (2009): The morphology of nominalizations and the syntax of vp*. In Giannakidou, A. & M. Rathert (eds.). Hinrichs, E., A. Kathol & T. Nakazawa (1998) (orgs.): Complex Predicates in Nonderivational Syntax. Syntax and Semantics 30. San Diego: Academic Press. Hook, Peter (1974): The Compound Verb in Hindi. Center for South and Southeast Asian Studies, University of Michigan. Kratzer, Angelika (1996): Severing the External Argument from the verb. In Rooryck, J. & L. Zaring (eds.). Marín, Rafael & Louise McNally (2009): From Psych Verbs to Nouns. International Workshop Events across Categories. Madrid. Ms. Moens, Mark (1987): Tense, Aspect and Temporal Reference. University of Edinburgh, PhD. Dissertation. Oliveira, Fátima, Luís Filipe Cunha, Fátima Silva & Purificação Silvano (2009): Some Remarks on the Aspectual Properties of Complex Predicates with Light Verbs and Deverbal Nouns. Comunicação apresentada no 30º Tabu Dag. Universidade de Groningen. Rooryck, J. & L. Zaring (eds.) (1996): Phrase Structure and the Lexicon. Dordrecht: Kluwer. Rosen, Sara (1990): Argument Structure and Complex Predicates. Nova Iorque: Garland. Samek-Lodovici, Vieri (2003): The Internal Structure of Arguments and its Role in Complex Predicate Formation. Natural Language & Linguistic Theory 21: Scher, AnaPaula (2005): As Categorias Aspectuais e a Formação de Construções com o Verbo Leve Dar. Revista GEL 2 (9-38). Smith, Carlota (1991): The Parameter of Aspect. Dordrecht: Kluwer Academic Publishers Vendler, Zeno (1967): Linguistics in Philosophy. Ithaca / London: Cornell University Press.

A leveza dos verbos leves

A leveza dos verbos leves A leveza dos verbos leves Inês Duarte FLUL, CLUL Roteiro Tipologia de predicados complexos encabeçados por verbos leves em português europeu Argumentos a favor da classe verbos leves Algumas propriedades

Leia mais

Os valores das preposições a, até, para e com em PE* Manuel Luís Costa

Os valores das preposições a, até, para e com em PE* Manuel Luís Costa Os valores das preposições a, até, para e com em PE* Manuel Luís Costa Abstract: The main goal of this research project is the characterization of the semantic values of the Portuguese prepositions a,

Leia mais

INTERFACE ASPECTUAL EM VERBOS DE MOVIMENTO DO

INTERFACE ASPECTUAL EM VERBOS DE MOVIMENTO DO SAMPAIO, Thiago O. M.; FRANÇA, Aniela Improta. Interface aspectual em verbos de movimento do Português Brasileiro. Revista Virtual de Estudos da Linguagem ReVEL. Vol. 6, n. 10, março de 2008. ISSN 1678-8931

Leia mais

Buscador Online do CINTIL-Treebank. Patricia Nunes Gonçalves & António Branco Universidade de Lisboa

Buscador Online do CINTIL-Treebank. Patricia Nunes Gonçalves & António Branco Universidade de Lisboa Buscador Online do CINTIL-Treebank Patricia Nunes Gonçalves & António Branco Universidade de Lisboa Abstract This paper describes the CINTIL-Treebank Online Searcher, a freely available online service

Leia mais

Buscador Online do CINTIL-Treebank Patricia Nunes Gonçalves, António Branco

Buscador Online do CINTIL-Treebank Patricia Nunes Gonçalves, António Branco Buscador Online do CINTIL-Treebank Patricia Nunes Gonçalves, António Branco Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Abstract This paper describes the CINTIL-Treebank Online Searcher, a freely available

Leia mais

As alternâncias de diátese e a expressão da estrutura de argumentos no português

As alternâncias de diátese e a expressão da estrutura de argumentos no português As alternâncias de diátese e a expressão da estrutura de argumentos no português Helio Roberto de Moraes 1, Bento Carlos Dias-da-Silva 2 1,2 Centro de Estudos Lingüísticos e Computacionais da Linguagem

Leia mais

Traços da distinção contável-massivo no Chinês e no Português Brasileiro

Traços da distinção contável-massivo no Chinês e no Português Brasileiro Traços da distinção contável-massivo no Chinês e no Português Brasileiro Nize Paraguassu Endereço Acadêmico: Departamento de Lingüística - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Universidade

Leia mais

Interpretação Temporal dos Domínios Infinitivos na Construção de Reestruturação do Português Europeu

Interpretação Temporal dos Domínios Infinitivos na Construção de Reestruturação do Português Europeu XXV ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE LINGUÍSTICA Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa 22-24 Outubro Interpretação Temporal dos Domínios Infinitivos na Construção de Reestruturação

Leia mais

Liliane Santana Curriculum Vitae

Liliane Santana Curriculum Vitae Liliane Santana Curriculum Vitae Abril/2008 Dados pessoais Nome: Endereço profissional: Endereço eletrônico: Liliane Santana UNESP - Instituto de Biociências Letras e Ciências Exatas de São José do Rio

Leia mais

Interpretação temporal dos domínios infinitivos na construção de reestruturação do português europeu*

Interpretação temporal dos domínios infinitivos na construção de reestruturação do português europeu* Interpretação temporal dos domínios infinitivos na construção de reestruturação do português europeu* Anabela Gonçalves +, Luís Filipe Cunha = 1 & Purificação Silvano = 2 + Faculdade de Letras da Universidade

Leia mais

Construções de objecto indirecto preposicionais e não preposicionais: uma abordagem generativo-constructivista 1.

Construções de objecto indirecto preposicionais e não preposicionais: uma abordagem generativo-constructivista 1. Construções de objecto indirecto preposicionais e não preposicionais: uma abordagem generativo-constructivista 1 Ana Maria Brito 2 Faculdade de Letras da Universidade do Porto Centro de Linguística da

Leia mais

PREDICADOS COMPLEXOS. Maria José Foltran* Preliminares

PREDICADOS COMPLEXOS. Maria José Foltran* Preliminares ESTUDOS LINGÜÍSTICOS PREDICADOS COMPLEXOS Maria José Foltran* Preliminares T? ste artigo tem um caráter eminentemente descritivo. Nosso proposito B J é mostrar que os chamados predicados complexos englobam

Leia mais

Particípios resultativos

Particípios resultativos PARTICÍPIOS RESULTATIVOS Particípios resultativos Inês Duarte = & Fátima Oliveira + = Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa 1 Centro de Linguística da Universidade de Lisboa + Faculdade de Letras

Leia mais

A noção de aspecto nas línguas checa e portuguesa

A noção de aspecto nas línguas checa e portuguesa Masarykova univerzita Brno Filozofická fakulta Katedra romanistiky A noção de aspecto nas línguas checa e portuguesa Magisterská diplomová práce Vypracoval: Veronika Ženatá Brno Vedoucí práce: Mgr. Iva

Leia mais

REVEL NA ESCOLA: MORFOLOGIA DISTRIBUÍDA

REVEL NA ESCOLA: MORFOLOGIA DISTRIBUÍDA SCHER, Ana Paula. ReVEL na escola: Morfologia Distribuída. ReVEL, v. 13, n. 24, 2015. [www.revel.inf.br]. REVEL NA ESCOLA: MORFOLOGIA DISTRIBUÍDA Ana Paula Scher 1 Universidade de São Paulo Os processos

Leia mais

A aquisição de clíticos em PE: omissão de clíticos ou objecto nulo? 1 João Costa e Maria Lobo

A aquisição de clíticos em PE: omissão de clíticos ou objecto nulo? 1 João Costa e Maria Lobo A aquisição de clíticos em PE: omissão de clíticos ou objecto nulo? 1 João Costa e Maria Lobo Universidade Nova de Lisboa 1. Introdução Este trabalho tem por objectivo contribuir para os estudos que têm

Leia mais

O papel das restrições aspectuais nas relações retóricas: o caso das frases complexas com quando

O papel das restrições aspectuais nas relações retóricas: o caso das frases complexas com quando O papel das restrições aspectuais nas relações retóricas: o caso das frases complexas com quando Luís Filipe Cunha 1 e Purificação Silvano 2 Centro de Linguística da Universidade do Porto 3 Abstract In

Leia mais

Construções causativas e percetivas num corpus dialetal do Português

Construções causativas e percetivas num corpus dialetal do Português Construções causativas e percetivas num corpus dialetal do Português Sandra Pereira (spereira@clul.ul.pt) IV Wedisyn, 18-19 abril, Santiago de Compostela (USC/ILG) Corpus CORDIAL-SIN Corpus dialetal orientado

Leia mais

Leituras Universais e Existenciais no Passado Composto

Leituras Universais e Existenciais no Passado Composto 1 Leituras Universais e Existenciais no Passado Composto Karina Veronica Molsing (PUCRS) GT de Teoria de Gramática ANPOLL Resumo O objetivo desse trabalho é discutir as diferentes leituras do presente

Leia mais

REFERÊNCIAS DE TEMPO E ASPECTO DOS TEMPOS VERBAIS E DOS ADJUNTOS ADVERBIAIS DE TEMPO

REFERÊNCIAS DE TEMPO E ASPECTO DOS TEMPOS VERBAIS E DOS ADJUNTOS ADVERBIAIS DE TEMPO Anais do 5º Encontro do Celsul, Curitiba-PR, 2003 (1359-1367) REFERÊNCIAS DE TEMPO E ASPECTO DOS TEMPOS VERBAIS E DOS ADJUNTOS ADVERBIAIS DE TEMPO Solange Mendes OLIVEIRA (Universidade Federal de Santa

Leia mais

Anais do 6º Encontro Celsul - Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul

Anais do 6º Encontro Celsul - Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul Anais do 6º Encontro Celsul - Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul MARCAS LINGÜÍSTICAS DE ITERATIVIDADE EM PB Teresa Cristina WACHOWICZ (UFPR) ABSTRACT: Besides the well known phenomenon of argument

Leia mais

(1) PALAVRA TEMA FLEXÃO MORFOLÓGICA RADICAL CONSTITUINTE TEMÁTICO

(1) PALAVRA TEMA FLEXÃO MORFOLÓGICA RADICAL CONSTITUINTE TEMÁTICO Alina Villalva 1 Radical, tema e palavra são termos familiares à análise morfológica, mas que, de um modo geral, têm sido mal aproveitados pelos diversos modelos que a praticam. Na verdade, estes conceitos

Leia mais

EVIDÊNCIAS DA ESTRUTURA BIPARTIDA DO VP NA LÍNGUA TENETEHÁRA

EVIDÊNCIAS DA ESTRUTURA BIPARTIDA DO VP NA LÍNGUA TENETEHÁRA EIDÊNCIAS DA ESTRUTURA BIPARTIDA DO P NA LÍNGUA TENETEHÁRA Introdução Quesler Fagundes Camargos / FALE - UFMG Fábio Bonfim Duarte / FALE - UFMG Neste trabalho, temos por objetivo investigar o estatuto

Leia mais

Universidade de Lisboa

Universidade de Lisboa WordNet.PT Uma rede léxico-conceptual do Português on-line Palmira Marrafa 1,2, Raquel Amaro 1, Rui Pedro Chaves 1, Susana Lourosa 1, Catarina Martins 1 e Sara Mendes 1 1 CLG Grupo de Computação do Conhecimento

Leia mais

Pronomes resumptivos e identidade temática em sentenças possessivas

Pronomes resumptivos e identidade temática em sentenças possessivas Pronomes resumptivos e identidade temática em sentenças possessivas Juanito Avelar Instituto de Estudos da Linguagem Universidade Estadual de Campinas juanitoavelar@uol.com.br Resumo. À luz da Morfologia

Leia mais

Linguagem: produtividade e sistematicidade

Linguagem: produtividade e sistematicidade Linguagem: produtividade e sistematicidade Referências: Chomsky, Noam, Syntactic Structures, The Hague, Mouton, 1957. Chomsky, Noam, Aspects of the Theory of Syntax, Cambridge (Mas.), The MIT Press, 1965.

Leia mais

UMA ANÁLISE ASPECTUAL DA CONSTRUÇÃO

UMA ANÁLISE ASPECTUAL DA CONSTRUÇÃO LISBOA de LIZ, Lucilene. Uma análise aspectual da construção dar uma X- (a)da. Revista Virtual de Estudos da Linguagem ReVEL. V. 5, n. 8, março de 2007. ISSN 1678-8931 [www.revel.inf.br]. UMA ANÁLISE ASPECTUAL

Leia mais

Gramática e ensino do português

Gramática e ensino do português Ação de formação Gramática e ensino do português Filomena Viegas Funções sintáticas na frase Sujeito [[Os meus primos] vivem em Santarém. [Esse rapaz alto que tu conheces] estudou no Porto. Chegaram [os

Leia mais

Estados perfeitos em cabo-verdiano 1

Estados perfeitos em cabo-verdiano 1 Estados perfeitos em cabo-verdiano 1 Fernanda Pratas CLUNL-FCSH Abstract The contrast between the temporal interpretation of N sabe risposta I know the answer (present), as opposed to N kume pexe I ate

Leia mais

Todo versus não : restrições à negação sentencial em presença do quantificador todo

Todo versus não : restrições à negação sentencial em presença do quantificador todo Todo versus não : restrições à negação sentencial em presença do quantificador todo (Why sentences with the universal distributive todo (all) and sentential negation are ill-formed in Brazilian Portuguese)

Leia mais

A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1

A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1 A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1 Ahiranie Sales Santos Manzoni 2 Renata Lívia de Araújo Santos 3 RESUMO: Este artigo analisa a

Leia mais

A relação forma significado em morfologia Maria do Céu Caetano

A relação forma significado em morfologia Maria do Céu Caetano A relação forma significado em morfologia Maria do Céu Caetano Abstract: With this short paper I intend to contrast two of the main morphological analysis models, i.e. the structuralist model (cf. Bloomfield

Leia mais

Contextualismo e anti-contextualismo

Contextualismo e anti-contextualismo Contextualismo e anti-contextualismo Referências: Cappelen, Herman, and Lepore, Ernie, Insensitive Semantics, Oxford, Blackwell, 2005. Kaplan, David, Demonstratives, in Almog, J., Perry, J., and Wettstein,

Leia mais

A EXPRESSÃO DA GENERICIDADE NO PORTUGUÊS DO BRASIL *

A EXPRESSÃO DA GENERICIDADE NO PORTUGUÊS DO BRASIL * A EXPRESSÃO DA GENERICIDADE NO PORTUGUÊS DO BRASIL * Ana Müller ** Introdução O objetivo deste trabalho é investigar a semântica das expressões de referência a espécie e das sentenças genéricas no Português

Leia mais

Marília Facó Soares I

Marília Facó Soares I Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Ciências Humanas, Belém, v. 3, n. 1, p. 51-63, jan.-abr. 2008 Língua/linguagem e tradução cultural: algumas considerações a partir do universo Ticuna Language and cultural

Leia mais

O conflito entre a negação sentencial e o quantificador todo do PB

O conflito entre a negação sentencial e o quantificador todo do PB Anais do CELSUL 2008 O conflito entre a negação sentencial e o quantificador todo do PB Ana Paula Quadros Gomes 1 1 Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Universidade de São Paulo (USP)/ bolsa

Leia mais

Oposições Aspectuais em Português Língua Segunda

Oposições Aspectuais em Português Língua Segunda 1º Encontro de Pós-Graduação em Linguística Oposições Aspectuais em Português Língua Segunda O caso dos falantes de Russo em contexto de imersão Catarina Pereira da Silva Tema reconhecimento de oposições

Leia mais

RAFAEL RIBEIRO SILVA PROJETO DE PESQUISA Linha de Pesquisa: Metafísica e Epistemologia

RAFAEL RIBEIRO SILVA PROJETO DE PESQUISA Linha de Pesquisa: Metafísica e Epistemologia RAFAEL RIBEIRO SILVA PROJETO DE PESQUISA Linha de Pesquisa: Metafísica e Epistemologia Salvador 2010 RAFAEL RIBEIRO SILVA ASCE SÃO SEMÂ TICA E O PRI CÍPIO DO CO TEXTO A OBRA DE MICHAEL DUMMETT Salvador

Leia mais

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC)

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) Diversidade Linguística na Escola Portuguesa Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) www.iltec.pt www.dgidc.min-edu.pt www.gulbenkian.pt Resultados da análise de narrativas escritas

Leia mais

Estudo comparativo dos padrões de lexicalização do português e do inglês: os Verbos de Movimento 1

Estudo comparativo dos padrões de lexicalização do português e do inglês: os Verbos de Movimento 1 Estudo comparativo dos padrões de lexicalização do português e do inglês: os Verbos de Movimento 1 Helio Roberto de Moraes * * Centro de Estudos Lingüísticos e Computacionais da Linguagem (CELiC)- Faculdade

Leia mais

PARFOR 2014 CURSO INTENSIVO DE ATUALIZAÇÃO DE PROFESSORES DE PORTUGUÊS LÍNGUA MATERNA FLUP

PARFOR 2014 CURSO INTENSIVO DE ATUALIZAÇÃO DE PROFESSORES DE PORTUGUÊS LÍNGUA MATERNA FLUP PARFOR 2014 CURSO INTENSIVO DE ATUALIZAÇÃO DE PROFESSORES DE PORTUGUÊS LÍNGUA MATERNA FLUP Semântica 28/jan/2014 António Leal a.leal006@gmail.com AGENDA Semântica Frásica: Tempo (considerações gerais)

Leia mais

Dativos não argumentais em português

Dativos não argumentais em português Dativos não argumentais em português Matilde Miguel, Anabela Gonçalves & Inês Duarte Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa Centro de Linguística da Universidade de Lisboa Abstract In recent work,

Leia mais

Anais do 6º Encontro Celsul - Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul

Anais do 6º Encontro Celsul - Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul Anais do 6º Encontro Celsul - Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul A FOCALIZAÇÃO DO SUJEITO NO PORTUGUÊS BRASILEIRO Sandra QUAREZEMIN (Universidade Federal de Santa Catarina) ABSTRACT: This paper describes

Leia mais

Letícia Lucinda Meirelles * 1. Introdução

Letícia Lucinda Meirelles * 1. Introdução DOI: 10.14393/DL21-v10n1a2016-13 Os conceitos semânticos de afetação e de mudança de estado em uma análise construcional dos verbos do PB Affectdness and change of state semantic concepts in a constructional

Leia mais

[FOCO] É QUE / [FOCO] QUE X WH É QUE / WH QUE

[FOCO] É QUE / [FOCO] QUE X WH É QUE / WH QUE [FOO] É QUE / [FOO] QUE X WH É QUE / WH QUE Mariana RESENES (UFS) ABSTRAT: Our aim in this paper is to show that sentences formed by [focus]that... are not derived from clefts [focus] is that, parallel

Leia mais

CAUSATIVAS SINTÉTICAS NO DIALETO MINEIRO: NOVAS EVIDÊNCIAS A FAVOR DA ESTRUTURA BIPARTIDA DO VP?

CAUSATIVAS SINTÉTICAS NO DIALETO MINEIRO: NOVAS EVIDÊNCIAS A FAVOR DA ESTRUTURA BIPARTIDA DO VP? CAUSATIVAS SINTÉTICAS NO DIALETO MINEIRO: NOVAS EVIDÊNCIAS A FAVOR DA ESTRUTURA BIPARTIDA DO VP? Yara Rosa Bruno da SILVA Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC - MG) RESUMO Este artigo

Leia mais

4. A nominalização em Inglês e Português. Derivados nominais e nominalizações gerundivas.

4. A nominalização em Inglês e Português. Derivados nominais e nominalizações gerundivas. 36 4. A nominalização em Inglês e Português. Derivados nominais e nominalizações gerundivas. Em inglês, diversos nominais são formados a partir do processo de adição de sufixos, como er, e ing às suas

Leia mais

SINTAXE E PROSÓDIA NA ORGANIZAÇÃO DA ESTRUTURA FRASAL DO PORTUGUÊS: UM ESTUDO DA DISTRIBUIÇÃO SINTÁTICA ENTRE ADVÉRBIOS E COMPLEMENTOS 1

SINTAXE E PROSÓDIA NA ORGANIZAÇÃO DA ESTRUTURA FRASAL DO PORTUGUÊS: UM ESTUDO DA DISTRIBUIÇÃO SINTÁTICA ENTRE ADVÉRBIOS E COMPLEMENTOS 1 SINTAXE E PROSÓDIA NA ORGANIZAÇÃO DA ESTRUTURA FRASAL DO PORTUGUÊS: UM ESTUDO DA DISTRIBUIÇÃO SINTÁTICA ENTRE ADVÉRBIOS E COMPLEMENTOS 1 335 Gabriel de Ávila Othero * Introdução Neste artigo, veremos alguns

Leia mais

Subtipos de verbos de movimento e classes aspectuais

Subtipos de verbos de movimento e classes aspectuais Subtipos de verbos de movimento e classes aspectuais António Leal & Fátima Oliveira FLUP/CLUP 1 0. Introdução É comum considerar-se que os verbos de modo de movimento constituem uma classe não homogénea,

Leia mais

Programa da Unidade Curricular

Programa da Unidade Curricular Unidade Curricular: ECTS: Carga horária: Ano Lectivo: Semestre(s): Docente(s): O Estudo da Linguagem Humana 6 ECTS 4h/semana 2014-2015 S1 Marina Vigário Objectivos de aprendizagem: Esta disciplina visa

Leia mais

LARA FRUTOS GONZÁLEZ O PLURAL NU EM POSIÇÃO DE OBJETO DIRETO

LARA FRUTOS GONZÁLEZ O PLURAL NU EM POSIÇÃO DE OBJETO DIRETO LARA FRUTOS GONZÁLEZ O PLURAL NU EM POSIÇÃO DE OBJETO DIRETO Monografia apresentada à disciplina Orientação Monográfica II como requisito parcial à obtenção do bacharelado em Letras Português do Setor

Leia mais

O PAPEL DA METONÍMIA NOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE PALAVRAS: UM ESTUDO DOS VERBOS DENOMINAIS EM PORTUGUÊS

O PAPEL DA METONÍMIA NOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE PALAVRAS: UM ESTUDO DOS VERBOS DENOMINAIS EM PORTUGUÊS ARTIGOS O PAPEL DA METONÍMIA NOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE PALAVRAS: UM ESTUDO DOS VERBOS DENOMINAIS EM PORTUGUÊS Margarida BASILIO Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro PUC-Rio RESUMO Neste

Leia mais

Lexical and syntactic properties of complex predicates of the type

Lexical and syntactic properties of complex predicates of the type <light verb+deverbal noun> Lexical and syntactic properties of complex predicates of the type Propriétés des prédicats complexes du type Inês Duarte, Madalena Colaço, Anabela

Leia mais

O DISCURSO EXPOSITIVO ESCRITO NO ENSINO FUNDAMENTAL. UM ENFOQUE COGNITIVISTA E SEUS DESDOBRAMENTOS DIDÁTICOS

O DISCURSO EXPOSITIVO ESCRITO NO ENSINO FUNDAMENTAL. UM ENFOQUE COGNITIVISTA E SEUS DESDOBRAMENTOS DIDÁTICOS O DISCURSO EXPOSITIVO ESCRITO NO ENSINO FUNDAMENTAL. UM ENFOQUE COGNITIVISTA E SEUS DESDOBRAMENTOS DIDÁTICOS Luís Passeggi Universidade Federal do Rio Grande do Norte RESUMO: Propomos uma análise do discurso

Leia mais

A CONVERSÃO ADJETIVO/SUBSTANTIVO EM FORMAÇÕES DEVERBAIS X-DO NO PORTUGUÊS DO BRASIL

A CONVERSÃO ADJETIVO/SUBSTANTIVO EM FORMAÇÕES DEVERBAIS X-DO NO PORTUGUÊS DO BRASIL Fábio Flores A CONVERSÃO ADJETIVO/SUBSTANTIVO EM FORMAÇÕES DEVERBAIS X-DO NO PORTUGUÊS DO BRASIL Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Estudos da Linguagem do Departamento

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE LINGUÍSTICA ROBERLEI ALVES BERTUCCI UMA ANÁLISE SEMÂNTICA PARA VERBOS ASPECTUAIS EM PORTUGUÊS BRASILEIRO SÃO

Leia mais

A distribuição complementar entre a perífrase estar +gerúndio e o. presente do indicativo em português e espanhol

A distribuição complementar entre a perífrase estar +gerúndio e o. presente do indicativo em português e espanhol A distribuição complementar entre a perífrase estar +gerúndio e o presente do indicativo em português e espanhol Talita Vieira Moço (USP) Introdução Nesta ocasião apresentaremos algumas das observações

Leia mais

Cyrino, S.M.L. (2001) "O objeto nulo no português do Brasil e no português de Portugal" Boletim da ABRALIN 25: 173-181.

Cyrino, S.M.L. (2001) O objeto nulo no português do Brasil e no português de Portugal Boletim da ABRALIN 25: 173-181. Cyrino, S.M.L. (2001) "O objeto nulo no português do Brasil e no português de Portugal" Boletim da ABRALIN 25: 173-181. O OBJETO NULO NO PORTUGUÊS DO BRASIL E NO PORTUGUÊS DE PORTUGAL Sonia Maria Lazzarini

Leia mais

Causação direta e indireta na língua Citshwa (Grupo Bantu) 1

Causação direta e indireta na língua Citshwa (Grupo Bantu) 1 Causação direta e indireta na língua Citshwa (Grupo Bantu) 1 Quesler Fagundes Camargos 2 (UFMG) Indra Marrime Manuel 3 (UEM) Domingas Machavele 4 (UEM) 1. Introdução A língua Citshwa pertence ao Grupo

Leia mais

A interacção dos tempos verbais e dos adverbiais circunstanciais na construção de um valor

A interacção dos tempos verbais e dos adverbiais circunstanciais na construção de um valor ÉTUDES ROMANES DE BRNO 30, 2009, 1 Barbara Hlibowicka-Węglarz A interacção dos tempos verbais e dos adverbiais circunstanciais na construção de um valor aspectual I. O objectivo que nos propomos é evidenciar

Leia mais

A SEMÂNTICA DO OBJECTO: ASPECTO E DETERMINAÇÃO NOMINAL *

A SEMÂNTICA DO OBJECTO: ASPECTO E DETERMINAÇÃO NOMINAL * A SEMÂNTICA DO OBJECTO: ASPECTO E DETERMINAÇÃO NOMINAL * SUSANA PAULA GOMES PEREIRA FCG / FCT LUÍS FILIPE CUNHA (Centro de Linguística da Universidade do Porto) Com a obra A Semântica do Objecto: Aspecto

Leia mais

FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA LINGUA PORTUGUESA 5. José Luís Forneiro Pérez GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁCTICO

FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA LINGUA PORTUGUESA 5. José Luís Forneiro Pérez GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁCTICO FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA LINGUA PORTUGUESA 5 José Luís Forneiro Pérez GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁCTICO 2015/2016 FACULTADE DE FILOLOXÍA. DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA

Leia mais

Esquemas orientados para o produto na derivação sufixal

Esquemas orientados para o produto na derivação sufixal Esquemas orientados para o produto na derivação sufixal Bruno Maroneze Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD) I Dia da Morfologia Universidade de São Paulo 25 de setembro de 2012 1 Plano da apresentação

Leia mais

Omissão de clíticos na aquisição do português europeu: dados da compreensão 1, 2

Omissão de clíticos na aquisição do português europeu: dados da compreensão 1, 2 Omissão de clíticos na aquisição do português europeu: dados da compreensão 1, 2 João Costa & Maria Lobo Universidade Nova de Lisboa 1. Introdução A investigação sobre a produção/omissão de pronomes clíticos

Leia mais

GRAMÁTICA PORTUGUESA 2 -FONOLOGIA E MORFOLOGIA

GRAMÁTICA PORTUGUESA 2 -FONOLOGIA E MORFOLOGIA FACULDADE DE FILOLOGIA Grau em Línguas Modernas: Português GRAMÁTICA PORTUGUESA 2 -FONOLOGIA E MORFOLOGIA José Luís RODRIGUEZ GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁTICO 2015/2016 I. DADOS DA MATÉRIA NOME: Gramática

Leia mais

PARSER: UM ANALISADOR SINTÁTICO E SEMÂNTICO PARA SENTENÇAS DO PORTUGUÊS

PARSER: UM ANALISADOR SINTÁTICO E SEMÂNTICO PARA SENTENÇAS DO PORTUGUÊS Estudos Lingüísticos XXVI (Anais de Seminários do GEL) Trabalho apresentado no XLIV Seminário do GEL na UNITAU - Taubaté, em 1996 UNICAMP-IEL Campinas (1997), 352-357 PARSER: UM ANALISADOR SINTÁTICO E

Leia mais

O estudo da linguagem, há pouco menos de dois séculos, ganhou um enfoque

O estudo da linguagem, há pouco menos de dois séculos, ganhou um enfoque EU GOSTO DE DOCE E EU VI A ELE NA PERSPECTIVA DA TEORIA DO CASO Daniel Mateus O Connell 1 INTRODUÇÃO O estudo da linguagem, há pouco menos de dois séculos, ganhou um enfoque diferente. Até então, as pesquisas

Leia mais

Ao se adaptar para o "quantificador"' QUALQUER, do português, a

Ao se adaptar para o quantificador' QUALQUER, do português, a SOBRE O COMPORTAMENTO SEMÂNTICO DE "QUALQUER" Márcio Renato Guimarães Ao se adaptar para o "quantificador"' QUALQUER, do português, a análise feita por Vendler (1967) para o ANY do inglês, uma ressalva

Leia mais

Formação de palavras: aquisição de alguns afixos derivacionais em português e em inglês Teresa Santos

Formação de palavras: aquisição de alguns afixos derivacionais em português e em inglês Teresa Santos Formação de palavras: aquisição de alguns afixos derivacionais em português e em inglês Teresa Santos Abstract: This paper focuses on the analysis of some derivational affixes in Portuguese (L1) and in

Leia mais

Sobre a expressão de distâncias temporais no português europeu e no português brasileiro. Telmo Móia Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa

Sobre a expressão de distâncias temporais no português europeu e no português brasileiro. Telmo Móia Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa Sobre a expressão de distâncias temporais no português europeu e no português brasileiro Telmo Móia Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa Ana Teresa Alves Universidade dos Açores 0. Introdução

Leia mais

AS INTERPRETAÇÕES ABERTA E FECHADA DOS VERBOS DE ESTADO NO SIMPLE PAST EM INGLÊS

AS INTERPRETAÇÕES ABERTA E FECHADA DOS VERBOS DE ESTADO NO SIMPLE PAST EM INGLÊS Anais do 6º Encontro Celsul - Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul AS INTERPRETAÇÕES ABERTA E FECHADA DOS VERBOS DE ESTADO NO SIMPLE PAST EM INGLÊS Ingrid FINGER, Alice Alcântara BROD, Mônica Marques

Leia mais

OS PAPÉIS TEMÁTICOS DAS PREPOSIÇÕES

OS PAPÉIS TEMÁTICOS DAS PREPOSIÇÕES OS PAPÉIS TEMÁTICOS DAS PREPOSIÇÕES Márcia Barreto Berg (UFSJ) A definição de papéis temáticos assumida, neste trabalho, é a de Cançado (2003) Nesse artigo, a autora objetiva estabelecer regras de projeção

Leia mais

Estudar a Prosódia. Sónia Frota. Dep. Linguística, Laboratório de Fonética, Onset-CEL, FLUL http://www.fl.ul.pt/laboratoriofonetica/

Estudar a Prosódia. Sónia Frota. Dep. Linguística, Laboratório de Fonética, Onset-CEL, FLUL http://www.fl.ul.pt/laboratoriofonetica/ RITMO E MELODIA: Conhecimento Fonológico e Aplicações Estudar a Prosódia Sónia Frota Dep. Linguística, Laboratório de Fonética, Onset-CEL, FLUL http://www.fl.ul.pt/laboratoriofonetica/ Programa 1. Organização

Leia mais

O TEMPO GRAMATICAL E A SUA INFLUÊNCIA NO VALOR ASPECTUAL DA CONSTRUÇÃO PERIFRÁSTICA

O TEMPO GRAMATICAL E A SUA INFLUÊNCIA NO VALOR ASPECTUAL DA CONSTRUÇÃO PERIFRÁSTICA ÉTUDES ROMANES DE BRNO 30, 2009, 1 JOANNA DRZAZGOWSKA O TEMPO GRAMATICAL E A SUA INFLUÊNCIA NO VALOR ASPECTUAL DA CONSTRUÇÃO PERIFRÁSTICA I. O objectivo do presente artigo é analisar a influência do tempo

Leia mais

Classes de objeto no futebol: resultados

Classes de objeto no futebol: resultados Classes de objeto no futebol: resultados Maria Cristina A. dos Santos 1, Oto Araújo Vale 2 1 Programa de Pós-Graduação em Linguística Universidade Federal de São Carlos 2 Departamento de Letras Universidade

Leia mais

A nominalização do infinitivo em Português Europeu: aspetos sintáticos e semânticos 1

A nominalização do infinitivo em Português Europeu: aspetos sintáticos e semânticos 1 A nominalização do infinitivo em Português Europeu: aspetos sintáticos e semânticos 1 Ana Maria Brito 2 FLUL / Centro de Linguística da Universidade do Porto Abstract This text shows that the process of

Leia mais

VERBOS DE CRIAÇÃO DO PORTUGUÊS BRASILEIRO: CLASSIFICAÇÃO E REPRESENTAÇÃO LEXICAL

VERBOS DE CRIAÇÃO DO PORTUGUÊS BRASILEIRO: CLASSIFICAÇÃO E REPRESENTAÇÃO LEXICAL AMARAL, Luana Lopes Amaral; CANÇADO, Márcia. Verbos de criação do português brasileiro: classificação e representação lexical. Revista LinguíStica / Revista do Programa de Pós-Graduação em Linguística

Leia mais

SEMELFACTIVOS E OS DADOS DO PB

SEMELFACTIVOS E OS DADOS DO PB SEMELFACTIVOS E OS DADOS DO PB Andrea KNÖPFLE 1 Giovanna Mazzaro VALENZA 2 RESUMO: Levantamos uma discussão a respeito dos verbos ditos semelfactivos. Nosso principal objetivo é comparar o comportamento

Leia mais

O tratamento do adjetivo atributivo na Head-driven Phrase Structure Grammar (HPSG)*

O tratamento do adjetivo atributivo na Head-driven Phrase Structure Grammar (HPSG)* O tratamento do adjetivo atributivo na Head-driven Phrase Structure Grammar (HPSG)* Albano Dalla Pria Faculdade de Ciências e Letras - Universidade Estadual Paulista (UNESP) - Caixa Postal 174 - cep 14.800-901

Leia mais

Construções simétricas: argumentos e complementos

Construções simétricas: argumentos e complementos Jorge Baptista Universidade do Algarve Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Construções simétricas: argumentos e complementos 1. Introdução Apesar de há já bastante tempo terem sido referenciadas na

Leia mais

Os sufixos nominalizadores ção e mento*

Os sufixos nominalizadores ção e mento* Os sufixos nominalizadores ção e mento* Solange Mendes Oliveira 1 1 Centro de Comunicação e Expressão Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Campus Universitário Trindade - CEP 88.040-970 Florianópolis

Leia mais

Proposta de anotação e normalização de expressões temporais da categoria TEMPO para o Segundo HAREM

Proposta de anotação e normalização de expressões temporais da categoria TEMPO para o Segundo HAREM Apêndice B Proposta de anotação e normalização de expressões temporais da categoria TEMPO para o Segundo HAREM Caroline Hagège, Jorge Baptista e Nuno Mamede Cristina Mota e Diana Santos, editoras, Desafios

Leia mais

AQUISIÇÃO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA: OS EFEITOS DA INSTRUÇÃO EXPLÍCITA A LONGO PRAZO

AQUISIÇÃO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA: OS EFEITOS DA INSTRUÇÃO EXPLÍCITA A LONGO PRAZO 1153 AQUISIÇÃO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA: OS EFEITOS DA INSTRUÇÃO EXPLÍCITA A LONGO PRAZO Elena Ortiz Preuss - UFG Ingrid Finger UFRGS Introdução A instrução formal, atualmente, vem tendo seu

Leia mais

Verbos polissêmicos no Português: Uma breve análise semântica

Verbos polissêmicos no Português: Uma breve análise semântica Verbos polissêmicos no Português: Uma breve análise semântica Quesler Fagundes Camargos 1 Daniela da Silva Faria 2 RESUMO: O objetivo deste artigo é investigar o comportamento de alguns verbos polissêmicos

Leia mais

Paulo Roberto da Silva Cidade. A Nominalização Infinitiva: Um estudo de Nominalizações Gerundivas e Derivados Nominais no português e no inglês

Paulo Roberto da Silva Cidade. A Nominalização Infinitiva: Um estudo de Nominalizações Gerundivas e Derivados Nominais no português e no inglês Paulo Roberto da Silva Cidade A Nominalização Infinitiva: Um estudo de Nominalizações Gerundivas e Derivados Nominais no português e no inglês Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa

Leia mais

GRAMÁTICA E MODALIDADE UMA ANÁLISE DE VERBOS MODAIS EM DUAS GRAMÁTICAS DE LÍNGUA INGLESA

GRAMÁTICA E MODALIDADE UMA ANÁLISE DE VERBOS MODAIS EM DUAS GRAMÁTICAS DE LÍNGUA INGLESA GRAMÁTICA E MODALIDADE UMA ANÁLISE DE VERBOS MODAIS EM DUAS GRAMÁTICAS DE LÍNGUA INGLESA Camila Nunes de Souza 1 Grande parte das gramáticas apresenta os verbos modais como unidades, fragmentando, definindo

Leia mais

Entoação e domínios prosódicos em sentenças pseudo-clivadas do português europeu*

Entoação e domínios prosódicos em sentenças pseudo-clivadas do português europeu* LETRAS DE HOJE LETRAS DE HOJE LETRAS DE HOJE LETRAS DE HOJE LETRAS DE HOJE Entoação e domínios prosódicos em sentenças pseudo-clivadas do português europeu* Flaviane Romani Fernandes-Svartman Universidade

Leia mais

COESÃO COERÊNCIA. É um dos meios que garante a unidade semântica e a organização de um enunciado.

COESÃO COERÊNCIA. É um dos meios que garante a unidade semântica e a organização de um enunciado. 1. COESÃO 1.1. O que é? É um dos meios que garante a unidade semântica e a organização de um enunciado. Dito de forma mais simples: a coesão textual tem a ver com a maneira como se processa a ligação entre

Leia mais

SOBRE A AQUISIÇÃO TARDIA DE COMPLEMENTOS INFINITIVOS DE VERBOS PERCEPTIVOS E CAUSATIVOS NO PORTUGUÊS BRASILEIRO

SOBRE A AQUISIÇÃO TARDIA DE COMPLEMENTOS INFINITIVOS DE VERBOS PERCEPTIVOS E CAUSATIVOS NO PORTUGUÊS BRASILEIRO 1738 SOBRE A AQUISIÇÃO TARDIA DE COMPLEMENTOS INFINITIVOS DE VERBOS PERCEPTIVOS E CAUSATIVOS NO PORTUGUÊS BRASILEIRO 0 Introdução Gustavo Andrade Nunes Freire UNICAMP A complementação infinitiva de verbos

Leia mais

Anáforas associativas baseadas em relações eventivas

Anáforas associativas baseadas em relações eventivas Anáforas associativas baseadas em relações eventivas (Associative anophoras based on eventive relations) Alex de Britto Rodrigues 1 1 Mestre e Doutorando em Estudos Linguísticos pelo Departamento de Pós-Graduação

Leia mais

ATAS DO II ENCONTRO NACIONAL DO GRUPO DE ESTUDOS DE LINGUAGEM DO CENTRO-OESTE: INTEGRAÇÃO LINGÜÍSTICA, ÉTNICA E SOCIAL

ATAS DO II ENCONTRO NACIONAL DO GRUPO DE ESTUDOS DE LINGUAGEM DO CENTRO-OESTE: INTEGRAÇÃO LINGÜÍSTICA, ÉTNICA E SOCIAL ATAS DO II ENCONTRO NACIONAL DO GRUPO DE ESTUDOS DE LINGUAGEM DO CENTRO-OESTE: INTEGRAÇÃO LINGÜÍSTICA, ÉTNICA E SOCIAL Denize Elena Garcia da Silva (Organizadora) Brasília 2004 Este artigo foi extraído

Leia mais

3. Resultados e discussão. 3.1. Presença de nome nu singular na posição pré e pós-verbal

3. Resultados e discussão. 3.1. Presença de nome nu singular na posição pré e pós-verbal A INCORPORAÇÃO SEMÂNTICA NA AQUISIÇÃO DO NOME NU SINGULAR NA POSIÇÃO PÓS-VERBAL Luciana Santos Brito (Bolsista do PIBIC/UFPI), Gustavo Andrade Nunes Freire (Colaborador, IEL - UNICAMP), Ronald Taveira

Leia mais

CONSTRUÇÕES RESULTATIVAS INFINITIVAS EM PORTUGUÊS BRASILEIRO

CONSTRUÇÕES RESULTATIVAS INFINITIVAS EM PORTUGUÊS BRASILEIRO CONSTRUÇÕES RESULTATIVAS INFINITIVAS EM PORTUGUÊS BRASILEIRO Roberlei BERTUCCI * RESUMO: O objetivo deste trabalho é retomar a discussão sobre construções resultativas em português brasileiro, presentes

Leia mais

PREDICADOS SECUNDARIOS E A NATUREZA ASPECTUAL 00 PREDICAOO prlmario

PREDICADOS SECUNDARIOS E A NATUREZA ASPECTUAL 00 PREDICAOO prlmario PREDICADOS SECUNDARIOS E A NATUREZA ASPECTUAL 00 PREDICAOO prlmario ABSTRACT: This paper argues that stative predicates cannot occur with subject oriented secondary predicates. We are assuming a view that

Leia mais

Austin: dizer é fazer

Austin: dizer é fazer Austin: dizer é fazer Referências: Austin, John L., How to do Things with Words, Oxford, Oxford University Press, 1975. Rodrigues, Adriano, A Partitura Invisível, Lisboa, Colibri, 2001. Searle, John, Speech

Leia mais

COMPARANDO ALTERNÂNCIAS VERBAIS NO PB: CORTAR O CABELO E QUEBRAR O BRAÇO

COMPARANDO ALTERNÂNCIAS VERBAIS NO PB: CORTAR O CABELO E QUEBRAR O BRAÇO COMPARANDO ALTERNÂNCIAS VERBAIS NO PB: CORTAR O CABELO E QUEBRAR O BRAÇO Márcia Cançado (UFMG) 1 1. INTRODUÇÃO Em uma primeira análise, podemos constatar que, nos exemplos em (1) e (2), temos exemplos

Leia mais

A PASSIVA PRONOMINAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO: UMA AVALIAÇÃO 1 Jilvan Evangelista da Silva (UFBA) jilvantnt@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA)

A PASSIVA PRONOMINAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO: UMA AVALIAÇÃO 1 Jilvan Evangelista da Silva (UFBA) jilvantnt@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA) A PASSIVA PRONOMINAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO: UMA AVALIAÇÃO 1 Jilvan Evangelista da Silva (UFBA) jilvantnt@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA) RESUMO Este trabalho tem como objetivo analisar os processos

Leia mais

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO 1 Q236899 Prova: CESGRANRIO - 2012 - Caixa - Técnico Bancário Disciplina: Português Assuntos: 6. Interpretação

Leia mais

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC)

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) Diversidade Linguística na Escola Portuguesa Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) www.iltec.pt www.dgidc.min-edu.pt www.gulbenkian.pt Compreensão e produção da linguagem verbal

Leia mais