Responsabilidade Civil do fornecedor em razão da Perda do Tempo Livre com fundamento no Código de Defesa do Consumidor 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Responsabilidade Civil do fornecedor em razão da Perda do Tempo Livre com fundamento no Código de Defesa do Consumidor 1"

Transcrição

1 Responsabilidade Civil do fornecedor em razão da Perda do Tempo Livre com fundamento no Código de Defesa do Consumidor 1 1. INTRODUÇÃO A responsabilidade civil está vinculada à questão de que todos nós somos responsáveis por nossas condutas, ou seja, devemos conduzir nossa vida visando sempre não causar prejuízos a ninguém. Uma vez violado o direito de outrem nasce o direito da parte lesada receber um valor a título de reparação. Sabe-se que o ordenamento jurídico reconhece dois tipos de deveres, um geral imposto a todos os indivíduos, e que constitui a contra-partida exata dos direito absolutos: nemionem laedere, suum cuique tribuere. E ainda um dever especial, que incumbe a uma pessoa determinada em relação à outra pessoa também determinada; trata-se de um dever temporário e limitado, não só quanto aos sujeitos como em relação ao objeto. 2 Diante do que foi desenvolvido pode se dizer que existe diferença entre a responsabilidade extracontratual, aquela que nasce de um dever geral, e a responsabilidade contratual, que nasce de um dever especial. 2. CONCEITO Nas brilhantes palavras do doutrinador carioca Sérgio Cavalieri o conceito de responsabilidade civil nada mais é do que uma obrigação, um encargo, uma contraprestação. Designa o dever que alguém tem de reparar o prejuízo decorrente da violação de um outro dever jurídico. Em apertada síntese, responsabilidade civil é um dever jurídico sucessivo que surge para recompor o dano decorrente da violação de um dever jurídico originário. 3. PRESSUPOSTOS DA RESPOSPONSABILIDADE CIVIL EXTRACONTRATUAL E CONTRATUAL. 1 PINTO, Cristiano Vieira Sobral, Revista Direito ao Ponto, ano 1, n COMPARATO, Fabio Konder, Obrigações de meios, de resultado e de garantia, RT 386/32

2 Os pressupostos da responsabilidade civil extracontratual possuem fundamento no ato ilícito absoluto, composto por elementos objetivos e subjetivos. São elementos objetivos do ato ilícito absoluto: a) a existência de ato ou omissão (ato comissivo por omissão), antijurídico (violadores de direito subjetivo absoluto ou interesse legítimo); b)ocorrência de um dano material ou moral; c) nexo de causalidade entre o ato ou omissão e o dano. São elementos subjetivos do ato ilícito absoluto; a) a imputabilidade (capacidade para praticar a antijuridicidade); b) a culpa em sentido lato (abrange o dolo e a culpa em sentido estrito). 3 Já os pressupostos da responsabilidade contratual são outros: a) existência de um contrato válido, pois diante da validade deste contrato as parte estão vinculadas ao seu conteúdo e também em razão do princípio da boa-fé objetiva, que gera uma eficácia endógena, ou seja, deveres principais e satelitários entre as partes. A violação dos deveres satelitários (proteção, informação e a cooperação) é chamada de violação positiva do contrato. b) a inexecução do contrato, tal contrato pode ser inadimplido no todo ou em parte, o que irá gera uma das causas de extinção do contrato (artigos 472/480 do Código Civil). Vale mencionar que não irá ocorrer inadimplemento do contrato se estiver diante de um fortuito ou força maior. c) Dano e nexo causal. 4. A RESPONSABILIDADE CIVIL NO CDC. O Código de Defesa do Consumidor disciplina a responsabilidade pelos vícios de segurança, sob o título Responsabilidade pelo Fato do Produto e do Serviço (artigos 12; 13; 14; 17 e 27) e a responsabilidade pelos vícios de adequação, sob o título Responsabilidade por Vício do Produto e do Serviço 4. A Responsabilidade por Fato do Produto ou do Serviço ocorre quando o mesmo gera danos ao consumidor ou a terceiros (vítimas by stander), o que se chama de acidente de consumo ou defeito de consumo, prescrevendo em cinco anos o prazo para a reparação do dano. 3 Moreira Alves, A responsabilidade extracontratual e seu fundamento: culpa e nexo de causalidade, in Est. Oscar Corrêa, n.5,p Arts. 18, 19, 20, 26 CDC.

3 O Vício do Produto ou do Serviço por sua vez, é a quebra da expectativa gerada pelo consumidor quando da utilização ou fruição, afetando, assim, a prestabilidade, tornando inadequados (Teoria da Qualidade). Na ocorrência de vícios aparentes ou de fácil constatação a parte tem o direito de reclamar em trinta dias tratando-se de fornecimento de serviço e de produto não durável e noventa dias, tratando-se de fornecimento de serviço e de produto durável. Na ocorrência de um vício oculto, o prazo decadencial inicia-se no momento em que ficar evidenciado o defeito aplica-se aqui a Teoria da Vida útil do Produto. A forma objetiva, ou seja, independente de culpa é a regra no presente Código, excetuando-se a da profissional liberal que será verificada mediante a comprovação de culpa. Também se pode afirmar que a regra no CDC é a da responsabilidade solidária entre os participantes da cadeia de consumo, excetuando-se a do comerciante na responsabilidade pelo Fato do Produto, que será condicionada a certas circunstâncias. Diante de tais circunstâncias a doutrina majoritária entende que o comerciante responde subsidiariamente pelos danos ocorridos, por outro lado alguns doutrinadores entendem ser a responsabilidade solidária, em razão da menção no seu texto, vejamos: o comerciante é igualmente responsável nos termos do artigo anterior 5 5. A PERDA DO TEMPO LIVRE E SEUS REFLEXOS Na atual sociedade em que vivemos muitas situações nos trazem desconforto, constrangimento, bem como a perda de nosso tempo útil ou livre. Podemos citar como exemplo, as longas esperas nos Sistemas de Atendimento ao Consumidor, o deslocamento de nossa casa para o estabelecimento dos fornecedores na busca de sanar problemas reiterados, as famosas filas de banco e etc É fato que muitos fornecedores tratam seus clientes (consumidores) com desídia, desatenção ou até mesmo despreocupação. O fornecedor tem o dever de prestar o seu serviço ou produto com a devida segurança e isento de vícios, pois na falta dessas 5 Art. 13 CDC

4 observações fica claro o descumprimento da lealdade, cooperação e zelo, o que comprova a violação do princípio da boa-fé objetiva, causando a chamada violação positiva do contrato ou adimplementum ruim. Muitas vezes, o consumidor para fazer valer o seu direito tem que ingressar na desgastante via judicial, o que faz com que aquela falta de segurança, o desprezo e a desídia por parte do fornecedor gerem danos de natureza moral e material pela perda do tempo livre. Vejamos os julgados do STJ. VEÍCULO ZERO-QUILÔMETRO. DEFEITOS DIVERSOS. DANOS MORAIS. Prosseguindo o julgamento, a Turma, por maioria, entendeu que, no caso, ficou demonstrado de modo incontroverso que o recorrido adquiriu automóvel zero quilômetro, o qual, em seus primeiros meses de uso, apresentou mais de dez defeitos, em distintos componentes, sendo possível afirmar que o número de defeitos apresentados pelo veículo (dois dos quais no sistema de freios, o qual falhou com o veículo em pleno movimento) ultrapassou, em muito, a expectativa nutrida pelo recorrido ao adquirir seu automóvel novo. A excessiva quantidade de defeitos causou ao adquirente do veículo frustração, constrangimento e angústia, elementos configuradores do dano moral. Ressaltou-se que o regime previsto no art. 18 do CDC não afasta o direito do consumidor à reparação por danos morais nas hipóteses em que o vício do produto ocasionar ao adquirente dor, vexame, sofrimento ou humilhação, capazes de ultrapassar a esfera do mero dissabor ou aborrecimento. REsp MG, Rel. Min. Nancy Andrighi, julgado em 10/12/2002. RECURSO ESPECIAL - RESPONSABILIDADE CIVIL - DANO MORAL - CABIMENTO - DEMORA INJUSTIFICADA - LIBERAÇÃO DO GRAVAME HIPOTECÁRIO - CULPA EXCLUSIVA DO VÍTIMA - INEXISTÊNCIA - ENTENDIMENTO OBTIDO PELA ANÁLISE DAS PROVAS - REEXAME DE PROVAS - IMPOSSIBILIDADE - APLICABILIDADE DO ENUNCIADO 7 DA SÚMULA DESTA CORTE - INDENIZAÇÃO QUANTUM INDENIZATÓRIO FIXADO NOS LIMITES DA RAZOABILIDADE -

5 PRECEDENTES - RECURSO IMPROVIDO. I - A demora injustificada na liberação do gravame hipotecário dá ensejo a condenação por dano moral, não se tratando de mero descumprimento contratual. II - A questão relativa à existência de culpa exclusiva das vítimas foi resolvida com base no conteúdo probatório, vedando-se, por consequência, seu reexame pelo Superior Tribunal, por óbice da Súmula 7/STJ. III - Esta Corte Superior somente deve intervir para diminuir o valor arbitrado a título de danos morais quando se evidenciar manifesto excesso do quantum, o que não ocorre in casu. Precedentes. IV - Recurso especial improvido. (REsp /RS, Rel. Ministro MASSAMI UYEDA, TERCEIRA TURMA, julgado em 08/06/2010, DJe 01/07/2010) 6. CONCLUSÃO A doutrina e a jurisprudência informam que as pessoas não podem ser injustamente invadidas em suas esferas de interesse, pois caso isso aconteça têm estas pessoas o direito de serem indenizadas na proporção do dano sofrido. A conduta é elo primordial no estudo da responsabilidade civil e a partir dela poderemos aferir se às partes agiram umas com as outras baseadas na boa-fé objetiva, pois na ocorrência da quebra do princípio retro mencionado a violação estará caracterizada e o dano transparente. Nas relações de consumo, o elo mais fraco e na maioria das vezes vulnerável, o consumidor, observa seus direitos serem desrespeitados por fornecedores que não cumprem com o seu dever de lisura, correção e probidade, gerando a perda do tempo livre deste lesado. É fato que o tempo é algo tão precioso justificando assim a condenação daqueles que fazem pouco dos direitos do consumidores, demonstrando que a Lei deve ser aplicada para aqueles que a desrespeitam, devendo o magistrado no caso concreto aplicar o critério pedagógico da condenação, para que o fato não seja repetido por esses péssimos fornecedores.

6 *Advogado do escritório Sylvio Tostes e Sobral Pinto Advogados Associados, Doutorando em Direito. Professor de Direito Civil e Direito do Consumidor na Fundação Getúlio Vargas, Associação do Ministério Público do Rio de Janeiro, Fundação Escola da Defensoria Pública do Rio de Janeiro, Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro, Complexo de Ensino Renato Saraiva e na Fundação do Ministério Público do Rio de Janeiro. Professor universitário, palestrante e autor de diversas obras jurídicas.

Sentença. 1. Relatório. Relatório dispensado (artigo 38 da Lei 9.099/95). 2. Fundamentação

Sentença. 1. Relatório. Relatório dispensado (artigo 38 da Lei 9.099/95). 2. Fundamentação Processo : 2013.01.1.151018-6 Classe : Procedimento do Juizado Especial Cível Assunto : Contratos de Consumo Requerente : CELSO VIEIRA DA ROCHA JUNIOR Requerido : EMPRESA EBAZAR Sentença 1. Relatório Relatório

Leia mais

A R E R S E PONS N A S B A ILID I A D D A E D E C I C VIL N O N

A R E R S E PONS N A S B A ILID I A D D A E D E C I C VIL N O N A RESPONSABILIDADE CIVIL NO DIREITO DE FAMÍLIA 06.09.2014 Dimas Messias de Carvalho Mestre em Direito Constitucional Promotor de Justiça aposentado/mg Professor na UNIFENAS e UNILAVRAS Advogado Membro

Leia mais

O DANO MORAL NO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA

O DANO MORAL NO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA O DANO MORAL NO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA Segue, na íntegra, interessante notícia sobre o tema, veiculada no clipping da Associação dos Advogados de São Paulo de 9 de fevereiro de 2015, e acórdão do

Leia mais

Vigésima Sétima Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro

Vigésima Sétima Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro APELAÇÃO CÍVEL Nº 2216384-69.2011.8.19.0021 APELANTE: TERESA RAMOS DE SANTANA APELADO: RICARDO ELETRO DIVINOPOLIS LTDA APELADO: ZTE DO BRASIL COMERCIO SERVIÇOS E PARTICIPAÇÕES LTDA RELATOR: DES. FERNANDO

Leia mais

Vigésima Sétima Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro

Vigésima Sétima Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro APELAÇÃO CÍVEL Nº 0035092-08.2012.8.19.0004 APELANTE: BANCO BRADESCO S/A APELADO: BRUNO GARCIA DE SÁ RELATOR: DES. FERNANDO ANTONIO DE ALMEIDA APELAÇÃO CÍVEL DIREITO DO CONSUMIDOR AÇÃO SOB O RITO SUMÁRIO

Leia mais

OAB 1ª Fase Direito Civil Responsabilidade Civil Duarte Júnior

OAB 1ª Fase Direito Civil Responsabilidade Civil Duarte Júnior OAB 1ª Fase Direito Civil Responsabilidade Civil Duarte Júnior 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. RESPONSABILIDADE CIVIL É A OBRIGAÇÃO QUE INCUMBE A ALGUÉM DE

Leia mais

Órgão Classe N. Processo Apelante(s) Apelado(s) Relator Juiz

Órgão Classe N. Processo Apelante(s) Apelado(s) Relator Juiz Órgão : 2ª Turma Recursal dos Juizados Especiais Cíveis e Criminais Classe : ACJ Apelação Cível no Juizado Especial N. Processo : 2008.01.1.145714-7 Apelante(s) : DORIS MAGDA TAVARES GUERRA Apelado(s)

Leia mais

DA RESPONSABILIDADE CIVIL DO MÉDICO por Jackson Domenico e Ana Ribeiro - RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA E SUBJETIVA

DA RESPONSABILIDADE CIVIL DO MÉDICO por Jackson Domenico e Ana Ribeiro - RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA E SUBJETIVA DA RESPONSABILIDADE CIVIL DO MÉDICO por Jackson Domenico e Ana Ribeiro - RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA E SUBJETIVA A responsabilidade civil tem como objetivo a reparação do dano causado ao paciente que

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO

DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO Atualizado até 13/10/2015 RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO NOÇÕES INTRODUTÓRIAS Quando se fala em responsabilidade, quer-se dizer que alguém deverá

Leia mais

Código de Defesa do Consumidor. Continuação aula anterior Vício e Defeito Teoria da desconsideração da pessoa jurídica

Código de Defesa do Consumidor. Continuação aula anterior Vício e Defeito Teoria da desconsideração da pessoa jurídica Código de Defesa do Consumidor Continuação aula anterior Vício e Defeito Teoria da desconsideração da pessoa jurídica EXCLUSÃO DA RESPONSABILIDADE- Art. 12,parag.3o. CDC Fornecedor prova que não colocou

Leia mais

Questões da Prova de Direito Civil MPU - Professor Lauro Escobar

Questões da Prova de Direito Civil MPU - Professor Lauro Escobar Acerca da responsabilidade civil, julgue os itens subsecutivos. 81 Caso o paciente morra em decorrência de ter recebido tratamento médico inadequado, a teoria da perda de uma chance poderá ser utilizada

Leia mais

AULA 01. Direito Civil, vol.4, Silvio Rodrigues, editora Saraiva.

AULA 01. Direito Civil, vol.4, Silvio Rodrigues, editora Saraiva. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Responsabilidade Civil / Aula 01 Professora: Andréa Amim Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 01 CONTEÚDO DA AULA: Bibliografia. Estrutura da Responsabilidade

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR » Cacildo Baptista Palhares Júnior Advogado em Araçatuba (SP) Questões comentadas de direito do consumidor da prova objetiva do concurso de 2010 para Defensor da Bahia Com referência ao CDC, julgue os

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Requisitos para Caracterização do Dano Moral Alessandro Meyer da Fonseca* O instituto do dano moral cujo direito a reparabilidade durante muitos anos foi objeto de debates pelos

Leia mais

Aspectos da responsabilidade civil no Código de Defesa do Consumidor e excludentes

Aspectos da responsabilidade civil no Código de Defesa do Consumidor e excludentes Aspectos da responsabilidade civil no Código de Defesa do Consumidor e excludentes Michele Oliveira Teixeira advogada e professora do Centro Universitário Franciscano em Santa Maria (RS) Simone Stabel

Leia mais

TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. Fagundes Cunha Presidente Relator

TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. Fagundes Cunha Presidente Relator RECURSO INOMINADO Nº 2006.3281-7/0, DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL DA COMARCA DE FAZENDA RIO GRANDE RECORRENTE...: EDITORA ABRIL S/A RECORRIDO...: RAFAELA GHELLERE DAL FORNO RELATOR...: J. S. FAGUNDES CUNHA

Leia mais

A inserção injusta causa às pessoas / consumidores danos de ordem moral e em algumas vezes patrimonial, que, reconhecida gera o direito à reparação.

A inserção injusta causa às pessoas / consumidores danos de ordem moral e em algumas vezes patrimonial, que, reconhecida gera o direito à reparação. 1.1 - Introdução Infelizmente o ajuizamento de ações de indenização por danos materiais e principalmente morais em face de empresas por inclusão indevida do nome de seus clientes em órgãos de proteção

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS Atividade de intermediação de negócios imobiliários relativos à compra e venda e locação Moira de Toledo Alkessuani Mercado Imobiliário Importância

Leia mais

Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. Responsabilidade Civil do Médico Cirurgião Plástico na Área Estética. Adriana da Silva Rangel

Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. Responsabilidade Civil do Médico Cirurgião Plástico na Área Estética. Adriana da Silva Rangel Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro Responsabilidade Civil do Médico Cirurgião Plástico na Área Estética Adriana da Silva Rangel Rio de Janeiro 2013 ADRIANA DA SILVA RANGEL Responsabilidade

Leia mais

Adriano Dias da Silva Advogado-Proprietário do escritório de Advocacia e Assessoria Jurídica Adriano Dias.

Adriano Dias da Silva Advogado-Proprietário do escritório de Advocacia e Assessoria Jurídica Adriano Dias. 1 BREVES COMENTÁRIOS SOBRE ALGUMAS CONSEQUÊNCIAS JURÍDICAS PELO ATRASO NA ENTREGA DE IMÓVEIS COMPRADOS NA PLANTA, SOB A LUZ DA ATUAL LEGISLAÇÃO BRASILEIRA Adriano Dias da Silva Advogado-Proprietário do

Leia mais

PROJETO DE LEI N o, DE 2012 (Do Sr. Romero Rodrigues) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI N o, DE 2012 (Do Sr. Romero Rodrigues) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI N o, DE 2012 (Do Sr. Romero Rodrigues) Permite ao terceiro prejudicado intentar ação diretamente contra o segurador. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei faculta ao terceiro prejudicado

Leia mais

Responsabilidade Civil de Provedores

Responsabilidade Civil de Provedores Responsabilidade Civil de Provedores Impactos do Marco Civil da Internet (Lei Nº 12.965, de 23 abril de 2014) Fabio Ferreira Kujawski Modalidades de Provedores Provedores de backbone Entidades que transportam

Leia mais

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil 7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil Tópicos Especiais em Direito Civil Introdução A Responsabilidade Civil surge em face de um descumprimento obrigacional pela desobediência de uma regra estabelecida

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DAS PESSOAS JURÍDICAS DE DIREITO PRIVADO PRESTADORAS DE SERVIÇO PÚBLICO

RESPONSABILIDADE CIVIL DAS PESSOAS JURÍDICAS DE DIREITO PRIVADO PRESTADORAS DE SERVIÇO PÚBLICO 168 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 13 10 Anos do Código Civil - Aplicação, Acertos, Desacertos e Novos Rumos Volume I RESPONSABILIDADE CIVIL DAS PESSOAS JURÍDICAS DE DIREITO PRIVADO PRESTADORAS DE

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.061.500 - RS (2008/0119719-3) RELATOR : MINISTRO SIDNEI BENETI RECORRENTE : BANCO CITIBANK S/A ADVOGADO : EDUARDO GRAEFF E OUTRO(S) RECORRIDO : ADELINA FARINA RUGA ADVOGADO : MARCOS

Leia mais

VI CONGRESSO DO MERCOSUL DE DIREITO DE FAMÍLIA - IBDFAMRS

VI CONGRESSO DO MERCOSUL DE DIREITO DE FAMÍLIA - IBDFAMRS RECURSO ESPECIAL. AÇÃO DE INDENIZAÇÃO. QUEIXA-CRIME. CONTEÚDO. OFENSA À HONRA. AUSÊNCIA. DANO MORAL. INEXISTÊNCIA. RESPONSABILIDADE DAS PARTES PELA CONDUTA DO ADVOGADO. INEXISTÊNCIA. PRECEDENTES DO STJ.

Leia mais

A Visão do Desembargador Sergio Cavalieri Filho Sobre a Responsabilidade Civil nos 10 Anos do Código Civil na Construção da Doutrina e Jurisprudência

A Visão do Desembargador Sergio Cavalieri Filho Sobre a Responsabilidade Civil nos 10 Anos do Código Civil na Construção da Doutrina e Jurisprudência 222 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 13 10 Anos do Código Civil - Aplicação, Acertos, Desacertos e Novos Rumos Volume 2 A Visão do Desembargador Sergio Cavalieri Filho Sobre a Responsabilidade Civil

Leia mais

Conceito. Responsabilidade Civil do Estado. Teorias. Risco Integral. Risco Integral. Responsabilidade Objetiva do Estado

Conceito. Responsabilidade Civil do Estado. Teorias. Risco Integral. Risco Integral. Responsabilidade Objetiva do Estado Conceito Responsabilidade Civil do Estado é a obrigação que ele tem de reparar os danos causados a terceiros em face de comportamento imputável aos seus agentes. chama-se também de responsabilidade extracontratual

Leia mais

Vigésima Sétima Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro

Vigésima Sétima Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro APELAÇÃO CÍVEL Nº 0460569-74.2012.8.19.0001 APELANTE: ALINE ALMEIDA PERES APELADO: INSTITUTO BRASILEIRO DE MEDICINA DE REABILITAÇÃO LTDA RELATOR: DES. FERNANDO ANTONIO DE ALMEIDA APELAÇÃO CÍVEL DIREITO

Leia mais

PRIMEIRA CÂMARA CÍVEL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA

PRIMEIRA CÂMARA CÍVEL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PRIMEIRA CÂMARA CÍVEL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Apelação Cível nº 0059871-12.2007.8.19.0001 Apelante: JONETES TERESINHA BOARETTO Apelado: GRANDE HOTEL CANADÁ LTDA. Relator: DES. CUSTÓDIO TOSTES DECISÃO MONOCRÁTICA

Leia mais

Reportagens. A perda da chance nos casos de erro médico. Por Gislene Barbosa da Costa

Reportagens. A perda da chance nos casos de erro médico. Por Gislene Barbosa da Costa Reportagens A perda da chance nos casos de erro médico Por Gislene Barbosa da Costa O instituto da responsabilidade civil repousa no princípio de que a ninguém é autorizado causar prejuízo a outrem e tem

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.322.914 - PR (2012/0097003-6) RELATORA RECORRENTE RECORRIDO ADVOGADA S : MINISTRA NANCY ANDRIGHI : ROBERTO GETULIO MAGGI : CARLOS FREDERICO REINA COUTINHO E OUTRO(S) : SUL AMÉRICA

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça S EMENTA CIVIL E PROCESSUAL CIVIL. AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL. PLANO DE SAÚDE. AÇÃO DE INDENIZAÇÃO. CIRURGIA BARIÁTRICA. PEDIDO MÉDICO. NEGATIVA DE AUTORIZAÇÃO. DANO MORAL. DECISÃO

Leia mais

SÚMULAS E JURISPRUDÊNCIA COMENTADAS Disciplina: Direito do Consumidor Prof. Fabrício Bolzan Data: 18.11.2010 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

SÚMULAS E JURISPRUDÊNCIA COMENTADAS Disciplina: Direito do Consumidor Prof. Fabrício Bolzan Data: 18.11.2010 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR SÚMULAS E JURISPRUDÊNCIA COMENTADAS Disciplina: Direito do Consumidor Prof. Fabrício Bolzan Data: 18.11.2010 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Resp 866359 Resp 1029454 Resp 1029454 Resp 770053 Resp

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

RESPONSABILIDADE CIVIL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA RESPONSABILIDADE CIVIL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 1 Suponha se que Maria estivesse conduzindo o seu veículo quando sofreu um acidente de trânsito causado por um ônibus da concessionária do serviço público

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.395.254 - SC (2013/0132242-9) RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO ADVOGADO : ADRIANO JOSÉ TONIN : LISANDRÉIA TONIN THOMÉ : MAURÍCIO LUIZ PERTUZZATTI : JURACI JOSÉ FOLLE RELATORA: MINISTRA

Leia mais

APTE: FLAVIO COELHO BARRETO (Autor) APTE: CONCESSIONÁRIA DA RODOVIA DOS LAGOS S.A. APDO: OS MESMOS

APTE: FLAVIO COELHO BARRETO (Autor) APTE: CONCESSIONÁRIA DA RODOVIA DOS LAGOS S.A. APDO: OS MESMOS APTE: FLAVIO COELHO BARRETO (Autor) APTE: CONCESSIONÁRIA DA RODOVIA DOS LAGOS S.A. APDO: OS MESMOS RELATORA: DESEMBARGADORA MARIA REGINA NOVA APELAÇÕES CÍVEIS. DIREITO ADMINISTRATIVO E DO CONSUMIDOR. ACIDENTE

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO fls. 122 Registro: 2014.0000513173 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 1104017-13.2013.8.26.0100, da Comarca de São Paulo, em que é apelante TAM LINHAS AEREAS S/A, é apelado

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa

ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa e ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa ACÓRDÃO AGRAVO INTERNO N 009.2008.001331-5/001. Relator: Dr. Aluízio Bezerra Filho, Juiz de Direito Convocado em substituição

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE MINAS GERAIS PODER JUDICIÁRIO BELO HORIZONTE 10ª TURMA RECURSAL DE BELO HORIZONTE

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE MINAS GERAIS PODER JUDICIÁRIO BELO HORIZONTE 10ª TURMA RECURSAL DE BELO HORIZONTE TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE MINAS GERAIS PODER JUDICIÁRIO BELO HORIZONTE 10ª TURMA RECURSAL DE BELO HORIZONTE RUAPADRE ROLIM, 424, EDIFÍCIO ANEXO 1º ANDAR, SANTA EFIGÊNIA, BELO HORIZONTE - MG, FONE: (31)3289-9416

Leia mais

SEGUNDA TURMA RECURSAL Juizados Especiais Federais Seção Judiciária do Paraná

SEGUNDA TURMA RECURSAL Juizados Especiais Federais Seção Judiciária do Paraná Processo n.º: 2009.70.51.002294-1 Relatora: Juíza Federal Andréia Castro Dias Recorrente/Recorrido: IRACI CONCEIçãO COELHO SATORATO Recorrido/recorrente: CEF VOTO Dispensado o relatório, nos termos dos

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 1.092.134 - SC (2008/0190848-8) RELATOR : MINISTRO SIDNEI BENETI AGRAVANTE : ASSEC - ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL E CARITATIVA HOSPITAL SÃO PAULO ADVOGADO : ARCIDES DE DAVID

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 100.321 - MT (2011/0227285-6) RELATOR AGRAVANTE ADVOGADO AGRAVADO ADVOGADO : MINISTRO RAUL ARAÚJO : JOSÉ VALMIR BARBOSA DE ALMEIDA : WILSON MOLINA PORTO : TOKIO MARINE BRASIL

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo fls. 5 TRIBUNAL DE JUSTIÇA São Paulo ACÓRDÃO Registro: 2014.0000527400 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0010031-52.2012.8.26.0554, da Comarca de Santo André, em que é apelante

Leia mais

O Dano Moral no Direito do Trabalho

O Dano Moral no Direito do Trabalho 1 O Dano Moral no Direito do Trabalho 1 - O Dano moral no Direito do Trabalho 1.1 Introdução 1.2 Objetivo 1.3 - O Dano moral nas relações de trabalho 1.4 - A competência para julgamento 1.5 - Fundamentação

Leia mais

RESPONSABILIDADE MÉDICA EMPRESARIAL E DA EQUIPE CIRÚRGICA POR ERRO ANESTÉSICO

RESPONSABILIDADE MÉDICA EMPRESARIAL E DA EQUIPE CIRÚRGICA POR ERRO ANESTÉSICO RESPONSABILIDADE MÉDICA EMPRESARIAL E DA EQUIPE CIRÚRGICA POR ERRO ANESTÉSICO TOMÁS LIMA DE CARVALHO Em julgamento proferido no dia 22 de setembro de 2009, a Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0394.09.105260-2/001 Númeração 1052602- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) José Arthur Filho Des.(a) José Arthur Filho 12/05/2015 02/06/2015 EMENTA:

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO VIGÉSIMA SEXTA CÂMARA CÍVEL/CONSUMIDOR

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO VIGÉSIMA SEXTA CÂMARA CÍVEL/CONSUMIDOR APELAÇÃO Nº: 0284066-04.2012.8.19.0001 APELANTE 1: DEPIL LASER CENTRO AVANÇADO DE DEPILAÇÃO A LASER LTDA. APELANTE 2: PAULA FORTES SANCHES (RECURSO ADESIVO) APELADOS: OS MESMOS RELATORA: DES. SANDRA SANTARÉM

Leia mais

Da Responsabilidade Civil do Profissional da Contabilidade

Da Responsabilidade Civil do Profissional da Contabilidade Da Responsabilidade Civil do Profissional da Contabilidade Prof. Roberta Schneider Westphal Prof. Odair Barros www.rsw.adv.br A responsabilização profissional surge juntamente com qualquer manifestação

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL E AS RELAÇÕES DE CONSUMO

RESPONSABILIDADE CIVIL E AS RELAÇÕES DE CONSUMO RESPONSABILIDADE CIVIL E AS RELAÇÕES DE CONSUMO Material didático destinado à sistematização do conteúdo da disciplina Direito Civil IVI Publicação no semestre 2014.1 no curso de Direito. Autor: Vital

Leia mais

DIREITO CIVIL TEORIA DOS DANOS AUTÔNOMOS!!! 28/07/2015

DIREITO CIVIL TEORIA DOS DANOS AUTÔNOMOS!!! 28/07/2015 DIREITO CIVIL ESTÁCIO-CERS O Dano extrapatrimonial e a sua história Posição constitucional e contribuição jurisprudencial Prof Daniel Eduardo Branco Carnacchioni Tema: O Dano extrapatrimonial e a sua história

Leia mais

Dano Moral no Direito do Consumidor. HÉCTOR VALVERDE SANTANA hvs jur@ho tm ail.c o m

Dano Moral no Direito do Consumidor. HÉCTOR VALVERDE SANTANA hvs jur@ho tm ail.c o m Dano Moral no Direito do Consumidor HÉCTOR VALVERDE SANTANA hvs jur@ho tm ail.c o m RELAÇÃO JURÍDICA DE CONSUMO Consumidor padrão ou standard : art. 2º, caput Consumidor por equiparação: arts. 2º, parágrafo

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO ACÓRDÃO Registro: 2011.0000299990 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 9000322-04.2010.8.26.0037, da Comarca de Araraquara, em que é apelante/apelado DORIVAL CAVICHIONI JUNIOR (JUSTIÇA

Leia mais

A Responsabilidade civil objetiva no Código Civil Brasileiro: Teoria do risco criado, prevista no parágrafo único do artigo 927

A Responsabilidade civil objetiva no Código Civil Brasileiro: Teoria do risco criado, prevista no parágrafo único do artigo 927 A Responsabilidade civil objetiva no Código Civil Brasileiro: Teoria do risco criado, prevista no parágrafo único do artigo 927 Marcela Furtado Calixto 1 Resumo: O presente artigo visa discutir a teoria

Leia mais

Brasília (DF), 25 de novembro de 2013(Data do Julgamento) RECURSO ESPECIAL Nº 1.411.293 - SP (2013/0341500-6)

Brasília (DF), 25 de novembro de 2013(Data do Julgamento) RECURSO ESPECIAL Nº 1.411.293 - SP (2013/0341500-6) RECURSO ESPECIAL Nº 1.411.293 - SP (2013/0341500-6) RELATORA RECORRENTE RECORRIDO : MINISTRA NANCY ANDRIGHI : MAGALY APARECIDA SALORNO : ANA APULA PICCHI DANCONA VIVIANE DUARTE GONÇALVES E OUTRO(S) : SUL

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.054.856 - RJ (2008/0097307-7) RELATORA : MINISTRA NANCY ANDRIGHI RECORRIDO : GOLDEN CROSS ASSISTÊNCIA INTERNACIONAL DE SAÚDE LTDA EMENTA Direito Civil. Recurso especial. Plano de

Leia mais

367 PROCESSO ELETRÔNICO

367 PROCESSO ELETRÔNICO DÉCIMA SEXTA CÂMARA CÍVEL PROCESSO ELETRÔNICO (kl) APELAÇÃO Nº. 195804-83/2009-0001 APELANTE: GAMA SAÚDE S. A. APELADO: ALBANO DE SOUZA MARQUES APELANTE: RELATOR: DES. LINDOLPHO MORAIS MARINHO DECISÃO

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA SEGUNDA CÂMARA CÍVEL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA SEGUNDA CÂMARA CÍVEL TRIBUNAL DE JUSTIÇA SEGUNDA CÂMARA CÍVEL Apelação Cível nº. 0120754-14.2010.8.19.0002 Apelante: UNIMED SÃO GONÇALO NITERÓI SOCIEDADE COOPERATIVA DE SERVIÇOS MÉDICOS E HOSPITALARES LTDA Apelado: MARIA EMÍLIA

Leia mais

EMBRIAGUEZ EXCLUSÃO DE COBERTURA

EMBRIAGUEZ EXCLUSÃO DE COBERTURA EMBRIAGUEZ EXCLUSÃO DE COBERTURA Seminário Direitos & Deveres do Consumidor de Seguros Desembargador NEY WIEDEMANN NETO, da 6ª. Câmara Cível do TJRS Introdução O contrato de seguro, regulado pelos artigos

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.225.410 - MT (2010/0203742-2) RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO RICARDO VILLAS BÔAS CUEVA : GAZETA PUBLICIDADE E NEGÓCIOS LTDA - TV GAZETA E OUTRO : CLÁUDIO

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0132.07.009709-3/001 Númeração 0097093- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Batista de Abreu Des.(a) Batista de Abreu 27/11/2014 10/12/2014 EMENTA:

Leia mais

O Eg. Tribunal Regional do Trabalho da 9ª Região, em acórdão de fls. 382/404, negou provimento ao Recurso Ordinário do Reclamante.

O Eg. Tribunal Regional do Trabalho da 9ª Região, em acórdão de fls. 382/404, negou provimento ao Recurso Ordinário do Reclamante. A C Ó R D Ã O (8ª Turma) GDCJPS/lfa/bt RECURSO DE REVISTA DANO MORAL CANCELAMENTO INDEVIDO DO PLANO DE SAÚDE Na esteira de diversos precedentes desta Corte, configura ato ilícito capaz de gerar danos morais

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO JURISPRUDÊNCIA CIVIL. Ação Regressiva-Jurisprudência do STJ-Especial

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO JURISPRUDÊNCIA CIVIL. Ação Regressiva-Jurisprudência do STJ-Especial VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO JURISPRUDÊNCIA CIVIL Ação Regressiva-Jurisprudência do STJ-Especial Orientador Empresarial A JURISPRUDÊNCIA DO STJ SOBRE AÇÃO REGRESSIVA

Leia mais

22/10/2015 https://pje.tjdft.jus.br/pje/consultapublica/detalheprocessoconsultapublica/documentosemloginhtml.seam?ca=e7a42b30ee6f6d0ff5bb5ab6f2d34

22/10/2015 https://pje.tjdft.jus.br/pje/consultapublica/detalheprocessoconsultapublica/documentosemloginhtml.seam?ca=e7a42b30ee6f6d0ff5bb5ab6f2d34 Poder Judiciário da União TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS 2JEFAZPUB 2º Juizado Especial da Fazenda Pública do DF Número do processo: 0706261 95.2015.8.07.0016 Classe judicial:

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO VIGÉSIMA QUARTA CÂMARA CÍVEL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO VIGÉSIMA QUARTA CÂMARA CÍVEL 1 TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO VIGÉSIMA QUARTA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO CÍVEL Nº 0396174-39.2013.8.19.0001 APELANTE/APELADO: MARIANA BAPTISTA CARVALHO DE OLIVEIRA APELANTE/APELADO: APPLE

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015 Disciplina: Direito Civil II Departamento II: Direito Privado Docente Responsável: Prof. Dr. Clineu Ferreira Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual 2º Ano Objetivos:

Leia mais

Responsabilidade Civil para Concursos

Responsabilidade Civil para Concursos Responsabilidade Civil para Concursos RESPONSABILIDADE CIVIL PARA CONCURSOS 1 2 RENATO SOUZA OLIVEIRA JUNIOR Renato Souza Oliveira Junior Advogado da União Mestre em Direito pelo UNICEUB. Responsabilidade

Leia mais

Aula 3 ato ilícito. San Tiago Dantas: principal objetivo da ordem jurídica? É proteger o lícito e reprimir o ilícito.

Aula 3 ato ilícito. San Tiago Dantas: principal objetivo da ordem jurídica? É proteger o lícito e reprimir o ilícito. Aula 3 ato ilícito. San Tiago Dantas: principal objetivo da ordem jurídica? É proteger o lícito e reprimir o ilícito. Ordem jurídica: estabelece deveres positivos (dar ou fazer alguma coisa) e negativos

Leia mais

CAUTELAS DA CONSTRUTORA NA ESCOLHA DO FORNECEDOR DE INSUMOS: vícios ocultos e o regime de responsabilidade solidária do CDC

CAUTELAS DA CONSTRUTORA NA ESCOLHA DO FORNECEDOR DE INSUMOS: vícios ocultos e o regime de responsabilidade solidária do CDC CAUTELAS DA CONSTRUTORA NA ESCOLHA DO FORNECEDOR DE INSUMOS: vícios ocultos e o regime de responsabilidade solidária do CDC Por Rodrigo Antola Aita 1. Introdução As empresas construtoras e incorporadoras,

Leia mais

RESPONSABILIDADE MÉDICA EMPRESARIAL E DA EQUIPE CIRÚRGICA POR ERRO ANESTÉSICO

RESPONSABILIDADE MÉDICA EMPRESARIAL E DA EQUIPE CIRÚRGICA POR ERRO ANESTÉSICO RESPONSABILIDADE MÉDICA EMPRESARIAL E DA EQUIPE CIRÚRGICA POR ERRO ANESTÉSICO TOMÁS LIMA DE CARVALHO 1 Em julgamento proferido no dia 22 de setembro de 2009, a Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça

Leia mais

A RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA DO ESTADO NOS CASOS DE OMISSÃO

A RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA DO ESTADO NOS CASOS DE OMISSÃO A RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA DO ESTADO NOS CASOS DE OMISSÃO SILVA, R. M. Resumo: O tema apresentado é de muita importância tendo em vista todos os danos que o Estado causa aos seus cidadãos. Danos

Leia mais

ATRASO NA ENTREGA DE OBRA QUAIS SEUS DIREITOS? Thiago Novaes Sahib 1 RESUMO

ATRASO NA ENTREGA DE OBRA QUAIS SEUS DIREITOS? Thiago Novaes Sahib 1 RESUMO ATRASO NA ENTREGA DE OBRA QUAIS SEUS DIREITOS? Thiago Novaes Sahib 1 RESUMO O presente trabalho busca analisar alguns direitos que os consumidores possuem nas situações onde há atraso na entrega de imóveis

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DE RONDÔNIA Porto Velho - Fórum Cível Av Lauro Sodré, 1728, São João Bosco, 76.803-686 e-mail:

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DE RONDÔNIA Porto Velho - Fórum Cível Av Lauro Sodré, 1728, São João Bosco, 76.803-686 e-mail: Vara: 1ª Vara Cível Processo: 0000625-57.2014.8.22.0001 Classe: Procedimento Ordinário (Cível) Requerente: Ronaldo Prestes Teixeira Requerido: Claro Sa S E N T E N Ç A Vistos, etc. RELATÓRIO RONALDO PRESTES

Leia mais

Abuso de Direito (art. 187 CC) Limites ao exercício de um direito: Fins econômicos, fins sociais, costumes e boa fé.

Abuso de Direito (art. 187 CC) Limites ao exercício de um direito: Fins econômicos, fins sociais, costumes e boa fé. Turma e Ano: Flex B (2013) Matéria / Aula: Civil (Contratos) / Aula 15 Professor: Rafael da Motta Mendonça Conteúdo: Teoria Geral dos Contratos: Princípios: Boa fé Objetiva; Fases do Contrato: Formação

Leia mais

Desembaraço aduaneiro, fraude praticada por terceiros e pena de perdimento, análise de uma situação concreta

Desembaraço aduaneiro, fraude praticada por terceiros e pena de perdimento, análise de uma situação concreta Desembaraço aduaneiro, fraude praticada por terceiros e pena de perdimento, análise de uma situação concreta Por Tácio Lacerda Gama Doutor em Direito pela PUC/SP Um caso concreto A União Federal move ação

Leia mais

AULA 07. CONTEÚDO DA AULA: Abuso de Direito Final. Art. 927, Parágrafo único. Art. 931. Responsabilidade pelo fato de terceiro 932 até Inciso III.

AULA 07. CONTEÚDO DA AULA: Abuso de Direito Final. Art. 927, Parágrafo único. Art. 931. Responsabilidade pelo fato de terceiro 932 até Inciso III. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Responsabilidade Civil / Aula 07 Professora: Andréa Amim Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 07 CONTEÚDO DA AULA: Abuso de Direito Final. Art. 927, Parágrafo

Leia mais

Admitido o recurso. Contrarrazões foram apresentadas.

Admitido o recurso. Contrarrazões foram apresentadas. A C Ó R D Ã O 7.ª Turma GMDMA/LPS/sm RECURSO DE REVISTA. INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS. REVISTA EM BOLSAS E PERTENCES PESSOAIS DA EMPREGADA. Entendeu a Corte de origem que a revista dos pertences dos empregados

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo fls. 435 Registro: 2016.0000004275 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0009610-54.2008.8.26.0020, da Comarca de, em que é apelante ABRIL COMUNICAÇÕES S.A, é apelado IVANILTON

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 871.628 - AL (2006/0162973-8) RELATOR : MINISTRO JORGE SCARTEZZINI RECORRENTE : TIM NORDESTE TELECOMUNICAÇÕES S/A ADVOGADO : GENILSON JOSÉ AMORIM DE CARVALHO E OUTROS RECORRIDO : LUIZ

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 963.454 - SC (2007/0143805-5) RELATOR RECORRENTE ADVOGADOS RECORRIDO PROCURADOR INTERES. : MINISTRO PAULO DE TARSO SANSEVERINO : LIBERTY PAULISTA SEGUROS S/A : SÉRGIO ALEXANDRE SODRÉ

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.468.978 - SC (2014/0174626-0) RELATOR : MINISTRO RICARDO VILLAS BÔAS CUEVA RECORRENTE : BANCO SEMEAR S/A ADVOGADOS : ANDREA RODRIGUES FLAIDA BEATRIZ NUNES DE CARVALHO E OUTRO(S) VICTOR

Leia mais

Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais Para Reflexão Ao indivíduo é dado agir, em sentido amplo, da forma como melhor lhe indicar o próprio discernimento, em juízo de vontade que extrapola

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 26ª CÂMARA CÍVEL/CONSUMIDOR Proc. nº 0008489-07.2014.8.19.0042 APELAÇÃO CÍVEL CONSUMIDOR

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 26ª CÂMARA CÍVEL/CONSUMIDOR Proc. nº 0008489-07.2014.8.19.0042 APELAÇÃO CÍVEL CONSUMIDOR RECURSO...: APELANTE (S)...: APELADO (S)...: JUÍZO DE ORIGEM.: JDS. DES. RELATOR: APELAÇÃO CÍVEL CONSUMIDOR BRUNO MACEDO BASTOS. BANCO SANTANDER BRASILO S/A. 3ª VARA CÍVEL DE PETRÓPOLIS. RICARDO ALBERTO

Leia mais

Nesta data, faço os autos conclusos ao MM. Dr. Juiz Leonardo de Castro Gomes. Em 08/05/2013. Sentença

Nesta data, faço os autos conclusos ao MM. Dr. Juiz Leonardo de Castro Gomes. Em 08/05/2013. Sentença Fls. Processo: 0482611-20.2012.8.19.0001 Classe/Assunto: Procedimento Sumário - Dano Moral Outros - Cdc; Cobrança de Quantia Indevida E/ou Repetição de Indébito - Cdc; Promessa de Compra e Venda / Coisas

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2013.0000774196 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0002068-54.2012.8.26.0663, da Comarca de Votorantim, em que é apelante UNIVERSO ON LINE S/A, é apelado ANTONIO

Leia mais

29 a 30 de maio de 2008 RESPONSABILIDADE CIVIL E RELAÇÕES TRABALHISTAS. Fraiburgo Santa Catarina

29 a 30 de maio de 2008 RESPONSABILIDADE CIVIL E RELAÇÕES TRABALHISTAS. Fraiburgo Santa Catarina 29 a 30 de maio de 2008 RESPONSABILIDADE CIVIL E RELAÇÕES TRABALHISTAS Fraiburgo Santa Catarina A responsabilidade civil é a aplicação de medidas que obriguem uma pessoa a reparar o dano moral ou patrimonial

Leia mais

3. A parte apelada apresentou contra-razões às fls. 85/89.

3. A parte apelada apresentou contra-razões às fls. 85/89. APELAÇÃO CÍVEL 382008-PB (2004.82.00.004630-1). APTE : JOSÉ EUFLAVIO HORÁCIO ADV/PROC : MANUELA ZACCARA SABINO E OUTROS APDO : CEF - CAIXA ECONÔMICA FEDERAL ADV/PROC : FRANCISCO DAS CHAGAS NUNES E OUTROS.

Leia mais

Parecer Jurídico - CAOPCON

Parecer Jurídico - CAOPCON Parecer Jurídico - CAOPCON Procedimento Administrativo nº 0046.15.092147-9 Ementa: CONSUMIDOR CONTRATO DE EMISSÃO E UTILIZAÇÃO DE CARTÕES DE CRÉDITO E DÉBITO CANCELAMENTO UNILATERAL PELA INSTITUIÇÃO FINANCEIRA

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO

RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO Introdução. - O Estado é o sujeito responsável. - Na responsabilidade civil do Estado os princípios próprios são mais rigorosos (atuação Estatal é uma imposição, devendo o Estado ser responsabilizado de

Leia mais

: MIN. DIAS TOFFOLI GRANDE

: MIN. DIAS TOFFOLI GRANDE RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 686.721 SÃO PAULO RELATOR RECTE.(S) PROC.(A/S)(ES) RECDO.(A/S) ADV.(A/S) INTDO.(A/S) ADV.(A/S) : MIN. DIAS TOFFOLI :MUNICÍPIO ESTÂNCIA BALNEÁRIA DE PRAIA GRANDE :PROCURADOR-GERAL

Leia mais

O PAPEL DA PROVA NA AFERIÇÃO DO RESPONSÁVEL POR ACIDENTE DE TRÂNSITO

O PAPEL DA PROVA NA AFERIÇÃO DO RESPONSÁVEL POR ACIDENTE DE TRÂNSITO O PAPEL DA PROVA NA AFERIÇÃO DO RESPONSÁVEL POR ACIDENTE DE TRÂNSITO Por Fernando Oliva Palma 1) Introdução Os acidentes de trânsito, hoje em dia, constituem um dos principais motivos do elevado número

Leia mais

A RESPONSABILIDADE DO PERSONAL TRAINER DOUTOR PAQUITO RESUMO

A RESPONSABILIDADE DO PERSONAL TRAINER DOUTOR PAQUITO RESUMO A RESPONSABILIDADE DO PERSONAL TRAINER DOUTOR PAQUITO RESUMO O presente artigo traz a concepção da responsabilidade civil aplicada ao personal trainer, um estudo que merece atenção tanto do profissional

Leia mais

APELAÇÃO CÍVEL PROCESSO Nº 0094114-74.2010.8.19.0001 VIGÉSIMA CÂMARA CÍVEL

APELAÇÃO CÍVEL PROCESSO Nº 0094114-74.2010.8.19.0001 VIGÉSIMA CÂMARA CÍVEL APELANTE: WANIA CRISTINA DA SILVA (Autora) APELADO: GOLDEN CROSS ASSISTÊNCIA INTERNACIONAL DE SAÚDE LTDA (Ré) RELATORA: DES. INÊS DA TRINDADE CHAVES DE MELO APELAÇÃO CÍVEL AÇÃO DE OBRIGAÇÃO DE FAZER C/C

Leia mais

Anual Especial Diurno Direito Civil Nelson Rosenvald Data: 22/05/2012 Aula 69-70 RESUMO SUMÁRIO

Anual Especial Diurno Direito Civil Nelson Rosenvald Data: 22/05/2012 Aula 69-70 RESUMO SUMÁRIO Anual Especial Diurno Direito Civil Nelson Rosenvald Data: 22/05/2012 Aula 69-70 RESUMO SUMÁRIO 1) Responsabilidade civil 1.1) Ato ilícito 1.2) Culpa 1.3) Abuso de direito 1.4) Eficácia do ilícito 1) Responsabilidade

Leia mais

APELAÇÃO CÍVEL N.º. DE JUSTIÇA DÉCIMA CÂMARA CÍVEL. Apelante: 1. Apelados: OS MESMOS. Desembargador BERNARDO MOREIRA GARCEZ NETO (18.

APELAÇÃO CÍVEL N.º. DE JUSTIÇA DÉCIMA CÂMARA CÍVEL. Apelante: 1. Apelados: OS MESMOS. Desembargador BERNARDO MOREIRA GARCEZ NETO (18. DE JUSTIÇA DÉCIMA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO CÍVEL N.º. Apelante: 1. 2.. Apelados: OS MESMOS. Desembargador BERNARDO MOREIRA GARCEZ NETO (18.646) CLASSIFICAÇÃO REGIMENTAL : 5 Responsabilidade civil. Criança

Leia mais

Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. Responsabilidade Civil dos Estabelecimentos Bancários. Carlos Eduardo Patrício Narciso

Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. Responsabilidade Civil dos Estabelecimentos Bancários. Carlos Eduardo Patrício Narciso Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro Responsabilidade Civil dos Estabelecimentos Bancários Carlos Eduardo Patrício Narciso Rio de Janeiro 2012 CARLOS EDUARDO PATRÍCIO NARCISO Responsabilidade

Leia mais

Direito do Consumidor: Responsabilidade Civil e o Dever de Indenizar

Direito do Consumidor: Responsabilidade Civil e o Dever de Indenizar Direito do Consumidor: Responsabilidade Civil e o Dever de Indenizar Formação de Servidores do PROCON RJ - 2012 RESUMO Finalidade da Responsabilidade Civil Segurança Jurídica Sistema de Garantias Tutela

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.153.218 - SP (2009/0135019-3) RELATORA : MINISTRA NANCY ANDRIGHI EMENTA PROCESSO CIVIL. REPRESENTAÇÃO PROCESSUAL. CÓPIA DE PROCURAÇÃO. INSTRUMENTO PÚBLICO. PRESUNÇÃO DE VALIDADE.

Leia mais

RECURSO ESPECIAL Nº 612.800 - RO (2003/0210339-4)

RECURSO ESPECIAL Nº 612.800 - RO (2003/0210339-4) RECURSO ESPECIAL Nº 612.800 - RO (2003/0210339-4) RELATOR RECORRENTE ADVOGADOS RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO ANTÔNIO DE PÁDUA RIBEIRO : BANCO DO BRASIL S/A : ÂNGELO AURÉLIO GONÇALVES PARIZ DONIZETI ELIAS

Leia mais

Sumário NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 NOTA PRÉVIA... 19 PREFÁCIO... 21 APRESENTAÇÃO... 23

Sumário NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 NOTA PRÉVIA... 19 PREFÁCIO... 21 APRESENTAÇÃO... 23 Sumário NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 NOTA PRÉVIA... 19 PREFÁCIO... 21 APRESENTAÇÃO... 23 CAPÍTULO I... 25 1. Novos riscos, novos danos... 25 2. O Estado como responsável por danos indenizáveis... 26 3.

Leia mais