AULA 14. Espécies de Intervenção de terceiro no novo CPC. d) Incidente de desconsideração da personalidade jurídica

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AULA 14. Espécies de Intervenção de terceiro no novo CPC. d) Incidente de desconsideração da personalidade jurídica"

Transcrição

1 Turma e Ano: Master A (2015) 11/05/2015 Matéria / Aula: Direito Processual Civil / Aula 14 Professor: Edward Carlyle Silva Monitor: Alexandre Paiol AULA 14 CONTEÚDO DA AULA: denunciação da lide a) Assistência b) Denunciação da lide Espécies de Intervenção de terceiro no novo CPC c) chamamento ao processo d) Incidente de desconsideração da personalidade jurídica e) Amicus Curiae obs1: A oposição não é mais espécie de intervenção de terceiro. Ela passou a ser procedimento especial e está no art. 682 e seguintes do NCPC 6) DENUNCIAÇÃO DA LIDE (art. 50 a 55 CPC e art. 119 a 123 NCPC) O NCPC para melhorar as dúvidas o legislador tentou facilitar a redação dos dispositivos, dessa forma houve algumas alterações. 6.1 Conceitos É uma ação de regresso ajuizada por alguma das partes da demanda principal em face de um terceiro contra o qual eles possuam uma pretensão de reembolso dentro do mesmo processo, caso venham a sucumbir na demanda principal Denunciação da lide é uma espécie de intervenção de terceiros que se caracteriza por ser uma ação regressiva proposta pelo autor ou pelo réu da demanda principal, dentro do mesmo processo, contra um terceiro, que recebe o nome de denunciado, em face do qual ele possua pretensão indenizatória (reembolso) caso venha a sucumbir na demanda principal.

2 6.2 Natureza Jurídica É pacífico o entendimento de que a natureza jurídica da denunciação da lide é de ação ação regressiva condenatória incidental: Regressiva é manejada contra terceiro perante o qual se tem uma pretensão de reembolso; Condenatória objetivo efetivamente é condenar o terceiro; Incidental ajuizada dentro de um processo já em curso. 6.3 As Finalidades de Denunciação da Lide. Exercer uma pretensão indenizatória. O denunciante quer uma indenização pelo fato de poder vir a sucumbir na demanda principal, razão pela qual, ainda em trâmite, ajuíza uma demanda incidental para garantir que, no caso de sair derrotado na demanda principal, possa no mesmo processo ser indenizado pelos eventuais prejuízos dessa derrota.. Trazer para o processo principal alguém que auxilie o denunciante. Nos termos do arts. 74 e 75 do CPC ou 127 e 128 NCPC, o terceiro denunciado passa a ser litisconsorte do denunciante. Há divergência doutrinária e jurisprudencial a esse respeito Art. 74. Feita a denunciação pelo autor, o denunciado, comparecendo, assumirá a posição de litisconsorte do denunciante e poderá aditar a petição inicial, procedendose em seguida à citação do réu. Art. 75. Feita a denunciação pelo réu: I - se o denunciado a aceitar e contestar o pedido, o processo prosseguirá entre o autor, de um lado, e de outro, como litisconsortes, o denunciante e o denunciado; II - se o denunciado for revel, ou comparecer apenas para negar a qualidade que Ihe foi atribuída, cumprirá ao denunciante prosseguir na defesa até final; III - se o denunciado confessar os fatos alegados pelo autor, poderá o denunciante prosseguir na defesa. Art Feita a denunciação pelo autor, o denunciado poderá assumir a posição de litisconsorte do denunciante

3 e acrescentar novos argumentos à petição inicial, procedendo-se em seguida à citação do réu. Art Feita a denunciação pelo réu: I - se o denunciado contestar o pedido formulado pelo autor, o processo prosseguirá tendo, na ação principal, em litisconsórcio, denunciante e denunciado; II - se o denunciado for revel, o denunciante pode deixar de prosseguir com sua defesa, eventualmente oferecida, e abster-se de recorrer, restringindo sua atuação à ação regressiva; III - se o denunciado confessar os fatos alegados pelo autor na ação principal, o denunciante poderá prosseguir com sua defesa ou, aderindo a tal reconhecimento, pedir apenas a procedência da ação de regresso. Parágrafo único. Procedente o pedido da ação principal, pode o autor, se for o caso, requerer o cumprimento da sentença também contra o denunciado, nos limites da condenação deste na ação regressiva. 6.4 Hipóteses de Cabimento da denunciação da Lide No código de 1973 está no art. 70 CPC e no NCPC fica no art. 175 NCPC Da Denunciação da Lide Art. 70. A denunciação da lide é obrigatória: I - ao alienante, na ação em que terceiro reivindica a coisa, cujo domínio foi transferido à parte, a fim de que esta possa exercer o direito que da evicção Ihe resulta; II - ao proprietário ou ao possuidor indireto quando, por força de obrigação ou direito, em casos como o do usufrutuário, do credor pignoratício, do locatário, o réu, citado em nome próprio, exerça a posse direta da coisa demandada; III - àquele que estiver obrigado, pela lei ou pelo contrato, a indenizar, em ação regressiva, o prejuízo do que perder a demanda. Aqui tinha uma grande discussão sobre a obrigatoriedade em todos os casos

4 A denunciação da lide é obrigatória? 1ª Corrente Clássica (Moacyr Amaral Santos, Marcos Afonso Borges) - É obrigatória nos três incisos do art. 70. CPC, sob pena da perda do direito de regresso. 2ª Corrente. José Rubens Tostes, Fredie Didier - É facultativa nos três incisos, pois é inadmissível que a falta de realização de um ato processual acarrete a perda do direito material. O direito de regresso poderá ser exercido em ação autônoma. Portanto, a obrigatoriedade, na verdade, seria um ônus processual, que uma vez não realizado, acarretaria na perda da possibilidade de discutir o direito de reembolso juntamente com a demanda principal, 3ª Corrente. Athos Gusmão Carneiro, Aroldo Plínio Gonçalves (MG) é necessário distinguir garantia própria (formal) de garantia imprópria (simples). Esta corrente é muito difundida em provas de alguns concursos! Garantia Própria ou Formal - é aquela oriunda da transmissão de um direito, gerando para aquele que transmitiu o dever de garantir a regularidade dessa transmissão (evicção). De acordo com essa corrente, os casos de evicção compreendem as hipóteses dos incisos I, II e alguns casos do III do art. 70 CPC. Nestes casos, a denunciação da lide seria obrigatória, sob pena da perda do direito de regresso Garantia Imprópria ou Simples é aquela oriunda de qualquer outro caso de responsabilidade civil, abrangendo os outros casos do inciso III. Se não exercida, caberá ação autônoma para buscar o direito de regresso. 4ª Corrente: Jurisprudência e Doutrina (Barbosa Moreira, Dinamarco, Humberto Theodoro) A denunciação da lide nos casos de evicção é obrigatória, sob pena de perda do direito de regresso (art. 456 CC). Porém, somente o inciso I do art. 70 é hipótese de evicção. Nos casos dos incisos II e III do art. 70 do CPC, a denunciação é facultativa, ou seja, não sendo exercida a denunciação da lide, a pretensão indenizatória poderá ser exigida através de ação autônoma.

5 Posição dominante a denunciação da lide é obrigatória apenas no inciso I. As demais hipóteses previstas nos incisos II e III não são casos de evicção, sendo a denunciação da lide apenas facultativa, admitindo-se ação autônoma para exigir o direito de reembolso. Da Denunciação da Lide - NCPC Art É admissível a denunciação da lide, promovida por qualquer das partes: I - ao alienante imediato, no processo relativo à coisa cujo domínio foi transferido ao denunciante, a fim de que possa exercer os direitos que da evicção lhe resultam; II - àquele que estiver obrigado, por lei ou pelo contrato, a indenizar, em ação regressiva, o prejuízo de quem for vencido no processo. 1 o O direito regressivo será exercido por ação autônoma quando a denunciação da lide for indeferida, deixar de ser promovida ou não for permitida. Deixar de ser promovida diz que não é mais obrigatória em qualquer hipótese 2 o Admite-se uma única denunciação sucessiva, promovida pelo denunciado, contra seu antecessor imediato na cadeia dominial ou quem seja responsável por indenizá-lo, não podendo o denunciado sucessivo promover nova denunciação, hipótese em que eventual direito de regresso será exercido por ação autônoma. Agora no novo código a denunciação é tratada após art. 125 (não diz que é obrigatória ou facultativa) 6.5 Momento para a Ocorrência da Denunciação da Lide CPC/73 Art. 71. A citação do denunciado será requerida, juntamente com a do réu, se o denunciante for o autor; e, no prazo para contestar, se o denunciante for o réu. NCPC Art A citação do denunciado será requerida na petição inicial, se o denunciante for autor, ou na contestação, se o denunciante for réu, devendo ser realizada na forma e nos prazos previstos no art Art A citação daqueles que devam figurar em litisconsórcio passivo será requerida pelo réu na

6 contestação e deve ser promovida no prazo de 30 (trinta) dias, sob pena de ficar sem efeito o chamamento. Denunciação pelo autor na petição inicial uma petição contra o réu original e outra contra o denunciado. Em tese, seria possível ambos os pedidos na mesma petição, desde que muito bem delineados os pedidos em relação a cada um (melhor seriam as petições em separado). Denunciação pelo réu no prazo para resposta. (contestação) O momento correto para o oferecimento da denunciação da lide é na petição inicial, quando proposta pelo autor, ou na contestação, quando proposta pelo réu. Porém, se a pretensão de reembolso surgir posteriormente (geralmente após a réplica, ação declaratória incidental ou reconvenção), a denunciação deverá ser proposta no prazo de 15 dias após o fato que deu ensejo ao surgimento da pretensão de reembolso. 6.6 Natureza da Participação de um Denunciado no Processo Principal. Novo código de Processo civil Art Feita a denunciação pelo autor, o denunciado poderá assumir a posição de litisconsorte do denunciante e acrescentar novos argumentos à petição inicial, procedendo-se em seguida à citação do réu. CPC 1973 Art. 74. Feita a denunciação pelo autor, o denunciado, comparecendo, assumirá a posição de litisconsorte do denunciante e poderá aditar a petição inicial, procedendo-se em seguida à citação do réu. Art Feita a denunciação pelo réu: I - se o denunciado contestar o pedido formulado pelo autor, o processo prosseguirá tendo, na ação principal, em litisconsórcio, denunciante e denunciado; II - se o denunciado for revel, o denunciante pode deixar de prosseguir com sua defesa, eventualmente oferecida, e abster-se de recorrer, restringindo sua atuação à ação regressiva;

7 III - se o denunciado confessar os fatos alegados pelo autor na ação principal, o denunciante poderá prosseguir com sua defesa ou, aderindo a tal reconhecimento, pedir apenas a procedência da ação de regresso. Parágrafo único. Procedente o pedido da ação principal, pode o autor, se for o caso, requerer o cumprimento da sentença também contra o denunciado, nos limites da condenação deste na ação regressiva. 6.7 A Sentença na Denunciação da Lide A sentença na denunciação da lide é tecnicamente chamada de sentença objetivamente complexa, pois apesar de formalmente ser una, materialmente será complexa, pois decidirá duas relações jurídicas de direito material ação principal + denunciação da lide. Em primeiro lugar é julgada a ação principal. A sentença da demanda principal é prejudicial em relação à denunciação da lide. Para o denunciante ter direito de regresso em relação ao denunciado é necessário que ele sucumba na ação principal. Art. 129 NCPC. Se o denunciante for vencido na ação principal, o juiz passará ao julgamento da denunciação da lide. Parágrafo único. Se o denunciante for vencedor, a ação de denunciação não terá o seu pedido examinado, sem prejuízo da condenação do denunciante ao pagamento das verbas de sucumbência em favor do denunciado. Art. 76. CPC/73 A sentença, que julgar procedente a ação, declarará, conforme o caso, o direito do evicto, ou a responsabilidade por perdas e danos, valendo como título executivo. Improcedência do pedido da ação principal denunciação da lide (conteúdo da decisão): 1) Extinção do processo sem resolução do mérito por falta de interesse de agir superveniente (art. 267, VI CPC)

8 2) Improcedência do Pedido (exame de mérito) Teoria da Asserção. Na prática, o mais comum é a extinção do processo sem resolução do mérito, porém isso pode gerar alguns problemas em relação aos recursos. É possível julgamento da denunciação da lide sem o julgamento da ação principal? Não, a ação principal sempre deverá ser julgada em primeiro lugar. Já o inverso - julgamento da causa principal sem julgamento da denunciação da lide - é possível, sendo hipótese de embargos de declaração por omissão. Caso os embargos de declaração não sejam providos ou interpostos, caberá apelação com base em error in procedendo. Fim da aula 14

ASPECTOS IMPORTANTES SOBRE A MODALIDADE DE INTERVENÇÃO DE TERCEIROS: DENUNCIAÇÃO DA LIDE

ASPECTOS IMPORTANTES SOBRE A MODALIDADE DE INTERVENÇÃO DE TERCEIROS: DENUNCIAÇÃO DA LIDE II ANAIS DO CURSO DE EXTENSÃO EM TEORIA DO DIREITO: A Tríplice perspectiva do Direito e a relação teórica, prática e ética. Cáceres: Unemat Editora, Vol.1. n. 01 (2013). ISSN 2317-3478 ASPECTOS IMPORTANTES

Leia mais

1) (OAB137) José alienou a Antônio um veículo anteriormente adquirido de Francisco. Logo depois, Antônio foi citado em ação proposta por Petrônio, na

1) (OAB137) José alienou a Antônio um veículo anteriormente adquirido de Francisco. Logo depois, Antônio foi citado em ação proposta por Petrônio, na 1) (OAB137) José alienou a Antônio um veículo anteriormente adquirido de Francisco. Logo depois, Antônio foi citado em ação proposta por Petrônio, na qual este reivindicava a propriedade do veículo adquirido

Leia mais

Na prática, não há distinção entre objeção substancial e processual.

Na prática, não há distinção entre objeção substancial e processual. Turma e Ano: Direito Público I (2013) Matéria / Aula: Processo Civil / Aula 22 Professor: Edward Carlyle Monitora: Carolina Meireles (continuação) Exceções No Direito Romano, exceção era no sentido amplo

Leia mais

A DENUNCIAÇÃO DA LIDE NA EVICÇÃO RESUMO

A DENUNCIAÇÃO DA LIDE NA EVICÇÃO RESUMO 1 A DENUNCIAÇÃO DA LIDE NA EVICÇÃO Isabella Bogéa de Assis 1 Sumário: Introdução; 1 Denunciação da lide; 2 A evicção e sua garantia processual; 3 A denunciação da lide é obrigatória na evicção?; 3.1 Análise

Leia mais

INTERVENÇÃO DE TERCEIROS

INTERVENÇÃO DE TERCEIROS 1 INTERVENÇÃO DE TERCEIROS Trata-se de roteiro de um importantíssimo capítulo da disciplina Direito Processual Civil Processo de Conhecimento de modo a auxiliar os discentes na compreensão da matéria.

Leia mais

Denunciação da Lide. Genésio Luís de Menezes Cibillo

Denunciação da Lide. Genésio Luís de Menezes Cibillo 1 Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro Denunciação da Lide Genésio Luís de Menezes Cibillo Rio de Janeiro 2013 2 GENÉSIO LUIS DE MENEZES CIBILLO Denunciação da Lide Projeto de pesquisa apresentado

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Direito Teoria Geral do Processo II 1.2013

Universidade de Brasília Faculdade de Direito Teoria Geral do Processo II 1.2013 Universidade de Brasília Faculdade de Direito Teoria Geral do Processo II 1.2013 Trabalho 1 Denunciação à Lide das Pessoas Jurídicas de Direito Público Prof. Vallisney de Souza Oliveira Fernando Lagares

Leia mais

DA ASSISTÊNCIA INTERVENÇÃO DE TERCEIROS. Des. ANA MARIA DUARTE AMARANTE BRITO

DA ASSISTÊNCIA INTERVENÇÃO DE TERCEIROS. Des. ANA MARIA DUARTE AMARANTE BRITO DA ASSISTÊNCIA INTERVENÇÃO DE TERCEIROS Des. ANA MARIA DUARTE AMARANTE BRITO Intervenção de Terceiros CLASSIFICAÇÃO: Quanto à finalidade: ad coadjuvandum ( assistência, denunciação da lide e chamamento

Leia mais

REVISTA SABER ELETRÔNICO Ano 1 Vol. 1 Nov / Jun 2010 ISSN 2176-5588

REVISTA SABER ELETRÔNICO Ano 1 Vol. 1 Nov / Jun 2010 ISSN 2176-5588 A INTERVENÇÃO DE TERCEIRO NA AÇÃO CIVIL PÚBLICA Daniel Cervantes Angulo Vilarinho 1, Resumo: Pretendemos com este trabalho após um breve relato acerca da intervenção de terceiros nas ações coletivas, discutir

Leia mais

(continuação) Moderna (Didier): questões de admissibilidade ao julgamento do mérito e questões de mérito.

(continuação) Moderna (Didier): questões de admissibilidade ao julgamento do mérito e questões de mérito. Turma e Ano: Direito Público I (2013) Matéria / Aula: Processo Civil / Aula 23 Professor: Edward Carlyle Monitora: Carolina Meireles (continuação) Objeto da Cognição (conhecimento do juiz) Teoria tradicional:

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE DENUNCIAÇÃO DA LIDE PER SALTUM Por: Jaqueline Marques Dreyfuss Orientador José Roberto Borges Rio de Janeiro 2010 2 UNIVERSIDADE

Leia mais

PROCEDIMENTO. Classificação do procedimento Comum: rito ordinário e rito sumário Especial: de jurisdição contenciosa e de jurisdição voluntária

PROCEDIMENTO. Classificação do procedimento Comum: rito ordinário e rito sumário Especial: de jurisdição contenciosa e de jurisdição voluntária Turma e Ano: Direito Público I (2013) Matéria / Aula: Processo Civil / Aula 20 Professor: Edward Carlyle Monitora: Carolina Meireles PROCEDIMENTO Conceito Corrente clássica: é uma forma material com que

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ ARTHUR WILLE REMPEL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ ARTHUR WILLE REMPEL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ ARTHUR WILLE REMPEL DENUNCIAÇÃO DA LIDE: HIPÓTESES PREVISTAS NO ART. 70, III DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL, A DENUNCIAÇÃO DA LIDE POSSIBILITADA POR PREVISÃO CONTRATUAL OU LEGAL

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CAMPUS 1 CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO RENATO DOS ANJOS GUERRA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CAMPUS 1 CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO RENATO DOS ANJOS GUERRA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CAMPUS 1 CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO RENATO DOS ANJOS GUERRA A INTERVENÇÃO DE TERCEIROS NO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL E AS SUAS

Leia mais

Ações Possessórias. Grace Mussalem Calil 1 INTRODUÇÃO

Ações Possessórias. Grace Mussalem Calil 1 INTRODUÇÃO Ações Possessórias 131 INTRODUÇÃO Conceito: Grace Mussalem Calil 1 Há duas principais teorias sobre a posse: a Subjetiva de Savigny e a Objetiva de Ihering. Para Savigny, a posse é o poder físico sobre

Leia mais

UMA CRÍTICA À TEORIA DAS CONDIÇÕES DA AÇÃO: A possibilidade jurídica do pedido como questão de mérito

UMA CRÍTICA À TEORIA DAS CONDIÇÕES DA AÇÃO: A possibilidade jurídica do pedido como questão de mérito 563 UMA CRÍTICA À TEORIA DAS CONDIÇÕES DA AÇÃO: A possibilidade jurídica do pedido como questão de mérito Rafael Arouca Rosa (UNESP) Introdução Dentre as mudanças propostas no anteprojeto do novo Código

Leia mais

2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2. Prof. Darlan Barroso - GABARITO

2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2. Prof. Darlan Barroso - GABARITO Citação 2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2 Prof. Darlan Barroso - GABARITO 1) Quais as diferenças na elaboração da petição inicial do rito sumário e do rito ordinário? Ordinário Réu

Leia mais

A DENUNCIAÇÃO DA LIDE E O ART. 456 DO NOVO CÓDIGO CIVIL 1

A DENUNCIAÇÃO DA LIDE E O ART. 456 DO NOVO CÓDIGO CIVIL 1 A DENUNCIAÇÃO DA LIDE E O ART. 456 DO NOVO CÓDIGO CIVIL 1 Cassio Scarpinella Bueno Mestre, Doutor e Livre-Docente pela PUCSP; Professor de Direito Processual Civil (graduação, especialização, mestrado

Leia mais

:João Batista Barbosa - Juiz Convocado. Apelante :Unibanco AIG Seguros S/A (Adv. Vanessa Cristina de Morais Ribeiro e outros).

:João Batista Barbosa - Juiz Convocado. Apelante :Unibanco AIG Seguros S/A (Adv. Vanessa Cristina de Morais Ribeiro e outros). APELAÇÃO CÍVEL N 200.2008.032.045-61 001. Relator :João Batista Barbosa - Juiz Convocado. Apelante :Unibanco AIG Seguros S/A (Adv. Vanessa Cristina de Morais Ribeiro e outros). Apelado :Evaldo de Lima

Leia mais

AÇÕES POSSESSÓRIAS E LOCATÍCIAS PROF. ANDRE ROQUE

AÇÕES POSSESSÓRIAS E LOCATÍCIAS PROF. ANDRE ROQUE AÇÕES POSSESSÓRIAS E LOCATÍCIAS PROF. ANDRE ROQUE VITÓRIA 4.9.2015 PARTE I AÇÕES POSSESSÓRIAS POSSE ASPECTOS DE DIREITO MATERIAL Conceito: Teoria subjetiva de Savigny (animus domini) Teoria objetiva de

Leia mais

Curso Preparatório para o Concurso Público do TRT 12. Noções de Direito Processual Civil Aula 1 Prof. Esp Daniel Teske Corrêa

Curso Preparatório para o Concurso Público do TRT 12. Noções de Direito Processual Civil Aula 1 Prof. Esp Daniel Teske Corrêa Curso Preparatório para o Concurso Público do TRT 12 Noções de Direito Processual Civil Aula 1 Prof. Esp Daniel Teske Corrêa Sumário Jurisdição Competência Ação Partes, Ministério Público e Intervenção

Leia mais

A propositura da ação vincula apenas o autor e o juiz, pois somente com a citação é que o réu passa a integrar a relação jurídica processual.

A propositura da ação vincula apenas o autor e o juiz, pois somente com a citação é que o réu passa a integrar a relação jurídica processual. PROCESSO FORMAÇÃO, SUSPENSÃO E EXTINÇÃO DO FORMAÇÃO DO PROCESSO- ocorre com a propositura da ação. Se houver uma só vara, considera-se proposta a ação quando o juiz despacha a petição inicial; se houver

Leia mais

AGRAVO DE INSTRUMENTO: Conceito: é o recurso adequado para a impugnação das decisões que denegarem seguimento a outro recurso.

AGRAVO DE INSTRUMENTO: Conceito: é o recurso adequado para a impugnação das decisões que denegarem seguimento a outro recurso. AGRAVO DE INSTRUMENTO: Conceito: é o recurso adequado para a impugnação das decisões que denegarem seguimento a outro recurso. Por que se diz instrumento: a razão pela qual o recurso se chama agravo de

Leia mais

Prática Cível 2ª Fase da OAB Ação Monitória AÇÃO MONITÓRIA

Prática Cível 2ª Fase da OAB Ação Monitória AÇÃO MONITÓRIA AÇÃO MONITÓRIA A está regulada nos artigos 1102-A a 1102-C, CPC. Eles são fruto da Lei 9.079/95. Essa ação é um grande exemplo de sincretismo processual em nosso ordenamento. é processo sincrético que

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DE PROCEDIMENTOS PARA OS CÁLCULOS NA JUSTIÇA FEDERAL

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DE PROCEDIMENTOS PARA OS CÁLCULOS NA JUSTIÇA FEDERAL MANUAL DE ORIENTAÇÃO DE PROCEDIMENTOS PARA OS CÁLCULOS NA JUSTIÇA FEDERAL SUMÁRIO Apresentação...7 CAPÍTULO I CUSTAS PROCESSUAIS...8 1 Diretrizes gerais...8 1.1 Normatização...8 1.2 Arrecadação... 1.3

Leia mais

A Tutela Provisória no Novo Código de Processo Civil SUMÁRIO

A Tutela Provisória no Novo Código de Processo Civil SUMÁRIO A Tutela Provisória no Novo Código de Processo Civil SUMÁRIO PARTE 1 A TUTELA PROVISÓRIA PREVISTA NO NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL A PARTIR DE UMA PERSPECTIVA CRÍTICA... 23 CAPÍTULO I TEORIA GERAL DA TUTELA

Leia mais

Espelho Civil Peça Item Pontuação Fatos fundamentos jurídicos Fundamentos legais

Espelho Civil Peça Item Pontuação Fatos fundamentos jurídicos Fundamentos legais Espelho Civil Peça A peça cabível é PETIÇÃO INICIAL DE ALIMENTOS com pedido de fixação initio litis de ALIMENTOS PROVISÓRIOS. A fonte legal a ser utilizada é a Lei 5.478/68. A competência será o domicílio

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete do Desembargador Federal Ivan Lira de Carvalho (convocado)

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete do Desembargador Federal Ivan Lira de Carvalho (convocado) AC569865-PE Nº 569865-PE (0000642-88.2012.4.05.8305) APTE : IBAMA - INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS REPTE : PROCURADORIA REGIONAL FEDERAL - 5ª REGIÃO APDO : MUNICÍPIO

Leia mais

22/10/2015 https://pje.tjdft.jus.br/pje/consultapublica/detalheprocessoconsultapublica/documentosemloginhtml.seam?ca=e7a42b30ee6f6d0ff5bb5ab6f2d34

22/10/2015 https://pje.tjdft.jus.br/pje/consultapublica/detalheprocessoconsultapublica/documentosemloginhtml.seam?ca=e7a42b30ee6f6d0ff5bb5ab6f2d34 Poder Judiciário da União TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS 2JEFAZPUB 2º Juizado Especial da Fazenda Pública do DF Número do processo: 0706261 95.2015.8.07.0016 Classe judicial:

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça EDcl no RECURSO ESPECIAL Nº 1.119.300 - RS (2009/0013327-2) RELATOR : MINISTRO LUIS FELIPE SALOMÃO EMBARGANTE : LUIZ CARLOS CASSIANO RODRIGUES (ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA) : PAULA CAMUNELLO SOARES EMBARGADO

Leia mais

AUTOR : ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL/OAB SEÇÃO DE PE E OUTRO. Objetos: 01.04.08.07 Telefonia Concessão/Permissão/Autorização Serviços Administrativo

AUTOR : ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL/OAB SEÇÃO DE PE E OUTRO. Objetos: 01.04.08.07 Telefonia Concessão/Permissão/Autorização Serviços Administrativo 0019828 49.2011.4.05.8300 Classe: 1 AÇÃO CIVIL PÚBLICA AUTOR : ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL/OAB SEÇÃO DE PE E OUTRO ADVOGADO: PAULO HENRIQUE LIMEIRA GORDIANO RÉU: TIM NORDESTE TELECOMUNICACOES S.A. E

Leia mais

PROVA PRÁTICA DE SENTENÇA CÍVEL

PROVA PRÁTICA DE SENTENÇA CÍVEL Poder Judiciário da Ufiilo TJDFT TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL EDOS TERRITÓRIOS SEGUNDA PROVA ESCRITA DISCURSIVA CADERNO DE RELATÓRIO E DOCUMENTOS REFERENTES À PROVA PRÁTICA DE SENTENÇA CÍVEL

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Norberto da Silva, pessoa desprovida de qualquer bem material, adquiriu de terceiro, há nove anos e meio, posse de terreno medindo 240m² em área urbana, onde construiu

Leia mais

OPOSIÇÃO COMO MODALIDADE DE INTERVENÇÃO DE TERCEIRO

OPOSIÇÃO COMO MODALIDADE DE INTERVENÇÃO DE TERCEIRO UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES INSTITUTO A VEZ DO MESTRE OPOSIÇÃO COMO MODALIDADE DE INTERVENÇÃO DE TERCEIRO FREDERICO ANTUNES BRENAND ONGARATTO RIO DE JANEIRO 2009 1 UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES INSTITUTO

Leia mais

SUMÁRIO LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS... 19 PARTE I QUESTÕES PRELIMINARES CAPÍTULO I FORMAÇÃO DO TÍTULO EXECUTIVO... 25

SUMÁRIO LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS... 19 PARTE I QUESTÕES PRELIMINARES CAPÍTULO I FORMAÇÃO DO TÍTULO EXECUTIVO... 25 SUMÁRIO LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS... 19 APRESENTAÇÃO... 21 PARTE I QUESTÕES PRELIMINARES CAPÍTULO I FORMAÇÃO DO TÍTULO EXECUTIVO... 25 Introdução...25 1. Título executivo que instrui a execução fiscal...26

Leia mais

Caderno de apoio Master MASTER /// JURIS

Caderno de apoio Master MASTER /// JURIS Turma e Ano: Flex B ( 2014 ) Matéria/Aula : Direito Empresarial - Títulos de crédito em espécie e falência / aula 07 Professor: Wagner Moreira. Conteúdo: Ações Cambiais / Monitoria / Cédulas e Notas de

Leia mais

Art. 22 NCPC. Compete, ainda, à autoridade judiciária brasileira processar e julgar as ações:

Art. 22 NCPC. Compete, ainda, à autoridade judiciária brasileira processar e julgar as ações: 1. Jurisdição internacional concorrente Art. 22 NCPC. Compete, ainda, à autoridade judiciária brasileira processar e julgar as ações: I de alimentos, quando: a) o credor tiver domicílio ou residência no

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Cabe reconvenção em ação de despejo por falta de pagamento? Ceres Linck dos Santos* A ação de despejo é uma ação manejada pelo locador [01] contra o locatário que tem por objeto

Leia mais

RESUMO DE AULA. Querela nullitatis (sentença contra revel, proferida em processo sem citação ou com citação nula).

RESUMO DE AULA. Querela nullitatis (sentença contra revel, proferida em processo sem citação ou com citação nula). A coisa julgada pode ser revista por: RESUMO DE AULA o o o Erro material (a qualquer tempo); Ação Rescisória; Querela nullitatis (sentença contra revel, proferida em processo sem citação ou com citação

Leia mais

substituição ao Des. José Di Lorenzo Serpa.

substituição ao Des. José Di Lorenzo Serpa. ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa APELAÇÃO CÍVEL N. 040.2008.000891-1/001. Relator: Marcos William de Oliveira, Juiz Convocado em substituição ao Des. José Di

Leia mais

1.2. NOÇÕES SEGUNDO O DIREITO MATERIAL: 1.3. NOÇÕES SEGUNDO O DIREITO PROCESSUAL ART. 946.

1.2. NOÇÕES SEGUNDO O DIREITO MATERIAL: 1.3. NOÇÕES SEGUNDO O DIREITO PROCESSUAL ART. 946. 1 DIREITO PROCESSUAL CIVIL - Professora Mestre Afifi Habib Cury ROTEIRO -Arts 946 a 981, do CPC. AÇÃO DE DEMARCAÇÃO E DIVISÃO DE TERRAS PARTICULARES 1. INTRODUÇÃO. 1.1. SEDE. Arts 946 a 981, do CPC. 1.2.

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL IX EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL IX EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Moema, brasileira, solteira, natural e residente em Fortaleza, no Ceará, maior e capaz, conheceu Tomás, brasileiro, solteiro, natural do Rio de Janeiro, também maior

Leia mais

VOCABULÁRIO JURÍDICO

VOCABULÁRIO JURÍDICO VOCABULÁRIO JURÍDICO PETIÇÃO INICIAL Primeiro ato processual em que o autor irá pleitear em Juízo o seu pretenso direito. CONTESTAÇÃO Resposta do réu ao pedido elaborado pelo autor na petição inicial.

Leia mais

CURSO DE PROCESSO CIVIL

CURSO DE PROCESSO CIVIL CURSO DE PROCESSO CIVIL EMENTA: 1) Sucessão e Substituição Processual. 2) Litisconsórcio. 3) Intervenção de Terceiros. Assistência. Oposição. Nomeação à Autoria. Denunciação da lide. Chamamento ao processo.

Leia mais

XV Exame de Ordem 2ª Fase OAB Civil - ProfessorAoVivo Qual a peça Juquinha? Prof. Darlan Barroso

XV Exame de Ordem 2ª Fase OAB Civil - ProfessorAoVivo Qual a peça Juquinha? Prof. Darlan Barroso XV Exame de Ordem 2ª Fase OAB Civil - ProfessorAoVivo Qual a peça Juquinha? Prof. Darlan Barroso 2ª Fase OAB - Civil Juquinha Junior, representado por sua genitora Ana, propôs ação de investigação de paternidade

Leia mais

Trabalho 5 PROCEDIMENTO PARA CUMPRIMENTO. DA SENTENÇA CIVIL (art. 475, CPC) BRASÍLIA

Trabalho 5 PROCEDIMENTO PARA CUMPRIMENTO. DA SENTENÇA CIVIL (art. 475, CPC) BRASÍLIA Universidade de Brasília Faculdade de Direito Teoria Geral do Processo II Professor: Vallisney de Souza Oliveira Aluno: Paulo Wanderson Moreira Martins Matrícula: 12/0062372 Trabalho 5 PROCEDIMENTO PARA

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL V EXAME UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA PROVA DO DIA 4/12/2011 DIREITO CIVIL

CONSELHO FEDERAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL V EXAME UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA PROVA DO DIA 4/12/2011 DIREITO CIVIL DIREITO CIVIL PEÇA PRÁTICO-PROFISSIONAL Trata-se da hipótese em que o(a) examinando(a) deverá se valer de medidas de urgência, sendo cabíveis cautelares preparatórias, com pedido de concessão de medida

Leia mais

MI 9* ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gab. Des. Genésio Gomes Pereira Filho

MI 9* ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gab. Des. Genésio Gomes Pereira Filho - 1 ei, MI 9* ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gab. Des. Genésio Gomes Pereira Filho AGRAVO DE INSTRUMENTO n 001.2007.029014-1 / 001 RELATOR : Des. Genésio Gomes Pereira Filho AGRAVANTE

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Mario e Henrique celebraram contrato de compra e venda, tendo por objeto uma máquina de cortar grama, ficando ajustado o preço de R$ 1.000,00 e definido o foro da

Leia mais

Felipe Cunha de Almeida INTRODUÇÃO

Felipe Cunha de Almeida INTRODUÇÃO A EVICÇÃO SOBRE BEM ADQUIRIDO EM HASTA PÚBLICA E O POSICIONAMENTO DOUTRINÁRIO E JURISPRUDENCIAL ACERCA DA (DES)NECESSIDADE SOBRE DENUNCIAÇÃO DA LIDE AOS ALIENANTES IMEDIATOS E/OU SUCESSÓRIOS Felipe Cunha

Leia mais

RELATÓRIO DE PROCESSOS SINDGESTOR Outubro/2012 DADOS RELATIVO AO PROCESSO NOME DAS PARTES. Réu: Estado de Goiás

RELATÓRIO DE PROCESSOS SINDGESTOR Outubro/2012 DADOS RELATIVO AO PROCESSO NOME DAS PARTES. Réu: Estado de Goiás RELATÓRIO DE PROCESSOS SINDGESTOR Outubro/2012 I Ação de cobrança data-base 2005 6,13% Processo nº: 200803416878 Vara: 1ª Vara da Fazenda Pública Estadual Natureza: Cominatória Autor: AGGESGO 06/06/2012

Leia mais

ESCOLA DA MAGISTRATURA DO ESTADO DO PARANÁ XXVI CURSO DE PREPARAÇÃO À MAGISTRATURA NÚCLEO CURITIBA DIEGHO RAPHAEL CARAMORI BARSZCZ

ESCOLA DA MAGISTRATURA DO ESTADO DO PARANÁ XXVI CURSO DE PREPARAÇÃO À MAGISTRATURA NÚCLEO CURITIBA DIEGHO RAPHAEL CARAMORI BARSZCZ ESCOLA DA MAGISTRATURA DO ESTADO DO PARANÁ XXVI CURSO DE PREPARAÇÃO À MAGISTRATURA NÚCLEO CURITIBA DIEGHO RAPHAEL CARAMORI BARSZCZ A NÃO INTERVENÇÃO DE TERCEIROS JURIDICAMENTE INTERESSADOS NA EXECUÇÃO

Leia mais

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CONTROLE DIFUSO

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CONTROLE DIFUSO CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CONTROLE DIFUSO I) CONCEITO: Também chamado de controle pela via de exceção ou de defesa ou controle aberto, o controle difuso pode ser realizado por qualquer juiz ou tribunal.

Leia mais

4. AÇÃO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS

4. AÇÃO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 4. AÇÃO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 4.1 Conceito - O que é a ação de prestação de contas? 4.2 Ação de dar e ação de exigir contas - A quem compete esta ação? - Trata-se de uma ação dúplice? - Ação de dar contas

Leia mais

Nº 70020131579 COMARCA DE PORTO ALEGRE BANCO DO BRASIL S/A MARINA HELENA ALENCASTRO

Nº 70020131579 COMARCA DE PORTO ALEGRE BANCO DO BRASIL S/A MARINA HELENA ALENCASTRO AÇÃO DE INDENIZAÇÃO. LITISCONSÓRCIO PASSIVO. SENTENÇA DE PARCIAL PROCEDENCIA, CONDENANDO APENAS UMA DAS PARTES DEMANDADAS. NÃO INCIDÊNCIA DO ART. 191, DO CDC. SÚMULA 641, DO STF. PRAZO SIMPLES PARA RECORRER.

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 963.454 - SC (2007/0143805-5) RELATOR RECORRENTE ADVOGADOS RECORRIDO PROCURADOR INTERES. : MINISTRO PAULO DE TARSO SANSEVERINO : LIBERTY PAULISTA SEGUROS S/A : SÉRGIO ALEXANDRE SODRÉ

Leia mais

PROCESSO DE CONHECIMENTO DO TRABALHO. 6) Processo de Conhecimento. 6.5 Classificação do Pedido

PROCESSO DE CONHECIMENTO DO TRABALHO. 6) Processo de Conhecimento. 6.5 Classificação do Pedido 6.5 Classificação do Pedido o Principal e acessório Pagamento do salário do último mês e juros de mora o Implícito Não expresso: divergência quanto a validade - Exemplo: pedido de recebimento de verbas

Leia mais

SENTENÇA. Trata-se de ação movida por EQUIPAV S/A PAVIMENTAÇÃO, ENGENHARIA E COMÉRCIO em face do TRIBUNAL DE CONTAS DO DO ESTADO DE SÃO PAULO.

SENTENÇA. Trata-se de ação movida por EQUIPAV S/A PAVIMENTAÇÃO, ENGENHARIA E COMÉRCIO em face do TRIBUNAL DE CONTAS DO DO ESTADO DE SÃO PAULO. fls. 1 CONCLUSÃO Aos 20/10/2009, promovo estes autos à conclusão do(a) MMº(ª). Juiz(a) de Direito, desta 10ª Vara da Fazenda Pública, Dr(a). Eliana Adorno de Toledo Tavares, Eu,. (Ricardo Macedo Soares),

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 659.830 - DF (2004/0087560-5) RELATOR RECORRENTE RECORRIDO : MINISTRO CARLOS ALBERTO MENEZES DIREITO : EDUARDO AUGUSTO QUADROS E ALMEIDA : MANOEL FAUSTO FILHO E OUTRO : SOCIEDADE DE

Leia mais

PETIÇÃO INICIAL (CPC 282)

PETIÇÃO INICIAL (CPC 282) 1 PETIÇÃO INICIAL (CPC 282) 1. Requisitos do 282 do CPC 1.1. Endereçamento (inciso I): Ligado a competência, ou seja, é imprescindível que se conheça as normas constitucionais de distribuição de competência,

Leia mais

PROCEDIMENTO SUMÁRIO e SUMARÍSSIMO

PROCEDIMENTO SUMÁRIO e SUMARÍSSIMO PROCEDIMENTO SUMÁRIO e SUMARÍSSIMO 1. Procedimento Sumário e Sumaríssimo 1.1 Generalidades I. Processo de Conhecimento (artigo 272 Livro I): b) Comum: a.1) Ordinário (regra geral) a.2) Sumário (275) b)especiais

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO SENTENÇA MATÉRIA CÍVEL

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO SENTENÇA MATÉRIA CÍVEL PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO CONCURSO DE INGRESSO NA MAGISTRATURA PROVA ESCRITA RESOLUÇÃO SENTENÇA MATÉRIA CÍVEL 23.07.2006 SENTENÇA SOBRE MATÉRIA CÍVEL João e Maria, casados

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.084.748 - MT (2008/0194990-5) RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO SIDNEI BENETI : AGRO AMAZÔNIA PRODUTOS AGROPECUÁRIOS LTDA : DÉCIO JOSÉ TESSARO E OUTRO(S) :

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA GAB. DES. MANOEL SOARES MONTEIRO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA GAB. DES. MANOEL SOARES MONTEIRO / - juurrilis P. ' PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA GAB. DES. MANOEL SOARES MONTEIRO ACÓRDÃO APELAÇÃO CÍVEL N. 200.2009.017147-7/ 001 RELATOR: Des. Manoel Soares Monteiro APELANTE: PREVI

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO DAS PESSOAS CASADAS NO PROCESSO CIVIL

A PARTICIPAÇÃO DAS PESSOAS CASADAS NO PROCESSO CIVIL A PARTICIPAÇÃO DAS PESSOAS CASADAS NO PROCESSO CIVIL Mariana Swerts Cunha 1 RESUMO O casamento é uma das mais importantes instituições sociais e seus efeitos repercutem em várias esferas do direito. O

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL TIPO A PODER JUDICIÁRIO 22ª VARA CÍVEL FEDERAL DE SÃO PAULO AÇÃO CIVIL PÚBLICA PROCESSO N.º 0004415-54.2011.403.6100 AUTOR: MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL RÉ: AGÊNCIA NACIONAL DE SÁUDE SUPLEMENTAR - ANS REG.

Leia mais

Prescrição do FGTS. Era trintenária, conforme o art 23 da lei 8036/90, diz que tem 30 anos retroativos para buscar o período do FGTS não depositado:

Prescrição do FGTS. Era trintenária, conforme o art 23 da lei 8036/90, diz que tem 30 anos retroativos para buscar o período do FGTS não depositado: Turma e Ano: Flex B (2014) Matéria / Aula: Processo do Trabalho / Aula 06 Professor: Leandro Antunes Conteúdo: Provas no Processo do Trabalho. Prescrição do FGTS Era trintenária, conforme o art 23 da lei

Leia mais

BLACKPOOL INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA. - EPP DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA EM SÃO PAULO

BLACKPOOL INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA. - EPP DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA EM SÃO PAULO MANDADO DE SEGURANÇA IMPETRANTE: IMPETRADO: BLACKPOOL INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA. - EPP DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA EM SÃO PAULO DECISÃO REGISTRADA SOB Nº /2015 A impetrante

Leia mais

OAB/MT - Exame de Ordem 03/2005-2ª Fase - 05 de fevereiro de 2006 Prova de Direito do Trabalho e Processo do Trabalho

OAB/MT - Exame de Ordem 03/2005-2ª Fase - 05 de fevereiro de 2006 Prova de Direito do Trabalho e Processo do Trabalho OAB/MT - Exame de Ordem 03/2005-2ª Fase - 05 de fevereiro de 2006 Prova de Direito do Trabalho e Processo do Trabalho DAVI foi contratado pela empresa SIÃO para prestar serviços de segurança ao Estado

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0105.13.026868-0/001 Númeração 0268680- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Heloisa Combat Des.(a) Heloisa Combat 11/06/2014 16/06/2014 EMENTA: APELAÇÃO

Leia mais

COMENTÁRIOS SOBRE A (IM) POSSIBILIDADE DA DECLARAÇÃO INCIDENTE DE NULIDADE DE REGISTRO DE MARCA

COMENTÁRIOS SOBRE A (IM) POSSIBILIDADE DA DECLARAÇÃO INCIDENTE DE NULIDADE DE REGISTRO DE MARCA COMENTÁRIOS SOBRE A (IM) POSSIBILIDADE DA DECLARAÇÃO INCIDENTE DE NULIDADE DE REGISTRO DE MARCA CARLOS IGNACIO SCHMITT SANT ANNA - ADVOGADO Alguns autores têm sustentado a tese da possibilidade de ser

Leia mais

VI Exame OAB 2ª FASE Padrão de correção Direito Civil

VI Exame OAB 2ª FASE Padrão de correção Direito Civil VI Exame OAB 2ª FASE Padrão de correção Direito Civil Peça A peça cabível era uma petição inicial, endereçada ao Juízo da Vara Família da Comarca do Rio de Janeiro ou de Belo Horizonte, tendo em vista

Leia mais

Faculdades IESGO Direção Acadêmica Coordenação do Curso de Direito

Faculdades IESGO Direção Acadêmica Coordenação do Curso de Direito Instituto de Ensino Superior de Goiás Faculdades IESGO Direção Acadêmica Coordenação do Curso de Direito 1. IDENTIFICAÇÃO: CURSO: DIREITO TURMA: 6º SEMESTRE - NOTURNO DISCIPLINA: DIREITO PROCESSUAL CIVIL

Leia mais

DO CONCEITO DE USUCAPIÃO

DO CONCEITO DE USUCAPIÃO DO CONCEITO DE USUCAPIÃO Conceito: Usucapião é modo de aquisição da propriedade (ou outro direito real), que se dá pela posse continuada, durante lapso temporal, atendidos os requisitos de lei. LOCALIZAÇÃO

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB EXAME DE ORDEM

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB EXAME DE ORDEM DISCIPLINA: DIREITO CIVIL CÓDIGO: C002 QUESTÃO PRÁTICO-PROFISSIONAL QUESTÃO C002041 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Lei de locações (58.2); tutela antecipada (40); agravo de instrumento (48.4); tutela específica

Leia mais

SUMÁRIO PARTE I TEORIA GERAL DO DIREITO PROCESSUAL CIVIL CONTEMPORÂNEO... 39

SUMÁRIO PARTE I TEORIA GERAL DO DIREITO PROCESSUAL CIVIL CONTEMPORÂNEO... 39 CURSO DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL 9 SUMÁRIO PARTE I TEORIA GERAL DO DIREITO PROCESSUAL CIVIL CONTEMPORÂNEO... 39 CAPÍTULO I - NOÇÕES GERAIS, CARACTERÍSTICAS, TENDÊNCIAS E PRINCÍPIOS... 39 1 INTRODUÇÃO...

Leia mais

DFMS1401 CRITÉRIOS E GRADE DE CORREÇÃO QUESTÃO 1 DFMS1401 CRITÉRIOS E GRADE DE CORREÇÃO QUESTÃO 2

DFMS1401 CRITÉRIOS E GRADE DE CORREÇÃO QUESTÃO 1 DFMS1401 CRITÉRIOS E GRADE DE CORREÇÃO QUESTÃO 2 DFMS1401 CRITÉRIOS E GRADE DE CORREÇÃO QUESTÃO 1 O candidato deverá discorrer sobre os conceitos dos elementos do tipo penal (objetivos, normativos e subjetivos), dando os exemplos constantes no Código

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE DIREITO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE DIREITO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE DIREITO DISCIPLINA: NPJ I NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA I Jurisdição Comum Civil de 1ª Instância PERÍODO: SEMESTRE Noturno/Matutino DEPARTAMENTO:

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE 1ª INSTÂNCIA

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE 1ª INSTÂNCIA DECISÃO Nº : /2013 PCTT: 90.07.00.04 PROCESSO Nº: 12980-94.2013.4.01.3200 CLASSE : 1100 AÇÃO ORDINÁRIA/TRIBUTÁRIA AUTOR : ESTADO DO AMAZONAS RÉU : CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DO AMAZONAS CRF/AM

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA E PROCURADORIAS NOTURNO Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO. SUMÁRIO (continuação)

DEFENSORIA PÚBLICA E PROCURADORIAS NOTURNO Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO. SUMÁRIO (continuação) Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO SUMÁRIO (continuação) I. DIREITO DE FAMÍLIA 5. FILIAÇÃO 5.2. Tipos de reconhecimento 5.3. Ação investigatória de paternidade 5.3.1.

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO BARROS DIAS

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO BARROS DIAS EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO CÍVEL Nº 473056/CE (2009.05.99.001069-1/01) APTE : ISABEL NILCE MAGALHÃES ADV/PROC : VALÉRIA MESQUITA MAGALHÃES APDO : INSS - INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL REPTE

Leia mais

CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO Rafael Carvalho Rezende Oliveira 2ª para 3ª edição

CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO Rafael Carvalho Rezende Oliveira 2ª para 3ª edição A 3ª edição do livro CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO foi atualizada com o texto do PL de novo CPC enviado pelo Congresso Nacional à sanção presidencial em 24.02.2015. Em razão da renumeração dos artigos

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO fls. 180 SENTENÇA Processo Digital nº: 1021633-14.2014.8.26.0405 Classe - Assunto Procedimento Ordinário - Promessa de Compra e Venda Requerente: RAFAEL RODRIGUES e outro Requerido: IBÉRIA INCORPORADORA

Leia mais

UNIDADE: FACULDADE DE DIREITO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS

UNIDADE: FACULDADE DE DIREITO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Í N D I C E Código Disciplina Página DIR 06-00231 Teoria Geral do Processo I 2 DIR 06-00404 Teoria Geral do Processo II 3 DIR 06-00896 Direito Processual Civil I 4 DIR 06-01080

Leia mais

O empregado caminhando na empresa, cai e se machuca vai pedir uma indenização na justiça do trabalho. (empregado x empregador);

O empregado caminhando na empresa, cai e se machuca vai pedir uma indenização na justiça do trabalho. (empregado x empregador); Turma e Ano: Flex B (2014) Matéria / Aula: Processo do Trabalho / Aula 04 Professor: Leandro Antunes Conteúdo: Procedimento Sumário, Procedimento Sumaríssimo. A competência para julgar acidente de trabalho:

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATORA RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRA NANCY ANDRIGHI : S B : JASON SOARES DE ALBERGARIA FILHO E OUTRO : T C DA C : EBER CARVALHO DE MELO E OUTRO EMENTA Direito civil e processual civil.

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Do litisconsórcio necessário passivo Angelito Dornelles da Rocha* RESUMO Trata-se do litisconsórcio de um fenômeno de pluralidade de partes, podendo constar tanto no pólo ativo quanto

Leia mais

Litisconsórcio Ativo na Recuperação Judicial

Litisconsórcio Ativo na Recuperação Judicial Litisconsórcio Ativo na Recuperação Judicial Por Rafael Avanzi Pravato* Pravato e Associados / 23.08.2012 O presente artigo surgiu de um caso concreto em que, diante de problemas economicofinanceiros,

Leia mais

C O N C L U S Ã O S E N T E N Ç A

C O N C L U S Ã O S E N T E N Ç A fls. 360 C O N C L U S Ã O Em 31 de agosto de 2015 faço estes autos conclusos ao(à) MM(a). Juiz(a) de Direito Dr(a). Eduardo Palma Pellegrinelli. Eu (Eduardo Palma Pellegrinelli), Juiz de Direito, subscrevi.

Leia mais

Universidade de São Paulo

Universidade de São Paulo Universidade de São Paulo Faculdade de Direito do Largo São Francisco DCO 0317 Fundamentos dos Contratos Empresariais e das Declarações Unilaterais de Vontade (Fundamentos dos Títulos de Crédito) Profª

Leia mais

Controle de Constitucionalidade das Leis ou Atos Normativos Municipais no Direito Brasileiro

Controle de Constitucionalidade das Leis ou Atos Normativos Municipais no Direito Brasileiro 10 Controle de Constitucionalidade das Leis ou Atos Normativos Municipais no Direito Brasileiro Adriana Valentim Andrade do Nascimento Juíza de Direito da 1ª Vara de Cachoeiras de Macacu O tema em tela

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO Acórdão 1a Turma CONTA CONJUNTA BANCÁRIA. SOLIDARIEDADE ATIVA. Na conta conjunta bancária, os depositantes são credores solidários, de modo que o saldo total pode ser objeto de constrição judicial para

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.230.252 - RS (2010/0229880-7) RELATOR : MINISTRO ANTONIO CARLOS FERREIRA RECORRENTE : CARLOS JUAREZ FENSTERSEIFER ADVOGADOS : RAQUEL HECK MARIANO DA ROCHA E OUTRO(S) MELISSA CRISTINA

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Tribunal de Justiça do Estado J julgou improcedente ação direta de inconstitucionalidade proposta pelo Prefeito do município W, tendo o acórdão declarado constitucional

Leia mais

Direito Civil III Contratos

Direito Civil III Contratos Direito Civil III Contratos Evicção Prof. Andrei Brettas Grunwald 2011.1 1 Código Civil Artigo 447. Nos contratos onerosos, o alienante responde pela evicção. Subsiste esta garantia ainda que a aquisição

Leia mais

Aula 04. Capítulo II Das respostas do réu

Aula 04. Capítulo II Das respostas do réu Aula 04 Capítulo II Das respostas do réu Prof. Diego Fillipe No módulo anterior (aula 03), foram tecidas considerações relativas aos aspectos práticos da peça de contestação, com a inserção de questões

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2014.0000422XXX ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº XXXXXX- XX.2008.8.26.0000, da Comarca de, em que são apelantes GUILHERME (Omitido) e outras, são apelados KLASELL

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0132.07.009709-3/001 Númeração 0097093- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Batista de Abreu Des.(a) Batista de Abreu 27/11/2014 10/12/2014 EMENTA:

Leia mais

Nesses termos, pede deferimento. Uberaba/MG,

Nesses termos, pede deferimento. Uberaba/MG, MERITÍSSIMA JUÍZA DE DIREITO DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL DA COMARCA DE UBERABA/ MINAS GERAIS. Autos n. 701. Secretaria cível BANCO xxxx., já qualificado nos autos epigrafados da AÇÃO DECLARATÓRIA DE INEXISTÊNCIA

Leia mais

APELAÇÃO CÍVEL Nº 0133610-77.1991.8.19.0001 APTE.: MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO APDO

APELAÇÃO CÍVEL Nº 0133610-77.1991.8.19.0001 APTE.: MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO APDO APELAÇÃO CÍVEL Nº 0133610-77.1991.8.19.0001 APTE.: MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO APDO.: COMPANHIA LITORÂNEA DE IMÓVEIS RELATOR: DESEMBARGADOR MAURICIO CALDAS LOPES Execução fiscal. IPTU, TIP e TCLLP do Município

Leia mais