nada daquilo que se chama uma potência sou um cidadão alguma coisa de novo alguma coisa de imprevisto e de desconhecido Paulo César Carbonari

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "nada daquilo que se chama uma potência sou um cidadão alguma coisa de novo alguma coisa de imprevisto e de desconhecido Paulo César Carbonari"

Transcrição

1 Eu sou um cidadão, não sou nem banqueiro, nem abade, nem cortesão, nem favorito, nada daquilo que se chama uma potência; eu sou um cidadão, isto é, alguma coisa de novo, alguma coisa de imprevisto e de desconhecido [...] Pierre-Augustin Beaumarchais. Barbeiro de Sevilha, 1774 Paulo César C Carbonari Mestre em Filosofia (UFG) e Professor no Instituto Berthier (IFIBE)

2 POSICIONAMENTO Dizer é sempre, de alguma forma, posicionar-se se desde um lugar e para um horizonte É sempre UMA leitura aberta ao diálogo: 1. Desde a compreensão crítica da situação contemporânea 2. Desde o lugar da reflexão filosófica fica prática 3. Desde a atuação em direitos humanos

3 ORIENTAÇÃO Fala terá a seguinte estrutura: 1. Referenciais Direitos Humanos Educação 2. Diagnósticos Contextos Pretextos 3. Desafios Etico-pol políticos Pedagógicos gicos

4 REFERENCIAIS DIREITOS HUMANOS

5 Direitos Humanos são construção do RECONHECIMENTO Posicionam-se se como RELAÇÃO de ALTERIDADE Propõem a afirmação da DIVERSIDADE e a impossibilidade da INDIFERENÇA É QUERER que o/a OUTRO/A SEJA COMO QUER SER e não ser o que a gente gostaria que fosse OU uma COISA!

6 A racionalidade prática da o conteúdo dos direitos humanos no intervalo das dimensões: normativa (ética e jurídica) política pedagógica gica Constituem-se se em Exigência da DIGNIDADE HUMANA Na referência ao SUJEITO DE DIREITOS que é Singular + Particular + Universal

7 Seu conteúdo desdobra-se se em escolha e realização ESCOLHA têm motivação e repercussão é exercício cio de LIBERDADE nunca é neutra põe o si e o outro em questão REALIZAÇÃO é orientada e contextualizada exige parâmetro e revisão é posicionamento prático põe os muitos, os diversos no comum

8 Daí que, 1. direitos humanos correlacionam direitos e deveres dando ao dever um sentido que se sustenta como contrapartida dos direitos 2. querer direitos não é uma escolha que se faz pela circunstância, pauta as demais escolhas; pois somente um querer que pauta o agir pela dignidade humana sempre como fim é um querer direitos 3. direitos humanos exigem põe todas e cada uma das pessoas no compromisso de ser agente-autor autor (mais do que ator), com os/as outros/as

9 REFERENCIAIS EDUCAÇÃO

10 EDUCAÇÃO é interação intervalo pleno Processos educativos acontecem na relação na presença de sujeitos pluridimensionais que são alteridades distintas que se abrem (ou se fecham) para a construção pessoal de uns/umas e de outros/as dos partícipes do/no processo

11 toma os sujeitos do/no processo desde dentro e os põe dentro das dinâmicas que abre Qualquer outra será mais Adestramento ou disciplinamento Daí que, educação É educação em/para direitos humanos

12 DIAGNÓSTICO CONTEXTO

13 DIVERSIDADE é marca da situação (mas não é um simples dado) POR QUÊ? Cada pessoa é singular, única Grupos formam identidades distintas Identidades são construídas culturalmente Geram a pluralidade das formas de vida POR ISSO Excluir é NÃO CUIDAR do OUTRO

14 DESIGUALDADE é construção social que PERVERTE a diversidade, POR QUÊ? Toma o DIFERENTE como INFERIOR Põe os diversos em ESCALA de VALORIZAÇÃO É como se houvesse GENTE, Gente, gente, gente, quase gente, não-gente POR ISSO MAIORIDADE a poucos/as MENORIDADE [minoria]] aos/às s muitos/as

15 DESIGUALDADE aparece no racismo escravidão, branqueamento sexismo submissão da mulher e homofobia classismo divisão de classe (pobres, subalternos) moralismo pessoas de bem x marginais inatismo uns nunca aprenderão normalismo há os deficientes Está nas PRÁTICAS (DES-)EDUCATIVAS É EDUCAR para que a CIDADANIA NÃO SEJA cidadã

16 DIAGNÓSTICO PRETEXTOS

17 inflação de direitos ninguém m mais faz a vida estes pestinhas mandam e desmandam cale a boca! chamo teu pai! e muitas outras formas As crianças as agora sós têm direitos, não têm mais obrigações!

18 temos que tolerar cada um é livre, pode fazer o que quer! tudo é relativo! limites são imposições ões! não agüento mais, mas, fazer o quê! e muitas outras formas Respeitar a diversidade é garantir a inclusão e impõe calar, tolerar!

19 tudo sós parece diferente não háh como ser de outro modo do que é para quê mudar sempre foi assim o mundo dád voltas, mas fica no mesmo lugar e muitas outras formas No fundo, não tem jeito, é melhor cada um fazer a sua parte e pronto!

20 DESAFIOS ÉTICO-POLÍTICOS

21 São políticos porque exigem compromisso comum no sentido de Construir nova cultura novo modo de ser nova ética Centradas no CUIDADO com o OUTRO

22 Reforçar ATITUDES BÁSICAS B da humanidade INDIGNAÇÃO SOLIDARIEDADE Juntas, geram condições para encontrar CAMINHOS construir PONTES,, nunca muros para a realização da dignidade

23 Trata-se de REFAZER RELAÇÕES para fazê-las simplesmente HUMANAS

24 DESAFIOS PEDAGÓGICOS GICOS

25 Consolidar NOVA PEDAGOGIA Que prime pela CONSTRUÇÃO DA PARTICIPAÇÃO Ora, se processos educativos ocorrem na presença a da alteridade (dos diversos) ) e remetem para dimensões relacionais diversas em complexidade (grupo, sociedade, Estado, comunidade internacional), exigem, portanto, posturas e posições abertas e plurais capazes de escapar da massificação e dos privatismos individualistas O OUTRO não pode ser IGNORADO: está aí,, fala!

26 Que ajude na COMPREENSÃO dos/nos DISSENSOS e dos/nos CONFLITOS Ora, se conflitos e dissensos são parte da convivência humana, não podem ser ignorados, exigem a CONSTRUÇÃO de MEDIAÇÕES adequadas à sua resolução, não para suprimi- los ou escamoteá-los, mas para que não redundem em violência, indiferença, desigualdade COM O OUTRO se pode SER MAIS (MELHOR)!

27 Que mantém m a permanente ABERTURA ao MUNDO Ora, o compromisso com os contextos nos quais se dão os processos educativos exige desenvolver a sensibilidade e a capacidade de leitura da realidade e a conseqüente ente inserção responsável vel,, pois os rumores do mundo não são ruídos estridentes que dão vazão à indiferença, antes, são desafios a novas práticas, o que significa que se trata de formar sujeitos cooperativos com a efetivação de condições para que todas e cada pessoa seja e resistentes (intransigentes) com todas as formas e meios que insistem em inviabilizar, violar e apequenar O OUTRO quer SER SIMPLESMENTE GENTE!

28 Você verá que é mesmo assim que a história não tem fim e continua sempre que você responde sim à sua imaginação à arte de sorrir cada vez que o mundo diz não Guilherme Arantes, Brincar de Viver

29 Contato: Subsídio elaborado para as conferências ncias realizadas no XXX Seminário Estadual de Educação promovido pela AEC-RS e proferidas em 17 e 18/07/2008, em Porto Alegre, RS.

ORIGEM DA PALAVRA. A palavra Ética

ORIGEM DA PALAVRA. A palavra Ética ÉTICA ORIGEM DA PALAVRA A palavra Ética é originada do grego ethos,, (modo de ser, caráter) através do latim mos (ou no plural mores) (costumes, de onde se derivou a palavra moral.)[1] [1].. Em Filosofia,

Leia mais

Inclusão Social e formação de professores: as perspectivas para o Rural. Edmerson dos Santos Reis UNEB/DCH-III/RESAB

Inclusão Social e formação de professores: as perspectivas para o Rural. Edmerson dos Santos Reis UNEB/DCH-III/RESAB Inclusão Social e formação de professores: as perspectivas para o Rural Edmerson dos Santos Reis UNEB/DCH-III/RESAB 1 Minha fala: 1- A maculação do direito como algo que impede a inclusão; 2- Inclusão

Leia mais

Capacitação em Educação em Direitos Humanos. FUNDAMENTOS HISTÓRICO- FILOSÓFICOS DOS DIREITOS HUMANOS Módulo 1.1

Capacitação em Educação em Direitos Humanos. FUNDAMENTOS HISTÓRICO- FILOSÓFICOS DOS DIREITOS HUMANOS Módulo 1.1 Capacitação em Educação em Direitos Humanos FUNDAMENTOS HISTÓRICO- FILOSÓFICOS DOS DIREITOS HUMANOS Módulo 1.1 1 FUNDAMENTOS HISTÓRICO-FILOSÓFICOS DOS DIREITOS HUMANOS Direitos Humanos: sua origem e natureza

Leia mais

Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos [...] devem agir uns para com os outros em espírito de fraternidade. (art.

Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos [...] devem agir uns para com os outros em espírito de fraternidade. (art. Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos [...] devem agir uns para com os outros em espírito de fraternidade. (art. I, da DUDH) 1- Introdução: Por que a educação em matéria

Leia mais

Ensino Religioso nas Escolas Públicas

Ensino Religioso nas Escolas Públicas Ensino Religioso nas Escolas Públicas Fundamentação legal: Constituição Federal de 1988: qdo reconhece os direitos sociais dos cidadãos e estabelece a promoção da cidadania e da dignidade como dever do

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Conselho Municipal de Educação - CME Venâncio Aires

Estado do Rio Grande do Sul Conselho Municipal de Educação - CME Venâncio Aires Estado do Rio Grande do Sul Conselho Municipal de Educação - CME Venâncio Aires Resolução Nº 01, de 12 de dezembro de 2012. Fixa Normas e Diretrizes Operacionais para a Educação de Jovens e Adultos EJA

Leia mais

ENTRE ESCOLA, FORMAÇÃO DE PROFESSORES E SOCIEDADE, organizados na seguinte sequência: LIVRO 1 DIDÁTICA E PRÁTICA DE ENSINO NA RELAÇÃO COM A ESCOLA

ENTRE ESCOLA, FORMAÇÃO DE PROFESSORES E SOCIEDADE, organizados na seguinte sequência: LIVRO 1 DIDÁTICA E PRÁTICA DE ENSINO NA RELAÇÃO COM A ESCOLA APRESENTAÇÃO Apresentar os resultados do XVII ENDIPE tem para nós o significado especial de dever cumprido. É a alegria de fazermos parte desta história, de estarmos juntos nesta caminhada de mais uma

Leia mais

Promover o sucesso educativo numa escola de qualidade

Promover o sucesso educativo numa escola de qualidade ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3.º CICLO DE FERREIRA DIAS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO INTERNA DA ESCOLA Promover o sucesso educativo numa escola de qualidade 1 ÍNDICE Constituição da CAI... 3 I. Conceção

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL na Educação. Profa. Dra. Silvia da Costa STOCKINGER UFPA/CRESS

SERVIÇO SOCIAL na Educação. Profa. Dra. Silvia da Costa STOCKINGER UFPA/CRESS SERVIÇO SOCIAL na Educação Profa. Dra. Silvia da Costa STOCKINGER UFPA/CRESS A ESCOLA Um cenário próprio: instituição que reflete as problemáticas vivenciadas pela sociedade; apresenta expressões da Questão

Leia mais

ÉTICA: FUNDAMENTOS SÓCIO - HISTÓRICOS

ÉTICA: FUNDAMENTOS SÓCIO - HISTÓRICOS ÉTICA: FUNDAMENTOS SÓCIO - HISTÓRICOS Autora: Mônica E. da Silva Ramos CURSO: Serviço Social ÉTICA: Fundamentos sócio - históricos O trabalho ora posto nasce das inquietudes e reflexões da autora desenvolvidas

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA DO CAMPUS GUARULHOS ESCOLA DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS (EFLCH)

PROPOSTA PEDAGÓGICA DO CAMPUS GUARULHOS ESCOLA DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS (EFLCH) PROPOSTA PEDAGÓGICA DO CAMPUS GUARULHOS ESCOLA DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS (EFLCH) Direção Acadêmica (2013-2017) Prof. Dr. Daniel Árias Vazquez Profa. Dra. Marineide de Oliveira Gomes II Fórum

Leia mais

Material de divulgação da Editora Moderna

Material de divulgação da Editora Moderna Material de divulgação da Editora Moderna Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

COLÉGIO CENECISTA DR. JOSÉ FERREIRA LUZ, CÂMERA, REFLEXÃO

COLÉGIO CENECISTA DR. JOSÉ FERREIRA LUZ, CÂMERA, REFLEXÃO COLÉGIO CENECISTA DR. JOSÉ FERREIRA LUZ, CÂMERA, REFLEXÃO UBERABA - 2015 PROJETO DE FILOSOFIA Professor coordenador: Danilo Borges Medeiros Tema: Luz, câmera, reflexão! Público alvo: Alunos do 9º ano do

Leia mais

Pedagogia da Autonomia Capítulo 1 Não há docência sem discência Paulo Freire. Délia Dilena Isabel Isaura Geovana Paulo Stéfany

Pedagogia da Autonomia Capítulo 1 Não há docência sem discência Paulo Freire. Délia Dilena Isabel Isaura Geovana Paulo Stéfany Pedagogia da Autonomia Capítulo 1 Não há docência sem discência Paulo Freire Délia Dilena Isabel Isaura Geovana Paulo Stéfany IDEIA CENTRAL A formação docente ao lado da reflexão sobre a prática educativa

Leia mais

Jacques Therrien, UFC/UECE

Jacques Therrien, UFC/UECE Jacques Therrien, UFC/UECE ALGUNS PRINCÍPIOS QUE FUNDAMENTAM PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCAR: É O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO E DE RECONSTRUÇÃO CRIATIVA DE SI E DO MUNDO SOCIAL ONDE CONVIVEMOS É

Leia mais

Os professores e a sua formação NA e PARA a escola

Os professores e a sua formação NA e PARA a escola Os professores e a sua formação NA e PARA a escola EDUCON 9 (Colóquio Internacional Educação e Contemporaneidade) Aracajú, Brasil, 17.09.15 Isabel Alarcão Professora catedrática, aposentada Universidade

Leia mais

Posicionamento: Centro de Referências em Educação Integral

Posicionamento: Centro de Referências em Educação Integral Posicionamento: Centro de Referências em Educação Integral 1. Conceito A Educação Integral (EI) é uma concepção que compreende que a educação deve garantir o desenvolvimento dos sujeitos em todas as suas

Leia mais

MATRIZ DE REFERÊNCIA DE HISTÓRIA - ENSINO FUNDAMENTAL

MATRIZ DE REFERÊNCIA DE HISTÓRIA - ENSINO FUNDAMENTAL D1 Identificar a constituição de identidades culturais em diferentes contextos Identificar as diferentes representações sociais e culturais no espaço paranaense no contexto brasileiro. Identificar a produção

Leia mais

AULA 1. Rodrigo Machado Merli Diretor Escolar da PMSP Pedagogo Didática de Ensino Superior PUC/SP Estudante de Direito

AULA 1. Rodrigo Machado Merli Diretor Escolar da PMSP Pedagogo Didática de Ensino Superior PUC/SP Estudante de Direito AULA 1 Rodrigo Machado Merli Diretor Escolar da PMSP Pedagogo Didática de Ensino Superior PUC/SP Estudante de Direito 1 MANTOAN, Mª Teresa Egler. Inclusão Escolar O que é? Por quê? Como fazer? 1ª ed. São

Leia mais

LDB Lei de Diretrizes e Bases

LDB Lei de Diretrizes e Bases PEDAGOGIA LDB Lei de Diretrizes e Bases Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional O pedagogo estuda as teorias da ciência da educação e do ensino É

Leia mais

05/02/2012. Júlio Furtado

05/02/2012. Júlio Furtado YtéxÜ@áx? àéüçtü@áx? Üx ÇäxÇàtÜ@áx ÑÜÉyxááÉÜ Júlio Furtado www.juliofurtado.com.br www.juliofurtado.com.br 1 ALTERIDADE Colocar-se no lugar do outro na relação interpessoal, com consideração, valorização,

Leia mais

Professor(a): Ana Maria Siqueira Silva

Professor(a): Ana Maria Siqueira Silva Professor(a): Ana Maria Siqueira Silva E-mail: anasiqueira_4@hotmail.com WWW.INSTITUTOCONSCIENCIAGO.COM.BR 2. A FORMAÇÃO DE PROFESSORES 2.1. As perspectivas de formação docente 2.2. Formação inicial e

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO BARREIRO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO BARREIRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO BARREIRO ( ) Cidadania não é apenas o conjunto de direitos e deveres que os cidadãos devem exercer e cumprir. O exercício da Cidadania é sobretudo um comportamento, uma atitude

Leia mais

Roteiro para análise do filme Escritores da. Liberdade

Roteiro para análise do filme Escritores da. Liberdade Roteiro para análise do filme Escritores da Liberdade É importante reforçar que toda a comunidade escolar é responsável e participante no processo educativo e que a ação dos funcionários na escola é, sobretudo,

Leia mais

O que são os Núcleos Temáticos?

O que são os Núcleos Temáticos? O que são os Núcleos Temáticos? Dispositivos acadêmicos grupais de natureza multidisciplinar e transdisciplinar voltados para a ampliação e aprofundamento de temas de relevância social, cultural e científica

Leia mais

Rodas de Histórias como espaços de Interações e Brincadeira A experiência do Projeto Paralapracá em Olinda

Rodas de Histórias como espaços de Interações e Brincadeira A experiência do Projeto Paralapracá em Olinda Rodas de Histórias como espaços de Interações e Brincadeira A experiência do Projeto Paralapracá em Olinda A proposta pedagógica das instituições de Educação Infantil deve ter como objetivo garantir à

Leia mais

Fixando o Conhecimento Módulo Relações Humanas

Fixando o Conhecimento Módulo Relações Humanas Fixando o Conhecimento Módulo Relações Humanas 1. O homem, através de sua racionalidade, busca conhecer a si e ao mundo que o cerca. Neste sentido, a ética: a) Não ajuda em nada o ser humano b) É um dos

Leia mais

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Estudo da história geral da Educação e da Pedagogia, enfatizando a educação brasileira. Políticas ao longo da história engendradas

Leia mais

Qualidade Social na Educação Básica e Diversidade: os desafios para enfrentar as desigualdades

Qualidade Social na Educação Básica e Diversidade: os desafios para enfrentar as desigualdades Qualidade Social na Educação Básica e Diversidade: os desafios para enfrentar as desigualdades Elizabete Ramos Centro de Cultura Luiz Freire Recife, maio 2008 1- Qualidade: um conceito em disputa Históricamente...

Leia mais

EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS Esboço de Reflexão Conceitual

EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS Esboço de Reflexão Conceitual EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS Esboço de Reflexão Conceitual Paulo César Carbonari 1 A educação deve orientar-se para o pleno desenvolvimento da personalidade humana e do sentido de sua dignidade, e deve

Leia mais

Anexo 2 (Projetos de promoção do Sucesso Escolar e Prémios)

Anexo 2 (Projetos de promoção do Sucesso Escolar e Prémios) Agrupamento de Escolas Verde Horizonte Regulamento Interno (Anexo 2) 2016-2017 Anexo 2 (Projetos de promoção do Sucesso Escolar e Prémios) ANEXO 2.1 PROJETO ALUNO 100% Art.º 1º Preâmbulo Considerando que

Leia mais

Ética, Educação e cidadania. Prof. Amauri Carlos Ferreira

Ética, Educação e cidadania. Prof. Amauri Carlos Ferreira Ética, Educação e cidadania Prof. Amauri Carlos Ferreira Saber Mundo Cultura SUJEITO Ele Mesmo Identidade Autonomia Heteronomia Outro Ética Sujeito Outro Quando o outro entra em cena nasce a ética Umberto

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 1, DE 30 DE MAIO DE 2012

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 1, DE 30 DE MAIO DE 2012 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 1, DE 30 DE MAIO DE 2012 Estabelece Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos. O Presidente do Conselho Nacional de Educação, no uso de suas atribuições

Leia mais

Resolução CEB nº 3, de 26 de junho de Apresentado por: Luciane Pinto, Paulo Henrique Silva e Vanessa Ferreira Backes.

Resolução CEB nº 3, de 26 de junho de Apresentado por: Luciane Pinto, Paulo Henrique Silva e Vanessa Ferreira Backes. Resolução CEB nº 3, de 26 de junho de 1998 Apresentado por: Luciane Pinto, Paulo Henrique Silva e Vanessa Ferreira Backes. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. O Presidente

Leia mais

FAMÍLIA E ESCOLA: UMA PARCERIA DE SUCESSO

FAMÍLIA E ESCOLA: UMA PARCERIA DE SUCESSO FAMÍLIA E ESCOLA: UMA PARCERIA DE SUCESSO Maria Isabel Francisco da Silva 1 FIP- Faculdades Integradas de Patos Isabelsilva04@hotmail.com RESUMO Neste trabalho apresenta-se uma discussão e reflexão sobre

Leia mais

O Regimento Escolar é o documento que estabelece as diretrizes administrativas, as orientações, as regras de convivência, os direitos e deveres de

O Regimento Escolar é o documento que estabelece as diretrizes administrativas, as orientações, as regras de convivência, os direitos e deveres de O Regimento Escolar é o documento que estabelece as diretrizes administrativas, as orientações, as regras de convivência, os direitos e deveres de todos que convivem no ambiente escolar. A rede pode ter

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO: ressignificar a pesquisa na escola numa abordagem da relação de saberes LUCIANA VIEIRA DEMERY

FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO: ressignificar a pesquisa na escola numa abordagem da relação de saberes LUCIANA VIEIRA DEMERY 1 FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO: ressignificar a pesquisa na escola numa abordagem da relação de saberes LUCIANA VIEIRA DEMERY Introdução Este artigo é resultado de uma experiência com formação continuada

Leia mais

Pedagogia da Autonomia. FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000.

Pedagogia da Autonomia. FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000. Pedagogia da Autonomia FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000. Pressupostos a Educação é libertadora desde que o seu sujeito seja

Leia mais

ANÁLISE DOS CONCEITOS EDUCACIONAIS NAS TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS LIBERAIS E PROGRESSISTAS

ANÁLISE DOS CONCEITOS EDUCACIONAIS NAS TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS LIBERAIS E PROGRESSISTAS SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO LICENCIATURA EM MATEMÁTICA ELISANDRO RAFAEL BAUMGARTEN ANÁLISE DOS CONCEITOS EDUCACIONAIS NAS TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS LIBERAIS E PROGRESSISTAS Horizontina 2015 ELISANDRO

Leia mais

PROGRAMA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO FISCAL. PROJETO: CIDADANIA: APRENDENDO PARA A VIDA Profª Medianeira Garcia Geografia

PROGRAMA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO FISCAL. PROJETO: CIDADANIA: APRENDENDO PARA A VIDA Profª Medianeira Garcia Geografia PROGRAMA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO FISCAL PROJETO: CIDADANIA: APRENDENDO PARA A VIDA Profª Medianeira Garcia Geografia INTRODUÇÃO O projeto foi organizado por acreditarmos que o papel da escola e sua função

Leia mais

Inclusão e Educação Infantil: perspectivas curriculares

Inclusão e Educação Infantil: perspectivas curriculares Inclusão e Educação Infantil: perspectivas curriculares Diálogo inicial Mônica Loiola mmloi@hotmail.com Educação Infantil: por quê? Por que é um direito garantido por lei Art. 205. A educação, direito

Leia mais

Sigilo. Coleguismo Honra. Justiça. Responsabilidade. Zelo. Honestidade. Igualdade. Respeito. Competência Liberdade. Solidariedade.

Sigilo. Coleguismo Honra. Justiça. Responsabilidade. Zelo. Honestidade. Igualdade. Respeito. Competência Liberdade. Solidariedade. O QUE É ÉTICA? Coleguismo Honra Sigilo Justiça Igualdade Zelo Responsabilidade Honestidade Competência Liberdade Respeito Lealdade Solidariedade Etimologia: Ética= ethos (grego) = costumes, modo de ser,

Leia mais

PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO FUNCIONALISMO PÚBLICO. Teresa Helena Portela Freire de Carvalho Assessora Técnica CGU/Unicamp 2013

PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO FUNCIONALISMO PÚBLICO. Teresa Helena Portela Freire de Carvalho Assessora Técnica CGU/Unicamp 2013 PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO FUNCIONALISMO PÚBLICO Teresa Helena Portela Freire de Carvalho Assessora Técnica CGU/Unicamp 2013 PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO FUNCIONALISMO PÚBLICO Funcionário público é todo

Leia mais

III Fórum Distrital de Educação Profissional e Tecnológica Inclusiva

III Fórum Distrital de Educação Profissional e Tecnológica Inclusiva III Fórum Distrital de Educação Profissional e Tecnológica Inclusiva Pensando com Hannah Arendt e Theodor Adorno sobre o papel da educação no enfrentamento das discriminações e das exclusões em sala de

Leia mais

O papel do educador na PUCPR. Clemente Ivo Juliatto

O papel do educador na PUCPR. Clemente Ivo Juliatto O papel do educador na PUCPR Clemente Ivo Juliatto Palestra aos Professores Fevereiro de 2008 O professor da PUCPR não realiza apenas um projeto individual, mas insere-se numa missão institucional. Missão

Leia mais

AÇÕES COMPARTILHADAS NA ESCOLA

AÇÕES COMPARTILHADAS NA ESCOLA AÇÕES COMPARTILHADAS NA ESCOLA Gadotti (1996) relata que dentre as mudanças estruturais mais importantes introduzidas nas escolas, destacaramse o restabelecimento dos Conselhos de Escola e os Grêmios Estudantis,

Leia mais

APRESENTAÇÃO - DOSSIÊ 3 DOSSIÊ PLURALIDADE CULTURAL

APRESENTAÇÃO - DOSSIÊ 3 DOSSIÊ PLURALIDADE CULTURAL APRESENTAÇÃO - DOSSIÊ 3 DOSSIÊ PLURALIDADE CULTURAL 4 REVISTA MÚLTIPLAS LEITURAS APRESENTAÇÃO - DOSSIÊ 5 APRESENTAÇÃO A relevância do tema da pluralidade cultural tem sido plenamente reconhecido, embora

Leia mais

Qual Educação Ambiental desejamos? Caminhos para a Recuperação da EXISTÊNCIA (Boaventura de Souza SANTOS Sociologia das Ausências )

Qual Educação Ambiental desejamos? Caminhos para a Recuperação da EXISTÊNCIA (Boaventura de Souza SANTOS Sociologia das Ausências ) Recuperar a VIDA Qual Educação Ambiental desejamos? Sandro Tonso - sandro@ft.unicamp.br 1.Ecologia do saber novo diálogo de conhecimentos com o estabelecimento de uma nova epistemologia do saber, que valorize

Leia mais

Modernidade Tardia: Mentalidade individualista e seus impactos na subjetividade. Os desafios de hoje

Modernidade Tardia: Mentalidade individualista e seus impactos na subjetividade. Os desafios de hoje Modernidade Tardia: Mentalidade individualista e seus impactos na subjetividade. Os desafios de hoje Como vive e pensa o jovem que chega à Universidade Estrutura da Exposição I ANÁLISE FENOMENOLÓGICA DA

Leia mais

RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS E O ENSINO DE CIÊNCIAS

RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS E O ENSINO DE CIÊNCIAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS E O ENSINO DE CIÊNCIAS Gisele Arruda UNIPAR/NRE 1 Sirlei Pereira Martins NRE 2 Lucília Gouveia NRE 3 Caroline Baldessar Dalmolin UFFS 4 Resumo: Este estudo procura compreender as

Leia mais

Relações Étnico-Raciais no Brasil. Professor Guilherme Paiva

Relações Étnico-Raciais no Brasil. Professor Guilherme Paiva Relações Étnico-Raciais no Brasil Professor Guilherme Paiva Unidade 1: Entender as relações étnico-raciais no Brasil através das legislações atuais Questões iniciais: a invisibilidade do negro e do índio

Leia mais

O caminho moral em Kant: da transição da metafísica dos costumes para a crítica da razão prática pura

O caminho moral em Kant: da transição da metafísica dos costumes para a crítica da razão prática pura O caminho moral em Kant: da transição da metafísica dos costumes para a crítica da razão prática pura Jean Carlos Demboski * A questão moral em Immanuel Kant é referência para compreender as mudanças ocorridas

Leia mais

AULAS INAUGURAIS 2014

AULAS INAUGURAIS 2014 24-2-2014 Boletim Informativo sobre Pesquisa e Extensão - nº3 AULAS INAUGURAIS 2014 Educação, Pluralidade, Paz e Desenvolvimento Volume 3 Edição 1 Data: Março 2014 O ano lectivo 2014 inicou, como sempre,

Leia mais

ÉTICA PROFISSIONAL NA PSICOPEDAGOGIA DR. ANGELO BARBOSA

ÉTICA PROFISSIONAL NA PSICOPEDAGOGIA DR. ANGELO BARBOSA ÉTICA PROFISSIONAL NA PSICOPEDAGOGIA DR. ANGELO BARBOSA ÉTICA: Ética vem do grego ethos que significa modo de ser. É a forma que o homem deve se comportar no seu meio social. A ética pode ser o estudo

Leia mais

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS. Educação infantil Creche e pré escolas

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS. Educação infantil Creche e pré escolas PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS Educação infantil Creche e pré escolas O QUE É? Os Parâmetros Curriculares Nacionais - PCN - são referências de qualidade para os Ensinos Fundamental e Médio do país,

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos Humanos. 60 aniversário

Declaração Universal dos Direitos Humanos. 60 aniversário Declaração Universal dos Direitos Humanos 60 aniversário 1948-2008 A história da DUDH O primeiro documento global sobre a igualdade e a dignidade de todos 2 Depois da Segunda Guerra Mundial e da criação

Leia mais

DIDÁTICA E PRÁTICAS DE ENSINO COMPROMISSO COM A ESCOLA PÚBLICA, LAICA, GRATUITA E DE QUALIDADE

DIDÁTICA E PRÁTICAS DE ENSINO COMPROMISSO COM A ESCOLA PÚBLICA, LAICA, GRATUITA E DE QUALIDADE A escola, como instituição social, cumpre uma função que lhe é específica, qual seja, a de assegurar a formação educativa escolar para todas as crianças, jovens e adultos do país. Sua trajetória mostra

Leia mais

REFORMULAÇÃO DAS DCNs O QUE O BRASIL ESPERA DAS NOVAS DIRETRIZES

REFORMULAÇÃO DAS DCNs O QUE O BRASIL ESPERA DAS NOVAS DIRETRIZES DCNs O QUE O BRASIL ESPERA DAS NOVAS DIRETRIZES ABENFISIO Associação Brasileira de Ensino em Fisioterapia II ENCONTRO DE COORDENADORES E DOCENTES DE CURSOS DE GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL

Leia mais

Exemplo de questionário para avaliar como sua escola aborda o racismo

Exemplo de questionário para avaliar como sua escola aborda o racismo Questionário; Racismo Exemplo de questionário para avaliar como sua escola aborda o racismo Adaptadas do modelo da CMEB Mário Leal da Silva, as perguntas abaixo auxiliam você a fazer um diagnóstico, junto

Leia mais

Max Weber

Max Weber Max Weber - 1864-1920. Considerado o sistematizador da Sociologia na Alemanha Criador da metodologia compreensiva na Sociologia. Desenvolveu estudos no campo do direito, filosofia, história com ênfase

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DE LIMEIRA DELIBERAÇÃO CME Nº. 01, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2010.

CONSELHO MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DE LIMEIRA DELIBERAÇÃO CME Nº. 01, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2010. CONSELHO MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DE LIMEIRA DELIBERAÇÃO CME Nº. 01, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2010. Dispõe sobre os procedimentos para o desenvolvimento das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das

Leia mais

Sérgio Rogério Azevedo Junqueira São Leopoldo (RS), 2007

Sérgio Rogério Azevedo Junqueira São Leopoldo (RS), 2007 Sérgio Rogério Azevedo Junqueira São Leopoldo (RS), 2007 LEGISLAÇÃO CONSTITUIÇÃO - 1988 Art. 05 VI - é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos

Leia mais

Índice. 1. Treinamento e aperfeiçoamento no contexto do século XXI (continuação)...3

Índice. 1. Treinamento e aperfeiçoamento no contexto do século XXI (continuação)...3 GRUPO 7.4 MÓDULO 13 Índice 1. Treinamento e aperfeiçoamento no contexto do século XXI (continuação)...3 1.1 Terceiro pilar: aprender a viver junto... 3 1.2 Quarto pilar: aprender a ser... 4 2 1. TREINAMENTO

Leia mais

O ato como representação do professor responsável

O ato como representação do professor responsável O ato como representação do professor responsável Lidiane Costa dos Santos 1 Welington da Costa Pinheiro 2 Para Bakhtin, os sujeitos constituem-se nas relações sociais, logo, é inevitável não recordar

Leia mais

20 Revista da Faculdade de Direito da Universidade Federal do Paraná 1 A DEMOCRACIA DELIBERATIVA E A AUTONOMIA DOS INDIVÍDUOS EM AMY GUTMANN AMY GUTMA

20 Revista da Faculdade de Direito da Universidade Federal do Paraná 1 A DEMOCRACIA DELIBERATIVA E A AUTONOMIA DOS INDIVÍDUOS EM AMY GUTMANN AMY GUTMA A IDÉIA DE AUTONOMIA DO INDIVÍDUO EM AMY GUTMANN E A IDÉIA DO SUJEITO EM ALAIN TOURAINE 1 Dora Maria Farias Lopes Mestre em Sociologia Política. SUMÁRIO: Introdução; 1 A Democracia Deliberativa e a Autonomia

Leia mais

LEI DE RESPONSABILIDADE EDUCACIONAL

LEI DE RESPONSABILIDADE EDUCACIONAL Câmara dos Deputados Audiência Pública LEI DE RESPONSABILIDADE EDUCACIONAL Prof. João Ferreira de Oliveira - UFG joao.jferreira@gmail.com Representando: ANPEd e ANFOPE - Associação Científica Fundada em

Leia mais

II MÓDULO PREVENÇÃO AO USO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS Modelos e Práticas. Paula Marilia Cordeiro Caiana Silva 2016

II MÓDULO PREVENÇÃO AO USO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS Modelos e Práticas. Paula Marilia Cordeiro Caiana Silva 2016 II MÓDULO PREVENÇÃO AO USO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS Modelos e Práticas 2016 Parece improvável que a Humanidade em geral seja algum dia capaz de dispensar os paraísos artificiais, isto é, a busca pela

Leia mais

22/08/2014. Tema 7: Ética e Filosofia. O Conceito de Ética. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes

22/08/2014. Tema 7: Ética e Filosofia. O Conceito de Ética. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes Tema 7: Ética e Filosofia Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes O Conceito de Ética Ética: do grego ethikos. Significa comportamento. Investiga os sistemas morais. Busca fundamentar a moral. Quer explicitar

Leia mais

ÉTICA E PRÁTICA EDUCATIVA, OUTRA VEZ. Cipriano Carlos luckesi 1

ÉTICA E PRÁTICA EDUCATIVA, OUTRA VEZ. Cipriano Carlos luckesi 1 ÉTICA E PRÁTICA EDUCATIVA, OUTRA VEZ Cipriano Carlos luckesi 1 Qual é um significativo fundamento para a conduta ética e o que isso tem a ver com a prática educativa? Lee Yarley, professor de Religião

Leia mais

Redução da maioridade penal: justiça ou vingança? Camila Valle[1]

Redução da maioridade penal: justiça ou vingança? Camila Valle[1] Camila Valle[1] O objetivo da redução da maioridade penal é fazer com que o Direito Penal (e a justiça correspondente) seja aplicado aos que hoje são tutelados pelo Estatuto da Criança e do Adolescente

Leia mais

Proposta de Política de Comunicação da Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Proposta de Política de Comunicação da Universidade Tecnológica Federal do Paraná MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ REITORIA Proposta de Política de Comunicação da Universidade Tecnológica Federal do Paraná OBS: Política elaborada pela comissão designada

Leia mais

NÚCLEO GERADOR DOMÍNIOS CRITÉRIOS DE EVIDÊNCIA OBSERVADO NÚCLEO GERADOR DOMÍNIOS PROPOSTAS DE TRABALHO A DESENVOLVER PELO CANDIDATO OBSERVADO

NÚCLEO GERADOR DOMÍNIOS CRITÉRIOS DE EVIDÊNCIA OBSERVADO NÚCLEO GERADOR DOMÍNIOS PROPOSTAS DE TRABALHO A DESENVOLVER PELO CANDIDATO OBSERVADO GRUPO: ÁREA DE COMPETÊNCIAS-CHAVE CIDADANIA E PROFISSIONALIDADE NÚCLEO GERADOR DOMÍNIOS CRITÉRIOS DE EVIDÊNCIA OBSERVADO DIREITOS E DEVERES Identificar situações de autonomia e responsabilidades partilhadas

Leia mais

Pontos de Cultura. BARBOSA, Frederico; CALABRE, Lia. (Org.). Pontos de Cultura: olhares sobre o Programa Cultura Viva. Brasília: Ipea, 2011.

Pontos de Cultura. BARBOSA, Frederico; CALABRE, Lia. (Org.). Pontos de Cultura: olhares sobre o Programa Cultura Viva. Brasília: Ipea, 2011. Pontos de Cultura Deborah Rebello Lima 1 BARBOSA, Frederico; CALABRE, Lia. (Org.). Pontos de Cultura: olhares sobre o Programa Cultura Viva. Brasília: Ipea, 2011. O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada

Leia mais

FORMAÇÃO CÍVICA E HUMANA

FORMAÇÃO CÍVICA E HUMANA Escola Secundária/3 de Barcelinhos ANO LETIVO 2012-2013 FORMAÇÃO CÍVICA E HUMANA 3.º Ciclo Ensino Básico A) ORIENTAÇÕES PROGRAMÁTICAS B) CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO ÍNDICE A) ORIENTAÇÕES PROGRAMÁTICAS 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Elsa de Mattos Psicóloga e Professora de Psicologia da UFBA 4º Seminário da Associação Brasileira de Mulheres da Carreira Jurídica ESA Agosto 2016

Elsa de Mattos Psicóloga e Professora de Psicologia da UFBA 4º Seminário da Associação Brasileira de Mulheres da Carreira Jurídica ESA Agosto 2016 ALIENAÇÃO PARENTAL Novas perspectivas de abordagem e intervenção Elsa de Mattos Psicóloga e Professora de Psicologia da UFBA 4º Seminário da Associação Brasileira de Mulheres da Carreira Jurídica ESA Agosto

Leia mais

JUVENTUDE/S: ser jovem hoje, aprendizagens e participação. REGINA NOVAES UFRJ/CONSELHO NACIONAL DE PESQUISA.

JUVENTUDE/S: ser jovem hoje, aprendizagens e participação. REGINA NOVAES UFRJ/CONSELHO NACIONAL DE PESQUISA. JUVENTUDE/S: ser jovem hoje, aprendizagens e participação. REGINA NOVAES UFRJ/CONSELHO NACIONAL DE PESQUISA. SUMÁRIO: 1- Condição juvenil: marcas geracionais comuns (juventude no singular) 2- Situação

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE ASSISTENTES SOCIAIS (C. F. A.S.) CÓDIGO ÉTICA PROFISSIONAL ASSISTENTE SOCIAL

CONSELHO FEDERAL DE ASSISTENTES SOCIAIS (C. F. A.S.) CÓDIGO ÉTICA PROFISSIONAL ASSISTENTE SOCIAL CONSELHO FEDERAL DE ASSISTENTES SOCIAIS (C. F. A.S.) CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL APROVADO EM 30 DE JANEIRO DE 1975 CÓDIGO DE ÈTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL INTRODUÇÃO AO

Leia mais

É o estudo geral do que é bom ou mau, correto ou incorreto, justo ou injusto, adequado ou inadequado.

É o estudo geral do que é bom ou mau, correto ou incorreto, justo ou injusto, adequado ou inadequado. O que é Ética São princípios e Valores. É agir bem. É o estudo geral do que é bom ou mau, correto ou incorreto, justo ou injusto, adequado ou inadequado. É fazer com os outros o que gostaríamos que fizessem

Leia mais

Neste módulo você entenderá o quanto suas atitudes impactam nele e em todos a sua volta. O objetivo é capacitá-lo a identificar e reconhecer o

Neste módulo você entenderá o quanto suas atitudes impactam nele e em todos a sua volta. O objetivo é capacitá-lo a identificar e reconhecer o Neste módulo você entenderá o quanto suas atitudes impactam nele e em todos a sua volta. O objetivo é capacitá-lo a identificar e reconhecer o comportamento necessário no trânsito para a segurança social

Leia mais

Pp Elaine Laranjeira Souza

Pp Elaine Laranjeira Souza Pp Elaine Laranjeira Souza CBO 2394-25 Pedagoga UEFS Psicopedagoga Clínica, Institucional e Hospitalar - FACCEBA Neuropsicopedagoga em formação - UCAMPROMINAS CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1988 CAPÍTULO III Seção

Leia mais

Entrevista: A alteridade dimensão primeira do sujeito ético

Entrevista: A alteridade dimensão primeira do sujeito ético Entrevista: A alteridade dimensão primeira do sujeito ético José André da Costa O professor José André da Costa, diretor geral do IFIBE, defendeu Tese de Doutorado em Filosofia na sexta-feira, 08 de julho

Leia mais

Profa. Viviane Araujo

Profa. Viviane Araujo Unidade II ESCOLA, CURRÍCULO E CULTURA Profa. Viviane Araujo Organização do currículo Teorias de currículo: respostas às questões o que, como e por que ensinar intencionalidade da prática educativa. CFB/88:

Leia mais

LDB Lei de Diretrizes e Bases

LDB Lei de Diretrizes e Bases PEDAGOGIA LDB Lei de Diretrizes e Bases Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional O pedagogo estuda as teorias da ciência da educação e do ensino É

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ÉTICA. A Geografia Levada a Sério

FUNDAMENTOS DA ÉTICA.  A Geografia Levada a Sério FUNDAMENTOS DA ÉTICA 1 Eu não sei o que quero ser, mas sei muito bem o que não quero me tornar. Friedrich Nietzsche 2 CHEGA Gabriel, o pensador (2015) 3 A Ética e a Cidadania Desde cedo aprendemos a não

Leia mais

O FAZER DA PSICOLOGIA DO IFRN: Mitos e Verdades. Apresentação dos profissionais de Psicologia do IFRN

O FAZER DA PSICOLOGIA DO IFRN: Mitos e Verdades. Apresentação dos profissionais de Psicologia do IFRN O FAZER DA PSICOLOGIA DO IFRN: Mitos e Verdades Apresentação dos profissionais de Psicologia do IFRN Psicologia e Educação Atualmente, a Psicologia inserida na Educação, preocupase com as políticas públicas

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA NACIONAL DE ARTICULAÇÃO SOCIAL

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA NACIONAL DE ARTICULAÇÃO SOCIAL PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA NACIONAL DE ARTICULAÇÃO SOCIAL TERMO DE ADESÃO AO COMPROMISSO NACIONAL PELA PARTICIPAÇÃO SOCIAL O Município (NOME), representado

Leia mais

Lei de Parcerias - Lei nº /14. Fundamentos Princípios Diretrizes

Lei de Parcerias - Lei nº /14. Fundamentos Princípios Diretrizes Lei de Parcerias - Lei nº 13.019/14 Fundamentos Princípios Diretrizes Lei nº 13.019/14 Estabelece o regime jurídico das parcerias voluntárias, envolvendo ou não transferências de recursos financeiros,

Leia mais

RESUMO DO PPC Curso Superior de Tecnologia em Logística Emitente: Adriano Araújo Data: 01/08/2017

RESUMO DO PPC Curso Superior de Tecnologia em Logística Emitente: Adriano Araújo Data: 01/08/2017 1. PERFIL DO CURSO O Curso de da Unijorge (UJ), está fundamentado em mecanismos efetivos de interdisciplinaridade e flexibilização curricular que permitem formar profissionais aptos em planejar, controlar

Leia mais

O ESPAÇO NA PEDAGOGIA-EM- -PARTICIPAÇÃO

O ESPAÇO NA PEDAGOGIA-EM- -PARTICIPAÇÃO I O ESPAÇO NA PEDAGOGIA-EM- -PARTICIPAÇÃO Júlia Oliveira-Formosinho Filipa Freire de Andrade Introdução Espaço(s) em Participação Na Pedagogia -em-participação damos muita importância à organização do(s)

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: missão; escola; formação de professores

PALAVRAS-CHAVE: missão; escola; formação de professores MISSÃO DA ESCOLA: POR QUE E PARA QUE EXISTE? VIEIRAI, Vânia Maria de Oliveira Mestre na Universidade de Uberaba. vaniacamila@uol.com.br RESUMO Esse estudo constitui-se num ponto de vista elaborado a partir

Leia mais

Direitos Humanos, cidadania, estabilidade e paz social. Com a atribuição deste

Direitos Humanos, cidadania, estabilidade e paz social. Com a atribuição deste CDHQSAN Atribuição do Prémio Ângelo d Almeida Ribeiro a Associação Nacional de Bombeiros Profissionais (ANBP) ex aequo Associação Portuguesa de Bombeiros Voluntários - 11 de dezembro de 2017 - Todos os

Leia mais

5. COMENTÁRIOS FINAIS

5. COMENTÁRIOS FINAIS 1 5. COMENTÁRIOS FINAIS 2 3 A inserção das artes no Sistema Educativo Português, nas últimas três décadas e sob o ponto de vista das políticas públicas, pode ser caracterizada por uma situação paradoxal.

Leia mais

PROJETO DE VIDA FORMAÇÃO INTEGRAL 1

PROJETO DE VIDA FORMAÇÃO INTEGRAL 1 PROJETO DE VIDA FORMAÇÃO INTEGRAL 1 A formação de pessoas autônomas, engajadas, produtivas e atuantes representa um desafio para as instituições educacionais em todo o mundo. No Brasil, particularmente,

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE Concurso Público de Ingresso no Magistério Público Estadual

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE Concurso Público de Ingresso no Magistério Público Estadual Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE Concurso Público de Ingresso no Magistério Público Estadual PARECERES DOS RECURSOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 14) No documento - Progestão : como

Leia mais

Caderno 2 de Prova AE03. Educação Infantil. Auxiliar de Ensino de. Prefeitura Municipal de Florianópolis Secretaria Municipal de Educação

Caderno 2 de Prova AE03. Educação Infantil. Auxiliar de Ensino de. Prefeitura Municipal de Florianópolis Secretaria Municipal de Educação Prefeitura Municipal de Florianópolis Secretaria Municipal de Educação Edital n o 003/2009 Caderno 2 de Prova AE03 Auxiliar de Ensino de Educação Infantil Dia: 22 de novembro de 2009 Horário: das 8 às

Leia mais

PEDAGOGIA DA AUTONOMIA Saberes necessários à prática educativa Paulo Freire. Observações Angélica M. Panarelli

PEDAGOGIA DA AUTONOMIA Saberes necessários à prática educativa Paulo Freire. Observações Angélica M. Panarelli PEDAGOGIA DA AUTONOMIA Saberes necessários à prática educativa Paulo Freire. Observações Angélica M. Panarelli Freire inicia sua obra esclarecendo o alvo (docentes formados ou em formação), colocando que

Leia mais

UNIVERSIDADE SALVADOR LICENCIATURA EM LETRAS SEMINÁRIO EJA: RETROSPECTIVA E PROSPECTIVAS

UNIVERSIDADE SALVADOR LICENCIATURA EM LETRAS SEMINÁRIO EJA: RETROSPECTIVA E PROSPECTIVAS UNIVERSIDADE SALVADOR LICENCIATURA EM LETRAS SEMINÁRIO EJA: RETROSPECTIVA E PROSPECTIVAS Março, 2010 Equipe: Adonai Medrado, Janine Macedo, Paula Marlei Trabalho apresentado como pré-requisito para aprovação

Leia mais

Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural. O Brasil é um País Multirracial. Contextualização. Teleaula 1.

Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural. O Brasil é um País Multirracial. Contextualização. Teleaula 1. Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural Teleaula 1 Profa. Dra. Marcilene Garcia de Souza tutorialetras@grupouninter.com.br O Brasil é um País Multirracial Letras Contextualização

Leia mais

Movimento Santa Catarina pela Educação/Blumenau/SC

Movimento Santa Catarina pela Educação/Blumenau/SC PROFESSOR TIMOTHY IRELAND De redes educacionais para uma atuação em rede: construindo o ecossistema da Educação de Jovens e Adultos em Santa Catarina Movimento Santa Catarina pela Educação/Blumenau/SC

Leia mais

Grupo de Trabalho: GT03 CULTURAS JUVENIS NA ESCOLA. IFPR - Instituto Federal do Paraná (Rua Rua Antônio Carlos Rodrigues, Porto Seguro, PR)

Grupo de Trabalho: GT03 CULTURAS JUVENIS NA ESCOLA. IFPR - Instituto Federal do Paraná (Rua Rua Antônio Carlos Rodrigues, Porto Seguro, PR) Grupo de Trabalho: GT03 CULTURAS JUVENIS NA ESCOLA Sandra Amarantes ¹, Maicon Silva ² IFPR - Instituto Federal do Paraná (Rua Rua Antônio Carlos Rodrigues, 453 - Porto Seguro, PR) ÉTICA E HUMANIZAÇÃO NO

Leia mais