Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SÃO FRANCISCO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SÃO FRANCISCO"

Transcrição

1 Hidroelétricas Reservatório Sobradinho Hidroelétricas Reservatório Sobradinho O Projeto: Divisão em dois eixos Capacidade máxima: 99 m³/s Altura bombeamento: 165 m Capacidade máxima: 28 m³/s Altura bombeamento: 304 m

2 Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SÃO FRANCISCO

3 Aproveitamentos Hidroelétricos da Bacia do Rio São Francisco TRÊS MARIAS V Total = 19 bilhões m³ V Útil = 15 bilhões m³ 396 MW SOBRADINHO V Total = 34 bilhões m³ V Útil = 28 bilhões m³ 1.O50 MW MOXOTÓ 440 MW PAULO AFONSO I MW II MW III MW ITAPARICA V Total = 10 bilhões m³ V Útil = 3 bilhões m³ 1500 MW XINGO 3000 MW PAULO AFONSO IV 2460 MW Potencial instalado: MW = 17% do país

4 Perda de energia garantida em função da retirada de 1 m 3 /s (irriga cerca de 1000 ha) para uso consuntivo 3,22 MWmed 2,79 MWmed 2,54 MWmed 2,08 MWmed 1,06 MWmed 0 MWmed

5 RESERVATÓRIO DE SOBRADINHO Nível d água (N.A.) máximo : 392,50 m Volume Útil Nível d água (N.A.) mínimo : 380,50 m Barragem Volume Morto VAZÃO DEFLUENTE MÍNIMA : m3/s Vazão Defluente Sistema de Adução Casa de Força Canal de Fuga VOLUME TOTAL DO RESERVATÓRIO : 34,11 BILHÕES DE m3 VOLUME ÚTIL : 28,67 BILHÕES DE m3 VOLUME MORTO : 5,45 BILHÕES DE m3

6 Vazões Naturais Médias Mensais Afluentes ao Reservatório Sobradinho Q=2706 m³/s m³/s jan/31 jan/35 jan/39 jan/43 jan/47 jan/51 jan/55 jan/59 jan/63 jan/67 jan/71 jan/75 jan/79 jan/83 jan/87 jan/91 jan/95 jan/99

7 jan/31 jan/33 jan/35 jan/37 jan/39 jan/41 jan/43 jan/45 jan/47 jan/49 jan/51 jan/53 jan/55 jan/57 jan/59 jan/ SOBRADINHO Período Crítico QSOB=2028m³/s (Chesf: 2060m 3 /s) QTRM=513m3/s hm³

8 Período Crítico hm³ jan/31 jan/35 jan/39 jan/43 jan/47 jan/51 jan/55 jan/59 jan/63 jan/67 jan/71 jan/75 jan/79 jan/83 jan/87 jan/91 jan/95 jan/99 SOBRADINHO QSOB=1819m³/s QTRM=513m3/s

9 Energia firme da CHESF (última adição) 6566 MWmed 2,79 MWmed = 1 m 3 /s 2353 m 3 /s

10 PREMISSAS BÁSICAS ÁGUA GARANTIDA A QUALQUER TEMPO PARA ABASTECIMENTO HUMANO BOMBEAMENTO DE ÁGUA PARA IRRIGAÇÃO SÓ QUANDO SOBRADINHO ESTIVER CHEIO SUSTENTABILIDADE DO EMPREENDIMENTO ELEFANTE BRANCO?

11 Qfirme= 26 m 3 /s Qmed= 56 m 3 /s

12 Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos GOVERNAMENTAL NÃO-GOVERNAMENTAL FEDERAL (ANA) (convênio de cooperação) ESTADUAL (órgão gestor) Contrato de Gestão Articulação da Outorga, Fiscalização e Cobrança (convênio de integração) Contrato de Gestão COMITÊ DE BACIA (Parlamento) AGÊNCIA DE BACIA Usuários:. hidroeletricidade. abastecimento. indústria. navegação. irrigação. pesca. ecologia. turismo e lazer Universidades Organizações científicas MUNICIPAL ONG s

13 As outorgas com consumo médio mensal igual ou superior a 1,0 L/s.ha poderão ser suspensas sempre o que uso de recursos hídricos possa prejudicar aquelas outorgas que apresentam consumos inferiores a 1,0 L/s.ha. USO EFICIENTE DE ÁGUA PARA IRRIGAÇÃO X

14 PACTO DA ÁGUA PBHSF Proposta de divisão da Bacia para a gestão dos recursos hídricos DF e Goiás Pernambuco Alagoas Rio Indaiá Reservatório Três Marias Três Rio Borrachudo Rio Abaeté Rio Paracatú Rio Urucuia Rio Pará Rio Paraopeba Rio Velhas Rio Jequitaí Rio Pacuí Rio Cararinhanha Rio Corrente Rio B Velho Rio Grande Sobradinho Rio Verde Grande Rio Rãs Rio Paramirim Rio Verde Rio Jacaré Rio Salitre Rio Macururé Rio Graças Rio Pajeú Rio Moxotó Xingó Reservatório Reservatório Sobradinho Xingó foz Minas Gerais Bahia Sergipe Postos fluviométricos de controle quali-quantitativo quantitativo 1 Posto de Manga 2 Posto de Pilão o Arcado 3 Posto de Juazeiro 4 Posto de Piranhas

15 PBHSF Usos consuntivos III - Vazões para usos consuntivos ALOCAÇÃO DE ÁGUA A alocação de água é o grande pacto de repartição de água na Bacia Usos não- consuntivos (vazões remanescentes) II - Outras vazões não consuntivas (energia, navegação) I - Vazões mínimas p/ manutenção dos ecossistemas

16 PROPOSTA DE ALOCAÇÃO NOS PONTOS DE CONTROLE MG BA BA PE AL 13,3 18,9 27,7 37,1 111,9 50,0 476,5 704,3 993,9 1485, ,5 246,7 81,9 235,5 1596,9 1435,0 85% 85% 85% 85% 156,7 23,2 289,5 42,8 96,1 14,2 276,4 40,9 MG BA BA SE Legenda Q 95 tributários Q alocada tributários Balanço das vazões n Postos de controle Q alocada na calha SF m 3 /s Vazão remanescente

17 COMPARAÇÃO ENTRE VAZÕES CARACTERÍSTICAS DA PROPOSTA DE ALOCAÇÃO NOS PONTOS DE CONTROLE PBHSF Alocação de água na Bacia ALOCAÇÃO DE ÁGUA NA BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO Vazão (m³/s) 2.000, , , , , , , , , , ,0 900,0 800,0 700,0 600,0 500,0 400,0 300,0 200,0 100,0 0,0 802,5 Disponibilidade Remanescente Restrição ecológica Alocação Consumo 704,1 405,7 98, ,0 993,7 540,0 181, , ,5 MG BA BA 45,3 85,4 3 - Manga 4 - Pilão Arcado 5 - Juazeiro 6 - Piranhas (Xingó) 812,3 218,5 111, , ,5 843,8 330,5 188,3

18 PROPOSTA DE ALOCAÇÃO A SER NEGOCIADA PELOS ESTADOS Estado Corpos d ád água Alocaçã ção Valor m 3 /s Total m 3 /s DF e GO Trecho do rio Preto A1 8 8 MG Da cabeceira até Manga Margem direita do rio Carinhanha A2 A2.1 A Margem esquerda do rio Carinhanha A3.1 7 BA De Manga até Sobradinho Lago de Sobradinho, margem direita A3 A3.2 A De Sobradinho até Xingó, margem direita na Bahia A PE Lago de Sobradinho, margem esquerda De Sobradinho até Xingó, margem esq. em PE A4 A4.1 A SE De Sobradinho até Xingó, margem direita sergipana A jusante de Xingó, margem direita sergipana A5 A5.1 A AL De Sobradinho até Xingó, margem esq. alagoana A jusante de Xingó, margem esq. alagoana A6 A6.1 A Uso externo trecho entre Sobradinho e Xingó 26 Total até Xingó uso interno para todos os estados e uso externo 330 Total até a foz uso interno para todos os estados e uso externo 380

19 TRANSPOSIÇÃO DA BACIA DO TOCANTINS PARA O SEMI-ÁRIDO

20 Bacia do rio São Francisco Sistema Interligado Nacional - SIN Hidrelétricas do SIN Sistema de Transmissão O sistema de transmissão existente permite que a região Nordeste importe 1900MW Equivale a 680 m 3 /s

A BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO

A BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO Série Debates: A Questão da Água no Nordeste Clima e Disponibilidade de Água nas Bacias do Semi-Árido A BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO Disponibilidade Hídrica e Mudanças Climáticas João Gilberto Lotufo Conejo

Leia mais

Transposição do Rio São Francisco - Os Desafios da Gestão José Almir Cirilo UFPE/Secretaria de Infraestrutura- PE

Transposição do Rio São Francisco - Os Desafios da Gestão José Almir Cirilo UFPE/Secretaria de Infraestrutura- PE Transposição do Rio São Francisco - Os Desafios da Gestão José Almir Cirilo UFPE/Secretaria de Infraestrutura- PE Importância do Programa para Pernambuco O CLIMA ENDOIDOU? 5 de Maio de 2011: evitada 17

Leia mais

ANÁLISE DE CENÁRIOS DA IMPLEMENTAÇÃO DO HIDROGRAMA AMBIENTAL NO BAIXO TRECHO DO RIO SÃO FRANCISCO

ANÁLISE DE CENÁRIOS DA IMPLEMENTAÇÃO DO HIDROGRAMA AMBIENTAL NO BAIXO TRECHO DO RIO SÃO FRANCISCO Salvador/ 2016 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA UFBA Grupo de Recursos Hídricos - GRH ANÁLISE DE CENÁRIOS DA IMPLEMENTAÇÃO DO HIDROGRAMA AMBIENTAL NO BAIXO TRECHO DO RIO SÃO FRANCISCO Yvonilde Dantas Pinto

Leia mais

Os Usos Múltiplos das Águas do rio São Francisco José Almir Cirilo

Os Usos Múltiplos das Águas do rio São Francisco José Almir Cirilo Os Usos Múltiplos das Águas do rio São Francisco José Almir Cirilo Professor Titular da Universidade Federal de Pernambuco Centro Acadêmico do Agreste Secretário Executivo de Recursos Hídricos ABASTECIMENTO

Leia mais

Impactos na Quantidade e Qualidade da Água

Impactos na Quantidade e Qualidade da Água Impactos na Quantidade e Qualidade da Áua João Gilberto Lotufo Conejo Superintendente de Planejamento de Recursos Hídricos Brasília, outubro de 2008 IMPACTOS DECORRENTES DA ACÃO ANTRÓPICA Alterações uso

Leia mais

SEGURANÇA HÍDRICA NO BRASIL

SEGURANÇA HÍDRICA NO BRASIL SEGURANÇA HÍDRICA NO BRASIL Sérgio Ayrimoraes Superintendente de Planejamento de Recursos Hídricos SPR/ANA São Paulo-SP, 14 de agosto de 2014 Ampla variação da precipitação no território brasileiro: espacial

Leia mais

BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO: Medidas Adicionais de Gestão para enfrentamento da Crise Hídrica

BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO: Medidas Adicionais de Gestão para enfrentamento da Crise Hídrica BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO: Medidas Adicionais de Gestão para enfrentamento da Crise Hídrica Caracterização da bacia Área 639.219 km² Precipitação média anual na Bacia Extensão 2.863 km População 14,3

Leia mais

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NO BRASIL 2012 a 2014

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NO BRASIL 2012 a 2014 SITUAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NO BRASIL 2012 a 2014 Sérgio Ayrimoraes Superintendente de Planejamento de Recursos Hídricos SPR/ANA São Paulo, 03 de junho de 2014 Ampla variação da precipitação no território

Leia mais

Rio São Francisco e o Projeto de integração

Rio São Francisco e o Projeto de integração U F B A Instituto de Geociências UFBA Departamento de Geografia Laboratório rio de Estudos Ambientais e Gestão do Território rio Rio São Francisco e o Projeto de integração A água é provavelmente o único

Leia mais

Reversíveis e os Múltiplos Usos da Água. Dr. Julian David Hunt IVIG/COPPE/UFRJ

Reversíveis e os Múltiplos Usos da Água. Dr. Julian David Hunt IVIG/COPPE/UFRJ Reversíveis e os Múltiplos Usos da Água Dr. Julian David Hunt IVIG/COPPE/UFRJ Usinas Reversíveis e os Múltiplos Usos da Água 19 a 21 de Outubro de 2016 Multiplos Usos da Água Abastecimento hídrico Irrigação

Leia mais

Marcos Airton de Sousa Freitas 1 & Joaquim Guedes Corrêa Gondim Filho 2 RESUMO

Marcos Airton de Sousa Freitas 1 & Joaquim Guedes Corrêa Gondim Filho 2 RESUMO DISPONIBILIDADE HÍDRICA DO SISTEMA FORMADO PELOS RESERVATÓRIOS TRÊS MARIAS E SOBRADINHO NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SÃO FRANCISCO PARA FINS DE ALOCAÇÃO DE ÁGUA Marcos Airton de Sousa Freitas 1 & Joaquim

Leia mais

A ÁGUA DO RIO SÃO FRANCISCO ESTÁ SUMINDO? Meusêr Valença 1 ; Josiane Holz* 2 ; Daniela Kyrillos 2

A ÁGUA DO RIO SÃO FRANCISCO ESTÁ SUMINDO? Meusêr Valença 1 ; Josiane Holz* 2 ; Daniela Kyrillos 2 A ÁGUA DO RIO SÃO FRANCISCO ESTÁ SUMINDO? Meusêr Valença 1 ; Josiane Holz* 2 ; Daniela Kyrillos 2 Resumo Considerando a importância do estudo de mudanças nas características de períodos hidrológicos, este

Leia mais

Destaque: Horizonte Operador Nacional do Sistema Elétrico Diretoria de Planejamento Programação da Operação

Destaque: Horizonte Operador Nacional do Sistema Elétrico Diretoria de Planejamento Programação da Operação PROPOSTA PARA DEFLUÊNCIAS DAS USINAS HIDROELÉTRICAS DA BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO NOS ESTUDOS DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DA OPERAÇÃO, DIANTE DO QUADRO DE ESCASSEZ HÍDRICA Destaque: Horizonte 2017-2018

Leia mais

Disponibilidade Hídrica do Sistema Elétrico Brasileiro

Disponibilidade Hídrica do Sistema Elétrico Brasileiro Disponibilidade Hídrica do Sistema Elétrico Brasileiro Maio/2003 A Água no Mundo Desse volume: 97,2% águas dos mares 2,15% geleiras e calotas polares 3/4 3/4 do do globo globo terrestre são são cobertos

Leia mais

Primeiro Debate sobre a Questão da Água do Nordeste

Primeiro Debate sobre a Questão da Água do Nordeste Primeiro Debate sobre a Questão da Água do Nordeste Sessão IV: A Bacia do rio São Francisco. Origem das Águas. Regime Fluvial. Disponibilidades. Risco de Mudanças CGEE / ANA Brasília Agosto de 2008 Giovanni

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA SUBPROJETO GEOGRAFIA/CERES. ÁGUA: Usos e Abusos

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA SUBPROJETO GEOGRAFIA/CERES. ÁGUA: Usos e Abusos UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA SUBPROJETO GEOGRAFIA/CERES ÁGUA: Usos e Abusos Transposição do Rio São Francisco Caicó-RN, 2013 O que

Leia mais

Contribuição dos Planos de Recursos Hídricos

Contribuição dos Planos de Recursos Hídricos XVIII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE RECURSOS HÍDRICOS Mesa redonda 12 Consistência e sustentabilidade de Planos de Recursos Hídricos Contribuição dos Planos de Recursos Hídricos para Resolver Problemas: a experiência

Leia mais

As partes de um rio e seu curso

As partes de um rio e seu curso Hidrografia As partes de um rio e seu curso Nascentes - conjunto de córregos que formam o início do rio. Curso caminho do rio. Montante - sentido oposto ao curso de rio. Jusante sentido do curso do rio.

Leia mais

Ricardo Dinarte Sandi Superintendência de Apoio à Gestão de Recursos Hídricos - ANA. Goiânia, 06 de agosto de 2008

Ricardo Dinarte Sandi Superintendência de Apoio à Gestão de Recursos Hídricos - ANA. Goiânia, 06 de agosto de 2008 Ricardo Dinarte Sandi Superintendência de Apoio à Gestão de Recursos Hídricos - ANA Goiânia, 06 de agosto de 2008 Convênio de Integração Plano de Bacia Cadastro Outorga Regularização Comitê de Bacia Agência

Leia mais

Campina Grande, 2015.

Campina Grande, 2015. Campina Grande, 2015. A Questão dos Recursos Hídricos No Nordeste No Brasil No Mundo Recursos Naturais do Planeta Aspectos Usos dos Recursos Hídricos Demandas Abastecimento Humano (Urbano e Rural) Agricultura

Leia mais

O Comitê de Integração da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul - CEIVAP. Vera Lúcia Teixeira Vice-Presidente do CEIVAP

O Comitê de Integração da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul - CEIVAP. Vera Lúcia Teixeira Vice-Presidente do CEIVAP O Comitê de Integração da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul - CEIVAP Vera Lúcia Teixeira Vice-Presidente do CEIVAP ESCASSEZ HIDRICA DA BACIA DO RIO PARAIBA DO SUL Água: bem público com valor econômico

Leia mais

Rio São Francisco. Os usos múltiplos das águas e sua importância para o Nordeste

Rio São Francisco. Os usos múltiplos das águas e sua importância para o Nordeste Rio São Francisco Os usos múltiplos das águas e sua importância para o Nordeste DISTRIBUIÇÃO DA ÁGUA NO PLANETA Volume total 1.370.000.000 km³ Água salgada 97% Água doce 3% (cerca de 40 milhões km³) A

Leia mais

Características da hidrografia brasileira

Características da hidrografia brasileira Características da hidrografia brasileira Todos rios direta ou indiretamente são tributários do Oceano Atlântico. Predomínio de foz em estuário. Domínio de rios de planalto. Regime pluvial tropical austral

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL

ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL BOLETIM Nº 11 - JUNHO Área de Atuação da Superintendência Regional da CPRM de Belo Horizonte 2015 Rio da Perdição em Tapiraí Jusante - março/2013

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL

ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL BOLETIM Nº 07 - ABRIL Área de Atuação da Superintendência Regional da CPRM de Belo Horizonte 2015 Rio Pouso Alegre em Fazenda Cachoeira em julho de

Leia mais

ESTIMATIVA DE INDICADORES HIDROLÓGICOS PARA AS SUB-BACIAS DO RIO SÃO FRANCISCO

ESTIMATIVA DE INDICADORES HIDROLÓGICOS PARA AS SUB-BACIAS DO RIO SÃO FRANCISCO ESTIMATIVA DE INDICADORES HIDROLÓGICOS PARA AS SUB-BACIAS DO RIO SÃO FRANCISCO Omar Barbosa da Silva Júnior 1 &Carlos Eduardo Morelli Tucci 1 RESUMO Para dar suporte ao planejamento e à gestão dos recursos

Leia mais

ESTUDO DA ALOCAÇÃO DE ÁGUA NO RIO SÃO FRANCISCO CONSIDERANDO A DEMANDA AMBIENTAL

ESTUDO DA ALOCAÇÃO DE ÁGUA NO RIO SÃO FRANCISCO CONSIDERANDO A DEMANDA AMBIENTAL ESTUDO DA ALOCAÇÃO DE ÁGUA NO RIO SÃO FRANCISCO CONSIDERANDO A DEMANDA AMBIENTAL Andrea Sousa Fontes Anderson Lima Aragão Yvonilde Dantas Pinto Medeiros Introdução Controle ar/ficial do fluxo x componentes

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL

ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL BOLETIM Nº 03 - FEVEREIRO Área de Atuação da Superintendência Regional da CPRM de Belo Horizonte 2015 Rio São Francisco em Três Marias. Foto de Soraya

Leia mais

COMPARTILHANDO EM REDE COMO CRIAR E GERENCIAR UM BLOG

COMPARTILHANDO EM REDE COMO CRIAR E GERENCIAR UM BLOG PPROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE SUBPROJETO GEOGRAFIA/CERES PROJETO TECNOLOGIAS DIGITAIS E GEOGRAFIA COMPARTILHANDO EM REDE COMO

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 68, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2006 (Publicada no DOU em 27/12/06)

RESOLUÇÃO N o 68, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2006 (Publicada no DOU em 27/12/06) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 68, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2006 (Publicada no DOU em 27/12/06) Estabelece a composição e define suplências para Câmaras Técnicas

Leia mais

Prof o. LER IRRIGAÇÃO Dr. Marcos Vinícius Folegatti Aula 02

Prof o. LER IRRIGAÇÃO Dr. Marcos Vinícius Folegatti Aula 02 Prof o LER 1571 - IRRIGAÇÃO Dr. Marcos Vinícius Folegatti Aula 02 LER - 1571 Irrigação DISPONIBILIDADE DE RECURSOS HÍDRICOS E DESENVOLVIMENTO DA IRRIGAÇÃO Marcos Vinícius Folegatti DISTRIBUIÇÃO DAS ÁGUAS

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL X GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ÁGUA COMO FATOR LIMITANTE DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL. Edmilson Costa Teixeira GEARH-DEA-CT

GESTÃO AMBIENTAL X GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ÁGUA COMO FATOR LIMITANTE DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL. Edmilson Costa Teixeira GEARH-DEA-CT GESTÃO AMBIENTAL X GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ÁGUA COMO FATOR LIMITANTE DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL Edmilson Costa Teixeira GEARH-DEA-CT USOS DA ÁGUA DISPONIBILIDADE HÍDRICA NO PLANETA ESTADOS Sólido.

Leia mais

Ambiente Institucional

Ambiente Institucional Ministério de Minas e Energia Ministério de Minas e Energia Encontro Técnico GT São Marcos Setor Elétrico Suprimento e Armazenamento de Energia: O Desafio Goiânia, Agosto de 2016. 1 Ambiente Institucional

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL

ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL BOLETIM Nº 05 - MARÇO Área de Atuação da Superintendência Regional da CPRM de Belo Horizonte 2015 Rio Urucuia em Buritis - março/2013 Rio Urucuia

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO-CIENTÍFICO VISANDO A DELIMITAÇÃO DE PARQUES AQÜÍCOLAS NOS LAGOS DAS USINAS HIDROELÉTRICAS DE FURNAS E TRÊS MARIAS MG

ESTUDO TÉCNICO-CIENTÍFICO VISANDO A DELIMITAÇÃO DE PARQUES AQÜÍCOLAS NOS LAGOS DAS USINAS HIDROELÉTRICAS DE FURNAS E TRÊS MARIAS MG 1 ESTUDO TÉCNICO-CIENTÍFICO VISANDO A DELIMITAÇÃO DE PARQUES AQÜÍCOLAS NOS LAGOS DAS USINAS HIDROELÉTRICAS DE FURNAS E TRÊS MARIAS MG CONVÊNIO 8713 FUNDEP-UFMG Parques Aquícolas SECTES-MG Nº 025/2005 PROCESSO:

Leia mais

HIDROGRAFIA (estudo das águas)

HIDROGRAFIA (estudo das águas) HIDROGRAFIA (estudo das águas) Consumo Real e Virtual 1 CONSUMO DE ÁGUA MUNDIAL CONSUMO DE ÁGUA MUNDIAL - comparativo CONSUMO DE ÁGUA BRASILEIRO 2 Ciclo da Água CONCEITOS e TERMINOLOGIAS 3 CONCEITOS e

Leia mais

Apostila de Geografia 16 Hidrografia Matheus Borges

Apostila de Geografia 16 Hidrografia Matheus Borges Apostila de Geografia 16 Hidrografia Matheus Borges 1.0 Distribuição das Águas 97% Águas salgadas: Oceano Pacífico (o maior). Oceano Atlântico (muito navegável). Oceano Índico. 3% Água doce: 2% Geleiras.

Leia mais

Relatório de Subsídios para Ações de Regulação na Bacia do Rio São Francisco

Relatório de Subsídios para Ações de Regulação na Bacia do Rio São Francisco 2011 Relatório de Subsídios para Ações de Regulação na Bacia do Rio São Francisco CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO VITOR MÁRCIO NUNES FEITOSA Presidente do Conselho de Administração MARIA DE LOURDES PEREIRA DOS

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DA POLÍTICA ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS

IMPLEMENTAÇÃO DA POLÍTICA ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS SEM ARH SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS HÍDRICOS IMPLEMENTAÇÃO DA POLÍTICA ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS JOSÉ DE PAULA MORAES FILHO SECRETÁRIO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS HÍDRICOS RECURSOS

Leia mais

Quantidade de água no planeta

Quantidade de água no planeta HIDROGRAFIA Quantidade de água no planeta O Brasil possui: 10% da água superficial disponível para consumo no mundo. No Brasil a distribuição é desigual. - 70% na Amazônia - 27% no Centro-Sul - 3% no

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE SUBSÍDIOS PARA PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DOS PRINCIPAIS RESERVATÓRIOS DA BACIA DO SÃO FRANCISCO

DETERMINAÇÃO DE SUBSÍDIOS PARA PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DOS PRINCIPAIS RESERVATÓRIOS DA BACIA DO SÃO FRANCISCO PROJETO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS EM TERRA NA BACIA DO SÃO FRANCISCO ANA/GEF/PNUMA/OEA Subprojeto 4.4 Determinação de Subsídios para Procedimentos Operacionais dos Principais

Leia mais

Planos de recursos hídricos. SIMONE ROSA DA SILVA Profª UPE/POLI

Planos de recursos hídricos. SIMONE ROSA DA SILVA Profª UPE/POLI Planos de recursos hídricos SIMONE ROSA DA SILVA Profª UPE/POLI Planos de recursos hídricos x Políticas setoriais Planos de recursos hídricos: base legal Lei n.º 9.433/97...são planos diretores que visam

Leia mais

XI SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE OUTORGA DOS RECURSOS HÍDRICOS SUPERFICIAIS EM PERNAMBUCO

XI SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE OUTORGA DOS RECURSOS HÍDRICOS SUPERFICIAIS EM PERNAMBUCO XI SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE OUTORGA DOS RECURSOS HÍDRICOS SUPERFICIAIS EM PERNAMBUCO Thiago Alberto da Silva Pereira Maria Crystianne Fonseca Rosal OUTORGA Instrumento jurídico pelo qual

Leia mais

Nota Técnica nº 013 /2009/SAG Doc.2807/09 Em 06 de fevereiro de Ao Senhor Superintendente de Apoio à Gestão de Recursos Hídricos

Nota Técnica nº 013 /2009/SAG Doc.2807/09 Em 06 de fevereiro de Ao Senhor Superintendente de Apoio à Gestão de Recursos Hídricos Nota Técnica nº 013 /2009/SAG Doc.2807/09 Em 06 de fevereiro de 2009 Ao Senhor Superintendente de Apoio à Gestão de Recursos Hídricos Assunto: Avaliação de alternativas de sustentabilidade financeira da

Leia mais

COMITÊ DE BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS JEQUITAÍ, PACUÍ E TRECHO DO SÃO FRANCISCO

COMITÊ DE BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS JEQUITAÍ, PACUÍ E TRECHO DO SÃO FRANCISCO COMITÊ DE BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS JEQUITAÍ, PACUÍ E TRECHO DO SÃO FRANCISCO COMITÊS EM MINAS GERAIS BACIA DO SÃO FRANCISCO A Bacia do São Francisco está dividida em 10 UPs: SF-1 Afluentes Mineiros

Leia mais

USINA HIDRELÉTRICA GAMELA

USINA HIDRELÉTRICA GAMELA USINA HIDRELÉTRICA GAMELA NOVEMBRO / 2013 02 Sumário 1 O Empreendedor 2 Etapas Processuais 3 O Projeto 4 Usos Múltiplos da água (HICON) 5 Qualidade da água (ECOLOGY) 6 Conclusão 7 - Agradecimento 3 2.

Leia mais

CC54Z - Hidrologia. Definições, aspectos gerais e o ciclo hidrológico. Universidade Tecnológica Federal do Paraná

CC54Z - Hidrologia. Definições, aspectos gerais e o ciclo hidrológico. Universidade Tecnológica Federal do Paraná Universidade Tecnológica Federal do Paraná CC54Z - Hidrologia Definições, aspectos gerais e o ciclo hidrológico Prof. Fernando Andrade Curitiba, 2014 Objetivos da aula Definir hidrologia e engenharia hidrológica

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 95, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2008

RESOLUÇÃO N o 95, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2008 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 95, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2008 (Publicada no D.O.U em 30/01/2009) Estabelece composição e define suplências para a CTAS,

Leia mais

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SÃO FRANCISCO MANDATO

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SÃO FRANCISCO MANDATO ABASTECIMENTO URBANO 1. Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Lagoa da Prata- SAAE Lagoa da Prata 2. Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Itabirito - SAAE

Leia mais

A QUESTÃO DA ÁGUA NO NORDESTE Meio Ambiente e Qualidade da Água

A QUESTÃO DA ÁGUA NO NORDESTE Meio Ambiente e Qualidade da Água A QUESTÃO DA ÁGUA NO NORDESTE Meio Ambiente e Qualidade da Água O caso do Rio São Francisco. Como a degradação ambiental afeta a quantidade e a qualidade da água na bacia. Como os problemas ambientais

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL INFORMATIVO SOBRE A PRECIPITAÇÃO (I )

ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL INFORMATIVO SOBRE A PRECIPITAÇÃO (I ) ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL INFORMATIVO SOBRE A PRECIPITAÇÃO (I-01-2017) Áreas de Atuação das Superintendências Regionais de Belo Horizonte e Parte de Salvador Fev/2017 CPRM

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 48, de 20 de novembro de 2014

DELIBERAÇÃO Nº 48, de 20 de novembro de 2014 DELIBERAÇÃO Nº 48, de 20 de novembro de 2014 Aprova os novos indicadores de potencialidade de conflito em substituição aos do Anexo III do Plano de Recursos Hídricos da Bacia Hidrográfica do Rio Paranaíba,

Leia mais

Tópicos de Gestão de Recursos Hídricos

Tópicos de Gestão de Recursos Hídricos Tópicos de Gestão de Recursos Hídricos Bruno Collischonn - Especialista em Recursos Hídricos Superintendência de Outorga e Fiscalização SOF/ANA Seminário de Gestão Ambiental na Agropecuária Bento Gonçalves

Leia mais

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE ESTUDO DA ALOCAÇÃO DE ÁGUA NO RIO SÃO FRANCISCO CONSIDERANDO A DEMANDA AMBIENTAL Andrea Sousa Fontes 1 ; Anderson Lima Aragão 2 ; Yvonilde Dantas Pinto Medeiros

Leia mais

GESTÃO DE RESERVATÓRIOS NA CRISE HÍDRICA O Caso da UHE Três Marias

GESTÃO DE RESERVATÓRIOS NA CRISE HÍDRICA O Caso da UHE Três Marias GESTÃO DE RESERVATÓRIOS NA CRISE HÍDRICA O Caso da UHE Três Marias SUMÁRIO 1- Caracterização 2- A abordagem adotada 3- Conclusões e Sugestões Análise das últimas estações chuvosas 2011/2012 2012/2013 2013/2014

Leia mais

S I S T E M A E S T A D U A L D E M E I O A M B I E N T E IGAM INSTITUTO MINEIRO DE GESTÃO DAS ÁGUAS

S I S T E M A E S T A D U A L D E M E I O A M B I E N T E IGAM INSTITUTO MINEIRO DE GESTÃO DAS ÁGUAS S I S T E M A E S T A D U A L D E M E I O A M B I E N T E IGAM INSTITUTO MINEIRO DE GESTÃO DAS ÁGUAS ESTUDOS HIDROLÓGICOS ÁGUA SUPERFICIAL Wilson dos Santos Fernandes TÓPICOS ESTUDO HIDROLÓGICO DEMANDA

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO. Professor Afonso Henriques Moreira Santos, D.Sc.

TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO. Professor Afonso Henriques Moreira Santos, D.Sc. TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO Professor Afonso Henriques Moreira Santos, D.Sc. Bacia do Rio São Francisco Reservatório de Furnas Bacia do São Francisco TRÊS MARIAS ITAPARICA SOBRADINHO MOXOTÓ PAULO

Leia mais

Estudo Prognóstico sobre a Viabilidade Econômico-financeira para a Criação da Agência da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco

Estudo Prognóstico sobre a Viabilidade Econômico-financeira para a Criação da Agência da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco Mesa Redonda: Tema: Palestra: Criação da Agência de Bacia Hidrográfica Modelos Institucionais de Agência de bacia Hidrográfica Estudo Prognóstico sobre a Viabilidade Econômico-financeira para a Criação

Leia mais

HIDROGRAFIA DO BRA R SIL I

HIDROGRAFIA DO BRA R SIL I HIDROGRAFIA DO BRASIL ÁGUAS CONTINENTAIS Rio São águas correntes que se deslocam na superfície, no sentido da declividade do relevo Importante elemento no ciclo hidrológico Fornecimento de água potável

Leia mais

HIDROGRAFIA (estudo das águas)

HIDROGRAFIA (estudo das águas) HIDROGRAFIA (estudo das águas) CONSUMO DE ÁGUA MUNDIAL CONSUMO DE ÁGUA MUNDIAL - comparativo CONSUMO DE ÁGUA BRASILEIRO Fase rápida Fase longa 2 Alto Médio Curso Curso Interflúvios Baixo Curso Interflúvios

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Departamento de Engenharia Agronômica - DEA GRADUAÇÃO E ESTUDOS EM RECURSOS NATURAIS - NEREN

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Departamento de Engenharia Agronômica - DEA GRADUAÇÃO E ESTUDOS EM RECURSOS NATURAIS - NEREN UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Departamento de Engenharia Agronômica - DEA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAP GRADUAÇÃO E ESTUDOS EM RECURSOS NATURAIS - NEREN XV Reunião Brasileira de Manejo e Conservação do Solo

Leia mais

Cap. 10. Hidrografia

Cap. 10. Hidrografia Cap. 10. Hidrografia Saneamento básico: sistema de coleta e tratamento de água e esgoto. Hidrografia brasileira OLIVEIRA, Franzé http://www.neputufv.com.br/texto.php?p=softwares Acesso em: 17/05/2011

Leia mais

Os mananciais hídricos

Os mananciais hídricos Os mananciais hídricos Água, abundância e desperdício Água, abundância e desperdício Água e Economia Água Subterrânea Guarani, Mercosul ou Botucatu Guarani, Mercosul ou Botucatu Guarani x Alter do Chão

Leia mais

Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional

Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional Fernando Bezerra Coelho Ministro de Estado da Integração Nacional Brasília, 11 de dezembro de 2012 MAPA GERAL

Leia mais

FUNDAÇÃO AGÊNCIA DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ AGÊNCIA DAS BACIAS PCJ

FUNDAÇÃO AGÊNCIA DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ AGÊNCIA DAS BACIAS PCJ FUNDAÇÃO AGÊNCIA DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ AGÊNCIA DAS BACIAS PCJ Represa Jaguari/Jacareí Reprodução/Sistema Ambiental Paulista/Governo do Estado BOLETIM DE MONITORAMENTO

Leia mais

1. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão; 2. Ministério dos Transportes; 3. Ministério da Integração Nacional; 4. Ministério da Agricultura,

1. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão; 2. Ministério dos Transportes; 3. Ministério da Integração Nacional; 4. Ministério da Agricultura, 1. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão; 2. Ministério dos Transportes; 3. Ministério da Integração Nacional; 4. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento; 5. Ministério do Meio Ambiente

Leia mais

chapadões e vales abertos em suas porções mais altas, ideais para a agricultura tecnificada;

chapadões e vales abertos em suas porções mais altas, ideais para a agricultura tecnificada; Goiânia, agosto de 2016 A bacia hidrográfica do rio São Marcos possui relevo heterogêneo, com: chapadões e vales abertos em suas porções mais altas, ideais para a agricultura tecnificada; montanhoso e

Leia mais

Ministério da Integração Nacional Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional

Ministério da Integração Nacional Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional Projeto de do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional SISTEMA DE GESTÃO SGIB SISTEMA DE GESTÃO Decreto n o 5.995/2006 Decreto n o 6.365/2008 Conselho Gestor do SGIB 2º, art.

Leia mais

CBHSF COMITÊ DE BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SÃO FRANCISCO AGB - PEIXE VIVO

CBHSF COMITÊ DE BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SÃO FRANCISCO AGB - PEIXE VIVO CBHSF COMITÊ DE BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SÃO FRANCISCO AGB - PEIXE VIVO CONSULTORIA E ASSESSORIA PRESENCIAL ESPECIALIZADA PARA ESTUDO DAS VAZÕES REDUZIDAS EM CARÁTER EMERGENCIAL NO RIO SÃO FRANCISCO A

Leia mais

POLÍTICAS NACIONAL E ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS

POLÍTICAS NACIONAL E ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS POLÍTICAS NACIONAL E ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS DE RECURSOS HÍDRICOS PRINCÍPIOS BÁSICOS - A ÁGUA É UM BEM DE DOMÍNIO PÚBLICO; - O RECONHECIMENTO DO VALOR ECONÔMICO DA ÁGUA; - USO PRIORITÁRIO PARA CONSUMO

Leia mais

HIDROSFERA E AS ÁGUAS CONTINETAIS E BACIAS HIDROGRÁFICAS MÓDULOS 14 E 15

HIDROSFERA E AS ÁGUAS CONTINETAIS E BACIAS HIDROGRÁFICAS MÓDULOS 14 E 15 HIDROSFERA E AS ÁGUAS CONTINETAIS E BACIAS HIDROGRÁFICAS MÓDULOS 14 E 15 IMPORTÂNCIA DA ÁGUA A água é um recurso natural fundamental ao ser humano, uma das principais fontes de vida. Necessárias são posturas

Leia mais

Gestão do Potencial Hidráulico e o Transporte Hidroviário no âmbito da ANEEL. Superintendência de Gestão e Estudos Hidroenergéticos SGH

Gestão do Potencial Hidráulico e o Transporte Hidroviário no âmbito da ANEEL. Superintendência de Gestão e Estudos Hidroenergéticos SGH Gestão do Potencial Hidráulico e o Transporte Hidroviário no âmbito da ANEEL Superintendência de Gestão e Estudos Hidroenergéticos SGH Brasília, DF Março de 2014 Estágios de Desenvolvimento de um Empreendimento

Leia mais

Seminário Internacional sobre Estatísticas Ambientais e Contas Econômico-Ambientais

Seminário Internacional sobre Estatísticas Ambientais e Contas Econômico-Ambientais Seminário Internacional sobre Estatísticas Ambientais e Contas Econômico-Ambientais Sessão 4: Estatísticas e Contas Ambientais Superintendência de Planejamento de Recursos Hídricos Rio de Janeiro/RJ, setembro

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DO CEARÁ NO CONTEXTO DO PROJETO DE INTEGRAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO. Helder Cortez

GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DO CEARÁ NO CONTEXTO DO PROJETO DE INTEGRAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO. Helder Cortez GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DO CEARÁ NO CONTEXTO DO PROJETO DE INTEGRAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO Helder Cortez ORGANOGRAMA SISTEMA SRH ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA DE RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DO CEARÁ

Leia mais

OFICINAS USOS MÚLTIPLOS DAS ÁGUAS DO RIO SÃO FRANCISCO LOCAIS E DATA DE REALIZAÇÃO:

OFICINAS USOS MÚLTIPLOS DAS ÁGUAS DO RIO SÃO FRANCISCO LOCAIS E DATA DE REALIZAÇÃO: OFICINAS USOS MÚLTIPLOS DAS ÁGUAS DO RIO SÃO FRANCISCO LOCAIS E DATA DE REALIZAÇÃO: Paulo Afonso/BA: 06 e 07de maio de 2013 Penedo/AL: 09 e 10 de maio de 2013 Juazeiro/BA: 21 e 22 de maio 2013 Barreiras/BA:

Leia mais

O PROJETO BELO MONTE III SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE INTEGRACIÓN ENERGÉTICA PERU BRASIL

O PROJETO BELO MONTE III SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE INTEGRACIÓN ENERGÉTICA PERU BRASIL III SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE INTEGRACIÓN ENERGÉTICA PERU BRASIL EL SISTEMA ELÉCTRICO BRASILEÑO Y LAS CUESTIONES SOCIO AMBIENTALES O PROJETO BELO MONTE Energia para os novos tempos Lima, 18 de Novembro

Leia mais

I SEMINÁRIO DE ESTUDOS AMBIENTAIS E ORDENAMENTO TERRITORIAL

I SEMINÁRIO DE ESTUDOS AMBIENTAIS E ORDENAMENTO TERRITORIAL U F B A I SEMINÁRIO DE ESTUDOS AMBIENTAIS E ORDENAMENTO TERRITORIAL Salvador, 3 e 4 de novembro de 2005 Mesa Redonda Políticas Institucionais para a Bacia do Rio São Francisco Profº Heraldo Peixoto da

Leia mais

CPTEC e Mudanças Climáticas Usuários de Previsões em Recursos Hídricos. Walter Collischonn IPH UFRGS Porto Alegre RS

CPTEC e Mudanças Climáticas Usuários de Previsões em Recursos Hídricos. Walter Collischonn IPH UFRGS Porto Alegre RS CPTEC e Mudanças Climáticas Usuários de Previsões em Recursos Hídricos Walter Collischonn IPH UFRGS Porto Alegre RS Seminário CPTEC 19 e 20/out 2004 Mudanças climáticas aumento CO2 Estamos vivenciando

Leia mais

COMO A CEDAE ENFRENTOU A CRISE HÍDRICA DE Eng. Edes Fernandes de Oliveira Diretor de Produção e Grande Operação

COMO A CEDAE ENFRENTOU A CRISE HÍDRICA DE Eng. Edes Fernandes de Oliveira Diretor de Produção e Grande Operação COMO A CEDAE ENFRENTOU A CRISE HÍDRICA DE 2015 Eng. Edes Fernandes de Oliveira Diretor de Produção e Grande Operação E-mail: edes@cedae.com.br A ESCASSEZ HÍDRICA NO RIO PARAIBA DO SUL E OS IMPACTOS PARA

Leia mais

Monitoramento Hidrológico no rio São Francisco. Hydrological monitoring the San Francisco River

Monitoramento Hidrológico no rio São Francisco. Hydrological monitoring the San Francisco River Monitoramento Hidrológico no rio São Francisco Cristiane Ribeiro de Melo 1 * & Solange Cavalcanti de Melo 2 & Fábio Araújo da Costa 3 & Mercília Maria Farias de Barros 4 Resumo O presente trabalho tem

Leia mais

Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional

Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional Projeto de do Rio São Francisco com Projeto de do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional Projeto de do Rio São Francisco com BACIAS RECEPTORAS EIO NORTE BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO

Leia mais

Serviço Geológico do Brasil CPRM

Serviço Geológico do Brasil CPRM SIMULAÇÃO HIDROLÓGICA E BALANÇO HÍDRICO DO RESERVATÓRIO POÇO DA CRUZ (PE) Alfredo Ribeiro Neto Cristiane Ribeiro de Melo Djalena Marques de Melo José Almir Cirilo Objetivo O objetivo deste trabalho é simular

Leia mais

FUNDAÇÃO AGÊNCIA DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ AGÊNCIA DAS BACIAS PCJ

FUNDAÇÃO AGÊNCIA DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ AGÊNCIA DAS BACIAS PCJ FUNDAÇÃO AGÊNCIA DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ AGÊNCIA DAS BACIAS PCJ Represa Jaguari/Jacareí Reprodução/Sistema Ambiental Paulista/Governo do Estado BOLETIM DE MONITORAMENTO

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE CONSELHO DE RECURSOS HÍDRICOS

GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE CONSELHO DE RECURSOS HÍDRICOS GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE CONSELHO DE RECURSOS HÍDRICOS Estrutura do Conselho Secretarias Afins Comitês Sistemas Nacionais Meio Ambiente Recursos Hídricos

Leia mais

OPORTUNIDADES E DESAFIOS DO SETOR ELÉTRICO

OPORTUNIDADES E DESAFIOS DO SETOR ELÉTRICO OPORTUNIDADES E DESAFIOS DO SETOR ELÉTRICO 01 de Abril de 2011 Mesa Redonda sobre Energia no Brasil: Energia e o Novo Governo Rio de Janeiro Empresa de Pesquisa Energética Uma Empresa do Ministério de

Leia mais

OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL

OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL 13/04/2009 INTRODUÇÃO O Acompanhamento Diário da Operação Hidroenergética tem como objetivo apresentar a situação

Leia mais

Comitê Gestor da Fruticultura Governança

Comitê Gestor da Fruticultura Governança Comitê Gestor da Fruticultura Governança APRESENTAÇÃO: Crise no Lago de Sobradinho Vale do São Francisco JUAZEIRO/BA - PETROLINA/PE Março/2015 Localização do Sub Médio Vale do Rio São Francisco Localização

Leia mais

Contabilizando para o Cidadão Entendendo as Finanças Públicas

Contabilizando para o Cidadão Entendendo as Finanças Públicas - ano 2015 Pernambuco 5,20% Ceará 5,44% Maranhão 5,14% Pará 4,89% Paraná 4,43% Rio Grande do Sul 4,37% Santa Catarina 2,54% Rio Grande do Norte 2,48% Espírito Santo 2,14% Amazonas 2,06% Sergipe 1,87% Alagoas

Leia mais

Parceria entre Codevasf e Mapa beneficiará irrigantes com apoio

Parceria entre Codevasf e Mapa beneficiará irrigantes com apoio Cerca de 11 mil produtores agrícolas dos projetos públicos de irrigação mantidos pela Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) serão beneficiados com acordo de cooperação

Leia mais

OS DESAFIOS DA GESTÃO HÍDRICA E A IMPLEMENTAÇÃO DE PLANOS DE BACIA

OS DESAFIOS DA GESTÃO HÍDRICA E A IMPLEMENTAÇÃO DE PLANOS DE BACIA OS DESAFIOS DA GESTÃO HÍDRICA E A IMPLEMENTAÇÃO DE PLANOS DE BACIA Fórum Gaúcho de Comitês de Bacias LEI 10.350, DE 30 DE DEZEMBRO DE 1994 Institui o Sistema Estadual de Recursos Hídricos, regulamentando

Leia mais

Bacia do rio Paraíba do Sul & Região Metropolitana do Rio de Janeiro

Bacia do rio Paraíba do Sul & Região Metropolitana do Rio de Janeiro Bacia do rio Paraíba do Sul & Região Metropolitana do Rio de Janeiro Diretoria de Gestão das Águas e do Território - Digat Instituto Estadual do Ambiente - INEA 29 de outubro de 2014 Importância da Bacia

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SANEAMENTO AMBIENTAL EM 29 MUNICÍPIOS NA REGIÃO DO SEMI-ÁRIDO, NORDESTE DO BRASIL

AVALIAÇÃO DO SANEAMENTO AMBIENTAL EM 29 MUNICÍPIOS NA REGIÃO DO SEMI-ÁRIDO, NORDESTE DO BRASIL AVALIAÇÃO DO SANEAMENTO AMBIENTAL EM 29 MUNICÍPIOS NA REGIÃO DO SEMI-ÁRIDO, NORDESTE DO BRASIL Giovanni de Melo Perazzo* UFPE (Universidade Federal de Pernambuco) Mario Takayuki Kato UFPE (Universidade

Leia mais

CONCEITOS FUNDAMENTAIS

CONCEITOS FUNDAMENTAIS CONCEITOS FUNDAMENTAIS José Antonio Tosta dos Reis Departamento de Engenharia Ambiental Universidade Federal do Espírito Santo A palavra HIDROLOGIA é originada das palavras gregas HYDOR (que significa

Leia mais

Recursos Hídricos no Brasil: uma visão estratégica para o semi-árido

Recursos Hídricos no Brasil: uma visão estratégica para o semi-árido Recursos Hídricos no Brasil: uma visão estratégica para o semi-árido José Almir Cirilo Universidade Federal de Pernambuco Secretaria de Recursos Hídricos H de Pernambuco A região semi-árida brasileira

Leia mais

Água e desenvolvimento regional: uma visão geoeconômica. Claudio A. G. Egler Laget UFRJ

Água e desenvolvimento regional: uma visão geoeconômica. Claudio A. G. Egler Laget UFRJ Água e desenvolvimento regional: uma visão geoeconômica Claudio A. G. Egler Laget UFRJ egler@ufrj.br Objetivos propostos Cenários de desenvolvimento do Nordeste; Água como insumo para o desenvolvimento

Leia mais

Racionamento de água. Abril/2017

Racionamento de água. Abril/2017 Racionamento de água Abril/2017 Objetivo da Pesquisa Metodologia Tópicos da Pesquisa Informações técnicas Levantar informações sobre temas importantes no contexto atual dos Pequenos Negócios. TEMA ANALISADO

Leia mais

COMUNICADO Nº 10 30/6/2014

COMUNICADO Nº 10 30/6/2014 GRUPO TÉCNICO DE ASSESSORAMENTO PARA GESTÃO DO SISTEMA CANTAREIRA GTAG - CANTAREIRA COMUNICADO Nº 10 30/6/2014 DESCRITIVO GERAL DA SITUAÇÃO O conjunto de reservatórios Jaguari-Jacareí, Cachoeira e Atibainha

Leia mais

-> A Bacia Hidrográfica do rio Paraopeba, UPGRH SF3 situa-se a sudeste do estado de Minas Gerais e abrange uma área de km2.

-> A Bacia Hidrográfica do rio Paraopeba, UPGRH SF3 situa-se a sudeste do estado de Minas Gerais e abrange uma área de km2. CBH PARAOPEBA -> A Bacia Hidrográfica do rio Paraopeba, UPGRH SF3 situa-se a sudeste do estado de Minas Gerais e abrange uma área de 13.643 km2. -> O rio Paraopeba, tem como seus principais afluentes o

Leia mais

Bacias Hidrográficas Brasileiras. Prof Robert Roc

Bacias Hidrográficas Brasileiras. Prof Robert Roc Bacias Hidrográficas Brasileiras As Bacias Brasileiras Região Hidrográfica Amazônica ORIGEM DA BACIA AMAZÔNICA Com a fragmentação da Gondwana notamos o processo de abertura e depressões das áreas interiores

Leia mais

LEI Nº DE 12 DE MAIO DE 1995

LEI Nº DE 12 DE MAIO DE 1995 Publicada D.O.E. Em 13 e 14/05/1995 LEI Nº 6.855 DE 12 DE MAIO DE 1995 Dispõe sobre a Política, o Gerenciamento e o Plano Estadual de Recursos Hídricos e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais