VIII-Castro-Brasil-1 COMPARAÇÃO ENTRE O TEMPO DE RETORNO DA PRECIPITAÇÃO MÁXIMA E O TEMPO DE RETORNO DA VAZÃO GERADA PELO EVENTO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VIII-Castro-Brasil-1 COMPARAÇÃO ENTRE O TEMPO DE RETORNO DA PRECIPITAÇÃO MÁXIMA E O TEMPO DE RETORNO DA VAZÃO GERADA PELO EVENTO"

Transcrição

1 VIII-Castro-Brasil-1 COMPARAÇÃO ENTRE O TEMPO DE RETORNO DA PRECIPITAÇÃO MÁXIMA E O TEMPO DE RETORNO DA VAZÃO GERADA PELO EVENTO Andréa Souza Castro (1) - Aluna de Doutorado do Programa de Pós-Graduação em Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental da Universidade Federal do Rio Grande do Sul; - Mestre em Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental IPH/UFRGS - Engenheira Agrícola Universidade Federal de Pelotas Joel Avruch Goldenfum (2) - Professor Adjunto do Instituto de Pesquisas Hidráulicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul; - Pós-Doutorado em Engenharia Civil / Hidrologia Urbana - INSA-Lyon - Doutor em Engenharia Civil/Hidrologia Imperial College of Science, Technology and Medicine, University of London - Mestre em Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental IPH/UFRGS - Engenheiro Civil Universidade Federal do Rio Grande do Sul Endereço: Avenida do Forte 958 apto 434 Vila Ipiranga Porto Alegre RS Brasil CEP: Tel.: +55 (51) FAX: (55 51) RESUMO O tempo de retorno é de suma importância para a construção de obras hidráulicas, pois define o risco de uma falha admissível. Sendo assim, esta variável é fundamental para as estimativas de precipitações e vazões máximas. Devido a vários fatores, como condições iniciais de umidade do solo, tipo de solo, cobertura da bacia (vegetação, urbanização ou tipo de plantio), escoamento dos rios e reservatórios, distribuição temporal e espacial da precipitação e influência do lençol freático, é provável que o tempo de retorno da precipitação não seja o mesmo da vazão gerada pelo evento. O objetivo deste trabalho foi comparar os tempos de retorno das precipitações máximas anuais e os tempos de retorno das descargas geradas por estas precipitações. A análise foi feita utilizando dados de precipitações e vazões para duas regiões distintas do Brasil: a bacia Tocantins-Araguaia, que pertence ao estado de Tocantins; e a bacia do Rio Pardo, que pertence ao estado do Rio Grande do Sul. A análise estatística demonstrou que para a bacia do Tocantins- Araguaia a igualdade entre o tempo de retorno da precipitação e o tempo de retorno da vazão só pode ser aceita para baixos níveis de significância, como de 0,1% e 1%. Já para a bacia do Rio Pardo os níveis de aceitação são ainda menores, ficando em 0,03% e 0,39%. PALAVRAS CHAVES Período de retorno, precipitação máxima, vazão de projeto. INTRODUÇÃO Segundo SILVEIRA (2004), tempo de retorno é definido como o número médio de anos o qual se espera que o evento (precipitação e vazão) analisado seja igualado ou superado. O tempo de retorno é fundamental em uma obra hidráulica, pois definirá o risco de uma falha admissível.

2 A vazão máxima é um parâmetro de projeto para diversas estruturas hidráulicas. Ela é definida como um valor associado a um risco de ser igualado ou ultrapassado (TUCCI, 1993). Da mesma forma, a precipitação máxima constitui um valor de precipitação associado a uma probabilidade de não excedência e é determinada com base no risco ou tempo de retorno escolhido para o projeto. As vazões máximas associadas a uma determinada probabilidade de não excedência podem não ser provocadas pelas precipitações máximas com esta mesma probabilidade. O efeito que a precipitação provoca na vazão vai depender de vários fatores, tais como condições iniciais de umidade do solo, tipo de solo, cobertura da bacia (vegetação, urbanização ou tipo de plantio), escoamento dos rios e reservatórios, distribuição temporal e espacial da precipitação e influência do lençol freático na vazão do rio. Por este motivo, o período de retorno da vazão resultante de um evento de chuva não possui necessariamente o mesmo tempo de retorno da precipitação que o gerou. Verificando a importância do tempo de retorno para o projeto de obras hidráulicas, torna-se importante verificar a significância da diferença entre os tempos de retorno da precipitação máxima e tempo de retorno da vazão que foi gerada por esta precipitação. O presente trabalho teve o objetivo de efetuar uma análise estatística para evidenciar se há diferença significativa entre os períodos de retorno de precipitações observadas e das vazões por elas geradas em duas regiões distintas do Brasil. METODOLOGIA Para este estudo foram analisados dados de precipitação e vazão de duas bacias hidrográficas localizada em diferentes regiões do Brasil: nos estados de Tocantins e Rio Grande do Sul. No Tocantins, foram utilizados dados de descarga da sub-bacia do rio Manuel Alves da Natividade (posto Porto Alegre no rio Manuel Alves da Natividade - código ANA: ) que integra a bacia Tocantins-Araguaia. Esta sub-bacia possui área com cerca de km 2 e deságua no rio Tocantins pela sua margem direita. Dados de precipitação foram retirados do posto Porto Alegre do Tocantins (código ANA: ), que possui uma série de dados com 23 anos. No Rio Grande do Sul, foram avaliados dados da bacia do Rio Pardo, que está localizada no centro do estado do Rio Grande do Sul, possuindo uma área de drenagem de 3.749,3 km 2. Nesta bacia foi utilizada a estação pluviométrica de Botucaraí (código ANA: ) e a estação fluviolinimétrica Santa Cruz - Montante (código ANA: ) A análise estatística foi efetuada a partir do ajuste de distribuições de freqüência a séries anuais de valores máximos de precipitação e vazão observados nos postos em análise. Foram utilizadas as distribuições Assintótica de Extremos Tipo I (Gumbel) e Empírica. A partir deste ajuste, tornou-se possível associar valores de períodos de retorno para qualquer evento observado. Foram então selecionados eventos de precipitação máxima anual observada e identificados os valores de vazão máxima gerados na bacia para cada um destes eventos. Para cada valor de precipitação selecionado foi calculado o respectivo período de retorno, utilizando as distribuições ajustadas para a série histórica de precipitações máximas anuais. Da mesma forma, foram calculados os períodos de retorno de cada uma das vazões de pico geradas nas bacias, utilizando as distribuições ajustadas para a série histórica de descargas máximas anuais. Foi então determinada a diferença entre os períodos de retorno da precipitação e da vazão gerada em cada evento. O teste t (Student) foi aplicado à série de valores absolutos das diferenças entre períodos de retorno de precipitação e vazão de um mesmo evento, para verificar se há diferença significativa entre estes valores. Foi adotada a hipótese nula (H 0 ) de não haver diferença significativa entre os períodos de retorno de uma precipitação máxima e da vazão por ela gerada. Foi calculado o nível de significância (α) a partir do qual existe evidência estatística suficiente para aceitar a H 0. Este valor de α representa a probabilidade de ocorrência de uma amostra igual à observada, se a H 0 for observada.

3 RESULTADOS E DISCUSSÃO Os valores de vazões máximas instantâneas observadas no Posto Porto Alegre no rio Manuel Alves da Natividade são apresentadas na tabela 1. Tabela 1: Valores máximos instantâneos das vazões em m 3 /s na estação de Porto Alegre no rio Manuel Alves da Natividade. Ano Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Máx ,3 25,3 49,6 52,5 110, ,6 111,8 107,9 151,7 83,6 30,2 26,3 25,3 98,2 115,7 156,5 165,3 165, ,5 154,1 156,5 146,8 78,8 39,9 29,7 25,3 34,1 64,2 73,9 166,2 172, ,1 214,8 205,1 139,5 93,3 59,3 38,0 29,2 31,1 98,2 78,8 171,1 214, ,8 137,1 124,4 112,8 49,6 35,0 30,2 32,1 44,8 54,5 78,8 114,7 180, ,6 146,8 137,1 141,9 47,2 34,5 30,7 27,7 43,8 35,5 133,2 141,9 146, ,6 78,8 167,2 135,1 41,8 66,6 35,0 29,7 26,3 98,2 148,7 146,8 167, ,5 146,8 112,8 88,5 38,0 32,1 29,2 29,2 49,6 59,3 49,6 69,0 156, ,5 141,9 112,8 117,6 33,1 29,2 25,8 26,8 23,9 52,0 74,9 97,2 224, ,7 136,1 146,8 105,0 44,8 29,7 26,8 26,8 35,0 71,0 57,4 83,6 146, ,5 78,8 139,0 180,8 85,6 33,6 30,2 78,8 35,0 74,9 133,2 151,7 180, ,2 143,9 106,0 117,6 64,2 34,1 31,1 30,2 29,2 66,1 95,3 119,6 143, ,7 148,7 180,8 115,2 51,6 33,1 28,7 27,3 31,1 63,2 88,5 118,6 180, ,1 117,6 217,7 72,9 37,0 30,2 27,3 26,3 28,2 87,5 68,1 175, ,5 109,9 95,3 59,3 48,6 31,1 40,9 33,1 37,0 64,2 47,7 157,5 157, ,9 123,5 140,0 91,4 49,6 31,6 30,2 38,9 54,5 69,0 44,8 130,3 140, ,7 RS/RC RS/RC RS/RC 31,6 27,3 26,3 38,9 37,0 122,5 86, ,8 215,8 73,9 52,0 42,8 28,2 27,3 25,3 33,6 104,0 143, ,9 61,3 86,1 85,1 62,7 27,7 27,3 26,3 35,5 38,9 50,1 81,2 126, ,4 123,5 149,2 119,6 38,4 31,1 28,2 26,3 24,3 25,3 106,9 73,4 149, ,8 134,2 112,8 142,9 84,1 38,9 34,1 32,1 31,1 57,4 81,2 116,2 142, ,3 69,5 107,4 94,3 42,8 33,1 29,7 28,7 27,7 44,3 87,0 105,5 107, ,9 90,4 148,2 87,0 131,2 33,6 31,6 38,0 48,2 51,6 116,2* ,4 Máx. 224,5 215,8 217,7 180,8 131,2 66,6 40,9 78,8 98,2 115,7 156,5 175,9 224,5 OBS: * = estimado; D = duvidoso; branco = real; AC = acumulado; SO = sem observação; RS/RC = régua seca/caída; - = não coletado; Máx = Valor máximo Tabela 1: Valores máximos instantâneos das vazões em m 3 /s na estação de Porto Alegre no rio Manuel Alves da Natividade. Fazendo uma análise dos dados desta tabela verifica-se que os valores máximos absolutos foram observados entre os meses de janeiro e março, enquanto os menores valores absolutos para as descargas ocorrem nos meses de agosto, setembro e outubro. Houve falhas de leitura nos meses de fevereiro e abril de 1991 no posto Porto Alegre localizado no rio Manuel Alves da Natividade, com a anotação de régua seca ou caída (RS/RC). Como estes meses correspondem épocas de cheia para a região, dados de níveis altos foram perdidos, o que prejudica a análise dos valores máximos absolutos observados. Sendo assim os dados deste ano foram descartados. O ano de 1997, também foi descartado devido ao valor estimado de vazão máxima no mês de dezembro. Os valores de vazões máximas anuais utilizados no ajuste de Gumbel e Função empírica para a bacia Tocantins-Araguaia são apresentados na tabela 2. Os dados relativos aos anos de 1988 e 1992 foram complementados utilizando os dados da tabela 1, uma vez que as falhas não ocorrem nos meses críticos.

4 Tabela 2: Valores adotados para análise de freqüência de vazões máximas instantâneas. Ano Qmáx (m 3 /s) 165,26 172,54 214,82 180,81 146,79 167,20 156,51 224,54 146,79 180,81 143,88 Ano Qmáx (m 3 /s) 180,81 217,73 157,48 139,99-215,79 126,87 149,22 142,90 107,43 - Tabela 2: Valores adotados para análise de freqüência de vazões máximas instantâneas. A Figura 1 apresenta o ajuste da distribuição de Gumbel às vazões máximas observadas para a bacia Tocantins-Araguaia. Figura 1: Ajuste da distribuição de Gumbel às vazões máximas instantâneas para a bacia Tocantins-Araguaia. Vazões X Variável Reduzida (Y) Vazões (m 3 /s) Qmáx = 26,813 Y + 150, R2 = 0, ,0-1,0 0,0 1,0 2,0 3,0 4,0 Variável reduzida (Y) Figura 1: Ajuste da distribuição de Gumbel às vazões máximas instantâneas para a bacia Tocantins-Araguaia. Com os dados de precipitação do posto Porto Alegre de Tocantins, foram calculadas as curvas de Intensidade-Duração-Freqüência (Curvas IDF) para local. Para a construção das curvas IDF foi ajustada a distribuição de Gumbel aos maiores valores anuais de precipitação observada. O ajuste da distribuição de Gumbel às precipitações máximas pode ser visualizado através do gráfico apresentado na figura 2. Figura 2: Ajuste da distribuição de Gumbel às precipitações máximas anuais para a bacia Tocantins-Araguaia. 140 Precipitação X Variável Reduzida (Y) Precipitação (mm) P = 15,827 Y + 72,35 R 2 = 0, ,5-1,0-0,5 0,0 0,5 1,0 1,5 2,0 2,5 3,0 3,5 Variável Reduzida Y Figura 2: Ajuste da distribuição de Gumbel às precipitações máximas anuais para a bacia Tocantins-Araguaia.

5 Foi feita uma análise nos dados de precipitação e vazão simultaneamente para identificar qual valor de vazão de pico foi gerado para cada evento de precipitação máxima. A tabela 3 apresenta os valores de precipitação e vazão utilizados, bem como os períodos de retorno (TR) calculados, utilizando os ajustes da distribuição de Gumbel e da distribuição Empírica, e os valores absolutos das diferenças entre estes TR, para cada evento. Tabela 3: Comparação entre tempos de retorno das duas distribuições para a bacia Tocantins- Araguaia. Distribuição Empírica Gumbel Ano TR (Precipitação) TR (Vazão) Diferença (Valor Absoluto) TR (Precipitação) TR (Vazão) Diferença (Valor Absoluto) ,027 1,827 0,800 1,039 1,010 0, ,451 1,558 0,107 1,457 1,000 0, ,357 3,220 1,862 1,423 1,192 0, ,538 8,250 5,288 9,106 1,724 7, ,794 2,209 0,584 3,322 1,021 2, ,799 2,794 1,005 5,510 1,078 4, ,275 13,538 12,263 1,208 1,738 0, ,827 5,933 4,106 1,752 1,631 0, ,000 2,000 0,000 1,936 1,011 0, ,080 1,138 0,058 1,064 1,000 0, ,467 1,080 1,388 2,443 1,000 1, ,714 1,203 36,512 10,387 1,000 9, ,632 4,632 0,000 5,637 1,404 4, ,558 37,714 36,157 1,487 2,177 0, ,203 1,357 0,155 1,139 1,000 0, ,220 3,799 0,579 3,577 1,289 2, ,250 1,275 6,975 7,106 1,000 6, ,682 1,682 0,000 1,597 1,002 0, ,933 2,467 3,465 6,180 1,029 5, ,138 1,451 0,313 1,119 1,000 0, ,209 1,027 1,182 2,419 1,000 1,419 Média 5,371 Média 2,288 desv. Padrão 10,723 desv. Padrão 2,748 Variância 114,982 Variância 7,549 Tabela 3: Comparação entre tempos de retorno das duas distribuições para a bacia Tocantins- Araguaia. O mesmo procedimento foi utilizado na bacia do Rio Pardo. A figura 3 apresenta o ajuste da distribuição de Gumbel às vazões máximas observadas para esta bacia.

6 Figura 3: Ajuste da distribuição de Gumbel às vazões máximas instantâneas para a bacia do Rio Pardo. 300 Vazões X Variável Reduzida (Y) Q máx (m 3 /s) Q máx = 19,235.Y + 216,13 R 2 = 0, ,50-1,00-0,50 0,00 0,50 1,00 1,50 2,00 2,50 3,00 3,50 Variável Reduzida (Y) Figura 3: Ajuste da distribuição de Gumbel às vazões máximas instantâneas para a bacia do Rio Pardo. O ajuste da distribuição de Gumbel às precipitações máximas para a bacia do Rio Pardo, pode ser visualizado através do gráfico apresentado na figura 4. Figura 4: Ajuste da distribuição de Gumbel às precipitações máximas anuais para a bacia do Rio Pardo. Precipitação X Variável Reduzida (Y) Precipitação (mm) P = 21,515.Y + 82,252 R 2 = 0,9805-1,5-1,0-0,5 0,0 0,5 1,0 1,5 2,0 2,5 3,0 3,5 Variável Reduzida (Y) Figura 4: Ajuste da distribuição de Gumbel às precipitações máximas anuais para a bacia do Rio Pardo. A tabela 4 apresenta os valores de precipitação e vazão utilizados, bem como os períodos de retorno (TR) calculados, utilizando os ajustes da distribuição de Gumbel e distribuição Empírica, e os valores absolutos das diferenças entre estes TR, para cada evento na bacia do Rio Pardo.

7 Tabela 4: Comparação entre tempos de retorno das duas distribuições para a bacia do Rio Pardo. Distribuição Empírica Gumbel Ano TR (Precipitação) TR (Vazão) Diferença (Valor Absoluto) TR (Precipitação) TR (Vazão) Diferença (Valor Absoluto) ,5230 1,1245 1, ,5230 1, ,1187 1,0248 0, ,1187 1, ,7788 1,0724 0, ,7788 1, ,4315 1, , ,4315 1, ,1732 1,3166 0, ,1732 1, ,3381 1,4859 2, ,3381 1, ,5501 1,1820 0, ,5501 1, ,0714 1, , ,0714 1, ,8178 1,5879 1, ,8178 1, ,0238 1,8408 0, ,0238 1, ,0691 2,0000 0, ,0691 2, ,2996 2,7009 1, ,2996 2, ,4219 1,7050 7, ,4219 1, ,6768 2,1894 1, ,6768 2, ,7753 2,4184 4, ,7753 2, ,2895 6,4944 1, ,2895 6, ,9204 5,0702 3, ,9204 5, ,1905 3,5244 0, ,1905 3, ,3736 4,1583 2, ,3736 4, , , , , , ,2841 3,0582 0, ,2841 3, ,2331 9,0313 7, ,2331 9, , , , , , , , , , ,2857 Média 7,8167 Média 3,9350 desv. Padrão 13,1344 desv. Padrão 4,7795 Variância 172,5121 Variância 22,8435 Tabela 4: Comparação entre tempos de retorno das duas distribuições para a bacia do Rio Pardo. Para cada distribuição ajustada, foi aplicado o teste t de Student para verificar se ocorreu diferença significativa entre os tempos de retorno da precipitação e da vazão. Considerou-se como hipótese nula que as diferenças absolutas entre as médias do tempo de retorno da precipitação e tempo de retorno da vazão fossem zero (H0: média das diferenças dos TR precipitação - média das diferenças TR vazão = 0). Foram calculados as médias, desvio padrão e variância para as diferenças absolutas. Na bacia Tocantins-Araguaia, para o ajuste efetuado com a distribuição de Gumbel, o valor limite de significância a partir do qual existe evidência estatística suficiente para aceitar a hipótese nula foi de α = 0,05 %. Isto significa que, se a H 0 for válida (ou seja, se não houver diferença estatística significativa entre os períodos de retorno das precipitações e vazões de pico de um mesmo evento), o conjunto de dados observado tem uma probabilidade de ocorrência de 0,05 %. Portanto, só há evidência estatística suficiente para aceitar a hipótese nula para níveis de significância inferiores a 0,05 %. Para o ajuste efetuado com a distribuição Empírica, o valor limite de significância foi de α = 1,6 %. Portanto, só há evidência estatística suficiente para aceitar a hipótese nula para níveis de significância inferiores a 1,6 %. Já na bacia do Rio Pardo, para o ajuste efetuado com a distribuição de Gumbel, o valor limite de significância a partir do qual existe evidência estatística suficiente para aceitar a hipótese nula foi de α = 0,03 %. Para o ajuste efetuado com a distribuição Empírica, o valor limite de significância foi de α = 0,39 %. Portanto, só há evidência estatística suficiente para aceitar a hipótese nula para níveis de significância inferiores a 0,03 % com a adoção da Função de Gumbel e para níveis de significância inferiores a 0,39 % com o uso da distribuição Empírica.

8 CONCLUSÕES Foi efetuada uma análise estatística para verificar se há diferença significativa entre os períodos de retorno de precipitações observadas e das vazões por elas geradas, utilizando dados de duas regiões distintas do Brasil. A diferença entre os tempos de retorno da vazão e precipitação pode ser causada pelas condições iniciais de umidade do solo, tipo de solo, cobertura da bacia (vegetação, urbanização ou tipo de plantio). Estes fatores contribuem diretamente para uma menor ou maior infiltração, influenciando também a recarga do lençol freático. Os dados analisados indicam que a hipótese nula igualdade entre o tempo de retorno da precipitação e o tempo de retorno da vazão de um mesmo evento para o posto da região da bacia Tocantins-Araguaia é aceita para níveis de significância muito pequenos, tanto para adoção da distribuição de Gumbel quanto para a função Empírica. Para esta região, a hipótese nula só é aceita para a função Empírica com níveis de significância inferiores a 1,6 % e para a distribuição de Gumbel com níveis de significância inferiores a 0,05 %. Isto significa que, se a hipótese nula for válida, o conjunto de dados observado tem uma probabilidade de ocorrência muito pequena (equivalente aos níveis de significância calculados). Da mesma forma, para a região da bacia do Rio Pardo, a hipótese nula só e aceita para níveis de significância muito pequenos para ambas distribuições. Nesta bacia, utilizando a função Empírica a hipótese nula só é aceita com níveis de significância inferiores a 0,39 % e para a distribuição de Gumbel com níveis de significância inferiores a 0,03 %. A análise dos dados, utilizando a função Gumbel e Empírica, indica portanto que existe uma diferença significativa entre os tempos de retorno da precipitação e o tempo de retorno da vazão gerada no mesmo evento na região da bacia do Rio Pardo e na bacia Tocantins-Araguaia. AGRADECIMENTOS Os autores deste trabalho agradecem o apoio do CNPq, concedido através de bolsa de Doutorado para a primeira autora (Andréa Souza Castro) e bolsa de Produtividade em Pesquisa para o segundo autor (Joel Avruch Goldenfum). REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. SILVEIRA, A. L. L. Ciclo Hidrológico e Bacia Hidrográfica, in: TUCCI, Carlos Eduardo (coord) Hidrologia: ciência e aplicação. 3. ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS/ABRH. 943 p. 2. TUCCI, C. E. M. Vazão Máxima e Hidrograma de Projeto, in: TUCCI, Carlos Eduardo (coord) Hidrologia: ciência e aplicação. 3. ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS/ABRH. 943 p.

Veracel Celulose S/A Programa de Monitoramento Hidrológico em Microbacias Período: 2006 a 2009 RESUMO EXECUTIVO

Veracel Celulose S/A Programa de Monitoramento Hidrológico em Microbacias Período: 2006 a 2009 RESUMO EXECUTIVO Veracel Celulose S/A Programa de Monitoramento Hidrológico em Microbacias Período: 2006 a 2009 RESUMO EXECUTIVO Alcançar e manter índices ótimos de produtividade florestal é o objetivo principal do manejo

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

Estudo sobre a dependência espacial da dengue em Salvador no ano de 2002: Uma aplicação do Índice de Moran

Estudo sobre a dependência espacial da dengue em Salvador no ano de 2002: Uma aplicação do Índice de Moran Estudo sobre a dependência espacial da dengue em Salvador no ano de 2002: Uma aplicação do Índice de Moran Camila Gomes de Souza Andrade 1 Denise Nunes Viola 2 Alexandro Teles de Oliveira 2 Florisneide

Leia mais

Anexo III Metas Fiscais III.8 Avaliação da Situação Financeira e Atuarial dos Benefícios Assistenciais da Lei Orgânica de Assistência Social LOAS

Anexo III Metas Fiscais III.8 Avaliação da Situação Financeira e Atuarial dos Benefícios Assistenciais da Lei Orgânica de Assistência Social LOAS Anexo III Metas Fiscais III.8 Avaliação da Situação Financeira e Atuarial dos Benefícios Assistenciais da Lei Orgânica de Assistência Social LOAS (Art. 4 o, 2 o, inciso IV, da Lei Complementar n o 101,

Leia mais

Figuras 3 e 4-Chuva Média e observada para o mês de fevereiro, respectivamente

Figuras 3 e 4-Chuva Média e observada para o mês de fevereiro, respectivamente ANÁLISE E PREVISÃO CLIMÁTICA PARA O SEMIÁRIDO E LITORAL LESTE DO RIO GRANDE DO NORTE No monitoramento das chuvas que ocorrem sobre o Estado do Rio Grande do Norte é observado que durante o mês de Janeiro

Leia mais

CARTOGRAFIA DE RISCO

CARTOGRAFIA DE RISCO CARTOGRAFIA DE RISCO Mapa de Perigosidade de Incêndio Florestal e Mapa de Risco de Incêndio Florestal A Carta de Risco de Incêndio Florestal tem como objetivo apoiar o planeamento de medidas de prevenção

Leia mais

AVALIAÇÃO DE UM TANQUE DE DECANTAÇÃO DE SÓLIDOS UTILIZANDO FLUIDODINÂMICA COMPUTACIONAL

AVALIAÇÃO DE UM TANQUE DE DECANTAÇÃO DE SÓLIDOS UTILIZANDO FLUIDODINÂMICA COMPUTACIONAL AVALIAÇÃO DE UM TANQUE DE DECANTAÇÃO DE SÓLIDOS UTILIZANDO FLUIDODINÂMICA COMPUTACIONAL E. F. S. PEREIRA e L. M. N de Gois Universidade Federal da Bahia, Escola Politécnica, Departamento de Engenharia

Leia mais

GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NO DF:

GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NO DF: GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NO DF: RESOLUÇÃO/ADASA Nº. 09, DE 2011 SIMPÓSIO OLHARES SOBRE O MANEJO DE ÁGUAS PLUVIAIS NO DF16 RAFAEL MELLO BRASÍLIA MARÇO/2016 Precipitação (mm) Fonte: ADASA PRECIPITAÇÃO

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

Probabilidade e Estatística

Probabilidade e Estatística Probabilidade e Estatística TESTES DE HIPÓTESES (ou Testes de Significância) Estimação e Teste de Hipóteses Estimação e teste de hipóteses (ou significância) são os aspectos principais da Inferência Estatística

Leia mais

DISTRIBUIÇÕES ESPECIAIS DE PROBABILIDADE DISCRETAS

DISTRIBUIÇÕES ESPECIAIS DE PROBABILIDADE DISCRETAS VARIÁVEIS ALEATÓRIAS E DISTRIBUIÇÕES DE PROBABILIDADES 1 1. VARIÁVEIS ALEATÓRIAS Muitas situações cotidianas podem ser usadas como experimento que dão resultados correspondentes a algum valor, e tais situações

Leia mais

Pressuposições à ANOVA

Pressuposições à ANOVA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA CAMPUS DE JI-PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL Estatística II Aula do dia 09.11.010 A análise de variância de um experimento inteiramente ao acaso exige que sejam

Leia mais

Projeto de Escopo de Trabalho de Estudo Preparatório para o Projeto de Prevenção de Desastres e medidas mitigadoras para Bacia do Rio Itajaí

Projeto de Escopo de Trabalho de Estudo Preparatório para o Projeto de Prevenção de Desastres e medidas mitigadoras para Bacia do Rio Itajaí Anexo 1 Projeto de Escopo de Trabalho de Estudo Preparatório para o Projeto de Prevenção de Desastres e medidas mitigadoras para Bacia do Rio Itajaí 1. Contexto As pessoas que vivem na Bacia do Rio Itajaí

Leia mais

Estudo do comportamento da Dengue na cidade de Araguari- MG por meio de séries temporais.

Estudo do comportamento da Dengue na cidade de Araguari- MG por meio de séries temporais. Estudo do comportamento da Dengue na cidade de Araguari- MG por meio de séries temporais. 1 Introdução Luiz Carlos Costa Júnior 1 Ednaldo Carvalho Guimarães 2 A dengue é uma doença reemergente, e constitui

Leia mais

www.ccee.org.br Nº 009 Setembro/2014 0800 10 00 08

www.ccee.org.br Nº 009 Setembro/2014 0800 10 00 08 www.cceorg.br Nº 009 Setembro/2014 0800 10 00 08 Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia física e

Leia mais

Estudo da produção de leite de caprinos da raça Saanen do IFMG Campus Bambuí

Estudo da produção de leite de caprinos da raça Saanen do IFMG Campus Bambuí Estudo da produção de leite de caprinos da raça Saanen do IFMG Campus Bambuí Larisse PEREIRA 1,2, ; André DuarteVIEIRA 1,3 ; Vanessa Daniella ASSIS 2 ; André Luís da Costa PAIVA 4 ; Rafael Bastos TEIXEIRA

Leia mais

PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO SETEMBRO DE 2014.

PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO SETEMBRO DE 2014. PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO SETEMBRO DE 2014. Os aluguéis de casas e apartamentos na capital paulista ficaram praticamente estabilizados em setembro de 2014, relativamente

Leia mais

1ª) Lista de Exercícios de Laboratório de Física Experimental A Prof. Paulo César de Souza

1ª) Lista de Exercícios de Laboratório de Física Experimental A Prof. Paulo César de Souza 1ª) Lista de Exercícios de Laboratório de Física Experimental A Prof. Paulo César de Souza 1) Arredonde os valores abaixo, para apenas dois algarismos significativos: (a) 34,48 m (b) 1,281 m/s (c) 8,563x10

Leia mais

III-058 - VALOR AGRÍCOLA E COMERCIAL DO COMPOSTO ORGÂNICO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA USINA DE IRAJÁ, MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO

III-058 - VALOR AGRÍCOLA E COMERCIAL DO COMPOSTO ORGÂNICO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA USINA DE IRAJÁ, MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO III-058 - VALOR AGRÍCOLA E COMERCIAL DO COMPOSTO ORGÂNICO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA USINA DE IRAJÁ, MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO Jeferson de Azevedo Químico com Orientação Tecnológica pela Fundação

Leia mais

3 - Bacias Hidrográficas

3 - Bacias Hidrográficas 3 - Bacias Hidrográficas A bacia hidrográfica é uma região definida topograficamente, drenada por um curso d água ou um sistema interconectado por cursos d água tal qual toda vazão efluente seja descarregada

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica 385 AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO E DO MÓDULO DE ELASTICIDADE DO CONCRETO QUANDO SUBMETIDO A CARREGAMENTO PERMANENTE DE LONGA DURAÇÃO (Dt = 9 dias) Wilson Ferreira Cândido 1,5 ;Reynaldo Machado

Leia mais

CAPITULO 5 INFILTRAÇÃO

CAPITULO 5 INFILTRAÇÃO CAPITULO 5 5.6.Exercícios Aplicativos.- INFILTRAÇÃO 1- Calcular o CN médio de uma bacia com área de drenagem de 3,00 Km2, sendo 2 Km2 de solo B e 1 Km2 de solo C, com as seguintes ocupações: - solo B-

Leia mais

Métodos Estatísticos Avançados em Epidemiologia

Métodos Estatísticos Avançados em Epidemiologia Métodos Estatísticos Avançados em Epidemiologia Análise de Variância - ANOVA Cap. 12 - Pagano e Gauvreau (2004) - p.254 Enrico A. Colosimo/UFMG Depto. Estatística - ICEx - UFMG 1 / 39 Introdução Existem

Leia mais

A presença de Outliers interfere no Teste f e no teste de comparações múltiplas de médias

A presença de Outliers interfere no Teste f e no teste de comparações múltiplas de médias A presença de Outliers interfere no Teste f e no teste de comparações múltiplas de médias CHICARELI, L.S 1 ; OLIVEIRA, M.C.N. de 2 ; POLIZEL, A 3 ; NEPOMUCENO, A.L. 2 1 Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

Proposta de ajuste de modelos não lineares na descrição de germinação de sementes de café

Proposta de ajuste de modelos não lineares na descrição de germinação de sementes de café Proposta de ajuste de modelos não lineares na descrição de germinação de sementes de café Iábita Fabiana Sousa 1 Joel Augusto Muniz 1 Renato Mendes Guimarães 2 Taciana Villela Savian 3 1 Introdução Um

Leia mais

Análise Qualitativa no Gerenciamento de Riscos de Projetos

Análise Qualitativa no Gerenciamento de Riscos de Projetos Análise Qualitativa no Gerenciamento de Riscos de Projetos Olá Gerente de Projeto. Nos artigos anteriores descrevemos um breve histórico sobre a história e contextualização dos riscos, tanto na vida real

Leia mais

LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO CORDILHEIRA

LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO CORDILHEIRA LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO CORDILHEIRA (Orientamos aos clientes que utilizam banco de dados SQL, para efetuarem a atualização preferencialmente após o encerramento das atividades do dia, acessando o sistema

Leia mais

Dureza Rockwell. No início do século XX houve muitos progressos. Nossa aula. Em que consiste o ensaio Rockwell. no campo da determinação da dureza.

Dureza Rockwell. No início do século XX houve muitos progressos. Nossa aula. Em que consiste o ensaio Rockwell. no campo da determinação da dureza. A UU L AL A Dureza Rockwell No início do século XX houve muitos progressos no campo da determinação da dureza. Introdução Em 1922, Rockwell desenvolveu um método de ensaio de dureza que utilizava um sistema

Leia mais

Obtenção Experimental de Modelos Matemáticos Através da Reposta ao Degrau

Obtenção Experimental de Modelos Matemáticos Através da Reposta ao Degrau Alunos: Nota: 1-2 - Data: Obtenção Experimental de Modelos Matemáticos Através da Reposta ao Degrau 1.1 Objetivo O objetivo deste experimento é mostrar como se obtém o modelo matemático de um sistema através

Leia mais

3 Metodologia de pesquisa

3 Metodologia de pesquisa 3 Metodologia de pesquisa Esta pesquisa foi concebida com o intuito de identificar como a interação entre o gerenciamento de projetos e o planejamento estratégico estava ocorrendo nas empresas do grupo

Leia mais

RESULTADOS GLOBAIS PRELIMINARES Milhões de Euros

RESULTADOS GLOBAIS PRELIMINARES Milhões de Euros 00 99 DDEE FF EEVVEERREEI IIRROO DDEE 22000099 Estatísticas do Comércio Internacional Novembro de 2008 Comércio Internacional I Saídas diminuem 5,9 e Entradas 1,5 No trimestre terminado em Novembro de

Leia mais

Métricas de Software Importância e Aplicação

Métricas de Software Importância e Aplicação Métricas de Software Importância e Aplicação Mauricio Aguiar PSM Qualified Instructor Presidente da ti MÉTRICAS IFPUG Past President USC Visiting Associate www.metricas.com.br 1 Agenda Definindo e Alcançando

Leia mais

USO DA TERRA E COBERTURA VEGETAL NA BACIA HIDROGRÁFICA DO XIDARINI NO MUNICÍPIO DE TEFÉ-AM.

USO DA TERRA E COBERTURA VEGETAL NA BACIA HIDROGRÁFICA DO XIDARINI NO MUNICÍPIO DE TEFÉ-AM. USO DA TERRA E COBERTURA VEGETAL NA BACIA HIDROGRÁFICA DO XIDARINI NO MUNICÍPIO DE TEFÉ-AM. Selma Coelho de Carvalho- Discente do curso de Geografia da Universidade do Estado do Amazonas - CEST. Bolsista

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

ANÁLISE ESTATÍSTICA DA INFLUÊNCIA DO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO MUNICIPAL NO ÍNDICE DE CRIMINALIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS NO ANO DE 2000.

ANÁLISE ESTATÍSTICA DA INFLUÊNCIA DO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO MUNICIPAL NO ÍNDICE DE CRIMINALIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS NO ANO DE 2000. ANÁLISE ESTATÍSTICA DA INFLUÊNCIA DO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO MUNICIPAL NO ÍNDICE DE CRIMINALIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS NO ANO DE 2000. Charles Shalimar F. da Silva Mestrando em Estatística

Leia mais

BALANÇO HÍDRICO COMO PLANEJAMENTO AGROPECUÁRIO PARA CIDADE DE POMBAL PB, BRASIL

BALANÇO HÍDRICO COMO PLANEJAMENTO AGROPECUÁRIO PARA CIDADE DE POMBAL PB, BRASIL BALANÇO HÍDRICO COMO PLANEJAMENTO AGROPECUÁRIO PARA CIDADE DE POMBAL PB, BRASIL Flaviano Moura Pereira¹; Joelma Viera do Nascimento Duarte²; Jonas da Silva Dias³; Gilberto Campos de Araújo Filho 4. ¹ Mestrando

Leia mais

PRIMEIROS RESULTADOS DA ANÁLISE DA LINHA DE BASE DA PESQUISA DE AVALIAÇÃO DE IMPACTO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

PRIMEIROS RESULTADOS DA ANÁLISE DA LINHA DE BASE DA PESQUISA DE AVALIAÇÃO DE IMPACTO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA PRIMEIROS RESULTADOS DA ANÁLISE DA LINHA DE BASE DA PESQUISA DE AVALIAÇÃO DE IMPACTO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Instituição Executora: Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional CEDEPLAR / UFMG Ministério

Leia mais

TQS - SISEs Parte 10 Fundações em bloco sobre 3 estacas sem baldrame e sobre 1 estaca com baldra

TQS - SISEs Parte 10 Fundações em bloco sobre 3 estacas sem baldrame e sobre 1 estaca com baldra Palavras-chave: SISEs, bloco sobre estacas, pórtico espacial, baldrames. Seguindo o assunto da Interação entre estrutura, fundação e solo, vamos apresentar agora out ras duas possíveis soluções, tendo

Leia mais

Andrea Brígida de Souza Análise de decisão por múltiplos critérios (MCDA) como apoio à tomada de decisão no SUS pela CONITEC.

Andrea Brígida de Souza Análise de decisão por múltiplos critérios (MCDA) como apoio à tomada de decisão no SUS pela CONITEC. MINISTÉRIO DA SAÚDE INSTITUTO NACIONAL DE CARDIOLOGIA COORDENAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MESTRADO PROFISSIONAL EM AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE Andrea Brígida de Souza Análise

Leia mais

Quantificação dos Níveis de Desequilíbrio de Tensão no Sistema de Transmissão no Norte do Brasil

Quantificação dos Níveis de Desequilíbrio de Tensão no Sistema de Transmissão no Norte do Brasil 1 Quantificação dos Níveis de Desequilíbrio de Tensão no Sistema de Transmissão no Norte do Brasil T.T Lima, UnB; G.F. Silva, UnB; O.A.Fernandes, Eletronorte; A.L.F.Filho, UnB; L. F. L. Arão, Eletronorte;

Leia mais

REGIME DE RESPONSABILIDADE AMBIENTAL, SINERGIAS COM A PÓS AVALIAÇÃO

REGIME DE RESPONSABILIDADE AMBIENTAL, SINERGIAS COM A PÓS AVALIAÇÃO REGIME DE RESPONSABILIDADE AMBIENTAL, SINERGIAS COM A PÓS AVALIAÇÃO Sandra de Melo Nobre, Eng.ª Ambiente snobre@ecoservicos.pt ECOserviços - Gestão de Sistemas Ecológicos, Lda. Vila Real, 21 de Outubro

Leia mais

Título do Case: O impacto do layout na agilidade dos processos

Título do Case: O impacto do layout na agilidade dos processos Título do Case: O impacto do layout na agilidade dos processos Categoria: Projetos Externos Temática: Segundo Setor Resumo: O presente case expõe a aplicabilidade de um projeto externo que desafia as acomodações

Leia mais

Características das Bacias Hidrográficas. Gabriel Rondina Pupo da Silveira

Características das Bacias Hidrográficas. Gabriel Rondina Pupo da Silveira Características das Bacias Hidrográficas Gabriel Rondina Pupo da Silveira O que é uma Bacia Hidrográfica? Fonte: DAEE Definição Conjunto de áreas com declividade no sentido de determinada seção transversal

Leia mais

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12 JANEIRO 2,8451 2,7133 2,4903 2,3303 2,1669 1,9859 1,7813 1,6288 1,4527 1,3148 1,1940 1,0684 FEVEREIRO 2,8351 2,6895 2,4758 2,3201 2,1544 1,9676 1,7705 1,6166 1,4412 1,3048 1,1840 1,0584 MARÇO 2,8251 2,6562

Leia mais

LABORATÓRIO DE CONTROLE I SINTONIA DE CONTROLADOR PID

LABORATÓRIO DE CONTROLE I SINTONIA DE CONTROLADOR PID UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO DE CONTROLE I Experimento 6: SINTONIA DE CONTROLADOR PID COLEGIADO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DISCENTES: Lucas Pires

Leia mais

Inteligência Artificial

Inteligência Artificial Inteligência Artificial Aula 7 Programação Genética M.e Guylerme Velasco Programação Genética De que modo computadores podem resolver problemas, sem que tenham que ser explicitamente programados para isso?

Leia mais

A dependência entre a inflação cabo-verdiana e a portuguesa: uma abordagem de copulas.

A dependência entre a inflação cabo-verdiana e a portuguesa: uma abordagem de copulas. A dependência entre a inflação cabo-verdiana e a portuguesa: uma abordagem de copulas. Jailson da Conceição Teixeira Oliveira 1 Murilo Massaru da Silva 2 Robson Oliveira Lima 3 Resumo: Cabo Verde é um

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DOS DADOS METEOROLÓGICOS NAS ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS E CONVENCIONAIS DO INMET EM BRASÍLIA DF.

ANÁLISE COMPARATIVA DOS DADOS METEOROLÓGICOS NAS ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS E CONVENCIONAIS DO INMET EM BRASÍLIA DF. ANÁLISE COMPARATIVA DOS DADOS METEOROLÓGICOS NAS ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS E CONVENCIONAIS DO INMET EM BRASÍLIA DF. Sidney Figueiredo de Abreu¹; Arsênio Carlos Andrés Flores Becker² ¹Meteorologista, mestrando

Leia mais

AULA 4 DELINEAMENTO EM QUADRADO LATINO (DQL)

AULA 4 DELINEAMENTO EM QUADRADO LATINO (DQL) AULA 4 DELINEAMENTO EM QUADRADO LATINO (DQL) Características Utiliza-se de três princípios básicos da experimentação: repetição, casualização e controle local. Possui um controle local mais eficiente que

Leia mais

Experiência: Gestão Estratégica de compras: otimização do Pregão Presencial

Experiência: Gestão Estratégica de compras: otimização do Pregão Presencial Experiência: Gestão Estratégica de compras: otimização do Pregão Presencial Hospital de Clínicas de Porto Alegre Responsável: Sérgio Carlos Eduardo Pinto Machado, Presidente Endereço: Ramiro Barcelos,

Leia mais

ABIH-RJ FECOMÉRCIO- RJ

ABIH-RJ FECOMÉRCIO- RJ 2014 ABIH-RJ FECOMÉRCIO- RJ ANUÁRIO ESTATÍSTICO DA TAXA DE OCUPAÇÃO HOTELEIRA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Pesquisa mensal da ABIH-RJ que visa acompanhar a taxa de ocupação nas unidades de hospedagem da

Leia mais

Coeficiente de Assimetria e Curtose. Rinaldo Artes. Padronização., tem as seguintes propriedades: Momentos

Coeficiente de Assimetria e Curtose. Rinaldo Artes. Padronização., tem as seguintes propriedades: Momentos Coeficiente de Assimetria e Curtose Rinaldo Artes 2014 Padronização Seja X uma variável aleatória com E(X)=µ e Var(X)=σ 2. Então a variável aleatória Z, definida como =, tem as seguintes propriedades:

Leia mais

com Utilização do Código de Barras VERSÃO 04

com Utilização do Código de Barras VERSÃO 04 Layout Padrão de Arrecadação/Recebimento com Utilização do Código de Barras VERSÃO 04 Vigência: a partir de 01.04.2005 não obrigatório manter contato prévio com os bancos G:\SERVBANC\CENEABAN\Padrões\Codbar4-v28052004.doc

Leia mais

Álgebra Linear Aplicada à Compressão de Imagens. Universidade de Lisboa Instituto Superior Técnico. Mestrado em Engenharia Aeroespacial

Álgebra Linear Aplicada à Compressão de Imagens. Universidade de Lisboa Instituto Superior Técnico. Mestrado em Engenharia Aeroespacial Álgebra Linear Aplicada à Compressão de Imagens Universidade de Lisboa Instituto Superior Técnico Uma Breve Introdução Mestrado em Engenharia Aeroespacial Marília Matos Nº 80889 2014/2015 - Professor Paulo

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.127, de 7 de fevereiro de 2011

Instrução Normativa RFB nº 1.127, de 7 de fevereiro de 2011 Instrução Normativa RFB nº 1.127, de 7 de fevereiro de 2011 DOU de 8.2.2011 Dispõe sobre a apuração e tributação de rendimentos recebidos acumuladamente de que trata o art. 12-A da Lei nº 7.713, de 22

Leia mais

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo, Editora Atlas, 2002....

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo, Editora Atlas, 2002.... GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo, Editora Atlas, 2002.... 1 Como encaminhar uma Pesquisa? A pesquisa é um projeto racional e sistemático com objetivo de proporcionar respostas

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISA - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000

DIRETORIA DE PESQUISA - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000 DIRETORIA DE PESQUISA - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000 Nota metodológica nº 21 Margem de Transporte e Comércio (versão para informação e

Leia mais

AULA 07 Distribuições Discretas de Probabilidade

AULA 07 Distribuições Discretas de Probabilidade 1 AULA 07 Distribuições Discretas de Probabilidade Ernesto F. L. Amaral 31 de agosto de 2010 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução à estatística. 10 ª ed. Rio de Janeiro:

Leia mais

Modelos de Regressão Linear Simples - Erro Puro e Falta de Ajuste

Modelos de Regressão Linear Simples - Erro Puro e Falta de Ajuste Modelos de Regressão Linear Simples - Erro Puro e Falta de Ajuste Erica Castilho Rodrigues 2 de Setembro de 2014 Erro Puro 3 Existem dois motivos pelos quais os pontos observados podem não cair na reta

Leia mais

ANEXO 6 Análise de Antropismo nas Unidades de Manejo Florestal

ANEXO 6 Análise de Antropismo nas Unidades de Manejo Florestal ANEXO 6 Análise de Antropismo nas Unidades de Manejo Florestal Análise de imagens processadas pelo sistema DETEX e PRODES para detecção de desmatamento e da intervenção seletiva nas Unidades de Manejo

Leia mais

Testes de Hipóteses Estatísticas

Testes de Hipóteses Estatísticas Capítulo 5 Slide 1 Testes de Hipóteses Estatísticas Resenha Hipótese nula e hipótese alternativa Erros de 1ª e 2ª espécie; potência do teste Teste a uma proporção; testes ao valor médio de uma v.a.: σ

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE SENSORES CAPACITIVOS PARA MEDIR UMIDADE DO SOLO.

UTILIZAÇÃO DE SENSORES CAPACITIVOS PARA MEDIR UMIDADE DO SOLO. UTILIZAÇÃO DE SENSORES CAPACITIVOS PARA MEDIR UMIDADE DO SOLO. Silveira, Priscila Silva; Valner Brusamarello. Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS Av. Osvaldo Aranha, 103 - CEP: 90035-190 Porto

Leia mais

A dissertação é dividida em 6 capítulos, incluindo este capítulo 1 introdutório.

A dissertação é dividida em 6 capítulos, incluindo este capítulo 1 introdutório. 1 Introdução A escolha racional dos sistemas estruturais em projetos de galpões industriais é um fator de grande importância para o desenvolvimento de soluções padronizadas e competitivas. No mercado brasileiro

Leia mais

Hóspedes, dormidas e proveitos mantêm crescimento significativo

Hóspedes, dormidas e proveitos mantêm crescimento significativo Atividade Turística Julho de 20 15 de setembro de 20 Hóspedes, dormidas e proveitos mantêm crescimento significativo A hotelaria registou 5,8 milhões de dormidas em julho de 20, valor correspondente a

Leia mais

Tadeu Corrêa Pinheiro. Orientador: Prof. Dr. Gilberto Pessanha Ribeiro

Tadeu Corrêa Pinheiro. Orientador: Prof. Dr. Gilberto Pessanha Ribeiro Tadeu Corrêa Pinheiro Orientador: Prof. Dr. Gilberto Pessanha Ribeiro 1 Tópicos 1. Introdução 2. Fundamentação teórica 3. Desenvolvimento do trabalho - Metodologia 4. Apresentação dos resultados 5. Análise

Leia mais

Análise espacial do prêmio médio do seguro de automóvel em Minas Gerais

Análise espacial do prêmio médio do seguro de automóvel em Minas Gerais Análise espacial do prêmio médio do seguro de automóvel em Minas Gerais 1 Introdução A Estatística Espacial é uma área da Estatística relativamente recente, que engloba o estudo dos fenômenos em que a

Leia mais

INFORMATIVO VALOR VENAL

INFORMATIVO VALOR VENAL INFORMATIVO VALOR VENAL IPTU 2015 ESCLARECIMENTOS SOBRE A NECESSIDADE DE ABERTURA OU NÃO DO PROCESSO DE IMPUGNAÇÃO DE VALOR VENAL SR. CONTRIBUINTE ANTES DE ABRIR PROCESSO, LEIA OS ESCLARECIMENTOS ABAIXO:

Leia mais

REGIME HIDROLÓGICO DO RIO MUNDAÚ ALAGOAS.

REGIME HIDROLÓGICO DO RIO MUNDAÚ ALAGOAS. REGIME HIDROLÓGICO DO RIO MUNDAÚ ALAGOAS. MORAES; J. C 1 ; OLIVEIRA; M. C. F 2. ; COSTA; M.C.; 3 RESUMO Este trabalho apresenta o regime hidrológico do Rio Mundaú, na estação fluviométrica da Fazenda Boa

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA DO CAFÉ TORRADO E MOÍDO

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA DO CAFÉ TORRADO E MOÍDO SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA DO CAFÉ TORRADO E MOÍDO Janeiro 2016 Substituição Tributária do Café Torrado e Moído Introdução Em função das modificações promovidas pela Lei Complementar n.º 147/2014 no Estatuto

Leia mais

Métodos Estatísticos Avançados em Epidemiologia

Métodos Estatísticos Avançados em Epidemiologia Métodos Estatísticos Avançados em Epidemiologia Análise de Sobrevivência - Conceitos Básicos Enrico A. Colosimo Departamento de Estatística Universidade Federal de Minas Gerais http://www.est.ufmg.br/

Leia mais

F.17 Cobertura de redes de abastecimento de água

F.17 Cobertura de redes de abastecimento de água Comentários sobre os Indicadores de Cobertura até 6 F.17 Cobertura de redes de abastecimento de água Limitações: Requer informações adicionais sobre a quantidade per capita, a qualidade da água de abastecimento

Leia mais

Ajuste de um modelo de TRI aos dados do vestibular 2011.2 do curso de Administração Noturno da Universidade Federal de Uberlândia

Ajuste de um modelo de TRI aos dados do vestibular 2011.2 do curso de Administração Noturno da Universidade Federal de Uberlândia Ajuste de um modelo de TRI aos dados do vestibular 20.2 do curso de Administração Noturno da Universidade Federal de Uberlândia José Waldemar da Silva 2 Mirian Fernandes Carvalho Araújo 2 Lucio Borges

Leia mais

Capítulo 3. Período de retorno

Capítulo 3. Período de retorno Capítulo 3 Período de retorno Engenharia = matemática + bom senso Prof. Marmo, curso Anglo-Latino, 1961 3-65 SUMÁRIO Ordem Assunto 3.1 Introdução 3.2 Risco e freqüência 3.3 Freqüência 3.4 Risco e incerteza

Leia mais

SICEEL. Simpósio de Iniciação Científica da Engenharia Elétrica. Edital de Abertura

SICEEL. Simpósio de Iniciação Científica da Engenharia Elétrica. Edital de Abertura EESC - Escola de Engenharia de São Carlos UFSCar - Universidade Federal de São Carlos SICEEL Simpósio de Iniciação Científica da Engenharia Elétrica Edital de Abertura São Carlos, 17 de Agosto de 2015

Leia mais

AULA 11 Experimentos Multinomiais e Tabelas de Contingência

AULA 11 Experimentos Multinomiais e Tabelas de Contingência 1 AULA 11 Experimentos Multinomiais e Tabelas de Contingência Ernesto F. L. Amaral 24 de setembro de 2012 Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas (FAFICH) Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Leia mais

Escoamento Superficial Curva-Chave

Escoamento Superficial Curva-Chave Universidade de São Paulo PHA 3307 Hidrologia Aplicada Escola Politécnica da Departamento de Engenharia Hidráulica e Ambiental Escoamento Superficial Curva-Chave Aula 9 Prof. Dr. Arisvaldo Méllo Prof.

Leia mais

ANOVA. (Analysis of Variance) Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

ANOVA. (Analysis of Variance) Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior ANOVA (Analysis of Variance) Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Para que serve a ANOVA? Para comparar três ou mais variáveis ou amostras. Por exemplo, queremos testar os efeitos cardiorrespiratórios

Leia mais

IV-066 - SISTEMATIZAÇÃO DE DADOS PLUVIOMÉTRICOS PARA A REGIÃO DO MUNICÍPIO DE JOINVILLE/SC

IV-066 - SISTEMATIZAÇÃO DE DADOS PLUVIOMÉTRICOS PARA A REGIÃO DO MUNICÍPIO DE JOINVILLE/SC IV-066 - SISTEMATIZAÇÃO DE DADOS PLUVIOMÉTRICOS PARA A REGIÃO DO MUNICÍPIO DE JOINVILLE/SC Willians Cesar Benetti (1) Acadêmico do Curso de Engenharia Civil, Bolsista PROBIC/UDESC. Centro de Ciências Tecnológicas

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ ESCOLAR. Ano Letivo 2014/2015-1.º Período

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ ESCOLAR. Ano Letivo 2014/2015-1.º Período Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços da Região Centro RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ ESCOLAR Ano Letivo 04/05 -.º Período A Coordenadora Francisca Oliveira

Leia mais

Pós-Graduação em Computação Distribuída e Ubíqua

Pós-Graduação em Computação Distribuída e Ubíqua Pós-Graduação em Computação Distribuída e Ubíqua INF612 - Aspectos Avançados em Engenharia de Software Engenharia de Software Experimental [Head First Statistics] Capítulos 10, 11, 12 e 13 [Experimentation

Leia mais

Primeiro Debate sobre a Questão da Água do Nordeste

Primeiro Debate sobre a Questão da Água do Nordeste Primeiro Debate sobre a Questão da Água do Nordeste Sessão IV: A Bacia do rio São Francisco. Origem das Águas. Regime Fluvial. Disponibilidades. Risco de Mudanças CGEE / ANA Brasília Agosto de 2008 Giovanni

Leia mais

Propriedades Geotécnicas das Argilas Moles da Estrada de Transporte de Equipamentos Pesados do COMPERJ

Propriedades Geotécnicas das Argilas Moles da Estrada de Transporte de Equipamentos Pesados do COMPERJ Propriedades Geotécnicas das Argilas Moles da Estrada de Transporte de Equipamentos Pesados do COMPERJ Rubenei Novais Souza Petróleo Brasileiro S.A., Rio de Janeiro, Brasil, rubenei@petrobras.com.br Tales

Leia mais

PESQUISA DO MERCADO IMOBILIÁRIO EM BELO HORIZONTE: ALUGUÉIS

PESQUISA DO MERCADO IMOBILIÁRIO EM BELO HORIZONTE: ALUGUÉIS PESQUISA DO MERCADO IMOBILIÁRIO EM BELO HORIZONTE: ALUGUÉIS Março de 2015 APRESENTAÇÃO DA PESQUISA Esta pesquisa é realizada pela Fundação IPEAD/UFMG com o apoio da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte

Leia mais

A presente Instituição aderiu ao Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para os Fundos de Investimento. CARACTERÍSTICAS HG Verde Fundo de Investimento Multimercado FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS

Leia mais

Gerenciamento do Escopo do Projeto (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento do Escopo do Projeto (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento do Escopo do Projeto (PMBoK 5ª ed.) De acordo com o PMBok 5ª ed., o escopo é a soma dos produtos, serviços e resultados a serem fornecidos na forma de projeto. Sendo ele referindo-se a: Escopo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE MATERIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE MATERIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE MATERIAIS P 2 CEM PLANO DE ENSINO DAS DISCIPLINAS PESQUISA I A PESQUISA VII

Leia mais

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA DE CAMPO GRANDE

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA DE CAMPO GRANDE PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA DE CAMPO GRANDE DIVULGAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE DRENAGEM Relatório R12 Dezembro de 2009 CONSÓRCIO RES Planejamento em Drenagem Urbana Consultoria Ambiental PREFEITURA MUNICIPAL

Leia mais

Pesquisa Nacional de Tráfego

Pesquisa Nacional de Tráfego Pesquisa Nacional de Tráfego Secretaria de Política Nacional de Transportes Departamento de Informações em Transportes DEINT Junho de 2015 Ministério dos Transportes Agenda 1. Processo de Planejamento

Leia mais

DECISÃO Nº 45, DE 8 DE MAIO DE 2015.

DECISÃO Nº 45, DE 8 DE MAIO DE 2015. DECISÃO Nº 45, DE 8 DE MAIO DE 2015. Reajusta os tetos das tarifas aeroportuárias aplicáveis ao Contrato de Concessão do Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro/Galeão Antônio Carlos Jobim, localizado

Leia mais

Efeitos da adubação nitrogenada de liberação lenta sobre a qualidade de mudas de café

Efeitos da adubação nitrogenada de liberação lenta sobre a qualidade de mudas de café Efeitos da adubação nitrogenada de liberação lenta sobre a qualidade de mudas de café Gabriel Avelar LAGE 1 ; Sheila Isabel do Carmo PINTO²; Iul Brinner Expedito de SOUZA³; Marcus Vinicius SANTOS 3 ; Guilherme

Leia mais

O ESTILO DE VIDA E A PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA DOS FUNCIONÁRIOS DA REITORIA / UFAL PARTICIPANTES DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL

O ESTILO DE VIDA E A PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA DOS FUNCIONÁRIOS DA REITORIA / UFAL PARTICIPANTES DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL O ESTILO DE VIDA E A PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA DOS FUNCIONÁRIOS DA REITORIA / UFAL PARTICIPANTES DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL ANDRÉA BENTO DOS SANTOS¹ CASSIO HARTMANN² (1)GRADUADA EM EDUCAÇÃO FÍSICA

Leia mais

ANUÁRIO ESTATÍSTICO DA TAXA DE OCUPAÇÃO HOTELEIRA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

ANUÁRIO ESTATÍSTICO DA TAXA DE OCUPAÇÃO HOTELEIRA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO 2012 ABIH-RJ FECOMÉRCIO-RJ ANUÁRIO ESTATÍSTICO DA TAXA DE OCUPAÇÃO HOTELEIRA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Pesquisa mensal da ABIH-RJ que visa acompanhar a taxa de ocupação nas unidades de hospedagem da

Leia mais

AVISO DE EDITAL Nº 001/2010

AVISO DE EDITAL Nº 001/2010 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE ENGENHARIA CIVIL PROGRAMA DE PÓS-GRADUÇÃO STRICTO SENSU EM ENGENHARIA CIVIL - MESTRADO - AVISO DE EDITAL Nº 001/2010 A Coordenadoria do Programa

Leia mais

Prof. Michel Sadalla Filho

Prof. Michel Sadalla Filho MECÂNICA APLICADA Prof. Michel Sadalla Filho MOMENTO DE UMA FORÇA + EQUILÍBRIO DE UMA BARRA (No Plano XY) Referência HIBBELER, R. C. Mecânica Estática. 10 ed. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2005,

Leia mais

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016 Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado do Paraná Safra 2016/2017 Mar/16 0,6048 0,6048 0,6048 66,04 73,77 Abr 0,6232 0,6232 0,5927 64,72 72,29 Mai 0,5585 0,5878 0,5868

Leia mais

PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLE NCIA DO CONSUMIDOR - PEIC

PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLE NCIA DO CONSUMIDOR - PEIC PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLE NCIA DO CONSUMIDOR - PEIC CAMPO GRANDE - MS MARÇO/2016 SUMÁRIO Histórico da PEIC... 3 Tabela 1 - Nível de endividamento... 4 Tabela 2 - Tipo de dívida... 5 Tabela

Leia mais

IMPACTO DA ATIVIDADE FISCALIZATÓRIA SOBRE A MELHORIA DA QUALIDADE NA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO PÚBLICO DE DRENAGEM URBANA NO DISTRITO FEDERAL

IMPACTO DA ATIVIDADE FISCALIZATÓRIA SOBRE A MELHORIA DA QUALIDADE NA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO PÚBLICO DE DRENAGEM URBANA NO DISTRITO FEDERAL IMPACTO DA ATIVIDADE FISCALIZATÓRIA SOBRE A MELHORIA DA QUALIDADE NA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO PÚBLICO DE DRENAGEM URBANA NO DISTRITO FEDERAL Carolinne Isabella Dias Gomes (1) Possui Bacharelado e Licenciatura

Leia mais

MODELO DE ANÁLISE E PRIORIZAÇÃO DE RISCOS PELOS PATROCINADORES DO PROJETO

MODELO DE ANÁLISE E PRIORIZAÇÃO DE RISCOS PELOS PATROCINADORES DO PROJETO ISSN 1984-9354 MODELO DE ANÁLISE E PRIORIZAÇÃO DE RISCOS PELOS PATROCINADORES DO PROJETO Matheus Curty de Figueiredo (LATEC / UFF) Resumo: Neste trabalho é proposto um modelo para auxiliar os patrocinadores/sponsors

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRZ4012 EDITAL Nº 005/2010 1. Perfil: TR 007/2010-CGS - CIÊNCIAS SOCIAIS APLICÁVEIS 3. Qualificação educacional: Graduação na área de CIÊNCIAS SOCIAIS

Leia mais

e-flation Índice de Inflação na Internet

e-flation Índice de Inflação na Internet e-flation Índice de Inflação na Internet 2013 TODOS OS DIREITOS RESERVADOS À FELISONI CONSULTORES ASSOCIADOS E AO PROVAR - Programa de Administração de Varejo da FIA - Fundação Instituto de Administração.

Leia mais