Ultra-Estrutura do Tecido Muscular

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ultra-Estrutura do Tecido Muscular"

Transcrição

1 Ultra-Estrutura do Tecido Muscular Teoria do Filamento Deslizante? Wang Proc Natl Acad Sci 76:

2 Terceiro Filamento- Titina Comportamento Elástico e Rígido da Titina Filamento protetor Wang Adv Biophys 33: Rubini e Gomes.2004; Rev Bras Fisiol Exer 3 (1): Titina Durante o alongamento a estrutura mais afetada é a titina. Edman J Physiol 490: Funções Desenvolver Tensão Passiva Trombitás Adv Exp Med Biol 332: Posicionamento do filamento de miosina no centro do sarcômero Horowits Nature 323:

3 O que Regula a Elasticidade do Músculo? Elasticidade do Músculo A existência de isoformas de titina com pesos moleculares diferentes influencia a elasticidade muscular Grupamentos musculares diferentes expressam variação nos tipos de isoforma de titina. Granzier Exerc. Sport Sci. Rev 34(2):

4 Componente Elástico Titina PEVK Tensão Passiva Relação Comprimento SarcomeroTensão Passiva Granzier Exerc. Sport Sci Rev 34(2):

5 Pode o treinamento influenciar as isoformas de titina?

6 Viscoelasticidade Comportamento Viscoelástico do tecido muscular submetido a força de alongamento Estresse de Relaxamento Creep- Deformação Magnusson Scond J Med Sci Sports 8: Estresse Relaxamento Músculo alongado Comprimento Constante Redução na tensão passiva Creep/ Deformação Aumento no Comprimento Sarcômero Magnusson Scond J Med Sci Sports 8: 65-77

7 Viscoelasticidade Alongamento Modificações Elásticas Dependente da carga aplicada Modificações Viscosidade- Dependentes da velocidade aplicada Gajdosik Clinical Biom. 16: Viscoelasticidade Alongamento Relação Velocidade Dependente Tensão Passiva Gajdosik Eur J Appl Physiol 95:

8 Tensão Passiva Componentes Passivos do Tecido Muscular Guissard Exerc Sport Sci Rev 34(4): Tensão Passiva Componentes Passivos do Tecido Muscular Ligações cruzadas entre filam. actina e miosina (Tensão Ligamentar) Proteínas não contrateis do citoesqueleto (endosarcômero e exosarcômero) Tecidos conectivos endomísio, perimísio, epimísio. Componentes elásticos paralelos Gajdosik Clinical Biom 16:

9 Mecanismos Agudos e Crônicos dos Exercícios de Alongamento Mecanismos Fisiológicos Adaptações Neurais Alongamento Excitabilidade MN

10 Mecanismos Fisiológicos Mecanismo Pré Sinápticos e Pós Sinápticos Guissard Exp Brain Res 137: Mecanismo pré-sinápticos 1 Diminuição do fluxo dos aferentes Ia 1.1 Diminuição na sensibilidade do fuso neuromuscular 2 Alteração na capacidade de transmissão sináptica- depressão sináptica Avela J. J. Appl. Physiol. 1999; 86(4): Guissard Exp Brain Res 137:

11 Mecanismo pós-sinápticos 1 Inibição Autogênica- induzida pelos aferentes OTG 2 Inibição das células 3 Inibição pós-sinápticas receptores articulares (III e IV) e cutâneos Guissard Exp Brain Res 137: Excitabilidade MN e Magnitude do Alongamento

12 Reflexo H Reflexo E Guissard Exp Brain Res 137: Excitabilidade MN e Magnitude do Alongamento Guissar d Eur J Appl Physiol 58:47-52

13 Declínio da Excitabilidade do MN Pequena AM- Componentes Pré-Sinápticos Grande AM- Componentes Pós- Sinápticos Maior declínio da excitabilidade do MN tem sido encontrado nos alongamentos envolvendo grande AM Guissard Exp Brain Res 137: Mecanismos Fisiológicos Adaptaçõe Viscoelásticas Viscosidade UMT Complacência Muscular Tensão Passiva Estresse de relaxamento Redução tensão passiva UMT Deformação Plástica- Creep - Reorientação do suporte conectivo- arranjo paralelo Purslow J Biomech 22: 21 31

14 Agudo Efeito Gastrocnêmico Medial Efeito Agudo- Creep Melhor organização paralela do tecido Alongamentos estáticos realizados durante 10 min diminuíram a viscosidade das estruturas tendinosas KUBO J Appl Physiol 90: Gastrocnêmico Medial Treinamento AE- 3 Semanas O treinamento diminui a viscosidade das estruturas tendinosas KUBO J Appl Physiol 92:

15 Treinamento AE- 3 Semanas Grupo Treinamento Controle KUBO J Appl Physiol 92: Mecanismos Fisiológicos Aumento na Tolerância ao alongamento (Efeito agudo) AE- 10 min Ísquios Tibiais 8,9% AM Tensão Passiva Halbertsma Arch Phys Med Rehabil 77: Angulação

16 Treinamento AE- 3 Semanas Ísquios Tibiais Grupo Along Grupo Along Grupo Controle AM GrupoControle Aumento AM Tolerância ao Alongamento Magnusson Journal of Physiology (1996); 497: Ausência de modificações nas Propriedades Teciduais Mecanismos Fisiológicos Adaptações Celulares Aumento permanente da AM Miofibrilogênese Adição de novos sarcômeros em série Evidências em modelos animais De Deyne Phys Ther.81:

17 Mecanismos Subjacentes aos Efeitos Agudos dos Exercícios de Alongamento Efeitos Agudos -Temporários min Efeito Residual 1 creep - Adaptações temporárias na unidade musculotendínea 2 Estresse de Relaxamento- Diminuição da tensão passiva 3 Mecanismos Neurofisiológicos-Diminuição da tensão passiva 4 Aumento da tolerância ao alongamento Gajdosik. Clinical Biom. 2001; 16: Mecanismos Subjacentes aos Efeitos Crônicos dos Exercícios de Alongamento 1 Adaptações estruturais nas propriedades viscoelásticas 2 Aumento da tolerância ao alongamento 3 Miofibrilogênese (modelos animais) Gajdosik Clinical Biom 16:

18 BOA TARDE!!

Efeito de Diferentes Estímulos de Alongamento

Efeito de Diferentes Estímulos de Alongamento Efeito de Diferentes Estímulos de Alongamento Monique Opuszcka Campos Quais os diferentes estímulos de alongamento? Quais os efeitos agudos e crônicos dos exercícios de alongamento na amplitude de movimento

Leia mais

17/11/2009. ROM: Range Of Movement (amplitude de movimento)

17/11/2009. ROM: Range Of Movement (amplitude de movimento) BASES BIOMECÂNICAS DO ALONGAMENTO Conceitos Técnicas de alongamento Características dos tecidos biológicos Fundamentos mecânicos Resposta e adaptação dos tecidos Objetivos do alongamento Prevenção de lesões

Leia mais

Inibição Autogênica. Aluno: Marcelo Vidigal Coscarelli Professor: Mauro Heleno Chagas

Inibição Autogênica. Aluno: Marcelo Vidigal Coscarelli Professor: Mauro Heleno Chagas Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Educação Física Fisioterapia e Terapia Ocupacional Treinamento da Flexibilidade Inibição Autogênica Aluno: Marcelo Vidigal Coscarelli Professor: Mauro Heleno

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES FÍSICAS A FLEXIBILIDADE

DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES FÍSICAS A FLEXIBILIDADE DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES FÍSICAS A 1. Contributo Para a Definição da Capacidade - Flexibilidade 2. Factores Condicionantes do Desenvolvimento da Flexibilidade 3. Conclusões Metodológicas 1 1. Contributo

Leia mais

31/10/2017. Fisiologia neuromuscular

31/10/2017. Fisiologia neuromuscular Fisiologia neuromuscular 1 Junção neuromuscular TERMINAÇÕES NERVOSAS Ramificações nervosas na extremidade distal do axônio PLACAS MOTORAS TERMINAIS Extremidades das terminações nervosas FENDA SINAPTICA

Leia mais

SISTEMA MUSCULAR TIPOS DE MÚSCULOS (~ 40 % DA MASSA CORPORAL) CARACTERÍSTICAS BIOMECÂNICAS

SISTEMA MUSCULAR TIPOS DE MÚSCULOS (~ 40 % DA MASSA CORPORAL) CARACTERÍSTICAS BIOMECÂNICAS Apostila didática / Sistema Muscular Profa. Isabel de C. N. Sacco / 2001 1 SISTEMA MUSCULAR O músculo é o único tecido do corpo humano capaz de produzir FORÇA, i.e.; BIOMECÂNICAMENTE, O MÚSCULO É A ÚNICA

Leia mais

Biomecânica do Sistema Muscular MÚSCULO 08/08/2016. MFT 0833 Biomecânica do Movimento Humano

Biomecânica do Sistema Muscular MÚSCULO 08/08/2016. MFT 0833 Biomecânica do Movimento Humano MFT 0833 Biomecânica do Movimento Humano Biomecânica do Sistema Muscular Profa. Dra. Isabel de C. N. Sacco icnsacco@usp.br http://www.fm.usp.br/fofito/fisio/pessoal/isabel MÚSCULO Todo movimento humano

Leia mais

Jan Cabri / Raul Oliveira 2º ano 2008/2009. Temas do Programa. Organização e controlo dos movimentos

Jan Cabri / Raul Oliveira 2º ano 2008/2009. Temas do Programa. Organização e controlo dos movimentos CINESIOLOGIA Jan Cabri / Raul Oliveira 2º ano 2008/2009 Temas do Programa Organização e controlo dos movimentos Adaptações do aparelho locomotor à actividade física e à inactividade Anatomia de superfície

Leia mais

ALONGAMENTO MUSCULAR

ALONGAMENTO MUSCULAR MOVIMENTOS PASSIVOS E ATIVOS ALONGAMENTO MUSCULAR Prof. Ma. Ana Júlia Brito Belém/PA Aula 03 AMPLITUDE DE MOVIMENTO E a medida de um movimento articular, que pode ser expressa em graus. Quanto maior a

Leia mais

BIOMECÂNICA BIOMECÂNICA INTERNA. Prof. Kelser de Souza Kock.

BIOMECÂNICA BIOMECÂNICA INTERNA. Prof. Kelser de Souza Kock. BIOMECÂNICA BIOMECÂNICA INTERNA Prof. Kelser de Souza Kock http://www.biofisicaunisul.blogspot.com.br/ Biomecânica óssea Biomecânica articular Biomecânica do músculo esquelético Biomecânica do osso Material

Leia mais

MÚSCULO ESQUELÉTICO INSTITUTO DE FISIOLOGIA. Francisco Sampaio

MÚSCULO ESQUELÉTICO INSTITUTO DE FISIOLOGIA. Francisco Sampaio MÚSCULO ESQUELÉTICO INSTITUTO DE FISIOLOGIA Francisco Sampaio MÚSCULO ESQUELÉTICO (RESUMO) INTRODUÇÃO CLASSIFICAÇÃO FUNÇÕES BIOMECÂNICA TIPOS DE CONTRACÇÃO MECANISMO DE CONTRACÇÃO UNIDADE MOTORA COMPORTAMENTO

Leia mais

Alongamento muscular. Prof. Henry Dan Kiyomoto

Alongamento muscular. Prof. Henry Dan Kiyomoto Alongamento muscular Prof. Henry Dan Kiyomoto Termos a serem definidos Flexibilidade É a habilidade para mover uma araculação ou araculações através de uma ADM livre de dor Alongamento Alongamento seleavo

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA SISTEMA MUSCULAR Dra. Flávia Cristina Goulart CIÊNCIAS FISIOLÓGICAS UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Campus de Marília flaviagoulart@marilia.unesp.br Histologia do M.Esquelético É formado por células

Leia mais

Propriedades biomecânicas dos materiais biológicos

Propriedades biomecânicas dos materiais biológicos MFT 0165 Cinesiologia aplicada à TO Propriedades biomecânicas dos materiais biológicos Profa. Dra. Isabel de C. N. Sacco icnsacco@usp.br http://www.usp.br/labimph MÚSCULO Todo movimento humano é gerado

Leia mais

TREINO DE GUARDA-REDES, PREPARAÇÃO FÍSICA E METODOLOGIA DE TREINO

TREINO DE GUARDA-REDES, PREPARAÇÃO FÍSICA E METODOLOGIA DE TREINO TREINO DE GUARDA-REDES, PREPARAÇÃO FÍSICA E METODOLOGIA DE TREINO MÓDULO : Flexibilidade Formador: Tiago Vaz Novembro de 2015 Síntese 1. Definição e formas de manifestação; 2. Fatores condicionantes; 3.

Leia mais

SISTEMA NEUROMUSCULAR. Prof.ª Ana Laura A. Dias

SISTEMA NEUROMUSCULAR. Prof.ª Ana Laura A. Dias SISTEMA NEUROMUSCULAR Prof.ª Ana Laura A. Dias Composição Química Água 75% Proteína 20% Sais, fosfatos de alta energia, uréia, lactato, minerais, aminoácidos, gorduras e carboidratos 5% Tipos de proteínas:

Leia mais

Introdução as doenças Ortopédicas

Introdução as doenças Ortopédicas Introdução as doenças Ortopédicas 1 Estrutura Neuromuscular Fuso: É o principal órgão sensitivo exitatório do músculo e é composto de fibras intrafusais microscópicas, que ficam paralelas as fibras extrafusais

Leia mais

Tema B ORGANIZAÇÃO MICROSCÓPICA E CONTRAÇÃO MUSCULAR

Tema B ORGANIZAÇÃO MICROSCÓPICA E CONTRAÇÃO MUSCULAR ORGANIZAÇÃO MICROSCÓPICA E CONTRAÇÃO MUSCULAR 1 Constituição da fibra muscular 2 Caracterização das funções gerais dos principais elementos - Placa motora; miofibrilhas; proteínas contráteis (actina e

Leia mais

DIVERSIDADE TECIDUAL TECIDO MUSCULAR PROFA. JANAINA SERRA AZUL M. EVANGELISTA

DIVERSIDADE TECIDUAL TECIDO MUSCULAR PROFA. JANAINA SERRA AZUL M. EVANGELISTA DIVERSIDADE TECIDUAL TECIDO MUSCULAR PROFA. JANAINA SERRA AZUL M. EVANGELISTA TECIDOS MUSCULARES ORIGEM E FUNÇÕES Mesoderma Embrionário CONTRAÇÕES??? TECIDOS COM POUCA MATRIZ E POUCO ESPAÇO ENTRE AS CÉLULAS

Leia mais

VI Congresso Internacional de Corrida- 2015

VI Congresso Internacional de Corrida- 2015 VI Congresso Internacional de Corrida- 2015 Treino de resistência e níveis de performance Gonçalo Vilhena de Mendonça 2015 Estrutura geral 1. Treino de resistência cardiorrespiratória (CR) na corrida.

Leia mais

Liso 4/5/2010. Existem 3 tipos de Tecido Muscular

Liso 4/5/2010. Existem 3 tipos de Tecido Muscular Prof. Sandro de Souza Liso Existem 3 tipos de Tecido Muscular Forma a parede de diversos órgãos. São constituídos de fibras fusiformes, mas muito mais curtas do que as fibras musculares esqueléticas: têm,

Leia mais

Denominação dos músculos

Denominação dos músculos Características do tecido muscular e a sua importância para o movimento humano Cinesiologia e Biomecânica Prof. Mdo. Sandro de Souza Denominação dos músculos O músculo pode ser classificado atendendo a

Leia mais

24/02/2018. Fisiologia neuromuscular. Treinamento personalizado e musculação. Potencial de ação

24/02/2018. Fisiologia neuromuscular. Treinamento personalizado e musculação. Potencial de ação Fisiologia neuromuscular Potencial de ação 1 Contração muscular Efeito do Treinamento com Pesos Adaptação Funcional Adaptação Morfológica Aumento da força Hipertrofia - Hiperplasia?! Levantadores de pesos

Leia mais

A Titina e Suas Implicações na Elasticidade Muscular Breve Revisão Ercole da Cruz Rubini e Paulo Sergio Chagas Gomes

A Titina e Suas Implicações na Elasticidade Muscular Breve Revisão Ercole da Cruz Rubini e Paulo Sergio Chagas Gomes A Titina e Suas Implicações na Elasticidade Muscular Breve Revisão Ercole da Cruz Rubini e Paulo Sergio Chagas Gomes ARTIGO DE REVISÃO Resumo A flexibilidade é considerada uma das qualidades físicas básicas

Leia mais

MÉTODOS DE TREINO FLEXIBILIDADE

MÉTODOS DE TREINO FLEXIBILIDADE MÉTODOS DE TREINO FLEXIBILIDADE FLEXIBILIDADE REVISÕES Formas de manifestação da flexibilidade: CONCEITO: Flexibilidade pode ser definida como a capacidade dos tecidos corporais em permitir, sem danos

Leia mais

UNIFEBE CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRUSQUE. CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA 6ª Fase

UNIFEBE CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRUSQUE. CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA 6ª Fase UNIFEBE CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRUSQUE CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA 6ª Fase Disciplina de FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO Prof. Maria Valéria Guglielmetto Figueiredo Homúnculo Sensório Motor Bomba Sódio/Potássio

Leia mais

Mecânica Muscular. Universidade de Coimbra Faculdade de Ciências e Tecnologias Departamento de Física *Modelos dos Processos Fisiológicos no Homem*

Mecânica Muscular. Universidade de Coimbra Faculdade de Ciências e Tecnologias Departamento de Física *Modelos dos Processos Fisiológicos no Homem* Universidade de Coimbra Faculdade de Ciências e Tecnologias Departamento de Física *Modelos dos Processos Fisiológicos no Homem* Mecânica Muscular Realizado por: Ana Saiote anasaiote@hotmail.com Áurea

Leia mais

Inervação sensitiva do músculo esquelético e regulação medular do movimento

Inervação sensitiva do músculo esquelético e regulação medular do movimento CINESIOLOGIA Jan Cabri / Raul Oliveira 2º ano 2008/2009 Inervação sensitiva do músculo esquelético e regulação medular do movimento Estímulo sensitivo Medula Resposta Aula 4 1 ESTRUTURA FUNCIONAL DO SISTEMA

Leia mais

Biomecânica do Tecido Muscular

Biomecânica do Tecido Muscular Biomecânica do Tecido Muscular Ricardo Martins de Souza 2013 Biomecânica do Tecido Muscular 1 Unidade Motora Na coordenação da contração de todas as fibras é feita através de um subdivisão em unidades

Leia mais

3. DIFERENÇAS METODOLÓGICAS

3. DIFERENÇAS METODOLÓGICAS ALONGAMENTO X FLEXIONAMENTO 3. DIFERENÇAS METODOLÓGICAS Características Utilização no aquecimento antes de treinamento ou ensaio Utilização no aquecimento antes da competição ou apresentação Execução após

Leia mais

Prof. Mda. Ana Carolina Kanitz

Prof. Mda. Ana Carolina Kanitz Prof. Mda. Ana Carolina Kanitz ana_kanitz@yahoo.com.br ESTRUTURA DO MÚSCULO ESQUELÉTICO OSSO TENDÃO EPIMÍSIO ENDOMÍSIO PERIMÍSIO MIOFIBRILA MÚSCULO FASCÍCULOS FIBRA MUSCULAR Wilmore, Costill & Kenney,

Leia mais

Músculo liso: Musculo Liso. Contração do Musculo Liso. Músculo cardíaco: Musculo Liso

Músculo liso: Musculo Liso. Contração do Musculo Liso. Músculo cardíaco: Musculo Liso Fisiologia Muscular Músculo liso: Controle involuntário Localiza-se na pele, órgãos internos, aparelho reprodutor, grandes vasos sangüíneos e aparelho excretor. O estímulo para a contração dos músculos

Leia mais

21/08/2016. Fisiologia neuromuscular

21/08/2016. Fisiologia neuromuscular Fisiologia neuromuscular 1 2 Potencial de ação Junção neuromuscular - Sinapse 3 Junção neuromuscular TERMINAÇÕES NERVOSAS Ramificações nervosas na extremidade distal do axônio PLACAS MOTORAS TERMINAIS

Leia mais

CURSO MUSCULAÇÃO E CARDIO 2011

CURSO MUSCULAÇÃO E CARDIO 2011 1 CURSO MUSCULAÇÃO E CARDIO 2011 FLEXIBILIDADE João Pedro Ramos, CPT, PES National Academy of Sports Medicine Certified Personal Trainer Performance Enhancement Specialist DEFINIÇÃO... normal extensibilidade

Leia mais

Fundamentos de Fisiologia aplicada ao Pilates

Fundamentos de Fisiologia aplicada ao Pilates Fundamentos de Fisiologia aplicada ao Pilates Dr. Cloud Kennedy Couto de Sá CONDIÇÃO NORMAL Sem patologias m vigília Jejum Repouso absoluto Sem estresse Y (y) CONDIÇÃO NORMAL Homeostase T (h) 1 STRSS SFORÇO

Leia mais

Fibra e Metabolismo Muscular Esquelético: Efeitos do Exercício Físico

Fibra e Metabolismo Muscular Esquelético: Efeitos do Exercício Físico Fibra e Metabolismo Muscular Esquelético: Efeitos do Exercício Físico Cronograma da Aula Fibras e Metabolismo Muscular: - Estrutura e função das fibras musculares; - Metodologias utilizadas para determinação

Leia mais

Contração Muscular. Profa. Dra. Eliane Comoli Depto de Fisiologia da FMRP-USP

Contração Muscular. Profa. Dra. Eliane Comoli Depto de Fisiologia da FMRP-USP Contração Muscular Profa. Dra. Eliane Comoli Depto de Fisiologia da FMRP-USP ROTEIRO DE AULA TEÓRICA: CONTRAÇÃO MUSCULAR 1. Músculo Esquelético: a. proteínas do músculo esquelétrico ou estriado: filamentos

Leia mais

24/07/16 MUSCULO CARDÍACO (MIOCÁRDIO) MÚSCULO ESTRIADO ESQUELÉTICO MÚSCULO LISO. Sistema Muscular PROF. VINICIUS COCA

24/07/16 MUSCULO CARDÍACO (MIOCÁRDIO) MÚSCULO ESTRIADO ESQUELÉTICO MÚSCULO LISO. Sistema Muscular PROF. VINICIUS COCA Sistema Muscular MUSCULO CARDÍACO (MIOCÁRDIO) Músculo cardíaco possui anatomia própria, diferindo anatômica e funcionalmente dos outros tipos musculares. PROF. VINICIUS COCA MÚSCULO LISO MÚSCULO ESTRIADO

Leia mais

Músculo esquelético. Dinâmica da contração muscular. Biofísica 2018 / Ciências Biológicas / FCAV UNESP

Músculo esquelético. Dinâmica da contração muscular. Biofísica 2018 / Ciências Biológicas / FCAV UNESP Músculo esquelético Dinâmica da contração muscular Biofísica 2018 / Ciências Biológicas / FCAV UNESP Vias de comunicação do sistema nervoso Transmissão Via aferente Processamento SNC Transmissão Via eferente

Leia mais

Fisiologia da Contração dos Músculos Esqueléticos

Fisiologia da Contração dos Músculos Esqueléticos Fisiologia da Contração dos Músculos Esqueléticos Cerca de 40% do corpo é composto por músculo esquelético Associado aos movimentos do corpo Características únicas das células musculares Cerca de 10% do

Leia mais

27/5/2011. Arquitetura Muscular & Envelhecimento. Envelhecimento: Associado à idade cronológica. Evento multideterminado (difícil determinação)

27/5/2011. Arquitetura Muscular & Envelhecimento. Envelhecimento: Associado à idade cronológica. Evento multideterminado (difícil determinação) Envelhecimento: & Envelhecimento Associado à idade cronológica Evento multideterminado (difícil determinação) Conceito de tempo intimamente relacionado ao do envelhecimento Tempo Físico Patricia Cosentino

Leia mais

CREATINA. Consumo de creatina nos EUA em 1999: mais de 2,5 milhões de kg. Estoque muscular. Concentrações basais de ATP, creatina total e PCr:

CREATINA. Consumo de creatina nos EUA em 1999: mais de 2,5 milhões de kg. Estoque muscular. Concentrações basais de ATP, creatina total e PCr: CREATINA Consumo de creatina nos EUA em 1999: mais de 2,5 milhões de kg Med Sci Sports Exerc 2000;32(3):706-17 ATP 5,2 mmol.kg -1 músculo Estoque muscular Concentrações basais de ATP, creatina total e

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DO MOVIMENTO HUMANO CRISTINE MÁRSICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DO MOVIMENTO HUMANO CRISTINE MÁRSICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DO MOVIMENTO HUMANO CRISTINE MÁRSICO EFETIVIDADE DE UM PROGRAMA DE TREINAMENTO DE ALONGAMENTO ESTÁTICO

Leia mais

Tecnologia de Carnes e Derivados

Tecnologia de Carnes e Derivados Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Campo Mourão Tecnologia de Carnes e Derivados Curso: Engenharia de Alimentos e Tecnologia de Alimentos Profª. Msc. Maria Rita Alaniz

Leia mais

CONTRAÇÃO MUSCULAR. Letícia Lotufo. Estrutura. Função. Fonte: Malvin et al., Concepts in humam Physiology

CONTRAÇÃO MUSCULAR. Letícia Lotufo. Estrutura. Função. Fonte: Malvin et al., Concepts in humam Physiology CONTRAÇÃO MUSCULAR Fibra muscular lisa Núcleo Estrias Fibra muscular cardíaca Núcleo Letícia Lotufo Discos Intercalares Músculo Tipos de músculo Estrutura Função Esquelético Cardíaco Liso Célula cilíndrica

Leia mais

06/11/2018. Fisiologia neuromuscular. Potencial de ação

06/11/2018. Fisiologia neuromuscular. Potencial de ação Fisiologia neuromuscular Potencial de ação 1 Junção neuromuscular - Sinapse 1º Chegada do IE 6º Ca ++ 2º 7º 5º 3º 4º 2 Junção neuromuscular TERMINAÇÕES NERVOSAS Ramificações nervosas na extremidade distal

Leia mais

O músculo esquelético

O músculo esquelético Cadeira de Biofísica Molecular Capítulo 2 O músculo esquelético Paula Tavares, FCUL (2012-2013) 1 Os músculos Cerca de 50% da massa corporal são músculos. 40% de músculo esquelético e cerca de 10% de músculo

Leia mais

Composição Celular do Músculo

Composição Celular do Músculo Tecido Muscular Composição Celular do Músculo Células alongadas com grande quantidade de filamentos citoplasmáticos de proteínas contráteis (geradoras de força para contração) = miofibrilas Células musculares

Leia mais

Universidade Federal do Pampa Campus Itaqui Curso de Nutrição Anatomia Humana. Sistema Muscular. Profa. Dra. Silvana Boeira

Universidade Federal do Pampa Campus Itaqui Curso de Nutrição Anatomia Humana. Sistema Muscular. Profa. Dra. Silvana Boeira Universidade Federal do Pampa Campus Itaqui Curso de Nutrição Anatomia Humana Sistema Muscular Profa. Dra. Silvana Boeira Músculos Tecido contrátil capaz de gerar força e movimento contração e relaxamento

Leia mais

Sistema Músculo Esquelético. Profª Talita Silva Pereira

Sistema Músculo Esquelético. Profª Talita Silva Pereira Sistema Músculo Esquelético Profª Talita Silva Pereira SISTEMA MUSCULAR O tecido muscular é de origem mesodérmica, sendo caracterizado pela propriedade de contração e distensão de suas células, o que determina

Leia mais

Anatomia Humana Martini, Timmons & Tallitsch. Morfologia Humana. Prof. Dr. Marcos Roberto de Oliveira.

Anatomia Humana Martini, Timmons & Tallitsch. Morfologia Humana. Prof. Dr. Marcos Roberto de Oliveira. Morfologia Humana Prof. Dr. Marcos Roberto de Oliveira marcos.oliveira@fadergs.edu.br -A visualização das células só é possível por meio de diferentes metodologias de coloração e de microscopia; -Há

Leia mais

28/3/2011. Cinesiologia: Propriedades mecânicas dos biomateriais. Anatomia funcional: Sistema locomotor. Anatomia funcional: Sistema locomotor

28/3/2011. Cinesiologia: Propriedades mecânicas dos biomateriais. Anatomia funcional: Sistema locomotor. Anatomia funcional: Sistema locomotor Cinesiologia: Propriedades mecânicas dos biomateriais Prof. Cláudio Manoel Passivo: (Tecido conectivo) Ativo: (Tecido conectivo e contrátil) Ossos, ligamentos, cápsulas articulares, tendões, Nervos, etc.

Leia mais

BE066 Fisiologia do Exercício. Prof. Sergio Gregorio da Silva. É a habilidade de uma articulação se mover através de sua amplitude articular

BE066 Fisiologia do Exercício. Prof. Sergio Gregorio da Silva. É a habilidade de uma articulação se mover através de sua amplitude articular BE066 Fisiologia do Exercício Flexibilidade Prof. Sergio Gregorio da Silva Flexibilidade É a habilidade de uma articulação se mover através de sua amplitude articular É altamente adaptável e é! aumentada

Leia mais

RCB0106. Sistema Locomotor. Músculo Esquelético. Profa. Dra. Constance Oliver Profa. Dra. Maria Célia Jamur

RCB0106. Sistema Locomotor. Músculo Esquelético. Profa. Dra. Constance Oliver Profa. Dra. Maria Célia Jamur RCB0106 Sistema Locomotor Músculo Esquelético Profa. Dra. Constance Oliver Profa. Dra. Maria Célia Jamur HISTOLOGIA As células são unidades funcionais básicas Os tecidos são arranjos celulares funcionais

Leia mais

Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM Disciplina de Fisiologia. O Músculo Estriado Esquelético

Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM Disciplina de Fisiologia. O Músculo Estriado Esquelético Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM Disciplina de Fisiologia O Músculo Estriado Esquelético Prof. Wagner de Fátima Pereira Departamento de Ciências Básicas Faculdade de Ciências

Leia mais

Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM Disciplina de Fisiologia. O Músculo Estriado Esquelético

Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM Disciplina de Fisiologia. O Músculo Estriado Esquelético Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM Disciplina de Fisiologia O Músculo Estriado Esquelético Prof. Wagner de Fátima Pereira Departamento de Ciências Básicas Faculdade de Ciências

Leia mais

TIPOS DE RESISTÊNCIA TIPOS DE RESISTÊNCIA TIPOS DE RESISTÊNCIA TIPOS DE RESISTÊNCIA TIPOS DE RESISTÊNCIA 4- CADEIAS CINÉTICAS 19/8/2011 PESOS LIVRES:

TIPOS DE RESISTÊNCIA TIPOS DE RESISTÊNCIA TIPOS DE RESISTÊNCIA TIPOS DE RESISTÊNCIA TIPOS DE RESISTÊNCIA 4- CADEIAS CINÉTICAS 19/8/2011 PESOS LIVRES: PESOS LIVRES: MENOR CUSTO, MOVIMENTOS FUNCIONAIS VS RESISTÊNCIA VERTICAL, LIMITE DE CARGA, COMPENSAÇÕES POSTURAIS. MÁQUINAS: ELÁSTICOS E MOLAS: MAIOR CARGA, (maior seletividade?, postura de execução?)

Leia mais

05/10/2013. Biomecânica dos Músculos Esquelético O SISTEMA MUSCULOESQUELÉTICO FUNÇÃO DO SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO

05/10/2013. Biomecânica dos Músculos Esquelético O SISTEMA MUSCULOESQUELÉTICO FUNÇÃO DO SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO Biomecânica dos Músculos Esquelético O SISTEMA MUSCULOESQUELÉTICO Propriedades dos músculos: Elasticidade ------------------- Distensão Contratilidade -----------------Contração (Isotônica, Isométrica

Leia mais

Proprioceptores. Proprioceptores

Proprioceptores. Proprioceptores Proprioceptores São órgãos sensoriais encontrados nos músculos e articulações. Sua função é conduzir informações sensoriais para o SNC a partir dos músculos, tendões,articulações e ligamentos. Estão relacionados

Leia mais

Características: Células alongadas e grande quantidade de filamentos contráteis; Origem mesodérmica;

Características: Células alongadas e grande quantidade de filamentos contráteis; Origem mesodérmica; Características: Células alongadas e grande quantidade de filamentos contráteis; Origem mesodérmica; Características: Tipos: Músculo estriado esquelético; Músculo estriado cardíaco; Músculo liso; Músculo

Leia mais

FISIOLOGIA DA CONTRAÇÃO MUSCULAR DISCIPLINA: FISIOLOGIA I

FISIOLOGIA DA CONTRAÇÃO MUSCULAR DISCIPLINA: FISIOLOGIA I FISIOLOGIA DA CONTRAÇÃO MUSCULAR DISCIPLINA: FISIOLOGIA I PROFESSOR RESPONSÁVEL: FLÁVIA SANTOS Musculatura corporal Músculo Liso Fibras menores Revestimento de órgãos: Trato gastrointestinal Vasos sanguíneos

Leia mais

Tecido muscular Capítulo 5

Tecido muscular Capítulo 5 Tecido muscular Capítulo 5 1 MÚSCULO ESTRIADO ESQUELÉTICO As células do músculo estriado esquelético são originadas da fusão dos mioblastos. Figura 5.1 - Fusão dos mioblastos para formar o músculo estriado

Leia mais

FLEXIBILIDADE É A AMPLITUDE DE MOVIMENTO DISPONÍVEL AO REDOR DE UMA ARTICULAÇÃO OU DE UMA SÉRIE DE ARTICULAÇÕES. A FLEXIBILIDADE É IMPORTANTE NÃO

FLEXIBILIDADE É A AMPLITUDE DE MOVIMENTO DISPONÍVEL AO REDOR DE UMA ARTICULAÇÃO OU DE UMA SÉRIE DE ARTICULAÇÕES. A FLEXIBILIDADE É IMPORTANTE NÃO FLEXIBILIDADE É A AMPLITUDE DE MOVIMENTO DISPONÍVEL AO REDOR DE UMA ARTICULAÇÃO OU DE UMA SÉRIE DE ARTICULAÇÕES. A FLEXIBILIDADE É IMPORTANTE NÃO APENAS PARA O SUCESSO NO DESEMPENHO FÍSICO, MAS TAMBÉM

Leia mais

Prof. Kemil Rocha Sousa

Prof. Kemil Rocha Sousa Prof. Kemil Rocha Sousa Miostática (miogênica)- A unidade musculotendínea está adaptativamente encurtada com perda significativa de ADM, mas sem patologia muscular específica. Embora possa haver uma redução

Leia mais

REVISÃO DO PROCESSO DE CONTRAÇÃO MUSCULAR

REVISÃO DO PROCESSO DE CONTRAÇÃO MUSCULAR REVISÃO DO PROCESSO DE CONTRAÇÃO MUSCULAR Profa. Edilamar Menezes de Oliveira Lab de Bioquímica e Biologia Molecular do Exercício edilamar@usp.br Tipos de tecido muscular Esquelético Cardíaco Liso Classificação

Leia mais

Ciclo de Alongamento e Encurtamento. Fonte: Nicol e Komi (2006)

Ciclo de Alongamento e Encurtamento. Fonte: Nicol e Komi (2006) Ciclo de Alongamento e Encurtamento Fonte: Nicol e Komi (2006) Ciclo de Alongamento e Encurtamento Fonte: Nicol e Komi (2006) Fase Excêntrica Ciclo de Alongamento e Encurtamento Fonte: Nicol e Komi (2006)

Leia mais

Prof. Me Alexandre Rocha

Prof. Me Alexandre Rocha Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com alexandre.rocha.944 ProfAlexandreRocha @Prof_Rocha1 prof.alexandrerocha Docência Docência Personal Trainer

Leia mais

n Desempenho muscular comprometido n Trauma dos tecidos resultando em inflamação ou dor

n Desempenho muscular comprometido n Trauma dos tecidos resultando em inflamação ou dor Flexibilidade Flexibilidade e Alongamento Capacidade de mover uma articulação, ou uma série de articulações, por meio de amplitude de movimento total Cinesio Prof. Vinicius Coca ALONGAMENTO É um termo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA EFEITO AGUDO DO ALONGAMENTO ESTÁTICO NO DESEMPENHO NEUROMUSCULAR DE IDOSAS: COMPARAÇÃO

Leia mais

Profa. Cláudia Herrera Tambeli

Profa. Cláudia Herrera Tambeli Profa. Cláudia Herrera Tambeli Tipos de Músculos Estriado Liso Cardíaco Involuntário Esquelético Voluntário Involuntário Funções do músculo esquelético Relação Movimento/Força O músculo se contrai e encurta.

Leia mais

FACULDADE de MOTRICIDADE HUMANA

FACULDADE de MOTRICIDADE HUMANA FACULDADE de MOTRICIDADE HUMANA ANATOMOFISIOLOGIA I 2008-2009 Prof. FISIOLOGIA MUSCULAR TEMAS A DESENVOLVER 1) Estrutura macroscópica do músculo 2) Estrutura da fibra muscular esquelética: miofibrilha

Leia mais

Transformações Bioquímicas do Músculo em Carne

Transformações Bioquímicas do Músculo em Carne Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Campo Mourão Transformações Bioquímicas do Músculo em Carne Profª. Msc. Maria Rita Alaniz Porto Músculo vivo em repouso Sarcoplasma:

Leia mais

Tecido Muscular. Prof. a Dr. a Tatiana Montanari Departamento de Ciências Morfológicas ICBS UFRGS

Tecido Muscular. Prof. a Dr. a Tatiana Montanari Departamento de Ciências Morfológicas ICBS UFRGS Tecido Muscular Prof. a Dr. a Tatiana Montanari Departamento de Ciências Morfológicas ICBS UFRGS CARACTERÍSTICAS MÚSCULO ESTRIADO ESQUELÉTICO MÚSCULO ESTRIADO CARDÍACO MÚSCULO LISO EPIMÍSIO, PERIMÍSIO

Leia mais

Tecnologia de Produtos de Origem Animal

Tecnologia de Produtos de Origem Animal UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA DEAS Tecnologia de Produtos de Origem Animal Prof. Daniel M. Tapia T. Eng. Agrônomo MSc. INTRODUÇÃO Produto de qualidade Aquele que atende perfeitamente, de forma

Leia mais

O que é o. que serve?

O que é o. que serve? ALONGAMENTO O que é o alongamento e para que serve? CAUSAS DE ENCURTAMENTO MUSCULAR Imobilização prolongada Mobilidade restrita Doenças de tecido conectivo ou neuromusculares Processos patológicos devido

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO PARAÍBA FACULDADE DE EDUCAÇÃO E ARTES CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA

UNIVERSIDADE DO VALE DO PARAÍBA FACULDADE DE EDUCAÇÃO E ARTES CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE DO VALE DO PARAÍBA FACULDADE DE EDUCAÇÃO E ARTES CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Desenvolvimento da flexibilidade em fibras oxidativas uma revisão bibliográfica Lucas Kruszynski de Assis Cunha Thais

Leia mais

Alongamento. O que se precisa para um alongamento? Técnicas Oscilatórias graduadas

Alongamento. O que se precisa para um alongamento? Técnicas Oscilatórias graduadas Alongamento Este é um material para nossa reflexão e discussão em aula prática onde você vai treinar a aplicabilidade das técnicas. Não um texto definitivo. Leia muito mais sobre e elabora programas de

Leia mais

Biomecânica dos Músculos Esquelético. Prof.Msc.Moisés Mendes Universidade Estadual do Piauí- Teresina professormoises300@hotmail.

Biomecânica dos Músculos Esquelético. Prof.Msc.Moisés Mendes Universidade Estadual do Piauí- Teresina professormoises300@hotmail. Biomecânica dos Músculos Esquelético Prof.Msc.Moisés Mendes Universidade Estadual do Piauí- Teresina professormoises300@hotmail.com O SISTEMA MUSCULOESQUELÉTICO Propriedades dos músculos: Elasticidade

Leia mais

SISTEMA MUSCULAR. Prof. Íris de Santana

SISTEMA MUSCULAR. Prof. Íris de Santana SISTEMA MUSCULAR Prof. Íris de Santana Tecido Muscular Função Movimentos corporais Estabilização das posições corporais Armazenamento e movimentação de substâncias no corpo Geração de calor Morfologia

Leia mais

Metabolismo muscular. Sarcômero: a unidade funcional do músculo Músculo cardíaco de rato. Músculo esquelético de camundongo

Metabolismo muscular. Sarcômero: a unidade funcional do músculo Músculo cardíaco de rato. Músculo esquelético de camundongo Metabolismo muscular Sarcômero: a unidade funcional do músculo Músculo cardíaco de rato Músculo esquelético de camundongo Tipos de fibras musculares: Músculo liso: este tipo contrai em resposta a impulsos

Leia mais

4/10/2012 CITOESQUELETO. Citoesqueleto. Rede intrincada de filamentos protéicos que se estendem por todo o citoplasma

4/10/2012 CITOESQUELETO. Citoesqueleto. Rede intrincada de filamentos protéicos que se estendem por todo o citoplasma CITOESQUELETO Citoesqueleto Rede intrincada de filamentos protéicos que se estendem por todo o citoplasma 1 Citoesqueleto Garante a estrutura da célula e de suas organelas; Ajuda a organizar a atividade

Leia mais

Biomecânica do Sistema Ósseo

Biomecânica do Sistema Ósseo MFT 0165 Cinesiologia Aplicada à Terapia Ocupacional Biomecânica do Sistema Ósseo Profa. Dra. Isabel de C. N. Sacco icnsacco@usp.br http://www.usp.br/labimph 1 OSSO: tecido vivo O osso é um tecido dinâmico

Leia mais

Fisiologia do Sistema Cardiovascular. Profa. Deise Maria Furtado de Mendonça

Fisiologia do Sistema Cardiovascular. Profa. Deise Maria Furtado de Mendonça Fisiologia do Sistema Cardiovascular Profa. Deise Maria Furtado de Mendonça Introdução ao Sistema Cardiovascular Coração e sistema fechado de vasos. Sangue move-se continuamente por gradiente de pressão.

Leia mais

Tecido Muscular. Tecido muscular estriado esquelético - voluntário (sistema nervoso somático)

Tecido Muscular. Tecido muscular estriado esquelético - voluntário (sistema nervoso somático) Tecido Muscular 3 variedades: Tecido Muscular Tecido muscular estriado esquelético - voluntário (sistema nervoso somático) Tecido muscular estriado cardíaco - involuntário (sistema nervoso autônomo) Tecido

Leia mais

Métodos: Bolsas térmicas Banhos (frios, quentes, de parafina) Lâmpadas de Infravermelhos Gelo (massagem, saco de gelo) Spray de frio Compressas frias

Métodos: Bolsas térmicas Banhos (frios, quentes, de parafina) Lâmpadas de Infravermelhos Gelo (massagem, saco de gelo) Spray de frio Compressas frias Daniel Gonçalves Objectivos: Aliviar dor Alterar o processo de cicatrização dos tecidos Alterar as propriedades plásticas dos tecidos conectivos (músculo, tendão, ligamento e cápsula articular) Métodos:

Leia mais

UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA

UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA Efeito do alongamento contínuo e intermitente nas adaptações do músculo sóleo de rato Giovanna

Leia mais

ASPECTOS BIOMECÂNICOS DA UNIDADE MÚSCULO- TENDÍNEA SOB EFEITO DO ALONGAMENTO.

ASPECTOS BIOMECÂNICOS DA UNIDADE MÚSCULO- TENDÍNEA SOB EFEITO DO ALONGAMENTO. ARTIGO DE REVISÃO ASPECTOS BIOMECÂNICOS DA UNIDADE MÚSCULO- TENDÍNEA SOB EFEITO DO ALONGAMENTO. BIOMECHANICAL ASPECTS OF THE MUSCLE TENDON UNIT UNDER STRETCHING EFFECTS. ÉRICA PAES SERPA 1 ; GUANIS DE

Leia mais

TECIDO MUSCULAR (parte 1)

TECIDO MUSCULAR (parte 1) TECIDO MUSCULAR (parte 1) Profª Patrícia Mendes Disciplina: Histologia Geral e Embriologia Curso: Medicina Veterinária www.faculdadevertice.com.br COMO OCORREM OS MOVIMENTOS? As atividades musculares são

Leia mais

Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia da Região Sul Florianópolis, de 20 a 24 de setembro de 2006

Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia da Região Sul Florianópolis, de 20 a 24 de setembro de 2006 Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia da Região Sul Florianópolis, de 20 a 24 de setembro de 2006 CONTRATILIDADE. FUNÇÃO DE BOMBA DO CORAÇÃO Roberto Henrique Heinisch UFSC/UNISUL Introdução Bomba:

Leia mais

Aspectos físicos do envelhecimento. Profa. Dra. Bruna Oneda

Aspectos físicos do envelhecimento. Profa. Dra. Bruna Oneda Aspectos físicos do envelhecimento Profa. Dra. Bruna Oneda Controle autonômico do coração Sistema cardiovascular Aumento da massa cardíaca na ordem de 1g a 1,5g ao ano Aumento da espessura do ventrículo

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO ALONGAMENTO ESTÁTICO APLICADO A FORÇA NO DESPORTO: UMA REVISÃO LITERÁRIA.

A INFLUÊNCIA DO ALONGAMENTO ESTÁTICO APLICADO A FORÇA NO DESPORTO: UMA REVISÃO LITERÁRIA. A INFLUÊNCIA DO ALONGAMENTO ESTÁTICO APLICADO A FORÇA NO DESPORTO: UMA REVISÃO LITERÁRIA. Mario Vinicius de Andrade Vitório, Shirley Ferreira Campos, João Pedro Palma de Castro, Bruno Prianti n, Márcio

Leia mais

PROPEDÊUTICO Tecido Muscular

PROPEDÊUTICO Tecido Muscular HISTOLOGIA PROPEDÊUTICO Tecido Muscular Profa. Dra. Constance Oliver Profa. Dra. Maria Célia Jamur PRINCIPAIS FUNÇÕES DO MÚSCULO Função primária: CONTRAÇÃO Sua finalidade é executar TRABALHO MECÂNICO CLASSIFICAÇÃO

Leia mais

EFEITO DE 10 SEMANAS DE TREINAMENTO E DESTREINAMENTO DA FLEXIBILIDADE COM AS TÉCNICAS ÂNGULO CONSTANTE E TORQUE CONSTANTE NAS VARIÁVEIS BIOMECÂNICAS E

EFEITO DE 10 SEMANAS DE TREINAMENTO E DESTREINAMENTO DA FLEXIBILIDADE COM AS TÉCNICAS ÂNGULO CONSTANTE E TORQUE CONSTANTE NAS VARIÁVEIS BIOMECÂNICAS E Gustavo Henrique da Cunha Peixoto Cançado EFEITO DE 10 SEMANAS DE TREINAMENTO E DESTREINAMENTO DA FLEXIBILIDADE COM AS TÉCNICAS ÂNGULO CONSTANTE E TORQUE CONSTANTE NAS VARIÁVEIS BIOMECÂNICAS E SENSORIAIS

Leia mais

FUNÇÕES VITAIS ANIMAIS. Movimentação e Contração muscular

FUNÇÕES VITAIS ANIMAIS. Movimentação e Contração muscular FUNÇÕES VITAIS ANIMAIS Movimentação e Contração muscular 1. MOVIMENTAÇÃO Inclui locomoção, deslocamento de células e propulsão de alimentos (e líquidos). Gera calor. http://www.fillosdegalicia.com.br http://www.myspace.com

Leia mais

TECIDO MUSCULAR. - Movimentos corporais. - FIBRAS MUSCULARES Ä = células alongadas (até 30 cm) Ä ÓÓ filamentos citoplasmáfcos

TECIDO MUSCULAR. - Movimentos corporais. - FIBRAS MUSCULARES Ä = células alongadas (até 30 cm) Ä ÓÓ filamentos citoplasmáfcos TECIDO MUSCULAR - Movimentos corporais - FIBRAS MUSCULARES Ä = células alongadas (até 30 cm) Ä ÓÓ filamentos citoplasmáfcos - ORIGEM = mesodérmica Diferenciação pela síntese de proteínas filamentosas,

Leia mais

Tecido Muscular. Prof. Dr. Leonardo Augusto Kohara Melchior Disciplina de Histologia UFAC / CCBN / CCSD

Tecido Muscular. Prof. Dr. Leonardo Augusto Kohara Melchior Disciplina de Histologia UFAC / CCBN / CCSD Tecido Muscular Prof. Dr. Leonardo Augusto Kohara Melchior Disciplina de Histologia UFAC / CCBN / CCSD Definição e função Caracteriza por células alongadas dotadas da capacidade de encurtar seu comprimento,

Leia mais

BIOMECANICOS BIOQUIMICOS FISIOLOGICOS MECANICOS

BIOMECANICOS BIOQUIMICOS FISIOLOGICOS MECANICOS Faculdade de Motricidade Humana Unidade Orgânica de Ciências do Desporto Metodologia de Treino Gestão do Desporto METODOLOGIA DO TREINO DA FORÇA Objectivos Factores Condicionantes da Força Estrutura das

Leia mais

Tecido Muscular Estriado Esquelético Fibra Muscular Estriada

Tecido Muscular Estriado Esquelético Fibra Muscular Estriada Tecido Muscular - Célula muscular: Fibra muscular - Membrana Plasmática: Sarcolema - Citoplasma: Sarcoplasma - Retículo endoplasmático: Retículo sarcoplasmático - Mitocôndrias: Sarcossomas Sarcolema Sarcoplasma

Leia mais

1. TECIDO MUSCULAR. Figura 1: Tipos de tecido muscular: liso, estriado cardíaco, estriado esquelético

1. TECIDO MUSCULAR. Figura 1: Tipos de tecido muscular: liso, estriado cardíaco, estriado esquelético 1. TECIDO MUSCULAR De origem mesodérmica, os tecidos musculares têm como principal característica a capacidade de contração, que terá como resultado a locomoção e outros tipos de movimento, como a contração

Leia mais