Fisiologia da Contração dos Músculos Esqueléticos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fisiologia da Contração dos Músculos Esqueléticos"

Transcrição

1 Fisiologia da Contração dos Músculos Esqueléticos

2 Cerca de 40% do corpo é composto por músculo esquelético Associado aos movimentos do corpo Características únicas das células musculares Cerca de 10% do corpo é composto por músculo liso e cardíaco

3 A classificação das células com capacidade de contração (esqueléticas, cardíacas e lisas) é realizada a partir de: Forma Núcleo Presença de estrias Tipo de controlo (voluntário ou involuntário)

4 Músculo Esquelético Músculo Liso Músculo Cardíaco Células longas Células longas e cilíndricas Células longas e cilíndricas Estrias transversais Sem estrias Estrias transversais Controlo voluntário Controlo involuntário Controlo involuntário Núcleos múltiplos periféricos Mononucleadas Mononucleada com localização central Vasos, estómago, vísceras, intestino Discos Intercalares

5 Músculo esquelético: Todos os músculos esqueléticos são compostos por numerosas fibras, com diâmetros de 10 a 80 micrômetros Cada uma destas fibras é formada por subunidades ainda menores Na maioria dos músculos esqueléticos, cada uma das fibras se prolonga por todo o comprimento do músculo Em geral, cada fibra muscular é inervada por apenas uma terminação nervosa, localizada perto do meio da fibra As fibras do músculo esquelético são unidas aos ossos através dos tendões

6 Estrutura do músculo esquelético O músculo esquelético é formado por tecido conjuntivo e células contráteis Existem 3 camadas separadas de tecido conjuntivo no músculo esquelético: O músculo esquelético na sua totalidade está envolto por um tecido conjuntivo externo (camada externa) denominado epimisio. A medida que olhamos para dentro do músculo há o perimísio, que envolve um conjunto de feixes individuais de fibras musculares (chamados de fascículos) Cada fibra muscular dos fascículos é envolvida outra camada de tecido conjuntivo chamada endomísio.

7 Estrutura da Fibra Muscular Esquelética Cada fibra muscular individual é um cilindro fino e alongado do comprimento do músculo SARCOLEMA: É a denominação da membrana plasmática das células musculares esqueléticas (Endomísio + Membrana Plasmática). Em cada extremidade da fibra muscular, a camada superficial do sarcolema (endomísio) funde-se com uma fibra do tendão, que por sua vez se agrupa em feixes para formar os tendões musculares SARCOPLASMA: É o citoplasma da célula muscular esquelética. Proteínas celulares, organelas e MIOFIBRILAS (numerosas estruturas fusiformes que contém as estruturas contrácteis)

8 Miofibrilas Cada fibra muscular contém centenas a milhares de miofibrilas Cada miofibrila é composta por cerca de 1500 filamentos de miosina e por 3000 filamentos de actina, troponina e propomiosina Estas proteínas são responsáveis pela real contração muscular

9

10

11 Miofibrilas Compostas essencialmente por dois filamentos proteicos: FILAMENTOS ESPESSOS: miosina FILAMENTOS FINOS: actina, troponina e tropomiosina (importantes na regulação do processo contráctil) O arranjo destes filamentos confere o aspecto estriado ao músculo

12 Proteínas Contráteis

13 Filamento Actina Fino Troponina Filamento Grosso Ponte Cruzada Tropomiosina

14 SARCÔMERO Miofibrilas podem ser subdivididas em segmentos individuais, chamados SARCÔMEROS SARCÔMEROS são limitados por uma fina camada de proteínas estruturais denominadas LINHAS Z (cruzam transversalmente a miofibrila) BANDA A: zona que contém os filamentos MIOSINA- parte escura do sarcômero BANDA I: zona do sarcômero que apresenta APENAS os filamentos de ACTINA- parte mais clara ZONA H: centro do sarcômero onde existe uma porção de filamentos de miosina sem sobreposição de actina

15 Moléculas Filamentares de É uma proteína TITINA É muito flexível e por isso é um arcabouço que mantém o posicionamento da miosina e da actina corretos

16 SARCOPLASMA As miofibrilas de cada fibra muscular ficam suspensas, lado a lado, na fibra muscular. Os espaços entre as miofibrilas são preenchidos pelo sarcoplasma (líquido intracelular) Sarcoplasma: Potássio, magnésio e fosfato Organelas celulares: MITOCÔNDRIAS: fornecem energia às miofibrilas TÚBULOS TRANSVERSAIS: canais membranosos que se estendem para o interior do sarcoplasma e passam através da fibra RETÍCULO SARCOPLASMÁTICO: rede de canais membranosos que envolvem cada miofibrila e que contém Cálcio.» CISTENAS TERMINAIS: local específico do retículo sarcoplasmático que contém o Cálcio

17 Sarcoplasma

18 Junção Neuromuscular MOTONEURÓNIO: cada fibra muscular esquelética está ligada a um neurónio que se prolonga para fora a partir da medula espinhal UNIDADE MOTORA: conjunto formado pelo MOTONEURÓNIO + FIBRAS MUSCULARES que ele inerva Sempre que um motoneurónio é ativado, todas as fibras musculares por ele inervado são contraídas A estimulação dos motoneurónios inicia o processo de contração muscular O ponto exato onde o motoneurónio atinge a fibra muscular é chamada de JUNÇÃO NEUROMUSCULAR, nesta junção o sarcolema forma uma bolsa chamada PLACA MOTORA

19 A extremidade do motoneurónio não entra em contato físico com a fibra muscular, sendo separada por um pequeno espaço chamado FENDA NEUROMUSCULAR Quando o impulso nervoso atinge a extremidade do motoneurónio, o neurotransmissor ACETILCOLINA é libertado e difunde-se através da fenda sináptica para ligar-se aos sítios específicos receptores da placa motora Isto provoca o aumento da permeabilidade do sarcolema ao sódio, resultando na despolarização (POTENCIAL DA PLACA MOTORA), que sempre que ultrapassa seu limiar, ocorre o início da contração muscular

20 CONTRAÇÃO MUSCULAR Processo complexo Envolve proteínas celulares Envolve sistemas de produção de energia O processo é denominado Modelo do Filamento Deslizante

21 Modelo do Filamento Deslizante As fibras musculares contraem-se pelo encurtamento das miofibrilas em razão do deslizamento da actina sobre a miosina. Consequência: reduz a distância entre as linhas Z (redução do sarcômero)

22 As cabeças das pontes cruzadas da miosina estão voltadas para a molécula de actina Os filamentos de actina e miosina deslizam uns sobre os outros durante a contração muscular em decorrência da ação de numerosas pontes cruzadas que se estendem como braços a partir da miosina e se ligam à actina num estado de ligação forte Quando ocorre a ligação das pontes cruzadas da miosina com a actina, em cada lado do sarcômero, elas traccionam as linhas Z para centro, reduzindo o seu comprimento

23 ACOPLAMENTO EXCITAÇÃO- CONTRAÇÃO Refere-se a sequência de eventos: 1. Propagação do Impulso Nervoso até atingir a junção neuromuscular e libertar acetilcolina para a placa motora, que ao ligar-se aos receptores específicos desencadeia a despolarização da membrana 2. Promoção do encurtamento muscular por meio da atividade das pontes cruzadas Para que isso ocorra é preciso que haja energia para a contração, proveniente da quebra do ATP

24 Energia para a Contração Formada pela degradação do ATP (adenosina trifosfato) pela enzima miosina ATPase, que se localiza na cabeça da ponte cruzada de miosina. ATP ADP + Pi+ E A degradação do ATP em ADP+ Pi e a libertação de energia servem para energizar as pontes cruzadas de miosina, que por sua vez puxam as moléculas de actina, encurtando o sarcómero

25 CONTRAÇÃO MUSCULAR 1. Chegada do Impulso Nervoso à Junção Neuromuscular 2. Libertação de Acetilcolina para dentro da Placa Motora 3. Ligação da Acetilcolina aos receptores específicos na Placa Motora 4. Despolarização dos Túbulos Transversos até atingir o Retículo Sarcoplasmático 5. Libertação do Cálcio a partir das Cisternas 6. Difusão do Cálcio através do Sarcómero 7. Ligação do Cálcio à Troponina: 1. A Troponina está localizada juntamente da Tropomiosina: no músculo relaxado a Tropomiosina bloqueia os sítios ativos da molécula da Actina, onde as pontes cruzadas de Miosina devem se fixar 8. Alteração de posição da Tropomiosina, com exposição dos sítios ativos da Actina 9. Ligação forte das pontes cruzadas da Miosina com a Actina, dando início à libertação de energia armazenada na molécula de Miosina Duração do Processo depende: 1. Cálcio disponível 2. ATP que possa ser hidrolizado para fornecer energia A falha em manter níveis de Cálcio e hidrólise do ATP gera fadiga muscular

26 Função do Motoneurónio As células do músculo esquelético são eletricamente separadas uma da outra pelo endomísio Para que haja contração, cada célula (fibra) deve ser estimulada por um motoneurónio Junção Neuromuscular Motoneurónio Endomísio Célula muscular

27 Motoneurónio Túbulos Transversos Cisternas Actina Miosina Linha Z Retículo Sarcoplasmático

28 Chegada do potencial de ação ao axónio terminal Quando o potenial de ação atinge o axónio terminal, há troca de voltagem e a membrana é aberta (despolarizada) Iones calcio + - A voltagem regula os canais de cálcio, permitindo que os iões de cálcio entrem no axónio terminal. Membrana

29 Propagação do Potencial de Ação A despolarização da terminação motora inicia um potencial de ação que se propaga através do sarcolema em todas as direções e pelos túbulos T

30 IÕES DE CÁLCIO Após a despolarização, os iões de cálcio são libertados a partir da cisterna e se unem à troponina. Isto provoca uma alteração na estrutura troponina-tropomiosina, fazendo com que os sítios de ligação da actina e pontes cruzadas da miosina fiquem livres para ocorrer a contração Cisterna terminal

31 Exposição dos sítios de união actina-miosina O potencial de ação liberta iões de cálcio da cisterna terminal do retículo sarcoplasmático. Os iões de cálcio movimentam-se no citoplasma e se unem à troponina, expondo os sítios activos da actina-miosina.

32 União Actina-Miosina

33 Movimento da cabeça da miosina. A união da miosina à actina altera a posição da cabeça da miosina e quebra o ATP em ADP e fosfato inorgánico. Ao mesmo tempo, a cabeça é levantada, tensionando as linhas Z para o centro (contração)

34 Esquema síntese da Contração Muscular

35 Término da Contração Muscular Interrupção do impulso nervoso Transporte ativo de Cálcio para o retículo sarcoplasmático (processo que necessita de energia) Reposicionamento da Troponina e Tropomiosina aos sítios de ligação da molécula de actina

36 Transporte Ativo Bombas de Cálcio Bombas iónicas especializadas localizadas na membraba do retículo sarcoplasmático Estas bombas gastam energia

37 A unidade motora É a totalidade das fibras musculares inervadas por um único motoneurónio Nervo Motoneurónio A Motoneurónio B

38 Ativação da Unidade Motora Apenas as Unidades Motoras recrutadas em um exercício/treino produzem força Consequentemente apenas estas Unidades Motoras sofrerão adaptação

39 Pequenas unidades motoras produzem movimentos precisos Unidades motoras pequenas são as que contêm poucas quantidades de células musculares Realizam movimentos precisos Exemplo: músculos do olho, dedo indicador Unidades motoras grandes produzen movimentos bruscos Unidades Motoras grandes são as que contêm muitas células musculares Ex. Quadríceps, isquiotibiais, grande peitoral

40 Capacidade de Produção de Força Quanto mais fibras musculares são solicitadas, maior a capacidade de produção de força Número de unidades motoras recrutadas Soma de Unidades Motoras Soma de Ondas Número de fibras por unidade motora

41 Lei do Tudo ou Nada Se um motoneurónio é ativado, todas as fibras musculares por ele inervadas serão recrutadas A Lei do Tudo ou Nada é verdadeira para a Unidade Motora, mas não para o músculo como um todo Num mesmo músculo, podem ser ativadas apenas algumas Unidades Motoras, mas todas as fibras musculares inervadas por estas unidades motoras sofrerão contração O que não significa que o músculo todo sofrerá obrigatoriamente contração, pois nem todas as unidades motoras deste músculo podem ter sido ativadas Este fenómeno permite que o músculo consiga controlar (dosear) a quantidade de força que deve produzir

42 Graduação da Força SINCRONISMO DE RECRUTAMENTO OU SOMA DE UNIDADES MOTORAS MÚLTIPLAS Baseia-se nas necessidades de produção de força durante o exercício Quanto maior o número de unidades motoras recrutadas num determinado exercício, maior a capacidade de produção de força pelo músculo Se apenas UMA unidade motora for ativada, pouca força será gerada; se MUITAS unidades motoras forem ativadas, muita força será produzida Se todas as unidades motoras de um músculo forem ativadas, a produção de força do mesmo músculo será máxima

43 SOMA DE ONDAS Graduações de Força Controle da força produzida pela Unidade Motora Uma unidade motora responde a cada impulso nervoso provocando uma contração Uma contração é um breve período de atividade muscular produzindo força, seguido por um relaxamento da Unidade Motora Um segundo impulso pode atingir o motoneurónio antes do músculo ter relaxado, a 2ª contração soma-se a força da 1ª contração, produzindo mais força total Este somatório pode continuar até que os impulsos ocorram numa frequência suficiente para que as contrações sejam completamente somadas. O Somatório completo é chamado TETANIA e corresponde a força máxima que uma unidade motora pode desenvolver

44 Soma de Ondas

45 TIPOS DE FIBRAS MUSCULARES O músculo esquelético pode ser dividido em várias classes de acordo com características histoquímicas ou bioquímicas das fibras individuais A grosso modo, as fibras musculares dividem-se em dois tipo: TIPO 1 (FIBRAS DE CONTRAÇÃO LENTA) TIPO 2 (FIBRAS DE CONTRAÇÃO RÁPIDA) Alguns músculos podem apresentar maior parte de fibras ou tipo 1 ou tipo 2, mas a maior parte dos músculos são compostos por uma combinação de fibras lentas e rápidas A percentagem de tipos de fibras é influenciada principalmente pela genética, mas pode ser influenciada pelo treino A composição da fibras nos músculos esqueléticos possui um papel importante no desempenho de eventos de força e endurance

46 Características dos Tipos de Fibras

47 Tipos de Fibras e Desempenho Composição Típica da Fibra Muscular dos Atletas de Elite Representando Diferentes Desportos e de Não-atletas Desporto % Fibras Lentas (tipo 1) % Fibras Rápidas (tipo 2b e 2a) Velocistas Fundistas Halterofilistas (??) (??) Não-Atletas

48 Tipos de contração muscular ISOTÓNICA ou DINÂMICA Há alongamento ou encurtamento muscular, produzindo movimento articular Dois tipos: concêntrica e excêntrica RESISTÊNCIA < ou> FORÇA ISOMÉTRICA ou ESTÁTICA A tensão desenvolvida é igual à resistência que o músculo tem de vencer Não há alterações no comprimento da fibra muscular Exercida diariamente pelos músculos posturais RESISTÊNCIA = FORÇA

49 CONTRAÇÃO DINÂMICA Concêntrica Excêntrica - Tensão muscular superior à resistência, produzindo encurtamento do músculo (fase positiva); - Menor carga a vencer = maior velocidade de contração RESISTÊNCIA < FORÇA - Tensão muscular inferior à resistência, produzindo alongamento do músculo (fase negativa); - Lesões e dores musculares estão associadas a contrações excêntricas (Fridén; Lieber, 1992); - Há maior aumento de força muscular ao realizar exercícios excêntricos RESISTÊNCIA > FORÇA

50 Receptores Musculares (MOTONEURÓNIOS ALFA) O músculo esquelético contém receptores sensoriais: Fusos Musculares Órgãos Tendinosos de Golgi Para que o sistema nervoso controle adequadamente os movimentos dos músculos esqueléticos, deve receber feedbacks constantes do músculo que está em contração ou em alongamento

51 Motoneurônios Alfa: Órgãos Tendinosos de Golgi e Fusos Musculares Recebem informação sobre o estado do músculo e realizam os ajustes necessários. As informações são sobre a tensão (força) e sobre a variação do comprimento das fibras musculares (alongamento) O que detectam os FUSOS MUSCULARES? Variação de comprimento das fibras musculares Estão paralelos às fibras musculares O que detectam os ÓRGÃOS TENDINOSOS DE GOLGI? Variação da tensão mecânica sobre os tendões Estão em série com as fibras musculares

52 Quais são as funções dos Fusos Musculares? Estiramento 2 3 A carga (1) alonga as fibras musculares ou extrafusias (2) e as fibras do fuso muscular ou intrafusais (3). O alongamento da região central do fuso estimula as terminações aferentes que disparam um sinal (potencial de ação) em direção ao SNC 1 A resposta do SNC a este estímulo é no sentido de evitar um alongamento excessivo (potencialmente lesivo) e por isso é um estímulo de contração muscular

53 Reflexo Miotático O martelo atinge o tendão do músculo quadríceps e causa alongamento passivo tanto das fibras extrafusais e intrafusais do fuso neuromuscular. As fibras aferentes levam as informações para o SNC que emite uma sinal no sentido da contração das fibras musculares. Resultado: contração reflexa (extensão do joelho) Neste caso, o fuso detectou o aumento de comprimento muscular e estimulou diretamente os neurônios motores extensores. REFLEXO MIOTÁTICO: estimulação do fuso muscular causando contração reflexa do músculo. FUNÇÕES: Garantir o tônus muscular Controle sobre o comprimento muscular Proteção contra estiramento passivo Excepcionalmente monossinaptico A AÇÃO DA GRAVIDADE estira constantemente os fusos; mesmo o músculo estando em repouso. Este estiramento causa uma contração reflexa chamada de TONUS MUSCULAR de repouso.

54 Quais são as funções dos Órgãos Tendinosos de Golgi? - Reflexo Miotático Inverso: Durante a contração muscular, os OTG também podem ser ativados. As fibras aferentes (sensitivas) disparam um potencial de ação e a resposta incide sobre os interneuronios inibitórios que fazem sinapse com os motoneurônios em franca atividade, ordenando o seu relaxamento do músculo REFLEXO MIOTÁTICO INVERSO A estimulação dos órgãos tendinosos de Golgi modula (podendo inibir) a contração muscular. Função: Proteção contra contração excessiva Controle sobre o nível de excitação dos motoneurônios

55 Bibliografia Wilmore, J.; Costil, D. (1999). Physiology of Sports and Exercise, 2nd edition. Human Kinetics. Fleck, S., Kraemer, S. (1999). Fundamentos do treinamento de força muscular. Porto Alegra: Artes Médicas.

21/08/2016. Fisiologia neuromuscular

21/08/2016. Fisiologia neuromuscular Fisiologia neuromuscular 1 2 Potencial de ação Junção neuromuscular - Sinapse 3 Junção neuromuscular TERMINAÇÕES NERVOSAS Ramificações nervosas na extremidade distal do axônio PLACAS MOTORAS TERMINAIS

Leia mais

Contração Muscular. Profa. Dra. Eliane Comoli Depto de Fisiologia da FMRP-USP

Contração Muscular. Profa. Dra. Eliane Comoli Depto de Fisiologia da FMRP-USP Contração Muscular Profa. Dra. Eliane Comoli Depto de Fisiologia da FMRP-USP ROTEIRO DE AULA TEÓRICA: CONTRAÇÃO MUSCULAR 1. Músculo Esquelético: a. proteínas do músculo esquelétrico ou estriado: filamentos

Leia mais

Sistema Músculo Esquelético. Profª Talita Silva Pereira

Sistema Músculo Esquelético. Profª Talita Silva Pereira Sistema Músculo Esquelético Profª Talita Silva Pereira SISTEMA MUSCULAR O tecido muscular é de origem mesodérmica, sendo caracterizado pela propriedade de contração e distensão de suas células, o que determina

Leia mais

Músculo liso: Musculo Liso. Contração do Musculo Liso. Músculo cardíaco: Musculo Liso

Músculo liso: Musculo Liso. Contração do Musculo Liso. Músculo cardíaco: Musculo Liso Fisiologia Muscular Músculo liso: Controle involuntário Localiza-se na pele, órgãos internos, aparelho reprodutor, grandes vasos sangüíneos e aparelho excretor. O estímulo para a contração dos músculos

Leia mais

PROPEDÊUTICO Tecido Muscular

PROPEDÊUTICO Tecido Muscular HISTOLOGIA PROPEDÊUTICO Tecido Muscular Profa. Dra. Constance Oliver Profa. Dra. Maria Célia Jamur PRINCIPAIS FUNÇÕES DO MÚSCULO Função primária: CONTRAÇÃO Sua finalidade é executar TRABALHO MECÂNICO CLASSIFICAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA SISTEMA MUSCULAR Dra. Flávia Cristina Goulart CIÊNCIAS FISIOLÓGICAS UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Campus de Marília flaviagoulart@marilia.unesp.br Histologia do M.Esquelético É formado por células

Leia mais

Profa. Cláudia Herrera Tambeli

Profa. Cláudia Herrera Tambeli Profa. Cláudia Herrera Tambeli Tipos de Músculos Estriado Liso Cardíaco Involuntário Esquelético Voluntário Involuntário Funções do músculo esquelético Relação Movimento/Força O músculo se contrai e encurta.

Leia mais

Prof. Mda. Ana Carolina Kanitz

Prof. Mda. Ana Carolina Kanitz Prof. Mda. Ana Carolina Kanitz ana_kanitz@yahoo.com.br ESTRUTURA DO MÚSCULO ESQUELÉTICO OSSO TENDÃO EPIMÍSIO ENDOMÍSIO PERIMÍSIO MIOFIBRILA MÚSCULO FASCÍCULOS FIBRA MUSCULAR Wilmore, Costill & Kenney,

Leia mais

CONTRAÇÃO MUSCULAR. Letícia Lotufo. Estrutura. Função. Fonte: Malvin et al., Concepts in humam Physiology

CONTRAÇÃO MUSCULAR. Letícia Lotufo. Estrutura. Função. Fonte: Malvin et al., Concepts in humam Physiology CONTRAÇÃO MUSCULAR Fibra muscular lisa Núcleo Estrias Fibra muscular cardíaca Núcleo Letícia Lotufo Discos Intercalares Músculo Tipos de músculo Estrutura Função Esquelético Cardíaco Liso Célula cilíndrica

Leia mais

Tema B ORGANIZAÇÃO MICROSCÓPICA E CONTRAÇÃO MUSCULAR

Tema B ORGANIZAÇÃO MICROSCÓPICA E CONTRAÇÃO MUSCULAR ORGANIZAÇÃO MICROSCÓPICA E CONTRAÇÃO MUSCULAR 1 Constituição da fibra muscular 2 Caracterização das funções gerais dos principais elementos - Placa motora; miofibrilhas; proteínas contráteis (actina e

Leia mais

SISTEMA MUSCULAR. Estriado cardíaco. Miócitos estriados com um ou dois núcleos centrais.

SISTEMA MUSCULAR. Estriado cardíaco. Miócitos estriados com um ou dois núcleos centrais. SISTEMA MUSCULAR O tecido muscular é de origem mesodérmica, sendo caracterizado pela propriedade de contração e distensão de suas células, o que determina a movimentação dos membros e das vísceras. Há

Leia mais

Composição Celular do Músculo

Composição Celular do Músculo Tecido Muscular Composição Celular do Músculo Células alongadas com grande quantidade de filamentos citoplasmáticos de proteínas contráteis (geradoras de força para contração) = miofibrilas Células musculares

Leia mais

13/10/2014 TECIDO MUSCULAR. Funções. Locomoção; Postura; Respiração; Fala; Digestão; Propulsão; CONTRAÇÃO!!!!

13/10/2014 TECIDO MUSCULAR. Funções. Locomoção; Postura; Respiração; Fala; Digestão; Propulsão; CONTRAÇÃO!!!! TECIDO MUSCULAR Funções Locomoção; Postura; Respiração; Fala; Digestão; Propulsão; CONTRAÇÃO!!!! Energia química Energia mecânica 1 Tipos Tecido Muscular ESTRIADO ESQUELÉTICO CARDÍACO Tecido Muscular LISO

Leia mais

Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM Disciplina de Fisiologia. O Músculo Estriado Esquelético

Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM Disciplina de Fisiologia. O Músculo Estriado Esquelético Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM Disciplina de Fisiologia O Músculo Estriado Esquelético Prof. Wagner de Fátima Pereira Departamento de Ciências Básicas Faculdade de Ciências

Leia mais

Fisiologia do Tecido Muscular. Dra. Elaine Del Bel 2017

Fisiologia do Tecido Muscular. Dra. Elaine Del Bel 2017 Fisiologia do Tecido Muscular Dra. Elaine Del Bel 2017 Tecido Muscular - Conjuntos maciços ou frouxos de células alongadas capazes de mudar seu comprimento a;vamente. - Podem contrair- se ou relaxar- se

Leia mais

Contração e Excitação do Músculo Liso

Contração e Excitação do Músculo Liso Contração e Excitação do Músculo Liso Qual a função do musculo liso? O músculo liso encontra-se nas paredes de vários órgãos e tubos do organismo, incluindo vasos sanguíneos, tracto gastrointestinal, bexiga,

Leia mais

Biologia. (5168) Tecido Muscular / (5169) Tecido Nervoso. Professor Enrico Blota.

Biologia. (5168) Tecido Muscular / (5169) Tecido Nervoso. Professor Enrico Blota. Biologia (5168) Tecido Muscular / (5169) Tecido Nervoso Professor Enrico Blota www.acasadoconcurseiro.com.br Biologia TECIDO MUSCULAR / TECIDO NERVOSO TECIDO MUSCULAR O tecido muscular é composto pelas

Leia mais

Eletrofisiologia 13/03/2012. Canais Iônicos. Proteínas Integrais: abertas permitem a passagem de íons

Eletrofisiologia 13/03/2012. Canais Iônicos. Proteínas Integrais: abertas permitem a passagem de íons Eletrofisiologia Proteínas Integrais: abertas permitem a passagem de íons Seletividade Alguns íons podem passar outros não Tamanho do canal Distribuição de cargas Aberto ou fechado Proteínas Integrais:

Leia mais

TECIDO MUSCULAR (parte 1)

TECIDO MUSCULAR (parte 1) TECIDO MUSCULAR (parte 1) Profª Patrícia Mendes Disciplina: Histologia Geral e Embriologia Curso: Medicina Veterinária www.faculdadevertice.com.br COMO OCORREM OS MOVIMENTOS? As atividades musculares são

Leia mais

Liso 4/5/2010. Existem 3 tipos de Tecido Muscular

Liso 4/5/2010. Existem 3 tipos de Tecido Muscular Prof. Sandro de Souza Liso Existem 3 tipos de Tecido Muscular Forma a parede de diversos órgãos. São constituídos de fibras fusiformes, mas muito mais curtas do que as fibras musculares esqueléticas: têm,

Leia mais

Jan Cabri / Raul Oliveira 2º ano 2008/2009. Temas do Programa. Organização e controlo dos movimentos

Jan Cabri / Raul Oliveira 2º ano 2008/2009. Temas do Programa. Organização e controlo dos movimentos CINESIOLOGIA Jan Cabri / Raul Oliveira 2º ano 2008/2009 Temas do Programa Organização e controlo dos movimentos Adaptações do aparelho locomotor à actividade física e à inactividade Anatomia de superfície

Leia mais

FISIOLOGIA MUSCULAR. Mecanismos de controle da força. Enquanto é dada a AP Profa Silvia Mitiko Nishida. Miron, 450 a.c

FISIOLOGIA MUSCULAR. Mecanismos de controle da força. Enquanto é dada a AP Profa Silvia Mitiko Nishida. Miron, 450 a.c FISIOLOGIA MUSCULAR Mecanismos de controle da força Enquanto é dada a AP Profa Silvia Mitiko Nishida Miron, 450 a.c Cérebro SNC Medula Unidade Motora 1 Unidade Motora 2 Neurônio motor Nervo Músculo Fibras

Leia mais

FACULDADE de MOTRICIDADE HUMANA

FACULDADE de MOTRICIDADE HUMANA FACULDADE de MOTRICIDADE HUMANA ANATOMOFISIOLOGIA I 2008-2009 Prof. FISIOLOGIA MUSCULAR TEMAS A DESENVOLVER 1) Estrutura macroscópica do músculo 2) Estrutura da fibra muscular esquelética: miofibrilha

Leia mais

TECIDO MUSCULAR. 1º ANO 2013 Prof a. Rose Lopes. na oca traz corpos humanos reais plastificados/

TECIDO MUSCULAR. 1º ANO 2013 Prof a. Rose Lopes.  na oca traz corpos humanos reais plastificados/ TECIDO MUSCULAR 1º ANO 2013 Prof a. Rose Lopes http://aletp.com/2007/02/21/exposicao na oca traz corpos humanos reais plastificados/ O tecido muscular é formado por: Fibras musculares (células contráteis);

Leia mais

Tecido muscular Capítulo 5

Tecido muscular Capítulo 5 Tecido muscular Capítulo 5 1 MÚSCULO ESTRIADO ESQUELÉTICO As células do músculo estriado esquelético são originadas da fusão dos mioblastos. Figura 5.1 - Fusão dos mioblastos para formar o músculo estriado

Leia mais

24/07/16 MUSCULO CARDÍACO (MIOCÁRDIO) MÚSCULO ESTRIADO ESQUELÉTICO MÚSCULO LISO. Sistema Muscular PROF. VINICIUS COCA

24/07/16 MUSCULO CARDÍACO (MIOCÁRDIO) MÚSCULO ESTRIADO ESQUELÉTICO MÚSCULO LISO. Sistema Muscular PROF. VINICIUS COCA Sistema Muscular MUSCULO CARDÍACO (MIOCÁRDIO) Músculo cardíaco possui anatomia própria, diferindo anatômica e funcionalmente dos outros tipos musculares. PROF. VINICIUS COCA MÚSCULO LISO MÚSCULO ESTRIADO

Leia mais

Qual é o objeto de estudo da Fisiologia Humana? Por que a Fisiologia Humana é ensinada em um curso de licenciatura em Educação Física?

Qual é o objeto de estudo da Fisiologia Humana? Por que a Fisiologia Humana é ensinada em um curso de licenciatura em Educação Física? Fisiologia Humana QUESTÕES INICIAIS 1 2 3 Qual é o objeto de estudo da Fisiologia Humana? Por que a Fisiologia Humana é ensinada em um curso de licenciatura em Educação Física? Qual a importância dos conhecimentos

Leia mais

TECIDO MUSCULAR QUAIS SUAS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS?

TECIDO MUSCULAR QUAIS SUAS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS? QUAIS SUAS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS? Músculos representam 40% da nossa massa corporal; Apresenta células altamente contráteis, responsáveis pela: Movimentação do corpo: locomoção e flexibilidade; Movimentação

Leia mais

TECIDOS MUSCULARES Fonte fibras musculares ou miócitos actina miosina Tipos de tecido muscular estriado esquelético estriado cardíaco liso

TECIDOS MUSCULARES Fonte fibras musculares ou miócitos actina miosina Tipos de tecido muscular estriado esquelético estriado cardíaco liso TECIDOS MUSCULARES Fonte: http://www.sobiologia.com.br/conteudos/histologia/epitelio25.php Os tecidos musculares são de origem mesodérmica e relacionam-se com a locomoção e outros movimentos do corpo,

Leia mais

MÚSCULO ESQUELÉTICO INSTITUTO DE FISIOLOGIA. Francisco Sampaio

MÚSCULO ESQUELÉTICO INSTITUTO DE FISIOLOGIA. Francisco Sampaio MÚSCULO ESQUELÉTICO INSTITUTO DE FISIOLOGIA Francisco Sampaio MÚSCULO ESQUELÉTICO (RESUMO) INTRODUÇÃO CLASSIFICAÇÃO FUNÇÕES BIOMECÂNICA TIPOS DE CONTRACÇÃO MECANISMO DE CONTRACÇÃO UNIDADE MOTORA COMPORTAMENTO

Leia mais

SISTEMA MUSCULAR TIPOS DE MÚSCULOS (~ 40 % DA MASSA CORPORAL) CARACTERÍSTICAS BIOMECÂNICAS

SISTEMA MUSCULAR TIPOS DE MÚSCULOS (~ 40 % DA MASSA CORPORAL) CARACTERÍSTICAS BIOMECÂNICAS Apostila didática / Sistema Muscular Profa. Isabel de C. N. Sacco / 2001 1 SISTEMA MUSCULAR O músculo é o único tecido do corpo humano capaz de produzir FORÇA, i.e.; BIOMECÂNICAMENTE, O MÚSCULO É A ÚNICA

Leia mais

Proprioceptores. Proprioceptores

Proprioceptores. Proprioceptores Proprioceptores São órgãos sensoriais encontrados nos músculos e articulações. Sua função é conduzir informações sensoriais para o SNC a partir dos músculos, tendões,articulações e ligamentos. Estão relacionados

Leia mais

Neuroanatomia. UBM 4 Anatomia Dentária 15 de Dezembro de 2009 Octávio Ribeiro

Neuroanatomia. UBM 4 Anatomia Dentária 15 de Dezembro de 2009 Octávio Ribeiro Neuroanatomia UBM 4 Anatomia Dentária 15 de Dezembro de 2009 Octávio Ribeiro UBM 4 Anatomia Dentária ANATOMIA E FUNÇÃO DO SISTEMA NEUROMUSCULAR Músculos unidade motora Músculos unidade motora O componente

Leia mais

Tecido Muscular. Prof. Dr. Leonardo Augusto Kohara Melchior Disciplina de Histologia UFAC / CCBN / CCSD

Tecido Muscular. Prof. Dr. Leonardo Augusto Kohara Melchior Disciplina de Histologia UFAC / CCBN / CCSD Tecido Muscular Prof. Dr. Leonardo Augusto Kohara Melchior Disciplina de Histologia UFAC / CCBN / CCSD Definição e função Caracteriza por células alongadas dotadas da capacidade de encurtar seu comprimento,

Leia mais

Inervação sensitiva do músculo esquelético e regulação medular do movimento

Inervação sensitiva do músculo esquelético e regulação medular do movimento CINESIOLOGIA Jan Cabri / Raul Oliveira 2º ano 2008/2009 Inervação sensitiva do músculo esquelético e regulação medular do movimento Estímulo sensitivo Medula Resposta Aula 4 1 ESTRUTURA FUNCIONAL DO SISTEMA

Leia mais

UNIFEBE CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRUSQUE. CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA 6ª Fase

UNIFEBE CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRUSQUE. CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA 6ª Fase UNIFEBE CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRUSQUE CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA 6ª Fase Disciplina de FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO Prof. Maria Valéria Guglielmetto Figueiredo Homúnculo Sensório Motor Bomba Sódio/Potássio

Leia mais

RCB0106. Sistema Locomotor. Músculo Esquelético. Profa. Dra. Constance Oliver Profa. Dra. Maria Célia Jamur

RCB0106. Sistema Locomotor. Músculo Esquelético. Profa. Dra. Constance Oliver Profa. Dra. Maria Célia Jamur RCB0106 Sistema Locomotor Músculo Esquelético Profa. Dra. Constance Oliver Profa. Dra. Maria Célia Jamur HISTOLOGIA As células são unidades funcionais básicas Os tecidos são arranjos celulares funcionais

Leia mais

TECIDO MUSCULAR CONTINUAÇÃO...

TECIDO MUSCULAR CONTINUAÇÃO... TECIDO MUSCULAR CONTINUAÇÃO... MÚSCULO CARDÍACO Células alongadas e ramificadas Se prendem por meio de junções intercelulares complexas Estriações transversais Um ou dois núcleos centralmente Circundadas

Leia mais

REVISÃO DO PROCESSO DE CONTRAÇÃO MUSCULAR

REVISÃO DO PROCESSO DE CONTRAÇÃO MUSCULAR REVISÃO DO PROCESSO DE CONTRAÇÃO MUSCULAR Profa. Edilamar Menezes de Oliveira Lab de Bioquímica e Biologia Molecular do Exercício edilamar@usp.br Tipos de tecido muscular Esquelético Cardíaco Liso Classificação

Leia mais

TECIDO MUSCULAR. - Movimentos corporais. - FIBRAS MUSCULARES Ä = células alongadas (até 30 cm) Ä ÓÓ filamentos citoplasmáfcos

TECIDO MUSCULAR. - Movimentos corporais. - FIBRAS MUSCULARES Ä = células alongadas (até 30 cm) Ä ÓÓ filamentos citoplasmáfcos TECIDO MUSCULAR - Movimentos corporais - FIBRAS MUSCULARES Ä = células alongadas (até 30 cm) Ä ÓÓ filamentos citoplasmáfcos - ORIGEM = mesodérmica Diferenciação pela síntese de proteínas filamentosas,

Leia mais

CARACTERÍSTICAS. Certos componentes das células musculares recebem nomes especiais: sarcoplasmático. o Membrana plasmática sarcolema;

CARACTERÍSTICAS. Certos componentes das células musculares recebem nomes especiais: sarcoplasmático. o Membrana plasmática sarcolema; TECIDO MUSCULAR TECIDO MUSCULAR CARACTERÍSTICAS GERAIS Responsável pelos movimentos corporais; Constituído por células alongadas (fibras), contendo grande quantidade de filamentos citoplasmáticos (miofibrilas),

Leia mais

Fibra e Metabolismo Muscular Esquelético: Efeitos do Exercício Físico

Fibra e Metabolismo Muscular Esquelético: Efeitos do Exercício Físico Fibra e Metabolismo Muscular Esquelético: Efeitos do Exercício Físico Cronograma da Aula Fibras e Metabolismo Muscular: - Estrutura e função das fibras musculares; - Metodologias utilizadas para determinação

Leia mais

Metabolismo muscular. Sarcômero: a unidade funcional do músculo Músculo cardíaco de rato. Músculo esquelético de camundongo

Metabolismo muscular. Sarcômero: a unidade funcional do músculo Músculo cardíaco de rato. Músculo esquelético de camundongo Metabolismo muscular Sarcômero: a unidade funcional do músculo Músculo cardíaco de rato Músculo esquelético de camundongo Tipos de fibras musculares: Músculo liso: este tipo contrai em resposta a impulsos

Leia mais

Tecido Muscular. Prof. a Dr. a Tatiana Montanari Departamento de Ciências Morfológicas ICBS UFRGS

Tecido Muscular. Prof. a Dr. a Tatiana Montanari Departamento de Ciências Morfológicas ICBS UFRGS Tecido Muscular Prof. a Dr. a Tatiana Montanari Departamento de Ciências Morfológicas ICBS UFRGS CARACTERÍSTICAS MÚSCULO ESTRIADO ESQUELÉTICO MÚSCULO ESTRIADO CARDÍACO MÚSCULO LISO EPIMÍSIO, PERIMÍSIO

Leia mais

13/08/2016. Movimento. 1. Receptores sensoriais 2. Engrama motor

13/08/2016. Movimento. 1. Receptores sensoriais 2. Engrama motor Movimento 1. Receptores sensoriais 2. Engrama motor 1 Movimento Componentes Celulares e Funcionamento do Sistema Nervoso 2 O Sistema nervoso desempenha importantes funções, como controlar funções orgânicas

Leia mais

Fisiologia do Sistema Neuromuscular e Exercício Professor Franscisco Navarro

Fisiologia do Sistema Neuromuscular e Exercício Professor Franscisco Navarro Fisiologia do Sistema Neuromuscular e Exercício Fisiologia do Sistema Neuromuscular e Exercício Professor Franscisco Navarro 1 SUMÁRIO O Sistema Nervoso: Uma Visão Geral 3 Funções do Sistema Nervoso 3

Leia mais

TECIDO MUSCULAR (parte 2)

TECIDO MUSCULAR (parte 2) TECIDO MUSCULAR (parte 2) Profª Patrícia Mendes Disciplina: Histologia Geral e Embriologia Curso: Medicina Veterinária www.faculdadevertice.com.br TIPO: MÚSCULO CARDÍACO Músculo Cardíaco Características

Leia mais

A CARNE. Componentes da Carne. Tecido muscular. Tecido Adiposo. Tecido Conjuntivo 22/2/2011

A CARNE. Componentes da Carne. Tecido muscular. Tecido Adiposo. Tecido Conjuntivo 22/2/2011 A CARNE Ana Maria Bridi ambridi@uel.br Professora dodepartamento de Zootecnia da UEL http://www.uel.br/pessoal/ambridi Componentes da Carne Tecido muscular Tecido Adiposo Tecido Conjuntivo 1 Tecido Muscular

Leia mais

O tecido muscular é constituído por fibras musculares. Apresenta contratibilidade.

O tecido muscular é constituído por fibras musculares. Apresenta contratibilidade. O tecido muscular é constituído por fibras musculares. Apresenta contratibilidade. Estriado esquelético Estriado cardíaco Liso Epimísio t.conjuntivo Perimísio septos que separam os feixes Endomísio lâmina

Leia mais

O músculo esquelético

O músculo esquelético Cadeira de Biofísica Molecular Capítulo 2 O músculo esquelético Paula Tavares, FCUL (2012-2013) 1 Os músculos Cerca de 50% da massa corporal são músculos. 40% de músculo esquelético e cerca de 10% de músculo

Leia mais

Tecido Muscular e Tecido Nervoso

Tecido Muscular e Tecido Nervoso Tecido Muscular e Tecido Nervoso Objetivos da aula: os estudantes deverão ser capazes de... descrever a estrutura e função do tecido muscular comparar e distinguir as características de contração e morfologia

Leia mais

Células da Glia Funções das células da Glia

Células da Glia Funções das células da Glia Estrutura e Função do Sistema Nervoso Controle Nervoso do Movimento Células do Sistema Nervoso Células da glia (gliais ou neuróglias) Células neurais (neurônios) 2 Células da Glia Funções das células da

Leia mais

FISIOLOGIA HUMANA. Prof. Vagner Sá UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO

FISIOLOGIA HUMANA. Prof. Vagner Sá UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO FISIOLOGIA HUMANA Prof. Vagner Sá UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO E-mail: savagner@ig.com.br Introdução A fisiologia tenta explicar os fatores físicos e químicos responsáveis pela origem, desenvolvimento e

Leia mais

FISIOLOGIA DA CONTRAÇÃO MUSCULAR DISCIPLINA: FISIOLOGIA I

FISIOLOGIA DA CONTRAÇÃO MUSCULAR DISCIPLINA: FISIOLOGIA I FISIOLOGIA DA CONTRAÇÃO MUSCULAR DISCIPLINA: FISIOLOGIA I PROFESSOR RESPONSÁVEL: FLÁVIA SANTOS Musculatura corporal Músculo Cardíaco Músculo atrial Contração = esquelética Músculo ventricular Maior duração

Leia mais

TECIDO NERVOSO (parte 2)

TECIDO NERVOSO (parte 2) TECIDO NERVOSO (parte 2) Profª Patrícia Mendes Disciplina: Histologia Geral e Embriologia Curso: Medicina Veterinária www.faculdadevertice.com.br Propagação do impulso nervoso A membrana do axônio permite

Leia mais

ESTUDO DO MOVIMENTO M Ó D U L O 2

ESTUDO DO MOVIMENTO M Ó D U L O 2 ESTUDO DO MOVIMENTO 1 M Ó D U L O 2 Sistema muscular Compreende os músculos e órgãos anexos. 2 MÚSCULO É constituído por uma parte carnosa, o VENTRE, e uma parte tendinosa, o TENDÃO. 3 Ventre/Tendão O

Leia mais

Anatomia e funcionamento do aparelho locomotor

Anatomia e funcionamento do aparelho locomotor Anatomia e funcionamento do aparelho locomotor APARELHO LOCOMOTOR SISTEMA ESQUELÉTICO SISTEMA ARTICULAR SISTEMA MUSCULAR PASSIVO UNIÃO ATIVO Funções do esqueleto Sustentação; Proteção; Movimento; Homeostase

Leia mais

CONTROLE MOTOR: DA ATIVIDADE REFLEXA AOS MOVIMENTOS VOLUNTÁRIOS I - MEDULA ESPINAL -

CONTROLE MOTOR: DA ATIVIDADE REFLEXA AOS MOVIMENTOS VOLUNTÁRIOS I - MEDULA ESPINAL - CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOLOGIA HUMANA TURMA 11-2014 CONTROLE MOTOR: DA ATIVIDADE REFLEXA AOS MOVIMENTOS VOLUNTÁRIOS I - MEDULA ESPINAL - PROFª DRª VILMA G. 1. NÍVEL DE CONTROLE LOCAL A MEDULA ESPINAL:

Leia mais

FUNÇÕES VITAIS ANIMAIS. Movimentação e Contração muscular

FUNÇÕES VITAIS ANIMAIS. Movimentação e Contração muscular FUNÇÕES VITAIS ANIMAIS Movimentação e Contração muscular 1. MOVIMENTAÇÃO Inclui locomoção, deslocamento de células e propulsão de alimentos (e líquidos). Gera calor. http://www.fillosdegalicia.com.br http://www.myspace.com

Leia mais

Regulação nervosa e hormonal nos animais

Regulação nervosa e hormonal nos animais HOMEOSTASIA Todos os seres vivos são sistemas abertos As trocas que os organismos estabelecem com o meio conduzem a mudanças constantes nos deus componentes No entanto, os seres vivos possuem mecanismos

Leia mais

CAPÍTULO 6 TECIDO MUSCULAR

CAPÍTULO 6 TECIDO MUSCULAR CAPÍTULO 6 TECIDO MUSCULAR 1 Características Histológicas O tecido muscular é constituído por células alongadas que possuem grande quantidade de filamentos citoplasmáticos com proteínas contráteis. Esse

Leia mais

TECIDO MUSCULAR CARACTERÍSTICAS

TECIDO MUSCULAR CARACTERÍSTICAS TECIDO MUSCULAR CARACTERÍSTICAS O tecido muscular é formado por células alongadas ricas em filamentos (miofibrilas), denominadas fibras musculares. Essas células tem origem mesodérmica e são muito especializadas

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES FÍSICAS A FLEXIBILIDADE

DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES FÍSICAS A FLEXIBILIDADE DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES FÍSICAS A 1. Contributo Para a Definição da Capacidade - Flexibilidade 2. Factores Condicionantes do Desenvolvimento da Flexibilidade 3. Conclusões Metodológicas 1 1. Contributo

Leia mais

Biomecânica do Sistema Muscular MÚSCULO 08/08/2016. MFT 0833 Biomecânica do Movimento Humano

Biomecânica do Sistema Muscular MÚSCULO 08/08/2016. MFT 0833 Biomecânica do Movimento Humano MFT 0833 Biomecânica do Movimento Humano Biomecânica do Sistema Muscular Profa. Dra. Isabel de C. N. Sacco icnsacco@usp.br http://www.fm.usp.br/fofito/fisio/pessoal/isabel MÚSCULO Todo movimento humano

Leia mais

importantíssimo para o funcionamento do corpo humano Origem MESODÉRMICA Presença de miofibrilas contidas no citoplasma

importantíssimo para o funcionamento do corpo humano Origem MESODÉRMICA Presença de miofibrilas contidas no citoplasma Estudado por um ramo da ciência MIOLOGIA Células altamente especializadas importantíssimo para o funcionamento do corpo humano Origem MESODÉRMICA Presença de miofibrilas contidas no citoplasma maior quantidade

Leia mais

POTENCIAL DE MEMBRANA E POTENCIAL DE AÇÃO

POTENCIAL DE MEMBRANA E POTENCIAL DE AÇÃO POTENCIAL DE MEMBRANA E POTENCIAL DE AÇÃO AULA 3 DISCIPLINA: FISIOLOGIA I PROFESSOR RESPONSÁVEL: FLÁVIA SANTOS Potencial de membrana Separação de cargas opostas ao longo da membrana plasmática celular

Leia mais

MÚSCULOS ESTRIADOS ESQUELÉTICOS COMPONENTES ANATÔMICOS VENTRE MUSCULAR FÁSCIA MUSCULAR TENDÕES E APONEUROSES BAINHAS TENDÍNEAS / SINÓVIAIS

MÚSCULOS ESTRIADOS ESQUELÉTICOS COMPONENTES ANATÔMICOS VENTRE MUSCULAR FÁSCIA MUSCULAR TENDÕES E APONEUROSES BAINHAS TENDÍNEAS / SINÓVIAIS MÚSCULOS MIOLOGIA MÚSCULOS ESTRIADOS ESQUELÉTICOS COMPONENTES ANATÔMICOS VENTRE MUSCULAR FÁSCIA MUSCULAR TENDÕES E APONEUROSES BAINHAS TENDÍNEAS / SINÓVIAIS MÚSCULOS ESTRIADOS ESQUELÉTICOS COMPONENTES

Leia mais

Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto A habilidade mais marcante do sistema nervoso baseiam-se nas interações entre os neurônios conectados. O grande número de neurônios e interações entre estas

Leia mais

Roteiro. Contracao muscular e potencial de acao. Musculo cardiaco caracteristicas da contracao do musculo cardiaco

Roteiro. Contracao muscular e potencial de acao. Musculo cardiaco caracteristicas da contracao do musculo cardiaco Roteiro Contracao muscular e potencial de acao Musculo cardiaco caracteristicas da contracao do musculo cardiaco Impulsos eletricos no coracao Sistema nervoso simpatico e parassimpatico e a atividade cardiaca

Leia mais

Características: Células alongadas e grande quantidade de filamentos contráteis; Origem mesodérmica;

Características: Células alongadas e grande quantidade de filamentos contráteis; Origem mesodérmica; Características: Células alongadas e grande quantidade de filamentos contráteis; Origem mesodérmica; Características: Tipos: Músculo estriado esquelético; Músculo estriado cardíaco; Músculo liso; Músculo

Leia mais

FISIOLOGIA HUMANA UNIDADE II: SISTEMA NERVOSO

FISIOLOGIA HUMANA UNIDADE II: SISTEMA NERVOSO FISIOLOGIA HUMANA UNIDADE II: SISTEMA NERVOSO ORGANIZAÇÃO MORFOFUNCIONAL DO SISTEMA NERVOSO CANAIS IÔNICOS E BOMBAS CONDUÇÃO DE IMPULSOS NERVOSOS (SINÁPSES QUÍMICAS E ELÉTRICAS) SISTEMA NERVOSO SIMPÁTICO

Leia mais

05/10/2013. Biomecânica dos Músculos Esquelético O SISTEMA MUSCULOESQUELÉTICO FUNÇÃO DO SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO

05/10/2013. Biomecânica dos Músculos Esquelético O SISTEMA MUSCULOESQUELÉTICO FUNÇÃO DO SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO Biomecânica dos Músculos Esquelético O SISTEMA MUSCULOESQUELÉTICO Propriedades dos músculos: Elasticidade ------------------- Distensão Contratilidade -----------------Contração (Isotônica, Isométrica

Leia mais

Histologia do Tecido Muscular

Histologia do Tecido Muscular Histologia do Tecido Muscular Vera Regina Andrade, 2014 Células ou fibras alongadas possuem proteínas contráteis Com capacidade de contração e distensão, proporcionando os movimentos corporais Três tipos

Leia mais

Motores moleculares. Miosina. Kinesina. Dineína. Usa a actina como substrato. Usa os microtúbulos como substrato.

Motores moleculares. Miosina. Kinesina. Dineína. Usa a actina como substrato. Usa os microtúbulos como substrato. Contração muscular Motores moleculares Miosina Usa a actina como substrato. Kinesina Miosinas II: conrtação muscular Miosinas V: transporte de organelas Usa os microtúbulos como substrato. Dineína Transporte

Leia mais

Aula 8. Reflexos Ajustes Posturais Vias Descendentes

Aula 8. Reflexos Ajustes Posturais Vias Descendentes Aula 8 Reflexos Ajustes Posturais Vias Descendentes FONTES SENSORIAIS PROPRIOCEPTIVAS SISTEMA VISUAL SISTEMA VESTIBULAR SISTEMA SOMATOSENSORIAL INFORMAÇÕES DE ORIGEM MUSCULAR QUE CONTRIBUEM PARA OS MOVIMENTOS

Leia mais

Universidade Federal do Pampa Campus Itaqui Curso de Nutrição Anatomia Humana. Sistema Muscular. Profa. Dra. Silvana Boeira

Universidade Federal do Pampa Campus Itaqui Curso de Nutrição Anatomia Humana. Sistema Muscular. Profa. Dra. Silvana Boeira Universidade Federal do Pampa Campus Itaqui Curso de Nutrição Anatomia Humana Sistema Muscular Profa. Dra. Silvana Boeira Músculos Tecido contrátil capaz de gerar força e movimento contração e relaxamento

Leia mais

CÉLULAS MUSCULAR Fibra Muscular. Membrana celular- SARCOLEMA Citoplasma- SARCOPLASMA REL RETÍCULO SARCOPLASMÁTICO Mitocôndrias- SARCOSSOMAS

CÉLULAS MUSCULAR Fibra Muscular. Membrana celular- SARCOLEMA Citoplasma- SARCOPLASMA REL RETÍCULO SARCOPLASMÁTICO Mitocôndrias- SARCOSSOMAS CÉLULAS MUSCULAR Fibra Muscular Membrana celular- SARCOLEMA Citoplasma- SARCOPLASMA REL RETÍCULO SARCOPLASMÁTICO Mitocôndrias- SARCOSSOMAS Diâmetro fibra muscular: músculo considerado; idade; sexo; estado

Leia mais

SISTEMA NERVOSO FUNÇÕES

SISTEMA NERVOSO FUNÇÕES SISTEMA NERVOSO SISTEMA NERVOSO Sempre vivo com eletricidade, o SN é a principal rede de comunicação e coordenação do corpo. É tão vasta e complexa que numa estimativa reservada, todos os nervos de um

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Animal Sistema Nervoso

Anatomia e Fisiologia Animal Sistema Nervoso O que é o sistema nervoso? Como é constituído? Quais são suas funções? Qual é a sua importância para o organismo? : Anatomia e Fisiologia Animal É uma rede de comunicações Capacitam animal a se ajustar

Leia mais

Fisiologia Humana. Prof. Ms.Sandro de Souza

Fisiologia Humana. Prof. Ms.Sandro de Souza Prof. Ms.Sandro de Souza Existem 3 tipos de Tecido Muscular Liso Forma a parede de diversos órgãos. São constituídos de fibras fusiformes, mas muito mais curtas do que as fibras musculares esqueléticas:

Leia mais

21/03/2016. NEURÓGLIA (Células da Glia) arredondadas, possuem mitose e fazem suporte nutricional aos neurônios.

21/03/2016. NEURÓGLIA (Células da Glia) arredondadas, possuem mitose e fazem suporte nutricional aos neurônios. NEURÓGLIA (Células da Glia) arredondadas, possuem mitose e fazem suporte nutricional aos neurônios. 1 NEURÔNIO responsável pela condução impulso nervoso, possibilitando a execução de ações e promoção da

Leia mais

QUESTÕES DE BIOLOGIA PROFESSORA: MARCIA ARAGÃO. Questões Biologia I

QUESTÕES DE BIOLOGIA PROFESSORA: MARCIA ARAGÃO. Questões Biologia I QUESTÕES DE BIOLOGIA PROFESSORA: MARCIA ARAGÃO Questões Biologia I 1) O tecido nervoso é fundamental para o funcionamento do nosso corpo. Sem ele, não seríamos capazes de responder aos estímulos do meio,

Leia mais

TECIDO MUSCULAR & TECIDO NERVOSO

TECIDO MUSCULAR & TECIDO NERVOSO TECIDO MUSCULAR & TECIDO NERVOSO MÓDULO 3 HISTOLOGIA TECIDO MUSCULAR & TECIDO NERVOSO Apesar de parecerem muito diferentes, o tecido muscular e o tecido nervoso são compostos por células excitáveis que

Leia mais

Sistema muscular Resistência Muscular Localizada Flexibilidade Osteoporose Esteróides Anabolizantes

Sistema muscular Resistência Muscular Localizada Flexibilidade Osteoporose Esteróides Anabolizantes MÚSCULOS, ARTICULAÇÕES, FORÇA, FLEXIBILIDADE E ATIVIDADE FÍSICAF Sistema muscular Resistência Muscular Localizada Flexibilidade Osteoporose Esteróides Anabolizantes APARELHO LOCOMOTOR HUMANO Constituição

Leia mais

Generalidades sobre os Músculos Estriados Esqueléticos

Generalidades sobre os Músculos Estriados Esqueléticos UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Biomédicas Departamento de Anatomia Generalidades sobre os Músculos Estriados Esqueléticos Profa. Elen H. Miyabara elenm@usp.br 1 Tipos de músculo Liso Tipos

Leia mais

Estrutura & Bioquímica do Músculo

Estrutura & Bioquímica do Músculo CTA520 Tecnologia de carnes e derivados Estrutura & Bioquímica do Músculo Prof. Eduardo M. Ramos Prof. Alcinéia L.S. Ramos Laboratório de Tecnologia de Carnes & Derivados Universidade Federal de Lavras

Leia mais

Tecido Nervoso. 1) Introdução

Tecido Nervoso. 1) Introdução 1) Introdução O sistema nervoso é responsável pelo ajustamento do organismo ao ambiente. Sua função é perceber e identificar as condições ambientais externas, bem como as condições reinantes dentro do

Leia mais

4/10/2012 CITOESQUELETO. Citoesqueleto. Rede intrincada de filamentos protéicos que se estendem por todo o citoplasma

4/10/2012 CITOESQUELETO. Citoesqueleto. Rede intrincada de filamentos protéicos que se estendem por todo o citoplasma CITOESQUELETO Citoesqueleto Rede intrincada de filamentos protéicos que se estendem por todo o citoplasma 1 Citoesqueleto Garante a estrutura da célula e de suas organelas; Ajuda a organizar a atividade

Leia mais

Organização do sistema motor

Organização do sistema motor A organizaç organização bá básica do Sistema Motor Organizaç Organização do sistema motor Figura 11.1. Diagrama de blocos descritivo do sistema motor. As cores de cada bloco diferenciam as estruturas efetoras,

Leia mais

Introdução ao estudo de neurofisiologia

Introdução ao estudo de neurofisiologia Introdução ao estudo de neurofisiologia Introdução ao estudo de neurofisiologia Peixe Réptil Ave Boi Humano Por que os cérebros são diferentes entre as espécies? Introdução ao estudo de neurofisiologia

Leia mais

17/05/2017 PAPEL DOS SISTEMAS SENSORIAIS NO CONTROLE MOTOR SOMÁTICO PAPEL DOS SISTEMAS SENSORIAIS NO CONTROLE MOTOR SOMÁTICO

17/05/2017 PAPEL DOS SISTEMAS SENSORIAIS NO CONTROLE MOTOR SOMÁTICO PAPEL DOS SISTEMAS SENSORIAIS NO CONTROLE MOTOR SOMÁTICO PAPEL DOS SISTEMAS SENSORIAIS NO CONTROLE MOTOR SOMÁTICO Desencadear movimentos reflexos Regular movimentos em execução Facilitar a alternância de movimentos Coordenar a atividade de músculos individuais

Leia mais

FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO

FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO Controle do funcionamento do ser humano através de impulsos elétricos Prof. César Lima 1 Sistema Nervoso Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Perceber e

Leia mais