Justiça, que tenho eu a ver com isso?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Justiça, que tenho eu a ver com isso?"

Transcrição

1 Justiça, que tenho eu a ver com isso? Quando se ouve falar de justiça, o que imediatamente surge no espírito de cada um é a justiça que temos. Ou seja, a justiça que é feita ou não é feita pelos tribunais, aplicando leis emanadas do poder político. Porque, na verdade, há um serviço da justiça que o Estado deve proporcionar, há um sistema de justiça que estabelece os moldes em que o serviço deve ser prestado, há um aparelho de justiça que actualiza a prestação desse serviço, e onde se integram os chamados operadores da justiça: magistrados, advogados, funcionários, polícias, etc. Associada a esta ideia de justiça surge logo a palavra crise. Então, cada vez mais o nosso subconsciente colectivo faz da justiça um problema grave da sociedade, que importa resolver, e muito rapidamente. A justiça é tratada como o pior serviço prestado pelo Estado, e os magistrados descem vertiginosamente no que se diz serem as sondagens sobre a credibilidade das profissões. Já se fala há tantos anos de crise da justiça, e, aparentemente, são tão limitados os progressos feitos para a melhorar, que é legítimo perguntar se aquilo a que chamamos crise, não acaba por ser afinal o modo próprio da dita justiça funcionar. Ou então, ao falar-se da crise da justiça, com uma conotação de conjuntura, sempre interessava eleger a época que se considera como referência, e ver se, e porque é que as coisas estão pior. Mas adiante voltaremos necessariamente ao assunto.

2 Ao lado desta realidade, é sem dúvida possível falar-se de outra, que não tem só, nem tanto a ver, com as exigências feitas ao Estado, sobre o funcionamento da justiça, mas com o contributo que cada um individualmente dá, para que as relações entre as pessoas sejam mais justas, e, indirectamente, para que a necessidade de recurso aos tribunais se mostre menos premente. Estamos habituados a ver a justiça como qualquer coisa que se pede. Mas é possível configurá-la como algo que se proporciona. Esquecemo-nos geralmente desta vertente. Assim, depois de uma passagem pela justiça que se solicita, pelos problemas que aí afloram e convém não escamotear, passaremos a abordar a justiça que podemos fazer. Portanto, o desafio individual que ela constitui, para cada um de nós, enquanto virtude. Justiça em benefício de cada um de nós, mas, também, justiça contributo de cada um de nós. A A JUSTIÇA QUE SE PEDE Na perspectiva da justiça a que temos que recorrer, e que é o trabalho dos tribunais, qualquer abordagem tem que partir de uma constatação, qual seja a da inflação do judiciário. Importa que nos coloquemos numa perspectiva histórica, e, pelo menos a partir de 25 de Abril de 1974, os tribunais, pensados e organizados para tratar de certo número e tipo de casos, viram-se gradualmente a braços com um número exponencial de processos.

3 Houve, em primeiro lugar, uma conjuntura política e social que proporcionou esse estado de coisas, e que teve que ver com a instauração do regime democrático. É evidente que quanto mais policial se apresentar um regime politico mais os conflitos se previnem. Pelo contrário, o maior exercicio das liberdades gera mais conflitualidade, porque esse exercício se faz acompanhar de um défice lamentável do sentido da responsabilidade, e portanto a autoridade do Estado será chamada a intervir, geralmente "ex post", e em sede de tribunal. Mais direitos, e melhor consciência deles, propicia maior recurso a tribunal. Por outro lado, a instauração do Estado-de-Direito democrático imporia sempre uma revisão do equilíbrio de poderes, a pender para o fortalecimento do judiciário. Não nos podemos esquecer de que é próprio de regimes autoritários o ascendente do executivo sobre os outros poderes, reservando-se os tribunais para a conflitualidade entre particulares, só, e nem toda a conflitualidade. Para além desta mutação política, toda a sociedade evolui num sentido que origina o aumento de pendências: A complexização crescente e rápida das relações sociais levou à regulação jurídica de áreas onde não era possível prever, antes, que surgissem conflitos. Vivemos numa época de tolerância e individualismo onde cada vez menos existem padrões éticos generalizadamente aceites, e à luz dos quais parte da conflitualidade poderia ser amortecida. O corpo normativo operativo passou a ser só o que se impõe a todos, igualmente, e pela força. Ou seja, o direito. Assim, a conflitualidade que se ultrapassava antes informalmente é transformada em litigiosa.

4 A sociedade do bem estar dispõe ou quer dispor de serviços para resolver todos os seus problemas. O serviço do judiciário passou a ter procura banalizada. Tal como acontece com certos comités de ética os juizes vêemse, cada vez mais, a ter que se assumir como uma espécie de consciência moral substitutiva. Tudo isto é patente por exemplo no domínio do direito de família. Mas não se julgue que a inflacção de processos se restringe ao domínio privatístico. A actividade do poder legiferante e da Administração são elas também questionadas em tribunal. A actividade política é cada vez menos orientada por ideologias e cada vez mais pragmática e competitiva. Nas nossas democracias, a gestão da coisa pública não pode perder de vista o trabalho das oposições, os escrutinios eleitorais seguintes, e sobretudo, a influência dos meios de comunicação. Há uma procura de equilíbrios e consensos que nem sempre permite a prossecução de objectivos de longo prazo. Os administrados, por outro lado, sentem algum desinteresse pela coisa pública e vêm o poder só como sistemático destino de reivindicações, o que é mau. Por isso é que o Estado-de-Direito surge cada vez mais como um Estado de garantia judiciária, o que é muito mau. Levando este estado de coisas ao limite, chegar-se-ia ao retrato de Antoine GARAPON sobre a realidade francesa, segundo o qual já não é tanto a observância da lei pelo poder que funciona como garantia dos administrados. Estes vão-se conformando com o facto de, pelo menos, poderem recorrer a uma instância independente, onde façam valer aquilo que consideram as promessas não cumpridas, da democracia. Segundo aquele autor, e no tocante à democracia

5 francesa, os tribunais transformaram-se nos locais da exigibilidade, e os magistrados nos guardiões das promessas daquela democracia. Será que a inflação do judiciário responde, só ela, pela tão apregoada crise? É evidente que o sentimento de crise da justiça é entre nós um dado sociologicamente irrefutável. Independentemente da atribuição de causas, das incorrecções de análise, e até do papel da comunicação social em tudo isto, é certo que os cidadãos estão mesmo insatisfeitos. Essa insatisfação não é uma ilusão, embora possa corresponder a uma ideia induzida, ou a um sentimento de contornos pouco claros. Mas, a primeira pergunta que cumprirá fazer é a da dimensão da crise. Importa apurar se a dita crise da justiça é só de hoje e, na negativa, porque é que dela se fala agora como nunca antes tinha ocorrido. De um lado podemos ter a experiência pessoal de alguém cujo caso em tribunal positivamente "não anda". Também pode haver a constatação de que tais casos pessoais se vão generalizando assustadoramente. Mas, como realidade diferente, há uma convicção pessoal da crise que se vai comunicando, crise que se não viveu, e cujos contornos reais se podem desconhecer com precisão. Porque a dimensão da crise, enquanto grau de insatisfação, também pode ser manipulável.

6 Ora, não pode esquecer-se que a insatisfação com a prestação dos tribunais pode representar o sintoma de um acréscimo da qualidade material de vida. Assistimos hoje de um modo geral, e felizmente, ao abaixamento do grau de tolerância às injustiças. Há mais direitos e maior consciência deles. Há um maior poder reivindicativo, pelo menos de certos grupos, já o dissémos. Mas há, sobretudo, a verificação de uma regra que também no campo da justiça se aplicará: quanto menos um mal existe mais custa suportar a que dele resta. Ocorre ainda um fenómeno novo: os casos de justiça são notícia. E, sobretudo, os casos de justiça penal passaram a ser frequentes nos órgãos de comunicação social. Como é bom de ver, os crimes mais noticiados são geralmente os que envolvem figuras com notoriedade pública, que podem ter uma investigação mais complexa, e em que se esgotam todas as possibilidades processuais, com o consequente protelamento do processo. Esses são os processos de que se fala, e os processos de que mais se fala são os processos que mais demoram. Só que dos milhares de processos que têm um tempo de duração razoável, e todos os dias terminam nos nossos tribunais, pouco se diz, porque obviamente não são notícia. Acresce que, na sociedade em que vivemos, há um constante apelo à aquisição de mais e mais bens de consumo. Uma consequência disso é que muitas pessoas vivem acima das sua possibilidades. Não se pode exigir que as pessoas renunciem a padrões de bem estar, relativamente altos, que todos os dias nos oferecem como se fossem perfeitamente acessíveis. O recurso ao crédito é uma saída incentivada por fornecedores de bens e serviços, os quais acabam, frequentemente, por recorrer,

7 eles, ao tribunal, para cobrar as suas dividas. O que dá origem à chamada litigância de massa, responsável por muitos problemas dos nossos tribunais cíveis. Ao lado das queixas contra o serviço da justiça lento, há também um conjunto de razões intrínsecas ao funcionamento da justiça que levam o cidadão a estranhar, a desconfiar, e finalmente a rejeitar, o modo de proceder nas coisas da justiça. Entrámos no século XXI imbuídos de uma cultura de eficácia e sobretudo de rapidez. A produção de bens e serviços está dominada por uma mentalidade científico-tecnológica. E assim nos fomos habituando a exigir precisão, previsibilidade e meios de controlo. Familiarizámo-nos com a mecanização de procedimentos e portanto com a uniformização de procedimentos. Ora, o que é que se observa quanto ao modo de proceder dos tribunais? 1. Assiste-se à produção de decisões que formam uma juris prudência, não uma juris ciência. Está-se portanto perante um tipo de rigor completamente diferente do rigor matemático ou da ciência em geral. 2. Assiste-se a uma certa dose de imprevisibilidade quanto ao conteúdo das decisões, e dai a expectativa em que se encontram normalmente os interessados, ou quem acompanha um processo. A decisão jurisdicional não depende só dos conhecimentos de quem a profere. Quem julga é uma personalidade viva com um passado e uma mundividencia, que se investe todo ele na decisão. Não uma máquina que debita soluções para problemas, a partir dos dados que lhe são fornecidos.

8 3. Assiste-se a uma forma de controlo nos tribunais que também é própria. É que os tribunais são órgãos sujeitos a uma fiscalização levada a cabo, substancialmente, do interior do próprio sistema. As decisões dos tribunais impõem-se, como se sabe, a todos os outros órgãos de soberania, e as decisões que proferem só podem ser fiscalizadas, por via de recurso, através de outros tribunais. Acresce que o escrutínio do trabalho dos magistrados é feito por outros magistrado. 4. No limite, o controle das decisões desemboca no controle sobre o poder dos magistrados, poder que não é obtido directamente pelo voto, e, em termos democráticos, tão só indirectamente legitimado. Daí que, embora entre nós não haja uma verdadeira alternativa a este estado de coisas, nem sempre o poder dos tribunais é aceite facilmente, sobretudo se se sobrepõe a decisões de órgãos eleitos, ou está em causa o julgamento de titulares de cargos, para os quais foram eleitos democráticamente. 5. Nos nossos tribunais perduraram durante tempo demais métodos ultrapassados. Escusado será dizer que o tempo e o espaço, na sua correlação estreita, encurtaram em todo o lado. Há menos tempo para tudo e as distâncias ficaram próximas. Durante décadas, os tribunais não acompanharam essa evolução. Acordou-se tarde, mas ainda bem que se acordou, pelo que a chamada falta de celeridade das instâncias judiciárias é hoje uma preocupação sincera a que se procura pôr cobro. 6. Mas a justiça pode causar ainda, perplexidade, quanto ao seu funcionamento interno, porque não acompanhou a simplificação de rituais, o apagamento das distâncias entre as próprias pessoas, e, até, a dessacralização da sociedade. O funcionamento da justiça, sobretudo no tocante à audiência, mantém conotações cénicas, ou de um autêntico cerimonial litúrgico. A

9 justiça acolhe procedimentos cheios de cargas simbólicas. No ritualismo e no simbolismo cria-se distância e a distância é em muitas situações funcional. Só que isso nem sempre é compreendido. Tecidas todas estas considerações, e a terminar, importa ver na crise da justiça sobretudo uma crise de celeridade. Independência dos juízes e autonomia do MºPº, imparcialide, competência e acessibilidade são exigências de um correcto exercício da justiça que não têm sido objecto de críticas de maior. Do que as pessoas se queixam é de que os processos demoram tempo demais. Têm razão, e por isso aí se tem procurado combater a tão propalada crise. B A JUSTIÇA QUE SE PROPORCIONA. Ao lado daquilo que o Estado nos deve dar, como serviço público da justiça, está aquilo que eu posso fazer, em múltiplos sectores da minha actuação, em prol da justiça. Porque se todos nós podemos ser vítimas de injustiças, também podemos ser causadores de injustiças, e, na medida em que o procuremos evitar, pelo menos damos um contributo para que haja menos processos nos tribunais. Assume então importância para cada um de nós, como regra de actuação, a justiça enquanto virtude moral. Começemos então por uma breve reflexão sobre a mesma. A justiça pertence á ordem das realidades que funcionam para o homem como critério de acção. Ou seja, pertence antes de mais nada ao mundo dos valores, e é,

10 dentro destes, uma virtude moral. Curiosamente, das quatro virtudes chamadas cardeais, enunciadas já por Platão e adoptadas no Cristianismo, ela é, ao lado da prudência, da temperança (ou moderação) e da coragem (ou fortaleza), a única que vale absolutamente. A única que nunca peca por exagero, e, além disso não pode estar ao serviço do bem ou do mal. Está ao serviço de si própria. Sempre e só. Piaget estudou a evolução do sentido de justiça na criança, e chegou à conclusão de que até cerca dos 7, 8 anos, para a criança, a justiça identifica-se com a autoridade parental. Até perto dos 12 anos, a justiça é sinónimo de igualdade, sem excepções, mas, a partir dessa idade, passa a ser encarada como uma virtude que toma nota do caso concreto, se aproxima, pois, da equidade, e conta com uma componente de racionalidade. Todos temos a experiência de reagirmos à actuação de cada qual, considerando que ela não é justa. E no fundo, essa reacção derivará de se não ver explicação, ou motivos, para que se tenha estabelecido uma diferença. Isto significa que há uma primeira abordagem da justiça que assenta da verificação de uma igualdade de tratamento. O mesmo é dizer, que o sentimento de injustiça será desencadeado por situações de desigualdade, para que se não veja uma explicação razoável. Paralelamente, uma outra noção de justiça coincide, simplesmente com a de observância do direito. E não é raro que estas duas acepções se vejam confundidas. É o que acontece sempre que reagimos, dizendo espontaneamente "não há direito!" sem ter no espirito, obviamente.. qualquer norma jurídica. Como refere COMTE-SPONVILLE "A justiça joga-se completarnente neste duplo aspecto, da "legalidade", na cidade, e da "igualdade" entre os indivíduos". Ou, como milhares de anos antes afirmava ARISTÓTELES, "O justo é o que está em conformidade com a lei e respeita a igualdade".

11 Mas falamos aqui de igualdade de tratamento, e não obviamente igualdade de facto, ou de características, embora as duas acepções tenham entre si uma ponte. Existe uma igualdade de facto entre todos os homens, com o sentido de que os homens normais, num certo núcleo essencial, são iguais. A igualdade de "características" basta-se portanto com uma certa dose de similitude, e não aspira à coincidência das características das pessoas. Aconteceu porém que, para além disso, mas também por isso, se estipulou que todos os homens deviam ser tratados como iguais. Deviam ser tratados, o que significa que se abandonou o terreno descritivo, ou de realidade, e se deu o salto para o âmbito axiológico, se quisermos, normativo. O tratamento "como igual" socorre-se do princípio, também ele normativo, da igual dignidade da pessoa humana. Ancorados naquela similitude fáctica reputada suficiente, e que une os homens todos, a moral e o direito adoptaram o conceito operativo de "igual dignidade humana", o qual acaba por funcionar, simultaneamente, como inspiração e limitação. Tanto para o legislador ou para o aplicador do direito, como para o cidadão em geral. Poderia eleger-se como primeira máxima do justo que cada um obtenha o que lhe for devido. Mas o que é que é devido a cada um? Nada, numa perspectiva de puro estado de natureza. Leia-se, sem as implicações de sociabilidade humana. Como diz SPINOZA na sua Ética "Não há nada na natureza que possa ser considerado coisa de um ou outro mas tudo pertence a todos; portanto, no estado natural não se pode conceber nenhuma vontade de atribuir a cada um o seu, ou de tirar a qualquer um o que lhe pertence; isto é, no estado natural não há nada que

12 possa ser considerado justo ou injusto". Quer como virtude moral a conduzir o relacionamento de indivíduo para indivíduo, quer como ideal organizativo da sociedade, a justiça pressupõe alteridade em termos humanos, pressupõe vida em sociedade, e pressupõe cultura portanto. A justiça é uma decorrencia da sociabilidade que atribui o poder de exigir comportamentos, e impõe deveres ou obrigações. Obrigação vem do latim obligatio. Ob é um prefixo que significa o que está em frente de, a que se junta o termo ligatio, ligação. A sociedade liga-nos ao semelhante e a essa ligação chamou-se obrigação. Ao procurar ser justo, posso encontrar-me numa relação de cidadão para cidadão, ou de particular para particular. Fundamental, é não prejudicar o semelhante evitando um mal que ele não tem que suportar, ou reparando o mal que o fiz suportar. Estamos no domínio da justiça chamada comutativa, do alterum non laedere dos romanos. Mas posso ser membro de uma comunidade, (organizada em Estado, numa empresa, ou como família), e, enquanto tal, ficar investido de um poder específico, portanto numa posição hierárquicamente superior. Caber-me-á então, mais específicamente, e no âmbito das minhas competências, dar a cada um o que lhe é devido. Fala-se aqui da justiça distributiva, do suum quique tribuere Finalmente a relação comunidade - indivíduo pode estabelecer-se, tanto desta para aquele, como no sentido inverso, do cidadão para com a comunidade em que se integra. Se essa comunidade se organiza em Estado e produz normas, a realização da justiça é inseparável da mediação do direito. Assim, o que se pede ao cidadão como contributo para a realização da justiça

13 é sem dúvida o respeito pelas leis que lhe impõem comportamentos. Muitas vezes justificamos a nossa desobediência à lei alegando que ela é injusta. Mas, também geralmente, arvoramo-nos em críticos da lei, sem uma visão global dos interesses em jogo e só centrados na conveniência própria. Mais do que um convite à insurreição, a lei considerada injusta convida é à sua substituição, o que, nos regimes democráticos de hoje se socorre de mecanismos próprios. Já os romanos falavam, a propósito deste ponto, do honeste vivere. Claro que não é possível proceder agora à análise das áreas em que, sociológicamente, o desprezo pela lei e a indiferença pelas situações de injustiça que criamos, são mais alarmantes. Todos as conhecemos. No domínio privatístico, basta pensar na responsabilidade civil por acidentes de viação. Tudo por causa da forma desastrada como conduzimos nas nossas estradas, por causa da autêntica banalização em que se caiu, do desrespeito generalizado do Código da Estrada. Em matéria de dívidas, o compre agora e pague depois é cada vez mais um compro agora e pago se puder, com as inerentes consequências. No domínio das relações de família, as situações de violência saltam à vista. Interessa porém estar também atento à simples prepotência e à discriminação, mais ou menos encapotadas, e de que é vítima, no seu seio, o elo mais fraco.

14 Pense-se no que se passa em matéria de concursos públicos com os favorecimentos indevidos, com a fuga escandalosa ao fisco, com os empenhos, o tráfico de influências, a corrupçãozinha a que sistemáticamente se fecha os olhos. Deixo de lado toda a problemática da insensibilidade social dos patrões, do absentismo e falta de produtividade dos trabalhadores, ou da distibuição da riqueza, em geral, que respeitam à justiça social. Claro que a conflitualidade não vai desaparecer, mas pode ser minorada. - Todos somos portadores de personalidades diferentes e todos nos queremos livres. - Alguns têm uma vontade de domínio que pode ser transformada, diria mesmo, sublimada em poder legítimo, e que no limite deveria confundir-se com serviço. - Todos temos sentimentos egoístas, mais ou menos frequentes, e para os combater é preciso esforço. - Há quem tenha necessidades escandalosamente por satisfazer, e, face à escassez dos bens, reclama partilha. Como, com tudo isto, os conflitos não há-de nunca deixar de acompanhar a convivência entre humanos, então, a pergunta a fazer, é como vencer esses conflitos que existirão sempre, mas pagando, todos nós, o menor preço. - Claro que a conflitualidade se ultrapassou, historicamente e em regra, com recurso à força. Por essa via, os mais fortes dominam os mais fracos, ficando a

15 sociedade mais ou menos próxima da lei da selva. Nesse estado de coisas não há valores, normas, justiça, etc. Só que a lei do mais forte não caracteriza propriamente uma convivência humanizada, civilizada, para já não dizer cristianizada. E não é em retrocessos que estamos propriamente interessados. - Claro que os conflitos têm que continuar a ser ultrapassados, evitando-se o confronto directo entre os descontentes, e apelando para a decisão de um terceiro que é em regra um tribunal. Estamos a falar do tal serviço de justiça que se pede ao Estado. - Mas não tenhamos dúvidas de que o sistema de justiça estará sempre aquém do que é necessário para resolver todos os conflitos da sociedade. Em primeiro lugar, porque só se ocupa de violações de normas jurídicas e muitos dos conflitos surgem por outras razões. Em segundo lugar porque, mesmo no campo do direito, nunca a oferta dos tribunais poderá acompanhar uma procura que está constantemente a crescer. Parece então indispensável que a conflitualidade se previna, e que quando surja se possa resolver por composição de interesses. Se procurarmos ser mais justos nas nossas próprias relações os avanços serão um facto. É esta a justiça que podemos proporcionar. Será tudo? Poder-se-á ir bem mais longe, se instalarmos e aperfeiçoarmos uma cultura que preze, antes do mais, uma convivência não só pacífica mas sobretudo solidária.

16 Uma cultura que seja de concórdia (não forçosamente de concordância), e de fraternidade. Liberdade todos a querem. Igualdade todos a defendem. Na fraternidade pouco se fala. E no entanto Pedindo-se alguma renúncia a todos, acabam por se obter vantagens para o maior número. Com o sacrifício razoável da liberdade de cada um, estarão criadas as condições para a felicidade possível de todos os demais. Curiosamente, Portugal apresenta-se como um país que se reclama da religião católica em termos altamente maioritários. E no entanto, se os princípios ditos evangélicos fossem levados à prática, por certo que a conflitualidade diminuiria, e talvez houvesse menos necessidade de recorrer aos tribunais. Talvez que se não sentisse tanto a propalada crise da justiça. Krisis, para os gregos, significava pensamento, e mais concretamente pensamento crítico.

17 Um pensamento crítico sobre a justiça, nas duas acepções apontadas, é uma óptima oportunidade para que se progrida, em coerência com os princípios de que nos reclamamos. Lisboa, 21 de Maio de 2009 José Souto de Moura Irmandade da Misericórdia e de São Roque de Lisboa Igreja de São Roque Largo Trindade Coelho Lisboa Instituição Órgãos Sociais Serviços à Comunidade História Heráldica Loja Contactos Website desenvolvido

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Ministério da Justiça. Intervenção do Ministro da Justiça

Ministério da Justiça. Intervenção do Ministro da Justiça Intervenção do Ministro da Justiça Sessão comemorativa do 30º Aniversário da adesão de Portugal à Convenção Europeia dos Direitos do Homem Supremo Tribunal de Justiça 10 de Novembro de 2008 Celebrar o

Leia mais

- Pai, temos estado a falar em Cidadania, mas ainda me disseste pouco sobre a origem da palavra e do conceito. Acho que me falaste só na «polis»

- Pai, temos estado a falar em Cidadania, mas ainda me disseste pouco sobre a origem da palavra e do conceito. Acho que me falaste só na «polis» - Pai, temos estado a falar em Cidadania, mas ainda me disseste pouco sobre a origem da palavra e do conceito. Acho que me falaste só na «polis» grega, não foi? - Sim, de facto, a origem mais longínqua

Leia mais

A violência, e em particular a violência doméstica, constitui um desses velhos / novos problemas para o qual urge encontrar novas soluções.

A violência, e em particular a violência doméstica, constitui um desses velhos / novos problemas para o qual urge encontrar novas soluções. A justiça restaurativa no combate à violência doméstica O final de uma legislatura é, certamente, um tempo propício para a realização de um balanço de actividades. Pode constituir-se como convite à avaliação

Leia mais

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica.

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica. INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA AEP - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL, JOSÉ ANTÓNIO BARROS, NA CONFERÊNCIA «O QUE FAZER POR PORTUGAL? MEDIDAS PARA ULTRAPASSAR A CRISE», SOB O TEMA «AS PESSOAS E AS EMPRESAS

Leia mais

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes Conclusões «Inovação e sustentabilidade ambiental. A inovação e a tecnologia como motor do desenvolvimento sustentável e da coesão social. Uma perspectiva dos governos locais». 1. O Fórum irá estudar,

Leia mais

Discurso proferido pelo Presidente do Tribunal de Última Instância, Sam Hou Fai, na Cerimónia de Abertura do Ano Judicial 2000-2001

Discurso proferido pelo Presidente do Tribunal de Última Instância, Sam Hou Fai, na Cerimónia de Abertura do Ano Judicial 2000-2001 Discurso proferido pelo Presidente do Tribunal de Última Instância, Sam Hou Fai, na Cerimónia de Abertura do Ano Judicial 2000-2001 da Região Administrativa Especial de Macau Senhor Chefe do Executivo,

Leia mais

Abertura do Ano Judicial 2011. Senhor Presidente da Assembleia da República. Senhor Presidente do Supremo Tribunal de Justiça

Abertura do Ano Judicial 2011. Senhor Presidente da Assembleia da República. Senhor Presidente do Supremo Tribunal de Justiça GABINETE DO MINISTRO Abertura do Ano Judicial 2011 16 de Março de 2011 Senhor Presidente da República Senhor Presidente da Assembleia da República Senhor Presidente do Supremo Tribunal de Justiça Senhor

Leia mais

UM NOVO PARADIGMA PROCESSUAL CIVIL BASEADO NA MAIOR RESPONSABILIDADE DO ADVOGADO

UM NOVO PARADIGMA PROCESSUAL CIVIL BASEADO NA MAIOR RESPONSABILIDADE DO ADVOGADO UM NOVO PARADIGMA PROCESSUAL CIVIL BASEADO NA MAIOR RESPONSABILIDADE DO ADVOGADO I INTRODUÇÃO: O tema da Reforma da Justiça que, em boa hora, ocupa os trabalhos do VII Congresso dos Advogados Portugueses,

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

Aspectos Psicológicos da Educação em Direitos Humanos

Aspectos Psicológicos da Educação em Direitos Humanos Aspectos Psicológicos da Educação em Direitos Humanos Profª. Dda. Maria de Nazaré Tavares Zenaide Universidade Federal da Paraíba (UFPB) Não bastam boas leis, uma boa Constituição, é preciso que as pessoas

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA. transparência integridade. seriedade. honestidade. cooperação. informação comunicação. ética

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA. transparência integridade. seriedade. honestidade. cooperação. informação comunicação. ética seriedade cooperação ética CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA transparência integridade honestidade informação comunicação Índice 1. Âmbito de aplicação 2. Princípios Fundamentais 3. Normas gerais de conduta 4.

Leia mais

Existe, por isso, uma necessidade evidente de reforçar os laços entre representantes e representados.

Existe, por isso, uma necessidade evidente de reforçar os laços entre representantes e representados. Senhora Presidente da Assembleia Legislativa da Região Senhor Presidente do Governo Regional dos Açores Senhoras Deputadas e Senhores Deputados Senhoras e Senhores Membros do Governo A democracia representativa

Leia mais

A liberdade religiosa. dos direitos individuais aos direitos sociais

A liberdade religiosa. dos direitos individuais aos direitos sociais D E P O I M E N T O S A liberdade religiosa dos direitos individuais aos direitos sociais Com a viragem do século, e sobretudo com o desenvolvimento das investigações das ciências sociais sobre o fenómeno

Leia mais

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO EPSU, UNI Europa, ETUCE, HOSPEEM, CEMR, EFEE, EuroCommerce,

Leia mais

O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL UM NOVO PARADIGMA

O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL UM NOVO PARADIGMA Newsletter 1 Setembro 2013 O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL UM NOVO PARADIGMA No passado dia 1 de Setembro, entrou em vigor, o novo Código de Processo Civil, publicado pela Lei n.º 41/2013, de 26 de Junho,

Leia mais

Projecto de Resolução n.º 471/X

Projecto de Resolução n.º 471/X Projecto de Resolução n.º 471/X Recomenda ao Governo a adopção de medidas de excepção de apoio aos alunos do ensino superior com dificuldades económicas, face ao momento de recessão económica que o País

Leia mais

Código de Conduta. INAPA INVESTIMENTOS, PARTICIPAÇÕES E GESTÃO, S.A. (Sociedade Aberta) Sede: Rua Castilho, n.º 44 3.º andar, 1250-071 Lisboa

Código de Conduta. INAPA INVESTIMENTOS, PARTICIPAÇÕES E GESTÃO, S.A. (Sociedade Aberta) Sede: Rua Castilho, n.º 44 3.º andar, 1250-071 Lisboa Código de Conduta INAPA INVESTIMENTOS, PARTICIPAÇÕES E GESTÃO, S.A. (Sociedade Aberta) Sede: Rua Castilho, n.º 44 3.º andar, 1250-071 Lisboa Capital social: 150 000 000 Número único de pessoa colectiva

Leia mais

Discurso do Presidente da Autoridade da Concorrência. Abertura do 3.º Curso de Formação para Juízes em Direito Europeu da Concorrência

Discurso do Presidente da Autoridade da Concorrência. Abertura do 3.º Curso de Formação para Juízes em Direito Europeu da Concorrência Discurso do Presidente da Autoridade da Concorrência Abertura do 3.º Curso de Formação para Juízes em Direito Europeu da Concorrência 7 de maio de 2014 Senhores Coordenadores do Curso de Formação para

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS DA PROPOSTA DE LEI Nº 265/VII

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS DA PROPOSTA DE LEI Nº 265/VII EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS DA PROPOSTA DE LEI Nº 265/VII (Proposta de Lei que veio dar origem à Lei de Protecção de Crianças e Jovens em Perigo, aprovada pela Lei nº 147/99, de 1 de Setembro), in II Série A,

Leia mais

INTERVENÇÃO ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 2008.10.02. José Pedro AGUIAR-BRANCO

INTERVENÇÃO ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 2008.10.02. José Pedro AGUIAR-BRANCO INTERVENÇÃO ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 2008.10.02 José Pedro AGUIAR-BRANCO Senhor Presidente Srs. Ministros Senhoras e Senhores Deputados 1. A segurança e a justiça constituem um pilar fundamental do Estado

Leia mais

I. CÓDIGO DE ÉTICA. 1. Âmbito de Aplicação

I. CÓDIGO DE ÉTICA. 1. Âmbito de Aplicação I. CÓDIGO DE ÉTICA 1. Âmbito de Aplicação O presente Código de Ética define os princípios e as regras a observar pela N Seguros, S.A. sem prejuízo de outras disposições legais ou regulamentares aplicáveis

Leia mais

CIDADANIA E SOCIEDADE

CIDADANIA E SOCIEDADE CIDADANIA E SOCIEDADE 1 PROGRAMA 1ºMódulo ( P=4+6 ) 0- Cidadania: Uma Introdução 01. Conceitos de Cidadania e de cidadão 02. Valores éticos e cidadania 03. Identidades,pertenças e cidadania 04. Direitos

Leia mais

1. QUADRO DE REFERÊNCIA

1. QUADRO DE REFERÊNCIA PROTOCOLO entre Ministério da Justiça Presidência do Conselho de Ministros APS Associação Portuguesa de Seguradores DECO Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor ACP Automóvel Clube de Portugal

Leia mais

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO Art.º 202º da Constituição da República Portuguesa «1. Os tribunais são órgãos de soberania com competência para Administrar a justiça em nome do povo. (...)» A lei

Leia mais

Empreendedorismo e Segurança Jurídica. António Raposo Subtil Raposo Subtil & Associados Sociedade de Advogados, RL

Empreendedorismo e Segurança Jurídica. António Raposo Subtil Raposo Subtil & Associados Sociedade de Advogados, RL Empreendedorismo e Segurança Jurídica António Raposo Subtil Raposo Subtil & Associados Sociedade de Advogados, RL Empreendedorismo a criação/investimento num ambiente de risco acrescido.. Empreendedorismo

Leia mais

Índice Descrição Valor

Índice Descrição Valor 504448064 Índice Descrição Valor 1 Missão, Objectivos e Princípios Gerais de Actuação 11 Cumprir a missão e os objectivos que lhes tenham sido determinados de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

Conferência REGIME PROCESSUAL EXPERIMENTAL: SIMPLIFICAÇÃO E GESTÃO PROCESSUAL. Direcção-Geral da Política Legislativa. Porto, 16 de Outubro de 2007

Conferência REGIME PROCESSUAL EXPERIMENTAL: SIMPLIFICAÇÃO E GESTÃO PROCESSUAL. Direcção-Geral da Política Legislativa. Porto, 16 de Outubro de 2007 Conferência REGIME PROCESSUAL EXPERIMENTAL: SIMPLIFICAÇÃO E GESTÃO PROCESSUAL Direcção-Geral da Política Legislativa Porto, 16 de Outubro de 2007 A IMPORTÂNCIA DA COLABORAÇÃO DAS PARTES I INTRODUÇÃO: Falar

Leia mais

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

- Então, pai, há alguma notícia importante nos jornais? - Nada de especial. Há muitas notícias sobre a política nacional e internacional e algumas

- Então, pai, há alguma notícia importante nos jornais? - Nada de especial. Há muitas notícias sobre a política nacional e internacional e algumas - Então, pai, há alguma notícia importante nos jornais? - Nada de especial. Há muitas notícias sobre a política nacional e internacional e algumas curiosidades. Se quiseres, depois deixo-te ler. - Tu sabes

Leia mais

O GOVERNO. Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa

O GOVERNO. Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa O GOVERNO Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa «O Governo é o órgão de condução da política geral do país e o órgão superior da Administração Pública.» 1 Pela própria ideia que se retira

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO. Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008

MENSAGEM DE ANO NOVO. Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008 MENSAGEM DE ANO NOVO Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008 Portugueses No primeiro dia deste Novo Ano, quero dirigir a todos uma saudação amiga e votos de boa saúde e prosperidade. Penso especialmente

Leia mais

O recurso à Arbitragem e as suas vantagens

O recurso à Arbitragem e as suas vantagens O recurso à Arbitragem e as suas vantagens Modo de resolução jurisdicional de controvérsias em que, com base na vontade das partes, a decisão é confiada a um terceiro. Para este efeito, considera-se terceiro

Leia mais

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7 ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7 Índice 1. Ética empresarial...3 2 1. ÉTICA EMPRESARIAL É neste contexto, e com o objetivo de o mundo empresarial recuperar a confiança, que vai surgindo a ética Empresarial.

Leia mais

Construção do Plano Estratégico 2015-2020. Revisão da Identidade Estratégica Comissão de Planejamento Estratégico 10/10/2014

Construção do Plano Estratégico 2015-2020. Revisão da Identidade Estratégica Comissão de Planejamento Estratégico 10/10/2014 Construção do Plano Estratégico 2015-2020 Revisão da Identidade Estratégica Comissão de Planejamento Estratégico 10/10/2014 2 Objetivo da Reunião Apresentar a contribuição institucional, discutir propostas

Leia mais

Temos assim que, ao longo do século XX, as tarefas tradicionais do Estado registaram um incremento extraordinário.

Temos assim que, ao longo do século XX, as tarefas tradicionais do Estado registaram um incremento extraordinário. Palavras do Presidente do Supremo Tribunal Administrativo Conselheiro Manuel Fernando dos Santos Serra Na Sessão de Abertura do Colóquio A Justiça Administrativa e os Direitos Administrativos Especiais

Leia mais

A Informática e a Prestação Jurisdicional

A Informática e a Prestação Jurisdicional A Informática e a Prestação Jurisdicional Advogado/RS que nela crêem. e distribuição da Justiça exige a maciça utilização de recursos tecnológicos, especialmente informática. com a tecnologia hoje disponível

Leia mais

«A JURISDIÇÃO ADMINISTRATIVA E FISCAL

«A JURISDIÇÃO ADMINISTRATIVA E FISCAL Intervenção da Presidente da Associação dos Magistrados da Jurisdição Administrativa e Fiscal de Portugal, Juíza Conselheira Fernanda Martins Xavier e Nunes na sessão de abertura do Colóquio «A JURISDIÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DE ÉTICA DA ANSR

REGULAMENTO DE ÉTICA DA ANSR REGULAMENTO DE ÉTICA DA ANSR Oeiras, Agosto de 2010 Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária Regulamento interno de ética e boas práticas Introdução O presente regulamento de ética e deontologia elaborado

Leia mais

DECLARAÇÃO DA PRAIA: MEMORANDO DOS JUÍZES DE LÍNGUA PORTUGUESA SOBRE POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO DA PRAIA: MEMORANDO DOS JUÍZES DE LÍNGUA PORTUGUESA SOBRE POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS DECLARAÇÃO DA PRAIA: MEMORANDO DOS JUÍZES DE LÍNGUA PORTUGUESA SOBRE POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS Os juízes representantes dos vários países de língua oficial portuguesa e que integram a União

Leia mais

Relatório de Actividades do ano 2011 do Conselho Consultivo da Reforma Jurídica

Relatório de Actividades do ano 2011 do Conselho Consultivo da Reforma Jurídica Relatório de Actividades do ano 2011 do Conselho Consultivo da Reforma Jurídica Fevereiro de 2012 Índice 1. Resumo das actividades... 1 2. Balanço e aperfeiçoamento... 6 3. Perspectivas para os trabalhos

Leia mais

RECOMENDAÇÃO DE NORMAS DE COMPORTAMENTO DOS ÁRBITROS DE FUTEBOL E DE FUTSAL

RECOMENDAÇÃO DE NORMAS DE COMPORTAMENTO DOS ÁRBITROS DE FUTEBOL E DE FUTSAL Conselho de Arbitragem RECOMENDAÇÃO DE NORMAS DE COMPORTAMENTO DOS ÁRBITROS DE FUTEBOL E DE FUTSAL Abril /2013 1 / 4 1. INTRODUÇÃO O Futebol evolui consideravelmente nos últimos anos e a competitividade

Leia mais

A CONCILIAÇÃO: DEVER ÉTICO DO ADVOGADO

A CONCILIAÇÃO: DEVER ÉTICO DO ADVOGADO A CONCILIAÇÃO: DEVER ÉTICO DO ADVOGADO EM BUSCA DA PAZ E DA JUSTIÇA Maria Avelina Imbiriba Hesketh 1 1. Introdução A prestação jurisdicional efetiva é uma questão de Justiça Social. Antes de entrar no

Leia mais

Princípios Básicos Relativos à Função dos Advogados

Princípios Básicos Relativos à Função dos Advogados Princípios Básicos Relativos à Função dos Advogados O Oitavo Congresso das Nações Unidas para a Prevenção do Crime e o Tratamento dos Delinquentes, Lembrando o Plano de Acção de Milão 139, adoptado pelo

Leia mais

I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado e cidadania - A REDE -

I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado e cidadania - A REDE - Rede Portuguesa de Jovens para a Igualdade de Oportunidades entre Mulheres e Homens (REDE) I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado

Leia mais

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O SENHOR MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Eng. Mário Lino

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O SENHOR MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Eng. Mário Lino INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O SENHOR MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Eng. Mário Lino por ocasião do Encerramento do Seminário AS NOVAS PERSPECTIVAS NA CONTRATAÇÃO PÚBLICA promovido

Leia mais

DECLARAÇÃO DE BUENOS AIRES (2012) 1

DECLARAÇÃO DE BUENOS AIRES (2012) 1 DECLARAÇÃO DE BUENOS AIRES (2012) 1 Sobre a atuação dos Juízes e Poderes Judiciários Iberoamericanos relativamente à informação, à participação pública e ao acesso à justiça em matéria de meio ambiente

Leia mais

José Epifânio da Franca (entrevista)

José Epifânio da Franca (entrevista) (entrevista) Podemos alargar a questão até ao ensino secundário Eu diria: até à chegada à universidade. No fundo, em que os jovens já são maiores, têm 18 anos, estarão em condições de entrar de uma maneira,

Leia mais

A União Europeia vive, hoje, uma verdadeira questão social. Uma questão que é, ao mesmo tempo, económica, financeira e política. São muitas as razões:

A União Europeia vive, hoje, uma verdadeira questão social. Uma questão que é, ao mesmo tempo, económica, financeira e política. São muitas as razões: DISCURSO DE S. EXA A PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA NA CONFERÊNCIA DE PRESIDENTES DOS PARLAMENTOS DA UNIÃO EUROPEIA NICÓSIA, CHIPRE Sessão III: Coesão social em tempos de austeridade o que podem

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado,

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado, Declaração sobre o Direito e o Dever dos Indivíduos, Grupos e Instituições de Promover e Proteger os Direitos Humanos e as Liberdades Fundamentais Universalmente Reconhecidos 1 A Assembléia Geral, Reafirmando

Leia mais

A acção executiva e o utente da justiça

A acção executiva e o utente da justiça A acção executiva e o utente da justiça A morosidade dos tribunais tornou-se num lugar-comum que, como tal, desculpa muitas das deficiências do sistema judicial. A morosidade passou, assim, a ser tomada

Leia mais

COMUNICADO N.º 1 INCOMPATIBILIDADES E IMPEDIMENTOS LEGAIS DO AGENTE DE EXECUÇÃO

COMUNICADO N.º 1 INCOMPATIBILIDADES E IMPEDIMENTOS LEGAIS DO AGENTE DE EXECUÇÃO COMUNICADO N.º 1 INCOMPATIBILIDADES E IMPEDIMENTOS LEGAIS DO AGENTE DE EXECUÇÃO Atendendo aos pedidos de esclarecimento solicitados à Comissão para a Eficácia das Execuções relativamente às incompatibilidades

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL

CÓDIGO DE ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL DG 02.30 CÓDIGO DE ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL Resposta Social: Estrutura Residencial para Idosos Prestamos Serviços de Qualidade Aldeia de S. Sebastião ADCS Aldeia de S. Sebastião, Largo da Igreja

Leia mais

Sr. Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Sras. e Srs. Deputados Sra. e Srs. membros do Governo

Sr. Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Sras. e Srs. Deputados Sra. e Srs. membros do Governo A mulher e o trabalho nos Piedade Lalanda Grupo Parlamentar do Partido Socialista A data de 8 de Março é sempre uma oportunidade para reflectir a realidade da mulher na sociedade, apesar de estes dias

Leia mais

A PRUDÊNCIA EM ARISTÓTELES. Ramiro Marques

A PRUDÊNCIA EM ARISTÓTELES. Ramiro Marques A PRUDÊNCIA EM ARISTÓTELES Ramiro Marques A prudência é uma virtude do pensamento que é uma condição da virtude. Na Antiguidade Clássica e na Idade Média, era considerada uma das quatro virtudes cardinais,

Leia mais

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council CONSELHO INTERACÇÃO Criado em 1983 Declaração Universal dos Deveres do Homem Setembro de 1997 InterAction Council Declaração Universal dos Deveres do Homem Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

PRINCÍPIOS ESSILOR. Os nossos princípios têm origem em características que definem a Essilor:

PRINCÍPIOS ESSILOR. Os nossos princípios têm origem em características que definem a Essilor: PRINCÍPIOS ESSILOR Cada um de nós, na nossa vida profissional, participa na responsabilidade e na reputação da Essilor. Por isso devemos conhecer e respeitar princípios que se aplicam a todos. O que significa

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

O ACESSO À JUSTIÇA E A EFETIVIDADE PROCESSUAL RESUMO

O ACESSO À JUSTIÇA E A EFETIVIDADE PROCESSUAL RESUMO 32 O ACESSO À JUSTIÇA E A EFETIVIDADE PROCESSUAL Cristiano José Lemos Szymanowski 1 RESUMO A proposta deste trabalho estrutura-se na análise de dois temas que se conjugam, o Acesso à Justiça e a Efetividade

Leia mais

A Língua Portuguesa em África: perspectivas presentes e futuras

A Língua Portuguesa em África: perspectivas presentes e futuras A Língua Portuguesa em África: perspectivas presentes e futuras Este breve texto é uma proposta de reflexão acerca de algumas das questões que, em meu entender, merecem destaque na situação actual do desenvolvimento

Leia mais

VOLUNTARIADO E CIDADANIA

VOLUNTARIADO E CIDADANIA VOLUNTARIADO E CIDADANIA Voluntariado e cidadania Por Maria José Ritta Presidente da Comissão Nacional do Ano Internacional do Voluntário (2001) Existe em Portugal um número crescente de mulheres e de

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS BR/1998/PI/H/4 REV. DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Brasília 1998 Representação

Leia mais

Dário Afonso Fernanda Piçarra Luisa Ferreira Rosa Felisberto Módulo: 3786, Controlo de Riscos

Dário Afonso Fernanda Piçarra Luisa Ferreira Rosa Felisberto Módulo: 3786, Controlo de Riscos Medidas de Prevenção e Protecção Dário Afonso Fernanda Piçarra Luisa Ferreira Rosa Felisberto Módulo: 3786, Controlo de Riscos 30 - Novembro, 2010 ÍNDICE Introdução - Medidas de Prevenção e Protecção pág.

Leia mais

As doenças tornam-se normalmente metáfora quando as suas causas são desconhecidas.

As doenças tornam-se normalmente metáfora quando as suas causas são desconhecidas. Intervenção do Presidente do Supremo Tribunal Administrativo Conselheiro Manuel Fernando dos Santos Serra Na Sessão de Encerramento do Curso de Especialização no âmbito do Concurso Excepcional de Ingresso

Leia mais

Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia

Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia Sistema Político Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia A 20 de Dezembro de 1999 Macau passa a Região Administrativa Especial da República Popular da China, sendo simultaneamente

Leia mais

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA DE ÉTICA A Política de Ética do CPCBeja está reflectida no Código de Conduta e Ética e integra os seguintes Princípios e Orientações: - Direitos e Dignidade

Leia mais

GRANDE ENTREVISTA HENRIQUES GASPAR PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL DE JUSTIÇA

GRANDE ENTREVISTA HENRIQUES GASPAR PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GRANDE ENTREVISTA 18 HENRIQUES GASPAR PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL DE JUSTIÇA 19 20 Presidente do Supremo Tribunal de Justiça desde Setembro de 2013, Henriques Gaspar aceitou sem reservas a entrevista

Leia mais

SOBRE JUSTIÇA E SOBRE O MINISTÉRIO PÚBLICO José Souto de Moura (Juiz Conselheiro do Supremo Tribunal de Justiça)

SOBRE JUSTIÇA E SOBRE O MINISTÉRIO PÚBLICO José Souto de Moura (Juiz Conselheiro do Supremo Tribunal de Justiça) SOBRE JUSTIÇA E SOBRE O MINISTÉRIO PÚBLICO José Souto de Moura (Juiz Conselheiro do Supremo Tribunal de Justiça) Procuraremos suscitar alguma reflexão, fundamentalmente, sobre a nossa magistratura do Ministério

Leia mais

Código de Ética. Grupo TAP

Código de Ética. Grupo TAP Código de Ética do Grupo TAP ÍNDICE Objectivos e Valores Fundamentais... 2 I. Âmbito... 3 II. Valores Gerais... 3 1. Responsabilidade. 3 2. Independência.. 3 3. Conflitos de Interesses.. 3 4. Desenvolvimento

Leia mais

Bernardino Duarte e Associados SOCIEDADE DE ADVOGADOS, RL

Bernardino Duarte e Associados SOCIEDADE DE ADVOGADOS, RL Exmos Senhores Juizes do Tribunal Administrativo e Fiscal de Proc. Nº 747/13.1BELLE LOULÉ Associação dos Investidores do Hotel Apartamento Neptuno, pessoa colectiva nº 507788648, com sede no Centro de

Leia mais

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DR

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DR INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DR. RUI MARIA DE ARAÚJO POR OCASIÃO DA XIII REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DOS MINISTROS DO TRABALHO E DOS ASSUNTOS SOCIAIS DA CPLP A extensão da Protecção Social

Leia mais

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de Pessoas) na Gestão Empresarial Marketing Interno Licenciatura de Comunicação Empresarial 3º Ano Docente: Dr. Jorge Remondes / Discente: Ana Teresa Cardoso

Leia mais

PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO

PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO Maria Regina Tavares da Silva Perita em Igualdade de Género Consultora das Nações Unidas Nesta Conferência de celebração dos

Leia mais

Audit Medel Portugal. Questionário. Magistratura Judicial: 1- Os juízes são independentes?

Audit Medel Portugal. Questionário. Magistratura Judicial: 1- Os juízes são independentes? Audit Medel Portugal Tendo em vista adoptar procedimentos de trabalho que viabilizem a obtenção, no tempo disponível e necessariamente limitado em que vai decorrer a visita dos auditores internacionais,

Leia mais

MANIFESTO dos 5 + n Cidadãos. "País que faz sempre o mesmo percurso é um país que vê sempre, mas sempre, a mesma paisagem!"

MANIFESTO dos 5 + n Cidadãos. País que faz sempre o mesmo percurso é um país que vê sempre, mas sempre, a mesma paisagem! DECLARAÇÃO INICIAL Este manifesto constitui-se no culminar da Caminhada promovida pelo Movimento Revolução Branca, "REFUNDAR Portugal" - Devolver a dignidade. O Estado ao serviço dos Cidadãos. A sua entrega

Leia mais

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Artigo Especial Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Luiz Carlos Bresser-Pereira 1 1 Fundação Getúlio Vargas. Ministro da Fazenda (1987). Ministro da Administração

Leia mais

SOCIUS Working Papers

SOCIUS Working Papers SOCIUS Working Papers Comunicação apresentada na Conferência O Assédio Moral no Local de Trabalho: emergência de uma nova realidade (29 e 30 de Novembro de 2007) António Garcia Pereira O ASSÉDIO MORAL

Leia mais

Princípios de Bom Governo

Princípios de Bom Governo Princípios de Bom Governo Regulamentos internos e externos a que a empresa está sujeita O Centro Hospitalar do Barlavento Algarvio, E. P. E. rege-se pela legislação e demais normativos aplicáveis às Entidades

Leia mais

EVOLUÇÃO DO ENQUADRAMENTO JURÍDICO DE SERVIÇOS RELIGIOSOS NAS INSTITUIÇÕES DE SAÚDE

EVOLUÇÃO DO ENQUADRAMENTO JURÍDICO DE SERVIÇOS RELIGIOSOS NAS INSTITUIÇÕES DE SAÚDE EVOLUÇÃO DO ENQUADRAMENTO JURÍDICO DE SERVIÇOS RELIGIOSOS NAS INSTITUIÇÕES DE SAÚDE História ( exemplar ) de um processo de crescente abuso clerical católico 1. INTRODUÇÃO Seguir o processo de institucionalização

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2012 Boa noite, A todos os Portugueses desejo um Bom Ano Novo, feito de paz e de esperança. O ano que

Leia mais

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES 2º. Bimestre Capítulos: I Ética: noções e conceitos básicos II Processo de Decisão Ética III - Responsabilidade Social Apostila elaborada pela Profa. Ana

Leia mais

Declaração Universal dos. Direitos Humanos

Declaração Universal dos. Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Ilustrações gentilmente cedidas pelo Fórum Nacional de Educação em Direitos Humanos Apresentação Esta é mais uma publicação da Declaração Universal dos Direitos

Leia mais

CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE OS DIREITOS DO HOMEM Viena, 14-25 de Junho de 1993

CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE OS DIREITOS DO HOMEM Viena, 14-25 de Junho de 1993 CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE OS DIREITOS DO HOMEM Viena, 14-25 de Junho de 1993 DECLARAÇÃO DE VIENA E PROGRAMA DE ACÇÃO Nota do Secretariado Em anexo encontra-se o texto da Declaração de Viena e do Programa

Leia mais

Laicidade I. DOCUMENTOS DIVAS & CONTRABAIXOS http://divasecontrabaixos.blogspot.com/

Laicidade I. DOCUMENTOS DIVAS & CONTRABAIXOS http://divasecontrabaixos.blogspot.com/ Laicidade I Dave April, Alternative Thinking Étíenne Pion é o presidente da CAEDEL - Centre d'action européénne démocratique et laïque, e está neste momento a fazer um conjunto de conferências por todo

Leia mais

Consultoria de Gestão Sistemas Integrados de Gestão Contabilidade e Fiscalidade Recursos Humanos Marketing e Comunicação Consultoria Financeira JOPAC SOLUÇÕES GLOBAIS de GESTÃO jopac.pt «A mudança é a

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO CARTA EUROPEIA DO DESPORTO Objectivo da Carta... 3 Definição e âmbito de aplicação da Carta... 3 O movimento desportivo... 4 Instalações e actividades... 4 Lançar as bases... 4 Desenvolver a participação...

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO A Carta Europeia do Desporto do Conselho da Europa é uma declaração de intenção aceite pelos Ministros europeus responsáveis pelo Desporto. A Carta Europeia do Desporto

Leia mais

Recomendações da CMVM sobre o Governo das Sociedades Cotadas

Recomendações da CMVM sobre o Governo das Sociedades Cotadas Recomendações da CMVM sobre o Governo das Sociedades Cotadas Introdução O desenvolvimento dos mercados de valores mobiliários tem conduzido a uma intensa reflexão sobre a estrutura e o controlo das sociedades

Leia mais

1. Âmbito de Aplicação 2. Valores Gerais

1. Âmbito de Aplicação 2. Valores Gerais CÓDIGO DE ÉTICA 1. Âmbito de Aplicação 1.1. O presente Código de Ética aplica-se a todos os colaboradores da COMPANHIA DAS LEZÍRIAS, S.A., adiante designada como CL, qualquer que seja o seu vínculo laboral

Leia mais

Transcrição da Entrevista - Entrevistado do grupo amostral constituído por indivíduos com orientação heterossexual 5 (online)

Transcrição da Entrevista - Entrevistado do grupo amostral constituído por indivíduos com orientação heterossexual 5 (online) Transcrição da Entrevista - Entrevistado do grupo amostral constituído por indivíduos com orientação heterossexual 5 (online) [Sexo: homem] Entrevistador: Boa tarde. Entrevistado: olá, boa tarde Entrevistador:

Leia mais

CONGRESSO DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS ÉTICA E RESPONSABILIDADE

CONGRESSO DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS ÉTICA E RESPONSABILIDADE CONGRESSO DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS ÉTICA E RESPONSABILIDADE VISÃO EXTERNA DA PROFISSÃO: CRÍTICAS E CONTRIBUTOS O LÍDER E A ÉTICA JOSÉ MANUEL FERNANDES CRÍTICAS E CONTRIBUTOS O LÍDER E A ÉTICA A

Leia mais

formação financiamento

formação financiamento INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA AEP - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL, JOSÉ ANTÓNIO BARROS, NA CONFERÊNCIA «EMPREENDEDORISMO UMA SOLUÇÃO PARA A CRISE», A VISÃO DO EMPREENDEDORISMO EM PORTUGAL, NO CENTRO

Leia mais

Para Crescer Sustentadamente

Para Crescer Sustentadamente Preparar a Reestruturação da Dívida Para Crescer Sustentadamente Nenhuma estratégia de combate à crise poderá ter êxito se não conciliar a resposta à questão da dívida com a efectivação de um robusto processo

Leia mais

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, A Declaração Universal dos Direitos Humanos é um dos documentos básicos das Nações Unidas e foi assinada em 1948. Nela, são enumerados os direitos que todos os seres humanos possuem. Preâmbulo Considerando

Leia mais

4.º Encontro de Tradutores da Administração Pública os novos desafios 7 de outubro de 2013

4.º Encontro de Tradutores da Administração Pública os novos desafios 7 de outubro de 2013 4.º Encontro de Tradutores da Administração Pública os novos desafios 7 de outubro de 2013 Transposição para Portugal da Diretiva 2010/64/UE Proposta de intervenção Exmas Senhoras e Senhores Caros colegas,

Leia mais

Um Novo Processo Penal: Precisa-se

Um Novo Processo Penal: Precisa-se compilações doutrinais UM NOVO PROCESSO PENAL PRECISA-SE Rogério Osório PROCURADOR-ADJUNTO VERBOJURIDICO VERBOJURIDICO UM NOVO PROCESSO PENAL - PRECISA-SE : 2 Um Novo Processo Penal: Precisa-se Rogério

Leia mais

ÉTICA. Guarda Municipal 2012

ÉTICA. Guarda Municipal 2012 ÉTICA Guarda Municipal 2012 Conceito MORAL ÉTICA -Prático imediato -Restrito -Histórico -Relativo -Virtudes disposição habitual fazer o bem -Reflexão filosófica sobre a moral -Procura justificar a moral

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros

Leia mais