Monitoramento Hidrológico no rio São Francisco. Hydrological monitoring the San Francisco River

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Monitoramento Hidrológico no rio São Francisco. Hydrological monitoring the San Francisco River"

Transcrição

1 Monitoramento Hidrológico no rio São Francisco Cristiane Ribeiro de Melo 1 * & Solange Cavalcanti de Melo 2 & Fábio Araújo da Costa 3 & Mercília Maria Farias de Barros 4 Resumo O presente trabalho tem como objetivo avaliar a mudança nas vazões em parte do rio São Francisco, trecho compreendido entre a barragem de Sobradinho e a foz, através dos anos, considerando os impactos causados pelos barramentos. A análise foi realizada através de um estudo comparativo das vazões em períodos anteriores e após as construções. Foram utilizadas as estações fluviométricas operadas no âmbito da parceria entre Serviço Geológico do Brasil SGB/CPRM e Agência Nacional de Águas ANA. De acordo com os resultados apresentados, para o caso da série de vazão natural, antes dos barramentos, poucas vezes o rio apresentou condições extremas de seca e cheia. Após os barramentos, observa-se que nos períodos secos o regime hidrológico apresentou regularização, elevando as mínimas e reduzindo as vazões máximas. Palavras-Chave Descarga Líquida, Barramentos, rio São Francisco. Hydrological monitoring the San Francisco River Abstract This study aims to evaluate the change in flows in part of the São Francisco River section between the dam of Sobradinho and the river mouth, over the years, considering the impacts of dams. The analysis was performed through a comparative study of flows in prior periods and after construction. Data was taken from the fluviometric stations operated under the partnership between Geological Survey of Brazil - SGB / CPRM and the National Water Agency - ANA. According to the results presented in case the series of natural flow, before the dams, the river showed only rare events of extreme dry and flood. After the dams, it is observed that in dry periods the hydrological regime was regularized, raising the minimum and reducing peak flows. Keywords Flows, dams, San Francisco river. INTRODUÇÃO A bacia hidrográfica do Rio São Francisco é uma das principais do território nacional, acumulando cerca de 2/3 da disponibilidade de água doce do Nordeste. Parte da bacia está distribuída na região Sudeste e pequena fração no Centro-Oeste (MELO, 2010). O rio São Francisco, em seu trecho que percorre a região Nordeste, apresenta 10 estações fluviométricas, sendo 03 delas extintas. Algumas dessas estações foram instaladas antes das construções dos barramentos e outras, para melhor monitoramento, após as construções. As 1 *Pesquisadora em Geociências. CPRM. Mestre em Recursos Hídricos. Avenida Sul, Bairro de Afogados, CEP: Recife-PE, Brasil. 2 Técnica em Geociências. CPRM. Avenida Sul, Bairro de Afogados, CEP: Recife-PE, Brasil. 3 Pesquisador em Geociências. CPRM. Avenida Sul, Bairro de Afogados, CEP: Recife-PE, Brasil. 4 Técnica em Geociências. CPRM. Avenida Sul, Bairro de Afogados, CEP: Recife-PE, Brasil.

2 estações ainda em atividade são operadas em sistema de cooperação pelo Serviço Geológico do Brasil SGB/CPRM e Agência Nacional de Águas ANA. O presente trabalho tem como objetivo avaliar a mudança das vazões no rio São Francisco através dos anos, considerando os impactos causados pelos barramentos. Histórico da execução da medição de descarga líquida no rio São Francisco As primeiras medições de vazões no rio São Francisco, estações operadas pela CPRM, Superintendência Regional de Recife SUREG/RE, foram realizadas utilizando o molinete Gurley de eixo vertical. O molinete de eixo horizontal era pouco usado por apresentar maior volume, o que dificulta o transporte. A desvantagem do equipamento com eixo vertical era o contador magnético, passível a erro de toque da campainha. A inércia e a montagem do equipamento de eixo vertical são fatores importantes para a preferência do equipamento pelos hidrometristas. Mesmo com a chegada do ADCP Rio Grande de 1200kHz, as medições com molinete (uso de sextante) continuaram a ser realizadas simultaneamente, utilizando-se duas equipes por aproximadamente dois anos. As diferenças observadas entre as medições realizadas com os dois equipamentos variavam entre 5% e 10%, atestando a boa operação por parte dos hidrometristas com o novo equipamento. Com o molinete a execução de uma única medição, em condições ideais, variava entre 4 e 5 horas. Com a utilização do ADCP, o tempo de medição diminuiu significativamente. Entretanto, o equipamento acústico só era utilizado durante os picos de cheia. No ano de 2010 a operação contou com um aliado, os medidores de vazão RiverSurveyor M9. Diferente do ADCP 1200kHz, não é necessário configurar minunciosamente o equipamento para execução da medição, facilitando o uso nas atividades rotineiras de campo. CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA A parcela da bacia avaliada apresenta características predominantes de clima semiárido, com precipitação média anual entre 350 a 800mm. A evapotranspiração potencial média anual é de 1.550mm. Durante eventos extremos a evapotranspiração chega a 2.700mm anuais (MELO, 2010). A bacia está dividia em 04 regiões fisiográficas, compondo o Alto, Médio, Submédio e Baixo São Francisco. O Alto São Francisco é o principal responsável pela formação das enchentes no rio. A Tabela 01 apresenta as estações instaladas no rio e a Figura 01 ilustra a localização das estações através de um diagrama unifilar. A Tabela 02 apresenta características dos barramentos. Figura 01. Diagrama unifilar simplificado do curso principal

3 Tabela 01. Estações de monitoramento fluviométrico no rio São Francisco Estação Código Instalação Situação Juazeiro Operando Santa Maria da Boa Vista Operando Ibó Operando Petrolândia Extinta/1988 Xingó II Extinta/1992 Xingó III Extinta/1986 Piranhas Operando Pão de Açúcar Operando Traipu Operando Propiá Operando Tabela 02 Barramentos localizados no curso principal da bacia do rio São Francisco Barragem Capacidade Período de (10 6 m 3 ) construção Função Sobradinho Jun/1973 a Geração de energia elétrica Nov/1979 Regularização de vazão Itaparica Jul/1979 a Geração de energia elétrica Jun/1988 Regularização dos recursos hídricos Paulo Afonso* - - Geração de energia elétrica Xingó Mar/1987 a Turismo Dez/1994 Irrigação/ abastecimento d'água *Complexo de barragens / Fonte: CHESF, O complexo de barragens de Paulo Afonso é composto pelas usinas de Paulo Afonso I (construção de 1948 a 1954), Paulo Afonso II (1955 a 1951), Paulo Afonso III (1967 a 1971), Paulo Afonso IV (1972 a 1979) e Apolônio Sales Moxotó (1977). METODOLOGIA Os dados hidrológicos utilizados (cota, medição de descarga líquida, perfil transversal, entre outros) encontram-se disponíveis no Sistema Hidroweb no site da ANA. Em algumas estações os dados de vazão, disponíveis na internet, apresentavam série anterior aos dados de descarga líquida medida disponíveis para determinação da curva-chave. Nesse caso, os dados de vazão gerados pela curva foram complementados com os disponíveis na internet para aumentar a série analisada. As análises foram divididas em duas partes. A primeira consiste em isolar as estações mais antigas e considerá-las antes da existência de barramentos no rio. Na Segunda, as vazões das estações foram analisadas por trecho barrado, sendo eles: Sobradinho/Itaparica; Itaparica/Paulo Afonso; Paulo Afonso/Xingó; Xingó/Foz do rio São Francisco. A vazão para uma determinada permanência significa a probabilidade de ocorrerem valores maiores ou iguais. Foram calculadas as permanências (Q 50, Q 75 e Q 95 ) para os períodos antes e depois dos barramentos, buscando-se avaliar o aumento ou decréscimo das vazões. A condição hídrica da bacia (CHid), que classifica os anos úmidos e secos com base nas vazões naturais, foi calculada apenas para os anos considerados anteriores aos barramentos. Tais índices não foram calculados nos anos pós-barramento, pois podem ser confundidos com influência causada pelos reservatórios (AMORIM, 2009).

4 Determinação das curvas de descarga e vazões Para cada estação analisada foram utilizadas as respectivas estações de apoio, localizadas a montante e a jusante, avaliando conjuntamente os cotagramas de estações. Os preenchimentos de falhas das cotas foram realizados através de correlação de acordo com o documento Diretrizes para Análise de Dados Hidrométricos e Normas para Identificação de Correções e Preenchimentos - CPRM (versão de julho/2005 Não publicado). A curva-chave foi determinada com o auxílio do programa Curva-chave (CPRM, 2001), versão 2.0. As curvas-chave foram feitas buscando-se ajustar os pares de valores cota (h) x vazão (Q) a uma equação do tipo potencial, uma das formas mais utilizadas para representar a relação nível x descarga. A equação potencial é dada pela seguinte equação: Q = a.(h-h 0 ) n (1) Em que: Q é vazão em m 3 /s; h é o nível d água em m (leitura na régua); a, n e h 0 são constantes para o posto, a serem determinados; h 0 corresponde ao valor de h para vazão Q = 0. Para que uma curva seja considerada de boa qualidade, os desvios das medições utilizadas devem ser próximos de zero. Desvios de até ±10% são aceitáveis. Para a análise das vazões, verificou-se a coerência entre os hidrogramas de estações de forma que as perturbações observadas na estação de montante apareçam também na estação de jusante. RESULTADOS Na região analisada, os registros de medição de descarga mais antigos datam da década de Tais estações ainda se encontram em operação, como por exemplo, Pão de Açúcar e Juazeiro. Considerando a não uniformidade das séries de vazão, foi considerado como período anterior aos barramentos entre os anos de 1929 e A partir de 1977 foram considerados anos com influência dos barramentos. Desprezaram-se os períodos de construção e enchimento das barragens. A Tabela 03 apresenta os períodos e origens das séries de vazão utilizadas na análise. Tabela 03. Períodos das séries de vazão utilizadas Estação Código Vazão complementar Vazão gerada (site da ANA) (curva-chave) Juazeiro Jan/1929 a dez/2014 Jan/1977 a dez/2014 Santa Maria da Boa Vista Jan/1959 a dez/1973 Jan/1977 a dez/2014 Ibó Jan/1977 a dez/2014 Petrolândia Jan/1937 a out/ Piranhas Jan/1931 a dez/1978 Jan/1979 a dez/2014 Pão de Açúcar Jan/1931 a dez/1976 Jan/1977 a dez/2014 Traipu Jan/1977 a dez/2014 Propiá Jan/1977 a dez/2014 As vazões avaliadas para as estações Santa Maria da Boa Vista e Piranhas apresentam lacuna na série de vazão entre os anos de 1974 e 1976 (construção da barragem de Sobradinho). A estação de Petrolândia foi extinta por sofrer influência de remanso causado pela construção da barragem de Itaparica. As estações de Xingó II e Xingó III foram excluídas da análise por serem direcionadas apenas a medição de nível.

5 Análise das estações antes dos barramentos no rio São Francisco Para melhor representar o comportamento hidrológico, foram analisadas em conjunto as estações instaladas na bacia em período anterior a Observa-se uma maior suavidade das vazões no hidrograma. As menores vazões ocorreram nos meses de setembro/1971, outubro e novembro/1975. Enquanto as maiores vazões ocorreram fevereiro/1963, março e abril/1949. A Figura 02 ilustra as vazões médias mensais. Figura 02. Vazões médias mensais antes dos barramentos (1929 a 1976) O hidroperíodo define o número de dias por ano de seca ou período de tempo em que há disponibilidade de água em um rio. Entretanto, o período das grandes estiagens geralmente ocorre para probabilidades superiores a 95%. A Q 95 é utilizada como estimador da energia firme, e o Q 50 significa que 50% dos valores estão abaixo ou acima deste valor, mas geralmente é menor que a vazão média. A Tabela 04 apresenta Q 75, Q 50 e Q 95 para as estações no período de 1929 a Tabela 04. Vazões de permanência mensais antes dos barramentos (1929 a 1976) Vazão (m 3 /s) Juazeiro Sta M. da B. V. Petrolândia Piranhas P. de Açúcar Q Q Q O índice condição hídrica da bacia hidrográfica (CHid), classifica as vazões anuais em muito seca. seca, média, úmida e muita úmida, de acordo com a Tabela 05 (GENZ e LUZ, 2007, apud. AMORIM, 2010). O CHid é definido pela expressão: Anomalia = (Q-Qp)/ (2)

6 Em que: Q é vazão média anual em m 3 /s; Q p a vazão média de longo período em m 3 /s; e o desvio padrão das vazões médias anuais. A Tabela 06 apresenta o número de anos, por estação, em que o rio esteve enquadrado nas classes de condição hídrica, baseado na classificação da CHid. Tabela 05. Classificação da CHid com base na anomalia da vazão média anual e 1 Limites Classe da CHid Valor da CHid Anomalia < -1,5 Muito seca -2-1,5 < Anomalia < -0,5 Seca -1-0,5 < Anomalia < 0,5 Média 0 0,5 < Anomalia < 1,5 Úmida 1 Anomalia > 1,5 Muito úmida 2 Tabela 06. Número de anos em relação às classes da CHid por estação (1929 a 1976) Estação Série Muito seca Seca Média Úmida Muito Úmida Juazeiro Sta. M. da B. V Petrolândia Piranhas P. de Açúcar Durante o período analisado, poucas vezes o rio apresentou condições extremas de seca e cheia. Em 54% do tempo o rio apresenta característica de comportamento mediano, seguido pelos períodos de seca e úmida com representatividade de 18% de ocorrência cada Análise das estações após os barramentos no rio São Francisco A análise das estações após os barramentos, entre os anos de 1977 e 2014, foi realizada por trecho. O primeiro trecho, compreendido entre as barragens de Sobradinho e Itaparica, apresenta série de vazão para 03 estações. O segundo e terceiro trecho não possuem estação fluviométrica, operada pela CPRM/ANA, para monitoramento da vazão. O quarto trecho, que será analisado, possui 04 estações em operação. As Figuras 03 e 04 ilustram as vazões médias mensais das estações localizadas no primeiro e quarto trecho barrados. As menores vazões ocorreram nos meses de agosto/1997, julho e agosto/2001, e entre junho e setembro/2014. As maiores vazões ocorreram em março/1979, março/1992 e fevereiro/2007. Com a construção de Xingó, no final da década de 1980, a região mais próxima à foz sofreu novas modificações, havendo mais redução das vazões, já diminuídas pelos barramentos anteriores. As Tabelas 07 e 08 apresentam Q 75, Q 50 e Q 95 para as estações instaladas no primeiro e quarto trecho. Tabela 07. Vazões de permanência mensais depois dos barramentos: Primeiro trecho (1977 a 2014) Vazão (m 3 /s) Juazeiro Sta. Maria da Boa Vista Ibó Q Q Q

7 Figura 03. Vazões médias das estações entre Sobradinho e Itaparica (1977 a 2014) Figura 04. Vazões médias das estações após a barragem de Xingó (1977 a 2014) Tabela 08. Vazões de permanência mensais depois dos barramentos: Quarto trecho (1977 a 2014) Vazão (m 3 /s) Piranhas Pão de Açúcar Traipu Propriá Q Q Q

8 Observa-se que a vazão regularizada pelos barramentos elevou as vazões mínimas e reduziu as máximas. Em relação ao período não barrado, de vazão natural, fica claro o aumento das vazões para as permanências avaliadas. Nos últimos anos a bacia do São Francisco tem passado por um longo período de seca, influenciando as vazões regularizadas pelos barramentos. Para tal, no ano de 2015, torna-se necessária a elaboração de um plano de contingência. Segundo a CHESF (2015), o Ibama e a Agência Nacional de Águas (ANA) já autorizaram a redução, em caráter de teste, da vazão do Rio São Francisco a partir do Reservatório de Sobradinho, para 900m³/s. Este valor está muito abaixo da série apresentada nas Figuras 03 e 04. CONCLUSÃO Os resultados mostraram que, pode-se considerar o regime de vazão do período antes do inicio da operação das usinas hidrelétricas (1931 a 1976) como a representação da vazão natural do rio São Francisco, observando-se uma maior variabilidade do fluxo. Entretanto, no período após a operação das usinas (1977 a 2014), observa-se uma maior regularização da vazão com menor ocorrência de cheias. Para o caso da série de vazão natural, durante o período analisado, poucas vezes o rio apresentou condições extremas de seca e cheia. Após os barramentos, observa-se que nos períodos secos o regime hidrológico apresentou regularização, elevando as mínimas e reduzindo as vazões máximas. Comparando-se as permanências para o período considerado de vazão natural e o período regularizado pelos barramentos, observa-se o aumento das vazões para todas as permanências nas estações de Juazeiro e Sta. Maria da Boa Vista. Para as estações de Piranhas e Pão de Açúcar, houve diminuição da vazão apenas para a permanência de 50%. Entretanto, torna-se importante a verificação da diminuição das vazões causadas pela seca dos últimos anos. A seca acarretou em decréscimo significativo das vazões disponibilizadas pelas barragens para os trechos a jusante. REFERÊNCIAS AMORIM, Impacto da Adoção de Vazões Ecológicas no Baixo Curso do Rio São Francisco Sobre a Geração Hidrelétrica. Dissertação de mestrado em engenharia ambiental urbana. Escola Politécnica. UFBA Salvador, CHESF, Companhia Hidrelétrica do São Francisco. Disponível em: Acesso em: maio/2015. CPRM, Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais. Programa Curva-chave (Versão 2.0). CPRM/ COPPE-UFRJ/ LABHID. Novembro/2001. HIDROWEB. Dados hidrológicos. Disponível em:< Acesso em: abril/2015. MELO, Análise do eixo Leste da Transposição do Rio São Francisco Face aos Cenários de Uso Previstos. Dissertação de mestrado. Programa de pós-graduação em engenharia civil. Centro de Tecnologia e Geociências. UFPE Recife, dezembro de 2010.

Marcos Airton de Sousa Freitas 1 & Joaquim Guedes Corrêa Gondim Filho 2 RESUMO

Marcos Airton de Sousa Freitas 1 & Joaquim Guedes Corrêa Gondim Filho 2 RESUMO DISPONIBILIDADE HÍDRICA DO SISTEMA FORMADO PELOS RESERVATÓRIOS TRÊS MARIAS E SOBRADINHO NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SÃO FRANCISCO PARA FINS DE ALOCAÇÃO DE ÁGUA Marcos Airton de Sousa Freitas 1 & Joaquim

Leia mais

Serviço Geológico do Brasil CPRM

Serviço Geológico do Brasil CPRM SIMULAÇÃO HIDROLÓGICA E BALANÇO HÍDRICO DO RESERVATÓRIO POÇO DA CRUZ (PE) Alfredo Ribeiro Neto Cristiane Ribeiro de Melo Djalena Marques de Melo José Almir Cirilo Objetivo O objetivo deste trabalho é simular

Leia mais

ANÁLISE DE CENÁRIOS DA IMPLEMENTAÇÃO DO HIDROGRAMA AMBIENTAL NO BAIXO TRECHO DO RIO SÃO FRANCISCO

ANÁLISE DE CENÁRIOS DA IMPLEMENTAÇÃO DO HIDROGRAMA AMBIENTAL NO BAIXO TRECHO DO RIO SÃO FRANCISCO Salvador/ 2016 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA UFBA Grupo de Recursos Hídricos - GRH ANÁLISE DE CENÁRIOS DA IMPLEMENTAÇÃO DO HIDROGRAMA AMBIENTAL NO BAIXO TRECHO DO RIO SÃO FRANCISCO Yvonilde Dantas Pinto

Leia mais

BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO: Medidas Adicionais de Gestão para enfrentamento da Crise Hídrica

BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO: Medidas Adicionais de Gestão para enfrentamento da Crise Hídrica BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO: Medidas Adicionais de Gestão para enfrentamento da Crise Hídrica Caracterização da bacia Área 639.219 km² Precipitação média anual na Bacia Extensão 2.863 km População 14,3

Leia mais

Curva de Permanência PHA3307. Hidrologia Aplicada. Aula 12. Prof. Dr. Arisvaldo Vieira Méllo Jr. Prof. Dr. Joaquin Bonecarrere

Curva de Permanência PHA3307. Hidrologia Aplicada. Aula 12. Prof. Dr. Arisvaldo Vieira Méllo Jr. Prof. Dr. Joaquin Bonecarrere Universidade de São Paulo PHA3307 Hidrologia Aplicada Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia Hidráulica e Ambiental Curva de Permanência Aula 12 Prof. Dr. Arisvaldo

Leia mais

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NO BRASIL 2012 a 2014

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NO BRASIL 2012 a 2014 SITUAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NO BRASIL 2012 a 2014 Sérgio Ayrimoraes Superintendente de Planejamento de Recursos Hídricos SPR/ANA São Paulo, 03 de junho de 2014 Ampla variação da precipitação no território

Leia mais

ESTUDO DA ALOCAÇÃO DE ÁGUA NO RIO SÃO FRANCISCO CONSIDERANDO A DEMANDA AMBIENTAL

ESTUDO DA ALOCAÇÃO DE ÁGUA NO RIO SÃO FRANCISCO CONSIDERANDO A DEMANDA AMBIENTAL ESTUDO DA ALOCAÇÃO DE ÁGUA NO RIO SÃO FRANCISCO CONSIDERANDO A DEMANDA AMBIENTAL Andrea Sousa Fontes Anderson Lima Aragão Yvonilde Dantas Pinto Medeiros Introdução Controle ar/ficial do fluxo x componentes

Leia mais

Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SÃO FRANCISCO

Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SÃO FRANCISCO Hidroelétricas Reservatório Sobradinho Hidroelétricas Reservatório Sobradinho O Projeto: Divisão em dois eixos Capacidade máxima: 99 m³/s Altura bombeamento: 165 m Capacidade máxima: 28 m³/s Altura bombeamento:

Leia mais

8. permanência de vazão

8. permanência de vazão 8. permanência de vazão 8.1. CURVA DE PERMANÊNCIA DE VAZÃO: GENERALIDADES Uma curva de permanência de vazão, também conhecida como curva de duração, é um traçado gráfico que informa com que frequência

Leia mais

ESTUDOS HIDROLÓGICOS E ENERGÉTICOS. Paulo Antunes da Rocha Bruno van der Meer

ESTUDOS HIDROLÓGICOS E ENERGÉTICOS. Paulo Antunes da Rocha Bruno van der Meer ESTUDOS HIDROLÓGICOS E ENERGÉTICOS TE- 033 Paulo Antunes da Rocha Bruno van der Meer 1 Objetivo Apresentar os aspectos dos estudos hidrológicos correspondentes aos projetos de PCHs 2 Roteiro Estudos Hidrológico:

Leia mais

Recursos hídricos no Brasil: panorama da crise hídrica Brasília, 06/06/2017

Recursos hídricos no Brasil: panorama da crise hídrica Brasília, 06/06/2017 Recursos hídricos no Brasil: panorama da crise hídrica 2012-2017 Brasília, 06/06/2017 PARTE I Dados sobre a crise hídrica 2012-2017 Concentração e aumento da demanda em áreas de menor disponibilidade hídrica

Leia mais

7. Fluviometria Definição

7. Fluviometria Definição 7.1. Definição Trata das diversas técnicas de medição de grandezas características do escoamento, como níveis d água, velocidades e vazões. Permite quantificar o regime dos rios caracterizando suas grandezas

Leia mais

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE ESTUDO DA CURVA-CHAVE PARA DEFINIÇÃO DE VAZÃO DO RIO ITAPICURU-MIRIM (BA) Naiah Caroline Rodrigues de Souza 1 ; Thiago Dias Marques 2 ; Andrea Sousa Fontes

Leia mais

26º Encontro Técnico AESABESP. Francisco Marcuzzo Maurício MelaY

26º Encontro Técnico AESABESP.  Francisco Marcuzzo Maurício MelaY A CONCEPÇÃO E MAPEAMENTO DOS DIAGRAMAS UNIFILARES DAS ESTAÇÕES FLUVIOMÉTRICAS NAS SUB- BACIAS PERTENCENTES A BACIA HIDROGRÁFICA DO ATLÂNTICO TRECHO SUDESTE Francisco Marcuzzo (francisco.marcuzzo@cprm.gov.br)

Leia mais

HIDROLOGIA AULA 14 HIDROLOGIA ESTATÍSTICA. 5 semestre - Engenharia Civil. Profª. Priscila Pini

HIDROLOGIA AULA 14 HIDROLOGIA ESTATÍSTICA. 5 semestre - Engenharia Civil. Profª. Priscila Pini HIDROLOGIA AULA 14 5 semestre - Engenharia Civil HIDROLOGIA ESTATÍSTICA Profª. Priscila Pini prof.priscila@feitep.edu.br INTRODUÇÃO Chuva e vazão Grande variabilidade no tempo! Estatística em Hidrologia:

Leia mais

Campina Grande, 2015.

Campina Grande, 2015. Campina Grande, 2015. A Questão dos Recursos Hídricos No Nordeste No Brasil No Mundo Recursos Naturais do Planeta Aspectos Usos dos Recursos Hídricos Demandas Abastecimento Humano (Urbano e Rural) Agricultura

Leia mais

VIII-Castro-Brasil-1 COMPARAÇÃO ENTRE O TEMPO DE RETORNO DA PRECIPITAÇÃO MÁXIMA E O TEMPO DE RETORNO DA VAZÃO GERADA PELO EVENTO

VIII-Castro-Brasil-1 COMPARAÇÃO ENTRE O TEMPO DE RETORNO DA PRECIPITAÇÃO MÁXIMA E O TEMPO DE RETORNO DA VAZÃO GERADA PELO EVENTO VIII-Castro-Brasil-1 COMPARAÇÃO ENTRE O TEMPO DE RETORNO DA PRECIPITAÇÃO MÁXIMA E O TEMPO DE RETORNO DA VAZÃO GERADA PELO EVENTO Andréa Souza Castro (1) - Aluna de Doutorado do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL

ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL BOLETIM Nº 03 - FEVEREIRO Área de Atuação da Superintendência Regional da CPRM de Belo Horizonte 2015 Rio São Francisco em Três Marias. Foto de Soraya

Leia mais

SEGURANÇA HÍDRICA NO BRASIL

SEGURANÇA HÍDRICA NO BRASIL SEGURANÇA HÍDRICA NO BRASIL Sérgio Ayrimoraes Superintendente de Planejamento de Recursos Hídricos SPR/ANA São Paulo-SP, 14 de agosto de 2014 Ampla variação da precipitação no território brasileiro: espacial

Leia mais

COMO A CEDAE ENFRENTOU A CRISE HÍDRICA DE Eng. Edes Fernandes de Oliveira Diretor de Produção e Grande Operação

COMO A CEDAE ENFRENTOU A CRISE HÍDRICA DE Eng. Edes Fernandes de Oliveira Diretor de Produção e Grande Operação COMO A CEDAE ENFRENTOU A CRISE HÍDRICA DE 2015 Eng. Edes Fernandes de Oliveira Diretor de Produção e Grande Operação E-mail: edes@cedae.com.br A ESCASSEZ HÍDRICA NO RIO PARAIBA DO SUL E OS IMPACTOS PARA

Leia mais

Hidrologia - Lista de exercícios 2008

Hidrologia - Lista de exercícios 2008 Hidrologia - Lista de exercícios 2008 1) Qual seria a vazão de saída de uma bacia completamente impermeável, com área de 22km 2, sob uma chuva constante à taxa de 50 mm.hora -1? 2) A região da bacia hidrográfica

Leia mais

Rio São Francisco. Os usos múltiplos das águas e sua importância para o Nordeste

Rio São Francisco. Os usos múltiplos das águas e sua importância para o Nordeste Rio São Francisco Os usos múltiplos das águas e sua importância para o Nordeste DISTRIBUIÇÃO DA ÁGUA NO PLANETA Volume total 1.370.000.000 km³ Água salgada 97% Água doce 3% (cerca de 40 milhões km³) A

Leia mais

Caracterização de anos secos e chuvosos no Alto do Bacia Ipanema utilizando o método dos quantis.

Caracterização de anos secos e chuvosos no Alto do Bacia Ipanema utilizando o método dos quantis. Caracterização de anos secos e chuvosos no Alto do Bacia Ipanema utilizando o método dos quantis. Lilian Danielli da Silva (1), Abelardo Antônio de Assunção Montenero (2), Adriana Guedes Magalhães (3)

Leia mais

A QUESTÃO DA ÁGUA NO NORDESTE Meio Ambiente e Qualidade da Água

A QUESTÃO DA ÁGUA NO NORDESTE Meio Ambiente e Qualidade da Água A QUESTÃO DA ÁGUA NO NORDESTE Meio Ambiente e Qualidade da Água O caso do Rio São Francisco. Como a degradação ambiental afeta a quantidade e a qualidade da água na bacia. Como os problemas ambientais

Leia mais

SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL CPRM DIRETORIA DE HIDROLOGIA E GESTÃO TERRITORIAL DHT

SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL CPRM DIRETORIA DE HIDROLOGIA E GESTÃO TERRITORIAL DHT SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL CPRM DIRETORIA DE HIDROLOGIA E GESTÃO TERRITORIAL DHT Franco Turco Buffon Pesquisador em Geociências Engenheiro Hidrólogo RESIDÊNCIA DE PORTO VELHO - REPO MOTIVAÇÃO: MOTIVAÇÃO:

Leia mais

14. Usinas Hidrelétricas

14. Usinas Hidrelétricas Fazem parte das usinas hidrelétricas as estruturas extravasoras, incluindo o canal de fuga e as unidades geradoras, compostas pela casa de máquinas, onde está localizado o conjunto gerador, do qual, por

Leia mais

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NA REGIÃO DO SUB-MÉDIO SÃO FRANCISCO EM EVENTOS CLIMÁTICOS DE EL NIÑO E LA NIÑA

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NA REGIÃO DO SUB-MÉDIO SÃO FRANCISCO EM EVENTOS CLIMÁTICOS DE EL NIÑO E LA NIÑA ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NA REGIÃO DO SUB-MÉDIO SÃO FRANCISCO EM EVENTOS CLIMÁTICOS DE EL NIÑO E LA NIÑA. Ana Paula Lima Marques da Silva 1 ; Otto Corrêa Rotunno Filho 2 ; Isimar de Azevedo Santos 3, Cláudio

Leia mais

PROPAGAÇÃO DE ONDAS DE CHEIA À JUSANTE DA BARRAGEM DE XINGÓ LOCALIZADA NO RIO SÃO FRANCISCO

PROPAGAÇÃO DE ONDAS DE CHEIA À JUSANTE DA BARRAGEM DE XINGÓ LOCALIZADA NO RIO SÃO FRANCISCO PROPAGAÇÃO DE ONDAS DE CHEIA À JUSANTE DA BARRAGEM DE XINGÓ LOCALIZADA NO RIO SÃO FRANCISCO Ingridy Souza dos Santos (1) Graduada em Ciências Exatas e Tecnológicas, graduanda de Engenharia Civil. e-mail:

Leia mais

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1:

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: IPH 110 Hidráulica e Hidrologia Aplicadas Exercícios de Hidrologia Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: Tabela 1 Características

Leia mais

Lucio Alberto Pereira 1 ; Roseli Freire de Melo 1 ; Luiza Teixeira de Lima Brito 1 ; Magna Soelma Beserra de Moura 1. Abstract

Lucio Alberto Pereira 1 ; Roseli Freire de Melo 1 ; Luiza Teixeira de Lima Brito 1 ; Magna Soelma Beserra de Moura 1. Abstract Influência do Clima no Balanço Hídrico de Dois Açudes de Petrolina, Pernambuco Climate Influence on Water Balance of Two Dams in Petrolina, Brazil Lucio Alberto Pereira 1 ; Roseli Freire de Melo 1 ; Luiza

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL INFORMATIVO SOBRE A PRECIPITAÇÃO (I )

ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL INFORMATIVO SOBRE A PRECIPITAÇÃO (I ) ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL INFORMATIVO SOBRE A PRECIPITAÇÃO (I-01-2017) Áreas de Atuação das Superintendências Regionais de Belo Horizonte e Parte de Salvador Fev/2017 CPRM

Leia mais

Destaque: Horizonte Operador Nacional do Sistema Elétrico Diretoria de Planejamento Programação da Operação

Destaque: Horizonte Operador Nacional do Sistema Elétrico Diretoria de Planejamento Programação da Operação PROPOSTA PARA DEFLUÊNCIAS DAS USINAS HIDROELÉTRICAS DA BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO NOS ESTUDOS DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DA OPERAÇÃO, DIANTE DO QUADRO DE ESCASSEZ HÍDRICA Destaque: Horizonte 2017-2018

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA REDE DE MONITORAMENTO HIDROLÓGICO DA COPASA THE IMPORTANCE OF THE HYDROLOGICAL MONITORING NETWORK OF COPASA

A IMPORTÂNCIA DA REDE DE MONITORAMENTO HIDROLÓGICO DA COPASA THE IMPORTANCE OF THE HYDROLOGICAL MONITORING NETWORK OF COPASA A IMPORTÂNCIA DA REDE DE MONITORAMENTO HIDROLÓGICO DA COPASA Karoline Tenório da Costa 1 ; Alice Silva de Castilho 2 ; Ana Maria Alvim 3 ; André dos Anjos Cardoso 4 ; Geraldo Eduardo Porto Ferreira 5 Resumo

Leia mais

Determinação da Curva-Chave da Vazão do Rio Manoel Alves Grande, Goiatins-To.

Determinação da Curva-Chave da Vazão do Rio Manoel Alves Grande, Goiatins-To. Determinação da Curva-Chave da Vazão do Rio Manoel Alves Grande, Goiatins-To. BARBOSA 1, Guilherme Silva; IOST 2, Caroline; SCHIESSL 3, Maikon Adão; FEITOSA 4, Thaiana Brunes. RESUMO No planejamento e

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO COMPORTAMENTO HIDROLÓGICO ECORREGIÕES DO CERRADO RESUMO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS EM NÍCKOLAS C. SANTANA; LINEU NEIVA RODRIGUES

CARACTERIZAÇÃO DO COMPORTAMENTO HIDROLÓGICO ECORREGIÕES DO CERRADO RESUMO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS EM NÍCKOLAS C. SANTANA; LINEU NEIVA RODRIGUES CARACTERIZAÇÃO DO COMPORTAMENTO HIDROLÓGICO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS EM ECORREGIÕES DO CERRADO NÍCKOLAS C. SANTANA; LINEU NEIVA RODRIGUES RESUMO O comportamento hidrológico de uma bacia hidrográfica é dependente

Leia mais

Desempenho do método probabilístico de previsão do pico de cheia do Rio Paraguai, em Ladário (MS) - Pantanal

Desempenho do método probabilístico de previsão do pico de cheia do Rio Paraguai, em Ladário (MS) - Pantanal Desempenho do método probabilístico de previsão do pico de cheia do Rio Paraguai, em Ladário (MS) - Pantanal Sérgio Galdino 1 ; Robin T. Clarke 2 1 Embrapa Pantanal, Rua 21 de Setembro, 1880, CEP 79.320-900,

Leia mais

VIII Simpósio Brasileiro sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétricas 01 a 04/05/2012

VIII Simpósio Brasileiro sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétricas 01 a 04/05/2012 PCH Paracambi Modelagem Hidrodinâmica VIII Simpósio Brasileiro sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétricas 1 a 4/5/212 PCH Paracambi Modelagem Hidrodinâmica Antecedentes e Objetivos Atividades de desvio

Leia mais

GESTÃO DE RESERVATÓRIOS NA CRISE HÍDRICA O Caso da UHE Três Marias

GESTÃO DE RESERVATÓRIOS NA CRISE HÍDRICA O Caso da UHE Três Marias GESTÃO DE RESERVATÓRIOS NA CRISE HÍDRICA O Caso da UHE Três Marias SUMÁRIO 1- Caracterização 2- A abordagem adotada 3- Conclusões e Sugestões Análise das últimas estações chuvosas 2011/2012 2012/2013 2013/2014

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 55, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2005

RESOLUÇÃO N o 55, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2005 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 55, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2005 (Publicada do DOU em 08/02/06) Estabelece diretrizes para elaboração do Plano de Utilização

Leia mais

Reversíveis e os Múltiplos Usos da Água. Dr. Julian David Hunt IVIG/COPPE/UFRJ

Reversíveis e os Múltiplos Usos da Água. Dr. Julian David Hunt IVIG/COPPE/UFRJ Reversíveis e os Múltiplos Usos da Água Dr. Julian David Hunt IVIG/COPPE/UFRJ Usinas Reversíveis e os Múltiplos Usos da Água 19 a 21 de Outubro de 2016 Multiplos Usos da Água Abastecimento hídrico Irrigação

Leia mais

DIRETRIZES PARA PROJETO

DIRETRIZES PARA PROJETO ELABORAÇÃO EQUIPE TÉCNICA USHI: Ely Carlos de Alvarenga Josete de Fátima de Sá Nicolás Lopardo 1 INTRODUÇÃO Esta Diretriz tem como função principal indicar critérios técnicos necessários para permitir

Leia mais

Uso de Imagens Landsat como subsídioaoestudodadispersãode sedimentos na região da foz do rio São Francisco

Uso de Imagens Landsat como subsídioaoestudodadispersãode sedimentos na região da foz do rio São Francisco Uso de Imagens Landsat como subsídioaoestudodadispersãode sedimentos na região da foz do rio São Francisco João A. Lorenzzetti, INPE Eduardo Negri, UFF Bastiaan Knopers, UFF Paulo R. P. Medeiros, UFAL

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL

ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL BOLETIM Nº 11 - JUNHO Área de Atuação da Superintendência Regional da CPRM de Belo Horizonte 2015 Rio da Perdição em Tapiraí Jusante - março/2013

Leia mais

VARIAÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL DA PLUVIOMETRIA EM ÁREAS HOMOGÊNEAS DO ESTADO DA PARAÍBA

VARIAÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL DA PLUVIOMETRIA EM ÁREAS HOMOGÊNEAS DO ESTADO DA PARAÍBA VARIAÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL DA PLUVIOMETRIA EM ÁREAS HOMOGÊNEAS DO ESTADO DA PARAÍBA Carmem Terezinha Becker 1, Maria Monalisa Mayara Silva Melo 2, Milla Nóbrega de Menezes Costa 2, Roberta Everllyn Pereira

Leia mais

ESTIMATIVA DE INDICADORES HIDROLÓGICOS PARA AS SUB-BACIAS DO RIO SÃO FRANCISCO

ESTIMATIVA DE INDICADORES HIDROLÓGICOS PARA AS SUB-BACIAS DO RIO SÃO FRANCISCO ESTIMATIVA DE INDICADORES HIDROLÓGICOS PARA AS SUB-BACIAS DO RIO SÃO FRANCISCO Omar Barbosa da Silva Júnior 1 &Carlos Eduardo Morelli Tucci 1 RESUMO Para dar suporte ao planejamento e à gestão dos recursos

Leia mais

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE ESTUDO DA ALOCAÇÃO DE ÁGUA NO RIO SÃO FRANCISCO CONSIDERANDO A DEMANDA AMBIENTAL Andrea Sousa Fontes 1 ; Anderson Lima Aragão 2 ; Yvonilde Dantas Pinto Medeiros

Leia mais

ESTUDO DE VARIABILIDADE DAS PRECIPITAÇÕES EM RELAÇÃO COM O EL NIÑO OSCILAÇÃO SUL (ENOS) EM ERECHIM/RS, BRASIL.

ESTUDO DE VARIABILIDADE DAS PRECIPITAÇÕES EM RELAÇÃO COM O EL NIÑO OSCILAÇÃO SUL (ENOS) EM ERECHIM/RS, BRASIL. ESTUDO DE VARIABILIDADE DAS PRECIPITAÇÕES EM RELAÇÃO COM O EL NIÑO OSCILAÇÃO SUL (ENOS) EM ERECHIM/RS, BRASIL. Josué Vicente Gregio 1 jvgregio@gmail.com Fabio de Oliveira Sanches 2 fsanches@uffs.edu.br

Leia mais

XI Simpósio de Recursos Hídricos do Nordeste 27 a 30 de novembro de 2012 João Pessoa PB

XI Simpósio de Recursos Hídricos do Nordeste 27 a 30 de novembro de 2012 João Pessoa PB DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE DA ÁGUA E MONITORAMENTO DA DESCARGA LÍQUIDA DO RIO PIANCÓ Edilândia Farias Dantas ; José Wagner A. Garrido ; Manoel Moises F. de Queiroz Graduanda em Engenharia Ambiental. Universidade

Leia mais

VERIFICAÇÃO DE CURVA-CHAVE PELA FÓRMULA DE CHEZY

VERIFICAÇÃO DE CURVA-CHAVE PELA FÓRMULA DE CHEZY VERIFICAÇÃO DE CURVA-CHAVE PELA FÓRMULA DE CHEZY José Francisco Rêgo e Silva (1) ; José Alexandre Moreira Farias (2) ; & Luiz da Silva Coelho (3) (1) Serviço Geológico do Brasil, jose.francisco@cprm.gov.br

Leia mais

Outubro de 2014 (o ano da crise)

Outubro de 2014 (o ano da crise) Quanta água tem São Paulo- outubro de 2014 Rubem L. Porto Escola Politécnica da USP rlporto@usp.br Outubro de 2014 (o ano da crise) A Dimensão da Estiagem de 2013/2014 Vazões Afluentes ao Sistema Cantareira-

Leia mais

Hidrologia Aplicada Carga Horária: 72 horas Prof a Ticiana M. de Carvalho Studart

Hidrologia Aplicada Carga Horária: 72 horas Prof a Ticiana M. de Carvalho Studart Hidrologia Aplicada Pag. 1 Universidade Federal do Ceará Centro de Tecnologia Depto de Engenharia Hidráulica e Ambiental Hidrologia Aplicada Carga Horária: 72 horas Prof a Ticiana M. de Carvalho Studart

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL

ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL BOLETIM Nº 07 - ABRIL Área de Atuação da Superintendência Regional da CPRM de Belo Horizonte 2015 Rio Pouso Alegre em Fazenda Cachoeira em julho de

Leia mais

Disponibilidade Hídrica do Sistema Elétrico Brasileiro

Disponibilidade Hídrica do Sistema Elétrico Brasileiro Disponibilidade Hídrica do Sistema Elétrico Brasileiro Maio/2003 A Água no Mundo Desse volume: 97,2% águas dos mares 2,15% geleiras e calotas polares 3/4 3/4 do do globo globo terrestre são são cobertos

Leia mais

CRITÉRIOS PARA A UTILIZAÇÃO DOS VOLUMES MORTOS DOS RESERVATÓRIOS DAS USINAS HIDRELÉTRICAS DA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL

CRITÉRIOS PARA A UTILIZAÇÃO DOS VOLUMES MORTOS DOS RESERVATÓRIOS DAS USINAS HIDRELÉTRICAS DA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL CRITÉRIOS PARA A UTILIZAÇÃO DOS VOLUMES MORTOS DOS RESERVATÓRIOS DAS USINAS HIDRELÉTRICAS DA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL Operador Nacional do Sistema Elétrico Rua Júlio do Carmo, 251 Cidade Nova 20211-160

Leia mais

OUTORGA. Obtenção da Outorga De Direito de Uso de Recursos, Órgão Responsável pela emissão D.A.E.E. Decreto Nº de 31/10/96

OUTORGA. Obtenção da Outorga De Direito de Uso de Recursos, Órgão Responsável pela emissão D.A.E.E. Decreto Nº de 31/10/96 LEGISLAÇÃO Legislação Federal: Lei Nº 9.433 08/01/1997 Legislação Estadual: Constituição do Estado de São Paulo Lei nº 6.134 02/06/1988 Decreto nº 32.955 07/02/1991 Lei nº 7.663 30/12/1991 Decreto nº 36.787

Leia mais

Estresse Hídrico na Bacia do Rio Paraíba do Sul

Estresse Hídrico na Bacia do Rio Paraíba do Sul Estresse Hídrico na Bacia do Rio Paraíba do Sul Rio de Janeiro, 14 de agosto de 2014 COORDENADORIA DE PLANEJAMENTO E PROJETOS ESTRATÉGICOS DIRETORIA DE GESTÃO DAS ÁGUAS E DO TERRITÓRIO Diagrama Esquemático

Leia mais

MONITORAMENTO DE BARRAGEM PARA GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO VERDE-BA.

MONITORAMENTO DE BARRAGEM PARA GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO VERDE-BA. MONITORAMENTO DE BARRAGEM PARA GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO VERDE-BA. MSc Mário Jorge de Souza Gonçalves¹; Edna Cristina de Lucena Marques²; Marcos de Oliveira Dias³ RESUMO

Leia mais

MINUTA DELIBERAÇÃO CBHSF Nº xx de xx de novembro de 2012

MINUTA DELIBERAÇÃO CBHSF Nº xx de xx de novembro de 2012 MINUTA DELIBERAÇÃO CBHSF Nº xx de xx de novembro de 2012 Dispõe sobre os limites geográficos da Região fisiográfica do Baixo São Francisco. O Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco - CBHSF,

Leia mais

CPTEC e Mudanças Climáticas Usuários de Previsões em Recursos Hídricos. Walter Collischonn IPH UFRGS Porto Alegre RS

CPTEC e Mudanças Climáticas Usuários de Previsões em Recursos Hídricos. Walter Collischonn IPH UFRGS Porto Alegre RS CPTEC e Mudanças Climáticas Usuários de Previsões em Recursos Hídricos Walter Collischonn IPH UFRGS Porto Alegre RS Seminário CPTEC 19 e 20/out 2004 Mudanças climáticas aumento CO2 Estamos vivenciando

Leia mais

ESCOAMENTO SUPERFICIAL Segmento do ciclo hidrológico que estuda o deslocamento das águas sobre a superfície do solo.

ESCOAMENTO SUPERFICIAL Segmento do ciclo hidrológico que estuda o deslocamento das águas sobre a superfície do solo. ESCOAMENTO SUPERFICIAL José Antonio Tosta dos Reis Departamento de Engenharia Ambiental Universidade Federal do Espírito Santo ESCOAMENTO SUPERFICIAL Segmento do ciclo hidrológico que estuda o deslocamento

Leia mais

REGRAS DE OPERAÇÃO DOS RESERVATÓRIOS DA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL / SISTEMA GUANDU. Marcos Airton de Sousa Freitas 1

REGRAS DE OPERAÇÃO DOS RESERVATÓRIOS DA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL / SISTEMA GUANDU. Marcos Airton de Sousa Freitas 1 REGRAS DE OPERAÇÃO DOS RESERVATÓRIOS DA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL / SISTEMA GUANDU Marcos Airton de Sousa Freitas 1 Resumo: A bacia hidrográfica do Rio Paraíba do Sul, onde vivem 5 milhões de habitantes,

Leia mais

Caracterização do perfil de geração da usina Presidente Médici

Caracterização do perfil de geração da usina Presidente Médici XI Semana de Engenharia da UFF VI Seminário Fluminense de Engenharia Niterói, RJ, Brasil, 19-22 de outubro de 2009 Caracterização do perfil de geração da usina Presidente Médici 1,2 Juliana A. do Sacramento,

Leia mais

MEDIÇÕES DE DESCARGA LÍQUIDA: MÉTODO CONVENCIONAL x MÉTODO ACÚSTICO. COMPARAÇÃO DE RESULTADOS

MEDIÇÕES DE DESCARGA LÍQUIDA: MÉTODO CONVENCIONAL x MÉTODO ACÚSTICO. COMPARAÇÃO DE RESULTADOS MEDIÇÕES DE DESCARGA LÍQUIDA: MÉTODO CONVENCIONAL x MÉTODO ACÚSTICO. COMPARAÇÃO DE RESULTADOS Irani dos Santos 1, Júlio Gomes 1 e Homero Buba 2 Resumo - Na tentativa de acompanhar a evolução que vem acontecendo

Leia mais

Capítulo 12. Precipitações nas capitais

Capítulo 12. Precipitações nas capitais Capítulo 12 Precipitações nas capitais 12-1 Capítulo 12- Precipitações nas capitais 12.1 Introdução Vamos mostrar as precipitações médias mensais das capitais no Brasil no período de 1961 a 1990 fornecidas

Leia mais

42,6 42,0 43,0 40,0 40,3 29,0 30,1 23,4 28,7 27,7 19,5 29,4 23,1 20,5

42,6 42,0 43,0 40,0 40,3 29,0 30,1 23,4 28,7 27,7 19,5 29,4 23,1 20,5 % Armazenamento JUNHO RV0 1.1 ARMAZENAMENTO HISTÓRICO DO SISTEMA INTEGRADO NACIONAL 20 56,8 55,7 54,8,2 42,3 42,9 38,5,4 42,6 42,0 43,0,0 34,9 37,0 38,1,3 34,4 35,7 29,0 30,1 32,3 23,4 28,7 27,7 19,5 29,4

Leia mais

Análise de Vazões em Foz do Areia na Bacia Hidrográfica do Rio Iguaçu

Análise de Vazões em Foz do Areia na Bacia Hidrográfica do Rio Iguaçu ANAIS DO XI EVINCI Centro Universitário Autônomo do Brasil UniBrasil, 2016 - ISSN: 2525-5126 Análise de Vazões em Foz do Areia na Bacia Hidrográfica do Rio Iguaçu Carina Pedrozo Eimi Veridiane Suzuki Adriana

Leia mais

Escoamento Superficial Curva-Chave

Escoamento Superficial Curva-Chave Universidade de São Paulo PHA 3307 Hidrologia Aplicada Escola Politécnica da Departamento de Engenharia Hidráulica e Ambiental Escoamento Superficial Curva-Chave Aula 9 Prof. Dr. Arisvaldo Méllo Prof.

Leia mais

Hidrologia & Bacias Hidrográficas

Hidrologia & Bacias Hidrográficas Hidrologia & Bacias Hidrográficas Hidrologia Planisfério de Distribuição Água Doce no Planeta Hidrologia Distribuição da Água no Planeta RIOS CORRENTES DE ÁGUA DOCE QUE CIRCUNDAM OS CONTINENTES E ILHAS

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL

ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL BOLETIM Nº 05 - MARÇO Área de Atuação da Superintendência Regional da CPRM de Belo Horizonte 2015 Rio Urucuia em Buritis - março/2013 Rio Urucuia

Leia mais

IMPACTO CUMULATIVO DA PEQUENA AÇUDAGEM: ESTUDO DE CASO DO AÇUDE VÁRZEA DO BOI, EM TAUÁ-CE

IMPACTO CUMULATIVO DA PEQUENA AÇUDAGEM: ESTUDO DE CASO DO AÇUDE VÁRZEA DO BOI, EM TAUÁ-CE IMPACTO CUMULATIVO DA PEQUENA AÇUDAGEM: ESTUDO DE CASO DO AÇUDE VÁRZEA DO BOI, EM TAUÁ-CE José Nilson B.Campos 1 João Vieira Neto 2 Eveline Alves de Queiroz 3 RESUMO - O artigo apresenta um estudo de avaliação

Leia mais

Instituto Mineiro de Gestão das Águas - IGAM INFORMATIVO

Instituto Mineiro de Gestão das Águas - IGAM INFORMATIVO Instituto Mineiro de Gestão das Águas - IGAM INFORMATIVO BACIA DO RIO DOCE OUT/2014 SEMAD - Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável Secretário Alceu José Torres Marques IGAM

Leia mais

ESTUDO PLUVIOMÉTRICO E FLUVIOMÉTRICO PRELIMINAR NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO EMBU-GUAÇU, SP.

ESTUDO PLUVIOMÉTRICO E FLUVIOMÉTRICO PRELIMINAR NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO EMBU-GUAÇU, SP. ESTUDO PLUVIOMÉTRICO E FLUVIOMÉTRICO PRELIMINAR NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO EMBU-GUAÇU, SP. Rita Monteiro Falcão - Aluna do curso de Geografia da FFLCH/USP. E-mail: rita.falcao@usp.br Emerson Galvani

Leia mais

SIMULAÇÃO DA OPERAÇÃO HIDRÁULICA DE RESERVATÓRIO COM VOLUME ÚTIL NULO: ESTUDO DE CASO DA UHE COLÍDER

SIMULAÇÃO DA OPERAÇÃO HIDRÁULICA DE RESERVATÓRIO COM VOLUME ÚTIL NULO: ESTUDO DE CASO DA UHE COLÍDER SIMULAÇÃO DA OPERAÇÃO HIDRÁULICA DE RESERVATÓRIO COM VOLUME ÚTIL NULO: ESTUDO DE CASO DA UHE COLÍDER Camila Freitas 1 * Anderson Nascimento de Araujo 2 Adroaldo Goulart de Oliveira 3 Rafael Schinoff Mércio

Leia mais

COMPARAÇÃO DE TRÊS MÉTODOS PARA A MEDIÇÃO DA VAZÃO E VELOCIDADE APLICADOS EM DOIS CURSOS D ÁGUA DA BACIA DO RIBEIRÃO MARINGÁ

COMPARAÇÃO DE TRÊS MÉTODOS PARA A MEDIÇÃO DA VAZÃO E VELOCIDADE APLICADOS EM DOIS CURSOS D ÁGUA DA BACIA DO RIBEIRÃO MARINGÁ COMPARAÇÃO DE TRÊS MÉTODOS PARA A MEDIÇÃO DA VAZÃO E VELOCIDADE APLICADOS EM DOIS CURSOS D ÁGUA DA BACIA DO RIBEIRÃO MARINGÁ Cássia Maria Bonifácio 1 Rosane Freire 2 RESUMO: O objetivo deste trabalho foi

Leia mais

Hidrologia Carga Horária: 64 horas Prof a Ticiana M. de Carvalho Studart

Hidrologia Carga Horária: 64 horas Prof a Ticiana M. de Carvalho Studart Hidrologia Pag. 1 Universidade Federal do Ceará Centro de Tecnologia Depto de Engenharia Hidráulica e Ambiental Objetivo da Disciplina: Hidrologia Carga Horária: 64 horas Prof a Ticiana M. de Carvalho

Leia mais

HIDROLOGIA AULA semestre - Engenharia Civil. MEDIÇÃO DE VAZÃO Profª. Priscila Pini

HIDROLOGIA AULA semestre - Engenharia Civil. MEDIÇÃO DE VAZÃO Profª. Priscila Pini HIDROLOGIA AULA 13 5 semestre - Engenharia Civil MEDIÇÃO DE VAZÃO Profª. Priscila Pini prof.priscila@feitep.edu.br INTRODUÇÃO Vazão: volume de água que passa por uma determinada seção de um rio ao longo

Leia mais

DRENAGEM AULA 02 ESTUDOS HIDROLÓGICOS

DRENAGEM AULA 02 ESTUDOS HIDROLÓGICOS AULA 02 ESTUDOS HIDROLÓGICOS ESTUDOS HIDROLÓGICOS Os Estudos Hidrológicos constam de uma série de atividades destinadas a avaliar a vazão das bacias de contribuição para os diversos dispositivos de drenagem

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ ESALQ/USP LER 1440 HIDROLOGIA E DRENAGEM Prof. Fernando Campos Mendonça 4 REGIME DOS CURSOS DE ÁGUA

ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ ESALQ/USP LER 1440 HIDROLOGIA E DRENAGEM Prof. Fernando Campos Mendonça 4 REGIME DOS CURSOS DE ÁGUA Hidrologia e Drenagem Aula 2 1 ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ ESALQ/USP LER 1440 HIDROLOGIA E DRENAGEM Prof. Fernando Campos Mendonça 4 REGIME DOS CURSOS DE ÁGUA 4.1. Medição da vazão de

Leia mais

APOSTILA PARA ATIVIDADE DE CAMPO Medição de Vazão

APOSTILA PARA ATIVIDADE DE CAMPO Medição de Vazão APOSTILA PARA ATIVIDADE DE CAMPO Medição de Vazão Objetivo: conhecer processos de medição de vazão e saber calcular uma vazão pelo método de medição com flutuadores e Molinete. 1 Introdução Fluviometria:

Leia mais

Boletim do Sistema de Alerta Hidrológico da. Bacia do rio Doce

Boletim do Sistema de Alerta Hidrológico da. Bacia do rio Doce Boletim do Sistema de Alerta Hidrológico da Belo Horizonte, 21 de Janeiro de 2016 às 10:00h. Bacia do rio Doce Boletim Extraordinário Na tabela abaixo seguem as previsões dos níveis dos rios monitorados

Leia mais

ANÁLISE DAS TENDÊNCIAS EM SÉRIES PLUVIOMÉTRICAS NAS BACIAS DO RIO VAZA BARRIS E ITAPICURU, NO ESTADO DE SERGIPE

ANÁLISE DAS TENDÊNCIAS EM SÉRIES PLUVIOMÉTRICAS NAS BACIAS DO RIO VAZA BARRIS E ITAPICURU, NO ESTADO DE SERGIPE ANÁLISE DAS TENDÊNCIAS EM SÉRIES PLUVIOMÉTRICAS NAS BACIAS DO RIO VAZA BARRIS E ITAPICURU, NO ESTADO DE SERGIPE Moizes Rodrigues da Silva Acadêmico do Curso de Geografia da UFTM moizes.rodrigues@hotmail.com

Leia mais

NORTE ENERGIA S.A. -NESA UHE BELO MONTE. Rio Xingu, Brasil

NORTE ENERGIA S.A. -NESA UHE BELO MONTE. Rio Xingu, Brasil NORTE ENERGIA S.A. -NESA UHE BELO MONTE Rio Xingu, Brasil Dezembro 2010 Localização UHE BELO MONTE BREVE HISTÓRICO Estudo de Inventário do rio Xingu: realizados na década de 1970 com relatório técnico

Leia mais

UHE Belo Monte. IBRACON - 53 Congresso Brasileiro de Concreto Florianópolis -SC 03/Nov./2011

UHE Belo Monte. IBRACON - 53 Congresso Brasileiro de Concreto Florianópolis -SC 03/Nov./2011 UHE Belo Monte IBRACON - 53 Congresso Brasileiro de Concreto Florianópolis -SC 03/Nov./2011 LOCALIZAÇÃO Volta Grande do Xingu Pará Altamira Transamazônica Belo Monte Vitória do Xingu Brasil Novo Anapu

Leia mais

SIMULAÇÃO HIDROLÓGICA E APLICAÇÃO DE UMA ANÁLISE MULTIVARIADA NO ESTUDO DE CHUVA-VAZÃO NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SÃO FRANCISCO

SIMULAÇÃO HIDROLÓGICA E APLICAÇÃO DE UMA ANÁLISE MULTIVARIADA NO ESTUDO DE CHUVA-VAZÃO NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SÃO FRANCISCO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM METEOROLOGIA Dissertação SIMULAÇÃO HIDROLÓGICA E APLICAÇÃO DE UMA ANÁLISE MULTIVARIADA NO ESTUDO

Leia mais

MONITORAMENTO HIDROLÓGICO

MONITORAMENTO HIDROLÓGICO MONITORAMENTO HIDROLÓGICO 2017 Boletim Nº. 29 21/07/2017 Boletim de acompanhamento - 2017 1. Comportamento das Estações monitoradas De acordo com a Figura 01 e as Tabelas I e II, em termos estatísticos,

Leia mais

SISTEMA DE ALERTA DE ENCHENTES NA BACIA DO RIO DOCE: 17 ANOS DE OPERAÇÃO

SISTEMA DE ALERTA DE ENCHENTES NA BACIA DO RIO DOCE: 17 ANOS DE OPERAÇÃO SISTEMA DE ALERTA DE ENCHENTES NA BACIA DO RIO DOCE: 17 ANOS DE OPERAÇÃO Elizabeth Guelman Davis 27 de maio de 2014 Sistema de Alerta de Enchentes na Bacia do Rio Doce Um sistema de alerta antecipado,

Leia mais

Dr. Mário Jorge de Souza Gonçalves

Dr. Mário Jorge de Souza Gonçalves Avaliação Qualitativa da Porosidade /Permeabilidade de Aquíferos em Função da Dinâmica Sazonal das Precipitações e das Vazões na Bacia Hidrográfica do Rio Verde-BA. Dr. Mário Jorge de Souza Gonçalves Novembro

Leia mais

ANÁLISE HIDROLÓGICA DA CHEIA DE JUNHO DE 2014 NO RIO IGUAÇU HYDROLOGIC ANALYSIS OF THE 2014 IGUAÇU RIVER FLOOD

ANÁLISE HIDROLÓGICA DA CHEIA DE JUNHO DE 2014 NO RIO IGUAÇU HYDROLOGIC ANALYSIS OF THE 2014 IGUAÇU RIVER FLOOD ANÁLISE HIDROLÓGICA DA CHEIA DE JUNHO DE 2014 NO RIO IGUAÇU Anderson Nascimento de Araujo 1 *; Adroaldo Goulart de Oliveira 2 ; Camila Freitas 3 ; Rafael Schinoff Mercio Pereira 4 Resumo - É apresentada

Leia mais

EXPEDIÇÃO DO RIO ACRE. Engº José Roberto Campos da Veiga COOESA Engenharia Ltda. Fone: Rua Bela Cintra, 299 conjunto 61 São Paulo - SP

EXPEDIÇÃO DO RIO ACRE. Engº José Roberto Campos da Veiga COOESA Engenharia Ltda. Fone: Rua Bela Cintra, 299 conjunto 61 São Paulo - SP EXPEDIÇÃO DO RIO ACRE Engº José Roberto Campos da Veiga COOESA Engenharia Ltda. Fone: 11-3129-5317 Rua Bela Cintra, 299 conjunto 61 São Paulo - SP AGRADECIMENTOS AO SINDICATO DOS ENGENHEIROS PELA VIABILIZAÇÃO

Leia mais

APLICAÇÃO DO MÉTODO DIRETO VOLUMÉTRICO PARA MENSURAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA VAZÃO DE NASCENTE NA SERRA DA CAIÇARA, NO MUNICÍPIO DE MARAVILHA, ALAGOAS

APLICAÇÃO DO MÉTODO DIRETO VOLUMÉTRICO PARA MENSURAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA VAZÃO DE NASCENTE NA SERRA DA CAIÇARA, NO MUNICÍPIO DE MARAVILHA, ALAGOAS APLICAÇÃO DO MÉTODO DIRETO VOLUMÉTRICO PARA MENSURAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA VAZÃO DE NASCENTE NA SERRA DA CAIÇARA, NO MUNICÍPIO DE MARAVILHA, ALAGOAS Álvaro dos Santos (1); Gabriel do Nascimento Alves (2);

Leia mais

Figura 10- Mapa da Planície de Inundação para a cota de 15 m, nas proximidades da cidade de Propriá.

Figura 10- Mapa da Planície de Inundação para a cota de 15 m, nas proximidades da cidade de Propriá. 30 Figura 10- Mapa da Planície de Inundação para a cota de 15 m, nas proximidades da cidade de Propriá. Figura 11- Mapa da Planície de Inundação para a cota de 10 m, nas proximidades da cidade de Propriá.

Leia mais

S I S T E M A E S T A D U A L D E M E I O A M B I E N T E IGAM INSTITUTO MINEIRO DE GESTÃO DAS ÁGUAS

S I S T E M A E S T A D U A L D E M E I O A M B I E N T E IGAM INSTITUTO MINEIRO DE GESTÃO DAS ÁGUAS S I S T E M A E S T A D U A L D E M E I O A M B I E N T E IGAM INSTITUTO MINEIRO DE GESTÃO DAS ÁGUAS ESTUDOS HIDROLÓGICOS ÁGUA SUPERFICIAL Wilson dos Santos Fernandes TÓPICOS ESTUDO HIDROLÓGICO DEMANDA

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Professora: Mayara Moraes Variabilidade temporal das precipitações: Situações de déficit hídrico Situações de excesso de vazão Solução encontrada:

Leia mais

IMPACTOS AMBIENTAIS AOS -CANALIZAÇÕES E RETIFICAÇÕES-

IMPACTOS AMBIENTAIS AOS -CANALIZAÇÕES E RETIFICAÇÕES- IMPACTOS AMBIENTAIS AOS CANAIS DE DRENAGEM -CANALIZAÇÕES E RETIFICAÇÕES- Profª. Drª. Karla Maria Silva de Faria Evolução das variáveis do canal I- LARGURA DO CANAL II- PROFUNDIDADE III- VELOCIDADE IV-

Leia mais

MEDIÇÃO DE VELOCIDADE E VAZÃO EM CURSOS D ÁGUA: MOLINETE HIDROMÉTRICO VERSUS MÉTODO DO FLUTUADOR

MEDIÇÃO DE VELOCIDADE E VAZÃO EM CURSOS D ÁGUA: MOLINETE HIDROMÉTRICO VERSUS MÉTODO DO FLUTUADOR MEDIÇÃO DE VELOCIDADE E VAZÃO EM CURSOS D ÁGUA: MOLINETE HIDROMÉTRICO VERSUS MÉTODO DO FLUTUADOR A.J.C.D ALMEIDA JUNIOR 1 ; F.B.T. HERNANDEZ 2 ; R.A.M. FRANCO 3 ; J.L ZOCOLER 2 RESUMO: O objetivo deste

Leia mais

MONITORAMENTO HIDROLÓGICO

MONITORAMENTO HIDROLÓGICO MONITORAMENTO HIDROLÓGICO 2016 Boletim Nº. 41 31/10/2016 Boletim de acompanhamento - 2016 1. Comportamento das Estações monitoradas De acordo com a Figura 01 e as Tabelas I e II, em termos estatísticos,

Leia mais

Análise Estatística de Eventos de Cheia e Inundações no Semi-árido da Bacia do Rio São Francisco

Análise Estatística de Eventos de Cheia e Inundações no Semi-árido da Bacia do Rio São Francisco Análise Estatística de Eventos de Cheia e Inundações no Semi-árido da Bacia do Rio São Francisco Samira de Azevedo Santos, Magaly de Fatima Correia 2, Célia Campos Braga 2, Maria Regina da Silva Aragão

Leia mais

Definição de Remanso. ANEXO 3 - Apresentação utilizada na reunião com lideranças de Jacy-Paraná

Definição de Remanso. ANEXO 3 - Apresentação utilizada na reunião com lideranças de Jacy-Paraná ANEXO 3 - Apresentação utilizada na reunião com lideranças de Jacy-Paraná DOCUMENTO CONFIDENCIAL Proibida a reprodução Esclarecimentos às lideranças comunitárias de Jaci-Paraná sobre o alteamento do reservatório

Leia mais

PROCESSOS EROSIVOS DAS MARGENS DO RIO MADEIRA A JUSANTE DA UHE SANTO ANTÔNIO EM PORTO VELHO

PROCESSOS EROSIVOS DAS MARGENS DO RIO MADEIRA A JUSANTE DA UHE SANTO ANTÔNIO EM PORTO VELHO PROCESSOS EROSIVOS DAS MARGENS DO RIO MADEIRA A JUSANTE DA UHE SANTO ANTÔNIO EM PORTO VELHO Andréia Tamy Konasugawa Pereira 1 ; Gustavo da Costa Leal 2 ; Juliana Gama e Gama 3 ; Daniel Cunha de Carvalho

Leia mais

O ÍNDICE RAI COMO MÉTODO DE AVALIAÇÃO DA INTENSIDADE DE EVENTOS HIDROLÓGICOS EXTREMOS NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO

O ÍNDICE RAI COMO MÉTODO DE AVALIAÇÃO DA INTENSIDADE DE EVENTOS HIDROLÓGICOS EXTREMOS NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO O ÍNDICE RAI COMO MÉTODO DE AVALIAÇÃO DA INTENSIDADE DE EVENTOS HIDROLÓGICOS EXTREMOS NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO Carlos Diego de Sousa Gurjão 1 ; Magaly de Fatima Correia 2 ; Roni Valter de Souza Guedes 3

Leia mais