II ENCONTRO "OUVINDO COISAS: EXPERIMENTAÇÕES SOB A ÓTICA DO IMAGINÁRIO"

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "II ENCONTRO "OUVINDO COISAS: EXPERIMENTAÇÕES SOB A ÓTICA DO IMAGINÁRIO""

Transcrição

1 II ENCONTRO "OUVINDO COISAS: EXPERIMENTAÇÕES SOB A ÓTICA DO IMAGINÁRIO" Título da Exposição: A poética da morada e os cenários do imaginário habitado Trabalho fotográfico realizado com base no livro A Poética do Espaço, de Gastón Bachelard Autor: Lisandro Lucas de Lima Moura (UFPel -GEPIEM / IFSul-Campus Bagé) Existe para cada um de nós uma casa onírica, uma casa de lembrançasonho, perdida na sombra de um além do passado verdadeiro. (G. Bachelard) Este trabalho corresponde a uma leitura fotográfica do livro A Poética do Espaço, de Gaston Bachelard. As fotografias cumprem, neste caso, um reforço visual às imagens poéticas da função de habitar. A ideia surgiu a partir de dois momentos importantes: o meu encontro com o livro de Bachelard, e o meu retorno para a cidade de Bagé, no interior do Rio Grande do Sul. Dois momentos distintos que, aparentemente, não provocariam mais do que pequenos comentários ao tentarmos aproximá-los e comparálos. Só aparentemente, porque ambos tem em comum o poder de nos fazer (re)viver, através da imaginação, os espaços e os lugares da simplicidade vista em profundidade, capazes de transformar e ampliar tudo aquilo que vemos, tal como sugere o método fenomenológico de Bachelard (2008). As fotografias expostas não têm outro objetivo senão aquele de fazer com que o público encontre nelas a projeção da sua própria imaginação. Não se trata de um trabalho feito por um fotógrafo profissional. Trata-se, isso sim, do olhar de quem fotografa e de quem contempla o espaço como quem vive em permanente estado de estranhamento. E ao contemplar o espaço e meditar sobre aquilo que vê, transforma-o em imagens poéticas que evocam cenários e imaginários da intimidade. Voltar a Bagé é voltar ao interior. É recolher-se na intimidade geográfica e espiritual. É ver de dentro. Interior da alma e interior do Rio Grande. É rincão do abrigo e

2 do aposento. É Volver al sur, assim como está escrito nas letras dos tangos que cantam sentimentos de lamento e solidão. Este retorno ao interior despertou-me imagens de não sei onde, imagens que falam de um tempo, de uma tradição telúrica, de elementos arcaicos, aquilo que é, ao mesmo tempo, antigo e sempre atual (MAFFESOLI, 2001). Desse modo, tudo o que vejo soa como um livro de Bachelard, carregado da simplicidade do espaço feliz, do espaço amado (BACHELARD, 2008, p.19). Adotei como referência os dois primeiros capítulos d A Poética do Espaço que tratam especificamente das imagens da casa, da intimidade do lar. Este livro, especialmente esses dois capítulos, me fez pensar melhor naquilo que vejo e me fez ver melhor os meus pensamentos. Através de devaneios íntimos, Bachelard propõe um estudo fenomenológico dos valores de intimidade do espaço interior (p.23). Cabe unicamente transformar os devaneios em fotografias de casas antigas que despertam em mim os exercícios da imaginação que ele propõe: Não somente nossas lembranças como também nossos esquecimentos estão alojados. Nosso inconsciente está alojado. Nossa alma é uma morada. E lembrando-nos das casas, dos aposentos, aprendemos a morar em nós mesmos. Já podemos ver que as imagens da casa caminham nos dois sentidos: estão em nós tanto quanto estamos nelas. Esse jogo é tão múltiplo que nos foram necessários dois longos capítulos para esboçar os valores das imagens da casa. (p.20) Bachelard se utiliza de documentos literários para concentrar imagens em torno da casa. Eu utilizo o documento fotográfico, a própria imagem da casa. Documento não no sentido de registro, mas de testemunho do meu olhar sobre ela, um olhar vagabundo de quem costuma etnografar com os olhos. As fotos escolhidas obedecem ao critério subjetivo do olhar do fotógrafo amador. Nesse sentido, as fotografias não procuram descrever nem interpretar, tampouco mostrar o contexto das imagens: o local ou a cidade 1. Pelo contrário, da mesma forma como pensa Bachelard, é a imaginação que aumenta os valores da realidade (p.23). Portanto, mais do que falar da realidade, a fotografia fala da cultura e do imaginário. 1 Caso esse dado for necessário, posso precisar que não se trata apenas de fotos de casas da cidade de Bagé. Mas também de outras cidades do interior, de lugarejos, casas de beira de estrada, que me despertam imaginários da simplicidade habitada.

3 A casa não é somente algo que se possa reduzir a objeto físico, geométrico, arquitetônico. Conforme Bachelard, para atingir as virtudes primárias, é preciso superar os problemas da descrição. (p.24). Ao nos colocarmos na perspectiva da fenomenologia da imaginação, vemos os objetos (no caso, as fotografias de casas) como fenômenos da imagem poética, ou seja, quando a imagem emerge na consciência como um produto direto do coração, da alma, do ser do homem tomado em sua atualidade. (p.02). Não proponho discorrer sobre as casas enquanto tal, pois quem fala delas é o próprio Bachelard, através da minha escolha em incluir citações do livro, que cumprem função de legenda e dão sentido às imagens para além da própria imagem, movendo, assim, o imaginário habitado por lembranças e sonhos de aconchego descritas por Bachelard: As verdadeiras casas da lembrança, as casas onde os nossos sonhos nos conduzem, as casas ricas de um fiel onirismo, rejeitam qualquer descrição. (p.32). Para isso basta uma simples evocação. As casas das cidades do interior sempre me chamaram a atenção pelo aspecto indefinido de sua composição estética. Vejo tudo estranho. Não são reformadas, não carregam intenções artísticas em suas fachadas, não são consideradas patrimônio histórico, tampouco são objetos de adoração da população. No entanto, percebe-se que elas contêm na forma o gesto do cuidado dos moradores, porque são, acima de tudo, espaços vividos, espaços da memória e do imaginário. São essas casas que me interessam justamente porque têm a força de atrair imagens primordiais. Quanto mais simples elas são, maiores as nossas lembranças. Visto intimamente, a mais humilde moradia não é bela? (p.24).

4

5 Referências BACHELARD, Gaston. A Poética do Espaço. 2ªed. São Paulo: Martins Fontes, MAFFESOLI, Michel. Elogio da Razão Sensível. 2ª Ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2001.

DICIONÁRIO DE IMAGENS, SÍMBOLOS, MITOS, TERMOS E CONCEITOS BACHELARDIANOS

DICIONÁRIO DE IMAGENS, SÍMBOLOS, MITOS, TERMOS E CONCEITOS BACHELARDIANOS DICIONÁRIO DE IMAGENS, SÍMBOLOS, MITOS, TERMOS E CONCEITOS BACHELARDIANOS Reitor Vice-Reitor Wilmar Sachetin Marçal Cesar Antonio Caggiano Santos Editora da Universidade Estadual de Londrina Conselho Editorial

Leia mais

AUTORIDADE E ALTERIDADE NO PROCESSO DE CRIAÇÃO DO PAPEL ATRAVÉS DA IMAGINAÇÃO DO ATOR

AUTORIDADE E ALTERIDADE NO PROCESSO DE CRIAÇÃO DO PAPEL ATRAVÉS DA IMAGINAÇÃO DO ATOR AUTORIDADE E ALTERIDADE NO PROCESSO DE CRIAÇÃO DO PAPEL ATRAVÉS DA IMAGINAÇÃO DO ATOR Luciana Mitkiewicz de Souza Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO Imaginação, autoridade, alteridade.

Leia mais

PROJETO APRENDENDO E BRINCANDO COM CANTIGAS DE INFANTIS. Escola Municipal Alfabeto. Série: 2ª. Professor: Edilza Ferreira de Lima Correia

PROJETO APRENDENDO E BRINCANDO COM CANTIGAS DE INFANTIS. Escola Municipal Alfabeto. Série: 2ª. Professor: Edilza Ferreira de Lima Correia PROJETO APRENDENDO E BRINCANDO COM CANTIGAS DE INFANTIS Escola Municipal Alfabeto Série: 2ª Professor: Edilza Ferreira de Lima Correia Arcoverde PE Quando uma criança brinca, joga e finge, está criando

Leia mais

AGENDA - AGOSTO Gestão Cultural -5ª edição /2018 (estatístico) 07/SEGUNDA NÃO TERÁ ATIVIDADES

AGENDA - AGOSTO Gestão Cultural -5ª edição /2018 (estatístico) 07/SEGUNDA NÃO TERÁ ATIVIDADES AGENDA - AGOSTO 2017 01/TERÇA 14h às 18h Filmando corpos queer: os gestos da direção, os gatilhos da criação* brasileira em textos e linguagens** 10h às 17h30 Curso de gestão cultural em contextos tradicionais

Leia mais

EVANDRO SCHIAVONE no Museu do Louvre em Paris

EVANDRO SCHIAVONE no Museu do Louvre em Paris A RTISTA EVANDRO SCHIAVONE Artista pintor, transforma cores a óleo em sensações e sentimentos estampados em tela. Tem como única atividade profissional desde os 17 anos de idade o desenho e a pintura.

Leia mais

Mulher lendo Renoir, c. 1895, óleo sobre tela, 32 x 28 cm. Coleção particular.

Mulher lendo Renoir, c. 1895, óleo sobre tela, 32 x 28 cm. Coleção particular. Mulher lendo Renoir, c. 1895, óleo sobre tela, 32 x 28 cm. Coleção particular. Poesia Miguel Reale Eterna juventude Quando em meus olhos os teus olhos pousas vejo-te jovem como via outrora: luz interior

Leia mais

POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA E SAÚDE MENTAL. Acompanhamos no mundo inteiro um significativo aumento da

POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA E SAÚDE MENTAL. Acompanhamos no mundo inteiro um significativo aumento da POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA E SAÚDE MENTAL Leandra Brasil da Cruz Acompanhamos no mundo inteiro um significativo aumento da população que, por vários motivos, passa a habitar as ruas das grandes cidades.

Leia mais

Auto-retr. caminhos pelo desconhecido. criação. Self-portr a journey through the unknown

Auto-retr. caminhos pelo desconhecido. criação. Self-portr a journey through the unknown Auto-retr etrato caminhos pelo desconhecido criação Self-portr trait a journey through the unknown Se de imediato não vemos auto-retrato, o título sugere procurar um equivalente dele. Ver nas fotografias

Leia mais

Re-cordis. Maria Bethânia de Siqueira Leite Fochi dos Santos

Re-cordis. Maria Bethânia de Siqueira Leite Fochi dos Santos Re-cordis Re-cordis Maria Bethânia de Siqueira Leite Fochi dos Santos Apresentação Este livro digital foi criado como sugestão da Professora Alessandra Rodrigues. Não escondo que escrever um livro - ainda

Leia mais

ELEFANTE C E N T R O C U L T U R A L

ELEFANTE C E N T R O C U L T U R A L Press-release Mostras individuais dos artistas uruguaios Victor Lema Riqué e Elián Stolarsky abrem programa de intercâmbio Brasília - América Latina no Elefante Centro Cultural 12 de setembro a 18 de outubro,

Leia mais

A poética das paisagens ambulantes

A poética das paisagens ambulantes A poética das paisagens ambulantes Luís Marques Martinelli Artista Plástico RESUMO: A partir daquilo que não mais interessa, produção feita com objetos coletados, exploro paisagens ambulantes em que formas,

Leia mais

A moral em meu coração

A moral em meu coração 5 Uma ajuda: A MORAL Porei minha lei em seu interior e a escreverei em seus corações. Jr. 31,33 5 Uma ajuda: A MORAL Dimensão social Porei minha lei em seu interior e a escreverei em seus corações. Jr.

Leia mais

Amor & Sociologia Cultural - Oswaldo Montenegro & Raul Seixas

Amor & Sociologia Cultural - Oswaldo Montenegro & Raul Seixas Page 1 of 6 Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia Disciplina: Sociologia Cultural Educador: João Nascimento Borges Filho Amor & Sociologia

Leia mais

EVANGELHO DO DIA E HOMILIA (LECTIO DIVINA) REFLEXÕES DE FREI CARLOS MESTERS,, O. CARM REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM

EVANGELHO DO DIA E HOMILIA (LECTIO DIVINA) REFLEXÕES DE FREI CARLOS MESTERS,, O. CARM REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM EVANGELHO DO DIA E HOMILIA (LECTIO DIVINA) REFLEXÕES DE FREI CARLOS MESTERS,, O. CARM REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM Sábado da 27ª Semana do Tempo Comum 1) Oração Ó Deus eterno

Leia mais

PLANO DE CURSO DISCIPLINA:História ÁREA DE ENSINO: Fundamental I SÉRIE/ANO: 2 ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

PLANO DE CURSO DISCIPLINA:História ÁREA DE ENSINO: Fundamental I SÉRIE/ANO: 2 ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS UNIDADE 1 MUITO PRAZER, EU SOU CRIANÇA. *Conhecer e estabelecer relações entre a própria história e a de outras pessoas,refletindo sobre diferenças e semelhanças. *Respeitar e valorizar a diversidade étnico

Leia mais

Sheila Ferreira Kuno. Poesias Cotidianas

Sheila Ferreira Kuno. Poesias Cotidianas Poesias Cotidianas Sheila Ferreira Kuno Poesias Cotidianas 1ª. Edição São Paulo - 2013 Copyright@2013 by Sheila Ferreira Kuno Projeto gráfico Sheila Ferreira Kuno Imagem da Capa Foto do jardim da autora

Leia mais

Oficina de Ofícios Antigos saber-fazer no tempo e no espaço

Oficina de Ofícios Antigos saber-fazer no tempo e no espaço PROPOSTA DE OFICINA XVI ENG 2010 Tema: Cidade/Urbano - Linguagens, representações, tecnologias e resistências Coordenadores: Antropóloga Rossanna Prado Arquiteta Cármen Nunes Fotógrafa Letícia Nunes Seção

Leia mais

Foto Publicitária Puc 1

Foto Publicitária Puc 1 Foto Publicitária Puc 1 Gabriela de Almeida FELICIO 2 Angélica FRANKENBERGER 3 Deivi Eduardo OLIARI 4 Centro Universitário Leonardo da Vinci, UNIASSELVI - Indaial, SC RESUMO A fotografia publicitária é

Leia mais

ESTUDO 01: A VOLTA DE JESUS

ESTUDO 01: A VOLTA DE JESUS ESTUDO 01: A VOLTA DE JESUS QUEBRA-GELO: Qual é a sua expectativa em relação a volta de Jesus? Você vive essa expectativa ou seus dias são como se Ele não fosse voltar? TEXTO: João 14:1-3 Jesus prometeu

Leia mais

Uma comunicação que alcance todas as periferias que precisam da luz do Evangelho (EG 20).

Uma comunicação que alcance todas as periferias que precisam da luz do Evangelho (EG 20). A comunicação de uma Igreja em Saída. Uma comunicação que alcance todas as periferias que precisam da luz do Evangelho (EG 20). Uma comunicação rápida, em todos os lugares, em todas as ocasiões, sem repugnâncias

Leia mais

Autoconfiança. Prof. Raul Franzolin Neto. Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos USP-Pirassununga rfranzol@usp.br

Autoconfiança. Prof. Raul Franzolin Neto. Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos USP-Pirassununga rfranzol@usp.br Autoconfiança Prof. Raul Franzolin Neto Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos USP-Pirassununga rfranzol@usp.br Nada aprenderam de mim, senão o que já sabiam e que são eles quem por si mesmos

Leia mais

3ª Geralda Helena. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade

3ª Geralda Helena. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade Filosofia 3ª Geralda Helena 6º Ano E.F. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade Competência 1 teoria do conhecimento sobre os quais se compôs a produção filosófica, elaboradas a partir dos diferentes

Leia mais

Minha, tua, nossa cadeira: desdobramentos do objeto

Minha, tua, nossa cadeira: desdobramentos do objeto Minha, tua, nossa cadeira: desdobramentos do objeto Ana Lúcia Pereira Ferreira de Quadros 1 aninha-q@hotmail.com Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-Rio-Grandense - IFSUL Resumo: Este

Leia mais

O CAMINHO QUE NOS LEVA À FELICIDADE É O AMOR!

O CAMINHO QUE NOS LEVA À FELICIDADE É O AMOR! O CAMINHO QUE NOS LEVA À FELICIDADE É O AMOR! O verdadeiro caminho a ser peregrinado por nossas vidas, é sem dúvida o da felicidade, e para se chegar até ele, precisamos de um combustível que só pode ser

Leia mais

UM CUBO FLEXÍVEL QUE OFERECE DIVERSÃO CULTURA E ARTE. E AINDA REALIZA PESQUISAS EM ESPAÇOS PÚBLICOS.

UM CUBO FLEXÍVEL QUE OFERECE DIVERSÃO CULTURA E ARTE. E AINDA REALIZA PESQUISAS EM ESPAÇOS PÚBLICOS. Rua ao cubo UM CUBO FLEXÍVEL QUE OFERECE DIVERSÃO CULTURA E ARTE. E AINDA REALIZA PESQUISAS EM ESPAÇOS PÚBLICOS. JOGOS INSTRUMENTOS MUSICAIS LIVROS EXPOSIÇÕES OFICINAS SHOWS ATIVIDADES FÍSICAS PROJEÇÕES

Leia mais

Da fotografia à pintura A construção do olhar a partir de um imagético processual lírico

Da fotografia à pintura A construção do olhar a partir de um imagético processual lírico Da fotografia à pintura A construção do olhar a partir de um imagético processual lírico Rafael Teixeira de Resende 1 O presente relato visa refletir sobre o processo de criação do Artista capixaba Rafael

Leia mais

Poética do inacabado - postais cartográficos das expedições urbanas

Poética do inacabado - postais cartográficos das expedições urbanas Poética do inacabado - postais cartográficos das expedições urbanas criação Gisele Dozono Asanuma 1 As imagens que compõem esta edição da revista Interface fazem parte da dissertação de mestrado Poéticas

Leia mais

Linguagens de meninas e meninas, em especial: o desenho entrelaçando manifestações expressivas. Marcia Gobbi FEUSP

Linguagens de meninas e meninas, em especial: o desenho entrelaçando manifestações expressivas. Marcia Gobbi FEUSP Linguagens de meninas e meninas, em especial: o desenho entrelaçando manifestações expressivas Marcia Gobbi FEUSP Construtoras de culturas infantis Social e historicamente situadas Sujeitos de direitos

Leia mais

GUAMARÉ, RETALHOS POÉTICOS

GUAMARÉ, RETALHOS POÉTICOS 1 2 GUAMARÉ, RETALHOS POÉTICOS Gonzaga Filho 2011 3 4 Dedico este livro A todos que me fazem feliz ou infeliz, Pois cada um ao seu modo, Faz-me crescer espiritualmente. Fotografia da capa: Sanderson Miranda

Leia mais

Rumo à Solenidade de Nossa Senhora do Carmo (4)

Rumo à Solenidade de Nossa Senhora do Carmo (4) (4) Maria na sua missão de mãe de família, na sua casa de Nazaré Contemplamos Maria como mãe de família, na sua casa em Nazaré, na vida simples de todos os dias, na intimidade do Seu lar de amor, onde

Leia mais

Américo Ribeiro, amado pela sua cidade, e José António Carvalho, contam-nos, através do uso da imagem fotográfica, o que mudou e se manteve nesta

Américo Ribeiro, amado pela sua cidade, e José António Carvalho, contam-nos, através do uso da imagem fotográfica, o que mudou e se manteve nesta Américo Ribeiro, amado pela sua cidade, e José António Carvalho, contam-nos, através do uso da imagem fotográfica, o que mudou e se manteve nesta festa de tradições seculares, volvidos os 60 anos que os

Leia mais

Minha Família. Histórias Que Nos Unem

Minha Família. Histórias Que Nos Unem Incentivamos especialmente os jovens e os jovens adultos Solteiros a usar os nomes de seus antepassados ou de antepassados dos membros de sua ala e estaca para o trabalho do templo. Os líderes do sacerdócio

Leia mais

como diz a frase: nois é grossa mas no fundo é um amor sempre é assim em cima da hora a pessoa muda numa hora ela fica com raiva, triste, feliz etc.

como diz a frase: nois é grossa mas no fundo é um amor sempre é assim em cima da hora a pessoa muda numa hora ela fica com raiva, triste, feliz etc. SEGUIR EM FRENTE seguir sempre em frente, nunca desistir dos seus sonhos todos nós temos seu nivel ou seja todos nós temos seu ponto fraco e siga nunca desistir e tentar até voce conseguir seu sonho se

Leia mais

Conto das Águas. Um conto de sensações. Enio Roncarati

Conto das Águas. Um conto de sensações. Enio Roncarati Conto das Águas Um conto de sensações Enio Roncarati Dedicatória Dedico este pequeno conto aos autores anônimos que com esperança de lançar uma pequena Luz sobre aqueles que estão dispostos a trilhar

Leia mais

Perfil do Aluno Final do 1.º Ciclo Ano letivo 2016/2017

Perfil do Aluno Final do 1.º Ciclo Ano letivo 2016/2017 Perfil do Aluno Final do 1.º Ciclo Ano letivo 2016/2017 Perfil de aprendizagens específicas do aluno à saída 1.º Ciclo do Ensino Básico Tendo em atenção as características estruturais e humanas das Escolas

Leia mais

Resenha do livro A Câmara Clara, de Roland Barthes

Resenha do livro A Câmara Clara, de Roland Barthes Resenha do livro A Câmara Clara, de Roland Barthes Este trabalho, realizado no âmbito do curso de pós-graduação em Fotografia da Universidade Cândido Mendes, tem como finalidade comentar o livro A Câmara

Leia mais

CONTAR UMA HISTÓRIA É DAR UM PRESENTE DE AMOR.

CONTAR UMA HISTÓRIA É DAR UM PRESENTE DE AMOR. CONTAR UMA HISTÓRIA É DAR UM PRESENTE DE AMOR. LEWIS CARROL Elaborado pelas assessoras Patrícia Ribeiro e Rosinara Nascimento, em 2011, nas oficinas pedagógicas para as educadoras, ocorridas nas Livrarias

Leia mais

Uma receita de banho energético carregado de amor que deixa o amor falar mais alto na sua vida.

Uma receita de banho energético carregado de amor que deixa o amor falar mais alto na sua vida. O banho real do amor Uma receita de banho energético carregado de amor que deixa o amor falar mais alto na sua vida. Para encontrar e ser encontrado(a) por alguém, para esquentar o relacionamento, para

Leia mais

Élder Richard G. Scott. A Alegria de Redimir os Mortos, A Liahona, novembro de 2012, p. 93

Élder Richard G. Scott. A Alegria de Redimir os Mortos, A Liahona, novembro de 2012, p. 93 Todo trabalho que vocês fazem no templo é um tempo bem utilizado, mas o recebimento das ordenanças vicárias por um de seus próprios antepassados tornará o tempo despendido no templo ainda mais sagrado,

Leia mais

Link do texto: https://blogpaulamassoni.wordpress.com/2015/10/29/que- roupa- usar- em- um- ensaio- fotografico- dicas/

Link do texto: https://blogpaulamassoni.wordpress.com/2015/10/29/que- roupa- usar- em- um- ensaio- fotografico- dicas/ Que roupa usar em um ensaio fotográfico de gestante Link do texto: https://blogpaulamassoni.wordpress.com/2015/10/29/que- roupa- usar- em- um- ensaio- fotografico- dicas/ Muitas mães e futuras mães quando

Leia mais

Num lugar longe de tudo, um quarto. Um quarto de portas e janelas voltado para uma árvore. Um quarto mínimo. Cama, mesa, banco. Um quarto com camadas

Num lugar longe de tudo, um quarto. Um quarto de portas e janelas voltado para uma árvore. Um quarto mínimo. Cama, mesa, banco. Um quarto com camadas Ciclo Poética da Casa Com o ciclo Poética da Casa prosseguimos a nossa procura das paisagens do sonho. Insistimos nos manifestos poéticos que invocam um homem inconformado que inventa outros mundos. Mundos

Leia mais

COMO ORGANIZAR A MENSAGEM. Objetivo: Mostrar como concentrar todas as forças para alcançar o que se pretende

COMO ORGANIZAR A MENSAGEM. Objetivo: Mostrar como concentrar todas as forças para alcançar o que se pretende COMO ORGANIZAR A MENSAGEM Objetivo: Mostrar como concentrar todas as forças para alcançar o que se pretende Um pregador que não se prepara não é espiritual: é desonesto e irresponsável quanto aos dons

Leia mais

O som de uma infância desaparecendo 1. Fernando Luiz FAVERO 2 Maria Zaclis VEIGA 3 Universidade Positivo, Curitiba, PR

O som de uma infância desaparecendo 1. Fernando Luiz FAVERO 2 Maria Zaclis VEIGA 3 Universidade Positivo, Curitiba, PR O som de uma infância desaparecendo 1 Fernando Luiz FAVERO 2 Maria Zaclis VEIGA 3 Universidade Positivo, Curitiba, PR RESUMO É dito e repetido que a fotografia é um recorte da realidade. Mas de qual realidade?

Leia mais

Período: Código: BAC 770 (M) BAC 816 (D) Ementa de Curso/Linha: HCA Disciplina: História e Crítica da Arte Contemporânea I

Período: Código: BAC 770 (M) BAC 816 (D) Ementa de Curso/Linha: HCA Disciplina: História e Crítica da Arte Contemporânea I Ementa de Curso/Linha: HCA Disciplina: História e Crítica da Arte Contemporânea I Período: 2017.1 Código: BAC 770 (M) BAC 816 (D) CURSO: Os abstracionismos dos anos 1950-60, no Brasil: entendimentos, diversidade

Leia mais

AS IMAGENS E LEITOR EM GASTON BACHELARD: UMA ANÁLISE BASEADA NA INTRODUÇÃO D A POÉTICA DO ESPAÇO 1

AS IMAGENS E LEITOR EM GASTON BACHELARD: UMA ANÁLISE BASEADA NA INTRODUÇÃO D A POÉTICA DO ESPAÇO 1 1 AS IMAGENS E LEITOR EM GASTON BACHELARD: UMA ANÁLISE BASEADA NA INTRODUÇÃO D A POÉTICA DO ESPAÇO 1 BARBOSA, Carlos Eduardo Silva i. Palavras-chave: Bachelard. Imaginário. Filosofia. Literatura Na introdução

Leia mais

COMUNICAÇÃO TRAJETÓRIAS VIVENCIAIS EM ARTES PLÁSTICAS. Palavras-Chave: Artes Plásticas; Histórias de vida; Vida de artista.

COMUNICAÇÃO TRAJETÓRIAS VIVENCIAIS EM ARTES PLÁSTICAS. Palavras-Chave: Artes Plásticas; Histórias de vida; Vida de artista. COMUNICAÇÃO TRAJETÓRIAS VIVENCIAIS EM ARTES PLÁSTICAS CORRÊA, Ayrton Dutra 1 Palavras-Chave: Artes Plásticas; Histórias de vida; Vida de artista. RESUMO: Este texto é resultado de pesquisa realizada com

Leia mais

ARTE: Conceito, Origem e Função

ARTE: Conceito, Origem e Função ARTE: Conceito, Origem e Função Irama Sonary de Oliveira Ferreira Lívia Freire de Oliveira INTRODUÇÃO Arte é conhecimento, e partindo deste princípio, pode-se dizer que é uma das primeiras manifestações

Leia mais

Composição fotográfica é a seleção e os arranjos agradáveis dos assuntos dentro da área a ser fotografada.

Composição fotográfica é a seleção e os arranjos agradáveis dos assuntos dentro da área a ser fotografada. Composição fotográfica é a seleção e os arranjos agradáveis dos assuntos dentro da área a ser fotografada. Na fotografia publicitária a concepção prévia da imagem é esboçada pelo diretor de arte da agência

Leia mais

A IMAGINAÇÃO EM GASTON BACHELARD E A ESCRITA DA HISTÓRIA

A IMAGINAÇÃO EM GASTON BACHELARD E A ESCRITA DA HISTÓRIA A IMAGINAÇÃO EM GASTON BACHELARD E A ESCRITA DA HISTÓRIA Ivana Borges Barcelos * Resumo: Neste trabalho visamos apresentar algumas reflexões feitas a partir do estudo das obras de Gaston Bachelard em que

Leia mais

VALORIZAÇÃO DO PATRIMÔNIO RURAL POR MEIO DO TURISMO RURAL

VALORIZAÇÃO DO PATRIMÔNIO RURAL POR MEIO DO TURISMO RURAL VALORIZAÇÃO DO PATRIMÔNIO RURAL POR MEIO DO TURISMO RURAL Introdução 53 CUNHA, Luiz Alexandre Gonçalves Cunha 1. KLOSTER, Silvana Kloster 2 ; MIRANDA, Everton Miranda 3 ; O turismo rural está inteiramente

Leia mais

Plano de aulas. Curso Referencial UM e DOIS

Plano de aulas. Curso Referencial UM e DOIS Plano de aulas. Curso Referencial UM e DOIS Abra os seus olhos. Descubra lugares e coisas que ama com cada foto que faz! Curso de Fotografia Referencial um Abra os seus olhos. Descubra lugares e coisas

Leia mais

COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE. Programa de Recuperação Paralela. 1ª Etapa Ano: 7 Turma: 71

COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE. Programa de Recuperação Paralela. 1ª Etapa Ano: 7 Turma: 71 COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 1ª Etapa 2014 Disciplina: ARTE Professor (a): JANAINA Ano: 7 Turma: 71 Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação. Faça

Leia mais

Os Tempos da Fotografia

Os Tempos da Fotografia Os Tempos da Fotografia No dia 13 de junho será o lançamento de um novo livro de Boris Kossoy intitulado Os tempos da fotografia: o efêmero e o perpétuo. O evento será na cidade de São Paulo e a obra é

Leia mais

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4 COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4 Índice 1. Significado...3 1.1. Contexto... 3 1.2. Intertextualidade... 3 1.2.1. Tipos de intertextualidade... 3 1.3. Sentido... 4 1.4. Tipos de Significado... 4 1.4.1. Significado

Leia mais

Uma Janela para a alma: a fotografia de Michele Angelillo

Uma Janela para a alma: a fotografia de Michele Angelillo Uma Janela para a alma: a fotografia de Michele Angelillo Luciana Marino do Nascimento Doutora em Teoria e História Literária pela Universidade Estadual de Campinas-UNICAMP Pós-Doutora em Literatura Comparada

Leia mais

23 de Abril. Dia Mundial do Livro Venha festejá-lo com palavras, na Biblioteca da FLUP.

23 de Abril. Dia Mundial do Livro Venha festejá-lo com palavras, na Biblioteca da FLUP. 23 de Abril. Dia Mundial do Livro Venha festejá-lo com palavras, na Biblioteca da FLUP. No dia 23 de abril de 2013 a Biblioteca Central pediu aos seus leitores que dedicassem algumas palavras de homenagem

Leia mais

TEORIA DO DESIGN. Aula 03 Composição e a História da arte. Prof.: Léo Diaz

TEORIA DO DESIGN. Aula 03 Composição e a História da arte. Prof.: Léo Diaz TEORIA DO DESIGN Aula 03 Composição e a História da arte Prof.: Léo Diaz O QUE É ARTE? Definição: Geralmente é entendida como a atividade humana ligada a manifestações de ordem estética ou comunicativa,

Leia mais

TEXTOS SAGRADOS. Noções introdutórias

TEXTOS SAGRADOS. Noções introdutórias TEXTOS SAGRADOS Noções introdutórias A ORIGEM Os Textos Sagrados, via de regra, tiveram uma origem comum: Experiência do sagrado. Oralidade. Pequenos textos. Primeiras redações. Redação definitiva. Organização

Leia mais

FOTONOVELA EMEFI PROFESSOR MANOEL IGNÁCIO DE MORAES

FOTONOVELA EMEFI PROFESSOR MANOEL IGNÁCIO DE MORAES FOTONOVELA EMEFI PROFESSOR MANOEL IGNÁCIO DE MORAES sala 5 1ª sessão Professor Apresentador: Danival Mascarini de Souza Realização: Foco O Projeto Fotonovela foi elaborado visando à melhoria do processo

Leia mais

ADMINISTRAR: CIÊNCIA OU ARTE? INTRODUÇÃO

ADMINISTRAR: CIÊNCIA OU ARTE? INTRODUÇÃO ADMINISTRAR: CIÊNCIA OU ARTE? INTRODUÇÃO Existem duas formas de definirmos a administração, completamente antagônicas e controvérsias. De acordo com Mattos (2009) os predicativos ciência e arte são entendidos

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Fotografia publicitária; Publicidade; Técnicas de fotografia; Mundo em contra-luz.

PALAVRAS-CHAVE: Fotografia publicitária; Publicidade; Técnicas de fotografia; Mundo em contra-luz. O mundo em contra-luz 1 - Fotografia Publicitária Marco Antônio GONÇALVES 2 Thaís SALES 3 Júlia LÔBO 4 Sherley GARZON 5 Mayara LINHARES 6 Glênio HENRIQUES 7 Rômulo Alisson dos SANTOS 8 Professor/Orientador:

Leia mais

A luz é como a água, de García Márquez: a criação de um universo fantástico

A luz é como a água, de García Márquez: a criação de um universo fantástico Crátilo: Revista de Estudos Linguísticos e Literários, UNIPAM, (4):143-147, 2011 A luz é como a água, de García Márquez: a criação de um universo fantástico LUMA MARIA BRAGA DE URZEDO Universidade Federal

Leia mais

A bela no jardim 1 RESUMO

A bela no jardim 1 RESUMO A bela no jardim 1 Andrieli JAGIELSKI 2 Aline MILBRATZ 3 Paulo Zuanazzi 4 Luís Felipe Brancher Fuck 5 Felipe Colvara TEIXEIRA 6 Deivi Eduardo OLIARI 7 Centro Universitário Leonardo da Vinci, UNIASSELVI

Leia mais

Poemas de um Fantasma. Fantasma Souza

Poemas de um Fantasma. Fantasma Souza 1 2 3 Poemas de um Fantasma Fantasma Souza 2012 4 5 Fantasma Souza Todos os Direitos Reservados TITULO ORIGINAL POEMAS DE UM FANTASMA Projeto Gráfico Midiartes Capa Erisvaldo Correia Edição e Comercialização

Leia mais

Processo criativo na fotografia

Processo criativo na fotografia Processo criativo na fotografia A fotografia é uma forma particular e enviesada de retratar a "realidade". Ansel Adams falava em construir uma foto, não em tirá-la. Processo de criação na fotografia: seleção

Leia mais

Revelando o Campus 1. Jane MACIEL 2 Marcus Ramúsyo de Almeida Brasil 3 Universidade Federal do Maranhão, São Luís, MA

Revelando o Campus 1. Jane MACIEL 2 Marcus Ramúsyo de Almeida Brasil 3 Universidade Federal do Maranhão, São Luís, MA RESUMO Revelando o Campus 1 Jane MACIEL 2 Marcus Ramúsyo de Almeida Brasil 3 Universidade Federal do Maranhão, São Luís, MA Seqüência de Fotos tiradas no Campus do Bacanga da Universidade Federal do Maranhão

Leia mais

Guião de exploração pedagógica painel 8. Autoria: Maria José Marques

Guião de exploração pedagógica painel 8. Autoria: Maria José Marques Autoria: Maria José Marques A Exposição Itinerante Santillana é da autoria de Maria José Marques e foi exibida pela primeira vez na Universidade de Verão Santillana, nos dias 9, 10 e 11 de julho de 2012,

Leia mais

Patrimônio Histórico Conhecer para preservar. Rita de Cassia Lopes Alanda Beatriz Marcos Carvalho

Patrimônio Histórico Conhecer para preservar. Rita de Cassia Lopes Alanda Beatriz Marcos Carvalho Patrimônio Histórico Conhecer para preservar Rita de Cassia Lopes Alanda Beatriz Marcos Carvalho Objetivo Geral Propor ações de extensão para resgatar os conhecimentos sobre a memória e o patrimônio cultural

Leia mais

RUÍNAS DA MEMÓRIA Coleção André Luiz Joanilho BR PRNDPH ALJ.FT. Arranjo, Descrição e Produção: Laureci Silvana Cardoso

RUÍNAS DA MEMÓRIA Coleção André Luiz Joanilho BR PRNDPH ALJ.FT. Arranjo, Descrição e Produção: Laureci Silvana Cardoso 0008 RUÍNAS DA MEMÓRIA Coleção André Luiz Joanilho BR PRNDPH ALJ.FT Arranjo, Descrição e Produção: Laureci Silvana Cardoso RUÍNAS DA MEMÓRIA Do esquecimento quase não se fala, afinal, é esquecimento. É

Leia mais

Como desenvolver e manter

Como desenvolver e manter Nosso contexto: Vivemos num mundo em que a quantidade e intensidade das demandas que envolvem nossas vidas tem nos conduzido a sentimentos crônicos de preocupação, angústia e ansiedade. Além disso, precisamos

Leia mais

HAND-COLOURING FOTOGRAFIA COLORIZADA. por Rochele Zandavalli e Carine Wallauer. Todos os direitos reservados a Fluxo - Escola de Fotografia Expandida

HAND-COLOURING FOTOGRAFIA COLORIZADA. por Rochele Zandavalli e Carine Wallauer. Todos os direitos reservados a Fluxo - Escola de Fotografia Expandida HAND-COLOURING FOTOGRAFIA COLORIZADA por Rochele Zandavalli e Carine Wallauer Todos os direitos reservados a Fluxo - Escola de Fotografia Expandida HAND COLOURING FOTOGRAFIA COLORIZADA Historicamente,

Leia mais

AGORA QUE VOCÊ ESTÁ ENXERGANDO. Now that you are seeing Ahora que usted está viendo SOBRE A IMAGEM

AGORA QUE VOCÊ ESTÁ ENXERGANDO. Now that you are seeing Ahora que usted está viendo SOBRE A IMAGEM Imagem de Capa Imagem de Capa AGORA QUE VOCÊ ESTÁ ENXERGANDO Now that you are seeing Ahora que usted está viendo Elena Valdivia Diaz Licenciada em Psicologia pela Universidade de Granada (Espanha). Pós-graduação

Leia mais

IMAGINÁRIO DO ESPELHO: espelho, espelho meu, sou eu?

IMAGINÁRIO DO ESPELHO: espelho, espelho meu, sou eu? IMAGINÁRIO DO ESPELHO: espelho, espelho meu, sou eu? Ionice da Silva Debus 1 Profª. Drª. Valeska Fortes de Oliveira 2 Este texto foi desenvolvido para a disciplina Imaginário e Narrativas de Formação do

Leia mais

Serviço Educativo Oferta Educativa 2015/2016

Serviço Educativo Oferta Educativa 2015/2016 Serviço Educativo Oferta Educativa 2015/2016 Ecomuseu de Ribeira de Pena O Ecomuseu de Ribeira de Pena dedica-se à preservação e divulgação o património natural e cultural do território ribeirapenense.

Leia mais

A sua obra, maioritariamente em fotografia e vídeo, tem um grande carácter subjetivo e é bastante marcada por referências literárias e históricas.

A sua obra, maioritariamente em fotografia e vídeo, tem um grande carácter subjetivo e é bastante marcada por referências literárias e históricas. Prece geral, de Daniel Blaufuks RECURSOS PEDAGÓGICOS O artista Daniel Blaufuks é um artista português, nascido em Lisboa em 1963. A sua obra, maioritariamente em fotografia e vídeo, tem um grande carácter

Leia mais

As festas religiosas e os folguedos folclóricos com potenciais turísticos percebidos pelos jovens alunos da baixada campista

As festas religiosas e os folguedos folclóricos com potenciais turísticos percebidos pelos jovens alunos da baixada campista As festas religiosas e os folguedos folclóricos com potenciais turísticos percebidos pelos jovens alunos da baixada campista Gisele da S. Gonçalves Roberta de S. Ramalho Palavras-chave: Percepção ambiental.

Leia mais

CRIAÇÃO EM CENOGRAFIA O PROCESSO CRIATIVO NO DESENVOLVIMENTO DE AMBIENTES CENOGRÁFICOS

CRIAÇÃO EM CENOGRAFIA O PROCESSO CRIATIVO NO DESENVOLVIMENTO DE AMBIENTES CENOGRÁFICOS CRIAÇÃO EM CENOGRAFIA O PROCESSO CRIATIVO NO DESENVOLVIMENTO DE AMBIENTES CENOGRÁFICOS Curso Especial CRIAÇÃO EM CENOGRAFIA O PROCESSO CRIATIVO NO DESENVOLVIMENTO DE AMBIENTES CENOGRÁFICOS COORDENADORA:

Leia mais

Na Trilha do Fotógrafo Eduardo Jaunsem ( ) 1

Na Trilha do Fotógrafo Eduardo Jaunsem ( ) 1 Na Trilha do Fotógrafo Eduardo Jaunsem (1896-1977) 1 Rodrigo Weber Klahr 2 Rafael C.M. Meinecke 3 Paulo Ernesto Scortegagna 4 Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, Ijuí, RS.

Leia mais

Ao Teu Lado (Marcelo Daimom)

Ao Teu Lado (Marcelo Daimom) Ao Teu Lado INTRO: A9 A9 Quero estar ao Teu lado, não me importa a distância Me perdoa a insegurança, tenho muito a aprender E/G# E7 ( F# G#) A9 Mas em meus poucos passos, já avisto a esperança E/G# Também

Leia mais

6. Conclusão. Contingência da Linguagem em Richard Rorty, seção 1.2).

6. Conclusão. Contingência da Linguagem em Richard Rorty, seção 1.2). 6. Conclusão A escolha de tratar neste trabalho da concepção de Rorty sobre a contingência está relacionada ao fato de que o tema perpassa importantes questões da reflexão filosófica, e nos permite termos

Leia mais

Alguns autores escrevem de acordo com o novo A. O., outros segundo a antiga ortografia

Alguns autores escrevem de acordo com o novo A. O., outros segundo a antiga ortografia Olhar de Amor - COLECTÂNEA DE POESIA - VÁRIOS AUTORES Título Olhar de Amor Colectânea de Poesia - Edição Tecto de Nuvens, Edições e Artes Gráficas, LDA. Rua Camilo Pessanha, 152, 4435-638 Baguim do Monte

Leia mais

PROGRAMA DE OFICINA de ARTES DISCIPLINA DE OFERTA DE ESCOLA

PROGRAMA DE OFICINA de ARTES DISCIPLINA DE OFERTA DE ESCOLA PROGRAMA DE OFICINA de ARTES DISCIPLINA DE OFERTA DE ESCOLA Oficina de Artes é uma disciplina cujo nome releva da noção de ofício, no sentido que lhe é conferido atualmente pelo operador plástico, enquanto

Leia mais

EXPERIMENTAÇÃO ORDEM: METODOLOGIA MERZ NA MÃO 1

EXPERIMENTAÇÃO ORDEM: METODOLOGIA MERZ NA MÃO 1 EXPERIMENTAÇÃO ORDEM: METODOLOGIA MERZ NA MÃO 1 Allex Rodrigo Medrado ARAÚJO allexmeteora@hotmail.com Mestrando em Cultura Visual UFG O caos é uma ordem por decifrar José Saramago. O homem duplicado. 2002,

Leia mais

Arte Alvaro Roteiro de estudos 2º/ /08/2016 Temas

Arte Alvaro Roteiro de estudos 2º/ /08/2016 Temas Nome Nº Ano Ensino Turma 8 o Fund. II Disciplina Professor Natureza Trimestre/Ano Data Arte Alvaro Roteiro de estudos 2º/2016 05/08/2016 Temas 8. Expressão musical início da manifestação musical no Brasil.

Leia mais

00:09:05,081 --> 00:09:10,571 O Brasil é uma parte do nosso coração.

00:09:05,081 --> 00:09:10,571 O Brasil é uma parte do nosso coração. 0 00:09:05,081 --> 00:09:10,571 O Brasil é uma parte do nosso coração. 1 00:09:11,362 --> 00:09:18,039 Você sabe, uma coisa interessante aconteceu: na Bahia, houve uma reunião com intelectuais de esquerda.

Leia mais

A LEITURA DO PEQUENO PRÍNCIPE COMO INCENTIVO NA FORMAÇÃO DO LEITOR

A LEITURA DO PEQUENO PRÍNCIPE COMO INCENTIVO NA FORMAÇÃO DO LEITOR A LEITURA DO PEQUENO PRÍNCIPE COMO INCENTIVO NA FORMAÇÃO DO LEITOR FLÁVIA ALVES SAMPAIO; LEANDRO RODRIGUES DE SOUZA AZEVEDO; ANA LÚCIA MARIA DE SOUZA NEVES. Universidade Estadual da Paraíba RESUMO Este

Leia mais

ROMANTISMO. Idealização e arrebatamento. Literatura Brasileira 2ª série EM Prof.: Flávia Guerra

ROMANTISMO. Idealização e arrebatamento. Literatura Brasileira 2ª série EM Prof.: Flávia Guerra ROMANTISMO Idealização e arrebatamento Literatura Brasileira 2ª série EM Prof.: Flávia Guerra CONTEXTO NO BRASIL Em 1822, o Brasil conquista sua independência política, mas não tem definida sua identidade.

Leia mais

Ambiente 1: Colônia de Pesca do Rio Vermelho

Ambiente 1: Colônia de Pesca do Rio Vermelho 186 Escola de Belas Artes da Universidade Federal da Bahia M E S T R A D O E M A R T E S V I S U A I S Linha: Processos Criativos nas Artes Visuais Orientadora: profª drª Sônia Rangel Aluna: Maria Isabel

Leia mais

CURRÍCULO DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO ARTES - 6º ANO AO 9º ANO

CURRÍCULO DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO ARTES - 6º ANO AO 9º ANO Tipos de Letras Diferenciação entre o espaço bi e tridimensional, espaço e volume e suas conexões com as formas o espaço teatral, o corpo em movimento e o som no espaço. Cores Arte rupestre 6ª ANO 5ª SÉRIE

Leia mais

HENRY, Michel. Ver o invisível: Sobre Kandinsky. São Paulo: Realizações, 2012.

HENRY, Michel. Ver o invisível: Sobre Kandinsky. São Paulo: Realizações, 2012. HENRY, Michel. Ver o invisível: Sobre Kandinsky. São Paulo: Realizações, 2012. Rafaela Belo Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Territorialidades UFES 2014/1 Vietnam, 1922 França, 2002 Michel Henry

Leia mais

Meu Mundo Teu. Alexandre Sequeira 1. Meu Mundo Teu

Meu Mundo Teu. Alexandre Sequeira 1. Meu Mundo Teu Meu Mundo Teu Alexandre Sequeira 1 Meu Mundo Teu Dois adolescentes que não se conhecem trocam impressões sobre suas realidades a partir de cartas e fotografias. A mescla dessas informações de mundo apresentadas

Leia mais

Figura 82 - Convite virtual da exposição Geofagia. Divulgação em meio virtual.

Figura 82 - Convite virtual da exposição Geofagia. Divulgação em meio virtual. 110 5 GEOFAGIA Geofagia é uma prática de comer substâncias terrestres, como barro ou outro tipo de terra. Mexer com terra é também mexer com memórias das primeiras observações da natureza. A terra do quintal

Leia mais

Serviço Educativo Oferta Educativa 2017/2018

Serviço Educativo Oferta Educativa 2017/2018 Serviço Educativo Oferta Educativa 2017/2018 Ecomuseu de Ribeira de Pena O Ecomuseu de Ribeira de Pena tem por missão a preservação e divulgação o património cultural do território ribeirapenense. Os Serviços

Leia mais

Renata Viol Ferreira da Silva. Lílian Veiga de Carvalho

Renata Viol Ferreira da Silva. Lílian Veiga de Carvalho MANSUR, Felipe. A sexta história: a face trágica da narrativa em A hora da estrela. São Paulo: Annablume, 2011. 122 p. ISBN: 978-85-3910-207-5 Renata Viol Ferreira da Silva Graduada em Normal Superior

Leia mais

Minha inspiração. A Poesia harmoniza o seu dia

Minha inspiração. A Poesia harmoniza o seu dia Minha inspiração A Poesia harmoniza o seu dia Meu jeito de amar Meu jeito de amar é alegre e autêntico É sincero puro e verdadeiro Meu jeito de amar é romântico Me doo me dedico por inteiro Meu jeito de

Leia mais

Hoje, vão ser decididos os temas das aulas. Escolha 7 temas que você deseja conversar / escrever junto com o instrutor. Os temas das aulas, serão os t

Hoje, vão ser decididos os temas das aulas. Escolha 7 temas que você deseja conversar / escrever junto com o instrutor. Os temas das aulas, serão os t A Apresente-se para uma pessoa que você está encontrando pela primeira vez dizendo seu nome, país de origem, cidade onde nasceu, qual o seu trabalho, onde mora, etc. Apresente-se para uma pessoa que você

Leia mais

Pergaminho dos Sonhos

Pergaminho dos Sonhos Pergaminho dos Sonhos Michel R.S. Era uma vez um poeta... Um jovem poeta que aprendera a amar e deixar de amar. E de uma forma tão simples, assim como o bem e o mal, O amor tornou-se o objetivo de suas

Leia mais

BOSI, Alfredo. Reflexões sobre a arte. São Paulo: Ática, 1985.

BOSI, Alfredo. Reflexões sobre a arte. São Paulo: Ática, 1985. BOSI, Alfredo. Reflexões sobre a arte. São Paulo: Ática, 1985. Alfredo Bosi (São Paulo, 26 de agosto de 1936) é um professor universitário, crítico e historiador de literatura brasileira, e também imortal

Leia mais

PORTUGUÊS. Atenção: As questões de números 1 a 10 referem-se ao texto que segue.

PORTUGUÊS. Atenção: As questões de números 1 a 10 referem-se ao texto que segue. PORTUGUÊS Atenção: As questões de números 1 a 10 referem-se ao texto que segue. 01. Em seu sonho de simplicidade, o cronista Rubem Braga idealiza sobretudo a) uma depuração maior no seu estilo de escrever,

Leia mais

LIVRO FOTOGRAFIA FINE ART

LIVRO FOTOGRAFIA FINE ART Release LIVRO FOTOGRAFIA FINE ART Brasil ganha o primeiro livro de Fotografia Fine Art A obra Fotografia Fine Art, da fotógrafa Danny Bittencourt, ensina como desenvolver a fotografia artística através

Leia mais