A poética das paisagens ambulantes

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A poética das paisagens ambulantes"

Transcrição

1 A poética das paisagens ambulantes Luís Marques Martinelli Artista Plástico RESUMO: A partir daquilo que não mais interessa, produção feita com objetos coletados, exploro paisagens ambulantes em que formas, cores, texturas, fragmentos se entrelaçam em um fazer artístico. Trago para o Conexões fotografias de algumas de minhas instalações, explorando a estética das coisas. Nas composições dos fragmentos e dos objetos que coletei os espaços se rearranjam em um outras paisagens, ambulantes. Palavras-chave: coleta, paisagens, fotografia. Apresentar aspectos do meu trabalho e discutir a arte e o fazer artístico do ponto de vista da paisagem representada no horizonte local e das coisas coletadas. Parto, com Kátia Canton (2009), do conceito de land art e, na perspectiva de arte in situ, penso os objetos em sua relação com o espaço, atravessado pela coleta, para outras reorganizações espaciais. A coleta é componente essencial em trabalho. Em tudo o que faço existe algo de captura. A realidade me atravessa. Este trabalho é uma apresentação de composição de fotos de instalações minhas, que serviram de base para o meu Trabalho de Conclusão de Curso em Artes Visuais (MARTINELLI, 2012), em que busquei formas, cores, texturas, fragmentos para mostrar aquilo que não mais interessa. Explorei, na semelhança, a estética das coisas, um processo de memória, de experiência de vida, um processo de identificação. Os objetos coletados, em meu fazer artístico, recuperam os espaços de onde foram retirados e levam a novas potencialidades artísticas nas próprias coisas e para além delas [...]. Reverencio, assim, as pequenas partes a fim de chegar a uma produção poética. (MARTINELLI, 2012, p.03). Quando penso nos fragmentos e nos objetos que coletei e que apresento em instalações, penso que os espaços se rearranjam em um outras paisagens. Os espaços são paisagens ambulantes. Há uma certa consciência de uso de um lugar-espaço-mundo que vem para mim enraizada em elementos: são coisas que fazem e trazem pessoas. Cada coisa está carregada de memória, de lembranças, de múltiplos lugares. Em uma instalação suas funções vão sendo modificadas e, em um momento isso [...] vira outra coisa. Nesse ciclo nada é substituído, mas muito surge em camadas, em algo que tem como marca maior a mutação. Em intervenção-ocupação-instalação que vai sendo construída com objetos-coisas exalta-se a ação de inversão. Os horizontes mutantes, ambulantes, aproximam-se e afastam-se. Fragmentos-paisagens suprimem e alargam distâncias. (MARTINELLI, 2012, p.21).

2 Figura 01. Luís M.Martinelli, Horizontes Ambulantes, 2012 Figura 02. Luís M.Martinelli, Horizontes Ambulantes, 2012

3 As coisas saem de dentro de uma época que as construiu. Repenso a exposição Avesso (MARTINELLI, 2012, p.21): Avesso, ao contrário; contrário à imagem e ao funcional. À imagem, por ser gravura; ao funcional, por ser composta por peças transformadas em apenas matéria. A com-posição recria um novo espaço, onde outras relações de paisagem são construídas. Figura 03. Luís M.Martinelli, Avesso, 2012 Os fragmentos são coletados, colecionados, e, expostos, organizam-se e reorganizam-se. Coloca-se tudo sobre uma mesa. A mesa já nem sabe se é mesa. As coisas já não sabem o que estão fazendo ali. E

4 [...] essa indefinição de tudo o que está definido, a mesa, o programado não, representa em nada o que é, representa somente uma não direção, uma não harmonia, uma forma de se ver o que não é. Fragmentos fazem parte da coleção de um ladrão de realidades. Seria esta uma boa definição de artista? Aqui, o antiluxo anti-herói de cada elemento não se pega. O que não se vê não faz parte real de seu horizonte ambulante, de sua vida ambulante. Ser ambulante. Somos todos marginais a excluir ainda mais as margens. E vivemos em transformação. E a instalação efêmera de uma coleta se transforma em fotografia e a foto já é e está outra coisa. Fenômeno poético. (MARTINELLI, 2012, p.24). Figura 04. Luís M.Martinelli, Horizontes Ambulantes, 2012 [...] a forma deixou de ser mesa para existir como personagem viva, para, kamikaze, con-fundir-se, e se jogar e explodir de vez outros seres que só sabem ser mesa, ser máquina. A mesa passa a ser coisa de sustentar, sem cobrar para outros que não sabem mais o que querem. (MARTINELLI, 2012, p.24).

5 Figura 05. Luís M.Martinelli, InCômodo, 2012 Minha experiência com instalações e arranjos escultóricos de objetos foi tomando corpo. Na exposição INcômodo", realizada no Espaço Cultural Casa Azul, em Campinas, pensei no mais privado dos (in)cômodos, explorando a leveza e as possibilidade do espaço. A experimentação se deu com efeitos sonoros, visuais e táteis.

6 Figura 06. Luís M.Martinelli, InCômodo, 2012 Podemos entrar em trocas, em novas relações com os espaços, as coisas e a natureza; com nossas casas, nossos bairros e nossa cidade. Os horizontes, dessa maneira, deixam de ser utópicos, e fazem-se maquínicos, ambulantes e experimentais. Figura 07. Luís M.Martinelli, InCômodo, 2012

7 Referências Bibliográficas CANTON, K. Espaço e Lugar. (Coleção Temas da Arte Contemporânea). São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, MARTINELLI, L. M. Paisagens Ambulantes. Trabalho de Conclusão de Curso em Artes Visuais, Pontifícia Universidade Católica de Campinas, 2014.

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR. interação e inter-relação que esperamos potencializar.

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR. interação e inter-relação que esperamos potencializar. BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR interação e inter-relação que esperamos potencializar. Tendo como ponto de partida algumas obras expostas na 29ª Bienal, pretendemos tecer uma rede de ideias enquanto refletimos

Leia mais

Luis Carlos Zabel Curso de Iluminação - Mod. Verde Programa Kairos - Processo De Criação SP Escola de Teatro Orientação Grissel Piguillem

Luis Carlos Zabel Curso de Iluminação - Mod. Verde Programa Kairos - Processo De Criação SP Escola de Teatro Orientação Grissel Piguillem Luis Carlos Zabel Curso de Iluminação - Mod. Verde Programa Kairos - Processo De Criação SP Escola de Teatro Orientação Grissel Piguillem O FANTASMA DA NATUREZA MORTA O FANTASMA DA NATUREZA MORTA. 2 cria

Leia mais

Passagem de imagens 1

Passagem de imagens 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Faculdade de Comunicação e Artes Curso de Comunicação Social Habilitação em Publicidade e Propaganda 7º período Política e Comunicação Tiago Barcelos Pereira

Leia mais

ARTISTAS EM RESIDÊNCIA

ARTISTAS EM RESIDÊNCIA MAR/2016 Residência Porta Aberta ARTISTAS EM RESIDÊNCIA Carlos Mensil Pedro Ferreira e Assunta Allegiani Catarina Azevedo e Karen Lacroix Alexandra Rafael Carlos Mensil Para mim, enquanto autor, preparar

Leia mais

Minha, tua, nossa cadeira: desdobramentos do objeto

Minha, tua, nossa cadeira: desdobramentos do objeto Minha, tua, nossa cadeira: desdobramentos do objeto Ana Lúcia Pereira Ferreira de Quadros 1 aninha-q@hotmail.com Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-Rio-Grandense - IFSUL Resumo: Este

Leia mais

Paisagem transitória espaço fugaz

Paisagem transitória espaço fugaz Paisagem transitória espaço fugaz Liana González 1 Captar o detalhe é penetrar em uma paisagem contida no ponto. Deste detalhe emerge uma inédita estrutura construtiva/constitutiva, múltiplas formas, cores,

Leia mais

ANEXO I. QUADRO DE OFICINAS INTEGRANTES DOS PROGRAMAS DE FORMAÇÃO ARTÍSTICA DO CUCA (COM EMENTAS) Categoria I

ANEXO I. QUADRO DE OFICINAS INTEGRANTES DOS PROGRAMAS DE FORMAÇÃO ARTÍSTICA DO CUCA (COM EMENTAS) Categoria I ANEXO I QUADRO DE OFICINAS INTEGRANTES DOS PROGRAMAS DE FORMAÇÃO ARTÍSTICA DO CUCA (COM EMENTAS) Categoria I Desemho básico Desemho intermediário Desemho básico de observação Desenho de observação Fotografia

Leia mais

T a í s C a b r a l. S ã o P a u l o, B r a s i l

T a í s C a b r a l. S ã o P a u l o, B r a s i l T a í s C a b r a l S ã o P a u l o, B r a s i l M a p e a m e n t o s, o c u p a ç ã o r e a l i z a d a n o A t e l i ê A m a r e l o, e m 2 0 0 6. F o r a m u t i l i z a d o s v á r i o s m a t e r

Leia mais

PLANO DE CURSO DISCIPLINA:Geografia ÁREA DE ENSINO: Fundamental I SÉRIE/ANO: 3 ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

PLANO DE CURSO DISCIPLINA:Geografia ÁREA DE ENSINO: Fundamental I SÉRIE/ANO: 3 ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS UNIDADE 1 OS LUGARES E SUAS PAISAGENS *Reconhecer semelhanças e diferenças entre as paisagens. *Perceber que as paisagens são constituídas por elementos naturais e culturais. *Compreender que a paisagem

Leia mais

II ENCONTRO "OUVINDO COISAS: EXPERIMENTAÇÕES SOB A ÓTICA DO IMAGINÁRIO"

II ENCONTRO OUVINDO COISAS: EXPERIMENTAÇÕES SOB A ÓTICA DO IMAGINÁRIO II ENCONTRO "OUVINDO COISAS: EXPERIMENTAÇÕES SOB A ÓTICA DO IMAGINÁRIO" Título da Exposição: A poética da morada e os cenários do imaginário habitado Trabalho fotográfico realizado com base no livro A

Leia mais

EXPERIÊNCIA ESTÉTICA E O LÚDICO NA INFÂNCIA: Artes Visuais Contemporâneas para crianças de pré-escola LETÍCIA BRITTO¹; RENATA AZEVEDO REQUIÃO²

EXPERIÊNCIA ESTÉTICA E O LÚDICO NA INFÂNCIA: Artes Visuais Contemporâneas para crianças de pré-escola LETÍCIA BRITTO¹; RENATA AZEVEDO REQUIÃO² EXPERIÊNCIA ESTÉTICA E O LÚDICO NA INFÂNCIA: Artes Visuais Contemporâneas para crianças de pré-escola LETÍCIA BRITTO¹; RENATA AZEVEDO REQUIÃO² ¹PPG Artes Visuais Centro de Artes da UFPel britto_leticia@yahoo.com.br

Leia mais

LINGUÍSTICA, LETRAS E ARTES

LINGUÍSTICA, LETRAS E ARTES Trabalho em Evento Trabalho em evento completo de natureza internacional 3.00 Trabalho em Evento Trabalho em evento completo de natureza local 1.00 Trabalho em Evento Trabalho em evento completo de natureza

Leia mais

O JOGO DA PINTURA Wagner Barja 1

O JOGO DA PINTURA Wagner Barja 1 ensaio visual Elyeser Szturm, criador do projeto gráfico da Revista UFG, é artista plástico. Nascido em Goiânia, 1958, vive e trabalha em Brasília onde é professor da UnB. Principais prêmios: Prêmio de

Leia mais

Das coisas-lugares a caosturar 1

Das coisas-lugares a caosturar 1 Das coisas-lugares a caosturar 1 Anderson Luiz de Souza 2 Exposição Cada coisa é um lugar, obra de Valderez Englert. Foto: Anderson Luiz de Souza 1 Texto escrito a partir dos estudos, leituras, conversas

Leia mais

Ficção é a Realidade que se inventa, Realidade é a Ficção que se obtém

Ficção é a Realidade que se inventa, Realidade é a Ficção que se obtém Distopia (p) Referencial - Ficção é a Realidade que se inventa, Realidade é a Ficção que se obtém Rafael Teixeira de Resende 1 O Trabalho se desencadeia a partir da frase concebida pelo artísta a fim de

Leia mais

UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO

UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO ABRE PORTAS ÀS ARTES A arte, enquanto resultado da cultura e das alterações permanentes do universo, precisa de mostrar, a todos os públicos, as suas múltiplas

Leia mais

Poética do inacabado - postais cartográficos das expedições urbanas

Poética do inacabado - postais cartográficos das expedições urbanas Poética do inacabado - postais cartográficos das expedições urbanas criação Gisele Dozono Asanuma 1 As imagens que compõem esta edição da revista Interface fazem parte da dissertação de mestrado Poéticas

Leia mais

O MAR E O CÉU DE SUZANA QUEIROGA

O MAR E O CÉU DE SUZANA QUEIROGA Inhumas, ano 3, n. 14, jul. 2015 ISSN 2316-8102 O MAR E O CÉU DE SUZANA QUEIROGA Constança Babo Suzana Queiroga, frame de Atlas, 2015 Água e ar são dois elementos essenciais à vida que marcam a Natureza

Leia mais

Currículo da Oferta de Escola Música

Currículo da Oferta de Escola Música Departamento de Expressões Currículo da Oferta de Escola Música Competências Específicas As competências específicas a desenvolver na disciplina de Música são aqui apresentadas em torno de quatro grandes

Leia mais

Arte do Brasil aplicada a Museologia II (MUL 193)

Arte do Brasil aplicada a Museologia II (MUL 193) Arte do Brasil aplicada a Museologia II (MUL 193) Disciplina Arte do Brasil aplicada a Museologia II Departamento Museologia Carga Horária Semanal Teórica 04 Prática 00 Unidade EDTM N o de Créditos 04

Leia mais

Circulação. Expressões. Estudantis. Artísticas PRO GRA ÇÃO

Circulação. Expressões. Estudantis. Artísticas PRO GRA ÇÃO Artísticas PRO GRA ÇÃO Estudantis Expressões MA de Circulação Circulação de Expressões Artísticas Estudantis Programa por Proponente Proponente / Campus Natalia Gavotti / Campus de Curitiba I Filipe Salgado

Leia mais

DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR

DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Disciplina: Artes Curso: Técnico Em Eletromecânica Integrado Ao Ensino Médio Série: 1º Carga Horária: 67 h.r Docente Responsável: EMENTA O universo da arte, numa abordagem

Leia mais

PLANO DE CURSO DISCIPLINA:História ÁREA DE ENSINO: Fundamental I SÉRIE/ANO: 2 ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

PLANO DE CURSO DISCIPLINA:História ÁREA DE ENSINO: Fundamental I SÉRIE/ANO: 2 ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS UNIDADE 1 MUITO PRAZER, EU SOU CRIANÇA. *Conhecer e estabelecer relações entre a própria história e a de outras pessoas,refletindo sobre diferenças e semelhanças. *Respeitar e valorizar a diversidade étnico

Leia mais

Marcas: Sem Nome PAULO LIMA BUENOZ

Marcas: Sem Nome PAULO LIMA BUENOZ Marcas: Sem Nome PAULO LIMA BUENOZ Paulo Lima Buenoz é artista plástico, doutor pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC e mestre pela State University of New York at Buffalo. Professor

Leia mais

Quem faz arte? O homem criou objetos para satisfazer as suas necessidades práticas, como as ferramentas para cavar a terra e os utensílios de

Quem faz arte? O homem criou objetos para satisfazer as suas necessidades práticas, como as ferramentas para cavar a terra e os utensílios de ROTULAÇÃO Rotulação na arte A arte é uma criação humana com valores estéticos (beleza, equilíbrio, harmonia, revolta) que sintetizam as suas emoções, sua história, seus sentimentos e a sua cultura. É um

Leia mais

Sem tela, sem pincel, sem tinta

Sem tela, sem pincel, sem tinta Sem tela, sem pincel, sem tinta Rita de Cássia Schipmann Eger 1 Este trabalho é um dos desdobramentos da busca por uma maneira de apresentar as idéias geradas pela apropriação das formas do conjunto de

Leia mais

Alto-contraste Laboratório de Fotografia em Filme Gráfico

Alto-contraste Laboratório de Fotografia em Filme Gráfico Alto-contraste Laboratório de Fotografia em Filme Gráfico por Rochele Zandavalli Todos os direitos reservados a Fluxo - Escola de Fotografia Expandida Alto-contraste Laboratório de Fotografia em Filme

Leia mais

TETRAEDRO E OUTRAS ESTRUTURAS COM PREGOS

TETRAEDRO E OUTRAS ESTRUTURAS COM PREGOS TETRAEDRO TETRAEDRO E OUTRAS ESTRUTURAS COM PREGOS Nós todos somos muito propensos, eu acho, a passar pela vida de olhos fechados. Há coisas ao nosso redor e a nossos pés que nunca vemos porque nunca realmente

Leia mais

IN I T N E T RVE V N E ÇÃO Ã O U R U B R ANA N ARTE T P ÚBLIC I A C

IN I T N E T RVE V N E ÇÃO Ã O U R U B R ANA N ARTE T P ÚBLIC I A C INTERVENÇÃO URBANA ARTE PÚBLICA ARTE QUE UNE, REVALIDA O SETIDO UTÓPICO DE APAGAR FRONTEIRAS ATRAVÉS DAS LINGUAGENS VISUSAIS. Wagner Barja O QUE É? É o termo utilizado para designar os movimentos artísticos,

Leia mais

1 Computação (2.º Semestre): Documentos para consulta no exame N.º. Nome completo: Curso: Foto:

1 Computação (2.º Semestre): Documentos para consulta no exame N.º. Nome completo: Curso: Foto: 1 N.º Nome completo: Curso: Foto: 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 51 52 53 54 55 56 57 58 59 60

Leia mais

Jogo da Memória. Instruções. Dicas. Passo a passo

Jogo da Memória. Instruções. Dicas. Passo a passo Jogo da Memória Instruções Para trabalhar o tema Consumo Consciente com crianças e adolescentes, podemos utilizar uma série de jogos. Um deles é o Jogo da Memória. Nesta versão, a mecânica da brincadeira

Leia mais

Blog Coza - Uma ideia nova todo dia!

Blog Coza - Uma ideia nova todo dia! Page 1 of 5 Blog Coza - Uma ideia nova todo dia! Loja Coza Loja Coza Twitter Coza RSS Formulário de Busca Pesquisar por: Buscar 1. 2. 3. 19 outubro 2010 Luz e sombra nos cascos Post by blog coza Comentar

Leia mais

0 km 5 km 10 km 15 km 20 km 25 km 30 km 35 km 40 km Escala gráfica (a escala em baixo representa no total 40 km reduzidos no mapa) Lugar geométrico, pontos situados à mesma distancia da origem Esta

Leia mais

RUÍNAS DA MEMÓRIA Coleção André Luiz Joanilho BR PRNDPH ALJ.FT. Arranjo, Descrição e Produção: Laureci Silvana Cardoso

RUÍNAS DA MEMÓRIA Coleção André Luiz Joanilho BR PRNDPH ALJ.FT. Arranjo, Descrição e Produção: Laureci Silvana Cardoso 0008 RUÍNAS DA MEMÓRIA Coleção André Luiz Joanilho BR PRNDPH ALJ.FT Arranjo, Descrição e Produção: Laureci Silvana Cardoso RUÍNAS DA MEMÓRIA Do esquecimento quase não se fala, afinal, é esquecimento. É

Leia mais

PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Fotografia e memória: as representações do negro na cultura Brasileira

PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Fotografia e memória: as representações do negro na cultura Brasileira PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Fotografia e memória: as representações do negro na cultura Brasileira Proponente: Emiliano Dantas Pesquisador externo LabDidática/FUNDAJ http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=k4332360p7

Leia mais

Luiza Alcântara expõe Adro no Plugminas

Luiza Alcântara expõe Adro no Plugminas Luiza Alcântara expõe Adro no Plugminas Enviado por Pessoa Comunicação e Relacionamento 12-Mai-2014 Pessoa Comunicação e Relacionamento O PlugMinas - Centro de Formação e Experimentação Digital recebe

Leia mais

Na Trilha do Fotógrafo Eduardo Jaunsem ( ) 1

Na Trilha do Fotógrafo Eduardo Jaunsem ( ) 1 Na Trilha do Fotógrafo Eduardo Jaunsem (1896-1977) 1 Rodrigo Weber Klahr 2 Rafael C.M. Meinecke 3 Paulo Ernesto Scortegagna 4 Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, Ijuí, RS.

Leia mais

Sumário CADA UM DO SEU JEITO...8 A HISTÓRIA DE CADA UM...22

Sumário CADA UM DO SEU JEITO...8 A HISTÓRIA DE CADA UM...22 Sumário 1 CADA UM DO SEU JEITO...8 Eu...9 Os outros...11 O tempo não para...12 Autorretrato em três tempos...12 As paisagens também se transformam...13 Tudo muda...14 Antes e depois...15 Os primeiros documentos...16

Leia mais

COLÉGIO CENECISTA DR. JOSÉ FERREIRA LUZ, CÂMERA, REFLEXÃO

COLÉGIO CENECISTA DR. JOSÉ FERREIRA LUZ, CÂMERA, REFLEXÃO COLÉGIO CENECISTA DR. JOSÉ FERREIRA LUZ, CÂMERA, REFLEXÃO UBERABA - 2015 PROJETO DE FILOSOFIA Professor coordenador: Danilo Borges Medeiros Tema: Luz, câmera, reflexão! Público alvo: Alunos do 9º ano do

Leia mais

Envolver Programa do Serviço Educativo Aniversários.

Envolver Programa do Serviço Educativo Aniversários. Envolver Programa do Serviço Educativo 2015-2016 www.museuberardo.pt/aniversarios 2 A revolta das cores 3-5 anos Cada boião de tinta tem a sua cor e cada cor tem a sua função: há o azul do mar, o vermelho

Leia mais

SIMPÓSIO: LITERATURAS AFRICANAS DE EXPRESSÃO PORTUGUESA: SUJEITO E IDENTIDADE COORDENADORA SILVIA HELENA PINTO NIEDERAUER

SIMPÓSIO: LITERATURAS AFRICANAS DE EXPRESSÃO PORTUGUESA: SUJEITO E IDENTIDADE COORDENADORA SILVIA HELENA PINTO NIEDERAUER SIMPÓSIO: LITERATURAS AFRICANAS DE EXPRESSÃO PORTUGUESA: SUJEITO E IDENTIDADE COORDENADORA SILVIA HELENA PINTO NIEDERAUER Os sujeitos na contemporaneidade e na pós-modernidade apresentam-se fragmentados,

Leia mais

O ontem e o hoje no ensino de artes, suas diretrizes curriculares e as competências atuais do professor desta disciplina.

O ontem e o hoje no ensino de artes, suas diretrizes curriculares e as competências atuais do professor desta disciplina. O ontem e o hoje no ensino de artes, suas diretrizes curriculares e as competências atuais do professor desta disciplina. Daniela Pedroso Secretaria Municipal da Educação de Curitiba EQUIPE CLEONICE DOS

Leia mais

Desde sempre, sempre desenhei

Desde sempre, sempre desenhei Desde sempre, sempre desenhei Edith Derdyk O desenho é a matriz e a força motriz de meu traçado: ir e vir com o grafite no espaço do papel está tão calcado em meu sistema neurológico que a própria ação

Leia mais

A sua obra, maioritariamente em fotografia e vídeo, tem um grande carácter subjetivo e é bastante marcada por referências literárias e históricas.

A sua obra, maioritariamente em fotografia e vídeo, tem um grande carácter subjetivo e é bastante marcada por referências literárias e históricas. Prece geral, de Daniel Blaufuks RECURSOS PEDAGÓGICOS O artista Daniel Blaufuks é um artista português, nascido em Lisboa em 1963. A sua obra, maioritariamente em fotografia e vídeo, tem um grande carácter

Leia mais

E M E I C H Á C A R A S O N H O A Z U L. O currículo numa perspectiva de diálogo com a comunidade

E M E I C H Á C A R A S O N H O A Z U L. O currículo numa perspectiva de diálogo com a comunidade E M E I C H Á C A R A S O N H O A Z U L O currículo numa perspectiva de diálogo com a comunidade O Currículo na Educação Infantil numa nova perspectiva Deve considerar os Direitos das Crianças de Participar;

Leia mais

COMUNICAÇÃO TRAJETÓRIAS VIVENCIAIS EM ARTES PLÁSTICAS. Palavras-Chave: Artes Plásticas; Histórias de vida; Vida de artista.

COMUNICAÇÃO TRAJETÓRIAS VIVENCIAIS EM ARTES PLÁSTICAS. Palavras-Chave: Artes Plásticas; Histórias de vida; Vida de artista. COMUNICAÇÃO TRAJETÓRIAS VIVENCIAIS EM ARTES PLÁSTICAS CORRÊA, Ayrton Dutra 1 Palavras-Chave: Artes Plásticas; Histórias de vida; Vida de artista. RESUMO: Este texto é resultado de pesquisa realizada com

Leia mais

CURRÍCULO DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO ARTES - 6º ANO AO 9º ANO

CURRÍCULO DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO ARTES - 6º ANO AO 9º ANO Tipos de Letras Diferenciação entre o espaço bi e tridimensional, espaço e volume e suas conexões com as formas o espaço teatral, o corpo em movimento e o som no espaço. Cores Arte rupestre 6ª ANO 5ª SÉRIE

Leia mais

Grupo Nome do criterio Descrição do criterio Peso Pontuação maxima

Grupo Nome do criterio Descrição do criterio Peso Pontuação maxima Trabalho em Evento Evento completo internacional Trabalho em evento completo de natureza internacional 20.00 999.00 Trabalho em Evento Evento completo local Trabalho em evento completo de natureza local

Leia mais

I - Educação Através da Arte ( ) Termo instituído no Brasil com a LDB 9394/96. II - Educação Estética

I - Educação Através da Arte ( ) Termo instituído no Brasil com a LDB 9394/96. II - Educação Estética EDUCAÇÃO ARTÍSTICA ARTES PLÁSTICAS 01) Alguns termos têm sido empregados no Brasil referentes à Arte e seu ensino, conforme determinado contexto histórico. Assinale a alternativa CORRESPONDENTE à nomenclatura

Leia mais

ARTEBR LIVRO CONVERSAS COM A ARTE BRASILEIRA

ARTEBR LIVRO CONVERSAS COM A ARTE BRASILEIRA ARTEBR LIVRO CONVERSAS COM A ARTE BRASILEIRA A empresa ARTEBR desenvolve projetos em arte, educação e literatura para diversas instituições culturais brasileiras. Atua nas áreas de consultoria e assessoria

Leia mais

apresenta LIVRO DIDÁTICO Especial para Escolas

apresenta LIVRO DIDÁTICO Especial para Escolas apresenta LIVRO DIDÁTICO Especial para Escolas Trata-se de valioso registro audiovisual apresentado com um inestimável valor histórico e cultural, visto que Stockinger marcou a arte produzida no Brasil

Leia mais

HAND-COLOURING FOTOGRAFIA COLORIZADA. por Rochele Zandavalli e Carine Wallauer. Todos os direitos reservados a Fluxo - Escola de Fotografia Expandida

HAND-COLOURING FOTOGRAFIA COLORIZADA. por Rochele Zandavalli e Carine Wallauer. Todos os direitos reservados a Fluxo - Escola de Fotografia Expandida HAND-COLOURING FOTOGRAFIA COLORIZADA por Rochele Zandavalli e Carine Wallauer Todos os direitos reservados a Fluxo - Escola de Fotografia Expandida HAND COLOURING FOTOGRAFIA COLORIZADA Historicamente,

Leia mais

Crítica à cultura de massa

Crítica à cultura de massa Pop Art A Pop Art, abreviatura de Popular Art, foi um movimento artístico que se desenvolveu na década de 1950, na Inglaterra e nos Estados Unidos. Foi na verdade uma reação artística ao movimento do expressionismo

Leia mais

Oito dias na Quarta Parada

Oito dias na Quarta Parada 96 b fotografia Oito dias na Quarta Parada por b 97 O presente ensaio foi realizado no pequeno triângulo delimitado pelas avenidas Alcântara Machado, Salim Farah Maluf e rua Siqueira Bueno, conhecido como

Leia mais

O som de uma infância desaparecendo 1. Fernando Luiz FAVERO 2 Maria Zaclis VEIGA 3 Universidade Positivo, Curitiba, PR

O som de uma infância desaparecendo 1. Fernando Luiz FAVERO 2 Maria Zaclis VEIGA 3 Universidade Positivo, Curitiba, PR O som de uma infância desaparecendo 1 Fernando Luiz FAVERO 2 Maria Zaclis VEIGA 3 Universidade Positivo, Curitiba, PR RESUMO É dito e repetido que a fotografia é um recorte da realidade. Mas de qual realidade?

Leia mais

UMA MATEMÁTICA PARA O PROJETO DE REFORÇO ESCOLAR NO SEGUNDO CICLO DE ENSINO Cristiane Custodio de Souza Andrade UERJ/FFP

UMA MATEMÁTICA PARA O PROJETO DE REFORÇO ESCOLAR NO SEGUNDO CICLO DE ENSINO Cristiane Custodio de Souza Andrade UERJ/FFP UMA MATEMÁTICA PARA O PROJETO DE REFORÇO ESCOLAR NO SEGUNDO CICLO DE ENSINO Cristiane Custodio de Souza Andrade UERJ/FFP custodioandrade@uol.com.br Resumo: Este trabalho apresenta parte das investigações

Leia mais

Proposta do Projeto Os Jardins da Alvorada

Proposta do Projeto Os Jardins da Alvorada Proposta do Projeto Os Jardins da Alvorada 1 Agenda de Convocação de Reunião Data Local Início Término 09/07/2012 CDI 13h 14h Objetivos Traçar os planos para a exposição Os Jardins da Alvorada do fotógrafo

Leia mais

COMO JOGAR TRUCO PAULISTA

COMO JOGAR TRUCO PAULISTA COMO JOGAR TRUCO PAULISTA Link: http://www.jogatina.com/como-jogar-truco.html Como começo a jogar? Para começar a jogar truco paulista clique em "JOGAR AGORA!" na página do seu perfil no Jogatina. Em seguida,

Leia mais

Brincadeira científica - Câmera fotográfica

Brincadeira científica - Câmera fotográfica Brincadeira científica - Câmera fotográfica Você, provavelmente, está acostumado a tirar fotos com uma câmera digital ou um celular. Mas você sabe como a imagem de um grande edifício, ou de uma pessoa,

Leia mais

PROJETO DAS FACULDADES MAGSUL 2013

PROJETO DAS FACULDADES MAGSUL 2013 Pedagogia: Aut. Dec. nº 93110 de 13/08/86 / Reconhecido Port. Nº 717 de 21/12/89/ Renovação Rec. Port. nº 3.648 de 17/10/2005 Educação Física: Aut. Port. nº 766 de 31/05/00 / Rec. Port. nº 3.755 de 24/10/05

Leia mais

Maritz Rugendas. Jogar Capoeira, ou Dança da Guerra, 1835, litografia aquarelada.

Maritz Rugendas. Jogar Capoeira, ou Dança da Guerra, 1835, litografia aquarelada. QUESTÃO 1 Andy Warhol. 25 Marilyns coloridas, c.1962, serigrafia sobre tela, 208 cm 144 cm, Tate Galery, Londres. Maritz Rugendas. Jogar Capoeira, ou Dança da Guerra, 1835, litografia aquarelada. Pablo

Leia mais

ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE

ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE NOVOS CURSOS POESIA * PINTURA, LANTERNAGEM E MECÂNICA DO TEXTO ARTES GRÁFICAS LINHA IMAGINÁRIA ! i í 11 «X ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE PROFESSOR POESIA

Leia mais

ILUMINAÇÃO NATURAL EXERCITANDO O OLHAR

ILUMINAÇÃO NATURAL EXERCITANDO O OLHAR ILUMINAÇÃO NATURAL EXERCITANDO O OLHAR LUZ Para todos nós, seres humanos que vivemos sobre a terra, as coisas mais importantes são o ar, a água e a luz. A luz não é só essencial, mas inegavelmente bela.

Leia mais

MÚSICA. SF 4 03 de setembro

MÚSICA. SF 4 03 de setembro MÚSICA SF 4 03 de setembro A banda de rock alternativo SF 4 tem influências de bandas internacionais como Foo Fighters, Queens of Stone Age, Led Zeppelin e bandas nacionais como Scalene, NX Zero, Medulla

Leia mais

Perspectivas Musicais na Educação Infantil. Edmar Brasil Ferreira ParalaPracá

Perspectivas Musicais na Educação Infantil. Edmar Brasil Ferreira ParalaPracá Perspectivas Musicais na Educação Infantil Edmar Brasil Ferreira ParalaPracá - 2011 Ementa Reflexão sobre a produção sonora contemporânea e suas implicações para o viver em sociedade. Apresentação das

Leia mais

2.2 Estimular e dar visibilidade a produção artística audiovisual dos/as estudantes dos Cursos de Artes Visuais do Instituto de Letras e Artes;

2.2 Estimular e dar visibilidade a produção artística audiovisual dos/as estudantes dos Cursos de Artes Visuais do Instituto de Letras e Artes; assds 1. Apresentação Este edital é destinado a inscrição e seleção de artistas e realizadores/as brasileiros/as com obras audiovisuais produzidas entre 2016 e 2017. Serão consideradas obras audiovisuais:

Leia mais

O Espaço Geográfico, a Paisagem, o Lugar, o Território e a Região. Gustavo Rocha

O Espaço Geográfico, a Paisagem, o Lugar, o Território e a Região. Gustavo Rocha O Espaço Geográfico, a Paisagem, o Lugar, o Território e a Região. Gustavo Rocha Geografia: conceito e importância Geo = terra ; Grafia = estudo Geografia é a ciência que estuda a terra, a interação entre

Leia mais

Vestibular ª Fase

Vestibular ª Fase Vestibular 2006 1ª Fase ARTES VISUAIS E LITERATURA Instruções Gerais: No dia de hoje (14/11), você deverá responder as questões de História, Geografia, Raciocínio Lógico-Matemático e Artes Visuais e Literatura.

Leia mais

MATERIAIS EDUCATIVOS MAR MUSEU DE ARTE DO RIO

MATERIAIS EDUCATIVOS MAR MUSEU DE ARTE DO RIO MATERIAIS EDUCATIVOS MAR MUSEU DE ARTE DO RIO Livros do aluno Escola do olhar Rio de imagens uma paisagem em construção A apresentação de paisagens do Rio de Janeiro em diferentes épocas, representadas

Leia mais

Geometrias Sensíveis consiste num projeto que se apresenta em duas etapas: uma ação no espaço urbano e seu desdobramento num conjunto fotográfico.

Geometrias Sensíveis consiste num projeto que se apresenta em duas etapas: uma ação no espaço urbano e seu desdobramento num conjunto fotográfico. Geometrias Sensíveis Regina Helena Pereira Johas 1 Geometrias Sensíveis consiste num projeto que se apresenta em duas etapas: uma ação no espaço urbano e seu desdobramento num conjunto fotográfico. Trata-se

Leia mais

O USO DE RECURSOS VISUAIS NA EDUCAÇÃO DE SURDOS

O USO DE RECURSOS VISUAIS NA EDUCAÇÃO DE SURDOS O USO DE RECURSOS VISUAIS NA EDUCAÇÃO DE SURDOS Daniella Zanellato 1 Universidade de São Paulo Elaine Cristina Paixão da Silva 2 Universidade de São Paulo Programa de Pós-graduação da Faculdade de Educação

Leia mais

Exercício do Olhar. Luz 25/08/ Luz

Exercício do Olhar. Luz 25/08/ Luz Prof. Dr. Paulo Sergio Scarazzato USP, UNICAMP IAB, ANTAC, IES, CIE-Brasil, CIBSE 01. Luz Luz Para todos nós, seres humanos que vivemos sobre a terra, as coisas mais importantes são o ar, a água e a luz.

Leia mais

INSTALAÇÃO ARTÍSTICA NA ESCOLA. Turmas: 5º ano e participações do 3ºA, 3ºB, 4ºA, 4B

INSTALAÇÃO ARTÍSTICA NA ESCOLA. Turmas: 5º ano e participações do 3ºA, 3ºB, 4ºA, 4B INSTALAÇÃO ARTÍSTICA NA ESCOLA Turmas: 5º ano e participações do 3ºA, 3ºB, 4ºA, 4B Professora: Elaine Bastos Machado Atividade de ARTE realizada na Escola Municipal Professora Julieta Anciutti Arte-cidade

Leia mais

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 7 semestres. Prof. Dr. Paulo de Tarso Mendes Luna

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 7 semestres. Prof. Dr. Paulo de Tarso Mendes Luna Documentação: Objetivo: Titulação: Diplomado em: Resolução 12/CGRAD/2015 de 09/09/2015 Fornecer meios para formação de profissionais capazes para atuar em ambientes dinâmicos plurais, atendendo necessidades

Leia mais

Memória, cultura e literatura o prazer de ler e recriar o mundo

Memória, cultura e literatura o prazer de ler e recriar o mundo Memória, cultura e literatura o prazer de ler e recriar o mundo Apoio Pedagógico Memória, cultura e literatura: o prazer de ler e recriar o mundo, Elias José Memória, cultura e literatura o prazer de ler

Leia mais

Na Fundação Calouste Gulbenkian

Na Fundação Calouste Gulbenkian Antes de Começar, de Almada Negreiros Na Fundação Calouste Gulbenkian M/4 A Companhia da Esquina estará em cena para Escolas durante o Ano Lectivo 2016/17 com o espectáculo Antes de Começar na Fundação

Leia mais

CRONOGRAMA DE AVALIAÇÕES DE ARTE 3 TRIMESTRE 2017 Professora: Fernanda Bastos TURMA DATA AVALIAÇÂO CONTEÚDOS PESO

CRONOGRAMA DE AVALIAÇÕES DE ARTE 3 TRIMESTRE 2017 Professora: Fernanda Bastos TURMA DATA AVALIAÇÂO CONTEÚDOS PESO CRONOGRAMA DE AVALIAÇÕES DE ARTE 3 TRIMESTRE 2017 Professora: Fernanda Bastos TURMA DATA AVALIAÇÂO CONTEÚDOS PESO 611 22/11 Trabalho 1: Desenho inspirado nos Gatos do artista Aldemir Martins e pintura

Leia mais

HISTÓRIA DA ARTE, ARQUITETURA E DESIGN: De 1900 Aos Dias De Hoje

HISTÓRIA DA ARTE, ARQUITETURA E DESIGN: De 1900 Aos Dias De Hoje CURSOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA HISTÓRIA DA ARTE, ARQUITETURA E DESIGN: De 1900 Aos Dias De Hoje 2017-2018 SOBRE O CURSO O curso busca desenvolver nos alunos uma percepção abrangente dos ciclos históricos

Leia mais

GIACOMETTI. Sempre há progresso/não refazer as coisas negativas 108. É preciso destruir (destrói mesmo?) tudo (= cabeça) 49

GIACOMETTI. Sempre há progresso/não refazer as coisas negativas 108. É preciso destruir (destrói mesmo?) tudo (= cabeça) 49 GIACOMETTI QUESTÕES SINTÁTICAS CONCEITO DE INACABAMENTO Inacabamento insatisfação 27/64 (não fim de obra) Inacabamento Cézanne 44 Tempo inacabamento 113 / 117 / 119 Obra não é abandonada enquanto há chance

Leia mais

Meu Mundo Teu. Alexandre Sequeira 1. Meu Mundo Teu

Meu Mundo Teu. Alexandre Sequeira 1. Meu Mundo Teu Meu Mundo Teu Alexandre Sequeira 1 Meu Mundo Teu Dois adolescentes que não se conhecem trocam impressões sobre suas realidades a partir de cartas e fotografias. A mescla dessas informações de mundo apresentadas

Leia mais

Cauda de cometa. Oficina de light painting com celulares - fotografia e animação Orientação: Denise Agassi e Eduardo Salvino

Cauda de cometa. Oficina de light painting com celulares - fotografia e animação Orientação: Denise Agassi e Eduardo Salvino Cauda de cometa Oficina de light painting com celulares - fotografia e animação Orientação: Denise Agassi e Eduardo Salvino Light Painting ou Pintura de luz é uma técnica fotográfica que permite captar

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA CAMPUS ALEGRETE PIBID

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA CAMPUS ALEGRETE PIBID PROPOSTA DIDÁTICA 1. Dados de Identificação 1.1 Nome do bolsista: Fabielli Vieira de July 1.2 Público alvo: alunos do 8º e 9º anos 1.3 Duração: 2 h 1.4 Conteúdos desenvolvido: As Pirâmides do Egito e a

Leia mais

Arte, sabores e aromas um olhar poético da culinária mineira

Arte, sabores e aromas um olhar poético da culinária mineira Arte, sabores e aromas um olhar poético da culinária mineira VII EXPOSIÇÃO DE ARTES PLÁSTICAS E FOTOGRAFIA DA AFFEMG REGULAMENTO DA EXPOSIÇÃO COLETIVA DE ARTES PLÁSTICAS E FOTOGRAFIA AFFEMG Art. 1º A Exposição

Leia mais

CORPO E ARTE BARROCA: O SAGRADO E O PROFANO ATRAVÉS DAS OBRAS DE BERNINI

CORPO E ARTE BARROCA: O SAGRADO E O PROFANO ATRAVÉS DAS OBRAS DE BERNINI CORPO E ARTE BARROCA: O SAGRADO E O PROFANO ATRAVÉS DAS OBRAS DE BERNINI Lucas Martinucci (PROART, UEL), Jardel Dias Cavalcanti (Orientador) e-mail: jardeldias1@hotmail.com Universidade Estadual de Londrina/

Leia mais

INSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA:

INSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA: TÍTULO: FESTIVAL UNIVERSITÁRIO DE VERÃO AUTORES: Lauro Pires Xavier Neto; José Gonçalves da Lopes Júnior; Líbia de Araújo Pereira; Gustavo Marques Porto Cardoso; Júlio César Alves de Oliveira; Nádia Luz

Leia mais

Período: Código: BAC 770 (M) BAC 816 (D) Ementa de Curso/Linha: HCA Disciplina: História e Crítica da Arte Contemporânea I

Período: Código: BAC 770 (M) BAC 816 (D) Ementa de Curso/Linha: HCA Disciplina: História e Crítica da Arte Contemporânea I Ementa de Curso/Linha: HCA Disciplina: História e Crítica da Arte Contemporânea I Período: 2017.1 Código: BAC 770 (M) BAC 816 (D) CURSO: Os abstracionismos dos anos 1950-60, no Brasil: entendimentos, diversidade

Leia mais

Ínfimos Corriqueiros Pormenores Possessivos (condição diagramática) 1

Ínfimos Corriqueiros Pormenores Possessivos (condição diagramática) 1 Ínfimos Corriqueiros Pormenores Possessivos (condição diagramática) 1 Fabiana Pedroni Joani Caroline Souza Rodrigo Hipólito 2 Este ensaio visual é composto por diagramas e estudos realizados durante a

Leia mais

Introdução à Arquitetura de Interiores. Antonio Castelnou

Introdução à Arquitetura de Interiores. Antonio Castelnou Introdução à Arquitetura de Interiores Antonio Castelnou CASTELNOU Apresentação Ao se observar a vida humana, verifica-se que, na maior parte de seu tempo, esta ocorre em espaços interiores ou fechados,

Leia mais

MARIA CRISTINA BRITO. 4ª feira 9 às 13 horas. Ester Leão (2º andar) 15 vagas

MARIA CRISTINA BRITO. 4ª feira 9 às 13 horas. Ester Leão (2º andar) 15 vagas 1 NOME DA DISCIPLINA: SALA O ATOR NO TEATRO DA CRUELDADE DE ANTONIN ARTAUD 2 MARIA CRISTINA BRITO 4ª feira 9 às 13 horas Ester Leão (2º andar) Interpretação I e II / ou / Atuação Cênica I e II / e / O

Leia mais

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS O processo do fazer artístico de Nelson Felix é delineado, por um lado, por decisões a priori ligadas aos aspectos formais e situacionais, e, por outro, pela permissão que se dá

Leia mais

Ementário do Curso de Design de Moda - Matriz

Ementário do Curso de Design de Moda - Matriz Ementário do Curso de Design de Moda - Matriz 2011.1 Disciplina: INTRODUÇÃO AO DESIGN DE MODA (60h) Terminologias e conceitos da área. Descrição dos conceitos da área. Contextualização e processo de moda.

Leia mais

PROJETO: MINHA CIDADE TEM HISTÓRIA

PROJETO: MINHA CIDADE TEM HISTÓRIA PROJETO: MINHA CIDADE TEM HISTÓRIA POEMA PARA MINHA CIDADE Minha cidade tem praias, Tem rios, tem cores... Minha cidade tem flores, Tem festas, tem amores... Minha cidade tem praças, Tem preces, tem pressa...

Leia mais

MUSEU NACIONAL DA IMPRENSA

MUSEU NACIONAL DA IMPRENSA O PRAZER DA CULTURA SERVIÇOS EDUCATIVOS PROGRAMA FAMÍLIAS NO MUSEU O Programa Famílias no Museu oferece, durante todo o ano, um divertido programa para as Famílias. Tendo como ponto de partida a História

Leia mais

OPERANDO NÚMEROS INTEIROS COM O ÁBACO. Letícia Ramos Rodrigues 1 Tássia Oliveira de Oliveira 2

OPERANDO NÚMEROS INTEIROS COM O ÁBACO. Letícia Ramos Rodrigues 1 Tássia Oliveira de Oliveira 2 OPERANDO NÚMEROS INTEIROS COM O ÁBACO Letícia Ramos Rodrigues 1 Tássia Oliveira de Oliveira 2 Resumo O aprendizado das operações fundamentais, sendo elas a adição, a subtração, a multiplicação e a divisão,

Leia mais

Universidade Federal de Viçosa Universidade de Évora. Évora: um outro olhar

Universidade Federal de Viçosa Universidade de Évora. Évora: um outro olhar Universidade Federal de Viçosa Universidade de Évora Walkíria Maria de Freitas Martins 1 Évora: um outro olhar Quem pretende se aproximar do próprio passado soterrado deve agir como um homem que escava.

Leia mais

Figura Nº 66. Figura Nº 68. Figura Nº 67

Figura Nº 66. Figura Nº 68. Figura Nº 67 3.2 - Introdução aos procedimentos digitais Para a obtenção dos fotogramas, tem-se a necessidade de objetos, planos ou tridimensionais que são dispostos sobre uma superfície com um suporte sensível a luz,

Leia mais

CURSO DE ARTES VISUAIS

CURSO DE ARTES VISUAIS CURSO DE ARTES VISUAIS HORÁRIO DE AULAS CICLO BÁSICO 1º PERÍODO Forma, Cor e Composição DES005 A 05 Maria do Céu Atl.1 Bidimensionalidade I DES004 A 05 Conceição Bicalho Atl.7 Artes Visuais I APL008 B

Leia mais

Reflexio Reflexo e Reflexão Uma Abordagem do retrato, uma imagem para pensar o mundo Um resgate do olhar na Eja.

Reflexio Reflexo e Reflexão Uma Abordagem do retrato, uma imagem para pensar o mundo Um resgate do olhar na Eja. Reflexio Reflexo e Reflexão Uma Abordagem do retrato, uma imagem para pensar o mundo Um resgate do olhar na Eja. Neusa Loreni Vinhas 1 Resumo: Nosso relato se faz num percurso de mediação numa escola estadual

Leia mais

Disciplina de Desenho A do Décimo primeiro ano de escolaridade

Disciplina de Desenho A do Décimo primeiro ano de escolaridade Escola Secundária do Padrão da Légua (402412) ÁREA DISCIPLINAR DE EXPRESSÃO VISUAL Disciplina de Desenho A do Décimo primeiro ano de escolaridade CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS AULAS PREVISTAS Unidade 1 Desenho

Leia mais

Paparagrafia. Tania Valena da Silva Noronha 1

Paparagrafia. Tania Valena da Silva Noronha 1 Paparagrafia Tania Valena da Silva Noronha 1 Desde muito pequena eu sempre fui muito observadora e adorava desenhar os colegas na sala de aula em forma de caricatura. A falta de prática do tempo que fiquei

Leia mais